You are on page 1of 3

ISSN 1809-2888 Licenciado sob uma Licença Creative Commons

A busca apaixonada pelo sentido da vida

VILLAS BOAS, Alex. Teologia e poesia: a busca de sentido em meio às paixões em Carlos Drummond de Andrade como possibilidade de um pensamento poéticoteológico. Sorocaba: Crearte Editora, 2011. 252 p.

No meio do caminho tinha uma pedra... A caminho da casa do poeta, em seu primeiro capítulo, Alex apresenta a situação atual da reflexão sobre teologia e literatura no Brasil. É um apanhado conciso, mas bem delineado, dos debates e da maturação de um novo espaço de reflexão que já tem dado bons frutos e lançado luz sobre várias realidades. “As diversas linhas metodológicas mais conhecidas até o momento no Brasil” são expostas de forma clara e objetiva, dando ao livro de Alex o sabor histórico de frutos novos, uma vez que ele capta os acontecimentos, registra-os e acompanha-os já em seu início, documentando a história ainda viva, em seu próprio desabrochar. Os diversos grupos, os textos, os debates e a organização que se faz em torno da interlocução entre teologia e literatura são expostos pelo autor, que historia a história da qual participa, e aproveita-se de tal proximidade para registrar o início e a evolução dessa reflexão no Brasil. Aproximando-se da casa do poeta, Alex delimita o enfoque de sua compreensão da poesia de Drummond:
[...] por uma questão de honestidade com o pensamento do autor [Drummond], parte-se, aqui, de uma interpretação fenomenológica da poesia de Drummond, a fim de que ela fale por si só, para um diálogo com uma analítica de sentido que privilegia a escuta do pathos drummondiano, na procura do sentido como “humano do homem”, temática recorrente no autor, que permitiu julgar mais adequado o instrumental frankliano para a percepção de um pensar poético de sentido, como pensar que inventa [poiésis] o humano. O resultado

Ciberteologia - Revista de Teologia & Cultura - Ano VII, n. 36

130

Em poucas. quando chega à casa do poeta. Nesse caminho é possível identificar uma teologia apaixonada e poética. Feita a trajetória da vida e da poesia de Drummond. entre o texto e as linhas da poesia aparecem as imagens da vida vivida pelo poeta. Conhecida a busca drummondiana. Ciberteologia . a teologia redescobre a paixão: do querigma à teologia latino-americana. sua história e teodiceia e provocar o “desmonte da teologia apática”. Da poesia irônica à poesia metafísica. encontra-se com a poesia e a vida do poeta.Revista de Teologia & Cultura . a conversa continua na sala. na varanda da casa do poeta. achega-se da práxis: “É impensável aprofundar uma fé cristã que não seja afetada pela realidade injusta. experiências e momentos históricos da vida. quer ela seja de dor e tristezas. (p. o autor é acolhido na cozinha. “a fim de extrair uma possível antropologia contida na obra” do poeta.Ano VII. é a vez de o teólogo expor a teologia. passando pela poesia social. Alex refaz o caminho da experiência de Deus na história. buscando reunir o conhecimento possível para desvelar onde se perdeu o pathos divino entre os livros e as teorias. mas densas páginas. Já no entardecer. 67-68) A seguir. poeta e teólogo coincidem em suas conclusões. entre móveis antigos. A dor. De alguma forma. o teólogo busca o Deus apaixonado. resultado de um processo em que o humano não é o centro das decisões e sim o benefício próprio” (p. ocupada pela e preocupada com a vida – uma teologia repleta da vida e da poesia –. mais preocupadas com as leis e as regras do que com a vida. o texto de Alex persegue sua busca pelo sentido da vida na poesia de Drummond ao mesmo tempo que o poeta dá a conhecer sua rejeição ao “Deus do catecismo”. vulnerável e fatal. o sofrimento e as alegrias se reconstituem em épocas e datas. passando pela Trindade. que trazem nos veios da madeira o peso da história. Na intimidade do calor do fogão a lenha e do crepitar do carvão. É a teologia que se faz com a vida. um Deus apático que não se incomoda com o sofrimento e “põe medo nas pessoas” (p. miserável. e juntos percebem as limitações impostas pela consciência da imposição de um Deus sem paixão. tornando o poeta parceiro íntimo e companhia agradável na conversa ao pé do fogão. 118). porque cheia de vida. é trabalhada a aproximação fenomenológica. a paixão pela vida e a negação de aceitar um deus omisso e insensível. 36 131 . desafiado pelo poeta. 222). e depois a caminho. Par e passo. da intimidade do poeta. mas não longe. n. Já mais distante. e que é capaz de ouvir mais o grito surdo da fome do que o ecoar das penas de fogo que escrevem as leis.dessa aproximação fenomenológica e como a “questão Deus” nela está presente será a pauta de interlocução com a teologia.

Mestre em Ciências da Comunicação pela ECA-USP. o Deus apaixonado pela humana-humanidade.quer de alegrias e superação.Revista de Teologia & Cultura . Nesse sentido é possível concluir que poeta ateu ajuda a redescobrir a Paixão de Deus. Co-editor da revista Teoliterária: www.teoliteraria. Francico Surian* Recebido: 26 de agosto 2011 Aprovado: 16 de setembro 2011 * Mestre em Teologia Dogmática pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP).Ano VII. 36 132 . n.com. Integra o grupo de Estudos LERTE. Ciberteologia .