CHARLES RICHET

O Apóstolo da Ciência e o Espiritismo

Samuel Nunes Magalhães

CHARLES RICHET
O Apóstolo da Ciência e o Espiritismo

“...Tão invulnerável é a ciência quando estabelece fatos, quão deploravelmente sujeita a errar quando pretende estabelecer negações... Não há contradição alguma entre os fatos e as teorias do Espiritismo e os fatos positivos estabelecidos pela ciência... Em lugar, portanto, de parecer ignorarem o Espiritismo, os sábios o devem estudar.” CHARLES RICHET

FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA

.

. . . . . . . . . . .. . . . . . Família e Missão . .. . . . ..... .. . . . ... .. ... . .. . . .. . . . . . ... . ... . ... . . . . . .. .. . .. . .. . . . . . . . . . . .. Capítulo II O Fisiologista . . ..... . .. . . . . . . . .. . ... . .. .. .. . .... . . .. ... . . . Dedicatória . . . .Sumário Apresentação da obra Apresentação do autor ..... . . . . . .. . . . . . . . Missão .. ... ... . . . . . . . . .. . . . . . .. . . . . . . . . . .. . . . .. . . . .. . Agradecimentos . . . . . . . . . .. .. . 9 13 17 19 21 PRIMEIRA PARTE As múltiplas facetas de um gênio Capítulo I Nascimento. .... .. . .. . . . .. .. . .. .. . .. . . . . . .. . . . . . . . Contribuições à Medicina .. .. . ... . . . . ... .. . 29 29 31 32 35 37 37 38 42 45 Influência paterna Formação escolar e acadêmica . . . .. . .. .. . . . . .. .. . Nascimento . ... . . .... . . . .. . . . . .. . . . .. . . .. . . . . . . . . . . . . .. .. . .. . . . . ... . . .. .. . Trabalhos publicados .. .. . . . . . .... . . . . . . . . No limiar da Nova Era .. . . . . . . . . . ... . . . Família . . . ... Introdução . . . ..

. .. . . . .. . . . . . . . . . . . .. . . . Richet e o Esperanto na rádio parisiense . . . . . .. .. . . . . . .. .. . . . . . . .. . . . . . A Torre de Babel . . 77 77 80 84 85 89 89 90 93 98 99 100 103 Traçando um perfil . O Esperanto e a Espiritualidade . . . . . . . .. . . .. . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . ... . .. . .. . . . . . . . . . . . .. . . Richet. .. . . . . . . . . . . . . . O discurso de Richet Outras homenagens Capítulo IV O Aviador . . . . .. .. . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. .. . . 109 Pela paz . . .. . . . .. . . . . . .. . . . . . . .. . . Emmanuel e o Esperanto . . . . . Charles Richet e a Academia Francesa de Letras . . 63 Uma profecia espírita . A anafilaxia . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . .. . .. . . . . . . . . . Capítulo VI O Esperantista . . . . . . .. . . .. . .. . . . .. . .. . .. . .. . . . . . .. . . .. . . .. . . . . . . . . . . . . . . . .. . .. ... . . .. . .. . . .. . . . . . . . . . 65 Santos Dumont e o 14 Bis . . . . . . . . .. . .Capítulo III O Nobelista . .. .. . . . . 107 Richet e a paz . . 112 A arte da guerra .. . . . . .. . . .. . . . Capítulo VII O Pacifista . ... . . .. . . . . . Dezembro de 1913 .. .. . .. . . . . ... . . . . . . . . . . . .. . . .. . . . . .... . . Capítulo V O Escritor . . . ... . . . . . . . . . . . . Atividades literárias . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . 68 Charles Richet e a Aviação . 72 Breve história da Aviação . .. . . . . . . . .. . . . ... . . O Esperanto . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . .. . . .. .. . . . .. .. . . . . . . . . . .. .. . . . . . . . .... .. . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . ... . . . . . . . .... . . . La gloire de Pasteur . . . . .. . . . . . . Richet e o Esperanto . . . .. . . 49 49 50 55 56 60 63 O Prêmio Nobel . . 103 Os movimentos pacifistas . . . . . . . .. .. . ... . .. . . . . ... . . . . ... . .. . .

