You are on page 1of 4

Teamviewer

ANÁLISE

Controle remoto gráfico
O Teamviewer é uma demonstração impressionante de como pode ser fácil o controle remoto entre roteadores e firewalls. por Daniel Kottmair
Thor Jorgen Udvang – 123RF.com

C

erca de 60 milhões de usuários já utilizam o Teamviewer [1], a solução de controle remoto comercial para Windows e Mac OS X. Graças a pedidos de consumidores, o fabricante do Teamviewer oferece agora a versão 5 para Linux. O Teamviewer facilita o acesso remoto a outros computadores pela rede. A única exigência é que a máquina acessada também esteja executando o Teamviewer. O Teamviewer oferece toda essa funcionalidade como um programa standalone; as versões especiais de cliente ou servidor não estão disponíveis. O Teamviewer gera automaticamente uma ID única global em cada máquina. Quando é iniciado, gera uma nova senha que o computador do outro lado da conexão pode usar para acessar a máquina local. Esse esquema evita que alguém que já

tenha se conectado a essa máquina repita a conexão sem a autorização do proprietário. É possível manter a nova senha gerada ou definir outra.

Conexões

Figura 1 A janela inicial do Teamviewer.

O acesso remoto sem forward de porta funciona entre roteadores e firewalls graças a um dos servidores do Teamviewer globalmente distribuídos pela web, o que gera uma conexão UDP com criptografia de 256 bits entre as partes. Se um servidor proxy ou um firewall com filtragem de conteúdo impossibilita essa conexão, a transferência fica diretamente a cargo do servidor do Teamviewer. O título HTTP no alto da janela, e não UDP, identifica esse tipo de conexão. Caso o uso de um servidor de terceiros seja uma preocupação, o Teamviewer oferecerá seu próprio servidor de autenticação, caso solicitado. O Teamviewer permitirá até que se controlem remotamente computadores que possuem apenas conexão de modem. O fabricante do software melhorou a compressão na versão 5 para reduzir a quantidade de dados que trafega. Vídeos, banners em Flash e outros aplicativos que permanentemente alteram o conteúdo da tela são problemáticos, mas uma conexão DSL rápida permitirá que até mesmo esses tipos de aplicativos

sejam executados com uma velocidade aceitável. Usuários domésticos podem utilizar o programa gratuitamente, e o fabricante oferece licenças comerciais para este tipo de utilização. O Teamviewer está disponível para Windows, Mac OS X e Linux; todas as plataformas podem controlar remotamente qualquer outra. Um cliente iPhone, disponível após o registro gratuito online, também permite o controle remoto de um computador. Os clientes web e iPhone são as únicas versões que só podem controlar, sem trabalhar nas duas direções. As outras variantes permitem controlar e serem controlados, e é até possível alterar as direções no meio do processo.

Especificidades do Linux
As versões deb e RPM do pacote 5.0.8206 do Teamviewer para Linux estão disponíveis para download, além de um pacote deb X64 e um tarball simples que nem mesmo precisa ser instalado. O Teamviewer para Linux ainda está na versão beta, e o fabricante solicita feedbacks e relatórios de erros. O programa baseia-se em uma versão modificada do Wine, mas o fabricante fez alterações específicas

48

www.linuxmagazine.com.br

Teamviewer | ANÁLISE

para o Linux (como por exemplo, acelerar a leitura de gráficos de servidor X). Apesar de utilizar o Wine, não se trata apenas de uma cópia da versão para Windows. Uma versão Linux nativa ainda não está disponível, mas o fabricante tem considerado a criação de uma dependendo da aceitação e da popularidade da versão baseada em Wine. O programa oferece uma grande variedade de soluções de controle remoto, tais como a habilidade de mudar de direção, reinicialização, simulação de Ctrl+Alt+Del e transferência de arquivos entre duas máquinas. Logins múltiplos em uma única máquina também são suportados (para treinamentos, quando é preciso demonstrar algo para um grupo de usuários, por exemplo). A função de VoIP e vídeo chat introduzida na versão 5 também é útil, e o aplicativo depende de codecs gratuitos: o Speex para áudio e o Theora para vídeo. O vídeo no Linux só funciona, no momento, para recepção. Webcams Linux com conexão V4L ainda não são suportadas pelo Teamviewer. A versão para Linux possui algumas outras restrições: a função whiteboard, que permite que o usuário desenhe em uma whiteboard ao mesmo tempo e o suporte VPN não funcionam corretamente. O programa não transmite consoles virtuais, portanto, é preciso um servidor X. As funções de reinicialização, da sequência Ctrl+Alt+Del e Disable Input/Display on remote computer precisam que a máquina remota esteja executando o Windows – os usuários do Mac têm o mesmo problema. E o mesmo se aplica à mudança de resolução e alteração do papel de parede (para evitar um tráfego de dados desnecessário).

testes – independentemente da rede ou do firewall usados pelos computadores – foi a configuração da conexão. Assim, o Teamviewer dominou com sucesso o aspecto mais importante do controle remoto. Além disso, não houve problemas de versão; uma conexão entre um cliente Mac v4 e um cliente Linux v5 funcionou sem problemas. O programa oferece três modos de operação quando inicia (figura 1): Remote support, Presentation e File Transfer. A opção Remote support (Suporte Remoto) permite o controle remoto de um sistema e Presentation (Apresentação) permite a demonstração de uma ação para um ou vários usuários em suas próprias máquinas. O modo File transfer deixa de lado as funções administrativas e gráficas e simplesmente envia ou busca arquivos de uma máquina remota. Esse modo está acessível a qualquer momento durante o suporte remoto normal. Na janela inicial do Teamviewer, escolha Extras/Options para alterar várias configurações, tais como o nome de seu computador, ou atribuir uma senha fixa para logins remotos. Além disso, também é possível especificar quais privilégios podem

ser dados ao usuário que acessa o sistema pela rede. O Teamviewer também aceita listas de permissão ou de bloqueio para o acesso a seu computador.

Transferência de arquivos
A transferência de arquivos ocorre em uma janela separada (figura 2) em duas colunas, com o seu próprio computador na coluna da esquerda e o remoto na da direita. Para transferir arquivos, basta selecioná-los e clicar no botão acima da coluna. Isso pode parecer meio complicado; arrastar e soltar ou, pelo menos, um duplo clique para transferir arquivos faria mais sentido. O fabricante pretende modificar isso em breve. Além disso, os links simbólicos do Wine no estilo Windows e os drivers com letras são um tanto irritantes para os usuários do Linux. No modo de suporte remoto normal, uma barra de função oculta do Teamviewer é mostrada no desktop remoto, e é possível usá-la para acessar um conjunto de importantes funções de controle remoto. No canto inferior direito está o monitor de conexão, que também

Os testes

A versão para Linux funciona bem apesar de ser beta. Uma coisa que sempre funcionou bem durante os

Figura 2 A transferência de arquivos entre computadores é simples e fácil
de controlar.

Linux Magazine #72 | Novembro de 2010

49

ANÁLISE | Teamviewer

Bloqueadores beta

Figura 3 Visão do desktop remoto no Teamviewer.

pode ser ocultado, e que mostra quem está acessando o computador pela rede (figura 3). Se for necessário – e, mais uma vez, isso pode ser útil para treinamentos – o programa irá usar screencasting para monitorar atividades no computador remoto. Os arquivos de screencast que podem ser salvos contêm apenas os dados transmitidos através da rede pelo Teamviewer e são, portanto, bem compactos. Os administradores podem criar uma lista de computadores para acesso a máquinas remotas com um único clique. Caso necessário, é possível alterar o foco de transmissão. A opção High speed reduz a profundidade da cor para acelerar a transmissão. Caso prefira uma qualidade de imagem perfeita à custa de operações mais lentas, é possível optar por isso no menu View. O item de configuração Automatic altera o modo para refletir a conexão. Infelizmente, o Teamviewer muda o cinza padrão de alguns desktops (incluindo o Gnome no Ubuntu) para um corde-rosa horrível. Não notei nenhuma melhora na velocidade no modo de cores reduzidas, por isso, pode ser
50

preferível manter o modo de melhor qualidade, para conexões Linux/ Linux ao menos. Algumas opções podem melhorar a experiência do suporte remoto. Para começar, seria interessante desativar os efeitos de desktop, tais como os oferecidos pelo Compiz. O Teamviewer transfere apenas o conteúdo da janela e não as janelas, portanto, zoom e cores em degradê apenas criam tráfego desnecessário. Um bloqueador de Flash para o navegador também é uma boa ideia pelos mesmos motivos. Anúncios com animação geram um nível de dados desnecessário – e quanto maior o espaço ocupado pelo anúncio, pior o problema.

Quanto mais velha a distribuição testada, maiores as dificuldades para os testes. O programa funciona melhor e é mais estável nas versões mais recentes; por exemplo, nenhum problema ocorreu nas conexões entre um Ubuntu 9.04 e um 9.10. Aconselho fortemente a não mudar a resolução nos clientes Linux remotos, pois isso causou o travamento do Teamviewer no cliente. Além disso, não altere as configurações do sistema nativo durante o acesso remoto, porque isso pode interromper o fluxo de dados da máquina remota. Outra falha: o cursor do mouse não muda de aparência entre a flecha e a mão, por exemplo, quando sai de uma janela ou barra de título. O fabricante prometeu resolver isso antes da versão final.

Conclusão

O Teamviewer é um software prático e fácil de usar. Mesmo que não seja usado por administradores ou peritos, seu gerenciamento remoto de máquinas é muito simples – ou para acessar seu próprio computador quando se está longe. O Teamviewer funciona muito bem no Linux, apesar dos problemas da versão beta. O fabricante promete resolver tudo até a versão final. Uma das maiores forças do Teamviewer é sua compatibilidade entre plataformas – Linux, Windows, Mac OS X – e até entre navegadores web e o iPhone. Além disso, a conexão sempre funciona. n

Mais informações
[1] Teamviewer: http://www.teamviewer.com/index.aspx

Gostou do artigo?
Queremos ouvir sua opinião. Fale conosco em cartas@linuxmagazine.com.br Este artigo no nosso site: http://lnm.com.br/article/4269

www.linuxmagazine.com.br

BELO HORIZONTE
PALESTRAS COM

JON “MADDOG” HALL
DIRETOR EXECUTIVO DA LINUX INTERNATIONAL
SANDRO MELO
FUNDADOR DA 4LINUX

NELSON UTO

ALEXANDRE BARRETO
PESQUISADOR ITA

RIVALINO MATIAS
PESQUISADOR OPEN SOURCE

MESTRE EM CIÊICIAS DA COMPUTAÇÃO UNICAMP

Hotel Royal Golden
Rua Rio Grande do Norte, 1015 - Savassi - BH - MG

10 a 12/Dez/2010
Certificação BSDA Certificação LPI (Níveis I e II) Submissões de Trabalhos

E MUITO MAIS

www.bh.coalti.com.br

APOIO

REALIZAÇÃO

ORGANIZAÇÃO

GESTÃO DO CONHECIMENTO