You are on page 1of 9

Apresentação da Disciplina

Caro(a) estudante, Bem-vindo(a) à disciplina Climatologia do curso de Licenciatura em Geografia na modalidade a distância, oferecida pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco (IFPE). Esta disciplina está subdividida em seis aulas, que tratam dos assuntos essenciais à formação do professor de Geografia. Em nossa primeira aula, iremos abordar os conceitos básicos para o entendimento da dinâmica do clima da Terra. Faremos, inicialmente, uma apresentação dos diversos campos da Climatologia, bem como a diferenciação entre a Climatologia e a Meteorologia, onde esclareceremos seus distintos objetivos e aplicações. Além disso, abordaremos a interação dos sistemas naturais atmosfera – superfície terrestre. Sem o entendimento de como ocorre tal interação, qualquer tentativa de compreensão do funcionamento da dinâmica atmosférica será infrutífera. Na aula seguinte – a aula 2 –, aprofundaremos o assunto atmosfera e, desta feita, explicaremos quais são os principais elementos químicos que participam da sua composição, a estrutura em camadas e suas respectivas propriedades. Na aula 03, serão analisados os elementos e fatores que influenciam o clima. Os elementos climáticos são os próprios aspectos que formam o clima do planeta: a umidade, a temperatura e a pressão atmosférica. Cada um será abordado à luz do arcabouço teórico conceitual claro e conciso, sem perder de vista a linguagem científica, indispensável para a formação do licenciado. Em seguida, nesta mesma aula, trataremos dos fatores geográficos que interferem na dinâmica climática do planeta. Assim, serão analisados, enquanto fatores que influenciam e interferem nos elementos climáticos, a latitude, a altitude, as massas de ar, as correntes marítimas, dentre outros, que, em interação com os elementos do clima, interferem no sistema atmosférico local ou regionalmente. Na aula 04, abordaremos os principais modelos de classificação climática. Serão destacados os pontos relevantes em termos de aplicação, clareza e finalidade de cada classificação apresentada. Na aula 05, como continuação da discussão apresentada nas aulas anteriores, veremos os tipos climáticos

Climatologia

7

UAB

Contudo. Destacaremos que a enorme extensão territorial brasileira. mas como um campo muito recente das pesquisas científicas. UAB 8 Licenciatura em Geografia . de alguns aspectos que podem incitá-lo(a) a buscar outros materiais para aprofundamento da leitura sobre os assuntos aqui abordados. Ao longo dos textos. sobre mudanças climáticas demanda investigação de um lapso temporal nem sempre compatível com os dados e instrumentos de análise disponíveis no momento. Encerrando esta aula. sugerimos que explore a internet como meio de busca de ricos artigos. tendo por base a influência da dinâmica das massas de ar. sucintamente. Aproveite-os bem e faça ótimo uso deste material. associada à sua localização geográfica predominantemente tropical. As referências bibliográficas que serviram de apoio à construção deste material didático devem. Esperamos que as análises e a discussão aqui apresentadas contribuam para instigar a sua curiosidade para a Climatologia como tema fundamental na formação acadêmica em Geografia. mas sobre qualquer outra temática do curso de Geografia. na aula 06. constitui quadro de referência importante na compreensão da diversidade climática e paisagística do território brasileiro. Apresentaremos. visto que qualquer conclusão científica mais aprofundada sobre o clima e. ainda. Ademais. como forma de aprofundar seus conhecimentos sobre o campo de estudos da Climatologia e servir de suporte para futuras intervenções profissionais que demandarão revisão de bases conceituais. uma breve discussão sobre o campo de incertezas que paira no meio acadêmico sobre tal assunto. na medida do possível. veremos as mudanças climáticas que marcam a dinâmica atmosférica atual e chamaremos a atenção para as mudanças climáticas em tempos pretéritos e seus principais indicadores. tem-se o cuidado de tratar desse assunto não como uma verdade absoluta. Por fim. analisaremos o El Niño e o processo de desertificação. ser adquiridas pelo aluno.que ocorrem no Brasil. dois temas de absoluta importância no quadro das mudanças climáticas atuais. há ainda seções que tratam. dissertações e teses não apenas sobre esse assunto. O material é também acompanhado de atividades com exercícios. mais ainda. em que a ecodiplomacia e a ciência nem sempre dão conta de esclarecer a realidade. O tema do aquecimento global é apreciado com bastante ênfase no papel dos gases de efeito estufa no provável aumento da temperatura global.

Introdução – O campo de estudo e atuação da Climatologia A Climatologia é uma das ciências da natureza e o seu estudo é de extrema relevância no amplo campo das ciências ambientais. Nesse sentido. Para Ayoade (2004). – Subdivisões da Climatologia. faremos inicialmente uma apresentação dos diversos campos de estudo e aplicações da Climatologia. Outro objetivo desta aula consiste em abordar a interação dos sistemas naturais atmosfera – superfície terrestre.Aula 1 Objetivos Nesta aula. Climatologia 11 UAB . principalmente na biosfera. estes ambientes não se sobrepõem uns aos outros. os processos atmosféricos influenciam os processos nas outras partes do ambiente. – Diferença entre tempo e clima. 1). bem como a diferenciação entre a Climatologia e a Meteorologia. onde esclarecemos seus distintos objetivos e aplicações. Assuntos – Campos de estudo da Climatologia. mas permanecem em constante troca de energia entre si e não podem ser ignorados no estudo da Climatologia (Fig. hidrosfera e litosfera. Da mesma forma. abordaremos os conceitos básicos para o entendimento da dinâmica do clima da Terra.

Como podemos ver na figura acima. bem como sua medição e monitoramento por meio de distintos recursos tecnológicos. pois envolve equipamentos muitas vezes de última geração e. como não deveria deixar de ser. O trabalho de campo. depende da observação direta dos fenômenos. principalmente próximo da superfície. através de suas várias interações. ocorrendo na natureza por meio da decomposição química e da desagregação física da rocha. Assim. Esta é uma área do conhecimento científico extremamente instigante e. numa área submetida ao clima úmido. 1 Intemperismo ou meteorização é um dos agentes externos do relevo terrestre. a abordagem feita aqui está voltada para a formação do licenciado em Geografia. de acesso a poucas instituições de pesquisa. ele influencia as rochas através do intemperismo1 e os agentes externos do relevo são basicamente controlados pelas condições climáticas. é influenciado pelos elementos naturais e humanos. O clima. Desse modo. ao passo que. isto é. O clima influencia diretamente as plantas. os animais (incluindo o homem) e o solo. numa área seca. ocorre uma interação direta entre todos os seus constituintes. portanto. antecedido de hipóteses e objetivos bem formulados sobre o que se pretende investigar. há que se recorrer a dois expedientes: o uso de instrumental artificial e a observação de indicadores e indícios de processos em sua evolução temporal.Figura 1 – O tempo e o clima inseridos nas ciências ambientais. predomina o intemperismo físico. nossos próprios sentidos. De acordo com Azevedo (2005). Essa observação instrumental é bastante custosa. prevalece o intemperismo químico. diretamente associadas às condições climáticas reinantes no ambiente. UAB 12 Licenciatura em Geografia . o fato de o objeto de estudo da Climatologia ser essencialmente abstrato e não poder ser integralmente apreendido pelo instrumental sensorial próprio do ser humano.

seria um conjunto de elementos que caracterizam um instante. Dessa forma. a Meteorologia estuda as condições momentâneas da atmosfera no que se refere ao seu estado físico. faz-se necessário distinguir e compreender estes dois ramos da ciência atmosférica. Um ecossistema com uma quantidade elevada de matéria orgânica (biomassa). umidade (precipitação. nebulosidade. Então. observa-se uma forte ligação entre as relações da sociedade e da natureza como pressuposto para a compreensão das diferentes paisagens do planeta. dinâmico e químico e às interações entre eles e a superfície terrestre subjacente. O tempo pode ser definido como o estado da atmosfera em um determinado momento e local.) e pressão (ventos). Apenas a partir do século XIII é que esta ciência incorporou princípios de lógica e método. nuvens. no mínimo. sendo seguida de fragmentação de ramos específicos de cada ciência. possui uma capacidade distinta de interagir com a atmosfera. Esses fatos permitem afirmar que cada superfície com vida ou parte da biosfera. O tempo é outro conceito que causa confusão com o clima. por exemplo. p. como uma floresta tropical. Saiba mais Interação biosfera e atmosfera A atmosfera atual tem uma concentração de gases que é mantida pelas atividades biológicas na biosfera. vale salientar que. sob a forma de calor. temperatura. sendo. assim. para determinar um tipo de clima. Uma floresta tropical e um campo ou a superfície dos oceanos. Para esses autores. Essa interrelação se dá em diferentes escalas. em um domínio espacial determinado. etc. tendo como objetivo o estudo dos fenômenos isolados da atmosfera (raios. seja ele local. (CONTI. tais como radiação (insolação). podemos afirmar que o clima da Zona da Mata do Nordeste brasileiro é do tipo Tropical Úmido. Climatologia 13 UAB . FURLAN. absorve grandes quantidades de energia e devolve à atmosfera. trovões.Climatologia e Meteorologia Inicialmente. De acordo com Ayoade (2004). composição físico-química do ar. Assim. com chuvas de outono – inverno. Outro exemplo da interrelação do clima com a biosfera refere-se à quantidade de energia absorvida e devolvida à atmosfera. sejam rochas expostas. Mendonça e Danni-Oliveira (2007) abordam a Climatologia com enfoque na paisagem geográfica. a partir de estudos individualizados de cada área de conhecimento. é necessário um estudo do comportamento da atmosfera num intervalo de tempo de. 2000. entre outros) e do tempo atmosférico. Desse modo. esse ramo do conhecimento se enquadra na área das ciências naturais. Nesse sentido. 30 anos. a síntese do tempo num determinado lugar durante um período de 30 a 35 anos de observações. De acordo com a Organização Meteorológica Mundial (OMM). a Climatologia está definida como um estudo de padrões de comportamento da atmosfera em suas interações com as atividades humanas e com a superfície do planeta durante um longo período de tempo. uma quantidade dessa energia menor do que a devolvida por um deserto. regional ou global. 71 – 72). produzem e consomem volumes diferentes de O2 e CO2 no processo da fotossíntese. o clima é definido como um conjunto flutuante de condições atmosféricas caracterizadas pelos estados e evolução do tempo no curso de um período suficientemente longo. mares ou desertos.

Pode-se dizer que os elementos climáticos são os aspectos naturais que compõem o clima. enquanto que o climatólogo aplica. O clima resulta da interação dos elementos com os fatores climáticos. Assim. Por isso mesmo é fácil detectar modificações no tempo. portanto. no mínimo. que são: a latitude. Na aula 03. dependendo justamente da interferência dos fatores climáticos. Apesar de que um estudo deve complementar o outro. a Meteorologia deve incorporar tanto o estudo do tempo quanto o do clima e. Climatologia regional – é a descrição dos climas em áreas selecionadas da Terra. porém difícil demonstrar alterações no clima. sendo que possui maior ligação com as Ciências Humanas do que as Naturais. os elementos. É preciso. então. UAB 14 Licenciatura em Geografia . Dependendo do objetivo para o qual o estudo for dirigido. (CONTI. O meteorologista utiliza leis da física clássica e faz uso da linguagem da matemática para compreender os processos atmosféricos. são imprescindíveis os dados da Meteorologia. variam espacial e temporalmente em decorrência da influência dos fatores climáticos. Porém. trinta anos de observações.Área da Climatologia no campo do conhecimento científico. principalmente. a umidade e a pressão atmosférica. FURLAN. estas ciências utilizam distintas técnicas e métodos. podemos sintetizar que o meteorologista estuda o tempo. com mudanças diárias e até horárias. técnicas estatísticas sobre os dados obtidos do clima. procurar distingui-los corretamente. a vegetação. ao passo que a segunda se define por padrões estabelecidos após. a altitude. Figura 2 . eles se apresentam na atmosfera com maior ou menor intensidade. Em outras palavras. A Climatologia situa-se entre as Ciências Humanas (Geografia) e as Ciências Naturais (Meteorologia e a Física). a Climatologia está subdividida em distintos ramos ou níveis de abordagens. os elementos e os fatores climáticos serão explicados de forma detalhada. enquanto que o climatólogo estuda o clima. a continentalidade. A primeira corresponde a uma situação transitória da atmosfera. as correntes marítimas. em suas diferentes manifestações. São eles: a temperatura. 2000). a maritimidade. principalmente em escala global. para legitimar os dados do clima. as massas de ar e as atividades humanas. apresentando. um perfil relativamente estável. pelo menos. conforme aponta Ayoade (2004): 1.Saiba mais O tempo e o clima são duas noções bem distintas. Apesar da similaridade entre a Climatologia e Meteorologia.

Climatologia aplicada – enfatiza a aplicação do conhecimento climatológico e dos princípios climatológicos nas soluções dos problemas práticos que afetam a humanidade. Escalas de estudos em Climatologia Em qualquer área de conhecimento. 1). As escalas espaciais ganham maior destaque na abordagem geográfica do clima. a fatores astronômicos e fatores geográficos (grandes divisões do Climatologia 15 UAB . Climatologia sinótica – é o estudo do tempo e  do clima em uma área com relação ao padrão de circulação atmosférica predominante. A seguir.Macroclima: é a maior das unidades climáticas e compreende áreas muito extensas na superfície da Terra e com movimentos atmosféricos em larga escala que afetam o clima do planeta. genericamente. essencialmente. assim. uma nova abordagem para a Climatologia regional. Neste. sendo as mais conhecidas as escalas macroclimática. o estudo da escala procura delimitar a sua dimensão para uma melhor compreensão espaço-temporal do objeto a ser investigado. 6. Climatologia dinâmica – enfatiza os movimentos atmosféricos em várias escalas. As escalas temporais mais utilizadas são as escalas geológica. superior à ordem de milhões de km2. histórica e contemporânea (Tab. A Climatologia sinótica é. 4. a escala climática diz respeito à dimensão ou à ordem de grandeza espacial (extensão) e temporal (duração). De acordo com Mendonça e Danni-Oliveira (2007). estão apresentadas as subdivisões apontadas pelos respectivos autores: 1. sendo sua definição subordinada à circulação geral da atmosfera (altas e baixas pressões). 5. dá-se ênfase à energia global e aos regimes de balanço hídrico da terra e da atmosfera. segundo as quais os fenômenos climáticos são estudados. A extensão espacial dos climas nesta unidade escalar é. Climatologia física – envolve a investigação do comportamento dos elementos do tempo ou processos atmosféricos em termos de princípios físicos.2. particularmente na circulação geral da atmosfera. Climatologia histórica – é o estudo do desenvolvimento dos climas através dos tempos. 3. mesoclimática e microclimática.

Região natural. região metropolitana. sua extensão pode ir de alguns centímetros a até algumas dezenas ou centenas de m2. oceanos. Bosque. cidade.) e à variação da distribuição da radiação no planeta (baixas e altas latitudes). a determinados obstáculos à circulação do ar. entre outros. Danni-Oliveira (2007). um apartamento).000 km a 10 km 12 km a 100 km Várias horas a alguns dias Microclima 10 km a alguns m Abaixo de 100 m De minutos ao dia Fonte: Mendonça. pois em Geografia a região por si só não possui delimitações espaciais precisas. uma edificaçãocasa.Microclima: é a menor e a mais imprecisa unidade escalar climática. é uma subunidade de transição entre a ordem superior e a inferior. etc. continentes. Mesoclima Clima regional Clima local Topoclima 2. continente. etc. de extensos desertos ou de pradarias. etc.000 km 3 a 12 km Algumas semanas a vários decênios O globo.relevo. não há uma extensão definida. o clima de uma rua ou de um parque urbano à beira de um lago. montanha. como o estudo de grandes florestas. 3. podem ser citados o clima de construções (uma sala de aula. etc. UAB 16 Licenciatura em Geografia . oceano. etc. Nessa escala.Mesoclima: é uma unidade intermediária entre as de grandeza superior e a inferior do clima e pode ser aplicada às regiões naturais interiores aos continentes. um hemisfério. a detalhes do uso e da ocupação do solo. A título de exemplo. Ordem de Grandeza Subdivisões Escala Horizontal Escala Vertical Temporalidade das variações mais representativas Exemplificação Espacial Macroclima Clima zonal Clima regional >2. mares. por essa característica. a não ser por um ou outro elemento de destaque da paisagem. Os fatores que definem essa unidade dizem respeito ao movimento turbulento do ar na superfície. O clima regional. Tabela 1: Organização das escalas espacial e temporal do clima. 2 . uma rua.

In: Geografia do Brasil. Luis Antonio Bittar (org. através das variadas atividades que ele desenvolve na superfície do planeta. a continentalidade. 206 p. mais ou menos frio. Climatologia: noções básicas e climas do Brasil. São Paulo: EDUSP. Referências AZEVEDO. O. etc. São Paulo: Oficina de Textos. contribui para a umidade do ar através da evapotranspiração ou ainda ao reter água no lençol freático. Técnicas de campo e laboratório em climatologia. Praticando geografia: técnicas de campo e laboratório. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. p. J. Bueno. Ross. Angelo. vegetação e sistema hidrográfico se influenciam mutuamente. tais como radiação (insolação). AYOADE. 2. Conforme aponta o texto. Dependendo das características do relevo.). as correntes marítimas. L. MENDONÇA. Clima. Tradução: Maria Juraci Zani dos Santos. contribuindo ainda para amenizar a temperatura local. com a crescente capacidade de atuação. 2004. a altitude. umidade (precipitação. FURLAN. é um conjunto de elementos que caracterizam um instante. p 67-198. nebulosidade. A cobertura vegetal. O primeiro é objeto de estudo da Climatologia e o segundo da Meteorologia. 2007. Introdução à Climatologia para os trópicos. Dessa forma.) e pressão (ventos). Sanches (org. 131 – 146. 2. DANNI-OLIVEIRA. Já o tempo pode ser definido como o estado da atmosfera em um determinado momento e local. solos. S. relevo.). o clima de uma região poderá ser mais ou menos úmido. o homem também interfere no clima. O clima varia espacial e temporalmente em decorrência da influência dos fatores climáticos. Climatologia 17 UAB . os solos e a biota. São Paulo: Oficina de Textos. as massas de ar e as atividades humanas. Assim. Qual a diferença entre clima e tempo e em que contexto cada uma dessas duas noções é aplicada? Respostas dos exercícios 1. Geoecologia: o clima. a maritimidade. esclareça como se dá a interação atmosfera – superfície terrestre na conformação da dinâmica climática da Terra. CONTI.. Com base na leitura atenta do texto. o clima não pode ser compreendido de forma separada dos demais aspectos físicos do ambiente. J. décadas ou até séculos. F. In: VENTURI. M. a vegetação. I. há uma interação entre o clima e o ambiente físico. 2000. O clima varia de acordo com os elementos climáticos e indica as condições atmosféricas durante longos períodos: anos. 332 p. 3a ed. 10a ed. que depende e influencia os solos.Exercícios 1. temperatura. 2005. J. Além disso. Tarik Rezende de. que são: a latitude.