You are on page 1of 29

Notas de aula – Geotecnia II 2011-1

6) Empuxo de Terra

Define-se empuxo da terra como a força que uma massa de solo exerce sobre alguma estrutura que com ela esteja em contato. As primeira teorias desenvolvidas sobre o assunto foram as de Coulomb (1776) e Rankine (1857), e até hoje tem sido usadas dentro de uma precisão aceitável. O estado de repouso é a condição em que o solo se encontra, sem qualquer deformação vertical ou horizontal. Nestas condições a relação entre as tensões efetivas horizontal e vertical é denominada de coeficiente de empuxo no repouso ( ). = ′ ′

O valor de " " é um dos parâmetros geotécnicos de maior dificuldade para ser medido. Existem algumas correlações aceitas como estimativa inicial. Solos não coesivos (areias e siltes) Argilas normalmente adensadas Solos em geral 0,4) = 0,19 + 0,233. = = 0,95 − sendo = 1− ∅ ∅

Teoria da elasticidade

sendo

o coeficiente de Poisson (0,2 ≤

=

Prof. Divino/ Acadêmico Paulo

Notas de aula – Geotecnia II 2011-1

Pressões Ativa e Passiva

As pressões ativas são mobilizadas quando há um alívio das tensões horizontais, ou seja, quando o solo “empurra” a estrutura. Já as pressões passivas aparecem no solo quando este sofre um esforço da estrutura contra o mesmo, ou seja, quando a estrutura “empurra” o solo. Em termos de circulo de Mohr, temos: = = = =

Em termos de deslocamentos:

Prof. Divino/ Acadêmico Paulo

Analisou por equilíbrio limite. Estado plano de deformação. Considerou atrito solo-muro. Forças de ruptura com distribuição uniforme. Considerou terrapleno inclinado. Cunha de ruptura sendo um corpo rígido. Solo sem coesão.Notas de aula – Geotecnia II 2011-1 = = = = ′ ′ ′ (< 1) (> 1) ′ Obs: O caso ativo é atingido com deformações muito menores do que o caso passivo. Comparações entre as hipóteses de Coulomb e Rankine a) Coulomb Embora admitido que a superfície de ruptura fosse curva. Solo isotrópico e homogêneo. Considerou deslocamento “zero” da estrutura. adotou plana por facilidade. Prof. Divino/ Acadêmico Paulo .

∅ ∅ = ² 45° + + 2. ativo e passivo. . Divino/ Acadêmico Paulo .Notas de aula – Geotecnia II 2011-1 b) Rankine Considerou o estado plástico do solo visando equações do círculo de Mohr.1)Teoria de Rankine Segundo o círculo de Mohr = . Solo sem coesão. ∅ 2 ∅ Prof. Não resolveu o problema para carga concentrada. Admitiu a necessidade de pequenas deformações para mobilizar os empuxos. Estabeleceu a relação = 6. Propôs distribuição de tensões. Não considerou o atrito solo-muro.

ℎ= ∅ 2 ² 45 + ∅ Presença do N.A. ² 1 . ² . . ℎ Prof.ℎ ∅ ℎ. ℎ→ = . ℎ= . 2 ∅ ′ = ∅ . Divino/ Acadêmico Paulo .Notas de aula – Geotecnia II 2011-1 a) Caso ativo (c=0) ′ 1 = ′ ∅ = = = = ′ = ′ ′ = ′ ′ 1 = = ′ ∅ ² 45 + ′ = ′ . 2 . 1 ∅ ′ = ∅ O empuxo ativo será: ′ .ℎ ∅ .

5 2 3 17. ∅ = ∅ = . ∅. ℎ. . ² . 2 = ′ . 3 = 229. ² .3² . 2 = 30 =3 2 = 17. Divino/ Acadêmico Paulo .5 2 / / Prof. ∅ ℎ.Notas de aula – Geotecnia II 2011-1 b) Caso passivo (c=0) ′ = ′ ′ = ′ = = ∅ ′ = ′ . ativo e passivo. ℎ Exemplo: Calcular os empuxos. num solo com = 17 / . ℎ= ∅ .3² 1 . 2 ℎ= ℎ→ = . O empuxo passivo será: = = ′ . em um muro de 3m. = 0 ∅ = = = . ∅ = 30°. ² . = ∅ ² 45 + ∅. ² . 2 ² 45° + . = 25.

