UNIVERSIDADE DE COIMBRA – Faculdade de Economia

Clayton Emanuel Rodrigues Theory and Methods of history and social sciences Master's degree in Roads to Democracy University of Coimbra

I decided to look at Portugal (up because of having to do it in another discipline), in the text below, and thus be able to chat with the events and with my concepts about how I looked in to Portugal. This is perhaps, for me, the best way that I can look at my science way to see and analyze and be able to find some point of retraction or to contact with what we have been studying. On the reality want look: the problem of the method. There are several issues to be defined here about reality view, namely: the social movement in Portugal and its relation to the history of democracy. Perhaps the first question and more philosophical of them is whether the reality seen and analyzed is a fraction of the whole or whole. And, being whole or fraction of the whole, this reality (history?) that I saw and that exists independent of me,and is concrete for me, or if the reality here is a circumstantial and selective interpretation of the whole or of part views, considering that the whole and the part I saw can be seen by others so utterly different from what I saw without however disputing the actual existence of the events. It is true that such discussion implies whether the movement of 15 September, whose newspapers have published photos and comments that social networks sendings walked around the world were complete, definitive, or if each photo, each argument in articles and each manifestation in social networks meant a partial vision of the events that existed or represents a ideal of the social fact considered. If I take the idea of naturalism applied to social sciences and attempting to apply standards of scientific rationality to social analysis that sought to develop, it is certain that I will have severe and serious problems of statements. If I take the idea of naturalism applied to the social sciences and trying to apply standards of scientific rationality to social analysis that tried to develop, it is certain that I will have serious problems paradigms. The first problem is if I can apply my statements to research methods for natural sciences, i.e. If, is possible insulating of the phenomenon in order to be able to intervene in the variables. Is even possible at all or in a relativity that give me some degree of certainty that the phenomenon is insulated even, is in your pure form. Anyway, if I isolate the phenomenon how can I isolate myself, if I myself am a phenomenon with "n" variables that Act on me and who work with me in the analysis of isolated phenomenon for me to study? Even though I got a satisfactory isolation point for me and the phenomenon still wouldn't be safe say it was isolated the phenomenon from reality, but only a portion of this reality and even that portion of reality was a choice and perhaps even this choice, I not had absolute control of the reasons that led me to do it and not thousands of other possible choices. Maybe I haven't thought about all thousands of other choices possible, and if so, if I reduced in my thoughts the my choices at 12, 3, 2 choices, I can think that I have been unable to think of the thousands of choices or that was absurd I to think of the thousands of choices in large or small quantities, only partially, as well as the reality, me are controllable. Faced with the choices that I made, I did so, and I think that clearly my choice and selection of facts, in

that is in my favor and I am a representative of the science . that there is a kind of reliability. in accordance with intension. and neither one nor the other forms a whole to part. the University of Coimbra. the theoretical significance of the crisis and its roots in past choices on the possibilities of types and forms of democracy. have reliability (gullibility?) of the people in society and that the Academy which I do now. the current crisis of Portugal. should I worry about the changes that have occurred in recent times in order to maintain the reliability that the sciences and especially the social sciences have achieved over time? And the way I approach the issues must be based on the scientific tradition. If I have or not capacity scientific. come from normal science itself. lose the ability to make people trust what we know. 1991 p. There are certainly continuities between the traditional and the modern. I use a phrase of Pearl Kincaid saying that "our concerns for the facts are shared by our worst social . it is well known how misconception can be contrasted to both grossly. social groups. as Giddens. they served to establish forms of social networking that cover the globe. if what I write is well-founded in adding supporting documentation or not. the judgment about my considerations for Portuguese democracy must not to have no effect on people in General. which gives me a technical character is the reliability of the science. according to this perspective. 10} So. since between tradition and modernity and post modernity there seems to be a transmission line or at least contiguous. It also appears that this perspective has the basis in the elaborations of Popper about change within traditions. In this sense. etc..this case. the responses of the people to this crisis. paradoxically. the effect of mutations But the criteria they deem what is scientific. enjoys great prestige among the academies and still together with other prestigious academies. since I was one amongst the few chosen for studying it. and so on. that my choices are safe for me and for those who have the chance to read this text. in advance. In both its extensionality and its intentionality. a symbolic statement that ensures that what I write here is some portion of "truth". On the extensional plan. classes. the transformations involved in modernity are deeper than most types of change characteristic of previous periods. I could also think. a degree of reliability. to use the terms of Kuhn. But what makes it safe. The ways of life produced by modernity in disentangle of all types of traditional social order. that as a rule. a symbolical (?) which ensures. how globalization. on the struggles between people. in a way that is unprecedented. But the changes that have taken place over the last three or four centuries — a small historical time period — were so dramatic and so far-reaching in its impact that we have only limited help from our knowledge of previous periods of transition in trying to interpret them. even if it is against normal science. and thus. which proves my thesis in technical ability. they came to change some of the more intimate and personal features of our everyday existence. when I write about the portuguese democracy. but in a group of peers that assess and define if I am or not within the scientific tradition. {GIDDENS. what I write here gained in credibility. have an motive. Giddens (1991) fears that beset by a series of new knowledge that modify the intimacy. The expert system represented by the University gives this text. Siegen and Uppsala.

