You are on page 1of 159

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa

Engenharia de Sistemas das Telecomunicac¸˜ oes e Electr´ onica
Secc¸
˜
ao de Sistemas de Telecomunicac¸
˜
oes
Sistemas Radiantes
Apontamentos
Copyright c ( Carlos Mendes
cmendes@deetc.isel.ipl.pt
Conte´ udo
1 Teoria do Campo Electromagn´etico 1
1.1 Sobre a nota¸c˜ao a utilizar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
1.2 Introdu¸c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
1.3 Equa¸c˜oes de Maxwell . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2
1.4 Ondas planas monocrom´aticas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
1.5 Potˆencia electromagn´etica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
1.6 Condi¸c˜oes fronteira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
1.7 Radia¸c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
1.8 Dipolo El´ectrico de Hertz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
1.8.1 Campos radiados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
1.8.2 Potˆencia radiada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
2 Parˆametros Fundamentais 21
2.1 Intensidade de Radia¸c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
2.2 Directividade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
2.3 Ganho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
2.4 Diagrama de radia¸c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
2.4.1 Parˆametros principais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
2.4.2 Tipos de diagramas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
2.4.3 Diagramas bidimensionais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
2.5 Impedˆancia de entrada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
2.5.1 Antenas em emiss˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
2.5.2 Antenas em recep¸c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
2.6
´
Area Efectiva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
2.7 Polariza¸ c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
2.8 Largura de banda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
2.9 Exemplo - Dipolo de Hertz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
iii
3 Antenas Lineares 43
3.1 Introdu¸c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
3.2 Dipolos Lineares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
3.2.1 Campos radiados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
3.2.2 Potˆencia radiada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
3.2.3 Resistˆencia de radia¸c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
3.2.4 Directividade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
3.2.5 Antena Linear de λ/2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
3.3 Dipolos Cil´ındricos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
4 Agregados 57
4.1 Introdu¸c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
4.2 Factor de Agregado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58
4.3 Agregado linear de amplitudes uniformes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
4.3.1 Agregado transversal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
4.3.2 Agregado longitudinal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
4.3.3 Agregado arbitr´ario . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64
4.3.4 Directividade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
4.3.5 Obten¸c˜ao do diagrama de radia¸c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
4.4 Agregado linear de amplitudes n˜ao uniformes . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
4.4.1 Distribui¸c˜ao Chebyshev . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
4.4.2 Distribui¸c˜ao Binomial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
4.5 Compara¸c˜ao entre m´etodos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78
4.6 Agregados Planos e Volum´etricos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78
5 Radia¸c˜ao por Aberturas 83
5.1 Introdu¸c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83
5.2 Cargas e correntes magn´eticas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83
5.3 Princ´ıpio da equivalˆencia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87
5.4 Cornetas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90
5.4.1 Corneta de sector E . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90
5.4.2 Corneta de sector H . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93
5.4.3 Corneta piramidal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96
6 Antenas com reflector 101
6.1 Reflector plano . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101
6.1.1 Teoria das imagens . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101
v
6.1.2 Dipolos com plano reflector . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
6.2 Reflector parab´olico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111
6.2.1 Geometria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113
6.2.2 Rendimento e Directividade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115
6.2.3 Polariza¸c˜ao cruzada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117
6.2.4 Outras configura¸c˜oes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117
7 Antenas Microstrip 121
7.1 Introdu¸c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 121
7.2 Estruturas impressas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122
7.2.1 Ondas em estruturas impressas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122
7.2.2 Diel´ectrico e camadas condutoras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125
7.3 Antenas impressas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125
7.3.1 Tipos de alimenta¸ c˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125
7.3.2 M´etodos de an´alise . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 128
7.3.3 M´etodo da linha de transmiss˜ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 129
7.3.4 M´etodo da cavidade ressonante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 134
A Conceitos matem´aticos 141
A.1 Vectores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 141
A.1.1 Soma e Subtrac¸c˜ao de vectores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 141
A.1.2 Multiplica¸c˜ao de vectores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 142
A.2 An´alise Vectorial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 144
A.2.1 No¸c˜ao de campo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 144
A.2.2 Gradiente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 144
A.2.3 Fluxo e Divergˆencia de um campo vectorial . . . . . . . . . . . . . . . 145
A.2.4 Circula¸c˜ao e Rotacional de um campo vectorial . . . . . . . . . . . . . 146
A.2.5 Laplaciano . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 146
A.3 Sistemas de coordenadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 147
A.3.1 Coordenadas cartesianas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 148
A.3.2 Coordenadas esf´ericas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 148
vi
Cap´ıtulo 1
Teoria do Campo Electromagn´etico
1.1 Sobre a nota¸c˜ao a utilizar
Neste e nos seguintes cap´ıtulos iremos lidar com grandezas escalares e com grandezas vecto-
riais, quer no dom´ınio do tempo quer no dom´ınio da frequˆencia. Assim, para as distinguir
ser´a utilizada a seguinte nota¸c˜ao: uma barra sobre a letra que representa uma determinada
grandeza indica que esta representa uma grandeza no dom´ınio da frequˆencia. A ausˆencia
desta barra indica que a grandeza se encontra no dom´ınio do tempo. De igual modo, uma
grandeza com um til sob a letra que a representa ´e um vector e uma grandeza sem o til ser´a
um escalar. Uma barra e um til simultˆaneos indicam uma grandeza vectorial no dom´ınio da
frequˆencia. No caso particular dos vectores unit´arios (utilizados para definir direc¸c˜oes), estes
s˜ao distinguidos dos vectores ”normais”atrav´es da inclus˜ao de um acento circunflexo. Alguns
exemplos s˜ao mostrados de seguida
f ou F − Grandeza escalar no dom´ınio do tempo ou uma constante
F
¯
− Grandeza vectorial no dom´ınio do tempo
¯
f ou
¯
F − Grandeza escalar no dom´ınio da frequˆencia
¯
F
¯
− Grandeza vectorial no dom´ınio da frequˆencia
ˆa
¯
k
− Vector unit´ario ou versor
1.2 Introdu¸c˜ao
Neste cap´ıtulo iremos come¸car por rever alguns conceitos associados `a teoria do campo elec-
tromagn´etico. Nesta primeira fase iremos assumir que as ondas existem e n˜ao nos iremos
preocupar com a forma como s˜ao geradas. Numa segunda fase do cap´ıtulo iremos ent˜ao
2 Teoria do Campo Electromagn´etico
abordar a teoria da radia¸c˜ao, isto ´e, o processo pelo qual as ondas electromagn´eticas s˜ao
geradas.
Este ´e um cap´ıtulo que servir´a apenas como revis˜ao, uma vez que os assuntos aqui tratados
j´a foram objecto de estudo noutras disciplinas. Por este motivo, a abordagem tomada ser´a
superficial e, salvo algumas excep¸c˜oes, n˜ao ser´a dada grande importˆancia `a demonstra¸c˜ao de
resultados. No entanto este ´e um cap´ıtulo fundamental pois os cap´ıtulos subsequentes est˜ao
baseados nos resultados aqui apresentados. Uma boa compreens˜ao dos assuntos aqui expostos
´e, por isso, vivamente aconselhada. Aos alunos mais interessados aconselha-se a consulta,
entre outros, da bibliografia apresentada no fim deste documento, de modo a aprofundar os
temas aqui abordados.
A compreens˜ao deste cap´ıtulo s´o ser´a poss´ıvel se o aluno tiver um conhecimento no m´ınimo
razo´avel das ferramentas matem´aticas utilizadas. Para aqueles que n˜ao possuam esse conhec-
imento ´e efectuada no Apˆendice A uma revis˜ao dos conceitos matem´aticos necess´arios.
1.3 Equa¸c˜oes de Maxwell
Todos os fen´omenos electromagn´eticos (p.e., a propaga¸c˜ao num guia de ondas ou numa fibra
´optica ou a radia¸c˜ao por uma antena) obedecem `as equa¸c˜oes de Maxwell
∇E
¯
= −
∂B
¯
∂t
(1.1)
∇H
¯
=
∂D
¯
∂t
+ J
¯
(1.2)
∇ B
¯
= 0 (1.3)
∇ D
¯
= ρ (1.4)
onde
E
¯
− Campo El´ectrico [V/m]
D
¯
− Densidade de Fluxo El´ectrico [C/m
2
]
H
¯
− Campo Magn´etico [A/m]
B
¯
− Densidade de Fluxo Magn´etico [Wb/m
2
]
J
¯
− Densidade de Corrente El´ectrica [A/m
2
]
ρ − Densidade de Carga El´ectrica [C/m
3
]
J
¯
e ρ s˜ao as fontes do campo electromagn´etico e os campos s˜ao o efeito da existˆencia destas
fontes. As equa¸c˜oes de Maxwell s˜ao complementadas com a equa¸c˜ao da for¸ca de Lorentz
F
¯
= q(E
¯
+ v
¯
B
¯
) (1.5)
1.3 Equa¸c˜oes de Maxwell 3
que nos d´a a for¸ca exercida numa carga de valor q que se desloca a uma velocidade v
¯
quando
sujeita aos campos E
¯
e B
¯
.
Se o meio onde os campos existem for o vazio verificam-se as seguintes rela¸c˜oes entre E
¯
e
D
¯
e entre B
¯
e H
¯
B
¯
= µ
0
H
¯
(1.6)
D
¯
= ε
0
E
¯
(1.7)
onde
ε
0

=
1
36π
10
−9
F/m (1.8)
µ
0
= 4π 10
−7
H/m (1.9)
Suponhamos agora que o meio n˜ao ´e o vazio. Um meio cont´em sempre cargas e correntes
permanentes que normalmente est˜ao dispostas aleatoriamente produzindo assim um efeito
final nulo. Se agora subtermos a mat´eria a um campo electromagn´etico externo, as cargas e
correntes tendem a “alinhar-se” com este campo. O campo final resulta ent˜ao da interferˆencia
entre o campo externo e o campo gerado no pr´oprio meio. Dependendo do meio em quest˜ao,
as rela¸c˜oes apresentadas anteriormente podem tomar agora formas mais ou menos complexas.
No entanto, para meios mais simples estas rela¸c˜oes tomam uma forma idˆentica `a anterior.
Introduzindo o conceito de parˆametros constitutivos do meio [ε, µ ,σ] surgem as denominadas
rela¸c˜oes constitutivas
D
¯
= εE
¯
= ε
r
ε
0
E
¯
(1.10)
B
¯
= µH
¯
= µ
r
µ
0
H
¯
(1.11)
J
¯
c
= σE
¯
(Lei de Ohm) (1.12)
onde
ε − Permitividade el´ectrica [F/m]
ε
r
− Permitividade relativa
µ − Permeabilidade magn´etica [H/m]
µ
r
− Permeabilidade relativa
σ − Condutividade [S/m]
Nas equa¸c˜oes de Maxwell para o vazio, o termo J
¯
representa a densidade de corrente
geradora do campo. No presente curso esta corrente ser´a a que existe na antena. Quando
o meio que rodeia a antena deixa de ser o vazio e passa a conter mat´eria, ent˜ao as cargas
4 Teoria do Campo Electromagn´etico
existentes neste meio colocam-se em movimento devido `a presen¸ca do campo. Aparece assim
uma corrente induzida que existe em todo o meio que rodeia a antena. Assim sendo, a corrente
total ´e obtida atrav´es da contribui¸c˜ao de duas correntes,
J
¯
= J
¯
g
+ J
¯
c
(1.13)
onde J
¯
g
representa a corrente existente no gerador e J
¯
c
representa a corrente induzida no meio
pelo campo incidente (denominada de corrente de condu¸c˜ao), cuja amplitude ´e dada pela lei
de Ohm. Note-se que em pontos do espa¸co que n˜ao coincidam com o gerador (ou antena), a
corrente do gerador ser´a nula mas existir´a sempre a corrente de condu¸c˜ao. Esta corrente ´e
fonte de perdas de potˆencia no meio por aquecimento do mesmo. A introdu¸c˜ao da corrente de
condu¸c˜ao nas equa¸c˜oes de Maxwell faz com que, para meios simples, estas tomem a seguinte
forma
∇E
¯
= −µ
∂H
¯
∂t
(1.14)
∇H
¯
= ε
∂E
¯
∂t
+σE
¯
+ J
¯
g
(1.15)
∇ H
¯
= 0 (1.16)
∇ E
¯
=
ρ
ε
(1.17)
No presente curso vamos assumir que estamos a trabalhar em regime harm´onico sinusoidal.
Assim sendo, podemos escrever E
¯
e H
¯
em nota¸c˜ao fasorial. Relembre-se que a rela¸c˜ao entre
E
¯
e o seu fasor
¯
E
¯
´e dada por
E
¯
(x, y, z, t) = '

¯
E
¯
(x, y, z)e
jωt
¸
(1.18)
Notando que
∂Ae
jwt
∂t
= jωAe
jωt


∂t
= jω (1.19)
as derivadas em ordem ao tempo podem ser substitu´ıdas por jω. Assim as equa¸c˜oes de
Maxwell ficam como se segue
1

¯
E
¯
= −jωµ
¯
H
¯
(1.20)

¯
H
¯
= (σ +jωε)
¯
E
¯
+
¯
J
¯
g
(1.21)

¯
H
¯
= 0 (1.22)

¯
E
¯
=
¯ ρ

(1.23)
1
Como ∇· e ∇× envolvem apenas derivadas em ordem `as coordenadas do espa¸co o termo e
jωt
pode ser
omitido. No entanto, se pretendermos recuperar a dependˆencia temporal dos campos, este termo tem que se
ser recuperado.
1.4 Ondas planas monocrom´aticas 5
1.4 Ondas planas monocrom´aticas
Um meio diel´ectrico com perdas (σ = 0) ´e o meio mais gen´erico que se pode estudar sendo
que um diel´ectrico sem perdas ou conductor perfeito s˜ao casos particulares deste. Tratemos
ent˜ao de descobrir a solu¸c˜ao das equa¸c˜oes de Maxwell num meio gen´erico e em regi˜oes do
espa¸co onde n˜ao existam cargas ou correntes (¯ ρ = 0 e
¯
J
¯
g
= 0)
2
. Nestas condi¸c˜oes as equa¸c˜oes
de Maxwell tomam a seguinte forma

¯
E
¯
= −jωµ
¯
H
¯
(1.24)

¯
H
¯
= (σ +jωε)
¯
E
¯
(1.25)

¯
B
¯
= 0 (1.26)

¯
D
¯
= 0 (1.27)
O primeiro passo prende-se com a separa¸c˜ao de
¯
E
¯
e
¯
H
¯
uma vez que eles aparecem empar-
elhados. Aplicando ∇ `a equa¸c˜ao 1.24 vem
∇∇
¯
E
¯
= −jωµ∇
¯
H
¯
(1.28)
Utilizando neste resultado na equa¸c˜ao 1.25 vem
∇∇
¯
E
¯
= −(jωµ)(σ +jωε)
¯
E
¯
(1.29)
Definindo a constante de propaga¸c˜ao γ como se segue
γ
2
= (jωµ)(σ +jωε) (1.30)
e da seguinte igualdade matem´atica
∇∇
¯
E
¯
= ∇(∇
¯
E
¯
) −∇
2
¯
E
¯
(1.31)
em conjunto com a equa¸c˜ao 1.27 obt´em-se

2
¯
E
¯
−γ
2
¯
E
¯
= 0 (1.32)
Esta equa¸c˜ao ´e conhecida como a equa¸c˜ao homog´enea de Helmholtz ou simplesmente equa¸c˜ao
de onda. Sendo γ uma quantidade complexa pode ser posta na seguinte forma
γ = α +jβ (1.33)
2
Na realidade vamos apenas estudar uma solu¸c˜ ao em particular: a onda plana. O interesse deste estudo
deve-se a que todas as solu¸c˜oes poss´ıveis podem ser obtidas a partir de uma combina¸ c˜ ao de ondas planas.
6 Teoria do Campo Electromagn´etico
com
α = ω

µε
2

1 +
¸
σ
ωε

2
−1
¸
¸
(1.34)
β = ω

µε
2

1 +
¸
σ
ωε

2
+ 1
¸
¸
(1.35)
Sem perder generalidade, vamos considerar que o campo el´ectrico se propaga segundo +ˆa
¯
z
e que s´o tem componentes segundo ˆa
¯
x
, isto ´e, ´e da forma
¯
E
¯
=
¯
E
x
(z)ˆa
¯
x
(1.36)
A substitui¸c˜ao de 1.36 em 1.32 resulta em

2
¯
E
x
(z)
∂x
2
+

2
¯
E
x
(z)
∂y
2
+

2
¯
E
x
(z)
∂z
2
−γ
2
¯
E
x
(z) = 0 (1.37)
Como
¯
E
x
(z) n˜ao depende de x nem de y, as suas derivadas em ordem a estas vari´aveis
s˜ao nulas e a equa¸c˜ao anterior reduz-se a
¸

2
∂z
2
−γ
2
¸
¯
E
x
(z) = 0 (1.38)
Esta ´e uma equa¸c˜ao diferencial trivial cuja solu¸c˜ao ´e amplamente conhecida e da forma
¯
E
x
(z) = E
0
e
−γz
+E
1
e
+γz
(1.39)
Cada um dos termos da equa¸c˜ao anterior representa uma onda que se propaga segundo +ˆa
¯
z
e
−ˆa
¯
z
, respectivamente. No entanto, quer porque t´ınhamos assumido que o campo se propagava
apenas segundo +ˆa
¯
z
quer porque o campo n˜ao pode ser infinito quando z →∞, a constante
E
1
ter´a de ser nula, pelo que se obt´em apenas
¯
E
x
(z) = E
0
e
−γz
= E
0
e
−(α+jβ)z
(1.40)
Para recuperar a vari¸ c˜ao temporal a partir do resultado anterior ´e necess´ario fazer
E
¯
x
(z, t) = '

¯
E
x
(z)e
jωt
ˆa
¯
x
¸
(1.41)
o que resulta em
E
¯
x
(z, t) = E
0
e
−αz
cos(ωt −βz)ˆa
¯
x
(1.42)
Antes de analisarmos o resultado obtido procuremos primeiro a solu¸c˜ao para o campo
magn´etico. Para tal poder´ıamos repetir o mesmo processo seguido no c´alculo do campo
el´ectrico ou ent˜ao calcular o campo magn´etico a partir do campo el´ectrico, recorrendo `as
1.4 Ondas planas monocrom´aticas 7
equa¸c˜oes de Maxwell. Neste caso vamos seguir o segundo caminho. Pegando ent˜ao na equa¸c˜ao
1.24 e como rotacional de
¯
E
¯
vale

¯
E
¯
=

ˆa
¯
x
ˆa
¯
y
ˆa
¯
z

∂x

∂y

∂z
¯
E
x
0 0

=

¯
E
x
(z)
∂z
ˆa
¯
y
(1.43)
resulta
¯
H
¯
= −
1
jωµ

¯
E
x
(z)
∂z
ˆa
¯
y
(1.44)
Efectuando a derivada e manipulando os termos chegar´ıamos a que
H
¯
y
(z, t) = '

H
0
e
−αz
e
j(ωt−βz)
ˆa
¯
y
¸
(1.45)
com
H
0
=
E
0
Z
(1.46)
Por defini¸c˜ao, Z representa a impedˆancia caracter´ıstica do meio e ´e dada por
Z =

jωµ
σ +jωε
= [Z[e

Z
(1.47)
com
[Z[ =

µ/ε

1 +

σ
ωε

2

1/4
(1.48)
tan(2θ
Z
) =
σ
ωε
(1.49)
Recuperando a dependˆencia temporal do campo magn´etico vem
H
¯
y
(z, t) = '

E
0
[Z[e

Z
e
−αz
e
j(ωt−βz)
ˆa
¯
y

(1.50)
ou seja
H
¯
y
(z, t) =
E
0
[Z[
e
−αz
cos(ωt −βz −θ
Z
)ˆa
¯
y
(1.51)
A an´alise das equa¸c˜oes dos campos el´ectrico e magn´etico permite tirar as seguintes con-
clus˜oes
• As amplitudes de ambos os campos est˜ao relacionadas entre si pela impedˆancia do meio,
Z.
• Pelo facto de Z ser complexo, conclu´ı-se que existe um desfasamento entre E
¯
e H
¯
, medido
atrav´es de θ
Z
.
8 Teoria do Campo Electromagn´etico
• O factor α introduz uma atenua¸ c˜ao nos campos `a medida que estes se propagam, levando
a que se denomine α de constante de atenua¸ c˜ao. Para meios onde σ = 0, isto ´e,
diel´ectricos puros, α ´e nulo e portanto tamb´em a atenua¸c˜ao ´e nula.
• O factor β introduz um desfasamento dos campos `a medida que estes se propagam.
Denomina-se ent˜ao β de constante de fase ou constante de propaga¸c˜ao.
• As direc¸c˜oes do campo el´ectrico, ˆa
¯
x
, e do campo magn´etico, ˆa
¯
y
, s˜ao ortogonais entre si
e ambas ortogonais `a direc¸c˜ao de propaga¸c˜ao, uma vez que
ˆa
¯
x
ˆa
¯
y
= ˆa
¯
z
(1.52)
Como n˜ao existem componentes dos campos segundo a direc¸c˜ao de propaga¸c˜ao faz com
que este tipo de ondas se denominem de ondas TEM - Transverse ElectroMagnetic.
Consideremos agora que o meio ´e diel´ectrico puro, isto ´e, ´e um meio onde σ = 0. Efec-
tuando a substitui¸c˜ao σ = 0 nos resultados obtidos para um meio gen´erico vem
α = 0 (1.53)
β = ω

µε (1.54)
Z =

µ
ε
(1.55)
Tendo em considera¸c˜ao que
v =
1

µε
(1.56)
λ =
v
f
(1.57)
ent˜ao
β =

λ
(1.58)
Para o caso particular em que o meio ´e o v´acuo, onde se verifica que
ε = ε
0
(1.59)
µ = µ
0
(1.60)
resulta
v = c ≈ 3 10
8
[m/s] (1.61)
Z
0
= 120π ≈ 377 [Ω] (1.62)
As equa¸c˜oes que se obtˆem para os campos s˜ao as seguintes
E
¯
x
(z, t) = E
0
cos(ωt −βz)ˆa
¯
x
(1.63)
1.5 Potˆencia electromagn´etica 9
-1
-0.ó
0
0.ó
1
-1
-0.ó
0
0.ó
1
-1
-0.ó
0
0.ó
1

Canpo H
Canpo L
Figura 1.1: Rela¸c˜ao entre os campos el´ectrico e magn´etico de uma onda plana num meio
diel´ectrico puro propagando-se segundo Oz
H
¯
y
(z, t) = H
0
cos(ωt −βz)ˆa
¯
y
(1.64)
O andamento de E
¯
x
(z, t) e H
¯
y
(z, t) num determinado instante temporal t
0
´e mostrado na
figura 1.1. Aqui verifica-se que os campos se propagam sem se atenuar e oscilam em fase,
uma vez que θ
z
= 0. Exemplifica-se ainda a ortogonalidade entre os vectores campo el´ectrico
e campo magn´etico e a direc¸c˜ao de propaga¸c˜ao.
1.5 Potˆencia electromagn´etica
As ondas electromagn´eticas s˜ao utilizadas para transportar informa¸c˜ao entre v´arios pontos, o
que pressup˜oe a existˆencia de energia e potˆencia associada a essas mesmas ondas. A densidade
de potˆencia instantˆanea S
¯
associada `as ondas electromagn´eticas ´e dada pelo vector de Poynting
S
¯
= E
¯
H
¯
[W/m
2
] (1.65)
Para aplica¸c˜oes em regime harm´onico sinusoidal, onde
E
¯
= '¦
¯
E
¯
e
jwt
¦ (1.66)
H
¯
= '¦
¯
H
¯
e
jwt
¦ (1.67)
e utilizando a rela¸c˜ao '¦
¯
E
¯
e
jwt
¦ =
1
2
¦
¯
E
¯
e
jwt
+
¯
E
¯

e
−jwt
¦, podemos escrever
S
¯
=
1
2

¯
E
¯

¯
H
¯

¦ +
1
2

¯
E
¯

¯
H
¯
e
j2ωt
¦ (1.68)
10 Teoria do Campo Electromagn´etico
Em regime harm´onico sinusoidal n˜ao estamos interessados no valor instantˆaneo da potˆencia
(porque varia ao longo do tempo) mas sim no seu valor m´edio. Facilmente se infere que este
vale
'S
¯
` =
1
2

¯
E
¯

¯
H
¯

¦ (1.69)
O termo 1/2 aparece porque se considerou o valor de pico para
¯
E
¯
e
¯
H
¯
. Se se considerasse
o valor eficaz, ent˜ao este termo n˜ao apareceria.
Como num diel´ectrico puro os campos el´ectrico e magn´etico oscilam em fase e as suas
amplitudes est˜ao relacionadas pela impedˆancia do meio, a amplitude da densidade de potˆencia
(que designaremos simplesmente por S) vale
S =
[
¯
E[
2
2Z
=
Z[
¯
H[
2
2
(1.70)
A potˆencia total associada `a onda electromagn´etica, a que chamaremos potˆencia radiada e
denominaremos de P
rad
, pode ser obtida calculando o fluxo de 'S
¯
` por uma superf´ıcie fechada
3
P
rad
=

S
'S
¯
` dS

(1.71)
1.6 Condi¸c˜oes fronteira
Aplicando as equa¸c˜oes de Maxwell a uma regi˜ao de separa¸c˜ao entre dois meios, como mostrado
na figura 1.2, pode-se demonstrar que os campos existentes simultaneamente em ambos os
meios obedecem `as seguintes rela¸c˜oes
ˆ n
¯
(
¯
E
¯
2

¯
E
¯
1
) = 0 (1.72)
ˆ n
¯
(
¯
H
¯
2

¯
H
¯
1
) =
¯
J
¯
s
(1.73)
ˆ n
¯
(
¯
D
¯
2

¯
D
¯
1
) = ¯ ρ
s
(1.74)
ˆ n
¯
(
¯
B
¯
2

¯
B
¯
1
) = 0 (1.75)
Estas rela¸c˜oes s˜ao comummente conhecidas como condi¸c˜oes fronteira. ˆ n
¯
representa a
normal `a regi˜ao de separa¸c˜ao entre os meios e aponta do meio 1 para o meio 2 e
¯
J
¯
s
e ¯ ρ
s
s˜ao,
respectivamente, a densidade superficial de cargas e de correntes na superf´ıcie de separa¸c˜ao.
De particular interesse ´e o caso em ambos os meios s˜ao diel´ectricos puros. Como se ter´a
obrigatoriamente
¯
J
¯
s
= 0 e ¯ ρ
s
= 0, as condi¸c˜oes fronteira ficam simplesmente
ˆ n
¯

¯
E
¯
2
= ˆ n
¯

¯
E
¯
1
(1.76)
3
N˜ao confundir o S da densidade de potˆencia com o S da ´area elementar dS.
1.6 Condi¸c˜oes fronteira 11
2 2 2 2
L . H . L . D

1 1 1 1
L . H . L . D

2 2 2
¦ . . |
´ n

1 1 1
¦ . . |
Figura 1.2: Regi˜ao de separa¸c˜ao entre dois meios 1 e 2
ˆ n
¯

¯
H
¯
2
= ˆ n
¯

¯
H
¯
1
(1.77)
ˆ n
¯

¯
D
¯
2
= ˆ n
¯

¯
D
¯
1
(1.78)
ˆ n
¯

¯
B
¯
2
= ˆ n
¯

¯
B
¯
1
(1.79)
Da defini¸c˜ao de produto interno e produto externo resulta que as rela¸c˜oes anteriores s˜ao
equivalentes a
¯
E
¯
2t
=
¯
E
¯
1t
(1.80)
¯
H
¯
2t
=
¯
H
¯
1t
(1.81)
¯
D
¯
2n
=
¯
D
¯
1n
(1.82)
¯
B
¯
2n
=
¯
B
¯
1n
(1.83)
onde os indices t e n significam, respectivamente, tangencial e normal `a superf´ıcie de separa¸c˜ao.
O que estas rela¸c˜oes significam ´e que as componentes tangenciais de
¯
E
¯
e
¯
H
¯
tˆem que ser
cont´ınuas na regi˜ao de separa¸c˜ao mas as componentes normais n˜ao. Note-se que como
¯
D
¯
= ε
¯
E
¯
e como ε ´e diferente em cada meio, ent˜ao as componentes normais podem ser descont´ınuas.
Outra situa¸c˜ao particular de especial interesse ´e o caso em que um dos meios ´e um condutor
perfeito (σ = ∞). Considerando o meio 1 como condutor perfeito, as condi¸c˜oes fronteira
reduzem-se a
ˆ n
¯

¯
E
¯
2
= 0 (1.84)
ˆ n
¯

¯
H
¯
2
=
¯
J
¯
s
(1.85)
ˆ n
¯

¯
D
¯
2
= ¯ ρ
s
(1.86)
ˆ n
¯

¯
B
¯
2
= 0 (1.87)
pois os campos no interior de um condutor perfeito s˜ao nulos. Estas condi¸c˜oes permitem
concluir que a componente tangencial do campo el´ectrico sobre um condutor perfeito ser´a
nula. Este resultado ´e de vital importˆancia, por exemplo, para o estudo de problemas de
reflex˜ao sobre superficies met´alicas, tal como o caso dos guias de onda met´alicos.
12 Teoria do Campo Electromagn´etico
1.7 Radia¸c˜ao
Nas sec¸c˜oes anteriores efectuamos um estudo do campo electromagn´etico sem a presen¸ca
das fontes. Basicamente, admitimos que existiriam fontes que dariam origem a um campo
electromagn´etico e s´o nos preocupamos com a forma como esses campos se propagam e se
relacionam entre si, sem nos preocuparmos com a forma como s˜ao originados. Vamos agora
estudar o processo que nos permite obter os campos radiados, partindo do princ´ıpio que
conhecemos a distribui¸c˜ao de cargas e correntes numa estrutura de suporte: a antena.
Se tentarmos separar o campo el´ectrico do magn´etico mas agora contabilizando a presen¸ca
de ¯ ρ e
¯
J
¯
tal como fizemos para o estudo da propaga¸c˜ao em meios sem cargas nem correntes
impostas chegar´ıamos a

2
¯
E
¯
+ωµε
¯
E
¯
= jωµ
¯
J
¯
+∇

¯ ρ
ε

(1.88)
que ´e uma equa¸c˜ao de onda n˜ao homog´enea cujo resolu¸c˜ao anal´ıtica ´e bastante complexa,
devido `a presen¸ca simultˆanea de termos de corrente e de carga. Por isso, no estudo de
problemas de radia¸c˜ao, em vez de se tentar resolver a equa¸c˜ao anterior ´e usual recorrer-se
aos denominados potenciais: o potencial escalar e o potencial vector. Embora existam v´arios
potenciais poss´ıveis aqui iremos utilizar o potencial vector
¯
A
¯
e o potencial escalar
¯
φ (embora
este ´ ultimo n˜ao v´a ser necess´ario como iremos ver).
Antes de entrarmos no estudo dos potˆencias convˆem salientar que, no estudo de antenas,
em vez de se considerar que estas s˜ao envolvidas por um meio gen´erico, ´e usual considerar-
se que o meio que as rodeia ´e um diel´ectrico puro sem perdas (quase sempre o vazio) por
ser uma abordagem que reduz a complexidade dos c´alculos e, simultaneamente, ´e uma boa
aproxima¸c˜ao para o ambiente real. Assim sendo, a dedu¸c˜ao dos potenciais ir´a ser feita a partir
das equa¸c˜oes de Maxwell em regime harm´onico sinusoidal e para meios com σ = 0,tal como
se mostra de seguida

¯
E
¯
= −jωµ
¯
H
¯
(1.89)

¯
H
¯
= jωε
¯
E
¯
+
¯
J
¯
(1.90)

¯
B
¯
= 0 (1.91)

¯
D
¯
= ¯ ρ (1.92)
Comecemos ent˜ao com a equa¸c˜ao 1.91 por ser a mais simples. Como a divergˆencia de
¯
B
¯
´e
nula, este pode ser obtido atrav´es do rotacional de um outro qualquer campo vectorial
4
, isto
´e
¯
B
¯
= ∇
¯
A
¯
(1.93)
4
Estamos simplesmente a recorrer `a igualdade matem´atica ∇· (∇×A
¯
) = 0
1.7 Radia¸c˜ao 13
Como
¯
B
¯
= µ
¯
H
¯
resulta ainda
¯
H
¯
=
1
µ

¯
A
¯
(1.94)
Esta ´ ultima equa¸c˜ao permite-nos o calculo imediato de
¯
H
¯
a partir do potencial vector
¯
A
¯
,partindo do principio que este ´e conhecido. Em vez de nos preocuparmos j´a com o c´alculo
de
¯
A
¯
procuremos primeiro a solu¸c˜ao para
¯
E
¯
. Utilizando o resultado anterior na equa¸c˜ao 1.89
(porque n˜ao involve termos com cargas ou correntes) vem

¯
E
¯
= −jω∇
¯
A
¯
(1.95)
que pode ainda se posto na forma

¯
E
¯
+jω
¯
A
¯

= 0 (1.96)
Como o rotacional de (
¯
E
¯
+jω
¯
A
¯
) ´e nulo, esta grandeza pode ser obtida atrav´es do gradiente
de um qualquer campo escalar
5
, ou seja
¯
E
¯
+jω
¯
A
¯
= −∇
¯
φ (1.97)
Manipulando os termos vem ainda
¯
E
¯
= −∇
¯
φ −jω
¯
A
¯
(1.98)
Esta ´ ultima equa¸c˜ao permite-nos calcular o valor de
¯
E
¯
a partir do potencial vector
¯
A
¯
e do
potencial escalar
¯
φ. Neste momento dispomos ent˜ao de duas equa¸c˜oes que nos permitem
efectuar o calculo imediato dos campos
¯
E
¯
e
¯
H
¯
a partir do potencial vector
¯
A
¯
e do potencial
escalar
¯
φ. O pr´oximo passo consiste em obter uma rela¸c˜ao entre os potenciais e as fontes
geradoras do campo, o que facilmente se infere que pode ser feito relacionando a equa¸c˜ao 1.90
com os resultados j´a obtidos. Como a equa¸c˜ao 1.90 envolve o rotacional de
¯
H
¯
, comecemos
por aplicar o rotacional a cada um dos termos de 1.94