. . . . . . . . .. . . . .. . . . .. .. . . . . Do Tratado de Metapsíquica a A Grande Esperança . . . . . . . . . .. Com os médiuns . . . Capítulo III Com os Espíritas do Brasil . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . .. .. . . .. . . . . . . ... Espiritismo e Ciência . . . . . . . .. . . . . . . .. . .. . . . . . . . . o historiador. Uma nova religião .. . o sociólogo.. . . . . . . A sobrevivência da alma . .. . .. . . . . . . . . . . . . . 130 O metapsiquista . Sobre Allan Kardec . . . . . . . . . . . . . . . . . .... . . . . . . . . . . . . . . .. Uma suave esperança . . . . . . . .. . . .. . ... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Sobre a teoria espírita . . . . . . Primeiras experiências . . . . . . . . Opinião de Carlos Imbassahy . . .. . . .. . . . . . Charles Richet e Cairbar Schutel . . . . . . . . .. . . . ... . . . .. . . . .. .. . Uma conferência de Richet no Rio de Janeiro Charles Richet no Amazonas Capítulo IV A Religião de Richet . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . Capítulo II Richet e o Espiritismo . . . 143 143 147 155 157 158 159 160 161 164 165 166 177 177 178 181 188 191 191 192 196 . . . . ... . . . . . . . . . . . . . . . . . . A religião do futuro . . .. . . . . . . . . 117 117 O psicólogo . .. . . . . . . . . . . . . . Ante os fatos . .. . . . . . . . .. . .. . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . .. . .. . . . . Visita ao Brasil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O filósofo. . . . . . .. . . o maçom e o filantropo . ... . .. 136 SEGUNDA PARTE Da esperança à certeza na imortalidade Capítulo I 1872 . .. . . .. . . . . . .. . . . . . . . . ... .. .. . . . . . . . . . .. . . . .Capítulo VIII Outras Facetas . . . . . Investigando os fenômenos espíritas . . . . .. .1935 . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . .... . . . . . . . .. . . .. .. Uma Conferência .. .. .... Em Portugal . No limiar do mistério .. . . . . .. . . . . .. . ... . . . .. . . . .. . . . . .. .. . . . . . . . . . . . . . .. . .. . . .. . .. . .. . . .. ... . .. . . . . . ... .. . . . ... .... . Na Inglaterra .... . . . . .. . Phantasms of the Living . . . . . . . .. . . . . . . . . No Brasil . . . .. . . . . . . ... ... . . . . .. . . . . . . . . . . . .. . . . .... .. . . . .. .. . . . . A grande esperança . . . . . . . . . ... . A Ciência Metapsíquica . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . Tratado de Metapsíquica Notre sixième sens . . Ceticismo pirrônico . . . . . .... . . . Psicologia Experimental Fatos Espíritas . .. . . . . . . .. . .. .. . . . . . . . . . . . . . . . ... .. . .. . ... . . . .. . . .. . . .. . . . . . . .. . . . . .. . .. . ... .. . . . . . . . . . . .. . . ... . Na França .. . . . . O partido da rotina . . . . . A passagem de Richet . . . . . . . . . . . .. . . . . .. . . . . . . ... .. . . . ..... . Capítulo VIII Palavras de Charles Richet . ... 197 197 199 203 207 208 211 213 216 223 223 226 233 234 269 282 283 286 289 291 292 293 301 306 308 312 314 316 323 . . . . . . . . . . . Capítulo VII No Mundo Espiritual . . ... .... . . . . . .. . . . . . .... . .. .. . Uma carta de Richet Capítulo VI Confidencial .. . .. .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O último ato . . . . .. . .. . .... ... . . . .. ..Capítulo V A Conversão de Richet? . .. . . .... .. ....... . . . .. . . . . .. .. . . . . Discurso de despedida no Amazonas .. Sumário de História Geral . . . . .. . . . . . . . . . . . .. .. . . . . .. . . . . . . Em defesa do Esperanto . .. . . . . . . . . . . ... .. . . .. . . . . .. Tese sobre o Além . . . . . Repercussões de seu Desenlace . . . . .... . . . . .. . . . . .. . . . . . .. . . . . . .. . . .. . . . .. Au secours . . . .. .. . . . .. . . . . . . . . . . Congresso Metapsíquico . . . . . . . . .. . .. .

filósofo. Seu postulado principal classifica o homem como ser . pacifista. poeta. escritor – prosador. estabeleceu os fundamentos de uma ciência nova. sociólogo. aviador. investigador dos fenômenos espíritas. Para explicar os fenômenos observados. filantropo. historiador. esperantista. romancista e dramaturgo –. metapsiquista. estudioso da Psicologia.Apresentação da obra Charles Richet! A personalidade admirável do pesquisador francês é apresentada nesta obra em suas múltiplas facetas. Um homem de “espírito científico” que registrou sua passagem pela Terra com significativa contribuição para o desenvolvimento de pesquisas que resultaram em indicativos comprobatórios da existência do Espírito. maçom... Estas são algumas das características que definem o extenso e profícuo perfil de Richet. pela investigação da fenomenologia psíquica. Médico fisiologista. a Metapsíquica.

de forma didática e interessante ao leitor. seja este profundo conhecedor. aprendiz do Espiritismo. 10 . ora disponível ao público. com abordagem histórico-científica de grande valor. A pesquisa documental realizada por Samuel Magalhães foi intensiva e levou alguns anos para ser concluída. A Doutrina Espírita. tem no estudo do autor. Homens e mulheres que deixaram seus rastros indeléveis na história da Humanidade. denominada de Sexto Sentido. em seu tríplice aspecto de Ciência. Filosofia e Religião. que possam trazer a lume a importância de resgatar o pioneirismo de personalidades visionárias. uma contribuição para o estímulo de outros trabalhos e pesquisas similares. e sua vasta e incansável atuação na busca de respostas sobre questões cruciais da existência humana e imortalidade espiritual. ou mero curioso de sua matéria doutrinária. o resultado do trabalho é apresentado sumariamente. Estruturada em duas partes – “As múltiplas facetas de um gênio” e “Da esperança à certeza na imortalidade” –.C HARLES R ICHET dotado de uma função fisiológica. Agora. materializando na Terra projetos planejados no mundo espiritual. responsável pela gama das ocorrências estudadas. Traduz-se em efetivo enriquecimento da literatura espírita. principalmente quanto à temática nela tratada. São Espíritos destemidos e persistentes que fazem a “diferença” por onde jornadeiam. esta obra narra a trajetória de vida de um gênio.

. 2 de fevereiro de 2006. Paul Gibier. GERALDO CAMPETTI SOBRINHO 11 . A esperança de um mundo melhor que construiremos a partir de nós mesmos. como William Crookes. Camille Flammarion. Concluída a sua leitura. Examinando profundamente a questão. Albert de Rochas. Alexandre Aksakof. Registra o aforismo popular que “a esperança é a última que morre”. degrau a degrau. Ernesto Bozzano. ao lado de outros. passo a passo. atingiremos o limiar das conquistas evolutivas. cabe relembrar que “a esperança é também a primeira que nasce”.. Mesmo que ainda estejamos a meio caminho. entre tantos mais. pelo autoconhecimento e conseqüente reforma íntima! Brasília. que o autor e a editora da FEB oferecem ao leitor: afirmar que Richet não foi um oposicionista do Espiritismo. Cesare Lombroso. como se poderia deduzir à primeira vista. tem-se a sensação de que uma “grande esperança” existe para todos nós: a de que somos imortais e a Humanidade ruma para um destino feliz. observa-se que o pesquisador francês foi um dos integrantes da equipe científica que colaborou para a solidificação das bases da Ciência Espírita.. Entretanto..A PRESENTAÇÃO DA OBRA Eis o maior mérito da obra Charles Richet: o Apóstolo da Ciência e o Espiritismo.

.

em Barro. tivemos o ensejo de trabalhar no Centro Espírita João. Confesso sentimo-nos profundamente sensibilizados. em face da amizade fraterna. alimentada. o Evangelista. permanentemente. Posteriormente. há quase quinze anos. em Fortaleza. por ocasião de uma palestra que fomos proferir no Centro Espírita Antônio Justa. o Grupo Espírita Cireneus do Caminho. o Centro Espírita Francisco de Assis.Apresentação do autor O irmão e amigo Samuel Magalhães solicitou-nos fizéssemos a apresentação do autor desse valioso trabalho Charles Richet. Tempos depois. a 4 de outubro de 1987. quando com ele fundamos. resolvemos . Samuel já havia fundado. o Apóstolo da Ciência e o Espiritismo. Ceará. há onze anos. Conhecemos Samuel.

publicou riquíssimos artigos em livro especializado. de cuja pertinácia resultaria a publicação desta preciosa obra. que ali vivera por algum tempo. começou a rastrear os passos de lideranças do movimento espírita local. os quais enobrecem a História do Espiritismo. que em boa hora o fez integrar a diretoria da entidade. na função de coordenador dos Trabalhos Assistenciais. com o objetivo de resgatar a memória histórica do movimento espírita cearense. Entre os artigos. no final de 2000 foi transferido para a cidade de Manaus. órgão informativo do Centro. posteriormente. pedimos que empreendesse uma busca a fim de tentar recolher informações sobre a poetisa cearense e espírita atuante. Lá. destacamos um sobre os primórdios do Espiritismo no Amazonas e outro. Num ritmo surpreendente. ocasião em que fundou o Centro de Documentação Espírita do Amazonas. A partir de então. Graças a essas pesquisas. então presidente da Federação Espírita do Estado do Ceará. passamos a conhecer a faceta de pesquisador e historiador. Emília Freitas. tivemos a honra de convidá-lo a fazer parte do Centro de Documentação Espírita do Ceará.C HARLES R ICHET apresentá-lo ao saudoso confrade Benvindo da Costa Melo. Em 1999. passando a realizar. trabalhos para a Federação Espírita Amazonense. Samuel tornou-se articulista do periódico Gazeta Espírita. em razão de suas atividades profissionais. Todavia. fundado em 1997. registrando nuanças inéditas da vida da impressionante 14 . enquanto se ambientava.

aos companheiros de ideal. Médium de largos recursos. Que meu estimado conterrâneo. sua admiração e acendrado amor pelo notável cientista francês. Durante a realização das pesquisas nas páginas bolorentas e amarelecidas de velhos jornais nortistas. onde organizaria o Centro de Documentação Espírita de Pernambuco. antes de sua partida para a cidade de Recife.A PRESENTAÇÃO DO AUTOR médium Ana Prado. no seu abençoado desiderato. conforme inúmeras vezes testemunhamos. até hoje. LUCIANO KLEIN FILHO 15 . Como corolário de seu esforço. o Memorial do Espiritismo no Amazonas. 2 de fevereiro de 2006. não há um dia sequer em que não declare. filho da terra de Bezerra de Menezes. acreditando no estímulo dos amigos espirituais. Por isto. Fortaleza (CE). deixou para os irmãos do Norte. possa prosseguir. A partir dessa descoberta. pois. Samuel deparou-se com uma notícia sobre a estada de Charles Richet no Amazonas. temos a certeza de que este será apenas o primeiro de uma série de outros resgates históricos que virão. mesmo após a conclusão desta pesquisa de fôlego. Samuel contou com o auxílio do Mundo Maior para descobrir documentos raros e inéditos que constam desta obra. agora convertida em livro.

.

Dedicatória Dedico este trabalho aos meus saudosos entes queridos desencarnados. . aos meus filhos e à minha querida esposa Iracema.

.

Agradecimentos Ao entregar à publicação o presente trabalho. À minha esposa e filhos. leitura e crítica dos escritos produzidos. contribuíram para sua realização. pela colaboração na digitação. Ao meu dileto irmão Luciano Klein Filho. Às minhas filhas Camila e Lívia. . Aos companheiros de ideal espírita Eduardo Carvalho Monteiro e Zêus Wantuil. de alguma forma. pelo permanente estímulo à pesquisa histórica. agradeço pela compreensão. pelo prestimoso apoio e valioso envio de material de consulta. desejo agradecer a todos aqueles que. tolerância e incentivo.

pelo trabalho de apresentação da obra. pelo gentil acolhimento dos originais do livro e pelo diligente encaminhamento para análise. Presidente e Diretor da Federação Espírita Brasileira. desde o início dos meus trabalhos de pesquisas sobre a História do Espiritismo. pelo inestimável apoio que me tem dado.C HARLES R ICHET Ao meu estimado amigo Geraldo Campetti Sobrinho. ao meu caríssimo irmão e amigo José Raul Teixeira. À professora Djenane Mendonça. À Isaura Kaufman. Nestor João Masotti e Sady Guilherme Schmidt. Janeiro/2006 SAMUEL NUNES MAGALHÃES 20 . Aos meus queridos irmãos Valter Luciano Gonçalves Villar e Helem Cristina Picanço Simas. Em especial. pelo carinhoso incentivo que sempre me dispensaram. Aos srs. pela delicadeza e atenção com que me atendeu sempre que me dirigi ao Departamento Editorial e Gráfico da FEB. pela revisão gramatical dos textos.

