You are on page 1of 18

SE]A UM LEÌTOR!!!!!!

DIgIte seu e-maII, seja voce tambem um
IeItor da SaIa da EIetrIca:
SubscrIbe
DeIIvered by Feed8urner
FALE CONOSCO
23 Jul 12, 03:28 PM
dougIas: queria saber o esquema para f echar um
motor de 12 terminais e 10cv para estrela triangulo,
pa ligar ao painel de comando.
21 Jul 12, 07:28 PM
Adriano Schiavom: éssa versão di cads simu da
certo em tablet ?
21 Jul 12, 03:02 AM
Sofia: Singgah sini untuk BlogWalking. jom singgah,
ada perkara menarik nak kongsi pada awak
20 Jul 12, 08:01 PM
Bezerra: Versão 2.1, serve???
20 Jul 12, 04:27 PM
rafa: gostaria de baixa o cx programmer
20 Jul 12, 04:27 PM
rafa: trabalho com clp onrom
20 Jul 12, 04:25 PM
rafa: gostaria de saber se voces tem cx programer
20 Jul 12, 02:46 PM
Riya Sen: Hi, Thank you very much f or the sweet
Moments?.
[Get a Cbox] Atualizar
Nome E-mail / url
Mensagem OK
Ajuda · Sorrisos · Cbox
POSTACENS POPULARES
DOWNLOAD CADe SImu
OIa CaIera, Para quem gosta
de eIetrIca e esta antenado
em Comandos EIetrcos eu
estou postando um arquIvo
que sera de grande proveIto. ...
PartIda EstreIa TrIânguIo
Como o próprIo nome ja dIz, esta SÌSTEMA
DE PARTÌDA reaIIzara uma partIda do
motor trIIasIco em estreIa e após aIguns
segundos passa Iogo o ...
Fechamento de Motor
TrIIasIco
Fechamento em TrIânguIo Na
maIorIa dos casos os
motores possuem 6 pontas
de cabos em sua caIxa de IIgaçäo
(conIorme vIsto no vIdeo acIma)....
SImuIador de CLP - Easy PLC
Nesse post estou postando
um sImuIador de CLP que
possIbIIItara estudantes a
crIar programas e sImuIar
estes de Iorma a treInar coIocando em...
MOTOR ELÉTRÌCO TRÌFASÌCO
DE 12 PONTAS
Veja esta postagem em nosso
novo
sIte: http:]]www.saIadaeIetrIca.com.br CIIck
AquI Dentre os tIpos de motores
eIetrIcos dIspon...
Distribuidor Baumer
Encoder incremental e absoluto 55 15
3218-1168
www.pidindustrial.com.br
Sensores/Chaves de nível
Sensores de nível de fluídos Chaves de
nível de fluídos
www.egd.ind.br/produtos.php
Curso Comandos Elétricos
Curso Online com Certificado. Comece
Agora Mesmo-2x de R$37
Buzzero.com/Comandos_Eletricos
Faça Automação Industrial
Bolsas de Estudo de 50% para Graduação
em Automação industrial.
www.EducaMaisBrasil.com
Comandos IIelricos
1 - ÌNTRODUÇÃO
Dentro das aplicações da eletricidade de potência, o setor industrial é sem sombra de dúvidas a mais
importantes, sobretudo porque representa a maior parcela da transformação da energia elétrica em outros
tipos de energia.
Como tal, a industria é o palco das atividades exercidas pela maioria dos profissionais da área elétrica, seja
na forma de projetos elétricos, instalação de acessórios e equipamentos, ou mesmo da automação industrial.
Dentro desta área de conhecimento situa-se a área de comandos elétricos que representa técnicas e métodos
que são empregados para controlar/manipular acionamentos de máquinas e equipamentos.
O comando elétrico é composto de circuito de força, onde são registrados e ligadas as cargas, o circuito de
comando que contempla as lógicas de acionamento de dispositivos de manobra e proteção das cargas como
por exemplo, os motores elétricos.
2 - PRÌNCÍPÌOS BÁSÌCOS
2.1 - Como funciona o motor trifásico de indução CA??
São os mais utilizados porque na maioria dos casos a distribuição de energia elétrica é feita em corrente
alternada. Seu princípio de funcionamento é Baseado no campo magnético girante, que surge quando um
sistema de correntes alternadas trifásico é aplicada em pólos defasados fisicamente de 120 º. Dessa forma,
Search CO
Home Posts RSS Comments RSS Comandos EIetrIcos Menu
SE]A UM PARCEÌRO!!!
Quer ser ParceIroZ
CopIe o códIgo na caIxa abaIxo e coIe em
seu bIog.
DepoIs avIse-me atraves de postagem ou
no "FaIe Conosco"
DIvuIgue conhecImento.
<a
hreI="http:]]saIad
aeIetrIca.bIogspot.
CONTADOR
Seja 8em VIndo a SaIa da EIetrIca
VALE UM CLÌCK
8ezerra EIetrIca
8rasII RobotIcs
Cavero MIranda
DownTrônIca
EIetrIca e Suas DúvIdas
EIetrIca TotaI
EIetroteR]
EIetrotecnIca TotaI
EIetrônIcos UnIdos
EIetrIca em sua VIda
EngenharIa no DIa-a-DIa
]omarumu
Led EIetrônIca
PaIestrante FIavIo
PoIuIdor
Segurança com EIetrIcIdade
SOS EngenheIros
TeIbronIc
TutorIaIs by PV
com a defasagem de 120º entre as correntes surge o campo magnético em cada conjunto de bobinas do
motor, estes campos magnéticos gerados formam o que chamamos de Campo Magnético Girante.
Motor de indução: funciona normalmente com velocidade constante, que varia ligeiramente com a carga
mecânica aplicada ao eixo. Devido a sua grande simplicidade, robustez e baixo custo, é o motor mais
utilizado de todos, sendo Adequado para quase todos os tipos de máquinas acionadas encontradas na
prática. Atualmente é Possível controlarmos uma velocidade dos motores de indução com o auxílio de
inversores de freqüência.
A aplicação de tensão alternada nos enrolamentos do estator Ìrá Produzir um campo magnético variante no
tempo que Devido a distribuição uniforme do enrolamento do estator Ìrá Gerar um Campo Magnético Girante.
Sua velocidade proporcional à freqüência da rede trifásica. O fluxo magnético girante no estator atravessará
o entreferro e por ser variante no tempo induzirá tensão alternada no enrolamento trifásico do rotor. Como os
enrolamentos do rotor estão curto circuitados essa tensão induzida fará com que circule uma corrente pelo
enrolamento do rotor o que por conseqüência ira Produzir um fluxo magnético do rotor que Tentará se alinhar
com o campo magnético girante do estator.
Não entendeu ainda? Então assista o vídeo:
3 - FECHAMENTO MOTOR ELÉTRÌCO TRÌFÁSÌCO
DE 6 PONTAS
3.1.1 - Fechamento em TriânguIo
Na maioria dos casos os motores possuem 6 pontas de cabos em sua caixa de ligação (conforme visto no
vídeo acima). O fechamento em triângulo proporciona o fechamento na menor tensão suportada, por exemplo:
um motor que suporte 380V e 220V o fechamento em triângulo será para a tensão de 220V.
Será possível entender na ilustração abaixo como realizar o fechamento em triângulo do motor elétrico
trifásico, observe que os terminais 1-6, 2-4 e 3-5 são interligados entre sí e estas pontas são interligadas com
a rede de alimentação trifásica.
3.1.2 - Fechamento de Motor em EstreIa
Bom, como vimos, a maioria dos motores apresentam pontas 6 e para podermos ligá-lo ao maior nível de
tensão disponível devemos fecha-lo em estrela.
Este fechamento é basicamente o mais simples de ser desenvolvido, observe que o fechamento se dá com a
a realização do curto circuito dos terminais 4-5-6 e realiza-se a alimentação trifásica utilizando os terminais 1,
2 e 3. Veja a seguir uma ilustração deste fechamento.
3.2 - FECHAMENTO MOTOR ELÉTRÌCO TRÌFÁSÌCO
DE 12 PONTAS
uenLre os Ll pos de moLores el eLrl cos dl sponlvel s no mercado um que se
desLaca e o moLor de 12 ponLas. LsLe Ll po de moLor dl sponl bl l lza doze Lermlnal s
de l nLerl lgação que faz com que possamos all menLá-l o com aLe quaLro nlvel s
dl ferenLes de Lensão, por exempl o:
220v
J80v
440v
760v
LsLes doze Lerml nal s de l nLerl l gação referem-se a sel s con[ unLos de boblnas que consLl Luem o moLor el eLrlco.
Þara cada nlvel de Lensão requerldo Leremos uma forma de real l zar o fechamenLo de suas bobl nas. São baslcamenLe
quaLro Llpos de fechamenLo, são eles:
uuplo 1rl ângul o (220v)
uuplo LsLrel a (380v)
1rl ângul o (440v)
LsLrel a (760v)
3.2.1 - Fechamento DupIo TriânguIo
LsLe Ll po de fechamenLo fará com que se[ a posslvel a conexão moLor na menor Lensão suporLada por el e, em nosso
exempl o 220v.
ÞarLl ndo do pressuposLo que lndependenLe da Lensão de all menLação, o moLor de 12 ponLas sempre receberá em
seus enrolamenLos o mesmo nlvel de Lensão e que em nosso exempl o, cada bobl na permanecerá com 220v, Lemos
abal xo o esquema el eLrlco de um fechamenLo para a Lensão de 220v que por sl nal e a menor Lensão que esLe moLor
suporLa:
Obs..
1eoJo em vlsto poe este fecbomeoto ossemelbo-se com om cltcolto potolelo, o fecbomeoto Joplo ttlôoqolo oo set
cooectoJo o teJe Je ollmeotoçõo Je 220v tecebe em coJo omo Je soos bobloos os mesmos 220v Jo teJe eléttlco.
3.2.2 - Fechamento DupIo EstreIa
nesLe fechamenLo Lemos a dlsposlção das bobl nas do moLor a fl m de al lmenLá-l o com uma Lensão de 380v.
Þor se LraLar do mesmo moLor, Lemos que l evar em consl deração que cada bobl na do moLor el eLrl co Lrlfáslco
receberá um nlvel de Lensão de 220v, desLa manel ra vamos real l zar o fechamenLo consl derando as caracLerlsLlcas
de 1ensão de lase e 1ensão de Llnha apll cado aos seu enrol amenLos, observe:
Obs.
com o 1eosõo Je llobo JeJ80v tepteseotoJos em k, 5 e 1 temos, tespectlvomeote, os 1eosões Je lose Je 220v em coJo
omo Jos bobloos, seoJo poe.
íste tlpo Je fecbomeoto ´compotto-se´ como om cltcolto em sétle, loqo, exlste o Jlvlsõo Je teosõo eotte os coojootos Je
bobloos ossocloJos.
3.2.3 - Fechamento TriânguIo
Cuando a necessl dade e l nLerl l gar o moLor a uma Lensão de 440v, enLão real l zamos o fechamenLo Lrl ângulo.
Levando em consl deração as caracLerlsLl cas apresenLadas anLerlormenLe, perml Llremos aLraves desLe fechamenLo
que cada um dos enrol amenLos receba o mesmo nlvel de Lensão dos fechamenLos dupl o esLrela e dupl o Lrlângul o, ou
se[ a, 220v. ve[ a:
Obs..
No fecbomeoto em ttlôoqolo o motot setó cooflqotoJo o flm Je tecebet o teosõo Je 440v, obsetve poe, teotlcomeote o
teosõo Je fose setlo Je 440v mos o foto Je ossoclotmos os eotolomeotos em sétle petmlte poe esto teosõo sejo JlvlJlJo
eotte os Jols eotolomeotos fozeoJo com poe coJo om tecebo 220v
3.2.4 - Fechamento EstreIa
Cuando há necessldade de l nLerll gar o moLor de 12 ponLas em um nlvel el evado de Lensão fazemos o uso do
fechamenLo esLrel a para o moLor de 12 ponLas.
Levando em conslderação as caracLerlsLlcas
apresenLadas anLerl ormenLe, permlLl remos aLraves
desLe fechamenLo que cada um dos enrolamenLos
receba o mesmo nlvel de Lensão dos fechamenLos
dupl o esLrel a e dupl o Lrlângulo, ou se[ a, 220v.
Cbserve que os con[ unLos de bobl nas são
assoclados em serle a flm de garanLl r a
dl sLrlbulção da Lensão de fase de forma
proporclonal a cada uma.
Sendo a Lensão de Llnha (Al lmenLação ) de 760v podemos deduzlr que a Lensão de fase será de 440v:
Lsses 440v dlvl de-se enLre os dol s con[ unLos de enrol amenLos e cada um receberá respecLl vamenLe 220v como
podemos observar na ll usLração aclma
4 - ACÌONAMENTO E CONTROLE
4.1 - Chaves auxiIiares tipo botoeira
As chaves auxiliares, ou botões de comando, são chaves de comando manual que interrompem um
Estabelecem ou circuito de comando por meio de pulsos. Podem ser montadas em painéis ou em
sobreposição para caixas.
4.2 SinaIizadores Iuminosos ou sonoros
Sinalização é a forma visual ou sonora de se chamar a atenção do operador Para uma situação Determinada
em um circuito, máquina ou conjunto de máquinas.
Ela é realizada por meio de buzinas e campainhas ou por Sinalizadores luminosos com cores determinadas
por normas.
A utilização de sinalizadores luminosos baseiam-se em aplicações específicas, estas aplicações são
baseadas em cores que representam cada situação. Observem abaixo na tabela a seguir, as cores que
determinam um Utilização dos Sinalizadores luminosos e suas respectivas aplicações:
4.3 Contatores
Contatores São dispositivos de manobra mecânica eletromagneticamente, acionados, Construídos Para uma
elevada freqüência de operação.
De acordo com uma potência (carga), um contator é o dispositivo de comando do Automóvel de e pode ser
usado individualmente, acoplado um reles de sobrecarga, NA PROTEÇÃO DE Sobrecorrente. Há Certos tipos
de contatores COM CAPACÌDADE ESTABELECER de e interromper correntes de curto-circuito.
4.3.1 Tipos de contatores
Basicamente, existem dois tipos de contatores:
· Contatores para motores (de potência);
· Contatores auxiliares.
Esses dois tipos de contatores são semelhantes. O que os diferencia são algumas características mecânicas
e elétricas.
Assim, os contatores para motores caracterizam-se por Apresentar:
Dois tipos de contatos com capacidade de carga diferentes Chamados principais e auxiliares;
Maior robustez de construção;
Possibilidade de receberem relés de proteção;
Câmara de extinção de arco Voltaico;
Variação de potência da bobina do eletroímã DE ACORDO COM O tipo do contator,
Tamanho físico de acordo com uma potência um ser comandada;
Possibilidade de ter uma bobina do secundário com eletroímã.
Veja a seguir a representação dos contatores de potência:
Os contatores auxiliares são usados para:
· Aumentar o número de contatos auxiliares dos contatores de motores,
· Comandar contatores de elevado consumo na bobina,
· Evitar repique,
· Para sinalização.
Esses contatores Apresentar caracterizam-se por:
· Tamanho físico variável conforme o número de contatos;
· Potência do eletroímã praticamente constante;
· Corrente nominal de carga máxima de 10 A para todos os contatos;
· Ausência de necessidade de relê de proteção e de câmara de extinção.
A seguir a representação do contator auxiliar:
4.4 ReIes térmicos
Esse tipo de relê, atua como dispositivo de proteção, controle ou comando do circuito elétrico, atua por efeito
térmico provocado pela corrente elétrica. O elemento básico dos reles térmicos é o Bimetálicos.
O bimetal é um conjunto formado por duas lâminas de metais diferentes Ferro (normalmente e níquel),
sobrepostas e soldadas.
Esses dois Metais de coeficientes de dilatação diferentes, formam um par metálico. Por causa da diferença de
coeficiente de dilatação, se o par metálico submetido a uma temperatura elevada, um dos metais irá se dilatar
mais que o outro, por estarem unidos fortemente, o metal de menor coeficiente de dilatação provoca o
encurvamento do conjunto para o seu lado, afastando o conjunto de um determinado ponto. Causando assim o
desarme do mesmo.

5 - SÌSTEMAS DE PARTÌDAS DE MOTORES
5.1.1 Partida direta de motores trifásicos
Este sistema de partida é a mais simples e fácil de ser construida, no entanto apresenta algumas
características encontradas que considerá-la uma partida inviável, principalmente quando se trata de motores
acima de 7,5cv.
Neste tipo de partida uma tensão fornecida ao motor elétrico é exatamente uma tensão nominal do motor e
então temos as seguintes características:
Desvantagens
* A corrente de partida pode chegar em até 8 vezes a nominal
* Necessita de cabos e componentes mais robustos
* Alto partida Consumo de Energia na
Vantagens
* Oferece torque nominal na partida
Vamos ver um exemplo de partida direta construida não CADE Simu:
Vídeo aula Ìlustrativa:
5.1.2 - Partida direta de motor trifásico com reversão
Dentre as várias aplicações industriais que podemos observar uma Utilização de Motores Elétricos Trifásico,
normalmente se faz necessário a inversão de rotação (sentido de giro) do motor elétrico. Esta é uma missão
relativamente fácil quando usamos contatores para controlá-lo. É Necessário somente que seja invertida uma
das fases para que o seu campo magnético reverta seu sentido de giro.
Observe i diagrama a seguir:
Veja abaixo como é fácil fazer isto.
5.2 - Partida Indireta de Motores Trifásicos
O que é?
As partidas indiretas de motores trifásicos são basicamente, os métodos utilizados para realizamos a redução
da "corrente de partida" que Ìnterferem diretamente no dimensionamento de dispositivos elétricos responsáveis
pela partida do motor.
Porquê se aplica?
Um dos grandes malefícios da partida direta é o alto valor da corrente elétrica no ato da partida (ignição) do
motor elétrico que gera, entre outras coisas, uma necessidade de componentes e cabos robustos na
instalação, gerando assim um alto custo de implantação. Então para que se possa reduzir este custo é
necessário diminuir o nível desta corrente.
Como é feito?
Existem várias formas de realizar uma partida indireta, vejamos abaixo as principais:
· Estrela Triângulo;
· Partida Compensadora (Auto-Trafo);
· Aceleração Rotórica (Motor com rotor bobinado);
· Soft Starter.
5.2.1 - Partida EstreIa TriânguIo
Como o próprio nome ja diz, este sistema de partida realizará uma partida do motor trifásico a fim de,
inicialmente realizar o fechamento deste motor em estrela e após alguns segundos comuta manualmente ou
automaticamente para o fechamento em triângulo.
Neste tipo de Partida é necessário disponibilizamos um motor que possua, no mínimo, 6 terminais de
conexão (pontas) em sua caixa de ligação.
Exemplo:
Consideremos um motor elétrico trifásico Cuja características nominais de tensão é:
Tensão de alimentação 220/380V (220V e 380V para Triângulo Estrela respectivamente)
Ìnicialmente o motor realiza sua partida com tensão de 220V e em fechamento estrela, sendo assim a tensão
de fase (em cada enrolamento do motor) é de 127V, como a tensão neste instante é menor, obviamente a
corrente de partida também será menor.
Após alguns segundos o circuito de comando faz com que a partida seja revertida para triângulo
disponibilizando assim a tensão de fase (em cada um dos enrolamentos) de 220V (tensão nominal).
Este processo se dá somente na partida do motor e auxilia na diminuição da corrente de partida.
Com este sistema é possível reduzir a corrente de partida a 1/3 (um terço) da corrente nominal, no entanto, o
torque que depende diretamente desta corrente também sofrerá redução para 1/3 (um terço), ou seja, 33% do
torque inicial a partir de 33% da corrente de partida, assim não é possível utilizar esta sistema em situações
onde a carga aplicada ao motor seja maior que 33% do suportado pelo motor no instante da partida.
Então porquê não podemos deixar o motor funcionando em 220V com fechamento estrela?
O fato é que ao Diminuir a tensão de fase do motor o seu torque (força na ponta do eixo do motor) também
diminui proporcionalmente e o motor não funcionará corretamente podendo vir a reduzir sua vida útil e até
causar a queima deste.
Assistão o vídeo abaixo para entender melhor:
5.2.2 - Partida por chave compensadora ou Partida por Auto-Trafo
Esta partida tem por objetivo suprir as aplicações que a Estrela-Triângulo não podem ser utilizadas, ou seja,
onde a carga aplicada ao motor seja superior a 33% da carga suportada pelo motor.
Com o mesmo objetivo de reduzir a corrente de partida, na partida por autotrafo é realizada a inserção de um
autotransformador para auxiliar a partida do motor realizando assim a redução da tensão de alimentação do
motor.
Este autotrafo possui dois "Taps" de saída de tensão (taps é o nome dado a saída de tensão do
atotransformador), ele realizará o rebaixamento da tensão de partida do motor trifásico a fim de reduzir
respectivamente a corrente de partida.
Este rebaixamento pode ser dado em dois níveis de tensão, são eles:
Tap de 65% da tensão.
Tap de 80% da tensão.
5.2.2.1 - Torque
Como sabemos a redução da tensão implica em reduzir também o torque do motor, então tendo dois níveis de
tensão teremos respectivamente doi níves de torque, são eles:
Quando utilizado o Tap de 65%, teremos um torque de 42%. Dado através do cálculo: 65²/100.
Quando utilizado o Tap de 80%, teremos um torque de 64%. Dado através do cálculo: 80²/100.
5.2.2.2 - Corrente
Observem que mesmo no Tap de 65% que disponibiliza um baixo torque, temos um torque ainda maior que o
da partida estrela-triângulo, no entanto a corrente também será maior cerca de 42% da corrente nominal.
O mesmo ocorre para a partida com o Tap em 80% da tensão, sendo que a corrente de partida nesta
configuração chega a cerca de 64% da nominal bem como seu torque.
6 - DÌMENSÌONAMENTO DE PARTÌDA
6.1 - Dimensionamento de Partida Direta
Neste tipo de partida o motor parte com valores de conjugado (torque) e corrente de partida plenos, uma vez
que suas bobinas recebem tensão nominal.
Neste caso o motor pode estar fechado em estrela ou triângulo como podemos ver abaixo:

Esta partida é considerada aplicável somente em casos em que o motor a ser utilizado não possua mais do
que 7,5cv de potência.
Algumas perguntas ficam em nossa mente quando decidimos dimensiorar uma chave de partida:
Qual contator usar?
Qual fusível aplicar para protejer o circuito?
Qual o valor de corrente do relé térmico?
Aqui nós responderemos todas estas perguntas.
Para ficar mais lógico estaremos simulando o dimensionamento de um motor de 30cv e 4 polos que será
ligado a uma rede de 380V/60Hz. A corrrente nominal deste motor é de 44A e possui um Ìp/Ìn de 8,0. Este
trabalha em serviço normal de manobra com rotor gaiola de esquilo e desligamento em regime e possui um
tempo de partida igual a 5 segundos.
Antes de qualquer coisa vamos relembrar como é o circuito de potência da partida direta:
Roteiro de CáIcuIo
Vamos começar com o dimensionamento do contator K1:
Neste caso o contator K1 deverá possuir uma corrente Ìe (corrente nominal do contator) maior que a corrente
nominal do motor, ou seja:
K1 => Ie > In x 1,15
Logo, teremos em nosso exemplo:
K1 => Ie > 44 x 1,15
Ie > 50,6A
Com base base nos dados encontrados e tomando como base o tipo de aplicação do motor temos no
catálogo da WEG o contator CWM65 que suporta 65A, o fato do cálculo ter mostrado que a corrente é de
50,6A faz com que não utilizemos o contator CWM50 pois sua corrente nominal é maior que a corrente
calculada.
Agora faremos o dimensionamento do Relé Térmico:
O Relé Térmico deverá possuir corrente nominal igual a corrente nominal do motor. Com isso podemos deduzir
a fórmula:
FT1 = In
Temos então em nosso caso, o seguinte:
FT1 = 44A
De acordo com o mesmo catálogo de dispositivos da WEG temos o relé térmico RW67-2D3-U057 com ajuste
de corrente entre 40 e 57 sendo o mais recomendado ao nosso sistema, observem que o modelo 1D3 não se
aplica pois não suporta montagem no contator escolhido.
CLICK AQUI PARA O DOWNLOAD DO CATÁLOGO
Vamos agora dimensionar os fusíveis F1, F2 e F3, nesta etapa teremos 3 condições que deverão ser
observadas e todas as situações deverão ser atendidas pelo sistemas, vamos as três situações:
1º situação:
A corrente nominal do fusíve de primeiramente suportar a corrente do motor no instante da partida, ou seja,
Ip/In, logo:
Ip = Ip/In x In
Ou seja, no nosso exemplo teremos a seguinte situação:
Ip = 8,0 x 44
Ip = 352A
Então, através da tabela de fusíveis e sabendo-se que o tempo de partida do motor é de 5 segundos,
definimos o fusível a ser aplicado no motor, como podemos observar o fusível escolhido por este passo é o de
100A.
BAIXE AQUI O CATÁLOGO DE FUSÍVEIS
2º situação:
A corrente do fusível deverá suportar 20% a mais que a corrente nominal do motor, logo:
IF > 1,2 x In
IF > 1,2 x 44
IF > 53A
Então, o fato do fusível abordado no primeiro caso ser maior que 53A significa que atende a necessidade, em
caso contrário (ÌF > ÌP) teríamos que encontrar na tabela outro fusível que atenda a necessidade.
3º situação:
Os fusíveis terão que suportar também a corrente que circulará no relé térmico e no contator, sendo assim:
IF < IF max K1
100A < 125A (fig abaixo)
IF < IF FT1
100A < 100A
Portanto, podemos concluir que os fusíveis NH de 100A suportam todas as exigencias e expecificações
requeridas.
Resumindo teremos em nosso acionamento:
- 1 contator CWM65
- 1 ReIé térmico RW67-2D3-U057
- 3 fusíveis NH de 100A (retardado)
6.2 - Dimensionamento de partida estreIa triânguIo
A partida estrela triângulo é um tipo de partida indireta que tem como objetivo a redução da corrente de partida
a fim de reduzir custos como por exemplo o consumo excessivo potência elétrica da rede de alimentação no
início de funcionamento deste motor.
Para saber um pouco mais sobre a partida estrela triângulo acesse "Este Link".
Após entender o funcionamento da partida estrela triângulo, vamos
aprender agora como dimensionar este tipo de partida.
Diferente da partida direta, a partida estrela triângulo será
dimensionada tomando como referência as características individuais
de cada componente do circuito separadamente, uma vez que a
corrente que circula em cada componente do circuito é diferente uma
da outra.






Dimensionamento dos Contatores K1 e K2
O primeiro passo é realizar o dimensionamento dos contatores K1 e
K2 que serão idênticos, pois a corrente por eles conduzida será de
mesma itensidade, lembrando que estes dois trabalharão juntos no
segundo estágio do sistema de partida, quando o sistema assumir o
fechamento triângulo.
Para começarmos o dimensionamento destes contatores iremos
determinar a corrente do fechamento em triângulo (corrente que
circula na bobina do motor no fechamento em triângulo).
Determinando a corrente de do fechamento em triângulo:
IL = In
I± = IL x 0.58
onde: 0.58

= i nverso da rai z quadrada de 3 (o mesmo que di vi di r IL por rai z de 3)
IL ..= Corrente de Li nha
In ..= Corrente Nomi nal
I±..= Corrente do fechamento emtri ângul o (corrente emK1 e K2)
Então:
A corrente suportada pelos contatores K1 e K2 deverá ser superior ou igual a corrente do fechamento
triângulo.
K1 = K2 = Ie 2 (0,58 x In) x 1,15
onde: Ie ..... = Corrente suportada pel os contatores K1 e K2
(0,58 x In) = Corrente quando a parti da assumi r o fechamento tri ângul o
1,15 ... = Representa umfator de proteção de 15%
Dimensionamento do ReIé de Sobrecarga (ReIé Térmico)
Observe que a corrente que circula no Relé térmico Não será a
corrente nominal do circuito, analizando o diagrama é possível notar
que esta corrente é a corrente de fase do circuito quando fechado
em triângulo, portanto ao dimensionar este dispositivo devemos
considerar esta corrente parcial, senão teremos um relé térmico
super dimensionado e sem função alguma no circuito.
Sabendo disto podemos deduzir que a corrente deste dispositivo
será determinada da seguinte maneira:
IF7 = 0,58 x In
Dimensionamento do Contator K3
O contator K3, como sabemos, somente será utilizado pelo sistema
no momento da partida domotor, ou seja, no momento em que o
circuito assumir o fechamento estrela, sendo assim, a corrente que
circulará neste trecho do circuito será de 33% a corrente nominal (vide
este post).
Este valor representa um terço da corrente nominal do motor no
momento da partida, esta é uma das principais características desta
partida
Iosls Mais Visilados
DOWNLOAD CADe SImu
OIa CaIera, Para quem gosta de eIetrIca e esta antenado em Comandos EIetrcos eu estou
postando um arquIvo que sera de grande proveIto. ...
PartIda EstreIa TrIânguIo
Como o próprIo nome ja dIz, esta SÌSTEMA DE PARTÌDA reaIIzara uma partIda do motor trIIasIco em
estreIa e após aIguns segundos passa Iogo o ...
Fechamento de Motor TrIIasIco
Fechamento em TrIânguIo Na maIorIa dos casos os motores possuem 6 pontas de cabos
em sua caIxa de IIgaçäo (conIorme vIsto no vIdeo acIma)....
SImuIador de CLP - Easy PLC
Nesse post estou postando um sImuIador de CLP que possIbIIItara estudantes a crIar
programas e sImuIar estes de Iorma a treInar coIocando em...
Siga essa ideia!!!
118 Comments
Então o cálculo desta corrente fica assim:
K3 = Ie 2 (0,33 x In) x 1,15
onde: Ie ..... = Corrente suportada pel o contator K3
(0,33 x In) = Corrente quando a parti da assumi r o fechamento estrel a
1,15 ... = Representa umfator de proteção de 15%
Dimensionamento dos Fusíveis de Proteção
Os fusíveis no sistema de
partida dos motores têm a
função de proteger o circuito
como um todo, isto inclui os
cabos, contatores e é claro, o relé térmico.
Neste caso, o dimensionamento passa por um análise de três
condições, sendo que é necessário que se atenda o pior caso.
Veja as três situações abaixo:
1ª Situação - IF 2 1,2 x In (Correte do fusível deve ser maior ou igual a 20% a corrente nominal)
2ª Situação - IF 5 IFmax de K1 e K2 (Correte do fusível deve ser menor ou igual a corrente máxima
suportada pelos contatos dos contatores K1 e K2 em situação de curto circuito)
3ª Situação - IF 5 IFmax de F7 (Correte do fusível deve ser menor ou igual a corrente máxima suportada
pelo Relé térmico em situação de curto circuito)
Nota: Não é necessário verificar esta condição para o contator K3
Total Automação
Controles para Ar Condicionado HVAC Distribuidor Autorizado Honeywell
www.totalautomacao.com.br
Participar deste site Participar deste site
Google Friend Connect
Membros (487) Mais »
Já é um membro? Fazer login
FusIon theme by dIgItaInature ¦ converted by Web HostIng Art
EntrIes (RSS) and Comments (RSS) ^