¯
H
¯
=
1
µ
∇∇
¯
A
¯
(1.99)
Utilizando a igualdade matem´atica
∇∇A
¯
= ∇

∇ A
¯

−∇
2
A
¯
(1.100)
resulta
µ∇
¯
H
¯
= ∇


¯
A
¯

−∇
2
¯
A
¯
(1.101)
5
Agora estamos a recorrer `a igualdade matem´atica ∇ × (−∇φ) = 0. O sinal negativo foi escolhido por
conveniˆencia.
14 Teoria do Campo Electromagn´etico
Fazendo agora uso da equa¸c˜ao 1.90 vem
µ
¯
J
¯
+jωµε
¯
E
¯
= ∇


¯
A
¯

−∇
2
¯
A
¯
(1.102)
Substituindo 1.98 na equa¸c˜ao anterior resulta

2
¯
A
¯

2
¯
A
¯
= −µ
¯
J
¯
+∇


¯
A
¯
+jωεµ
¯
φ

(1.103)
com
β
2
= ω
2
µε (1.104)
Agora dispomos de uma equa¸c˜ao que relaciona o potencial vector
¯
A
¯
com a densidade de
corrente
¯
J
¯
. Para simplificar esta express˜ao comecemos por relembrar que em todo o processo
seguido at´e aqui apenas especificamos o valor de ∇
¯
A
¯
. Como a divergˆencia e o rotacional
de um campo vectorial s˜ao independentes, podemos especificar um qualquer valor para ∇
¯
A
¯
,
escolhido de modo a simplificar o estudo do fen´omeno em causa, sem que nada do que at´e
aqui foi deduzido seja alterado. No caso particular do estudo da radia¸c˜ao resulta da equa¸c˜ao
1.103 que ´e ´ util efectuar a seguinte defini¸c˜ao

¯
A
¯
= −jωεµ
¯
φ (1.105)
Esta condi¸c˜ao ´e conhecida como condi¸c˜ao de Lorentz e, como obriga a que
¯
A
¯
e
¯
φ estejam
relacionadas ent˜ao apenas
¯
A
¯
ir´a ser necess´ario. Deste modo a equa¸c˜ao 1.103 toma a seguinte
forma simplificada

2
¯
A
¯

2
¯
A
¯
= −µ
¯
J
¯
(1.106)
Como tamb´em se verifica
¯
φ = −
1
jωεµ

¯
A
¯
(1.107)
substituindo 1.107 em 1.98 vem
¯
E
¯
= −jω
¯
A
¯
−j
1
ωεµ


¯
A
¯

(1.108)
Em resumo, temos ent˜ao que ´e poss´ıvel calcular os campos
¯
E
¯
e
¯
H
¯
a partir da densidade
de corrente
¯
J
¯
utilizando apenas o potencial vector
¯
A
¯
e as rela¸c˜oes
¯
H
¯
=
1
µ

¯
A
¯
(1.109)
¯
E
¯
= −jω
¯
A
¯
−j
1
ωεµ


¯
A
¯

(1.110)
Resta-nos ainda encontrar a solu¸c˜ao de 1.106 para que disponhamos de uma rela¸c˜ao entre
¯
A
¯
e
¯
J
¯
. O processo de resolu¸c˜ao desta equa¸c˜ao tem apenas interesse matem´atico, pelo que se
mostra em 1.111 o resultado a que chegar´ıamos.
¯
A
¯
=
µ

V

¯
J
¯
e
−jβR
R
dV

(1.111)
1.8 Dipolo El´ectrico de Hertz 15

Figura 1.3: Potencial vector
Em 1.111, V

representa o volume da antena e R representa a distˆancia entre um qualquer
ponto onde exista a corrente
¯
J
¯
e um qualquer ponto do espa¸co onde pretendemos calcular o
valor de
¯
A
¯
, tal como mostrado na figura 1.3.
Note-se que o potencial vector
¯
A
¯
(tal como o potencial escalar
¯
φ) n˜ao tem qualquer
significado f´ısico. O seu interesse ´e simplesmente matem´atico pois permite simplificar o estudo
dos problemas sobre radia¸c˜ao. Como curiosidade, note-se tamb´em que ´e poss´ıvel calcular os
valores dos campos
¯
E
¯
e
¯
H
¯
conhecendo apenas
¯
J
¯
n˜ao sendo necess´ario conhecer o valor de ¯ ρ.
Este facto deve-se a que
¯
J
¯
e ¯ ρ n˜ao s˜ao independentes. De facto, aplicando o operador de
divergˆencia a cada um dos termos de

¯
H
¯
= jωε
¯
E
¯
+
¯
J
¯
e utilizando

¯
E
¯
=
¯ ρ
ε
pode-se escrever
∇ J
¯
= −jωρ (1.112)
A rela¸c˜ao 1.112 representa a equa¸c˜ao da continuidade de cargas el´ectricas em regime harm´onico
sinusoidal e traduz a rela¸c˜ao entre ρ e J
¯
.
16 Teoria do Campo Electromagn´etico

Figura 1.4: Dipolo el´ectrico de Hertz
1.8 Dipolo El´ectrico de Hertz
O dipolo el´ectrico de Hertz, mostrado na figura 1.4 com dimens˜oes exageradas, ´e uma antena
linear te´orica e infinitamente fina que tem como principal caracter´ıstica o facto de ter um
tamanho dl infinitesimal e, portanto, poder ser considerada uma fonte pontual. Assume-se
que a envolvente da corrente que o percorre ´e constante e que esta est´a dirigida segundo o
eixo de orienta¸ c˜ao do dipolo (neste caso, o eixo Oz). Embora este tipo de elementos n˜ao
exista no mundo real ´e utilizado para modelar dipolos lineares curtos (dl << λ) carregados
capacitivamente nos topos (a carga capacitiva serve para garantir uma corrente n˜ao nula nos
topos) e serve tamb´em como elemento de base para o estudo de antenas mais elaboradas,
como ´e o caso das antenas lineares. Al´em disto, do ponto de vista pedag´ogico, ´e um bom
exemplo de aplica¸c˜ao do m´etodo de c´alculo dos campos radiados apresentado anteriormente,
pois ao c´alculos envolvidos s˜ao relativamente simples.
1.8.1 Campos radiados
Admitamos ent˜ao que a corrente ao longo do elemento ´e constante e de amplitude I
M
. Em
cada ponto da antena a corrente vale
I
¯
(z

, t) = I
M
cos(ωt)ˆa
¯
z
(1.113)
1.8 Dipolo El´ectrico de Hertz 17
onde z

representa as coordenadas locais. Em nota¸c˜ao fasorial temos que
¯
I
¯
(z

) = I
M
ˆa
¯
z
(1.114)
O primeiro passo reside no calculo do potencial vector correspondente a esta corrente.
Dado o caracter pontual do dipolo de Hertz podemos assumir as seguintes condi¸c˜oes
x

= y

= z

= 0 (1.115)
R =

(x −x

)
2
+ (y −y

)
2
+ (z −z

)
2
=

x
2
+y
2
+z
2
= r (1.116)
dV

= dz

(1.117)
Como assumimos que o dipolo ´e infinitamente fino, ent˜ao a corrente total
¯
I
¯
e a densidade
de corrente
¯
J
¯
s˜ao iguais e o potencial vector reduz-se a
¯
A
¯
(x, y, z) =
µI
M
4πr
e
−jβr

+dl/2
−dl/2
dz

ˆa
¯
z
=
µI
M
dl
4πr
e
−jβr
ˆa
¯
z
(1.118)
Dada a simetria do problema ´e expect´avel que a solu¸c˜ao final seja independente de φ pelo
que ´e vantajoso expressar o potencial vector em coordenadas esf´ericas. Recorrendo `a seguinte
matriz de transforma¸c˜ao

¯
A
r
¯
A
θ
¯
A
φ
¸
¸
¸
¸
¸
=

sin θ cos φ sin θ sinφ cos θ
cos θ cos φ cos θ sin φ −sin θ
−sin φ cos φ 0
¸
¸
¸
¸
¸

¯
A
x
¯
A
y
¯
A
z
¸
¸
¸
¸
¸
(1.119)
e como no caso em estudo temos que
¯
A
x
=
¯
A
y
= 0 obt´em-se
¯
A
r
=
¯
A
z
cos θ =
µI
M
dle
−jβr
4πr
cos θ (1.120)
¯
A
θ
= −
¯
A
z
sin θ = −
µI
M
dle
−jβr
4πr
sin θ (1.121)
¯
A
φ
= 0 (1.122)
Conhecido o potencial vector podemos agora calcular os campos correspondentes. Para
tal recorremos a
¯
H
¯
=
1
µ

¯
A
¯
(1.123)
Tendo em conta que ∇
¯
A
¯
dever´a ser expresso em coordenadas esf´ericas a express˜ao
anterior reduz-se a
¯
H
¯
=
1
µr
¸

∂r
(r
¯
A
θ
) −

∂θ
¯
A
r

ˆa
¯
φ
(1.124)
18 Teoria do Campo Electromagn´etico
Efectuando as derivadas parciais chegar´ıamos a
¯
H
r
= 0 (1.125)
¯
H
θ
= 0 (1.126)
¯
H
φ
= j
βI
M
dl sin θ
4πr
¸
1 +
1
jβr

e
−jβr
(1.127)
Para o c´alculo de
¯
E
¯
podemos recorrer `a equa¸c˜ao 1.89 donde resulta que
¯
E
¯
=
1
jωε

¯
H
¯
(1.128)
Efectuando os c´alculos chegar´ıamos a que
¯
E
r
=
ZI
M
dl cos θ
2πr
2
¸
1 +
1
jβr

e
−jβr
(1.129)
¯
E
θ
= j
ZI
M
βdl sinθ
4πr
¸
1 +
1
jβr

1
(βr)
2

e
−jβr
(1.130)
¯
E
φ
= 0 (1.131)
Uma an´alise dos resultados obtidos revela que existem parcelas que decaem com 1/r
3
,
outras com 1/r
2
e outras com 1/r.
`
A medida que nos afast´amos da antena cada uma destas
parcelas vai perdendo peso relativamente `as outras, chegando a uma altura em que apenas as
parcelas em 1/r tˆem relevˆancia. Assim, distinguem-se 3 diferentes zonas de radia¸c˜ao:
Zona Pr´oxima:
´
E a zona imediatamente a seguir `a antena e onde todos os termos tˆem
importˆancia.
Zona Interm´edia: Aqui os termos com 1/r
3
podem ser desprezados face `a amplitude dos
termos em 1/r
2
e 1/r, sendo estes os ´ unicos verdadeiramente importantes nesta zona.
Zona Distante: Agora s˜ao os termos em 1/r predominam sobre os restantes. Em antenas
esta ´e a zona mais importante pois, dadas as distˆancias tipicamente utilizadas numa
liga¸c˜ao entre duas antenas, cada antena encontra-se na zona distante da outra.
Na zona distante de radia¸c˜ao os campos reduzem-se a
¯
E
θ
= j
ZβI
M
dl
4πr
e
−jβr
sin θ (1.132)
¯
H
φ
= j
βI
M
dl
4πr
e
−jβr
sinθ (1.133)
¯
E
r
= 0 (1.134)
¯
E
φ
= 0 (1.135)
¯
H
r
= 0 (1.136)
¯
H
θ
= 0 (1.137)
1.8 Dipolo El´ectrico de Hertz 19
Figura 1.5: Campo el´ectrico de um dipolo de Hertz orientado segundo Oz
Deste resultado podemos confirmar as conclus˜oes que t´ınhamos tirado aquando do estudo
das ondas planas em diel´ectricos puros, nomeadamente, os campos oscilam em fase, existe
ortogonalidade entre os campos e entre estes e a direc¸c˜ao de propaga¸c˜ao e
¯
E
¯
e
¯
H
¯
est˜ao
relacionados pela impedˆancia caracter´ıstica do meio uma vez que
E
θ
H
φ
= Z (1.138)
No entanto as ondas radiadas n˜ao s˜ao ondas planas mas sim ondas esf´ericas, uma vez
que, na zona distante de radia¸c˜ao, os campos s˜ao da forma
e
−βr
r
. Na figura 1.5 ´e mostrado
o diagrama de radia¸c˜ao do campo el´ectrico do dipolo de Hertz na zona distante de radia¸c˜ao.
A radia¸c˜ao ´e feita com maior intensidade segundo as direc¸c˜oes transversais `a orienta¸c˜ao do
dipolo (θ = π/2) e ´e nula para as direc¸c˜oes correspondentes ao alinhamento do dipolo (neste
caso ´e nulo segundo o eixo Oz, ou seja, θ = 0).
1.8.2 Potˆencia radiada
Como vimos anteriormente, a densidade de potˆencia associada a uma onda electromagn´etica
´e dada por
'S
¯
` =
1
2

¯
E
¯

¯
H
¯

¦ (1.139)
Para o caso particular do dipolo de Hertz na zona distante de radia¸c˜ao podemos ainda
escrever
'S
¯
` =
1
2

¯
E
θ
ˆa
¯
θ

¯
H

φ
ˆa
¯
φ
¦ =
1
2

¯
E
θ
¯
H

φ
¦ˆa
¯
r
(1.140)
o que resulta em
S =
[E
θ
[
2
2Z
=
Z[H
φ
[
2
2
=
I
2
M

2
dl
2
32π
2
r
2
sin
2
θ (1.141)
A potˆencia radiada ´e calculada a partir da equa¸c˜ao 1.71. Considerando uma superf´ıcie
esf´erica ent˜ao
dS

= dSˆa
¯
r
= r
2
sinθdθdφˆa
¯
r
(1.142)
20 Teoria do Campo Electromagn´etico
Como o fluxo de potˆencia tamb´em ´e segundo ˆa
¯
r
e ˆa
¯
r
ˆa
¯
r
= 1 resulta que a potˆencia radiada
vale
P
rad
=

S
'S
¯
` dS

=

S
S dS
=


φ=0

π
θ=0
I
2
M

2
dl
2
32π
2
r
2
sin
2
θr
2
sin θdθdφ
=
I
2
M

2
dl
2
16π

π
θ=0
sin
3
θ
Usando o resultado

π
θ=0
sin
3
θdθ =
4
3
(1.143)
e tendo em considera¸c˜ao que
β
2
=

2
λ
2
Z = 120π
vem
P
rad
=
40π
2
dl
2
I
2
M
λ
2
(1.144)
Cap´ıtulo 2
Parˆametros Fundamentais
2.1 Intensidade de Radia¸c˜ao
A intensidade de radia¸c˜ao (simbolizada pela letra U) ´e, por defini¸c˜ao, a potˆencia radiada por
unidade de ˆangulo s´olido. A unidade de medida de um ˆangulo s´olido ´e o esterradiano
1
, que
por sua vez ´e definido como o ˆangulo s´olido feito por um cone com origem no centro de uma
esfera de raio r e que delimita uma ´area de r
2
, tal como mostrado na figura 2.1. Ora, se 1
sr ilumina uma ´area de r
2
, a ´area total de uma superf´ıcie esf´erica, que vale 4πr
2
, ser´a vista
segundo um ˆangulo s´olido total de 4π. De igual modo, se uma ´area elementar na superf´ıcie
de uma esfera de raio r ´e dada por
dS = r
2
sin θdθdφ [m
2
] (2.1)
ent˜ao ser´a vista segundo um ˆangulo s´olido elementar de
dΩ =
dS
r
2
= sin θdθdφ [sr] (2.2)
Relembrando que para o c´alculo da potˆencia radiada se faz
P
rad
=

S
SdS
=

S
Sr
2
sinθdθdφ
=

S
Sr
2
dΩ
ent˜ao facilmente se conclui que, se S ´e a potˆencia por unidade de ´area ent˜ao r
2
S ´e a potˆencia
por unidade de ˆangulo s´olido. A intensidade de radia¸c˜ao ´e ent˜ao dada por
U = r
2
S (2.3)
1
Normalmente o esterradiano ´e simbolizado por sr
22 Parˆametros Fundamentais

Figura 2.1: No¸c˜ao de esterradiano
A importˆancia de se definir a intensidade de radia¸c˜ao provˆem do facto de ser um parˆametro
independente da distˆancia. Como na zona distante de radia¸c˜ao o campo se atenua com 1/r
e sendo a potˆencia proporcional ao quadrado do campo, ent˜ao S ∝ 1/r
2
. Como U = Sr
2
,
ent˜ao a intensidade de radia¸c˜ao torna-se independente da distˆancia.
2.2 Directividade
A directividade ´e uma medida da concentra¸ c˜ao da potˆencia radiada pela antena numa deter-
minada direc¸c˜ao. Por defini¸c˜ao, a directividade ´e a rela¸c˜ao entre a intensidade de radia¸c˜ao
numa determinada direc¸c˜ao e a intensidade de radia¸c˜ao m´edia
D(θ, φ) =
U(θ, φ)
'U`
(2.4)
como a intensidade de radia¸c˜ao m´edia ´e dada por
'U` =
P
rad

(2.5)
vem que
D(θ, φ) = 4π
U(θ, φ)
P
rad
(2.6)
Se n˜ao for especificada uma direc¸c˜ao assume-se que se est´a a referir `a direc¸c˜ao de m´axima
intensidade de radia¸c˜ao.
D
max
= 4π
U
max
P
rad
(2.7)
2.3 Ganho 23
Note-se que 'U` ´e a intensidade de radia¸c˜ao que seria radiada por uma antena isotr´opica,
isto ´e, uma antena que radia com igual intensidade segundo qualquer direc¸c˜ao, sendo o seu
diagrama de radia¸c˜ao uma esfera.
2.3 Ganho
O ganho est´a intimamente ligado `a directividade da antena. Enquanto que a directividade
´e uma medida das propriedades direccionais da antena, o ganho contabiliza as mesmas pro-
priedades direccionais mas tamb´em o rendimento de radia¸c˜ao.
Define-se ganho numa determinada direc¸c˜ao como sendo a rela¸c˜ao entre a intensidade de
radia¸c˜ao e a intensidade de radia¸c˜ao que se obteria se toda a potˆencia aceite pela antena
fosse radiada de igual modo para todo o espa¸co, ou seja, se fosse radiada por uma antena
isotr´opica, considerada sem perdas.
G =
U(θ, φ)
U
iso
=
U(θ, φ)
P
aceite
/4π
= 4π
U(θ, φ)
P
aceite
(2.8)
Se relacionarmos a potˆencia aceite pela antena com a potˆencia radiada da seguinte forma
η =
P
rad
P
aceite
(2.9)
ent˜ao obt´em-se que
G(θ, φ) = ηD(θ, φ) (2.10)
onde η ´e denominado de rendimento de radia¸c˜ao da antena e ´e uma medida da sua eficiˆencia.
Se n˜ao for especificada nenhuma direc¸c˜ao assume-se que o ganho ´e o obtido para a direc¸c˜ao
de m´axima intensidade de radia¸c˜ao
G
max
= ηD
max
(2.11)
Pela defini¸c˜ao anterior, o ganho de uma antena ´e medido relativamente a uma antena
isotr´opica. No entanto, pode medir-se o ganho relativamente a uma qualquer antena com
quaisquer propriedades direccionais. Tal como para o caso do ganho relativamente `a antena
isotr´opica, o ganho de uma antena ant relativamente a um antena de referˆencia ref ´e dado
por
G
ant
ref
(θ, φ) =
U(θ, φ)
U
ref
(θ, φ)
(2.12)
Como
G
ant
iso
(θ, φ) =
U(θ, φ)
U
ref
(θ, φ)
U
ref
(θ, φ)
U
iso
(2.13)
vem
G
ant
iso
(θ, φ) = G
ant
ref
G
ref
iso
(2.14)
24 Parˆametros Fundamentais
ou
G
ant
ref
(θ, φ) =
G
ant
iso
(θ, φ)
G
ref
iso
(θ, φ)
(2.15)
ou seja, o ganho de uma antena relativamente a uma qualquer antena de referˆencia ´e obtido
pela raz˜ao entre o ganho da antena relativamente `a antena isotr´opica e o ganho da antena de
referˆencia relativamente `a antena isotr´opica. Uma antena de referˆencia muito utilizada ´e o
dipolo de λ/2 que apresenta uma ganho m´aximo relativamente `a antena isotr´opica de 1.643.
Ou seja
G
ant
λ/2
=
G
ant
iso
1.643
(2.16)
em unidade logar´ıtmicas vem
G
ant
λ/2
= G
ant
iso
−2.15 [dBd] (2.17)
2.4 Diagrama de radia¸c˜ao
O diagrama de radia¸c˜ao de uma antena ´e uma representa¸c˜ao gr´afica das suas propriedades
de radia¸c˜ao em fun¸c˜ao das coordenadas do espa¸co. Normalmente refere-se `a zona distante de
radia¸c˜ao e a propriedade representada pode ser o campo el´ectrico, o ganho, etc.
Na figura 2.2 ´e mostrado um exemplo de um diagrama de radia¸c˜ao tridimensional de uma
antena hipot´etica. O diagrama de radia¸c˜ao pode ser composto por v´arios lobos sendo que um
lobo ´e definido como sendo uma regi˜ao do diagrama de radia¸c˜ao contida entre duas direc¸c˜oes
de radia¸c˜ao nula ou muito fraca.
2.4.1 Parˆametros principais
Lobo principal:
´
E o lobo associado `a direc¸c˜ao de m´axima radia¸c˜ao. Dependendo da geome-
tria da antena, esta poder´a ter mais que um lobo principal.
Lobo secund´ario: Todos os lobos que n˜ao sejam lobos principais s˜ao considerados lobos
secund´arios. Normalmente ´e desej´avel que o n´ umero de lobos secund´arios seja o menor
poss´ıvel pois a potˆencia por eles radiada ´e desperdi¸cada.
Largura de feixe a meia potˆencia:
´
E o ˆangulo medido entre as direc¸c˜oes segundo as quais
a intensidade de radia¸c˜ao ´e metade da intensidade de radia¸c˜ao m´axima e, tal como a
directividade, ´e uma medida da concentra¸c˜ao da potˆencia radiada. Quanto menor for a
largura de feixe a -3dB maior ser´a a directividade da antena. Normalmente simboliza-se
este parˆametro por HPBW - Half Power Beam Width ou por θ
−3dB
.
2.4 Diagrama de radia¸c˜ao 25

HILW
Laiguia oo foixo
a noia poloncia
LoLos
socunoaiios
LoLo
liasoiio
LoLo
piincipal
8oL

FNLW
Laiguia oo foixo
onlio piinoiios nulos
Figura 2.2: Diagrama de radia¸c˜ao: parˆametros fundamentais
Largura de feixe entre os primeiros nulos:
´
E um parˆametro idˆentico `a largura de feixe
a -3dB excepto pelo facto do ˆangulo ser o feito pelas direc¸c˜oes dos primeiros nulos do
diagrama de radia¸c˜ao. Normalmente simboliza-se este parˆametro por FNBW - First
Null Beam Width.
N´ıvel de lobos secund´arios:
´
E uma medida da intensidade dos lobos secund´arios relati-
vamente ao lobo principal e ´e definido da seguinte maneira
NLS = 10 log

U
max
U
sec

(2.18)
onde
U
max
− Intensidade de radia¸c˜ao do lobo principal
U
sec
− Intensidade de radia¸c˜ao do maior lobo secund´ario
(2.19)
Se os lobos secund´arios tiverem diferentes intensidades ent˜ao a medida ´e feita relativa-
mente ao lobo secund´ario mais intenso.
Rela¸c˜ao frente-costas:
´
E em tudo idˆentico ao parˆametro anterior, residindo a diferen¸ca no
facto do lobo secund´ario considerado ser o que se op˜oe ao lobo de m´axima intensidade
de radia¸c˜ao.
26 Parˆametros Fundamentais
Figura 2.3: Diagrama de radia¸c˜ao de uma antena isotr´opica
2.4.2 Tipos de diagramas
Conforme a forma do diagrama de radia¸c˜ao, este pode ser classificado em trˆes tipos
Isotr´ opico Um diagrama de radia¸c˜ao isotr´opico corresponde a uma antena hipot´etica, que
n˜ao existe na realidade, caracterizada por ter uma intensidade de radia¸c˜ao igual para
todas as direc¸c˜oes. Este diagrama de radia¸c˜ao corresponde a uma esfera, tal como
mostrado em 2.3.
Omnidireccional Diz-se que um diagrama de radia¸c˜ao ´e omnidireccional se existir um plano
onde a intensidade de radia¸c˜ao ´e constante e igual ao seu valor m´aximo. Exemplo de
antenas com diagrama omnidireccional s˜ao o dipolo de Hertz (que tem o m´aximo de
radia¸c˜ao no plano xOy, tal como mostrado na figura 1.5) ou a antena linear.
Directivo Um diagrama de radia¸c˜ao diz-se directivo quando n˜ao ´e nem isotr´opico nem om-
nidireccional e portanto existe uma direc¸c˜ao privilegiada de radia¸c˜ao. Um exemplo de
uma diagrama de radia¸c˜ao directivo ´e o mostrado na figura 2.2.
2.4.3 Diagramas bidimensionais
O diagrama de radia¸c˜ao ´e uma figura tridimensional. Dada a dificuldade da representa¸ c˜ao de
uma figura em trˆes dimens˜oes ´e t´ıpico resumir-se o diagrama tridimensional a dois diagramas
bidimensionais em dois planos ortogonais contendo a direc¸c˜ao de m´axima intensidade de
radia¸c˜ao. Estes planos denominam-se de plano E e plano H. Por defini¸c˜ao, o plano E (ou H)
2.5 Impedˆancia de entrada 27
0.0 0.2 0.4 0.0 0.8 1.0
00
00
80
0
-80
-00
-00
-120
-150
180
150
120
(a) Plano E
0.0 0.2 0.4 0.0 0.8 1.0
00
00
80
0
-80
-00
-00
-120
-150
180
150
120
(b) Plano H
Figura 2.4: Diagrama de radia¸c˜ao nos planos E e H de um dipolo de Hertz
´e plano que na direc¸c˜ao de m´axima radia¸c˜ao cont´em o vector E
¯
(ou H
¯
). A t´ıtulo de exemplo
mostra-se na figura 2.4 os diagramas de radia¸c˜ao nos planos E e H de um dipolo de Hertz .
2.5 Impedˆancia de entrada
A impedˆancia de entrada de uma antena ´e dada pela raz˜ao entre a tens˜ao e a corrente
aos terminais da mesma. Em geral ter´a uma parte real e uma parte imagin´aria, cujo valor
depende n˜ao s´o da pr´opria geometria da antena, mas tamb´em do esquema de alimenta¸c˜ao e
do ambiente que a envolve. Por este motivo apenas se conhecem express˜oes anal´ıticas exactas
da impedˆancia de entrada para um n´ umero muito reduzido de antenas. Nos restantes casos a
impedˆancia de entrada ´e determinada experimentalmente ou por simula¸ c˜ao electromagn´etica.
2.5.1 Antenas em emiss˜ao
Consideremos um gerador com uma impedˆancia de sa´ıda dada por
Z
g
= R
g
+jX
g
(2.20)
e ligado a uma antena com uma impedˆancia de entrada dada por
Z
a
= R
a
+jX
a
(2.21)
28 Parˆametros Fundamentais
A parte real da impedˆancia de entrada de uma antena pode ser decomposta na soma de
duas parcelas
R
a
= R
r
+R
p
(2.22)
onde

R
r
− Resistˆencia de radia¸c˜ao
R
p
− Resistˆencia de perdas
(2.23)
Define-se resistˆencia de radia¸c˜ao como sendo a resistˆencia aos terminais da antena que,
quando percorrida por uma corrente igual `a corrente nos terminais de alimenta¸c˜ao da mesma,
dissipa uma potˆencia igual `a potˆencia radiada. Denominando esta resistˆencia por R
r
resulta
ent˜ao
P
rad
=
1
2
I
2
in
R
r
(2.24)
ou seja
R
r
=
2P
rad
I
2
in
(2.25)
A resistˆencia de perdas ´e uma outra resistˆencia fict´ıcia na qual ´e dissipada uma potˆencia
igual `a potˆencia perdida por aquecimento da antena. A parte imagin´aria da impedˆancia
contabiliza a potˆencia reactiva armazenada na proximidade da antena.
Um circuito equivalente do emissor ´e o mostrado na figura 2.5. Daqui podemos escrever
I
g
=
V
g
(R
r
+R
p
+R
g
) +j(X
a
+X
g
)
(2.26)
[I
g
[ =
[V
g
[

(R
r
+R
p
+R
g
)
2
+ (X
a
+X
g
)
2
(2.27)
onde V
g
´e o valor de pico da tens˜ao do gerador e I
g
´e o valor de pico da corrente que flu´ı no
circuito. A potˆencia total do circuito pode ser dividida em trˆes parcelas: P
r
(potˆencia radiada
pela antena), P
p
(potˆencia dissipada na antena) e P
g
(potˆencia dissipada na resistˆencia interna
do gerador).
P
r
=
[I
g
[
2
R
r
2
=
[V
g
[
2
2
R
r
(R
r
+R
p
+R
g
)
2
+ (X
a
+X
g
)
2
(2.28)
P
p
=
[I
g
[
2
R
p
2
=
[V
g
[
2
2
R
p
(R
r
+R
p
+R
g
)
2
+ (X
a
+X
g
)
2
(2.29)
P
g
=
[I
g
[
2
R
g
2
=
[V
g
[
2
2
R
g
(R
r
+R
p
+R
g
)
2
+ (X
a
+X
g
)
2
(2.30)
A m´axima transferˆencia de potˆencia ocorre quando temos adapta¸c˜ao conjugada entre o
emissor e a antena, ou seja

R
r
+R
p
= R
g
X
a
= −X
g
(2.31)
2.5 Impedˆancia de entrada 29
Goiaooi
a
L
Anlona
(a) Antena em emiss˜ao

I
g
X
g
I
p
X
a
I
g
V
g
a
L
I
i
(b) Esquema el´ectrico equivalente
Figura 2.5: Antena em emiss˜ao e esquema el´ectrico equivalente
Nestas condi¸c˜oes temos que
P
r
=
[V
g
[
2
8
R
r
(R
r
+R
p
)
2
(2.32)
P
p
=
[V
g
[
2
8
R
p
(R
r
+R
p
)
2
(2.33)
P
g
=
[V
g
[
2
8R
g
(2.34)
Facilmente se infere que resulta
P
g
= P
p
+P
r
(2.35)
P
t
= P
g
+P
p
+P
r
=
[V
g
[
2
4(R
r
+R
p
)
(2.36)
onde P
t
representa a potˆencia total existente no circuito. A an´alise dos resultados obtidos
admitindo adapta¸c˜ao conjugada permite-nos tirar as seguintes conclus˜oes
• De toda a potˆencia existente no circuito, metade ´e dissipada na resistˆencia interna do
gerador e a outra metade ´e entregue `a antena.
• Da potˆencia que ´e entregue `a antena, parte ´e dissipada pela resistˆencia de perdas R
p
e
a restante ´e efectivamente radiada.
• A m´axima potˆencia que se pode radiar ´e metade da fornecida pelo gerador, o que s´o
acontece para antenas sem perdas.
• O rendimento de radia¸c˜ao ´e dado por
η =
P
rad
P
aceite
=
P
r
P
r
+P
p
=
R
r
R
r
+R
p
(2.37)
30 Parˆametros Fundamentais
Caiga
a
L
Anlona
(a) Antena em recep¸c˜ ao

I
p
X
a
I
l
X
l
I
g
V
i
a
L
I
i
(b) Esquema el´ectrico equivalente
Figura 2.6: Antena em recep¸c˜ao e esquema el´ectrico equivalente
Na pr´atica existir´a uma linha de transmiss˜ao entre o emissor e antena, cujo efeito n˜ao
foi contabilizado nos c´alculos efectuados at´e aqui. No entanto o processo anterior fica v´alido
desde que se considere, n˜ao a impedˆancia de sa´ıda do gerador mas a impedˆancia equivalente
transferida para os terminais da antena. Adicionalmente temos ainda o facto das linhas
tamb´em introduzirem perdas o que diminuir´a ainda mais a m´axima potˆencia dispon´ıvel para
radia¸c˜ao.
2.5.2 Antenas em recep¸c˜ao
Quando uma onda electromagn´etica incide sobre uma antena em recep¸c˜ao ´e induzida nesta
uma corrente I
i
. Como resposta a esta corrente que a percorre a antena ir´a radiar. Quer
isto dizer que parte da potˆencia captada pela antena ´e perdida num processo de re-radia¸c˜ao.
Admitindo que a antena esta ligada a uma carga Z
l
dada por
Z
l
= R
l
+jX
l
(2.38)
o esquema el´ectrico equivalente para a antena em recep¸c˜ao poder´a ser o mostrado em 2.6,
onde

R
r
− Resistˆencia de re-radia¸c˜ao
R
p
− Resistˆencia de perdas
(2.39)
A fonte de tens˜ao mostrada no circuito ´e uma fonte que gera no circuito uma corrente igual
`a corrente induzida na antena. Admitindo que existe adapta¸c˜ao conjugada

