Comunicado  de  Imprensa  

Nova  Lei  de  Imigração:  

ASSOCIAÇÕES  ENTREGAM  QUEIXA  DE  INCONSTITUCIONALIDADE  AO  PROVEDOR  DE  JUSTIÇA  
A   nova   lei   de   imigração   (Lei   Nº   29/2012)   incorporou   muitas   directivas   europeias,   entre   as   quais,   a   Directiva   de   Retorno   que   constitui   um   retrocesso   em   matéria   de   direitos,   liberdades   e   garantias   fundamentais.   Somos   um   conjunto   de   organizações   da   sociedade   civil   (associações   de   imigrantes,   antiracistas,   feministas,  de  direitos  humanos  e  outras),  empenhadas  na  luta  pela  democracia  e  pela  defesa  dos  direitos   humanos  e  que  querem  fazer  dos  direitos,  justiça  -­‐  toda  a  justiça.       E   como   é   de   justiça,   defendemos   a   revogação   da   nova   lei   de   imigração   por   entender   que   ela   é   inconstitucional  e  violadora  dos  princípios  básicos  de  igualdade  entre  cidadãs  e  cidadãos.     Consequentemente,  defendemos:   1. a  regularização  imediata  de  todos/as  os/as  imigrantes  indocumentados/as;   2. a  igualdade  de  tratamento  e  a  luta  contra  todas  as  formas  de  discriminação  e  opomo-­‐nos:     a)     à   criação   de   mecanismos   de   discriminação   em   função   do   poder   económico   de   cada   um/a  –  descartando  tantos  e  tantas  imigrantes  que  aqui  vivem  e  ajudam  a  construir  o  país,   muitas   vezes   vítimas   de   exploração   laboral   e,   agora,   colocad@s   na   iminência   de   serem   rejeitad@s  em  detrimento  dos  economicamente  mais  privilegiados  ou  especializados;   b)   à   repressão   criminalização,   e   estigmatização   d@s   imigrantes,   prestando   especial   atenção  à  vulnerabilidade  acrescida  que  enfrentam  as  mulheres,  assim  como  à  realidade   de   muit@s   jovens   descendentes   que,   nos   bairros,   continuam   a   sofrer   os   efeitos   da   guetização  e  da  exclusão.   c)  ao  poder  discricionário  e  a  política  das  expulsões  administrativas  que                    conferem  ao   SEF  o  direito  de  decidir  sobre  a  vida  de  milhares  de  cidadã/os  que  aqui  vivem  e  trabalham.   Assim,   no   próximo   dia   18   de   Dezembro,   Dia   Mundial   do   Migrante,   pelas   11h30,     vamos   entregar   ao   Excelentíssimo   Senhor   Provedor   de   Justiça,   uma   queixa   para   que   verifique   junto   do   Tribunal   Constitucional,   não   só   os   fundamentos   de   factos   e   de   juré   da   inconstitucionalidade   da   Lei   nº   29/2012,   bem  como  da  sua  ou  revogação  e/ou  suspensão.     Também  nesse  mesmo  dia  e  durante  a  tarde,  integrada  no  Dia  de  Ação  Global,  estas  mesmas  organizações   promovem,     no   Martim   Moniz(das   16   às   20h),   uma   ação   contra   o   racismo   e   pelos   direitos   d@s   migrantes,   d@s  refugiad@s  e  d@s  deslocad@s,  pela  sua  regularização  contra  as  expulsões,  os  centros  de  detenção  e   todo  o  tipo  de  discriminações.  
Associação dos Cubanos Residentes em Portugal/ Associação dos Naturais do Pelundo Residentes em Portugal/ Associação para a Cooperação entre os Povos/ Associação Lusofonia, Cultura e Cidadania/ Associação de melhoramentos e Recreativo do Talude/ Associação Solidariedade Imigrante/ Casa do Brasil/ Colectivo HABITA/ Colectivo Mumia Abu-Jamal/ Comunidária/ Diálogo e Acção/ FASCP/ Grupo de Teatro do Oprimido-Lx/ Marcha Mundial de Mulheres/ Moinho da Juventude/ Olho Vivo/ Plataforma Geto/ SOS Racismo/ Tavira Ilimitada

Lisboa, 18 Dezembro de 2012

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful