You are on page 1of 32

QUINZENÁRIO INDEPENDENTE AO SERVIÇO DAS COMUNIDADES DE LÍNGUA PORTUGUESA

1 a Quinzena de Fevereiro de 2009


Ano XXIX - No. 1056 Modesto, California
$1.50 / $40.00 Anual

FESTAS NA TERCEIRA

Sanjoaninas na California
Pág 24

New Bethany
10 anos de vida a fazer o Bem
Com o intuito de con-
vencer a nossa gente
a visitar os Açores e a
assistir as Sanjoaninas
2009, chega no dia 5 a
California, uma comiti-
va angrense constituida
pelos seguintes elemen-
tos - Miguel Costa, Pre-
sidente das Sanjoaninas
2009, José Couto, da
Comissáo Taurina, Lui-
sa Brasil, Vereadora da
Camara Municipal de
Angra, Miguel Brasil e Graziela Pereira, da Comis-
sáo Cultural das Sanjoaninas. (poster by plugplug)

POLITICA Pág 17

Directora Reg. das Comunidades


Tomou posse no
dia 30 de Janeiro
a nova Directo-
ra Regional das
Comunidades, do
Governo Regional
dos Açores.
Rita Dias tem 35
anos, é natural do
Faial e possui uma
licenciatura em Ciência Política, com especialização
em Instituições Políticas e Administração Pública, e
em Relações Internacionais, pelo Instituto Superior
de Matemáticas e Gestão da Universidade Lusófona.
MUSICA Pág. 28
O Bispo de Fresno D. John Steinbock celebrando a Missa da Celebração dos 10 anos, coadjuvado pelo novo
Joana Carneiro em Berkeley Padre de New Bethany, Robert Gamel Pág.32

Alzira Silva
Joana Carneiro foi
nomeada Directora
Musical da Orquestra
Sinfónica de Berkeley,
California.
Esta orquestra foi fun-
dada em 1969 e tem
sido reconhecida como
despediu-se da California
uma das melhores da
California. Joana Car-
neiro, nasceu em Lisboa e começou a sua carreira
como violinista. Depois de cursar-se na Academia
Nacional Superior de Lisboa, tirou o Mestrado em
Condução de Orquestras na Northwestern University
e está a doutorar-se na Michigan University.
Em 2004 foi condecorada pelo Presidente da Republi-
ca Portuguesa Jorge Sampaio, com a Ordem do Infan-
te D. Henrique, no grau de Comendador.

CULTURA

A História dos Açores


Susana Goulart Costa es-
creveu, Deolinda Adão
organizou/coordenou, e
Rosa Neves Simas traduz-
iu, esta obra que devia estar
em casa de todos os açoria-
nos. Escrito em Português
e Inglês, este livro de 380
páginas foi publicado pelo
Programa de Estudos Por-
tugueses da Universidade
da California, Berkeley.
Susana Goulart Costa é
professora do Departamen- Alzira Silva conquistou o respeito e a admiração de todas as Comunidades Açorianas Pág. 16, 17
to de História, Filosofia e Ciências Sociais da Univer-
sidade dos Açores. Uma obra a não perder. portuguesetribune@sbcglobal.net • www.portuguesetribune.com • www.tribunaportuguesa.com
2 SEGUNDA PÁGINA 1 de Fevereiro de 2009

Californianos na Inauguração de Obama


Milhões viram ao vivo a
EDITORIAL maior tomada de posse his-
tória na America. O mun-
do entrou em delírio com
este jovem Presidente, que
A Maratona de Obama durante dois anos condu-
ziu uma campanha políti-

O
ca nunca igualada e nunca
dia 20 de Janeiro de 2009 ficará marcado na vista na nossa terra das
história, como o dia de todas as esperanças. Americas.
Nunca na nossa geração, houve um dia em Calmo, inteligente, cordial,
que o Mundo parou todo `a espera que um rodeou-se de um grupo de
homem jurasse fidelidade a uma Constituição que é a de gente que sabe o que faz,
nós todos. que sabe criar as funda-
Mais de dois milhões presenciaram a cena e muitos ou- ções necessárias para que
tros milhões viram-na e choraram, no sossego das suas este nosso País volte a ser
casas. o líder mundial que sempre
Obama parte para uma maratona que só terá fim quando tem sido.
este País voltar a ser o que era, e quando os milhões Bastou ver as primeiras pá-
de desempregados poderem orgulhosamente levar para ginas de todos os jornais e
casa o cheque do seu suor. O Presidente Obama disse e revistas de todo o mundo, Familia Borges - Micahel, Steven e Diniz.
muito bem, que o esforço tem de ser de todos, o empe- no dia 21 de Janeiro, para Embaixo: Manuel Eduardo e Laurinda Vieira; Maria Nazaré e Henrique Escobar
nho, o profissionalismo, a honestidade, tem de voltar ao se compreender a impor-
de cima. A justiça tem de aprender de uma vez por todos tancia que esta eleição teve
de que lado é que está, e a maioria dos politicos actuais em todo o mundo.
não terão futuro neste novo mundo. “We do not have a mo-
mento to spare”, disse
Açores - Nove Ilhas, uma História, é mais do que um Obama, hoje, dia 28 de Ja-
livro. É um repositório de tudo aquilo que nunca soube- neiro, depois do seu pacote
mos acerca das nossas Ilhas. É a história de um povo que económico ter passado no
tornou um punhado de Ilhas nos sonhos das suas vidas. Congresso.
Vale a pena ler e mesmo obrigar os nossos filhos e netos É mesmo verdade. Não se
a fazer o mesmo. pode perder nem um minu-
Nos tempos modernos de hoje, este livro capta muitas to. O mundo espera.
vertentes que no passado foram deixadas ao acaso e ao
esquecimento. Alguns amigos nossos tive-
Este é um grande exemplo como um protocolo entre a ram a oportunidade de ir a
Universidade de Berkeley e a dos Açores pode produzir Washington.
resultados práticos, tal como a publicação deste livro. Aqui ficam para a história
Estamos todos de parabéns. esses momentos.

jose avila

Year XXIX, Number 1056, February 1, 2009


COLABORAÇÃO 3

Tribuna da Saudade
A bordo do Carvalho Araujo
Ferreira Moreno Mayone Dias: “Creio que foi com ras e respectivas fornalhas, foram maneceu desarmado e atracado
certo optimismo que a Marinha construídas em 1929 na Escócia. em Lisboa, sem préstimo. Em
de Guerra Portuguesa o classifi- Escrevendo de Lisboa p’ró quin- 1972 mudaram-lhe o nome p’ra

P
cou como cruzador. De qualquer zenário “Correio do Norte” Marcéu, porque o armador ad-
’ra quem lê habitual- rei, seja outra a origem do paque- modo, não me parece que o Jon- (Capelas, S. Miguel, 15 de No- quiriu um cargueiro a que quis
mente as crónicas que te Carvalho Araújo, destinado ao quil pudesse ter sido transforma- vembro, 2008), Luís Machado atribuir a honra de homena-
vou rabiscando, não é transporte de passageiros e carga do num paquete com lotação p’ra brindou-nos com uma apresenta- gear Carvalho Araújo. A 20
novidade o empenho da entre o Continente e Ilhas Atlân- 354 passageiros. Admitamos pois ção mais desenvolvida e autori- d’Outubro, 1973, saiu de Lisboa,
minha parte em citar as fontes de ticas, tenciono transcrever, aqui e que o Jonquil nasceu e morreu zada àcerca da história associada a reboque, p’ra ir morrer em Es-
informação, sempre que a opor- agora, os resultados das minhas como navio de guerra”. com o paquete Carvalho Araújo. panha (Aviles), desmantelado por
tunidade favorece a transcrição pesquisas àcerca do Jonquil, que Uma outra corveta inglesa Eis a transcrição: um sucateiro espanhol”.
adequada. No entanto, uma vez em português dir-se-ia junqui- “H.M.S. Jonquil K68” foi lança- “O navio da E.I.N. que foi nomea- Confesso que não consegui en-
por outra, o diabo passa-me uma lho. da ao mar em Setembro de 1940, do de “Carvalho Araújo”, em ho- contrar em parte alguma a cópia
endiabrada rasteira, como acon- No espaço OLDSHIPS.ORG.UK vendida em Maio de 1946, rebap- menagem ao mesmo oficial e que do livro “Paquetes Portugueses”
teceu recentemente na crónica está evidenciada a existência dum tizada sucessivamente com os vem referenciado nas gravuras de Luís Miguel Correia. Igual-
“Combate no Alto Mar”. sloop (aviso ou corveta), de na- nomes de Lemnos e de Olympic ilustrativas do artigo (Combate mente, quer na colectânea perten-
Ao tempo escrevi que ao navio cionalidade inglesa com o nome Rider (1951), ficando perdida em no Alto Mar), não proveio do cente à biblioteca da U.P.E.C. em
inglês “Jonquil”, adquirido pela Jonquil. Foi lançado ao mar em Janeiro de 1955. navio inglês Jonquil. Na reali- San Leandro, quer entre os núme-
Empresa Insulana de Navegação, Dezembro de 1915 e vendido à Numa informação que me foi dade, o navio Carvalho Araújo ros avulsos de que disponho, não
fôra atribuído o nome de “Car- Marinha Portuguesa em Maio de transmitida por José do Couto foi encomendado pela E.I.N. ao encontrei o referido exemplar da
valho Araújo”. A notícia é au- 1920, tomando o nome de Carva- Rodrigues, (Portuguese Heritage estaleiro italiano Cantieri Nava- revista “Atlântida” com o artigo
téntica e em conformidade com lho Araújo, e acabando por ser Publications of California), o pa- li Triestino e lançado à água em “A Insulana e a sua frota”.
a lacónica informação fornecida desmantelado em 1959. Na pági- quete Carvalho Araújo teria sido 17 de Dezembro, 1929, chegou a A fechar, só me resta registar
por James Guill (1924-2004), que na 118 do livro “30 Anos de Es- mandado construir em 1930 pela Lisboa vindo do estaleiro em 19 um reconhecido e entusiástico
conheci em vida. Apenas falhei, tado Novo”, publicado em 1957, Empresa Insulana de Navegação de Março, 1930, e partiu de Lis- obrigado ao Luís Machado, não
despercebidamente, em apontar o Carvalho Araújo encontra-se nos estaleiros de Monfalcone, boa p’rà sua viagem inaugural na só pela gentileza que dispensou
o nome do livro (Azores Islands, classificado na categoria de navio Itália. linha da Madeira e Açores a 23 à leitura da minha crónica, mas
A History), o número da página hidrográfico (survey ship, em in- Não pretendo suscitar controvér- d’Abril do mesmo ano. sobretudo pelo cuidado que em-
(507) e o ano da edição (1933). glês). sia, mas recordo-me de ter lido Este navio manteve-se ao serviço pregou em arrecadar tantas e tão
Embora, como adiante explica- A este respeito escreveu-me o dr. algures que as máquinas, caldei- do mesmo armador e na mesma preciosas informações a respeito
linha até que foi desarmado em das origens e dos tempos do pa-
8 de Janeiro, 1971, fazendo os quete Carvalho Araújo.
portos de todas as ilhas, quando
o tempo o permitia, incansavel- Quando eu era barco novo,
mente a transportar pessoas e Ganhava muito dinheiro;
bens, a ligar os Açores ao Con- Agora que já sou velho,
tinente, e quebrar mensalmente o Estou posto no estaleiro.
isolamento, a proporcionar o
festejado dia de São Vapor.
Eu nasci no alto mar
Na fase final da sua longa vida,
E nele fui embalado;
ainda fez diversas viagens a trans-
portar tropas p’rà Guiné, quando Com um beijo duma vaga
as linhas aéreas já o tinham feito Logo fiquei baptizado.
dispensável. De 1971 a 1973 per-
4 COLABORAÇÃO 1 de Fevereiro de 2009

Da Música e dos Sons Traços do Quotidiano


Nelson Ponta-Garça Margarida da Silva
npgproductions@gmail.com santamarense67@yahoo.com

Personalidade do Ano O Profeta


R C
evelação vandalizada pela América onde nasci e onde te- ostumam dizer que não vos dá o amor: voltar a casa ao fazê-los como vós, porque a Vida
nho muito que agradecer. se conhece um livro crepúsculo com gratidão e ador- não para trás, nem se detem no
Não podia ter vindo em melhor altura. Na verdade, nos pela capa, mas sim, mecer tendo no coração uma pre- Presente.
dias que correm, um jovem nascido nos Estados Unidos e
pelo seu conteúdo. Foi ce pelo bem amado.” Sois os arcos, e os vossos filhos
educado em Portugal debate-se com paradigmas únicos para deci-
frar. Este prémio, se o posso chamar assim, trás um conforto especial o que me sucedeu ao ler “O PRO- as setas vivas projectadas no fu-
àquelas alturas que nos sentimos “encostados à parede”, debatendo FETA” do grande escritor, poeta O CASAMENTO turo. O Arqueiro vê o alvo no
se isto e aquilo faz sentido no nosso trabalho e dedicação. O Tribuna e pensador Khalil Gibran. Trata- “Nascestes juntos e juntos fica- caminho do infinito e retêm-vos
Portuguesa, na coluna do Miguel Ávila (fruto de um individuo que se de um pequeno volume mas reis para sempre, até quando as com o seu poder para que as setas
seria um pai ou avô de eleição, se escolhêssemos família), permite- tão interessante e fascinante que asas brancas da morte dispersa- possam voar para longe. Que a
me partilhar com os leitores a minha paixão pela música, e o facto me deixou deveras impressiona- rem os vossos dias. Sim. Sempre vossa tensão na mão do Arquei-
de considerar a minha pessoa como uma personalidade relevante na da e me fez ponderar sobre a ra- juntos até na silenciosa memória ro seja de alegria. Porque assim
Comunidade Portuguesa da Califórnia é, para mim, um privilégio. zão de viver. de Deus. Mas que haja espaço na como Ele gosta da seta que voa,
Apresento hoje aqui um artigo que foge ao propósito da coluna mas, Khalil Gibran nasceu no Líbano, também gosta do arco que fica.”
vossa comunhão e que os ventos
depois de um ano a escrever no Tribuna, sinto que o Jose Ávila, e os a 6 de Dezembro de 1883. Emi-
nossos leitores me permitem este desabafo. do céu dancem no meio de vós.
grou com a sua família para os Amai-vos um ao outro, mas não A AMIZADE
Em 2009, Nelson Ponta-Garça ou se integra no comodismo que a
comunidade já vive há anos, ou se revoluciona, reflecte e afasta-se Estados Unidos mas regressou a façais do amor uma obrigação, O vosso amigo é a resposta às
como muitos. Ter paciência também faz parte da solução, mas quan- Beirute em 1896 para estudar na mas antes um mar vivo entre as vossas necessidades. É o vosso
do se tem 28 anos, paciência não é palavra de ordem! Escola da Sabedoria onde des- praias das vossas almas. En- campo semeado com dedicação e
Por amor de Deus, inspirem-me Oh grandes Portugueses, Oh Pátria cobriu a sua vocação pelas artes, chei cada um o copo do outro, amor. É a vossa mesa e a vossa
Lusitana em terras Americanas. especialmente, o desenho e a pin- mas não bebais por um só copo. casa, porque recorreis a ele para
Não tenho por hábito usar esta coluna “Dos Sons e da Música” como tura. Partilhar o pão mas não comer saciar a vossa fome e para vos re-
diário, mas desta vez gostaria de utilizá-la para partilhar o que sinto, Em 1901 foi estudar pintura para colher na paz da sua amizade.
e também porque sei que também só a lê quem quer! Paris. Dois anos mais tarde es- Quando o vosso amigo revela o
De uma coisa sou humildemente orgulhoso, de uma capacidade que creve “Espíritos Rebeldes”, que seu pensamento, não temais o não
a gentes e a Ilha me transmitiu de viver e agir, e que é comum a foi queimado na praça pública de do vosso próprio espírito, nem re-
muitos outros Açorianos; Se numa quinta-feira à noite me comporto
Beirute e Gibran foi excomunga- cuseis o sim. E quando ele estiver
como um Jovem músico a tocar Rock Alternativo, no meio de ame-
ricanos, em San Francisco, e até altas horas, no outro dia também me do pela Igreja Católica Maronita silencioso escutai com o coração
integro como professor de música numa escola católica, a ensinar às a que pertencia. o que ele diz. Porque na amiza-
crianças as primeiras notas musicais, a cantarem cantos gregorianos Em 1910 regressa definitivamente de todos os pensamentos, todos
para Jesus, e a editar o Califórnia Contacto a seguir. Por vezes acabo aos Estados Unidos, instalando- os desejos, todos os sonhos nas-
o dia numa complexidade de experiências assustadora. se em New York onde veio a fale- cem sem palavras e partilham-se
No meio de tudo isto, imensa gente tenho conhecido! É difícil de as- cer no dia 10 de Abril de 1931. “O numa alegria de silêncio;
similar, mas ainda bem, porque boa gente faz falta! E sempre gostei PROFETA”, que é considerado a E quando tiverdes que vos sepa-
da diversidade das pessoas, das conversas e das culturas, assim é sua obra-prima, foi publicado em a mesma fatia. Cantai e dançai rar do vosso amigo não vos pre-
que se vai aprendendo e crescendo. 1923. ocupeis porque aquilo que mais
juntos. Partilhai a alegria mas
Converso com intelectuais, sejam escritores, pintores ou professo- Fico muito grata à minha particu- que permaneça cada um sozinho, amais nele fica ainda mais claro
res, da mesma forma que a seguir tomo um café e dois dedos de
lar amiga Luisa Raposo, amante como estão sozinhas as cordas na sua ausência, como para o al-
conversa com os habituais sabedores de bola, filarmónicas e com as
das letras e dedicada professora do alaúde enquanto nelas vibra a pinista para quem a montanha é
nossas associações comunitárias. Na verdade, tenho a mesma difi-
da Escola Primária Bahia Vista, mesma harmonia. Dai os vos- muito mais nítida quando a olha
culdade em compreender as pessoas que não expandem para além da
em San Rafael, por ter recomen- sos corações mas não o deixai à da planície.
comunidade como aquelas que a ignoram completamente.
dado este maravilhoso tesouro li- guarda um do outro. Porque só É que não há outro fim na ami-
Em geral encontram-me em conversa com amigos que têm idade
terário do qual passo a transcre- a mão da Vida os pode guardar. zade a não ser o aprofundamento
de serem meus pais ou avós, e gosto disso desde criança; a grande
ver alguns excertos para o apreço Permanecer sempre juntos, mas do espírito. Como o amor que
maioria dos meus bons amigos são muito mais “crescidos” do que
e reflexão dos estimados leitores. nunca demasiado próximos: por- busca algo mais além da revela-
eu, o que me deu oportunidade de aprender muito e de me tornar
que os pilares do templo elevam- ção so seu próprio mistério, não é
adulto rapidamente. Mas claro que também me junto com rapaziada
da minha idade e fazemos das nossas! O AMOR se distanciados e o carvalho e o amor, mas uma rede atirada onde
“O Amor alimenta-se a si próprio. cipreste não crescem à sombra apenas o inútil fica preso, é que o
Por vezes sinto falta de uma boa conversa na língua de Camões, e
O Amor não possui nem quer ser um do outro.” melhor de vós deve ser oferecido
com alguém da minha idade, mas aqui é difícil! Chamo para Por-
possuído. Porque o Amor bas- ao amigo. Se ele tem de conhe-
tugal para matar as saudades. Saudade, pois, significa sempre algo
ta ao Amor. Não podeis guiar o AS CRIANÇAS cer o refluxo da vossa maré, que
diferente para cada geração. Já não é das sopas de leite ou das sopas
curso do amor, porque o amor, se “Os vossos filhos não são vossos. conheça também o fluxo. Pois,
do espírito santo.
vos escolher, marcará ele a vossa Pertencem à Vida. Vem por vos- para que servirá o amigo se o
Estou eternamente agradecido a grandes indivíduos que me guiaram
estrada. O Amor não tem outro so meio mas não de vós, e apesar procurais apenas para matar o
e me abriram portas à rede de contactos da comunidade Portuguesa
desejo senão o de existir e cres- de estarem convosco não vos per- vosso tempo? Buscai-o antes nas
na Califórnia. Eu ando cá há poucos anos, e como todos, o meu ob-
cer. Mas se tiverdes desejos de- tencem. horas vivas, porque ele está ali
jectivo é divulgar a comunidade e contribuir para o seu crescimento,
verão ser estes: Ser um regato de Podeis dar-lhes o vosso amor, para resolver a vossa necessida-
portanto, evitem burocracias no processo por favor. Agradece-se!
água corrente a cantar a sua me- mas não os vossos pensamentos de de consolo e não para encher
Um Bem-haja a todos e que não nos falte inspiração para continuar
lodia à noite; conhecer a dor da porque eles têm os seus. o vosso vazio. E que na doçura
a divulgar e a espalhar o nosso orgulho luso-americano.
excessiva ternura; ser ferido pela Podeis acolher os seus corpos da vossa amizade exista também
If “You smile like you mean it” you must be doing something right.
própria inteligência do amor e mas não as suas almas, porque o riso e os prazeres partilhados.
Let’s all smile like we mean it at least once before we go!
sangrar feliz; acordar de manhã elas habitam já num futuro que Porque no orvalho das pequenas
com o coração cheio e agradecer vós não podeis visitar nem em coisas é que o coração encontra a
outro dia de amor; descansar ao sonhos. Podeis esforçar-vos por sua manhã e a sua frescura.”
meio-dia e meditar no êxtase que ser como eles: mas não tentar

Luso-American Life
Insurance Society

Director of Sales
The Luso-American Life Insurance Society is Vice-President/Secretary Joseph Resendes.
accepting resumes for the position of Director of For questions please call the Society at
Sales to direct full time and part time salesagents (925) 828-4884.
in California, Idaho and Nevada. Resumes will be accepted until February 25th.
Position would include recruit new agents, train
and motivate agents, hold Agents weekly Luso-American Life Insurance Society
meetings, assist on presidents receptions, etc. 7080 Donlon Way suite 200
Please submit your resume to the attention of Dublin, CA 94568
COLABORAÇÃO 5

Muito Bons Somos Nós


Crescei e multiplicai-vos
Joel Neto
“Eu às vezes embarco em conversas banais. Como por exemplo esta de
neto.joel@gmail.com passar uma noite de sábado a debater demografia com trintonas simpá-

P
ticas para quem o príncipe encantado é um homem sem curiosidade – e
ara mim, é questão do com os amigos durante as longas não um homem que, tendo-a, a traz já satisfeita.”
domínio da matemática. noites de sábado, deixando as ra-
Dizem as minhas ami- parigas sem saberem muito bem
gas trintonas e sozinhas, onde param os rapazes, ou então religiosos, políticos ou mesmo todo o caso, deixo-vos aqui o um homem que, tendo-a, a traz
cujo número parece crescer ine- há cada vez mais mulheres a re- clubísticos: passamos uma vida meu solene pedido: façam-me um já satisfeita. Sinceramente, quem
xoravelmente de ano para ano, produzirem o modelo da tribos inteira a identificar bons e maus sinal qualquer se me virem falar nos disse que havia sexualidade
que os homens são “muito mais índias do Pará, avocando marido – e, quando finalmente percebe- de mais – eu às vezes embarco livre bem nos enganou. Aparen-
tentáveis” (sic) do que as mulhe- sobre marido ao sabor da sua pró- mos a soma zero do problema, já em conversas banais. Como por temente, somos todos vítimas – e
res. Falam, naturalmente, de fide- pria voracidade – e, naturalmen- estamos com a pele encarquilha- exemplo esta de passar uma noite o mais que podemos fazer, hoje
lidade conjugal – e sobretudo da te, do bananismo excitável destes da e a tomar comprimidos para a de sábado a debater demografia em dia, é rezar pela sobrevivên-
falta dela. No essencial, querem novos cãezinhos urbanos, a que a tensão arterial. Mas não deixa de com trintonas simpáticas para cia da espécie.
elas dizer, as mulheres são regra confusão entre as imposições do ser curioso o princípio por detrás quem o príncipe encantado é um
geral fiéis e as homens regra ge- progresso e os apelos biológicos de todo o raciocínio. Segundo homem sem curiosidade – e não
ral uns bananas excitáveis que lança inapelavelmente no confor- as minhas amigas trintonas, as
não podem ver rabo de saia sem to inerte da animalidade. A mi- mulheres incertas são as más da
irem cheirar-lhe o género – e, nha explicação, já aqui o disse é a fita e os homens os seus bobos
assim lhes dê a fêmea o mínimo primeira: há demasiadas PlaySta- de corte. Ora, para alguém que
sinal de condescendência, jamais tions neste mundo. A delas, como cresceu nos Açores dos anos 80,
conseguem reprimir o impulso de é natural, é a segunda: há aí umas a anos-luz de uma revolução se-
porem-se de pé sobre as patas tra- quantas galdérias a lançar o caos xual de que apenas se ouvia falar
seiras e imitarem os cãezinhos da – e o resto, inevitavelmente, são nas canções do “Topdisco”, éra-
rua. É por isso, deixam implícito, trintonas sozinhas. Bem vistas as mos nós os predadores, as mulhe-
que estão sozinhas: porque eles coisas, as ditas “galdérias” são o res em geral as presas – e as ditas
são “mais tentáveis” e porque elas X da equação. E nem chegam a “galdérias” apenas uma bênção
não estão aí para tipos capazes de ser propriamente uma incógnita: vinda dos céus. Vai-se a ver e,
bater em retirada à primeira ten- são duas ou três, quando muito afinal, somos nós, os cãezinhos
tação – ou, pior ainda, de andar o meia dúzia – fossem muitas e a da rua, as verdadeiras vítimas –
dia inteiro a tombar em tentação classe das trintonas sozinhas não e as libertinas, saltando de cama
em tentação, regressando à noite engrossaria ao ritmo a que parece em cama, incapazes de se ligarem

P
a casa com a roupa impregnada engrossar. emocionalmente a quem quer que
ainda dos cheiros putrefactos do erda de tempo, todo o seja, levando pancada de um e es-
seu crime animal. exercício. A vida já é perando interminavelmente por
Questão matemática pura e sim- um buraco de agulha um telefonema de outro, as vilãs.
ples. Se o ratio mundial entre as tão estreitinho, e as suas Há algo de remissor nisto.
populações masculina e feminina obrigações camelos tão gordos e Como mudam, com a idade, es-
é de 105, havendo portanto 1,05 abastecidos, que passar três quar- tes jantares de Verão. Fazem-me
homens para cada mulher, o fac- tos do ano a magicar numa distin- lembrar o “Frágil”, do Jorge Pal-
to de eu encontrar cada vez mais ção maniqueísta entre mulheres ma: elas dando-se com toda a
mulheres trintonas sozinhas só decentes e galdérias perniciosas, gente e não se dando a ninguém
pode querer dizer uma de duas entre cãezinhos de rua e prínci- – e eu ali já tão pouco ágil, ain-
coisas: ou há cada vez mais tipos pes encantados, é matemática tão da por cima sabendo-me agora
de trinta anos a jogar PlayStation intrincada como a dos fanatismos tão mal este uísque de malte. Em

Aulas de Português em San Jose High


A escola secundária San Jose universidades dão atenção espe- normalmente fácil. Mesmo o dis- e dêem aos seus filhos a oportu- de prestígio reconhecido interna-
High Academy, deseja infor- cial aos alunos desse programa, trito Eastside, que anteriormente nidade de estudar a nossa língua cionalmente pelas melhores uni-
mar todos os interessados de devido ao rigor da sua prepara- negava essas transferências, tem e cultura e de se desenvolverem versidades.
que tem à disposição dos seus ção académica. vindo a aceitá-las ultimamente. academicamente num programa
alunos um programa completo Como San Jose High Academy é
de Português, como já acontece O programa de Português de San a única escola secundária na Área
há 35 anos. Jose High Academy também in- da Baía que oferece um programa
clui o Clube Português, conside- de Português, os outros distritos
O programa inclui as seguintes rado o mais activo da escola. Esse devem deixar os alunos transferi-
aulas: clube, entre várias actividades rem-se para onde possam estudar
socio-culturais, promove há doze o idioma que desejam. Se o dis-
Português 1-2 (primeiro ano) anos um jantar anual dos finalis- trito onde moram recusar a trans-
Português 3-4 (segundo ano) tas (este ano a 15 de Maio) que ferência, é importante apelar essa
Português 5-6 (terceiro ano) angaria fundos para bolsas de es- decisão e insistir no facto de que
Português 7-8 (quarto ano) tudo, e tem um grupo folclórico esse distrito não oferece um pro-
com cada vez mais participantes. grama de Português.
Além desses níveis, SJHA tam-
bém proporciona aos seus alunos Qualquer interessado em ins- San Jose High Academy tem tido
as seguintes aulas de Bacharelato crever jovens do 9o ao 12o anos um número considerável de alu-
Internacional (IB) em português escolares em San Jose High Aca- nos que se transferiram de ou-
durante os dois últimos anos da demy, pode contactar (em portu- tros distritos em São José, Santa
escola: guês ou inglês) a coordenadora Clara, Milpitas e Fremont. SJHA
do programa IB, a Sra. Nancy proporciona a todos os seus alu-
Nível Médio (Português SL) Pereira, através do número de te- nos um programa grátis (como
Nível Superior (Português HL) lefone (408) 535-6320. Para qual- todas as escolas públicas), in-
quer informação específica sobre cluindo um programa completo
O Bacharelato Internacional é um o programa de Português, é favor em Português.
programa de enorme prestígio in- contactar o professor José Luis
ternacional, reconhecido oficial- da Silva pelo mesmo número de A comunidade portuguesa tem
mente por mais de uma centena telefone, ou utilizando o e-mail ao seu dispor em SJHA um pro-
de países, incluindo os países (jldasilva@comcast.net). grama de Português bem estru-
lusófonos. Esse programa ofere- turado, sólido, com largas provas
ce também vantagens aos alunos Os alunos que não residam na dadas ao longo de várias déca-
que se candidatam à admissão a área de San Jose Unified School das. Presentemente, o programa
universidades americanas, não District podem pedir uma transfe- oferece 5 turmas de Português,
só porque podem receber crédito rência ao distrito em que residem. incluindo duas aulas de primeiro
universitário através do IB, como Esse processo, conhecido em in- ano, o número mais alto de sem-
também porque muitas dessas glês como interdistrict transfer, é pre. Aproveitem este programa
6 COMUNIDADE 1 de Fevereiro de 2009

Daniel de Sá falou sobre a


Graciosa no seu livro Açores,
publicado pela editora Everest
Coisas & Loisas
Saúde a quanto obrigas - se um Presidente da Republica pode
dedicar uma hora a tratar a sua saude fisica; se o Bispo de Fresno, pode jogar
Não é uma miniatura de ilha, mas é quase. Com a beleza e a graça das golfe todos os dias para manter o seu bem estar, então porque é que nós todos não
miniaturas bem feitas. Provavelmente por isso a chamaram Graciosa. fazemos o mesmo? Estas duas importantes figuras da nossa sociedade deveriam
Mas há quem pense que o seu baptismo foi em honra da Virgem, a ser farois para todos nós.
cheia de Graça. Qualquer que seja a verdade, merece o nome.
Apesar de os vulcões se terem apagado há tanto tempo que a sua obra
está com certeza completa, há ainda lembranças deles, como as cinzas
de uma fogueira, nas fumarolas da baía dos Homiziados e na Furna
Promessa para ser cumprida - A nova Directora Regional
das Comunidades, Rita Dias, prometeu publicamente avisar atempadamente das
do Enxofre – onde é possível um temeroso vislumbre das entranhas
suas viagens a California. As vezes parece que os açorianos não sabem que a
da Terra – ou nas termas do Carapacho, cujas águas curam doenças do
California é cinco vezes maior que Portugal Continental. Alguns ainda pensam
corpo e talvez do espírito.
que todos vivemos ao pé da Rua da Sé.
São sessenta quilómetros quadrados de serras pouco mais altas que
colinas e de pequenas planícies que sempre bastaram para alimentar
os seus habitantes, que já foram quase dez mil na década de 1950 e,
agora, são menos de cinco mil. (A atracção das sereias da fortuna... O Carnaval tem temáticas diferentes este ano
- segundo fomos informados alguns grupos carnavalescos tem temas que nunca
Pensando bem, no entanto, talvez houvesse sido melhor para muitos
terem-se feito amarrar às suas pedras brancas, como Ulisses ao mastro
do seu navio.) Gente que aprecia os prazeres da vida, seja nas longas, foram trazidos em bailhinhos na California. Carnaval é mesmo isso - inovação,
breves noites dos bailes de Carnaval, seja no entusiasmo ocasional de criatividade, humor, sensibilidade. Não percam o melhor teatro do mundo.
uma tourada ou em algum concerto público ou num recital familiar.
(Aí por meados do século XX havia na Graciosa um piano por cada
cinquenta habitantes.) Gente que não sente a ilha como solidão, que
é sentimento que só de fora se pode julgar que existe. Por isso o seu
poeta Victor Rui Dores escreveu: “Ilhéu prisioneiro em Lisboa/ fiz-me
ao Tejo e rumei às ilhas/ - para o lado de lá de tudo isso.”

Artistas lançam DVDs - RamanaVieira lançou “Lágrimas de Rai-


nha”, 12 fados, 10 em português e dois em Inglês. Em Dezembro, Otilia de Jesus,
residente em Ontario, Canadá, lançou um DVD com 8 Canções de Natal, que
podem ser ouvidas todo o ano. Parabéns a ambas.

Chamada de Ilha Branca, tem xofre é considerada uma das mara-


60.84 km2, numa forma oval, com vilhas do mundo. A Graciosa tem
um comprimento de 10 km (6.2 4,780 habitantes e foi descoberta
milhas) e de largura 7 km (4.3 mi- em 1450. O seu primeiro povoador
lhas). A Ilha é dominada pela Cal- veio de Montemor-o-Velho e cha-
deira que tem um diametro de 1.6 mava-se Vasco Gil Sodré.
km (0.9 milhas). A Furna do En- Façam-lhe uma visita.
COLABORAÇÃO 7

Rasgos d’Alma
Luciano Cardoso
Aplauso Universal
lucianoac@comcast.net

J
aneiro foi um mês especta- A320 com cento cinquenta e cin- foi, com os passageiros alinhados por completo a
cular! Imagens insólitas, co passageiros a bordo. nas asas do avião a flutuar no rio verdura própria
emoções vibrantes, invidu- A reação tem de ser pronta. Não – Sully – imperturbável, percorre dos seus vinte e
os carismáticos brindaram- há margem para erro. Um movi- por duas vezes os corredores do três anos, o nosso
nos em grande com o melhor do mento em falso, uma hesitação seu naufragado veiculo para se “menino d’oiro”,
seu melhor. precoce, um surto de pânico e certificar de ser ele próprio o ulti- apesar de tão al-
tudo se pode drasticamente ir por mo a abandonar o “palco” molha- tos vôos, parece
Terca Feira - dia 20. água abaixo. do daquele espantoso drama com começar a ter os
Está um dia lindo. Lider nato, piloto confiante, qua- fim feliz, a merecer de todos nós pés assentes no
Até o Inverno se rende. se a completar três decadas de o mais vigoroso aplauso. chão e a cabeça
O momento é histórico. exemplar serviço na aviação co- no seu lugar.
A America delira em festa. mercial e militar norteamericana, Terca Feira – dia 13. Não é facil lidar
Os olhos do mundo viram-se Chesley Sullenberger – “Sully” Aplaudido mas tambem apupa- com a pressão
para Washington e o aplauso é – como é afetivamente conhecido do, com jeitos de peneirento ou continua de estar
universal. entre familiares e amigos – con- ares de arrogante mas indiscuti- no topo e per-
Dois milhões de almas aglomera- sumado capitão de bordo – é o velmente talentoso e espetacular sistir em ser o
das no coração da cidade capital homem certo no momento exato naquilo que melhor faz: jogar fu- melhor neste bu-
entoam em coro OBAMA – um para enfrentar aquela súbita crise tebol, Cristiano Ronaldo é meri- liçoso mundo de
nome que soa bem. com o profissionalismo e a deter- toriamente coroado o Melhor do grandes desafios
As suas palavras soaram ainda minação que se exige. Mundo para delirio dos adeptos e eternas exigên-
melhor. A decisão de encaminhar o ava- que o adoram e de todos aqueles cias.
Ninguem o nega: o novo presi- riado avião a cento e tal milhas portugueses que se orgulham de
dente é um brilhante orador. à hora para as águas frigidas do tamanha honra. Sábado –
Este grandioso pais, no entanto, Hudson River é absolutamente Franzino, magricelas, traquinas dia 3.
espera ansiosamente que ele pos- fenomenal e a manobra impe- mas altamente ambicioso, o ir- Em conversa in-
sa sobretudo vir a ser um brilhan- cável duma amaragem perfeita reverente puto da Madeira de- formal com mais
àquela estonteante velocidade dá sembarcara em Lisboa aos doze o Alberto João Jardim.”
te presidente – um lider capaz e dois ou três dos nossos imigra-
a toda a gente a bordo a magnifi- anos de idade com uma vontade “Em que mundo é que tu vives?”
corajoso – que inspire esperança dos ilhéus, ouvimos com algu-
ca oportunidade de salvar a sua inquebrável de chegar ao topo e Pergunta-lhe de imediato outro
mas lidere com confiança porque ma curiosidade a opinião forte e
vida quando, por um triz, tudo se tem agora o mundo da bola a seus imigrante doutra ilha e doutro
o momento é de profunda crise. apaixonada dum filho saudoso da
poderia dramáticamente ter afun- pés. pensar.
sua ditosa “Pérola do Atlântico”:
dado. Com o cobiçado trofeu nas mãos, A resposta – “vivo e viverei no
Quinta Feira – dia 15. “Não só temos o melhor joga-
Enquanto decorre a operação de após um caloroso abraço do “rei” mundo em que sempre vivi.” –
A crise desenha-se feia e fatal so- dor, o Cristiano, mas tambem o
salvamento, onde um bébé de me- Pelé, Ronaldo faz questão de re- porventura a melhor do seu me-
bre os tensos ares de New York. melhor presidente do mundo. O
ses e uma velhota de oitenta e cin- alçar a familia como razão forte lhor – diz tudo mas não adianta
Um distraido bando de gansos único, que podia endireitar Por-
co anos tambem sobrevivem para do seu imenso sucesso. nada.
voadores acaba de se suicidar em tugal e se viesse cá tambem de
nos contarem mais tarde como Embora sem conseguir disfarçar (Adiantá-lo-ei em breve.)
massa nos motores dum Airbus certeza endireitava a America, é

Catarina Freitas
900 H Street, Suite G
Modesto, CA 95354
Phone: 209.338.5500
Cell: 209.985.6476
Fax: 209.338.5507
cat@trustomega.com
8 COLABORAÇÃO 1 de Fevereiro de 2009

Comunidades do Sul
Ao Cabo e ao Resto
Victor Rui Dores Fernando Dutra

Os bailes do Liceu Artesia D.E.S. tem


nova Direcção
N A
ão sou caçador de gas com quem queremos dançar. pressão de um sossego feliz…
saudades nem de Elas, sentadas às mesas, esbo- … A M.A. e o M.C., de olhos fe- pós estar completa- cha; Directores Encarregados
saudosismos, mas – çando sorrisos de suave compla- chados e pálpebras cerradas, bei- mente organizada, a da Cozinha, Leonel Machado e
vá-se lá saber porquê cência, aguardam, envaidecidas, jam-se de forma enternecida… nova Direcção desta Fernando Gonçalves; Director
– continuo a remexer os arquivos os seus pretendentes. Vou tirar a … O B. é apanhado em flagrante associação tomou Encarregado dos Bares, Manuel
da minha adolescência tercei- M.A., já que a M.T., sorriso ras- a mordiscar o pescoço da N…. posse dos respectivos cargos no Coelho e Directores Encarrega-
rense. gado, corpo elegante, seios es- … O suor ensombra o rosto do P., dia 4 do corrente mes de Janeiro, dos da Juventude, Nelson Esteves
Desta vez tenho 18 anos e entre- plêndidos, morena e muito bela, que está cada vez mais gordo… durante a reunião ordinária da e Roberto Falcão.
go-me ao tumulto dos prazeres e me deu feia “tampa” num “slow” … Há no olhar da I. uma ponti- respectiva Assembleia Geral. Todos nós sabemos, aqueles que
ao tropel das paixões… anterior – não estou para passar nha de ciúme, pois o R.R. está a São estes os directores que serão já passaram por identicas circuns-
Noite fria. Uma cortina de chuva vergonhas… dançar com a S…. responsáveis pelos destinos des- tancias, que é um ano de trabalho,
desaba sobre Angra do Hero- Escolhidos os pares, os mais afoi- … Arfam os seios do meu par, ta distinta associação, durante o nao é um ano de prazer, mas sim
ísmo. tos procuram logo o centro da pis- subindo e descendo como o mo- corrente ano: Presidente, Ercilio de prestígio, servindo a comuni-
Sinto uma indescritível sensação ta. Os menos aventureiros ficam vimento das ondas do mar… Cardoso; Vice-Presidente, Tony dade em que estão inseridos e,
de bem-estar. Estou no Ginásio em primeiro plano e expõem-se … E há olhares perdidos, segre- Martins; Secretário Vital Lou- simultaneamente, uma sociedade
do Liceu de Angra, em pleno bai- à coscuvilhice… Paira por cima dinhos doces, estremecimentos renço; Ajudante de Secretario, do Divino Espírito Santo.
le de finalistas. Dei um jeito ao das nossas cabeças o olhar severo meigos, leves suspiros, requebros Teresina Ortega; Tesoureiro, Desejamos a todos os directores e
cabelo, vesti um fatinho à manei- e vigilante de pais, mães e outros subtis, bocas entreabertas e insi- Tony Freitas; Ajudante, Nelson respectivas famílias, uma ano fe-
ra e uma blusa de gola alta, calcei adultos que estão ali a “bispar” nuantes, beijos de fugida… Miranda; Director Musical da liz e que todos os seus programas
sapatos pretos de tacão alto. tudo: ousadias, atrevimentos e Há quem não dance e fique, fora Filarmónica, Tony Gonçalves; sejam concluidos com óptimos
Respiro este ambiente festivo. outras poucas vergonhas… da pista, de cerveja na mão a Director Desportivo, Luis Ro- exitos.
Comigo estão dezenas de estu- Mas só quem está no meio da pis- olhar os outros. Bebem para es-
dantes, tudo malta generosa e ta a dançar é que sabe o que lá se quecer o lado frustrante do quo-

E
irmanada em sólida amizade. passa. tidiano, para exorcizar recalca-
Para nós, que desconhecemos m gestos lentos e lindos, mentos, frustrações e desilusões. Crónica de Montreal
as turmas mistas, os bailes do os pares entrelaçam-se É o caso do José Berto, músico
Liceu funcionam como forma
de procurar novas amizades e
em profundo abraço.
Há as meninas que se
boémio e filósofo da noite que,
resmungando queixas, continua a
Antonio Vallacorba
cumplicidades, novas emoções e deixam apertar e as que mantêm querer ultrapassar o real e tocar
avallacorba@aol.com
sensações… Sim, buscamos, na as distâncias. (Algumas chegam o infinito.
dança, amores e arrebatamentos, mesmo a espetar os cotovelos Nós, estudantes liceais, estamos

Crónica Insular
momentos de esperança e de ter- contra nós…). Há as que “dão ali a sublimar as nossas paixões.
nura… roço” e as que dão bofetadas… É Entre a realidade da vida e a
Olho em redor e sinto um bafo de preciso conhecer a caça… (Sim, utopia do sonho, buscamos a fe-
ar quente na cara. Vejo um mar porque naquele tempo competia licidade possível que, naquele 2008 do meu descontentamento

