You are on page 1of 1

ESCOLA SECUNDÁRIA DA MAIA

FICHA FORMATIVA
Biotecnologias

Biotecnologia e a História
Poucas áreas se desenvolvem na actualidade tão rapidamente como a Biotecnologia, e, dentro desta, a Engenharia
Genética. Não existe consenso na definição de Biotecnologia, considerando alguns autores que a produção de um
composto com interesse por microrganismos e o seu aproveitamento corresponderá a um processo biotecnológico. Trata-
se de uma perspectiva mais antiga, em que os seres humanos aproveitaram os microrganismos na produção de pão, queijo e
vinho, bem como outras bebidas, como a cerveja. Na actualidade, a definição aproxima-se mais de um conceito científico,
intimamente associado ao desenvolvimento da tecnologia da manipulação do DNA.
A passagem entre os dois momentos anteriormente referidos ocorreu no século XX. No início desse século
desenvolveu-se a fermentação industrial, com aumento da investigação e publicação de trabalhos sobre o metabolismo dos
microrganismos. Durante a Segunda Guerra Mundial, a produção de penicilina por microrganismos só foi possível como
desenvolvimento das tecnologias fermentativas, possibilitando igualmente a produção de outros antibióticos. Muitas
espécies agrícolas foram geneticamente melhoradas, recorrendo a cruzamentos selectivos, sendo também considerados
como processos de Engenharia Genética. O conhecimento da estrutura primária das proteínas na década de 50 e a
publicação da estrutura do DNA, em 1953, por Watson e Crick permitiu o desenvolvimento das tecnologias do DNA
recombinante em 1973.Contudo, estes avanços preocuparam alguns cientistas que propuseram uma moratória (adiamento)
da investigação por um ano, para que pudessem discutir e aprofundar as consequências dos últimos avanços científicos. A
produção de pão é um dos melhores exemplos da evolução histórica da Biotecnologia. Deverá ter sido desenvolvida no
Egipto, com vestígios que remontam a 2600 a.C., com a produção de pelo menos sete tipos de pão diferentes. Os Hebreus
desenvolveram a técnica e atribuíram um significado religioso ao pão. Os Gregos, para além de usarem folhas como fontes
dos microrganismos, tal como os povos anteriores, adicionavam sumo de uva, como fonte de leveduras para fermentar o
pão. Por volta de 400 a. C., começaram a produzir pão a uma escala comercial, durante a noite, tratando-se da possível
origem desta prática actual. Os Romanos regulamentaram a venda de pão, mas foi apenas nos séculos XVII e XIX que foram
descobertas as leve duras. Antoine Leeuwenhoek foi o primeiro a observá-las. Pasteur também estudou estes organismos,
tendo descoberto que muitos eram capazes de viver na ausência de oxigénio, que era considerado até à altura como
essencial à vida. Este facto permitiu o desenvolvimento das tecnologias de fermentação modernas. Na actualidade, os
cientistas sabem que, na presença de oxigénio, as leveduras produzem mais dióxido de carbono, permitindo produzir um
pão mais fofo e agradável. Para além disso, melhoraram os métodos de selecção de estirpes mais adequadas para a
panificação, com a produção de quantidades diárias de pão muito superiores às dos nossos antepassados, de modo a
possibilitar a nutrição de uma população crescente. Para além de utilizarmos os microrganismos a nosso proveito, os
cientistas estão a modificar geneticamente os organismos, aumentando as aplicações da Biotecnologia nos nossos tempos
modernos.

1. Analise a importância do uso dos microrganismos no desenvolvimento das populações humanas e na sua
cultura.
2. Em que medida o desenvolvimento das tecnologias fermentativas pode ser considerado por alguns
autores como a base da Biotecnologia moderna?
3. "O desenvolvimento da tecnologia afectou o desenvolvimento social." Analise criticamente a afirmação.
4. Realize um trabalho de pesquisa acerca das implicações do desenvolvimento da Biotecnologia na nossa
sociedade, discutindo-o com os restantes grupos. Sugiro os temas: produção de penicilina e outros
antibióticos; fornecimento de água potável; produção de vinho e bebidas com gás; produção de queijo e
restantes produtos derivados do leite.