o célebre fisiologista francês. trabalhou incansavelmente com o intuito de minimizar as dores humanas e reavivar a esperança daqueles que a haviam perdido. enquanto outros não conseguem definir de que lado se colocava o grande sábio carolíngio. A par dessas questões. foi. Alguns o colocam em franco confronto com as idéias de Allan Kardec. talvez. muito se há discutido sobre a sua real posição face aos postulados e princípios espíritas. atuou na vanguarda de inúmeras áreas .Introdução Charles Robert Richet. o mais notável gênio científico da Humanidade a se preocupar com os fenômenos psíquicos. Com seu gênio luminoso. não obstante o seu inestimável contributo à compreensão e comprovação desses mesmos fenômenos. Entretanto.

realizou importantes pesquisas em torno do aeroplano a motor. 1 No limiar do mistério. conquanto lhe fosse ardoroso adversário em suas teorias metapsiquistas. frutos de uma vida inteira de abnegação e intenso labor. em cujos projetos trabalhou ao lado do industrial parisiense Louis Breguet. Na Literatura. sendo considerado um escritor talentoso em qualquer dos estilos versados. e as suas obras. granjeou o respeito e a admiração de toda a comunidade científica da época. onde. 22 . desenvolveu importantes trabalhos em torno da anafilaxia. Prefácio de Virgínia de Castro e Almeida. recebendo elogios da crítica de então. foi prosador e poeta. da circulação sangüínea. em 10 de dezembro de 1913. Charles Richet. da soroterapia e das circunvoluções cerebrais. emprestou considerável progresso à ciência médica. romancista e dramaturgo. SP: LAKE. entre outras conquistas. Na Aviação.C HARLES R ICHET do conhecimento. consagraram-no como um dos maiores sábios do seu tempo e grande benfeitor da Humanidade. com o Prêmio Nobel de Fisiologia e Medicina. sendo laureado. Inteligência primorosa. a fazer o seguinte comentário: “Charles Richet é o cérebro mais poderoso do mundo científico atual da França”. levando um ilustre físico.1 Dentre as suas realizações mais significativas. especialmente no campo da Fisiologia. seu amigo pessoal e professor do Collège de France.

Delanne. Com Crookes. Geley e Sidwick. pede provas. testemunha várias experiências protagonizadas por médiuns como Eusapia Palladino e Linda Gazzera. detentor do Prêmio Nobel de Literatura de 1901. esta última. foi entusiasta defensor do Esperanto de Zamenhof. Dotado de forte espírito investigativo. atestadas através de obras como As guerras e a paz. Maçom emérito. entre outros. Lombroso. causando verdadeira comoção nos meios intelectuais e científicos da época. com inequívocas contribuições ao cultivo da harmonia entre os povos. quando a maioria dos homens de saber zombava abertamente da proposta do nobre polonês. adota a posição de verdadeiro sábio que sem nada negar nem nada afirmar. A paz e o ensino pacifista e Fábulas e narrações pacifistas. Bozzano. que tantos homens de bem tem abrigado. Chamado à observação dos fenômenos espíritas. afirma a realidade dos fenômenos de materialização e clarividência. Myers. prefaciada por Sully Prudhomme2. entrega-se ao trabalho em busca de respostas. Lodge.I NTRODUÇÃO Foi pacifista memorável. honrou com seus nobres princípios e digna conduta a insigne instituição. 2 René François Armand Sully Prudhomme – Escritor e poeta francês. A partir de então. Mente universalista. aliando-se a outros pesquisadores. 23 .