R
p
+R
r
= R
l
X
a
= −X
l
(2.40)
e fazendo uma an´alise do circuito idˆentica `a efectuada para antenas em emiss˜ao, resulta
P
l
=
[V
i
[
2
8
1
R
r
+R
p
(2.41)
2.6
´
Area Efectiva 31
P
r
=
[V
i
[
2
8
R
r
(R
r
+R
p
)
2
(2.42)
P
p
=
[V
i
[
2
8
R
p
(R
r
+R
p
)
2
(2.43)
Facilmente se infere que, na condi¸c˜ao de existir adapta¸c˜ao conjugada
P
l
= P
p
+P
r
(2.44)
P
t
= P
l
+P
r
+P
p
=
[V
i
[
2
4
1
(R
r
+R
p
)
(2.45)
onde P
t
representa a potˆencia total do circuito. A an´alise dos resultados obtidos admitindo
adapta¸c˜ao conjugada permite-nos tirar as seguintes conclus˜oes
• De toda a potˆencia extra´ıda da onda incidente, metade ´e perdida pelo processo de
re-radia¸c˜ao e a outra metade ´e distribu´ıda pela carga e pela resistˆencia de perdas.
• A m´axima potˆencia que se pode obter ´e metade da capturada pela antena, o que acontece
se a antena n˜ao tiver perdas.
2.6
´
Area Efectiva
Uma antena em recep¸c˜ao serve para extrair potˆencia das ondas electromagn´eticas que nela
incidem. A ´area efectiva de uma antena ´e dada pela rela¸c˜ao entre a densidade de potˆencia
que nela inside e a potˆencia entregue a uma carga adaptada, ou seja
P
r
= S A
e
(2.46)
onde A
e
representa a ´area efectiva. Utilizando o esquema equivalente da figura 2.6(b) podemos
escrever
A
e
=
V
2
i
2S
¸
R
l
(R
l
+R
p
+R
r
)
2
+ (X
a
+X
l
)
2
¸
(2.47)
Admitindo que existe adapta¸c˜ao conjugada, a m´axima ´area efectiva que se obt´em ´e
A
em
=
V
2
i
8S
¸
1
R
p
+R
r
¸
(2.48)
Tomemos como exemplo um dipolo de Hertz sem perdas (R
p
= 0) e do qual sabemos que
a resistˆencia de radia¸c˜ao vale
2
R
r
=
80π
2
dl
2
λ
2
(2.49)
2
Este resultado ir´a ser demonstrado na sec¸c˜ao 2.9 neste cap´ıtulo.
32 Parˆametros Fundamentais
Se o dipolo for iluminado por uma onda plana, ent˜ao a tens˜ao induzida aos seus terminais
ser´a
V
i
= Edl (2.50)
Como a densidade de potˆencia associada `a onda plana vale
S =
E
2
2Z
(2.51)
resulta a ´area efectiva de um dipolo de Hertz vale
A
em
=

2

(2.52)
Um facto importante que se conclui do resultado obtido ´e que a ´area efectiva n˜ao est´a
relacionada com o tamanho do dipolo e, portanto, a ´area efectiva de uma qualquer antena ´e
uma ´area fict´ıcia que n˜ao depender´a obrigatoriamente da ´area f´ısica. No entanto, como um
aumento do tamanho do dipolo leva a que a tens˜ao induzida tamb´em aumente, ´e expect´avel
que a potˆencia entregue `a carga tamb´em aumente e, por consequˆencia, a ´area efectiva seja
maior. Porque ´e que tal n˜ao acontece? Porque, tal como vimos anteriormente, da potˆencia
total capturada parte ´e entregue `a carga e a restante ´e perdida por re-radia¸c˜ao. Ao aumentar
o tamanho do dipolo tamb´em aumentamos a sua resistˆencia de radia¸c˜ao e, por consequˆencia,
aumentamos tamb´em o valor da potˆencia que ´e perdida por re-radia¸c˜ao e, efectuando o
balan¸co, chega-se `a conclus˜ao que o que se ganha em potˆencia capturada ´e igual `a potˆencia
que se perde por re-radia¸c˜ao e a potˆencia total entregue `a carga ´e independente do tamanho
do dipolo.
Rela¸c˜ao entre a ´area efectiva e as propriedades direccionais da antena
Para relacionar a ´area efectiva de uma antena com as suas propriedades direccionais con-
sideremos que temos duas antenas distanciadas de uma distˆancia R. A antena de emiss˜ao
apresenta um ganho G
e
e uma ´area efectiva A
e
e a antena de recep¸c˜ao apresenta um ganho
G
r
e uma ´area efectiva A
r
. A uma distˆancia R, a densidade de potˆencia disponibilizada por
uma antena isotr´opica vale
S =
P
e
4πR
2
(2.53)
Como a antena de emiss˜ao tem um ganho G
e
relativamente `a antena isotr´opica, ent˜ao a
densidade de potˆencia disponibilizada pela antena `a mesma distˆancia R ser´a
S =
P
e
G
e
4πR
2
(2.54)
e a potˆencia captada pela antena de recep¸c˜ao ser´a
P
r
=
P
e
G
e
4πR
2
A
r
(2.55)
2.7 Polariza¸c˜ao 33
Daqui podemos escrever
G
e
A
r
=
P
r
P
e
(4πR
2
) (2.56)
Se agora colocarmos a antena emissora a receber e a antena receptora a emitir podemos
escrever
G
r
A
e
=
P
r
P
e
(4πR
2
) (2.57)
Das duas ultimas rela¸c˜oes resulta que
G
e
A
e
=
G
r
A
r
(2.58)
Ou seja, para qualquer antena, a rela¸c˜ao entre o seu ganho e a sua ´area efectiva ´e uma
constante. Para calcular essa constante, consideremos que, por exemplo, a antena de recep¸c˜ao
´e um dipolo de Hertz sem perdas do qual ´e conhecido que
3
A =

2

(2.59)
G = 1.5 (2.60)
vem ent˜ao que, para qualquer antena, se verifica
A =
λ
2

G (2.61)
Note-se que o ganho de uma antena ´e dependente da direc¸c˜ao que se considera pelo que
tamb´em a ´area efectiva o ser´a
A(θ, φ) =
λ
2

G(θ, φ) (2.62)
2.7 Polariza¸c˜ao
Para que haja m´axima transferˆencia de potˆencia numa liga¸c˜ao entre uma antena emissora
e uma antena receptora ´e necess´ario que estas operem com a mesma polariza¸c˜ao. Caso
contr´ario, existir´a uma perda adicional de sinal, que poder´a at´e ser total se as polariza¸c˜oes
de cada uma das antenas forem ortogonais. A caracteriza¸c˜ao da polariza¸c˜ao de uma antena
reveste-se assim duma importˆancia fundamental. Neste contexto, importa definir os seguintes
conceitos:
Polariza¸c˜ao de uma antena: em emiss˜ao, ´e definida como sendo a polariza¸c˜ao da onda
emitida pela antena numa determinada direc¸c˜ao. Em recep¸c˜ao, ´e definida como sendo
a polariza¸c˜ao da onda que, incidindo na antena segundo uma determinada direc¸c˜ao,
permite obter a m´axima potˆencia poss´ıvel. Como a polariza¸c˜ao de uma antena depende
da direc¸c˜ao assume-se que, por omiss˜ao, quando se fala da polariza¸c˜ao de uma antena,
se est´a a referir `a polariza¸c˜ao da onda associada `a direc¸c˜ao de m´axima radia¸c˜ao.
3
Estes resultados v˜ao ser demonstrados na sec¸c˜ao 2.9 neste cap´ıtulo.
34 Parˆametros Fundamentais
Diioccao oo
piopagacao
Iolaiizacao
oiioila
Figura 2.7: Posi¸ c˜ao do observador para determina¸c˜ao do sentido de rota¸c˜ao da polariza¸c˜ao
Polariza¸c˜ao de uma onda electromagn´etica: ´e definida como sendo a varia¸c˜ao da am-
plitude e da direc¸c˜ao do vector campo el´ectrico ao longo do tempo.
Curva de polariza¸c˜ao: ´e o desenho tra¸cado pelo vector campo el´ectrico, num determinado
ponto fixo do espa¸co e ao longo do tempo. A curva de polariza¸c˜ao mais geral ´e uma
elipse, denominando-se esta polariza¸c˜ao de el´ıptica. Condi¸c˜oes espec´ıficas existem que
fazem com que esta elipse degenere numa circunferˆencia (chamando-se agora a polar-
iza¸c˜ao de circular) ou num segmento de recta (classificando-se ent˜ao a polariza¸c˜ao de
linear).
Al´em da figura tra¸cada pelo vector campo el´ectrico ´e tamb´em importante o sentido em que
este roda. Para classificar o sentido de rota¸c˜ao ´e necess´ario especificar a posi¸c˜ao do observador
relativamente ao sentido de propaga¸c˜ao da onda. Recomenda o IEEE que a localiza¸c˜ao do
observador deve ser tal que este veja a onda a afastar-se de si `a medida que esta se propaga, tal
como exemplificado na figura 2.7. Assim, se o vector campo el´ectrico rodar no mesmo sentido
que os ponteiros dum rel´ogio a polariza¸c˜ao ´e denominada de direita (este ´e caso exemplificado
na figura 2.7). Se, por outro lado, o vector rodar no sentido oposto ao dos ponteiros dum
rel´ogio, a polariza¸c˜ao ´e ent˜ao denominada de esquerda. A t´ıtulo de exemplo, mostram-se na
figura 2.8 algumas curvas de polariza¸c˜ao de ondas electromagn´eticas.
Determina¸c˜ao da polariza¸c˜ao
Consideremos uma onda plana que se propaga na direc¸c˜ao ˆa
¯
z
. Assim, um observador colocado
na origem do sistema de coordenadas, quando olha no sentido Oz, vˆe a onda a afastar-se.
A decomposi¸c˜ao do vector campo el´ectrico associado a essa onda permite que este possa ser
obtido atrav´es da soma das componentes segundo ˆa
¯
x
e ˆa
¯
y
E
¯
(z, t) = E
x
(z, t)ˆa
¯
x
+E
y
(z, t)ˆa
¯
y
(2.63)
2.7 Polariza¸c˜ao 35
(a) (b) (c) (d)
Figura 2.8: Exemplos de polariza¸c˜oes: (a) Linear Obl´ıqua (b) Linear Vertical (c) Circular
Esquerda (d) El´ıptica Direita. A onda est´a a propagar-se para dentro da folha.
com
E
x
(z, t) = E
xo
cos(ωt −βz +φ
x
) (2.64)
E
y
(z, t) = E
yo
cos(ωt −βz +φ
y
) (2.65)
onde E
xo
e E
yo
representam os valores m´aximos das componentes e φ
x
e φ
y
representam as
fases dessas mesma componentes. As amplitudes complexas dessas componentes s˜ao ent˜ao
dadas por
¯
E
x
= E
xo
e

x
(2.66)
¯
E
y
= E
yo
e

y
(2.67)
Raz˜ao de Polariza¸c˜ao
Define-se raz˜ao de polariza¸c˜ao tal como se segue
P =
¯
E
y
¯
E
x
=
E
yo
E
xo
e
j∆φ
(2.68)
onde
∆φ = φ
y
−φ
x
(2.69)
Este parˆametro permite-nos obter rapidamente a polariza¸c˜ao da onda e qual o sentido de
rota¸c˜ao. Utilizando a conven¸c˜ao da figura 2.7, quanto ao sentido de rota¸c˜ao da polariza¸c˜ao
36 Parˆametros Fundamentais
tem-se

∆φ < 0 Polariza¸ cao direita
∆φ > 0 Polariza¸ c˜ ao esquerda
(2.70)
Polariza¸c˜ao Linear
A polariza¸c˜ao linear obt´em-se sempre que a diferen¸ca de fase entre as duas componentes for
∆φ = nπ, n = 0, 1, 2, 3, ... (2.71)
ou seja, sempre que as componentes estejam em fase ou em oposi¸c˜ao de fase. Esta condi¸c˜ao
corresponde a uma raz˜ao de polariza¸c˜ao de
P = ±P
1
com P
1
real puro (2.72)
Polariza¸c˜ao Circular
Para se obter uma polariza¸c˜ao circular ´e necess´ario obedecer a duas condi¸c˜oes. Quanto `a
diferen¸ca de fase tem-se
∆φ =


π
2
−2nπ, n = 0, 1, 2, 3, ... direita
+
π
2
+ 2nπ, n = 0, 1, 2, 3, ... esquerda
(2.73)
Quanto as amplitudes, ´e necess´ario que est˜ao sejam iguais, isto ´e
[E
x
[ = [E
y
[ ⇒E
xo
= E
yo
(2.74)
Em termos raz˜ao de polariza¸c˜ao estas condi¸c˜oes correspondem a
P = 1e
±j
π
2
= ±j (2.75)
Polariza¸c˜ao El´ıptica
A polariza¸c˜ao el´ıptica ´e obtida sempre que n˜ao se verifiquem as condi¸c˜oes anteriores, ou seja,
se o desfasamento entre as componentes for de ±
π
2
e as amplitudes forem diferentes
∆φ =


π
2
−2nπ, n = 0, 1, 2, 3, ... direita
+
π
2
+ 2nπ, n = 0, 1, 2, 3, ... esquerda
(2.76)
[E
x
[ = [E
y
[ ⇒E
xo
= E
yo
(2.77)
ou se o desfasamento n˜ao for m´ ultiplo de π/2, independentemente das amplitudes.
2.7 Polariza¸c˜ao 37

Figura 2.9: Elipse de polariza¸c˜ao
Rela¸c˜ao Axial
A rela¸c˜ao axial ´e um parˆametro que nos permite saber qual a polariza¸c˜ao da onda, embora
nada nos diga sobre o sentido de rota¸c˜ao. Considere-se a figura mostrada em 2.9, onde se
representa o caso mais gen´erico de uma polariza¸c˜ao el´ıptica. Define-se rela¸c˜ao axial como
sendo
AR =
Eixo Maior
Eixo Menor
=
OA
OB
1 ≤ AR ≤ ∞ (2.78)
Facilmente se infere que
AR =

1 Polariza¸ c˜ao circular
∞ Polariza¸ c˜ao linear
outro caso Polariza¸ c˜ao el´ıptica
(2.79)
Os eixos OA e OB podem ser obtidos a partir das amplitudes das componentes do campos
e do desfasamento entre estes atrav´es de
OA =
¸
1
2

E
2
xo
+E
2
yo
+

E
4
xo
+E
4
yo
+ 2E
2
xo
E
2
yo
cos(2∆φ)

1/2

1/2
(2.80)
OB =
¸
1
2

E
2
xo
+E
2
yo

E
4
xo
+E
4
yo
+ 2E
2
xo
E
2
yo
cos(2∆φ)

1/2

1/2
(2.81)
O ˆangulo τ, que nos fornece a inclina¸c˜ao da curva de polariza¸c˜ao, ´e dado por
4
τ =
π
2

1
2
tan
−1
¸
2E
xo
E
yo
E
2
xo
−E
2
yo
cos(∆φ)
¸
(2.82)
4
´
E necess´ario ter em aten¸c˜ao que a fun¸c˜ ao α = tan
−1
x tem duas solu¸c˜ oes poss´ıveis no intervalo 0 ≤ α ≤ 2π.
Em geral, se α ´e solu¸c˜ ao ent˜ ao α +π tamb´em o ´e. Por exemplo, α = tan
−1
0 ⇔α = 0 ∧ α = π.
38 Parˆametros Fundamentais
At´e aqui assumimos que a onda se propaga segundo o sentido de ˆa
¯
z
. No entanto, em
geral, uma onda pode propagar-se segundo uma qualquer direc¸c˜ao arbitr´aria. Usando ent˜ao
o sistemas de coordenadas esf´ericas, pode-se dizer que a onda viaja segundo a direc¸c˜ao de ˆa
¯
r
.
Neste caso ´e mais conveniente decompor o campo nas componentes E
θ
e E
φ
em vez de E
x
e
E
y
. Matematicamente pode escrever-se que
E
¯
(r, t) = E
θ
(r, t)ˆa
¯
θ
+E
φ
(r, t)ˆa
¯
φ
(2.83)
onde
E
φ
(r, t) = E
φo
cos(ωt −βr +δ
φ
) (2.84)
E
θ
(r, t) = E
θo
cos(ωt −βr +δ
θ
) (2.85)
Para determinar a polariza¸c˜ao da onda descrita nesta forma podemos utilizar as express˜oes
anteriormente apresentadas desde que se fa¸ca
∆φ = δ
θ
−δ
φ
(2.86)
e se efectuem as seguintes substitui¸c˜oes
E
xo
→ E
φo
(2.87)
E
yo
→ E
θo
(2.88)
Rejei¸c˜ao `a polariza¸c˜ao cruzada
Quando uma onda com polariza¸c˜ao ortogonal (tamb´em chamada de polariza¸c˜ao cruzada) `a
polariza¸c˜ao da antena de recep¸c˜ao, a potˆencia extra´ıda ser´a nula. Na pr´atica, as antenas tˆem
sempre alguma sensibilidade `a polariza¸c˜ao cruzada e existe recep¸c˜ao de algum sinal. Para se
caracterizar este efeito ´e usual utilizar-se o parˆametro XPD
5
, definido como sendo a raz˜ao
entre a potˆencia recebida com a polariza¸c˜ao adequada e a potˆencia recebida com a polariza¸c˜ao
que lhe ´e ortogonal. Este ´e um parˆametro muito importante em aplica¸c˜oes que utilizam a
multiplexagem na polariza¸c˜ao como t´ecnica para transmitir dois canais em simultˆaneo e na
mesma frequˆencia.
Perdas por desadapta¸c˜ao de polariza¸c˜ao
Para que exista m´axima transferˆencia de potˆencia entre duas antenas ´e necess´ario que estas
tenham a mesma polariza¸c˜ao. Assim, a polariza¸c˜ao da onda que incide numa antena deve ser
a mesma polariza¸c˜ao de uma onda que por esta fosse emitida. Se a onda emitida e a onda
5
Do inglˆes Cross Polarization Discrimination.
2.7 Polariza¸c˜ao 39

Onoa
iocoLioa

Onoa
onilioa
Figura 2.10: Adapta¸c˜ao de polariza¸c˜ao
recebida estiverem a ser simultaneamente observadas da antena de recep¸c˜ao, e admitindo
polariza¸c˜ao el´ıptica, os vectores campo el´ectrico de cada onda descrevem a mesma elipse mas
a rodar em sentidos opostos, tal como mostrado na figura 2.10.
Em geral, a polariza¸c˜ao de uma onda e a polariza¸c˜ao da antena em que a onda inside
poder˜ao ser diferentes, existindo uma desadapta¸c˜ao de polariza¸c˜oes. Esta desadapta¸c˜ao im-
plica que a potˆencia extra´ıda da onda seja diferente do valor m´aximo que se poderia obter.
Assuma-se um campo el´ectrico incidente na antena com a seguinte forma
¯
E
¯
i
=
¯
E
i
ˆa
¯
i
(2.89)
e uma antena com uma polariza¸c˜ao da antena dada por
¯
E
¯
a
=
¯
E
a
ˆa
¯
a
(2.90)
Tal como se mostra na figura 2.11, ˆa
¯
i
´e um vector unit´ario que aponta segundo o sentido
do campo el´ectrico da onda incidente e ˆa
¯
a
´e um vector unit´ario que aponta segundo o sentido
do campo el´ectrico de uma onda hipoteticamente emitida pela antena de recep¸c˜ao. Estes
vectores podem obter-se atrav´es de
ˆa
¯
=
¯
E
¯
[
¯
E
¯
[
=
¯
E
¯

[
¯
E
x
[
2
+[
¯
E
y
[
2
(2.91)
A perda de potˆencia por desadapta¸c˜ao de polariza¸c˜ao pode ser calculada atrav´es do coe-
ficiente C
p
C
p
= [ˆa
¯
i
ˆa
¯
a
[
2
= [ cos(Ψ
p
)[
2
(2.92)
onde Ψ
p
representa o ˆangulo feito pelos dois vectores unit´arios.
40 Parˆametros Fundamentais

Figura 2.11: Vectores unit´arios da polariza¸c˜ao da onda incidente e da antena de recep¸c˜ao.
2.8 Largura de banda
A largura de banda de uma antena ´e definida como sendo o intervalo de frequˆencias dentro do
qual uma determinada caracter´ıstica da antena permanece dentro de um determinado valor
aceite como bom. Como todos os parˆametros caracterizantes de uma antena variam com
a frequˆencia, pode-se definir a largura de banda com base em qualquer um dos parˆametros
j´a estudados (largura de feixe, polariza¸c˜ao, eficiˆencia, ganho, n´ıvel dos lobos secund´arios,
impedˆancia de entrada, etc.) ou at´e baseada num conjunto de parˆametros, p.e., enquanto
desadapta¸c˜ao de impedˆancias estive abaixo de um determinado valor e enquanto o Axial
Ratio estiver compreendido numa determinada gama.
Para antenas de banda estreita a largura de banda, em percentagem, ´e obtida atrav´es de
LB =
f
max
−f
min
f
o
100 (2.93)
onde f
o
´e a frequˆencia central da banda e ´e dada por
f
o
=
f
max
+f
min
2
(2.94)
onde f
max
e f
min
representam, respectivamente, a frequˆencia mais alta e a frequˆencia mais
baixa que verificam o crit´erio estabelecido.
Para antenas de banda larga a largura de banda ´e definida por
LB =
f
max
f
min
(2.95)
Actualmente existem antenas com uma rela¸c˜ao de frequˆencia de 40:1, isto ´e, a frequˆencia mais
alta ´e quarenta vezes superior `a frequˆencia mais baixa. Uma largura de banda desta gama ´e
poss´ıveis nas antenas denominadas de antenas independentes da frequˆencia.
2.9 Exemplo - Dipolo de Hertz 41
2.9 Exemplo - Dipolo de Hertz
Utilizando as express˜oes gerais, calculemos agora a resistˆencia de radia¸c˜ao, directividade e
´area efectiva e de um dipolo de Hertz. Vimos anteriormente que num dipolo de Hertz se
verifica
S =
I
2
M

2
dl
2
32π
2
r
2
sin
2
θ e P
rad
=
40π
2
dl
2
I
2
M
λ
2
A resistˆencia de radia¸c˜ao ´e dada pela equa¸c˜ao 2.25. Como a envolvente da corrente que
percorre um dipolo de Hertz ´e constante, ent˜ao
I
in
= I
M
(2.96)
A substitui¸c˜ao do valor obtido para P
rad
em 2.25 resulta numa resistˆencia de radia¸c˜ao de
R
r
=
80π
2
dl
2
λ
2
(2.97)
A intensidade de radia¸c˜ao vale
U(θ, φ) = r
2
S =
I
2
M

2
dl
2
32π
2
sin
2
θ (2.98)
e a directividade ´e de
D(θ, φ) = 4π
U(θ, φ)
P
rad
= 1.5 sin
2
θ (2.99)
sendo o seu valor m´aximo igual a
D
max
= 1.5 ⇒D
max
= 1.76 dBi (2.100)
Daqui resulta que a ´area efectiva de um dipolo de Hertz sem perdas vale
A
e
(θ, φ) =
λ
2

D(θ, φ) =

2

sin
2
θ (2.101)
sendo o seu valor m´aximo de
A
e
=

2

(2.102)
42 Parˆametros Fundamentais
Cap´ıtulo 3
Antenas Lineares
3.1 Introdu¸c˜ao
As antenas filamentares s˜ao das mais antigas que existem. O seu baixo pre¸co, simplicidade e
moderada versatilidade tornou este tipo de antenas numa das geometrias com maior aplica¸c˜ao
pr´atica. A sua utiliza¸c˜ao vai desde frequˆencias na banda VLF (3KHz - 30KHz) onde tipica-
mente s˜ao utilizadas como monopolos verticais ( p.e. para aplica¸c˜oes na ´area das comunica¸c˜oes
com baixa largura de banda e longo alcance) at´e `a banda UHF (300MHz - 3GHz) onde s˜ao
utilizadas tipicamente como dipolos (p.e. para a constru¸c˜ao de esta¸c˜oes de base dos modernos
sistemas de comunica¸c˜oes m´oveis).
As formas das antenas filamentares e respectivos princ´ıpios de funcionamento s˜ao t˜ao
vastas que ´e imposs´ıvel analis´a-las todas. Por este motivo, o estudo que iremos efectuar neste
cap´ıtulo ir´a ser restringido ao dipolo linear e ao dipolo cil´ındrico. Posteriormente, no cap´ıtulo
sobre reflectores, iremos dedicar alguma aten¸c˜ao aos monopolos verticais e horizontais.
3.2 Dipolos Lineares
O dipolo linear ´e uma antena infinitamente fina, com comprimento L e alimentada ao centro,
cuja geometria ´e apresentada na figura 3.1. Por analogia entre o dipolo linear e uma linha de
transmiss˜ao terminada em aberto, ´e uma boa aproxima¸c˜ao assumir que a envolvente da cor-
rente ao longo da antena tem uma distribui¸c˜ao sinusoidal dada pela express˜ao 3.1 e mostrado
na figura 3.2 para dipolos lineares de v´arios tamanhos.
¯
I
¯
(z

) =

I
M
sin[β(l −z

)] 0 ≤ z

≤ l
I
M
sin[β(l +z

)] −l ≤ z

≤ 0
(3.1)
44 Antenas Lineares

Figura 3.1: Geometria da antena linear

Figura 3.2: Andamento da corrente dada por 3.1 para antenas lineares de v´arios comprimentos
3.2 Dipolos Lineares 45
3.2.1 Campos radiados
Para encontrar os campos radiados por esta distribui¸c˜ao de corrente podemos optar por um
de entre dois caminhos
• a partir da distribui¸c˜ao de correntes calcular o potencial vector A
¯
e, a partir deste,
calcular os campos do mesmo modo que fizemos para o dipolo de Hertz
• utilizar o resultado obtido para o dipolo de Hertz e um pouco de engenho.
Como o segundo processo ´e mais expedito ´e este que vamos utilizar. A ideia reside
em dividir a antena em pequenos tro¸cos de tamanho ∆z

e obter o campo total atrav´es do
somat´orio das contribui¸ c˜oes de cada um dos destes pequenos tro¸cos.
`
A medida que reduzimos
estes pequenos tro¸cos, o seu tamanho tender´a para uma dimens˜ao elementar dz

e o somat´orio
tender´a para um integral. Cada tro¸co dz

ser´a percorrido por uma corrente constante mas
diferente em cada ponto z

e cuja amplitude ´e dada pela equa¸c˜ao 3.1.
´
E nesta altura que
utilizamos o resultado obtido para o dipolo de Hertz , uma vez que tamb´em este possu´ı um
dimens˜ao elementar e ´e percorrido por uma corrente constante.
O estudo que vamos efectuar ´e v´alido apenas para a zona distante de radia¸c˜ao. Aqui o
campo gerado por um dipolo de Hertz algures num ponto z

´e dado por
d
¯
E
θ
= j
ZβI(z

)
4πR
e
−jβR
sin θdz

(3.2)
Na zona distante de radia¸c˜ao podemos fazer uma aproxima¸ c˜ao a R tal como mostrado na
figura 3.3. Esta aproxima¸ c˜ao corresponde a fazer
R = r −z

cos θ para os termos da fase (3.3)
R = r para os termos da amplitude (3.4)
Assim podemos escrever
d
¯
E
θ
≈ j
ZβI(z

)e
−jβr
4πr
sinθe
jβz

cos θ
dz

(3.5)
O campo total resulta da soma (ou da interferˆencia) dos campos gerados pelos infinitos
dipolos de Hertz que constituem o dipolo linear. Matematicamente esta ideia escreve-se como
se segue
¯
E
θ
=

+l
−l
d
¯
E
θ
= j
Zβe
−jβr
4πr
sin θ

+l
−l
I(z

)e
jβz

cos θ
dz

(3.6)
Uma an´alise do resultado obtido revela algo de interessante: o campo total ´e dado pelo
produto de dois factores, sendo um factor o campo gerado por um dipolo de Hertz com
I
M
= 1 e outro um factor de forma denominado de factor espacial. Este facto ´e denominado
46 Antenas Lineares

oislancia ioal
oislancia oouiyalonlo na
zona oislanlo oo iaoiacao

cos
Figura 3.3: Equivalˆencia entre raios na zona distante de radia¸c˜ao
de multiplica¸c˜ao de diagramas para fontes continuas, em analogia com a multiplica¸ c˜ao de dia-
gramas que tamb´em se verifica para fontes discretas, tal como iremos ver quando estudarmos
os agregados de antenas. Resolvendo os integral da express˜ao anterior chegamos a
¯
E
θ
= j
ZI
M
e
−jβr
2πr
¸
cos(βl cos θ) −cos(βl)
sin θ

(3.7)
O c´alculo do campo magn´etico pode ser feito repetindo o processo usado para determinar
o campo el´ectrico ou atrav´es de uma das equa¸c˜oes de Maxwell. O resultado a que se chega ´e
¯
H
φ
=
E
θ
Z
= j
I
M
e
−jβr
2πr
¸
cos(βl cos θ) −cos(βl)
sin θ

(3.8)
Na figura 3.4 s˜ao representados os diagramas de radia¸c˜ao de antenas lineares de v´arios
tamanhos onde se pode observar que que o m´aximo de radia¸c˜ao ocorre para θ = π/2 e que
quanto maior for a antena mais concentrada ´e a radia¸c˜ao. Quando o tamanho da antena
´e superior a λ, esta come¸ca a criar lobos secund´arios, sendo que o n´ umero destes e a sua
intensidade aumenta com o aumento do tamanho da antena.
3.2.2 Potˆencia radiada
Para um dipolo de tamanho L = 2l a densidade de potˆencia vale
S =
[E
θ
[
2
2Z
=
I
2
M
Z

2
r
2
¸
cos(βl cos θ) −cos(βl)
sin θ

2
(3.9)
3.2 Dipolos Lineares 47
0.0 0.2 0.4 0.0 0.8 1.0
00
00
80
0
-80
-00
-00
-120
-150
180
150
120
(a) L = 0.5λ
0.0 0.2 0.4 0.0 0.8 1.0
00
00
80
0
-80
-00
-00
-120
-150
180
150
120
(b) L = 0.75λ
0.0 0.2 0.4 0.0 0.8 1.0
00
00
80
0
-80
-00
-00
-120
-150
180
150
120
(c) L = λ
0.0 0.2 0.4 0.0 0.8 1.0
00
00
80
0
-80
-00
-00
-120
-150
180
150
120
(d) L = 1.25λ
Figura 3.4: Diagrama de radia¸c˜ao (campo el´ectrico normalizado) na zona distante de radia¸c˜ao
de antenas lineares de v´arios tamanhos.
48 Antenas Lineares
e a potˆencia radiada valer´a
P
rad
=

S
S dS =
ZI
2
M

π
0
[cos(βl cos θ) −cos(βl)]
2
sin θ
dθ (3.10)
Como o integral que aparece na equa¸c˜ao anterior n˜ao tem solu¸c˜ao ´e necess´ario recorrer a
tabelas para estimar o valor da potˆencia radiada. A potˆencia radiada pode ent˜ao ser obtida
atrav´es de
P
rad
=
ZI
2
M

¦C + ln(2βl) −C
i
(2βl) + 0.5 sin(2βl)[S
i
(4βl) −2S
i
(2βl)]
+ 0.5 cos(2βl)[C + ln(βl) +C
i
(4βl) −2C
i
(2βl)]¦ (3.11)
onde C = 0.5772, C
i
(x) e S
i
(x) representam, respectivamente, a constante de Euler, o co-seno
integral e o seno integral. Os dois ´ ultimos normalmente aparecem tabelados e s˜ao dados por
C
i
(x) =

x

cos y
y
dy (3.12)
S
i
(x) =

x
0
siny
y
dy (3.13)
3.2.3 Resistˆencia de radia¸c˜ao
Tal como vimos anteriormente, a resistˆencia de radia¸c˜ao ´e dada por
R
r
=
2P
in
I
2
in
(3.14)
onde I
in
´e a corrente aos terminais do dipolo e est´a relacionada com a corrente m´axima I
M
atrav´es de
¯
I
¯
in
=
¯
I
¯
(z

)[
z

=0
= I
M
sin(βl) (3.15)
Se a antena n˜ao tiver perdas ent˜ao podemos dizer que a potˆencia fornecida e a potˆencia
radiada s˜ao iguais
P
rad
= P
in
(3.16)
resultando para a resistˆencia de entrada
R
r
=
Z
2π sin
2
(βl)
¦C + ln(2βl) −C
i
(2βl) + 0.5 sin(2βl)[S
i
(4βl) −2S
i
(2βl)]
+ 0.5 cos(2βl)[C + ln(βl) +C
i
(4βl) −2C
i
(2βl)]¦ (3.17)
A evolu¸c˜ao da resistˆencia de entrada de um dipolo linear em fun¸c˜ao do tamanho deste ´e
mostrada na figura 3.5. Como se pode observar esta resistˆencia varia conforme o tamanho
do dipolo existindo inclusive tamanhos para os quais a resistˆencia de entrada ´e infinita (co-
incidindo com as dimens˜oes para as quais a corrente nos terminais e alimenta¸ c˜ao ´e nula).
Para simplificar a adapta¸c˜ao da impedˆancia de entrada da antena ao sistema de alimenta¸c˜ao
´e necess´ario escolher um tamanho de dipolo adequado.
3.2 Dipolos Lineares 49
0 0.ó 1 1.ó 2 2.ó 8
0
100
200
800
400
ó00
I
i

