You are on page 1of 4

O STJ nesse sentido através da Sumula Vinculante de nº 370, decidiu que RESUMO INDENIZAÇÃO PARA CHEQUE PÓS DATADO

Atualmente o cheque é utilizado com muita frequência como forma de pagamento nas relações de consumo, principalmente tratando-se do cheque pósdatado, ou seja, pagamento futuro. Sua utilização é regulamentada pela Lei nº 7357/85 que é omissa quanto às pós-datação, mas é reconhecida em nosso ordenamento jurídico através da jurisprudência devido ao costume. Portanto, o cheque pós-datado advém de um acordo de vontades, de um contrato bilateral, cabendo ao beneficiário cumprir com o acordado e realizar o deposito do titulo na data convencionada. Caso o acordo não seja cumprido e o cheque depositado antecipadamente, responderá o beneficiário pelos danos causados ao emitente. A responsabilidade pela indenização dos danos causados pela apresentação antecipada do cheque pós-datado tem natureza contratual, uma vez que a indenização ocorre pelo descumprimento da obrigação assumida. “caracteriza dano moral” o cheque apresentado antes da data acordada entre as partes. Por conta do costume, o comerciante ou beneficiário que aceita a pós-datação, passa a ser parte de um contrato e possui a obrigação de não fazer, ou seja, não apresentar o cheque antes da data acordada. Caso ocorra o descumprimento da obrigação este responderá pelos danos causados decorrentes de sua ação ou omissão, conforme estabelece os artigos 186, 187 e 389 do CC. Os danos morais são apresentados, por conta da apresentação antecipada do cheque pós datado como citado “O dano moral está presente, pelo simples fato de ter havido as apresentações indevidas dos títulos, causadoras das devoluções sem pagamento de cheques”. Nossa Constituição em seu artigo 5º, inciso X estabelece que aquele que tiver seus direitos violados, terá direito a indenização pelo dano moral ou material. Portanto, é necessário que a sociedade respeite esses direitos, pois sua violação está a exigir uma sanção, ou seja, uma

indenização pelo dano causado a vitima, que terá o direito de ser compensada pelo mal cometido.

pois a apresentação antecipada normalmente é feita em detrimento do que fora previamente pactuado com o emitente do título. na medida em que a quebra do contrato por parte do portador constitui clara má-fé. no caso em epígrafe. desrespeitando o princípio norteador dos contratos “função social”. pois contempla o caráter punitivo e pedagógico. Abaixo alguns entendimentos: . contudo. Resumo da Jurisprudência do beneficiário o titulo em questão. Apelação da 2º Câmara Cível da Comarca da Capital – PE Apesar da lacuna na lei no tocante a normatização do cheque pós-datado. ou seja. sem. condenando-o ao pagamento da indenização e afastando a ilegitimidade passiva da Instituição Financeira. que na hipótese de apresentação antecipada do cheque pós-datado beneficiário. A ré ingressou com recurso pleiteando a diminuição da verba indenizatória. pois ao banco sacado é facultada a aplicação da Lei do Cheque em seu artigo 32. Outrossim. da Lei 7357/85. afigura-se adequada e observa o principio da razoabilidade e a reprobabilidade da conduta. pois para o banco sacado trata-se de um pagamento à vista. julgados em relação à apresentação antecipada do título em questão baseados na jurisprudência.É possível observar. conforme elencado no artigo 32. que o portador do cheque pós-datado poderá apresentá-lo mesmo antes da data acordada. a quantia de R$ 3.000. importar enriquecimento sem causa”. Candido J. o Relator Desembargador Nelson José Gonzaga entendeu de forma diversa. (grifos nossos) 1. estará se infringindo o artigo 442 do CC de 2002. alegando que a instituição financeira recebeu 1. ele poderá ser sacado antes mesmo da data acordada. em indenizar o emitente no caso da apresentação antecipada do cheque pós-datado. Saraiva de Moraes: “Destarte. Abaixo entendimento do Relator Des. 1. F. A lei em si. Assim. devido à apresentação antecipada do cheque pós-datado. é uma ordem de pagamento a vista.00 (três mil reais) arbitrada como indenização na sentença recorrida. Contudo. devido à apresentação antecipada do cheque pós-dato. resta evidente. não há duvidas quanto à obrigação exclusiva do beneficiário infrator do contrato. Apelação da 18º Câmara Cível da Comarca de Novo Hamburgo – RS Nesse caso o autor moveu ação por danos morais. estabelece que o cheque. Nesse caso o autor moveu ação por danos morais.2. localizamos com frequência nos casos concretos. porém a turma recursal negou provimento à apelação e manteve a indenização.1. não sendo o banco responsabilizado pela antecipação.

Ocorre que além do réu descontar o titulo antecipadamente. Apelação Cível Comarca Cerro Largo – RS Nesse caso. Recurso Especial STJ – SC apresentação antecipada do cheque pós-datado. Dessa forma. uma vez que o cheque foi endossado por outro comerciante e não tinha ciência do acordado. Abaixo entendimento do Relator Desembargador Gil Coelho: inerentes aos títulos de credito. O recurso foi parcialmente provido. o réu ingressou recurso especial com as mesmas alegações (ilegitimidade) e houve provimento. Abaixo entendimento do Relator Desembargador Tasso Caubi Soares Delabary: “Disso decorre que o autor deve ser ressarcido pelos prejuízos sofridos.3. mas sim “A pretensão relativa ao dano material não pode ser acolhida. o autor ingressou com ação pleiteando danos morais. nem veio acompanhada da prova do dano. A petição inicial não descreve no que se substancia o desfalque patrimonial dos autores. excluindo o dano material. ser compensados pelo réu. sendo negado o provimento a este pedido. Abaixo entendimento do Relator Ministro Luis Felipe Salomão: . pelo contraente que não observou a alegada data convencionada para a apresentação da cártula”. o desembargador negou provimento ao recurso interposto pelo réu que alegava ter sido autorização a antecipar a apresentação do titulo em questão. devido à apresentação antecipada do cheque pós-datado. os autores apenas deduziram pedido indenizatório por dano moral”.5. Desta forma. E não altera essa convicção o fato do titulo ter sido emitido para Nesse caso. o autor ajuizou ação pleiteando danos morais por apresentação antecipada do cheque pós-datado.4. 1. Ademais.1. tinha ciência da falta de fundos por parte do autor para compensação do cheque. porém o réu ingressou com recurso de apelação alegando ilegitimidade por ser terceiro de boa fé. pois caracterizou apenas o dano moral. devido à 1. que não tem legitimidade passiva por ser terceiro de boa fé. não devem os danos ocasionados em decorrência da apresentação antecipada do cheque. em não havendo ilicitude do ato do réu e não constando na data de emissão do cheque a pactuação. Apelação da 2ª Câmara Cível da Comarca de Americana – SP “Com efeito. Tendo em vista o principio da relatividade dos efeitos contratuias e os princípios Nesse caso o autor moveu ação por danos morais e matérias. alegando dano moral e material em decorrência dos fatos. não há pedido correspondente.

. sobretudo porque teve a devolução de outro cheque pela insuficiência de fundos na sua conta corrente. não satisfeito com o Acórdão. onde também foi negado provimento. alias. neste Recurso Especial. que a apresentação antecipada causou complicações as finanças pessoais do autor.272 (2004/01693226). reconhecido pelo juízo a quo”. mantendo a sentença na íntegra. A Relatora Ministra Nancy Andrighi.6. ingressou com Recurso Especial.pagamento do debito com o demandado. por hora. reforça a ideia de que a apresentação antecipada do cheque pós-datado caracteriza sim dano moral a parte pelos prejuízos causados. É inegável. pois negou-lhe provimento. mantendo o voto já discutido. o Recorrente já havia interposto Recurso contra a sentença de 1º grau. que julgou procedente o pedido de danos morais. Recurso Especial STJ – PB Nesse caso. o condenando a pagar 20 salários mínimos. caracterizados pela apresentação antecipada de cheque pós-datado. Contudo. sob nº 707. nesse lastro. 1.