You are on page 1of 8

NOÇÕES BÁSICAS DE ANÁLISE SINTÁTICA

FRASE – ORAÇÃO – PERÍODO
• FRASE é a unidade de comunicação entre falante e ouvinte, entre escritor e leitor. É todo enunciado capaz de transmitir, a quem nos ouve ou lê, o que pensamos, queremos, sentimos. Pode apresentar-se sob as mais variadas formas, desde simples enunciados monossilábicos até o período mais complexo.
Não! Socorro! Muito obrigado! Boa tarde, senhores. Cada um por si e Deus por todos. “Quem o feio ama, bonito lhe parece.”

• ORAÇÃO é a frase de estrutura sintática que apresenta SUJEITO e PREDICADO. É estruturada em torno de um verbo. O verbo, explícito ou não, é a característica do predicado, indispensável à existência da oração.
A água corre para o mar. A água silenciosa é a mais perigosa.

Em certos tipos de oração não há sujeito, mas o predicado (e portanto o verbo) não pode faltar:
Choveu muito. – Houve protestos. (Estas são ditas orações sem sujeito) Obs.: Frases como “Fogo!” – “O quê!?” – “Que beleza!” não se estruturam em torno de um verbo, não possuem predicado, e portanto não são orações. Tais frases não podem ser analisadas sintaticamente; apenas a oração (constituída de sujeito e predicado, ou, em certos casos, só de predicado) presta-se à análise sintática.

• PERÍODO é o enunciado, de sentido pleno, constituído de uma ou mais orações. Pode ser SIMPLES ou COMPOSTO. O período é simples quando formado de uma só oração, a qual se diz absoluta. No período simples há um só verbo (ou locução verbal).
“A ignorância do bem é a causa do mal.” (Demócrito) “Na esplanada do Museu alongavam-se cada vez mais sobre as lajes as sombras das estátuas de pedra.” (Érico Veríssimo)

O período é composto quando formado de mais de uma oração. No período composto há mais de um verbo (ou locução verbal).
“O gato não nos afaga, afaga-se em nós.” (Machado de Assis) “A noite descia; caía de cima uma claridade láctea; pesava um austero e lento silêncio; a larga brancura celeste era gloriosa.” (Eça de Queirós)

1

– Todos estavam pasmados. o predicado é a enunciação pura de um fato qualquer. (b) um substantivo. – Um forte vento sacudia as árvores.” (Fernando Pessoa) Nas orações sem sujeito. 2 . Vossa Senhoria. — SUJEITO — • NÚCLEO de uma função sintática é a sua palavra ou termo central. numerais. acompanhado ou não de adjuntos: Deus te acompanhe. porém. em torno do qual podem estar anexados ou subordinados outros termos. Meu pai e minha mãe eram muito tementes a Deus. Eu teria ido ao supermercado. Por que você está com esse ar de tristeza? Amanhã é feriado nacional. – Era de madrugada. – O sim consumou o casamento. O núcleo do sujeito pode ser: (a) um pronome pessoal ou de tratamento: eu. • COMPOSTO: quando tem mais de um núcleo. – “A larga brancura celeste era gloriosa. nós. você. Os dois têm razão. PREDICADO é aquilo que se diz do sujeito. principal. Deus e tu são testemunhas. O advogado e seu cliente retiraram-se às pressas do recinto. palavras Isto não te impressiona? – Ninguém reparou em mim.→ EXERCÍCIOS I e II. – “Meu pensamento é um rio subterrâneo. Os sertanistas capturavam índios. tu. A chuva cai.” (Eça) (c) qualquer substantivadas): equivalente de substantivo (pronomes. – Está nevando. – Os bons padecem inúmeros males. o senhor. TERMOS ESSENCIAIS DA ORAÇÃO: SUJEITO E PREDICADO • SUJEITO é o ser do qual se diz alguma coisa. ele. O sujeito pode ser: • SIMPLES: quando tem um só núcleo. Chove.

