DA TAMPA E DA PANELA: A CONSTRUÇÃO DE UM CASAMENTO FELIZ

Por Marco Antonio do Nascimento Sales, Psicólogo e Psicoterapeuta de Orientação Existencial CRP 05/22.205 E-mail: psicologomarcosales.sales390@gmail.com

A- A Temática “Casamento Feliz” Está em Evidência – Basta Ver a Mídia.

http://www.josuegoncalves.com.br

Pr. Josué Gonçalves -

http://www.claudioduarte.com.br

Pr. Claudio Duarte -

http://www.flaviogikovate.com.br

Dr. Flávio Gikovate -

http://www.garychapman.org

Dr. Gary Chapman -

http://www.drleman.com

Dr. Kevin Leman -

http://www.casamentoblindado.com.br

Renato & Cris -

A- A Temática “Casamento Feliz” Está em Evidência – Basta Ver a Mídia.
LIVROS SOBRE CASAMENTO

C- Apesar da “Revolução dos Costumes”, Iniciada em 1960, Hoje, As Pessoas Continuam Buscando Uma Vida Feliz no Casamento.

D – Se você digitar no SALVAR O SEU Teremos 2.380.000

a pergunta: “COMO CASAMENTO?” RESULTADOS!!!

E- Como Então Entender os Estudos que Dizem Que Apenas 5% dos Casamentos São Felizes e a Maioria Termina antes dos 10 Anos?
“Antes do matrimônio tende os olhos abertos, no matrimônio, depois, fechem-nos um pouco.” William Shakespeare

1. É Preciso Compreender As Razões Que Levaram Os Casais a Se Unirem em Matrimônio. 1.1. Há O “EQUÍVOCO DO AMOR ROMÂNTICO”

“O amor romântico é o conjunto de ideais, convicções, valores, posturas e comportamentos, reações e expectativas referentes à vida ideal de casal, fundamentada em idealizações e padronizações irreais disseminada pela cultura.” “A focalização se dá na IMAGEM do outro, não há discernimento, existindo uma ação impactante dos sentimentos, os quais se colocam acima do bom senso; é a vivência marcada pela APAIXONITE CEGA.”

1.2. PRECISAMOS SIGNIFICA DE

ENTENDER FATO

O

QUE AMAR.

- ROBERT STENBERG, PSICÓLOGO NORTE-AMERICANO AFIRMA QUE O AMOR POSSUI TRÊS COMPONENTES: INTIMIDADE, AFETO E COMPROMISSO. .INTIMIDADE = PROXIMIDADE QUE GERA CONHECIMENTO

.AFETO

=

SETIMENTO

QUE

GERA

VINCULAÇÃO

.COMPROMISSO = ALIANÇA COM O OUTRO QUE GERA EQUILÍBRIO

1.2. PRECISAMOS SIGNIFICA DE

ENTENDER FATO

O

QUE AMAR.

- Philia - o termo é traduzido geralmente como “amizade”, é o amor social, amor de amigo, de afinidade, patriótico, cívico. É a necessidade de compartilhar algo com alguém. Envolve a atitude de compartilhar uma visão de mundo.

1.2. PRECISAMOS SIGNIFICA DE

ENTENDER FATO

O

QUE AMAR.

- Storge - é o amor familiar, amor de pai para com os filhos, do tio para o sobrinho e viceversa. Envolve reciprocidade e identidade (FRATERNIDADE). Identidade Reciprocidade = = DNA Convívio

1.2. PRECISAMOS SIGNIFICA DE

ENTENDER FATO

O

QUE AMAR.

-Eros - o amor biológico, físico, sensorial, hormonal, visceral, sensual. É o amor que é atraído pelo charme, beleza, elegância, graça, delicadeza, exaltando as formas. É ESTÉTICO POR NATUREZA. VINCULA-SE AO EXTERNO, À APARÊNCIA.

1.2. PRECISAMOS ENTENDER O QUE SIGNIFICA DE FATO AMAR.

- Agápe - é o amor como o de Deus, o amor-que-se-dá, o amorsacrifício, o amor-entrega, o amor eterno, imutável e perfeito. Amor que valoriza o Outro 100%. UM AMOR QUE BUSCA A HARMONIA.
“Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine. E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria. E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria. ”

1.2. PRECISAMOS ENTENDER O QUE SIGNIFICA DE FATO AMAR. “O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece. Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal; Não folga com a injustiça, mas folga com a verdade; Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. O amor nunca falha; mas havendo profecias, serão aniquiladas; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, desaparecerá...” (Paulo, Apóstolo em I Coríntios 13:1-8) 1.2.1. Ter a Consciência das Várias Faces do Amor Ajuda a Compreender A Maneira Como As Pessoas se Unem – ENTENDER O AMOR.

1.2. PRECISAMOS ENTENDER O QUE SIGNIFICA DE FATO AMAR.

1.2.2. Saber o que é amar, passa pela compreensão de quem se é e de quem é o outro. “ORAÇÃO DA GESTALT
Eu sou eu, e você é você. Eu faço minhas coisas, e você faz as suas. Não estou neste mundo para viver de acordo com suas expectativas E você não está neste mundo para viver de acordo com as minhas. Você é você, eu sou eu. E se por acaso nos encontramos, é lindo. Se não, nada há a fazer. (Fritz Perls)”

1.2. PRECISAMOS ENTENDER O QUE SIGNIFICA DE FATO AMAR. 1.2.3. Saber o que é amar passa pela nítida percepção da qualidade da relação que vivenciamos no casamento. 1.2.4. O pensador judeu Martin Buber, disse que a verdadeira vida é marcada pelo ENCONTRO. Mas, este só acontece quando vivenciamos a esfera EU-TU (PERSONALIZAÇÃO), que é marcada pelo diálogo. 1.2.5. Ele também disse que a experiência de contato dos humanos se dá na esfera EU-ISSO (COISIFICAÇÃO), que é marcada pela manipulação instrumental.

2. SE HOUVER A CONSCIÊNCIA DO AMOR HAVERÁ A PERCEPÇÃO DA INDIVIDUALIDADE 2.1. O CASAL É UMA UNIDADE COMPOSTA, FORMADA POR DUAS PESSOAS “DIFERENTES”.

2.2. SE HÁ DIFERENÇA O QUE PRECISA SER TRABALHADO É O RESPEITO E A BUSCA DA RECIPROCIDADE.
2.3. VALORIZAR O OUTRO SIGNIFICA ACOLHER O OUTRO NA SUA TOTALIDADE (VIRTUDES E DEFEITOS).

3. Havendo Consciência do Amor e da Individualidade, Precisamos Trabalhar no Sentido de Manter a Harmonia Matrimonial, sabendo que a relação conjugal não pode se tornar uma relação de consumo.

3.1. A Cultural na Qual nos Encontramos é a Cultura do “CONSUMO”, firmada na promoção do desejo, que por sua vez, está pautada na “falta”.
3.1.1. A técnica e a tática é enfatizar “o que não se tem”.

“NINGUÉM DESEJA O QUE POSSUI” PLATÃO
3.1.2. A cultura do consumo propaga e fomenta a “TROCA” (O MITO DA GRAMA MAIS VERDE).

3. Havendo Consciência do Amor e da Individualidade, Precisamos Trabalhar no Sentido de Manter a Harmonia Matrimonial, sabendo que a relação conjugal não pode se tornar uma relação de consumo.

3.1.3. A cultura do consumo propaga e fomenta a “NECESSIDADES FALSAS”. “A sociedade industrial moderna impõe uma racionalidade tecnológica, de dominação e opressão em massa, de controle das consciências humanas. O homem que se encontra inserido na sociedade do artificialismo não é livre, ao contrário, é incapaz de se opor ao sistema do aparato tecnológico, às necessidades falsas, que ocasionam a 'mecânica do conformismo', conforme expressou Herbert Marcuse.”

3. Havendo Consciência do Amor e da Individualidade, Precisamos Trabalhar no Sentido de Manter a Harmonia Matrimonial, sabendo que a relação conjugal não pode se tornar uma relação de consumo.

3.1.3. A cultura do consumo propaga e fomenta a “NECESSIDADES FALSAS”. Herbert Marcuse realiza a distinção entre as necessidades falsas e as necessidades verídicas. As necessidades falsas são determinadas por forças externas, a qual o indivíduo não possui controle algum. Tais necessidades são produto de uma sociedade totalitária, que busca manipular os pensamentos e comportamentos humanos. Por outro lado, as necessidades verídicas representam a realização de todas as necessidades vitais, reais, tais como o alimento, roupa e teto.

3. Havendo Consciência do Amor e da Individualidade, Precisamos Trabalhar no Sentido de Manter a Harmonia Matrimonial, sabendo que a relação conjugal não pode se tornar uma relação de consumo. 3.1.4. A cultura do consumo faz com que o indivíduo vivencie as suas relações afetivas, tal como experimenta as demais relações de consumo, sem reconhecer de fato o valor e a dimensão das pessoas. - As pessoas se esforçam para comprar coisas (carros, roupas, etc.), mas ao surgir um “produto novo”, todo o esforço feito para comprar os primeiros “sonhos de consumo”, logo dão lugar aos novos... - Não se busca o durável, mas o mais novo e isso vale para as relações amorosas. - Tenta-se compensar o naufrágio das relações mediante a troca.

4. Para construir um casamento feliz, onde há complementariedade, é preciso: 4.1. Romper com uma visão de amor fraudulenta, onde é enfatizada a cegueira e a falta de discernimento. 4.2. Compreender que o verdadeiro amor possui vários aspectos e para cumprir o seu papel, todos estes aspectos precisam estar presentes na relação. 4.3. Pautar a relação com o seu cônjuge através da dimensão EU-TU (PERSONALIZAÇÃO), firmada no diálogo e na valorização do outro como indivíduo, desenvolvendo a consciência de quem sou eu e de quem é o outro.

4.4. Impedir que o relacionamento seja afetado pelo consumismo da nossa época, questionando necessidades falsas e buscando atender às demandas reais. “Amar se aprende amando” – Carlos Drummond de Andrade