Topicos especiais em Direito – Prof. Carlos Alberto de Souza 14/09/2012 Embargos infringentes Art.

530 cpc Cabimento: -Acordao nao unanime (ocorre a sustentacao do voto vencido) -Mudanca da sentenca -Acao rescisoria procedente

Prazo: 15 dias Julgamento: Camaras cives reunidas Obs. Da decisao do relator que nao recebe este recurso, cabe agravo (regimental) em 5 dias. Embargos declaratorios Art. 535 cpc Cabimento: Aclarar (complementar) decisao: .Omissa .Obscura .Contraditoria

Prazo: 5 dias Isento de custas! Art. 538 cpc – efeito interruptivo – ex tunc (zera tudo). Se intempestivo, perde todos prazos. Obs. Lei 9099 – recurso inominado (10 dias) e nao apelacao! Efeito ex nunc! No Proc Penal, embargos declaratorios tem prazo de 2 dias. Recurso ordinario Art. 539 cpc Prazo: 15 dias. Cabimento ao STF: Cabimento ao STJ: -Decisao negatoria dos tribunais superiores em MS, HD, MI. -Decisao negatoria em MS pelo: TRF, TJDF, TJ Agravo (Regimental) Art. 557 $1 cpc Cabimento: Vide art. 557 cpc! Objetivo: Juizo de retratacao do relator

Prazo: 5 dias Isento de custas! Julgamento: Extra pauta. Obs. A nomenclatura “regimental” funciona somente na pratica, no ambito interno do tribunal. Serve para que o relator que, monocraticamente, nao recebeu o recurso, retrate sua decisao. Se deferir o o agravo, o faz por escrito. Caso nao, a turma decide a respeito. 21/09/2012 Recurso Especial Art. 541 CPC e Art. 105, III a, b, c CF88 Prazo: 15 dias Interposicao: Ao Presidente do TJ Cabimento: Art. 105, III, CF88. Contrariar: a. Tratado ou Lei Federal ou negar-lhe vigencia b. Julgar valido ato de governo local contestado em face de lei federal c. Der a lei federal interpretacao divergente da que lhe haja dado outro tribunal Recurso Extraordinario Art. 541 CPC e Art. 102, III, a, b, c, d Prazo: 15 dias Interposicao: Presidente do TJ Cabimento: Art. 102, III, a. Contrariar dispositivo desta Constituicao b. Declarar a inconstitucionalidade de Tratado ou Lei Federal c. Julgar valida lei local ou ato de governo local contestada em face desta Constituicao d. Julgar valida lei local em face de lei federal Agravo Ao STJ ou STF Art. 544 CPC Interposicao: Ao presidente do TJ, quando este negar seguimento do Recurso Especial ou Extraordinario Prazo: 10 dias Isento de Custas PROVA: TEORIA GERAL DOS RECURSOS Processo de Conhecimento “Curso Avancado de Processo Civil Vol 1” de Luis......

-VT integrada – Filme “Historias Cruzadas” - resenha com Leticia Barbosa Maracaja De Morais. -VT – Para dia 26/10/2012. Direito Penal 1 – A lei penal sempre ira retroagir para beneficiar? Jescheck classifica como uma EXCEÇÃO AO PRINCIPIO DA RETROATIVIDADE DA LEI MAIS FAVORAVEL quando a lei anterior é uma LEI TEMPORAL, pois "UMA LEI DESTE TIPO É APLICAVEL AOS FATOS PUNIVEIS PRATICADOS SOB SUA VIGÊNCIA, EMBORA TENHA DEIXADO DE VIGER (parágrafo 2º, IV), POIS A DERROGAÇÃO DE UMA LEI TEMPORAL VEM CONDICIONADA SOMENTE PELO DESAPARECIMENTO DO MOTIVO QUE A ORIGINOU E NÃO POR UMA MUDANÇA NA CONCEPÇÃO JURIDICA. - Caso contrário, a lei temporal perderia autoridade na medida em que fosse aproximando-se o termo final de sua vigência. Observação: Alguns autores brasileiros, embora reconhecendo a conveniência da exclusão da retroatividade da lei penal benéfica em relação as leis excepcionais (guerra) e temporárias (periodo eleitoral), têm sustentado a inconstitucionalidade do art. 3º, do CP, diante da previsão do art. 5º, XL, da CF "a lei não retroagirá, salvo para beneficiar o réu". Porém, não se pode esquecer que o principio da irretroatividade da lei penal é uma conquista histórica do moderno Direito Penal. Obs. A lei processual penal sempre retroagira, prejudicando ou nao. 2 – Quais sao os elementos que compoem o fato tipico?
Conduta Humana voluntaria comissiva / omissiva / dolosa / culposa b) Resultado nos crimes materiais c) Nexo Causal d) Tipicidade formal (ilicitude + / material