de Assis) – A ilha está deserta.• EXPRESSO: quando está explícito. – Devagar se vai ao longe. — PREDICADO — À exceção do vocativo (que será estudado mais adiante). seja porque a desinência do verbo claramente o indica. • VERBAL: seu núcleo é um VERBO (ou complemento(s) ou termos acessórios. “Quando se é menino. o predicado pode ser classificado em: • NOMINAL: seu núcleo significativo é um NOME (substantivo. (b) com um verbo na 3ª pessoa do singular. “Você é das Arábias. Em português. “O mistério é o encanto da vida. De acordo com o seu núcleo. soldado.” (M.” (C. – Trata-se de estranhos fenômenos atmosféricos.. PREDICATIVO DO SUJEITO.” (M. Viajaremos amanhã. Nós viajaremos amanhã. tudo o que.. 3 . isto é. não é sujeito ou não faz parte do sujeito constitui o predicado.) • INDETERMINADO: quando não se pode. O núcleo do predicado nominal chama-se uma qualidade ou característica. quando não está expresso. – Os atletas pareciam cansados. a indeterminação do sujeito é assinalada: (a) usando-se o verbo na 3ª pessoa do plural. de Assis) – Minha mãe ficou feliz. ou não. seja porque já figura numa oração contígua. adjetivo. • OCULTO ou ELÍPTICO: quando está implícito. – O professor sou eu. sem referência a qualquer sujeito já expresso: Bateram palmas no portão da frente. na oração. Povina Cavalcânti) → EXERCÍCIOS III e IV. ou não interessa indicar o sujeito. está expresso na primeira oração e elíptico na segunda: e [ele] aproximou-se. ou não se deseja. porque atribui ao sujeito seguido. enunciado. – Na rua olhavam-no com admiração. acompanhado do pronome se: Aqui vive-se bem. (sujeito oculto: nós) O soldado saltou para a calçada e aproximou-se. de locução verbal). (O sujeito. locução adjetiva) ou um pronome ligado ao sujeito por um VERBO DE LIGAÇÃO. tem-se o espírito inteiramente aberto.

cumprir com o dever. – Ocorreu uma tragédia. 4 . um e um NOME PREDICATIVO. – transitivos diretos e indiretos (bitransitivos). – Amanheceu.” (M. tomar do lápis. puxar da faca. nascer.: verbos transitivos diretos podem ser construídos. – Os operários trabalham muito. Comprei um terreno e construí a casa. – Os jovens gostam de aventuras. denominado objeto direto. • TRANSITIVOS são os verbos que não têm significação completa e requerem o acréscimo de um complemento para formar o predicado inteiro: são os verbos de predicação incompleta. – A família chamou o médico. – transitivos indiretos. – O réu deixou a sala cabisbaixo. 2. por si mesmos.Os pessegueiros estavam florescendo. sem acréscimo de complemento: são os verbos de predicação completa. voar. os verbos classificam-se em INTRANSITIVOS. – Ele encontrou Joana abatida. TRANSITIVOS INDIRETOS são os que pedem um complemento regido por preposição. etc. surgir. ocorrer. acontecer. 1. com preposição: amar aos pais. Quanto à predicação.” (M. • INTRANSITIVOS são os verbos que têm sentido completo. TRANSITIVOS DIRETOS são os que pedem complemento não introduzido por preposição. acordar. TRANSITIVOS e DE LIGAÇÃO. – “Trabalho honesto produz riqueza honrada. PREDICAÇÃO VERBAL Chama-se predicação verbal o modo pelo qual o verbo forma o predicado. de Assis) Obs. As crianças brincam. – Os pássaros voam. correr. etc. Os verbos transitivos subdividem-se em: – transitivos diretos. Choveu de madrugada. – Durmo cedo. denominado objeto indireto. brilhar. – O Sol brilha. que exprimem fatos causados por seres capazes de executálos: ler. podendo. de Maricá) “Simão Bacamarte não o contrariou. VERBO → EXERCÍCIOS V e VI. brincar. constituir o predicado inteiro. trabalhar. (b) certos verbos de ação. cair. que possui dois núcleos significativos. • VERBO-NOMINAL: é o predicado misto. O soldado voltou ferido. São habitualmente intransitivos: (a) os verbos de fenômenos naturais ou acidentais: chover. ventar. ocasionalmente. dormir.

em certas frases. 2. – Ceda o lugar aos mais velhos. – Aquilo semelhava uma procissão. Aspecto durativo (duração de estado) — continuar. virar: Ficou louco. 4. → EXERCÍCIO VII. ficar. – Vênus é um planeta. acabar. – O aluno é você. andar. exprimindo ao mesmo tempo: – o estado ou condição do sujeito. permanecer: Fulano continuou/ ficou/ permaneceu silencioso. 5. – Acabou mendigo. – A morte do avô causou dó a todos. – Ontem assistimos ao filme. o qual designa o ser a quem a ação beneficia ou prejudica. – o tipo de relação (aspecto) que há entre sujeito e predicativo. – Ele discordava de tudo. — PREDICATIVO — Chama-se constitui: PREDICATIVO à palavra ou locução de natureza nominal ou pronominal que (a) o núcleo de um predicado nominal: A rua estava silenciosa. Aspecto transitório (estado adquirido) — estar. 3. TRANSITIVOS DIRETOS E INDIRETOS são os que. sem possuírem geralmente significação precisa. 5 . (b) o núcleo nominal de um predicado verbo-nominal: Encontrei a rua silenciosa. tornar-se.Escrevi a meus pais. além do objeto direto. – O anel é de ouro. – Penso muito em ti. Dona Cléia dava roupas aos pobres. semelhar: A Terra parece imóvel. – O sofrimento virou esperança. requerem simultaneamente o acréscimo do objeto indireto. ligam um sujeito a um predicativo. viver: Fulano está/ anda/ vive resfriado. 3. Aspecto permanente (estado natural ou habitual) — ser: Vênus é brilhante. Aspecto aparente (aparência de estado) — parecer. Aspecto permansivo (mudança de estado) — ficar. – Para o filho reservava os melhores livros. Tais estados e aspectos classificam-se da seguinte maneira: 1. – Prefira alimentos naturais aos industrializados. • DE LIGAÇÃO são verbos que.

• OBJETO DIRETO é o termo da oração que integra o sentido de um verbo transitivo direto. – Ninguém me visitou. Eles integram (inteiram. O pai batia no filho. nos verbos bitransitivos. portanto. 6 . (b) exprime. não sendo. – Atentou contra a vida do rei. – Não vi ninguém na loja. TERMOS INTEGRANTES DA ORAÇÃO Chamam-se termos integrantes da oração os que completam a significação transitiva dos verbos e nomes. completam) o sentido da oração.Há dois tipos de predicativo: • PREDICATIVO DO SUJEITO: é aquele que atribui determinada característica ao sujeito. normalmente. objeto indireto. – Gostam de vinho. Somente é encontrado no predicado verbo-nominal: “Levo a minha consciência sossegada. – agente da passiva. São os seguintes: – complementos verbais: objeto direto. regido necessariamente de preposição. – Procurei o livro. – Mendonça cumprimentou-as. – complemento nominal. – Marília entrou risonha. – Onde você achou isso? • OBJETO INDIRETO é o termo da oração. sendo por isso indispensáveis à compreensão do enunciado. – Deparei com um estranho. – Nossa vida tornou-se impossível. O lavrador cultiva a terra. o ser a quem se destina o objeto direto.” (Camilo Castelo Branco) “Um fraco rei faz fraca a forte gente. • PREDICATIVO DO OBJETO: é aquele que atribui determinada característica ao objeto.” (Camões) “A ignorância faz os brutos impecáveis. IX e X. (b) num predicado verbo-nominal: Ela chegava sempre abatida. mas não o encontrei. Aspiro a uma vida calma. que: (a) integra o sentido dos verbos transitivos indiretos. Pode ser encontrado: (a) num predicado nominal: Ela parecia espantada. – Fabiano marchava teso. regido de preposição.” (Matias Aires) → EXERCÍCIOS VIII. – A mulher já não sentia dor.

– Falou carinhosamente às moças. São três: – adjunto adnominal.. • ADJUNTO ADNOMINAL é o termo ou locução de valor adjetivo que delimita o sentido geral de um substantivo. força de leão. (c) artigos: o mundo. – Ceda o lugar aos mais velhos. – Aos vencidos tomavam-se os bens à força. – O fim-de-semana foi sacrificado ao emprego. Beijou as mãos à dama. (c) exprime o ser em benefício ou em prejuízo de quem se realiza a ação. – Sobram qualidades ao candidato. indefinidos: tais olhos. – Meu irmão veste roupas vistosas. qual seja a de caracterizar um ser. – adjunto adverbial. (d) pronomes: possessivos: tuas mãos. terras férteis. “Os teus olhos negros são como duas flores do mal. (b) locuções adjetivas: olhos de gata. crista da serra. qual problema? 7 . TERMOS ACESSÓRIOS DA ORAÇÃO Termos acessórios são os que desempenham na oração uma função secundária.Dou graças a Deus. as ruas. cada dia.” (Eça de Queirós) – Tinha uma vontade de ferro. → EXERCÍCIOS XI. – verbos de ligação: Para mim tudo eram alegrias. – Entreguei o livro ao aluno. qualquer livro. água fresca. – A proposta pareceu aceitável ao gerente. – Tirou o chapéu ao velho. – Perdoou a ofensa ao filho. – Disse a verdade ao moço. O adjunto adnominal pode ser expresso por: (a) adjetivos: olhos negros. interrogativos: que rua?. O objeto indireto pode ainda acompanhar: – verbos intransitivos: A bom entendedor meia palavra basta. A todos dirigiu palavras de reprovação. XIII e XIV. aquelas paisagens. uns rapazes. – aposto. XII. (d) o possuidor de alguma coisa. determinar os substantivos ou exprimir alguma circunstância. demonstrativos: este automóvel. – Não revelarei isto a ninguém.

ó lágrimas saudosas!” (Fagundes Varela) – “Serenai. li três romances. – Desenhou com os lápis de cor da irmã. – Ela fala demais. . correi. o animal ou a coisa personificada a que nos dirigimos. título. traga-me uma xícara de café. . hei!). por favor! – Venha por aqui. – Volto em breve.lugar: Venho da cidade. adjetivo ou advérbio. → EXERCÍCIOS XV e XVI.instrumento: Preferia pintar a óleo. – Especializou-se em grego. em outras palavras. apelido) usado para chamar. – Alzira cozinha muito bem. . 8 . – Voltarei de avião. VOCATIVO Vocativo [do latim uocare = chamar] é o termo (nome. meu senhor! – Onde estão vocês. meninos? – “Correi. olá. . – Fiquei de pé. lugar.intensidade: Dormi pouco. verdes mares!” (J. . – Cearam à farta. . – Mora em Jaú. etc. – Amanhã conversaremos.tempo: Durante as férias. por isso. Os adjuntos adverbiais classificam-se de acordo com as circunstâncias que exprimem. modo. Eleonora canta mal. ou interpelar a pessoa.meio: Ganharam por fraude.modo: Estejam à vontade. primeiro dia.matéria: O telhado foi construído de zinco. não faz parte nem do sujeito nem do predicado. – Escolheu-os à dedo.causa: Consumia-se de tédio. • ADJUNTO ADVERBIAL é o termo ou locução que exprime uma circunstância (de tempo.companhia: Maria veio comigo. – Saiu de mansinho. Eis alguns tipos: . – Meus sapatos estão bastante gastos. – Não saí por precaução. que modifica ou intensifica o sentido de um verbo. Não pertence à estrutura da oração.(e) numerais: trinta alunos. . capítulo sexto. – Voltou à casa paterna. – Alegrou-se com o convite. Alencar) O vocativo se refere sempre à 2ª pessoa do discurso. . Eusébio. → EXERCÍCIO XVII.) ou.assunto: Falavam de gramática. O vocativo é um termo à parte. Pode-se antepor-lhe uma interjeição de apelo (ó. .