Tese do Movimento Luta de Classes - MLC ao 11º Congresso do Sintrasef/RJ

“A história de toda a sociedade até hoje é a história da luta de classes.”
(K. Marx e F. Engels, Manifesto do Partido Comunista)

Conjuntura Nacional
Com a eleição de Lula (PT) para a presidência do Brasil em 2002 e sua decisão de não realizar nenhuma ruptura com o sistema imperialista, nem reestatizar as estatais privatizadas, e ainda garantir os privilégios ao grande capital financeiro e livre ação para os monopólios internacionais na economia brasileira, a grande mídia nacional e internacional passou a exaltar a economia brasileira como a mais nova maravilha do mundo. . O crescimento da economia nos últimos dez anos não alterou a subordinação do Brasil ao grande capital financeiro internacional, nem diminuiu o domínio dos monopólios internacionais sobre a economia. Pelo contrário, ocorreu um impressionante processo de desnacionalização e de desindustrialização da economia brasileira. Segundo dados do Ministério do Desenvolvimento, até agosto de 2011 as exportações de produtos básicos representaram 44,27% das exportações brasileiras, enquanto as vendas externas de manufaturas foram somente 39,74%. A involução é clara: pela primeira vez desde 1978, a exportação de produtos básicos superou a exportação de manufaturas. Soja (grão, farelo e óleo), carnes, açúcar e etanol, produtos florestais e o café representam 81,2% da exportação agrícola do Brasil. No entanto, apesar de ser um grande produtor e exportador de alimentos, o Brasil importa 65% de suas necessidades de adubos. Já o minério de ferro representa 12,63% das exportações, e o petróleo 7,92%. Além do minério de ferro, o Brasil é, também, o maior produtor mundial de nióbio (mineral fundamental para a microeletrônica) e manganês. Na década de 80, do século passado, a participação da indústria de transformação no Produto Interno Bruto (PIB) era de 33%; hoje, não passa de 16%. Já a relação manufaturas-exportação, que chegou a 59% nesse mesmo período, estacionou em 40%. Outra comprovação da desindustrialização da economia brasileira é revelada no aumento do déficit industrial. Entre 2005 e 2010, o déficit de bens industriais passou de um valor positivo de US$ 31 bilhões para US$ 34 bilhões de valor negativo. No total, o déficit no comércio exterior de bens industriais alcançou US$ 65 bilhões. Vale dizer ainda que este déficit da indústria ocorre em setores de alta e média intensidade tecnológica, tais

concedidas pelo governo Dilma.764 de residentes. onde este número subiria presumidamente para cerca de 90% ou mais de dependência tecnológica. a denominarem esse processo de “reprimarização” da economia.001 pedidos estrangeiros e 7. Secretaria do Tesouro Nacional. contra apenas 25% dos residentes. podendo tal valor ainda aumentar no decorrer do ano. Educação e Cultura. 62. O valor destinado à Dívida Pública corresponde a 47. onde os pedidos de patente no Brasil de não residentes representam cerca de 75% do total. componentes eletrônicos. R$ 400 bilhões. Tal fenômeno levou alguns economistas da Comissão Econômica para a América Latina da ONU (Cepal). segundo os dados do próprio governo. em 2011 foram 24. de Almeida.19%. (Fonte: Auditoria Cidadã da Divida) Em 2013 há a estimativa de gasto de R$ 900 bilhões com juros e amortizações da dívida pública. No mês de abril a queda total foi de 1. Previdência e Assistência Social. Saúde. Em julho deste ano os juros e amortizações da dívida já somavam mais de R$ 700 bilhões enquanto o gasto com pessoal estava na casa de R$ 200 bilhões.1 trilhões.7% e atingiu o impressionante valor de R$ 1. o emprego industrial no Brasil tem tido consecutivas quedas no último quadrimestre de 2012. isto é.como indústria farmacêutica. Saneamento. somados. os 37. retorno ao modelo que caracterizou a exploração do Brasil e demais países latino-americanos durante o período colonial.4% em relação a abril de 2011. o indicador de monopólio. mesmo assim estes não significam necessariamente pedidos de empresas nacionais. mais de 1 trilhão de reais. Dilma sancionou o Orçamento da União para 2012 no montante de R$ 2. (Fonte: Unicamp) Governo dá continuidade às privatizações e aos leilões do petróleo . Temos como mostra da precária condição fabril no país. no valor de R$ 155 milhões.5% dessa dívida está nas mãos de bancos. equipamentos de informática e escritório e instrumentos de precisão (Luiz Gonzaga Belluzo e Júlio de G. de fundos de investimentos e pensão e de seguradoras nacionais e internacionais. Compromisso do governo Dilma é com os banqueiros e grandes industriais Em 2011. nas mãos de milionários brasileiros e estrangeiros. Carta Capital).5% restantes. a dívida pública cresceu 10. cerca de R$ 100 bilhões.86 trilhão. bens de consumo. Mesmo com a isenção do IPI e a renúncia fiscal.

arrecadou em 2011 R$ 300 milhões. Dessa vez com blocos da camada pré-sal. Eike Batista. Assegura também o governo que esse dinheiro emprestado pelo BNDES para as empresas se apropriarem dos aeroportos retornará logo para o caixa do Tesouro. entregou três aeroportos brasileiros às empresas privadas. formado por 28 sindicatos e 3 centrais. desde o fim do ano passado. vai pelo mesmo caminho dos governos capitalistas da Europa. foi definido para o ano que vem mais duas rodadas de leilões do petróleo brasileiro. Dilma tentou empurrar para os servidores a conta da crise O governo Dilma. Da mesma forma. o governo Dilma. com a Copa de 2014 e as Olimpíadas de 2016. Já o de Brasília arrecadou 200 milhões e o estado receberá somente R$ 183 milhões. continua privatizando. e outras fundações e autarquias mobilizaram-se e realizaram a maior greve da categoria. se esconde que os aeroportos são lucrativos. A resposta dos servidores: maior greve desde 1993 A história foi diferente: 350 mil servidores do executivo.53 bilhões. Viracopos (Campinas) e JK (Brasília). já que 90% dos R$ 24 bilhões (valor total dos aeroportos) serão financiados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). R$ 1 bilhão. Porém. e o consórcio vencedor vai repassar ao estado R$ 140 milhões. A arrecadação desses três aeroportos vem crescendo ano a ano e. propositadamente. O pontapé inicial da campanha salarial 2012 foi dado em 16 de fevereiro. como forma de sair da maior crise que o sistema capitalista já viveu. guardando as devidas diferenças. por R$ 24. O Fórum Nacional dos Servidores Públicos Federais. que fez o mega especulador brasileiro. O governo. ao invés de reestatizar. A rigor. em 2011. em Campinas. e o consórcio vencedor do leilão vai pagar ao estado somente R$ 880 milhões. técnicoadministrativos e professores dos IFS. Mais um ataque ao povo brasileiro. O aeroporto de Viracopos. As empresas que compraram os aeroportos não desembolsarão nenhum centavo. em agosto: o governo anunciou a “concessão” das rodovias e ferrovias e. vinha mandando recado aos servidores federais: 2012 será mais um ano de arrocho salarial. que na era FHC foi responsável pelo maior roubo da história do Brasil. será o governo que dará dinheiro às empresas. falar que esse era o “kit felicidade”. .Seguindo a lógica do neoliberalismo. crescerá ainda mais. devido à exigência do pagamento de um valor fixo anual. Os aeroportos de Cumbica (Guarulhos). Vejamos: o aeroporto de Guarulhos arrecadou. de quebra R$ 133 bilhões. Em fevereiro.

Rodoviária Federal.8% de reajuste. Os professores da rede federal da educação básica. O Governo sem mais alternativa teve que ceder. DNIT.apontou que a única forma de obter conquistas era unificando todos os servidores para uma Greve Geral. A mobilização no Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI) também foi um símbolo de unidade e luta nessa greve. que há muito tempo não se mobilizavam. Uma avalanche de greves tomou o Brasil. A partir de junho foram as bases da Condsef. Sem luta a exploração capitalista só aumentará. Carreiras do serviço público. os servidores se mantiveram em greve. Por isso devemos aumentar nossa unidade e organização na luta por salários dignos. os docentes de 57 das 59 universidades federais entraram em greve. As manifestações com caravanas de todos os estados brasileiros reuniram mais de 40 mil servidores federais. chegando ao ponto de uma jornalista da Globo falar que “não aguentava mais sair de casa para trabalhar e ver Brasília tomada por bandeiras vermelhas”. Carros de som rodavam na Esplanada dos Ministérios fazendo agitação o dia todo aos gritos de “Greve neles!!”. Apesar da oposição governista por parte da Associação dos Funcionários. Em pouco tempo. profissional e tecnológica também paralisaram suas atividades. que culminou com a conquista da Gratificação de Qualidade(GQ). os servidores lotaram as ruas com suas bandeiras. pela redução da jornada . Mesmo após a direção geral. Em Brasília. Os técnicos administrativos seguiram o movimento e cruzaram os braços. No mesmo caminho seguiram as bases do administrativo da Policia Rodoviária Federal. Os bancários e os companheiros dos Correios seguiram na mesma linha e realizaram greves. ajuizar ação contra a Associação dos Servidores do Arquivo Nacional – ASSAN e o Sintrasef/RJ. Ficais da Receita e servidores das Agências Reguladoras dentre outras. constranger. deflagraram greve: Policia Federal. O Sindsep/DF organizou piquetes em frente aos ministérios. Após rodadas e mais rodadas de negociação o governo apresentou a proposta de 15. Ministério da Agricultura e CNEN. ninguém o fará por eles. o núcleo de base do Sintrasef/RJ conseguiu realizar 10 dias de paralisações com mais de um mês de “operação padrão”. cortar o ponto de dias de paralisação de 2011 e zerar parte dos contracheques no mês de agosto. através do setor de Administração. que durante 58 dias permaneceu de braços cruzados. destacando-se o Arquivo Nacional. Todas essas lutas revelam que os trabalhadores estão descobrindo que se não se unirem e se organizarem. no Rio de Janeiro e Brasília. divididos em três anos. conquistando importantes vitórias para os trabalhadores. Esse percentual representa 22 bilhões retirados do orçamento da União que iriam para o bolso dos banqueiros.

cerca de 14." (Georgi Dimitrov.3% da população desempregada. 80 milhões de trabalhadores foram demitidos em todo o mundo. são 22 milhões de desempregados. por serviços públicos de qualidade. ainda segundo a OIT. No total. a maior da história.8% dos jovens não têm emprego. os EUA. Resultado: as dívidas públicas dispararam. o verdadeiro senhor do mundo é o proletariado. Secretário Geral da III Internacional Comunista) Desde setembro de 2008. Somente nos EUA. . O Reino Unido. 121%. Segundo o . 45. 86%. em particular ao longo deste ano.9%. mas entre os jovens de 16 a 24 anos. a França. ou de um grupo de países. tomando dinheiro emprestado do capital financeiro a juros altíssimos. mas de uma crise geral do capitalismo. mas joga sobre os trabalhadores todo o seu ônus. maior economia do planeta. para que a classe trabalhadora seja dona das riquezas por ela produzida. ou de uma moeda. Na Itália. o número de pessoas que vivem abaixo da linha de pobreza voltou a crescer pelo quarto ano consecutivo.5 trilhões de dólares. 3ª maior economia do mundo. para salvar a oligarquia financeira. 65% e a Grécia 151. Por isso. As consequências da crise no Mundo Nos EUA. também. Conjuntura Internacional "Os atuais governos dos países capitalistas são provisórios. e outrora a locomotiva do capitalismo. a prostituição e o comércio mundial de drogas. tem 8. A dívida do Japão atinge 200% do seu PIB e a dos EUA 100%. Portanto. metade das mulheres está fora do mercado de trabalho e 29% dos jovens estão desempregados. os Estados se endividaram. A destruição provocada por essa crise é gigantesca. o dólar ou o euro. o mundo vive a agonia do sistema capitalista e o desenvolvimento de sua crise.6 bilhão de pessoas estão em situação de emprego vulnerável. Ou seja. Na Espanha. nos últimos anos. lutar pela sociedade Socialista. como insistentemente os grandes meios de comunicação da burguesia divulgam. e que afeta todas as economias. a Espanha. Portugal.9%. mas. não se trata da crise de um país. Segundo a Organização Internacional do Trabalho (OIT). o desemprego é de 21. 106%. A Alemanha deve 83% do seu PIB. e.de trabalho. a União Européia. a Itália. Assim é o sistema capitalista: a burguesia produz a crise. Como todos já perceberam. cresce em todo o planeta o número de famílias sem teto. segundo o relatório anual do escritório de estatísticas do governo americano. os desempregados no mundo já somam mais de 205 milhões e 1.

. O relatório anual revelou ainda que o número de pessoas sem cobertura médica alcançou 49. segundo os dados oficiais divulgados pelo Eurostat. nível mais alto desde 1993.3%). desempregados e migrantes defendem as conquistas adquiridas através de décadas de combate na luta contra o capital.7% e a Espanha com 24. e que a renda real média dos americanos caiu 6. A crise atual do capitalismo atinge 500 milhões de crianças no mundo.1% entre março de 2011 e janeiro de 2012 – a elevação mais rápida em termos absolutos no país onde as políticas de austeridade correspondem a dois processos de resgate em condições impostas pela Troika (Comissão Européia.1% (números relativos a janeiro deste ano). afirma relatório publicado pela organização Save the Children. Banco Central Europeu e FMI). os povos resistem a ser palco das batalhas entre os saqueadores imperialistas. Na África. o número de pessoas que vivem abaixo da linha de pobreza cresceu 14.4% em 2010. coincidindo com o período do lançamento das políticas de austeridade e de reformas nas leis trabalhistas.7% para 21. entre março de 2011 e janeiro de 2012.balanço.3%. contra 49 milhões em 2009.9 milhões em 2010 (16. calculando-se que ultrapasse os 25% até o final do ano.8% para 24. Em relação a 2009. Estes são alguns dos efeitos da “austeridade”.2 milhões de pessoas nessa condição. A taxa subiu na Espanha de 20. enquanto as instituições européias e os governos capitalistas continuam a considerar que tal política é compatível com a criação de empregos. que correm o risco de danos permanentes pelos próximos 15 anos. atualmente 15. A Espanha e a Grécia são os países mais afetados pelo flagelo do desemprego. aproximando-se de 25 milhões de desempregados. Enfim. Ao todo são 46. Na Ásia. cresceu de 14. A resposta dos trabalhadores A cada dia novos setores da classe trabalhadora e das massas populares se incorporam à luta por seus direitos: jovens. Portugal é agora o terceiro país com a mais elevada taxa de desemprego. A parcela mais avançada desses setores já mira o socialismo como objetivo. os trabalhadores desenvolvem grandes movimentos grevistas e resistem heroicamente contra a ocupação militar imperialista. Na Grécia.1% dos americanos vivem na miséria. o desemprego na União Européia está em progressão constante desde o segundo trimestre de 2008. A União Européia (UE) está à beira dos 11% de desemprego. 15.3%. servidores públicos. A Grécia está com 21.1%.

sempre se colocou à frente das discussões sobre o que é ser um sindicato classista. vastos setores da classe trabalhadora. da aristocracia operária. A saída para a crise Nesse cenário. em todas as gestões. Devemos trabalhar pela unidade do movimento popular. Nesse processo. por motivos variados. como sistema de libertação da classe trabalhadora do jugo dos capitalistas. falhavam no apoio às atividades políticas. sempre foi uma referência nas teses de nossos Congressos e nos debates estatutários. Nas inúmeras . Combativas demonstrações de força derrubaram odiosas tiranias aliadas ao imperialismo.A luta dos povos árabes tem adquirido particular importância. em nosso país. socialistas e suas entidades de classe cabe jogar um papel mais dinâmico. denunciar a natureza da opressão e da exploração. fizeram parte das preocupações do Sintrasef. de qualidade e para todo o povo brasileiro. a exemplo da Tunísia e do Egito. Iêmen. Os apoios aos diversos movimentos populares que lutam pelo Socialismo como o Centro Cultural Manoel Lisboa. a traição da burocracia sindical. no trabalho dentro do parlamento etc. Nosso sindicato. a unidade na ação e no programa. vem há 23 anos lutando em defesa dos servidores públicos federais e por um serviço público gratuito. Os esforços para a formação política através de debates. da juventude e dos povos oprimidos. A visão de um sindicato classista. que faz parte da luta pela construção do Socialismo. como o Bahrein. dos povos e da juventude buscam alternativas e caminhos. o Sintrasef sempre esteve presente garantindo a representação dos servidores nos embates com os governos. Jordânia. Avaliação do Sintrasef O Sintrasef/RJ. Quando alguns sindicatos. esclarecer a natureza de classe dos conflitos. são provas inequívocas desse compromisso. Em uma só frente. a unidade do movimento operário e sindical. palestras. Marrocos e Argélia. é indispensável desenvolver o sindicalismo classista. Nas diversas campanhas salariais o Sintrasef sempre foi um dos principais esteios político e financeiro da nossa Confederação. e a ação dos oportunistas. pela incorporação à luta das massas camponesas. dentre outros. o movimento estudantil. devemos enfrentar o capitalismo e o imperialismo e levantar a bandeira do Socialismo. Aos revolucionários. também. e foram o estopim de ações combativas das massas trabalhadoras em outros países da região. o MST. um dos maiores e mais combativos sindicatos da base da CONDSEF. publicações e a participação em fóruns nacionais e internacionais de trabalhadores.

os governos do capital fazem para manter o domínio e a lucratividade da classe burguesa. a maior e mais politizada greve dos servidores públicos federais. Nos contentamos em responder a cada ataque dos governos. como foi o caso do RJU. às demandas de um sindicato do tamanho e da importância do Sintrasef. mesmo com o trabalho abnegado dos jornalistas e repórteres fotográficos. paralisações. retaliando várias conquistas obtidas com muita luta. o Sintrasef demonstrou não estar plenamente preparado para dar suporte e enfrentar essa batalha. c) parte da diretoria não se envolveu na greve (problema político grave). e) nossa imprensa. faixas. fato que não acontecia há muito tempo. A atual gestão do Sintrasef participou e organizou. Exemplos não faltam: a) nosso jurídico não respondeu a altura às demandas da greve. ocupações de prédios públicos e caravanas a Brasília. o Sintrasef esteve sempre na vanguarda. Em alguns pontos retrocedemos. transporte etc. Isso tudo. b) o apoio logístico (confecção de materiais. que conseguiu readmitir mais de 18 mil servidores). deixou claro alguns pontos determinantes. em 2012. da extinção de órgãos públicos deixando os servidores largados à própria sorte. das Reformas Administrativa e Previdenciária. Levando-se em conta que a base dos servidores públicos federais não é mais a mesma que há vinte anos. que os governos capitalistas foram moldando o Estado brasileiro às suas necessidades. pois precariza os serviços públicos e dificulta a mobilização. A terceirização ainda é um problema sério que enfrentamos. mas não soubemos reagrupar nossas forças para que avançássemos na construção de um sindicato que seja uma máquina de guerra dos servidores. A histórica greve vitoriosa desse ano. . O sindicato foi fundamental na unificação do movimento dos servidores ao organizar o Fórum Estadual dos Servidores Públicos Federais. Por isso tudo achamos que nosso sindicato não se adequou a essa realidade e aos novos desafios que esta enseja.greves. (Ressaltamos aqui o trabalho incessante e tenaz da Comissão dos Demitidos pelo governo Collor. dona dos meios de produção. não cobriu a contento o movimento grevista que abarcou vários órgãos. até do ponto de vista de economia. Porém a despeito do esforço de parte dos diretores.) se deu com grande dificuldade. que representou uma vitória política ao quebrar a lógica do governo que queria guardar tudo para os banqueiros. e construir grandes passeatas que levaram milhares de servidores às ruas do centro do Rio de Janeiro. nem de longe. d) ficou visível a falta que faz ao sindicato um carro de som. As ações importantes para garantir a confiança das bases grevistas deixaram a desejar. A estrutura de comunicação do Sintrasef não satisfaz. vanguardeada pela CONDSEF.

principalmente. sanáveis com nossa unidade e vontade política. Nosso compromisso com essa gestão é inquestionável e nos colocamos dentro da maioria das críticas aqui levantadas. nas reuniões da diretoria. queremos registrar a pouca discussão política. do governo e da mídia burguesa que o apóia. e a socialização das informações e das responsabilidades são os principais fatores de não avançarmos mais nessa questão. também achamos que a falta de discussão política sobre o tema. Sobre isso. Para o Movimento Luta de Classes (MLC) a melhor forma de afirmar o direito de greve dos servidores públicos é construindo greves cada vez mais politizadas e com ampla participação dos trabalhadores. fincado profundamente em suas bases. . o que levou à centralização de decisões sempre prejudiciais às ações coletivas. do Movimento Luta de Classes (MLC). Cremos que com todas essas debilidades. e se levantamos essas críticas nessa avaliação é como uma autocrítica. formando uma legião de militantes políticos/sindicais e uma máquina de agitação e propaganda para o enfrentamento com nossos inimigos de classe. essa gestão está intimamente ligada à vitória da greve dos servidores e. É por isso que o MLC propõe que ao 11° Congresso do Sintrasef: : 1) Criação de um Fundo de Greve estatutário. quando e por que fazer greve.Por fim. com 5% mensais da receita do sindicato. PLANO de LUTAS Organizar a Greve dos Federais em 2013 para regulamentar a Convenção 151 da OIT O 11° Congresso do Sintrasef deve cumprir dois importantes papéis: preparar a entidade para a campanha salarial de 2013 e organizar a luta pela regulamentação do direito de greve dos servidores públicos. Muitas dessas debilidades são creditadas aos problemas financeiros que permanecem a algum tempo preocupando as diretorias. Nós. por isso afirmamos ser uma gestão combativa e com a responsabilidade de enfrentar as lutas e desafios que estão por vir. pois fazemos parte dessa diretoria e a defendemos onde quer que estejamos. Só a mobilização da categoria vai fazer o governo entender que quem decide como. o debate franco e a decisão de transformarmos os erros em acertos. sempre exaltamos o papel que o Sintrasef cumpre no movimento sindical brasileiro. são os próprios trabalhadores. Nossa avaliação está vinculada ao ideal de todos nós de um sindicato cada vez mais classista.

Dispositivo antidemocrático que impede a reeleição de dirigentes do Sintrasef/RJ por mais de dois mandatos a despeito da vontade da categoria. atos públicos e organização de comitês locais. 8) Criação da Comissão da Verdade do Sintrasef. de luta e das bases. Com abaixo assinado. Apurar a perseguição a funcionários públicos. 3) Criação de um Grupo de Trabalho para equalização financeira do Sintrasef. 5) Estabelecer carência nas ações vencidas através do Jurídico do Sintrasef. O voto dos filiados e a eleição do sindicato são soberanos: FIM DO INTERSTÍCIO JÁ! . Sob os pretextos da “alternância” e da “oxigenação” na direção sindical. 7) Continuar a luta pelos 6 pontos da Pauta de Reivindicações dos SPF's pelo Memorial da CONDSEF. 9) Intensificar a Campanha pelo fim do Assédio Moral. o interstício cassa o direito da base votar livremente. Alterações Estatutárias A posição do MLC sempre foi pelo fim do interstício. 6) Engrossar a campanha nacional pela inconstitucionalidade da reforma da Previdência. Não concordamos com alguns companheiros (as) que se utilizam dessa situação para afastarem lideranças históricas que ajudaram a criar esse sindicato e até hoje são dirigentes reconhecidos em todo o movimento sindical brasileiro. 4) Realização de Encontros Estaduais por setor da categoria. que durante a ditadura a enfrentaram. É por isso que o MLC propõe que o Congresso do Sintrasef altere seu estatuto.2) Secretaria Jurídica do Sintrasef deve organizar oficina com o objetivo de agilizar a elaboração e encaminhamento de mandados de segurança e outras ações pertinentes aos períodos de greve. dando fim a essa cláusula que nada tem haver com um sindicato classista. Pelo Direito a Memória e a Verdade.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful