You are on page 1of 8

X Seminário de Pesquisa Qualitativa EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POR UMA PRÁTICA TRANSFORMADORA E DE QUALIDADE Débora Goulart Veiga¹ FURG

Resumo O presente trabalho visa relatar e refletir acerca das questões sócioambientais através de atividades realizadas no Programa “Vivendo, Brincando e Aprendendo”, da Mitra Diocesana Pastoral do Menor de Rio Grande. Estas atividades eram realizadas com quinze crianças, entre sete e doze anos de idade, no Bairro Quinta, as quais consistiam em reforço escolar, esporte e brincadeiras lúdicas. O principal objetivo deste projeto foi proporcionar o conhecimento e a conscientização dessas crianças em vulnerabilidade social acerca dos temas que envolvem o meio ambiente e cidadania, incluindo a sua importância e o cuidado para outras gerações dentro de um projeto de pesquisa que tem como base a pesquisa qualitativa. Além disso, a autonomia das crianças e a participação das famílias nas atividades foram de grande importância para o nosso trabalho. Inicialmente, como metodologia foi realizada a observação da poluição de um rio localizado no próprio bairro, além de confecções de brinquedos com materiais recicláveis, a caminhada ecológica (recolhimento de lixo) e a visitação de uma unidade de reciclagem na localidade. O projeto despertou nas crianças e em suas famílias, valores e idéias de preservação da natureza e, senso de responsabilidade para com as gerações futuras, além de sensibilizar de forma lúdica sobre o uso sustentável dos recursos naturais através de suas próprias ações. Palavras-chave: educação, pesquisa qualitativa, transformação.

__________________________________________ ¹ Formada em Pedagogia (Furg), especialista em Psicopedagogia (Portal Faculdades) e atualmente acadêmica
do curso de Letras Português-Espanhol (Furg). E-mail: degirlrs@hotmail.com

a qual mostra o pesquisador como facilitador da aprendizagem. buscando alternativas e soluções para a realidade existente. disponibilizei uma proposta de trabalho com as crianças. na prática da liberdade. 45): "Educar e educar-se. transformando seu pensar que nada sabem em saber que pouco sabem.por isto sabem que sabem algo e podem assim chegar a saber mais . Conforme Paulo Freire (1996. isto é. onde o desenvolvimento do conhecimento é fortalecido pelo sujeito. p. possam igualmente saber mais"( 1996. Por esse motivo também. no ano de 2010. quase sempre. é por meio da educação que se formam cidadãos conscientes de seu papel na sociedade. O trabalho pedagógico tem como pilares básicos a produção e a difusão de conhecimentos e. Essas crianças e suas famílias eram beneficiadas com o programa realizado pela Diocesana Pastoral do Menor. com crianças de sete a doze anos de idade. com o intuito de possibilitar um conhecimento do lugar em que vivemos. e sim como mediador nos processos de . p. que é visto como um ator social.Introdução O presente texto apresenta um projeto realizado em uma turma multiseriada. 45) Isso implica no rompimento da idéia de que o educador (pesquisador). para que estes. a reflexão e o diálogo são pontos principais para a formação de todos envolvidos nesse processo do saber. Eu como pedagoga do programa. é tarefa daqueles que pouco sabem . que disponibilizava pedagogos. o projeto foi realizado como base a análise qualitativa. seja o detensor de todo o conhecimento. assistentes sociais e professores de esporte e dança. pensam que nada sabem.em diálogo com aqueles que.

onde a família e a escola. procurando construir uma escola mais democrática e acessível a todos.formação e desenvolvimento dos saberes prévios dos educandos. 205) Por ser de grande importância a Educação Ambiental em todos os âmbitos sociais e. Brincando e Aprendendo” da Pastoral do Menor de Rio Grande. atenuar posturas avaliativas classificatórias e evoluir para abordagens de ensino. acerca dos temas que envolvem o meio . de aprendizagem e de avaliação mais compatíveis com as necessidades dos alunos. por se tratar de um projeto que consiste emancipar não só as crianças.205): “Precisamos romper com a cultura da seletividade e da exclusão. De acordo com pereira e Souza (2004. A infância é primordial. se faz necessário um processo constante de reflexãocrítica na aprendizagem e comportamentos que visem buscar alternativas e soluções para a nossa realidade. mas também. suas famílias. passa a desempenhar um papel fundamental nesse desenvolvimento do conhecimento. p. cultural e político que desempenha com seus alunos. comprometidos com a transformação da realidade” (2004. O professor deve ser motivado e atualizado. p. pois é nela que se inicia o processo de formação da personalidade. além de estar consciente de seu papel social. Objetivos Este projeto teve como principal objetivo proporcionar o conhecimento e a conscientização dos alunos do Programa “Vivendo.

o interesse pelo assunto. Nesse sentido. da coleta seletiva do lixo.ambiente. ciência e cultura popular. vários comentários forma feitos. sociedade e ambiente”.81) Metodologia Primeiramente foi realizada à observação do Arroio das Cabeças. afirma: “A educação transformadora busca redefinir o modo como nos relacionamos conosco. em grupos sociais. se transforma e à realidade. incluindo o respeito e o cuidado para as futuras gerações. simbólico e material. pois o conhecimento de cada uma delas e suas inquietações. Uma semana depois de observarmos o arroio. Loureiro (2004:81). foram realizadas conversas em grupos e diversos trabalhos de colagem e pintura sobre o que foi constatado. (LOUREIRO. Logo após a visita. As conversas com as crianças foram de grande relevância para esse projeto. Por isso é vista como um processo de politização e publicização da problemática ambiental por meio do qual o indivíduo. pois mesmo sabendo da grande importância desse rio para a comunidade. fomos visitar a Associação de Reciclagem Vitória. Além disso. também. subjetividade e objetividade. sua reutilização e. com as demais espécies e com o planeta. aumentando assim. comportamentos e cidadania. foi dissipada a importância da preservação de nossos rios. 2004. Durante esta visita. percebemos que muito lixo e esgoto são lançados naquele local. fazendo-os parte do mundo. Aqui não cabe nenhuma forma de dissociação entre teoria e prática. inclusive a confirmação de que muitas crianças ainda se banham e pescam no arroio poluído. de sua reciclagem como geração de trabalho e renda. p. natural. situado no próprio bairro. Lá vimos como era o processo de coleta seletiva de . enriqueceram os nossos encontros.

latas. em possíveis modificações de certos hábitos. (MOLON. O projeto sempre dissipou uma ação dialógica e participativa. como colocar o lixo nas lixeiras. fizemos um encontro para ouvir a todos. a fim de promover a melhoria das condições de vida locais através de um trabalho coletivo. fazendo-os repensar em suas ações cotidianas e.92) Resultados Durante todo o desenvolver das atividades propostas. e outros.2009. sobretudo. foi nítida a evolução e a participação das crianças. Depois de realizadas as tarefas.etc. Foi de grande importância na conscientização . separando comidas de outros materiais. facilitando a sua coleta. pais e filhos. O recolhimento do lixo causou revolta por parte de todos. p. para confeccionar brinquedos com material sucata. Ao visitarmos a Associação de Reciclagem. com menos desigualdade social”. sobre o que puderam extrair dessas atividades relacionadas à conscientização ambiental. na solidariedade. Por acreditar nessa coletividade e na importância da família para a formação da criança. garrafas pet. selecionamos alguns materiais como caixas. mas para todos nós que somos autores e agentes de mudança. preocupada com a justiça ambiental e.matérias e a importância daquele trabalho não só como meio de sustento das pessoas que trabalham no local. foi realizada uma caminhada ecológica ao redor de suas casas com a ajuda de seus familiares. na construção da cidadania. a seleção de lixo. Conforme Molon (2009: 92): “Os princípios da Educação Ambiental fundamentados no diálogo. tendo por objetivo a formação da consciência humana. na luta e reconhecimento da participação são considerados essenciais na transformação das relações sociais e na conquista de uma sociedade com mais justiça.

. enquanto educadora que aposta em atividades coletivas e reflexivas. mas de diversos locais da cidade. do mundo. 42) Posso concluir que os objetivos do projeto foram alcançados. porque entendo que é pelo processo de transformações sociais. na construção de uma nova visão de mundo.2004. foi demonstrada a importância para a preservação do nosso meio ambiente. acredito que foram válidas todas as ações realizadas durante esse processo. não só da comunidade do bairro. da sociedade e de seus indivíduos. Digo construção de uma sociedade nova. para que possa de fato.. o diálogo. p. a seleção do lixo. o pertencimento ao meio em que vivemos e a transformação ativa da realidade. Com isso..ambiental infantil e familiar.Conforme Guimarães (2004:42): [. inclusive de nossa universidade (Furg).. Além disso. de uma nova racionalidade e seus paradigmas[.]” (GUIMARÃES. o respeito. em sua atuação. pois despertou nas crianças e em suas famílias a conscientização. . a reflexão e. lixo este. Conclusões Ao refletir acerca de todas as etapas do projeto realizado e. contribuir na construção de uma nova sociedade ambientalmente sustentável. além de proporcionar uma interação entre os alunos e sociedade. proporcionando a conscientização. a visita à Associação de Reciclagem possibilitou aos alunos reconhecerem a finalidade de todo o lixo selecionado.]”continuo a buscar os caminhos para fazer da educação ambiental ( a partir de seu educadores) uma proposta que se volte para a transformação da escola. oportunizando a compreensão e a reutilização da reciclagem de materiais e a obtenção de renda para essas pessoas.

entre outros. tive a certeza de que meu trabalho de pesquisa fortaleceu ainda mais a idéia de uma análise qualitativa. Além disso. Foi muito considerável a interação que tive com as famílias dessas crianças atendidas nesse projeto da Pastoral de Rio Grande. Referências FREIRE. atitudes e valores. uma mudança de hábitos e costumes que já não eram mais considerados mudanças reais.Rio de Janeiro: Paz e Terra. por todos da sociedade como a escola. mas outras referentes à política e sexualidade. . Foi um grande desafio. o pertencimento destas pessoas do mundo e com o mundo. Pedagogia da Autonomia. onde foram mostrados assuntos variados. Tal desafio requer não só iniciativa por parte de todos envolvidos. a família.Campinas. com o nosso meio e com a nossa comunidade. Paulo. 2004.principalmente. pois aplicar as práticas pedagógicas com as práticas conceituais são necessárias para que aconteça uma transformação. isto é. da importância de nosso trabalho para toda a comunidade em si. 1996. competências. onde os conhecimentos prévios do aluno e a sua realidade foram respeitados. A formação de educadores ambientais. O projeto também possibilitou a reflexão e a ação de cuidados com o planeta. o que me faz ter novas idéias mais adiante. Mauro. onde não só a questão ambiental era algo de seu interesse. Essa valorização não é só no sentido de uma reivindicação de salários melhores. mas uma valorização social. conhecimentos específicos. mas requer uma integração de disciplinas. SP: Papirus. os alunos. GUIMARÃES. Outro fator relevante é a importância da valorização de nós educadores.

L. 2004. PEREIRA. . n. p. N. SOUZA. RS: Editora da FURG. São Paulo: Cortez. 191-208. 2004. Trajetória e fundamentos da Educação Ambiental. Carlos Frederico Bernardo. LOUREIRO. Estudo em Avaliação Educacional: revista da Fundação Carlos Chagas. .MOLON. 2009. São Paulo.Rio Grande. 29.A. Suzana Inês. Alfabetização e Educação Ambiental: contextos e sujeitos em questão. Concepção e prática de avaliação: um confronto necessário n ensino médio. C.