ESCOLA CRIMINOLÓGICA DE CHICAGO

GRUPO: DENISON JOSUÉ SANTOS DANILO CARVALHO ESCOLÁSTICO

Sociologia das Grandes Cidades

O surgimento da Escola de Chicago está diretamente ligado ao processo de expansão urbana e crescimento demográfico da cidade de Chicago nos EUA, no início do século 20, resultado do acelerado desenvolvimento industrial das metrópoles do Meio-Oeste norteamericano.

Teoria ecológica

Como decorrência do acelerado processo de industrialização, Chicago presenciou o aparecimento de fenômenos sociais urbanos que foram concebidos como problemas sociais: o crescimento da criminalidade, da delinquência juvenil, o aparecimento de gangues de marginais, os bolsões de pobreza e desemprego, a imigração e, com ela, a formação de várias comunidades segregadas (os guetos).

Sociologia das Grandes Cidades

Imagens da Cidade de Chicago: 1930-1940

Sociologia das Grandes Cidades

Desenvolvimento Urbano: Exploração demográfica e heterogeneidade

A escola de Chicago tem uma perspectiva transdisciplinar que discute múltiplos aspectos da vida humana, todos eles relacionados com a vida da cidade.

Teorias influenciadoras:
 Interacionismo  Teoria

Simbólico

Ecológica

Interacionismo Simbólico

O interacionismo simbólico é uma abordagem sociológica das relações humanas. O foco do interacionismo simbólico concentrase, justamente, nos processos de interação social, ou seja, que ocorrem entre indivíduos ou grupos.

Teoria ecológica

A abordagem ecológica questiona se o ”habitat” social (ou seja, o espaço físico e as relações sociais) determina ou influencia o modo e o estilo de vida dos indivíduos.

Teoria ecológica

Robert Ezra Park, considerado o grande ícone e precursor dos estudos urbanos, Ernest Watson Burgess e Roderick Duncan McKenzie elaboraram o conceito de "ecologia humana", a fim de sustentar teoricamente os estudos de sociologia urbana.

Teoria ecológica

Com base na ecologia humana teoria feita por Burgess, aplicada em Chicago , foi a primeira a dar a explicação sobre a distribuição de grupos sociais dentro das áreas urbanas . Este modelo descreve o uso da área urbana em anéis concêntricos.

Teoria ecológica
Robert Ezra Park ◦ Park influenciou no desenvolvimento

da teoria da assimilação que era
pertinente aos imigrantes dos

Estados Unidos.
◦ Durante a estadia de Park na Universidade de Chicago, seu departamento de sociologia começou a usar a cidade que a cercava como

espécie de laboratório de pesquisa.

"Eu tenho sido majoritariamente um explorador em três campos: Comportamentos Coletivos, Ecologia humana e Relações de raça".

Teoria ecológica
Ernest Watson Burgess

Juntamente com Robert Park

escreve "Introdução à Ciência da
Sociologia", onde discute temas tais como a história da sociologia, a natureza humana, os problemas de investigação, a interação social, a concorrência, os conflitos, a assimilação, dentre

outros.

Ecologia do Crime
  

Conceito TDS – Teoria da Desorganização Social: Segundo os Sociólogs Shaw e Mckay:
 Ordem social  Estabilidade  Integração  Desordem  Má Integração

 Controle social  Conformidade com as leis

 Crime  Delinqüência

Causas da Criminalidade
DESORGANIZAÇÃO SOCIAL ENFRAQUECIMENTO DE CONTROLES SOCIAIS INFORMAIS

Causas da Criminalidade
 Clifford Shaw e Henry McKay (1942), ambos realizaram um estudo que atribui o surgimento de altas taxas de violência e criminalidade à desorganização social de determinadas comunidades e à incapacidade que elas têm de conceber valores comuns e, conseqüentemente, de controlar de maneira efetiva o comportamento de seus membros.

Áreas de delinquência
Essas áreas estão relacionadas à

degradação física, segregações
econômicas, étnicas e

raciais. A deteriorização do
ambiente reflete os valores

daqueles que lá residem ao
mesmo tempo em que influencia

na decadência moral desses. O
belo representa a

bondade e o feio o mal.

Áreas de delinquência
No início do séc. XX, Ernest Burgess publica um estudo fundamentado na distribuição espacial de atividades criminosas na cidade de Lawrence, em Kansas, que iria dar origem à Escola de Chicago, também designada por Ecologia Criminal. Nas décadas seguintes, Shaw e Mckay (1931, 1942) dão um importante contributo nesta área, ao elaborarem um quadro descritivo das áreas de delinquência e uma explicação da distribuição ecológica do crime.

Espaço Urbano e Criminalidade

Guetos e Gangues

Intervenção para a prevenção

Lugares “feios” associados à criminalidade; Intervenção Urbanística como prevenção.

Críticas à Escola de Chicago

Substituição do “indivíduo criminoso” pelo “habitat de criminalidade” ou “áreas de delinquência”;

Referências:
Espaço Urbano e Criminalidade: Lições da Escola de Chicago; FREITAS, Wagner Cinelli de Paula. São Paulo IBCCRIM, 2002.  Interacionismo simbólico. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 20032012. [Consult. 2012-09-26].Disponível na www: <URL: http://www.infopedia.pt/$interaccionismo-simbolico>  CANCIAN, Renato; Escola de Chicago - Contexto Histórico - Pesquisas centradas no meio urbano Especial; Pedagogia & Comunicação, Página 3  CHAIKEN, Jan M., CHAIKEN, Marcia R. Drugs and Predatory Crime. The University of Chicago Press, 1990. Apud: Luís Felipe Zilli do Nascimento; Violência e criminalidade em vilas e favelas dos grandes centros urbanos: um estudo de caso da Pedreira Prado Lopes.  PARK, Robert Ezra. A cidade: sugestões para a investigação do comportamento humano no meio urbano. In: VELHO, Guilherme Otávio. O fenômeno urbano. Rio de Janeiro: Zahar, 2 edição, 1973, pp. 26 a 67, pp. 30 e 31. Apud  ICIST, Instituto de Engenharia de Estruturas, Território e Construção – Instituto Superior  V. HEITOR,Teresa, INSEGURANÇA EM MEIO URBANO: O ESPAÇO NA MEDIAÇÃO DE OPORTUNIDADES DELITUOSAS Técnico – Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura – 1049-001 Lisboa; teresa@civil.ist.utl.p