conquanto divergisse dos espíritas sobre as causas desses fenômenos. após as provas recolhidas. pudessem ser obra dos Espíritos. a Metapsíquica. as bases de uma nova ciência. a qual denominou de Sexto Sentido. que somente acreditava naquilo que era palpável e podia ser mensurado pelos próprios sentidos ou instrumentos laboratoriais. 24 . Ela se baseava nas suas observações e. Diante disso e obedecendo ao seu senso positivista. contudo. responsável por toda essa gama de fenômenos observados. Elaborou. uma vez que lhe era impossível demonstrar materialmente a sobrevivência da alma à morte do corpo biológico. quando ainda não concluíra todos os seus estudos. sugerindo a existência no homem de uma função fisiológica. Richet procurou outras causas para explicar tais ocorrências. a sincera franqueza do grande gênio. como se dizia. achou improvável que tais fenômenos. Se permanecermos na superficialidade dos fatos. jamais os negou ou os atribuiu a fraudes e enganos. parecer-nos-á que Charles Richet refutou o Espiritismo como ciência positiva. assim. enfrentando desassombradamente a opinião daqueles que preferiam a ironia ou a negação dessas realidades. unicamente pela descrença da qual era possuído e devido a algumas declarações proferidas.C HARLES R ICHET Face aos conceitos que detinha e a sua percepção de fisiologista. Cabe ressaltar.

Se. Charles Richet.3 Muito devemos. concluiremos. estudos e meditações. Tomo I. por vezes. engendram ou conservam. colocando os fenômenos mediúnicos na pauta dos eventos capazes de se submeterem aos rigorosos controles da observação experimental. mas adentrarmos no conjunto dos seus pensamentos formados ao longo de porfiados anos de trabalho. achou a ciência espírita insuficiente para explicar satisfatoriamente alguns dos eventos observados. 54. sem repulsas ou endeusamentos. Tradução LAKE. Ao longo de mais de quarenta anos dedicados ao estudo e à observação. reafirmou à comunidade científica e ao mundo os postulados apresentados pela Codificação Espírita. Richet convenceu-se. especialmente por se ter mantido distante das questões da fé pura e simples e por se ter detido nos resultados laboratoriais. instrumento indispensável à cumplicidade da razão. gradativa3 Tratado de Metapsíquica.I NTRODUÇÃO Ao acompanharmos sua trajetória de pesquisador fiel às próprias convicções e aos princípios de verdadeira ciência. em várias ocasiões demonstrou apreço e respeito a Allan Kardec. 25 . os quais nenhuma dúvida aceitam. que Charles Richet cumpriu o seu papel na consolidação das verdades espíritas. considerando-o um cientista consciencioso. pois. que traduzia suas observações a partir da experimentação. pág. que sempre esposou. que. se não nos detivermos nas suas colocações isoladas. ao ilustre sábio francês.

senão de maneira imprecisa. além da correspondência que enviou ao seu grande amigo e também cientista Ernesto Bozzano.C HARLES R ICHET mente. 26 . O ver para crer em nada lhe diminuiu os méritos. Tratado de Metapsíquica. meditemos que desconhecemos. não nos sendo possível ajuizar sobre o programa de trabalho dos outros. Sigamos esse caminho e poderemos dizer amanhã com o Cristo: Eu venci o mundo! 4 A passagem de Richet – Mensagem psicografada por F. como nos mostram suas colocações em momentos distintos da vida e o conteúdo das suas obras. o inteiro teor das nossas próprias responsabilidades perante a Vida Maior. em 21 de janeiro de 1936. FEB. Prova disso.4 Avancemos igualmente trabalhando nos caminhos da existência e ante a crítica que nos venha à mente ou aos lábios. quase sempre. de 30 de maio de 1936. Em matéria de fé. dessas verdades. C. o favoreceu no seu retorno ao mundo dos Espíritos com a fé que remove montanhas. O sexto sentido. foi ele para o Espiritismo o que Tomé foi para o Cristianismo. No limiar do mistério e A grande esperança. Jesus reconhecendo-lhe o esforço sincero. Xavier. inserida no livro Crônicas de Além-túmulo. superficial e incompleta. publicada no jornal londrino Psychic News.

sim. pois que não é nada. o nosso papel pessoal representa pouca coisa. em qualquer descoberta. pouca coisa.” CHARLES RICHET .P RIMEIRA PARTE As múltiplas facetas de um gênio “Quereria mostrar (à propósito de minhas investigações) quanto. medíocre ou admirável.

.

