You are on page 1of 5

Teoria Geral do Processo PROCESSO: INSTITUIÇÃO CONSTITUCIONALIZADA QUE SE DEFINE PELA CONJUNÇÃO DOS PRINCÍPIOS JURÍDICOS DA AMPLA DEFESA

, ISONOMIA, CONTRADITÓRIO E DO INSTITUTO DO DEVIDO PROCESSO LEGAL, PARA ASSEGURAR A PRODUÇÃO, O EXERCÍCPIO, RECONHECIMENTO OU NEGAÇÃO DE DIREITOS ALEGADOS E SUA DEFINIÇÃO PELOS PROVIMENTOS NAS ESFERAS JUDICIÁRIA, LEGISLATIVA E ADMINISTRATIVA. Princípios Institutivos do Processo 1. O que é? - Para ser discurso processual tem que se garantir os princípios institutivos, eles são a base. Sem eles não há processo. Nem se a lei permitir a supressão de algum dos princípios, não terá processo. Obs.: o processo, atualmente, é uma instituição jurídica com caracteriologia própria definida nos princípios que lhe são integrantes, quais sejam, o contraditório, ampla defesa e a isonomia. Sendo que sem estes não se definiria o processo em parâmetro moderno de direito-garantia constitucionalizada ao exercício de direito fundamentais pela procedimentalidade instrumental das leis processuais. 2. O que são? a. Contraditório: não é simplesmente dar o direito a parte de manifestação ou até mesmo podendo nada dizer(silêncio), não se pode desprezar o argumento no momento do julgamento, além de ter o direito, o juiz tem que tratar de forma vinculada ao processo a manifestação da parte. O Juiz julga com as partes e não apesar das partes. É a igualdade de oportunidade no processo; Conclui-se que o PROCESSO, ausente de contraditório, perderia sua base democrático-juridico-principiologica e se tornaria um meio procedimental inquisitório em que o arbítrio do julgador seria a medida colonizadora da liberdade das partes. b. Ampla Defesa: as partes têm direito a recurso, argumentação, provas, etc. Exercer a plenitude da defesa, tudo que a Lei garante. Liga-se ao exercício de todos os direitos de defesa regulados em lei, sem advogado também não há ampla defesa. A amplitude da defesa não supõe infinitude de produção da defesa a qualquer tempo, porém, que esta se produza pelos meios e elementos totais de alegações e provas NO TEMPO PROCESSUAL OPORTUNIZADO NA LEI. Há de ser ampla, porque não pode ser comprimida pela sumarização do tempo a tal ponto de excluir a liberdade de reflexão cômoda dos aspectos fundamentais de sua produção eficiente. A ampla defesa faculta e assegura o esgotamento do tempo processual em módulo confortável e juridicamente irrestrite, para desenvolver e realizar meios e elementos de prova nas modalidades escrita, oral e documental. c. Isonomia: Igualdade. Não despreza a individualidade, diferenças das partes. Mas há igualdade de TRATAMENTO – prazo, direitos de fala, etc. É o direito assegurador de igualdade de realização construtiva do procedimento, não o tratamento igual a iguais e desiguais a desiguais. A estruturação do procedimento não se opera pela distinção jurisdicional de economicamente igual ou desigual. CRITICA: O Estado possui prazos estendidos, intimações pessoais, em detrimentos aos cidadãos. IGUALDADE TEMPORAL. Obs.: discurso processual possui regras no jogo argumentativo, os princípios são regem essa argumentação. Todos são extraídos da lei, tanto a constituição quanto as leis infra-inconstitucioanis. Obs.: Não surpresa -> o contraditório se liga a ideia de não surpresa. O juiz não pode julgar qualquer matéria sem antes submeter ao contraditório. Não de pode aplicar uma lei que não foi debatida nos autos. Se for matéria de ordem pública (tanto juiz quanto a parte podem alegar – Ex. inc. absoluta) também tem que possuir o contraditório. Matéria de ordem publica (alguém não manifestou), as partes não podem ser surpreendidas com argumentos que não foram previamente debatidos nos autos. Isso é o contraditório na ideia de não surpresa. O fato do Juiz levar em consideração o argumento, não quer dizer que ele aceita, acha correto. Obs.: “Junia novit cúria” -> o Juiz sabe o direito, as partes não tem que discutir. -> Ultrapassado. / “Da miti factum dabo tibi jus” -> Me de o fatos que lhe dou a justiça.  Desprezam as partes, expressões antigas, em desuso. Adotada por juízes que adotam a relação jurídica (Büllow). Princípios Informativos do Processo

TEORIAS DA AÇÃO 1. Pouco importa a moral subjetiva. para chegar no fim. Pode se pedir qualquer coisa. O que são? a. o direito garantia de ampla defesa. b. com a oralidade você amplia a defesa. mas não há qualquer custo. Esse principio também implica a imediação ou imediatidade contato direto com o juiz a fim de mostrar o material sem intermédios para que o mesmo possa julgar e a concentração da causa e mostrar do modo mais rápido o material para que se possa julgar o processo. A publicidade envolve a realização de ampla defesa a todos. não se pode falar sempre.Alguns são suprimidos pela lei. objetivo. assim era inconcebível uma pessoa ajuizar uma ação e perder. a oralidade funciona como uma extensão da ampla defesa. por exemplo. Em via de regra no processo civil prevalece a disponibilidade. mas se será acolhido ou não é uma outra etapa. uma estrutura de atos lógicos.1. É normativo. segundo padrões de seriedade que a lei processual exige ao colocar as partes em nível isonômico. Tem haver com as condições da ação. e. Direito-de-ação: direito incondicional de movimentar a jurisdição. Ação = procedimento. contestação. não é um direito incondicional. Pelo princípio da instrumentalidade das formas. Se liga a ampla defesa. se o ato atinge sua finalidade sem causar prejuízo às partes não se declara sua nulidade. mercê da natureza do direito material que se visa fazer atuar. Disponibilidade e Indisponibilidade: é a liberdade que as pessoas têm de exercer ou não seus direitos. SAVIGNY – 1840 . ou seja. Em direito processual tal poder é configurado pela disponibilidade de apresentar ou não sua pretensão em juízo. Mas nem todas as audiências podem ser assistidas. Direito de agir: direito de estar no procedimento e obter uma decisão de mérito. apenas. Lealdade processual: alguns autores vinculam a moral subjetiva das partes. ainda que com vício. 250 CPC Paragrafo Único – não há nulidade sem prejuízo. tem que apresentar alguns requisitos. a parte pode ter acesso aos autos. As limitações a esse poder ocorre quando o próprio direito material é de natureza indisponível. O que é? . Assim. Trata-se do princípio da disponibilidade processual. Instrumentalidade das formas: Art.Direito material imanente à ação. É a ideia de realizar um ato processual da forma mais barata possível desde que atinja o resultado e desde que não agrida o direito de defesa. Publicidade: o ato processual é público. há exceções. temos que a existência do ato processual não é um fim em si mesmo. g. não há nulidade. dessa forma não fere o devido processo legal e. já que coloca os sujeitos do procedimento e possíveis terceiros alheios ao litígio em nível de igualdade. na verdade não tem nada a ver com a moral subjetiva e sim com o dever. Não precisa de requisitos. Actio romana . citação. Somente até o momento que não se agrida os princípios instintutivos. petição. já que ela já possuía o direito material. mas instrumento utilizado para se atingir determinada finalidade. ou seja. contraditório e isonomia. Diz respeito ao dever legal de atuação processual em regime de reciprocidade de tratamento. dessa forma não haveria ação sem direito. . 2. assistir audiência – salvo segredo de justiça. por prevalecer o interesse público sobre o privado. de dever normativo. mas se o ato foi atingido. A forma não é observada. há processo. Direito de estar no procedimento apurável após a instauração do procedimento pela existência e observância de pressupostos e condições que a lei estabelecer para a formação técnico-jurídica do procedimento. 3. Denomina-se poder dispositivo a liberdade que as pessoas têm de exercer ou não seus direitos. Esse poder de dispor das partes é quase que absoluto no processo civil. c. Oralidade: regras da fala. Vale ressaltar que a única vantagem buscada pela lei processual é assegurar. Uma questão objetiva. A lei coloca e pronto. 2. Economia processual: não é custo beneficio. sequencial. . despacho. Além de escrever. deontológica. f. Celeridade: tem que ser rápido.TEORIA IMANENTISTA . da maneira que melhor lhes aprouver e renunciar a ela ou a certas situações processuais. d. de modo irrestrito. portanto. porque a momentos durante do processo que o advogado pode fazer uma sustentação oral e assim por diante. no processo penal prevalece a indisponibilidade pelo fato do crime ser considerado uma lesão irreparável ao interesse coletivo. E a publicidade se ligam ao principio institutivo da ampla defesa. A oralidade pode ser restrita. inclusive de terceiros.

SUBJETIVO E ABSTRATO .1877 . há um direito subjetivo). Incivo VI (possibilidade Jurídica .Caráter privado já que não era possível ajuizar uma ação contra o Estado. autônomo (desvinculado de outro direito que lhe pudesse retirar a ampla liberdade do respectivo exercício) porque pode se ajuizar e desvincula do direito material. ao mesmo tempo. Não há ação sem direito. . . independentemente do pagamento de taxas: a) o direito de petição aos poderes públicos em defesa de direitos ou contra ilegalidade ou abuso de poder XXXV . a legitimidade das partes e o interesse processual. . antes mesmo de adentrar o juízo. assim ele não iria decidir sobre algo que representava – não sabiam desprender a função do Juiz de representar e o Estado. Art. Eclética por ser difícil classificar se é concreta ou abstrata.TEORIA DA AÇÃO COMO DIREITO PÚBLICO. direito incondicional de movimentar a jurisdição. a pessoa pode ajuizar uma ação e sair perdedora e subjetivo por ser inerente à pessoa e direito de exigir conduta de outrem. não há necessidade. Autônomo – desvincula-se do direito material. WINDSCHEID E MUTHER – 1850 . Subjetivo . III – quando o autor carecer de interesse processual. O direito material (bem da vida jurídica) era imanente à ação para exercê-lo. 3º. Direito Publico.são a todos assegurados. A ação só existe para quem tem razão. não sendo possível separá-los. De direito público pode se ajuizar contra o Estado. Uma sentença que não há consequência de mérito é como se não tivesse ação. Preliminares. por exemplo. 295.TEORIA DA AÇÃO COMO DIREITO PÚBLICO. Para ajuizar uma ação. AUTÔNOMO. A ação tinha significado.TEORIA ECLÉTICA DA AÇÃO . Autônomo – desvincula-se do direito material. . AUTÔNOMO E SUBJETIVO . de ajuizar um ação para desfazer um contrato). representando o fruto do seu sábio magistério no plano da política legislativa”. Abstrato – direito incondicional de movimentar a jurisdição. de vez que não seria mesmo possível saber se alguém teria alguma razão em face de direitos. Sentença de mérito. Caráter privado (civilística) – não é admitida contra o Estado. Art. . a legitimidade das partes – tem que ser o titular e o interesse processual – necessidade de utilidade da ação. . defendeu 3 condições da ação: Art. A ação tinha significado como direito à jurisdição e ao procedimento que seriam de caráter público. Relação entre Liebman e o CPC vigente: “Este código de PSP é um monumento imperecível de glória a Liebman. Público. pouco importando o reconhecimento do direito material alegado. Degenkolb e Plósz . Somente haveria ação se houvesse consequência de mérito. pouco importa o conteúdo da sentença. de direito de movimentar a jurisdição e direito ao procedimento de modo inerente e sincrônico ao direito material instituído. 267. o que queria dizer que ação e direito surgiram de modo geminado. Direito-de-ação (Direito de Petição por Carnelutti).. Direito público – pode ser movida contra o Estado.Todos têm o direito de acionar o poder judiciário para que este se manifeste. Concreto pois a sentença favorável. A petição inicial será indeferida: II – quando a parte for manifestamente ilegítima.a lei não excluirá da apreciação do Poder Judiciário lesão ou ameaça a direito A AÇÃO NO CPC -> Art. Extingue-se o processo. .TEORIA DA AÇÃO COMO DIREITO PÚBLICO. Representação gráfica triangular. pois o Juiz era o representante do Estado. 267. VI – quando não concorrer qualquer das condições da ação. como a possibilidade jurídica. Ação como direito concreto representou um retrocesso às concepções de Windscheid e Muther. sem resolução do mérito: IV – quando se verificar a ausência de pressupostos de constituição e de desenvolvimento válido e regular do processo. Autônomo e Concreto – direito a uma sentença favorável (a ação só existiria para quem tem razão. Sujeição entre autor e réu. Autônomo e Abstrato. é necessário preencher algumas condições e pressupostos. Liebman – 1930 . A AÇÃO NA CONSTITUIÇÃO -> Artigo 5º XXXIV . Direito material imanente à ação. . Depois que voltou para a Itália. WACH – 1860/70 . AUTÔNOMO. Direito de Petição. SUBJETIVO E CONCRETO . Direito público – pode ser movida contra o Estado. Para propor ou contestar ação é necessário ter interesse e legitimidade.

MATÉRIA DE PROCESSO (pressupostos processuais) a) Pressupostos de existência da ação -> PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS . Art. caso em que só não será indeferida. Compromisso arbitral Art.quando o tipo de procedimento. MATÉRIA DE AÇÃO -> Condições da Ação. à extinção do processo pelo fundamento previsto no III do artigo anterior. . sem resolução de mérito: III – quando. sem resolução de mérito: VII – pela convenção de arbitragem. compromisso arbitral. . Instrumento de mandato nos autos ao advogado. prescrição. Parágrafo único. Perempção Art. Inexistência de qualquer nulidade prevista em lei. não corresponder à natureza da causa. decadência.. litispendência ou de coisa julgada. Se o autor der causa. 267. Art. . Vl . . A petição inicial será indeferida: V .quando se verificar a ausência de pressupostos de constituição e de desenvolvimento válido e regular do processo. A autorização do marido e a outorga da mulher podem suprir-se judicialmente. [. . coisa julgada. A falta. . por três vezes. a legitimidade das partes e o interesse processual. 267. V – quando o juiz acolher alegação de perempção. a possibilidade de alegar em defesa o seu direito. 295. CPC: .. confusão de partes. [. Representação por advogado. por não promover os atos e diligência que lhe competir. Ausência de impedimento e suspeição do juiz. Extingue-se o processo. Extingue-se o processo. Inexistência de qualquer nulidade prevista em lei: Exemplos (CPC): Art.] § 1o Ambos os cônjuges serão necessariamente citados para as ações: Art. Extingue-se o processo.ELEMENTOS ESTRUTURAIS DA AÇÃO CPC: Art. conexão e continência. Competência do juízo. não suprida pelo juiz. perempção. ou ao valor da ação. Citação válida. de inépcia da inicial. ou lhe seja impossível dá-la.. quando necessária. o autor abandonar a causa por mais de 30 (trinta) dias. Capacidade civil das partes. 10. entretanto. .] Parágrafo único. Inexistência de litispendência. ficando-lhe ressalvada.. 268. 267. escolhido pelo autor. Quando a lei considerar obrigatória a intervenção do Ministério Público. 11. como a possibilidade jurídica. ELEMENTOS ESTRUTURAIS: DIVISÃO MATÉRIA DE PROCESSO -> Pressupostos Processuais. quando um cônjuge a recuse ao outro sem justo motivo. não poderá intentar nova ação contra o réu com o mesmo objeto. a parte promoverlhe-á a intimação sob pena de nulidade do processo. 84. se puder adaptar-se ao tipo de procedimento legal. da autorização ou da outorga. sem resolução de mérito: IV . b) Pressupostos de desenvolvimento válido e regular do processo -> PRESSUPOSTOS OBJETIVOS .quando não concorrer qualquer das condições da ação. Forma processual adequada à pretensão. invalida o processo. Forma processual adequada à pretensão Art.

268. A petição inicial. Obs. não será despachada sem a prova do pagamento ou do depósito das custas e dos honorários de advogado. o que enfraquece a dicotomia e hierarquia clássica do direito material e direito processual e direito processual. 267. A decisão sem resolução de mérito é aquela que só analisa formalmente e depois pode ajuizar outra ação. Trabalhista. _ Legitimidade ad causam das partes. proibindo ou limitando condutas (Direito Civil. etc). todavia. _ Interesse processual. As normas materiais são geradas processualmente nos Estados Democráticos de Direito. que é aquele que regula o processo. litispendência e coisa julgada).Art.: Direito material é aquele que traz as normas que regulam a sociedade. a extinção do processo não obsta a que o autor intente de novo a ação. permitindo. por esse motivo o juiz declarou extinto o processo sem nem analisar a matéria. Obs.: A decisão de mérito é aquela que analisa o direito material e depois não se pode ajuizar outra ação para conseguir um resultado diferente. quando por exemplo o advogado esqueceu de juntar a procuração e. MATÉRIA DE AÇÃO -> (condições da ação) _ Carência de ação. . Penal. Ele se opõe ao direito processual. _ Espécies: _ Possibilidade jurídica do pedido. V (perempção. Salvo o disposto no art.