You are on page 1of 9

INTRODUÇÃO

O processo têxtil de produção de tecidos é dividido em fiação (transformação da fibra em fio), tecelagem (transformação dos fios tintos ou crus, em tecidos) e beneficiamento (os tecidos são tratados para adquirirem as características de toque, impermeabilidade, estabilidade dimensional, etc.).

Figura 1. Fluxograma dos beneficiamentos.

DESENGOMAGEM: remover a goma aplicada anteriormente para tecelagem. MERCERIZAÇÃO: objetiva proporcionar ao material celulósico brilho acentuado, maior afinidade aos corantes, toque mais macio, maior resistência mecânica, maior absorção e encolhimento. É realizada exclusivamente em tecidos de algodão. STONE-WASH: confere aspecto de desbotado aos artigos de Denin. ALVEJAMENTO: eliminar as ceras e graxas, substâncias solúveis e eliminar a pigmentação amarelada das fibras a fim de preparar o substrato têxtil para os tratamentos subseqüentes, como tingimento ou estampagem. TINGIMENTO: é a adição de cor e aumentar o valor do produto. ACABAMENTO: visa melhorar a aparência, brilho, toque, caimento, resistência, estabilidade, etc. Segundo a EUB (European Federation of Biotechnology) define-se biotecnologia como a utilização de microorganismos e células animais e vegetais para sintetizar e modificar produtos. No caso da indústria têxtil, a biotecnologia se aplica na utilização de enzimas no processo de beneficiamento, melhorando a qualidade do produto final devido à redução na agressividade do tratamento aplicado à fibra, reduzindo a carga poluente e volume do efluente gerado permitindo sua reciclagem. A figura 2 apresenta uma esquema da utilização da biotecnologia em processos industriais. Com relação ao tratamento de efluentes têxteis, os processos biotecnológicos podem ser divididos em: biológicos e enzimáticos. O tratamento biológico consiste de uma combinação de etapas aeróbias e anaeróbias para o efluente ter sua toxidade reduzida. Os tratamentos enzimáticos são, na sua maioria, específicos à degradação de corantes e outras substâncias químicas provenientes do processamento (ex: H2O2 do

melhoramento de características de toque (maciez). produz uma melhor ótica da superfície. Figura 3. como gêiseres. Os processos que empregam enzimas. tingimento e acabamento dos tecidos. São proteínas e servem para catalisar reações bioquímicas. . Em muitos processos as enzimas podem substituir substâncias químicas sintéticas e contribuir para processos de produção ou gerar benefícios para o meio ambiente. agem muitas vezes sob condições relativamente brandas em termos de temperatura (temperatura ambiente ou temperatura do corpo. são ativas sob circunstâncias extremas presentes em ambientes extremos. Figura 2. APLICAÇÕES DE ENZIMAS NA INDÚSTRIA TÊXTIL A indústria têxtil utiliza enzimas nas fases de fiação. por exemplo) e de acidez (valores de pH próximos ao ponto neutro). Comparadas a reações químicas. produzem menos subprodutos residuais. ENZIMAS As enzimas são substâncias naturais envolvidas em todos os processos bioquímicos que ocorrem nas células vivas. mares polares frios e lagos altamente salinos. Elas são mais específicas em sua ação do que as substâncias químicas sintéticas. Esquema da utilização da biotecnologia em processos industriais. por meio da biodegradabilidade e pelo menor consumo de energia. São ativas numa faixa estreita de pH e são sensíveis a mudanças de acidez ou alcalinidade em seu meio ambiente. propiciando a obtenção de produtos de melhor qualidade e diminuindo a probabilidade de poluição.alvejamento). Estas enzimas objetivam: a limpeza de superfície do material e redução das pilosidades. produzidas por bactérias extremófilas. As extremozimas constituem uma exceção a essa regra. já que essas enzimas. A atividade catalítica depende da integridade da sua conformação protéica nativa. Enzimas utilizadas nas etapas de beneficiamento do algodão. as enzimas precisam de certas condições específicas. Para atuarem corretamente. portanto.

pois causa o desgaste rápido e rotura das máquinas de lavar. As celulases podem ser utilizadas juntamente com as pedras ou em substituição a elas. que não foram tingidas. . tornando-se assim problema para o tratamento efluentes normalmente empregado. Neste caso a estonagem produz um contraste entre as zonas atacadas pelas celulases e as camadas internas das fibras. O tingimento com corantes sulfurosos que têm muito pouca afinidade pela fibra não cationizada é superficial e deixa o interior das fibras brancas. pH e agitação mecânica). pois as partículas de algodão liberadas pelas pedras são. também chamado “processo vagabundo”. estas fibras são compostas basicamente de celulose.lavagem final com detergente. que consiste na aplicação de um cationizante (4 a 6% sobre o peso do material) em tecidos ou peças confeccionadas de fibras celulósicas (tecido plano ou malha tubular) com a finalidade de aumentar a afinidade das fibras pelos corantes com carga negativa. degradando as fibras da superfície (fibras soltas e microfibrilas).ajuste das condições do banho de tratamento para celulases neutras (pH entre 5.adição da enzima e controle das condições reacionais (tempo. em . O principal problema que ocorre com a utilização das celulases é a redeposição do índigo removido no fio branco ou no fio tingido de Denim.1 CELULASES As celulases são capazes de tornar os tecidos mais lisos e macios. . Também são usadas para produzir a aparência “stonewashed” nos jeans.0 e temperatura de 50 a 60ºC). A vantagem na utilização de celulases no processo de desbote do jeans (biostoning) em relação ao processo convencional consiste num melhor toque (pois não causa grande degradação da fibra como com a pedra-pomes). . Tradicionalmente esta aparência nos tecidos Denim é conferida por um processo que utiliza pedra-pomes para desbotar a cor localmente (por atrito). O procedimento geral para aplicação de celulases consiste em: . Este efeito é chamado “backstaining” e diminui o contraste desejado entre a trama branca e o fio de urdume azul.interrupção da atuação da enzima (adição de carbonato de sódio e/ou aumento de temperatura até 80ºC durante 10 minutos).introdução dos artigos de celulose na máquina. constituindo um material não biodegradável. piorando a qualidade do artigo. Este processo apresenta inúmeras desvantagens. das centrífugas e das secadeira devido aos fragmentos de pedras.3. Este efeito não é observado com a utilização de pedra-pomes. . Outro processo desbotamento em tecido de algodão utilizando celulase é o processo Sandozol T (Clariant). causam problemas ambientais (geração de efluentes não biodegradáveis). provocam excessiva abrasão.5 e 8. temperatura. aspecto de desbotado mais uniforme e menor resistência à flexão. sendo perceptível no lado avesso do tecido.

álcalis ou agentes oxidantes. O processo de desengomagem convencional pode ser realizado por hidrólise ácida onde os produtos têxteis são tratados com ácido. aquecer até atingir a temperatura ótima (20 a 100ºC). Com relação à dependência com a temperatura. 3. Os outros métodos se encontram em desuso. devido à difícil operacionalização. atualmente empregada.2 AMILASES Usa-se a amilase bacteriana (Bacillus subtilis e Bacillus lichenformis) estável ao calor para eliminar a goma dos produtos têxteis.afinidade do índigo insolúvel na sua forma oxidada com o algodão. aplicar auxiliares que evitem a redeposição na fibra durante o processo enzimático e realizar lavagem posterior com auxiliar ou detergente apropriado e forte agitação mecânica. .geral. Para minimizar o efeito do “backstaining” deve-se escolher celulases que adsorvam pouco em celulose ou que possuam baixa afinidade pelo índigo (celulases neutras). Outro problema apresentado pelo uso de celulases é o baixo desbotamento. Os principais fatores do “backstaining” são: . Também ocorre a perda de resistência e até a ruptura do tecido causada principalmente pelo tempo excessivo de tratamento.temperatura ótima 60 a 70ºC: utiliza-se a desengomagem em um banho de longa duração (2 a 6 horas). A Genencor International Inc. Existe ainda a desengomagem de hidrólise do amido por digestão enzimática.origem e concentração das celulases. . distingue-se a amilase em 3 grupos: . . ou por decomposição do amido por autofermentação onde são embebidos em água durante vários dias para que os microorganismos de ocorrência natural pudessem decompor a goma do tecido. pela quantidade excessiva de celulases e pelo pH desajustado (aumenta a agressividade do tratamento). por superaquecimento (desnaturação) ou por baixa temperatura (atividade só atinge o máximo na temperatura ótima). Para evitar a desnaturação da enzima deve-se primeiro adicionar a água.adsorção de índigo às celulases adsorvidas em celulose. corrigir para o pH ótimo (neutro) e então adicionar a enzima. patenteou um processo que aplica pequenas concentrações de proteases em conjunto com celulases para reduzir o “backstaining” através da degradação de celulases e outras proteínas. maiores e não se redepositam na superfície das fibras. que é causado principalmente por pH desajustado (a atividade enzimática varia muito com o pH).