CAPÍTULO I Nascimento. ansiava por novas claridades. para além das proibições e condenações. O pensamento. Família e Missão NO NOVA ERA LIMIAR DA A Humanidade terrena. a liberdade de pensar e escolher. Somente pouco a pouco e com o sacrifício de muitos. envolvida pelas trevas dos longos séculos que constituíram a Idade Média. enclausurado nos rituais e dogmas. mergulhara o homem medievo em aflitivos pesadelos. impedindo-o de vislumbrar. atributo natural do espírito humano. o seu verdadeiro patrimônio de legítimo filho de Deus. foi resgatada dentre às escuras fur- .

não obstante esse conhecimento tenha auxiliado o homem na sua libertação dos grilhões da ignorância. de igual maneira. aliado à continuidade dos desmandos e aos atos absurdos dos falsos religiosos. fazendo novos prosélitos. o centro intelectual do ocidente. Movimentos como o renascentista. Vivíamos o divórcio entre a Ciência e a Fé! 30 . sob pena de condenação capital por heresia ou traição. tantas vezes distanciados das virtudes que apregoavam. as quais passaram da credulidade obrigatória à descrença voluntária. A França era. o luteranista e o iluminista foram gradativamente devolvendo ao homem ocidental a liberdade de perquirir. no século XIX. favoreceu. saturavam-se de novos conhecimentos. dentre as mais brilhantes da época. E que heresia! E que traição! Com os avanços científicos. do despotismo e da intolerância. e. um direito exclusivo e torto de sacerdotes e políticos. a pedagogia do medo não mais encontrava eco nas consciências que. durante longo tempo. Tal possibilidade lamentavelmente foi. entretanto. despertando de extenso e fastidioso sono. analisar e pronunciar-se sobre os mais variados temas da vida humana. naqueles tempos.P RIMEIRA P ARTE – C APÍTULO I nas do orgulho e da crueldade. essas mentes ali desfilavam. o domínio do materialismo sobre muitas mentes. Todavia. ou de alguns sábios que se obrigavam ao anonimato.

Fraternidade e Liberdade ecoara fortemente em todo o planeta. estava reservado à Atenas dos tempos modernos a recepção da mensagem do Cristo Consolador. O mundo. Esse seria o cenário que Charles Richet encontraria ao retornar à Terra. 31 . sem ajuizar sobre 5 JOÃO. por sugestão dos Espíritos. Os fenômenos precursores do Espiritismo já de algum tempo agitavam os meios sociais e intelectuais dos Estados Unidos e Europa. F AMÍLIA E M ISSÃO Pouco antes. Vivíamos “no limiar” da Nova Era! NASCIMENTO A primeira metade do século XIX chegava ao seu fim. perplexo. a revolução travada supostamente em favor dos ideais de Igualdade. para Allan Kardec. fazendo convergir para a antiga Gália todas as atenções do mundo civilizado e conquanto forças tão avassaladoras – o materialismo e a religiosidade desvirtuada – combatessem em pleno coração do Velho Continente. surgindo pouco depois.5 Havíamos alcançado o tempo anunciado por Jesus para tal fim. o ponto de partida da Doutrina Espírita. em fins do século XVIII. assistia à invasão de sua realidade objetiva pelas almas dos mortos. 14:15 a 17 e 26.N ASCIMENTO . as chamadas mesas girantes.

mas. nasceu em Paris. o que lhe favoreceu a formação de um reto caráter.P RIMEIRA P ARTE – C APÍTULO I os verdadeiros propósitos desses acontecimentos. o que. FAMÍLIA Nascido no seio de tradicional família. capital da França. Alguns reconheciam a comunicação com o Além apenas como meio de diversão. outros como a manifestação do mal e. como charlatanismo e invencionice que lhes não merecia a atenção. a expressar-se até mesmo nas suas mais simples atitudes perante a vida. Foram seus pais o célebre cirurgião e professor catedrático da Faculdade de Medicina de Paris. na sua fase juvenil. Charles Richet foi alvo de influenciações positivas desde a mais tenra idade. novo ciclo de lutas e realizações. o dr. para o nosso biografado. Nesse clima materialista. Charles Robert Richet. as quais o conduziriam a mais elevados patamares evolutivos. a 26 de agosto de 1850. sobretudo. senhora Eugénie Renouard (1827-1884). conturbado e descrente. dele recebendo forte influência. No pai. encontrou o incentivo e o apoio indispensável ao desenvolvimento de suas potencialidades intelectuais. sobretudo. ainda outros. de grandes conquistas e intensas mudanças. Louis Dominique Alfred Richet (1818-1891) e sua esposa. malgrado sua atração para as 32 . Iniciava-se assim.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful