1

UNIVERSIDAD NACIONAL DE MISIONES

Facul tad de Humani dades y Ci enci as Soci al es







Curso Preparatóri o para o

I ngresso ao Professorado
em Português





Pr ofª. Car r at i ni , M ar ía A del ma
Pr ofª. Past or i , Cr i st i na Si l vi a
Pr ofª. A mabl e, M ar i a I nés (Revi são)




Posadas – Mi si ones
2009
(Edi ção ampl i ada)

Totalmente Organizado Pelo Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa


EDITORIAL UNIVERSITARIA




2















































3
As aut oras



Carrat ini, Maria Adhelma
Jornalist a, Perit o- Tradut ora, Professora de Port uguês formada na Faculdade de
Humanidades e Ciências Sociais da UNaM; Especialist a em Educação Superior e Mest re em
Docência Universit ária pela Universidade de Engenharia da UNaM. É professora nos cursos
da Tecnicat ura e Licenciat ura em Comunicação Social, na área de I diomas e minist ra a
disciplina Lit erat ura Brasileira no curso de Port uguês da Faculdade de Humanidades e
Ciências Sociais da UNaM. At ualment e é pesquisadora em proj et os de linguíst ica da UNaM.
mariacarrat @yahoo.com.br



Past ori, Crist ina Silvia
Perit o-Tradut ora, Professora de Port uguês graduada pela Faculdade de Humanidades e
Ciências Sociais da UNaM e Maest randa no Ensino da Língua e a Lit erat ura pela Faculdade
de Humanidades e Art es da Universidade Nacional de Rosario. Minist ra as disciplinas
Língua Port uguesa I I I e I V no curso de Port uguês da Faculdade de Humanidades e
Ciências Sociais da UNaM e desempenha-se t ambém como professora no proj et o de
ext ensão da Faculdade de Ciências Exat as, Químicas e Nat urais da UNaM. At ualment e é
pesquisadora da UNaM, na área de Língua Port uguesa.
crispadie@yahoo.com.ar



Amable, Maria I nés
Perit o-Tradut ora, Professora de Port uguês graduada pela Faculdade de Humanidades e
Ciências Sociais da UNaM e Maest randa no Ensino da Língua e a Lit erat ura pela Faculdade
de Humanidades e Art es da Universidade Nacional de Rosario. At ualment e minist ra as
disciplinas Compreensão e Produção Discursiva I I , Análise do Discurso e Produção de
Text os I e Seminário de Especialização para EGB1 e EGB2 no curso de Port uguês
Faculdade de Humanidades e Ciências Sociais da UNaM. Desempenha- se t ambém como
professora das disciplinas Port uguês I nst rument al Nível 1 e 2, nos cursos de Art es
Plást icas e Educação Tecnológica da Faculdade de Art es da UNaM. At ualment e é
pesquisadora de vários proj et os de invest igação da UNaM.
mariaines_amable@yahoo.com.ar



















4















































5
SUMÁRI O

APRESENTAÇÃO .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .

UNI DADE 1

Cumpriment os. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .
O alfabet o. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . ... . . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .
Classes de palavras. O art igo. .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . ... . . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .
Classes de palavras. O pronome. . . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. . . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .
Pronomes pessoais ( 1) . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . ... . . .. .. . .. .
Pronomes de t rat ament o. . . .. . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. .. . . .. .. . .. .
Classes de palavras. O verbo. .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . ... . . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . ..
Verbo SER. Present e do I ndicat ivo. . . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . . .. .. . .. .
Verbo ESTAR. Present e do I ndicat ivo. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. ... . . .. .. . .. .
Ort ografia. Acent uação: a sílaba t ônica. . . .. . .. . .. .. . .. . .. .. . . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .
Monossílabas. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . . .. .. . .. .
Acent o prosódico e acent o gráfico. . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. .. . . .. .. ... .
Anot e! Dias da semana. Meses do ano. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. .. . . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .
Regras de acent uação. . . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. ... . . .. .. . .. .



UNI DADE 2

Classes de palavras. A preposição. . . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. . .. ... . . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .
Locução preposit iva. .. . .. . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . . .. .. . .. .
Preposição + art igo. Combinação ou cont ração? .. . ..... . . .. .. . .. .
Classes de palavras. Pronomes pessoais ( 2) . Ret os e oblíquos. .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. . .. .
Dist inção ent re pronome e art igo. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . . .. .. . .. .
Formas pronominais. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . ... . . .. .. . .. .
Anot e! Part es do corpo. . . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .
Classes de palavras. Pronomes possessivos. . .. .. . .. . .. . .. . . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .
Pronomes demonst rat ivos. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . . .. .. . .. .
Anot e! Café da manhã. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . ... . . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .
Classes de palavras. Pronomes indefinidos. . . .. . .. . .. .. . .. . . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .
Pronomes reflexivos. . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. .. . . .. .. . .. .
Pronomes recíprocos. . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. . .. ... . . .. .. . .. .
Pronomes int errogat ivos. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. . .. ... . . .. .. . .. .
Pronomes relat ivos. .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . ... . . .. .. . .. .
Anot e! Almoço / Jant ar. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. . . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .
Classes de palavras. Verbos regulares. Modo I ndicat ivo. Present e Simples. .. . .. . .. . ..
Alguns verbos irregulares – Present e Simples. .. . .. .. . ... . . .. .. . .. .
Anot e! Roupas e acessórios. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .
Alguns verbos irregulares – Present e do I ndicat ivo. . ... . . .. .. . .. .
Anot e! As cores. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. .. . . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .
As frut as. .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .



UNI DADE 3

Classes de palavras. O subst ant ivo. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . ..
Flexão dos subst ant ivos. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . . .. .. . .. .
Gênero: masculino e feminino. Formação do feminino. . . .. . .. . .
Número: singular e plural. Formação do plural. . .. .. . .. .. . . .. .. ... .
Grau do subst ant ivo. . . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. . . .. .. . .. .
Classes de palavras. O adj et ivo. . .. . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. .. . . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . ..
Classificação do adj et ivo. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. .. . . .. .. . .. .
Colocação do adj et ivo. . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. .. . . .. .. . .. .
Flexão do adj et ivo. Gênero. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. ... . . .. .. . .. .
Número. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . . .. .. . .. .
Grau. Comparat ivo. Superlat ivo. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. .. . . .. .. . .. .
Locuções adj et ivas. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. . .. . . .. .. . .. .
Classes de palavras. O numeral. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .
Verbos regulares. Modo indicat ivo. Pret érit o Perfeit o Simples.
7



8
8
8
10
10
10
11
11
12
13
13
14
14
15





16
16
17
18
18
19
19
20
20
20
21
22
22
22
22
22
24
24
24
26
26
26





27
27
27
28
29
30
30
30
30
31
31
32
33
34




6
Anot e! Meios de t ransport e. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .
Alguns verbos irregulares – Pret érit o Perfeit o do I ndicat ivo. . .
Verbos regulares. Modo indicat ivo. Pret érit o I mperfeit o. . .. . .. .
Pret érit o Mais- Que-Perfeit o Simples.. . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. .. . . .. .. . .. .
Anot e! Quadro dos numerais. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. .. . . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .
Que horas são? . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. . . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . ..
Alguns adj et ivos pát rios referent es a est ados e cidades do Brasil. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. . .



UNI DADE 4

Classes de palavras invariáveis. O advérbio. .. . .. . .. . .. ... . . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .
Classificação dos advérbios e das locuções adverbiais. . . . .. . .. . .
Advérbios int errogat ivos. . . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . . .. .. . .. .
Graus do advérbio. .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. .. . . .. .. . .. .
Classes de palavras invariáveis. A conj unção. . . .. .. . .. . .. . . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .
Classificação das conj unções. . . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. .. . . .. .. . .. .
Classes de palavras invariáveis. A int erj eição. .. .. . .. . ... . . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . ..
Locuções int erj et ivas. . . .. . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . . .. .. . .. .
Classes de palavras. Verbos regulares. . .. . .. . .. .. . .. . .. . ... . . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .
Modo indicat ivo. Fut uro do Present e e Fut uro do Pret érit o. . . ..
Formas nominais do verbo. I nfinit ivo gerúndio e part icípio. .. .
Anot e! Expressões de t empo. .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. .. . . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .
Part es da casa. .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .
A mesa. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .



UNI DADE 5

Leit ura e produção de t ext o
Text o. Discurso. .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . ..
Discurso diret o, indiret o, indiret o livre. . . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. . . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .
A narração. Element os da narrat iva. . . .. . .. .. . .. . .. . .. . .. ... . . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . ..
A descrição. Descrição obj et iva e subj et iva. . .. . .. .. . .. . .. . . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . ..
Descrição de obj et os, pessoas, ambient es. . .. .. . .. . .. . .. .. . . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .
A dissert ação. Tít ulo, t ema e parágrafo. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . ..
A const rução de parágrafos. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .
Est rut ura da dissert ação. .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. .. . . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .
Resumo. . . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . ... . . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .



EXERCÍ CI OS DE APLI CAÇÃO

UNI DADE 1. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .
UNI DADE 2. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .
UNI DADE 3. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .
UNI DADE 4. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .
UNI DADE 5. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .



BI BLI OGRAFI A. .. . .. . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . ... . . .. .. . .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . .. .. . .. . .. . ..

34
35
35
36
38
39
39





40
40
40
41
41
42
43
43
44
44
45
46
46
46






47
48
49
51
52
53
54
55
57





62
65
72
77
81



90











7
APRESENTAÇÃO

O Curso Preparat ório para o I ngresso ao Professorado em Port uguês,
t ot alment e organizado pelo novo acordo da língua port uguesa, é uma publicação didát ica
dirigida a est udant es e professores do curso de Port uguês da Faculdade de Humanidades y
Ciências Sociais da UNaM.
Como professoras em at ividade na área da língua port uguesa, pudemos vislumbrar
a carência, no nosso dia- a- dia, de uma publicação prát ica e de fácil assimilação que
pudesse auxiliar os alunos calouros, num primeiro cont at o com a língua port uguesa.
Obedecendo a um est ilo simples, est e livro levará aos leit ores, dent ro da maior
prat icidade, à fácil compreensão de t odas as suas unidades. Nest e sent ido, empenhamo-
nos em organizá-lo de forma bast ant e t ransparent e, obj et iva e capaz de subsidiar os
int eressados na aprendizagem do PLE.
O reforço da aprendizagem acont ecerá t ambém nos Exercícios de Aplicação que
precedem ao desenvolviment o das 5 unidades.
Ë import ant e mencionarmos que est e guia será uma font e de consult a para
est udant es que necessit em assimilar conheciment os básicos, de maneira agilizada, mas,
de modo algum, esgot a as possibilidades de aprendizagem de cada aluno. Por isso,
j ulgamos essencial que o professor adapt e o mat erial, caso sej a necessário, para sat isfazer
as necessidades educacionais, int eresses e est ilos de aprendizagem de seus alunos.
Nós agradecemos seus coment ários e experiências ao usar est a publicação!

As aut oras
































8
UNI DADE 1

Cumpriment os

_ Olá alunos. Como vocês est ão?
_ Muit o bem, professora. E você?
_ Muit o bem, obrigada.

Out ros cumpriment os para encont ros e despedidas:

Bom dia! Boa t arde! Boa noit e! Bom fim de semana! Oi!
At é logo! At é mais! A gent e se vê. At é mais t arde. At é amanhã.


O alfabet o
1

Aa Bb Cc Dd Ee Ff Gg Hh I i Jj Kk Ll Mm
Nn Oo Pp Qq Rr Ss Tt Uu Vv Ww Xx Yy Zz

Para represent ar os fonemas da língua port uguesa precisamos usar, além das let ras do
alfabet o, o “ cê cedilha” ( Çç) que represent a na escrit a de det erminadas palavras, o
fonema / s/ ant es das let ras a, o, u.

Exemplos:
força abraço açúcar
coleção açougue
canção saudações

Usamos t ambém o t il (˜ ) sobre as vogais a, o ( ã, ố) para indicar os fonemas
2
vocálicos
nasais.

Exemplos:
limão – mamão – coração
limões – mamões – corações

Na língua port uguesa encont ramos vários dígrafos
3
, mas dois deles de nosso int eresse
agora.

nh= ñ ( eñe) do alfabet o espanhol. Ex: canha – carinho – unha
lh= ll ( elle) do alfabet o espanhol. Ex: folha – malha – filho


Classes de palavras

O art igo

O art igo é a palavra variável que ant ecede ao subst ant ivo e serve para det erminá-lo ou
indet erminá-lo.
A det erminação operada pelo art igo pode ser definida ou indefinida. Ou sej a, os art igos
podem ser definidos ( ideia conhecida) ou indefinidos (ideia desconhecida) .


1
Passa a ter 26 letras ao incorporar as letras “k”, “w” e “y” a partir de janeiro de 2009 segundo um protocolo assinado pelo
governo do Brasil. O protocolo aponta à unificação das duas ortografias da língua portuguesa – a de Brasil e a de Portugal -. A
reforma da língua portuguesa inclui outras mudanças.
Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/folha/educação/ult305u321373.shtml
2
“Fonema é a menor unidade de som capaz de estabelecer distinção entre duas palavras” PASCHOALIN & SPADOTO, 1989, p.
318.
3
Dígrafo:duas letras que representam um só fonema” PASCHOALIN & SPADOTO, 1989, p.320.




9

Artigos definidos Masculino Feminino
Singular o a
Plural os as


Artigos indefinidos Masculino Feminino
Singular um uma
Plural uns umas


Exemplos
Definidos ( ideia conhecida) I ndefinidos ( ideia desconhecida)







Aplicação

1.- Reconheça os art igos dos seguint es t rechos e observe como eles caract erizam de
forma diferent e os subst ant ivos a que se referem.

Texto 1
“Por outro lado, não tive intenção de
fazer de Macunaíma um símbolo
brasileiro. Mas ele não é o Brasileiro,
ninguém poderá negar que ele é um
brasileiro, e bem brasileiro por sinal”.
Fragmento de uma carta escrita
pelo escritor Mário de Andrade
ao crítico Augusto Meyer.
Texto 2
“Não foi um gol. Foi ‘o’ gol.”
Título de uma crônica de D.
Coimbra publicada por Zero
Hora em 1976.





2.- Preencha os espaços com o art igo adequado:

a) ______professor de I nglês est á na bibliot eca procurando ______ livro de lit erat ura.
b) _____ dout or est á at endendo _____ pacient e.
c) ____ língua port uguesa é ______ das línguas faladas na América Lat ina.
d) _____ brasileiro é ______ aut or do livro de gramát ica.
e) ____filha de Cecília é ______amor.
f) Comprei _____livros de cont os para ______ alunos da primeira série.
g) Trouxe _______revist as para resolver quest ões gramat icais.
h) Est ou lendo _______ novela muit o int eressant e. ______ personagens e ____
hist ória são reais.


a mesa as mesas uma mesa umas mesas
o livro os livros um livro uns livros




10
At enção:

O art igo definido acompanha O art igo definido não acompanha
nomes de países e cont inent es: nomes de cidades:

Países Continentes Cidades
O Brasil
Os Estados Unidos
O Japão
A Argentina
O Chile

Exceções:
Portugal / Cuba / Israel

Ex: Moro no Brasil.
Estudo na Argentina.
Nasci em Portugal.
A Ásia
A Europa
A América
A África





Ex: Maria mora na Europa.
Brasília
Posadas
Buenos Aires
Belo Horizonte
São Paulo

Exceções:
A Bahia / O Rio de Janeiro / O Cairo

Ex: Moro em Brasília.
Sou de Posadas.
Nasci no Rio de Janeiro.


Classes de palavras

O pronome
Pronomes pessoais ( 1)

Os pronomes pessoais fazem referência explícit a e diret a às pessoas do discurso.

Singular Plural
1ª pessoa eu nós
2ª pessoa tu (em algumas regiões do Brasil) vós
3ª pessoa ele / ela eles / elas



Pronomes de t rat amento

Os pronomes de t rat ament o são palavras ou expressões que funcionam como verdadeiros
pronomes pessoais, mas são ut ilizadas para designar o int erlocut or t ant o no t rat o formal
quant o no t rat o informal.

Pronome Emprego
O senhor / os senhores Trato respeitoso / formal
A senhora / as senhoras Trato respeitoso / formal
Senhorita Trato respeitoso (usado só para mulheres solteiras)
Você / vocês Trato familiar / informal
Vossa Alteza Príncipes, duques
Vossa Excelência Autoridades superiores (presidentes, ministros, deputados)
Vossa Magnificência Reitores das universidades




11
At enção!

As formas “você” e “vocês” empregadas frequent ement e na linguagem cot idiana e
usadas em muit as variedades do port uguês do Brasil, subst it uem a t u e vós, para
assinalar a segunda pessoa do discurso.
“Você” e “vocês” apesar de serem pronomes de 2ª pessoa, exigem o verbo na t erceira
pessoa.

Exemplos: O senhor é brasileiro?
A senhora est uda inglês?
Você chegou t arde!


Classes de palavras

O Verbo

Palavra que exprime ação, est ado ou fenômenos da nat ureza. É a palavra que admit e
conj ugação, indicando pessoa, número, t empo, modo e voz.

Exemplos: Maria olhou.  ação
Você está t rist e hoj e? ¬ est ado
Nest a cidade não chove.  fenômeno da nat ureza


Verbo SER - Present e do I ndicat ivo

Eu sou argent ina.
Tu és Brasileiro.
Ele é professor de espanhol.
Ela é loira.
Você é est udant e.
Nós somos amigos.
Vós sois primos?
Eles são universit ários.
Elas são loiras.
Vocês são vizinhos?


At enção!  e = conj unção que exprime relação de soma, de adição.

Exemplos: João pulava e grit ava.
Luciano comprou cadernos, livros, canet as e lápis.

é = 3ª pessoa singular do verbo “ ser” , t empo Present e do Modo I ndicat ivo.

Exemplos: Ele é francês.
Ela é brasileira.


Aplicação

Com é ou com e? Preencha os espaços.

“A beleza que reconhecemos na natureza ___ eterna. Ela dura enquanto durar a própria
natureza. Assim como o pôr-do-sol foi considerado belo por nossos antepassados, também
o _____ por nós ____ certamente será por nossos descendentes.




12
Mas, o que se considera belo entre os objetos____ as pessoas? De modo geral, os
critérios de beleza estão associados a uma cultura ____ época determinadas, isto ____,
estão associados à moda vigente.
Para os pintores renascentistas da Itália do século XV, por exemplo, uma mulher bonita
deveria ter formas arredondadas ____ corpo volumoso. Atualmente, a imagem feminina
ideal ____ a de uma pessoa magra ____ esguia.”
História da arte, Salvat, 1978, p. 230.


Verbo ESTAR - Present e do I ndicat ivo

Eu est ou cont ent e.
Tu est ás doent e.
Ele est á com saudade.
Ela est á com uma amiga.
Você est á t rist e.
Nós est amos em casa.
Vós est ais apressados.
Eles est ão doent es.
Elas est ão cansadas.
Vocês est ão com o professor.

Aplicação

1.- Escreva frases colocando em ordem as palavras abaixo.
a) que aí é está de carro João o / .........................................................................
b) não aluna sou professora sou eu/......................................................................
c) José são Pedro e irmãos /.................................................................................
d) somos com e estamos fome amigos nós /...........................................................

2.- Complet e com ser ou est ar.
a) Eu _______ argentina, elas ________brasileiras.
b) Cláudia _________ em casa; Maria, Lúcia e Raquel ___________ fora da cidade.
c) Os professores ___________ com pressa?
d) Susana e eu ______________ aqui para estudar.

3.- Use os verbos ser e est ar para complet ar o seguint e t ext o:
Juliana ____ brasileira. _______ em Misiones para estudar Genética. Chegou depois do Natal
e ________ contente com as novas amizades. Natália e Maura _______ duas meninas que
falam o mesmo idioma que Juliana e ________ em Posadas porque escolheram o
Professorado de Português para estudar.
Elas já ________ muito amigas, além de vizinhas. Natália ____ a melhor aluna do curso.
Maura, além de estudante, ______ uma boa esportista.






13
4.- Escreva cinco frases ut ilizando os verbos ser e est ar.
a) ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
b) ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
c) ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
d) ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
e) ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .


Ort ografia

Acent uação: a sílaba t ônica
Quando ut ilizamos a linguagem oral, pronunciamos cada sílaba das palavras com maior ou
menor grau de int ensidade. I sso nos permit e dist inguir a sílaba t ônica.



De acordo com a posição da sílaba t ônica, palavras de mais de uma sílaba são
classificadas em:
+ Oxít onas: quando a sílaba t ônica é a últ ima.

sa bi á
Ca xam bu

+ Paroxítonas: quando a sílaba t ônica é a penúlt ima.

re vól ver
ca pe la

+ Proparoxít onas: quando a sílaba t ônica é a ant epenúlt ima.

lâm pa da
rá pi do

Monossílabas: são as palavras com apenas uma sílaba; elas podem ser t ônicas ou
át onas.
Na frase: Sei que o rei é exigent e, t emos monossílabos t ônicos (sei/ rei/ é) e monossílabos
át onos ( que/ o) . As át onas precisam apoiar-se nas palavras ant eriores ou post eriores a
elas.
Sei que o...
Um mesmo monossílabo pode ser t ônico ou át ono, dependendo da classe gramat ical a que
pert ence.
Exemplos: Elas são muit o más, mas muit o int eligent es.

adj et ivo

conj unção

Dê um present e para ele. Ele gost a de receber present es.

verbo dar preposição

A sílaba t ônica é aquela que se dest aca por ser pronunciada com maior força
expirat ória. a- ba- ca- xi
A sílaba át ona é aquela que se caract eriza por uma pronúncia mais fraca. a- ba- ca- xi




14
Aplicação
a) Leia em voz alt a as palavras abaixo e a seguir, dest aque com um círculo a sílaba
t ônica de cada uma delas.














b) Copie as palavras do quadro na coluna correspondent e.


Oxít onas Paroxítonas Proparoxít onas

















Acent o prosódico e acent o gráfico

Todas as palavras de mais de uma sílaba t êm uma sílaba t ônica sobre a qual recai o
acent o prosódico ( o acent o da fala) .
Na escrit a, o acent o prosódico é assinalado pelo acent o gráfico ( o acent o da escrit a) , mas
est e não aparece em t odas as palavras j á que seu uso obedece a det erminadas regras.
São t rês os acent os gráficos:
( ´ ) agudo (` ) grave ( ^ ) circunflexo
> Anot e!









violoncelo – chateado – enxugar – revolucionário – decibéis – profissional
batuque – conselheiro – déspota – antibiótico – maiúscula – lemanjá – caminhão
vassoura – memória – areia – melodia – carreteiro – tulipa – infecção – treinador
bambolê – miudinho – distraído – vírus – álbum – também – climático – sozinho
Dias da semana
segunda- feira
t erça- feira
quart a- feira
quint a- feira
sext a- feira
sábado
domingo
Meses do ano
j aneiro
fevereiro
março
abril
maio
j unho

j ulho
agost o
set embro
out ubro
novembro
dezembro




15
Regras de acentuação
Damos aqui um quadro com as regras de acent uação que você poderá consult ar sempre
que necessário.

Oxítonas Paroxítonas Proparoxítonas
Acentuam-se os vocábulos
oxítonos terminados em:

a (s): sa-bi-á, es-tá
e (s): vo-cê, ca-fé
o(s): a-vó, a-vô
em: po-rém, tam-bém
ens: pa-ra-béns

Incluem-se nessa regra:

a) as formas verbais seguidas
dos pronomes átonos:
lo(s), la(s), no(s), na(s):
amá-lo, vendê-lo, repô-la,
retém-no

b) os monossílabos tônicos
terminados em:
a (s): chá, já
e (s): fé, três, mês
o (s): dó, pó, vós, nós





Acentuam-se os vocábulos
paroxítonos terminados em:

l: fá-cil, co-mes-tí-vel
n: í-on, e-lé-tron, hífen, pó-len
ns: í-ons, e-lé-trons
r: dó-lar, ca-rá-ter
x: lá-tex, ô-nix
ps: bí-ceps , fór-ceps
ã(s): ór-fã(s), ímã(s)
ão(s): ór-fão(s), bên-ção
i(s): tá-xi, sa-fá-ri, tê-nis
u(s): ví-rus, bô-nus
um: ál-bum, mé-dium
uns: ál-buns, médiuns

ditongos orais:
(seguidos ou não de s)
pás-coa, tú-neis, gló-ria

NÃO se acentuam os prefixos
terminados em i e em r.
semi-selvagem, super-homem

Os paroxítonos terminados em
ditongo nasal representado por
em.
fa-lem, hi-fens, i-tens
Acentuam-se todos os
vocábulos proparoxítonos.

lá-gri-ma, fô-le-go, mú-si-ca



Aplicação:

a) Coloque o acent o nas palavras a seguir:
traido – polemico – buscape – roseo – regua – olimpiadas – gaucho
b) Coloque o acent o nas palavras que o requeiram.
I. Os biologos franceses descobriram uma nova tecnica para combater o virus da
gripe.
II. Os pontos turisticos do Ceara atraem varios estrangeiros nos periodos de ferias.
III. Ha na bandeja canapes, sanduiches, pasteis e brioches.










16
UNI DADE 2

Classes de palavras

A preposição

Leia os t rechos a seguir:
“Nisto chegou Pombinha com Dona Isabel. Diz logo à entrada que Leónie
estava em casa do Alexandre, e a menina deixou a mãe um instante no
número 15 e seguiu sozinha para ali, radiante de alegria”.
Aluísio Azevedo, O Cortiço, IX.

Observe no t ext o acima que as preposições dest acadas est abelecem uma relação
ou nexo ent re out ras duas. “ ... chegou Pombinha com Dona I sabel” ( relação de
companhia) ; “ radiant e de alegria” ( relação de causa) .

Preposição é a palavra invariável que liga dois t ermos.

As preposições são:

Preposições Exemplos Preposições Exemplos
a
ante
após
até
com
contra
de
desde

Viajaram a Rio de Janeiro.
Ficou a rezar ante o altar maior.
Saiu após o sinal.
O menino correu até a esquina.
Maria chegou com fome.
Jogavam uns contra outros.
Saiu de casa bem cedo.
Não vejo Joaquim desde ontem.
em
entre
para (pra)*
perante
por (per)
sem
sob
sobre
trás **
A igreja está em ruínas.
Ficou entre os pais.
Estudou para vencer.
Estava aí, perante o rei.
Comprou por cem dólares.
Saiu sem dinheiro.
Viveu sob a tirania.
Falamos sobre política.

* “ pra” é a f orma coloquial, não deve ser usada na escrit a.
* * é desusada como preposição. Seu sent ido é de posição post erior. Hoj e é subst it uída por at rás, depois de.


Locução preposit iva: ocorre quando duas o mais palavras funcionam como preposição:
abaixo de
acima de
adiant e de
além de
ant es de
ao lado de
ao longo de
a par de
apesar de
at é a
at rás de
pert o de
de acordo com
dent ro de
depois de
diant e de
debaixo de
em frent e a
em lugar de
em favor de
graças a
em t orno de
em vez de
j unt o a
na cont a de
por causa de
por cima de
por t rás de
por meio de
et c.


Exemplos:
Est ou de acordo com a lei. / Examinou t udo antes de escurecer.
Espiou por cima do muro. / Caiu j unt o ao port ão da casa.






17
Aplicação

1.- I dent ifique as preposições.
a) Nada mais há entre mim e você.
b) Estou com vontade de sair e assistir a um filme.
c) As Associações de Bairro discutiram, em conjunto, sobre a instalação de novos postos de
saúde.
d) Desde sua volta não fiz nada.
e) De repente, senti-me perante um juiz, tantas eram as interrogações.
f) Nada fiz por ele.

2.- I dent ifique as locuções preposit ivas no seguint e t ext o:

“Passamos cerca de dois em terras paraguaias. Tudo estava de acordo
com o que havíamos combinado. Entretanto, recebemos um chamado urgente
de Marcela. Nossa viagem foi interrompida e viajamos em direção a Argentina
através de estradas mal conservadas.”

3.- Transcreva as preposições e as locuções preposit ivas.
a) “Os terrenos, descobertos por João Afonso de Cerqueira, bem de pressa foram reconhecidos
por auríferos.” (Carlos de Laet)
b) “Em rico estojo de veludo, pousado sobre uma mesa de charão, jazia uma flauta de prata.
Justamente por cima da mesa, numa gaiola, morava um sabiá.” (Coelho Neto)
c) “Acerca da pobreza de José Bonifácio, que não possuía mais de trinta mil réis, quando foi
preso e deportado, contarei uma anedota, que não será lida sem interesse.”
(Vasconcelos Drummond)


Preposição + art igo:
combinação ou contração?


Pode ocorrer a combinação ou cont ração da preposição com
out ras palavras.

Temos combinação quando a preposição se une a out ra
palavra sem perda dos seus element os fonét icos:
a + o = ao

Na cont ração ocorre a fusão, originando formas cont raídas:
de + o = do
em + o = no
por + o = pelo
a + a = à
de + o
a
os
as
=
=
=
=
do
da
dos
das
em + o
a
os
as
=
=
=
=
no
na
nos
nas
em + um
uma
uns
umas
=
=
=
=
num
numa
nuns
numas
por + o
a
os
as
=
=
=
=
pelo
pela
pelos
pelas
a + o
a
os
as
=
=
=
=
ao
à
aos
às



18
Aplicação

1.- I dent ifique as cont rações e as combinações das preposições com art igos present es no
seguint e t ext o:
“As enchentes são parcialmente causadas pela erosão de toneladas de solo que
são arrastadas para o fundo dos rios. É necessário preservar a cobertura vegetal a fim
de aprisionar a água da chuva. A floresta, além de absorver a água, evita a queda de
barreiras.”

2.- Faça as combinações/ cont rações:
“O lixo tem destino certo ______ (em+a) mãos ______ (de+o) artista plástico
potiguar Renato Medeiros. A partir de restos de plásticos, papel, penas de aves e
outros materiais recolhidos das ruas _____ (a+o) passar, ele produz acessórios que
são verdadeiras jóias ecológicas.” (Rev. Marie Claire)

Classes de palavras
Pronomes pessoais ( 2)
Ret os e oblíquos

Os pronomes eu, você, * ele, ela, nós, vocês, * * eles, elas funcionam com suj eit o da
oração. A esses pronomes do caso ret o correspondem pronomes de caso oblíquo que
podem apresent ar- se sob a forma t ônica ou sob a forma át ona e funcionam como
complement o.
Observe o quadro a seguir:










* t u ( usado em algumas regiões do Brasil) .
* * vós ( plural de t u) .

At enção: Na linguagem coloquial, o pronome nós é frequent ement e subst it uído pela
expressão “a gent e”.

Exemplo: Se não saímos agora, nós vamos chegar t arde.
Se não saímos agora, a gent e vai chegar t arde.



Dist inção ent re pronome e art igo

O, a, os, as são pronomes pessoais oblíquos quando subst it uem o subst ant ivo.
Exemplo: O livro é este aqui, eu o trouxe agora (o substitui o substantivo livro)
Retos Oblíquos átonos Oblíquos tônicos
1ª pessoa: eu
Singular 2ª pessoa: você, tu*
3ª pessoa: ele, ela
me
te
se, lhe, o, a
mim, comigo
ti, contigo
si, consigo
1ª pessoa: nós
Plural 2ª pessoa: vocês, vós
3ª pessoa: eles, elas
nos
vos
se, lhes, os, as
nós, conosco
vós**, convosco
si, consigo



19
O, a, os, as são art igos quando se referem a um subst ant ivo.
Exemplo: O livro é este aqui. (livro é substantivo definido pelo artigo o)

Formas pronominais

Os pronomes o, a, os, as adquirem as seguint es formas:
a) lo, la, los, las, quando associados a verbos t erminados em r, s, z.
encont ra( r) + o ¬ encont rá- lo
encont ramo( s) + a ¬ encont ramo- la
fe( z) + as ¬ fê- las

b) no, na, nos, nas, quando associados a verbos t erminados em som nasal.
encont raram + o ¬ encont ram- no
põem + a ¬ põem- nas

Aplicação

1.- I nforme a que pessoas do discurso pert encem os pronomes pessoais dest acados. Siga
o modelo:
Apesar da busca, eu não o encontrei. (eu: 1ª p. sing. / o: 3ª p. sing.)
a) Eles nos aguardavam com ansiedade.
b) A saudade lhe trazia insegurança e tristeza.
c) Pediram-me o impossível.
d) Nada mais existe entre mim e ele.

2.- Classifique o, a, os, as como art igos ou pronomes. Siga o modelo:
As meninas? Eu não as vi. (artigo / pronome)
a) Os direitos não são iguais se as oportunidades são diferentes.
b) Encontrei-a triste porque o cachorrinho estava doente.
c) Acabou o tempo em que a mulher era educada para sonhar e o homem para trabalhar.
d) Meu relógio não estava aí. Procurei-o por todos os cantos da casa, mas não o encontrei.

> Anot e!






Part es do corpo
cabeça, cabelo, rost o, sobrancelhas, olho,
nariz, boca, dent es, língua, orelha, queixo,
pescoço, ombro, umbigo, barriga, braço,
cot ovelo, mão, dedos, unhas, perna, j oelho,
t ornozelo, pé, dedos do pé, calcanhar.



20
Classes de palavras

Pronomes possessivos

Dão ideia de posse de algo ( coisa possuída) , além de indicarem a pessoa gramat ical
( possuidor) :
Exemplo: Eu reagi quando tocaram meu braço.
possuidor: 1ª pessoa do singular

Vej a a seguir quais são os pronomes possessivos:






* uso do tu / vos


Pronomes demonstrat ivos

São palavras que indicam, no espaço ou no t empo, a posição de um ser em relação às
pessoas do discurso.



Posição
no
espaço
Este caderno (aqui) é meu.
Este: indica o caderno próximo da pessoa que fala.

Esse caderno (aí) é seu.
Esse: indica o caderno próximo da pessoa que ouve.

Não sabemos de quem é aquele caderno. (lá / ali)
Aquele: indica o caderno distante de ambas as pessoas.


Posição
no
tempo
Este ano está sendo bom para nós.
Este: referindo-se ao ano presente.

Esse ano que passou foi bom.
Esse: referindo-se a um passado próximo.

Aquele ano foi terrível para todos.
Aquele: referindo-se a um passado distante.

Variáveis
este, esta, estes, estas
esse, essa, esse, essas
aquele, aquela, aqueles, aquelas
Invariáveis
isto
isso
aquilo

> Anot e!



Pessoa Singular Plural
1ª pessoa:
2ª pessoa:

3ª pessoa:
meu, minha, meus, minhas
teu, tua, teus, tuas*
seu, sua, seus, suas
seu, sua, seus, suas
nosso, nossa, nossos, nossas
vosso, vossa, vossos, vossas*

seu, sua, seus, suas
Café da manhã
café com leit e, pão com mant eiga, bolachas, biscoit os, pão de queij o, t orrada com
geleia ou pat ê, presunt o, queij o prat o, mort adela, sucos de frut a, iogurt e, et c.



21
Aplicação

1.- I dent ifique os pronomes possessivos.
a) Seus livros estão bem cuidados.
b) Nossas intenções eram as melhores.
c) “Seus olhos verdes ali estavam, firmes, fincados no centro do rosto e do espelho”.
(Edson Gabriel García)
d) “Quando a gente saiu, meu estômago doía feito doido. Acho que era do sorvete”.
(Álvaro Cardoso Gomes)

2.- I dent ifique os pronomes demonst rat ivos.
a) Admirava aquele homem que passava todos os dias, curvo de cansaço.
b) Isto é tudo o que possuo.
c) Aquela era uma música que saía do baú da vovó.
d) Ana tinha essa mania de remexer as gavetas.

3.- Copie as frases a seguir, subst it uindo os ♣ pelos pronomes demonst rat ivos est e, esse,
aquele ( ou flexões)
a) José de Alencar e Castro Alves foram os que mais sobressaíram na época romântica; ♣ na
prosa; ♣ na poesia.
b) Guarde bem ♣ palavras que acabo de dizer.
c) ♣ mala que trago comigo pertence ao Fernando.
d) Anote ♣ recomendações.

Classes de palavras
Pronomes indefinidos

Referem- se à 3ª pessoa, de modo vago ou indet erminado.

Variáveis Invariáveis
algum, nenhum, todo, outro, muito, pouco,
certo, tanto, quanto, qualquer, diverso, um,
qual, bastante. (e variações)
algo, alguém, nada, ninguém,
tudo, cada, outrem, quem,
mais, menos, demais.
Exemplos: Cert as pessoas não sabem o que dizem.
Muit os t rabalham, poucos, porém, recebem bons salários.
Uns chegam, out ros saem.








22
Pronomes reflexivos

São os pronomes oblíquos me, t e, se, si, consigo, nós e vós quando significam a mim
mesmo, a t i mesmo, a nós mesmos, et c.

Exemplos: Eu me vest i rapidament e.
Ele promet eu a si mesmo que não o faria mais.
Lúcia foi honest a consigo mesma.


Pronomes recíprocos

São os pronomes oblíquos nos, vos e se quando t raduzem a idéia de um a out ro, de uns
a out ros indicando, port ant o, reciprocidade.

Exemplos: Eles se beij aram.
Nós nos cumpriment amos.
Todos se abraçaram.


Pronomes interrogat ivos

São os pronomes indefinidos que, quem, qual e quanto, empregados em int errogações
diret as ou indiret as.

Exemplos: Quantos chegaram?
Quem será o vencedor?
Quanto cust a esse livro?


Pronomes relat ivos

Referem- se a um nome ant ecedent e, a um t ermo j á expresso.
Vej a o quadro a seguir, os pronomes relat ivos:

Variáveis Invariáveis
o qual, cujo, quanto que, quem, onde

Exemplos: Recebeu os livros que esperava.

Visit arei a casa onde ela mora.
> Anot e!












Almoço / Jant ar
Ent radas: siri na casca, bolinho de bacalhau, sardinhas em conserva, salada de
alface, bet erraba, t omat es, cenoura, bat at as, salada mist a, et c.
Prat o principal: Arroz com feij ão, churrasco, frango, lombo à mineira, filé com
frit as, frut os do mar, carne frit a na panela, bife de cebolada, frango desossado,
arroz branco, et c.
Sobremesas: frut as frescas, pudins, sorvet es, bolos, et c.
Bebidas: refrigerant es, sucos, cervej a, vinho t int o/ branco, água mineral,
caipirinha, uísque com gelo, bat idas, et c.



23
Aplicação

1.- Copie os pronomes e classifique- os seguindo o exemplo:
“Lia-os todos numa ânsia que era quase febre. Gostava de saber coisas e era ele quem, muitas
noites, contava aos outros histórias de aventureiros, de homens do mar...” (Jorge Amado)

os: pronome pessoal oblíquo
todos: pronome indefinido
que: pronome relativo
ele: pronome pessoal reto
quem: pronome indefinido
muitas: pronome indefinido
outros: pronome indefinido


a) Ninguém imaginava que, alguns anos depois, ele ajudaria nas campanhas.
b) Exibia seu anel, cheia de vaidade, para todas as pessoas.
c) Verifique quem deixou isso sobre a minha mesa.
d) Quais documentos registram meus direitos? Nada mais poderá ser feito?

2.- Reescreva as frases subst it uindo as expressões dest acadas pelos pronomes o( s) , a ( s) ,
lhe ( s) .
Exemplo: A dona de casa começou a aguar os vasos.
A dona de casa começou a aguá-los.
a) Os convidados experimentavam os coquetéis com aprovação.
b) Depois de jantar, o menino pediu a sobremesa à mãe.
c) A notícia fez a família muito feliz.
d) Os fiéis ouviam o sino ao longe.

3.- Copie subst it uindo ♣ com os pronomes o( s) , a( s) , lhe(s) :
a) A empregada ofereceu-♣ toda a sorte de guloseimas.
b) Segui o carro por muitos metros, observei-♣, mas nada pude fazer.
c) Respondeu-♣ imediatamente, bastante colérica.
d) Amava-♣ por sua bondade e caráter.

4.- Copie empregando um pronome demonst rat ivo onde há ♣
a) ♣ amanhã assinarei um contrato com uma grande empresa, ♣ possui agências em vários
países.
b) ♣ oportunidade, naquela época, pareceu-me fabulosa, entretanto vejo hoje que ♣ é a minha
melhor chance.
c) Foi ♣ o instante mais sublime de nossas vidas.
d) ♣ documentos foram adulterados, mas ♣ no arquivo estão perfeitos.




24
Classes de palavras

Verbos Regulares
Modo I ndicat ivo - Present e Simples

Observe o Present e do indicat ivo de alguns verbos regulares.

1ª Conjugação: TOM-AR 2ª Conjugação: VIV-ER 3ª Conjugação: PART-IR
Eu
Tu
Ele/ela
Você
Nós
Vós
Eles/elas
Vocês
tom-o
tom-as
tom-a
tom-a
tom-amos
tom-ais
tom-am
tom-am

Eu
Tu
Ele/ela
Você
Nós
Vós
Eles/elas
Vocês
viv-o
viv-es
viv-e
viv-e
viv-emos
viv-eis
viv-em
viv-em

Eu
Tu
Ele/ela
Você
Nós
Vós
Eles/elas
Vocês
part-o
part-es
part-e
part-e
part-imos
part-is
part-em
part-em

radical terminações radical terminações radical terminações


Alguns verbos irregulares – Present e Simples

Observe o Present e do indicat ivo de alguns verbos irregulares.

1ª Conjugação: D-AR 2ª Conjugação: TRAZ-ER 3ª Conjugação: PREFER-IR
Eu
Tu
Ele/ela
Você
Nós
Vós
Eles/elas
Vocês
d-ou
d-ás
d-á
d-á
d-amos
d-ais
d-ão
d-ão

Eu
Tu
Ele/ela
Você
Nós
Vós
Eles/elas
Vocês
trag-o
traz-es
traz
traz
traz-emos
traz-eis
traz-em
traz-em
Eu
Tu
Ele/ela
Você
Nós
Vós
Eles/elas
Vocês
prefir-o
prefer-es
prefer-e
prefer-e
prefer-imos
prefer-is
prefer-em
prefer-em
radical terminações radical terminações radical terminações


Agora, ponha at enção aos dois quadros:
No primeiro: os verbos seguem um modelo de conj ugação, não alt eram o seu radical
nem suas t erminações. Esses verbos são chamados de regulares.
No segundo: os verbos não seguem um modelo de conj ugação; sofrem alt erações no
radical ou nas t erminações. Esses verbos são irregulares.
> Anot e!








Roupas e acessórios
camisa, calça, meia, cueca, vest ido, blusa, saia, calcinha,
bermuda, short , calção ( de banho), maiô, biquíni,
camiset a, t erno, colet e, palet ó, casaco, j aquet a, capa,
sapat o, bot a, sandália, chinelo, t ênis, cint o, chapéu,
boné, guarda- chuva, relógio, pulseira, colar, anel.



25
Aplicação

1.- Complet e as frases com os verbos adequados no present e do indicat ivo ( t rabalhar,
t omar, gost ar de, est udar, falar, conversar)
a) Patrícia e seu amigo ______________ para o exame.
b) Eles ________________ tirar 10.
c) Minha avó _____________ o remédio todos os dias.
d) Nós ________________ inglês e francês.
e) Há mais de uma hora que elas _______________ sobre o mesmo tema.
f) Você _____________ numa loja?

2.- Complet e as frases com os verbos adequados no present e do indicat ivo ( receber,
responder, beber, vender, correr, escrever)
a) Jose só _______________ vinho argentino.
b) Maria _______________ uma carta da Alemanha.
c) João e Carlinho _______________ para tomar o ônibus.
d) Eu _______________ uma carta para minha amiga.
e) Ele _______________ sua casa para comprar um apartamento.

3.- Complet e as frases com os verbos adequados no present e do indicat ivo ( abrir, discut ir,
permit ir, reunir, part ir, assist ir, decidir)
a) Minha mãe _______________ à novela das oito.
b) O ministro de Educação _______________ o reajuste salarial dos professores.
c) O Presidente do Clube _______________ a assembléia às oito horas.
d) A zeladora do prédio não _______________ a entrada de pessoas estranhas.
e) Meus pais _______________ hoje para Paris.
f) Patrícia _______________ suas amigas na sua casa.
g) Os colonos _______________ o preço do milho.
h) Este exame _______________ meu futuro.

4.- Preencha as lacunas com a forma verbal que falt a no present e do indicat ivo.
a) Eu competi muitas vezes, mas agora não _______________ mais.
b) Eu sempre te ouvi, mas agora não te _______________mais.
c) Eu sempre pedi o que quis, mas agora não _______________ mais.
d) Eu já perdi, mas agora não _______________ mais.
e) Eu sempre revi as provas e ainda as_______________.



26
Alguns verbos irregulares – Present e do I ndicat ivo
( eu, t u, ele/ ela, você, nós, vós, eles/ elas, vocês)

Ter
Ir
Pedir
Perder
Poder
Pôr
Querer
Ver
Fazer
Dizer
Vir
Ouvir
Dormir
Sair
Subir
Fugir
Passear
Saber
Tenho, tens (tu), tem, tem, temos, tens (vós), têm, têm
Vou, vais (tu), vai, vai, vamos, ides (vós), vão, vão
Peço, pedes (tu), pede, pede, pedimos, pedis (vós), pedem, pedem
Perco, perdes (tu), perde, perde, perdemos, perdeis (vós), perdem, perdem
Posso, podes (tu), pode, pode, podemos, podeis (vós), podem, podem
Ponho, pões (tu), põe, põe, pomos, pondes (vós), põem, põem
Quero, queres (tu), quer, quer, queremos, quereis (vós), querem, querem
Vejo, vês (tu), vê, vê, vemos, vedes (vós), veem, veem
Faço, fazes (tu), faz, faz, fazemos, fazeis, fazem, fazem
Digo, dizes (tu), diz, diz, dizemos, dizeis (vós), dizem, dizem
Venho, vens (tu), vem, vem, vimos, vindes (vós), vêm, vêm
Ouço, ouves (tu), ouve, ouve, ouvimos, ouvis (vós), ouvem, ouvem
Durmo, dormes (tu), dorme, dorme, dormimos, dormis (vós), dormem, dormem
Saio, sais (tu), sai, sai, saímos, saís (vós), saem, saem
Subo, sobes (tu), sobe, sobe, subimos, subis (vós), sobem, sobem
Fujo, foges (tu), foge, foge, fugimos, fugis (vós), fogem, fogem
Passeio, passeias (tu), passeia, passeia, passeamos, passeais (vós), passeiam, passeiam
Sei, sabes (tu), sabe, sabe, sabemos, sabeis (vós), sabem, sabem



> Anot e!

















As cores
azul – verde – amarelo – laranj a
vermelho – pret o – branco – violet a
cinza – marrom – rosa
As frut as
maçã – banana – abacaxi – limão
pêssego – uva melancia – melão
manga – laranj a – t angerina
morango – pêra – coco
figo – caj u – maracuj á



27
UNI DADE 3

Classes de palavras

O subst ant ivo

O subst ant ivo equivale ao nome das coisas, mas o reconheciment o do subst ant ivo fica
mais seguro por um crit ério sint át ico, que se baseia na palavra dent ro da frase.
“ ... Minha t erra t em palmeiras
Onde cant a o sabiá” .
Em Canção do exílio de Gonçalves Dias

É subst ant ivo a palavra que pode ent rar numa dest as lacunas:
O........... ...... ..
A............. ......
Os............ .....
As.............. ...
Um .................. .
Uma .................
Uns .............. ....
Umas ............. ...
Est e.............. ...
Est a ............... .
Est es...............
Est as.............. .
Meu ................ ...
Minha ................ .
Meus ..................
Minhas ...............


Do pont o de vist a semânt ico, ist o é, considerando a significação, o subst ant ivo pode ser:
 Concreto: nomeia um ser que tem existência própria: terra, palmeira.
 Abstrato: dá nome a um ser cuja existência depende de outro, como sensações, estados de
espírito, qualidades: beleza, medo, nostalgia.
 Comum: nomeia seres da mesma espécie: palmeira, sabiá.
 Próprio: denomina um ser particular da espécie: Luís, México.
 Coletivo: nomeia um conjunto visto como unidade: cacho, biblioteca.
 Simples: é formado por um único radical: palmeira, terra.
 Composto: é formado por mais de um radical: girassol, guarda-chuva.
 Primitivo: não é derivado de nenhuma outra palavra da língua portuguesa: pedra, cabeça.
 Derivado: é formado com base em outra palavra da língua portuguesa: pedreira, cabeçada.


Flexão dos subst ant ivos

Os subst ant ivos podem variar em gênero, número e grau.


Gênero: masculino e feminino
Formação do feminino

1.- Regra geral: t roca- se o por a ou acrescent a- se a:
advogado / advogada; juiz / juíza; camponês / camponesa




28
2.- Regras especiais:
a) Palavras t erminadas em –or  - ar,-t riz,-eira:
embaixador / embaixadora; ator / atriz; lavador / lavadeira
b) Palavras t erminadas em –ao  - ã, - ao, - ona:
campeão / campeã; leão / leoa; folião / foliona
c) Vocábulos t erminados em –e  - a:
chefe / chefa; mestre / mestra
d) Emprega- se - esa, essa ou isa
barão / baronesa; abade / abadessa; profeta / profetisa
e) Emprega- se uma palavra feminina com radical diferent e:
pai / mãe; homem / mulher; cavalo / égua

Número: singular e plural
Formação do plural

1.- Regra geral: acrescent a- se s: casa / casas.
2.- Regras especiais, para vocábulos t erminados em:
a) –r, –z , –n  –es: lar / lares; j uiz / j uízes; hífen / hífenes ou hífens.
b) –al, –el, –ol, –ul  –is: animal / animais; papel / papéis; anzol / anzóis;
azul / azuis.
c) –il ( paroxít onos) :  eis: fóssil / fósseis; difícil / difíceis.
d) –il ( oxít onos)  –s: barril / barris.
e) –m  –ns: armazém / armazéns.
f) –ao  –ãos, –ões, –ães: órgão / órgãos; balcão / balcões; capit ão / capit ães.
g) –s ( oxít onos e monossílabos)  –es: burguês / burgueses; mês / meses.

Observações:
1.- São invariáveis: o pires / os pires; o lápis / os lápis; o ônibus / os ônibus; e os
subst ant ivos t erminados em x como o t órax / os t órax; o lát ex / os lát ex.
2.- Alguns subst ant ivos t erminados em -ão apresent am mais de um plural:
aldeão: aldeões / aldeães / aldeãos
anão: anões / anãos
vilão: vilães / vilões
3.- Há subst ant ivos que mudam de sent ido quando são usados no plural:
Sua volt a foi um bem para a família. ( felicidade
Casaram- se com separação de bens. ( pat rimônio)
O operário recebeu a féria do mês. ( salário)
Passei as férias no campo. ( período de descanso)






29
Grau do subst ant ivo









Aplicação

1.- Reescreva as frases abaixo passando- as para o feminino e faça as modificações
necessárias.
a) O cidadão fez pouco caso das palavras do profeta.
b) O promotor não poupou as palavras contra o réu.
c) O embaixador acaba de ser recebido pelo ministro.
d) O patrão era muito autoritário.

2.- Reescreva as frases abaixo passando- as para o plural e faça as modificações
necessárias.
a) Encomendamos o anel ao hábil ourives.
b) Havia mamão e melão na fruteira.
c) O juiz analisou a raiz do problema.
d) A opinião dele sobre a eleição era bastante variável.

3.- Leia o t ext o a seguir:
Peixe Para Depressão
“Estudo da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, com
30 pacientes maníaco-depressivos mostrou que a ingestão de
peixes diminui a depressão.
Os doentes que ingeriram cápsulas com óleo de peixe
mostraram alivio nos sintomas da doença, enquanto os que
receberam placebo continuaram deprimidos.”
Revista IstoÉ, 26 de maio de 1999.

a) Ret ire do t ext o: dois subst ant ivos comuns, abst rat os, próprios e derivados.




Aumentativo Diminutivo
Forma analítica
casa grande
boca grande
casa pequena
boca pequena
Forma sintética
casarão
bocarra
casinha
boquinha



30
Classes de palavras
O adj et ivo
“ Cabelos molhados,
sol encharcado,
pele salgada,
vent o nos olhos,
areia nos pés. ”
Teles, Carlos Queiroz. Sonhos, grilos e paixões. S. P: Moderna, 1995.

As palavras molhados, encharcado, salgada dos versos acima, foram usadas para
caract erizar os subst ant ivos cabelos, sol e pele respect ivament e. As palavras que
cumprem essa função são chamadas de adj et ivos.

Do ponto de vist a semânt ico, o adj et ivo é a palavra que qualifica o subst ant ivo
at ribuindo-lhe caract eríst icas.

Do ponto de vist a morfológico, o adj et ivo admit e flexões de gênero, número e grau.



Classificação do adj et ivo

Os adj et ivos apresent am formas diferent es e podem ser classificados em:
 Simples – adjetivos formados por uma única palavra: estrelas brancas; homem rico.
 Compostos – adjetivos formados por mais de uma palavra: estrelas azul-claras;
ponte argentino-paraguaia.
 Primitivos – adjetivos que dão origem a outras palavras: patrão atual; menino triste.
 Derivados – adjetivos formados de um adjetivo, substantivo ou verbo, por meio da colocação
de afixos (prefixos e sufixos): comercio ilegal; água gasosa.
 Pátrios ou gentílicos – adjetivos empregados para indicar procedência ou nacionalidade:
escritor brasileiro; moda francesa.



Colocação do adj et ivo

Leia os exemplos:
O menino aj udou a pobre mulher.
O menino aj udou à mulher pobre.

Na primeira frase, o adj et ivo pobre, colocado ao lado do subst ant ivo mulher, expressa
“ piedade” , ” compaixão” ; na segunda frase, o adj et ivo, vindo depois do subst ant ivo,
significa “ miserável” , “sem recursos” .
O sent ido do adj et ivo depende, port ant o, de sua colocação na frase.



Flexão do adj et ivo

1.- Gênero
A formação do gênero e número do adj et ivo é análoga à dos subst ant ivos:
lindo – linda; bom – bons.




31
Os adj et ivos, segundo o gênero, classificam-se em:
Uniformes Biformes
Têm uma única forma para o masculino e o
feminino:
homens arrogantes / mulheres arrogantes
aluno inteligente / aluna inteligente
café paulista / mulher paulista
exemplo comum / solução comum
Flexionam-se mediante a troca da vogal o pela vogal
a ou com o acréscimo da vogal –a, no final da
palavra.
momento apropriado / hora apropriada
Atenção:
 Normalmente, acrescenta-se –a às terminações –
u, –ês, –or:
cru / crua, inglês / inglesa, doutor / doutora
Há exceções (alguns não se flexionam em gênero):
hindu, cortês, montês, pior, melhor, maior.
 Os adjetivos terminados em eu, trocam eu por
eia: europeu / europeia, ateu / ateia



2.- Número
Simples Composto
São os adjetivos que concordam com os
substantivos a que se referem:
sofá azul / sofás azuis
sapato macio / sapatos macios
Apenas o último elemento varia:
histórico-geográfico / histórico-geográficos
latino-americano / latino-americanos
Observações:
Os adjetivos compostos referentes a cores
são invariáveis quando o segundo elemento é
um substantivo:
papéis azul-piscina, lentes verde-garrafa



Grau
Os adj et ivos apresent am duas variações de grau: comparat ivo e superlat ivo.

O grau comparat ivo: ocorre quando se est abelece uma relação de qualidade ent re dois
element os. Pode ser de igualdade, de superioridade e de
inferioridade.

O grau superlat ivo: ocorre quando se dest aca uma qualidade de um element o, no grau
mais elevado (superlat ivo absolut o) ; ou se relaciona uma
caract eríst ica ent re um conj unt o de element os (superlat ivo relat ivo)

O superlat ivo absolut o pode ser:
* Sint ét ico: acrescent am-se ao adj et ivo os sufixos: - íssimo/ a, -
rimo/ a, - imo/ a.
O filme est ava int eressant íssimo.
O livro do escrit or peruano t ornou- o celebérrimo.
A discussão est á em uma fase dificílima.
* Analít ico: colocam-se advérbios de int ensidade (muit o, bast ant e,
ext remadament e, et c.) ant es dos adj et ivos.
É um período muit o inst ável.
A at it ude do menino foi bastant e elogiada.



32
O superlat ivo relat ivo pode ser:
* De superioridade: o ( a) mais ( adj et ivo) de. Dest aca a qualidade
no grau superior mais int enso.
João é o mais alt o da t urma.
Ana é a mais bela das irmãs.
* De inferioridade: o ( a) menos ( adj et ivo) de. Dest aca a qualidade
no grau inferior mais int enso.
Essa escrit ora foi a menos conhecida do Congresso.
O dia de ont em foi o menos frio do mês.

Em resumo:


Comparativo
de igualdade
de superioridade
de inferioridade
A casa é tão valiosa quanto o apartamento.
A casa é mais valiosa do que o apartamento.
A casa é menos valiosa do que o apartamento.

Superlativo

absoluto
sintético

analítico
O apartamento é valiosíssimo.

O apartamento é muito valioso.

relativo
de superioridade

de inferioridade
Esta é a mais valiosa de todas.

Esta é a menos valiosa de todas.


Observações:
Há cert os adj et ivos que apresent am uma forma especial no comparat ivo e no superlat ivo.
Observe:

Adjetivo
Comparativo de
superioridade
Superlativo
Absoluto Relativo
bom melhor ótimo o melhor
mau Pior péssimo o pior
grande Maior máximo o maior
pequeno menor mínimo o menor


Locuções adj et ivas

As expressões de valor adj et ivo, formadas por preposição e subst ant ivo recebem o nome
de locuções adj et ivas. Est as, geralment e, podem ser subst it uídas pelo adj et ivo
correspondent e.
Vej amos algumas:




expressão do corpo = expressão corporal
higiene da boca = higiene bucal
criança com fome = criança faminta
tarefa de professor = tarefa docente
aspecto de fogo = aspecto ígneo
margens de rio = margens fluviais



33
Classes de palavras
O numeral
“Certa noite, três pessoas estavam reunidas à volta de uma mesa, num
aposento no terceiro andar da mesma casa. Três cadeiras, uma mesa e
uma vela acesa sobre ela constituíam-lhe toda a mobília”.
Henri, O. “Caminhos do destino””, in: Histórias de aventuras
São Paulo: Ática, 1998, p. 25.

Numeral é a palavra que indica quant idade (t rês pessoas) ou a ordem que se ocupa
numa série ( t erceiro andar)

Os numerais admit em flexão de gênero e número em algumas de suas formas:
Exemplo: dois meninos / duas meninas
primeiro passo / primeiros passos
Funcionam como subst ant ivo ou como adj et ivo:
Exemplo: Os cinco chegaram j unt os.
Ela é a primeira princesa.
O numeral pode ser:

Cardinal designa a quantidade exata de seres. quatro, seis, dez, cem.
Ordinal designa a ordem que o ser ocupa numa série. quarto, sexto, décimo.
Multiplicativo designa uma multiplicação. quádruplo, sêxtuplo, cêntuplo.
Fracionário designa uma divisão ou fração. meio, quarto, sexto, centésimo.

Aplicação
1.- Dest aque e classifique os adj et ivos das frases a seguir.
a) O primo de Patrícia tem o corpo forte.
b) Já não sou uma criança pequena.
c) Ele gosta de mulher loira.
d) O livro do autor francês é melhor do que a novela inglesa.

2.- I dent ifique o grau dos adj et ivos das frases a seguir.
a) Zeca é tão esforçado quanto Pedro.
b) Aquela casa é a mais bonita da vila.
c) Esta viga é a menos resistente de todas.

3.- Subst it ua as locuções adj et ivas pelos adj et ivos correspondent es, nas seguint es frases.
a) A reunião de professores ficou marcada para amanhã.
b) A energia do sol e a energia do vento são usadas para gerar eletricidade.
c) Refugiava-se num mundo de sonhos.
d) As águas do rio permitem a navegação.



34
4.- Classifique os numerais dest acados nas frases seguint es.
a) Mal deu o primeiro passo, desistiu.
b) José chegou meia hora atrasado.
c) Pagou o dobro do valor da casa.
d) A biblioteca completou uma década.

5.- Escreva por ext enso os seguint es numerais cardinais:
a) 73
b) 3.846.653
c) 786.453
d) 4.908.311

Verbos regulares
Modo indicat ivo - Pret érit o Perfeito Simples

O Pret érit o Perfeit o exprime um fat o concluído em relação ao moment o em que se fala.
Observe o Pret érit o Perfeito de alguns verbos regulares.

1ª Conjugação: TOM-AR 2ª Conjugação: VIV-ER 3ª Conjugação: PART-IR
Eu
Tu
Ele/ela
Você
Nós
Vós
Eles/elas
Vocês
tom-ei
tom-aste
tom-ou
tom-ou
tom-amos
tom-astes
tom-aram
tom-aram

Eu
Tu
Ele/ela
Você
Nós
Vós
Eles/elas
Vocês
viv-i
viv-este
viv-eu
viv-eu
viv-emos
viv-estes
viv-eram
viv-eram

Eu
Tu
Ele/ela
Você
Nós
Vós
Eles/elas
Vocês
part-i
part-iste
part-iu
part-iu
part-imos
part-istes
part-iram
part-iram

radical terminações radical terminações radical terminações






> Anot e!










Meios de t ransport e
carro – avião – t rem – barco –
ônibus – biciclet a – caminhão –
caminhonet e



35
Alguns verbos irregulares – Pret érit o Perfeit o do I ndicat ivo
( eu, t u, ele/ ela, você, nós, vós, eles/ elas, vocês)

Ser
Estar
Ter
Ir
Pedir
Perder
Poder
Pôr
Querer
Ver
Fazer
Dizer
Trazer
Vir
Ouvir
Dormir
Sair
Subir
Fugir
Preferir
Dar
Saber
Fui, foste (tu), foi, foi, fomos, fostes (vós), foram, foram
Estive, estiveste (tu), esteve, esteve, estivemos, estivestes (vós), estiveram, estiveram
Tive, tiveste (tu), teve, teve, tivemos, tivestes (vós), tiveram, tiveram
Fui, foste (tu), foi, foi, fomos, fostes (vós), foram, foram
Pedi, pediste (tu), pediu, pediu, pedimos, pedistes (vós), pediram, pediram
Perdi, perdeste (tu), perdeu, perdeu, perdemos, perdestes (vós), perderam, perderam
Pude, pudeste (tu), pôde, pôde, pudemos, pudestes (vós), puderam, puderam
Pus, puseste (tu), pôs, pôs, pusemos, pusestes (vós), puseram, puseram
Quis, quiseste (tu), quis, quis, quisemos, quisestes (vós), quiseram, quiseram
Vi, viste (tu), viu, viu, vimos, vistes (vós), viram, viram
Fiz, fizeste (tu), fez, fez, fizemos, fizestes (vós), fizeram, fizeram
Disse, disseste (tu), disse, disse, dissemos, dissestes (vós), disseram ,disseram
Trouxe, trouxeste (tu), trouxe, trouxe, trouxemos, trouxestes (vós), trouxeram, trouxeram
Vim, vieste (tu), veio, veio, viemos, viestes (vós), vieram, vieram
Ouvi, ouviste (tu), ouviu, ouviu, ouvimos, ouvistes (vós), ouviram, ouviram
Dormi, dormiste (tu), dormiu, dormiu, dormimos, dormistes (vós), dormiram, dormiram
Saí, saíste (tu), saiu, saiu, saímos, saístes (vós), saíram, saíram
Subi, subiste (tu), subiu, subiu, subimos, subistes (vós), subiram, subiram
Fugi, fugiste (tu), fugiu, fugiu, fugimos, fugistes (vós), fugiram, fugiram
Prefiro, preferes (tu), prefere, prefere, preferimos, preferis (vós), preferem, preferem.
Dei, dás (tu),deu,deu,demos, dais (vós),deram,deram.
Soube, soubeste (tu), soube, soube, soubemos, soubestes (vós) souberam, souberam.



Verbos regulares
Modo indicat ivo – Pretérit o I mperfeito

O Pret érit o I mperfeit o refere- se a um fat o inconcluso, que se prolonga por algum t empo
no passado.

Observe o Pret érit o I mperfeit o de alguns verbos regulares.

1ª Conjugação: TOM-AR 2ª Conjugação: VIV-ER 3ª Conjugação: PART-IR
Eu
Tu
Ele/ela
Você
Nós
Vós
Eles/elas
Vocês
tom-ava
tom-avas
tom-ava
tom-ava
tom-ávamos
tom-áveis
tom-avam
tom-avam

Eu
Tu
Ele/ela
Você
Nós
Vós
Eles/elas
Vocês
viv-ia
viv-ias
viv-ia
viv-ia
viv-íamos
viv-íeis
viv-iam
viv-iam

Eu
Tu
Ele/ela
Você
Nós
Vós
Eles/elas
Vocês
part-ia
part-ias
part-ia
part-ia
part-íamos
part-íeis
part-iam
part-iam

radical terminações radical terminações radical terminações




36
Observação
O Pretérit o I mperfeito é um t empo verbal muit o usado em port uguês. Sua conj ugação é
muit o simples, pois quase t odos os verbos se t ornam REGULARES, soment e 4 deles são
I RREGULARES: ser, t er, pôr e vir.
Vej a:
SER TER PÔR VIR
Eu
Tu
Ele/ela
Você
Nós
Vós
Eles/elas
Vocês
era
eras
era
era
éramos
éreis
eram
eram
Eu
Tu
Ele/ela
Você
Nós
Vós
Eles/elas
Vocês
tinha
tinhas
tinha
tinha
tínhamos
tínheis
tinham
tinham
Eu
Tu
Ele/ela
Você
Nós
Vós
Eles/elas
Vocês
punha
punhas
punha
punha
púnhamos
púnheis
punham
punham
Eu
Tu
Ele/ela
Você
Nós
Vós
Eles/elas
Vocês
vinha
vinhas
vinha
vinha
vínhamos
vínheis
vinham
vinham

Aplicação
Classifique os verbos dest acados como no exemplo:

Comprei um dos últimos livros desse autor.
Comprei: pretérito perfeito do indicativo, 1
a
pessoa do singular.


“Havíamos decidido silenciar a respeito, mantê-lo à distância - o passeio à Ilha Sant’ Ana
parecia irrealizável -, e quando arranjamos emprestado um barco a motor e nos arranjamos no
cais do mercado, madrugada clareando, foi com espanto o que vimos entre nós. Éramos cinco
e Fausto estava ali com mais alguém, uma jovem que ele, sempre imprevisível, nos apresentou
como noiva”.
havíamos: ....................................................................................................................................................
parecia: .......................................................................................................................................................
arranjamos: .................................................................................................................................................
foi: ...............................................................................................................................................................
vimos: ..........................................................................................................................................................
éramos: .......................................................................................................................................................
estava: ........................................................................................................................................................
apresentou: .................................................................................................................................................


Verbos regulares
Modo indicat ivo – Pretérit o Mais- Que- Perfeit o Simples

O Pretérit o mais- que- perfeit o refere- se a um fat o ocorrido no passado, ant erior a out ro
fat o t ambém passado.





37
Observe o Pret érit o mais- que- perfeito de alguns verbos regulares.

1ª Conjugação: TOM-AR 2ª Conjugação: VIV-ER 3ª Conjugação: PART-IR
Eu
Tu
Ele/ela
Você
Nós
Vós
Eles/elas
Vocês
tom-ara
tom-aras
tom-ara
tom-ara
tom-áramos
tom-áreis
tom-aram
tom-aram

Eu
Tu
Ele/ela
Você
Nós
Vós
Eles/elas
Vocês
viv-era
viv-eras
viv-era
viv-era
viv-êramos
viv-êreis
viv-eram
viv-eram

Eu
Tu
Ele/ela
Você
Nós
Vós
Eles/elas
Vocês
part-ira
part-iras
part-ira
part-ira
part-íramos
part-íreis
part-iram
part-iram

radical terminações radical terminações radical terminações


Exemplos:
Quando a polícia chegou, o assalt ant e j á fugira com o dinheiro do banco.
Quando cheguei à est ação, o t rem j á part ira.

Aplicação
Revisando verbos

1.- Leia a not ícia a seguir:
“29-11-1995: Campinas – Um tornado com ventos de 180
quilômetros por hora destruiu anteontem a cobertura do
ginásio multidisciplinar da Universidade Estadual de
Campinas [...]
O tornado rompeu presilhas de aço de uma polegada de
espessura. Ele levantou e torceu a estrutura do telhado,
também de aço, de 100 metros de extensão e 200
toneladas... [...] Dez árvores foram arrancadas com raiz e os
ventos arremessaram longe os vidros da biblioteca central.”
O Estado de São Paulo


2.- Transcreva os verbos que sit uam os fat os relat ados no passado.

3.- Copie as frases subst it uindo os ♣ pelo verbo indicado nos parênt eses.
a) O rapaz ♣ o carro perto da árvore. (frear, pretérito perfeito do indicativo)
b) Em maio, eu já ♣ pelas férias. (ansiar, presente do indicativo)
c) Os alunos ♣ a criação de uma peça de teatro. (propor, pretérito perfeito do indicativo)
d) No primeiro ano, ele não ♣ nos debates da classe. (intervir, pretérito imperfeito do indicativo)
e) O menino ♣ ficar vendo TV, mas não ♣ porque tinha que acordar cedo. (querer/poder, pretérito
perfeito do indicativo)
f) Pai, você ontem ♣ o último capítulo da novela? (ver, pretérito perfeito do indicativo)



38
g) Mãe, por que não ♣ ver este programa? (poder, presente do indicativo)
h) ♣ uma vez uma ideia que ♣ tornar às crianças brasileiras mais felizes. (ser/quer, pretérito
imperfeito do indicativo)


> Anot e!


Quadro dos numerais
Cardinais Ordinais Mult iplicat ivos Fracionários
zero
um
dois
t rês
quat ro
cinco
seis
set e
oit o
nove
dez
onze
doze
t reze
cat orze (quat orze)
quinze
dezesseis
dezesset e
dezoit o
dezenove
vint e
t rint a
quarent a
cinquent a
sessent a
set ent a
oit ent a
novent a
cem
duzent os
t rezent os
quat rocent os
quinhent os
seiscent os
set ecent os
oit ocent os
novecent os
mil
milhão
bilhão
primeiro
segundo
t erceiro
quart o
quint o
sext o
sét imo
oit avo
nono
décimo
décimo primeiro
décimo segundo
décimo t erceiro
décimo quart o
décimo quint o
décimo sext o
décimo sét imo
décimo oit avo
décimo nono
vigésimo
t rigésimo
quadragésimo
quinquagésimo
sexagésimo
sept uagésimo
oct ogésimo
nonagésimo
cent ésimo
ducent ésimo
t recent ésimo
quadringent ésimo
quingent ésimo
sexcent ésimo
set ingent ésimo
oct ingent ésimo
nongent ésimo
milésimo
milionésimo
bilionésimo
( simples)
duplo, dobro
t riplo, t ríplice
quádruplo
quínt uplo
sêxt uplo
sét uplo
óct uplo
nônuplo
décuplo

















cênt uplo
____
meio
t erço
quart o
quint o
sext o
sét imo
oit avo
nono
décimo
onze avos
doze avos
t reze avos
cat orze avos
quinze avos
dezesseis avos
dezesset e avos
dezoit o avos
dezenove avos
vint e avos
t rint a avos
quarent a avos
cinquent a avos
sessent a avos
set ent a avos
oit ent a avos
novent a avos
cent ésimo
ducent ésimo
t recent ésimo
quadringent ésimo
quingent ésimo
sexcent ésimo
set ingent ésimo
oct ingent ésimo
nongent ésimo
milésimo
milionésimo
bilionésimo







39
Que horas são?

São quatro horas. É uma hora (em ponto). É meio-dia. / É meia-noite. São duas e meia.


Quer saber mais?

09: 45= São quinze para as dez. 11: 35= São vint e e cinco para meio- dia.
ou: Falt am quinze paras as dez. ou: Falt am vint e e cinco para meio- dia.

12: 15= É meio- dia e quinze. 12: 30= É meio- dia e meia.
24: 15= É meia- noit e e quinze. ou: É meio- dia e t rint a.

01: 20= É uma e vint e. 13: 50= São dez para as duas.
02: 10= São duas e dez. ou: Falt am dez para as duas.


Aplicação

Que horas são? Escreva as horas sobre a linha abaixo do relógio.
·
___________________ ___________________ ____________________

  
___________________ ___________________ ____________________
> Anot e!

Alguns adj et ivos pát rios referent es a est ados e cidades do Brasil
Acreano ( Acre)
Amapaense ( Amapá)
Belenense ( Belém do Pará)
Boa- vist ense ( Boa-Vist a)
Carioca ( Rio de Janeiro - cidade)
Florianopolit ano ( Florianópolis)
Fluminense ( Rio de Janeiro – est ado)
Goiano ( Goiás)
Maceioense ( Maceió)
Mat o-grossense ( Mat o Grosso)
Paulist a ( São Paulo – est ado)
Paulist ano ( São Paulo - cidade)
Rio- grandense-do- nort e ou pot iguar ( Rio Grande do Nort e)
Rio- grandense-do- sul ou gaúcho ( Rio Grande do Sul)
Sergipano ( Sergipe)
Sot eropolit ano ( Salvador)



40
UNI DADE 4

Classes de palavras invariáveis
O advérbio

Advérbio é a palavra invariável que modifica um verbo, um out ro advérbio, um adj et ivo e,
às vezes, um subst ant ivo, expressando a circunst ância em que det erminado fat o ocorre.

Exemplos: O menino falou apressadamente.
Suas palavras foram muito claras.
Ele foi chegando bem devagar.

Há casos em que a circunst ância em que o fat o ocorre é expressa por duas ou mais
palavras equivalent es a um advérbio. Esse conj unt o de palavras recebe o nome de
locução adverbial.

Exemplos: Naquela noite, caminhamos em silêncio pela rua até a praia.
O professor, às vezes, conversa com os alunos no pátio.

Classificação dos advérbios e das locuções adverbiais

Tempo
ainda, cedo, hoje, agora, antes, depois, logo, amanhã, já,
sempre, nunca, ontem, anteontem, à noite, à tarde, no meio da
noite, antes do meio-dia, de repente, hoje em dia.
Modo
assim, melhor, pior, bem, mal, devagar, depressa, rapidamente,
lentamente (e a maioria dos advérbios terminados em mente), às
pressas, à toa, frente a frente, em silencio, de cor, com calma, de
cócoras, às claras, etc.
Lugar
aí, adiante, defronte, aqui, acima, abaixo, ali, cá, acolá, lá, além,
perto, longe, dentro, fora, onde, de cima, em cima, à direita, à
esquerda, de dentro, de fora, por fora, etc.
Afirmação
sim, deveras, decerto, certamente, seguramente, com certeza,
realmente, efetivamente, sem dúvidas, por certo, etc.
Negação
não, absolutamente, tampouco, nem, de modo algum, de jeito
nenhum, etc.
Intensidade
muito, pouco, mais, menos, meio, bastante, assaz, demais, bem,
mal, tanto, quase, apenas, quanto, de pouco, de todo, etc.
Dúvida
quiçá, acaso, possivelmente, provavelmente, eventualmente,
porventura, talvez, etc.

Advérbios interrogat ivos

Os advérbios int errogat ivos, empregados nas int errogações diret as e indiret as, podem ser:

* De causa: por quê?
Por que viest es? Preciso saber por que viest es.
* De lugar: onde?
Onde est á você? Não sei onde est á você.
* De modo: como?
Como ele soube a not ícia? Diga-me como ele soube a not ícia.
* De tempo: quando?
Quando chegaremos? Diga- me quando chegaremos.



41
Graus do advérbio
4



Comparativo
de igualdade: Acordou tão cedo quanto eu.
de superioridade: Acordou mais cedo do que eu.
de inferioridade: Acordou menos cedo do que eu.
Superlativo
absoluto
sintético: Acordei cedíssimo.
analítico: Acordei muito cedo.

Aplicação

1.- Classifique os advérbios dest acados nas seguint es orações:
a) Concordou resignadamente.
b) Por que choras assim?
c) Provavelmente receberemos a carta hoje.
d) Fernando é muito aplicado nos estudos.

2.- Subst it ua a expressão dest acada por um advérbio de expressão equivalent e:
a) Agiu com bravura.
b) Atacou com violência.
c) Recebeu-me como um irmão.
d) Aceitou tudo sem dizer uma palavra.

3.- Subst it ua as locuções adverbiais por advérbios equivalent es:
a) A gerente mudou de assunto de propósito, mas o fez com delicadeza.
b) O contador organizou pouco a pouco a documentação da empresa.
c) Revelaremos com prazer o vencedor do concurso “jovens cientistas”.
d) De repente, rabiscou uma carta de despedida sem refletir.
e) Encontrei-a por acaso na exposição de arte e conversamos com alegria.



Classes de palavras invariáveis
A conj unção

É a palavra invariável que serve para unir duas orações ou element os que exercem a
mesma função sint át ica.

Exemplos:
Ele só quer sombra e água fresca. ( relaciona duas palavras com o mesmo valor gramat ical)
Esperei- o at é t arde, mas ele não veio. ( liga duas orações de sent ido complet o)

4
Na linguagem coloquial, é comum o emprego de certos advérbios no diminutivo: Meus avôs acordam cedinho.



42
Todos sabiam que ele viria. ( liga duas orações: a segunda depende da primeira, pois não
t em sent ido complet o) .


Classificação das conj unções

As conj unções classificam-se em:
Coordenat ivas: relacionam t ermos ou orações de idênt ica função sint át ica.

Subordinat ivas: ligam duas orações, uma das quais det ermina ou complet a o sent ido da
out ra.




Coordenativas
Aditiva: estabelece relação de soma, acréscimo: e, nem.
Adversativa: estabelece relação de oposição, de contraste: mas, porém,
todavia, contudo, entretanto.
Alternativa: estabelece relação de alternância: ou, ou... ou, ora... ora.
Conclusiva: exprime a ideia de conclusão lógica: logo, pois, portanto.
Explicativa: justifica a ideia contida na oração anterior: pois, porque,




Subordinativas
Causais: porque, visto, já que, uma vez que.
Comparativas: como, assim como, que.
Condicionais: se, caso, a não ser que.
Concessivas: embora, ainda que, mesmo que.
Consecutivas: que (precedido de tal, tanto, tão, tamanho).
Conformativas: segundo, conforme, como, consoante.
Finais: a fim de que, para que, que.
Proporcionais: a medida que, à proporção que, quanto mais.
Temporais: quando, enquanto, logo que, cada vez que, mal, sempre que,
assim que.
Integrantes: que, se – introduzem orações substantivas.

Aplicação

1.- Escreva frases empregando conj unções coordenat ivas:
a) adversativa
b) aditiva
c) conclusiva
d) alternativa
e) explicativa

2.- I dent ifique a conj unção ou locução conj unt iva subordinat iva nas frases a seguir e
classifique- as:
a) Quanto mais os minutos passavam, maior era nossa tristeza com sua partida.
b) O dia se fez escuro de repente, como se a noite tivesse chegado.
c) Juntou bastante dinheiro, a fim de que pudesse viajar ao exterior.
d) Os telefones serão religados, sempre que não haja nenhum problema no sistema.



43
Classes de palavras invariáveis
A int erj eição
- Bravo! O seu desempenho foi excelente!
- Os ingressos para o jogo acabaram? Essa não!
- Ah! Minha entrevista para o emprego foi um sucesso!

Observe, nas frases acima, as emoções e sent iment os que est ão sendo expressos nas
palavras em dest aque. São int erj eições.

As interj eições são as palavras invariáveis que exprimem emoções, sensações, est ados
de espírit o ou apelos.

Locuções int erj et ivas

São grupos de duas ou mais palavras com valor de uma int erj eição.
Exemplos:
Puxa vida! O tempo não passa.
Que pena! Não chegarei antes da noite.
Nossa Senhora! Que aconteceu?

Classificação das int erj eições e locuções interj et ivas
As int erj eições e as locuções int erj et ivas são classificadas de acordo com o sent ido que
elas expressam em det erminado cont ext o.
Assim, uma mesma palavra ou expressão pode exprimir emoções variadas.

















Na escrit a, as int erj eições e frases int erj et ivas, geralment e vêm seguidas de pont o de
exclamação (! )

Alegria
Alivio
Admiração
Advertência
Afugentamento
Agradecimento
Animação
Aprovação, aplauso
Chamamento ou apelo
Desejo
Dor
Dúvida ou incredulidade
Medo
Piedade ou lamento
Reprovação ou desacordo
Silêncio
Surpresa
Uf! Ufa! Oh! Oba!
Uf! Ufa! Ah!
Ah! Pucha! Caramba! Deus! Opa!
Uai!
Cuidado! Atenção!
Rua! Arreda! Sai! Cai fora! Xô! Xô!
Grato! Obrigado! Muito obrigada!
Eia! Coragem! Avante!
Boa! Isso mesmo! Continua!
Ei! Olá! Alô! Ô! Ô!
Oxalá! Tomara! Pudera!
Ai! Ui! Há! Oh!
Hum! Pois sim! Qual o quê!
Cruzes! Credo! Ui! Ah!
Ai! Pobre de mim! Coitado! Que pena!
Francamente! Ora! Arre! Fora!
Silêncio! Basta! Chega! Psit!
Oh! Nossa! Credo!



44

Verbos regulares
Modo indicat ivo – Fut uro do Presente e Futuro do Pret érit o

Fut uro do Present e Simples
O Fut uro do Present e refere- se a um fat o fut uro em relação ao moment o present e.
Observe o Fut uro do Presente dos verbos regulares. As desinências - ei, - ás, - á, - emos,
- eis, - ão são acrescent adas ao próprio infinit ivo impessoal.

1ª Conjugação: TOMAR 2ª Conjugação: VIVER 3ª Conjugação: PARTIR
Eu
Tu
Ele/ela
Você
Nós
Vós
Eles/elas
Vocês
tomar-ei
tomar-ás
tomar-á
tomar-á
tomar-remos
tomar-reis
tomar-ão
tomar-ão
Eu
Tu
Ele/ela
Você
Nós
Vós
Eles/elas
Vocês
viver-ei
viver-ás
viver-á
viver-á
viver-emos
viver-eis
viver-ão
viver-ão

Eu
Tu
Ele/ela
Você
Nós
Vós
Eles/elas
Vocês
partir-ei
partir-ás
partir-á
partir-á
partir-emos
partir-eis
partir-ão
partir-ão

radical terminações radical terminações radical terminações


Fut uro do Pretérit o Simples
O Fut uro do Pret érito refere- se a um fat o fut uro em relação com um fat o passado.
Observe o Fut uro do Pretérit o dos verbos regulares. As desinências - ia, - ias, - ia, -
íamos, - íeis, - iam são acrescent adas ao próprio infinit ivo impessoal.

1ª Conjugação: TOMAR 2ª Conjugação: VIVER 3ª Conjugação: PARTIR
Eu
Tu
Ele/ela
Você
Nós
Vós
Eles/elas
Vocês
tomar-ia
tomar-ias
tomar-ia
tomar-ia
tomar-íamos
tomar-íeis
tomar-iam
tomar-iam
Eu
Tu
Ele/ela
Você
Nós
Vós
Eles/elas
Vocês
viver-ia
viver-ias
viver-ia
viver-ia
viver-íamos
viver-íeis
viver-iam
viver-iam

Eu
Tu
Ele/ela
Você
Nós
Vós
Eles/elas
Vocês
partir-ia
partir-ias
partir-ia
partir-ia
partir-íamos
partir-íeis
partir-iam
partir-iam

radical terminações radical terminações radical terminações

Observação
O procediment o para formação do fut uro do present e e fut uro do pret érit o não se aplica
aos verbos dizer, fazer e t razer. Embora as desinências sej am as mesmas, elas não se
j unt am ao infinit ivo impessoal.





45
Vej a:
Fut uro do Present e Simples
1ª Conjugação: DIZER 2ª Conjugação: FAZER 3ª Conjugação: TRAZER
Eu
Tu
Ele/ela
Você
Nós
Vós
Eles/elas
Vocês
direi
dirás
dirá
dirá
diremos
direis
dirão
dirão
Eu
Tu
Ele/ela
Você
Nós
Vós
Eles/elas
Vocês
farei
farás
fará
fará
faremos
fareis
farão
farão
Eu
Tu
Ele/ela
Você
Nós
Vós
Eles/elas
Vocês
trarei
trarás
trará
trará
traremos
trareis
trarão
trarão


Fut uro do Pretérit o Simples
1ª Conjugação: DIZER 2ª Conjugação: FAZER 3ª Conjugação: TRAZER
Eu
Tu
Ele/ela
Você
Nós
Vós
Eles/elas
Vocês
diria
dirias
diria
diria
diríamos
diríeis
diriam
diriam
Eu
Tu
Ele/ela
Você
Nós
Vós
Eles/elas
Vocês
faria
farias
faria
faria
faríamos
faríeis
fariam
fariam
Eu
Tu
Ele/ela
Você
Nós
Vós
Eles/elas
Vocês
traria
trarias
traria
traria
traríamos
traríeis
trariam
trariam





Formas nominais do verbo

São chamadas assim porque possuem o valor de um nome ( subst ant ivo, adj et ivo ou
advérbio)

Infinitivo
(desinência –r )
Gerúndio
(desinência –ndo)
Particípio
(desinência –ado/–ido)
Indica a ação verbal
propriamente dita, nomeia os
verbos e pode ter valor de
substantivo.

Pode ser:
1.- Impessoal: não-flexionado.
Exemplo:
Os jornaleiros costumam
passar cedo.

2.- Pessoal: flexionado.
Exemplo:
Convinha nos prepararmos
para os próximos exames.
É a forma nominal que
expressa uma ação em curso,
isto é, que está se realizando,
podendo equivaler a um
advérbio, ao indicar uma
circunstância.
Exemplo:
Estamos envelhecendo.
Indica uma ação
completamente acabada ou
concluída e pode ter valor de
adjetivo, concordando com o
substantivo ou pronome a que
se refere.
Exemplo:
A menina tinha ajudado a sua
mãe na tarefa.

O particípio é usado na
formação dos tempos
compostos da voz ativa com os
verbos auxiliares ter ou haver.

Emprega-se também o
particípio nos tempos
compostos da voz passiva com
os verbos ser ou estar.




46
Vej a alguns infinit ivos, gerúndios e part icípios:


Infinitivos

1ª conjugação: cantar, trabalhar, começar, estudar, falar, limpar
2ª conjugação: escrever, ter, bater, poder, saber, prender, ser
3ª conjugação: partir, sair, rir, polir, sentir, preferir

Gerúndios
1ª conjugação: cantando, trabalhando, começando, estudando, falando
2ª conjugação: escrevendo, tendo, batendo, podendo, sabendo, sendo
3ª conjugação: partindo, saindo, rindo, polindo, sentindo, preferindo

Particípios
1ª conjugação: cantado, trabalhado, começado, estudado, falado
2ª conjugação: escrito, tido, batido, podido, sabido, sido
3ª conjugação: partido, saído, rido, polido, sentido, preferido



> Anote


Expressões de tempo
Antes Agora Depois
anteontem / ontem
semana retrasada / semana passada
mês retrasado / mês passado
há cinco anos / faz cinco anos
hoje
nesta semana
neste mês
neste ano
amanhã / depois de amanhã
na semana que vem / na próxima semana
no mês que vem / no próximo mês
daqui a cinco anos

















Part es da casa
Dent ro:
sala de j ant ar, sala de est ar quart o,
escrit ório, cozinha, copa, banheiro,
corredor, porão.

Fora:
j ardim, t erraço / varanda, quint al, área de
serviço, garagem, churrasqueira.
A mesa
t oalha de mesa, guardanapo; prat o raso e
prat o fundo, prat o de sobremesa; colher
de sopa, de sobremesa, de chá; faca
garfo; xícara de chá e de café; copo,
pires, t aça.



47
UNI DADE 5

LEI TURA E PRODUÇÃO DE TEXTO

Text o:
O t ext o é uma passagem falada ou escrit a que forma um todo significat ivo
independent ement e de sua ext ensão.
Os t ext os variam conforme as int enções do aut or. Há t rês modos básicos de organização
de um t ext o: narrat ivo, descrit ivo e/ ou dissert at ivo. Todo t ext o é apresent ado por um
“ eu” que não t em exist ência real.
Há uma diferent e ident idade para cada modo de organização de t ext o. Essas ident idades
não são os aut ores do t ext o, mas aqueles que “ falam” no t ext o.
O modo de organização é det erminado t ambém pelo conteúdo, e const ruído conforme o
obj et ivo da produção do t ext o.
Assim:

Quem fala Conteúdo Objetivo
Narração Narrador Ações, acontecimentos.
Apresenta personagens, tempo e
espaço, conflito, clímax e desfecho.
Pode ser verídica ou verossímil.
Relatar.
Descrição Observador Seres, objetos, cenas, processos.
Há o predomínio de adjetivos e
verbos de estado.
Baseia-se na apreensão de
características através dos sentidos.

Identificar, localizar,
qualificar.

Dissertação Argumentador Opiniões, argumentos.
Divide-se em:
Introdução, desenvolvimento,
conclusão. Apóia-se em fatos reais e
argumentos.
Informar, discutir, expor,
contestar, verificar, avaliar.


Rarament e um t ext o é const ruído com as caract eríst icas de um só t ipo. O mais comum é
encont rarmos os vários t ipos em um só t ext o. Por isso, devemos observar qual a
caract eríst ica predominant e. Um t ext o predominant ement e narrat ivo pode t er passagens
descrit ivas, argument at ivas ou dissert at ivas.

Discurso
As falas das personagens, t ant o quant o suas ações são muit o import ant es dent ro da
narrat iva. At ravés delas, o narrador vai apresent ando as personagens ao leit or.
Conceit uamos o discurso como a at ividade comunicat iva ent re int erlocut ores que
apresent a sent ido e est á inserida num cont ext o.
Para reproduzir as falas das personagens podemos ut ilizar t rês t ipos de discurso:



48
Discurso direto
No discurso direto: o aut or int roduz a personagem e t ermina a frase com dois pont os ( : )
Em seguida inicia um novo parágrafo e coloca um t ravessão ( _) , seguido da fala da
personagem reproduzida t ext ualment e.
Normalment e, há um verbo de elocução ou dicendi ( verbo que int roduz a fala da
personagem) : dizer, exclamar, prot est ar, responder, cont est ar, pergunt ar, et c.
Quando não aparecem os verbos dicendi, o cont ext o e os recursos gráficos ( dois pont os,
t ravessão, aspas, mudança de linha) é que vão indicar a fala da personagem.
Observe:
Ana Paula olhou para a classe e indagou:
_ Vocês estudarão para a prova?

Discurso indireto
No discurso indiret o, o narrador int roduz com suas palavras a fala da personagem.
Quando se passa do discurso diret o para o indiret o, algumas modificações são feit as na
est rut ura das frases.
Observe:

× O verbo dicendi vem seguido da conj unção int egrant e ( que, se) , que int roduz a
oração referent e à fala.
× Desaparecem os sinais de pont uação que separam a fala da personagem da part e
narrat iva.
× Não se usa o t ravessão que int roduz a fala da personagem.
× O verbo passa do present e para o pret érit o imperfeit o.
× Os pronomes demonst rat ivos e possessivos sofrem flexões.
Observe:
A professora Ana disse que daria prova naquele dia. Depois um aluno pediu que ela
deixasse a prova para a aula seguinte.

O narrador reproduz acima o que a professora Ana e o aluno disseram.
Se fosse usado o discurso diret o, t eríamos:

A professora Ana disse:
_ Vou dar prova hoje.
Depois um aluno pediu:
_ Professora, deixe para a próxima aula, por favor.

Discurso indireto livre
Est e t ipo de discurso consist e na exposição de ideias, reflexões, pensament os ou
sent iment os da personagem, sem a presença dos verbos dicendi e, muit as vezes, sem
qualquer sinal gráfico específico.
Observe alguns exemplos:
a) “O delegado estava indeciso. A quem interessaria o crime?”
b) “O guarda noturno olha para as casas, para os edifícios, para os muros e grades, para as
janelas e os portões. Uma pequena luz lá em cima: há várias noites, aquela vaga claridade na
janela: é uma pessoa doente?” (Cecília Meireles)



49
Aplicação
I dent ifique os t ipos de t ext os. Just ifique a sua classificação:

a) Para virar biocarvão, a biomassa tem que
passar por três fases, dentro de uma
mesma máquina movida por um motor
elétrico de 100 cv e com capacidade de
até 1 tonelada por hora. Primeiro, ela é
colocada no triturador; em seguida, passa
a uma estira para que o material fique
homogêneo em forma e tamanho. [...] Em
seguida, os pequenos grãos são
submetidos a secagem para que sua
unidade seja reduzida a no máximo 10%.
Finalmente, na última etapa do processo,
a biomassa é prensada, numa parte da
máquina chamada de “densificadora”, sob
alta pressão e temperatura de 200º.
Globo Ciência, ano 2, nº 21, abril 1993, p 43.


b) A coisa mais importante na imprensa é a
notícia. Sua força é tão poderosa que ela
vence qualquer texto mal elaborado. Isso
explica por que não apenas os jornais bem
redigidos dispõem de um público.
(Lago Burnett)

c) Era uma vez um homem que estava
pescando, Maria. Até que apanhou um
peixinho! Mas o peixinho era tão pequenino e
inocente, e tinha um azulado tão indescritível
nas escamas, que o homem ficou com pena.
E retirou cuidadosamente o anzol e pincelou
com iodo a garganta do coitadinho. Depois o
guardou no bolso traseiro das calças para
que o animalzinho sarasse, no quente. E
desde então ficaram inseparáveis.
(Mário Quintana)



A narração

A narração é o relat o de fat os ou acont eciment os, feit o por um narrador.

Elementos da narrat iva

Enredo: é um conj unt o de fat os ligados ent re si que fundament am a ação de um t ext o
narrat ivo.
Personagem: é o ser criado para um t ext o narrat ivo. Pode simular as caract eríst icas de
uma pessoa; pode ser um animal, sent iment o ou obj et o personificado.
Numa narrat iva pode haver personagens prot agonist as, que ocupam o primeiro lugar num
acont eciment o, e personagens secundárias. Ao criar personagens devem- se desenvolver
caract eríst icas físicas e psicológicas para elas. É preciso t ambém, most rar ao leit or como
elas se parecem ou vest em, andam, falam, pensam, sent em.
Espaço: é o lugar em que a narrat iva ocorre. Às vezes não é necessário descrever em
det alhe o ambient e. É suficient e com dizer que a personagem mora numa cidade, num
apart ament o ou que ent rou “ em um bar” , “ est á no j ardim” , et c.
Tempo: numa narrat iva pode ser definido como a duração da ação. Pode ser cronológico
ou psicológico.
O t empo cronológico apresent a os fat os de acordo com a ordem dos acont eciment os.

“Sem muito que faz numa noite de segunda-feira em cidade pequena, os amigos
Roberto Carlos Moraski e Almiro Sousa, juntaram-se a um garoto de 14 anos e decidiram



50
fazer uma brincadeira com um homem que dormia numa calçada. [...] Chutaram. Ele não
se levantou. Parecia bêbado. [...]”
Vieira,K. In Veja, São Paulo:abril, 15 jan.2003

O t empo psicológico é a maneira pela qual a passagem do t empo é vivenciada.
“Ela não estava perdida. Sim, no tempo talvez nunca mais a encontrasse. Só que
Marcelo estava seguro que era capaz – e assim o homem faz – de construir um tempo
especial, envolvente, em que ela permanecerá. Esse tempo se chama lembrança, e é
intocável”.
Loyola Brandão, Ignácio de. ”Cláudia e o tempo paralisado” In Meserani, S - quem conta um
conto. SP: Atual, 1989

Foco narrat ivo: a narração pode ser feit a em 1ª (eu, nós) ou na 3ª pessoa (ele/ s, ela/ s) ,
de acordo com a posição do narrador diant e dos fat os.
Na narração em 1ª pessoa o narrador personagem é quem relat a os fat os falando de
sua vida, de seus desej os.
É possível t ambém que o narrador em 1ª pessoa sej a uma personagem secundária de
sua própria narrat iva. Nesse caso ele cont a uma hist ória que ele t est emunhou, mas que
est á cent rada em out ra personagem.
Na narração em 3ª pessoa, o narrador não part icipa dos acont eciment os, mas observa
t udo de fora da t rama, como narrador oniscient e, ou sej a, que conhece t odos os fat os e
as personagens.
Há um segundo t ipo de foco narrat ivo em 3ª pessoa. É o chamado narrador- observador.
Est e não oferece informações sobre o ínt imo das personagens, acompanha os
acont eciment os como um espect ador.

Vej a est e t recho narrat ivo em que o narrador usou a primeira pessoa:

Uma companheira
Amanheci um dia pensando em casar. Foi uma idéia que me venho sem que
nenhum rabo-de-saia a provocasse. Não me ocupo com amores, devem ter notado, e
sempre me pareceu que mulher é bicho esquisito, difícil de governar.
A que eu conhecia era a Rosa do Marciano, muito ordinária, havia conhecido
também a Germana e outras dessa laia. Por elas eu julgava todas. Não me sentia,
pois, inclinado para nenhuma: o que sentia era desejo de preparar um herdeiro para
as terras de São Bernardo.
Ramos, Graciliano. São Bernardo.Rio de Janeiro, Recorde, 1991.
Nesse t ext o o narrador lembra sit uações passadas numa época dist ant e de sua vida,
quando ele procurava mulheres de seu agrado para se casar. Observe a colocação dos
pronomes e dos verbos na 1ª pessoa do singular. O narrador é personagem, ele part icipa
dos acont eciment os.


Aplicação:
Escreva uma narração em 1ª pessoa cont ando um fat o int eressant e: uma viagem, um
namoro, uma fest a, uma briga...



51
Leia a seguir um t ext o narrat ivo em 3º pessoa:
“Luísa espreguiçou-se. Que seca ter de se ir vestir! Desejaria estar numa banheira
de mármore cor-de-rosa, em água tépida, perfumada, e adormecer! Ou numa rede de
seda, com as janelas cerradas, embalar-se, ouvindo música! Sacudiu a chinelinha:
esteve a olhar muito amorosamente o seu pé pequeno, branco como leite, com veias
azuis, pensando numa infinidade de coisinhas: em meias de seda que queria comprar,
no farnel que faria Jorge para a jornada, em três guardanapos que a lavadeira
perdera...”
Queirós, Eça de. O primo Basílio. Porto: Lello & Irmãos, s/d

Nesse t ext o - foco narrat ivo em 3ª pessoa - o narrador nos informa dos pensament os da
prot agonist a, de seus desej os. Apenas a onisciência possibilit a esse t ipo de revelação
acerca das personagens. Observe os verbos em 3ª pessoa.


Aplicação
Faça um relat o - em 3ª pessoa- de uma hist orinha da qual você foi um simples
personagem observador.


A descrição

No quadro apresent ado no início dest a unidade, t emos as principais caract eríst icas da
descrição. Em geral, ela aparece dent ro de um t ext o narrat ivo ou dissert at ivo quando é
necessário apresent ar personagens, cenários, cenas processos e exemplos para a
argument ação.
Toda descrição t em um t ema-núcleo, que pode ser um obj et o, um ser animado ou
inanimado ou mesmo um processo.

A descrição pode ser:
Descrição obj et iva: é aquela em que o observador apresent a o t ema-núcleo de maneira
impessoal, fazendo a represent ação fiel do aspect o ext erior.

Descrição subj et iva: é aquela em que o observador apresent a o t ema-núcleo de maneira
pessoal, empregando a imaginação e ext eriorizando suas impressões pessoais.


Vej a:

Texto 1
Respiração submersa
“O submarino, quando mergulha, mantém a pressão atmosférica da superfície. Seus tripulantes
respiram o ar que, na hora da imersão ficou confinado no interior da embarcação. As taxas de
oxigênio (O2) e gás carbônico (CO2) são constantemente monitoradas, apresentando o estado
de pureza do ar respirável. O (CO2) produzido pela respiração dos tripulantes é absorvido por
compostos químicos e o submarino possui uma espécie de ampolas de oxigênio puro, liberado



52
sempre que sua quantidade no ar baixa a um determinado limite. [...]”
Galileu, Rio de Janeiro: Globo: fev.2003


Texto 2
Ninguém se banha duas vezes no mesmo rio
“Estou deitado na margem. Dois barcos, presos a um tronco de salgueiro cortado em remotos
tempos, oscilam ao jeito do vento, não da corrente, que é macia, vagarosa, quase invisível. A
paisagem em frente, conheço-a. Por uma aberta entre as árvores, vejo as terras lisas da
Lezíria, ao fundo uma franja de vegetação verde-escura, e depois, inevitavelmente, o eu onde
boiam nuvens que só não há brancas porque a tarde chega ao fim e há o tom de pérola que é
o dia que se extingue. Entretanto, o rio corre. [...].
Saramago, José. Deste mundo e do outro. Lisboa: ed. Caminho, 1985.


Text o 1
Esse t ext o descreve o processo de obt enção do ar para a t ripulação dos submarinos. É
obj et iva.

Text o 2
É uma descrição subj et iva. O observador apresent a suas impressões a respeit o do
t empo comparando- o a um rio. Percebe-se que o narrador observa o t empo e o rio
como se est ivesse do lado de fora, como se não est ivesse imerso no t empo.


Descrição de obj etos, pessoas, ambientes
Deve- se ent ender por obj et o descrit o o ser, o obj et o ( coisa em si) , ambient e, espaço,
sit uação, enfim, qualquer element o que sej a apreendido pelos sent idos e t ransformado,
com palavras, em imagens.
Na descrição de um obj et o apresent amos aos poucos, det alhe por det alhe, as suas
caract eríst icas ( forma, cor, espessura, mat éria, composição, et c.)
As pessoas podem ser caract erizadas físicas e psicologicament e, ou pelas ações.


Exemplos:
O adereço
“Ao sair vi um adereço de azeviche muito simplesmente lavrado, e por isso mesmo ainda
mais lindo na sua simplicidade. Tênue filete de ouro embutido bordava a face polida e negra
de pedra. [...] Não resisti; comprei o adereço, e tão barato, que hesitei se devia oferecê-lo”
Alencar, José de. Lucíola. São Paulo: Ediouro: 2000.


“Ela era gorda, baixa, sardenta e de cabelos excessivamente crespos, meio arruivados.



53
Tinha busto enorme, enquanto nós todas ainda éramos achatadas. [...]
Mas que talento tinha para a crueldade. Ela era sempre pura vingança, chupando balas
com barulho. Como essa menina devia nos odiar, nós que éramos imperdoavelmente
bonitinhas, esguias, altinhas, de cabelos livres. Comigo exerceu com calma ferocidade o seu
sadismo.”
Lispector, Clarice.



“Aquela sala me incomodava. Ali, até hoje se encontra a herança da família: impotente,
pesada. O papel-de-parede ainda é o retrato puro das tradições que minha avó suportou. De
meu avô, de seus pais, dos empregados. O velho piano sempre a cantar a solteirice da minha
tia Luísa. Na limpeza e na ordem, vejo minha mãe. D. Laura, que terna lembrança! Por ela
todos passavam: um jantar sobre a mesa de jacarandá, um café no sofá das cinco, um sarau
pela sala inteira, as empregadas, suando para limpar o teto, os quadros, as janelas.”
Volney.


Aplicação:

Descreva:
1.- O quart o de seus pais (irmã, filhos) procurando configurar, at ravés dos obj et os e do
clima por eles criado, a imagem que você faz da pessoa escolhida.
2.- Um obj et o de seu dia- a- dia sem nomeá- lo.
3.- Personagens por oposição:
mãe / filha – professor / aluno – senhora / j ovem



A dissert ação

A dissert ação é a exposição de ideias ou opiniões sobre um det erminado assunt o. At ravés
de uma argument ação clara e obj et iva, defendemos um det erminado pont o de vist a.


Tít ulo, t ema e parágrafo
A definição do t ema direciona o desenvolviment o do t ext o; o t ít ulo deve ser bem pensado,
para chamar a at enção do leit or. Também é import ant e que os fat os ou ideias sej am
apresent ados com coerência, em parágrafos bem est rut urados que facilit em a
compreensão do t ext o ao leit or.
O t ít ulo sint et iza ou não a ideia- núcleo ( ideia cent ral do t ext o) . É mais curt o do que o
t ema.
O t ema j á é a ideia- núcleo do t ext o sobre o qual se escreve.

Exemplos:
Tít ulo: A engenharia genét ica.



54
Tema: As pesquisas na área da engenharia genét ica criam polêmica no âmbit o das
universidades cat ólicas.


A const rução de parágrafos
Para ordenar impressões ou ideias cost uma-se dividir a maior part e dos t ext os em
parágrafos.
Cada parágrafo é uma et apa da sucessão de fat os em uma narrat iva, do encadeament o
lógico dos element os de uma descrição ou do desenvolviment o das ideias de uma
dissert ação.
Tipograficament e, o parágrafo se caract eriza por um pequeno afast ament o da margem
esquerda (1,25 cm)
5
.
Cada um dos parágrafos int roduz novas ideias sobre o assunt o abordado. Ou sej a, é um
encadeament o de frases que dão coerência a uma ideia principal, à qual se agregam
out ras, secundárias, int imament e relacionadas pelo sent ido.

Observe:
As crianças sentem o perigo
O arqueólogo parou tão de repente que os meninos quase esbarraram nele. Percebeu, de
relance, um homem esconder-se atrás de uma das muitas colunas. Foi um movimento rápido,
fração de segundos, mas tio Henrique se convenceu de que Lucinha não havia imaginado nada,
que a sobrinha tinha razão. Estavam sendo seguidos!
_ Que foi tio? _ perguntou Paulinho, e Lucinha se agarrou a ele, o coraçãozinho batendo
aceleradamente, e até Paulinho, o valentão, teve um arrepio de medo.
Com o instinto que as crianças possuem, sentiam o perigo no ar. Foi então que surgiu um
homem preto! Saiu de trás de uma das colunas sem dar-lhes a menor atenção. Observava
atentamente as cenas das paredes que representavam os funerais do faraó morto, como se isso
fosse muito importante para ele.
Tinha um aspecto horrendo. A boca levemente aberta deixava ver um único dente bastante
afiado e pontiagudo. Passou por eles, sem sequer lançar-lhes um olhar.
As crianças estavam estarrecidas, e até o arqueólogo, que ao longo de sua carreira já tinha
enfrentado algumas situações desagradáveis, ficou com medo. Estava numa terra distante,
enigmática, e não sabia exatamente o que estava acontecendo.
Loibl, Elizabeth. Aventura no Egito. São Paulo, Melhoramentos, 1990.

1º parágrafo: “O arqueólogo.......seguidos!”
I deia principal: A confirmação de uma perseguição.

2º parágrafo: “Que foi tio?....... um arrepio de medo.?”
I deia principal: O receio dos sobrinhos.

3º parágrafo: “Com o instinto..... para ele.”
I deia principal: O surgiment o do homem pret o.

5
Em documentos comerciais pode-se indicar a mudança de parágrafo sem esse afastamento, deixando-se um espaço duplo
entre cada um deles.



55
4º parágrafo: “Tinha um......... um olhar.”
I deia principal: Descrição do homem pret o.

5º parágrafo: “As crianças........ estava acontecendo.”
I deia principal: Pavor das personagens numa t erra est ranha.



Aplicação

1.- Leia o t ext o a seguir e escreva a ideia principal desenvolvida em cada parágrafo.


Experiência sinistra
Fábio espiou pelo corredor e depois fechou a porta do quarto com
cuidado. A casa estava silenciosa, sombria.
Exatamente como ele precisava.
Sua mãe dormia tranquilamente, sem suspeitar do que estava para
acontecer. Seu pai, quando voltasse de viagem, ficaria orgulhoso ao saber
que o filho participaria de algo tão ... emocionante. Ou a palavra seria
perigoso?
A mudança de planos fora proposta pela Criatura. Ela surgira
repentinamente no final da tarde insistindo para que Fábio antecipasse a
experiência para aquela noite. Algo não ia bem com seus sistemas de
sobrevivência e ela tinha que morrer caso não fosse embora para o seu
mundo.
Fábio, a princípio relutante, acabou por concordar com a proposta.
Afinal, a Criatura assegurou-lhe que a experiência era de fácil execução, que
ele já estava treinado o suficiente e que tudo acabaria bem.
Muniz, Flávia. Viajante do infinito. São Paulo, Moderna. 1991.


2.- Escolha um dos assunt os a seguir e escreva, quat ro parágrafos sobre ele:

a) Os j ogos elet rônicos, os comput adores e os j ovens.
b) O consumismo e os shoppings das grandes cidades.


Est rutura da dissert ação
Um t ext o dissert at ivo apresent a, normalment e, t rês part es fundament ais:
1. I nt rodução
2. Desenvolviment o
3. Conclusão

I nt rodução: é a part e na qual se apresent a a ideia cent ral do t ext o e o enfoque que se
pret ende abordar.



56
Desenvolviment o: apresent a os diferent es aspect os da ideia expost a na int rodução. É
nessa part e que será feit a a fundament ação da ideia que se pret ende discut ir, at ravés de
exemplos, argument os, dados est at íst icos, fat os hist óricos, causa, consequências, et c.
Conclusão: é a ret omada da ideia apresent ada na int rodução, só que enriquecida pela
fundament ação dada no desenvolviment o. Est a últ ima part e da dissert ação sint et iza a
ideia cent ral do t ext o e pode acrescent ar sugest ões, ampliando a discussão do t ema.

Leia at ent ament e o t ext o a seguir:

O campeão da desigualdade
Trazendo de seu processo histórico
contradições profundas e alimentando,
atualmente os grandes desníveis sociais, o
Brasil tem recebido, em primeiro lugar, o premio
da desigualdade. (A)
Violência urbana, analfabetismo, exploração
de crianças, miséria, falência da saúde pública e
do ensino compõem um riste quadro. (B) um
lamentável quadro presente em todos os
discursos políticos. Alguns com propostas
mirabolantes para a salvação da pátria; outros,
tímidos. Mas sobre todos pairam dúvidas
quanto ao pragmatismo das soluções ou quanto
à sinceridade dos proponentes. (C)
Enquanto as soluções não saem do papel ou
da fala mansa dos políticos, o monstro da
desigualdade vai se agigantando: o Brasil tem
um parque industrial que vem se modernizando,
mas possui mais de 10 milhões de analfabetos
funcionais; está entre as 10 primeiras
economias mundiais, mais de 32 milhões de
brasileiros vivem em estado de miséria
absoluta. (D)
O país “viável”, que almeja um futuro
brilhante, deve, com urgência urgentíssima,
estancar esse processo de desníveis gritantes e
criar soluções eficazes para combater a crise
generalizada (E), pois a uma nação doente,
miserável e semi-analfabeta não compete a tão
sonhada modernidade. (F)
(Adaptado de um editorial da Folha de São Paulo)

1º parágrafo – INTRODUÇÃO

A. Tema: O Brasil é o campeão da
desigualdade. Contextualização: decorrência
de um processo histórico problemático e de
dos grandes desníveis sociais.

2º e 3º parágrafos: DESENVOLVIMENTO

B. Argumento 1: exploram-se dados da
realidade que remetem a uma análise do
tema em questão.
C. Argumento 2: considerações a respeito
de outro dado da realidade, coloca-se sob
suspeita a sinceridade de quem propõe
soluções.
D. Argumento 3: uso do raciocínio lógico de
oposição.

4º parágrafo: CONCLUSÃO

E. Uma possível solução é apresentada.
F. Apoiando-se no raciocínio lógico de
oposição, o texto conclui que desigualdade
não se casa com modernidade.







57
Aplicação

1.- Leia o t ext o a seguir e ident ifique as t rês part es da dissert ação.

Controle da explosão populacional
“A longo prazo, a taxa de crescimento populacional vai eliminar qualquer chance de
existência segura e de qualidade nos países em desenvolvimento. O progresso na saúde,
educação e nutrição será sobrepujado e ‘engolido’ por uma massa populacional crescendo
constantemente.
Nestas circunstâncias, o controle efetivo da fertilidade é mais necessário do que nunca.
Apesar da queda da taxa de nascimento registrada atualmente no mundo, a população
continuará a crescer rapidamente, uma vez que hoje há maior quantidade de jovens que de
pessoas idosas vivendo nos países em desenvolvimento.
No entanto, cerca de 50% das pessoas nos países em desenvolvimento utilizam agora
o planejamento familiar e 125 governos apoiam diretamente esse planejamento.
Um prudente espaçamento entre os filhos aumentará tanto a saúde da mãe como a
dos filhos.
O controle da fertilidade será benéfico para os jovens casais e para seus futuros filhos.
Folha de São Paulo, fev.1998.


Resumo
Resumir um t ext o é reproduzir com poucas palavras aquilo que o aut or disse.

Para realizar um bom resumo, são necessárias algumas recomendações:
1. Ler t odo o t ext o para descobrir de que se t rat a.
2. Reler uma ou mais vezes, sublinhando as frases e palavras mais import ant es. I st o
aj uda a ident ificar ideias principais e secundárias.
3. Dist inguir os exemplos ou det alhes das ideias principais.
4. Observar as palavras que fazem ligação ent re diferent es ideias do t ext o ( por causa
de, assim sendo, além do mais, pois, em decorrência, por um lado, por out ro lado,
da mesma forma, et c.)
5. Fazer o resumo de cada parágrafo, porque cada um deles encerra uma ideia
diferent e.
6. Ler os parágrafos resumidos e observar se há est rut ura coerent e, ist o é, se t odas
as part es est ão bem encadeadas e se formam um t odo.
7. Num resumo, não se deve coment ar as ideias do aut or. Deve-se regist rar apenas o
que ele escreve sem usar expressões com segundo o aut or, o aut or afirmou que.
8. O t amanho do resumo pode variar conforme com o t ema abordado. É recomendável
que nunca ult rapasse a vint e por cent o da ext ensão do original.
9. Nos resumos de livros, não devem aparecer diálogos, descrições det alhadas, cenas
ou personagens secundárias. Soment e as personagens, os ambient es e as ações
mais import ant es devem ser regist rados.





58
Produção de t ext o

Releia as informações acima e faça um resumo dest e t ext o. Dê um t ít ulo.

A palavra cultura é de origem latina –colere– tendo como significado “cultivar”. Sua
origem está ligada às atividades agrícolas. Pensadores romanos antigos ampliaram esse
significado. A expressão cultura passou a significar refinamento pessoal, sofisticação,
educação elaborada de uma pessoa. Cultura deixou assim, de estar associada a um trabalho
coletivo como é o das atividades agrícolas e passou a estar ligada a atividades individuais de
reflexão, de pensamento.
Modernamente, a preocupação com a definição do que é cultura esteve associada, a
partir do século XIX, ao processo de expansão territorial das nações européias que, visando
aumentar seu poderio econômico e político, conquistaram novos territórios, principalmente,
no Oriente. Na expansão colonialista, nesse momento, comandada pela Inglaterra, vai se
entrar em contato com povos e nações diferentes, desconhecidos. A constatação da
existência de costumes, práticas sociais, ideias, crenças, etc., diversos dos europeus, e a
necessidade de conhecer o significado dessa realidade diversa vão implicar um repensar a
definição até então dada à cultura. Nesse momento, vão se elaborar explicações científicas
sobre cultura. Pela primeira vez, a cultura vai se tornar um problema a ser discutido pela
ciência. Importa deixar bem claro que toda essa preocupação em explicar cientificamente o
que é cultura tem por trás a preocupação das nações europeias conquistadoras em
conhecer a fundo seus conquistados para dominá-los de modo mais eficaz e duradouro. Ou
seja, a cultura tornou-se um problema científico ao mesmo tempo em que se tornava um
problema político.
Importa que compreendamos isso de forma clara para que entendamos que, antes de
mais nada, definir o que é cultura depende do ponto de vista e dos interesses políticos de
quem detém o poder. Cultura, então, passou a se referir a tudo aquilo que caracteriza a
existência social de um povo, de uma nação, de um grupo social – suas maneiras de
entender e organizar a vida social, seus costumes, crenças, ideias, etc. enfim, cultura passou
a ser tudo, o todo da vida em sociedade.
Freitas Perez, Lea. Mundo jovem nº 171. Porto Alegre. RS, abril de 1997.




59


































60








E X E R C Í C I O S
d e
A P L I C A Ç Ã O





















61




































62
UNI DADE 1


1. Preencha os espaços com os dígrafos LH, NH, CH, QU, ou GU.
t raba____o se____ora mu____er ____eij o
____at ro mi____o j u ____o orgu____osa
____erra che____e enge____eiro espa____ol
mont a____a ba ____eiro espe ____ o verme ____ o

2. Leia at entament e as palavras:
t rouxemos – exercícios – xarope - t áxi – execut arei – exibir – oxigênio – exercer
lixo – próximo – t óxico – ext ensão – exist ir – bruxa – experiência
êxit o – sexo – peixe – auxílio – exame – luxo
Separe as palavras em t rês seções, conforme o som do X:
Som de Z:

Som de KS:

Som de S:

Som de CH:


3. Complet e os diálogos ( cumpriment os) usando: “você”, “o senhor”, “a
senhora”, “obrigado”, “obrigada”:

a) Elisa: - Oi, Leandro, t udo bem?
Leandro ( amigo) : - Tudo bem e .................. .... ....?
Elisa: - Tudo bem, ............... ....... ...... ....... .....

b) Seu Marcos: Boa noit e, dona Bert a. Como vai ............ ....... ...... ....... ...... ....... ..?
Dona Bert a: Tudo bem, .................. ....... ...... .. ...... E ............ ...... ....... ...... ....... .?
Seu Marcos: - Tudo bem, ............... ....... ...... ... ......... ..

c) Dout or Renat o: - Oi, Paula, como vai ............... ......... ....... ...?
I sabel ( secret ária) : - Tudo bem, Dr. Renat o. E ........... ....... ...... ....... ...... ....... ....?
Dout or Renat o: - Tudo bem, ................ ....... .... ................ .

4. Subst it ua as palavras entre parênt eses por pronomes pessoais.
a) ( Ana e eu) .................. ..... est amos cont ent es.
b) ( Ant ônio) ............... ...... .. é j aponês.
c) ( Gust avo e Marcelo) ............. ...... .... t êm 35 anos.
d) ( Carla) ................. ...... é muit o t ímida.
e) ( Maria e sua filha) .................. ..... são alegres.
f) ( Paula e eu) ................. ...... t emos 2 filhos.




63
5. Descubra o erro e corrij a a frase:
a) Ele est á funcionário de uma grande empresa.
……………………………………………………………………………………………………………………………………...
b) João e Pet er est á no clube j ogando fut ebol.
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
c) Nós é amigos há muit o t empo.
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
d) Elas são francesas e est á no Brasil.
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .

6. Complet e as frases usando art igos definidos e indefinidos:
a) ____ Dr. Silva t em _______ escrit ório. ____ escrit ório dele fica no cent ro.
b) ____ pais de Robert o t êm _______ casa de campo. ____ casa deles fica dist ant e
da cidade.
c) Conheço _______ família muit o esport ist a: ____ mulher faz nat ação, ____ marido
prat ica basquet e e ____filhos lut am carat ê.
d) Est ou vendo _______ novela muit o boa. ____ t rama é engraçada e _____ at ores
são ót imos.

7. Complet e as lacunas do t exto com a forma corret a do verbo “est ar” no
presente do indicat ivo:

Eu .................. ....... ... muit o cansado hoj e e, por isso, queria ir para a cama mais
cedo. Ent ret ant o, minha esposa não .......... .... ......... ..... dispost a a cancelar o j ant ar
que t ínhamos marcado com nossos amigos, os Gomes. Port ant o, nós ainda
......... ....... ...... ...... discut indo a quest ão.
Sílvio Gomes e sua esposa ............. ...... ..... .... muit o int eressados em nossa
presença, uma vez que pret endem aproveit ar-se da sit uação para pedir emprest ado
nosso carro para a viagem que ............... ...... .. .....programando ao sul do Brasil.

8. Preencha os diálogos com a forma “est ar + gerúndio” do verbo dado ent re
parênt eses:

a) – Por que Benedit o ............... ....... ...... ....... ..... ......... .. no t rabalho hoj e? ( dormir)
– Por que seu chefe .............. ...... ....... ...... ...... ......... ...... ( viaj ar)
b) – Marcelo, o que você ................ ....... ...... ....... ......... ....... ...... ....... .....? ( fazer)
– Nada especial, mãe. ................ ....... ...... ... ......... ....... ..... umas revist as em
quadrinhos. (ler)
c) – Por que Rodrigo não .............. ...... ....... ...... ......... ....... .. o peixe que sua mãe
lhe preparou? (comer)
– Por que ele não gost a desse t ipo de peixe, por isso, ela lhe ................. ....... ..... .
......... ....... ...... ....... ...... .. alguns ovos. (frit ar)



64
d) – Por que aqueles homens .................. ..... ......... ....... ...... ....... ...... ..... como
loucos? ( correr)
– Não sei. Acho que .............. ...... ....... ...... ..... ......... ....... ...... ... da polícia. ( fugir)

9. Complet e com art igos definidos e indefinidos:
Fui a ............... bar, mas ......... ... bar est ava lot ado. Pedi .............. cervej a, mas
......... .. cervej a est ava quent e. Falei com ............ garçom, mas ............ garçom não
me at endeu. Pedi ............ prat o de bat at as frit as, mas ............... bat at as est avam
cheias de azeit e. Aí, fiquei muit o bravo: pedi ............. .. cont a e fui embora!

10. Complet e ut ilizando dias da semana:
Se hoj e é domingo:
amanhã vai ser .................. ...... ....... ...... ...,
ont em foi .................. ...... ....... ...... ...... ....,
ant eont em foi .................. ...... ....... ...... ....., e
depois de amanhã vai ser ................ ....... ...... .. ......... ....... ....

11. Escreva em port uguês os meses do ano:
j aneiro, ............. ...... ...... ....... .., ...... ...... ....... ......... ..,
abril, ............... ....... ...... , ........ ...... ....... ...... . ., ......... ....... ...... ....... ..,
agost o, ............... ...... ....... ...... ......, out ubro, ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... e
........... ....... ...... ....... ...... ....... .....


12. Acent ue, quando necessário, as palavras do diálogo abaixo:
Joana: “Se encont rasse a lampada do genio e pudesse fazer t res pedidos, pediria primeiro
saude para os povos de t odos os paises do mundo; depois, grandes ideias para que
os polit icos encont rem uma saida para os nossos problemas; e, por ult imo, para
não esquecer de mim mesma, um onibus magico para fazer uma viagem romant ica
ao redor do mundo com algum principe encant ado.”
Cecília: “Eu sei que nunca vou encont rar um, mas, se t ivesse est a sort e, pediria primeiro
muit o dinheiro. Com o dinheiro poderia aj udar t odas as pessoas que precisassem.
Acho que com dinheiro resolveria qualquer problema, meu ou dos out ros.”
Mart a: “ Puxa! Voces so pensam nos out ros! Eu pediria dinheiro para mim, saude para
mim, e a solução de t odos Os meus problemas! ”






65
UNI DADE 2

1. Complet e as frases com o pronome int errogat ivo adequado:
a) ......... ....... ...... . é sua opinião sobre o assunt o?
b) ......... ....... ...... .... é seu aniversário?
c) A secret ária me pergunt ou com ............. ....... .. .... eu desej ava falar.
d) ......... ....... ...... .... dos vinhos foi o mais caro?
e) ......... ....... ...... .... dinheiro eu devo?
f) ......... ....... ...... .... você se chama?
g) Ele queria saber ............... ...... ...... seriam os convidados.
h) ......... ....... ...... ....... .... vocês chegaram a Brasília?
i) ......... ....... ...... ....... ... dólares a Marina t rocou?
j ) De ............ ...... ....... .. é est a bolsa?
l) ......... ....... ...... ....... ... você precisa?
m) ......... ....... ...... ....... ... você colocou as minhas chaves?
n) Eles queriam saber ............. ....... ...... . horas eram.
o) ......... ....... ...... ....... ... você vai fazer amanhã?
p) ......... ....... ...... ....... ... é o seu nome?

2. Complet e as orações com por que, por quê, porque ou porquê.
a) ________________ com o frio as pessoas comem mais?
b) I sabel quer saber o _______________ dos alunos falt arem no dia das provas.
c) Marist ela não foi à fest a _______________ t eve que cuidar da sua filhinha.
d) Na fest a eu queria dançar mais forró, mas não pude _____________ est ou grávida.
e) Leandro não dançou axé nem forró. _________________?
f) _______________ Flávio est ava t ão feliz na fest a?
g) Não sei o ________________ da sua alegria. Vá pergunt ar a ele!
h) Mário e Mônica queriam saber o _________________ de não t erem ganho uma
garrafa de cachaça.
i) _________________ Alfonso e Toninha não fazem um quent ão com a cachaça que
ganharam?
j ) A professora quer um __________________ para isso.
l) Não sei ___________________ ela não veio.
m) Eles não viaj aram, _________________?

3. Risque o que est ej a errado:
a) Onde fica seu- sua casa? Minha- meu casa fica pert o do cent ro.
b) Aquelas canet as vermelhas são meus- minhas.
c) Nós t emos nossa- nossas vida, e nosso- nossos problemas.
d) Marina, você t em seu- sua casa, seu- sua profissão, seu- seus amigos, e seu-
seus carro.




66
4. Complet e ut ilizando art igos definidos ou suas contrações:
a) .......... cidade mais agit ada ......... América Lat ina e .......... quint a maior ..........
mundo, São Paulo, não vive só t rabalhando.
......... . cidade pulsa .......... 24 horas e .......... paulist ano acompanha ..........
rit mo com prazer; mas sabe t ambém .......... hora de relaxar e curt ir t udo o que
t em de bonit o e gost oso. Passear .............. ....... met rópole é descobrir seus
encant os .......... mínimos det alhes. ( Revist a “ Desfile” , out .91)

b) – Onde ficam Córdoba e Bariloche? ............ Argent ina.
– Onde est ão sit uadas as Cat arat as do I guaçu? ......... ... front eira ent re ............
Brasil, ............ Paraguai e ............ Argent ina.
– Mont evidéu é capit al de que país? ............ Uruguai. E Paris? ............ França.
– Lisboa é capit al de que país? ............ Port ugal. E Sant iago? ............ Chile.
– Sua amiga mora ............ Rio de Janeiro? Não, ela mora ............ Bahia,
......... ... Brasil.

c) Os Padong são um grupo ............... t ribo Karen e moram na Tailândia. Suas
mulheres- girafas chegam a t er .............. . pescoço, na idade adult a, 25 argolas.
Dizem que ......... hábit o de usar aros ......... .... pescoço começou muit os anos
at rás, como prot eção cont ra ........... t igres que cost umavam at acar ...........
mulheres que t rabalhavam .............. campos, pulando sobre seu pescoço.
......... ... t igres hoj e são raros, mas ........... hábit o cont inuou, t ornando- se um
símbolo de beleza.
......... ... mulheres est ão muit o orgulhosas ........... longo pescoço semelhant e ao
dos cisnes, e ......... meninas sonham com o dia de colocar suas primeiras argolas!
I sso acont ece .............. cinco anos de idade e o dia ......... cerimônia é
considerado uma fest a. ( Revist a Vej a, 2001)

5. Complet e as lacunas ut ilizando pronomes possessivos:
a) Eu sei que ele é um bom candidat o. _______________ int uição nunca falha.
b) Pat rícia anda muit o t rist e. Você sabe qual é o problema ___________?
c) Luciana e eu vamos fazer um curso de mergulho em Fernando de Noronha.
Esperamos que ________________ inst rut or sej a pacient e.
d) Não pude pegar o avião, porque esqueci ______________ document os em casa.
e) Robert o e eu t ivemos que sair mais cedo da reunião. Ninguém ent endeu
_________________ pressa.
f) I gor ficou furioso porque _____________ comput ador quebrou.
g) Cláudia e Berenice são ót imas dent ist as. O consult ório _____________ fica logo ali.
h) Camila disse que infelizment e não vai poder cancelar ____________
compromissos.




67
6. Complet e com o pronome demonstrat ivo adequado:
a) Meu carro é ______________ aqui. O que você acha ______________ modelo?
b) Vou começar a sent ir __________________ que sent i ont em, quando comi frit uras.
c) Por favor, passe- me _____________ livro ai.
d) Você est á vendo ____________________ rapaz lá?
e) _____________ mês não acaba nunca!
f) Como é bonit a ____________ bolsa! Deixe- me vê- la de pert o.
g) _______________ época est á cheia de violência. Quando eu era pequeno não era
assim: __________________ t empos reinava a t ranquilidade.

7. Quais são as principais refeições do dia?
........................................, .................................., ......................................... e ........................
8. Preencha a seguinte carta com art igos e cont rações:
Querida mãe:
Est amos visit ando .............. pequena cidade brasileira. Ela fica
......... int erior .......... est ado ........... Bahia.
......... ... cent ro da cidade há ............... . praça. Nest a praça há loj as,
......... ...... farmácia, ............... banco, .......... ..... cinema, .............. .. bar e
......... ....... padaria.
......... noit e, ........... moços e ....... ... moças .......... cidade vão .......... .
praça para encont rar os seus amigos e conversar com eles.
......... .. casas são ant igas. Há casas modernas .......... part e nova ...........
cidade. Para chegar at é lá é necessário pegar .......... ônibus que passa
......... ....... . rua Tiradent es.
......... vida aqui é muit o calma. Acho que vou ficar mais ............. t empinho
por aqui. Beij inhos, seu filho.


9. Complet e as frases com art igos, preposições e/ ou suas cont rações.

a) Ant igament e ____________ mulheres mais velhas ficavam _________ casa. Hoj e,
_________ mulher idosa faz ginást ica, cuida ______ cabeça, sai __________ casa,
passeia __________ shopping e vai sempre _________ praia.

b) Ut ilize ______ descont os e _____ promoções ________ Clube Medit errâneo.

c) Elas foram ______ cinema assist ir _______ filme: "______ Homem ______ Fundo
_______ Mar".

d) Foi ______ baile ______ clube mais chique ______ cidade.



68
e) Ele mora _____ capit al _____ país. Lá, _____ ruas são ruidosas e ______ carros
são muit o velhos.

f) Não darei ______ prêmio _______ aluno mais int eligent e, e sim ______ mais
aplicado.

g) Os papagaios voavam felizes __________ céu do Brasil.

h) Sua sogra est ava perdida ________ edifício. Descia ____________ escadas e
andava _______________ corredores sem saber para onde ir. Finalment e
encont rou _________ elevador.

i) Ela gost a de caminhar ___________ praças _________ cidade, durant e ______
primavera. Mas, quando chega __________ inverno, prefere ficar _________ casa
comendo pipoca e t omando chocolat e quent e. Ela não gost a muit o _______
inverno.

10. Complet e com os pronomes alguém, ninguém, nenhum, nenhuma,
t odo( s) , t oda( s) , t udo, nada, algum, alguns, alguma( s) .
O senhor Francisco vai se aposent ar, após 40 anos de t rabalho na firma. O senhor
Tavares, seu chefe, pede à secret ária que lhe t raga a ficha do senhor Francisco e
recebe uma respost a surpreendent e:

Tavares:
Secret ária:
Tavares:
Secret ária:


Tavares:

Secret ária:
Mais t arde
Secret ária:

- Como? Não achou .................. ..... sobre ele?
- Não. .......... ....... ...... ....... . ficha, .............. ... ......... .... document o.
- Não é possível! ............... ...... .. deve saber ............ ....... ..... coisa.
- ............ ...... ....... ..... sabe ......... ....... ..
Já t ent amos ............. ....... ... e .............. ...... ...... colega se lembra
de quando ele começou a t rabalhar.
- Vej am no “ arquivo mort o” . Lá encont rarão ............. ...... ..... as
informações.
- O senhor t em razão. ............... ...... . o que queremos deve est ar lá.


- Senhor Tavares, verificamos o arquivo mort o. O senhor Francisco
est ava lá. Encont ramos ................ ...... ... os seus document os.

11. Complet e ut ilizando pronomes indefinidos:
a) Vocês querem fazer .............. ...... ...... ...... pergunt a? Não, ........... ...... ....... ...... ...
b) Falt ou ............... ...... ....... ...... ... à aula de ont em? Não, ............... ...... ....... ...... ...
c) Eles t rouxeram .............. ....... ...... ... present e do Paraguai? Não, .............. ....... ...
d) Você sabe ............... ....... ...... ....... . sobre ele? Não, ....... ....... ...... ....... ...... ....... ..
e) Você t em .............. ...... ...... ....... ..... fot o do seu t io? Não, ................. ....... ...... ....





69
12. Complet e os espaços com – t odo, t oda, t odos, t odas, t udo –.
Se for necessário, acrescente o, a, os, as.
a) Est ava com o rost o ................ ...... ....... manchado de sangue.
b) Comprei ................... ...... ..... que precisava e ......... ....... ...... ....... foi resolvido.
c) Eu acredit o em ............. ....... ...... ... que você diz.
d) Os alunos não conseguiram responder ............. ......... ....... ... quest ões.
e) Necessit am de roupas, cobert ores, remédios, aj uda financeira, ............. ...... enfim.
f) ......... ....... ...... ....... ...... quart os da casa são ensolarados.
g) Percorreram ............... ....... ...... ..... cidade procurando um hot el para se hospedar.

13. Complet e as lacunas ut ilizando os verbos no Presente do I ndicat ivo:
Nós ( querer) ................... ...... ....... ..... morar num lugar diferent e. Eu (preferir)
......... ....... ...... ....... ...... . comprar um apart ament o pert o do cent ro porque é mais
prát ico, mas minha mulher ( preferir) ............. . ......... ....... ...... . morar numa casa. As
crianças ( querer) ................. ....... ...... ...... uma casa com piscina, que vai ser
impossível. Helena ( querer) .............. ...... ....... ... morar longe do cent ro por causa da
poluição.

14. Preencha as lacunas ut ilizando o verbo TER no Presente do I ndicat ivo.
a) A senhora ............. dinheiro? Não, eu não .................. .. dinheiro,
......... ....... ...... . cheque.
b) Quant os filhos vocês ................. ....? Nós ......... ....... ..... quat ro filhos, dois
meninos e duas meninas.

15. Complet e com o Present e do I ndicat ivo:
a) ( poder)
Nós .......... ....... ...... ...... viaj ar, mas eles não ........... ....... .... Eles não t êm t empo.
b) ( poder / sent ir)
Eu não .................. ...... ....... . dizer o que ....... ......... ....... ...... ......
c) ( saber / ment ir)
Eu não .................. .... ment ir. Eu nunca .................. ....... ..........
d) ( pedir)
O que você ................... . quando est á com sede? Eu ............. ....... ... um
refrigerant e.
E vocês? O que vocês ................... ...... ?
e) ( pôr) Eu não ............... ..... meu dinheiro no banco. E vocês? Vocês .............. ......?
Não, nós nunca ................. . nosso dinheiro no banco mas meu pai sempre ..........






70
16. Responda as pergunt as com o verbo na 1ª pessoa do singular.
( Escreva respost as curt as) .
a) Você dorme t arde ou cedo? ................ ...... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
b) O que você prefere, chá ou café? .............. ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ..
c) Você sempre pede dinheiro emprest ado? .......... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
d) A que horas você sai do t rabalho? ............... .... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
e) Você ouve música t odos os dias? ................... .. ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .

17. Subst it ua as expressões repet idas por pronomes oblíquos, fazendo as
alt erações necessárias:
Na cozinha:
— O que você vai fazer com est a bat at a?
— Vou descascar a bat at a, cort ar a bat at a, frit ar a bat at a e comer a bat at a.
Meia hora depois...
— O que você fez com aquela bat at a?
Descasquei a bat at a, cort ei a bat at a, frit ei a bat at a e comi a bat at a.
— Não a dividiu com ninguém?
Não, era muit o pequena, comi a bat at a int eirinha.


......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .....
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .....
......... ....... ...... ....... ...... ............. ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .....
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .....
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .....
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .....
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .....
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .....

18. Refaça o diálogo ant erior subst it uindo a palavra "bat at a" por "camarões" e
por "bananas".

......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .....
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .....
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .....
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .....
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .....
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .....
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .....
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .....

19. Reescreva as frases abaixo subst it uindo as palavras sublinhadas pelo
pronome oblíquo correspondent e:
f) Eles compraram o carro na agência aut orizada.
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
g) Vou comprar o livro.
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .



71
h) A professora põe as faixas de campeões nos j ogadores.
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
i) Vou est ender o avent al no varal.
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
j ) A lavadeira est endeu o avental no varal.
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
k) As lavadeiras est enderam os avent ais no varal.
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
l) Meus amigos beij aram as garot as e saíram correndo.
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
m) Um policial pôs meus amigos na cadeia!
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
n) Vamos visit ar Carol no hospit al amanhã.
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
o) Viram a fot ografia do ladrão na primeira página do j ornal.
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .




























72
UNI DADE 3


1. Correlacione os it ens à direit a com a descrição na coluna à esquerda:
a- melancia ( ) A frut a cít rica mais consumida. Seu suco é t ambém o preferido da
maioria das pessoas.
b- morango ( ) Cereal originário da América, seus grãos se desenvolvem em
espigas.
c- laranj a ( ) Plant a muit o sucosa, de casca verde e polpa vermelha, muit o
consumida em t empo de calor.
d- pêssego ( ) Raiz comest ível, de cor laranj a. Dizem que é o aliment o preferido
dos coelhos.
e- alho ( ) Plant a bulbosa, muit o ut ilizada em saladas e como condiment o,
apesar de seu cheiro fort e.
f- cebola ( ) Muit o apreciado com creme de leit e ou chant illy.
g- cenoura ( ) Frut a muit o parecida com o damasco.
h- milho ( ) Plant a usada como condiment o. Apresent a- se na forma de cabeça,
com vários dent es.

2. Acrescente uma cor para cada subst ant ivo empregando cores diferent es:
......... ....... ...... ....... como o sol
......... ....... ...... ....... como o céu
......... ....... ...... ....... como a neve
......... ....... ...... ....... como a florest a
......... ....... ...... ....... .. como a cenoura
......... ....... ...... ....... .. como o t omat e
......... ....... ...... ....... .. como o carvão
......... ....... ...... ....... .. como a t erra

3. Escolha o adj et ivo adequado a cada nome.
um filme ( )
uma bebida ( )
um j ardim ( )
uma flor ( )
um rio ( )
um professor ( )
um brinquedo ( )
uma casa ( )
um animal ( )
( a ) engraçado
( b ) simpát ico
( c ) perfumada
( d ) poluído
( e ) cômico
( f ) feroz
( g ) florido
( h ) fresca
( i ) confort ável

4. Escreva por ext enso:
a) ( 2) ................ ......dias t êm ( 48) ............. ....... . ......... ....... ...... ....... ...... .. horas.
b) Há (52) ............. ...... ....... ...... ....... ...... ....... ... ......... ....... ... semanas em um ano.
c) ( 3) ................ .... meses t êm ( 90) ................. . ......... ....... ...... ..... dias.
d) A África t em ( 53) .................. ...... ....... ...... ..... ......... ....... ...... ....... ...... .. est ados.
e) Um semest re t em ( 180) .............. ....... ...... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... dias.
f) Est amos no ano ( 2009) .................. ...... ....... ... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
g) Meu número de t elefone é 410569.
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .

5. Escreva por ext enso:
 123: ................ ...... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ......... ....... ...... ....... ............. ...... ......



73
 268: ................ ...... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ......... ....... ...... ....... ............. ...... ......
 1.539: .................. ...... ....... ...... ....... ...... ....... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ......
 4.407: .................. ...... ....... ...... ....... ...... ....... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ......
 18.352: ............... ...... ....... ...... ....... ...... ....... . ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... .

6. Responda. Que horas são?
04: 45 ................... ...... ....... ...... ....... ...... ....... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ......
01: 50 ................... ...... ....... ...... ....... ...... ....... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ......
07: 10 ................... ...... ....... ...... ....... ...... ....... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ......
12: 00 ................... ...... ....... ...... ....... ...... ....... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ......
02: 20 ................... ...... ....... ...... ....... ...... ....... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ......
00: 15 ................... ...... ....... ...... ....... ...... ....... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ......
01: 20 ................... ...... ....... ...... ....... ............. ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ......

7. Complet e as frases abaixo com os comparat ivos de igualdade ( t ão .... quant o)
ou ( t anto/ t ant a .... quant o)
a) Ant ônio é ________ magro _________ Manuel.
b) O livro de francês é ________ int eressant e _______ o de inglês.
c) A casa de Paulo é _________ fria ___________ a de José.
d) Sou __________ baixa _________ você.
e) Maria é _______ int eligent e __________ Lúcia.
f) Nós t emos ______ fome _________ eles.
g) Eles t êm ________ problemas _______ a gent e.
h) Eu compro _______ coisas __________ meu dinheiro dê.

8. Complet e as frases abaixo com os comparat ivos de superioridade ( mais .....
( de) que) . Não se esqueça que exist em adj et ivos que t em comparat ivos
irregulares: bom/ melhor, grande/ maior.
a) Est e quadro é _____________ bonit o _____________ aquele.
b) Pedro é __________ velho ___________ Afonso
c) A lição de port uguês é ____________ fácil ___________ a de Russo.
d) A rua dos Andradas é _______ est reit a __________ a rua Riachuelo
e) A casa de Maria é _________ confort ável ___________ a de Cecília.
f) Eles são _________ alunos _________ os nossos ( bom)
g) Buenos Aires é _____________ Tucumán ( grande)
h) Somos _________________ que eles ( bons)

9. Exercit e os comparat ivos:
a) Suzana / int eligent e / Carlos ( superioridade)
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .....
b) Os carros no Brasil / caros / na Europa (igualdade)
.................. ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ...



74
c) Essa máquina / boa / a out ra. ( igualdade)
.................. ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ...
d) Esses livros / bons / aqueles da bibliot eca. ( superioridade)
.................. ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ...
e) Esse engenheiro / eficient e / aquele ( inferioridade)
.................. ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ...
f) As fábricas do nordest e / grandes / as fábricas do sul ( superioridade)
.................. ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ............. ...... ...

11. Faça orações colocando os verbos no Pret érit o Perfeit o do modo indicat ivo.
a) ( Eu acordar às 6hs – t omar banho – preparar o café da manhã – escrever uma
cart a – ir ao correio – e conversar com meus filhos)
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
b) ( Meu marido chegar cedo – beber um chope – comer um sanduíche – e assist ir a
TV)
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
c) ( Eles ir ao clube – correr meia hora – j ogar t ênis – volt ar para casa – e assist ir a
TV)
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ......
d) ( Juliano ir para o rio – pescar um lambari – bot ar o peixe dent ro de um balde com
água – depois resolver solt ar o lambari no rio – e volt ar para casa)
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
e) ( Nós ir ao banco – falar com a secret ária – receber muit os client es – e discut ir com
o chefe)
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .

12. Complet e a hist ória abaixo usando os verbos no Present e, Pretérit o Perfeit o e
Pret érit o I mperfeit o do Modo I ndicat ivo.

( Pret érito imperfeit o) Orlando......... ......... ..... ( ser) um rapaz bat alhador que
......... ....... ...... ....... ...... ..... ( morar) na periferia da cidade. Todos os dias ele
......... ....... ...... ....... ...... ....... .( acordar) às 5hs da manhã, ............. ...... ....... ...... ... .
( t omar) café, se ................... ...... ....... .....( vest ir) e ................. ....... ...... .......( andar)
at é o pont o de ônibus. ................ ....... ...... . .....( esperar) na fila, e quando o ônibus
......... ....... ...... ....... ...... ...( chegar) ele ............. ..... ( ir) em pé, pois j á



75
......... ....... ...... ....... ......( est ar) lot ado. Orlando .......... ...... ....... ...... ....... ..( chegar) ao
t rabalho às 8hs e ................ ...... ....... ..( sair) às 18hs para ir à faculdade. Ele só
......... ....... ...... ....... ...... ..... ( volt ar) para casa às 23hs.
( Pret érit o Perfeit o) Depois que ele .......... ....... ...... ...... ....... .. ( t erminar) a
faculdade, ............. ...... ....... ...... ....... ( procurar) emprego, .................. ...... ....... ...... ..
( enviar) vários currículos e ................ ....... . ........ ( acabar) t rabalhando numa firma
mult inacional.
( Presente) Hoj e ele ................. ...... ( ser) gerent e, .............. ....... ...... ... ( t er)
muit os subordinados, ................. ...... ....... ... ... ( gost ar) do emprego e, apesar de
cansat ivo, ele ................ ....... ...... ... ( est ar) sempre sorrindo e relembra com alegria
como valeu a pena t odo o esforço do passado.

13. Escreva a forma corret a dos verbos entre parênt eses:
Recordações

Na semana passada eu (visit ar) ............... ....... ...... pela primeira vez
uns velhos amigos que agora ( morar) ............. ......... .... pert o de um
lago dest e país, o que me (t razer) ............. ......... ..... à memória
algumas boas lembranças da minha infância.
Quando ( ser) ................. .. uma criança, minha família ( est ar)
......... ....... ...... .... acost umada a passar uns quinze dias na paria.
Nós ( ir) .............. ...... ...... para lá nos fins de agost o e ( ficar)
......... ....... ...... ....... .. hospedados num hot elzinho que se ( encont rar)
......... ....... ...... ...... pert o da praia, mas não longe do cent ro da
cidade. Não (ser) .............. .. um hot el de luxo, mas ( t er)
......... ....... ..... t odas as comodidades: quart os bast ant e simples mas
com banheiros privados, t apet es e boas vist as do mar.
I nfelizment e, minha amiga me ( dizer) .......... ......... ....... que esse
hot el j á não exist e, que (ser) ............. .. dest ruído num incêndio há
dois anos. Mas, pelo menos a praia ainda (cont inuar) ................. ......
bonit a.
Que pena! Eu ( est ar) ............. ....... . com vont ade de ficar lá de novo.











14. Vej a como foi o dia de Dona Nena. Complet e com os verbos entre parênteses
no Pret érit o I mperfeit o:

Pela manhã, enquant o ela ................ ....... .... .....(fazer) o nenê dormir, seus filhos
......... ....... ...... ....... ...... .. j ogar) vídeo- game. Enquant o ela ................. ....... ...... ....... ..
( arrumar) a casa, seu marido a .............. ...... ......... ... (chamar) de 15 em 15 minut os,
para lhe pedir alguma coisa. Enquant o a Dona Nena .............. ....... .... ( dar) comida para
o nenê, seus filhos ................ ...... ....... ...... .... . ( bagunçar) a cozinha fazendo algo para
comer.



76
À t arde, enquant o os filhos se .................. ...... ......... ....... (preparar) para ir à escola,
seu marido ............ ...... ....... ...... ...... (assist ir) a um programa de TV no últ imo volume, e
o neném não ................. ....... ...... ....... ...... (conseguir) dormir.
À noit e, enquant o t odos ............... ...... ..... ......... ....... ...(conversar) , Dona Nena
......... ....... ...... ....... .(dormir) como uma pedra.
15. Complet e as orações com "mais", "mas" ou "más".
a) Vendeu ___________ livros nest e mês que no ant erior.
b) Ela não é bonit a, ____________ conquist a pela simpat ia.
c) Dizem as ___________ línguas que ele vai ser o nosso prefeit o.
d) É o Rio de Janeiro a cidade _________ bonit a do Brasil?
e) Elas pareciam invencíveis, ________ foram derrot adas.
f) Queria viaj ar, _____________ não consegui comprar passagem.
g) As pessoas dest e lugar são muit o __________.
h) Querem t er dinheiro, __________ não t rabalham.
i) Escreva __________ depressa, por favor!

16. Passe para o plural as palavras grifadas:
 O leão do zoológico é muit o feroz.
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ...
 Aquele rapaz errou o t om da canção. Realment e ele não é bom cant or.
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ...
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ...
 O t únel ant igo foi fechado.
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ...
 O ônibus da universidade est á sempre lot ado.
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ...
 O professor alemão explicou para o est udant e port uguês a lei de import ação do país
europeu.
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ......
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ............. ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ......













77
UNI DADE 4


1. Preencha as lacunas com palavras relacionadas ao vest uário:
a) Ricardo não gost a de usar ............... ....... ...... .. .... porque apert a muit o o pescoço.
b) A ............... ...... ....... ...... é a peça ínt ima masculina mais import ant e.
c) Est ou de acordo com que as mulheres vist am ........... ....... ...... ....... . curt as, desde
que t enham pernas lindas.
d) Os vendedores dest a empresa precisam usar .......... ....... ...... ..... no t rabalho, ou
sej a, eles devem vest ir palet ó e calça do mesmo t ecido, modelo e cor.
e) As crianças não devem usar t ênis sem ............ ......... ....., pois isso deixa um fort e
mau cheiro em seus pés.
f) Os cost umes mudam muit o com o t empo. Ant igament e, era socialment e inaceit ável
que a mulher não usasse .................. ...... ....... .. para sust ent ar os seios.

2. Sozinho/ a, numa ilha desert a, o que você faria? Escreva orações ut ilizando os
verbos sublinhados no Fut uro do Pret érit o.

Vest ir uma folha de bananeira. Dormir numa rede e escrever muit os poemas. Comer
peixes e t omar água de coco. Cant ar o dia int eiro. Fazer roupas e sapat os nat urais.
Const ruir um barco e aprender a língua dos animais.
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... .
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... .
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... .
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... .

3. Subst it ua o Futuro I mediato pelo Fut uro do Present e. Faça como no exemplo:
Não vou falar com ele. → falarei
a) Vamos conhecer o clube amanhã. → ............. ......... ....... ...... ....... ...... ....... ..
b) Ela vai t razer amigos para j ogar pôquer. → .............. ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
c) Nós vamos t er muit o t rabalho nos próximos dias. → ................. ...... ....... ...... ......
d) Ninguém vai poder nadar nessa piscina. → .............. ....... ...... ....... ...... ....... ...... ..
e) Não vou falar mais sobre est e assunt o. → ................ ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
f) Luísa e Alícia vão fazer t udo. → ............... ...... ......... ....... ...... ....... ...... .

4. Ut ilize soment e uma vez qualquer um dos conect ores do quadro abaixo.
ant es que – a fim de que – ainda que – at é que – embora
a) Ela vai sair, ................ ....... ...... ...... .... est ej a chovendo.
b) É melhor você sair daqui ................ ....... ...... ... .... eu perca a paciência!
c) Nós vamos ficar plant ados aqui ............... ....... . ......... ... eles nos receba.
d) Não vou me casar com você, ............. ....... ...... ......... . você me peça de j oelhos.
e) Convoquei est a reunião .................. ...... ....... .. ......... .... t odos saibam o que est á
acont ecendo.




78
5. Complet e com a conj unção adequada ( cada conj unção só pode ser ut ilizada uma
vez)
por isso – para que – embora – pois

a) Ela t rabalha demais, ............. ....... ...... ....... .. não receba um bom salário.
b) Fale mais devagar ............... ....... ...... ....... ..... Paulo a compreenda.
c) Vamos embora cedo, .............. ....... ...... ...... .... o t rânsit o est á engarrafado.
d) Cláudio est ava doent e, ................ ...... ....... ..... ... não pôde ir à fest a.

6. Uma com flechas as palavras com seu significado:
casa t érrea Aglomeração de residências de t ipo ext remament e precário nas
quais vivem pessoas bast ant e pobres.
cômodos Os compart iment os de uma casa, ou apart ament o, como quart o,
sala e cozinha.
elevador Casa urbana compost a de dois andares.
favela Pequeno t erreno, muit as vezes com j ardim ou com hort a, at rás da
casa.
pát io Recint o descobert o no int erior de um edifício.
sobrado Moradia compost a de soment e um andar.
quint al Cabine acionada por máquina que t ransport a vert icalment e pessoas
ou cargas.

7. I ndique as circunst âncias expressas pelos advérbios ou locuções adverbiais
em dest aque nas frases abaixo:
a) “ Talvez um dia o meu amor se ext inga.” (Machado de Assis)
b) Fat alment e t odos saberão a verdade.
c) As est relas iam surgindo pouco a pouco.
d) Cert amente sairei mais t arde com meus amigos.
e) Sempre agi de maneira honest a.
f) “ ( ...) e a cada moment o limpava com lenço os cant os da boca.” (Eça de Queirós)

8. I ndique o grau em que se encont ram os advérbios dest acados nas seguint es
frases:
a) Ele sempre sai muit o t arde do t rabalho.
b) Amanhã viaj aremos cedinho.
c) Procure falar mais alt o hoj e.
d) Você fala mais baixo do que um padre.
e) Achei o seu t ext o muit íssimo int eressant e.
f) Você escreve melhor do que os demais da classe.




79
9. Seguindo o modelo, transforme em advérbios as locuções adverbiais
relacionadas abaixo.
nesse lugar → aí

a) naquele lugar
b) nest e lugar
c) nest e moment o
d) desse modo
e) com cert eza
f) pouco a pouco
g) por acaso
h) pela raiz
i) com frieza


10. I ndique as relações que as conj unções coordenat ivas dest acadas nas frases
abaixo est abelecem entre as orações ( adição, oposição, alt ernância,
conclusão ou explicação)
a) “ Apanhei o embrulho e segui. Segui, mas não sem receio.” (Machado de Assis)
b) “ A I grej a diz-nos que supõe que sou homem; logo, não sou pó.” ( Padre A. Vieira)
c) “ Não examinava nem cheirava:
Engolia com voracidade.” (Manuel Bandeira)
d) ” Morreu Felipe Dos Sant os: out ros, porém, nascerão.” ( Cecília Meireles)
e) “ Durant e a noit e, dirij a com cuidado, pois muit as pessoas não respeit am as
sinalizações de t rânsit o.” (Carlos Góes)
f) “ Quincas Borba não só est ava louco, mas sabia que est ava louco.” ( M. de Assis)
g) “ As pessoas at ingidas baixavam a cabeça, humildes, ou corriam a execut ar
ordens.” ( Graciliano Ramos)
h) “ Bem- avent urados os que ficam, porque eles serão recompensados.” ( M. de Assis)
i) “ O senhor é um homem, est ava avisado do que ia acont ecer, portant o não chore
mais.” ( Rubem Braga)

11. I ndique as circunst âncias que as conj unções ou locuções conj unt ivas
subordinat ivas est abelecem ent re as orações nos períodos seguint es:
a) “ Mesmo que ele levasse aquele gadinho para a t erra dele, fazia out ro negócio ...”
( Guimarães Rosa)
b) “ Quanto mais bat ia, mais silêncio fazia lá dent ro.” ( Fernando Sabino)
c) “ Ele agradecia com a cabeça, como um rei de volt a a seu reino.” ( Fernando Sabino)
d) “ O espírit o humano é t ão criador como é a nat ureza ( ...) ” ( Graça Aranha)
e) “ Se fosse dor t udo na vida,
Seria a mort e o grande bem.” (Manuel Bandeira)
f) ” ... o passo de D. Fort unat a foi um aviso para que nos compuséssemos.”
( Machado de Assis)
g) “ Já que principiei a falar, irei at é o fim.” ( Júlio Ribeiro)
h) “ Já nesse t empo, como dissemos, I nocência de t odo se rest abelecera...”
( Visconde de Taunay)
i) “ ( ...) ama- se ou aborrece- se, conforme o coração quer.” (Machado de Assis)
j ) Grit ou t anto, que ficou quase sem voz.
l) Por mais que insist am, não agiremos dessa maneira.




80
12. I ndique que sent imento ou est ado de espírit o as int erj eições dest acadas
enfat izam nas seguintes frases:
a) Cidadezinha do int erior, ah, lugarzinho gost oso!
b) Ah! Finalment e est ou livre dest e calo maldit o!
c) Coragem! Não desanime diant e da dificuldade!
d) Cuidado! Não abuse de bebidas alcoólicas!
e) Calma! O sol nasce para t odos.
f) “ Ah! O senhor que é o Pest ana?” ( Machado de Assis)

13. ( PUC- SP) “Ent ão, os peixes j ovens, j á não era mais possível segurá- los; agit avam as
nadadeiras nas margens lodosas para ver se funcionavam como pat as, como haviam
conseguido fazer os mais dot ados. Mas precisament e naqueles t empos se acent uavam
as diferenças ent re nós...”
As palavras dest acadas indicam, respect ivament e:
a) finalidade, oposição, comparação, conformidade
b) oposição, finalidade, comparação, conformidade
c) conformidade, finalidade, oposição, comparação
d) finalidade, comparação, conformidade, oposição
e) comparação, finalidade, oposição, conformidade

14. Circule a alt ernat iva corret a.
a) Vocês iram viaj ar na Semana Sant a?
b) Vocês irão viaj ar na Semana Sant a?

a) No carnaval do ano passado, as escolas de samba do Rio de Janeiro narrarão a
hist ória da cidade.
b) No carnaval do ano passado, as escolas de samba do Rio de Janeiro narraram a
hist ória da cidade.

a) Elas viaj aram para o Pant anal no próximo feriado.
b) Elas viaj arão para o Pant anal no próximo feriado.

a) Márcio e Sílvia beberam t odo o vinho ont em à noit e.
b) Márcio e Sílvia beberão t odo o vinho ont em à noit e.













81
UNI DADE 5

1. Leia o t ext o e rescreva- o em port uguês.

En la primavera, la nat uraleza habla el lenguaj e de los colores. Los árboles est án como
nuevos, y hast a en los puent es pueden crecer flores. Se sient e la energía de est a
est ación en los huesos, en la sangre, en la piel. ¿Alguien puede permanecer quiet o?
Algunas personas hacen gimnasia, ot ras comen bien: arroz, pollo, peces y camarones.
Aquel que ayer solo pensaba en t rabaj ar, hoy despiert a t emprano, y sale a la calle con
un coraj e inimit able. Est á pensando em prat icar deport es.
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ......
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ......
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ......
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ......
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ......
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ............. ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ......
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ......
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ......


2. Leia o t exto e responda as pergunt as:
Meu presente, meu passado
Eu me chamo Luís Galvão. Nasci no dia 23 de out ubro de 1976 numa pequena
cidade do int erior. Sou o primeiro filho de um casal de agricult ores. Meu pai ficou
muit o orgulhoso e deu uma grande fest a. Convidou quase t oda a vizinhança e
ofereceu um grande churrasco. Meu avô e minha avó t ambém ficaram muit o
emocionados e dançaram o t empo t odo. Minha mãe t irou umas fot ografias lindas!
Fui filho único por apenas dois anos porque depois nasceu minha irmã, Josefa.
Hoj e eu t enho 23 anos e minha irmã, 21. Terminei a faculdade no ano passado e
agora t rabalho numa firma de engenharia. Est udo inglês à noit e e nos fins de semana
saio com minha namorada. Ela é linda e est ou muit o feliz!


a) Qual é o sobrenome do Luís?
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
b) Quant os anos ele t em?
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
c) Ele é filho único?
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
d) Os pais do Luís são empresários?
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
e) Onde o Luís t rabalha at ualment e?
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .





82
3. Leia o t exto e responda às quest ões:
Limpeza demais pode gerar superbactéria
Os ingredient es bact ericidas usados em sabonet es e det ergent es podem
proporcionar o cresciment o de bact érias super- resist ent es. Seres humanos se
esforçam para t ornar o ambient e livre de bact érias que poderiam ser eliminadas
simplesment e com uma lavagem mais vigorosa, afirmou St art Levy, micro- biologist a
da Universidade Tuft s (EUA) , na Conferência I nt ernacional sobre Doenças I nfecciosas
Emergent es.
“ Lavar t udo o que t ocamos com det ergent es bact ericidas e t omar ant ibiót icos
ao primeiro sinal de gripe pode pert urbar o balanço nat ural dos microorganismos no
ambient e” , afirmou Levy. “ Apenas as superbact érias acabam sobrevivendo” .
O pesquisador disse que o uso de mat eriais de limpeza t radicional, como
sabão, água quent e e álcool, é suficient e. Ele revelou dados de uma pesquisa it aliana
que most ra que a exposição à bact éria é essencial para o desenvolviment o, em
crianças, do sist ema imunológico ( de defesa). “ Um bebê precisa ser expost o a
microorganismos no primeiro ano de vida para desenvolver resist ência a infecções” ,
afirmou o cient ist a nort e- americano.
( Font e: j ornal “ Folha de São Paulo” , 19/ 07/ 00)


a) O que provoca o cresciment o de bact érias super- resist ent es?
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .

b) Por que não podemos lavar t udo o que t ocamos com det ergent es bact ericidas?
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .

c) O que o pesquisador nos recomenda para fazer limpeza?
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ..
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ..

d) O que most rou a pesquisa it aliana?
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ..
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ..
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .

d) No t ext o aparecem t rês nomes de profissões: microbiologist a, pesquisador e
cient ist a. Est as palavras referem- se a pessoas diferent es?
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .







83
4. Compreensão de t exto
Pedro, cem anos, vive com ot imismo em I birá
( São José do Rio Pret o) . Lúcido, ot imist a, sem depender de ninguém, o cont ador
aposent ado Pedro Francisco Lopez complet ou cem anos recent ement e, quando foi
homenageado em São José do Rio Pret o. Ele mora sozinho, na primeira casa
const ruída em Termas de I birá. Cuida da hort a- pomar que formou no quint al.
Cozinha, lava suas roupas, viaj a, faz suas compras e prepara suculent as feij oadas. É
apreciador de uísque, vinho e cervej a.
Pedro Lopez nasceu na Espanha em 1889, com t rês anos chegou ao Brasil. Foi
o primeiro cont ador, na época “ guarda-livros” , do primeiro banco inst alado em São
José do Rio Pret o. Viúvo há 17 anos. Não t em filhos. Mant ém- se at ualizado ouvindo
not iciários t ransmit idos por emissoras de rádio. Agora est á lendo alguns livros sobre
ast ronomia. “ Me int eresso por t udo que ocorre na administ ração pública, no esport e,
na polít ica. Por essa razão t enho base para conversar e argument ar” .
Ele próprio não t em explicação para sua lucidez e saúde. “ Não envelheci, me
sint o j ovem” . Sua longevidade não se deve à aliment ação, pois come feij oada duas
vezes por semana. “ É o meu prat o preferido, gost o de azeit ona, salame, queij o,
doces. Não rej eit o nem pinga” , disse. Cada 15 dias ele consome uma caixa de
cervej a, mas o que prefere é uísque. Usa a água medicinal das t ermas para t udo:
banhos, cozinha e at é para fazer o café. “Elas me curaram de um problema
digest ivo” , afirmou.
Toma ônibus e vai a São José do Rio Pret o ou a Cat anduva para passear ou
fazer compras. Vest e-se bem e mant ém em seu guarda- roupa muit os t ernos e
gravat as. “Quando sobra t empo, est udo inglês.” Não gost a de t elevisão: “É muit o
superficial, pouco inst rui e t ambém desinforma” .
De sua hort a- pomar colhe limão, mamão, mandioca, bat at a, feij ão, milho,
verduras e legumes. “ A produção é reduzida agora, porque est amos no inverno, não
é época de plant io” , disse, most rando as mãos calej adas.
“ Casar- me novament e? Com esse salário de aposent ado a mulher passaria
fome” , diz Pedro Lopes. O parapsicólogo Álvaro Fernandes fez a ele uma propost a:
compraria a hist órica casa e permit iria que nela permanecesse enquant o vivesse.
Pedro Lopez não aceit ou: “ Talvez eu t enha o mesmo dest ino do meu t io- avô,
espanhol, que faleceu com 139 anos” .


Responda:

Pedro certo errado
Viveu na Europa durant e muit os anos.
Usa roupas simples.
Não gost a de t elevisão.
Não t oma bebidas alcoólicas.
Só usa a água das t ermas.
Tem filhos, mas não mora com eles.
I nt eressa- se por muit os assunt os.

Qual é o t ema principal do t ext o? Faça um breve resumo.

......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ......
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ......
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ......
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ......
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ......





84
5. Compreensão de t exto
Baleia- azul encalha por 14 horas em Ubatuba
Uma baleia- azul passou 14hs encalhada ont em na praia do Cedro, em
Ubat uba, (233 km de São Paulo) , no lit oral nort e.
O animal só foi devolvido ao mar em uma operação que envolveu cerca de
100 pessoas, ent re bombeiros, moradores, policiais florest ais e oceanográficos do
Proj et o Tamar ( Tart aruga Marinha) .
A baleia, com cerca de 11 met ros de compriment o e dez t oneladas de peso, é
considerada subadult a. Uma baleia- azul adult a chega a 15 met ros. O sexo do animal
não foi det erminado.
As baleias azuis cost umam migrar da Ant árt ida para passar o período de
verão no arquipélago de Abrolhos, na cost a da Bahia. A baleia encalhou na praia às
2h de ont em. Pescadores t ent aram levá-la de volt a ao mar, mas o animal ficou preso
na areia e não conseguia nadar.
Técnicos do proj et o Tamar e o Corpo de Bombeiros chegaram à praia por
volt a das 11h para iniciar a operação de desencalhe. Um cabo de náilon preso ao
animal foi puxado por um barco at é uma profundidade em que a baleia pôde nadar.
Um navio rebocador guiou- a para mar abert o.
Ricardo Ot a, oceanógrafo do Aquário de Ubat uba, disse que exist em várias
hipót eses para o encalhe: a baleia poderia t er chocado com um navio, t er cont raído
um parasit o que afet ou seu sent ido de direção ou mesmo t er perdido a rot a quando
procurava aliment o.
( Font e: t ext o adapt ado do j ornal Folha de São Paulo, 04/ 11/ 2000)


Leia novament e o text o e responda às quest ões.
a) Quem foram envolvidos nessa operação de desencalhe?
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
b) De onde vêm as baleias- azuis?
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
c) A baleia era macho ou fêmea?
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
d) Por que os pescadores não conseguiram devolver a baleia ao mar?
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
e) Finalment e, como conseguiram guiá-la ao mar? Explique.
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .





85
6. Leia o t exto e faça os exercícios abaixo:
Pau- Brasil
Desde a época de Adão e Eva, as árvores t êm se revelado símbolos import ant es
para o homem. Nos 500 anos da hist ória do Brasil, há uma árvore especialment e
fundament al. Com ela foi feit a a cruz da Primeira Missa, a ela o país deve seu nome
e, por séculos, ela foi t ambém o principal produt o de export ação.
Pau- de- t int a para os port ugueses, ibirapit anga para os índios, a árvore pau- brasil
era considerado, além de excelent e madeira para const rução civil e naval, o melhor
fornecedor de corant e da sua época, superior aos de origem animal e veget al. Seu
vermelho vivo era disput ado pela nobreza e pela indúst ria t êxt il. Tant o que, durant e
375 anos, foi selvagem e inint errupt ament e ext raído do solo brasileiro por
port ugueses, franceses, holandeses e ingleses. Calcula- se que 70 milhões de árvores
foram derrubadas nesse período, 187 mil por ano, 511 por dia.
O pau- brasil pode volt ar a crescer ao longo da Mat a At lânt ica acima do Rio de
Janeiro, seu habit at nat ural, e, na direção sul, graças a crescent es campanhas que
desej am promover o reencont ro do país com sua árvore original.
( Font e: Adapt ação do t ext o de Carlos Moraes, Í caro Brasil, abril/ 2000)


Assinale nos parênt eses verdadeiro ( V) ou falso ( F) para as afirmações abaixo e
CORRI JA as informações incorretas.

a) Pau- de- t int a, ibirapit anga e pau- brasil são nomes de plant as parecidas. ( )
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ............. ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
b) O Brasil t em uma hist ória de 375 anos. ( )
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
c) Do pau- brasil se ut ilizava a madeira e a árvore era t ambém usada como
fornecedora de corant e. ( )

......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ............... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
d) O pau- brasil foi export ado durant e séculos para Port ugal, França, Holanda e
I nglat erra. ( )
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
e) O pau- brasil não é import ant e para a hist ória do Brasil. ( )
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
f) Just ifique a respost a do it em ant erior.
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ................ ...... ....... ...... ....... ...... .
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .




86
7. Compreensão de t exto
Leia o pequeno conto O socorro, de Millôr Fernandes e responda as perguntas
abaixo.

O socorro
Ele foi cavando, cavando, cavando, pois sua profissão – coveiro – era cavar.
Mas, de repent e, na dist ração do ofício que amava, percebeu que cavara demais.
Tent ou sair da cova e não conseguiu. Levant ou o olhar para cima e viu que, sozinho,
não conseguiria sair. Grit ou. Ninguém at endeu. Grit ou mais fort e. Ninguém veio.
Enrouqueceu de grit ar, cansou de esbravej ar, desist iu com a noit e. Sent ou- se no
fundo da cova, desesperado. A noit e chegou, subiu, fez- se o silêncio das horas
t ardias. Bat eu o frio da madrugada e, na noit e escura, não se ouvia um som
humano, embora o cemit ério est ivesse cheio de pipilos e coaxares nat urais dos
mat os. Só pouco depois da meia noit e é que lá vieram uns passos. Deit ado no fundo
da cova, o coveiro grit ou. Os passos se aproximaram. Uma cabeça ébria apareceu lá
em cima, pergunt ou o que havia: “ O que é que há?”
O coveiro ent ão grit ou, desesperado: “Tire- me daqui, por favor. Est ou com
um frio t errível! ” “ Mas coit ado! ” , condoeu- se o bêbado – “ Tem t oda razão de est ar
com frio. Alguém t irou a t erra de cima de você, meu pobre mort inho! ” E, pegando a
pá, encheu- a de t erra e pôs- se a cobri-lo cuidadosament e.


a) Por que o coveiro cavou o buraco t ão fundo?
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
b) O que o coveiro fez quando percebeu que não ia conseguir sair sozinho?
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
c) Que sons o coveiro ouviu no silêncio da noit e?
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
d) Quem finalment e se aproximou da cova?
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
e) Como t erminou est a hist ória?
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ............. ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
f) Por que o bêbado chamou o coveiro de mort inho?
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
g) Que out ro final você daria a est a hist ória?
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... ...... ....... ...... ......... ....... ...... ....... ...... ....... ...... .
MORAL: nos moment os graves, é preciso verificar muit o bem para que se apela.



87
8. Compreensão e Produção de text o
As Cores do Out ono
- O Out ono – disse a avó – é a mais linda de t odas as est ações nos países frios, onde
cai neve.
No Brasil e na África, ninguém percebe a diferença ent re o out ono, o verão e o
inverno. Na realidade, só há duas est ações – a das chuvas e a da seca. Nos países
frios não é assim. As quat ro est ações são perfeit ament e definidas.
- Eu sei! – grit ou o Pedrinho. – Há a primavera, o verão, o out ono e o inverno.
- I sso mesmo. Na primavera, a veget ação despert a do sono do inverno e brot a numa
grande alegria de verdes esmeraldinos. Sabes o que é o verde esmeraldino?
- É a cor da esmeralda.
- Sim, um verde novo, delicado, lindo, o verde da primavera.
- Nesse caso, “ Cor de Verão” deve ser o verde carregado das copas das laranj eiras –
aj unt ou Narizinho.
- Perfeit ament e minha filha. “ Cor de Verão” só pode ser o verde carregado. E a “ Cor
de Out ono” ... – Dona Bert a parou. Parou um bocado e disse: - O out ono é a mais
linda, a mais poét ica est ação do ano nos países frios. A veget ação int eirinha muda de
cor, o que é verde passa a amarelo ou a vermelho.
- Ent ão fica lindo...
- Sim a nat ureza fica como um sonho de beleza. Tudo amarelo e vermelho. No
começo, t udo amarelos e vermelhos muit o vivos, novinhos ainda. Depois, mais
murchos; e por fim, uns amarelos e vermelhos mort os, embaçados, suj os. Est ás a
ent ender?
Mont eiro Lobat o, O sít io do Pica-Pau Amarelo (adapt ado)


Compreender o t exto
a) Nomeie as personagens que part icipam nest a hist ória.
________________________________________________________________________
b) Diga qual era o grau de parent esco que as unia.
________________________________________________________________________
c) I dent ifique o assunt o de que falavam as personagens.
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
d) “ No Brasil e na África, ninguém percebe a diferença ent re o out ono, o verão e o
inverno” .
Diga por quê.
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
e) Refira à opinião da avó em relação ao out ono nos países frios.
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________

f) “ Na primavera, a veget ação despert a do sono do inverno e brot a numa grande alegria
de verdes esmeraldinos” .
Explique, com suas palavras, o sent ido da frase dest acada.
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________



88
g) Subst it ua a palavra “ avó” pelo seu masculino e reescreva a frase: “ Para os net os, a avó
era uma heroína.”
_______________________________________________________________________
h) Reescreva a frase, mudando- a para o plural. “ A mão da avó t remia, mas o seu coração
sent ia amor.”
________________________________________________________________________
i) “ Suponha que você é uma folha de out ono...”
Suponha o que acont eceria a você, redigindo um t ext o que poderá dividir em t rês
part es...

I nt rodução: Faça a sua apresent ação (não se esqueça que você é uma folha de out ono) ,
dizendo a sua idade, a sua cor, aonde vive,...

Desenvolviment o: Diga o que lhe acont eceu, por onde viaj ou, o que viu, com quem falou
e o que disse,...

Conclusão: Diga como se sent iu como folha de Out ono.

___________________________

________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________



89

































































90
BI BLI OGRAFI A

ALENCAR, José de ( 2000) . Lucíola. São Paulo: Ediouro.
ANDRÉ, Hildebrando A. de ( 1997) . Gramát ica ilust rada. São Paulo: E. Moderna.
BECHARA, Evanildo ( 1983) . Moderna gramát ica port uguesa. São Paulo: Nacional.
FI ORI M e SAVI OLI ( 1996) . Lições de t ext o: leit ura e redação. São Paulo: Át ica.
FI ORI SSI , Susana; PONCE, Maria Harumi Ot uki de; ANDRADE BURI M, Sílvia R. B. (2000) .
Bem-Vindo! A língua port uguesa no mundo da comunicação. São Paulo: Special Book
Services Livraria.
FUNDACI ÓN CENTRO DE ESTUDI OS BRASI LEROS. Um Port uguês Bem Brasileiro. Nível 1 y
2. Buenos Aires, Argent ina: FUNCEB.
FUNDACI ÓN CENTRO DE ESTUDI OS BRASI LEROS (2000) . Conhecendo o Brasil. Curso de
Port uguês. Buenos Aires, Argent ina: Akian Gráfica Edit ora S.A.
GRACI LI ANO Ramos ( 1991) . São Bernardo. Rio de Janeiro: Recorde.
HOUASSI S, A. (2001) . Dicionário Houaiss elet rônico da Língua Port uguesa. São Paulo: Ed.
Obj et iva.
LAROCA, Maria Nazaré de Carvalho; BARA, Nadime; PEREI RA, Sonia Maria da Cunha
( 1998) . Aprendendo Port uguês do Brasil. Um curso para est rangeiros. São Paulo:
Pont es.
LI MA, Emma Eberlein O.F. ... et . Al.  ( 1991) . Avenida Brasil. Curso básico de Port uguês
para est rangeiros. São Paulo: EPU.
LOI BL, Elizabet h ( 1990) . Avent ura no Egit o. São Paulo: Melhorament os.
LOYOLA BRANDÃO I gnácio de (1989) . Cláudia e o t empo paralisado. I n MESERANI , S -
quem cont a um cont o. São Paulo: At ual Edit ora.
MAI A ( 2005) . Port uguês. São Paulo: Ed. Át ica.
MUNI Z, Flávia (1991) . Viaj ant e do infinit o. São Paulo: Moderna.
PASCHOALI N & SPADOTO ( 1989) . Gramát ica: Teoria e exercícios. São Paulo: FTD.
PATROCÍ NI O, Elisabet h Font ão do – COUDRY, Pierre ( 1997) . Fala Brasil: Port uguês para
est rangeiros. São Paulo: Pont es.
QUEI RÓS, Eça de. O primo Basílio. Port o: Lello & I rmãos, s/ d.
RAMOS, Graciliano (1991) . São Bernardo. Rio de Janeiro: Recorde.
SARAMAGO, José ( 1985) . Dest e mundo e do out ro. Lisboa: Ed. Caminho.
TUFANO, Douglas ( 2008) . Guia Prát ico da Nova Ort ografia. Saiba o que mudou na
ort ografia brasileira. São Paulo: Ed. Melhorament os.
VI EI RA,K. ( 2003) . I n Vej a. São Paulo: Abril.



Sign up to vote on this title
UsefulNot useful