Com foco informativo, o vídeo chama atenção para o avanço da doença entre os jovens gays, público-alvo da campanha

deste ano. Dados do Boletim Epidemiológico Aids 2011 mostram que, nos últimos 12 anos, a porcentagem de jovens de 15 a 24 anos com aids caiu 20,1%, enquanto entre os gays da mesma idade houve aumento de 10,1%. Em 2010, para cada 16 homossexuais dessa faixa etária vivendo com aids, havia 10 heterossexuais. Essa relação, em 1998, era de 12 para 10. “É preocupante a queda do uso do preservativo pelos jovens. Pesquisas do ministério identificam que apenas 43% dos jovens usam a camisinha regularmente, e isso reflete que o jovem tem subestimado a aids. Por isso, estamos alertando para a importância do uso da camisinha”, explica o ministro da Saúde, Alexandre Padilha. O diretor do Departamento de DST/Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde, Dirceu Greco, destaca que o crescimento da doença entre o público jovem é tendência mundial, conforme o Relatório do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids (Unaids). “De acordo com o relatório, em 2010 houve mais de sete mil novas infecções por dia em todo o mundo, sendo 34% em jovens de 15 a 24 anos. Preocupado com o cenário atual, o Unaids prevê, entre suas diretrizes estratégicas para 2015, que os países reduzam pela metade a transmissão sexual do HIV entre jovens gays”, detalha. Jovens e preservativos -Os jovens são os que mais recorrem à distribuição de preservativos nos serviços de saúde, respondendo por 37,5% do consumo. Os dados são da Pesquisa de Conhecimentos, Atitudes e Práticas da População Brasileira (PCAP - 2008) realizada em todas as regiões do Brasil com 8 mil pessoas de 15 a 64 anos. A pesquisa também identificou que, depois da primeira relação sexual, o uso da camisinha entre os jovens cai. Apesar do conhecimento sobre a importância do preservativo, do alto uso na última relação sexual e do maior uso em relação às demais faixas etárias em todas as situações, o uso regular do insumo caiu de 63% para 55% com parceiros casuais e de 53% para 43% com qualquer parceiro. Campanha -Desde 2011, o Ministério da Saúde tem apostado na realização de campanhas de comunicação que abordam públicos diferentes com estratégias distintas. Na prática, isto tem se traduzido em ações não apenas de publicidade, mas também nas redes sociais, em eventos públicos, na imprensa e junto aos movimentos sociais. Para cada um destes espaços, é definida uma linguagem própria, de modo a potencializar o impacto junto ao seu público. Antes do Carnaval, o plano de mídia prevê ações nas redes sociais, nas rádios e exposição das peças em painéis eletrônicos e aeroportuários, táxis, pedágios e canais fechados de TV. As peças também serão anunciadas em publicações especiais distribuídas no carnaval. O material específico para a população gay será veiculado em sites e revistas especializadas para esse público. Na web e nas redes sociais, o ministério conta com o apoio de artistas e celebridades como Sheila Carvalho, David Brasil, Luís Salém, Gisele Tigre, Pedro Luís e Zezeh Barbosa, que gravaram vídeos informando aos foliões sobre a importância do uso da camisinha. Esta campanha, que soma investimentos de R$ 15 milhões é parte do processo de prevenção que ocorre durante todo o ano para o controle da epidemia da aids, com ética, respeito aos direitos humanos e contra qualquer tipo de discriminação.