of course. make diversity more important than unity. if I'm from another principle at my ability to do science. No Need be one of the great roles of history or historian. Since his birth. to the extent that the Falsifiability is compromised. the knowledge we have brought is qualified and your contribution goes beyond mere tarje from scientific or unscientific. The text then it will not be regarded as a historical truth but as an element for the construction of multiple historical realities about the same fact. Not even a methodological use of "middle ground" between positivists and post modernists will solve the problem of "historical truth" (Fulbrook). being passed. which sought to make psychoanalysis a branch of medical science or have scientific recognition. because anyone reading. it is only possible to be interpreted (is like leave more complex sense) according to a meaning that I can give and can in spite of me. because diffuse and implies the possibility of multiple perspectives on the same fact. she cannot compose the entire history without interfering. if not very clear. p.sciences and our best Physics" {KINCAID. Durkheim demonstrating "social fact". I Remember a time when my son said about the name of this book and he wrote: "Homer's Iliada" and. Comte defined the social science as a branch of natural science and the methodology prevalent in study of social phenomena should be the scientific method. The interpretations differents of positivist and too of hermeneutist not meaning that cannot be understood by positivists and hermeneutist (Bortolotti .2008)? If I call what . However. the more possibilities present than the desire of a search for truth that summarize the fact. but also flexes. reads with a look and this look comes full of meanings that are before I wrote and remain despite what I wrote. was regarded as wrong. or not. despite the social science is questionable within science. as most of the humanities. Durkheim and Freud. it may be that my consideration of the historical movements brought up in the text will seen differently. The social sciences. the authors and the public continue to refer to it as the "Iliad" of Homer. Still. 3}. Issues and arguments. Freud's elaborations. regardless of normal science won't it accepted. Despite having discovered that Homer did not write alone the Iliad. Engels. because joined the book and autor as if it were the name of the book in the answer. nor for me to writer and too not to the reader. Similarly. Perhaps here the example of Homer is not disposable. because being the partial story. have made many efforts to gain the status of "Science". on the contrary. but that the example could also be used in reverse. as to live it effectively is no longer possible (Jenkins). because the fact itself. give him those who read. for contribute to the composite of human look over your do. the definition of which my writings about Portugal is valid or not is not guaranteed. but certainly everything that someone writes not only affects cognition. it is interesting to see Marx and Engels writing about the "scientific socialism". much of the intelligentsia of our time had some influence of Marx. Interesting that. If I understand science as "the sciences" that produce probalidades of the knowledge through a specific ritual of "knowing" within a set of immeasurable uncertainty. that will magnify what is scientific. if I do not understand science as the only or exclusively as a certainty or probability of a sure and look for a regularly repeating experiments and try to repeat the experiment and give reliability until a falsiabilidade be lifted and put into question the scientific facts discovered and so I understand the facts and documents analyzed products as definers of reality but. Looking by now.

because to be social fact need to fulfill certain criteria. not one sense relationship. Power relationship. The meanings. give these concepts a material character of mobility. but according to the intelligibility of the struggles.happened on September 15 of "social movement" or call it "fact" is because the meanings of a concept has still dispute. the strategies. If the Marxists say that in September 15 protesters was social actors. it even works out. What we want is to know if my theoretical communication can be understood by hermeneutics and by positivists or if this is a problem in the discussion of scientific rationality. the networks and the levels to which they belong and reconstitute the threads that bind and that if engender. which is not to say that is absurd or incoherent. will be starting their social acts. The historicity that dominates and determines is non-linguistic and bellicose. it is intelligible and must be parsed into its smallest details. and as social agent. be the act socially coercive. be socially obligatory. Neither the dialectic (as logical contradiction). a demonstration like this would not be seen as social fact. Of course. and eventually can call its participants from "agents" as either Weber. because the results of action go beyond the Act of class that acts and makes it an element of this Act. etc. genealogy of strategic and tactical developments. etc. This is not our issue Now. the tactics. for example. or if the call it's"social actors" (however Durkheim or eventually Marxists). and to make demonstration of social action. neither semiotics (as structure of the communication) could not give an account of what is inherent intelligibility of the clashes. an agent (reason) modifier. in a dialectical relationship that makes your act social do something that puts you within a plot that. consciously. as Foucault would say. social action. one from the other. positivist and Marxist can call these individuals "actors". although different. for example. The "dialectic" is a . as an individual. but instead of war and battle. On the contrary. it is understandable both to which they relate. say in terms of class. And to say that there was a social movement (here we discuss whether such a move is a social fact or not. so it not makes incommunicado the general idea that "people made a September 15". Perhaps this fragment of Foucault can better clarify what I try to say: The problem is at the same time distinguish the events. theories of Max Stirner or Ptolemy. Hence the refusal of the analyses those refer to the symbolic field or to the field of significant structures. But what I'm saying is that the meanings are in dispute in a relationship of interests that is war. not everything is understandable. And the choice of analyses that are made in terms of power relations. as author and actor in history. you. actors. pointless. Actor and author in history. Thus. but that does not have control of all.how to obey father and mother).e. for example. as was. vying for the same space. i. The story has no "sense". I believe that what should be given as a reference is not the great model of language and signs. Although the concepts are absolutely different because be actor of something means that there is a previous plot where you participate in one of the character of the plot. on the one hand and on the other It is not inconceivable for any currents that call the same people as agents. If the materialists like me. But not everything in life is understandable. Is the dispute (struggle for meaning) that defines what is prevalent and what is marginal or even in opposition to discarded temporarily. social movements. The positivists know it.

Graal. leaning on reality. although they have different roots. I think it was Saint Simon.because new forms of intervention and transformation of intimidates brought on by globalization are out of control. thinking like human ideas and human acts are full of meaning began to interpret the social acts according to these instruments. are within a set of analyses that imply power relationship. São Paulo. which as Phillips are used as synonyms.way to avoid the random reality and opened this intelligibility reducing −at Hegelian skeleton. if no me fail the memory. so my choices was publish those authors and not on others. the social sciences developing methods (this or that) to elevate it the status scientific. This may mean that we need to review our own rationality that brought us here. Time) deals with relations between communitarians and American Republicans and work out a formula of democracy and Republican management (deliberative democracy) does exactly that. bloody and deadly character. 2008. 2007. to some extent. reducing the − appeasing of the Platonic language and dialogue. São Paulo. are part of the struggle of tactics and strategies that are established in the formulation of the networks of power that overtake the facts and define the meanings that are products of this fight for the "truth" about the facts. 6} Thus. is done at the same time. the meaning of democracy seems like became glued to the meaning of market freedom and existence of Parties at the top of the pyramid. in contrast. truth and power. but also the meanings responsible for his defeat. The story thus has no intrinsic meaning. the choice of an arena of struggle that hides or warlike goals clarifies why writing this and not one other fact. What is certain is that. Microphysics of power. The understandings is not for one or for other clouded.social sciences more or less followed the same path . Thus. So maybe I should look at the contempt suffered by Portuguese revolutionaries linked to the commune of Paris and look for meanings that not only linked to the Comune. The formulas current of govern Republican democratic are insufficient and have generated a crisis on democratic institution. So maybe these motives for the Methodological discussions established since Geertz with their interpretative theory. p. the relationship of meaning (hermeneutics and semiotics) or the dialectical process. When Habbermas (law and Democracy. For not to escape the scientific rationality. In the relationship of struggle (struggle for power and for truth) between Republican factions was defined a formula of democracy which has become prevalent worldwide and the management model and in Portugal had its peculiarities defined by the authoritarian character of the bourgeois and aristocratic elite. because when you choose for one kind of analysis. The concern of Giddens in the book "world in Disarray" (2003. {FOUCAULT. This reminds me of the . and the "semiology" is a way to avoid his violent. which said that it was necessary arrange the world (he thought this after bourgeois industrial revolution) and. the Social sciences was used the tools of the teory literary and. but is even the struggle for direction or meaning prevalent in history that is at stake. to develop interpretive theory. Record) is exactly to ensure new formulations of controls and legitimize it. but it would be costly to start here discussions that defined a duality between the naturalistic and classical positions hermeneutics and interpretivism.

in who you will vote in the coming elections: PSP/PPS/etc/don't know/null/empty. but expressed in "(. in order to tabulate this data. 11).) ". for example: You think an opposition Government would take economic measures that differ? A.. Yes/No/ perhaps /don't know/did not answer. with the evaluation set of all answers. This means that the ownership of the mark delimits how it will depart in search of what is investigates. p..arguments Mauss in the reporting the difficulties that the British military had to jingle as the French military. So I am not inserted in this sense in a context linked to analytical positivism. (Szymanski. a set of objective questions with answers that might take me to have a frame as the current situation of popular perspectives in relation to the economic situation and the Government (as they were such situations that led the population to express itself against the Government). So. it takes other cross-cutting questions that can evaluate the previous response. Fernanda. should. The analyze should I do will be hopelessly bound to data obtained. PU |C-SP. with the set of phrases used by researching. the hermeneutic objective is concerned with interpreting and lighten the answer given from the own answer. Discards the possibility to perform a check based on accuracy and objectivity and chooses to make a move of appropriation of what one wonders. the question needs to be objective. should not be used to evaluate the content of the answers. (WEEVIL. But it seems that this is only part of the issue. war relations. That is. retrospectively.. it also outlines a choice of a way of doing research. I know that maybe this can be a problem. in order to tabulate the information and put together a picture. as a positivist. I did would a quantitative research with objective questions that would lead me to wonder if this manifestation expressed just a moment without continuity or if was already effective positioning of the population or means available to continue the demonstrations. relations of power from them and try to unravel meanings. interpreting. 2005. interest.) Beware that if you have to carry out the search for interrogated (. Annals IV SIPEQ – ISBN – 978-85-98623-04-7) The analysis of responses if would have to explicit content in the response and the geopolitical or individual data. But what are the ideas of science and is only being put forth problems? If I were apply the methods objectivists or hermeneutical (I say methods because there are so many models!) about the fact there had been in the day September 15 demonstration of about a million people across Portugal. as a subject in front of the object. and because I have no desire to have a clearance of the research object nor seek regularities. rather. But I'm not in a place apart from the research subject. and I'm not too in a field of semantic search. I start my studies in the relations of struggle. even if known. Heloise and Franco. disputes and ideology.type questions are qualitative and responses and will be measured and evaluated as follows: When the issue investigated is assumed to be an interrogation. . If the research use the method hermeneutic.. PHENOMENOLOGICAL-HERMENEUTIC method in RESEARCH of PARENTAL EDUCATIONAL PRACTICES. That is. for example: You participate in other events like this to overthrow the Portuguese Government? A. Yes/No/ perhaps /don't know/did not answer. the search for meanings . constituting a rigor that is not statistics. I am someone who is in context and is also meanings: culture.

I know that my current conditions are poor research and hinder a deeper understanding of several issues here. Context.br/scielo. p. some people and some groups are more victimized by social situation is privileged and not others are more benefited. Jacobins.doi. 2: On some Questions and some Answers). São Paulo CARVALHO HOMEM. The that is history. Crime and punishment. Cambridge (Chap. historical Obstacles to democratic life in Portugal and in Brazil. JORDANOVA. The story thought over. Cambridge (Chap. London (Chap. KINCAID. Fábio Konder. Digital edition. p. Keith (2001): Re-Thinking History. pp. p. Advanced Studies. 28-50. Liberal and Democrats in Building of contemporary Portugal.Malden. 1-24. Lisa (2008): An introduction to the philosophy of science. Democracy in the world is an exclusive and exclusionary democracy makes its victims. p. our studies contribute to change that situation. PUC.17(47). London (Chap. Amadeus. CARR.scielo. Retrieved November 3. BORTOLOTTI. JENKINS. 237-259. I hope I have contributed something. Oxala. 1: issues and arguments). 4: The Status of Historical Knowledge). 1-15. 1: What History is) p.php?script=sci_arttext&pid=S010340142003000100015&lng=en&tlng=pt. William. Keith (2001): Re-thinking history. GODWIN. 2007. 1186 JENKINS. CALIFORNIA PRESS/CAMOES.Honestly. 2000. 2004. history of Portugal. 81-111. Peter. Ludmilla (2000): History in Practice. pp. 1996. CARR. The Great Revolution. http://dx. 2012. São Paulo. But life is anyway. Harold (1996): the Philosophical foundations of the social sciences. COMPARATO. S/d . São Paulo. 4: language and reality). Edward Hallett (1995): What is history? pp. (2003).1590/S010340142003000100015. from http://www. Edward Hallet. Jenkins. In the process of striving for an egalitarian society there are those who are without the actual conditions of access and fight to get them. 72-91. São Paulo.org/10. 5-20. KROPOTKIN. MA (Chap 4: people in different cultures live in different worlds?). London (Chap. Peace and Earth. In VERVE. Bibliography . Brian (1996): Contemporary philosophy of social science. Keith. 93-94. FAY.

. 2001. Thousand Oaks. Causes of economic backwardness in Portugal. KINGS. 2006 STIRNER. 131-151. PHILIPS. in the history of Portugal. p. São Paulo: Imaginary. (1997): Sociology.com Clayton Emanuel rodrigues Teoria e Métodos de História e Ciências Sociais Mestrando em Roads to Democracay Universidade de Coimbra Resolvi olhar para Portugal (até em razão de ter de faze-lo em outra disciplina). Martin Claret. the ego and its. CIDOP SYNTHESIS REPORT-UCP-JUNE 2012 RHODES. São Paulo. Charles. A History of the Classical Greek World 478-323 BC. 1: hermeneutics and social naturalistic inquiry). Virtual version in PDF TOSH. Oxford (Chap. Pierre Joseph. Politics. ZARCONO. John (1991): The Pursuit of History. São Paulo. 1-20 PROUDHON. Denis Charles (1992): The social scientists lives. P. Oxford. pp. London: Routledge. e assim poder conversar com os acontecimentos a partir dos meus . p. NEWMAN. 2012. The spirit of laws. James. 7: The Limits of Historical Knowledge). Portugal anarchist and Rebel: the history of anarchism in Portugal.MONTESQUIEU. PIER FRANCESCO. PROUDHON. no texto abaixo. Pierre Joseph. David m. 2: Seeing and thinking sociologically).J. 1986. 17-42. Calif (Chap. The principle of Federation. http://livrosbpi. 2000. New York (Chap. Max. Blackwell. CALIFORNIA PRESS/CAMOES.

definitivas. para mim. fiz então. diante das lutas entre as pessoas. me são coontroláveis. como Giddens. ou seja isolar fenomenos e se. 2 escolhas. 3. Sobre a a realidade que olho: o problema do método. ou se cada foto. que há uma espécie de confiabilidade. não seria seguro chamar o que isolei de realidade. mas apenas uma parcela dessa realidade e mesmo essa parcela de realidade foi uma escolha e talvez mesmo essa escolha eu não tenha tido absoluto controle das razões que me levaram a faze-la e não a milhares de possíves outras escolhas. países etc. O primeiro problema é se é possível mesmo aplicar aos meus enunciados os métodos de pesquisa das ciencias naturais. a melhor forma com que eu possa olhar para a minha ciência de ver e de analisar e poder localizar algum ponto de retração ou contato com o que andamos estudando. Talvez eu não tenha pensado em todas as milhares de possíveis outras escolhas. a minha escolha e seleção dos fatos. essa realidade (histórica?) que vi e que existe independente de mim. e penso que claramente. cujo jornais publicaram fotos e comentários e que andou circulando nas redes socias pelo mundo afora foram completas. que minhas escolhas sejam seguras para mim e para os que tenham o azar de ler esse texto. a atual crise de Portugal. Diante das escolhas que elaborei. sendo todo ou fração do todo. e se foi assim. sem entretanto contestar a existencia real dos acontecimentos. em grandes ou pequenas quantidades. cada argumento em artigos e cada manifestação nas redes sociais implicava uma parcial visão dos acontecimentos que existiram ou se representava ideal e completamente o fato social considerado. É certo que tal discussão implica em saber se o movimento de 15 de setembro. por regra. Esta talvez seja . Mas o que torna seguro.conceitos sobre como olhei para Portugal. Talvez a primeira questão e mais filosófica delas é se a realidade que vi e analisei é um todo ou uma fração do todo. se eu reduzi em meu pensamento as minhas escolhas a 12. tem a confiabilidade (credulidade?) das pessoas em sociedade e que a academia da qual eu . Há várias questões a serem definidas aqui sobre a realidade vista. se eu isolar o fenômeno como poderei me isolar. grupos sociais. o significado teórico da crise e suas raízes em escolhas passadas sobre as possibilidades de tipos e formas de democracia. de antemão. só parcialmente. ou se a realidade pensada aqui é uma interpretação circunstancial e seletiva do todo ou da parte que vi. De qualquer forma. o que me dá um caracter de ficha técnica é a confiabilidade de que a ciência está a meu favor ou eu sou um representante dessa ciência que . ainda assim. esteja na forma pura. classes. uma ficha simbólicat (técnica?) que garante. as respostas das populações a essa crise. E. mesmo essa capacidade de isolamento do fenomeno para que seja possível intervir nas varáveis é mesmo possível em absoluto ou numa relatividade que me dê algum grau de certeza de que o fenomeno está mesmo isolado. é certo que terei graves e sérios problemas de enunciados. posso pensar que eu tenha sido incapaz de pensar as milhares de escolhas ou que era absurdo eu pensar as milhares de escolhas ou que minhas escolhas. a saber: o movimento social em Portugal e sua relação com a historia da democracia. se eu mesmo sou um fenômeno com ―n‖ variáveis que atuam em mim e que atuam junto comigo na análise do fenomeno isolado por mim para estudos? Mesmo que eu chegasse a um ponto satisfatório de isolamente de mim e do fenomeno. seja concreta para mim. Se eu tomar a idéia do naturalismo aplicado às ciências sociais e tentar aplicar padrões da racionalidade científica à analise social que procurei desenvolver. conderando que o todo e a parte que vi pode ser vista por outros de forma absolutamente diferente do que vi. Eu também poderia pensar. assim como a realidade. no caso.

Existem. O sistema perito representado pela Universidade dá a esse texto. e assim por diante. a Universidade de Coimbra. a partir da globalização. Giddens (1991) teme que. para usar os termos de Khun. Mas os critérios que julgam o que seja científico. acossados que estamos por um conjunto de novos conhecimentos que modificam a intimidade. 3}. no mínimo. se o que escrevo está bem fundamentado em documentações comprobatórias ou não. elas vieram a alterar algumas das mais íntimas e pessoais características de nossa existência cotidiana. as ciências sociais conseguiram ao longo do tempo? E o modo como abordo as questões deve estar fundamentado na tradição científica. de uma maneira que não tem precedentes. é bem sabido o quão equívoco pode ser contrastar a ambos de maneira grosseira. quando escrevo sobre a democracia portuguesa. o que em tese prova minha capacidade técnica-. por efeito de mutações internas. as transformações envolvidas na modernidade são mais profundas que a maioria dos tipos de mudança característicos dos períodos precedentes. nos fuja a capacidade de tornar confiáveis às pessoas os conhecimento que temos das coisas. Seigen e Uppsala. um grau de confiabilidade. mas contíguas. paradoxalmente. em termos intensionais. Parece também que essa perspectiva tem base nas elaborações de Popper sobre a mudança dentro das tradições.já que fui um entre os poucos escolhidos para cursa-lo. assim e desse modo. Issues and arguments. . p.faço parte agora. Tanto em sua extensionalidade quanto em sua intensionalidade. 1991. goza de grande prestigio entre as academias e que ainda. obviamente. Nesse sentido. 10} Então. Sobre o plano extensional. vêm da própria ciência normal. mesmo que seja contra a ciencia normal. visto que entre tradição e modernidade e pós modernidade parece haver um linha de transmissão que não as tornam contínuas. devo preocupar-me com as mudanças que ocorreram no últimos tempos na perspectiva de manter a linha de confiabilidade que as ciências. Os modos de vida produzidos pela modernidade nos desvencilharam de todos os tipos tradicionais de ordem social. o julgamento sobre minhas considerações sobre a democracia portuguesa terá de ter efeito não nas pessoas em geral. . continuidades entre o tradicional e o moderno. e nem um nem outro formam um todo à parte. {GIDDENS. se tenho ou não rigor. e particularmente. associada a outras academias de prestigio. uma ficha simbólica que garante que o que eu escrevo aqui seja alguma parcela da ―verdade‖ aceita. segundo essa perspectiva. mas em um grupo de pares que avaliam e definem se estou ou não dentro da tradição científica. p. Mas as mudanças ocorridas durante os últimos três ou quatro séculos — um diminuto período de tempo histórico — foram tão dramáticas e tão abrangentes em seu impacto que dispomos apenas de ajuda limitada de nosso conhecimento de períodos precedentes de transição na tentativa de interpretá-las. o que eu escrevo aqui ganha em credibilidade. me utilizo de uma frase de Harolde Kincaid que diz que ―nossa preocupação com os fatos são compartilhadas pela nossa pior ciencias sociais e a nossa melhor física‖ {KINCAID. elas serviram para estabelecer formas de interconexão social que cobrem o globo. mas bem que o exemplo também poderia ser usado ao contrário.

nem para mim que o escrevo e nem para o leitor. tornar a diversidade mais importante do que a unicidade. na medida em que amplio o que seja científico. Comte definia as ciência sociais como um ramo das ciências naturais e que a metodologia prevalente no estudo dos fenômenos sociais deveria ser o método ciêntifico. As interpretações ou o significado não positivista e não hermenêutico pode se entendido por positivistas e hermenêuticos (Bortolotti. Desde de seu nascimento. tudo o que alguém escreve não apenas atinge a cognição. mas também a inflexiona. se eu não entender ciência como única ou exclusivamente como uma probalidade de certeza ou uma certeza mesmo e procure uma regularidade. porque quem lê.Porem. apesar de mim. O texto então não será tido como uma verdade histórica. mas certamente.2008)? Se eu chamo o que aconteceu no dia . dar-lhe quem lê. deste Seculo é interessante ver Marx e Engels escrevendo sobre o ―socialismo científico‖. Ainda assim. sendo passado. Engels. efetivamente. já não é mais possível (Jenkins). a definição de que meus escritos sobre Portugal tem validade ou não não é garantida. ao contrário. Interessante que. ela não pode compor o todo histórico sem nele interferir. foi tido como errado. Olhando daqui. as possibilidades mais presentes do que o desejo de uma busca da verdade que resuma o fato. Lembro de uma ocasião em que meu filho respondeu sobre o nome desse livro e ele escreveu: ―Iliada de homero‖ e. boa parte da intelectualidade de nosso tempo teve alguma influência de Marx. mas como um elemento a mais para a construção de multiplas realidades históricas sobre o mesmo fato . o conhecimento que trouxeram não o é enquanto contribuição qualificada e ultrapassa a mera tarja de científico ou não científico. pois que vivê-lo. na medida em que a falseabilidade fica comprometida. Durkheim demonstrando ―o fato social‖. claro. Apesar de se ter descoberto que Homero não escreveu sozinho a Ilíada. têm feito muitos esforços no sentido de ganhar o estatuto de ―Ciência‖ normal. eu entender a ciência como ―as ciencias‖ que elaboram probalidades de conhecimento através de um ritual específico do ―conhecer‖ dentro de um conjunto incomensurável de incertezas. porque sendo a história parcial. indepente de a ciência normal não te-la aceito. As ciências sociais. uma repetição e tente experimentos que a repitam e dê confiabilidade ao experimento até que uma falsiabilidade seja levantada e coloque em questão os fatos científicos descoberto e assim eu entender os fatos e documentos analizados como produtos definidores da realidade mas. Nem mesmo uma utilização metodológica de ―meio termo‖ entre positivistas e pós modernistas resolverá o problema da ―verdade‖ histórica (Fulbrook). como de resto a maioria das ciências humanas. apesar da cientificidade ser questionável dentro da ciência. Aí talvez esteja um dos grandes papeis da historia e dos historiadores. pode ser que minha considerações sobre os movimentos históricos trazido à tona no texto sejam vistos de outra forma. as elaborações de Freud. porque juntava autor e obra como se fosse o nome do livro perguntado. que buscava tornar a psicanálise um ramo da ciência médica ou ter reconhecimento científico. os autores e o público continuam a se referir a ela como a ―Ilíada de Homero‖. lê com um olhar e esse olhar vem pleno de significados que estão antes do que escrevi e permanecem apesar do que escrevi. porque difusa e implica na possibilidade de vários olhares sobre o mesmo fato. caso não seja muito evidente. Talvez aqui o exemplo de Homero não seja descartável. Durkheim e Freud. porque o fato em si. só é possivel ser interpretado (ou para deixar mais complexo. Da mesma forma. contribuir para a complexibiilização do olhar humano sobre o seu fazer. se eu partir de outro princípio sobre minha capacidade de fazer ciência. sentido) segundo um significado que eu lhe possa dar e possa.

ser socialmente obrigatório. Por isso ator e autor. É a disputa (luta pelos significados) que define o que seja prevalente e o que fica na oposição marginal ou mesmo seja descatada temporariamente. e como agente social. para dar exemplos bem frouxos). como andar de roupas. como foi. O que pretendemos é saber se a minha comunicação teórica é possível de ser entendida por hermeneutas e por positivistas ou se esse é um problema na discussão da racionalidade científica. Daí a recusa das análises que se referem ao campo simbólico ou ao campo das estruturas significantes. diferenciar as redes e os níveis a que pertencem e reconstituir os fios que os ligam e que fazem com que se engendrem. a partir de seus atos sociais. Os positivistas sabem disso. Os significados. como diria Foucault. um agente (motivo) modificador da realidade. até porque para ser fato social é preciso cumprir certos critérios. as teorias de Max Stirner ou Ptolomeu. e se marxistas e positivistas podem chamar esses individuos de ―atores‖. Claro que nem tudo é compreensível. A história não tem "sentido". embora diversos. como autor e ator da história. o dizem na perspectiva de classe. E ao dizerem que houve uma movimentação social (aqui não discutiremos se tal movimento é um fato social ou não. isso não torna incomunicável a idéia geral de que ―pessoas reunidas se manifestaram dia 15 de setembro‖. porque os resultados de sua ação ultrapassam o agir da classe que age e a torna um elemento desse agir. é inteligível e deve poder ser analisada . A historicidade que nos domina e nos determina é belicosa e não lingüística. Talvez esse fragmento de Foucault possa esclarecer melhor o que tento dizer: O problema é ao mesmo tempo distinguir os acontecimentos. mas que não tem o controle do todo.etc. é compreensível a ambos ao que se referem.15 de setembro de ―movimento social‖ ou se o chamo de ―fato‖ é porque os significados que um conceito tem estão em disputadas. não é incompreensível para nenhuma das correntes que chamam as mesmas pessoas de agentes. Creio que aquilo que se deve ter como referência não é o grande modelo da língua e dos signos. por um lado e por outro. Assim. ou seja. e ao ato de fazer manifestação. disputam o mesmo espaço. como indivíduo. uma manifestação como esta não seria vista como fato social. Mas não é esta nossa questão. ele mesmo elabora. como eu. atores. e o recurso às análises que se fazem em termos de genealogia das relações de força. numa relação dialética que torna o seu fazer social algo que o coloca dentro de uma trama que. ser socialmente coercitivo. por exemplo. Mas na vida nem tudo é mesmo compreensível. o que não quer dizer que seja absurda ou incoerente. Se os marxistas dizem que os manifestantes de 15 de setembro são atores sociais. não relação de sentido. conscientemente. Mas o que estou dizendo é que os significados estão em disputa em uma relação de interesses que é bélica. de desenvolvimentos estratégicos e de táticas. Ao contrário. dão a esses conceitos um caracter material de mobilidade. movimento social. de ação social. e se eventualmente possa chamar seus participantes de ―agentes‖ como quer Weber. ou respeitar pai e mãe. Relação de poder. voce. etc. por exemplo. mas sim da guerra e da batalha. uns a partir dos outros. ou se os chamo de ―atores sociais‖ (como quer Durkheim ou eventualmente marxistas). será. Embora os conceitos sejam absolutamente diferentes porque ser ator de algo significa que há uma trama anterior onde voce participa sendo um dos personagem do enredo. de ação social. Se os materialistas.

Nem a dialética (como lógica de contradição). A "dialética" é uma maneira de evitar a realidade aleatória e aberta desta inteligibilidade reduzindo−a ao esqueleto hegeliano. pensando que as idéias humanas e os atos humanos são plenos de significados passou a interpretar os atos sociais segundo esses instrumentos. mas seria oneroso entrar aqui nas discussões que definiram uma dualidade entre as posições clássicas naturalistas e os hemeneuticos e interpretativistas. {Foucault. reduzindo−a à forma apaziguada e platônica da linguagem e do diálogo.em seus menores detalhes. mais ou menos. 2008. Acho que foi Saint Simon. se faz. de certa forma. Record) é exatamente se assegurar de que novas fórmulas de controles e legitimação se organizem porque as novas formas de intervenção e transformação das intmidades trazidas pela globalização estão fora de controle. Verdade e poder. São Paulo. O Certo é que. estão dentro de um conjunto de interesses de análises que implicam em relação de poder. nem a semiótica (como estrutura da comunicação) não poderiam dar conta do que é a inteligibilidade intrínseca dos confrontos. mas é mesmo a luta pelo sentido ou significado prevalente em história que está em jogo. Quando Habbermas (Direito e Democracia. são parte da luta de táticas e estratégias que se estabelecem na formulação sobre as redes de poder que transpassam os fatos e definem significados que são produtos dessa luta pela ―verdade‖ sobre os fatos. das táticas. e a "semiologia" e uma maneira de evitar seu caráter violento. porque ao se escolher por um tipo de análise. ao elaborar a teoria interpretativa. Assim. mas segundo a inteligibilidade das lutas. esse caminho. a relação de sentido (hermeneutica e semiótica) ou o processo dialético. As formulas democraticas republicanas atuais são insuficientes e geram uma crise nas instituição democráticas. sangrento e mortal. o significado de democracia parece que ficou colado ao significado de liberdade de mercado e existencia de partidos no topo da piramide da República. 2007. A preocupação de Giddens em Mundo em Descontrole (2003. São Paulo. Graal. a escolha de uma arena de luta que esconde ou aclara os objetivos bélicos do porque se escreve esse e não aquele outro fato. 6} Assim. as ciências socias se utilizou dos instrumentos da critica literária e. Para não fugir à racionalidade científica. p. as ciências sociais seguiram. que como diz Phillips são usadas como sinonimos. . A relação de luta (luta pelo poder e pela verdade) entre as diferentes facções republicanas defniram até aqui uma formula de democracia que se tornou prevalente mundialmente e modelo de gestão e em Portugal teve suas particularidades definidas pela caracter autoritário da elite burguesa e aristocrática portuguesa. As discussões metodológicas se asseveraram desde Geertz com sua teoria interpretativa. A historia assim não tem sentido intrínsico. O entendimento não está para um ou para outro anuviados. caso não me falhe a memória. e assenhorando-se de metodos (esse ou aquele) dar às suas elaborações o caracter de ―verdade científica‖. embora tenham raizes diferentes. por isso minhas escolhas bibliográficas recaíram sobre aqueles autores e não sobre outros autores. Tempo) se debruça nas relações entre comunitaristas e republicanos americanos e elabora uma formula de democracia e gestão republicana (democracia deliberativa) pensa exatamente nisso. que disse que era preciso dali por diante organizar o mundo (ele pensava no depois da revolução burguesa industrial) e. debrucando-se sobre a realidade. as ciências sociais pensou pôr assim seus pés no chão. ao contrário. Microfísica do Poder. concomitantemente. Talvez seja mesmo preciso questionar o próprio racionalismo que nos trouxe até aqui. das estratégias.

cultura.. e nem posso me inserir em um campo semântico. Na pesquisa relatada. Mas o que são as idéias de ciências senão estar e se colocar diante de problemas? Se eu fosse aplicar os métodos objetivistas ou hermeneuticos (digo métodos porque são tantos modelos!) sobre o fato de ter havido no dia 15 de setembro manifestação de cerca de um milhão de pessoas em todo Portugal. Sim/ Não /Talvez/ Não sei/ Não quis responder. mas o significado da experiência. deveria partir. A anáqlise que devo fazer estará irremediavelmente vinculado aos dados obtidos. Mas não parto de um lugar onde eu me coloque à parte disso. das relações de poder e a partir delas tento desvendar significados. a pergunta precisa ser objetiva. constituindo um rigor que não é estatístico. Ou seja. Eu parto em meus estudos das relações de luta. mas ao contrário. Sim/ Não /Talvez/ Não sei/ Não quis responder. Descarta-se a possibilidade de realizar uma verificação pautada em exatidão e objetividade e escolhe-se fazer um movimento de apropriação daquilo que se quer saber.. Sei que talvez isso possa ser um problema. em um contexto analítico ligado nem ao positivismo. Isso significa que a apropriação da interrogação delimita o modo como se partirá em busca daquilo que se investiga. Isso me faz lembrar dos argumentos de Mauss ao relatar as dificuldades que os militares ingleses tiveram em tocar como os militares franceses. para poder tabular as nformações e montar um quadro. não posso me inserir. é preciso outras perguntas transversais que possa aferir a resposta anterior. um conjunto de perguntas com respostas objetivas que possam me levar a ter um quadro objetivo da atual situação das perspectivas populares em relação à situação economica e ao governo (visto que foram tais situações que levaram a população a se manifestar contra o governo). considerou-se fundamental a experiência de cuidado que podia ser narrada a partir daquilo que foi vivido e houve uma compreensão de que quando alguém relata uma experiência para um outro.. mas também os significados que fizeram e foram responsáveis por sua derrota. de uma pesquisa quantitativa com perguntas objetivas que me levassem a saber se tal manifestação expressa apenas um momento sem continuidade ou se implica um posicionamento já efetivo da população e que terá mais desfechos semelhantes. Em quem voce vai votar nas próximas eleiçoes: PSP/PCP/ etc/ Não sei/nulo/branco. delineia-se também uma escolha por um modo de fazer pesquisa. Mas parece que isso é apenas parte da questão. interesses. Assim. mas sim expresso no ―(. por exemplo: Voce acha que um governo de oposição tomaria medidas economicas diferentes? ? R. onde eu procure significados. 2005.) cuidado que se tem ao proceder à busca pelo interrogado (. a experiência em si permanece privada. como positivista. (BICUDO. neste sentido.)‖. por exemplo: Voce participaria de outras manifestações como esta para derrubar o governo português? R. como alguém que está inserido dentro de um contexto e está também pleno de significados. 11). como um sujeito diante do objeto. porque não tenho e nem desejo ter um afstamento do objeto e nem procuro o que seja regular.. disputas e ideologia. Se a pesquisa fosse hermenutica. Assim. (RICOEUR. é capaz de tornarse público. 1976).Então talvez eu devesse ao olhar o desprezo que se deu aos revolucionários portugueses ligados à comuna de paris e procurar os significados que não apenas os ligaram à comuna. das relações belicas. para poder tabular esses dados. as perguntas seriam do tipo qualitativa e as respostas também: Quando a questão investigada é assumida como uma interrogação. Isso permitiu assumir um interesse pelas . p.

2000. 5 –20. Geopolitical or individual data.org/10. (Szymanski.doi. In the process of striving for an egalitarian society there are those who are without the actual conditions of access to and fight them yourself. 72-91. A democracy is a democracy in the world being exclusionary and exclusionary makes their victims.17(47). Edward Hallet. pp. 4: language and reality). Honestly. Keith (2001): Re-thinking history. FAY. Heloísa e Franco. Malden. EDUSC/CAMOES. O que é história. But life is like that. Oxala. Brian (1996): Contemporary philosophy of social science. MA (Chap 4: Do people in different cultures live in different worlds?). with all the phrases used by the researched. That is.php?script=sci_arttext&pid=S010340142003000100015&lng=en&tlng=pt. COMPARATO. from the substantive content of the response. 1–24. http://dx. São Paulo CARVALHO HOMEM. Obstáculos históricos à vida democrática em Portugal e no Brasil. 11-86 . 2004. História de Portugal. even if known. our studies help change this situation. PUC. London (Chap. Estudos Avançados. (2003). Cambridge (Chap. Libeirais e democratas na Edificação do Portugal contemporâneo. would not be used to evaluate the contents of the responses. from http://www. Paz e Terra. Bibliografia .1590/S010340142003000100015. the objective hermeneutics is concerned to interpret and clarify the terms of the answer. PU|CSP. In VERVE. 1996. Edward Hallett (1995): What is history? pp. Crime e pumice. GODWIN.br/scielo. Lisa (2008): An introduction to the philosophy of science. Interpreting a posteriori evaluation of the set with all the answers. 81-111. Amadeu. some people and some groups are more victimized because not have privileged social status and others are more benefited.narrativas dos pais e mães e um modo de ouvir esses relatos sobre suas práticas educativas.scielo. 1: What History is) p. And difficult a deepening of various issues raised here. Anais IV SIPEQ – ISBN – 978-85-98623-04-7) The analysis of the responses would focus on the explicit content of the response. Fábio Konder. p. William. CARR. Jacobinos. São Paulo. 2012. São Paulo. CARR. Fernanda O MÉTODO FENOMENOLÓGICO-HERMENÊUTICO NA INVESTIGAÇÃO DE PRÁTICAS EDUCATIVAS PARENTAIS. I hope I have contributed something. Jenkins. p. Retrieved November 03. 237-259. I know that my studies of current conditions are precarious. BORTOLOTTI.

(1997): Sociology. 2: Seeing and thinking sociologically). São Paulo: Editora Ática. London (Chap. Política. Pietr. 2000. Jaime. 2007. Portugal anarquista e Rebelde: historia do anarquismo em Portugal. pp. Pierre Joseph. Do princípio federativo. p. 1-15. São Paulo. 131–151. Contexto. 7: The Limits of Historical Knowledge). Caliph (Chap. A história repensada. Martin Claret. PIER FRANCESCO. Keith. 1986. Causas do atraso economico em Portugal. 17-42. 2006 STIRNER. 1-20 PROUDHON. REIS.com . Pierre Joseph. David M. São Paulo: Imaginário. S/d MONTESQUIEU. 1: issues and arguments). p. Keith (2001): Re-Thinking History. São Paulo. 2: On some Questions and some Answers). Oxford. ZARCONO. RELATÓRIO SINTESE CIDOP-UCP – JUNHO DE 2012 RHODES. A History of the Classical Greek World 478–323 BC. Ludmilla (2000): History in Practice.. http://livrosbpi.JENKINS. p. Thousand Oaks.J. JENKINS. Oxford (Chap. EDUSC/CAMOES. Harold (1996): Philosophical foundations of the social sciences. JORDANOVA. New York (Chap. Denis Charles (1992): The social scientists bestiary. Edição digital. 2001. 4: The Status of Historical Knowledge). Balckwell. London (Chap. p. KINCAID. NEWMAN. in História de Portugal. São Paulo. Charles. Max. John (1991): The Pursuit of History. P. PROUDHON. O único e sua propriedade. Versão virtual em PDF TOSH. 2012. 93-94. PHILIPS. 1: hermeneutics and naturalistic social inquiry). Cambridge (Chap. 28-50. Do Espírito das Leis. KROPOTKIN. pp. A Grande de Revolução.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful