You are on page 1of 5

Crescendo em Cristo Lição 5

VERSO PARA MEMORIZAR:

27 de outubro a 3 de novembro “Tendo despojado os poderes e as autoridades, fez deles um espetáculo público, triunfando sobre eles na cruz” (Cl 2:15, NVI).

- O Sacrifício de Cristo, revela o Governo de Satanás e a decisão dos homens. Na cruz do Calvário, o amor e o egoísmo encontraram-se face a face. Ali teve lugar sua suprema manifestação. Cristo vivera unicamente para confortar e beneficiar, e, ao levá-Lo à morte, Satanás manifestou a malignidade de seu ódio contra Deus. Tornou evidente que o real desígnio de sua rebelião, era destronar o Senhor, e destruir Aquele por meio de quem o Seu amor se manifestava. Pela vida e morte de Cristo, também os pensamentos dos homens são trazidos à luz. Da manjedoura à cruz, a vida do Salvador foi um convite à entrega, e à participação no sofrimento. Revelou o desígnio dos homens. Jesus veio com a verdade do Céu, e todos quantos ouviam a voz do Espírito Santo foram atraídos a Ele. Os adoradores do próprio eu pertenciam ao reino de Satanás. Em sua atitude em relação a Cristo, todos manifestariam de que lado se achavam. E assim todos passam sobre si mesmos o julgamento. O Desejado de Todas as Nações, 57-58. Objetivo: Reconhecer que a vitória de Cristo sobre a cruz foi total, absoluta e essa vitória deve ser a nossa, diariamente sobre o poder escravizante do pecado, para isso nos concedeu Seu Santo Espírito, para crescermos “até que todos

cheguemos à unidade da fé e ao conhecimento do Filho de Deus, a varão perfeito, à medida da estatura completa de Cristo” Efé. 4:13.
Domingo: A redenção 1. Leia os textos bíblicos e marque “s” para sim ou “n” para não: O que está incluído no conceito de redenção? Is 35:10; Mc 10:45; Gl 4:4, 5; Tt 2:14; Hb 9:12; 1Pe 1:18, 19
Todavia, ao SENHOR agradou moê-lo, fazendo-o enfermar; quando der ele a sua alma como oferta pelo pecado, verá a sua posteridade e prolongará os seus dias; e a vontade do SENHOR prosperará nas suas mãos. (Isa. 53:10) Pois o próprio Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate por muitos . (Mar. 10:45) vindo, porém, a plenitude do tempo, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei, para resgatar os que estavam sob a lei, a fim de que recebêssemos a adoção de filhos. (Gál. 4:4-5) o qual a si mesmo se deu por nós, a fim de remir-nos de toda iniqüidade e purificar, para si mesmo, um povo exclusivamente seu, zeloso de boas obras. (Tito 2:14) não por meio de sangue de bodes e de bezerros, mas pelo seu próprio sangue, entrou no Santo dos Santos, uma vez por todas, tendo obtido eterna redenção. (Heb. 9:12) sabendo que não foi mediante coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados do vosso fútil procedimento que vossos pais vos legaram, mas pelo precioso sangue, como de cordeiro sem defeito e sem mácula, o sangue de Cristo, (1 Ped. 1:18-19)

- Está incluído no conceito de redenção: As letras A, B e D que são Verdadeiras. A) O nascimento, vida, morte e ressurreição de Cristo. ( s ) B) O ministério de Cristo no santuário celestial, com base no Seu sangue. ( s ) C) O fato de que Deus escolheu uns para a redenção e outros para a perdição. ( n ) D) A nossa adoção como filhos de Deus, perdoados e purificados. ( s ) - A morte redentora de Cristo é sacrifical e substitutiva.

Cristo é nosso Sacrifício, nosso Substituto, nosso Penhor, nosso Intercessor divino; Ele Se nos tornou justiça, santificação e redenção. "Porque Cristo não entrou num santuário feito por mãos, figura do verdadeiro, porém no mesmo Céu, para agora comparecer, por nós, perante a face de Deus." Heb. 9:24. A intercessão de Cristo em nosso favor consiste em apresentar Seus méritos divinos, oferecendo-Se a Si mesmo ao Pai como nosso Substituto e Penhor; pois Ele ascendeu ao alto para fazer expiação por nossas transgressões. "Se... alguém pecar, temos um Advogado para com o Pai, Jesus Cristo, o Justo. E ele é a propiciação pelos nossos pecados e não somente pelos nossos, mas também pelos de todo o mundo." I João 2:1 e 2. "Nisto consiste o amor: não em que nós tenhamos amado a Deus, mas em que Ele nos amou e enviou o seu Filho como propiciação pelos nossos pecados." I João 4:10. "Portanto, pode também salvar perfeitamente os que por Ele se chegam a Deus, vivendo sempre para interceder por eles." Heb. 7:25. Fé e Obras, 105. Se Satanás vem para lançar sua sombra entre vós e Deus, acusando-vos de pecado, tentando-vos a desconfiar de Deus e duvidar de Sua misericórdia, dizei: Não posso permitir que minha fraqueza se interponha entre mim e Deus, pois Ele é
ramos@advir.com

minha força. Meus pecados, que são muitos, são postos sobre Jesus, meu divino Substituto e Sacrifício. Mensagens Escolhidas 1, p. 332.
Segunda: Escravos libertados 2. Marque “v” para verdadeiro e “f” para falso: De acordo com Romanos 6:12-23 (especialmente os versos 18, 20 e 22), do que Jesus nos liberta? Em que contexto ocorre a libertação?
Rom. 6:12 Não reine, portanto, o pecado em vosso corpo mortal, para lhe obedecerdes em suas concupiscências; 13 nem tampouco apresenteis os vossos membros ao pecado por instrumentos de iniquidade; mas apresentai-vos a Deus, como vivos dentre mortos, e os vossos membros a Deus, como instrumentos de justiça. 14 Porque o pecado não terá domínio sobre vós, pois não estais debaixo da lei, mas debaixo da graça. 15 Pois quê? Pecaremos porque não estamos debaixo da lei, mas debaixo da graça? De modo nenhum! 16 Não sabeis vós que a quem vos apresentardes por servos para lhe obedecer, sois servos daquele a quem obedeceis, ou do pecado para a morte, ou da obediência para a justiça? 17 Mas graças a Deus que, tendo sido servos do pecado, obedecestes de coração à forma de doutrina a que fostes entregues. 18 E, libertados do pecado, fostes feitos servos da justiça. 19 Falo como homem, pela fraqueza da vossa carne; pois que, assim como apresentastes os vossos membros para servirem à imundícia e à maldade para a maldade, assim apresentai agora os vossos membros para servirem à justiça para a santificação. 20 Porque, quando éreis servos do pecado, estáveis livres da justiça. 21 E que fruto tínheis, então, das coisas de que agora vos envergonhais? Porque o fim delas é a morte. 22 Mas, agora, libertados do pecado e feitos servos de Deus, tendes o vosso fruto para santificação, e por fim a vida eterna. 23 Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna, por Cristo Jesus, nosso Senhor.

- Somos Escravos libertados do pecado por intermédio de Jesus, que anula sua condenação e seu domínio, a libertação ocorre no contexto da vida prática para agora consagrarmos corpo, mente e espírito ao Senhor.
A) Liberta das obrigações da lei, no contexto do Antigo Testamento. ( f ) B) Liberta as nações da política da escravidão. ( f ) C) Liberta do pecado, anulando sua condenação e seu domínio em nossa vida prática. ( v ) D) Liberta do excesso de santidade, que pode levar ao orgulho. ( f ) Entre os ouvintes, muitos foram para Ele atraídos com fé, e a estes Jesus disse: "Se vós permanecerdes na Minha palavra, verdadeiramente sereis Meus discípulos; e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará." João 8:31 e 32. Estas palavras ofenderam os fariseus. Passaram por alto a longa sujeição de seu povo a um jugo estrangeiro, e exclamaram, zangados: "Somos descendência de Abraão, e nunca servimos a ninguém; como dizes Tu: Sereis livres?" João 8:33. Jesus olhou a esses homens, escravos da malignidade, cujos pensamentos iam após vinganças, e respondeu com tristeza: "Em verdade, em verdade vos digo que todo aquele que comete pecado é servo do pecado." João 8:34. Eles se achavam na pior espécie de servidão - governados pelo espírito do mal. Toda alma que recusa entregar-se a Deus, acha-se sob o domínio de outro poder . Não pertence a si mesma. Pode falar de liberdade, mas está na mais vil servidão. Não lhe é permitido ver a beleza da verdade, pois sua mente se encontra sob o poder de Satanás. Enquanto se lisonjeia de seguir os ditames de seu próprio discernimento, obedece à vontade do príncipe das trevas. Cristo veio quebrar as algemas da escravidão do pecado para a alma. "Se pois o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres." "A lei do Espírito de vida, em Cristo Jesus" nos liberta "da lei do pecado e da morte." Rom. 8:2. Não há constrangimento na obra da redenção. Não se exerce nenhuma força externa. Sob a influência do Espírito de Deus, o homem é deixado livre para escolher a quem há de servir. Na mudança que se opera quando a alma se entrega a Cristo, há o mais alto senso de liberdade. A expulsão do pecado é ato da própria alma. Na verdade, não possuímos capacidade para livrar-nos do poder de Satanás; mas quando desejamos ser libertos do pecado e, em nossa grande necessidade, clamamos por um poder fora de nós e a nós superior, as faculdades da alma são revestidas da divina energia do Espírito Santo, e obedecem aos ditames da vontade no cumprir o querer de Deus. A única condição em que é possível o libertamento do homem, é tornar-se ele um com Cristo. "A verdade vos libertará" (João 8:32); e Cristo é a verdade. O pecado só pode triunfar, enfraquecendo a mente e destruindo a liberdade da alma. A sujeição a Deus é restauração do próprio ser - da verdadeira glória e dignidade do homem. A lei divina, à qual somos postos em sujeição, é a "lei da liberdade". Tia. 2:12. O Desejado de Todas as Nações, 466. O meio por que podemos vencer o maligno, é aquele pelo qual Cristo venceu - o poder da Palavra. Deus não nos rege a mente sem nosso consentimento; mas se desejamos conhecer e fazer a Sua vontade, pertencenos a promessa: "Conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará." João 8:32. "Se alguém quiser fazer a vontade dEle, pela mesma doutrina, conhecerá." João 7:17. Mediante a fé nessas promessas, todo homem poderá ser libertado dos ardis do erro e do domínio do pecado. Todo homem é livre para escolher que poder o regerá. Ninguém caiu tão fundo, ninguém é tão vil, que não possa encontrar libertação em Cristo. O Desejado de Todas as Nações, 258-259. Terça: Principados e potestades: parte 1 “Principados” Rom. 8:38 é a tradução do Gr. archai, que na prática se refere a governantes e poderes stoicheia (potestades) tanto no sentido humano, quanto sobrenatural, que tentam exercer um sistema opressor para o predomínio do mal sobre a mente dos homens. “dominadores deste mundo tenebroso” (RA). Neste sistema encontram-se os poderes políticos, sociais, tradicionais, familiares e até mesmo religiosos. A referência é sobre seres pessoais (espíritos malignos ou humanos), que exercem um grau de autoridade e influencia sobre as pessoas, em todos as áreas da vida.

ramos@advir.com

Não temas as coisas que tens de sofrer. Eis que o diabo está para lançar em prisão alguns dentre vós, para serdes postos à prova, e tereis tribulação de dez dias. Sê fiel até à morte, e dar-te-ei a coroa da vida. (Apoc. 2:10) Assim, também nós, quando éramos menores, estávamos servilmente sujeitos aos rudimentos do mundo; (Gál. 4:3) Já não falarei muito convosco, porque aí vem o príncipe do mundo; e ele nada tem em mim; (João 14:30) 3. O que a Bíblia diz sobre a realidade do conflito? Que grande esperança e promessas encontramos nela? (Marque “v” para verdadeiro e “f” para falso) 1Jo 3:8; 5:19; Jo 12:31; 16:11; Ef 6:12; Cl 1:16; 2:15; Rm 8:38, 39 Aquele que pratica o pecado procede do diabo, porque o diabo vive pecando desde o princípio. Para isto se manifestou o Filho de Deus: para destruir as obras do diabo. (1 João 3:8) Sabemos que somos de Deus e que o mundo inteiro jaz no Maligno. (1 João 5:19) Chegou o momento de ser julgado este mundo, e agora o seu príncipe será expulso. (João 12:31) do juízo, porque o príncipe deste mundo já está julgado. (João 16:11) porque a nossa luta não é contra o sangue e a carne, e sim contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes. (Efés. 6:12) pois, nele, foram criadas todas as coisas, nos céus e sobre a terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejam soberanias, quer principados, quer potestades. Tudo foi criado por meio dele e para ele. (Col. 1:16) e, despojando os principados e as potestades, publicamente os expôs ao desprezo, triunfando deles na cruz. (Col. 2:15) Porque eu estou bem certo de que nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as coisas do presente, nem do porvir, nem os poderes, nem a altura, nem a profundidade, nem qualquer outra criatura poderá separar-nos do amor de Deus, que está em Cristo Jesus, nosso Senhor. (Rom. 8:38-39) - A realidade do conflito manifesta que “A nossa luta não é contra o sangue e a carne, e sim contra os principados e potestades.” E a grande esperança está na promessa de que nada “poderá nos separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus.” A) “Para isto se manifestou o Filho de Deus: para amenizar as obras do diabo.” ( f ) B) “Sabemos que somos de Deus e que o mundo inteiro já não mais está no Maligno.” ( f ) C) “A nossa luta não é contra o sangue e a carne, e sim contra os principados e potestades.” ( v ) D) Nada “poderá separar-nos do amor de Deus, que está em Cristo Jesus.” ( v ) O grande conflito entre o Príncipe da vida e o príncipe das trevas tem prosseguido, intensificando-se a cada sucessiva geração. Tem sido verdadeiramente severo o conflito travado entre o certo e o errado, entre a verdade e o erro, entre o reino da luz e o reino das trevas. A verdade tem lutado contra o erro e o erro, contra a verdade. O conflito tem existido por milhares de anos. … A verdade como é em Jesus obterá a vitória que a profecia lhe assegura; mas diante de todas as aparências humanas, o erro subjugará a verdade. A maior parte da raça humana será lançada na idolatria. Exaltarão aquilo que Cristo não exaltou e se empenharão por derribar o grande padrão da justiça de Deus. … Satanás é citado como o originador do pecado. "Para isto se manifestou o Filho de Deus: para destruir as obras do diabo." I João 3:8. Manuscrito 110, 1897. Em I Cor. 15:24-25 Paulo diz que eles serão subjugados por Cristo. Isaías prevê o momento em que os anjos maus e os homens perversos sofrerão punição (leia Mat. 25:41; 2 Ped. 2:4, 9; Apoc. 20:10-15; The SDA Bible Commentary [Comentário Bíblico Adventista], v. 4, p. 198, 199). Quarta: Principados e potestades: parte 2 4. Marque um “x” nas respostas certas: Além dos poderes malignos literais, de que outras coisas fomos libertados por Jesus? Cl 2:8, 14, 20; Gl 4:1-11 Cuidado que ninguém vos venha a enredar com sua filosofia e vãs sutilezas, conforme a tradição dos homens, conforme os rudimentos do mundo e não segundo Cristo; (Col. 2:8) tendo cancelado o escrito de dívida, que era contra nós e que constava de ordenanças, o qual nos era prejudicial, removeu- o inteiramente, encravando-o na cruz; (Col. 2:14) Se morrestes com Cristo para os rudimentos do mundo, por que, como se vivêsseis no mundo, vos sujeitais a ordenanças: (Col. 2:20) ... E, porque vós sois filhos, enviou Deus ao nosso coração o Espírito de seu Filho, que clama: Aba, Pai! De sorte que já não és escravo, porém filho; e, sendo filho, também herdeiro por Deus. Outrora, porém, não conhecendo a Deus, servíeis a deuses que, por natureza, não o são; mas agora que conheceis a Deus ou, antes, sendo conhecidos por Deus, como estais voltando, outra vez, aos rudimentos fracos e pobres, aos quais, de novo, quereis ainda escravizarvos? (Gál. 4:1-11)

ramos@advir.com

- Além dos poderes malignos literais, fomos libertados por Jesus das: As letras A, B, C e E são certas. A) Filosofia ( x ); B) Vãs sutilezas ( x ); C) Rudimentos (princípios, regras, forma de agir) do mundo (contrários a Deus) ( x ); D) Lei moral, que nos trazia condenação ( ); E) Costumes e Tradições dos homens ( x ). A verdade de Deus revelada em Sua Palavra deve ser um princípio vivo, que perdura. Não deve ser encarada como uma influência entre muitas outras, mas como algo estabelecido acima de todas as demais. Exercerá um poder sobre a vida e conduta até que todo o ser humano assimile a imagem do Perfeito Modelo e o agente humano seja completo em Jesus Cristo. "Ora, como recebestes Cristo Jesus, o Senhor, assim andai nEle, ... radicados, e edificados", não em si mesmos, nem segundo concepções humanas, mas nEle " ... tal como fostes instruídos, crescendo em ações de graças. Cuidado que ninguém vos venha a enredar com sua filosofia e vãs subtilezas, conforme a tradição dos homens, conforme os rudimentos do mundo e não segundo Cristo." Col. 2:6-8. Vosso maior perigo será o de não verdes a necessidade de contemplar o caráter de Cristo com o definido propósito de imitar Sua vida e amoldar vosso caráter com o caráter dEle. Deveis revelar uma marcada diferença entre vosso caráter e o do mundo. "Porquanto, nEle, habita, corporalmente, toda a plenitude da Divindade. Também, nEle, estais aperfeiçoados. Ele é o cabeça de todo principado e potestade." Col. 2:9 e 10. As grandes verdades da Bíblia são para nós individualmente - para reger, guiar, controlar nossa vida, pois esta é a única forma pela qual Cristo pode ser apropriadamente apresentado ao nosso mundo - em graça e bondade no caráter daqueles que professam ser Seus discípulos. Nada menos do que o serviço de coração será aceitável a Deus. Deus requer a santificação do homem completo: corpo, alma, e espírito. O Espírito Santo implanta uma nova natureza, e molda mediante a graça de Cristo o caráter humano, até que a imagem de Cristo esteja aperfeiçoada. Isso é verdadeira santidade. Carta 70, 1894. Quinta: Um assassino revelado Cristo veio ao mundo com o propósito de destruir as obras do diabo (Hb 2:14). Ele fez isso na cruz. Mas, se Cristo foi vitorioso sobre o diabo, os principados e potestades, por que ainda estamos lutando contra eles? 5. Quais são as três expressões usadas por Paulo para descrever o que aconteceu na cruz? Como podemos entender o significado da cruz? Cl 2:15 Complete a resposta: e despojando os principados e as potestades, publicamente os “expôs ao desprezo”, triunfando deles na cruz. (Col. 2:15) Cristo “despojou”, “privou da posse” ou “desarmou” os “principados e as potestades”. A palavra gr. apekduomai, que significa literalmente “tirar as roupas de alguém”. Na prática significa que os poderes foram “privados de sua posse” ou “desarmados”. Que armas? “A vida vitoriosa de Cristo, que culminou no Calvário, anunciou a condenação do diabo. O disfarce de Satanás foi arrancado. [...] Por Sua cruz Jesus Cristo despojou dos principados e potestades das trevas tanto seu ‘manto oficial’ quanto sua autoridade como príncipes deste mundo, e sua armadura de força na guerra contra a justiça” (The SDA Bible Commentary [Comentário Bíblico Adventista, v. 7], p. 205). 6. Cristo “publicamente [...] expôs [os poderes] ao desprezo”, “fez deles um espetáculo público”. Como os poderes foram expostos publicamente na cruz? Que imagens deles se tornou evidente? Jo 8:44 Complete: Ele foi foi homicida desde o princípio e jamais se firmou na verdade, porque nele não há verdade. Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso e pai da mentira. (João 8:44) Quando Cristo veio ao nosso mundo sob a forma humana, todos estavam profundamente interessados em acompanháLo, ao percorrer Ele, passo a passo, a vereda ensanguentada a partir da manjedoura ao Calvário. O Céu observou o insulto e zombaria que Ele recebeu, e sabia que isto foi por instigação de Satanás. Notaram a operação das forças contrárias a avançar, impelindo Satanás constantemente trevas, tristezas e sofrimento sobre a raça, e estando Cristo a reagir contra isso. Observaram a batalha entre a luz e as trevas, enquanto a mesma se tornava mais forte. E ao clamar Cristo em Sua aflição mortal sobre a cruz: "Está consumado" (João 19:30), um brado de triunfo repercutiu por todos os mundos, e pelo próprio Céu. A grande contenda que estivera em andamento durante tanto tempo neste mundo, estava agora decidida, e Cristo era vencedor. Sua morte resolveu a questão de terem ou não o Pai e o Filho amor suficiente pelo homem para exercerem a abnegação e um espírito de sacrifício. Havia Satanás revelado seu verdadeiro caráter de mentiroso e assassino. Viu-se que o mesmo espírito, com que governara os filhos dos homens que estiveram sob o seu poder, ele teria manifestado se lhe fora permitido governar os seres do Céu. Unanimemente o Universo fiel uniu-se no engrandecimento da administração divina. Patriarcas e Profetas, 69-70. Cristo “triunfou sobre eles”. A palavra grega é thriambeuo e implica uma celebração. LES. Por causa do sacrifício de Jesus, o domínio desses poderes será totalmente erradicado, quando Cristo “houver destruído todo principado, bem como toda potestade e poder” (I cor. 15:24), e o último inimigo a ser destruído será a morte (I Cor. 15:26). Até lá, temos que resistir, combatendo o combate da fé na força de Deus […] “Satanás viu que estava desmascarado. [...] Revelara-se um homicida. Derramando o sangue do Filho de Deus, desarraigou-se Satanás das simpatias dos seres celestiais. Daí em diante sua obra ficou restrita. Estavam quebrados os derradeiros laços de simpatia entre Satanás e o mundo celestial …” O Desejado de Todas as Nações, 761.

ramos@advir.com

Sexta: Estudo adicional Conclusão: Em “Crescendo em Cristo” aprendi que … A vitória de Cristo sobre a cruz foi total, absoluta e essa vitória deve ser a nossa, diariamente sobre o poder escravizante do pecado, para isso nos concedeu Seu Santo Espírito, para crescermos “até que todos cheguemos à unidade da fé e ao

conhecimento do Filho de Deus, a varão perfeito, à medida da estatura completa de Cristo” Efé. 4:13.
- Domingo: Está incluído no conceito sobre A redenção: O nascimento, vida, morte e ressurreição de Cristo. O ministério de Cristo no santuário celestial, com base no Seu sangue. A nossa adoção como filhos de Deus, perdoados e purificados.

“Cristo é nosso Sacrifício, nosso Substituto, nosso Penhor, nosso Intercessor divino; Ele Se nos tornou justiça, santificação e redenção”. Fé e Obras, 105.
- Segunda: Somos Escravos libertados do pecado por intermédio de Jesus, que anula sua condenação e seu domínio, a libertação ocorre no contexto da vida prática para agora consagrarmos corpo, mente e espírito ao Senhor. "Se pois o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres." "A lei do Espírito de vida, em Cristo Jesus" nos liberta "da lei do pecado e da morte." Rom. 8:2. - Terça: Principados e potestades: parte 1: “Principados” Rom. 8:38 é a tradução do Gr. archai, que na prática se refere a governantes e poderes stoicheia (potestades) tanto no sentido humano, quanto sobrenatural, que tentam exercer um sistema opressor para o predomínio do mal sobre a mente dos homens. “dominadores deste mundo tenebroso” (RA). Neste sistema encontram-se os poderes políticos, sociais, tradicionais, familiares e até mesmo religiosos. A referência é sobre seres pessoais (espíritos malignos ou humanos), que exercem um grau de autoridade e influencia sobre as pessoas, em todos as áreas da vida. “Assim, também nós, quando éramos menores, estávamos servilmente sujeitos aos rudimentos do mundo.” (Gál. 4:3). A realidade do conflito manifesta que “A nossa luta não é contra o sangue e a carne, e sim contra os principados e potestades.” E a grande esperança está na promessa de que nada “poderá separar-nos do amor de Deus, que está em Cristo Jesus.” - Quarta: Principados e potestades: parte 2: Além dos poderes malignos literais, fomos libertados por Jesus das: Filosofias, Vãs sutilezas, Rudimentos (princípios, regras, forma de agir) do mundo (contrários a Deus), Costumes e Tradições dos homens. - Quinta: Um assassino revelado: “Satanás viu que estava desmascarado. [...] Revelara-se um homicida. Derramando o sangue do Filho de Deus, desarraigou-se Satanás das simpatias dos seres celestiais. Daí em diante sua obra ficou restrita. Estavam quebrados os derradeiros laços de simpatia entre Satanás e o mundo celestial …” O Desejado de Todas as Nações, 761. “Ele foi homicida desde o princípio e jamais se firmou na verdade, porque nele não há verdade. Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso e pai da mentira”. (João 8:44).

Crescimento em Cristo Os Adventistas do Sétimo Dia Creem que... Pela sua morte na cruz Jesus triunfou sobre as forças do mal. Ele subjugou os espíritos de demônios durante o Seu ministério terrestre e quebrou o seu poder e tornou certo o seu destino final. A vitória de Jesus dá-nos vitória sobre as forças do mal que continuam procurando controlar-nos, enquanto nós caminhamos com Ele em paz, alegria, e a garantia do Seu amor. Agora o Espírito Santo mora conosco e nos dá poder. Continuamente comprometidos com Jesus como nosso Salvador e Senhor, somos livres do fardo dos nossos feitos passados. Não mais vivemos na escuridão, com medo dos poderes do mal, ignorância, e a falta de sentido de nosso antigo estilo de vida. Nessa nova liberdade em Jesus, somos chamados a crescer na semelhança de Seu caráter, comungando com Ele diariamente em oração, alimentando-nos de Sua Palavra, meditando nisso e em Sua providência, cantando Seus louvores, reunindo-nos juntos em adoração, e participando na missão da Igreja. Na medida em que nos entregamos ao serviço de amor àqueles ao nosso redor e ao testemunho da Sua salvação, Sua constante presença conosco através do Espírito transforma cada momento e toda tarefa numa experiência espiritual. Crenças Fundamentais , número 11. Razões bíblicas: Salmos 1:1, 2; 23:4; 77:11, 12; Colossenses 1:13, 14; 2:6, 14, 15; Lucas 10:17-20; Efésios 5:19, 20; 6:1218; I Tessalonicenses 5:23; II Pedro 2:9; 3:18; II Corintios 3:17, 18; Filipenses. 3:7-14; I Tessalonicenses 5:16-18; Mateus 20:25-28; João 20:21; Gálatas 5:22-25; Romanos 8:38, 39; I João 4:4; Hebreus 10:25.

ramos@advir.com

Related Interests