para a redução de corantes residuais. A não biodegradabilidade dos efluentes têxteis se deve ao alto conteúdo de corantes (10 a 15% dos corantes não fixados são enviados ao rio). os produtos (efluentes) desta reação não causam problemas ecológicos. No processo convencional. Neste caso. Além disso. O emprego dessa enzima favorece a queda do consumo de produtos químicos.0. de energia e de água. com intervalo de pH de 6. estes causam grande carga de sais nos efluentes. sendo que estes geralmente são coloridos. pode-se utilizar as peroxidases para reduzir o peróxido de hidrogênio. No entanto. 3. os resíduos de peróxido de hidrogênio são removidos através de vários enxágües ou da adição de um redutor inorgânico.. assim como a peroxidase.4 CATALASES A catalase decompõe o peróxido de hidrogênio residual após o alvejamento das fibras de algodão. Outros fatores que determinam a quantidade e a qualidade do efluente são as operações realizadas e a tecnologia aplicada em sua execução.temperatura ótima 80ºC: lavagem de choque em máquinas de lavagem contínua por alguns minutos. EFLUENTES TÊXTEIS O processo de beneficiamento têxtil gera emissões de poluentes sólidos. gasosos e líquidos. a catalase é aplicada em um banho novo ou no início do próprio banho de tingimento por aproximadamente 10 minutos. Após o alvejamento. A indústria têxtil é uma das maiores produtoras de efluentes líquidos. como a elevada carga de sais.temperatura ótima 100ºC: tratamentos com vapor por 1 a 2 minutos. surfactantes e aditivos que . 3. . Os efluentes líquidos da indústria têxtil são tóxicos e geralmente não biodegradáveis e também resistentes à destruição por métodos de tratamento físico-químico.0 a 10.3 PEROXIDASES Os resíduos de peróxido de hidrogênio utilizados na etapa de alvejamento em contato com pigmentos sensíveis à oxidação podem sofrer pequenas alterações na tonalidade (quantidades de 15ppm de peróxido residual causam redução na cor). de 20 a 50ºC. As peroxidases também podem ser utilizadas após o tingimento. seguido de enxágüe e aplicação de um ácido orgânico (ácido acético). e a quantidade de enzimas usada é muito menor que a quantidade de agente redutor inorgânico. mesmo contendo pequenas quantidades de corantes. A remoção do peróxido se faz necessária para que as fibras possam ser tingidas. As emissões de poluentes líquidos causam a maior contaminação e modificação do ambiente e dependem do tipo de fibras processadas e dos produtos químicos empregados.

8 Desengomagem Glicose da hidrólise do amido.5-42.6 . Os valores médios e parâmetros característicos dos efluentes destinados ao tratamento de efluentes biológico e físico-químico. gomas.8 Cozimento Ceras. das indústrias têxteis são dados na tabela abaixo.Características dos despejos do processamento do algodão.5-7.5-20. Processo Composição DBO (mg/l) pH Consumo de água (L/kg) Engomagem Amidos naturais.geralmente são compostos orgânicos de estruturas complexas. detergente e NaOH 100-2900 10-13 2. pectinas. PVA solúvel e CMC solúvel 200-5200 6-8 2. Tabela . PVA e carboximetilcelulose (CMC) 620-2500 7-9 0. álcoois. óleos e graxas.

5-12 2. flotação.8-250.1 PROCESSOS DE TRATAMENTO BIOLÓGICOS E ENZIMÁTICOS Os processo de tratamento físico-químico (coagulação.5-14 16. etc. No entanto.5-124. surfactantes. sedimentação) apresentam elevada eficiência na remoção de material particulado.5 Tingimento e Estamparia Corantes e auxiliares de tingimento 60-600 6-12 41.Mercerização NaOH 50-800 5.6 Acabamento Amidos.7-309. resinas.5 4. se mostram deficientes na remoção de cor e compostos orgânicos . 20-500 6-8 12. H2O2 100-1700 8.0 Alvejamento Agentes oxidantes: hipoclorito de sódio.

pois tem a capacidade de realizar a clivagem redutiva nas ligações azo deste tipo de composto. Estes microrganismos são particularmente úteis para degradação de azocorantes. estas bactérias. Dentro do contexto dos processos destrutivos. pelo menos parcialmente e em alguns casos completamente. como Pseudomonas sp e Sphingomonas sp. tem sido reportadas na degradação de corantes. Trametes versicolor. são estudadas novas alternativas que utilizam microorganismos capazes de degradar de maneira eficiente um grande número de poluentes a um baixo custo operacional para o adequado tratamento de efluentes têxteis. O sistema apresenta uma eficiência relativamente alta. permitindo a remoção de aproximadamente 80% da carga de corantes. como Phanerochaete chrysosporium. Trametes hirsuta. principalmente em função da relativa facilidade encontrada na implementação de sistemas que operem em grande escala. Partindo desta hipótese.dissolvidos. fato este que geralmente está associado à enzima azoredutase. concentração e composição de espécies químicas presentes em cada efluente. Um exemplo é o Bacillus subtillis foi adaptado em meio de cultura artificial com a finalidade de biodegradar corantes do tipo "azo" sob condições anóxicas e constatouse que. uma vez que o teor de corantes adsorvido é bastante elevado. Geralmente o processo biológico mais utilizado é o sistema de lodos ativados devido ao baixo tempo de residência (4 a 8 horas) e à área reduzida. É importante salientar que os processos acima citados requerem a disposição final das fases sólidas. o processo apresenta o grande inconveniente de ser bastante susceptível à composição do efluente (cargas de choque).Unidade de Americana. contudo a adsorção de corantes de caráter catiônico é limitada devido à superfície química do carvão ser positiva. Em geral. além de produzir um grande volume de lodo. Infelizmente. utilizam o nitrato ou nitrito como aceptor final de elétrons. uma variedade de poluentes . Pycnoporus cinnabarinus. Pleorotus ostreatus. possibilitando a oxidação biológica de corantes "azo. Na prática. Os fungos de decomposição branca. além da lignina. Phlebia tremellosa. poderá ocorrer o mesmo em sistemas de tratamento biológico por lodos ativados que possuem tanque anóxico. Pycnoporus sanguineus. Neurospora crassa e Geotrichum candidum. o problema relacionado com o acúmulo de lodo torna-se crítico. Coriolus versicolor. A utilização de bactérias. existe uma certa predileção pela utilização de processos que realmente possam degradar as espécies de interesse. Estes fungos possuem a capacidade de mineralizar. Em função deste inconveniente. sob estas condições. seguidos de tratamento biológico via sistema de lodos ativados. cabe aos processos biológicos um lugar de destaque. sabe-se que isto é muito difícil principalmente em função da diversidade. Este fato foi observado na remoção de cor neste tipo de tanque na empresa Santista Têxtil S/A . Obtém-se uma eficiência maior com os processos de adsorção em carvão ativado. na indústria têxtil os processos de tratamento estão fundamentados na operação de sistemas físico-químicos de precipitação-coagulação. impedindo qualquer possibilidade de reaproveitamento. demonstrando a possibilidade de microrganismos estarem agindo na remoção de cor. Por todos estes motivos. Infelizmente. são conhecidos por degradar vários tipos de corantes têxteis. que não têm capacidade fermentativa.

Cb em estruturas fenólicas) produzidas por eles. Outra alternativa recente para o tratamento de efluentes e compostos resistentes à degradação refere-se ao uso de agentes quelantes naturais. Esta característica se deve à ação das peroxidases e lacases (uma fenol oxidase dependente de cobre que tem a capacidade de catalisar reações de desmetilação. como a enzima tirosinase. demonstrando uma atividade mimética de fenoloxidase. que é um inicial e importante passo em processos de biodegradação de cadeias poliméricas. O produto desta polimerização possui coloração escura e dependendo do substrato empregado na reação. Como as quinonas são instáveis em solução aquosa. com subseqüente decomposição de macromoléculas de lignina pelo rompimento de anéis aromáticos e ligações Ca . apresentam uma alta afinidade por metais. o do tipo catecolato e o do tipo hidroxamato. denominados sideróforos. o que permitiu a descoloração de efluentes e a degradação de compostos de difícil degradação. obtida através de cogumelos Agaricus bispora. A tirosinase atua sobre grupamentos fenólicos presentes na estrutura dos corantes e catalisa duas reações distintas: a o-hidroxilação de monofenóis a catecóis e a desidrogenação dos catecóis a o-quinonas. A função biológica dos sideróforos é seqüestrar ferro em ambientes com deficiência deste. A presença do tipo catecolato foi detectada em vários fungos lignolíticos o que não foi tão freqüentemente observado com o tipo hydroxamato. Existem basicamente dois tipos de sideróforos caracterizados até o momento. precipita após algumas horas. Em processos de oxidação de muitos compostos (principalmente de compostos fenólicos) a lacase apresenta uma grande especificidade para um grande número de compostos xenobióticos e efluentes industriais.resistentes à degradação. sofrem polimerização não-enzimática através de reações oxidativas nucleofílicas. Outros fungos produzem enzimas que agem sobre compostos recalcitrantes específicos aumentando sua biodegradabilidade ou removendo-os por precipitação. Estudos recentes mostram resultados muito interessantes com alguns fungos e bactérias produtoras destes compostos. produzidos por alguns fungos e bactérias. Estes compostos. . formando complexos de alta estabilidade. principalmente ferro.