You are on page 1of 27

PROFESSOR KENNEDY SANTOS http://br.groups.yahoo.com/group/professorkennedy/ http://www.facebook.

com/professorkennedy @prkennedysantos REGIMENTO INTERNO TRT 10º REGIÃO DA JUSTIÇA DO TRABALHO DA 10ª REGIÃO VISÃO CONSTITUCIONAL DO TST (ciência propedêutica) CF, Art. 92 são órgão do Poder Judiciário IV - os Tribunais e Juízes do Trabalho. NORMA INTERNA CORPORIS CF, Art. 96, I, a. eleger seus órgãos diretivos e elaborar seus regimentos internos. DOS TRIBUNAIS E JUÍZES DO TRABALHO CF, Art. 111. São órgãos da Justiça do Trabalho: (organização da Justiça do Trabalho) 1° Instância JUÍZES DO TRABALHO (Varas do trabalho) 2° Instância TRIBUNAIS REGIONAIS DO TRABALHO; (Juiz) Instância Superior TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO; (Ministro do Trabalho) CF, Art. 115. Os Tribunais Regionais do Trabalho compõem-se de, no mínimo, sete juízes, recrutados, quando possível, na respectiva região, e nomeados pelo Presidente da República dentre brasileiros com mais de trinta e menos de sessenta e cinco anos, sendo: I um quinto dentre advogados com mais de dez anos de efetiva atividade profissional e membros do Ministério Público do Trabalho com mais de dez anos de efetivo exercício, II os demais, mediante promoção de juízes do trabalho por antigüidade e merecimento, alternadamente. RITRT Art. 3º. O Tribunal Regional do Trabalho da Décima Região, composto por 17 (dezessete) Juízes, os quais terão o título de “Desembargador Federal do Trabalho”, sendo: 13 (treze) oriundos da Magistratura do Trabalho, 2 (dois) oriundos do Ministério Público do Trabalho, 2 (dois) oriundos da carreira de advogado, SEDE RITRT Art. 3º tem sede na cidade de Brasília e competência em todo o território do Distrito Federal e do Estado do Tocantins.

Art. 3º § 2 Nas localidades não abrangidas pela competência da Vara do Trabalho, aquela será exercida pelo Juiz de Direito da respectiva comarca, exceto enquanto esta estiver sendo atendida por Vara do Trabalho itinerante. CF Art. 115 § 1º Os Tribunais Regionais do Trabalho instalarão a justiça itinerante, com a realização de audiências e demais funções de atividade jurisdicional, nos limites territoriais da respectiva jurisdição, servindo-se de equipamentos públicos e comunitários. Art. 2º. São órgãos da Justiça do Trabalho da Décima Região: I - o Tribunal Regional do Trabalho; II - os Juízes do Trabalho, Titulares de Vara ou Substitutos. Art. 4º. São órgãos do Tribunal: I - o Tribunal Pleno; II - as Seções Especializadas; III - as Turmas; IV - a Presidência; (cargo de direção junto com o vice presidente) V - a Corregedoria. (será exercido cumulativamente pelo Presidente) TRATAMENTO Art. 6º. Ao Tribunal cabe o tratamento de “egrégio”, (ALTA CORTE) Às Seções Especializadas e às Turmas, o cabe o tratamento de “egrégia”; (ALTA CORTE) Aos Desembargadores, cabe o tratamento de “Excelência”. Sessões e Audiências Art. 7º. 1. Nas sessões e nas audiências, é obrigatório o uso de vestes talares conforme modelo aprovado pelo Tribunal. 2. O representante do Ministério Público do Trabalho que funcionar nas sessões e audiências deverá usar veste talar. 3. Os advogados que se dirigirem oralmente ao Tribunal, às Seções Especializadas ou às Turmas, inclusive nas sessões solenes, deverão usar beca e sustentar ou discursar da tribuna própria. DOS ASSENTAMENTOS DA MESA PRINCIPAL Art. 8º Nas sessões do Tribunal 1. 2. 3. 4. O Presidente sentará ao centro da mesa principal; A direita do Presidente tomará assento o representante do Ministério Público; A esquerda do Presidente o Secretário do Tribunal. O Vice-Presidente tomará assento na primeira cadeira da bancada à direita da mesa central; 5. o Desembargador mais antigo, na primeira cadeira da bancada à esquerda 6. Assim sucessivamente, obedecida à antiguidade entre os Desembargadores. OBS: Aplica-se às Seções Especializadas e às Turmas, no que couber. IMPORTANTE: Não se permitirá que nenhuma outra pessoa tome assento à mesa principal, salvo em SESSÕES SOLENES, quando para ali poderão ser convidados Presidente da República, Presidente do Senado Federal, Presidente da Câmara dos Deputados, Presidente do Supremo Tribunal Federal, Presidente do Tribunal Superior do Trabalho

7. 14.Os demais Presidentes de Tribunais Superiores. Presidente 2. Autoridades estrangeiras equiparadas as demais autoridades. 11. A partir da posse no Tribunal Da data de posse como Juiz Titular Da data de posse como Juiz Substituto O tempo de magistrado em outras regiões da Justiça do Trabalho O tempo de Magistratura em outros ramos do Poder Judiciário O tempo de serviço público em geral A idade OBS: A antiguidade dos Desembargadores. As eleições obedecerão às seguintes normas: . Ao Art. 2. na mesma sessão. IMPORTATE 2: Em ocasiões excepcionais e com a aprovação prévia da maioria efetiva de seus membros. Conselho da Ordem do Mérito. O Mandato Iniciar-se no dia 23 de março dos anos pares ou no primeiro dia útil subsequente. substituições e quaisquer outros efeitos. O cargo de Corregedor Regional será exercido cumulativamente pelo Presidente. pelos próprios membros destas. Para um mandato de dois anos É vedada a reeleição. Considerar-se-á eleito o Desembargador que obtiver mais da metade dos votos. 3. DA DIREÇÃO Art. em solenidades públicas. se pessoalmente presentes. 2. 4. 1. SALVO recusa manifestada por escrito e aceita antes da eleição. Das regras gerais das eleições 1. Serão eleitos 1. contexto que não altera a posição do Desembargador no quadro de antiguidade nas eleições subsequentes. Vice-Presidente. 6. o rodízio entre os Desembargadores. Observadas as mesmas disposições. Comissões permanentes Escola Judicial OBS: observarão. É obrigatória a aceitação do cargo. é para a colocação nas sessões do Tribunal. 5. enquanto houver Desembargador que não tenha exercido os cargos. 2. A antiguidade dos Desembargadores Art. serão eleitos Os Presidentes das Turmas. 9º 1. o Tribunal poderá convidar outras pessoas eméritas a tomarem assento à mesa principal. distribuição de serviços. 3. tanto quanto possível. Na última sessão de dezembro dos anos ímpares: Em escrutínio secreto Dentre os Desembargadores elegíveis que integrem a primeira quinta parte da antiguidade A eleição do Presidente precederá à do Vice-Presidente.

à margem de cada nome. Persistindo o empate. 4. serão abertas. é forma de vacância e de provimento no cargo. ) PROMOÇÃO DOS JUÍZES A promoção. 2. Procedimentos para promoção Abre uma vaga de Desembargador no TRT10. É a promoção dos juízes de carreira. no anverso. Se não houver impugnação. Da Votação 1. É um tipo de provimento derivado. sem concurso público. o Presidente designará 2 (dois) Desembargadores para a escrutinação. . contendo os votos de que trata o item anterior. REGIME JURÍDICO DOS MAGISTRADOS (Art 61 ss) O regime jurídico dos magistrados (conjunto de regras relativas à vida funcional do juiz. será declarado eleito o mais antigo. salvo em disponibilidade. com a sobrecarta referida. sob registro. 2. para ser conferido o ofício e delas ser retirada a sobrecarta menor. 3. com os nomes dos Desembargadores elegíveis e o cargo para o qual concorrem. As cédulas serão inseridas em sobrecarta específica e lacrada. mediante sua assinatura. A eleição será feita por meio de cédulas uniformemente impressas. com antecedência de 30 (trinta) dias da eleição. assinalando o escolhido. Antes de iniciar-se a eleição. juntamente com ofício de remessa assinado pelo Desembargador votante. deverão ser lacradas e remetidas em envelope maior. pelo votante. de um “X”. em primeiro lugar. pelo votante. a sobrecarta menor será colocada pelos escrutinadores na urna comum. proceder-se-á a novo escrutínio entre os Desembargadores cuja votação tenha empatado. Qualquer impugnação relativa a tais votos deverá ser feita imediatamente após tal procedimento. PROMOÇÃO POR MERECIMENTO TRT 1. Ao início da votação. 3. dizeres relativos à eleição em referência e será autenticada no verso. além do endereçamento do Tribunal. passando a votar os Desembargadores presentes. OBS: O Regimento Interno também trata de vacância de cargos dos Juízes Titulares de Vara de primeiro grau. espaço reservado à aposição. 2. a fim de que possam enviar voto pelo correio. caso assim o desejarem. cédulas próprias. devem ser remetidas. as sobrecartas maiores. na segunda instância. No caso de empate. Vacância do cargo de desembargador O presidente do tribunal envia a todos os juízes do trabalho titulares de vaga um telegrama Abertura das inscrições para concorrer à promoção os interessados devem fazer uma inscrição com cópia do curriculum vitae. QUESTÃO DE PROVA Aos Desembargadores afastados temporariamente do exercício de suas funções. Somente serão apurados os votos que derem entrada no Tribunal até o dia anterior ao da eleição. ou se o Tribunal não a acolher. A sobrecarta maior conterá. Haverá. O Juiz do Trabalho sai de seu cargo lá na primeira instância e passa a ocupar um cargo de Desembargador do Trabalho.1. As sobrecartas.

A NÃO-INSCRIÇÃO do magistrado é interpretada como NÃO-ACEITAÇÃO da vaga para promoção 3. . Os interessados devem fazer uma inscrição com cópia do curriculum vitae. 2. Na promoção por merecimento. em lista de merecimento. 1. o Presidente do Tribunal relatará esse fato. O PRAZO PARA INSCRIÇÃO 1. sendo obrigatória a juntada da respectiva declaração por escrito. É de 15 dias 2. De todos os que se candidatam à promoção. haverá 2 listas tríplices.PROMOÇÃO POR MERECIMENTO TRT NA PRIMEIRA INSTÂNCIA 1. OU 5 (CINCO) ALTERNADAS. MERECIMENTO sempre que o candidato ao acesso figurar por 3 (TRÊS) VEZES CONSECUTIVAS. ABERTO E MOTIVADO. Então. O presidente do tribunal envia a todos os juízes do trabalho substitutos de vaga um telegrama 3. para fins para que o nome dele venha a figurar na lista. a indicação entre os candidatos far-se-á por voto nominal (voto no nome do candidato). Vacância do cargo de juiz do trabalho titular 2. o TRT fará uma lista tríplice (tribunal pleno) IMPORTANTE. O Juiz que houver sofrido a pena de censura NÃO PODERÁ figurar em lista de promoção por merecimento. pelo prazo de 1 (um) ano. Se houver 3 vagas. se houver 2 vagas. o mérito será aferido tendo-se em conta os critérios fixados em resolução administrativa editada com essa finalidade pelo Tribunal. e se o nome dele não tiver sido aprovado antes. serão feitas tantas lista tríplices quanto forem os números de vagas. haverá 3 listas tríplices. havendo 2 vagas serão feitas duas listas tríplices a primeira lista tríplice será preenchida pelos nomes dos que se inscreveram no atual procedimento. contado da imposição da pena. IMPEDIMENTO DE FIGURAR EM LISTA POR MERECIMENTO 1. Abertura das inscrições para concorrer à promoção 4. Se houver mais de 1 vaga a ser provida. a segunda lista será preenchida por nomes dos magistrados que se candidataram na lista anterior. FORMAÇÃO DA LISTA TRÍPLICE Somente será incluído na lista tríplice de merecimento o Juiz que obtiver a maioria absoluta dos votos dos presentes. no prazo de 10 (dez) dias. no processo correspondente.

houver empate entre dois nomes. 2. Desembargador Federal Do Trabalho IMPORTANTE: o nome do juiz mais antigo pode ser rejeitado pelo voto de 2/3 dos membros do Tribunal Pleno OBS: O Desembargador recém-empossado no Tribunal assume a Relatoria de todos os processos de seu colega antecessor. seja para fins de ordem de classificação. será considerado vitorioso aquele que obteve mais votos na sua instituição de origem. Vaga Juiz do trabalho titular. no Pleno do TRT. Se nenhum Juiz alcançar. deverá reduzir essa lista para uma composição de lista tríplice. Os órgão de origem (MPT ou OAB) enviarão ao TRT10 1 lista sêxtupla. mediante sua classificação no concurso público. do cargo destinado ao quinto constitucional. em primeira apuração. persistindo o empate. 2. prevalecerá a antiguidade dos candidatos no quadro de Juízes Titulares ou. DE PROFISSIONAIS ORIGINÁRIOS DO MPT OU DA OAB. PROMOÇÃO POR ANTIGUIDADE Na promoção por antiguidade. vale a antiguidade alcançada pelo magistrado. por ocasião de sua posse. proceder-se-ão a tantas apurações (rodadas de votação) quantas forem necessárias. 1. POSSE DOS DESEMBARGADORES Perante o Tribunal Pleno Perante o Presidente do TRT10 (confirmado em sessão solene no tribunal) A posse deve ocorrer em SESSÃO SOLENE ESPECIAL e exclusivamente convocada para esta finalidade. VAGAS DECORRENTES DE VACÂNCIA DOS CARGOS DESTINADOS AO QUINTO CONSTITUCIONAL. Ocorrendo 1 vaga de Desembargador do Trabalho.1. Havendo empate. Quando o TRT receber lista sêxtupla. essa maioria. ou os que a conseguirem não bastarem para completar a lista. 3. 4. Se. POSSE DOS JUIZES . seja para inclusão na lista. na votação da lista. no prazo de até 30 dias contados a partir da nomeação (prazo esse prorrogável por mais 30 dias). o candidato natural corresponde àquele mais antigo como: mais antigo Juiz do trabalho substituto Juiz do trabalho titular.

impedimentos e deveres regimentais de um Desembargador. Nas sessões. 2º Exceção Nos casos de afastamento de Desembargador por até 30 (trinta) dias. durante sessão plenária especialmente convocada para recepcionar solenemente os novos magistrados. bem como para ter assento nas sessões em vaga deixada definitivamente por desembargador. 2. REGRAS PARA CONVOCAÇÃO TEMPORARIA . cumprindo e fazendo cumprir a Constituição Federal e as leis da República”. a posse dos Juízes Substitutos poderá ser dada pelo Presidente. Então. para votar. também desembargador. o tribunal convoca juiz do trabalho para ter assento nas sessões (desde que por mais de 30 dias). em data posterior. COMPROMISSO DE POSSE: “Prometo desempenhar bem e fielmente os deveres do cargo. em data idêntica. 3. OBS: a critério do Tribunal. nós falamos em substituição. Se a ausência de um desembargador for por tempo inferior a 30 dias e se puder. designada a critério do Tribunal ou da Presidência. por exemplo. em relação a colegas de órgãos jurisdicionais diferentes. enquanto convocado. SITUAÇÕES DA POSSE Havendo nomeação de vários magistrados da mesma classe. poderá tomar posse e entrar em exercício individualmente. nas Seções Especializadas ou Turmas onde funcionar. poderá substituir o ausente nas sessões das seções ou das turmas. mas em relação a colegas de órgãos jurisdicionais iguais. Mas. à exceção do gozo de férias. terá o título de “Juiz Convocado” e as mesmas prerrogativas. Regime de Convocações e de Substituições Convocações 1. para completar quorum. arcando com as possíveis consequências no tocante à antiguidade. falarão depois dos Desembargadores. se comprometido o “quorum” de julgamento. no Pleno. Substituições A substituição ocorre quando um colega magistrado fica no lugar do outro. outro colega. conforme o caso. O Juiz Titular.Os Juízes Titulares de Vara e os Juízes Substitutos tomarão posse perante o Presidente do Tribunal. ESSA É A REGRA!!! 1º Exceção na hipótese de ausência eventual de desembargador. enquanto durar essa ausência. será convocado Juiz Titular de Vara. os Juízes Convocados tomarão assento nos lugares destinados aos Desembargadores a quem estejam substituindo. enquanto durar o processo de escolha do próximo desembargador. a posse e exercício se darão em uma mesma ocasião. quando um desembargador supre a ausência de outro desembargador. Se algum dos nomeados o requerer.

Regime das férias. A convocação não poderá incidir sobre Juízes do Trabalho que retiverem autos em seu poder além do prazo legal injustificadamente ou que tenham sido punidos com advertência. ficar afastados um número tal de Desembargadores do Trabalho que venha a comprometer os quóruns de julgamento. na ordem decrescente de antiguidade. É vedado o afastamento. depois de aposentado. disponibilidade com vencimentos proporcionais ao tempo de serviço ou que estejam respondendo a processo para perda do cargo. (60 dias corridos ou 2 períodos de 30) QUESTÃO DE PROVA: Não tem FÉRIAS COLETIVAS O requerimento de férias será feito com pelo menos 15 dias de antecedência. A rodada de votação iniciar-se-á pelo Desembargador a ser substituído. acúmulo de férias para o ano seguinte só será permitido se for para atender a imperiosa necessidade de serviço. ao mesmo tempo. Mesmo aposentados os magistrados poderão fazer parte do Conselho Editorial da Revista do Tribunal ou de comissões esporádicas. seguido pelo Presidente e pelos demais Desembargadores. Regime da Aposentadoria os magistrados conservam o título e as honras dos cargos. Esse Juiz do Trabalho tem que estar entre os 33% mais antigos dentre os de sua carreira só poderão ser escolhidos os 33% seguintes se da primeira terça parte não houver candidatos eleitos. IMPORTANTE: desde que não exerçam outra atividade remunerada. dependem de inspeção por Junta Médica. Incapacidade do magistrado (invalidez) . É vedado NO TRT10. Licenças e concessões As licenças para tratamento de saúde dos magistrados serão concedidas: pelo Tribunal. também superior a trinta dia. remoção compulsória.Seu nome deve ser aprovado por maioria absoluta do Tribunal Pleno. aos Juízes de primeiro grau IMPORTANTE: A licença para tratamento de saúde por prazo superior a trinta dias. completando 60 dias de férias por ano. licenças e concessões férias Todos os magistrados têm direito a 2 períodos de férias anuais. aos seus membros pelo Presidente. A votação é aberta e a decisão do voto deve ocorrer justificadamente. autorizado pelo Pleno. O processo de escolha desse Juiz do Trabalho se dá por votação no nome dele. censura. bem como as prorrogações que importem em licença por período ininterrupto. do Presidente e do Vice-Presidente.

São órgãos do TRT 10º Tribunal Pleno. (ver competencias da 2ª Seção Especializada 1 e 2) os agravos regimentais interpostos a ato do Presidente. 2. Afastamento do exercício do cargo do magistrado. 1. . 5. Processo Administrativo Para Verificação De Eventual Estado De Invalidez De Magistrado 1. mas esse não se entende assim. por até 60 dias O presidente deve instruir o processo será dado ao magistrado suspeito de invalidez o direito à ampla defesa e ao contraditório O magistrado poderá interpor advogado Será formada uma comissão em forma de junta médica para averiguar o paciente Finalizados todos os exames. (ver competencias da 2ª Seção Especializada 1 e 2) os “habeas corpus” e “habeas data” contra atos da Presidência. TRIBUNAL PLENO julgar as arguições de inconstitucionalidade de lei ou de ato normativo do poder público. por qualquer causa física ou mental. Corregedor ou a decisões monocráticas os embargos de declaração opostos a seus acórdãos.é incapaz o magistrado que. os mandados de segurança e os “habeas data” contra atos do próprio Tribunal. Cada Turma será composta de 5 (cinco) Desembargadores e funcionará com o “quorum” mínimo de 3 (três) magistrados. no pleno do trt. no total de 10 (dez) membros. 7. 4. no total de 09 (nove) membros. 2. é constituída pelo Presidente e VicePresidente do Tribunal e mais 7 (sete) Desembargadore s. se houver indícios de que o magistrado realmente esteja inválido para a judicatura. O Presidente do Tribunal (em obediência à determinação do Pleno ou a requerimento da Corregedoria) abrirá um processo para averiguar o problema de saúde do magistrado. Vice-Presidência e Corregedoria. 4º. Seções Especializadas 1ª Seção Especializada Turmas Presidência Corregedoria todos os Desembar gadores 2º Seção Especializada é constituída pelo Presidente e VicePresidente do Tribunal e mais 8 (oito) Desembargadores. 6. achar-se permanentemente inabilitado para o exercício do cargo. Art. 5. 3. 3. o magistrado fará alegações finais em 10 dias O caso é julgado em sessão secreta. 4.

licenças e afastamentos aos Desembargadores 3. Juiz Titular de Vara para compor o Tribunal. os processos que. concessão de férias. as exceções de incompetência.6. a convocação. (devido aos critérios territoriais ou em virtude do valor da causa. assim como os pedidos de revisão das decisões disciplinares. 4. a deliberação pelo Presidente “ad referendum”. as ações rescisórias contra seus próprios acórdãos. exclusivamente quanto a questão jurídica relevante ou de interesse público que estiver sendo discutida em processos de competência das Seções ou das Turmas e que lhe for submetida. os conflitos de competência ou atribuições os quais envolvam as Turmas. o cumprimento de suas próprias decisões e declarar as nulidades decorrentes de atos que as infrinjam.se os atos dos Juízes de Direito investidos de competência trabalhista. 12. 2. 2.) 7. a jurisprudência da Região. (ver competencias de fiscalizar das Seções Especializadas e turmas) processar e Julgar 1. fiscalizar 1. remoção compulsória. e as ações incidentais de qualquer natureza. nos casos de urgência. as exceções de suspeição ou de impedimento (Objetivando a extinção do processo) 8. . acerca de pedidos de permuta entre magistrados. convocar 1. as reclamações dos servidores contra a apuração de tempo de serviço. 10. autorizar 1. à perda de cargo. processar pedido de aposentadoria dos seus membros e concedê-la aos Juízes de primeiro grau e servidores. julgar as impugnações ou recursos e homologar seu resultado. deliberar 1. passem a extrapolar a competência regimental das Seções Especializadas. na forma da lei. à disponibilidade de seus Desembargadores e dos Juízes de primeiro grau. as quais deverão ser manifestadas no prazo de 8 (oito) dias.. bem como contra acórdãos das Seções Especializadas. inclusive para prevenir divergência entre os órgãos fracionários do Tribunal 13. à aposentadoria compulsória. incluindo. a abertura de concurso para provimento de cargos de Juiz Substituto. 9. 5. o horário de funcionamento dos órgãos da Justiça do Trabalho da 10ª Região. 11. 3. (Juízes de primeiro grau) recursos contra os atos administrativos praticados pelo Presidente. autorizada. Seções Especializadas e Órgãos de primeiro grau. o recurso. fixar 1. uniformizar 1. os dias das sessões do Pleno 2. bem como contra a classificação na lista de merecimento.. em virtude de conexão ou continência. designar a respectiva comissão. aos Juízes Convocados.

sem aumento de despesa. quando por antiguidade. . transposição. 3. os Juízes Substitutos e os Juízes Titulares de Varas que devam ser promovidos por antiguidade e organizar a lista tríplice. 4. Juiz Substituto a Juiz Titular. transformar 1. apresentados pelo Presidente até o mês de abril. 1. na forma da lei. sobre a alteração das áreas de atividade ou especialidades dos cargos. abertura de concurso para provimento de cargos do quadro de pessoal. cópias autênticas de peças ou documentos dos quais conhecer se for constatada a ocorrência de crime de responsabilidade ou crime comum em que caiba ação pública. ou fo rem verificadas infrações de natureza administrativa. determinar a remessa às autoridades competentes. Juiz de primeiro grau a residir fora da sede do respectivo juízo. suspensões ou encerramento de expediente na Região ou no Tribunal. deliberar acerca dos projetos de lei sugeridos por quaisquer dos seus membros. as contas de compras e as despesas realizadas no exercício anterior. prorrogações. deliberar 1. quaisquer questões que lhe sejam submetidas e que digam respeito à ordem de seus trabalhos. 3. designar as comissões. indicar 1. 4. conforme Resolução Administrativa aprovada pelo Tribunal. aprovar a lista de antiguidade dos Juízes Titulares de Varas e dos Juízes Substitutos. promover 1. 2. aprovar as respectivas instruções e a classificação final dos candidatos. organizada no primeiro mês de cada ano pelo Presidente do Tribunal. tabela de diárias e de ajudas de custo devidas a magistrados e servidores da Região. 4. 3.2. quando por merecimento dentre os previamente integrantes da lista tríplice 1. e referendar os casos urgentes decididos pelo Presidente apreciar e decidir 2. quando em exercício. os modelos das vestes talares a serem usadas pelos magistrados. o afastamento de magistrados para o exterior. promoção e progressão funcional. acerca das antecipações. sobre o vitaliciamento de Juízes. tratando-se de promoção por merecimento. resolver 1. 2. e conhecer das reclamações contra ela oferecidas no prazo de 8 (oito) dias após sua publicação. o relatório de atividades. Juiz Substituto a Juiz Titular. as funções comissionadas e os cargos em comissão de seu quadro de pessoal. acerca das ausências de seus Desembargadores às sessões. estabelecer os critérios.

quando se tratar de processo de sua competência. a processos pendentes de sua apreciação. (é a substituição. após 18 (dezoito) meses). as exceções de suspeição e de impedimento arguidas contra seus membros. representando contra aquelas que não atenderem a tanto. processar e julgar 1. 14.1. comissão de Desembargadores para processar a verificação da invalidez de magistrado. . 2. arguições de falsidade e outras exceções vinculadas (declaraçáo de prova falsa) 4. as habilitações incidentes. deliberar 1. 2. observada a antiguidade. Os atos administrativos do Tribunal Pleno serão materializados em instrumento denominado "Resolução Administrativa" DAS SEÇÕES ESPECIALIZADAS fiscalizar 1. por maioria simples. pedido de remoção de Seção ou Turma. as questões de ordem que lhes forem submetidas. acerca das ausências de seus Desembargadores às sessões julgar 1. Importante. em caso de vaga ou permuta. às autoridades competentes as diligências necessárias ao esclarecimento dos feitos sob sua apreciação. (Objetivando a extinção do processo) 5. às Varas e aos Juízes de Direito a realização de atos processuais e diligências necessárias ao julgamento dos feitos sob sua apreciação. as exceções de incompetência que lhe forem opostas. o cumprimento de suas próprias decisões. acordos celebrados nos autos dos processos de sua competência. 7. homologar 1. determinar 1. por parte de seu sucessor ou interessado) 3. a restauração de autos. comissão composta por 3 (três) Desembargadores a fim de acompanhar o desempenho de magistrado não vitalício (Parecer escrito. as medidas cautelares nos autos dos processos de sua competência. Indicar 1. os embargos de declaração opostos aos seus acórdãos. mediante provocação de qualquer de seus membros. os agravos regimentais interpostos em processos de sua competência. a sede e a competência das Varas do Trabalho da Região. 6. requisitar 1. resolver 1. fixar ou alterar 1. a nulidade dos atos praticados com infração e suas decisões. declarar 1.

2. 2. 4. para os devidos fins. 3.exercer. ou forem verificadas infrações de natureza administrativa. ou por intermédio deles. 2. 3. 5. 3. quando se tratar de processo de sua competência. os embargos de declaração opostos aos seus acórdãos. 4. 1. DAS TURMAS Julgar 1. o cumprimento de suas próprias decisões. a remessa às autoridades competentes. for constatada a ocorrência de crime de responsabilidade ou crime comum em que caiba ação pública. expedir 1. Compete à 1ª Seção Especializada PROCESSAR E JULGAR os dissídios coletivos. as revisões de sentenças normativas. além das habilitações incidentes nos processos pendentes de sua decisão. cartas de ordem às Varas do Trabalho ou Juízos de Direito investidos na jurisdição Trabalhista e requisitar às autoridades administrativas a realização de diligências necessárias ao julgamento dos feitos sujeitos à sua apreciação. os recursos ordinários inclusive contra sentenças proferidas em mandados de segurança. de suspeição de seus membros e outras de sua competência. fiscalizar 1. regimental os dois últimos quando interpostos das decisões que negarem seguimento a recursos de sua competência. os agravos de petição. os agravos de instrumento contra decisão de Juiz de primeiro grau que conceda ou denegue liminar em Mandado de Segurança. declarar . 2. as medidas cautelares nos autos dos processos de sua competência. processar e julgar 1. instrumento. as exceções de incompetência. 1. de cópias autênticas de peças ou documentos dos quais conhecer. reconhecendo o interesse público e ante a relevância da questão de direito em debate. as demais atribuições que decorram de sua jurisdição. a extensão das decisões proferidas em dissídios coletivos. Compete à 2ª Seção Especializada PROCESSAR E JULGAR 1. as ações rescisórias contra sentenças de Juízes de primeiro grau e contra acórdãos das Turmas. os “habeas corpus” contra atos dos Juízes de primeiro grau. os mandados de segurança e os "habeas data" contra atos de Juízes de primeiro grau. quando neles. as ações anulatórias de cláusula de convenção ou acordo coletivo com abrangência territorial igual ou inferior à jurisdição do Tribunal. remeter processo ao Tribunal Pleno para julgamento determinar 1. 3. a restauração de autos. 2. as exceções de suspeição e de impedimento (Objetivando a extinção do processo) arguidas contra os Juízes de primeiro grau. no interesse da Justiça do Trabalho.

acordos celebrados nos autos dos processos de sua competência. resolver 1. nos dissídios coletivos. colher os votos. quando deles for a competência em razão da matéria. homologar 1. a ordem nas sessões. DA PRESIDÊNCIA dirigir e representar 1. (IMPORTANTE nas arguições de inconstitucionalidade o presidente vota normalmente) e proclamar os resultados dos julgamentos. o Tribunal. para os devidos fins.1. deliberar 1. a ata das sessões. e presidi-las. as questões de ordem que lhes forem submetidas. ou por intermédio deles. as nulidades decorrentes de atos praticados com infração de suas decisões. determinando a retirada de quem as per turbe ou falte com o devido respeito. proferir voto de desempate. as demais atribuições que decorram de sua jurisdição. designar e presidir . as desistências apresentadas antes da distribuição. as pautas de julgamento organizadas pelo Secretário do Tribunal Pleno. ou forem verificadas infrações de natureza administrativa. as sessões ordinárias. impor multas e demais penalidades relativas a atos de sua competência. desistências de recursos e acordos celebrados antes da distribuição dos feitos. a remessa às autoridades competentes. aprovar 1. for constatada a ocorrência de crime de responsabilidade ou crime comum em que caiba ação pública. 2. extraordinárias e as de caráter administrativo do Tribunal Pleno. no interesse da Justiça do Trabalho. 2. assinar 1. manter 1. bem como presidir as sessões do Tribunal Pleno e das Seções Especializadas. quando entender necessárias. quando neles. determinar 1. nos dissídios individuais em tramitação no Tribunal. de cópias autênticas de peças ou documentos dos quais conhecer. 1. homologar 1. exercer. sem prejuízo do disposto no 2. a remessa de processos ao Tribunal Pleno ou Seções. convocar 1. acerca das ausências de seus Desembargadores às sessões. aplicando as medidas coercitivas que considerar necessárias.

para este fim. suspender ou encerrar 1. das Seções e das Turmas. prorrogar. sede da Região. das Turmas e seus Presidentes. despachar 1. antecipar. suspensão preventiva a servidores. negando-lhes ou admitindo-lhes seguimento. no mês de janeiro de cada ano. conceder 1. em nome do Tribunal e representá-lo nas solenidades e atos oficiais. nos casos urgentes. expedir 1. se necessário. as audiências de conciliação e instrução dos dissídios coletivos. a lista de antiguidade dos Juízes de primeiro grau. aplicar 1.1. "ad referendum" do Tribunal Pleno. das Seções. para vigorar no ano imediato. a outro Desembargador. no impedimento eventual deste. o expediente na Região ou no Tribunal. ou a Juiz de primeiro grau. os pedidos e reclamações dos magistrados e servidores sobre assuntos de natureza administrativa. ordens e promover diligências. 2. acolhendo-os ou determinando o processamento. a escala de férias dos Juízes de primeiro grau até 31 de outubro de cada ano. despachar os processos e documentos que lhe forem submetidos no expediente da Presidência do Tribunal e determinar a expedição de carta de sentença. delegar poderes a outros Desembargadores. podendo. servidores do Tribunal. a pedido. podendo delegar essas atribuições ao Vice-Presidente ou. autorizar e aprovar . exonerar 1. os agravos de instrumento das suas decisões denegatórias de seguimento a recursos. fundamentadamente os recursos interpostos às decisões do Tribunal. 3. corresponder-se 1. quando ocorrerem fora da 2. 2. a audiência pública de distribuição de feitos. organizar 1. com a declaração do efeito com que os recebe. quando se tratar de matéria que não dependa de acórdão ou não seja da competência privativa do Tribunal Pleno. diárias e passagens e autorizar o pagamento de ajuda de custo decidir 1. ou dos Relatores.

DA VICE-PRESIDÊNCIA Tem responsabilidade de substituir o Presidente A Presidência da Comissão de Jurisprudência. 2. os procedimentos licitatórios. condicionada à situação de regularidade da Vara da qual se afasta o requerente. cobrando conduta exemplar dos magistrados. pela polícia do Tribunal e de qualquer órgão a ele subordinado. CORREGEDORIA DO TRIBUNAL 1. 4. caso a caso. Estuda propostas de reforma ou alteração do RI. devidamente atestada pela Corregedoria Regional. imputáveis aos Juízes de Primeira Instância. pois acompanha a vida funcional dos Juízes do Trabalho. abrindo-se processos disciplinares. 7. compras. assim que puderem. DAS COMISSÕES DO TRIBUNAL COMISSÃO DE REGIMENTO INTERNO 1. Analisar processos urgentes. na hipótese de vaga ou permuta. bem como suas dispensas e inexigibilidades. 5.1. 6. Emite parecer em matéria regimental. É responsável pela atualização do texto da norma regimental. responder 1. . segundo os dados estatísticos registrados até o mês anterior ao pedido. apreciar e decidir. se for o caso. Tais atos necessitam da concordância (referendo) do Pleno para terem validade eficácia. alienações e locações. 3. O Corregedor é uma figura bem parecida a de um fiscal. para atender ao que for necessário ao funcionamento dos serviços da Justiça do Trabalho da 10ª Região. 2. observada a publicidade devida em órgão oficial. serviços. Exercer a função de Ouvidor do Tribunal. IMPORTANTE: Os atos administrativos do Presidente serão materializados em instrumento denominado "Portaria da Presidência". pedido de remoção de Juiz de primeiro grau. É o Corregedor que também acompanha a vida funcional dos Juízes de Primeiro Grau. para se saber se eles têm condições de serem promovidos a Desembargadores do Trabalho. referentes a obras. observada a antiguidade. 8. Tudo o que o Corregedor faz é materializado por atos denominados de PROVIMENTOS DA CORREGEDORIA. A noção de corregedoria está associada à noção de gestão dos procedimentos disciplinares. A relatoria em matéria judiciais e administrativas. punindo-os se forem por isso responsabilizados. 1. 3. com “poder de polícia”. a fim de apurar eventuais irregularidades por eles cometida. quando ausente o relator originário da causa.

aberto para ouvir: Sugestões. Propõem medidas de contingenciamento para levar adiante o plano estratégico. Ordena o serviço sistematizado da jurisprudência. 2. à Ouvidoria do Tribunal levar ao Presidente da Casa proposta de políticas administrativas que possam melhorar as rotinas desenvolvidas pelo Tribunal.com/professorkennedy @prkennedysantos .4. 5. para fazer levantamento de dados destinados ao esclarecimento do cidadão quanto a seus direitos e deveres perante a Justiça. PROFESSOR KENNEDY SANTOS http://br. Compete. COMISSÃO DE TECNOLOGIA 1.com/group/professorkennedy/ http://www. Propõe políticas de responsabilidade social e responsabilidade ambiental para o TRT10. Denúncias. Críticas. Pareceres aprovados por 2/3 ganham força de RESOLUÇÃO REGIMENTAL. Reclamações. 3. Faz integração do setor de tecnologia com os demais setores do tribunal. Cuida da atualização da base de dados da jurisprudência. são escritas. A Ouvidoria. faz parcerias com outros setores do Tribunal. A Ouvidoria também se presta para fazer esclarecimentos aos cidadãos que procuram os serviços judiciários ou administrativos do TRT10.yahoo. por fim. Etc. Plano Estratégico de Tecnologia.groups. As manifestações ouvidas são reduzidas a termo. IMPORTANTE: o cargo de Ouvidor é exercido pelo Vice-Presidente do Tribunal. Elogios. Consultas. 2.facebook. 3. COMISSÃO DE RESPONSABILIDADE SÓCIO-AMBIENTAL 1. 4. 4. Cuida da divulgação dos verbetes (dos textos que contém a jurisprudência). ainda. COMISSÃO DE JURISPRUDÊNCIA 1. DA OUVIDORIA DO TRIBUNAL A Ouvidoria é um canal aberto do Tribunal com a sociedade. Faz alinhamento de plano estratégico. Representações. ou seja. Administra propostas de mudanças. Faz programas de responsabilidade. 2. Define prioridades.

o Diário Oficial da Justiça. (Com exceção dos advogados) PAUTAS A pauta é a LISTA DOS PROCESSOS a serem julgados numa sessão de julgamento. ele é colocado na pauta da próxima sessão. A pauta de julgamento será elaborada pela secretaria (com prévia autorização do Presidente do órgão) A pauta será publicada no órgão de divulgação oficial. todos os outros atos e ocorrências. podendo ser Relator Revisor Outro Desembargador do Trabalho Secretário 1. IMPORTANTE as pessoas que tomarem parte na audiência não poderão retirar-se da sala. A abertura e o encerramento da audiência serão apregoados (anunciados) pelo secretário (realiza o controle das atividades desenvolvida na sessão. serão públicas e realizar-se-ão no local. . O secretário. dos respectivos advogados presentes. (para os processos originários na segunda instância) 2. O Desembargador Relator do caso prepara o seu processo em seu gabinete e ao finalizar o estudo do caso. A cópia da pauta será afixada no quadro de editais do Tribunal. (números de inscrição na OAB) eventuais requerimentos verbais feitos na sessão. anotando tudo o que acontecer na sessão) 2. No dia em que o processo chega à Secretaria. dia e hora designados pelo Desembargador do Trabalho a quem couber a instrução do processo. O Desembargador-Relator do caso faz o voto-condutor Os demais Desembargadores deverão acompanhar ou não o Desembargador-Relator. relativamente aos fatos surgidos na sessão. fazendo o relatório e a minuta do voto. O processo é levado para a Secretaria do Tribunal. lavrará a ata registrando o nome das partes (reclamante x reclamado). sem a permissão do Desembargador que preside os trabalhos. com antecedência mínima de 48 (quarenta e oito) horas em relação ao dia e hora da sessão de julgamento. São reuniões para a produção de provas em relação a um dado processo.TRT 10 REGIÃO AUDIENCIAS audiências para instrução (produção de provas) 1. para ser incluído em pauta.

Retirada de processo de pauta 1.dissídios de greve. o julgamento do recurso suspenso em razão de vista. 3. licença. . 6.processos em que uma das partes seja maior de 65 (sessenta e cinco) anos e requeira a preferência de julgamento.demais processos. mediante deliberação do órgão julgador. .Na organização da pauta. por ordem crescente de numeração. 5. Depois de e encaminhados às Secretarias. convocação ou aposentadoria. 2. pelo Relator ou Revisor. devendo ser devolvidos pelo menos 24 (vinte e quatro) horas antes da correspondente sessão de julgamento. . 1.dissídios coletivos. . 2. os embargos de declaração. 7. 2. os “habeas corpus”. devendo ser devolvidos no prazo máximo de 48 (quarenta e oito) horas. outras informações a juízo da Presidência Independem de publicação e inclusão em pauta (“apresentados em mesa”) 1. 6. pautas dos processos de competência do Tribunal Pleno 1. . relacionados por ordem alfabética das classes e. 3. realização de diligência. via solicitação. poderão ser retirados. a homologação de acordo em dissídio coletivo. 4. é disponibilizado pelo sistema informatizado a cada Desembargador (prazo mínimo de 3 (três) dias úteis de antecedência do dia do julgamento) cópias da capa do processo. DAS SESSÕES DE JULGAMENTO . 4.“habeas corpus”.processos em que o Relator ou o Revisor fundamentadamente invoque preferência para o julgamento por se tratar de matéria urgente.mandados de segurança. 3. o julgamento do recurso em que tiver de ser proferido voto de desempate. 8. 9. . do parecer técnico-administrativo conclusivo do despacho decisivo. falta de “quorum”. . dentro de cada uma delas. 5. . poderão ser retirados da Secretaria pelos componentes do órgão. Depois publicada a pauta no órgão oficial.processos cujo Relator ou Revisor deva afastar-se do Tribunal em virtude de férias. . o julgamento do recurso suspenso em razão de pedido feito pelo Relator ou Revisor. ausência do Relator ou do Revisor.recursos em procedimento sumaríssimo na fase de conhecimento. da petição inicial. observar-se-á a seguinte ordem de precedência entre os processos: .processos em que sejam partes ou interessadas empresas falidas ou em liquidação judicial ou extrajudicial. 10.

casos nos quais a preservação do direito à intimidade do interessado no sigilo não prejudique o interesse público à informação. 3. 4. . 3. lei limitar a presença. discussão e aprovação da ata da sessão anterior. (Caso que só ocorre em turmas) 5. julgamento dos processos incluídos em pauta. Os Desembargadores que. após aprovada. indicações e propostas. permanece na sala exclusivamente os Desembargadores do Trabalho. aguardar-se-á por 15 (quinze) Persistindo a falta de número. IMPORTANTE: nenhum Desembargador poderá retirar-se do recinto sem autorização do Presidente. (as respectivas atas das reuniões em conselho serão lavradas pelo Desembargador mais moderno) 6. Em MATÉRIA ADMINISTRATIVA os Desembargadores que estiverem em férias ou licença deverão ser comunicados de tal fato. por interesse público. os processos: 1. Terão preferência para julgamento. O representante do Ministério Público do Trabalho tem o direito de vista para solicitar as requisições e diligências que julgar convenientes. das Seções ou da Turma. independentemente da ordem de colocação na pauta. em férias.(salvo. por escrito. com voto para desempate. ou por aquele em exercício. 6. com 2 (dois) dias de antecedência e. (sob pena de nulidade) 5. verificação do número de magistrados presentes. será assinada pelo Presidente do Pleno. dia da sessão Aberta a sessão não havendo número para deliberar. Se a matéria discutida envolver ASSUNTO PERTINENTE A MAGISTRADO OU DE ECONOMIA INTERNA DO TRIBUNAL. participarem exclusivamente de sessões administrati vas do Tribunal terão tais períodos considerados como suspensos. cuja cópia deverá ser entregue a cada Desembargador.1. bem como para extração de cópias das peças dos autos. o qual constará da certidão. podendo manifestar-se-á verbalmente sobre a matéria em debate. sendo suspenso apenas por pedido de vista ou motivo relevante argui do pelo Relator ou Revisor. sessões extraordinárias: poderão ser convocadas pelo Presidente ou pela maioria dos Desembargadores do órgão respectivo com 24 (vinte e quatro horas). As sessões judiciárias e administrativas do Tribunal serão públicas. a sessão será encerrada. sessões ordinarias: A fixação dos dias da semana e horarios é decidido pelo próprio orgão 2. registrando -se em ata a ocorrência. São fundamentadas todas as decisões proferidas.) 4. os trabalhos da sessão obedecerão a seguinte ordem: 1. às próprias partes e a seus advogados. em determinados atos. 2. divulgação do nome do Desembargador que será convocado para eventual necessidade de desempate. salvo se todos dispensarem o prazo de antecedência.

qualquer voto divergente daquele anunciado pelo relator. em primeiro lugar. o Presidente proclamará o resultado. 4. o Desembargador pode reconsiderar seu voto. será permitida a partir da publicação da pauta no órgão oficial 2. Havendo. 10. encerrada a sessão. conservada a mesma ordem. o Pesidente designa para redigir o acórdão o Relator ou. Encerrada a discussão. o Desembargador que primeiro se manifestou a favor da tese vencedora. o Presidente voltará a facultar a palavra ao advogado desistente. na ordem crescente de antiguidade. com preferência sobre os demais para julgamento na sessão subsequente. Usará da palavra. ao Revisor. poderá pedir esclarecimentos ao Relator. poderá deferir a ampliação do tempo de sustentação para até 15 minutos quando necessário e oportuno para a exposição das questões 6. 3. das Seções e das Turmas serão lavradas pelo respectivo secretário e nelas se resumirá tudo qua nto ocorrido na sessão. 3. 5. 8. seguida do voto do Revisor e dos demais Desembargadores. DOS ACÓRDÃOS . (contrario ao Relator) 12.Então. no tempo antes referido. tudo no tempo de 5 (cinco) minutos. ante a relevância da matéria. 11. cujos Relatores ou Revisores sejam Desembargadores em gozo de férias. os processos que não tiverem sido julgados permanecerão em pauta. restarem em pauta ou em mesa mais de 20 (vinte) feitos sem julgamento. na forma regimental. Antes de proclamado o resultado do julgamento. inadequada. em sustentação oral. o revisor e os demais vogais poderão mudar seus votos. O Desembargador vogal. aos advogados e à Procuradoria. porém. que se iniciará pelo voto do Relator. 9. ao votar. IMPORTANTE: Iniciada a sessão. por qualquer motivo. pelo advogado. 7.(depois sustentação oral dos advogados) renovar-se-á a votação. ou do seu conhecimento por qualquer meio e até 15 (quinze) minutos antes da hora designada para o início da sessão mediante assinatura. o tempo lhes será proporcionalmente distribuído. conduzir-se de maneira desrespeitosa ou. do livro próprio. cujos Relatores ou Revisores sejam Juízes de primeiro grau desconvocados. podendo haver prorrogação até o máximo de 20 (vinte) minutos.2. o Relator fará um resumo da matéria em discussão e antecipará sua conclusão (caso em que poderá haver a desistência da sustentação. sempre por intermédio da presidência. será feita de uma só vez observação: 1. Aos litisconsortes (grupos de pessoas no processo) representados por mais de um advogado. o relator. o advogado do recorrente (aquele que interpõe o recurso). ante a antecipação do resultado) 2. devolvendo-se-lhe a faculdade de pedir esclarecimentos. O Presidente do órgão julgador. ouvidos os Desembargadores volantes. com inscrição de advogado para sustentação oral. independentemente de nova publicação. As atas do Tribunal Pleno. licenças ou convocados para o colendo Tribunal Superior do Trabalho. IMPORTANTE 2: Sempre que. 4. sustentação oral dos advogados 1. com sustentação oral por membro do Ministério Público do Trabalho. 3. o Presidente fará realizar sessões extraordinárias para o julgamento daqueles processos. 5. O Presidente do órgão julgador cassará a palavra do advogado que.

Os acórdãos serão arquivados e disponibilizados à CONSULTA PÚBLICA. terceiro ou oficiado mediante parecer circunstanciado. Não havendo mais. (até Desembargador inativo pode atuar a na Escola Judicial) CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE NO TRT10 a inconstitucionalidade de lei ou de ato normativo do Poder Público poderá ser arguida: pelo Relator por qualquer dos Desembargadores pelo Ministério Público do Trabalho pelas partes obs: até o início da votação. 6. para manifestação. na primeira sextafeira que se seguir. Os acórdãos. as ementas e a conclusão do acórdão serão remetidas ao Departamento de Imprensa Nacional. quando necessária a sua revisão) será levantado quando da necessidade de interpretação de normas jurídicas: leis locais as normas coletivas regulamentos de empresa matérias processuais . O acórdão terá ementa (resumo) que indicará a tese jurídica prevalente no julgamento. serão os autos encaminhados ao Relator para o reconhecimento da relevância da questão 3. Procedimentos: 1. nenhum Desembargador que tenha acompanhado o Relator. em seguida. abre-se o incidente de uniformização. tanto quanto possível. 4. para publicação. sobre a questão constitucional em julgamento. a qual será aprovada pelo órgão juntamente com o voto. 3. ( quando inexistir Verbete da Súmula da Jurisprudência do Tribunal ou. Colhidas todas as assinaturas. quando o Ministério Público do Trabalho houver atuado como parte. ouvido o Ministério Público 2. por escrito. observada a representação de todos os órgãos e. preferencialmente. órgãos e entidades interessadas ou envolvidas no procedimento. 5. no Pleno. as pessoas. de todos os Desembargadores e Juízes Convocados que.1. vem a decisão. IMPORTANTE: Somente pelo voto da maioria absoluta dos seus membros (0 Presidente vota normalmente) UNIFORMIZAÇÃO DE JURISPRUDÊNCIA 1. A Secretaria providenciará a remessa dos autos à Procuradoria Regional do Trabalho para a devida ciência. no respectivo período. no prazo de 10(dez) dias 4. o acórdão será assinado pelo respectivo Presidente. cabendo à Escola Judicial selecionar aqueles que devam compor a Revista do Tribunal. na Seção ou na Turma. (decisões colegiadas) serão redigidos e assinados pelo Relator ou Redator designado para lavrá-lo(contrario ao Relator) 2. tenham nele funcionado. devem ser cientificadas.

tendem a ser considerados absolutos. mas não contra uma ou outra ética. Muitas vezes. sob pena de indeferimento liminar. Ao suscitar o incidente instruirão o requerimento com cópias do inteiro teor dos acórdãos divergentes. Embora possam variar entre grupos e ao longo da história. Moral: (mores) conjunto dos costumes. 2. ~ Anti-ético: contra uma ética estabelecida ou contra a idéia (da ética) de estabelecer o que devemos fazer ou quem queremos ser levando os outros em consideração. corresponde a criar as condições institucionais adequadas para a efetiva implantação deste padrão. ser livre e responsável por sua conduta entre os demais. Promover a ética significa promover o conhecimento e a observância do padrão ético e Geria a ética. o antiético têm idéias éticas próprias. valores (fins) e procedimentos (meios) que regem as relações humanas. lavrar-se-á o respectivo acórdão. Podem ser justificados pelo costume. pelo Ministério Público do Trabalho pelas partes. considerados válidos e apreciados. deliberando-se pela maioria absoluta dos presentes. individual e coletivamente. 3. O que vem a ser a "Ética": em sentido restrito. Aético: sem ética. hábitos. padrão esse que nos permite aprovar ou desaprovar agentes e suas ações". pela sociedade. . pela educação. pela religião. nos referimos a Ética Profissional e. pela natureza. seus motivos e finalidades. Análise da capacidade humana de escolher. em sentido amplo. a VALORAÇÃO. Reflexão sobre os valores e justificativas morais. antes de proferir seu voto ou quando o reformular. Podemos conceituar a Ética como sendo (ou diz respeito) "um padrão aplicável à conduta de um grupo bem definido. reconhecida a ocorrência de divergência na interpretação do direito e definida a tese jurídica. aquilo que se considera o bem. ÉTICA PARA O TRT 10 REGIÃO CONCEITOS FUNDAMENTAIS Ética: (ethos) disciplina filosófica que estuda o valor das condutas humanas.matérias regimentais O incidente poderá ser suscitado: por qualquer Desembargador. no caso destes até na sustentação oral. com suspensão do processo (permanecerá arquivado) IMPORTANTE: O julgamento do incidente será realizado em sessão administrativa.

mas não contra uma ou outra moral. Exercer sua função com finalidade condizente com o interesse público. Divulgar e informar o Código de Ética XV . Das Regras Deontológicas: A dignidade. Apenas fique le mbrado que os Princípios Morais são de aplicação muito mais "geral" que os Princípios Éticos: Imoral: contra uma moral ou a idéia moral vigente. o zelo. Desviar servidor para atender interesse particular. Permitir que amizades. Manter-se atualizado com as instruções. Muitas vezes. Comunicar aos superiores ato ou fato contrário ao interesse público. Amoral: sem moral (aquém ou além dela).OBS: Não devemos confundir Ética e Moral mas. Toda pessoa tem direito à verdade.significa causar-lhe dano moral.E vedado ao servidor público Uso da função para obter qualquer favorecimento. Deontologia: estudo dos códigos de condutas considerados válidos entre grupos e classes (profissionais) de pessoas. Manter limpo o local de trabalho. Alterar ou deturpar o teor de documentos. Ter uma conduta honesta A moralidade da Administração Pública tem como fim o bem comum Existe uma relação entre a confiança depositada e a eficiência e eficácia do serviço prestado. para fins meramente "concurseiros". Resolver o problema do cidadão. Prejudicar a reputação de servidor ou cidadão. dentro da sua função. não iremos nós aqui discorrer sobre o assunto. Da mesma forma. Facilitar as fiscalizações dos atos ou serviços. O servidor não pode omiti-la ou falseá-la Tratar mal uma pessoa. interesses de ordem pessoal interfiram no trato com o público. Pleitear ou sugerir ajuda financeira. para preservar da honra. Usar de artifícios para retardar atos de sua alçada. normas de serviço e legislação. . simpatias. o indivíduo que questiona uma ética dominante tem idéias morais próprias ou diferentes. o decoro.São deveres fundamentais do servidor público: Ser assíduo e freqüente. Cumprir ordens legais de seus superiores Ausência injustificada é fator de desmoralização Deve respeitar colegas e cada concidadão XIV . causar dano a qualquer bem pertencente ao patrimônio público. a eficácia e a consciência dos princípios morais é o norte do serviço publico.

Condutas que violam valores éticos: Uso indevido do cargo público Enriquecimento ilícito no exercício da função Tráfico de influência Violação de sigilo Uso indevido de informação privilegiada Prestação de assessoria a entidade privada Atividade paralela à do serviço público Não evitar situações de conflito de interesses Recebimento de presente Parcialidade Uso de bens públicos em atividade privada Uso de servidores públicos em atividade particular Abuso de autoridade .Fazer uso de informações privilegiadas em benefício próprio ou de terceiros. Ligar seu nome a empreendimento duvidoso.

.

real. DE 22 DE JUNHO DE 1994 e Nº 6. ações. A lei define a atividade do Estado e estabelece os limites de sua atuação. DE 1º DE FEVEREIRO DE 2007. concreta. A legalidade. mas podem estar explícitos em outras normas. políticas públicas. os agentes devem atender aos interesses públicos. a publicidade e a eficiência são os princípios constitucionais explícitos (escritos na Constituição Federal) que orientam toda a atividade da Administração Pública. MUITO IMPORTANTE: Os decretos: Nº 1. EFICIÊNCIA. mediante condutas.a ética comportamental no âmbito da ética pública requer. a impessoalidade. LEGALIDADE quer dizer que toda a atividade administrativa desenvolvida pelo Estado deve seguir estritamente a lei. de primeira mão. Existem outros tantos princípios que não estão explícitos da Constituição Federal.029. pois. a máquina administrativa deve trabalhar para atender ao interesse público e suprir as necessidades públicas de forma efetiva. mediante uma conduta ética. bem como a conduta de seus agentes. MORALIDADE está ligada à finalidade pública e à impessoalidade. IMPESSOALIDADE temos a regra segunda a qual os agentes públicos devem atender aos interesses públicos e não aos seus próprios interesses. planejamentos. aind a. programas verdadeiramente “de resultados” e. a moralidade. sempre em benefício da coletividade. . que o agente venha a cumprir os princípios fundamentais da Administração Pública.171. produtiva. de forma econômica (princípio da economicidade): o máximo de resultado com o mínimo de custos.