D
de gente e oiço risos e conversas ao macho ser predador e tomar a momento, está na vibração dos
e confusão de copos e bandejas. iniciativa…). corpos das nossas colegas! iz-me minha mulher João Froias, Domingo Fernan-
Na pista, magotes de jovens rodo- A dança prossegue. O meu par Aliás, pomos à prova o que (e se calhar com muita dez, Nikolaos Polykandriotis,
piam, unidos em corpo e alma, ao tem um sorriso tímido, cheira a aprendemos nas aulas de Física: razão) que 2008 não Thomas Hanchay, José Francisco
som da música do conjunto “Os “Bien Être” e pousa a cabeça no o calor dilata os corpos… O cora- agradou a ninguém. Miranda, Cesário Correia e Ro-
Por exemplo, pelas pessoas que berto Barcelos, apenas para falar
Bárbaros”, que esta noite abri- meu ombro. Sinto-me um verda- ção bate-nos apressado, as fontes desapareceram do nosso meio, dos mais íntimos e que preenche-
lhanta o baile. deiro Alain Delon… latejam-nos… Abraçados, pres- em outras comunidades e Por- ram deliciosas páginas da minha
O sistema operativo de luzes, Circumnavego o olhar. Vejo cor- sentimos intimidades de mamilos tugal; em doenças e outras tra- vida.
montado no topo do Ginásio, pos unidos, sensuais e sincroniza- erectos e sentimos – ai jasus! – o gédias pessoais, como no caso Sinto-me por isso mais pobre e só
funciona de acordo com a música dos. Há pares de namorados que sexo endurecido e arquejante por de um nosso distinto amigo cuja no mundo.
tocada, para criar ambientes pro- se olham, ávidos, ao alcance da dentro das cuecas… área residencial sofreu vários 2008? Safa! Não venham muitos
pícios: nos “yé-yés”, luz intensa; respiração um do outro. Outros, Repentinamente os “Bárbaros” fogos no espaço de três anos. como ele.
E, claro, cada comunidade tem Todavia, tudo é relativo na vida,
nos “slows”, luz amortecida… mais discretos, deixam-se levar terminam o “Samba Pa Ti” e ar- as suas próprias tragédias! pelo que evidentemente have-
Temos casa cheia, muita alegria, pela música e até se dão ao luxo rancam com um “rock and roll”. Depois, houve, há sobretudo o rá muita gente para quem o ano
boa disposição, fumo e cerveja- de conversar enquanto dançam… As luzes voltam à sua luminosi- caso do meu estado de saúde. transacto terá sido um ano nor-
me… A música reforça os laços Os menos jovens evoluem com dade intensa e, estremunhados, Cancro! É um nome que arrepia mal e/ou excepcional mesmo,
da amizade. Mas o reitor anda de ar de compungida gravidade. E saímos ruborizados daquele abra- em qualquer idioma. Não haja sobretudo porque tiveram algo de
olho nalguns estudantes a quem há os que dançam, enfastiados, a ço confortador, doce e quente. Os quem tenha a desprezível e ne- bom para fazer e recordar.
chama de “cambada de comunis- olhar para os outros pares… rapazes mais fogosos colocam as fasta experiência de ser sua víti- Ainda bem. Sinto-me feliz por
ma. Mesmo que os prognósticos isso.
tas”… Ainda a semana passada Mas é no centro da pista onde mãos nos bolsos para disfarçar o sejam dos melhores e a ciência Apraz-me registar, por exemplo,
houve, ali no palco, uma récita as emoções estão literalmente ao desejo e, dissimuladamente, co- se encontre bastante avançada, o caso dos meus compadres Regi-
– simbiose de teatro e música, à rubro…. meçam a dançar “rock”… fica sempre a marca traumática na e Manuel Fontes, ambos natu-
mistura com caricaturas e imita- … Há mãos subreptícias que aca- Vamos ter que esperar pelo pró- daquele dia quando o médico rais de Vila Franca do Campo, os
ções dos professores mais emble- riciam, em meneios circulares, ximo “slow” e por outras emo- anuncia a má notícia; de ir para quais, graças a Deus, celebraram
máticos – e o reitor foi especial- cabelos e nádegas… ções. Sabemos que, mais lá para a cama com ela e ter infindáveis os seus 50 anos matrimoniais e
mente visado pelo L.F.D. … Há corpos que ondulam gemi- o fim do baile, “Os Bárbaros” vão noites sem poder dormir! De- de muita felicidade, rodeados dos
pois, a incerteza se os tratamen- quatro filhos e filhas, dos quatro
A luz diminui de intensidade e dinhos de prazer… de certeza tocar o “Angie”, dos tos resultarão, o desgosto para a genros e noras, assim como dos
o Ginásio enche-se, agora, com … Há olhos humedecidos que fa- Rolling Stones: família e amigos, etc. nove netos.
os acordes do “Samba Pa Ti”, íscam a expressão do desejo… “Angie, angie Foi mais ou menos o que me Para eles vai esta saudação mui-
de Santana, que é sempre um … Há lábios trémulos e quentes e When will those clouds all disa- aconteceu. to especial, com votos que 2009
dos “slows” mais ansiosamente narinas dilatadas de lascívia… ppear”… Paralelamente, em nada me aju- possa ser também de muitas feli-
aguardados por nós. Segue-se … O A. mordisca ostensivamente Lá fora, continua a chover e paira dou o desaparecimento de mui- cidades para toda a família.
uma inusitada correria para ver o lóbulo da orelha esquerda da F., sobre a cidade um manto de ne- tos amigos, desde a Maria Tere- Bodas de ouro... Pudera eu chegar
sa Pereira até ao Tadeu Rocha, lá também para poder celebrar os
quem chega primeiro às rapari- em cuja face se lê a plácida ex- voeiro e silêncio. passando por Fernando Pereira, nossos “50”. Desejo-o ardente-
Dinarte Costa, Carlos Cândido, mente não por inveja, mas como
Duarte Raposo, José Eduardo indicativo de que poderei viver
Pereira, José Luís Medeiros, ainda mais alguns anos!
COLABORAÇÃO 9

Sabor Tropical
Guerra e Paz
Elen de Moraes
sor da Universidade de Berkeley prerrogativa arbitral por essa paz ansiada,
elendemoraes_rj@globo.com para fazermos o bem se começa em nossos lares
que diz em seu livro “Sex and
war”, escrito em parceria com o ou escolhermos o mal da guerra, as preliminares!

A
jornalista Thomaz Hyden, “que a e decidir de que lado
s imagens de corpos frentamentos com policiais, são mesma agressividade que permi- vamos ficar - e com quem... É tão triste e dilacera
mutilados, ensan- mortos pelos próprios traficantes. tiu ao homem evoluir na pré-his- ver criança explodida
güentados, com o ter- Se de um lado vemos mães desa- tória, agora provoca dois grandes Por quê escolher a guerra, por um míssil governado,
ror do sofrimento no lentadas, que pedem justiça pelos problemas do mundo contempo- essa luta indecente, quanto ver um inocente
olhar, que jazem como animais filhos assassinados em assaltos, râneo: as guerras e o terrorismo”. que assassina e sacrifica morto por bala perdida
sobre o chão do abandono e da por balas perdidas na troca de ti- O cientista também defende que o nosso irmão inocente? durante fogo cruzado
descompaixão, violentam-nos ros entre policiais e bandidos ou Que mata achando legal entre policia e bandido.
para diminuir a violência, a solu-
matar em nome de Deus!
sobremaneira quando abrimos o pela violência do tráfico de dro- ção seria um mundo liderado pe-
Matar próprios irmãos seus...
jornal ou ligamos a tv, quando gas, do outro lado vemos as mães las mulheres. E continua dizendo Ver menor abandonado,
vemos mulheres que se abraçam inconformadas, desses bandidos, que para entender a violência faminto, aberto em feridas!
Se paz para uns é guerra
aos seus entes queridos e choram, debruçadas sobre os seus corpos, temos que nos dar conta de que Da violência, nos braços!
e pra outros guerra é paz,
inconformadas, as suas desgra- revoltadas pela morte prematu- ela é um aspecto masculino, con- desprezível é o homem Também ser assassinado
ças. ra dos mesmos, pela sorte ruim, duzido pela testosterona, embora que no ódio se compraz. pelas drogas consumidas
Nesse momento, como mães, pela falta de oportunidade, pela haja violência entre as mulheres Animal recalcitrante que transformam os seus órgãos
sentimos que o punhal da mesma desigualdade social, pela bruta- também, mas a necessidade de sem amor ao semelhante. em descartáveis pedaços!
dor traspassa nossa alma e põe lidade de alguns policiais e de sair e matar outros da mesma es- Semente que foi plantada
em cheque os nossos sentimentos outro lado, ainda, vemos mães e pécie é masculina, especialmente pela mão do Criador, Maldito homem, fera contumaz,
mais elevados, transmudando-os esposas de policias, chorando por desenvolvida nos primatas mais o mesmo Pai e Senhor. que faz a guerra, que vive sem
em raiva e revolta e nos arranca aqueles que perderam a vida nos evoluídos, como o chimpanzé e Deus!
lagrimas amargas pelo hediondo confrontos, no cumprimento da o homem. Não adianta armistícios Bendito homem que busca a paz,
da morte sem razão, que nos faz lei. Deixo a poesia continuar por se dentro de cada um que acolhe o inimigo nos braços
gritar mesmo quando a voz cala Impotentes, perplexos, nos per- mim: a guerra não for sanada. seus!
seu som, pelos inúteis assassina- guntamos por que? Por que tanto Nem tampouco artifícios
tos que nos colocam frente a fren- prazer em matar, tanta necessi- GUERRA E PAZ
te com a insanidade do homem dade de reduzir o outro a peda- Elen de Moraes
que faz a guerra para obter a paz, ços descartáveis, por que a força,
que a faz em nome de Deus, por por que o terror e, sobretudo, por Um dia nós germinamos
um pedaço de chão, por dinheiro, que assistimos impassíveis ao duma mesma sementeira
para se vingar ou pelo medo. sofrimento do nosso semelhante, e dela nós nos tornamos
E não me refiro só ao que se pas- sem tomarmos uma posição com ramificação cabal,
sa no oriente médio. Falo também pulso firme, mas não beligerante, eixo, raiz principal
da guerra nossa de cada dia, das para que os conflitos sejam solu- da videira verdadeira.
mortes causadas pela irresponsa- cionados? Folhas, caulificação,
bilidade dos motoristas que diri- Talvez se as mulheres governas- o todo, a parte inteira,
gem embriagados, dos seqüestros, sem o mundo, fossemos uma fa- a partilha, a fração.
dos dependentes químicos que se mília global feliz. Comungo de
atolam nas drogas e que se não algumas idéias do medico e cien- Sem ter o mesmo cariz,
morrem de overdose ou nos en- tista inglês Malcom Potts, profes- nós temos o mesmo fado:

Estou cantando Ao Sabor do Vento


José Raposo
com o Daniel... jraposo5@comcast.net

Q
uando vou a uma festa alguma, defender ou atacar este tava com o Daniel Arruda e meu Da forma que está vestida cotovelada e pergunta:
portuguesa, são raras as cônsul se bem que na minha opi- primo Abel, num salão qualquer. É Portugal representado. - “ Que diabo estás para aí a re-
vezes que alguém não co- nião ele cometeu alguns erros. E alguém estava a criticar que o zar?”
menta os meus artigos no jornal. Os cônsules quando chegam aqui cônsul tinha sido convidado, mas Eu não me calei e disse: Ao que eu respondi :
E apraz-me dizer que, na maioria não conhecem a comunidade. não tinha aparecido. No meu so- Estou cantando com o Daniel.
das vezes, os comentários são a São os líderes que cá estão e os nho, eu olho para a porta e vejo o A Teresinha vestes as cores
favor, com a excepção de um ou os funcionários do consulado que cônsul entrar com a esposa, que Da Bandeira Portuguesa
outro “porra tonta” que quanto têm a obrigação de os orientar e gosta muito de ser chamada de Se tivesse ao peito a cruz e
mais lê, mais trelê. colocá-los a par do que se passa Teresinha. O Sr. Cônsul, devido as flores
Outros ainda me perguntam: “Ó na comunidade. Informá-los das a sua estatura, pode-se avistar ao Pareceria Santa Teresa.
Raposo, quando é que dás outra organizações de datas de festas longe e a Teresinha como vinha,
pancada no cônsul?” Para já que- e banquetes aos quais pensam isto no meu sonho, vestida com Claro que no meu sonho as fra-
ro informar que eu não dou pan- que o cônsul deveria aparecer ou uma sweater vermelha e umas ses, talvez, não tenham sido bem
cadas em ninguém, outrossim mandar um representante. Tem calças verdes, também foi fácil ditas pois que durmo com um
limito-me a dizer o que vejo e que haver mais união entre a nos- de detectar. raio de uma maquina ligada ao
ouço. E, como sabem, eu próprio sa gente, haver mais coordenação, A dada altura da cantoria e do nariz por causa da apneia. A mi-
pedi uma entrevista a este cônsul, mais sensatez, para que a coisa meu sonho, o Abel faz uma canti- nha mulher acorda, dá-me uma
fui atendido e publiquei no jornal resulte para o bem de todos. ga desta maneira
o resultado da mesma. Há uma coisa impressionante
O consulado de Portugal em sobre este cônsul que me apraz Eu estou bem prevenido
São Francisco, como escreveu o realçar. Das poucas vezes que Para que esteja aqui cantando.
José Ávila, nem oferece instala- tenho falado com ele, depois dos Ponham-se todos em sentido
ções adequadas aos seus funcio- cumprimentos da praxe, ele per- Porque o cônsul está entrando.
nários. E de quem é a culpa? É gunta-me sempre: “como está o
deste cônsul ou dos cônsules que nosso amigo Daniel Arruda?” Ao que eu respondi:
exerceram funções anteriormen- Na terrinha onde o Sr. Cônsul
te e nunca fizeram nada para que nasceu, lá no nosso Portugal dis- O cônsul tem grande altura
a situação se alterasse? Alguns tante, também se canta ao desafio Com ele não quero
dos funcionários que passaram e o homem gosta das cantigas de despiques.
pelo consulado dizem que aquilo improviso e como sabe que o es- Se tivesse espada e
agora é um asilo e eu pergunto: tado de saúde do Daniel é precá- armadura,
Como é que era no tempo que rio, pergunta-me sempre por ele. Pareceria Afonso Henriques
eles lá trabalhavam? Qual é a di- Aqui, há dias, ou melhor, numa O Daniel a seguir diz:
ferença? noite em que eu dormia, não sei Reparem como vem garrida
O meu intuito não é, de forma como, estava a sonhar que can- A sua esposa a seu lado.
10 COLABORAÇÃO 1 de Fevereiro de 2009

Reflexos do Dia–a–Dia
Foi um dia de grandes Diniz Borges
emoções d.borges@comcast.net

H
á coisas que se faz capital dos EUA estavam a preços fala, onde raramente um estranho assentava-se e ainda s e assenta tornada ainda mais vigorosa com
apenas uma vez na super altíssimos; e porque por es- diz algo. Porém, no amanhecer no cidadão comum. Gente que o discurso verdadeiramente mar-
vida. Quando Barack tes lados o dinheiro não é assim do dia 20 de Janeiro, éramos to- vinha não só das mais variadas cante do novo Presidente. Um
Obama ganhou as elei- tão fértil, optámos por ficar um dos vizinhos. Havia um civismo zonas geográficas, mas também discurso que despoletou mais do
ções, para além da celebração que pouco mais longe de Washington, extraordinário. Os cavalheiros de todas as classes económicas que aplausos, despoletou refle-
ocorreu em minha casa, com dois na cidade de Richmond, estado levantavam-se para as senhoras. e sociais, e sobretudo muita, mas xão, e um renovado sentido de
amigos meus, as chamadas e tro- de Virgínia. Se por um lado, tí- Apesar do aperto, da lentidão mesmo muita gente jovem. Este responsabilidade na reconstrução
ca de felicitações que vieram dos nhamos que viajar 90 milhas para do comboio, que por excesso de é, seguramente, o presidente das do sonho americano.

J
meus dois filhos e de alguns ami- chegar à capital deste magnífico passageiros em praticamente to- novas gerações. Foi um dia de grandes emoções.
gos, particularmente dos Açores, país, por outro lado tivemos a das as paragens teve que reduzir, á no relvado junto à escada- Vividas e sentidas não só porque
o meu filho mais novo, licenciado oportunidade de verificar que, substancialmente, a velocidade, ria do Capitólio, foi impres- a América finalmente enfrentou
em direito, e na altura funcioná- um pouco por todo o lado, e até ninguém desesperava. Todos sionante, olhar para o cha- os tabus do racismo e da discri-
rio duma campanha política aqui mesmo no estado onde ainda se agiam com respeito e delicadeza. mado Washington Mall e minação; não só porque Barack
na Califórnia, desafia-me: então fala na bandeira da confederação, Já na capital dos Estados Unidos, ver um mar de gente, uma nuvem Obama estalou com os telhados
porque não vamos à cerimónia havia um ar de esperança, uma onde todas as ruas que cercavam de bandeiras americanas, um eco de vidro, o mais alto telhado de
de posse do presidente-eleito? O onda de optimismo, um alivio o Capitólio e a Casa Branca es- constante a favor do Presidente vidro no mundo político norte-
pedido foi feito através do con- que os últimos oito anos estavam, tavam encerradas ao trânsito, era Barack Obama. Durante a ce- americano, mas também porque
gressista do distrito onde vivo, finalmente, a chegar ao fim. espectacular o número de pesso- rimónia, no momento do jura- a sua candidatura, e a sua pos-
o luso-americano Devin Nunes, Depois de estarmos naquela zona as que circulavam nas ruas. E era mento, efectuado pelo Supremo se como Presidente dos Estados
que conheço há vários anos. cerca de dia e meio, chegou o dia espantoso o número de quiosques Juiz do Tribunal Superior, John Unidos, representam uma mu-
Ainda antes de ser eleito, estive da cerimónia de posse. Saímos com todo o tipo de lembranças. Roberts (que deveria ter pratica- dança radical com um passado
com o Congressista Devin Nunes do hotel às 3 da madrugada. Pela Barack Obama estava em tudo, do as 35 palavras do juramento) recheado de impedimentos, para
nos Açores, mais concretamente auto-estrada, a conhecida 95, desde camisas a porta-chaves. tinha na minha fila uma senhora um presente e um futuro onde
na ilha Terceira. Apesar de estar- encontrámos uma amalgama de Confesso que também fiz as mi- afro-americana. Era uma anciã como afirmou o Dr. Martin Lu-
mos ideologicamente em campos autocarros vindos dos mais va- nhas compras. com mais de 80 anos. As lá- ther King jr, as pessoas serão jul-
diferentes, tenho muito respeito riados pontos do país. Um atrás Na bicha para a entrada no recinto grimas percorriam-lhe o rosto. gadas pelo seu carácter e não pela
pelo Congressista Nunes. Com do outro, ultrapassámos centenas reservado a quem possuía bilhe- Nesse momento, também eu com cor da sua pele.
um staff extremamente eficien- e centenas de autocarros vindos tes, bicha que ultrapassava qua- algumas lágrimas, olhamo-nos e Foi um momento único e dupla-
te, começando com o seu chefe da Florida, das Carolinas, de tro quarteirões, apesar das tem- a única coisa que lhe soube dizer mente satisfatório porque tive a
de gabinete, o luso-descendente Alabama, de Arkansas, de Ten- peraturas frígidas, registava-se a foi a prosaica frase: “minha se- oportunidade de o viver com os
Johnny Amaral, não demorou nessee e da Geórgia, entre ou- mesma cordialidade do metro e nhora, este é um momento mui- meus dois rebentos. Eles, que
muito tempo para recebermos a tros. Eram homens e mulheres, das ruas. Uma grande satisfação to especial, não é?” Ao que ela com os congéneres da sua gera-
confirmação que tínhamos bilhe- muitos descendentes de escravos, reinava no rosto do participan- respondeu: “meu filho, tu nem ção, serão o futuro deste país.
tes e que nos tinham conseguido que vinham até Washington para tes. Encontrámos gente de todo o imaginas quão especial este mo- A América viveu um dos mo-
lugares sentados. A partir daí viverem um dos momentos mais país. Os nossos vizinhos eram do mento é.” Naquele momento má- mentos mais importantes da sua
começou a nossa odisseia ao que históricos na política norte-ame- Texas, de Washington, de Oregon gico, senti que de facto apenas história recente. Guardarei para
acabou por ser uma das experiên- ricana nos últimos anos. e de Indiana. Cada qual tinha a podia imaginar a importância, o sempre a memória grata de o ter
cias mais inesquecíveis da minha Já no metro, onde estávamos em- sua história particular, mas todas significado deste momento para presenciado ao vivo.
vida. pacotados como “sardinhas en- confluíam na euforia do histórico os afro-americanos, cujos ante-
Porque esperei uma semana para latadas”, vivia-se momentos de momento e na confiança deposita- passados, em plena escravatura
marcar o bilhete aéreo; porque as euforia. É que normalmente os da na mensagem positiva do novo haviam construído o Capitólio e
companhias aéreas e os hotéis na metros são lugares onde pouco se presidente, a qual, como se sabe a Casa Branca. Uma cerimónia

Memorandum
João-Luís de Medeiros
Andar à corda
jlmedeiros@aol.com das probabilidades
1 – Autonomias - “pérolas” cons- riz patrioteiro. De resto, os povos uma tarefa transitória conferida tura (1820), alguns New-Englan- a União.”(*)
titucionais para ornamentar sepa- carentes da satisfação elementar aqueles candidatos seleccionados ders preferiam uma separação Há estudiosos que consideram
ratismos? à própria sobrevivência mal têm ao desafio da própria autonomia com dignidade do que viverem o episódio original que levou à

N
fôlego para entoar os respectivos existencial. integrados na jovem União que rebelião das trezes colónias con-
uma comunidade plu- hinos nacionais; a dignidade de- parecia então alicerçada sobre o tra o império britânico, não ser
ralista, os profetas da mocrática açórica não se aquieta 2 – Capitalismo e Democracia – pecaminoso cimento da escrava- merecedor do rótulo histórico de
verdade são porven- com folclorismos rupestres tipo ambos juntos por medos recípro- tura. Há vários tipos de escrava- “revolução”; preferem que ‘rebe-
tura os mais assídu- “danças-de-cadarços”, junto ao cos tura que valeria a pena recapitu- lião’ seja vista como página bri-
os beneficiários do subsídio de panteão das antigas bandeiras do lar... Mas não é hoje. lhante na história do separatismo
desemprego: há cada vez menos “nacionalismo” feudal... Há cerca de 60 anos, o presidente Tenho os ouvidos ainda frementes anti-colonial. De facto, o objec-
paciência para escutar o tenesmo Acontece que não me considero F.D.Roosevelt teve a humildade pelas recentes palavras do presi- tivo dos “fundadores” da União
verbal dos eruditos em gozo de discípulo incondicional das prio- corajosa de controlar o ‘saram- dente Barack Obama: “...um país não era o de subverter o governo
férias. Entretanto, a maioria dos ridades políticas do Estado por- po’ capitalista do seu tempo com não pode manter por muito tem- de sua majestade britânica: eram
cidadãos parece viver obsecada tuguês; tenho contudo procurado algumas ‘aspirinas’ do ideário po a sua prosperidade, quando só tão somente civilizados separa-
na (con)gestão das suas certezas, manter fidelidade à mátria por- socialista (seguro-social, plu- cuida do bem-estar daqueles que tistas...
consoante as oscilações acon- tuguesa, apetrechada do valioso ralismo sindical, melhoria do tudo têm.”(*). Ficámos ainda a Muito dessas vulnerabilidades
tecidas no mercado da mentira; (todavia imperfeito) documento acesso à educação). Desta feita o saber que o novel presidente é um circunstanciais foram entretanto
por seu lado, os hipocondríacos saído da Constituinte de 1976 presidente Barack Obama acaba mensageiro convicto da diversi- dissipadas pelos ventos da his-
políticos da moda actualizam o (cerca de 760 anos depois da Car- de ser fervorosamente investido dade étnico-política (não da uni- tória. Estamos à proa duma alta
dote das suas mazelas socráti- ta Magna). Entrementes diria que como “comandante” duma em- formidade cívico-evangélica). A madrugada do século XXI. Há
cas, palreando o receituário das as autonomias politicas dos Aço- barcação que navega sob forte humildade inteligente do seu ca- suspeitas de que a globalização
“sete-desgraças” lusitanas, na res e da Madeira não são “péro- temporal. A nação não o vê como rácter apresenta as cores do arco- pode ser a via racional para ate-
sala-de-espera da tolerância de- las” constitucionais oferecidas um “deus” providencial descido à íris, e o seu estilo não abdica da nuar e ultrapassar velhas confli-
mocrática. pela República para ornamentar terra. Nada disso! A sua mensa- sua valorosa autonomia emotiva tualidades baseadas no orgulho
Sabemos que os tempos não es- teimosias adolescentes. Repito o gem é de inspiração horizontal, e psico-politica. Por mais de uma das ancestralidades regionais.
tão a ser fáceis. A experiência que escrevi algures: a autonomia cujo conteúdo reflecte o itinerário vez, o presidente Obama declarou Muito irá depender do grau de
dos últimos cinco séculos de ul- politico-administrativa das regi- histórico da União Norte-Ameri- o seu entusiasmo pelo imbatível aceleração aplicado ao esforço da
trapasssagem do feudalismo até ões é uma experiência em trânsi- cana: determinação, solidarieda- patriotismo de Abraham Lincoln, mudança planetária.
a grande-área do pós-capitalismo to, cujo etapa final não interessa de, mudança. que em plena guerra civil deixou Ainda acredito que somos seme-
está a franzir a testa para acomo- ao presente adivinhar; prefiro A crise actual apresenta uma escrito o seguinte pensamento: “o lhantes na ânsia sagrada da afir-
dar cerca de 5.000 grupos étnicos dizer que a maturidade democrá- vertente financeira que dispensa meu objectivo primordial centra- mação da nossa inviolável indi-
que se foram apertando no seio tica é o mais credível instrumen- microscópio. Contudo, há rami- se na salvação da União, o que vidualidade.Talvez por isso, não
das 189 nações-estados (quase to para aferir a sua longevidade ficações sociológicas com raízes não significa apoio ou condena- gostaríamos de assistir ao resva-
todas queixosas das “infecções” institucional... históricas que o presidente Oba- ção da escravatura. Se eu pudes- lar da humanidade no delírio uni-
étnicas resultantes da porosidade Nos Açores (e não só) a demo- ma não precisa revisitar, dado se salvar a União sem libertar um forme de instaurar por decreto a
fronteiriça da mobilidade plane- cracia é ainda uma “rapariga que a sua ancestralidade pessoal escravo, fá-lo-ia; se para salvar ditadura da igualdade humana...
tária). nova” acicatada pelo anti-ciclone não passou pela fieira norte-ame- a União me fosse dado libertar
Em plena primeira década do séc. das urgências ditadas pelo con- ricana da escravatura. E já agora uns e deixar outros à sua sorte, (*) tradução livre da
sumismo elegante. Exemplo: o lembraria que, no primeiro quar- fá-lo-ia também. Tudo quanto responsabilidade do signatário.
XXI, vamos aprendendo que o
galopante desassossego da actu- apoio financeiro ao rendimento tel do século XIX, houve um fa- me for dado fazer em relação à
alidade financeira não se comove mínimo, em vez de figurar como migerado movimento separatista escravatura, faz parte da minha
com as receitas emocionais de ca- esmolaria politica, deveria ser da Nova Inglaterra: naquela al- crença no objectivo de preservar
COLABORAÇÃO 11

Temas de Agropecuária
Sabores da vida
Egídio Almeida
Quinzenalmente con-
almeidairy@clearwire.net vidaremos uma pessoa
a dar-nos a receita do
seu prato favorito, com

Humbolt Creamery
uma condição - que
saibam cozinhá-lo.

Situada à beira do “Rio terreno por animal produtor. O mais famosos tais como, “Ice- Fatima Moules
Eel” numa das mais pito- resultado final, é que a especta- Cream, Wallaby Yogurt, Brown
tiva de vida destes animais e das Cow, It’s It e Laloo’s“. O Presi- Nasceu na Ilha da
rescas paisagens do Esta-
mais longas dos Estados Unidos, dente e Gerente Geral, Richard Madeira e reside em
do Dourado encontra-se a produzindo leite com maior per- Ghilarducii declarou que ficou Fremont, California
Humboldt Creamery, uma centagem de creme, e de acordo impressionado com o sucesso Tem dois filhos e é
das mais antigas Coopera- com os peritos, de notável melhor desta companhia na promoção casada com Abilio
sabor. Um ponto importante - é de outros produtos, tornando-os Sousa.
tivas de Lacticinios da Ca-
uma cooperativa, não uma enor- campeões do mercado. Esta é
lifornia

N
me corporação, são negócios de uma das maiores iniciativas des-
família que vem de geração em ta cooperativa no sentido de co-
a pequena cidade de
geração e que se tem empenha- mercializar directamente as suas
Fortuna, muito seme-
do de alma e coração no melho- marcas famosas. Enquanto que a
lhante às nossas ter-
ramento dos seus produtos e do cooperativa tem funcionado sem
ras açorianas, qua-
se no extremo Norte do Estado
nível de vida das suas famílias. interrupção desde 1929, estava Gelatina de Fruta
Esta é por certo uma história direccionada a vendas por ataca-
da California, e propriedade de 1 pacote de gelatina de morango
digna de ser contada. do a companhias de cariz natio-
cerca de 50 famílias produtoras 2 copos de água a ferver
nal e internacional que
de leite daquela região Dissolve-se a gelatina na água a ferver
controlam os mercados
nortenha, esta Coope- Adiciona-se 1 libra de sorvete de baunilha, amolecido
globais.
rativa tornou-se famosa Coloca-se no frigorífico durante a noite
Não obstante os seus 80
por muitos dos seus pro- Antes de servir, coloca-se por cima whipping cream e enfeita-se
anos de existência, esta com morangos ou outras frutas, tais como kiwi, uvas e amen-
dutos especiais do leite,
Cooperativa é quase doim picado.
muitos destes classifica-
desconhecida fora desta
dos de orgânicos.
loc alidade. Espera-se
Humboldt Creamery
que esta decisão de ne-
está situada numa re-
gócio venha grangear a
gião ideal, que através
Cooperativa e aos seus
dos anos tem atraído
produtos uma projecção
emigrantes portugueses
nacional. Parabéns, não
e seus descendentes. As
só a este negócio de fa-
suas vacas vivem numa
Presentemente esta companhia milias, mas a esta loc alidade,
das mais belas paisagens do Pla-
contratou a famosa firma de pro- onde sempre encontramos muitos
neta Terra e alimentam-se em vi-
moções de San Francisco “Gauge amigos pessoais, e também do
çosas pastagens, respirando a ar
& Associates” para promover e TRIBUNA.
puro do Oceano Pacífico e com o
comercializar os seus produtos
conforto de cerca de um acre de
12 COLABORAÇÃO 1 de Fevereiro de 2009

Perspectivas
Fernando M. Soares Silva
“O Amigo dos Católicos”
fmssilva@yahoo.com e a história do seu fundador

O
AMIGO DOS CATÓ- que Manuel Francisco Fernandes, Consoante relata Ferreira Mo- nasceu à volta de 1861. Sabe-se Padre Tavares foram trocados por
LICOS, o quarto jornal antes da sua partida para a ilha Ter- reno em artigo publicado no se- que ele ingressou no seminário outros terrenos em Chestnut Stre-
de língua portuguesa ceira, havia doado fundos para a manário Tribuna Portuguesa em de Saint Thomas, em Mission et, em Oakland, e aí, um ano mais
na Califórnia, foi fun- compra de um edifício de tijolo que, 15 de Abril de 2005, as melho- San José em Maio de 1885, sendo tarde, surgiu a linda Igreja de Saint
até então, servira de “saloon”, isto Joseph, ficando o Padre Fernandes
dado, em 26 de Maio de 1888, na res fontes históricas especificam enviado em Setembro do mesmo
é, de bar e salão de dança, e também como seu pastor. Infelizmente, o
cidade de Irvington, pelo sacer- de mercearia, à população local. que a fundação de “O Amigo ano, para o seminário de Saint
dinâmico sacerdote adoeceu e fa-
dote MANUEL FRANCISCO Após a necessária remodelação, o dos Católicos” se deve “unica- Mary, na cidade de Baltimore, leceu no dia 25 de Junho de 1896,
FERNANDES, natural da ilha edifício passou a servir de igreja mente” ao PADRE MANUEL mo estado de Maryland, onde foi com a ainda jovem idade de 46 a
do Pico, nos Açores, onde nasceu às comunidades portuguesas e a FRANCISCO FERNANDES. ordenado sacerdote em Dezem- nos.
no dia 19 de Janeiro de 1850. À outros católicos residentes naquela Neste arrojado empreendimento, bro de 1888.
procura de melhores condições área rural. O templo foi denomina- o fundador foi apoiado pelo seu Havendo regressado à Califórnia, Ainda antes do falecimento do
de vida, Manuel Francisco, com do Igreja da Imaculada Conceição. amigo, o tipógrafo MANUEL B. este jovem sacerdote foi coloca- seu fundador, “O Amigo dos Ca-
apenas 14 anos de idade, navegou Regressando à Califórnia em 1883, QUARESMA, que, por sua vez, do em Mission San José, na capa- tólicos” passou a ser dirigido por
para o Brasil, mas, decepcionado, já com a idade de 33 anos, Manuel era coadjuvado pelos tipógrafos cidade de pastor assistente. Pou- várias administrações que agiram
regressou à sua terra natal após Francisco Fernandes ingressou no FERNANDO e JOSÉ TAVA- co após, o arcebispo Riordan, de consoante as exigências dos tem-
Seminário de Saint Thomas, em pos e as vigentes situações econó-
meros quatro anos. RES, sobrinhos do sacerdote San Francisco, enviou-o em rumo
Mission San José onde estudou micas. Assim, em 1889, sob a ge-
Em 1873, já moço, decidiu tentar açoriano. a Oakland para que ele servisse a
mais dois anos, até 1885, data da rência do advogado FRANCISCO
novamente a sua sorte no Novo O nome de JOSÉ FRANCISCO crescente comunidade de origem
sua ida para o Seminário de Saint INÁCIO DE LEMOS e do já citado
Mundo, emigrando, desta vez, com TAVARES tem sido apresentado portuguesa daquela cidade e ad-
Anthony, adjacente à cidade de MANUEL B. QUARESMA, este
rumo à Califórnia, onde, a primei- como co-fundador deste jornal, jacente região. Durante algum
Santa Barbara. A sua ordenação periódico foi publicado em Mis-
ro, conseguiu emprego como pas-
sacerdotal foi efectuada no dia 10 mas, como assegura Ferreira tempo, o Padre Tavares utilizou o sion San José, e, seguidamente,
tor de ovelhas e mais tarde como
de Junho de 1886, na Sé Catedral Moreno, a quem agradecemos a salão paroquial da Igreja de Saint em oficinas gráficas da cidade de
trabalhador na exploração de mi-
de Saint Mary, na cidade de San amabilidade de mais esta eluci- Mary para as suas missas e ou- Pleasanton, e mais tarde, em 1893,
nas de ouro de Hawkinsville, no
Francisco. dação, não existem documentos tros serviços religiosos, mas cedo na cidade de Hayward. Em 1898,
condado de Siskiyou.
O novo sacerdote foi prontamente comprovativos da existência de lançou-se a uma intensa campa- o supramencionado José Tavares
Ali labutou durante cinco árduos
nomeado pastor assistente da paró- alguém com este nome, o qual, nha de angariação de fundos para que, com seu irmão Fernando,
anos, conseguindo amealhar as
quia Mission San José. Essa região havia coadjuvado as administra-
suas economias, sempre impelido como se escreveu, tenha sido a construção de novo templo para
era centro de elevados números de ções do jornal, acabou por vender
pelo seu velho sonho: o sacerdócio. também sacerdote. A confusão os crentes portugueses, e até che-
portugueses que acolheram o dedi- a sua parte e parceria no semaná-
Na realidade, o pastor de rebanhos histórica que existiu sobre a apa- gou a comprar vários lotes de ter-
cado Padre Fernandes com grande rio a MANUEL QUARESMA em
de ovelhas aspirava ser pastor de al- rente co-fundação de “O Amigo reno com este objectivo.
simpatia e apreço. 1890.
mas humanas... E assim, em 1878, dos Católicos” parece haver ori- Infelizmente, o dedicado sacerdote
Em resultado das suas campanhas No ano de 1894, o escritor e poeta
já com a idade de 28 anos, regres- foi impossibilitado de completar
sócio-religiosas, o Padre Fernan- ginado nos sobrenomes TAVA- GUILHERME S. GLÓRIA passou
sou aos Açores, ou mais especifi- o seu sonho, havendo falecido re-
des organizou naquele próspero RES dos dois jovens açorianos ti- a ser o seu redactor e editor, cargos
camente à ilha Terceira, onde, após pentinamente, após grave doença,
meio agrícola uma agremiação pógrafos sobrinhos e coadjutores que ocupou até 1896, sendo então
acelerados estudos de instrução no dia 1 de Fevereiro de 1891, com
que, entre outras actividades de do fundador, PADRE MANUEL substituído por JOAQUIM BOR-
primária, ingressou no seminário apenas 25 anos de idade, segundo
cunho social e religioso, deu início FRANCISCO FERNANDES, GES DE MENEZES.
diocesano, em Angra do Heroís- atesta o Número Comemorativo
às primeiras FESTAS DE HOME- durante a fase inicial do existên- Note-se que este jornalista, em
mo, para completar a sua educação da Quinquagésima Quarta Edição
NAGEM AO DIVINO ESPÍRITO 13 de Julho de 1896, fundou “O
secundária e para começar estudos cia deste semanário pioneiro da Anual do “Jornal Português” de 3
SANTO. A popularidade destas ARAUTO”, o quinto jornal de lín-
superiores necessários para a sua imprensa de língua portuguesa de Julho de 1942. Não existe evi-
Festas tornou-se contagiosa, e as- gua portuguesa na Califórnia, o
projectada carreira sacerdotal, se- na Califórnia. dência histórica comprovativa da
sim essas manifestações da reli- qual foi publicado até Janeiro de

O
gundo testemunha o abalizado, e já sua participação na fundação de
giosidade das comunidades de ori- 1917. Por sua vez, Guilherme S.
falecido, historiador Rev. Cónego utro nome que tam- “O Amigo dos Católicos”.
gem portuguesa, maioritariamente Glória foi mais tarde, em 1900, o
José Augusto Pereira (1885-1969) Os arquivos históricos apontam
açorianas, cedo se espalharam por bém tem sido errone- fundador do mono jornal luso-ca-
na sua obra “Sacerdotes Açoria- ainda que, após o falecimento do
toda a Califórnia. Aponta o citado amente citado como liforniano, “A LIBERDADE”, que
nos”, publicada em 1939. Padre Tavares, o arcebispo Rior-
escritor Ferreira Moreno que a pu- co-fundador de “O ele dirigiu até 1937. E Manuel B.
jante Irmandade do Divino Espíri- dan, de San Francisco, encarregou Quaresma foi o fundador, em 1903,
Aponta o jornalista, escritor e his- Amigo dos Católicos” é o do
to Santo, ou I. D. E. S., derivou, o Padre Manuel Francisco Fernan- de “ O IMPARCIAL”, o décimo se-
toriador Rev. Padre José Ferreira, PADRE JOÃO MANUEL TA-
mais tarde, dessa agremiação fun- des da missão da implementação manário comunitário, que existiu
--- muito conhecido no mundo jor- VARES, açoriano natural de Vila do projecto concebido pelo Padre
dada pelo Padre Fernandes. até 1932.
nalístico como Ferreira Moreno---, Franca, ilha de São Miguel, onde Tavares. Os lotes comprados pelo

Sobre o Trabalho
Ter um sistema eficiente de conta-
Ana Toledo
gem de tempo vale sempre a pena
ana@laborcounselors.com

U
ma das acções mais frequentes cido como o Labor Commissioner, sabem o seu trabalho. Ele trabalhava cinco dias a refeição e pausas de descanso como pre-
feitas contra empregadores por que a eles não é-lhes dado o beneficio da por semana, normalmente 8 horas por dia. visto pela lei. As vezes não é uma priori-
empregados é nos salários por dúvida. Eles podem ter passado cheques a Não tendo encontrado trabalho, ele decide dade. Contudo, ter um sistema eficiente de
pagar. Repetidas vezes vemos uma pessoa que eles sabem que tomaram tentar a sua sorte e faz uma reivindicação manter registos de tempo estabelecido pa-
casos onde o empregado faz alegações pausas do descanso e refeição mas eles não de salário com o Labor Commissioner por gar-se-á a longo prazo. Os empregadores
exageradas, tais como nunca ser permitido o podem provar. Eles também aprenderam infrações de pausa de almoço e descanso, poderão defender-se contra reivindicações
pausas do descanso ou almoço, trabalhan- que as penalidades podem adicionar mi- voltando três anos atrás. Sabe que o seu sem mérito e evitar a despesa e dores de
do overtime sem pagamento, ou não ser lhares de dólares à quantia que eles têm empregador nem sempre se assegurou cabeça associadas com um processo, espe-
pago pelo menos o salário mínimo. que pagar. Se um empregador falha em que os cartões de horas de trabalho foram cialmente a despesa de contratar um bom
A documentação do tempo trabalhado é manter registos exactos de tempo, o teste- completamente preenchidos. Reivindica advogado.
o melhor amigo do empregador e sem ela munho do empregado é que vale. que durante 200 dias por ano, ele não foi
os empregadores geralmente acabam por Um empregado pode voltar três anos atrás permitido tomar pausas de refeição ou de Nota do Editor:
pagar, porque na Califórnia os emprega- e fazer reivindicações para salários pen- descanso. Ele reivindica que lhe é devido
dores são exigidos por lei manter registos dentes. Por cada dia que as pausas de re- $9,000 para pausas de almoço e $9,000 Ana Toledo é advogada, trabalha no Saqui
de tempo exactos para empregados non- feição não são fornecidas, um empregado para pausas de descanso não tomadas. Law Group, em Salinas, California, onde
exempt - aqueles que são pagos a hora, e é intitulado a receber uma hora de salário Também reivindica que lhe é devido 30 representa empresários na interpretação
que devem ser pagos tempo-e-meio por e por todos os dias que pausas de descanso dias de penalidades de tempo de espera, das leis de emprego. Antes de se juntar
overtime. Para os empregados exempt, não são fornecidas, um empregado é inti- porque não foi pago todo o salário devido, a esta firma de advogados, trabalhou no
que devem ser pagos pelo menos duas tulado a receber uma hora de salário. Além quando foi despedido - o salário das horas Supremo Tribunal do Condado de Santa
vezes o salário mínimo, não há nenhuma dos salários pendentes, empregadores são de descanso e almoço não tomadas. São Clara. Desde 2006 que pratica advocacia.
lei que exigem manter registos de tempo. responsáveis por 10% de juro, penalida- mais mais $3,600. Os $21,600 não incluem Ana Toledo licenciou-se em Direito pela
Os empregadores devem confirmar que o des até $4,000 por não ter dado declara- juros, nem penalidades por transgredir leis Universidade de Santa Clara e também é
empregado cabe realmente no estatuto de ções exactas de salário (wage statements), de salário, adicionando assim milhares de licenciada em Ciencias Politicas, pela Uni-
exempts. Um salário mensal, em vez de um penalidades por não ter pago todo o salário dólares. versidade da California em Los Angeles.
salário de hora em hora não faz um empre- devido quando o empregado é despedido A maioria de empregadores estão ocupa- Nasceu em Angola, a sua familia é descen-
gado exempt. Há critérios específicos. ou desiste (até 30 dias de salário), e outras dos com as exigências de manter um ne- dente dos Açores e cresceu num rancho do
Os empregadores que já estiveram no tri- penalidades. gócio e não perdem muitas vezes o tempo Vale Central, sendo fluente em Português,
bunal ou no Department of Labor Standar- Aqui está um exemplo. Um trabalhador para se assegurar que os registos de tempo Inglês e Espanhol.
ds and Enforcement (DLSE), mais conhe- nonexempt que ganhava $15 a hora perdeu são mantidos ou que empregados tomam Seja benvinda.
COLABORAÇÃO 13

Agua Viva
Filomena Rocha
75 Anos ao Serviço
filomenarocha@sbcglobal.net do Futebol
Sim, nós podemos!

S
ob o signo da Esperança, começou a Era Obama.
De modo diferente, com muitas cautelas, no ros-
to uma certa apreensão, sem demasiada pompa,
apenas a necessária deste género de celebrações
e com muito povo a assistir, desejoso de mudança. Não só
o povo da Nação Americana, mas o de todo o mundo que
espera milagres de um homem com formação que conhece
o lado bom e o menos bom da vida.
Por experiência familiar, saberá discernir o bom do mau,
a riqueza da pobreza, sabendo valorizar as qualidades hu-
manas acima de outros quaisquer valores. Os ensinamen-
tos da mãe e dos avós aliados ao bom carácter que lhe foi
transmitido, fizeram de Obama uma pessoa de crença em
si e nos outros, capaz de mover montanhas. Com o “Sim,
Nós Podemos”, foi criada a frase que transmite força a to-
dos e cada um que ainda não tenha tomado a iniciativa
certa da sua vida. E é com esta mesma Fé e firmeza de
carácter que tem de enfrentar os maiores desafios e pro-
blemas, não só os do seu País, mas de todos os que envol-
vam e dependam da América. Muito é o trabalho que tem Aspecto do Salão da Casa dos Açores onde houve o lançamento do livro. Rodeando o autor, Manuel Faria de Castro, pode-
pela frente, a par das mais difíceis decisões a tomar que se Manuel Eduardo Vieira e José Brum, Presidente da Casa dos Açores.
por ventura levantem a pátria do caos e da incredibilidade
em que está mergulhada, tarefa árdua se à sua volta não Realizou-se no dia 23 de Janeiro, na Casa
estiverem as pessoas certas, capazes de o acompanharem dos Açores de Hilmar, a apresentação do
neste período de transição. E ainda assim, que ninguém livro “Associação de Futebol da Horta - 75
pense que tudo isto será pròpriamente um doce de côco. Anos ao Serviço do Futebol - 1930-2005”
Quem é que vai juntar todos os cacos dos estragos feitos de Manuel Faria de Castro.
pela governação anterior, não só por causa da guerra com O autor deslocou-se propositadamente do
o Iraque, mas de toda a desestabilização causada pelo fa- Faial até a California, para poder pessoal-
tídico Onze de Setembro, de cujo susto e consequências mente fazer a apresentação do seu livro.
ainda muitos não se refizeram e continuam à procura de No prefácio de Avelino de Freitas Meneses
uma razão que justifique semelhante tragédia. As pergun- ao livro, pode ler-se o seguinte: “O futebol
tas continuam sem resposta, de como num país de gran- nasce na Inglaterra por meados do século
de segurança como a América, tem no seu território, nos XIX, guinando-se então por um regula-
seus establecimentos de ensino indivíduos que treinam mento publicado em 1863. Em Portugal,
para cortar a mão de quem os serve. Desde então, tem sido aparece inicialmente na Madeira em 1873,

A
só fingir que tudo está bem. por influência da numerosa comunidade
inda ninguém se atreve a pensar que a Améri- britanica há muito residente no Funchal...
ca está de cangalhas, apesar de muita gente ter Nos Açores, o futebol surge no Faial. Aqui,
perdido as suas casas, de o desemprego estar é igualmente uma especie de invenção es-
a aumentar com o encerramento desenfreado trangeira, sobretudo britanica, resultante
de toda a casta de posições, desde o mais qualificado ao da acção dos inúmeros ingleses, que per-
mais humilde trabalho. A crise está a instalar-se de forma maneceram na Horta ao serviço das em-
cruel numa terra habituada ao desafogo e à grandeza. E presas dos ramos dos transportes e das
se aqui está assim, como deverá ficar o resto do mundo, comunicações. Por isso, o Fayal Sport
incluíndo a buliçosa Europa que estava a acostumar-se à Club, fundado em 2 de Fevereiro de 1909,
sua moeda única, às suas portas francas, experimentando é a mais antiga equipa açoriana e inclusi-
uma nova forma de fazer amigos, comércio e turismo. Foi vamente umas das primeiras do País, logo
uma espécie de embarque no sonho efémero que não deixa depois do Boavista, do Benfica, do Spor-
de ser uma boa experiência para o futuro, desde que seja ting e do Porto.
mantida a esperança. Após a fundação, em 1923, do Angústias
Apesar do que ainda está para vir, que ninguém perca o Atlético Club e do Sporting Club da Hor-
bom senso da concórdia, o sorriso da compreenção, a ale- ta, a criação da Associação de Futebol da
gria de viver mesmo nas piores situações. Horta, em 1930, testemunha o desenvolvi- Nota sobre o autor do livro: Manuel Faria de Castro, nasceu na
À porta está o Carnaval que já começou a pisar os palcos mento desportvo faialense. Praia do Norte, licenciado em História pela Universidade Clássica de
das Comunidades lusas, apitando para as primeiras actua- Agora, na passagem dos 75 anos da A.F.H., Lisboa, iniciou-se no Ensino em 1973-74 na Escola Básica Pintor Co-
ções ainda um pouco fora de tempo é certo, mas trazendo é justa a pretensão do registo em livro das lumbano, no Feijó. Depois passou pela Damaia, onde criou um escola
aos espectadores motivos de boa disposição, com muita datas, dos eventos e das personalidades de de patinagem que teve muito sucesso. Em 1977 foi colocado na escola
graça, espírito crítico inofensivo, roupas vistosas e música maior relevo.” Preparatória da Horta, hoje Escola Básica Integrada, once lecciona.
alegre, ingredientes necessários para fazer esquecer um
pouco os amargos do dia-a-dia da vida.
Saibamos disfrutar do que ainda temos.
14 COMUNIDADE 1 de Fevereiro de 2009

Zodiac um grupo musical


para todos os tempos

A História do Grupo
O Conjunto Zodiac foi fundado em 1984 com o intuito de compor a sua própria música
Actuações futuras:
sendo diferente da norma. Os seus sons consistem de batoques intensos, vocais me-
lódicos, ritmos quentes e trompetes coordenados.
O grupo conta com oito elementos – teclado e vocalista, baixista, guitarrista, guitarrista Feb 28 2009 9:00P IES Hall - Crab Cioppino San Jose, California
rítmico, baterista, percussionista e dois trompetistas. Tornaram-se na fórmula copiada May 16 2009 9:00P Gilroy IFDES Hall Gilroy, California
por outros grupos que se seguiram, um antídoto ideal para a música portuguesa da May 31 2009 8:00P San Diego UPSES Hall San Diego, California
altura. Jun 6 2009 9:00P Stockton Portuguese Hall Stockton, California
Os Zodiac lançaram quatro CDs originais além de uma colectânea. O mais recente tra- Jun 13 2009 9:00P Mountain View Villa St Hall Mountain View
balho, Mentirosa, recebeu notas positivas dos fãs e comunicação social. Jun 14 2009 4:00P Mountain View Villa St. Hall Mountain View, Calif.
Desde o lançamento do seu primeiro disco, os Zodiac tem vendido milhares de exem- Jul 25 2009 8:00P Private Event - Wedding Campbell, California
plares e actuado perante muitos milhares de fãs. Aug 8 2009 9:00P Tulare TDES Hall Tulare, California
O grupo está presentemente em estúdio a trabalhar no seu quinto album que será lan- Aug 14 2009 8:00P Turlock - Our Lady Of Assumption Hall Turlock, California
çado no próximo verão. Oct 17 2009 8:00P Watsonville Portuguese Hall Watsonville, California
Alguns dos seus trabalhos estão disponiveis para venda no iTunes. Dec 31 2009 10:00P *New Years Show - Pending* Chino, California

www.myspace.com/oconjuntozodiac
PATROCINADORES 15

CONSULADO GERAL DE PORTUGAL


S. FRANCISCO - CALIFORNIA

COMUNICADO 1 ou subscrição; aconselha-se a consulta plataforma de aprendizagem à distância, dem entrar em contacto corn o Consulado-
de informação disponível em www. publicou na sua página em Geral de Portugal, das Segundas as Sex-
O Consulado-Geral de Portugal em San instituto-camoes.pt/noticias-ic-portugal/ tas-feiras, das 9 da manhã as 3 da tarde,
Francisco apresenta os seus melhores biblioteca-digital-camoes.html. www.instituto-camoes.pt/cvc, dados sobre pelo telefone (415) 346-3400 ou fax
cumprimentos e têm a honra de comu- os cursos, que terão inicio no 2º semestre (415) 346-1440. Ou acedendo ao site acima
nicar que o Instituto Camões acaba de San Francisco da Califórnia, aos 28 de do corrente ano lectivo, e cujo calendário indicado.
lançar a Biblioteca Digital Camões, Janeiro de 2009. é o seguinte:
com cerca de 1200 títulos, entre artigos, • 7 a 25 de Janeiro de 2009 - inscriçôes San Francisco, 14 de Janeiro de 2009.
livros, partituras e textos de cultura hu- • 26 a 28 de Janeiro de 2009 - seleccão de
COMUNICADO 2
manística portuguesa, com consulta candidatos Antonio Alves de Carvalho
gratuita, a qual pretende ser repositó- • 29 de Janeiro a 5 de Fevereiro de 2009 - Consul General
O Consulado-Geral de Portugal em San
rio da cultura em língua portuguesa, perlodo de pagamento
Francisco apresenta os seus meihores
tendo como principal critério a publi- • 10 de Fevereiro de 2009 - início dos cur- 3298 Washington Street - San Francisco
cumprimentos e tem a honra de, a pedido
cação de obras integrais, para leitura sos California 94115
do.Ministério dos Negócios Estrangeiros,
gratuita, sem necessidade de registos Para mais informações os interessados po - Tel (415) 346 3400
comunicar que o Instituto Camöes, na sua
16 ENTREVISTA 1 de Fevereiro de 2009

O Adeus de Alzira Silva


“O que eu não sabia é que me iria
apaixonar tanto pelo meu trabalho”
Doze anos a trabalhar com as Comunidades Açorianas espalhadas ro na minha opinião. O projecto do Portal meios em projectos que são estruturantes
pelo mundo fora, deram a Alzira Silva uma visão unica das nossas re- das Comunidades Açorianas é um projec- para as comunidades.
to apoiado pela Direcção Regional das Co- Não querendo comparar as comunida-
alidades, das nossas ansiedades e do amor que todos temos pela terra munidades, que não lhe pertence sozinho, des entre si, quais foram as mais activas
que nos viu nascer. Durante estes anos, houve de parte a parte maus e que é um projecto que tem muita poten- em projectos?
entendidos, que algumas vezes dificultaram o diálogo. Esperamos que cialidade, mas precisa de ser consolidade.
a nova geração de governantes, que pouco sabe da nossa emigração, É um projecto de estudos, académico. É Dependeu das épocas. Houve em deter-
pois muitos já nasceram depois do 25 de Abril e não conheceram as um projecto de ponto de encontro de es- minadas alturas vários projectos da Ca-
tudos sobre os Açores e as Comunidades lifornia, houve em determinados anos
misérias do nosso país, saibam compreender aquilo que Alzira Silva e Açorianas. Há também o projecto dos En- mais projectos de Santa Catarina, Brasil.
o seu grupo de trabalho, aprenderam estes anos todos. contros que penso que terão que continuar, Noutras alturas a área de Toronto foi mui-
Rita Dias, conhecendo como conhece a Direcção Regional, pode fazer mas também numa maneira mais sólida, to activa. Mais tarde, a área de Vancouver
um grande trabalho, como Directora das Comunidades. ou seja, com mais resultados práticos. foi mais activa. Felizmente que tem havi-
Tem tudo a seu favor. Aqueles Encontros temáticos de caracter do ciclos. Uma vez é uma comunidade e
social, de caracter cultural e informativo, no outro ano outra. Depois volta tudo ao
penso que esses terão de ser mais consoli- princípio.
Há doze anos ao tomar posse não sabia do país, houve sempre vontade e meios po- dados de maneira a que possamos levar a
onde é que se ia meter? líticos para o que foi urgente fazer. cada encontro resultados muito práticos, Que tipo de projecto era mais bem re-
cebido pela Direcção Regional? Técnico,
Tinha ideia do que ia acontecer, porque eu Como é que a Direcção Regional dividia científico, cultural, social?
já tinha feito alguns trabalhos como jorna- equitativamente os projectos entre todas
lista sobre as comunidades e tinha ficado as comunidades? Qual era a filosofia da É uma pergunta muito
muito sensível a vários sentimentos que distribuição entre todos? difícil,porque
atravessam as comunidades. A saudade, o nós,teóricamente,
sentimento da lonjura, a quase “orfandade” A filosofia poderia ser equitativa mas não gostamos de
que se sente nos primeiros anos em que se em primeira instância. Os projectos que quaisquer projec-
vive numa terra diferente. Tudo isso me eram desenvolvidos por nós para as comu- tos que tenham
tinha levado a ficar extraordináriamente nidades, faziamos de uma maneira equi- algo de novidade.
sensível ao tema. Também tinha feito um tativa, ou seja, se num ano privilegiava-se Os projectos cultu-
outro trabalho sobre os regressos forçados, com mais projectos nossos os Estados Uni- rais não se podem
ou seja, as pessoas alvo de deportação. dos, no outro ano procurávamos dar mais comparar aos sociais e
Fiquei assim mais desperta para as comu- um projecto nosso ao Canadá ou ao Brasil, vice-versa, portanto, é
nidades, embora eu tivesse família emi- de maneira a termos sempre trabalho nas difícil eu dizer qual é
grada na California e na Costa Leste. Isto várias frentes, incluindo as Bermudas e o ou quais eram aqueles
só para falar dos Estados Unidos. Também Uruguai. Mas quando os projectos eram que teriam mais acei-
tinha família no Brasil e Canadá. apresentados pelas comunidades a candi- tação nossa, porque
Portanto, eu sabia um pouco. O que eu não daturas, nós não podíamos ser equitativos, eram tantos e tão
sabia é que me iria apaixonar tanto pelo ou seja, o que nos chegava era o que era variados. Aceita-
trabalho e que iria dar dias e noites de tra- objecto da nossa análise. Aí, nós podíamos ção havia sem-
balho até ao ponto de me esquecer de tudo ter, por exemplo, 20 projectos de uma co- pre, desde que
o que me rodeava. Isso, eu não sabia no munidade e zero da outra. Como é que se esses projectos
princípio. pode ser equitativo nestas circunstâncias? tivessem reflexo
Dentro dos vinte, seleccionávamos aque- nas comunida-
Havia limitações políticas nas ajudas às les que tinham maior capacidade de ino- des, no sentido
comunidades? vação, criatividade, realização dos seus de abranger pes-
promotores. soas, de mostrar
Há limitações sempre. Nunca senti limita- A abrangência do projecto também entra- algo novo.
ções políticas por fazer isto ou aquilo. Há va em linha de conta. Quantos seriam os
sempre limitações financeiras. Nós não te- destinatários de um projecto? Se abran- Como é que a Direcção Regional
mos nunca os orçamentos que gostaríamos gesse milhares de pessoas tínhamos que media o sucesso de um projecto?
de ter, para fazer muitos e muitos projec- apostar nele. Se abrangesse três pessoas
tos e também não temos nunca os meios apenas, já não teria tanto interesse. Quando estávamos a analisar o projec-
humanos para desenvolver esses projectos. Uma equipa fazia a análise do projecto to, nós tínhamos o nosso critério de
No entanto, eu considero que tive ao lon- que nos era apresentado e depois havia avaliação, que está publicado. Havia
go dos anos um equilíbrio entre a equipa o despacho, que era baseado nesse pa- regras muito claras e que balisava a
humana e os meios financeiros. Isso per- recer, mas que tinha uma certa margem nossa apreciação.
mitiu-me fazer algumas opções daquilo de concordância ou discordância, con- O problema era medir depois do
que nós consideramos ser mais importante forme achávamos que a análise estava projecto acabado. Depois do
fazer num determinado ano, numa deter- mais ou menos detalhada. Haviam projecto desenvolvido em que
minada legislatura, embora tivéssemos projectos culturais, sociais, que nos nós não tínhamos participado,
sempre procurado, por um lado, evoluir e apresentavam, projectos de intercâm- tínhamos que acreditar nos
ir ao encontro de novas necessidades das bio escolares e ainda os nossos próprio relatórios que nos eram apre-
comunidades, dar novas respostas, fazer projectos. sentados pelos promotores,
novas reflexões e também procurar sem- Que tipo de projectos idealizados tínhamos que acreditar nas
pre inovar. Criar e inovar, ouvindo sempre por si é que não conseguiram vin- provas que nos mandavam do
as comunidades, de maneira a saber que gar? projecto - fotografias, relatórios
o que estávamos a fazer era dos interesse Não tenho exemplos de projectos que de contas, artigos de jornal que
delas. Temos que adequar as respostas aos não conseguiram vingar, mas posso di- tinham falado daquele projecto,
destinatários do nosso trabalho. Isso foi zer que há projectos que estão ainda num etc.. Também o próprio diálogo
uma coisa que procurámos sempre fazer. fase que terão que ter um maior desen- com a comunidade ajudava a com-
Obviamente que, se eu tivesse tido mais volvimento. O projecto da Plataforma dos preender o sucesso do projecto.
pessoas e mais meios técnico-financeiros, Jovens, por exemplo, que aconteceu aqui
ter-se-ia feito mais. Mas também sei que na California há pouco tempo, precisa de Ultima pergunta - A Rita Dias é a
tendo em conta, as realidades da região e ser consolidado. É um projecto com futu- pessoa indicada para a suceder?

“A Rita vai ser uma uma


para que as pessoas possam desenvolver
projectos comuns. A Rita vai ser uma Directora Regional
Eu não penso que há projectos falhados a atenta, competentee, profissional. Ela tem

Directora Regional atenta,


nível da Direcção Regional, há sim pro- todas as qualidades para ser uma granmde
jectos com necessidade de reforço, e nem Directora Regional. Estou muito feliz por
estou a referir-me a esforço financeiro. ter sido ela a escolhida.

competente, profissional”
Estou a referir-me ao esforço das próprias
Comunidades e da Direcção Regional,
para haver uma maior concentração de
COMUNIDADE 17

Realizou-se no S.E.S. de Santa Clara uma festa de despedida a Alzira Silva, até agora Queremos crer, que talvez a California não tivesse usufruido de projectos devido a
Directora Regional das Comunidades. Muitas organizações comunitarias estiveram re- nossa maneira de ser. Muitas vezes esperamos que caiam dos céus algumas benesses
presentadas nesta homenagem, para dizer adeus a uma Mulher que durante 12 anos dedi- e quem espera coisas dessas não tem muita sorte. Precisamos de novas lideranças que
cou a sua vida as relações entre os Açores e a Diáspora, de uma maneira muito positiva. estejam atentas aos ventos que correm e que sejam capazes de projectar o futuro.

Antonio Alves de Carvalho, Consul Geral de Portugal Alzira Silva, Directora Regional das Comunidades Maria Ricardo, uma das patrocinadoras da Festa de
em San Francisco até ao dia 30 de Janeiro de 2009 Despedida a Directora Regional das Comunidades

Alzira Silva e Rita Dias, a nova Directora Regional das Comunidades, rodeadas por representantes de organizações comunitarias.
18 PATROCINADORES 1 de Fevereiro de 2009

Compre produtos dos


nossos patrocinadores
COLABORAÇÃO 19

Gungunhana
Minha Língua Minha Pátria
Eduardo Mayone Dias
eduardomdias@sbcglobal.net
Ascensão e Queda

M
udungazi que lhação do ultimato britânico de
mais tarde adop- 1890, o povo regozijava-se com a
tou o nome chegada destes troféus de guerra.
N ’g u n g u n h a n e , Após o desembarque no Arsenal
aportuguesado como Gungunha- de Marinha, o jovem Godide, alto
na, foi o último régulo de Gaza, e garboso, de aspecto cativante,
em Moçambique, o segundo rei- desperta a atenção de esposas de
no mais poderoso da África e o funcionários do Arsenal, que lhe
primeiro do Ultramar Português. pedem autógrafos. Os prisionei-
Este reino ocupava uma área de ros são então conduzidos a seis
quase 90 000 quilómetros qua- carruagens com escolta de cava-
drados, habitada por uma popu- laria, que a custo abrem caminho
lação de etnia vátua estimada em pelas ruas da Baixa, entre os gri-
cerca de um milhão e meio e dis- tos e insultos dos populares que
pondo de um numeroso exército. se apinhavam ao seu redor.
A sua extensão representava o Chegado ao Forte de Monsanto,
que é hoje metade da República todos são encerrados em sotur-
de Moçambique e zonas do Zim- nas e húmidas casamatas, onde
babué e da União Sul Africana. as suas escassas roupas não os
Gungunhana nasceu por volta de podem proteger do frio. Mais
1850 e após a morte do pai, as- tarde transferidos para quartos
sassinou um irmão mais velho de de oficiais, com janelas e mais
modo a poder assumir o poder secos, logram suportar um pou-
sobre o reino de Gaza. Os dez co melhor a sua desdita. O cozi-
anos do seu reinado, de 1885 a nheiro do grupo prepara-lhes as
1895, foram marcados por uma refeições, sobretudo um prato fa-
extrema violência nas lutas con- vorito de carne assada com arroz
tra tribos vizinhas. e feijão verde.
O chamado “Leão de Gaza” man- À volta do forte criara-se um ver-
teve, contudo, uma hábil política dadeiro arraial de gente que pre-
de relações com as potências eu- tendia avistar os detidos. Quando
ropeias, numa série de alternadas o conseguiam, havia impropérios Ilha Terceira - Gungunhama, Godide, Molungo e Zixaxa em 1899
alianças com Lisboa e com Lon- e gestos indecorosos.
dres, na crença de que lucraria Três meses depois o grupo se-
com as divergências entre os dois parou-se e as mulheres foram
países que disputavam o domínio enviadas para São Tomé, onde
da África Austral. algumas faleceram. O Gungu-
Em 1894 comete, todavia, um nhana, o filho Godide, o seu tio
erro fatal ao dar guarida a dois ré- Molungo e o régulo Zixaxa são
gulos tsongas, Zixaxa e Amdun- embarcados com destino à Ilha

A
gjuana, que haviam atacado po- Terceira.
sições portuguesas em Lourenço 27 de Junho de 1896
Marques durante uma revolta. As dão entrada no Forte
represálias portuguesas não se fi- de S. João Baptis-
zeram esperar. ta, situado no Monte
A 28 de Dezembro de 1895 uma Brasil, em Angra do Heroísmo.
coluna militar portuguesa co- A caminho deste destino, como
mandada por Mouzinho de Albu- notaria o jornal A União do dia
querque, ataca a aldeia fortificada seguinte, causaram certa comise-
de Chaimite, onde o Gungunha- ração pelo seu aspecto. Vestiam
na se havia refugiado, e consegue roupas velhas e o Gungunhana
aprisioná-lo. Conduzido com al- ia descalço e com a fralda da ca-
guns familiares e companheiros misa fora das calças. Mais tarde
à cidade de Lourenço Marques, receberam chapéus e botas. Um
o grupo é embarcado no vapor fotografia de 1899 mostra-os já
África com destino a Lisboa. quase elegantemente vestidos à
A 13 de Março de 1896 chegam moda europeia do tempo.
pois ao Tejo o Gungunhana, as Em Angra os prisioneiros foram
suas sete mulheres, o filho Go- tratados com relativa benevo-
dide, o seu tio Molungo e dois lência. Equiparados a segundos
régulos vassalos de Gaza com sargentos de Caçadores 10, a Moçambique - o caixão de Gungunhama, Rei de Gaza, em Maputo
as respectivas mulheres, assim unidade aquartelada no Forte. re- aceites pela sociedade angrense.
como um cozinheiro. cebiam o respectivo pré, 60 réis Gungunhana e Molungo, os
Vinham amontoados num peque- diários, e rancho. Gozavam do mais velhos, nunca se puderam
no e nauseabundo beliche a esti- chamado “regime livre” e esta- adaptar à vida europeia e caíram
bordo do navio. Quando alguns vam autorizados a circular pelas numa forte depressão, talvez a
jornalistas foram autorizados a ruas da cidade. Aí foram alvo causa que os levou ao alcoolis-
subir a bordo, depararam-se com da complacente curiosidade dos mo.
Gungunhana deitado numa estei- transeuntes, muitos dos quais Zixaxa, o mais empreendedor de
ra, com a cara tapada. Alguém a nunca haviam visto um negro. As todos, dedicou-se à fabricação
destapou e o preso ergueu-se com crianças acercavam-se ao Gun- de cestos e xaropes medicinais,e
uma expressão desconfiada e co- gunhana e algumas penduravam- chegou a tornar-se guarda do
briu o rosto com as mãos. Acer- se do seu braço. Monte Brasil. Faleceu em 1927,
caram-se depois mais pessoas e Todos foram alfabetizados e a casado e com um filho. Molungo
os africanos foram trazidos para 16 de Abril de 1899 receberam o morreu em 1912, com mais de
o convés. baptismo na Sé Catedral das mãos 80 anos. Godide contraiu a tu-
Aí, o sanguinário chefe rompeu do bispo de Angra, apadrinhados berculose que em 1906 grassava
num convulsivo pranto e implo- por elementos da alta sociedade nos Açores. Embora tratado em Ilha Terceira - Castelo de São João Baptista
rou a sua libertação e regresso à local. Receberam também novos Angra e em Lisboa, veio a falecer
terra natal. (Mais tarde chegaria a nomes: o Gungunhana passa a ser em 1911 no Hospital Militar da
ajoelhar-se e a beijar as botas dos Reinaldo Frederico, o filho Antó- à História aquele que Portugal
Boa-Nova, apenas com 35 anos.
captores, pedindo-lhes perdão.) nio da Silva Pratas, o tio torna-se considerou um detestado rebelde
O Gungunhana sucumbiu a um
Uma vasta multidão invade o José Frederico e Zixaxa Roberto e Moçambique um dos seus he-
derrame cerebral no mesmo Hos-
Terreiro do Paço na ânsia de ob- Frederico. Eram agora considera- róis nacionais.
pital da Boa-Nova, a 23 de De-
servar os vencidos. Após a humi- dos pessoas de bem e facilmente zembro de 1906. Assim passou
20 COLABORAÇÃO 1 de Fevereiro de 2009

Lufada de Ar Fresco
Paul Mello
Mais Tarde
pjmello87@yahoo.com Para Recordar

E
is que chegou a confirmação, o carregado de realismo e transmitindo uma versas que tive com alguns portugueses, o
dia em que tudo se tornou oficial: mensagem de esperança apelando à contri- apoio a Barack Obama não era unânime.
Barack Obama tornou-se o novo buição do povo para um futuro promissor. Cada um tem a sua preferência política e
presidente dos Estados Unidos O presidente terminou o seu discurso com a decisão de votar em quem quer que seja
da América. o habitual “God bless you. And God bless deve ser respeitada, mas é muito triste
No passado dia vinte de Janeiro, às nove the United States of América”. No final, saber que alguns portugueses(e não só)
horas da manhã, o país parou para teste- ninguém conseguia conter as emoções: uns basearam a sua escolha política na cor do
munhar uma inauguração histórica. Por gritavam e saltavam de alegria enquanto candidato. Mas no fundo, o que interessa
momentos, todos deixaram de fazer o que outros limpavam as lágrimas dos ros- é que 53% dos Americanos não votaram
que estavam a fazer para assistirem pela tos. Havia uma sensação de renascimento na cor, mas sim na pessoa que hoje é o
televisão(e alguns ao vivo) à tomada de e uma das palavras que se ouvia com mais nosso Presidente.
posse do nosso novo líder. Por momentos, frequência da boca dos jovens era “hope” Após o discurso do Presidente, seguiu-
o carpinteiro parou de pregar, o pintor dei- que em português significa esperança. se outro momento marcante do dia que
xou de pintar, o barbeiro deixou de cortar, Nunca um presidente foi tão apoiado pelo foi a partida do nosso antigo presidente,
o professor parou de ensinar, o doutor pa- geração jovem. Na minha opinião, a expli- George Bush. Até neste aspecto, o novo
rou de operar, as mexeriqueiras pararam cação para isto deve-se ao facto do Presi- presidente mostrou ser uma pessoa de televisão.
de mexericar, os estudantes pararam de dente Barack Obama possuir tudo aquilo grande carácter. Apesar de ter criticado o O adeus a George Bush e as boas vindas a
estudar…e é importante não esquecer que que é necessário para ser um ídolo. Para a antigo presidente duramente nos últimos Barack Obama parecem ter instalado um
o George Bush deixou de governar. maioria dos Americanos de origem Afri- meses, Barack Obama não deixou de agra- novo sentimento de esperança no povo
cana, Barack Obama é sem dúvida o ído- decer a George Bush o serviço prestado ao Americano. As expectativas são elevadas,
Eu, assim como milhares de outros estu- lo de eleição, mas não será só para eles. país durante os últimos oito anos no seu mas não podemos estar à espera que o Pre-
dantes assistimos à inauguração através Arrisco-me a dizer que Barack Obama se discurso. Para além disto, o Presidente Ba- sidente Obama e o seu governo façam mi-
do ecrã gigante que se encontrava no pavi- tornou num ídolo para muitos de nós. Eu rack Obama fez questão de acompanhar lagres e o seu discurso realista transmitiu
lhão da nossa universidade. Por sorte, nes- não me refiro apenas ao Presidente Bara- o antigo presidente e a sua esposa até ao essa sensação. Podemos sim esperar que
se dia eu não tinha aulas às nove da manhã ck Obama, ou ao Senador Barack Obama, helicóptero que eventualmente os levaria ele e a sua equipa governem com transpa-
mas mesmo que tivesse, tinham sido can- mas sobretudo à pessoa que é o Barack para o Texas. Nunca um presidente tinha rência e que façam tudo que estiver ao seu
celadas certamente. Obama – um homem que, pela sua histó- acompanhado o antigo presidente até ao alcance para colocarem este país onde ele
No momento em que Barack Obama foi ria de vida, inteligência, carácter, e capa- helicóptero no dia da sua despedida. Mi- deve estar.
anunciado oficialmente como o novo pre- cidade de liderança, conquistou os nossos nutos depois o helicóptero estava no ar. O A inauguração do quadragésimo quarto
sidente dos Estados Unidos da Améri- votos tornando o que era imaginável na antigo presidente dizia adeus à casa que Presidente dos Estados Unidos da Amé-
ca, parecia que o pavilhão vinha abaixo. realidade a que presentemente assistimos. foi sua durante oito anos enquanto que rica será lembrada, sem qualquer dúvida,
Os ânimos apenas se acalmaram quando milhares de pessoas que ficaram em terra como um dos momentos mais marcantes
chegou à altura do discurso do novo pre- Provavelmente estou a cometer um peque- diziam adeus acenando com a mão, alguns da história nacional e mundial. O dia 20
sidente. Durante trinta minutos, o novo no erro ao dizer que Barack Obama con- até fazendo gestos de despedida pouco de Janeiro de 2009 será certamente um dia
presidente fez um discurso emocionante quistou os “nossos votos”, pois pelas con- amigáveis ao ponto de serem cortados pela para mais tarde recordar.
PATROCINADORES 21

LUSO AMERICAN LIFE


FRATERNAL ACTIVITIES
OF THE SOCIETY
Luso American Fraternal Federation
Sociedade Portuguesa Rainha Santa Isabel

February 2009 LAFF


Date Time Council City Location
Saturday 7th 5:00 pm No- YC # 11 Santa Clara SES Hall
Host Cockt. Fundraising 1372 Lafayette St
6:00 Dinner Annual Youth Santa Clara, CA
Council Fun- More info: call
Lidia Resendes
draising Acti-
408-368-9499
vity Arnold Rodrigues
408-202-2728
Joseph Resendes
408-438-6740

Sunday 8th 12:30 No- 42B-43C Martinez Martinez


Host President Sportmen’s Club
Cocktails Visits 304 Embarcade-
1:00 Lunch ro, Martinez
Sunday 15th 2:00 pm 58B Salinas Waffle Rerstau-
Cocktails P r e s id e n t e s rant
3:00 Lunch Visits 1465 N Main St
Salinas
SPRSI
Sunday 8th TBA 17- 43 Half Moon Cameron’s
Bay Highway 1
Call Secretary
Carolina Silva
650-324-7854
Saturday 21st TBA 94 Novato More Info to
follow
Sunday 22nd 9:00 am 112 Martinez Mass at St. Ca-
Mass, More info: call therine Church
Brunch follo- Dorothy Potts 1100 Estudillo
wing Mass 510-799-2677 St, Martinez
Saturday 28th TBA 36-46-48 More info to
follow

20-30’s Associate President Liz SPRSI Presidents:


Alves, State President Liz
Rodrigues, State Youth Constance Brazil, Tisha Cardoza,
President Gary Resendes Brianne Mattos
Contact LAFF 925-828-4884
22 DESPORTO 1 de Fevereiro de 2009

Liga Profissional de Futebol

Balanço da Primeira Volta


Afinal o que é que mudou?

O
F.C. Porto fechou a primei-
ra volta na frente, como na
época passada, mas é o úni-
co dos «grandes» que perde
pontos na comparação com 2007/08.
Esta temporada Jesualdo somou 31 pon-
tos, resultado de nove vitórias, quatro
empates e duas derrotas. Mais um de-
saire do que em 2007/08 e dois empates.
E menos três vitórias. No total, o cam-
peão tinha 38 pontos depois de disputa-
das quinze jornadas. Ou seja, mais sete
do que hoje. Quanto a golos, 26-11 hoje,
versus 24-5. O ataque está ligeiramente
melhor, a defesa piorou bastante.
O Sporting de Paulo Bento tem hoje
mais quatro pontos, 30 contra 26. Na
prática, Paulo Bento perdeu o mesmo
(três vezes), mas ganhou em mais duas
ocasiões. Quanto a golos, 19-8 hoje, pelo apuramento para a Taça UEFA. Ago- V. Guimarães - 25/18
contra 22-14 em 2007/08. Ataque me- ra, com metade dos pontos, ocupa a penúl- V. Setúbal - 24/12
nos feliz, defesa mais certa. tima posição da tabela classificativa. Sp. Braga - 23/23
Por último o Benfica. Tem apenas mais O F.C. Porto, conforme referido acima, Marítimo - 23/23
um ponto do que em 2007/08 por esta também apresenta uma quebra significa- Belenenses - 19/14
altura. Trocou uma derrota por um tiva (sete pontos), surgindo o Vitória de Nacional - 17/25
empate. Quanto a golos, 25-12 esta Guimarães a completar este pódio, com E. Amadora - 16/19
temporada; 26-9 na época anterior. Ou outros sete pontos perdidos. Académica - 15/14
seja, nada de especial se alterou na Luz, O Leixões, por seu turno, deu o maior sal- Naval - 15/19
apesar do ruído mediático que levaria a to (mais doze pontos), seguido do Nacional Leixões - 15/27
supor o contrário. da Madeira (mais oito pontos). P. Ferreira - 12/15
Mais de dez pontos perdidos no Sado
Olhando mais para baixo, percebe-se Pontuação comparativa(07/08 com 08/09): In Maisfutebol
que o Vitória de Setúbal apresenta a
queda mais significativa no último ano. F.C. Porto - 38 /31 pontos
Por esta altura, em 2007/08, a formação Benfica - 29/30
sadina acumulava 24 pontos, lutando Sporting - 26/30

Liga Sagres
Liga perde 112 mil espectadores
Formação de jogadores ameaçada
mas está ainda as- aconteceram na segunda volta. Tendência
sim abaixo de igual igual mostram V. Guimarães e Sp. Braga,
período da época os clubes que se seguem com maiores as-
passada (300.029), sistências.
sendo que já rece- Por curiosidade, refira-se que a taxa de
beu F.C. Porto e ocupação dos estádios se mantém muito
Sporting, tal como próxima da época passada, com 44,2 por
tinha acontecido cento, porque a Liga perdeu dois recintos
na última tempora- com maior capacidade, Bessa e Leiria, que
da por esta altura. foram substituídos pelos estádios com me-
A diferença do nor capacidade de Tofense e Rio Ave.
F.C. Porto é maior, A melhor jornada da Liga 2008/09 foi a
mas os «dragões» oitava, com 130 mil espectadores no total.

A
ainda vão receber A pior foi a 13ª, com 30 mil espectadores a
Liga perdeu 112.947 espec- os dois clássicos. dividir por oito estádio. Seguiu-se a ronda
tadores em relação à época Na época passada, por esta altura, os cam- que agora terminou, a última da primeira
passada, tendo em conta os peões tinham levado 302.299 espectado- volta, com um total de 39.992 espectado-
totais de assistências no fi- res ao estádio, esta temporada o total é de res nos estádios.
nal da primeira volta. Uma quebra de 243.172. O Benfica-Sporting da 4ª jornada foi o
8,7 por cento, numa tendência quase ge- Quanto ao Sporting, tem 187.714 especta- jogo com melhor assistência, um total de
ral e que afecta todos os «grandes». dores, contra 208.427 há um ano. E neste 60.022 espectadores.
O Benfica é o clube com melhores totais caso os «leões» já receberam o F.C. Porto,
de assistências (290.857 espectadores), quando na época passada os dois clássicos In Maisfutebol

A Liga Portuguesa é segunda no ranking dos jogadores que actuam na Liga inglesa Portugal tem 121 jogadores em
dos campeonatos europeus com mais es- são internacionais, enquanto que em Por- campeonatos europeus
trangeiros. Essa é a conclusão do «Estudo tugal apenas um quinto já passou pelas
demográfico dos futebolistas na Europa», respectivas selecções. Portugal é o quinto país mais exportador
que aponta o risco da formação lusa se «O mecanismo é que os jogadores por- de futebolistas na Europa, com 121 joga-
extinguir. tugueses mais talentosos vão para o es- dores a actuarem em campeonatos euro-
«Há o risco de ser abandonada a forma- trangeiro e são substituídos por jogadores peus, atrás do Brasil (551), França (233),
ção de jogadores portugueses e de vir a brasileiros mais medíocres», acrescenta o Argentina (222) e Sérvia (192).
tornar-se uma liga suplementar de joga- docente da Universidade de Neuchâtel e Raffaele Poli fundou, juntamente com
dores brasileiros», afirma Raffaele Poli, Lausanne. Loïc Ravenel da Universidade de Fran-
um dos autores do estudo, em declarações che-Comté (França), o Observatório dos
à Lusa. Belenenses é o clube com mais Jogadores Profissionais de Futebol (OJPF)
Os números apresentados são revelado- estrangeiros e desenvolveu o «Estudo demográfico dos
res: dos 383 jogadores da Liga portugue-
futebolistas na Europa». A investigação
sa, 53,7 por cento são estrangeiros (211). O Belenenses é o clube que mais contri-
A maior parte é oriunda do Brasil (137), bui para a elevada percentagem de es- integra dados referentes a Outubro de
na segunda posição surgem os argentinos trangeiros em Portugal. 72 por cento do 2008 e abrange 11015 jogadores, de 456
(15) e depois os franceses (9). plantel do clube do Restelo é constituído clubes, que jogam em 30 ligas europeias.
A Liga portuguesa só é superada por In- por jogadores estrangeiros. No sentido
glaterra, em que 59,1% dos jogadores são oposto, o Rio Ave é o clube com menos In Maisfutebol
estrangeiros. No entanto, mais de metade estrangeiros no seu plantel (29,2%).
PATROCINADORES 23
24 TAUROMAQUIA 1 de Fevereiro de 2009

Quarto Tércio
SANJOANINAS 2009 José Ávila
Cartéis a mais em tempo josebavila@gmail.com

de crise, mas com El Juli Atirei o meu


chapéu três vezes
Calculo as dificuldades que a Comissão ao ar, quando soube
Taurina das Sanjoaninas 2009 teve em que os dois Grupos
contratar artistas este ano, tendo em de Forcados de Turlo-
vista a crise económica mundial que ck iriam tourear jun-
afecta todos nós. tos numa corrida em
Como deve ter sido dificil prever a vin- Stevinson. Parabéns
da de aficionados das Américas para aos dois grupos.
que se possa equilibrar um orçamento
já de si mais curto que os anos ante-
riores. Não se pode justificar hoje em O meu chapéu fica na mão a tremer
dia, que as taxas camarárias do povo nervosamente, quando vejo o numero de corridas
do Conselho de Angra sirva para pagar de toiros aumentar na Terceira, num País em total rece-
Corridas de Toiros. E aí é que está a di- ção económica. O importante em tempo de crise é ser-se
ficuldade da Comissão. Prever o futu- inventivo e escolher o melhor, dentro das possibilidades
ro. Sem “americanos e canadianos” as económicas da Ilha. Reduzir em uma as corridas faria
praças de toiros ficarão as moscas. Te- muito mais sentido. Outra coisa que não compreendo
mos a certeza que mesmo com a crise, é haver duas corridas com dois artistas, um cavaleiro
a SAUDADE fará milagres e os aviões e um matador. Estatísticamente são sempre corridas
da SATA Internacional irão cheios para falhadas, sem emoção, sem competição, aborrecidas.
a Terceira. Não há artistas que gostem deste tipo de corridas, só as
Oxalá que um dia os açorianos compre- aceitam agora para ganhar dinheiro em tempo de crise.
endam o bem que é ter uma rectaguarda El Juli - um dos maiores matadores de toiros da actualidade Quem perde é quem paga o seu bilhete. Oxalá eu me
destas, que está, esteve e enganasse.
estará sempre ao lado deles. O contrá-
rio é que nem sempre é verdade.
Enfio o meu chapéu até as orelhas ao
Dia 21 de Junho, Domingo Dia 27 de Junho Sábado ler que no dia 27 de Junho haverá um mano-a-mano en-
tre um cavaleiro e um matador. Nunca se deve chamar
“Corrida da Oportunidade” “Imponente Mano-a-mano” mano-a-mano a duas coisas distintas - um toureia a ca-
valo e outro a pé. Não há comparação, nem sequer com-
Cavaleiros Cavaleiro petição. São coisas distintas. Chama-se mano-a-mano
Rui Lopes Vítor Ribeiro a disputa entre dois matadores ou entre dois cavaleiros.
Deve ter sido um descuido linguístico.
Novilheiro Matador
Manuel Dias Gomes El Fundi
Jose Manuel Mass Enfio o meu chapéu até aos olhos, de
Toiros de vergonha, quando oiço dizer que o Sário Cabral vai
Grupo de Forcados Casa Agrícola José Albino Fernandes tourear 3 toiros na Corrida de Elk Grove - querem matar
Grupo de Forcados Amadores da Tertúlia um jovem praticante logo no princípio da temporada?
Tauromáquica Terceirense Grupo de Forcados Nós queremos o Sário a tourear a temporada inteira e
Grupo de Forcados Amadores do Ramo Grande aquela corrida pode ditar o seu futuro. Quem é que faz
Toiros de coisas destas? Que raio de aficion é esta?
Rego Botelho
Herdeiros de Ezequiel Rodrigues
Dia 28 de Junho Domingo
Irmãos Toste “Grandioso Concurso de Ganadarias” Tiro o meu chapéu ao matador José
Tomás, depois de ver aquela extraordinária faena ao
Cavaleiros toiro Idilico, e de o ter indultado. São faenas destas que
Dia 24 de Junho Quarta-feira Vitor Ribeiro mostram a toda a gente, a beleza do toureio, o sincro-
“Corrida de Prata - 25 Anos da Manuel Lupi nismo entre um toiro e um homem, a pintuta tornada
Praça de Toiros Ilha Terceira” Marcos Tenório Bastinhas movimento, a bravura e a nobreza de um toiro, a arte e a
técnica de um dos maiores matadores da história.
Toiros de
Cavaleiros Rego Botelho
Marcos Tenório Bastinhas Casa Agrícola José
Tiago Pamplona Albino Fernandes
João Pamplona Irmãos Toste

Matador Grupo de Forcados


Ruben Pinar Grupo de Forcados
Amadores da Tertúlia
Toiros de Tauromáquica
Rego Botelho Terceirense
Irmãos Toste Grupo de Forcados
Amadores do Ramo
Grupo de Forcados Grande
Grupo de Forcados Amadores da Tertúlia
Tauromáquica Terceirense Cartel in Terceira
Grupo de Forcados Amadores do Ramo Grande Taurina

Dia 26 de Junho Sexta-feira


“Majestosa Corrida” PS - um grande abra-
ço ao meu amigo José
Cavaleiro Couto, responsável tau-
Manuel Lupi rino das Sanjoaninas.
Um grande aficionado
Matador e uma velha glória do
El Juli Sport Clube Lusitania.
Benvindo mais uma vez
Toiros de à California.
Rego Botelho

Grupo de Forcados
Grupo de Forcados Amadores da Tertúlia
Tauromáquica Terceirense
PATROCINADORES 25

VISITAS OFICIAIS PARA O MÊS DE FEVEREIRO

February 13: 6:30PM – Fremont, Council #5


Tel: (510) 489-4804
February 15: 1:00PM – Merced, Council #29
Tel: (209) 358-6175
February 21: 5:00PM – Hayward, Council #3
Tel: (510) 483-7788
February 22: 1:00PM – Tracy, Council #137
Tel: (209) 835-4341
February 28: 6:00PM – Redlands, Council #100
Tel: (909) 794-6556

Para mais informação telefone para os números indicados


26 ARTES & LETRAS 1 de Fevereiro de 2009

Discurso de Barack Obama Apenas


Duas
Meus caros cidadãos: Palavras
Aqui estou hoje, humilde perante a ta- rumo à prosperidade e à liberdade. de expandir a democracia não tem parale-
lo, mas esta crise lembrou-nos que sem um
refa à nossa frente, grato pela confiança
que depositaram em mim, consciente dos
Por nós, pegaram nos seus parcos bens e
atravessaram oceanos em busca de uma olhar vigilante o mercado pode ficar fora Diniz Borges
sacrifícios que os nossos antepassados nova vida. Por nós, eles labutaram em de controlo – e que uma nação não pode
enfrentaram. Agradeço ao Presidente condições de exploração e instalaram-se prosperar quando só favorece os próspe- d.borges@comcast.net
Bush pelo seu serviço à nossa nação, as- no Oeste; suportaram o golpe do chicote ros. O sucesso da nossa economia sempre
sim como a generosidade e a cooperação e lavraram a terra dura. Por nós, eles com- dependeu não só da dimensão do nosso
que demonstrou durante esta transição. bateram e morreram, em lugares como Produto Interno Bruto, mas do alcance da Esta é, seguramente, uma Maré Cheia
Quarenta e quatro americanos fizeram até Concord e Gettysburg; Normandia e Khe nossa prosperidade; da nossa capacidade diferente. Apresentámos, um texto
agora o juramento presidencial. Os discur- Sahn. Tantas vezes estes homens e mu- em oferecer oportunidades a todos – não que para muitos pode não ser lite-
sos foram feitos durante vagas de crescen- lheres lutaram e se sacrificaram e traba- por caridade, mas porque é o caminho rário, mas é, indubitavelmente, um
te prosperidade e águas calmas de paz. No lharam até as suas mãos ficarem ásperas mais seguro para o nosso bem comum. magnífico texto. Este é o discurso do
para que pudéssemos viver uma vida me- Quanto à nossa defesa comum, rejeitamos novo Presidente dos Estados Unidos
entanto, muitas vezes a tomada de posse da América, Barack Obama. É um
ocorre no meio de nuvens espessas e fu- lhor. Eles viram a América como maior do como falsa a escolha entre a nossa segu- texto importantíssimo para a América
riosas tempestades. Nesses momentos, a que a soma das nossas ambições individu- rança e os nossos ideais. Os nossos Pais e para o mundo. Daí que sem outros
América perseverou não só devido ao ta- ais; maior do que todas as diferenças de Fundadores, face a perigos que mal con- comentários, deixamos, nesta segunda
lento ou à visão dos que ocupavam altos nascimento ou riqueza ou facção. seguimos imaginar, redigiram uma carta Maré Cheia de 2009, o discurso pro-
cargos mas porque Nós o Povo permane- Esta é a viagem que hoje continuamos. para assegurar o estado de direito e os di- ferido pelo Presidente Barack Obama
cemos fiéis aos ideais dos nossos antepas- Permanecemos a nação mais poderosa reitos humanos, uma carta que se expan- na cerimónia de posse que ocorreu a
sados e aos nossos documentos fundado- e próspera na Terra. Os nossos trabalha- diu com o sangue de gerações. Esses ide- 20 de Janeiro último, na escadaria do
res. dores não são menos produtivos do que ais ainda iluminam o mundo, e não vamos Capitólio em Washington DC, perante
Assim tem sido. E assim deve ser com esta eram quando a crise começou. As nossas abdicar deles por oportunismo. um multidão que rondava os 2 milhões
mentes não são menos inventivas, os nos- E por isso, aos outros povos e governos que de homens, mulheres e crianças.
geração de americanos. Dos Açores, houve quem me escreveu
Que estamos no meio de uma crise, já to- sos produtos e serviços não são menos ne- nos estão a ver hoje, das grandes capitais dizendo que era um dos discursos mais
dos sabem. A nossa nação está em guerra, cessários do que eram na semana passada à pequena aldeia onde o meu pai nasceu: interessantes e um dos textos mais in-
contra uma vasta rede de violência e ódio. ou no mês passado ou no ano passado. A saibam que a América é amiga de todas as teressantes que tivessem ouvido. Aqui
A nossa economia está muito enfraqueci- nossa capacidade não foi diminuída. Mas nações e de todos os homens, mulheres e nos Estados Unidos houve quem me
da, consequência da ganância e irrespon- o nosso tempo de intransigência, de prote- crianças que procuram um futuro de paz disse que este texto precisava ser lido
sabilidade de alguns, mas também nossa ger interesses tacanhos e de adiar decisões e dignidade, e que estamos prontos para e reflectido em todos os cantos deste
culpa colectiva por não tomarmos deci- desagradáveis – esse tempo seguramente liderar mais uma vez. país.
sões difíceis e prepararmos a nação para que passou. Recordem que as primeiras gerações en-
uma nova era. Perderam-se casas; empre- A partir de hoje, devemos levantar-nos, frentaram o fascismo e o comunismo não Abraços
sacudir a poeira e começar a tarefa de re- só com mísseis e tanques mas com alian- diniz
gos foram extintos, negócios encerraram.
O nosso sistema de saúde é muito oneroso; fazer a América. Para onde quer que olha- ças sólidas e convicções fortes. Compre-
sociedade – saibam que o vosso povo vos
para muita gente as nossas escolas falha- mos, há trabalho paraa fazer. O estado da enderam que só o nosso poder não nos
julgará pelo que construírem, não pelo que
ram; e cada dia traz-nos mais provas de economia pede acção, corajosa e rápida, e protege nem nos permite agir como mais
destruírem. Aos que se agarram ao poder
que o modo como usamos a energia refor- nós vamos agir – não só para criar novos nos agradar. Pelo contrário, sabiam que o
pela corrupção e engano e silenciamento
ça os nossos adversários e ameaça o nosso empregos mas para lançar novas bases de nosso poder aumenta com o seu uso pru-
dos dissidentes, saibam que estão no lado
planeta. crescimento. Vamos construir estradas e dente; a nossa segurança emana da justeza
errado da história; mas que nós estendere-
Estes são indicadores de crise, resultado pontes, redes eléctricas e linhas digitais da nossa causa, da força do nosso exemplo,
mos a mão se estiverem dispostos a abrir o
de dados e de estatística. Menos mensu- que alimentam o nosso comércio e nos li- das qualidades moderadas de humildade e
vosso punho fechado.
rável mas não menos profunda é a perda gam uns aos outros. contenção.
Aos povos das nações mais pobres, prome-
de confiança na nossa terra - um medo in- Vamos recolocar a ciência no seu devido Nós somos os guardiães deste legado.
temos cooperar convosco para que os vos-
cómodo de que o declínio da América é lugar e dominar as maravilhas da tecnolo- Guiados por estes princípios uma vez mais,
sos campos floresçam e as vossas águas
inevitável, e que a próxima geração deve gia para elevar a qualidade do serviço de podemos enfrentar essas novas ameaças
corram limpas; para dar alimento aos cor-
baixar as expectativas. saúde e diminuir o seu custo. Vamos do- que exigem ainda maior esforço – ainda
pos famintos e aos espíritos sedentos de sa-
Hoje eu digo-vos que os desafios que en- mar o sol e os ventos e a terra para abas- maior cooperação e compreensão entre
ber. E às nações, como a nossa, que gozam
frentamos são reais. São sérios e são mui- tecer os nossos carros e pôr a funcionar as nações. Vamos começar responsavelmen-
de relativa riqueza, dizemos que não po-
tos. Não serão resolvidos facilmente nem nossas fábricas. E vamos transformar as te a deixar o Iraque para o seu povo, e a
demos mais mostrar indiferença perante o
num curto espaço de tempo. Mas fica a sa- nossas escolas e universidades para satis- forjar uma paz arduamente conquistada no
sofrimento fora das nossas fronteiras; nem
ber, América - eles serão resolvidos. fazer as exigências de uma nova era. Afeganistão. Com velhos amigos e antigos
podemos consumir os recursos do mundo
Neste dia, unimo-nos porque escolhemos Podemos fazer tudo isto. E tudo isto iremos inimigos, vamos trabalhar incansavelmen-
sem prestar atenção aos seus efeitos. Por-
a esperança e não o medo, a unidade de fazer. Há alguns que, agora, questionam a te para diminuir a ameaça nuclear, e afas-
escala das nossas ambições – que sugerem tar o espectro do aquecimento do planeta. que o mundo mudou, e devemos mudar
objectivo e não o conflito e a discórdia
Neste dia, viemos para proclamar o fim que o nosso sistema não pode tolerar mui- Não vamos pedir desculpa pelo nosso com ele. Ao olharmos para o caminho à
dos ressentimentos mesquinhos e falsas tos planos grandiosos. As suas memórias modo de vida, nem vamos hesitar na sua nossa frente, lembremos com humilde
promessas, as recriminações e dogmas são curtas. Esqueceram-se do que este defesa, e àqueles que querem realizar os gratidão os bravos americanos que, neste
gastos, que há tanto tempo estrangulam a país já fez; o que homens e mulheres livres seus objectivos pelo terror e assassínio preciso momento, patrulham desertos lon-
nossa política. podem fazer quando à imaginação se jun- de inocentes, dizemos agora que o nosso gínquos e montanhas distantes. Eles têm
Continuamos a ser uma nação jovem, mas ta um objectivo comum, e à necessidade a espírito é mais forte e não pode ser que- alguma coisa para nos dizer hoje, tal como
nas palavras da Escritura, chegou a hora coragem. brado; não podem sobreviver-nos, e nós os heróis caídos em Arlington fazem ouvir
de pôr as infantilidades de lado. Chegou O que os cínicos não compreendem é que vamos derrotar-vos. a sua voz. Honramo-los não apenas porque
a hora de reafirmar o nosso espírito de re- o chão se mexeu debaixo dos seus pés – Porque nós sabemos que a nossa herança são guardiões da nossa liberdade, mas por-
sistência, de escolher o melhor da nossa que os imutáveis argumentos políticos que de diversidade é uma força, não uma fra-
que incorporam o espírito de serviço; uma
história; de carregar em frente essa ofer- há tanto tempo nos consomem já não se queza. Nós somos uma nação de cristãos
aplicam. A pergunta que hoje fazemos não e muçulmanos, judeus e hindus – e não vontade de dar significado a algo maior do
ta preciosa, essa nobre ideia, passada de
geração em geração; a promessa de Deus é se o nosso governo é demasiado grande crentes. Somos moldados por todas as lín- que eles próprios. E neste momento – um
de que todos somos iguais, todos somos li- ou demasiado pequeno, mas se funciona guas e culturas, vindas de todos os cantos momento que definirá uma geração – é
vres, e todos merecemos uma oportunida- – se ajuda famílias a encontrar empregos desta Terra; e porque provámos o líquido este espírito que deve habitar em todos
de de tentar obter a felicidade completa. com salários decentes, cuidados de saúde amargo da guerra civil e da segregação, e nós. Porque, por mais que o governo possa
Ao reafirmar a grandeza da nossa nação, que possam pagar, pensões de reformas emergimos desse capítulo sombrio mais e deva fazer, a nação assenta na fé e na de-
compreendemos que a grandeza nunca é que sejam dignas. Onde a resposta for sim, fortes e mais unidos, não podemos deixar terminação do povo americano.
um dado adquirido. Deve ser conquistada. tencionamos seguir em frente. Onde a res- de acreditar que velhos ódios um dia pas- É a generosidade de acomodar o desco-
A nossa viagem nunca foi feita de atalhos posta for não, programas chegarão ao fim. sarão; que as linhas da tribo em breve se nhecido quando os diques rebentam, o
ou de aceitar o mínimo. Não tem sido o E aqueles de nós que gerem os dólares do dissolverão; que à medida que o mundo se
altruísmo dos trabalhadores que preferem
caminho dos que hesitam – dos que pre- povo serão responsabilizados – para gas- torna mais pequeno, a nossa humanidade
comum deve revelar-se; e que a América reduzir os seus horários a ver um amigo
ferem o divertimento ao trabalho, ou que tarem com sensatez, reformarem maus
hábitos e conduzirem os nossos negócios deve desempenhar o seu papel em promo- perder o emprego que nos revelam quem
procuram apenas os prazeres da riqueza e
da fama. Pelo contrário, tem sido o dos que à luz do dia – porque só então poderemos ver uma nova era de paz. Ao mundo mu- somos nas nossas horas mais sombrias.
correm riscos, os que agem, os que fazem restaurar a confiança vital entre o povo e o çulmano, procuramos um novo caminho
as coisas – alguns reconhecidos mas, mais seu governo. em frente, baseado no interesse mútuo e
frequentemente, mulheres e homens des- Não se coloca sequer perante nós a questão no respeito mútuo. Aos líderes por todo o (conclui na pagina 31)
conhecidos no seu labor, que nos condu- se o mercado é uma força para o bem ou mundo que procuram semear o conflito,
ziram por um longo e acidentado caminho para o mal. O seu poder de gerar riqueza e ou culpar o Ocidente pelos males da sua
serving the portuguese–american communities since 1979 • ENG L ISH SECTION

portuguese Ideiafix
Miguel Valle Ávila
miguelvalleavila@tribunaportuguesa.com

“Grande Entrevista” with Champion

“I feel I am closer to the Lord


during mass than any other moments of my life”
Who is Champion? Where were you What is your favorite religious
born, raised, educated? celebration? Why?

My real name is Champion Moonwind Ri- It would have to be the Holy Sacrifi-
vada Avecilla born in the Philippines and ce of the Mass which is the highest
moved here in the U.S. with my family form of prayer. Somehow I feel I
when I was young. am closer to the Lord during mass
I studied in San Juan Elementary School, than any other moments in my life.
Raymond Cree Middle School and James All the troubles and worries of the
Lick High School. world do not exist at the moment of
Holy Mass. I only see the Lord and
What led you to be interested in serving that is all that matters.
in church?
What do you think non-Portu-
When we were very young, our mother guese-American parishioners
used to take me and my siblings to Satur- feel about Five Wounds?
day mass to pray the Rosary and to attend
mass. Some may feel awkwardness at first
We were encouraged as well to sing in the thinking this is a Portuguese Chur-
Sunday choir and after I received my First ch, but when I see them and they
Communion I was able to become a Kni- ask me some questions I would tell
ght of the Altar (Altar Server). them everyone is welcome here. A
I used to get scared because at our chur- simple smile can do so much when
ch of Saint John the Evangelist, there are we see new people here.
statues of the Lord’s bleeding hands and
scourged body. I used to hold on to our How can more youth be encoura-
mother’s hands tightly and seat closed to ged to attend mass at Five Woun-
her as we prayed the Rosary. And then ds?
one night, I had a dream that I went to
the church by myself and I saw the Lord The encouragement for them to attend And just by being here on weekends to
with His bleedings hands and He placed should come from their parents. Parents keep the doors open so people can come
His palm on my head and said “Do not be atest Inspiration. He did all that because are responsible in helping their children by to pray.
afraid.” Ever since then I was never afraid He loves us. become closer to the Lord. They have to
anymore to look at his statues. teach them how to pray the Rosary, go to What do you see as your own personal
catechism class, and to receive the Sacra- greatest accomplishment?
ments. Parents have to be the examples as
well. It would have to be the time when I lear-
ned how to make Rosaries from my chur-
What do you see as your greatest ac- ch friend Sherry Barreiro and giving them
complishment in serving Five Wounds out to people who come to pray.
Parish? The Divine Mercy of our Lord Jesus Christ
is flowing out for us all. We should open
Teaching my fellow altar servers the im- our hearts and we should receive them with
portance of mass and helping them learn joy and humility. We need to be merciful
how to pray the Rosary. to others as our Lord is merciful to us.

“Champion is the unsung hero of the Five Wounds


Portuguese National Church in San José. He serves
the Portuguese and English masses with equal devo-
tion as the church’s sacristan and Knight of the Altar.
Champion shows that non-Portuguese-Americans
What is it like to serve Five Wounds Do you feel called to a religious voca- can love that church as much as our immigrants and
Portuguese National Church? tion? their descendants. For his qualities and dedication
When you serve the Lord with all that you When I was younger but now I feel I am in serving the Five Wounds Parish, Champion was
are, you would feel you are at the right pla- where the Lord wants me to serve HIM as
a Sacristan and a Knight of the Altar.
nominated as the 2008 Religious of the Year by this
ce at the right time. Just think of the Sorro-
wful Passion and how the Lord is our Gre- newspaper on its January 15th edition.”

Below from left: Champion conducts wedding rehersals; Five Wounds Portuguese Church’s altar; Champion during the Church 94th aniversary Mass
28 ENGLISH SECTION 1 de Fevereiro de 2009

SJSU almost cancels Berkeley Symphony names Joana


Portuguese class Carneiro Music Director
Following an intensive two-year search, conductor neiro was recognized by the jury for demonstrating
Joana Carneiro has been named Music Director of a level of potential that holds great promise for her
Berkeley Symphony beginning with the 2009-10 se- future career. Since then, her profile has grown qui-
ason. She will lead the orchestra in four programs ckly both in the US and Europe, and recent engage-
in UC Berkeley’s Zellerbach Hall beginning October ments have included her debuts with the Los Angeles
15, 2009, in addition to leading Berkeley Symphony’s Philharmonic, the New World Symphony, the Grant
Under Construction new music series. Park Music Festival orchestra, the Norkopping Sym-
Carneiro succeeds Kent Nagano, the California-born phony and the Los Angeles Chamber Orchestra. Ms.
conductor who rose to international prominence du- Carneiro has conducted the Frankfurt Radio Sym-
ring his three-decade tenure with the orchestra, as phony; the Toledo and Phoenix symphonies; the
only the third Music Director in Berkeley Symphony’s Macau Chamber Orchestra and Beijing Orchestra
history. at the International Musica Festival of Macau (Chi-
Joana Carneiro served as Assistant Conductor and na); the Portuguese National Symphony Orchestra;
American Conducting Fellow with the Los Angeles the Orchestre de Bretagne; and the Beiras Philhar-
Philharmonic from 2005-2008, working closely with monic Orchestra. Her 2008-2009 schedule includes
Esa-Pekka Salonen. return engagements with the Kitchener-Waterloo
A native of Lisbon, Portugal, Carneiro is currently Symphony, the Los Angeles Chamber Orchestra, and
official guest conductor of the Gulbenkian Orches- the Manhattan School of Music, and debuts with the
tra. Previously, she was Assistant Conductor with the Prague Philharmonia, Ensemble Orchestral de Paris
Los Angeles Chamber Orchestra and Principal Guest and Iceland Symphony.
Conductor of the Metropolitan Orchestra of Lisbon. In increasing demand as an opera conductor, Ms.
She also served as Music Director of the Los Ange- Carneiro served as assistant conductor to Esa-Pekka
les Debut Orchestra following her selection in 2002 Salonen at the Paris Opera’s premiere of Adriana Ma-
through the Young Musician’s Foundation’s National ter by Kaija Saariaho, and in the 2007-2008 season,
Conductor Search, past winners of which include she made her debut with the Chicago Opera Theater
André Previn and Michael Tilson Thomas. in John Adams’s A Flowering Tree. In 2008-2009,
“I am profoundly moved with my appointment as Mu- Ms. Carneiro led critically-acclaimed performances
sic Director of Berkeley Symphony,” Carneiro stated. of Philippe Boesmans’ Julie in Bolzano, Italy. She
“It is an honor and privilege to serve an orchestra will return to Paris in Spring 2010 to conduct A Flo-
with such a tradition of excellence and imagination, wering Tree at La Cité de la Musique.
an orchestra that has been, for decades, at the fore- From 2005 through 2008, Ms. Carneiro was a Con-
front of artistic innovation. What a great challenge it ducting Fellow at the Los Angeles Philharmonic, a
An advisory committee has mittee are involved in esta- is to serve the community of Berkeley. I look forward program developed and managed by the American
worked to assist the Uni- blishing an endowment for a to this opportunity and to our beautiful creative years Symphony Orchestra League with the aim of sup-
versity in supporting and Portuguese Heritage Collec- together.” porting the musical and leadership development of
strengthening the Portuguese tion at San Jose State Univer- For more information, go to: exceptionally talented conductors in the early sta-
Studies Program at San Jose sity King Library. The dri- http://www.berkeleysymphony.org/musicdirector. ges of their professional careers. At the Los Ange-
htm les Philharmonic, Ms. Carneiro worked closely with
State University. Each year ve to establish this $25,000
Esa-Pekka Salonen, hosted education concerts, and
the committee has solicited initial endowment fund has Berkeley Symphony Orchestra conducted subscription concerts and special projects
additional funds to comple- reached approximately two- at Walt Disney Concert Hall and at the Hollywood
ment the funding from the thirds of its goal. Founded in 1969 as the Berkeley Promenade Orches- Bowl.
University and the Portugue- Any appeal for support for tra, Berkeley Symphony has established a reputation Ms. Carneiro was one of three conductors chosen to
se Studies Endowment Fund. the Portuguese Studies Pro- for presenting major new works for orchestra along- participate in the newly-founded Allianz Cultural
Over the years, one of the gram must be developed in a side fresh interpretations of the classic European re- Foundation International Conductors Academy in
community’s objectives has way to obtain donations from pertoire. Berkeley Symphony’s commitment to new London during 2003/2004. As part of this program,
been to establish Portuguese the same community base, music has been recognized in six of the past eight Ms. Carneiro benefited from guidance from Maes-
as an official minor that the a targeted appeal to a select seasons with a prestigious Award for Adventurous tros Kurt Masur and Christoph von Dohnanyi as
University established this group within the community, Programming from the American Society of Compo- well as the opportunity to conduct both the London
sers, Authors and Publishers (ASCAP). In addition to Philharmonic Orchestra and the Philharmonia Or-
minor in the Department of perhaps based on commit-
its subscription concert series, Berkeley Symphony chestra. Ms. Carneiro completed her tenure as Music
Foreign Languages. ments for multi-year support. hosts informal Under Construction concerts in which Director of the Los Angeles Debut Orchestra in June
The State budget crisis has With Brazil’s emerging composers hear works-in-progress read for the first 2005, having won the Young Musician’s Foundation’s
created significant funding role as a major player in the time and regularly partners with Cal Performances 2002 National Conductor Search, whose past winners
problems for the University. world economic scene and to provide music for visiting artists. Berkeley Sym- include among others André Previn, Michael Tilson
However, the advisory com- Portugal’s role in the Euro- phony also sponsors an award-winning, year-long Thomas, and Lucas Richman. In past seasons Ms.
mittee was surprised and di- pean Union along with its Music Education Program which reaches every pu- Carneiro served as Music Director of the Campus
sappointed upon hearing that historic ties to other Portu- blic elementary school student in Berkeley. San Fran- Philharmonia Orchestra (Michigan), and as Assistant
the Advanced Portuguese guese-speaking countries cisco public radio station KALW 91.7 FM is Berkeley Conductor of the Los Angeles Chamber Orchestra.
class 1101B may be cancelled throughout the world, a strong Symphony’s broadcast partner, airing all Berkeley A native of Lisbon, Ms. Carneiro began her musical
because of low enrollment. It Portuguese Studies Program Symphony subscription concerts. studies as a violist before receiving her conducting
degree from the Academia Nacional Superior de Or-
seems inconsistent to annou- must be considered an impor-
Joana Carneiro’s Biography questra in Lisbon, where she studied with Jean-Marc
nce an official minor and then tant element in supporting the Burfin. Ms. Carneiro received her masters degree in
cancel classes that support high tech and other industries Noted for her vibrant performances in a wide diver- orchestral conducting from Northwestern Univer-
completing the minor. One that the University supports. sity of musical styles, Joana Carneiro has attracted sity as a student of Victor Yampolsky and Mallory
would expect that it would The advisory committee re- considerable attention as one of the most outstan- Thompson, and pursued doctoral studies at the Uni-
take some time to have addi- quested Dean Karl Toepfer ding young conductors working today. In January versity of Michigan, where she studied with Kenneth
tional students complete the of the College of Humanities 2009, Ms. Carneiro was named music director of the Kiesler. She has participated in master classes with
prerequisite courses to “fill and the Arts for keeping the Berkeley Symphony, succeeding Kent Nagano and Gustav Meier, Michael Tilson Thomas, Larry Rach-
the pipeline” of enrollments Advanced Portuguese class becoming only the third music director in the 40- leff, Jean Sebastian Bereau, Roberto Benzi and Pas-
for the advanced classes. available to students and year history of the orchestra. She currently serves as cal Rophe.
Recognizing the State fun- thanked him for his conti- official guest conductor of the Gulbenkian Orchestra, In March 2004, Ms. Carneiro was decorated by the
working with the orchestra at least four weeks every President of the Portuguese Republic, Mr. Jorge Sam-
ding crisis and its pressures nuing support to making the
year.
on University Programs, on Portuguese Minor a reality at paio, with the Commendation of the Order of the In-
As a finalist of the prestigious 2002 Maazel-Vilar
November 24, 2008 the Por- the University. Conductor’s Competition at Carnegie Hall, Ms. Car- fante Dom Henrique. Source: www.imgartists.com
tuguese Studies Program
advisory committee met to The University reversed its
develop a strategy to obtain decision and agreed to keep
community support for addi- the class open to enrollment
tional funds for the Portugue- in the Spring 2009 semester.
se Studies Operating Fund.
The committee plans to meet For more information on the
in February to move forward activities of the Portuguese
with this plan. One important Studies Program Advisory
consideration is that since the Committee, contact co-chairs
inception of the Portuguese Manuel Bettencourt (Dr-
Endowment Fund, the Por- msb93@aol.com) or Miguel
tuguese community has con- Ávila (soaresavila@yahoo.
tinued to provide donations com).
to support classes beyond the
introductory level.
In addition, many of the same
individuals from this com-
ENGLISH SECTION 29

California Chronicles
Ferreira Moreno
Donkey Tales

B
oth the wild and domes- is Arroyo Burro Beach County paused overnight in their way to
tic donkey are mentio- Park. Within Fort Hunter Lig- and from the mines, As many as
ned repeatedly in the gett, in Nonterey County, there is two hundred jackasses are said to
Bible. There are 150 Burro Mountain. Los Burros Mi- have been on the hill at one time.
references to them in “The New ning District, also in Monterey Jackass Hill achieved notorie-
Strong’s Exhaustive Concordan- County, owes its name to the fact ty in the early 1850’s when gold
ce of the Bible” (1990 edition), that sure-footed burros were the was found there, and several hun-
originally published in 1890 by only feasible means of transpor- dred miners rushed to the site.
Dr. James Strong (1822-94). tation when the Spaniards started Mark Twain (1835-1910) spent
The wild donkey is a proverbial mining operations there. Burro a few months on Jackass Hill,
example of freedom, while the Lake is located in Madera Coun- The cabin where he stayed was
domestic donkey is most fre- ty, and Burro Pass is in Tuolumne destroyed by fire. The present
quently referred to as a means of County. A Burrito Creek flows in structure, set apart by a fence and
transportation for goods or peo- San Luis Obispo County. surrounded by modern homes, is
ple. Abraham saddled a donkey According to Erwin Gudde (1889- a replica of the original, and it is
when Yahveh commanded him 1969), more than 25 place names identified as State Historical Lan-
to go to the land of Noriah, and in California testify to the wide dmark No. 138.
offer his son Isaac as a burnt use of jackasses as pack animals
offering on one of the mountains in the mining days. Most of them
there (Genesis 22:2-3). When 9:9). Even though ft is a long ac- on Palm Sunday. Some people originated, from an inci-
Noses returned to Egypt, he cepted tradition that Joseph and believe that hairs taken from the dent in which a jackass
took his wife and his sons, and Mary traveled to Bethlehem on cross on the donkey’s back will played a role.
put them on a donkey. (Exodus a donkey, no such information is help to cure whooping-cough, if Jackass Creeks are the
4:20). A most curious episode is found in the Gospels. The idea of hung in bag around the neck of most numerous, but there
described in th.e Book of Num- a Nativity Scene, with a donkey the patient. are also Jackass Buttes,
bers (chapter 22), when Yahveh, by Jesus crib, evolved from St. Throughout the ages, the donkey Peaks, Rocks, Meadows
“opened the mouth” of a donkey, Luke’s account that Mary laid the has appeared as a leading charac- and Gulches. Jackass-
and it spoke to its owner Balaam. baby Jesus “in a manger, because ter in numerous folktales, fairy ville was originally a
Another memorable biblical nar- there was, no place for them in tales and fables. Quite frequen- mining camp known as
rative (Judges 15:15) relates that the inn.” (Lk. 2:7). tly the donkey is referred to in the City of Six by its first
“Samson found a fresh jawbone It has been written that Jesus, proverbs. We are all acquainted six inhabitants, The nei-
of a donkey, and with it killed a “in his early years as a carpen- with, the meaning of the popular ghboring camps referred
thousand men.” ter, owned a donkey for riding exprvession ”to make an ass of to it as the “cawp of half
The Gospels speak of Jesus and transporting the tools of his oneself.” a dozen jackasses.”
triumphal entry into Jerusalem trade.” Of course, that is mere Burro is the Spanish name for In closing, I will mention
riding astride a donkey, thus speculation, like inferring that “jackass,” It is frequently found Jackass, Hill in Tuolum-
fulfilling Zechariah’s prophecy; the dark stripe running down the in California’s place names, ne County. The hill re-
“Lo, your king comes to you, donkey’s back crossed by another though not nearly as often as the ceived its name from the
triumphant and victorius, humble at the shoulder was given to the English term. Five miles west of braying of the jackasses
and riding on a donkey.” (Zech, donkey because it carried Jesus the city center of Santa Barbara in the pack trains that
30 COMUNIDADE 1 de Fevereiro de 2009

Apontamento Portuguese Americans and


Serafim Cunha Portuguese Immigrants:
scunha98@aol.com Who They Are

T
he Portuguese emigration to the and economic oppression that forced them numbers are very much in parallel. are identified as Portuguese Americans
United States was most noticea- to leave their islands. This was not their and Portuguese immigrants. Today the
ble during the last century. The- fault; it was that of the Salazarista politi- U.S. Census Bureau 2000 Portuguese community has a great enough
re were varying factors that ran- cal system that not only limited knowled- (percentages) number of voters, and members who are
ged from social and political oppression, ge, but also socially suppressed them. The capable to lead the community now and in
an unstable economy, natural disasters, 25th of April of 1974, validated the student As the statistics indicate, the difference the future.
reuniting with families, and economic uprising of the sixties, which contested the between what the Census Bureau called The Portuguese community should be
betterment, which led to the growth of the colonial war and lack of social and politi- Portuguese immigrants and Portuguese proud of their accomplishments. It is these
Portuguese population.
The first Portuguese emigration occurred P rofe s siona l Farmers Managers Clerical Sales Craftmen Operatives Non - P rofe s siona l Laborers
during the end of the 18th century but the & Technical Services
largest increase in the Portuguese emi- MALES
grant population happened between 1958- Portuguese 6.5 1.2 10.2 6.4 3.1 26.2 21.7 8.2 16.5
1970; with the majority of the people co- Immigrants
ming from the Azores.
Emigration for the Portuguese people was Por tuguese 15.1 1.6 11.5 10.4 7.3 20.2 14.3 11.6 8
part of their liberation from oppression. Americans
The Azores had always been a point of FEMALES
transition for the two continents of Europe Por tuguese 11.9 0.3 5 21.4 5 5.2 25.6 23.4 2.2
and America and so Azoreans looked at Immigrants
the sea as a way of freedom. The Portu- Por tuguese 26.2 0.4 8.5 33.9 7.1 1 4.6 17.2 1.2
guese emigration from the mainland, in its Americans
majority, was and still continues to be to
Europe. The Azorean preference has been
North America. Brazil was also one of the
destinations of choice. cal freedom that led to the Carnation Re- Americans reflects that the type of ca- young Portuguese Americans that should,
For those who leave their country all mo- volution and present democracy. reers/professions chosen by Portuguese and must assume the responsibility of le-
ments in life are times for remembrance Today, the first, second, and third gene- Americans which has promoted socio- ading the Portuguese community into the
and reflection, because the difficulties rations of Portuguese Americans and the economic growth, and can be the conse- future. The ethnic cohesion is essential in
found in the readjustment to a new coun- Portuguese immigrants, are an ethnic quence of a more differentiated education. the social, professional, economic and po-
try are complex, difficult and sometimes group totally immerged in all the existing Also, it’s relevant to see the progress and litician context. Only when the Portuguese
adventures. Two thousand and eight ma- careers and professions that this vast coun- achievements of the Portuguese female’s from the mainland, Azores, and Madeira
rks the fiftieth anniversary of the volcanic try offers. The effort of the first generation education and job opportunities, perhaps understand that united can they be a repre-
eruption at Capelinhos on the island of was validated by the following generations a result of their liberation. Unfortunately sentative and respected ethnic force, then
Faial, Azores. That caused the largest of that today represent them. They know the females did not have the same educational they will understand the time they have
all emigration cycles to United States. Not American social, economic, and political or job opportunities as males did in their lost with divisionism.
only did people from the island of Faial be- system, and know how to progress in a homeland. Determination, persistence, understanding
nefit from the Azorean Refugee Act or the society in constant competition and deve- A second statistic called: Bachelor’s de- and commitment to the Portuguese cause,
Postore-Kennedy Act of 1958, but many lopment. gree of persons of Portuguese ancestry, is necessary. Only with the latter, can we

T
other Azoreans did as well, inclusively pe- by state of residence (U.S. Census Bure- empower ourselves and consequently the
ople from the mainland. This was an un- hose who are persistent, diligent, au, 2000, American Factfinder), includes community. Readjusting the words of Pre-
certain journey, but filled with high hopes dedicated and honest have the seven states (MA, CA, NJ, RI, NY, CT, sident John Kennedy: it is not what the
for all families. potential to reach their objecti- FL). In this graph the average number of country can do for us, but what we can
As whales today freely surface to breathe ves. It is a known fact, that edu- people with a Bachelor Degree (four- five do for ourselves, and consequently for the
pure air and dive in our crystalline sea wa- cation is very important in any country of years of college education, called in Por- country.
ters, the earth also breathed through the the world, in this country that reality is not tugal licenciatura) in the states indicated All Portuguese can reach their maximum,
volcano of the Capelinhos, and the Azo- different. Today the young members of the above, averaged out to 24% in 2000, 19% professional or intellectual potential, but
rean people breathed freedom when they community, young adults between twenty of this average are of Portuguese descent. they have to have the aspiration and tena-
received their passport and visa, which and forty years of age, represent and reflect These numbers are encouraging, and at the city to do so. In this country one needs to
opened for them the doors of the vast Nor- North American professionals. What they same time reveal to the social and political do the best that they can for themselves.
th American continent. were and continue to be in the American citizens who have responsibilities in the Perhaps I am pragmatist, but I am also rea-
The adjustment to a new country and cul- society is reflected in the statistics of the U.S Portuguese community and Portugal, listic and optimistic, because I see the rea-
ture was difficult for all, but with time IPUMS (U.S. Census Bureau - 1970 and that our young generations are doing just lity and practicability of things within the
things became familiar. The difficulties 2000 in percentage (%). M. Gloria de Sá, as well as other European groups. In rea- pre-established rules. I believe that people
were part of the acculturation in this new Assistant Professor of Sociology at UMass lity the young females and males are much are comprehensive human beings, who
land. The professional demands, punctua- Dartmouth, Dartmouth, Massachusetts more educated and active at all levels in respect the rights of others, and care. At
lity, availability and responsibility led the did the study). The original graphic has this country. this time the Portuguese community has
Portuguese emigrants to be respected in some variables, but the focus will be on The majority of young men and women the appropriate structures to be an active
the work place, in the community, towns the following: Portuguese Immigrants and vote in every national and local election in and participatory ethnic group in all as-
and cities. Portuguese Americans, Males and Fema- their cities and towns. What is missing is pects of American life.
The majority who emigrated came with les. However, it is recommended to the an ethnic group cohesion and dialogue be-
none or minimum proficiency in English or reader to look into the variable European tween civic, sportive, and religion or
technical areas, which was a consequence American, if you would like to compare ganizations and these young Portuguese
of the Portuguese political system of social the Portuguese with other Europeans. The Americans, so that the number of voters

SATA - More flights to Azores flights mentioned above which


stop in Ponta Delgada have con-
they are Europe’s closest point to
the United States. The islands are
Additional SATA/Azores a stop in the city of Ponta Delga- on Wednesdays, Thursdays and nections to all of the islands. In characterized by volcanic moun-
Express flights means daily da on the Azores island of San Saturdays. According to Nuno addition, SATA/Azores Express tains, seaside villages, black sand
summer service from Boston Miguel, for $710 plus tax. SATA/ Puim, the general manager of will offer one flight a week, on beaches and steaming geysers.
to Lisbon; more year-round Azores Express currently runs SATA/Azores Express, “We’ve Thursdays, from Boston direct to SATA/Azores Express is the only
flights to Portugal’s Azores only two flights per week year- seen demand grow for our flights, the Azores island of Terceira, for airline to fly directly to the Azo-
Islands round between Boston and Lis- and our air and hotel packages to the summer only. SATA/Azores res from the United States.
bon. Also, starting on July 1 and the Azores, Lisbon and Madeira. Express also offers a weekly Ter-
running throughout the summer, Our passengers told us they wan- SATA/Azores Express has con-
Boston, MA – Azores Express, ceira flight from Oakland, Cali-
SATA/Azores Express will add a ted more flights to Lisbon and fornia for the summer. nected New England with the
the second largest airline in Por- Azores and mainland Portugal for
tugal, announced today that it third nonstop flight between Bos- Portugal. We have seen a signi- Another summer-only option
will add a flight between Boston ton and Lisbon. The new nonstop ficant increase in demand to Lis- is a flight from Boston to Porto, more than 20 years. The carrier is
and Lisbon starting in April. The flight runs on Wednesdays for bon and to the Azores, so we are Portugal via Ponta Delgada, on part of the SATA Group, which
addition means travelers will $816 plus tax. excited to offer more service and Fridays. connects the Azores, an autono-
have a flight option between the Total flights between Boston and travel options” The flying time to the Azores mous region of Portugal, with the
two cities every day of the week Lisbon will be three non-stop, SATA/Azores Express speciali- is just four hours from Boston.
plus five flights with a stop in Pon- zes in flights to Portugal’s Azores world. For more information and
for the first time. If heading on to Lisbon, a flight
ta Delgada. For the summer mon- Islands, an autonomous region of takes 5 and half hours from Bos- reservations, contact your travel
On April 5, SATA/Azores Ex- agent or SATA/Azores Express at
press, which is known as Grupo ths, flights will run from Boston Portugal some 800 miles from ton. The Azores Islands are series
SATA in Portugal, will begin this to Lisbon via Ponta Delgada on the mainland. This summer the of nine islands, an autonomous 800-762-9995, www.SATA.pt.
new Sunday flight to Lisbon, with Mondays, Tuesdays, Fridays and airlines will offer more flights di- region of Portugal. Sitting some (partial)
Sundays; and nonstop to Lisbon rect to those islands. The Lisbon 800 miles west of the mainland,
COMUNIDADE 31

Chino D.E.S. 2008 Texto: Carlos Silveira


Fotos: Jose Enes

uma direcção dinâmica


A direcção do Chino D.E.S. 2008
foi sem duvida uma das direcções
mais dinâmicas dos ultimos anos.

Começando pelas senhoras que muito tra-


balharam na cozinha preparando comidas
ou na ornamentação do salão em dias de
festa. Todas elas participaram na bonita
marcha de S.João, ensaiada por Margarida
Gomes que também organizou a Festa do
EImigrante.
Tambm a Filarmónica do Chino D.E.S.
em Dezembro gravou o seu primeiro CD,
graças ao trabaiho e empenho dos seus
musicos, directores José Coelho, Manuel
Dias e do seu competente regente Anibal
do Campo.
O ponto mais alto desta direcção foi a li-
quidação de uma dívida ao banco no valor
de $119 mil dólares, mas não podemos es-
quecer que o trabalho da anterior também
contribuíu para a liquidação dessa dívida,
e que vai facilitar o trabalho da nova direc-
ção neste tempo de crise.

A Direcção do Chino D.E.S. 2008 era


assim constituida:

Presidente -Agostinho e Ana Simões O trabalho desta direcção e o apoio da co-


Vice-Presidente - Frank e Lucia Rocha munidade foi mais um pequeno exemplo
Tesoureiro - José H. e Margarida Gomes de tantos nas nossas comunidades.
Secretário - Helio e Fatima Simões Quando queremos, podemos.
Directores da Filarmónica - Manuel e Ali-
ce Dias; Jose e Fatima Coelho
Director da Cozinha - Natalino e Con-
ceição Silva; Celestina Carvalho e Frank
Costa

Margarida Gomes e a família Simões

A Cidade do Chino fica situada no Condado de San Bernardino e tem cerca de 83,000
pessoas. Tem uma área de 21.1 milhas quadradas (54.5 km2). Até 1970 era rodeada por
ranchos, que já vinham do tempo dos espanhois. Muitos portugueses tiveram e ainda
têm os seus ranchos naquela area. A partir dos anos 70 houve um cresciemento enorme e
hoje é uma bonita cidade. O Salão do Chino D.E.S é um dos maiores da California.

Marcha do Chino D.E.S. 2008

O Discurso de Barack Obama conclusão da página 26


É a coragem do bombeiro ao entrar por nossa nação, e com o mundo, deveres que Por isso, marquemos este dia com a lem- lembremo-nos dessas palavras intempo-
uma escada cheia de fumo, mas também a aceitamos com satisfação e não com má brança do quem somos e quão longe fo- rais. Com esperança e virtude, enfrente-
disponibilidade dos pais para criar um fi- vontade, firmes no conhecimento de que mos. No ano do nascimento da América, mos uma vez mais as correntes geladas e
lho, que acabará por selar o nosso destino. nada satisfaz mais o espírito, nem define no mais frio dos meses, um pequeno gru- suportemos as tempestades que vierem.
Os nossos desafios podem ser novos. Os o nosso carácter, do que entregarmo-nos po de patriotas juntou-se à beira de ténues Que seja dito aos filhos dos nossos filhos
instrumentos com que os enfrentamos po- todos a uma tarefa difícil. fogueiras nas margens de um rio gelado. que quando fomos testados recusámos
dem ser novos. Mas os valores de que de- Este é o preço e a promessa da cidadania. A capital tinha sido abandonada. O inimi- que esta viagem terminasse, que não re-
pende o nosso sucesso – trabalho árduo e Esta é a fonte da nossa confiança – o co- go avançava. A neve estava manchada de cuámos nem vacilámos; e com os olhos
honestidade, coragem e fair play, tolerân- nhecimento de que Deus nos chama para sangue. No momento em que o resultado fixos no horizonte e a graça de Deus sobre
cia e curiosidade, lealdade e patriotismo – moldar um destino incerto. Este é o sig- da nossa revolução era incerto, o pai da nós, levámos adiante a grande dádiva da
estas coisas são antigas. Estas coisas são nificado da nossa liberdade e do nosso nossa nação ordenou que estas palavras liberdade e entregámo-la em segurança às
verdadeiras. Têm sido a força silenciosa credo – é por isso que homens e mulheres fossem lidas ao povo: “Que o mundo que futuras gerações.
do progresso ao longo da nossa história. O e crianças de todas as raças e todas as reli- há-de vir saiba que... num Inverno rigoro-
que é pedido, então, é o regresso a essas giões se podem juntar em celebração neste so, quando nada excepto a esperança e a (Tradução: do jornal Público)
verdades. magnífico mall, e que um homem cujo pai virtude podiam sobreviver... a cidade e o
O que nos é exigido agora é uma nova era há menos de 60 anos não podia ser atendi- país, alarmados com um perigo comum,
de responsabilidade – um reconhecimen- do num restaurante local pode agora estar vieram para [o] enfrentar.”
to, da parte de cada americano, de que perante vós a fazer o mais sagrado jura- América. Face aos nossos perigos comuns,
temos obrigações para connosco, com a mento. neste Inverno das nossas dificuldades,
32 ÚLTIMA PÁGINA 1 de Fevereiro de 2009

New Bethany esteve em festa


comemorando 10 anos de existência

O Bispo de Fresno John Steinbock rodeado pelas Irmãs Franciscanas Hospitaleiras da Imaculada Conceição responsáveis por New Bethany, em Los Banos

No dia 22 de Janeiro de 2009 e para comemorar confortávelmente as pessoas que a procura.


os 10 anos de existência de New Bethany em Muitas das nossas organizações ajudam pecu-
Los Banos, realizou-se Missa de Festa celebra- niáriamente New Bethany e não seria demais se
da pelo Bispo de Fresno D. John T. Steinbock, outras, que ainda não o fazem, pudessem par-
coadjuvado pelo novo padre daquela casa de ticipar no futuro. Todos a deviam visitar, para
hospedagem, Robert Gamel. ficarem com a ideia de a poder copiar em outras
Depois da missa, houve almoço para todos os cidades, que estão carecidas deste tipo de aloja-
Bispo de Fresno falou e bem sobre a obra maravilhosa deste grupo de Irmãs presentes e visita as extraordinárias instalações mento para os nossos pais e avós.
que merecem todo o nosso apoio. Knights of Columbus sempre presentes. desta casa, que tem 111 quartos onde acomodam