3 – Quais os elementos de composicao da culpabilidade? IMPUTABILIDADE: é a capacidade de entender e querer. Via de regra, todos nós somos imputáveis. Causa de exclusão (art. 26, CP): doença mental, desenvolvimento mental incompleto, desenvolvimento mental retardado e embriaguez completa oriunda de caso fortuito ou força maior. POTENCIAL CONSCIÊNCIA DA ILICITUDE DO FATO: "consciência profana do injusto”, basta que o agente tenha condições suficientes para saber que o fato praticado está juridicamente proibido e que é contrário às normas mais elementares que regem a convivência. Exemplo: tradição dos índios de matar criança deficiente. Excludente: erro de proibição. EXIGIBILIDADE DE CONDUTA DIVERSA: permite a formação de um juízo de reprovabilidade de uma conduta típica e ilícita. Entendendo culpabilidade como juízo de reprovação, só posso estabelecer juízo de reprovação contra alguém, se no caso concreto, eu podia exigir dessa pessoa comportamento diverso. Excludentes: coação moral irresistível e obediência hierárquica.

4 – No crime a distancia, qual o nome da teoria adotada pelo direito penal? Regra – local do resultado (ha excecoes). No crime a distancia, teoria da ubiqüidade ou mista, ou seja, tanto faz: local da conduta ou local do resultado. 5 – O que e a inexigibilidade de conduta diversa? Normal supralegal (cultural) utilizada pela plenitude (pode falar de qualquer coisa: religiao, futebol, etc.. tudo vale para defender no tribunal do juri) da defesa no tribunal do juri, mediante alegacao do advogado de que nao se pode exigir conduta diversa do seu cliente, o reu, na situacao em que o crime foi cometido. Aplica-se aos casos em que o agente pratica fato típico e antijurídico, porém, devido a circunstâncias não previstas em nosso ordenamento jurídico, o fato deixa de ser reprovado socialmente, o que exclui o elemento da culpabilidade do crime. 6 – Segundo a doutrina penal, quais as duas teorias adotadas no conceito analitico de crime?
Como conceito analítico, o crime pode ser dividido em duas vertentes: a clássica ou tripartida e a finalistica ou bipartida. A primeira, observa o Crime como um fato típico, antijurídico e munido de culpabilidade. Tal divisão baseia-se na premissa de que a culpabilidade é um vínculo subjetivo entre a ação e o resultado de certa conduta. Para a teoria finalistica, *a mais aceita pelos doutrinadores*, a culpabilidade não faz parte do conceito de crime pois esta é apenas pressuposto para a aplicação da pena. Isto ocorre porque a culpabiliade não irá afetar a existencia ou não de um crime e sim apenas influir na integração de uma pena. Professor: Teoria Bipartite (finalistica): fato ilicito e tipico (para culpabilidade bastaria somente o juizo da reprovacao) Teoria Tripartite (classica): fato ilicito, tipico e culpavel (neste caso, segundo Damasio, um menor nao responderia por crime nenhum, nem pelo ECA, por isso o Tri estaria for a)

O codigo penal utiliza ambas. *A doutrina mais respeitada eh bipartida*.

7 – O que e tipicidade?
A tipicidade, portanto, exige para a ocorrência do fato típico: (a) a correspondência formal entre o que está escrito no tipo e o que foi praticado pelo agente no caso concreto (tipicidade legal ou formal) + (b) que a conduta seja anormal, ou seja, violadora da norma, entendida esta como o ordena¬mento jurídico como um todo, ou seja, o civil, o administrativo, o trabalhista etc. (tipicidade conglobante). Pode-se, assim, afirmar que a tipicidade legal consiste apenas no enqua¬dramento formal da conduta no tipo penal, o que é insuficiente para a existência do fato típico. A conglobante exige que a conduta seja anormal perante o ordenamento como um todo.