[

[
L [[
Figura 3.5: Resistˆencia de radia¸c˜ao na entrada de um dipolo linear
3.2.4 Directividade
A evolu¸c˜ao da directividade de uma antena linear (calculada atrav´es da express˜ao 2.6) ´e
mostrada na figura 3.6. Quando o tamanho da antena ´e superior a sensivelmente 1.5λ come¸ca
a apresentar lobos secund´arios e perde as suas propriedades direccionais. Como consequˆencia
a directividade da antena diminu´ı.
3.2.5 Antena Linear de λ/2
Por motivos que iremos ver aquando do estudo dos dipolos cil´ındricos, uma da antenas lin-
eares com maior aplica¸c˜ao pr´atica ´e a antena linear com um comprimento L = λ/2. Os
campos na zona distante de radia¸c˜ao podem ser obtidos a partir das express˜oes gerais obtidas
anteriormente fazendo l = L/2 = λ/4, resultando
¯
E
θ
= j
ZI
M
e
−jβr
2πr
¸
cos(
π
2
cos θ)
sin θ
¸
(3.18)
¯
H
φ
= j
I
M
e
−jβr
2πr
¸
cos(
π
2
cos θ)
sin θ
¸
(3.19)
O diagrama de radia¸c˜ao do dipolo de λ/2 ´e o mostrado na figura 3.4(a).
50 Antenas Lineares
0 0.ó 1 1.ó 2 2.ó 8
0
1
2
8
4
D

L [[

Figura 3.6: Directividade de um dipolo linear
A densidade de potˆencia vale
S =
I
2
M
Z

2
r
2
¸
cos(
π
2
cos θ)
sin θ
¸
2
(3.20)
resultando para a potˆencia radiada
P
rad
=
ZI
2
M

¦C + ln(2π) −C
i
(2π)¦ (3.21)
e para a resistˆencia de radia¸c˜ao
R
r
=
Z

¦C + ln(2π) −C
i
(2π)¦ ≈ 73Ω (3.22)
A intensidade de radia¸c˜ao ´e dada por
U(θ, φ) = r
2
S =
I
2
M
Z

2
¸
cos(
π
2
cos θ)
sin θ
¸
2
(3.23)
o que origina uma directividade de
D(θ, φ) = 4π
U(θ, φ)
P
rad
= 4

cos(
π
2
cos θ)/ sin θ

2
C + ln(2π) −C
i
(2π)
(3.24)
3.3 Dipolos Cil´ındricos 51

Figura 3.7: Geometria de um dipolo cil´ındrico
sendo o seu valor m´aximo de
D
max
=
4
C + ln(2π) −C
i
(2π)
≈ 1.643 (3.25)
e resultando para a ´area efectiva um valor m´axima dado por
A
max
=
λ
2

G
max
≈ 0.13λ
2
(3.26)
3.3 Dipolos Cil´ındricos
Na an´alise efectuada at´e aqui assumiu-se que a espessura do dipolo linear ´e nula. Na pr´atica
um dipolo ter´a sempre uma determinada espessura, sendo a forma cil´ındrica, mostrada na
figura 3.7, a geometria mais usual. Como a distribui¸c˜ao de correntes ao longo da antena foi
inferida a partir da distribui¸c˜ao de corrente em linhas de transmiss˜ao terminadas em aberto,
n˜ao sabemos at´e que ponto esta ´e uma boa aproxima¸c˜ao. Apesar da distribui¸c˜ao sinusoidal
produzir diagramas de radia¸c˜ao bastante pr´oximos dos dos dipolos cil´ındricos reais, tal j´a n˜ao
acontece relativamente `a impedˆancia de entrada.
´
E portanto necess´ario optar por processos
alternativos para o estudo do dipolo cil´ındrico.
Existem na bibliografia duas equa¸c˜oes
1
que permitem obter resultados mais pr´oximos
dos reais. Estas equa¸c˜oes podem ser resolvidas analiticamente por m´etodos interactivos ou
1
Equa¸c˜ oes de Hallen e Pocklington
52 Antenas Lineares
numericamente atrav´es do m´etodo dos momentos. O estudo destas equa¸c˜oes bem como dos
dois m´etodos de resolu¸c˜ao referidos est´a fora dos objectivos deste curso, pelo que iremos
apenas apresentar os resultados obtidos atrav´es de uma ferramenta computacional comercial
que implementa o m´etodo dos momentos.
Distribui¸c˜ao de correntes
Nas figuras 3.8(a) e 3.8(b) mostra-se a distribui¸c˜ao de correntes de dois dipolos cil´ındricos de
tamanho L = λ e L = 0.5λ, respectivamente, e para v´arios valores de a. Podemos observar
que para L = λ/2 a corrente com distribui¸c˜ao sinusoidal ´e uma boa aproxima¸c˜ao `a corrente
real e que esta aproxima¸c˜ao ser´a tanto melhor quanto menor for o valor de a. No caso de
L = λ pode-se tirar a mesma conclus˜ao excepto para o valores de corrente pr´oximos do ponto
de alimenta¸ c˜ao. Nesta zona do dipolo o valor do raio influˆencia fortemente a distribui¸c˜ao de
corrente e a aproxima¸c˜ao sinusoidal deixa de ser uma boa aproxima¸c˜ao. Com a aproxima¸c˜ao
sinusoidal ´e esperada uma corrente nula no ponto de alimenta¸c˜ao e uma resistˆencia de radia¸c˜ao
infinita. Na realidade a corrente n˜ao ´e nula mas ´e baixa o que indica que a resistˆencia de
radia¸c˜ao n˜ao ser´a infinita mas ser´a bastante alta.
Impedˆancia de entrada
Na figura 3.9 mostra-se a evolu¸ c˜ao da impedˆancia de entrada de v´arios dipolos cil´ındricos com
diferentes rela¸c˜oes L/a em fun¸c˜ao do tamanho el´ectrico do dipolo. Na simula¸c˜ao admitiu-se
que o condutor ´e perfeito e portanto n˜ao existem perdas na antena. Pode-se verificar que, em
geral, a impedˆancia de entrada ´e complexa existindo uma dependˆencia desta com o raio do
dipolo. A parte real est´a associada `a resistˆencia de radia¸c˜ao e a parte imagin´aria `a potˆencia
reactiva e existente no campo na proximidade da antena. Note-se que o estudo da impedˆancia
de entrada do dipolo linear foi feita a partir do campo na zona de radia¸c˜ao e, portanto, o
campo na zona pr´oxima foi ignorado. Sendo o campo na zona pr´oxima respons´avel pela parte
imagin´aria da impedˆancia de entrada, n˜ao nos foi poss´ıvel determina-la atrav´es do m´etodo
que utilizamos.
Um facto importante que se observa ´e que, para qualquer raio, o dipolo ´e ressonante,
isto ´e, a parte imagin´aria da impedˆancia de entrada ´e nula, quando o seu tamanho el´ectrico
´e ligeiramente inferior a 0.5λ.
´
E este a raz˜ao pela qual os dipolos de meia onda tˆem uma
aplica¸c˜ao alargada. Caso se operasse o dipolo fora de ressonˆancia seria necess´ario eliminar a
parte imagin´aria, por exemplo, adicionando um condensador ou uma bobina aos terminais da
antena ou utilizando stubs. Obviamente que esta solu¸c˜ao ´e muito menos elegante e, portanto,
de evitar. Na figura 3.10 mostra-se com mais pormenor a evolu¸ c˜ao da impedˆancia de entrada
3.3 Dipolos Cil´ındricos 53
-0.2ó -0.2 -0.1ó -0.1 -0.0ó 0 0.0ó 0.1 0.1ó 0.2 0.2ó
0
0.1
0.2
0.8
0.4
0.ó
0.0
0.7
0.8
0.0
1
z[[
C
o
i
i
o
n
l
o

n
o
i
n
a
l
i
z
a
o
a
n=1u
-5

n=1u

..n&.u.Jn|
(a) Dipolo cil´ındrico com L = 0.5λ
-0.ó -0.4 -0.8 -0.2 -0.1 0 0.1 0.2 0.8 0.4 0.ó
0
0.1
0.2
0.8
0.4
0.ó
0.0
0.7
0.8
0.0
1
z[[
C
o
i
i
o
n
l
o

n
o
i
n
a
l
i
z
a
o
a
n=1u
-5

n=1u

..n&.u.Jn|
(b) Dipolo cil´ındrico com L = λ
Figura 3.8: Distribui¸c˜ao de correntes em dipolos cil´ındricos
54 Antenas Lineares
para dipolos com tamanho pr´oximo de λ/2. Para eliminar por completo a componente ima-
gin´aria da impedˆancia de entrada, os dipolos cil´ındricos s˜ao constru´ıdos com um tamanho
ligeiramente mais curto que λ/2, tipicamente no intervalo 0.47λ < L < 0.48λ, dependendo
do raio dos mesmos.
3.3 Dipolos Cil´ındricos 55
0.2 0.8 0.4 0.ó 0.0 0.7 0.8 0.0 1 1.1
0
200
400
000
800
1000
1200
1400
1000
1800
2000
2200
L[[

¦
Z
i
n
|



[

[
1n=1uuu
1n=5uu
1n=´uu
1n=.uu
1n=1uu
(a) Parte real da impedˆancia de entrada
0.2 0.8 0.4 0.ó 0.0 0.7 0.8 0.0 1 1.1
-12ó0
-1000
-7ó0
-ó00
-2ó0
0
2ó0
ó00
7ó0
1000
L[[

¦
Z
i
n
|



[

[
1n=1uuu
1n=5uu
1n=´uu
1n=.uu
1n=1uu
(b) Parte imaginaria da impedˆancia de entrada
Figura 3.9: Evolu¸c˜ao da impedˆancia de entrada de dipolos cil´ındricos de v´arios tamanhos e
com diferentes rela¸c˜oes L/a
56 Antenas Lineares
0.4ó 0.40 0.47 0.48 0.40 0.ó 0.ó1 0.ó2 0.ó8
ó0
00
70
80
00
100
110
120
L[]

{
Z
i
n
}



[

]
1n=1uuu
1n=5uu
1n=´uu
1n=.uu
1n=1uu
(a) Parte real da impedˆancia de entrada
0.4ó 0.40 0.47 0.48 0.40 0.ó 0.ó1 0.ó2 0.ó8
-7ó
-ó0
-2ó
0

ó0

100
12ó
L[]

{
Z
i
n
}



[

]
1n=1uuu
1n=5uu
1n=´uu
1n=.uu
1n=1uu
(b) Parte imaginaria da impedˆancia de entrada
Figura 3.10: Evolu¸ c˜ao pormenorizada da impedˆancia de entrada de dipolos cil´ındricos de
v´arios tamanhos e com diferentes rela¸c˜oes L/a
Cap´ıtulo 4
Agregados
4.1 Introdu¸c˜ao
No cap´ıtulo sobre dipolos lineares vimos que estes apresentam uma directividade relativamente
baixa. Um aumento da directividade pode ser obtido atrav´es do aumento do tamanho el´ectrico
do dipolo mas, ao proceder-se deste modo, come¸cam a aparecer lobos secund´arios sobre os
quais n˜ao temos controlo e que podem ser prejudiciais para a aplica¸c˜ao a que o dipolo se
destina. O aparecimento dos lobos secund´arios `a medida que o tamanho el´ectrico da antena
aumenta acontece n˜ao s´o os dipolos mas em antenas em geral. Resulta daqui que uma antena
isolada n˜ao ´e um elemento muito vers´atil uma vez que n˜ao ´e f´acil modificar a sua geometria
de modo a que se possam controlar as suas caracter´ısticas de radia¸c˜ao.
No entanto, em muitas aplica¸c˜oes, ´e necess´ario uma antena com um diagrama de radia¸c˜ao
com uma forma espec´ıfica. A solu¸c˜ao utilizada para se obter o diagrama pretendido consiste
em utilizar simultaneamente v´arias antenas (normalmente iguais) constituindo aquilo que se
denomina de agregado de antenas. O diagrama de radia¸c˜ao final depende n˜ao s´o do pr´oprio
tipo de antena utilizada mas tamb´em da disposi¸c˜ao dos v´arios elementos no espa¸co bem como
da amplitude e fase de alimenta¸c˜ao de cada antena. Os agregados tornam-se numa solu¸c˜ao
bastante vers´atil pois dispomos de v´arias vari´aveis do qual o diagrama de radia¸c˜ao depende
(amplitude, fase e posi¸c˜ao) e as quais podemos controlar. Com os agregados ´e poss´ıvel,
por exemplo, aumentar a directividade e, simultaneamente, controlar a forma do diagrama de
radia¸c˜ao, nomeadamente no que diz respeito `a direc¸c˜ao do lobo principal e ao n´ umero, direc¸c˜ao
e amplitude dos lobos secund´arios. Este controlo ´e poss´ıvel atrav´es da escolha adequada do
espa¸camento entre elementos e/ou atrav´es de uma escolha criteriosa da fase e amplitude de
alimenta¸c˜ao de cada antena.
´
E precisamente do estudo da influˆencia destes parˆametros e do
seu dimensionamento que este cap´ıtulo trata.
58 Agregados

(a) caso geral

(b) zona distante de radia¸c˜ ao
Figura 4.1: Geometria de um agregado linear
4.2 Factor de Agregado
Consideremos ent˜ao um agregado linear com N antenas todas iguais tal como mostrado na
figura 4.1(a). O campo total no ponto P ´e dado pela soma dos campos provenientes de cada
antena. Matematicamente temos
¯
E
¯
T
(θ, φ) =
N
¸
n=1
¯
E
¯
n
(θ, φ) (4.1)
Como aproxima¸c˜ao para zona distante de radia¸c˜ao vamos considerar que as distˆancias a
cada elemento s˜ao as mostradas na figura 4.1(b). Esta aproxima¸ c˜ao permite-nos desprezar
o car´acter vectorial do campo proveniente de cada antena e reduzir o problema a uma soma
de campos escalares, uma vez que todas as contribui¸c˜oes s˜ao vectores com o mesmo sentido.
Resulta ent˜ao que, na zona distante de radia¸c˜ao, temos
¯
E
T
(θ, φ) =
N
¸
n=1
¯
E
n
(θ, φ) (4.2)
Cada antena tem um campo el´ectrico na zona distante de radia¸c˜ao dado por
¯
E
¯
(θ, φ) e
´e alimentada com uma amplitude a
n
, uma fase δ
n
. No somat´orio dos campos que chegam
ao ponto P, a esta diferen¸ca de fase for¸cada na alimenta¸c˜ao de cada elemento ´e adicionada
ainda uma diferen¸ca de fase provocada pela diferen¸ca de percurso. Esta diferen¸ca de percurso
4.3 Agregado linear de amplitudes uniformes 59
deve-se ao espa¸camento entre elementos que, da an´alise da figura 4.1(b), resulta que vale
βd
n
cos θ. Assim, podemos escrever
¯
E
T
(θ, φ) =
N
¸
n=1
a
n
e

n
e
jβd
n
cos θ
¯
E(θ, φ) (4.3)
Como os elementos que comp˜oem o agregado s˜ao todos iguais, 4.3 pode ser escrita na
seguinte forma
¯
E
T
(θ, φ) =
¯
E(θ, φ)
N
¸
n=1
a
n
e

n
e
jβd
n
cos θ
(4.4)
Da express˜ao 4.4 verifica-se que o campo de um agregado pode ser decomposto no pro-
duto de duas parcelas, sendo uma o campo do elemento utilizado no agregado e a outra o
denominado de factor de agregado. Este ´ ultimo ´e dado por
F
Z
=
N
¸
n=1
a
n
e

n
e
jβd
n
cos θ
(4.5)
e depende apenas da distribui¸c˜ao dos elementos no espa¸co e da respectiva alimenta¸c˜ao. Se
considerarmos que os elementos est˜ao igualmente espa¸cados, podemos escrever
d
n
= (n −1)d
Considerando tamb´em que a diferen¸ca de fase entre elementos ´e constante (desfasamento
progressivo) e tendo como referˆencia para a fase o elemento na origem dos eixos podemos
tamb´em escrever
δ
n
= (n −1)δ
Netas condi¸c˜oes o factor de agregado para um agregado linear de espa¸camento uniforme
e desfasamento progressivo ´e dado por
F
Z
=
N
¸
n=1
a
n
e
j(n−1)(βd cos θ+δ)
(4.6)
Nas seguintes sec¸c˜oes iremos proceder ao estudo de 4.6 para diferentes distribui¸c˜oes e
amplitudes de alimenta¸c˜ao a
n
.
4.3 Agregado linear de amplitudes uniformes
Um agregado linear de amplitudes uniformes ´e um agregado em que a amplitude de cada
elemento ´e constante. Assim, impondo
a
1
= a
2
= (...) = a
n
= 1
60 Agregados
ent˜ao a express˜ao 4.6 fica na seguinte forma
F
Z
=
N
¸
n=1
e
j(n−1)(βd cos θ+δ)
(4.7)
Fazendo a seguinte substitui¸c˜ao
Z = βd
z
cos θ +δ (4.8)
a express˜ao 4.6 toma a seguinte forma simplificada
F
Z
=
N
¸
n=1
e
j(n−1)Z
(4.9)
Multiplicando ambos os membros de 4.9 por e
jZ
resulta
F
Z
e
jZ
=
N
¸
n=1
e
jnZ
(4.10)
Subtraindo 4.9 a cada um dos membros de 4.10 obt´em-se
F
Z
e
jZ
−F
Z
=
N
¸
n=1
e
jnZ

N
¸
n=1
e
j(n−1)Z
(4.11)
ou seja
F
Z
(e
jZ
−1) = e
jNZ
−1 (4.12)
ou ainda que
F
Z
=
e
jNZ
−1
e
jZ
−1
=

e
j
N
2
Z
−e
−j
N
2
Z
e
j
1
2
Z
−e
−j
1
2
Z

e
j
N−1
2
Z
=

sin

N
2
Z

sin

1
2
Z

¸
¸
e
j
N−1
2
Z
(4.13)
O termo e
j
N−1
2
Z
seria importante apenas se o sinal proveniente do agregado fosse com-
binado com o sinal de outra antena ou agregado. Ali´as, se o agregado estiver centrado na
origem do sistemas de coordenadas este desfasamento desapareceria uma vez que representa
simplesmente a diferen¸ca de fase entre um raio que parta da origem e outro que parta do
centro do agregado. Desprezando este termo resulta ent˜ao
F
Z
=
sin

N
2
Z

sin

1
2
Z
(4.14)
Normalizando F
Z
relativamente ao seu valor m´aximo (que vale N) obt´em-se
F
ZN
=
1
N
sin

N
2
Z

sin

1
2
Z
(4.15)
4.3 Agregado linear de amplitudes uniformes 61
-200 -100 0 100 200
0
0.2ó
0.ó
0.7ó
1
N=8
-200 -100 0 100 200
0
0.2ó
0.ó
0.7ó
1
N=ó
-200 -100 0 100 200
0
0.2ó
0.ó
0.7ó
1
N=7
-200 -100 0 100 200
0
0.2ó
0.ó
0.7ó
1
N=10
Figura 4.2: Exemplos do andamento de 4.15
O andamento de [F
ZN
[ para v´arios valores de N ´e mostrado na figura 4.2. Apesar da
obten¸c˜ao do diagrama de radia¸c˜ao a partir da figura 4.2 n˜ao ser directa, uma vez que, como
iremos ver, apenas uma parte deste diagrama ir´a dar origem ao factor de agregado, podem-se
tirar v´arias conclus˜oes desta figura:
1. Quanto maior for o n´ umero de elementos menor ser´a a abertura do lobo principal.
2. Um aumento do n´ umero de elementos leva a um aumento do n´ umero de lobos se-
cund´arios.
3. A amplitude m´axima dos lobos secund´arios diminui com o aumento do n´ umero de
elementos.
Nulos do factor de agregado
A express˜ao 4.14 tem nulos sempre que
sin

N
2
Z

= 0 ⇔
N
2
Z = ±nπ ⇔
N
2
(βd
z
cos θ +δ) = ±nπ (4.16)
deduzindo-se daqui que os ˆangulos para os quais o factor de agregado ´e nulo s˜ao dados por
θ
n
= cos
−1

±2nπ
Nβd
z

δ
βd
z

n = 1, 2, ... e n = N, 2N, 3N, ... (4.17)
62 Agregados
0.0 0.2 0.4 0.0 0.8 1.0
00
00
80
0
-80
-00
-00
-120
-150
180
150
120
Figura 4.3: Exemplo de um agregado transversal com 6 elementos isotr´opicos orientados ao
longo do eixo Oz e espa¸cados de λ/4
A direc¸c˜ao dos nulos depende do n´ umero de elementos do agregado, do espa¸camento entre
elementos e da diferen¸ca de fase entre elementos.
M´aximos do factor de agregado
Na express˜ao 4.14, n n˜ao pode tomar os valores N, 2N, ..., porque nestas condi¸c˜oes o denomi-
nador tamb´em ´e zero, o que leva a uma indetermina¸c˜ao. O levantamento desta indetermina¸c˜ao
leva `a conclus˜ao que neste caso se obt´em o m´aximo do factor de agregado. Assim resulta que
sin

Z
2

= 0 ⇔
Z
2
= ±mπ ⇔
1
2
(βd
z
cos θ +δ) = ±mπ (4.18)
Os ˆangulos para os quais o factor de agregado ´e m´aximo s˜ao ent˜ao dados por
θ
m
= cos
−1

±2mπ −δ
βd
z

m = 0, 1, 2, ... (4.19)
A direc¸c˜ao dos m´aximos do agregado depende do espa¸camento entre elementos e da
diferen¸ca de fase entre elementos, mas n˜ao depende do n´ umero de elementos embora o n´ umero
de elementos do agregado vai ditar o m´aximo do factor de agregado.
Calculemos agora, e para v´arios casos particulares, quais as fases da alimenta¸ c˜ao dos v´arios
elementos que nos garantem um m´aximo numa determinada direc¸c˜ao.
4.3 Agregado linear de amplitudes uniformes 63
0.0 0.2 0.4 0.0 0.8 1.0
00
00
80
0
-80
-00
-00
-120
-150
180
150
120
Figura 4.4: Exemplo de um agregado longitudinal com 6 elementos isotr´opicos orientados ao
longo do eixo Oz e espa¸cados de λ/4
4.3.1 Agregado transversal
Um agregado transversal
1
´e um agregado cujo m´aximo de radia¸c˜ao ´e perpendicular `a ori-
enta¸c˜ao do agregado. No caso do agregado linear estar ao longo do eixo Oz, o m´aximo
encontra-se em θ = π/2, tal como exemplificado na figura 4.3. Utilizando 4.14 e sabendo que
o m´aximo ser´a para θ = π/2 temos que
π
2
= cos
−1

±2mπ −δ
βd
z

⇔0 =

±2mπ −δ
βd
z

⇔δ = ±2mπ m = 0, 1, 2, ... (4.20)
ou seja
δ = 0 (4.21)
Portanto, o n´ umero de elementos e o espa¸camento entre eles vai influenciar o n´ umero, a
amplitude e a direc¸c˜ao dos lobos secund´arios e do lobo principal. No entanto, desde que o des-
fasamento entre elementos seja nulo, a radia¸c˜ao m´axima ser´a sempre transversal `a orienta¸ c˜ao
do agregado.
4.3.2 Agregado longitudinal
Um agregado longitudinal
2
´e um agregado cujo m´aximo de radia¸c˜ao ´e normal `a orienta¸ c˜ao do
agregado. No caso do agregado estar ao longo do eixo Oz, o m´aximo ´e para θ = 0 ou θ = π.
1
Em inglˆes diz Broadside
2
Em inglˆes diz Endfire
64 Agregados
0.0 0.2 0.4 0.0 0.8 1.0
00
00
80
0
-80
-00
-00
-120
-150
180
150
120
Figura 4.5: Exemplo de um agregado Scanning Array com 6 elementos isotr´opicos orientados
ao longo do eixo Oz e espa¸cados de λ/4
Na figura 4.4 ´e mostrado um exemplo de um agregado longitudinal com uma m´aximo para
θ = 0. Utilizando mais uma vez 4.14 e para θ = 0 temos que
0 = cos
−1

±2mπ −δ
βd
z

⇔1 =

±2mπ −δ
βd
z

⇔δ = ±2mπ −βd
z
m = 0, 1, 2, ... (4.22)
ou ainda
δ = −βd
z
(4.23)
De igual modo, para θ = π resulta
δ = βd
z
(4.24)
Num agregado linear, um desfasamento entre elementos igual ao espa¸camento el´ectrico
entre estes conduz a uma radia¸c˜ao do tipo longitudinal. Um desfasamento negativo d´a origem
a um m´aximo para θ = 0 e um desfasamento positivo origina um m´aximo para θ = π.
4.3.3 Agregado arbitr´ario
Um agregado diz-se arbitr´ario
3
se a direc¸c˜ao de m´axima radia¸c˜ao n˜ao for nem ortogonal nem
paralela `a orienta¸ c˜ao do agregado. O desfasamento entre elementos para obter um m´aximo
numa direc¸c˜ao θ
m
ser´a dado por
δ = −βd
z
cos θ
m
±2mπ m = 0, 1, 2, ... (4.25)
3
Em inglˆes diz Scanning Array
4.3 Agregado linear de amplitudes uniformes 65
Tabela 4.1: Espa¸camento ´optimo e directividade m´axima em agregados
Longitudinal Transversal
N D
max
[dB] d/λ N D
max
[dB] d/λ
2 2.55 0.36 2 4.07 0.72
3 4.24 0.39 3 6.27 0.79
4 5.97 0.41 4 7.77 0.83
5 7.74 0.43 5 8.89 0.86
6 9.52 0.44 6 9.79 0.88
7 11.29 0.45 7 10.54 0.89
8 13.10 0.45 8 11.17 0.90
9 14.87 0.46 9 11.73 0.91
10 16.71 0.46 10 12.23 0.92
ou seja
δ = −βd
z
cos θ
m
(4.26)
Controlando a diferen¸ca de fase entre elementos adjacentes, pode-se orientar o m´aximo de
radia¸c˜ao para qualquer direc¸c˜ao. Um exemplo ´e mostrado na figura 4.5.
4.3.4 Directividade
´
E poss´ıvel demonstrar que a directividade de um agregado linear uniforme, transversal ou
longitudinal, ´e dada, respectivamente, por
D
B
=
(βd)N
2
Nβd + 2
N−1
¸
m=1
N −m
m
sin(mβd)
(4.27)
D
E
=
(βd)N
2
Nβd +
N−1
¸
m=1
N −m
m
sin(2mβd)
(4.28)
O andamento da directividade ´e mostrado nas figuras 4.6(b) e 4.6(a), onde se pode verificar
que existe uma dependˆencia da directividade com o espa¸camento entre elementos Na tabela
4.1 s˜ao mostrados os espa¸camentos ´optimos correspondentes `a directividade m´axima e as
directividades correspondentes.
66 Agregados
0.2 0.8 0.4 0.ó 0.0 0.7 0.8 0.0 1 1.1 1.2
0
2
4
0
8
10
12
14
n=2
n=8
n=4
n=ó
n=0
n=7
n=8
n=0
n=10
D
i
i
o
c
l
i
y
i
o
a
o
o

[
o
L
[

(a) Agregado transversal
0.2 0.8 0.4 0.ó 0.0 0.7 0.8 0.0 1 1.1 1.2
0
2
4
0
8
10
12
14
10
18
n=2
n=3
n=4
n=5
n=6
n=7
n=8
n=9
n=10
D
i
i
o
c
l
i
y
i
o
a
o
o

[
o
L
[

(b) Agregado longitudinal
Figura 4.6: Directividade em agregados
4.4 Agregado linear de amplitudes n˜ao uniformes 67
4.3.5 Obten¸c˜ao do diagrama de radia¸c˜ao
A obten¸c˜ao de uma representa¸c˜ao gr´afica do diagrama de radia¸c˜ao no formato polar a partir
das figuras mostradas em 4.2 ´e muito simples e feito como se segue:
1. Representar a figura correspondente ao factor de agregado dado por 4.15.
2. Sobre um eixo paralelo ao eixo da figura anterior, desenhar um c´ırculo centrado em δ e
de raio βd.
3. Desenhar linhas verticais entre v´arios valores da figura obtida no primeiro ponto e o
c´ırculo desenhado anteriormente e marcar os v´arios pontos de intersec¸c˜ao.
4. Desenhar linhas radiais entre o centro do c´ırculo e os pontos de intersec¸ c˜ao obtidos
anteriormente.
5. Sobrepostas `as linhas radiais anteriores desenhar linhas de amplitude proporcional ao
valor de 4.15
6. Unir as extremidades das linhas obtidas anteriormente de modo a se obter um desenho
cont´ınuo.
Na figura 4.7 ´e mostrado um exemplo de aplica¸c˜ao do m´etodo descrito, para um agregado
com 10 fontes, espa¸cadas de λ/4 e com um desfasamento progressivo de −π/4.
4.4 Agregado linear de amplitudes n˜ao uniformes
Na sec¸c˜ao anterior restringimos o estudo dos agregados ao caso particular em que a dis-
tribui¸c˜ao de amplitudes de alimenta¸ c˜ao ´e uniforme. Esta distribui¸c˜ao conduz a diagramas
de radia¸c˜ao com uma largura de feixe estreita mas `a custa de um n´ıvel de lobos secund´arios
elevado. Se n˜ao for utilizada uma amplitude de alimenta¸c˜ao uniforme, escolhendo criteriosa-
mente a rela¸c˜ao entre as amplitudes dos v´arios elementos, ´e poss´ıvel reduzir ou at´e mesmo
eliminar os lobos secund´arios. O pre¸co a pagar ser´a o aumento da largura de feixe. Nesta
sec¸c˜ao iremos efectuar o estudo de duas dessas distribui¸c˜oes de alimenta¸c˜ao: a distribui¸c˜ao
Binomial e a distribui¸c˜ao Chebyshev .
Da express˜ao 4.6, e fazendo Z = βd
z
cos θ +δ, vem
F
Z
= a
1
+a
2
e
jZ
+a
3
e
j2Z
+ (...) +a
N−1
e
j(N−2)Z
+a
N
e
j(N−1)Z
(4.29)
68 Agregados
0 ó0 100 1ó0 200 -ó0 -100 -1ó0 -200

1
0.0
0.1
0.2
0.8
0.4
0.ó
0.0
0.7
0.8

Zona yisïyol
4

4

8
4

Figura 4.7: Exemplo de aplica¸c˜ao da obten¸c˜ao do diagrama de radia¸c˜ao de um agregado com
10 fontes, espa¸cadas de λ/4 e com um desfasamento sucessivo de −π/4.
Apesar da distribui¸c˜ao de amplitudes poder ser uma qualquer, vamos impor que seja
sim´etrica em rela¸c˜ao ao eixo geom´etrico de simetria do agregado. Isto corresponde a fazer

a
1
= a
N
a
2
= a
N−1
a
3
= a
N−2
(...)
⇒a
n
= a
N−n+1
(4.30)
Fazendo uso de 4.30 ent˜ao F
Z
toma a seguinte forma
F
Z
=

a
1
+a
1
e
j(N−1)Z

+

a
2
e
jZ
+a
2
e
j(N−2)Z

+ (...) +

a
M
e
j
N−1
2
Z

(4.31)
onde o termo a
M
, com M = (N + 1)/2, s´o existe se o agregado tiver um n´ umero ´ımpar de
4.4 Agregado linear de amplitudes n˜ao uniformes 69
termos. Ou seja

a
M
= a
(N+1)/2
N ´ımpar
a
M
= 0 N par
(4.32)
Pondo e
j(N−1)Z/2
em evidˆencia resulta ainda
F
Z
= e
j
N−1
2
Z

a
1
e
−j
N−1
2
Z
+a
1
e
j
N−1
2
Z

+

a
2
e
−j
N−3
2
Z
+a
2
e
j
N−3
2
Z

+ (...) +a
M
¸
(4.33)
Desprezando o termo da fase (pelos mesmos motivos que desprezamos o termo da fase em
agregados lineares uniformes) e sabendo que
e
−jx
+e
jx
= 2 cos(x) (4.34)
resulta finalmente
F
Z
= 2a
1
cos

N −1
2
Z

+ 2a
2
cos

N −3
2
Z

+ (...) +a
M
(4.35)
Em resumo, a express˜ao 4.35 representa o factor de de um agregado linear, equi-espa¸cado,
de desfasamento progressivo e com uma distribui¸c˜ao de amplitudes de alimenta¸ c˜ao n˜ao uni-
forme e sim´etrica relativamente ao eixo geom´etrico de simetria do agregado e onde os valores
dos coeficientes a
n
v˜ao depender da distribui¸c˜ao utilizada.
4.4.1 Distribui¸c˜ao Chebyshev
Polin´omios de Chebyshev
Os polin´omios de Chebyshev s˜ao dados por
T
0
(x) = 1
T
1
(x) = x
T
2
(x) = 2x
2
−1
T
3
(x) = 4x
3
−3x
T
4
(x) = 8x
4
−8x
2
+ 1
T
5
(x) = 16x
5
−20x
3
+ 5x
T
6
(x) = 32x
6
−48x
4
+ 18x
2
−1
(4.36)
ou, de uma forma geral, por
T
m
(x) = cos(mcos
−1
x) −1 ≤ x ≤ 1
T
m
(x) = cosh(mcosh
−1
x) x < −1 e x > 1
(4.37)
em que T
m
(x) representa o polin´omio de Chebyshev de grau m. Estes polin´omios podem
ainda ser obtidos pela seguinte formula recursiva
T
m
(x) = 2xT
m−1
(x) −T
m−2
(x) (4.38)
70 Agregados
-1.ó -1 -0.ó 0 0.ó 1 1.ó
-0

-4
-8
-2
-1
0
1
2
8
4
ó
0
.
J
n
´
.
)
J
´
J
/
J
5
J
ì
Figura 4.8: Geometria de um agregado linear
Os polin´omios de Chebyshev , cujo andamento ´e mostrado na figura 4.8 para os polin´omios
de ordem mais baixa, tˆem as seguintes propriedades
1. Todos os polin´omios passam pelo ponto (1,1)
2. Para −1 < x < 1 tem-se sempre −1 < T
m
(x) < 1
3. No intervalo −1 < x < 1 todos os m´aximos e m´ınimos tˆem o valor de 1 e −1, respecti-
vamente.
4. Os zeros dos polin´omios est˜ao compreendidos no intervalo −1 < x < 1 e acontecem em
x = cos[(π/2m)(2p + 1)], com p = 0, 1, 2, ..., m−1.
5. Os extremos dos polin´omios est˜ao compreendidos no intervalo −1 < x < 1 e acontecem
em x = cos[(π/m)p], com p = 0, 1, 2, ..., m−1.
6. Para x > 1 a fun¸c˜ao ´e sempre crescente.
7. De todos os polin´omios de grau m que passam simultaneamente por (x
0
, R > 1) e
(x
1
, 0), e que ficam compreendidos entre ±1 no intervalo −1 < x < 1, os polin´omios de
Chebyshev minimizam a distˆancia x
0
−x
1
.
4.4 Agregado linear de amplitudes n˜ao uniformes 71
Se conseguirmos que o factor de agregado tenha o andamento de um dos polin´omios de
Chebyshev e de tal forma que para −1 < x < 1 se dˆe origem aos lobos secund´arios e para
x > 1 se dˆe origem ao lobo principal, ent˜ao dispomos duma maneira de controlar as amplitudes
dos lobos secund´arios. De facto, todos os lobos secund´arios ter˜ao uma amplitude m´axima
unit´aria e a amplitude do lobo principal depender´a do valor de x = x
0
> 1 que atingirmos.
Este valor depende da rela¸c˜ao entre amplitudes do lobo principal e dos lobos secund´arios
pretendida. Al´em disto, pela ´ ultima propriedade dos polin´omios, estes garantem que para
uma determinada rela¸c˜ao entre lobo principal e lobo secund´ario a largura de feixe entre nulos
´e a menor poss´ıvel.
Voltando `a express˜ao 4.35, que nos d´a o factor de agregado, verificamos que esta traduz
a soma de termos do tipo cos(mu). Estas s˜ao fun¸c˜oes sinusoidais com um argumento que ´e
um n´ umero inteiro de vezes uma frequˆencia fundamental e que podem ser obtidas a partir de
um polin´omio de fun¸c˜oes sinusoidais cujo argumento seja apenas a frequˆencia fundamental.
Mostram-se de seguida alguns exemplos
m = 0 cos(mu) = 1
m = 1 cos(mu) = cos(u)
m = 2 cos(mu) = cos(2u) = 2 cos
2
u −1
m = 3 cos(mu) = cos(3u) = 4 cos
3
u −3 cos u
m = 4 cos(mu) = cos(4u) = 8 cos
4
u −8 cos
2
u + 1
m = 5 cos(mu) = cos(5u) = 16 cos
5
u −20 cos
3
u + 5 cos u
m = 6 cos(mu) = cos(6u) = 32 cos
6
u −48 cos
4
u + 18 cos
2
u −1
(4.39)
Conclu´ı-se daqui que F
Z
pode ser transformado num polin´omio de grau N −1 em Z/2 e
o factor de agregado pode ser igualado a um polin´omio de Chebyshev de grau N − 1 desde
que se escolham as amplitudes adequadas. De modo a compreender o uso destes polin´omios,
tomemos como exemplo um agregado de 5 fontes isotr´opicas. Como M = 3 ent˜ao o factor de
agregado vale
F
Z
= 2a
1
cos

4
Z
2

+ 2a
2
cos

2
Z
2

+a
3
= 2a
1
¸
8 cos
4

Z
2

−8 cos
2

Z
2

+ 1

+ 2a
2
¸
2 cos
2

Z
2

−1

+a
3
= 16a
1
cos
4

Z
2

+ (4a
2
−16a
1
) cos
2

Z
2

+ 2a
1
−2a
2
+a
3
(4.40)
De modo a igualar 4.40 a um polin´omio de Chebyshev poder´ıamos come¸car por fazer
x = cos(Z/2). No entanto, como −1 < cos(Z/2) < 1 e como estamos interessados em obter
valores de x > 1 vamos fazer antes a seguinte substitui¸c˜ao
x = b cos

Z
2

(4.41)
72 Agregados
onde b > 1 ´e uma constante que iremos determinar mais tarde. Substituindo 4.41 em T
4
(x)
vem
T
4
(x) = 8x
4
−8x
2
+ 1
= 8

b cos
Z
2

4
−8

b cos
Z
2

2
+ 1
= 8b
4
cos
4
(
Z
2
) −8b
2
cos
2

Z
2

+ 1 (4.42)
Igualando T
4
(x) a F
Z
resulta

8b
4
= 16a
1
−8b
2
= 4a
2
−16a
1
1 = 2a
1
−2a
2
+a
3

a
1
= b
4
/2
a
2
= 2(b
4
−b
2
)
a
3
= 3b
4
−4b
2
+ 1
(4.43)
Agregado Transversal
O dimensionamento de um agregado transversal de N elementos e com distribui¸c˜ao de Cheby-
shev pode ser feito segundo um de dois poss´ıveis objectivos: ou se especifica a rela¸c˜ao entre
lobo principal e lobo secund´ario e se determina a menor largura de feixe poss´ıvel ou se especi-
fica a largura de feixe desejada e se determina a rela¸c˜ao entre lobo principal e lobo secund´ario
correspondente.
Suponhamos ent˜ao que pretendemos dimensionar um agregado transversal com uma de-
terminada rela¸c˜ao R, em termos de campo el´ectrico, entre lobo principal e lobo secund´ario.
Como devemos ter δ = 0 e um m´aximo de radia¸c˜ao para θ = π/2, de 4.41 resulta
x
0
= x[
θ=π/2
= b (4.44)
Vimos anteriormente que os lobos secund´arios tˆem todos amplitude unit´aria. Assim, para
se obter a rela¸c˜ao entre amplitudes desejada, o lobo principal ter´a uma amplitude de R. Como
o lobo principal ´e obtido para x > 1 e esta zona do polin´omio resulta das fun¸c˜oes hiperb´olicas
ent˜ao
T
(N−1)
(x
0
) = R ⇔cosh

(N −1) cosh
−1
b

= R (4.45)
de onde resulta
b = cosh

1
N −1
cosh
−1
R

(4.46)
=
1
2

R + (R
2
−1)
1/2
1
N−1
+

R + (R
2
−1)
1/2
1
1−N

(4.47)
Para calcular a largura do feixe podemos come¸car por notar que o primeiro nulo acontece
para
x
n
= cos

π
2(N −1)

(4.48)
4.4 Agregado linear de amplitudes n˜ao uniformes 73
Utilizando este resultado em 4.41 vem
Z
n
= 2 cos
−1
¸
1
b
cos
π
2(N −1)

(4.49)
donde resulta que a direc¸c˜ao θ = θ
n
`a qual este nulo est´a associado ´e de
cos θ
n
=
2
βd
cos
−1
¸
1
b
cos

π
2(N −1)

(4.50)
resultando finalmente
FNBW = π −2θ
n
(4.51)
Por outro lado, se o dado inicial for a largura de feixe desejada, ent˜ao o parˆametro b ´e
definido atrav´es da express˜ao 4.50 em conjunto com a express˜ao 4.51.
b =
cos

π
2N −2

cos

βd
2
cos θ
n
(4.52)
Conhecido o valor de b, o n´ıvel de lobos secund´arios fica imediatamente imposto. Tem-se
R = T
N−1
(b) (4.53)
= cosh

(n −1) cosh
−1
b

(4.54)
=
1
2

b + (b
2
−1)
1/2

n−1
+

b + (b
2
−1)
1/2

1−n

(4.55)
Como exemplo, suponhamos que pretendemos dimensionar o agregado anterior de 5 ele-
mentos, de modo a obter uma rela¸c˜ao entre lobo principal e lobos secund´arios de 20dB, ou
seja R = 10. De 4.46 resulta
b = cosh

1
4
cosh
−1
10

= 1.2933 (4.56)
Daqui e de 4.43 resulta que as amplitudes de alimenta¸c˜ao dos v´arios elementos valem

a
1
= 1.3988
a
2
= 2.2501
a
3
= 2.7024
(4.57)
Normalizando os coeficientes de alimenta¸c˜ao em rela¸c˜ao ao elemento mais baixo resulta
ainda
a
1
= 1 (4.58)
a
2
= 1.609 (4.59)
a
3
= 1.932 (4.60)
74 Agregados
Tabela 4.2: Constru¸c˜ao do diagrama de radia¸c˜ao a partir de [T
4
(x)[
θ x x x
(d = 0.25λ) (d = 0.5λ) (d = 0.85λ)
0 0.92 A 0.0 B -1.15 C
30 1.01 0.27 -0.87
60 1.20 0.92 0.30
90 1.29 D 1.29 D 1.29 D
120 1.20 0.92 0.30
150 1.01 0.27 -0.87
180 0.92 A 0.0 B -1.15 C
Note-se que a largura de feixe depende do espa¸camento entre elementos utilizado e que
at´e aqui ainda n˜ao foi especificado pois nos c´alculos efectuados n˜ao existe dependˆencia com
o espa¸camento entre elementos. No entanto, tal como se prova pelos diagramas de radia¸c˜ao
obtidos para este exemplo e mostrados na figura 4.9, se o espa¸camento entre elementos for
superior a um determinado valor come¸cam a aparecer lobos secund´arios que violam a rela¸c˜ao
exigida.
Para perceber o modo como o diagrama de radia¸c˜ao ´e obtido a partir do respectivo
polin´omio, relembremos que a vari´avel x est´a relaciona com a coordenada θ atrav´es de
x = b cos

πd
λ
cos θ

(4.61)
Na tabela 4.2 mostra-se a rela¸c˜ao entre os valores de θ e x para v´arios espa¸camentos entre
elementos. Na figura 4.4.1 ´e mostrado [T
4
(x)[ e s˜ao marcados os pontos assinalados na tabela
4.2. Os lobos secund´arios com uma amplitude maior que a desejada aparecem porque a zona
do polin´omio que vai dar origem ao factor de agregado atinge valores de x < −1. Para evitar
que isto aconte¸ca ´e necess´ario impor o valor m´ınimo para x de −1. Assim vem que
−1 = b cos

πd
max
λ
cos θ

(4.62)
Como os potenciais lobos secund´arios que violem a rela¸c˜ao exigida aparecer˜ao para θ = 0
ou θ = π resulta que o espa¸camento m´aximo entre elementos ´e de
d
max
=
λ
π
cos
−1


1
b

(4.63)
4.4 Agregado linear de amplitudes n˜ao uniformes 75
-40.0 -80.0 -20.0 -10.0 0.0
00
00
80
0
-80
-00
-00
-120
-150
180
150
120
(a) d = 0.25λ
-40.0 -80.0 -20.0 -10.0 0.0
00
00
80
0
-80
-00
-00
-120
-150
180
150
120
(b) d = 0.5λ
-40.0 -80.0 -20.0 -10.0 0.0
00
00
80
0
-80
-00
-00
-120
-150
180
150
120
(c) d = 0.75λ
-40.0 -80.0 -20.0 -10.0 0.0
00
00
80
0
-80
-00
-00
-120
-150
180
150
120
(d) d = 0.85λ
Figura 4.9: Diagrama de radia¸c˜ao de um agregado de 5 fontes isotr´opicas com alimenta¸c˜ao
de Chebyshev com uma rela¸c˜ao de 20dB entre o lobo principal e os lobos secund´arios
76 Agregados
-1.ó -1.2ó -1 -0.7ó -0.ó -0.2ó 0 0.2ó 0.ó 0.7ó 1 1.2ó 1.ó
-2
0
2
4
0
8
10
12
14
10
18
¹
1
·
1
[
J
/
´
.
)
[
.
Figura 4.10: Representa¸ c˜ao de [T
4
(x)[
4.4.2 Distribui¸c˜ao Binomial
Consideremos duas fontes isotr´opicas com igual amplitude de alimenta¸c˜ao cujo factor de
agregado vale
F
Z
=
2
¸
n=1
e
j(n−1)Z
= 1 +e
jZ
(4.64)
Se ao aumentarmos o n´ umero de fontes for poss´ıvel escrever o factor de agregado na
seguinte forma
F
Z
= (1 +e
jZ
)
N−1
(4.65)
ent˜ao a forma do factor de agregado ser´a dada pela multiplica¸c˜ao de N − 1 formas do tipo
da equa¸c˜ao 4.64. Para determinar as amplitudes dos v´arios elementos, a express˜ao 4.65 pode
ser decomposta em s´erie utilizando a expans˜ao binomial, obtendo-se
(1 +x)
N−1
= 1 + (N −1)x +
(N −1)(N −2)
2!
x
2
+
(N −1)(N −2)(N −3)
3!
x
3
+ (...) (4.66)
4.4 Agregado linear de amplitudes n˜ao uniformes 77
0.0 0.2 0.4 0.0 0.8 1.0
00
00
80
0
-80
-00
-00
-120
-150
180
150
120
Figura 4.11: Diagrama de radia¸c˜ao de duas antenas isotr´opicas espa¸cadas de λ/2
Os coeficientes da s´erie podem ser obtidos a partir do triˆangulo de Pascal
N = 1 1
N = 2 1 1
N = 3 1 2 1
N = 4 1 3 3 1
N = 5 1 4 6 4 1
N = 6 1 5 10 10 5 1
(4.67)
Sendo N o n´ umero de elementos, o triˆangulo de Pascal d´a-nos a rela¸c˜ao entre as amplitudes
de alimenta¸c˜ao dos v´arios elementos que leva a que o factor de agregado seja dado por 4.65. De
especial interesse ´e a situa¸c˜ao em que o agregado ´e transversal (desfasamento progressivo nulo)
e com um espa¸camento entre elementos d = λ/2. O diagrama de radia¸c˜ao obtido para dois
elementos ´e o mostrado na figura 4.11, onde se nota que este n˜ao apresenta lobos secund´arios.
Estendendo o racioc´ınio para um conjunto de N fontes, quando o factor de agregado for dado
por 4.65 temos a garantia que este n˜ao apresentar´a nenhum lobo secund´ario.
Em geral, no caso de um agregado transversal, um agregado binomial apresenta as seguintes
caracter´ısticas
1. Para d < λ/2 o factor de agregado n˜ao apresenta lobos secund´arios.
2. Para d = λ/2 o factor de agregado n˜ao apresenta lobos secund´arios e aparece um nulo
de radia¸c˜ao da direc¸c˜ao do alinhamento do agregado.
3. Para d > λ/2 o factor de agregado apresenta lobos secund´arios.
78 Agregados
Tabela 4.3: Compara¸c˜ao das v´arias distribui¸c˜oes de amplitudes
Uniforme Binomial Chebyshev
R [dB] 15 inf 20
Directividade [dB] 7.0 5.6 6.7
Amplitudes [1 1 1 1 1] [1 4 6 4 1] [1 1.61 1.93 1.61 1]
4.5 Compara¸c˜ao entre m´etodos
Na tabela 4.3 ´e feita a compara¸c˜ao dos trˆes esquemas de distribui¸c˜ao de amplitudes de ali-
menta¸c˜ao estudados anteriormente, aplicados a um agregado de 5 elementos, alimentados em
fase e espa¸cados de λ/2. A alimenta¸c˜ao com distribui¸c˜ao binomial ´e aquela que apresenta uma
melhor rela¸c˜ao entre as amplitudes do lobo principal e dos lobos secund´arios( uma vez que
consegue eliminar por completo estes ´ ultimos) sendo, no entanto, o m´etodo que conduz a uma
menor directividade e o que obriga a uma maior varia¸c˜ao entre as v´arias amplitudes de ali-
menta¸c˜ao dos v´arios elementos. Este facto, em especial para agregados de muitos elementos,
pode levar a problemas de implementa¸c˜ao pr´atica devido `a grande diferen¸ca de amplitudes. A
alimenta¸c˜ao com distribui¸c˜ao de Chebyshev ´e um compromisso entre a distribui¸c˜ao uniforme
e a binomial, uma vez que, n˜ao eliminado por completo os lobos secund´arios, leva a uma
menor diminui¸ c˜ao de directividade e tem uma rela¸c˜ ao entre amplitudes de alimenta¸c˜ao mais
suave.
Existem outros esquemas de alimenta¸c˜ao dados por v´arios tipos de distribui¸c˜oes (trian-
gular, Riesz, Riemann, Tukey, Bohman, Poisson, Cauchy, gaussiana, Taylor, entre outras),
sendo que todas elas tˆem um factor em comum: para se proceder `a diminui¸ c˜ao dos lobos
secund´arios, as amplitudes de alimenta¸ c˜ao v˜ao diminuindo `a medida que se vai do elemento
central do agregado em direc¸c˜ao aos elementos mais perif´ericos. Isto ´e facilmente explic´avel
recorrendo a um agregado de dois elementos. Nesta caso, `a medida que a separa¸c˜ao entre
elementos vai aumentando, o n´ umero de lobos secund´arios tamb´em vai aumentando. Num
agregado com N elementos, dando-se maior amplitude aos elementos centrais aumenta-se a
influˆencia destes no factor de agregado, que, como tˆem espa¸camentos menores, ter˜ao uma
menor tendˆencia a dar origem a lobos secund´arios.
4.6 Agregados Planos e Volum´etricos
No estudo de agregados efectuado at´e aqui assumimos que a orienta¸c˜ao do agregado era
sempre segundo Oz. Na realidade a orienta¸ c˜ao pode ser segundo uma qualquer direc¸c˜ao,
4.6 Agregados Planos e Volum´etricos 79

Figura 4.12:
ˆ
Angulos em coordenadas esf´ericas para representa¸ c˜ao dos agregados planar e
volum´etrico
o que, embora n˜ao altere o funcionamento do agregado, altera e complica a representa¸c˜ao
matem´atica dos resultados. Por esta raz˜ao n˜ao iremos aqui efectuar o estudo do agregado
admitindo uma orienta¸ c˜ao arbitr´aria. No entanto vamos dedicar algum tempo a mais dois
alinhamentos, segundo Ox e Oy, pois s˜ao os suficientes para representar os agregados planar
e volum´etrico. Para um agregado orientado segundo Oz sabemos que o factor de agregado
F
Z
´e dado pela express˜ao 4.14 para agregados uniformes e pela express˜ao 4.35 para agregados
n˜ao uniformes. Em ambos os casos temos
Z = βd
z
cos θ +δ
z
Por analogia, para um agregado orientado segundo Ox o factor de agregado ´e F
X
, e
escreve-se do mesmo modo que para o agregado linear segundo Oz desde que se substitua Z
por X, com
X = βd
x
cos ζ +δ
x
(4.68)
De igual modo, para um agregado segundo Oy, o factor de agregado vale F
Y
com
Y = βd
y
cos η +δ
y
(4.69)
Os ˆangulos η e ζ, cuja representa¸ c˜ao ´e mostrada na figura 4.12, est˜ao para os eixos Ox
e Oy, respectivamente, tal como o ˆangulo θ est´a para o eixo Oz. Estes novos ˆangulos est˜ao
relacionados com os ˆangulos das coordenadas esf´ericas atrav´es de
cos ζ = cos φsin θ (4.70)
sin ζ =

1 −[cos φsin θ]
2
(4.71)
80 Agregados

Figura 4.13: Exemplo de um agregado plano disposto no plano zOy
cos η = sinφsin θ (4.72)
sin η =

1 −[sinφsin θ]
2
(4.73)
O campo gerado por um agregado planar pode ser decomposto no produto de dois agre-
gados lineares. Por exemplo, para uma matriz de antenas dispostas no plano xOz o campo
total ´e dado por
E
T
(θ, φ) = E(θ, φ)F
X
F
Z
(4.74)
de igual modo, para uma matriz de antenas dispostas no plano yOz o campo total ´e dado por
E
T
(θ, φ) = E(θ, φ)F
Y
F
Z
(4.75)
e para uma matriz de antenas dispostas no plano yOx o campo total ´e dado por
E
T
(θ, φ) = E(θ, φ)F
Y
F
X
(4.76)
Tomemos como exemplo um agregado planar disposto no plano yOz formando uma matriz
de 5 5 em que os elementos est˜ao espa¸cados da seguinte forma: d
y
= λ/4 e d
z
= λ/2, tal
como exemplificado na figura 4.13. Admitamos que se pretende obter um m´aximo de radia¸c˜ao
na direc¸c˜ao Oy. Para que tal aconte¸ca ´e necess´ario que cada conjunto de elementos orientado
paralelamente ao eixo Oz funcione como diagrama transversal e portanto o desfasamento
entre elementos ser´a
δ
z
= 0 (4.77)
Por outro lado, os elementos dispostos paralelamente ao eixo Oy tˆem de formar um agre-
gado longitudinal, o que implica que tenha de existir um desfasamento progressivo de
δ
y
= −βd = −
π
2
(4.78)
4.6 Agregados Planos e Volum´etricos 81
Note-se que tamb´em se poderia construir um agregado volum´etrico. Neste caso o campo
pode ser decomposto no produto de trˆes agregados lineares e o campo total ´e dado por
E
T
(θ, φ) = E(θ, φ)F
X
F
Y
F
Z
(4.79)
82 Agregados
Cap´ıtulo 5
Radia¸c˜ao por Aberturas
5.1 Introdu¸c˜ao
Suponhamos que dispomos de um guia de onda terminado em aberto a radiar energia elec-
tromagn´etica para o espa¸co livre. Como proceder para calcular o campo radiado? Como n˜ao
existe corrente sobre a boca do guia, o potencial vector apresentado no Cap´ıtulo 1 n˜ao pode
ser utilizado e ´e ent˜ao necess´ario encontrar um m´etodo alternativo.
O m´etodo que iremos descrever ´e de vital importˆancia no dom´ınio electromagn´etico pois
encontra aplica¸c˜ao numa vasta ´area, indo desde o estudo de problemas de difrac¸c˜ao ou espal-
hamento at´e problemas de radia¸c˜ao. Adiantando j´a um pouco do que a seguir se vai expor, o
m´etodo consiste em definir correntes fict´ıcias que existem na superf´ıcie na qual conhecemos o
campo existente e obtidas a partir deste. A partir destas correntes fict´ıcias o campo radiado
pode ent˜ao ser calculado utilizando o processo de c´alculo do Cap´ıtulo 1. Neste cap´ıtulo, o
m´etodo vai ser aplicado apenas ao estudo de cornetas. Mais tarde ele ir´a ser recuperado para
efectuar o estudo do reflector parab´olico e de antenas impressas.
Antes de se come¸car a descrever o m´etodo ´e necess´ario introduzir antes alguns conceitos
novos, o que vai ser feito na sec¸c˜ao seguinte.
5.2 Cargas e correntes magn´eticas
Em regime harm´onico sinusoidal as equa¸c˜oes de Maxwell s˜ao dadas pelas equa¸c˜oes 1.89 a
1.92. Nestas equa¸c˜oes n˜ao aparece nenhum termo com cargas ou correntes magn´eticas porque,
como nunca foram encontradas, assume-se que n˜ao existem. Mas como ficariam as equa¸c˜oes
de Maxwell se estas existissem? Argumentos baseados em princ´ıpios fundamentais da f´ısica
(como simetria e leis de conserva¸c˜ao) levam `a conclus˜ao que a introdu¸c˜ao de correntes e cargas
84 Radia¸c˜ao por Aberturas
magn´eticas faria com que as equa¸c˜oes de Maxwell tomassem a seguinte forma sim´etrica

¯
E
¯
= −jω
¯
B
¯

¯
M

(5.1)

¯
H
¯
= jω
¯
D
¯
+
¯
J
¯
(5.2)

¯
B
¯
= ¯ ρ
m
(5.3)

¯
D
¯
= ¯ ρ
e
(5.4)
onde ¯ ρ
m
e
¯
M

s˜ao, respectivamente, as densidades de carga e corrente magn´eticas. A solu¸c˜ao
das novas equa¸c˜oes de Maxwell pode ser obtida recorrendo ao principio da sobreposi¸c˜ao: o
campo total ´e dado pela contribui¸ c˜ao da corrente el´ectrica somada `a contribui¸c˜ao da corrente
magn´etica. Assim, dada a simetria das equa¸c˜oes de Maxwell facilmente se infere que, se a
contribui¸c˜ao da corrente el´ectrica ´e obtida a partir do potencial vector
¯
A
¯
=
µ

V

¯
J
¯
e
−jβR
R
dV

(5.5)
utilizando as seguintes express˜oes
¯
H
¯
A
=
1
µ

¯
A
¯
(5.6)
¯
E
¯
A
=
1
jωε

¯
H
¯
A
(5.7)
ent˜ao a contribui¸c˜ao da corrente magn´etica ´e obtida a partir do potencial vector
¯
F
¯
=
ε

V

¯
M

e
−jβR
R
dV

(5.8)
utilizando agora as seguintes express˜oes
¯
E
¯
F
= −
1
ε

¯
F
¯
(5.9)
¯
H
¯
F
= −
1
jωµ

¯
E
¯
F
(5.10)
Pelo teorema da sobreposi¸c˜ao, o campo total ser´a ent˜ao dado por
¯
E
¯
=
¯
E
¯
A
+
¯
E
¯
F
(5.11)
¯
H
¯
=
¯
H
¯
A
+
¯
H
¯
F
(5.12)
Aproxima¸c˜ao para a zona distante de radia¸c˜ao
O c´alculo exacto dos potenciais pode ser uma tarefa ingrata devido ao grau de dificuldade
das integra¸c˜oes que ´e necess´ario efectuar. No entanto, se apenas estivermos interessados nos
5.2 Cargas e correntes magn´eticas 85
campos na zona distante de radia¸c˜ao, ´e poss´ıvel diminuir um pouco esta dificuldade porque,
tal como vimos anteriormente, ´e razo´avel efectuar a seguinte aproxima¸c˜ao para R
R · r −r

cos ψ para a fase (5.13)
R · r para a amplitude (5.14)
o que reduz o c´alculo de
¯
F
¯
e
¯
A
¯
a
¯
A
¯
=
µe
−jβr
4πr
¯
N
¯
e
(5.15)
com
¯
N
¯
e
=

V

¯
J
¯
e
jβr

cos ψ
dV

(5.16)
e
¯
F
¯
=
εe
−jβr
4πr
¯
N
¯
m
(5.17)
com
¯
N
¯
m
=

V

¯
M

e
jβr

cos ψ
dV

(5.18)
Em geral, o potencial vector
¯
A
¯
´e dado por
¯
A
¯
=
¯
A
r
(r, θ, φ)ˆa
¯
r
+
¯
A
θ
(r, θ, φ)ˆa
¯
θ
+
¯
A
φ
(r, θ, φ)ˆa
¯
φ
(5.19)
no entanto para a zona distante de radia¸c˜ao podemos fazer
¯
A
¯

¸
¯
A
r
(θ, φ)ˆa
¯
r
+
¯
A
θ
(θ, φ)ˆa
¯
θ
+
¯
A
φ
(θ, φ)ˆa
¯
φ
¸ e
−jβr
r
(5.20)
Utilizando esta express˜ao em
¯
E
¯
= −jω
¯
A
¯
−j
1
ωεµ


¯
A
¯

(5.21)
resultaria algo do tipo
¯
E
¯
=
1
r
[...] +
1
r
2
[...] + (...) (5.22)
Como na zona distante de radia¸c˜ao apenas interessam os termos em 1/r, aproveitando
apenas estes resulta
(
¯
E
A
)
θ
≈ −jω
¯
A
θ
(5.23)
(
¯
E
A
)
φ
≈ −jω
¯
A
φ
(5.24)
(
¯
H
F
)
θ
≈ −jω
¯
F
θ
(5.25)
(
¯
H
F
)
φ
≈ −jω
¯
F
φ
(5.26)
86 Radia¸c˜ao por Aberturas
Repetindo o racioc´ınio para o potencial vector
¯
F
¯
resulta
(
¯
E
F
)
θ
≈ −jωZ
¯
F
φ
(5.27)
(
¯
E
F
)
φ
≈ jωZ
¯
F
θ
(5.28)
(
¯
H
A
)
θ


Z
¯
A
φ
(5.29)
(
¯
H
A
)
φ
≈ −

Z
¯
A
θ
(5.30)
A combina¸ c˜ao destes resultados produz um campo electromagn´etico total na zona distante
de radia¸c˜ao dado por
¯
E
r
≈ 0 (5.31)
¯
E
θ
≈ −
jβe
−jβr
4πr
(
¯
N

+Z
¯
N

) (5.32)
¯
E
φ

jβe
−jβr
4πr
(
¯
N

−Z
¯
N

) (5.33)
¯
H
r
≈ 0 (5.34)
¯
H
θ

jβe
−jβr
4πr

¯
N

+
¯
N

Z

(5.35)
¯
H
φ
≈ −
jβe
−jβr
4πr

¯
N


¯
N

Z

(5.36)
Condi¸c˜oes Fronteira
Com as equa¸c˜oes de Maxwell na nova forma, as condi¸c˜oes de fronteira anteriormente apre-
sentadas s˜ao alteradas. Aplicando ent˜ao as novas equa¸c˜oes de Maxwell `a regi˜ao de separa¸c˜ao
entre dois meios resultam as seguintes condi¸c˜oes de fronteira
ˆ n
¯
(
¯
E
¯
2

¯
E
¯
1
) = −
¯
M

(5.37)
ˆ n
¯
(
¯
D
¯
2

¯
D
¯
1
) = ¯ ρ
e
(5.38)
ˆ n
¯
(
¯
H
¯
2

¯
H
¯
1
) =
¯
J
¯
(5.39)
ˆ n
¯
(
¯
B
¯
2

¯
B
¯
1
) = ¯ ρ
m
(5.40)
donde ressalta que a introdu¸c˜ao da corrente magn´etica permite que exista uma descon-
tinuidade na componente tangencial do campo el´ectrico.
Teoria da Imagens
Definidas as correntes e cargas magn´eticas podemos ainda introduzir um outro elemento
fict´ıcio: o condutor magn´etico perfeito. Este ´e o meio dual do condutor el´ectrico perfeito e
cujas propriedades s˜ao definidas por compara¸c˜ao com este ´ ultimo. Assim, relembrando que
5.3 Princ´ıpio da equivalˆencia 87
Coiionlos olocliicas Coiionlos nagnolicas
Conouloi olocliico
poifoilo
Conouloi nagnolico
poifoilo
fonlo
inagon
fonlo
inagon

Figura 5.1: Teoria das imagens
um condutor el´ectrico perfeito ´e um meio em cujo interior na existe campo electromagn´etico,
existindo este apenas na superf´ıcie do condutor e sendo nula a componente tangencial do
campo el´ectrico, podemos ent˜ao definir um condutor magn´etico perfeito como sendo um
meio em cujo interior tamb´em n˜ao existe campo electromagn´etico, existindo apenas na sua
superf´ıcie e sendo agora a componente tangencial do campo magn´etico nula.
O estudo do comportamento de correntes el´ectricas verticais e horizontais sobre planos
condutores perfeitos pode ser feito recorrendo `a teoria das imagens. Na figura 5.1 ´e mostrada
a polariza¸c˜ao das fontes reais e das imagens para todas as configura¸c˜oes poss´ıveis.
5.3 Princ´ıpio da equivalˆencia
O principio da equivalˆencia n˜ao ´e mais do que uma formula¸c˜ao mais rigorosa do princ´ıpio de
Huygens que diz que cada ponto numa frente de onda pode ser considerado com fonte de uma
onda secundaria e que a onda final ´e dada pela envolvente de todas as ondas secund´arias.
Consideremos ent˜ao que existe uma determinada distribui¸c˜ao de corrente que d´a origem
a um campo electromagn´etico ¦
¯
E
¯
1
,
¯
H
¯
1
¦ que se estende por todo o espa¸co. Tal como se mostra
na figura 5.2, consideremos uma superf´ıcie fechada S que engloba todas as correntes e que
delimita um volume V
i
. No exterior de S existe um volume que denominaremos de V
e
.
88 Radia¸c˜ao por Aberturas

o
1
1
L
H

1 1
J 0. M 0

2
2
L
H

´

o
´

1
1
L
H

1 1
J . M

1
1
L
H

s s
J . M

Figura 5.2: Princ´ıpio da equivalˆencia
Imaginemos agora a situa¸c˜ao da mesma figura 5.2, em que as correntes iniciais s˜ao removidas,
em V
i
passa a existir um campo ¦
¯
E
¯
2
,
¯
H
¯
2
¦ e em V
e
o campo continua a ser o original ¦
¯
E
¯
1
,
¯
H
¯
1
¦.
Como a corrente original foi eliminada, a fonte dos campos nos dois volumes ter´a que vir
de outro lado. Das condi¸c˜oes de fronteira aplicadas a esta superf´ıcie temos que, para que
os campos sejam descont´ınuos
1
, ´e necess´ario que na superf´ıcie exista uma distribui¸c˜ao de
corrente dada por
¯
J
¯
s
= ˆ n
¯
(
¯
H
¯
1s

¯
H
¯
2s
) (5.41)
¯
M

s
= −ˆ n
¯
(
¯
E
¯
1s

¯
E
¯
2s
) (5.42)
onde o ´ındice s serve para indicar que as grandezas se referem `a superf´ıcie S. Resulta daqui
que as novas fontes de campo est˜ao precisamente sobre a superf´ıcie S. Calculando o campo
radiado por estas correntes fict´ıcias chegar´ıamos a um campo ¦
¯
E
¯
2
,
¯
H
¯
2
¦ em V
i
e a um campo
¦
¯
E
¯
1
,
¯
H
¯
1
¦ em V
e
e o nosso problema fica ent˜ao resolvido. O facto do campo no interior de V
i
ser
diferente do campo original n˜ao ´e problema pois n˜ao ´e este campo que estamos interessados
em calcular.
Os c´alculos podem ser simplificados notando que, como o campo no interior de V
i
´e um
campo imagin´ario qualquer, podemos assumir que este ´e nulo. Impondo ent˜ao
¯
E
¯
2
= 0 (5.43)
¯
H
¯
2
= 0 (5.44)
as correntes na superf´ıcie S reduzem-se a
¯
J
¯
s
= ˆ n
¯

¯
H
¯
1s
(5.45)
1
Estamos a admitir V
i
e V
e
s˜ao preenchidos pelo mesmo meio.
5.3 Princ´ıpio da equivalˆencia 89
¯
M

s
= −ˆ n
¯

¯
E
¯
1s
(5.46)
Agora estas correntes v˜ao originar um campo nulo em V
i
e um campo ¦
¯
E
¯
1
,
¯
H
¯
1
¦ em V
e
. O
campo real sobre a superf´ıcie S ´e ent˜ao substitu´ıdo por duas correntes fict´ıcias equivalentes
que tamb´em existem sobre a pr´opria superf´ıcie e que, segundo as ´ ultimas rela¸c˜oes, s˜ao iguais
`as componentes tangencias do campo el´ectrico e magn´etico. Assim n˜ao ´e necess´ario ter
um conhecimento completo do campo na superf´ıcie S bastando ter um conhecimento das
componentes tangenciais.
O processo descrito at´e aqui conduziu `a existˆencia de duas correntes fict´ıcias sobre a
superf´ıcie de separa¸c˜ao, sendo uma el´ectrica e outra magn´etica. O problema pode no entanto
ser reduzido a uma ´ unica corrente sobre S. De facto, como o campo em V
i
´e nulo ent˜ao
o preenchimento deste volume com um condutor el´ectrico perfeito n˜ao altera as condi¸c˜oes
anteriores uma vez que tamb´em no interior deste o campo ´e nulo. Ora, da teoria da imagens
resulta que o condutor el´ectrico perfeito vai curto-circuitar a corrente
¯
J
¯
s
reduzindo o problema
unicamente `a corrente
¯
M

s
. Tem-se ent˜ao
¯
J
¯
s
= 0 (5.47)
¯
M

s
= −2ˆ n
¯

¯
E
¯
1s
(5.48)
De igual modo, o preenchimento de V
i
com um condutor magn´etico perfeito tamb´em n˜ao
altera em nada o problema. Agora o condutor magn´etico perfeito vai curto-circuitar a corrente
¯
M

s
reduzindo o problema unicamente `a corrente
¯
J
¯
s
. Agora tem-se
¯
J
¯
s
= 2ˆ n
¯

¯
H
¯
1s
(5.49)
¯
M

s
= 0 (5.50)
Em resumo, os passos a seguir para a resolu¸c˜ao de problemas radia¸c˜ao por aberturas s˜ao
os seguintes:
1. Escolher uma superf´ıcie fechada que engloba todas as fontes de campo e sobre a qual
conhecemos a distribui¸c˜ao do campo electromagn´etico, ou pelo menos a componente
tangencial de
¯
E
¯
ou
¯
H
¯
.
2. Sobre esta superf´ıcie definir correntes el´ectricas e magn´eticas fict´ıcias equivalentes. Para
tal existem quatro possibilidades
(a) Assumir que no interior desta superf´ıcie existe um qualquer campo n˜ao nulo.
(b) Assumir que no interior desta superf´ıcie o campo ´e nulo.
(c) Assumir que o interior desta superf´ıcie ´e preenchido por uma condutor el´ectrico
perfeito.
90 Radia¸c˜ao por Aberturas
(d) Assumir que o interior desta superf´ıcie ´e preenchido por uma condutor magn´etico
perfeito.
Para resolver qualquer problema utilizando o teorema da equivalˆencia qualquer uma
destas quatro possibilidades pode ser utilizada. No entanto, dependendo do pr´oprio
problema, uma pode ser mais vantajosa relativamente `as restantes.
3. Calcular os potenciais associados quer `as correntes el´ectricas quer as correntes magn´eticas.
4. Calcular os campos associados a cada um dos potenciais na zona distante ed radia¸c˜ao.
5. Calcular o campo total dado pela soma dos campos obtidos anteriormente.
5.4 Cornetas
As cornetas electromagn´eticas s˜ao das antenas mais simples e mais utilizadas, em especial
nas frequˆencias das microondas. Estas antenas podem ser utilizadas em isolado, em especial
em laborat´orio onde s˜ao utilizadas como antenas de referˆencia, ou como alimentador dos
reflectores parab´olicos terrestres utilizados em comunica¸ c˜oes via sat´elite. Podem tamb´em
ser agrupadas em agregado e utilizadas em comunica¸ c˜oes via sat´elite, instaladas no pr´oprio
sat´elite.
As suas formas podem ser as mais variadas mas n˜ao s˜ao mais do que tubos met´alicos ocos
com uma abertura gradual e s˜ao aplicados nas termina¸c˜oes de guias de onda met´alicos ocos.
5.4.1 Corneta de sector E
A corneta de sector E ´e a mostrada na figura 5.3. Para calcular o campo radiado por esta
corneta parte-se da distribui¸c˜ao de campo electromagn´etico na superf´ıcie de um guia met´alico
oco. Admitindo que o modo de opera¸c˜ao ´e o modo fundamental TE
10
o campo no guia ´e
dado por
¯
E
x
= 0 (5.51)
¯
E
y
= E
1
cos

π
a
x

(5.52)
¯
E
z
= 0 (5.53)
¯
H
x
= −
E
1
Z
cos

π
a
x

(5.54)
¯
H
y
= 0 (5.55)
¯
H
z
= jE
1
πZ
βa
sin

π
a
x

(5.56)
5.4 Cornetas 91

Figura 5.3: Corneta de sector E
A partir deste campo ´e necess´ario estimar o campo na boca da corneta. Para tal assume-se
que o campo quando sa´ı do guia e entra na corneta espalha-se radialmente. Assim o campo
na boca da corneta ir´a ter uma fase diferente em cada ponto. Da an´alise da figura 5.3 resulta

1

y
]
2
= ρ
2
1
+ (y

)
2
(5.57)
o que corresponde a uma diferen¸ca de percurso igual a
δ
y
= −ρ
1

1
¸
1 +
y

ρ
1

(5.58)
Expandindo δ utilizando a expans˜ao binomial e aproveitando os primeiros dois termos
resulta
δ
y

(y

)
2

1
(5.59)
Assim as componentes tangencias do campo na boca da corneta valem
¯
E
y
= E
1
cos

π
a
x

e
−jβδ
y
(5.60)
¯
H
x
= −
E
1
Z
cos

π
a
x

e
−jβδ
y
(5.61)
92 Radia¸c˜ao por Aberturas
Campo radiado
O c´alculo dos campos radiados ´e agora feito recorrendo ao teorema da equivalˆencia. As
correntes fict´ıcias na boca da corneta valem
¯
J
y
= −
E
1
Z
cos

π
a
x

e
−jβδ
y
(5.62)
¯
M
x
= E
1
cos

π
a
x

e
−jβδ
y
(5.63)
donde resulta um campo el´ectrico na zona distante de radia¸c˜ao dado por
¯
E
r
= 0 (5.64)
¯
E
θ
= −j

πβρ
1
aE
1
8r
e
−jβr
e
j
β
2
y
ρ
1

sin φ(1 + cos θ)A(a)F(t
1
, t
2
) (5.65)
¯
E
φ
= −j

πβρ
1
aE
1
8r
e
−jβr
e
j
β
2
y
ρ
1

cos φ(1 + cos θ)A(a)F(t
1
, t
2
) (5.66)
onde
A(a) = cos

β
x
a
2

¸

β
x
a
2

2

π
2

2
¸
−1
(5.67)
F(t
1
, t
2
) = [C(t
2
) −C(t
1
)] −j [S(t
2
) −S(t
1
)] (5.68)
t
1
=

1
πβρ
1


βb
1
2
−β
y
ρ
1

(5.69)
t
2
=

1
πβρ
1

βb
1
2
−β
y
ρ
1

(5.70)
β
x
= β sin θ cos φ (5.71)
β
y
= β sin θ sin φ (5.72)
S(t) e C(t) s˜ao conhecidos, respectivamente por seno e co-seno integral de Fresnel e cujo
valor aparece tabelado.
Na figura 5.4 mostram-se os diagramas de radia¸c˜ao nos planos E (φ = π/2) e H (φ = 0)
para um caso particular. O diagrama no plano E ´e muito mais fechado do que no plano H
porque o alargamento d´a-se na dimens˜ao b e esta dimens˜ao est´a associada ao plano E.
Directividade
Trabalhando com com as express˜oes do campo el´ectrico anteriores e utilizando 2.6 ´e poss´ıvel
mostrar que a directividade m´axima de uma corneta de sector E vale
D
E
=
64aρ
1
πλb
1
¸
C
2

b
1

2λρ
1

+S
2

b
1

2λρ
1

(5.73)
5.4 Cornetas 93
0.0 0.2 0.4 0.0 0.8 1.0
00
00
80
0
-80
-00
-00
-120
-150
180
150
120
0.0 0.2 0.4 0.0 0.8 1.0
00
00
80
0
-80
-00
-00
-120
-150
180
150
120
Plano E
Plano H
Figura 5.4: Diagrma de radia¸c˜ao de uma corneta de sector E: ρ1 = 6λ, b1 = 2.75λ, a = 0.5λ,
b = 0.25λ
Um gr´afico com o andamento da directividade em fun¸c˜ao da dimens˜ao final da corneta
e para v´arios valores de ρ
1
´e mostrado na figura 5.5. Aqui pode verificar-se que existe um
desenho ´optimo da corneta que leva `a m´axima directividade. Pode ser demonstrado que a
m´axima directividade ocorre quando
b
1

2λρ
1
(5.74)
5.4.2 Corneta de sector H
A corneta de sector H ´e a mostrada na figura 5.6. O processo de determina¸c˜ao do campo
radiado ´e o mesmo do da corneta de sector E. Partindo do campo na boca do guia chega-se
a que as componentes tangencias no campo na boca da corneta s˜ao dadas por
¯
E
y
= E
2
cos

π
a
1
x

e
−jβδ
x
(5.75)
¯
H
x
= −
E
2
Z
cos

π
a
1
x

e
−jβδ
x
(5.76)
onde
δ
x

(x

)
2

2
(5.77)
Campo radiado
As correntes fict´ıcias na boca da corneta valem
¯
J
y
= −
E
2
Z
cos

π
a
1
x

e
−jβδ
x
(5.78)
94 Radia¸c˜ao por Aberturas
0 5 10 15 20
0
20
40
60
80
100
120
1
1

´
λ

n
)
h
1
λ
ρ

λ
λ
λ
λ
λ
λ
λ
λ
Figura 5.5: Directividade de uma corneta de sector E
¯
M
x
= E
2
cos

π
a
1
x

e
−jβδ
x
(5.79)
donde resulta um campo el´ectrico na zona distante de radia¸c˜ao dado por
¯
E
r
= 0 (5.80)
¯
E
θ
= j
bE
2
e
−jβr
8r

βρ
2
π
sin φ(1 + cos θ)
sinY
Y

e
jf
1
F(t

1
, t

2
) +e
jf
2
F(t

1
, t

2
)

(5.81)
¯
E
φ
= j
bE
2
e
−jβr
8r

βρ
2
π
cos φ(1 + cos θ)
sin Y
Y

e
jf
1
F(t

1
, t

2
) +e
jf
2
F(t

1
, t

2
)

(5.82)
onde
Y =
βb
2
sin θ sin φ (5.83)
t

1
=

1
πβρ
2


βa
1
2
−β

x
ρ
2

(5.84)
t

2
=

1
πβρ
2

βa
1
2
−β

x
ρ
2

(5.85)
t

1
=

1
πβρ
2


βa
1
2
−β

x
ρ
2

(5.86)
5.4 Cornetas 95

Figura 5.6: Corneta de sector E
t

2
=

1
πβρ
2

βa
1
2
−β

x
ρ
2

(5.87)
f
1
=
β
2
x
ρ
2

(5.88)
f
2
=
β
2
x
ρ
2

(5.89)
β

x
= β sinθ cos φ +
π
a
1
(5.90)
β

x
= β sinθ cos φ −
π
a
1
(5.91)
Na figura 5.7 mostram-se os diagramas de radia¸c˜ao nos planos E (φ = π/2) e H (φ = 0)
para um caso particular. Agora ´e o diagrama no plano H que ´e muito mais estreito do que
o do plano H porque o alargamento d´a-se na dimens˜ao a e esta dimens˜ao est´a associada ao
plano H.
96 Radia¸c˜ao por Aberturas
0.0 0.2 0.4 0.0 0.8 1.0
00
00
80
0
-80
-00
-00
-120
-150
180
150
120
0.0 0.2 0.4 0.0 0.8 1.0
00
00
80
0
-80
-00
-00
-120
-150
180
150
120
Plano E
Plano H
Figura 5.7: Diagrma de radia¸c˜ao de uma corneta de sector H: ρ2 = 6λ, a1 = 5.5λ, a = 0.5λ,
b = 0.25λ
Directividade
Trabalhando com com as express˜oes do campo el´ectrico anteriores e utilizando 2.6 ´e poss´ıvel
mostrar que a directividade m´axima de uma corneta de sector H vale
D
H
=
4πbρ
2
λa
1

[C(u) −C(v)]
2
+ [S(u) −S(v)]
2
¸
(5.92)
onde
u =
1

2


λρ
2
a
1
+
a
1

λρ
2

(5.93)
v =
1

2


λρ
2
a
1

a
1

λρ
2

(5.94)
Um gr´afico com o andamento da directividade em fun¸c˜ao da dimens˜ao final da corneta e
para v´arios valores de ρ
2
´e mostrado na figura 5.8. Tamb´em aqui se pode verificar que existe
um valor desenho ´optimo da corneta que leva `a m´axima directividade. Pode ser demonstrado
que a m´axima directividade ocorre quando
a
1

3λρ
2
(5.95)
5.4.3 Corneta piramidal
A corneta piramidal, mostrada na figura 5.9, corresponde `a geometria mais utilizada. Basica-
mente, as caracter´ısticas de radia¸c˜ao desta corneta s˜ao uma combina¸ c˜ao da corneta de sector
E com a corneta de sector H.
5.4 Cornetas 97
0 5 10 15 20 25
0
50
100
150
1
1

´
λ

h
)
n
1
λ
ρ

λ
λ
λ
λ
λ
λ
λ
λ
Figura 5.8: Directividade de uma corneta de sector H
Por analogia com as cornetas de sector E e sector H, as componentes tangencias do campo
na boca da corneta piramidal s˜ao dadas por
¯
E
y
= E
0
cos

πx

a

e
−jβ(δ
x

y
)
(5.96)
¯
H
x
=
E
1
Z
cos

πx

a

e
−jβ(δ
x

y
)
(5.97)
Campo radiado
A partir das componentes tangenciais anteriormente obtidas podemos definir correntes fict´ıcias
na boca da corneta dadas por
¯
J
y
= −
E
0
Z
cos

π
a
1
x

e
−jβ(δ
x

y
)
(5.98)
¯
M
x
= E
0
cos

π
a
1
x

e
−jβ(δ
x

y
)
(5.99)
donde resulta um campo el´ectrico na zona distante de radia¸c˜ao dado por
¯
E
r
= 0 (5.100)
¯
E
θ
= j
βE
0
e
−jβr
4πr
[sin φ(1 + cos θ)I
1
I
2
] (5.101)
¯
E
θ
= j
βE
0
e
−jβr
4πr
[cos φ(cos θ + 1)I
1
I
2
] (5.102)
98 Radia¸c˜ao por Aberturas
onde
I
1
=
1
2

πρ
2
β

e

2
x
ρ
2
/2β
¸
C(t

2
) −C(t

1
)

−j

S(t

2
) −S(t

1
)
¸
+ e

2
x
ρ
2
/2β
¸
C(t

2
) −C(t

1
)

−j

S(t

2
) −S(t

1
)
¸

(5.103)
I
2
=

πρ
1
β
e

2
y
ρ
1
/2β
¦[C(t
2
) −C(t
1
)] −j [S(t
2
) −S(t
1
)]¦ (5.104)
Como agora existe um alargamento gradual simultˆaneo das dimens˜oes a e b, o diagrama
de radia¸c˜ao vai ser estreio quer no plano E quer no plano H.
Directividade
Trabalhando com com as express˜oes do campo el´ectrico anteriores e utilizando 2.6 ´e poss´ıvel
mostrar que a directividade m´axima de uma corneta piramidal vale
D
P
=
8πρ
1
ρ
2
a
1
b
1

[C(u) −C(v)]
2
+ [S(u) −S(v)]
2
¸

C
2

b
1

2λρ
1

+S
2

b
1

2λρ
1

(5.105)
o que ´e equivalente a
D
P
=
πλ
2
32ab
D
E
D
H
(5.106)
Da an´alise geometrica das estrutura apresentadas na figura 5.9, pode-se demonstrar que
p
E
= (b
1
−b)
¸

ρ
e
b
1

2

1
4
¸
1/2
(5.107)
p
H
= (a
1
−a)
¸

ρ
h
a
1

2

1
4
¸
1/2
(5.108)
Note-se que para que a corneta possa ser fisicamente constru´ıda ´e necess´ario ter p
E
= p
H
.
5.4 Cornetas 99

(a) Geometria

(b) Plano E

(c) Plano H
Figura 5.9: Corneta piramidal
100 Radia¸c˜ao por Aberturas
Cap´ıtulo 6
Antenas com reflector
Uma alternativa `a constru¸c˜ao de agregados para o aumento da directividade consiste na
utiliza¸c˜ao de reflectores met´alicos para redireccionar a energia de uma determinada direc¸c˜ao
para outra onde se deseja um aumento de sinal. Se tal for conseguido, a directividade do
conjunto antena - reflector ser´a maior do que a da antena isolada. Apesar de existirem
reflectores de v´arias formas iremos dedicar mais aten¸c˜ao ao dois tipo com aplica¸c˜ao mais
alargada: o reflector plano e o reflector parab´olico.
Al´em disto, no estabelecimento de uma liga¸c˜ao r´adio, a presen¸ca da terra ´e (quase) sempre
inevit´avel pelo que o estudo do seu efeito nas propriedades de radia¸c˜ao de uma antena reveste-
se de grande importˆancia. Como primeira aproxima¸c˜ao, pode-se tratar a terra como sendo
um conductor perfeito, o que permite obter uma primeira estimativa do funcionamento da
antena sem complicar muito o modelo do ponto de vista anal´ıtico. De modo a se obter um
resultado mais pr´oximo do real ´e necess´ario contabilizar as caracter´ısticas electromagn´eticas
da terra bem como a sua curvatura mas este tipo de estudo est´a fora do objectivo deste curso.
6.1 Reflector plano
6.1.1 Teoria das imagens
Para o estudo do funcionamento de antenas na presen¸ca de superf´ıcies reflectoras ´e usual
introduzir-se antenas virtuais, de tal modo modo que o campo produzido pela conjunto for-
mado pelas antenas real e virtual e na ausˆencia do plano reflector seja o mesmo que se obt´em
se apenas existir a antena real e o plano reflector.
Tomemos como exemplo a figura 6.1, onde ´e colocada uma fonte pontual com polar-
iza¸c˜ao vertical relativamente a um plano condutor perfeito. Cada ponto do espa¸co recebe
contribui¸c˜oes de um raio directo e de um raio reflectido na superf´ıcie condutora perfeita.
102 Antenas com reflector

lonte
real
lonte
·irtual

Figura 6.1: Teoria das imagens para o caso particular de uma antena com polariza¸c˜ao vertical
Num caso geral, a quantidade de energia reflectida depende do ˆangulo de incidˆencia e da
constitui¸c˜ao do meio onde se d´a a reflex˜ao, no entanto, para condutores perfeitos a reflex˜ao ´e
sempre total. Se prolongarmos todos os raios reflectidos verificamos que estes convergem para
um ´ unico ponto.
´
E neste ponto que ´e localizada a fonte virtual. Assim, o campo total em
cada ponto do espa¸co ´e dado pela soma do raio directo da antena real com o raio directo da
antena virtual e ignorando o plano reflector. Obviamente a solu¸c˜ao obtida por este m´etodo
´e v´alida apenas para a regi˜ao do espa¸co acima do plano reflector pois abaixo deste o campo
real ser´a nulo.
Na figura 6.1 ´e mostrada tamb´em a polariza¸c˜ao de cada raio. Esta ´e marcada de modo
a garantir as condi¸c˜oes de fronteira sobre o plano condutor perfeito, nomeadamente o anula-
mento da componente tangencial do campo el´ectrico.
Se a fonte pontual do exemplo anterior for substitu´ıda por uma outra com polariza¸c˜ao
horizontal chegar´ıamos `a conclus˜ao que a fonte virtual estaria em oposi¸c˜ao de fase relativa-
mente `a fonte real, de modo a que se anule a componente tangencial do campo el´ectrico na
superf´ıcie. Na figura 6.2 s˜ao mostradas as fontes reais e as fontes virtuais para estes dois
casos.
De seguida iremos analisar o caso concreto de um dipolo de Hertz disposto sobre um plano
reflector perfeito e para polariza¸c˜ao vertical ou horizontal, relativamente ao plano reflector.
6.1 Reflector plano 103

lontes reais
lontes ·irtuais

Figura 6.2: Teoria das imagens para polariza¸c˜ao vertical e polariza¸c˜ao horizontal

Figura 6.3: Dipolo de Hertz na presen¸ca de um plano reflector perfeito
6.1.2 Dipolos com plano reflector
Dipolo de Hertz Vertical
Consideremos um dipolo de Hertz disposto na vertical a uma distˆancia h sobre um plano con-
ductor perfeito, tal como mostrado na figura 6.3. Na zona distante de radia¸c˜ao a componente
directa
¯
E
d
θ
e a componente reflectida
¯
E
r
θ
s˜ao dadas por
¯
E
d
θ
= j
ZβI
0
dl
4πr
1
e
−jβr
1
sin θ
1
(6.1)
¯
E
r
θ
= j
ZβI
0
dl
4πr
2
e
−jβr
2
sin θ
2
(6.2)
O campo total acima do plano reflector ser´a ent˜ao dado pela soma da componente directa
e da componente reflectida. Como estamos a considerar apenas a zona distante de radia¸c˜ao
104 Antenas com reflector
podemos admitir que
θ
1
= θ
2
r
1
= r
2
para os termos da amplitude
r
1
= r −hcos θ para os termos da fase
r
2
= r +hcos θ para os termos da fase
resultando que o campo total ´e dado por
¯
E
θ
= j
ZβI
0
dl
4πr
e
−jβr
sin θ[2 cos(βhcos θ)] z ≥ 0
¯
E
θ
= 0 z < 0
(6.3)
Uma an´alise atenta do resultado obtido revela que o campo total ´e dado pela multiplica¸ c˜ao
de duas parcelas (facto denominado de multiplica¸c˜ao de diagramas), sendo uma o campo da
fonte isolada e outra um factor que depende da distˆancia da antena ao plano reflector e do
ˆangulo de observa¸ c˜ao. A segunda parcela ´e denominada de factor de agregado ou factor
espacial e j´a foi estudada no cap´ıtulo dedicado aos agregados de antenas.
Na figura 6.4 s˜ao mostrado v´arios diagramas de radia¸c˜ao para v´arias valores de h. Pode-se
verificar que para qualquer distˆancia o m´aximo de radia¸c˜ao se verifica sempre para θ = ±π/2.
Um outro facto que se verifica ´e o aparecimento de lobos secund´arios quando h > λ/4 e
aumento do n´ umero e intensidade destes `a medida que a distˆancia h aumenta.
Como o campo radiado ´e diferente do campo radiado pelo dipolo isolado ent˜ao a potˆencia
radiada e, por consequˆencia, a directividade ser´a alterada. Seguindo o procedimento habitual
para o c´alculo da directividade temos ent˜ao que a densidade de potˆencia vale
S =
[
¯
E
θ
[
2
2Z
=
Zdl
2
I
2
0

2
r
2
sin
2
θ cos
2
(βhcos θ) (6.4)
e para a intensidade de radia¸c˜ao vem
U = r
2
S =
[E[
2
2Z
=
Zdl
2
I
2
0

2
sin
2
θ cos
2
(βhcos θ) (6.5)
cujo valor m´aximo, que ocorre para θ = π/2, ´e
U
max
=
[E[
2
2Z
=
Zdl
2
I
2
0

2
(6.6)
e ´e 4 vezes superior `a do dipolo de Hertz isolado.
Para o c´alculo da potˆencia radiada note-se que a integra¸ c˜ao da densidade de potˆencia ser´a
efectuada para valores de θ no intervalo 0 < θ < π/2 (metade do espa¸co), uma vez que o
reflector impede que exista campo no interior deste. Vem portanto que
P
rad
=

S
S
¯
dS

(6.7)
6.1 Reflector plano 105
90
60
30
0
−30
−60
−90
−120
−150
180
150
120
0.2
0.4
0.6
0.8
1.0
(a) h = 0λ
90
60
30
0
−30
−60
−90
−120
−150
180
150
120
0.2
0.4
0.6
0.8
1.0
(b) h = 0.25λ
90
60
30
0
−30
−60
−90
−120
−150
180
150
120
0.2
0.4
0.6
0.8
1.0
(c) h = 0.5λ
90
60
30
0
−30
−60
−90
−120
−150
180
150
120
0.2
0.4
0.6
0.8
1.0
(d) h = 1λ
Figura 6.4: Diagrama de radia¸c˜ao normalizado na zona distante de radia¸c˜ao de um dipolo de
Hertz disposto na vertical relativamente ao um plano reflector perfeito.
106 Antenas com reflector
=


0

π/2
0
[
¯
E
θ
[
2
2Z
dS (6.8)
= πZ

I
0
l
λ

2
¸
1
3

cos(2βh)
(2βh)
2
+
sin(2βh)
(2βh)
3

(6.9)
Para a directividade m´axima temos que esta vale
D = 4π
U
max
P
rad
=
2
¸
1
3

cos(2βh)
(2βh)
2
+
sin(2βh)
(2βh)
3
(6.10)
cujo andamento ´e mostrado na figura 6.5(a). Facilmente se verifica que `a medida que o dipolo
se afasta do plano reflector a directividade tende para 6 e quando βh → 0 a directividade
tende para 3, ou seja, o dobro da directividade do dipolo isolado.
Para a resistˆencia de radia¸c˜ao vem que
R
rad
=
2P
rad
I
2
0
= 2πZ

dl
λ

2
¸
1
3

cos(2βh)
(2βh)
2
+
sin(2βh)
(2βh)
3

(6.11)
cujo andamento ´e mostrado em 6.5(b) para um dipolo com dl = λ/50. Aqui verifica-se que
o valor que se obtˆem quando βh → ∞ ´e o mesmo que se obtˆem para o dipolo isolado. No
entanto, se βh → 0, a resistˆencia de radia¸c˜ao ser´a de 0.63Ω que ´e o dobro da dipolo isolado
que vale 0.316Ω e metade da de um dipolo com um tamanho dl

= 2dl.
Monopolos lineares
Um monopolo linear ´e um exemplo de uma antena com plano reflector que obteve uma grande
aplica¸c˜ao pr´atica. Esta antena consiste num tro¸co de antena linear de comprimento l e assente
num plano reflector. Usando a teoria das imagens, o seu equivalente ´e mostrado na figura
6.6. Daqui pode concluir-se que, para z > 0, o campo gerado por um monopolo de tamanho
l ´e equivalente ao campo de um dipolo linear de tamanho L = 2l. Para z < 0 obviamente o
campo ser´a nulo.
Da an´alise dos resultados da sec¸c˜ao anterior podemos afirmar que, para qualquer monopolo
Z
in
(monopolo) =
1
2
Z
in
(dipolo) (6.12)
e
D(monopolo) = 2D(dipolo) (6.13)
Tomemos como exemplo um monopolo de λ/4. Pelo descrito anteriormente, o comporta-
mento deste monopolo pode ser obtido a partir do conhecimento do comportamento do dipolo
de λ/2. Assumindo que um dipolo cil´ındrico de λ/2 apresenta uma impedˆancia de entrada de
Z
in
(dipolo de λ/2) = 73 +j42.5Ω (6.14)
6.1 Reflector plano 107
0 0.5 1 1.5 2 2.5 3
3
3.5
4
4.5
5
5.5
6
6.5
7
h [λ]
D
i
r
e
c
t
i
v
i
d
a
d
e
(a)
0 0.5 1 1.5 2 2.5 3
0.25
0.3
0.35
0.4
0.45
0.5
0.55
0.6
0.65
h [λ]
R
e
s
i
s
t
e
n
c
i
a

d
e

r
a
d
i
a
ç
a
o
(b)
Figura 6.5: Directividade e Resistˆencia de Radia¸c˜ao de um dipolo de Hertz disposto na
vertical sobre um plano condutor perfeito
108 Antenas com reflector

Antena
real
Antena
imagem
Figura 6.6: Monopolo: esquema equivalente
ent˜ao a impedˆancia de entrada do monopolo ser´a
Z
in
(monopolo de λ/4) = 36.5 +j21.25 (6.15)
´
E tamb´em sabido que um dipolo de λ/2 tem um ganho de 1.643 (2.156dB) pelo que o
ganho do monopolo ser´a de 3.286 (5.156dB).
Dipolo de Hertz Horizontal
Consideremos agora um dipolo de Hertz disposto na horizontal a uma distˆancia h sobre um
plano conductor perfeito, tal como mostrado na figura 6.7. Na zona distante de radia¸c˜ao a
componente directa,
¯
E
d
η
, e a componente reflectida,
¯
E
r
η
, s˜ao dadas por
¯
E
d
θ
= j
ZβI
0
dl
4πr
1
e
−jβr
1
sinη
1
(6.16)
¯
E
r
θ
= −j
ZβI
0
dl
4πr
2
e
−jβr
2
sin η
2
(6.17)
Como estamos a considerar apenas a zona distante de radia¸c˜ao podemos admitir que
η
1
= η
2
= η
r
1
= r
2
para os termos da amplitude
r
1
= r −hcos θ para os termos da fase
r
2
= r +hcos θ para os termos da fase
Relembrando que sinη =

1 −sin
2
θ sin
2
φ, o campo total acima do plano reflector ser´a
ent˜ao dado pela soma da componente directa e da componente reflectida, ou seja
¯
E
θ
= j
ZβI
0
dl
4πr
e
−jβr

1 −sin
2
θ sin
2
φ[2j sin(βhcos θ)] z ≥ 0
¯
E
θ
= 0 z < 0
(6.18)
6.1 Reflector plano 109

Figura 6.7: Teoria das imagens para o caso particular de uma antena com polariza¸c˜ao hori-
zontal
Mais uma vez o campo total ´e dado pela multiplica¸ c˜ao do campo da fonte isolada pelo
factor de agregado. Na figura 6.8 ´e mostrado o diagrama de radia¸c˜ao obtido para v´arias
distˆancias h entre o dipolo e o plano reflector e para φ = π/2. Pode verificar-se que existe um
refor¸co do campo radiado na direc¸c˜ao de m´axima radia¸c˜ao do dipolo isolado sempre que a
distˆancia entre o dipolo e o plano reflector for dada por mλ/4 com m´ımpar. Isto ´e expect´avel
porque uma onda que parte do dipolo ao direc¸c˜ao ao plano reflector e ´e reflectida, quando
torna ao ponto onde se encontre o dipolo sofreu uma desfasamento de percurso de 4πh e
na reflex˜ao sofreu ainda um desfasamento adicional de π. Para que o campo reflectido se
some em fase com o campo emitido ent˜ao o espa¸camento tem de obedecer a express˜ao acima
enunciada. Relativamente aos lobos secund´arios tamb´em se verifica o aparecimento destes
quando h > λ/4 e aumento do seu n´ umero e intensidade `a medida que a distˆancia h aumenta.
Seguindo um procedimento idˆentico ao seguido no caso do dipolo vertical pode demonstrar-
se que a potˆencia radiada vale
P
rad
= Z
π
2

I
0
l
λ

2
¸
2
3

sin(2βh)
(2βh)

cos(2βh)
(2βh)
2
+
sin(2βh)
(2βh)
3

(6.19)
a resistˆencia de radia¸c˜ao ´e dada por
R
rad
= Zπ

l
λ

2
¸
2
3

sin(2βh)
(2βh)

cos(2βh)
(2βh)
2
+
sin(2βh)
(2βh)
3

(6.20)
e para a intensidade de radia¸c˜ao vem
U =
Z
2

I
0
l
λ

2
(1 −sin
2
θ sin
2
φ) sin
2
(βhcos θ)

(6.21)
110 Antenas com reflector
90
60
30
0
−30
−60
−90
−120
−150
180
150
120
0.2
0.4
0.6
0.8
1.0
(a) h = 0.25λ
90
60
30
0
−30
−60
−90
−120
−150
180
150
120
0.2
0.4
0.6
0.8
1.0
(b) h = 0.4λ
90
60
30
0
−30
−60
−90
−120
−150
180
150
120
0.2
0.4
0.6
0.8
1.0
(c) h = 0.5λ
90
60
30
0
−30
−60
−90
−120
−150
180
150
120
0.2
0.4
0.6
0.8
1.0
(d) h = 0.75λ
Figura 6.8: Diagrama de radia¸c˜ao normalizado na zona distante de radia¸c˜ao de um dipolo de
Hertz disposto na horizontal relativamente ao um plano reflector perfeito.
6.2 Reflector parab´olico 111
cujo valor m´aximo depende do valor de βh e ´e dado por
U
max
=

Z
2

I
0
l
λ

2
sin
2
(βh) β ≤ π/2 (θ
max
= 0)
Z
2

I
0
l
λ

2
β > π/2 (θ
max
= cos
−1
(π/2βh))
(6.22)
resultando para a directividade m´axima
D
max
=

4 sin
2
(βh)
R(βh)
β ≤ π/2
4
R(βh)
β > π/2
(6.23)
onde
R(βh) =
¸
2
3

sin(2βh)
(2βh)

cos(2βh)
(2βh)
2
+
sin(2βh)
(2βh)
3

(6.24)
Os andamentos da directividade e da resistˆencia de radia¸c˜ao s˜ao mostrados na figura 6.9.
Tamb´em aqui se verifica que `a medida que o dipolo se afasta do plano reflector a directividade
tende para 6 e quando βh → 0 a directividade tende para 7.5. No entanto, quando βh = 0,
a resistˆencia de radia¸c˜ao ´e nula o que quer dizer que n˜ao existe radia¸c˜ao. Isto explica-se pelo
facto de a antena ficar curto-circuitada quando h = 0.
Relativamente `a resistˆencia de radia¸c˜ao, tamb´em se verifica que o valor que se obtˆem
quando βh → ∞ ´e o mesmo que se obtˆem para o dipolo isolado e que esta apresenta um
comportamento oscilat´orio quando βh →0.
6.2 Reflector parab´olico
A directividade de uma antena pode ainda ser aumentada se forem utilizados reflectores com
formas especiais. Uma dessas formas ´e o reflector parab´olico, cujo princ´ıpio de funcionamento
´e muito simples e ilustrado na figura 6.10.
Todos os raios que incidam no reflector segundo uma direc¸c˜ao paralela ao seu eixo de
simetria ser˜ao reflectidos e v˜ao convergir para um ´ unico ponto, denominado de foco. De igual
modo, todos os raios que partam do foco em direc¸c˜ ao ao reflector parab´olico ser˜ao reflectidos
por este e ir˜ao partir todos paralelamente uns aos outros. Adicionalmente, a estrutura garante
que todos raios partem da boca da antena em fase e, para uma onda plana que chegue `a boca
da antena, todos os raios chegam com a mesma fase ao foco, interferindo positivamente.
112 Antenas com reflector
0 0.5 1 1.5 2 2.5 3
4
4.5
5
5.5
6
6.5
7
7.5
h [λ]
D
i
r
e
c
t
i
v
i
d
a
d
e
(a)
0 0.5 1 1.5 2 2.5 3
0
0.1
0.2
0.3
0.4
0.5
0.6
0.7
0.8
0.9
h [λ]
R
e
s
i
s
t
e
n
c
i
a

d
e

r
a
d
i
a
ç
a
o
(b)
Figura 6.9: Directividade e Resistˆencia de Radia¸c˜ao de um dipolo de Hertz disposto na
horizontal sobre um plano condutor perfeito
6.2 Reflector parab´olico 113
Figura 6.10: Principio de funcionamento de um reflector parab´olico
6.2.1 Geometria
As caracter´ısticas geom´etricas da par´abola s˜ao mostradas na figura 6.11. Importa para j´a
definir alguns termos
f - distˆancia focal
d - diˆametro
θ
0
- semi-abertura
Tendo com referˆencia a figura 6.11, para que esta geometria garanta a propriedade enun-
ciada anteriormente relativa `a fase, ´e necess´ario que se verifique a seguinte rela¸c˜ao
OP +PQ = 2f (6.25)
Como
OP = r

(6.26)
PQ = r

cos θ

(6.27)
resulta
r

+r

cos θ

= 2f (6.28)
ou seja
r

=
2f
1 + cos θ

= f sec
2

θ

2

(6.29)
Como o parabol´oide ´e obtido por rota¸c˜ao da par´abola em torno do seu eixo, ent˜ao 6.29
tamb´em representa a equa¸c˜ao de um parabol´oide, uma vez que, dada a simetria da rota¸c˜ao, o
114 Antenas com reflector
.
j
.
u
'
.
u
]
C
C
1
:
u
:' J
Figura 6.11: Geometria de um reflector parab´olico
resultado ser´a independente de φ

. A equa¸c˜ao 6.29 pode tamb´em ser escrita em coordenadas
cartesianas obtendo-se
r

+r

cos θ

=

(x

)
2
+ (y

)
2
+ (z

)
2
+z

= 2f (6.30)
ou
(x

)
2
+ (y

)
2
= 4f(f −z

) (6.31)
Comparando 6.31 com
z = ax
2
+by
2
+c (6.32)
que ´e a equa¸c˜ao que representa um parabol´oide de revolu¸ c˜ao em torno do eixo Oz, ent˜ao 6.31
representa de facto um parabol´oide de revolu¸c˜ao.
A semi-abertura do parabol´oide ´e tamb´em um parˆametro muito importante porque est´a
directamente relacionado com a directividade do elemento radiante a colocar no foco. Anal-
isando a figura 6.11 facilmente se conclui que
θ
0
= tan
−1

d/2
z
0

(6.33)
onde z
0
´e dado por
z
0
= f −
x
2
0
+y
2
0
4f
= f −
d
2
16f
(6.34)
6.2 Reflector parab´olico 115
−1 −0.5 0 0.5 1 1.5
−0.5
−0.4
−0.3
−0.2
−0.1
0
0.1
0.2
0.3
0.4
0.5
z/f
y
/
d
f/d=1/2
f/d=1/3
f/d=1/4
foco
Figura 6.12: Exemplo de reflectores parab´olicos para diferentes rela¸c˜oes f/d
Utilizando 6.34 em 6.33 pode-se obter a semi-abertura a partir exclusivamente da distˆancia
focal e do diˆametro, obtendo-se
θ
0
= tan
−1

d/2
f −d
2
/(16f)

= tan
−1

0.5(f/d)
(f/d)
2
−(1/16)

(6.35)
Na figura 6.12 s˜ao mostradas v´arias par´abolas com diferentes rela¸c˜oes f/d. Como se pode
observar, quanto maior for a distˆancia do foco ao v´ertice da par´abola mais suave se torna a
curvatura desta. Por outro lado a abertura necess´aria para iluminar todo o plano reflector
´e menor, ou seja, o elemento radiante colocado no foco ter´a de ser mais directivo. Quanto
mais afastado ficar o foco do v´ertice mais complicado ser´a o sistema de alimenta¸ c˜ao pois ser´a
necess´ario utilizar um maior comprimento de guia ou cabo para atingir o foco da antena, o
que aumenta a obstru¸c˜ao `a onda radiada ou recebida.
6.2.2 Rendimento e Directividade
´
E poss´ıvel demonstrar que a directividade de um reflector parab´olico ´e dada por
D =

πd
λ

2

cot
2

θ
0
2

θ
0
0

D
f

) tan

θ

2

2

(6.36)
onde D
f

) representa a directividade da fonte utilizada no foco.
Admitamos que a ´area efectiva A
e
de uma antena parab´olica se pode obter a partir da ´area
da boca A
b
da mesma atrav´es de uma factor multiplicativo, a que chamaremos rendimento
116 Antenas com reflector
de abertura e simbolizaremos por η
ab
, ou seja
A
e
= η
ab
A
b
(6.37)
Como a ´area da boca ´e dada por
A
b
= πr
2
=
πd
2
4
(6.38)
ent˜ao
A
e
= η
ab
πd
2
4
(6.39)
Por outro lado, no cap´ıtulo sobre parˆametros fundamentais vimos que a directividade e a
´area efectiva se relacionam atrav´es de
A
e
=
λ
2

D (6.40)
Assim, igualando 6.39 a 6.40 resulta
D =

πd
λ

2
η
ab
(6.41)
Uma compara¸c˜ao entre esta equa¸c˜ao e 6.36 revela que o factor η
ab
´e dado por
η
ab
= cot
2

θ
0
2

θ
0
0

D
f

) tan

θ

2

2
(6.42)
Note-se que este factor depende apenas do diagrama de radia¸c˜ao do elemento utilizado
no foco e do semi-ˆangulo de abertura θ
0
(ou seja, da rela¸c˜ao f/d), e portanto, contabiliza
apenas a influˆencia da forma como o parabol´oide ´e iluminado. Se a fase e amplitude do
campo na boca da par´abola fossem uniformes ent˜ao o rendimento de abertura seria unit´ario.
Apesar da uniformidade da fase ser garantida pela geometria do parabol´oide a uniformidade
da amplitude j´a n˜ao o ´e, devido quer `a diferente intensidade de radia¸c˜ao do elemento no foco
para cada direc¸c˜ao θ

, quer `as diferen¸cas de percurso entre o foco e cada ponto na superf´ıcie
da par´abola. Al´em disto, poder´a existir campo radiado que n˜ao intersecte o parabol´oide e
acabe por se perder - facto denominado de spillover.
Assim , contabilizando atrav´es de η
s
o efeito do spillover e por η
i
o efeito da ilumina¸c˜ao
do parabol´oide ent˜ao podemos escrever
η
ab
= η
s
η
i
(6.43)
Existem ainda outros factores que podem fazer diminuir ainda mais o rendimento de
radia¸c˜ao e que n˜ao foram contabilizados
6.2 Reflector parab´olico 117
η
b
- Bloqueamento provocado pelo elemento no foco e pelos guias
η
p
- N˜ao uniformidade de polariza¸c˜ao da onda
η
r
- Rugosidade da superf´ıcie reflectora
η
f
- N˜ao uniformidade da fase na boca da antena
Finalmente, recorde-se que se assumiu que quer o elemento colocado no foco quer o pr´oprio
reflector n˜ao tˆem perdas. Na realidade tal n˜ao ´e verdade pelo que o rendimento total ser´a
ent˜ao dado por
η = η
s
η
i
η
b
η
p
η
r
η
f
η
e
rad
η
r
rad
(6.44)
onde
η
e
rad
- Rendimento de radia¸c˜ao do elemento radiante
η
r
rad
- Rendimento de radia¸c˜ao do reflector
Tipicamente, para um reflector parabol´oide alimentado por uma corneta devidamente
dimensionada, o rendimento total encontra-se no intervalo 0.5 < η < 0.6 e a largura de feixe
a -3dB pode ser obtida por
θ
−3dB
≈ 70
λ
d
(6.45)
6.2.3 Polariza¸c˜ao cruzada
Admitamos que a fonte que ilumina o reflector tem uma polariza¸c˜ao linear segundo Oy. O
campo ir´a ser enviado em direc¸c˜ao ao parabol´oide e ser´a reflectido. Mostra-se na figura 6.13 a
polariza¸c˜ao do campo reflectido. Como se pode observar, apesar a fonte ter uma polariza¸c˜ao
linear a polariza¸c˜ao do campo reflectido varia conforme a direc¸c˜ao considerada, sendo que s´o
apresenta uma polariza¸c˜ao linear segundo Oy para x = 0 ou y = 0. Este fen´omeno (al´em
de introduzir uma perda adicional j´a contabilizado pelo factor η
p
) ´e de especial importˆancia
quando se usa multiplexagem de polariza¸c˜ao (dois canais s˜ao transmitidos em simultˆaneo e
na mesma frequˆencia mas utilizando polariza¸c˜oes ortogonais) uma vez que a despolariza¸c˜ao
da onda no reflector vai introduzir interferˆencia entre os dois canais.
6.2.4 Outras configura¸c˜oes
A configura¸c˜ao anterior, por ter o elemento radiante colocado no foco do parabol´oide ´e denom-
inada de alimenta¸ c˜ao por foco prim´ario ou alimenta¸c˜ao frontal. Este montagem tem alguns
inconvenientes: o elemento radiante bem como a linha de alimenta¸c˜ao deste bloqueiam al-
guma da energia que seria radiada e o comprimento necess´ario ´e muitas vezes exagerado,
em especial para aplica¸c˜oes em que o ru´ıdo ´e um factor importante. Para eliminar estes
inconvenientes existem outras configura¸c˜oes de reflectores parab´olicos.
118 Antenas com reflector

Figura 6.13: Polariza¸c˜ao da onda radiada pelo reflector parab´olico
Offset
A configura¸c˜ao em Offset utiliza apenas uma parte do reflector parab´olico tal como mostrado
na figura 6.14(a). Esta montagem tem como principais vantagens o facto de n˜ao existir
bloqueamento pelo alimentador nem pelos cabos e de reduzir a onda estacion´aria que se
forma no interior do guia que alimenta o reflector devido `a energia que ´e reflectida para o
interior deste.
Cassegrain
A configura¸c˜ao Cassegrain, mostrada na figura 6.14(b), utiliza dois reflectores, em que o
reflector principal ´e parab´olico e o auxiliar ´e hiperb´olico. Quando o eixo dos focos de ambos
os reflectores coincide, ent˜ao as propriedades do reflector parab´olico com alimenta¸ c˜ao frontal
mantˆem-se. Esta configura¸c˜ao ´e especialmente ´ util quando ´e necess´ario minimizar o tamanho
do cabo entre o alimentador da antena e o restante equipamento de recep¸c˜ao.
6.2 Reflector parab´olico 119
(a) Configura¸c˜ ao Offset
íonte
real
íonte
·irtual
(b) Configura¸c˜ao Cassegrain
Figura 6.14: Outras configura¸c˜oes de reflectores parab´olicos
120 Antenas com reflector
Cap´ıtulo 7
Antenas Microstrip
7.1 Introdu¸c˜ao
A ideia de uma antena impressa remonta `a d´ecada de 50, quando, em 1953, Dechamps efectuou
a primeira publica¸c˜ao sobre este tema. No entanto, s´o nos ´ ultimos 20 anos ´e que se deu in´ıcio
a uma investiga¸ c˜ao mais s´eria e generalizada, levada a cabo por investigadores ligados quer
ao sector acad´emico quer ao industrial. Devido `as suas caracter´ısticas, este tipo de antenas
´e especialmente adequado para uso em aeron´autica, sat´elites e m´ısseis. No entanto, o seu
uso come¸ca a ser estendido a aplica¸c˜oes mais comerciais, como comunica¸ c˜oes m´oveis, difus˜ao,
WLAN’s, GPS, etc.
Estas antenas apresentam um conjunto de vantagens que as tornam num dos tipos de
mais populares. Quando comparadas com as restantes, s˜ao bastante mais pequenas, leves
e adapt´aveis a qualquer superf´ıcie, o que as torna interessantes para aplica¸c˜oes onde peso
e espa¸co s˜ao factores importantes. O seu processo de fabrico ´e extremamente simples, uma
vez que ´e o mesmo utilizado na constru¸c˜ao de circuitos impressos, o que tamb´em torna a
sua integra¸c˜ao com elementos discretos bastante mais simples. Apesar do pre¸co de alguns
substratos ser elevado, o custo total de desenvolvimento e constru¸c˜ao ´e baixo. Apresentam
tamb´em uma grande versatilidade quanto `a forma de funcionamento, pois permitem obter
diferentes polariza¸c˜oes, diagramas de radia¸c˜ao e impedˆancias de entrada, suportando os mais
variados processos de alimenta¸ c˜ao.
Relativamente `as suas desvantagens, quando funcionam como elemento isolado apresentam
uma baixa directividade, que se encontra no intervalo 5dB a 10dB, e uma largura de banda
reduzida, muitas vezes de 2%, podendo chegar a valores mais altos, na ordem dos 15%.
Possuem uma baixa rela¸c˜ao entre polariza¸c˜oes cruzadas e n˜ao suportam potˆencias muito
elevadas. Existem, no entanto, t´ecnicas para eliminar ou reduzir alguns destes defeitos, que
passam pelo agrupamento em agregados ou estruturas multi-camada. As caracter´ısticas da
122 Antenas Microstrip
(amada metalica plano de massa,
(amada dieléctrica
(amada metalica
Figura 7.1: Exemplo de uma estrutura impressa do tipo microstrip
antena dependem fortemente do tipo de substrato utilizado (constante diel´ectrica e espessura).
Esta dependˆencia torna-se uma desvantagem, uma vez que a constante diel´ectrica nem sempre
´e bem conhecida e as tolerˆancias fornecidas pelos fabricantes s˜ao inadequadas, apresentando
uma dependˆencia com a frequˆencia e a temperatura. Quando se pretende utilizar estas antenas
em altas frequˆencias surgem problemas mecˆanicos quer na constru¸c˜ao da antena quer na
integra¸c˜ao de elementos discretos, devido `as reduzidas dimens˜oes que a antena toma e que se
tornam compar´aveis `as dimens˜oes desses elementos e das soldaduras.
7.2 Estruturas impressas
Uma estrutura impressa do tipo microstrip ´e constitu´ıda por uma camada de um substrato
diel´ectrico coberto por material condutor em ambos os lados. Tipicamente, um dos lados ´e
totalmente preenchido pelo material condutor, funcionando como plano de massa, enquanto
que o outro plano est´a apenas parcialmente preenchido pelo material condutor, funcionando
este como elemento radiante, tal como se mostra na figura 7.1. Opcionalmente, as estruturas
impressas poder˜ao conter elementos discretos, passivos ou activos, tais como resistˆencias,
bobinas ou condensadores ou ainda elementos semicondutores e circuitos integrados.
7.2.1 Ondas em estruturas impressas
Admitamos que numa estrutura impressa existe um elemento radiante, p.e. um dipolo de
Hertz (figura 7.2). O dipolo ir´a radiar em todas as direc¸c˜oes dando origem a quatro tipos de
ondas (espaciais, superficiais, de fuga e ondas guiadas) conforme a direc¸c˜ao considerada.
7.2 Estruturas impressas 123
Plano de massa
lonte
elementar
dieléctrico

Figura 7.2: Campo radiado por uma fonte elementar
(a) Ondas espaciais (b) Ondas guiadas
(c) Ondas superficiais (d) Ondas de fuga
Figura 7.3: Tipo de ondas suportadas em estruturas impressas
Ondas espaciais
As ondas espaciais (figura 7.3(a)) s˜ao aquelas que s˜ao transmitidas segundo um ˆangulo θ dado
por
0 < θ < π/2 (7.1)
Estas ondas s˜ao enviadas directamente para o espa¸co sem que interajam com qualquer
elemento pertencente `a estrutura. Este ´e o tipo de ondas que deve predominar quando se
pretende que a estrutura impressa seja uma estrutura radiante. Por outro lado, se o objectivo
for construir uma estrutura que guie a energia electromagn´etica ent˜ao este tipo de ondas deve
ser minimizada.
124 Antenas Microstrip
Ondas superficiais
As ondas superficiais (figura 7.3(c)) s˜ao aquelas que s˜ao radiadas pelo elemento na direc¸c˜ao
do substrato segundo um ˆangulo dado por
π/2 < θ < (π −φ) φ = sin
−1

1

ε
r

(7.2)
Estas ondas propagam-se em direc¸c˜ao ao plano de massa e s˜ao reflectidas por este. As
ondas reflectidas v˜ao incidir na superf´ıcie superior onde tornam a ser reflectidas em direc¸c˜ao
ao plano de massa. As duas reflex˜oes referidas s˜ao reflex˜oes totais: por um lado, o plano
de massa ´e considerado um plano condutor perfeito e por outro, a reflex˜ao na superf´ıcie
diel´ectrica ´e feita segundo um ˆangulo de incidˆencia que est´a dentro do ˆangulo limite para a
condi¸c˜ao de reflex˜ao total (produzindo um efeito idˆentico a uma fibra ´optica). Como a energia
transportada por estas ondas fica presa na estrutura este tipo de ondas contribui para uma
redu¸c˜ao da energia radiada pelo que devem ser minimizadas.
As ondas que atingem o extremo do diel´ectrico s˜ao reflectidas e difractadas podendo
provocar uma degrada¸c˜ao do diagrama de radia¸c˜ao, nomeadamente dando origem a lobos
secund´arios. Finalmente, outro efeito negativo deste tipo de ondas ´e o acoplamento que
provocam entre v´arios elementos que possam existir no circuito.
Ondas de fuga
As ondas de fuga, figura 7.3(d), tal como as ondas superficiais, s˜ao ondas que s˜ao radiadas
pelo elemento radiante na direc¸c˜ao do substrato, mas agora segundo um ˆangulo definido por
(π −φ) < θ < π φ = sin
−1

1

ε
r

(7.3)
As ondas de fuga s˜ao reflectidas no plano de massa em direc¸c˜ao `a superf´ıcie diel´ectrica.
Como para estas ondas o ˆangulo de incidˆencia na interface diel´ectrico-ar est´a fora do ˆangulo
limite para reflex˜ao total, h´a uma parte da energia associada `a onda que ´e reflectida e outra
que ´e transmitida para o espa¸co livre, podendo contribuir para um aumento a energia radiada.
Em estruturas mais complexas com v´arias camadas, este tipo de ondas pode ser utilizado para
provocar um acoplamento entre estas.
Ondas guiadas
Se na constru¸c˜ao da antena for colocado um plano condutor no mesmo plano onde se encontra
a antena, tal como mostrado na figura 7.3(b), ´e criada uma estrutura do tipo guia de onda
de planos paralelos. Este tipo de ondas fazem parte do funcionamento normal das linhas
7.3 Antenas impressas 125
de transmiss˜ao. Quando se pretende utilizar as estruturas impressas para fazer linhas de
transmiss˜ao, a maior parte da energia deve estar associada `as ondas guiadas.
7.2.2 Diel´ectrico e camadas condutoras
O substrato diel´ectrico tem duas funcionalidades: por um lado serve de suporte f´ısico `a
estrutura e por outro est´a directamente ligado ao seu modo de funcionamento. Dependendo
do tipo de substrato, a estrutura pode ter caracter´ısticas predominantemente de radia¸c˜ao ou
de transmiss˜ao.
Se o objectivo da estrutura impressa for a transmiss˜ao de energia electromagn´etica ent˜ao
as perdas por radia¸c˜ao devem ser minimizadas (isto ´e, deve minimizar o efeito das ondas
espaciais). Para tal, o diel´ectrico deve ter uma espessura baixa e uma constante diel´ectrica
alta de modo ao campo ficar o mais concentrado poss´ıvel entre a linha condutora e o plano
de massa.
No caso de se pretender que a estrutura funcione como antena, o substrato deve ser tal
que a estrutura funcione como bom elemento radiante. Para tal, o substrato deve ter maiores
espessuras e constantes diel´ectricas baixas.
Actualmente, existe no mercado uma grande variedade de substratos previamente metal-
izados em ambas as faces, apresentando diversas espessuras e constantes diel´ectricas.
De um modo geral, uma estrutura impressa ´e composta apenas por duas faces condutoras
que envolvem o substrato diel´ectrico. No entanto, podem existir estruturas em camadas
m´ ultiplas compostas pela sobreposi¸c˜ao de estruturas metal/diel´ectrico.
7.3 Antenas impressas
7.3.1 Tipos de alimenta¸c˜ao
Alimenta¸c˜ao por Linha de Transmiss˜ao
A forma mais simples de alimentar uma antena do tipo microstrip ´e atrav´es de uma linha de
transmiss˜ao directamente ligada a um dos bordos da antena. Adicionalmente, pode-se abrir
uma pequena reentrˆancia de modo a que a alimenta¸c˜ao seja feita num ponto mais interior
da antena, 7.4(a), conseguindo-se assim valores diferentes de impedˆancia de entrada. Este
m´etodo permite muitas vezes efectuar a adapta¸c˜ao imediata `a linha de alimenta¸ c˜ao.
A alimenta¸ c˜ao por linha de transmiss˜ao tem como inconveniente o facto do tipo tipo de
substrato necess´ario para um bom funcionamento da linha de transmiss˜ao ser o oposto do
tipo de substrato necess´ario para o bom funcionamento da antena.Assim, numa alimenta¸c˜ao
deste tipo, dever´a existir um compromisso na escolha do substrato. Por outro lado, como a
126 Antenas Microstrip
(a) Linha impressa (b) Acoplamento
(c) Cabo Coaxial

Plano de massa
Linha de alimentacao

(d) Linha enterrada
`

Plano de massa
Linha de alimentacao
lenda
(e) Fenda
Figura 7.4: Tipo de alimenta¸ c˜ao de antenas microstrip
7.3 Antenas impressas 127
linha de transmiss˜ao fica no mesmo plano da antena vai existir uma degrada¸c˜ao do diagrama
de radia¸c˜ao devido a alguma radia¸c˜ao proveniente da linha.
Alimenta¸c˜ao por Cabo Coaxial
A alimenta¸c˜ao por cabo coaxial ´e uma forma de fugir ao compromisso anterior j´a que o cabo
n˜ao est´a dependente do substrato utilizado. Neste tipo de alimenta¸ c˜ao, o condutor central
do cabo atravessa o diel´ectrico, ligando-se ao elemento radiante num ponto que garante a
adapta¸c˜ao entre a impedˆancia do cabo e a do elemento. Como a alimenta¸ c˜ao ´e feita pelo
lado oposto do plano onde se encontra o elemento radiante e o cabo n˜ao radia, n˜ao existe
degrada¸c˜ao do diagrama de radia¸c˜ao. Este tipo de alimenta¸c˜ao tem como inconveniente o
facto de, para frequˆencias mais elevadas, o desempenho do cabo coaxial se degradar e o efeito
provocado pelo contacto entre o cabo e o elemento radiante poder prejudicar o diagrama de
radia¸c˜ao. Por outro lado, existe um aumento da complexidade mecˆanica devido ao acomoda-
mento do cabo `a estrutura.
Alimenta¸c˜ao por Acoplamento
A alimenta¸c˜ao por acoplamento ´e um processo idˆentico `a alimenta¸ c˜ao por linha de trans-
miss˜ao, diferindo desta por n˜ao existir contacto f´ısico entre a linha de transmiss˜ao e o ele-
mento radiante uma vez que o acoplamento entre estes ´e electromagn´etico. Esta t´ecnica sofre
dos mesmos problemas que a t´ecnica de alimenta¸c˜ao por linha de transmiss˜ao, mas tem a van-
tagem de possibilitar a alimenta¸ c˜ao de v´arios elementos com uma ´ unica linha de alimenta¸ c˜ao,
caso se tenha um agregado.
Alimenta¸c˜ao por Linha Enterrada
Esta ´e tamb´em uma t´ecnica de alimenta¸c˜ao por acoplamento, mas na qual a linha de ali-
menta¸c˜ao est´a posicionada entre dois substratos diel´ectricos. Usando um substrato fino e de
constante diel´ectrica elevada entre a linha de alimenta¸c˜ao e o plano de massa favorece-se a
propaga¸c˜ao guiada, enquanto que o substrato associado ao elemento radiante ´e mais grosso e
de constante diel´ectrica baixa, favorecendo a radia¸c˜ao. Esta estrutura ´e mais dif´ıcil de con-
struir e de analisar, j´a que os modelos para uma s´o camada de substrato n˜ao s˜ao aplic´aveis.
Uma vez que a linha de alimenta¸ c˜ao n˜ao se encontra a aberto ´e mais dif´ıcil a sua a liga¸c˜ao a
elementos discretos.
128 Antenas Microstrip
Plano de massa
antena
dieléctrico
dieléctrico
circuito
íim de
circuito
íim de
metal
metal
ar

Figura 7.5: Estrutura radiante: exemplifica¸c˜ao da n˜ao homogeneidade
Alimenta¸c˜ao por Fenda
Na alimenta¸c˜ao por fenda s˜ao tamb´em utilizados dois substratos diel´ectricos mas com um
plano de massa entre eles. Ao substrato fino e de constante diel´ectrica alta fica associada a
linha de alimenta¸ c˜ao enquanto que ao substrato mais grosso e de constante diel´ectrica baixa
fica associado o elemento radiante. Deste modo e de forma independente podem ser satisfeitas
as necessidades de transmiss˜ao e radia¸c˜ao e j´a ´e poss´ıvel a liga¸c˜ao da linha de alimenta¸c˜ao a
elementos discretos. Para haver acoplamento electromagn´etico entre a linha de transmiss˜ao
e o elemento radiante ´e feita uma fenda no plano de massa. O processo de fabrico desta
t´ecnica ´e bastante mais complexo e o alinhamento preciso entre a fenda, linha de alimenta¸c˜ao
e elemento radiante tamb´em ´e mais dif´ıcil, mas permite uma adapta¸c˜ao imediata da linha ao
elemento radiante. Por outro lado, devido `a existˆencia da fenda, existe alguma radia¸c˜ao para
tr´as, o que aumenta a energia radiada em direc¸c˜oes indesejadas.
7.3.2 M´etodos de an´alise
Ao contr´ario das antenas mais elementares (dipolo de Hertz , antena linear, etc.), n˜ao ´e
poss´ıvel efectuar o estudo das antenas impressas de um modo simples a partir das equa¸c˜oes
de Maxwell, devido ao facto da estrutura n˜ao ser homog´enea, tal como ´e exemplificado na
figura 7.5. S˜ao utilizados por isso v´arios m´etodos aproximados de an´alise que permitem
estimar v´arios parˆametros da antena e obter o seu desempenho. Estes m´etodos de an´alise
dividem-se em dois grupos principais:
1. Modelos baseados em estruturas f´ısicas j´a conhecidas, `as quais est˜ao associadas an´alises
matem´aticas simples. Deste grupo, s˜ao exemplo o M´etodo da Linha de Transmiss˜ao
e o M´etodo da Cavidade. Estes m´etodos n˜ao s˜ao muito precisos na caracteriza¸c˜ao
da estrutura mas permitem, atrav´es de express˜oes simples, uma primeira aproxima¸ c˜ao
ao projecto da antena e um boa compreens˜ao do princ´ıpio f´ısico de funcionamento da
7.3 Antenas impressas 129

íenda radiante

íendas radiantes

Figura 7.6: Geometria da antena microstrip rectangular e das fendas radiantes
mesma.
2. Modelos de an´alise de onda completa, que se baseiam em m´etodos num´ericos para re-
solver as equa¸c˜oes de Maxwell aplicadas `a estrutura em estudo. Deste grupo s˜ao exemplo
o M´etodo dos Momentos (MoM), M´etodo das Diferen¸cas Finitas (FDTD) e o M´etodo
dos Elementos Finitos (FEM). Estes m´etodos tˆem alguma complexidade matem´atica
pelo que s˜ao utilizados apenas por simuladores electromagn´eticos e produzem resultados
muito mais pr´oximos da realidade que os resultados obtidos pelos m´etodos anteriores.
7.3.3 M´etodo da linha de transmiss˜ao
Este m´etodo ´e extremamente simples e com uma complexidade matem´atica baixa. Apresenta
rigor suficiente na estimativa da impedˆancia de entrada e da frequˆencia de trabalho em fun¸c˜ao
das dimens˜oes da antena, da constante diel´ectrica do substrato e do ponto de alimenta¸c˜ao.
No entanto, tem o inconveniente de s´o se poder aplicar a estruturas rectangulares.
Como ´e demonstrado pelo m´etodo da cavidade, uma antena impressa rectangular pode
ser representada como sendo um agregado de duas fendas radiantes estreitas e paralelas, de
comprimento W e largura h, separados de uma distˆancia L, tal como mostrado na na figura
7.6. Este m´etodo modela a antena como sendo dada pelas duas fendas separadas por uma
linha de transmiss˜ao de comprimento L e de impedˆancia caracter´ıstica Z
c
.
O campo nos bordos da estrutura apresenta linhas de for¸ca fora da estrutura radiante
devido ao facto desta ter um comprimento finito (figura 7.7). Estas fugas, que dependem
de L, W, h e ε
r
e da frequˆencia, fazem com que o tamanho el´ectrico da estrutura seja
ligeiramente superior ao tamanho f´ısico. Assim, este modelo introduz o conceito de ε
ref
, W
ef
e L
ef
, respectivamente, constante diel´ectrica efectiva, largura efectiva e comprimento efectivo.
130 Antenas Microstrip

Figura 7.7: Linhas de for¸ca do campo em estruturas impressas
Constante diel´ectrica efectiva
O parˆametro ε
ref
´e introduzido devido ao facto da estrutura radiante estar inserida num meio
n˜ao homog´eneo, composto pelo substrato numa das faces e ar na outra, existindo linhas de
campo que percorrem estes dois meios. Assim, por defini¸c˜ao, ε
ref
´e o valor da constante
diel´ectrica relativa de tal modo que a estrutura real imersa num meio n˜ao homog´eneo tenha o
mesmo comportamento que a estrutura imersa num meio homog´eneo de constante diel´ectrica
dada por ε
ref
.
Quanto mais baixo for o valor de ε
r
, maior ´e a proximidade entre os valores de ε
r
e
ε
ref
. Para valores de frequˆencia baixos, at´e valores pr´oximos de 10GHz, o valor de ε
ref
´e
praticamente constante e dado por
ε
ref
=
ε
r
+ 1
2
+
ε
r
−1
2

1 + 12
h
W

−1/2
(7.4)
`
A medida que a frequˆencia aumenta, o campo el´ectrico tende a concentrar-se debaixo da
estrutura, pelo que, nestas condi¸c˜oes, o valor de ε
ref
tamb´em se vai aproximar do valor de ε
r
.
Frequˆencia de ressonˆancia
O m´etodo da cavidade revela tamb´em que a estrutura poder´a ter v´arios modos de funciona-
mento sendo que, para o modo principal (modo TM
x
010
), a frequˆencia de ressonˆancia ´e dada
por
f
r
=
c
2L

ε
r
(7.5)
Assim, o comprimento L seria escolhido de modo a que a estrutura verificasse
L =
λ
d
2
=
λ
0
2

ε
r
(7.6)
No entanto este m´etodo n˜ao considera a presen¸ca das linhas de campo de fuga, pelo que,
para introduzir este efeito, ´e necess´ario corrigir a express˜ao anterior para
f
r
=
c
2L
ef

ε
ref
(7.7)
7.3 Antenas impressas 131

Figura 7.8: Fenda infinita num plano condutor perfeito e infinito
Assim a dimens˜ao L real dever´a ser dada por
L = L
ef
−2∆L (7.8)
onde ∆L corresponde ao aumento do tamanho real da antena devido `as fugas de campo, e
pode ser obtido em fun¸c˜ao das restantes vari´aveis atrav´es de
∆L = 0.412h

ref
+ 0.3)

W
h
+ 0.264


ref
−0.258)

W
h
+ 0.8
(7.9)
Impedˆancia de entrada
Pode-se demonstrar que uma fenda infinita num plano condutor perfeito, tal como mostrado
na figura 7.8, e com h << λ tem uma admitˆancia por unidade de comprimento dada por
Y = G+jB (7.10)
onde
G =
1
120λ
0
¸
1 −
1
24

0
h)
2

h << λ
0
B =
1
120λ
0
[1 −0.636 ln(β
0
h)] h << λ
0
(7.11)
Assim, numa por¸c˜ao da fenda de dimens˜ao W a admitˆancia total ser´a
G =
W
120λ
0
¸
1 −
1
24

0
h)
2

h < 0.1λ
0
B =
W
120λ
0
[1 −0.636 ln(β
0
h)] h < 0.1λ
0
(7.12)
132 Antenas Microstrip

Figura 7.9: Circuito equivalente da antena microstrip
Numa primeira aproxima¸ c˜ao admite-se que as fendas radiantes de uma antena impressa
tamb´em tˆem uma admitˆancia dada por 7.12, apesar da estrutura n˜ao ser exactamente a
mesma. O circuito equivalente da antena ´e mostrado na figura 7.9.
A admitˆancia total de entrada ´e dada pela admitˆancia da fenda de entrada somada com
a admitˆancia da fenda do extremo oposto transferida para a entrada. No modo dominante a
dimens˜ao L dever´a ser de λ
d
/2, no entanto, devido `a fuga do campo nos bordos da antena
a dimens˜ao L ser´a ligeiramente inferior a λ
d
/2, tipicamente 0.48λ
d
< L < 0.49λ
d
. Este
ligeiro encurtamento aliado ao facto de cada fenda apresentar quer a parte real que a parte
imagin´aria da admitˆancia baixa permite escrever
G
1
= G (7.13)
B
1
= B (7.14)
G
2
= G (7.15)
B
2
≈ −B (7.16)
pelo que a impedˆancia de entrada ser´a ent˜ao dada por
Z
in
=
1
2G
=
60λ
0
W
(7.17)
Esta express˜ao pode ser utilizada para obter uma primeira estimativa da impedˆancia da
antena. Como se pode verificar, a impedˆancia de entrada depende da dimens˜ao W, pelo que,
escolhendo a a largura da antena certa, ´e poss´ıvel obter a impedˆancia de entrada de modo a
garantir ou facilitar a adapta¸c˜ao `a linha de alimenta¸ c˜ao.
A impedˆancia de entrada pode ser obtida com mais rigor, mas ainda assim de um modo
aproximado, partindo da express˜ao do campo el´ectrico radiado pela antena. Utilizando, para o
campo radiado por cada fenda, a express˜ao obtida pelo m´etodo da cavidade, ent˜ao a potˆencia
7.3 Antenas impressas 133
radiada por cada fenda ser´a dada por
P
rad
=
[V
0
[
2
2πZ
0

π
0

sin

β
0
W
2
cos θ

cos θ
¸
¸
2
sin
3
θdθ (7.18)
onde [V
0
[ ´e a diferen¸ca de potencial na fenda.
A admitˆancia pode ent˜ao ser obtida atrav´es de
G =
2P
rad
[V
0
[
2
=
I
1
120π
2
(7.19)
onde
I =

π
0

sin

β
0
W
2
cos θ

cos θ
¸
¸
2
sin
3
θdθ (7.20)
= −2 + cos(X) +XS
i
(X) +
sin(X)
X
(7.21)
com
X = β
0
W (7.22)
resultando finalmente
G =
−2 + cos(β
0
W) +β
0
WS
i

0
W) +
sin(β
0
W)
β
0
W
120π
2
(7.23)
cujos valores assimpt´oticos s˜ao
G =

W
2
90λ
2
0
W << λ
0
W
120λ
0
W >> λ
0
(7.24)
donde se pode concluir que, no limite, os valores obtidos por este m´etodo tendem para os os
valores obtidos pelo m´etodo anterior.
Pelos mesmos motivos enunciados anteriormente temos ent˜ao que a impedˆancia de entrada
vale
Z
in
=
1
2G
=
60π
2
−2 + cos(β
0
W) +β
0
WS
i

0
W) +
1
β
0
W
sin(β
0
W)
(7.25)
Adapta¸c˜ao da antena
A impedˆancia da antena n˜ao depende s´o de W mas tamb´em do ponto, ao longo da distˆancia
L, onde ´e feita a alimenta¸ c˜ao, tal como se mostra na figura 7.10, quer para uma alimenta¸ c˜ao
134 Antenas Microstrip

Figura 7.10: Poss´ıvel esquema de adapta¸c˜ao directa entre a antena radiante e o gerador
0 0.2 0.4 0.6 0.8 1
0
0.1
0.2
0.3
0.4
0.5
0.6
0.7
0.8
0.9
1
y/L
Z
i
n

/

Z
i
n

y
=
0
Figura 7.11: Evolu¸ c˜ao da impedˆancia ao longo da dimens˜ao L
por linha de transmiss˜ao quer por coaxial. A impedˆancia de entrada em fun¸c˜ao de y pode ser
obtida aproximadamente pela seguinte express˜ao
Z
in
= cos
2

πy
L

Z
in
[
y=0
(7.26)
Na figura 7.11 ´e mostrado um gr´afico com a evolu¸c˜ao desta impedˆancia, `a medida que
se vai entrando na antena. Esta evolu¸c˜ao de impedˆancias justifica-se pelo facto de que, nos
bordos da antena, como estamos na presen¸ca de um circuito aberto, a impedˆancia vista nestes
pontos dever´a atingir o seu valor m´aximo. Por outro lado, como o centro da antena fica a
λ
d
/4 do bordo, obtemos um curto-circuito, onde a impedˆancia equivalente ser´a nula.
7.3.4 M´etodo da cavidade ressonante
Este m´etodo consiste em considerar a estrutura como sendo uma cavidade ressonante, tal como
mostrado na figura 7.12. Na constru¸c˜ao deste modelo parte-se dos seguintes pressupostos
7.3 Antenas impressas 135

Figura 7.12: Modela¸c˜ao da antena microstrip por uma cavidade
• As partes superior e inferior da cavidade podem ser modeladas por condutores el´ectricos
perfeitos.
• Assumindo que as fendas s˜ao circuitos abertos, ent˜ao n˜ao existe componente tangencial
de campo magn´etico sobre estas pelo que se podem modelar por condutores magn´eticos
perfeitos.
• A grande proximidade entre o elemento e o plano de massa faz com que o campo
de fuga seja bastante baixo e portanto o campo el´ectrico ´e praticamente normal ao
elemento impresso (segundo Ox). Isto leva a que se considerem apenas os modos TM
x
(Transversal Magn´etico `a direc¸c˜ao x).
• Devido `a baixa espessura do substrato existe uma forte atrac¸c˜ao entre as cargas no plano
de massa e no elemento impresso levando a que acorrente neste exista essencialmente
na sua parte inferior, podendo assumir-se que a corrente na parte superior do elemento
´e nula e portanto n˜ao existe radia¸c˜ao directa.
Frequˆencias de ressonˆancia
Resolvendo a equa¸c˜ao de onda para modos TM
x
dentro da cavidade e obrigando a que a
solu¸c˜ao desta obede¸ca `as condi¸c˜oes de fronteira impostas pela estrutura resulta que os campos
s˜ao dados por
¯
E
x
= −j

2
−β
2
x
)
ωµε
A
mnp
cos(β
x
x

) cos(β
y
y

) cos(β
z
z

) (7.27)
¯
E
y
= −j
β
x
β
y
ωµε
A
mnp
sin(β
x
x

) sin(β
y
y

) cos(β
z
z

) (7.28)
¯
E
z
= −j
β
x
β
z
ωµε
A
mnp
sin(β
x
x

) cos(β
y
y

) sin(β
z
z

) (7.29)
136 Antenas Microstrip

Figura 7.13: Distribui¸c˜ao dos campos nos modos TM
x
010
e TM
x
001
¯
H
x
= 0 (7.30)
¯
H
y
= −
β
z
µ
A
mnp
cos(β
x
x

) cos(β
y
y

) sin(β
z
z

) (7.31)
¯
H
z
=
β
y
µ
A
mnp
cos(β
x
x

) sin(β
y
y

) cos(β
z
z

) (7.32)
onde
β
x
=

h
m = 0, 1, 2, ...
β
y
=

L
n = 0, 1, 2, ...
β
z
=

W
p = 0, 1, 2, ...
(7.33)
A
mnp
representa diferentes coeficientes de amplitude de cada um dos modos e os coefi-
cientes m, n, p n˜ao podem tomar simultaneamente o valor 0.
Como, por outro lado, se tem que verificar que
β
r
= ω
r
µε =

β
2
x

2
y

2
z
(7.34)
ent˜ao a estrutura apresenta v´arias frequˆencias de ressonˆancia dadas por
(f
r
)
mnp
=
1


µε

β
2
x

2
y

2
z
(7.35)
A dimens˜ao h ´e sempre menor que as dimens˜oes W e L pelo que a frequˆencia de ressonˆancia
mais baixa (frequˆencia do modo dominante) ´e dada por
(f
r
)
010
=
1
2L

µε
L > W
(f
r
)
001
=
1
2W

µε
W > L
(7.36)
A distribui¸c˜ao do campo para estes dois modos ´e mostrado na figura 7.13. Aqui pode-
se verificar que no modo TM
x
001
existe um nulo de campo no meio da antena ao longo da
7.3 Antenas impressas 137

Figura 7.14: Corrente magn´etica equivalente nas paredes da cavidade no modo dominante
dimens˜ao L. Assim, se a alimenta¸c˜ao for feita no centro da antena, este modo n˜ao ´e excitado
e portanto a frequˆencia de ressonˆancia mais baixa continua a ser imposta pela dimens˜ao L e
o modo dominante continua a ser o modo TM
x
010
.
No modo dominante TM
x
010
os campos reduzem-se a
¯
E
x
= −jωA
010
cos

π
L
y

(7.37)
¯
H
z
=
π
µL
A
010
sin

π
L
y

(7.38)
¯
E
y
= 0 (7.39)
¯
E
z
= 0 (7.40)
¯
H
x
= 0 (7.41)
¯
H
y
= 0 (7.42)
Correntes equivalentes
A partir dos campos sobre as fendas obtˆem-se correntes el´ectricas e magn´eticas fict´ıcias sobre
as mesmas a partir das seguintes rela¸c˜oes (ver apˆendice A)
¯
J
¯
e
= ˆ n
¯

¯
H
z
(7.43)
¯
J
¯
m
= −ˆ n
¯

¯
E
x
(7.44)
Utilizando estas ´ ultimas e as express˜oes dos campos para o modo dominante as correntes
el´ectricas equivalentes s˜ao nulas, obtendo-se apenas correntes magn´eticas.
¯
J
¯
e
= 0 (7.45)
¯
J
¯
m
= −ˆ n
¯

¯
E
x
(7.46)
Estas correntes est˜ao ainda na presen¸ca de um plano condutor perfeito e para contabilizar
a presen¸ca deste podemos recorrer `a teoria das imagens. Como a fenda ´e muito estreita a
138 Antenas Microstrip
corrente ´e praticamente linear e assente no plano reflector pelo que a total passa a ser o dobro
da existente na fenda.
¯
J
¯
e
= 0 (7.47)
¯
J
¯
m
= −2ˆ n
¯

¯
E
x
(7.48)
Verifica-se ainda que a corrente est´a em fase nas fendas de dimens˜ao W e em oposi¸c˜ao de
fase nas fendas de dimens˜ao L, tal como mostrado na figura 7.14.
Diagrama de radia¸c˜ao - Fendas radiantes
Utilizando as correntes fict´ıcias obtidas anteriormente e a teoria da radia¸c˜ao ´e ent˜ao poss´ıvel
chegar aos campos radiados por cada uma das quatro fendas. No modo dominante, o campo
radiado por cada uma das fendas 1 e 2 (ver figura 7.14) ´e dado por
¯
E
φ
= −j
β
0
hWE
0
e
−jβ
0
r
πr

sinθ
sin X
X
sin Z
Z

(7.49)
onde
X =
β
0
h
2
sinθ cos φ (7.50)
Z =
β
0
W
2
cos θ (7.51)
A contabiliza¸c˜ao do efeito das duas fendas ´e feito Recorrendo `a teoria dos agregados. Para
duas antenas alimentadas em fase, espa¸cadas de uma distˆancia L e dispostas no eixo Oy, o
factor de agregado vale
F
Y
= 2 cos

β
0
L
ef
2
sinθ sin φ

(7.52)
resultando que o campo radiado pelo conjunto destas duas fendas ´e ent˜ao dado por
¯
E
φ
= −j

0
hWE
0
e
−jβ
0
r
πr

sin θ
sin X
X
sin Z
Z

cos

β
0
L
ef
2
sin θ sin φ

(7.53)
Na figura 7.15 ´e mostrado o diagrama de radia¸c˜ao t´ıpico de uma antena impressa quadrada,
nos planos E (θ = π/2) e H (φ = 0), bem como uma representa¸ c˜ao tridimensional do mesmo.
Como ´e verific´avel o diagrama de radia¸c˜ao ´e bastante largo, quer no plano E quer no plano
H, sendo que a direc¸c˜ao do m´aximo do diagrama de radia¸c˜ao ´e transversal ao elemento
radiante. A abertura do diagrama no plano E ´e essencialmente controlada pela dimens˜ao
L, enquanto que a abertura no plano H ´e controlada pela dimens˜ao W, apresentando ambos
uma dependˆencia com a altura h do substrato.
7.3 Antenas impressas 139
90
60
30
0
−30
−60
−90
−120
−150
180
150
120
−30
−24
−18
−12
−6
0
(a) Plano E (θ = π/2)
90
60
30
0
−30
−60
−90
−120
−150
180
150
120
−30
−24
−18
−12
−6
0
(b) Plano H (φ = 0)
Figura 7.15: Diagrama de radia¸c˜ao de uma antena impressa (L
ef
= W = λ
d
/2, h = 1.5mm,
f=2.4GHz)
Diagrama de radia¸c˜ao - Fendas n˜ao radiantes
O campo radiado pelos fendas 2 e 4 (ver figura 7.14) ´e dado por
¯
E
θ
= j
β
0
hL
ef
E
0
e
−jβ
0
r
4πr

cos φ
sin X
X
cos Y
Y
2
−(π/2)
2

(7.54)
¯
E
φ
= −j
β
0
hL
ef
E
0
e
−jβ
0
r
4πr

cos θ sin φ
sin X
X
cos Y
Y
2
−(π/2)
2

(7.55)
onde
X =
β
0
h
2
sin θ cos φ (7.56)
Z =
β
0
L
ef
2
sin θ cos φ (7.57)
A contabiliza¸ c˜ao do efeito das duas fendas ´e feito recorrendo `a teoria dos agregados,
resultando neste caso que, para duas antenas dispostas no eixo Oz e alimentadas em oposi¸c˜ao
de fase e separadas por uma distˆancia W o factor de agregado vale
F
Z
= 2j sin

β
0
W
2
cos θ

(7.58)
O campo radiado por estas fendas, quando comparado com o campo radiado pelas outras
fendas, tem uma amplitude muito baixa (sendo inclusive nula para θ = π/2) pelo que s˜ao
140 Antenas Microstrip
normalmente desprezadas. Por este motivo denominam-se as fendas 1 e 3 fendas radiantes e
as 2 e 4 por fendas n˜ao radiantes.
Apˆendice A
Conceitos matem´aticos
A.1 Vectores
O conceito de vector bem como as opera¸c˜oes que se podem efectuar sobre estes j´a foi objecto
de estudo noutras disciplinas pelo que iremos apenas efectuar uma breve revis˜ao sobre este
tema. Consideremos ent˜ao um vector

A que em coordenadas cartesianas ´e dado por

A = A
x
a
x
+A
y
a
y
+A
z
a
z
(A.1)
Um vector tem uma amplitude e uma direc¸c˜ao. A amplitude ´e um escalar dado por
[A[ =

A
2
x
+A
2
y
+A
2
z
(A.2)
Deste modo podemos escrever que

A = [A[a
a
(A.3)
onde a
a
´e um vector unit´ario definido como sendo um vector de amplitude 1 e cuja direc¸c˜ao
´e a mesma de

A. Da sua defini¸c˜ao resulta que ´e obtido a partir de
a
a
=

A
[A[
=
A
x
a
x
+A
y
a
y
+A
z
a
z

A
2
x
+A
2
y
+A
2
z
(A.4)
A.1.1 Soma e Subtrac¸c˜ao de vectores
A soma ou subtrac¸c˜ao de dois vectores tem como resultado um novo vector

C =

A +

B = (A
x
+B
x
)a
x
+ (A
y
+B
y
)a
y
+ (A
z
+B
z
)a
z
(A.5)

D =

A−

B = (A
x
−B
x
)a
x
+ (A
y
−B
y
)a
y
+ (A
z
−B
z
)a
z
(A.6)
A soma de vectores goza das propriedades mostradas na tabela A.1.
142 Conceitos matem´aticos
Tabela A.1: Propriedades da soma de vectores
Lei Resultado
Comutativa

A +

B =

B +

A
Associativa

A + (

B +

C) = (

A +

B) +

C
Distributiva k(

A +

B) = k

A +k

B
Tabela A.2: Propriedades do produto interno
Lei Resultado
Comutativa

A

B =

B

A
Distributiva

A (

B +

C) =

A

B +

A

C
A.1.2 Multiplica¸c˜ao de vectores
Existem dois tipos diferentes de multiplica¸ c˜oes que podem ser efectuadas sobre vectores e
cujos resultados e significados f´ısicos s˜ao distintos.
Produto Interno
Simboliza-se por

A

B e o resultado ´e um escalar obtido atrav´es de

A

B = [A[[B[ cos(θ
AB
) (A.7)
onde θ
AB
´e o menor ˆangulo entre

A e

B. O produto interno goza das propriedades mostradas
na tabela A.2. Note-se que se verificam as seguintes igualdades

A

A = [A[
2
a
x
a
y
=a
y
a
z
=a
z
a
x
= 0
a
x
a
x
=a
y
a
y
=a
z
a
z
= 1
o que permite escrever

A

B = A
x
B
x
+A
y
B
y
+A
z
B
z
(A.8)
Uma interpreta¸c˜ao geom´etrica do produto interno ´e mostrada na figura A.1, onde se pode
ver que este representa o produto entre a amplitude de

B e a projec¸c˜ao de

A em

B. De
especial interesse ´e o caso particular em que o vector

B ´e um vector unit´ario. Neste caso o
produto interno representa a parte de

A que aponta segundo a mesma direc¸c˜ao que o vector
unit´ario.
A.1 Vectores 143

Figura A.1: Multiplica¸c˜ao de vectores: Produto interno

Figura A.2: Multiplica¸c˜ao de vectores: Produto externo
Produto Externo
Simboliza-se por

A

B e o resultado ´e um vector, obtido atrav´es de

A

B = [A[[B[ sin(θ
AB
)a
n
(A.9)
onde a
n
´e um vector unit´ario normal ao plano que cont´em os dois vectores

A e

B e cuja direc¸c˜ao
´e obtida pela regra da m˜ao direita. O produto externo goza das propriedades mostradas na
tabela A.3. Dois exemplos s˜ao mostrados na figura A.2, onde

A,

B e

C s˜ao trˆes vectores
contidos no plano xOy e o resultado

A

B e

A

C s˜ao vectores paralelos `a direc¸c˜ao Oz.
Uma maneira expedita de calcular o produto externo entre dois vectores ´e recorrendo ao
determinante apresentado de seguida

A

B =

a
x
a
y
a
z
A
x
A
y
A
z
B
x
B
y
B
z

(A.10)
144 Conceitos matem´aticos
Tabela A.3: Propriedades do produto externo
Lei Resultado
Anti-Comutativa

A

B = −

B

A
Distributiva

A(

B +

C) =

A

B +

A

C
A.2 An´alise Vectorial
Na sec¸c˜ao anterior tratamos a soma, subtrac¸c˜ao e multiplica¸c˜ao de vectores. Nesta sec¸c˜ao
iremos tratar da sua integra¸ c˜ao e deriva¸c˜ao.
A.2.1 No¸c˜ao de campo
Um campo ´e uma quantidade que depende da posi¸c˜ao no espa¸co. Como exemplos de campos
temos a temperatura numa sala ou a velocidade de deslocamento da ´agua num rio. Nestes dois
exemplos existe uma grande diferen¸ca: enquanto a temperatura numa sala ´e uma quantidade
escalar, medida em graus Celsius, a velocidade de deslocamento da ´agua ´e uma grandeza
vectorial porque al´em da amplitude, em ms
−1
, ´e necess´ario representar o sentido em que
esta se desloca. Distinguem-se assim dois tipos de campos: os campos escalares e os campos
vectoriais.
A.2.2 Gradiente
O gradiente aplica-se apenas a campos escalares e o seu resultado ´e um vector. A direc¸c˜ao
do vector que resulta do gradiente representa a direc¸c˜ao segundo a qual existe uma maior
varia¸ c˜ao espacial do campo e sua amplitude ´e proporcional ao quanto o campo varia. Mais
concretamente, a amplitude representa a varia¸ c˜ao do campo por unidade de medida. Pode-se
demonstrar que o gradiente de um campo escalar T ´e obtido a partir de
grad T =
∂T
∂x
a
x
+
∂T
∂y
a
y
+
∂T
∂z
a
z
(A.11)
Fazendo uso do operador ∇ (nabla) definido como sendo
∇ =

∂x
a
x
+

∂y
a
y
+

∂z
a
z
(A.12)
o gradiente ´e tamb´em usualmente escrito como
grad T = ∇T (A.13)
Note-se que o operador ∇ ´e simultaneamente um operador diferencial e um vector, que
sozinho n˜ao tem qualquer significado e que pode ser tratado como sendo um qualquer vector.
A.2 An´alise Vectorial 145
O resultado obtido a partir da aplica¸c˜ao do operador ∇ depende do tipo de campo e do tipo
de produto realizado. No caso particular de ser aplicado a um campo escalar, o resultado
produzido ´e um vector correspondente ao gradiente desse campo. Mais `a frente veremos que
outras opera¸c˜oes podemos fazer com este operador e quais os seus significados f´ısicos.
A.2.3 Fluxo e Divergˆencia de um campo vectorial
Suponhamos que tempos um campo vectorial

F e que envolvemos uma determinada regi˜ao do
espa¸co por uma superf´ıcie fechada S. A quantidade do campo

F que est´a a sair dessa mesma
superf´ıcie, ou seja, o fluxo de

F atrav´es da superf´ıcie S ´e dado por
ψ =

S

F

dS (A.14)
Apesar de se poder definir o fluxo atrav´es de uma superf´ıcie fechada ou n˜ao, no presente
curso ´e de principal interesse o fluxo por uma superf´ıcie fechada, da´ı restringirmos o estudo
do fluxo a esta situa¸c˜ao. Define-se Divergˆencia de

F como sendo o seguinte limite
div

F = lim
∆V →0

S

F

dS
∆V
(A.15)
Desta defini¸c˜ao resulta que o significado f´ısico da divergˆencia n˜ao ´e mais que o fluxo por
unidade de volume. A resolu¸c˜ao do limite anterior levaria a que
div

F =
∂F
x
∂x
+
∂F
y
∂y
+
∂F
z
∂z
(A.16)
Recorrendo ao operador ∇ definido anteriormente podemos ent˜ao escrever que a di-
vergˆencia de

F vale ∇

F, uma vez que

F =
∂F
x
∂x
+
∂F
y
∂y
+
∂F
z
∂z
(A.17)
Se ∇

F representa o fluxo por unidade de volume, ´e expect´avel que o fluxo total que flui
por uma superf´ıcie S fechada que engloba um volume V seja dado pela soma do fluxo de cada
volume infinitesimal. Em forma de equa¸c˜ao isso escreve-se

S

F

dS =

V
(∇

F)dV (A.18)
Esta igualdade ´e demonstr´avel e ´e conhecida pelo teorema da divergˆencia ou de Gauss-
Ostrogradsky.
146 Conceitos matem´aticos
A.2.4 Circula¸c˜ao e Rotacional de um campo vectorial
Suponhamos um campo vectorial

F e uma linha imagin´aria L. Chama-se integral de linha `a
quantidade

L

F

dl (A.19)
onde

dl ´e denominado de vector deslocamento elementar. O resultado deste integral d´a-nos
a quantidade de

F que se est´a a deslocar ao longo da linha L. Mais uma vez, embora se
possa calcular a circula¸c˜ao para qualquer linha ´e de especial interesse para este curso o estudo
do integral de linha ao longo de uma linha fechada pelo que nos restringiremos a este caso.
Chama-se ent˜ao circula¸c˜ao de

F `a quantidade

L

F

dl (A.20)
onde L ´e agora uma linha fechada que esta envolve uma determinada ´area ∆S. Define-se
rotacional de

F como sendo o seguinte limite
rot

F = lim
∆S→0

L

F

dl
∆S
a
n
(A.21)
Desta defini¸c˜ao resulta que o significado f´ısico do rotacional n˜ao ´e mais que a circula¸c˜ao
por unidade de ´area. Resolvendo o limite anterior chegar´ıamos a
rot

F =

∂F
z
∂y

∂F
y
∂z

a
x
+

∂F
x
∂z

∂F
z
∂x

a
y
+

∂F
y
∂x

∂F
x
∂y

a
z
(A.22)
Recorrendo ao operador ∇ podemos calcular rot

F como se segue

F =

a
x
a
y
a
z

∂x

∂y

∂z
F
x
F
y
F
z

(A.23)
Seguindo o mesmo racioc´ınio que usamos no caso da divergˆencia, se o rotacional repre-
senta a circula¸c˜ao por unidade de ´area, ent˜ao o somat´orio da circula¸c˜ao de todas as ´area
infinit´esimais que comp˜oes um superf´ıcie S resultar´a na circula¸c˜ao ao longo da linha que
rodeia essa ´area S, ou seja

L

F

dl =

S
(∇

F)dS (A.24)
Esta igualdade tamb´em ´e demonstr´avel e ´e conhecida pelo teorema de Stokes.
A.2.5 Laplaciano
Um outro operador que aparece frequentemente no estudo de radia¸c˜ao e propaga¸c˜ao de ondas
electromagn´eticas ´e o operador Laplaciano - ∇
2
. Suponhamos que calculamos o gradiente de
A.3 Sistemas de coordenadas 147
um campo escalar T, cujo resultado obtido ´e um campo vectorial

F

F = ∇T (A.25)
Calculando a divergˆencia de

F obtemos o seguinte

F = ∇ (∇T) (A.26)
ou seja
∇ (∇T) =

2
T
∂x
2
+

2
T
∂y
2
+

2
T
∂z
2
(A.27)
Se agora removermos o campo T do resultado anterior obtemos um novo operador denom-
inado de Laplaciano e definido como sendo

2
=

2
∂x
2
+

2
∂y
2
+

2
∂z
2
(A.28)
O Laplaciano ´e um operador diferencial escalar (ao contr´ario do operador ∇ que ´e um
operador diferencial vectorial). Assim sendo o Laplaciano pode ser aplicado quer a um campo
escalar (como no exemplo anterior) quer a campo vectorial. No entanto, o resultado da
aplica¸c˜ao do Laplaciano a um vector n˜ao pode ser ser visto como sendo a divergˆencia de um
gradiente, uma vez que n˜ao faz sentido falar em gradiente de um um vector. O Laplaciano
aplicado a um vector produz o seguinte resultado

2

F = ∇
2
A
x
a
x
+∇
2
A
y
a
y
+∇
2
A
z
a
z
(A.29)
que se pode demonstrar ser o mesmo que se obt´em fazendo

2

F = ∇(∇

F) −∇∇

F (A.30)
A.3 Sistemas de coordenadas
Em geral, as quantidades f´ısicas com que lidamos s˜ao fun¸c˜ao do tempo e do espa¸co e os
sistemas de coordenadas s˜ao sistemas que nos permitem identificar os v´arios pontos no espa¸co
de uma forma ´ unica. Quando revimos alguns conceitos sobre vectores utilizamos o sistemas
de coordenadas cartesianas (x, y, z). Por´em, outros sistemas existem, como o de coordenadas
cil´ındricas (ρ, φ, z) ou de coordenadas esf´ericas (r, θ, φ). A escolha do sistema de coordenadas
a utilizar depende de cada problema e geralmente est´a relacionado com a simetria do mesmo.
Neste curso iremos utilizar maioritariamente os sistemas de coordenadas cartesianas e esf´ericas
pelo que lhes vamos dedicar de seguida alguma aten¸c˜ao. Na sec¸c˜ao sobre an´alise vectorial
fizemos uso de trˆes grandezas elementares:

dl - deslocamento elementar,

dS - ´area elementar e
dV - volume elementar.
´
E de salientar que o valor de cada uma destas grandezas vai tamb´em
depender do sistema de coordenadas utilizado.
148 Conceitos matem´aticos

Figura A.3: Coordenadas cartesianas
A.3.1 Coordenadas cartesianas
Para representar um ponto P em coordenadas cartesianas ´e necess´ario conhecer o valor das
trˆes componentes (x, y, z), com
−∞ < x < +∞
−∞ < y < +∞
−∞ < z < +∞
Da an´alise da figura A.3 resulta que o deslocamento elementar vale

dl = dxa
x
+dya
y
+dza
z
(A.31)
a ´area elementar vale uma das trˆes quantidades seguintes

dS = dydza
x
= dxdza
y
(A.32)
= dxdya
z
e o volume elementar vale
dV = dxdydz (A.33)
A.3.2 Coordenadas esf´ericas
Um ponto em coordenadas esf´ericas ´e identificado pelas grandezas (r, θ, φ), representadas na
figura A.4. O intervalo de validade de cada uma das grandezas ´e
0 < r < +∞
A.3 Sistemas de coordenadas 149

Figura A.4: Coordenadas esf´ericas
0 < θ < π
0 < φ < 2π
A representa¸c˜ao de um vector ´e do mesmo modo que em coordenadas cartesianas, ou seja

A = A
r
a
r
+A
θ
a
θ
+A
φ
a
φ
(A.34)
[A[ =

A
2
r
+A
2
θ
+A
2
φ
(A.35)
Para passar um ponto P de coordenadas esf´ericas para coordenas cartesianas e vice-versa
faz-se
r =

x
2
+y
2
+z
2
θ = tan
−1

x
2
+y
2
z
(A.36)
φ = tan
−1
y
x
x = r sin θ cos φ
y = r sin θ sinφ (A.37)
z = r cos θ
Para passar um vector

A de coordenadas esf´ericas para coordenas cartesianas e vice-versa,
utilizam-se as seguintes matrizes de transforma¸c˜ao

A
x
A
y
A
z
¸
¸
¸
¸
¸
=

sin θ cos φ cos θ cos φ −sin φ
sinθ sin φ cos θ sin φ cos φ
cos θ −sin θ 0
¸
¸
¸
¸
¸

A
r
A
θ
A
φ
¸
¸
¸
¸
¸
(A.38)
150 Conceitos matem´aticos

Figura A.5: Deslocamentos e volume elementares em coordenadas esf´ericas

A
r
A
θ
A
φ
¸
¸
¸
¸
¸
=

sin θ cos φ sin θ sinφ cos θ
cos θ cos φ cos θ sin φ −sin θ
−sin φ cos φ 0
¸
¸
¸
¸
¸

A
x
A
y
A
z
¸
¸
¸
¸
¸
(A.39)
Da an´alise da figura A.5 resulta que o deslocamento elementar vale

dl = dra
r
+rdθa
θ
+r sin θdφa
φ
(A.40)
a ´area elementar vale uma das trˆes quantidades seguintes

dS = r
2
sinθdθdφa
r
= r sinθdrdφa
θ
(A.41)
= rdrdθa
φ
e o volume elementar ´e dado por
dV = r
2
sin θdrdθdφ (A.42)
Facilmente se poderia demonstrar que, em coordenas esf´ericas, a divergˆencia vale

F =
1
r
2

∂r
(r
2
F
r
) +
1
r sin θ

∂θ
(F
θ
sin θ) +
1
r sin θ

∂φ
F
φ
(A.43)
e o rotacional, calculado atrav´es de,

F =
1
r
2
sin θ

a
r
ra
θ
r sin θa
φ

∂r

∂θ

∂φ
A
r
rA
θ
r sin θA
φ

(A.44)
A.3 Sistemas de coordenadas 151
vale

F =
1
r sinθ
¸

∂θ
(F
φ
sin θ) −
∂F
θ
∂θ

a
r
+
1
r
¸
1
sinθ
∂F
r
∂φ


∂r
(rF
φ
)

a
θ
(A.45)
+
1
r
¸

∂r
(rF
θ
) −
∂F
r
∂θ

a
φ
152 Conceitos matem´aticos
Bibliografia
[1] Richard P. Feynman, Robert B. Leighton: The Feynman Lectures on Physics - Vol.2,
Addison Wesley
[2] Mathew N. O. Sadiku: Elements of Electromagnetics, Oxford University Press
[3] Constantine A. Balanis: Advanced Engineering Electromagnetics, John Wiley & Sons
[4] Constantine A. Balanis: Antenna Theory - Analysis and Design, John Wiley & Sons
[5] Jonh D. Kraus: Antennas, McGraw-Hill
[6] Richard C. Johnson: Antenna Engineering Handbook, McGraw-Hill
[7] Robert E. Collin; Antennas and Radiowave Propagation, McGraw-Hill
[8] Sergei A. Schelkunoff, Harald T. Friis: Antennas - Theory and Practice, John Wiley &
Sons
[9] Armando L. Brinca: Antenas, AEIST - Sec¸c˜ao de folhas
[10] Armando L. Brinca: Complementos de Antenas, AEIST - Sec¸c˜ao de folhas
[11] Jean-Fran¸ cois Z¨ urcher, Fred E. Gardiol: Broadband Patch Antennas, Artech House
[12] Nec-Win Pro V1.6, Nittany Scientific,Inc.