CONTABILIDADE AGROPERCUÁRIA

NOVOS PROJETOS AGROPECUÁRIOS E OS GASTOS DE MELHORIAS

1

Na fase de implantação de uma cultura. observa-se que o período de formação e crescimento da cultura permanente. de maneira geral.1_ INÍCIO DE UMA ATIVIDADE AGRÍCOLA (cultura permante). denominado período préoperacional. 2 . no seu primeiro plantio. é relativamente longo. ao contrário do que acontece nas empresas industriais. até sua maturidade.

374/2011 – Estrutura Conceitual). 1.Mensuração dos elementos patrimoniais (Resolução CFC n°. Elemento Patrimonial – “CONTA” Valor de Custo Histórico Qual é a base de mensuração? Valor de Custo Corrente Valor Realizável Valor Presente 3 .

638/07 e MP nº. em conformidade com a Lei nº. 449/08 devem ser tratados. Extinção do Ativo Diferido 11 O subgrupo do ativo diferido foi extinto com a edição da MP nº. 299-A à Lei nº.RESOLUÇÃO CFC Nº. 11.638/07.159/09 Aprova o Comunicado Técnico CT 01 que aborda como os ajustes das novas práticas contábeis adotadas no Brasil trazidas pela Lei nº. que acrescentou o art. a partir de 5/12/08. em contas de resultado. realizar os registros contábeis dos referidos gastos. 4 . 6. 449/08. 1. 11. 12 As entidades em fase pré-operacional que continuaram contabilizando os gastos pré-operacionais ao longo do exercício de 2008.404/76 (Lei das S/A). devem.

que deve incorporar todos os custos vinculados à sua aquisição ou construção e todos os demais necessários a colocá-los em condições de funcionamento (transporte. esses gastos são agregados ao custo do próprio imobilizado. são considerados diretamente como despesas do exercício. aprendizado. etc. tributos não recuperáveis.). nos termos da NBC T 19. por exemplo. mesmo que vinculados a treinamento.RESOLUÇÃO CFC Nº. testes. pela Medida Provisória nº. conquanto possa ainda ser admitida a existência de saldos não amortizados nesse subgrupo até sua completa amortização pelo prazo máximo que a Lei das S/A admitia (10 anos). etc. 5 . 449/08. seguro. Além dessa amortização.10.157/09 Aprova o Comunicado Técnico CT 03 – Esclarecimentos sobre as Demonstrações Contábeis de 2008. Os relativos às atividades até que a planta atinja níveis normais de operação também são considerados como despesa do exercício. o subgrupo Ativo Diferido. novos valores não mais podem a ele ser adicionados. Despesas pré-operacionais 133 Foi eliminado. 134 Os valores que eram anteriormente admitidos como despesas pré-operacionais precisam agora ser reanalisados: se vinculados ao processo de preparação de máquinas e equipamentos para estarem em condições de funcionamento. montagem. torna-se necessário que os saldos existentes sejam também submetidos a revisões periódicas a fim de verificar a sua recuperabilidade. Os gastos relativos a atividades de administração e vendas. 1.

Seção III – Balanço Patrimonial. 179. riscos e controle desses bens. Art. 6.Lei n°. V – (revogado) VI – no intangível: os direitos que tenham por objeto bens incorpóreos destinados à manutenção da companhia ou exercidos com essa finalidade. de 15 de dezembro de 1976. inclusive os decorrentes de operações que transfiram à companhia os benefícios. As contas serão classificadas do seguinte modo: IV – no ativo imobilizado: os direitos que tenham por objeto bens corpóreos destinados à manutenção das atividades da companhia ou da empresa ou exercidos com essa finalidade. Capítulo XV – Exercício Social e Demonstrações Financeiras. 6 .404. inclusive o fundo de comércio adquirido.

IRRIGAÇÃO Rega.. $$ CULTURA EM FORMAÇÃO Tipo de Plantação PLANTIO Canteiros. enxertia. fungicidas . transporte de água. combate à formiga.. transplante. mudas. PREPARANDO O SOLO Destoca. estaqueamento.1. coveamento. $$ $$ $$ $$ $$ $$ $$$ TRATAMENTO FITOSSANITÁRIO Serviço de agrônomo e de terceiros. herbicidas.. marcação. limpeza. $$ 7 .. MANUTENÇÃO NO PERÍODO DE CRESCIMENTO Poda. Etc. Depreciação Acumulada. embalagem de mudas.. gradeação. $$ ADUBAÇÃO E PRAPARO DO PLANTIO Sulcagem. $$ $$ $$ A contrapartida desses lançamentos será normalmente: Disponível.. roçada. adubação básica e outros produtos. drenagem.. consumo de energia elétrica. . raleação. desbroto . Banana.1_ Gastos Pré-operacionais ATIVO NÃO CIRCULANTE Imobilizado Café.. alinhamento.. Maçã. . Contas a Pagar.. tratamento do solo... . sementes. . Seringueira.

2_ Culturas novas em empresa agrícola já existente ATIVO NÃO CIRCULANTE Imobilizado Café. Maçã. Seringueira. Etc. Banana. CULTURA PERMANENTE EM FORMAÇÃO Tipo de Plantação $$ $$ $$ $$ $$ $$ Todos os custos de formação da cultura serão acumulados no Ativo Imobilizado. CULTURA FORMADA Tipo de Plantação $$$ $$$ $$$ 8 .

As despesas operacionais da atividade em produção continuam sendo lançadas como despesas do período. após sua identificação. em relação aos gastos não identificáveis diretamente a um determinado projeto. Atenção com o rateio entre as culturas já existentes e a nova cultura.Culturas novas em empresa agrícola já existente ATIVO NÃO CIRCULANTE Imobilizado Café. serão acumuladas e contabilizadas no Ativo Não Circulante. Maçã. Os custos operacionais que se referem ao novo projeto. Seringueira. Etc. Banana. CULTURA FORMADA Tipo de Plantação $$ $$ $$ $$ $$ $$ RELATIVA À NOVA CULTURA NÃO SOFRE MODIFICAÇÃO. $$$ 9 .

ocorre uma série de gastos. destocamento e outras melhorias no solo para o cultivo.3 _ Desmatamento.. Como evidenciá-los contabilmente? 10 . Ao preparar a terra bruta para a agricultura. DESMATAMENTO DESTOCAMENTO TERRAPLENAGEM NIVELAMENTO DO SOLO DESVIOS DE LEITOS DE RIOS OUTROS..

para posterior amortização. 11 . Esses gastos NÃO devem ser acumulados à conta “Cultura Temporária”. Esses gastos NÃO devem ser acumulados à conta “Cultura em Formação”. destocamento e outras melhorias no solo para o cultivo. onde sobrecarregam a primeira cultura. onde sobrecarregam a primeira cultura.3 _ Desmatamento. na cultura temporária. DESMATAMENTO DESTOCAMENTO TERRAPLENAGEM NIVELAMENTO DO SOLO DESVIOS DE LEITOS DE RIOS Devem ser ativados. no grupo Ativo Não Circulante. São gastos que contribuirão para a formação do resultado de mais de um exercício social. na cultura permanente.

DESTOCAMENTO $$ MELHORIAS $$ TERRAPLENAGEM $$ $$ $$ NIVELAMENTO DO SOLO $$ $$ $$ A contrapartida desses lançamentos será normalmente: _ Disponível.1 _ Classificação no Balanço Patrimonial. _ Depreciação Acumulada.3.. $$$ DESVIOS DE LEITOS DE RIOS $$ 12 . ATIVO NÃO CIRCULANTE DESMATAMENTO $$ INTANGÍVEL O saldo será distribuído entre as culturas. _ .. _ Contas a Pagar.

e não inferior a cinco anos.3_ Baixa desses gastos como custo do período ATIVO NÃO CIRCULANTE INTANGÍVEL Café. $$$ $$$ Saldo que será transferido para Produtos Agrícolas. Etc. Seringueira. COLHEITA EM FORMAÇÃO MELHORIAS $$ Tipo de Produto AMORTIZAÇÃO $$ Distribuídos como custos $$ $$ $$$ $$ $$ $$ $$$ Conforme legislação brasileira. no Ativo Circulante. a amortização deverá ocorrer em prazo não superior a dez anos. Maçã. Banana.3. 13 .

que beneficiarão vários períodos (várias culturas). também serão classificados no Ativo Não Circulante e serão amortizados (distribuídos como custo) de acordo com a quantidade de períodos ou número de culturas que irão beneficiar.4_ Corretivos Os corretivos. aplicados ao solo. 14 .3.

bebedouros etc. esse gasto denominado “Melhorias” poderia fazer parte do custo da “Cultura Permanente em Formação”.3. Esse resultado deve ser contabilizado como recuperação de custo. instalação. em que haja grande número de colheitas (pelo menos cinco). 15 . e não fazem parte da conta “Melhorias”.5_ Receita no desmatamento e outras considerações  Comumente a madeira que resulta do desmatamento é vendida. devem ser contabilizados individualmente. abatendo (ou reduzindo) o gasto de Melhorias.  Outros gastos referentes a cerca.  No caso de culturas permanentes.

2010. São Paulo: Atlas. 12 ed. contabilidade da pecuária. José Carlos. imposto de renda – pessoa jurídica.BIBLIOGRAFIA BÁSICA MARION. Contabilidade Rural: contabilidade agrícola. 16 .