′ = ′ ′ = ′ ′ = ∅ + 2. + 2. ∅ =0 Prof. ∅ ∅ ∅ No estado ativo ′ = ′ . . . .Notas de aula – Geotecnia II 2011-1 Alguns autores continuaram o raciocínio de Rankine a) Terrapleno inclinado = 0 = = 1 = + − − + ² − ² − ² − ² − ²∅ ²∅ ²∅ ²∅ Pelo círculo de Morh b) Solos com coesão ≠ 0 ′ = ′ . ′ = ′ ∅ ∅ − 2. ∅ ∅ → ′ =0 → ′ ∅ − 2. . Divino/ Acadêmico Paulo .

. ∅ ′ = ′ ′ = ′ Prof. Divino/ Acadêmico Paulo . na estimativa dos esforções na estrutura sob condições ativa. ∅ + 2. ii.Notas de aula – Geotecnia II 2011-1 . 2. ∅ = = 2. . No estado passivo ′ = ′ . existem duas sugestões: i. ∅ ∅ Em termos de projeto.

77 2. ℎ = ℎ + ℎ∗ Exemplo: calcular o empuxo ativo nas seguintes situações: Adotar = 16 / .77 2. Divino/ Acadêmico Paulo .77 2.5. 1.2.4² 2. ² 45 + ∅ 16. . . ℎ= − ∅ = .2.5 16.65 2.4 − − .77 28 = 2.01 = 26. − 2. ℎ² 2.Notas de aula – Geotecnia II 2011-1 c) Sobrecarga uniformemente distribuída no terreno ℎ∗ = ℎ∗ = valor hipotético do solo. que substitui o valor de q. . ℎ= . =5 Obs: Calcular também para o caso de existir água a 2m de profundidade.77 2 . a) b) c) (casos “a” e “c”) . = 1. ∅ = 28° a) ∅ = = = = . ℎ 2.1.5.01 2. ∅ ∅ . / Prof.01 ∅ .5 − . .ℎ . .

77 2. ² .10 = 20 = = 2.5 2.77 2.82 2.16.4² .5 − 10) 2.9 + 10. pior é a situação.5 − = 17. (4 − 1. 0.77 / b) ² = .9 2.5. Quanto maior o N.9 (5.16.5 − = 10. aumenta em quase 50%.5 − = 5.77 2.5 2.5.99.65 2 = 4.6).77 / Com o nível da água a 2m: ′ = = 2.01) = 26.16.386 0.77 É mais viável fazer drenagem.Notas de aula – Geotecnia II 2011-1 = 17.. Divino/ Acadêmico Paulo .82. 2 20. pois o empuxo quando tem um N.A.42 2 2 2 2. (16. 2 = ² ² ² 16.A. = = 0.5 2 / Prof.386 = 50.6 2.9525.5 + 2.2 + + = 39.

77 = = 1. 2.21 = = 2.5.5 2.74. ′ ∅ − 2.386 = 17.5 − 10) .16.76 / c) ℎ∗ = ∅ ℎ = 4 + 1.2 + + = 63.0. ² 45 + ∅ = 1. = 5. ∅ ′ = 2.A.77 2 2.5 ′ .386 = 12. 2 20. . = 2.21 = 5.74 + 17.01 16.10 = 20 = 12.21.Notas de aula – Geotecnia II 2011-1 Para N. Divino/ Acadêmico Paulo .76).5.2 (12.24 2 2 2 .21 28 = 2. a 2m: ′ = ′ ′ = ′ .5 + 2(16.02 2.5 − = 25.77 2.77 Prof. 0.74 = 2.16.16.

Notas de aula – Geotecnia II 2011-1 = 4.2 (13. embora sendo mais trabalhosa.77 = 2.11 + 17.5 − 10) 2.16.11 2. = = 3.2)Teoria de Coulomb O fato da teoria de Rankine não levar em consideração o atrito entre o solo e o muro pode levar a erros significativos nos resultados. Prof.5 − = 13.16.21. Coulomb considerou o deslizamento de uma cunha em uma superfície plana e analisou o equilíbrio de forças atuantes nesta cunha.A.11.81).77 / 6.20 + + = 65. a 2m: ′ ′ .77 2. A teoria de Coulomb. principalmente no caso passivo. .25.02 = 52.81 2. é mais precisa. 2 2. Admite o ângulo de atrito entre o muro e o solo conhecido (δ).2.10 = 20 = 13.54 2 / Para N.77 2.5 − = 17.34 2 2 2 3.21.5 + 2(16. Divino/ Acadêmico Paulo .2.5 2.

1 − ²( − ∅) ( (∅ ). . considerar = .Notas de aula – Geotecnia II 2011-1 Pela Lei dos senos: 180° − ( − ) − ( − ∅) = ( − ∅) Variando-se “ρ” encontra-se o valor do empuxo ativo (EA). 1 + ( (∅ ). ( − ). 2 . (∅ ( ) ) Exemplo: Calcular os coeficientes de empuxo ativo e passivo pelas teorias de Rankine e Coulomb. ). chega-se a expressão (coesão = 0) ²( + ∅) = = = = . ( (∅ ) ) . como sendo o valor máximo da equação anterior ou derivando-se em relação a “ρ”. ). 2 . Divino/ Acadêmico Paulo . ( + ).∅ e =0 Prof. .

6.243 1.59 4.386 0.117 Coulomb 0.3)Distribuição das pressões laterais sobre as estruturas de arrimo A forma da distribuição das pressões laterais esta intimamente relacionada com a forma do deslocamento desta estrutura (devido as condições do material e forma de execução) Terzaghi (1929) realizou um estudo com paredes de grandes dimensões e concluiu que: Prof.238 5.37 Rankine: = = 1 = + − − + ² − ² − ² − ² − ²∅ ²∅ ²∅ ²∅ Obras dimensionadas por Rankine são superdimensionadas para o ativo é a favor da segurança só que quando for calcular o passivo é antieconômico compensa então usar coulomb.379 0.Notas de aula – Geotecnia II 2011-1 φ 20◦ 30◦ 40◦ Rankine 0.122 15.602 2.624 0. Divino/ Acadêmico Paulo .422 148.604 0.

d” correspondem aos fenômenos de transferência de pressões. Um exemplo deste fenômeno seria uma plataforma cheia de areia e munida de um alçapão AB como na figura 2 (silo de grãos). As conclusões “b. d) Se o suporte esta impedido de se deslocar.c. Prof. o diagrama das pressões torna-se ainda sensivelmente parabólico comaumento de intensidade na parte superior (figura 1b). c) Se o suporte gira em torno de sua aresta superior. o diagrama. tanto na parte superior como na parte inferior.Notas de aula – Geotecnia II 2011-1 a) Só se desenvolve a forma prevista por Rankine se houver uma rotação na base da estrutura (figura 1ª) b) Se o suporte desloca-se por translação o diagrama das pressões tende para a forma parabólica e o ponto de aplicação de empuxo sobe. o diagrama das pressões será do tipo representado na figura 1c. Divino/ Acadêmico Paulo . conhecidos como efeito de arco ou arqueamento.

.4)Distribuição de pressões horizontais em estruturas com 2 ou mais pontos de apoio Conforme resultados experimentais de Terzaghi e Peck (1967) existem as seguintes proposições: a) Areia Onde: = 0.Notas de aula – Geotecnia II 2011-1 6. ∅ b) Argila mole ou média saturada = . Divino/ Acadêmico Paulo .65. Prof. = . .

. ².4). a) Carga pontual (P) ℎ "m" e "n" = % Para ≤ 0. . Divino/ Acadêmico Paulo .Notas de aula – Geotecnia II 2011-1 Onde: = = 1− . çã (0.2 0. .4 = = ℎ = = ². . . .4 1. ². ² )³ Para > 0.5)Pressões laterais em arrimos devido a sobrecargas Dentre várias proposições as mais aceitáveis são as fundamentadas na teoria da elasticidade.4 ².( .0) c) Argilas rijas = (0. . ² )³ Prof.( ² . 6.

4 = . . MC Graw Hill. . . ( ².Notas de aula – Geotecnia II 2011-1 ′ = b) Carga linear (q) . Ed.1. )² ² c) Faixa de carga (Q) = 2. ) Para Para ≤ 0. Prof. . ) OBS: Outras formas.( − . . Exemplo: Calcular a tensão máxima que um “out door” vai exercer na junta de dilatação de uma cortina próxima.( = . 2.4 > 0. Divino/ Acadêmico Paulo . procurar no livro de Poulos e Davis (1974). . ²(1.

0 37.248 ′ = 3. ².278. ² .0 1. ².5 2. .262 2.4 = = ℎ = .0 1. .382 = 45° / ² Prof. ² )³ 0.5 50. Divino/ Acadêmico Paulo .153 2. = 2 =1 → 2 = 3.Notas de aula – Geotecnia II 2011-1 Solução: 2 = 0.0 35.278* 3. ² )³ =( .1.( .5 4 > 0.4 1.5 25. ².0 32.3 á ( ) 12.45°) = 1. .5 1.278 (1.766 3.832 3.5 (%) 1.

5 ( = ã ) b) Translação ou Deslizamento ≥ = 1.0 ( ) ) Prof.Notas de aula – Geotecnia II 2011-1 7) Muros de Gravidade Estas estruturas combatem os esforços atuantes com o peso próprio. assim verifica-se a estabilidade do muro analisando os aspectos: a) Tombamento ≥ 1. Divino/ Acadêmico Paulo .5 ( 2.

7 / (17 / ³). = 2. se as condições anteriores são satisfeitas. Exemplo: Verificar a estabilidade do muro a seguir (usar Rankine) Solo: = 1.5 / ³(25 / ³) Prof.0 ( çã ) d) Estabilidade completa do talude ou ruptura geral: segurança contra ruptura do conjunto solo-muro Define-se uma geometria inicial e verifica-se. = 0.Notas de aula – Geotecnia II 2011-1 c) Fundação ≥ 3. por tentativa. Divino/ Acadêmico Paulo .

6 1 . = 102 2 3 / Empuxo passivo ′ = ′ . (6. Prof.3 + 2. .1) = 150 / .1.6 = 102 2 − 2.5 2 / + 2.0.5 2 / 1m da barragem que sai da folha.5m do ponto “A” [5-0.6 2. 1m saindo da folha Solução: a) Cálculo dos esforços atuantes Empuxo ativo ′ ∅ = = = ² 45° + ′ ∅ 34.33m do ponto “A” 17. 3 = 51 51. Divino/ Acadêmico Paulo = Peso próprio .1 = 25.0 − = 34 3 3 = 17. = ∅ ′ = 17. 4.Notas de aula – Geotecnia II 2011-1 = = 1 ∅ ∅ Para PP.1 . 3 = 25.5]. 30 =3 2 ∅ = / 17. = 25. ∅ = 0.

385 = 34.5. → = + . Divino/ Acadêmico Paulo .1) = 173. 0.c 2 ∅ .7m do ponto “A” 6 = 300 2 . = 0. = tensão de cisalhante = adesão ou aderência do atrito solo-muro = ângulo de atrito na interface solo-muro = tensão vertical ≈ OBS: Quanto não houver ensaios de laboratório no estudo da interface com o solo local. 4 = 2. (5. ∅ 3 = 0não é argila é solo arenoso = 34.8).7)c (0.Notas de aula – Geotecnia II 2011-1 = 25.65 5 / 30 = 0.67 / Onde: = Força de atrito .0 = 0 = 2 3 Terzaghi (1967) 0. 4.25 = 0+ 450 . 2.65.385 Prof.4 a 0.5.5 a 0. usar as sugestões a seguir: Bowles (1982) (0.

5 = 300 / / / / = 173. Divino/ Acadêmico Paulo . = = + 173. = 7.2 c) Verificação quanto a translação .26 > 1.67 102.5 + 300.4.82 > 1.25 102 = 1.5 ( !) d) Verificação quanto a fundação (critério de fundação rasa excêntrica) Prof. = OBS: Quanto o empuxo passivo for força de reação.2. deve-se utilizar apenas 50% do seu valor em função do deslocamento necessário para mobilizar o valor máximo ser muito maior que o de estado ativo.25 / b) Verificação quanto ao tombamento .Notas de aula – Geotecnia II 2011-1 Resumo das forças = 102 = 150 = 25. 0.33 + 150.5 ( = !) .

3. 1± Critério da NBR 6122:1996 ≥0 ó é 1.83 2 6 " " Prof.78 .67 + 150.0.28 − á 3( 4( 5( =3 ℎ ) ) ) 8 ) = )ou á á + 2 ≤ í ≤ = 1476 = 3. 1+ = 174. ( ç ) Cálculo das tensões á = .24 5 5 5 5 = 0.5 = 1476 = 150 + 300 = 450 = 3.28 450 = 450 6. á ≥ = ( â ( ó = 300.Notas de aula – Geotecnia II 2011-1 Calcula-se os esforços na base desprezando o momento devido ao empuxo ativo e passivo. De aplicação da resultante: = Excentricidade = − 2 ≤ 6 6.2.78 < = 0. Divino/ Acadêmico Paulo .4.

Solução: Prof. B(10. = 30 .10).24 + 5.0. para o círculo abaixo Cotas dos pontos: A(0. Considerar o raio o segmento AO.Notas de aula – Geotecnia II 2011-1 = = 450 6. 1− = 5.0). ∅ = 20°.78 .76 = 90 2 < 300 ( < 300 !) ( !) Exemplo: Calcular o F.24 174. Divino/ Acadêmico Paulo .S.76 5 5 12 =3 4 / ² = 300 • Condições de Norma = 576 > 0( !) á = = 174.10) Solo: = 17 / ³. 0(5.

18 ) −( − − − ) = 16.77 ℎ = 5.18 ≅8 2 = (5 − 0) + (10 − 0)² = 11.18 = 16.9924 = 0 ∆= ² − 4 = = + 2 = 0−5 = −26.14 ℎ = 8.18 9 + ² − 20 + 100 − 115.1 em anexo) O que varia é só X e Y = 10 =1 → 10 = 45° ( ) ℎ = 2.77 ℎ = 10 ℎ = 8.72 Prof.Notas de aula – Geotecnia II 2011-1 º= = 5 + 11.6 10 − 0 ( − → ( − 5) + ( − 10) = 11.18² (tabela 7.14 ℎ = 7. Divino/ Acadêmico Paulo .

63 = .6 + 26. ∆ =( = .18. Divino/ Acadêmico Paulo . − ) .Notas de aula – Geotecnia II 2011-1 ℎ = 6.5 ( 180 !) Prof.3 → 599. 180 = 2. 11. ∆ = 1205.6).7 = (−15.01 > 1.

6 38. .14 -0.68 158.50 114.6 38.8 53.1 .95 -24.77 -1.37 10 ° -26.14 6 -1.37 16.8 122.7 .09 2.77 4 -1.31 188.44 226.16 0 48.70 599.47 2.15 -10.28 14 3.1 319. Divino/ Acadêmico Paulo .09 2.15 32.05 21.34 116.47 2.95 2.77 10 0 12 1.6 -5.30 ∅ Prof.10 15.77 0 1.6 ° -15.65 135.6 26.2 260.1 47.24 2.6 90 Peso(KN) ∆ ( ) -21.35 134.Notas de aula – Geotecnia II 2011-1 fatia 1 2 3 4 5 6 7 8 0 2 4 6 8 10 12 14 0 2 -0. -16.34 172.14 8 -0.14 -1.87 172.6 -15.6 -5.10 Total Tabela 7.8 53.10 5.99 10.10 15.35 270.10 5.18 -0.7 318.28 3.05 0 208. 80.38 46.49 109.∆ + .76 1.89 71.85 7.6 26.85 168.97 1205.88 152.