You are on page 1of 6

1 DIREITO ADMINISTRATIVO AULA 1 PARTE 2 PRINCÍPIOS

Princípio da Eficiência Consta do artigo 37 “caput” da CF/88. Foi inserido no texto Constitucional pela EC n.19 de 1998 de forma expressa (questão de concurso público). Discutiu-se na doutrina principalmente na doutrina tradicional que era um princípio abstrato, fluído e que era impossível aplicá-lo sem lei que o regulamentasse posteriormente. Atualmente prevalece que PRINCÍPIO DA EFICIÊNCIA É UM PRINCÍPIO QUE NÃO DEPENDE DE REGULAMENTAÇÃO SENDO APLICADO IMEDIATAMENTE NO DIREITO ADMINISTRATIVO (norma de eficácia plena e imediata) Conceito / idéia maior eficácia com menos dispêndio de recursos públicos. Princípio da eficiência é uma norma de eficácia plena que não depende de lei posterior para regulamentá-la. Reflexos desse princípio: -Avaliação especial de desempenho do servidor público para adquirir estabilidade (é uma avaliação da eficiência); Princípio da eficiência traz a idéia de eficiência que já constava do texto constitucional não dependendo de regulamentação posterior pelo legislador ordinário.

b)abarca defesa técnica ( se fazer representar por advogado em processo administrativo )* c)abarca duplo grau de jurisdição. em processo administrativo o contraditório e a ampla engloba essas três faceta: Observação:* Súmula 343 STJ ausência do advogado em processo administrativo viola o contraditório e ampla defesa. o texto constitucional determina que sejam aplicados administrativos e processos judiciais. Trata-se de princípio expresso. Ampla defesa nos processos judiciais como um todo é afirmado pela doutrina que: a)abarca defesa prévia ( defesa antes da decisão administrativa). Sim. Aplicados em processos judiciais e processos administrativos porquanto. Em 2008 foi editada a Súmula Vinculante n°5 “Ausência de defesa técnica não viola as garantias constitucionais em processos administrativos e disciplinares desde que seja dada oportunidade de defesa” .2 DIREITO ADMINISTRATIVO AULA 1 PARTE 2 PRINCÍPIOS PRINCÍPIO DO CONTRADITÓRIO E AMPLA DEFESA (ARTIGO 5°LV (55) DA CF/88) Direito de saber o que está acontecendo no processo e se manifestar sobre esses acontecimentos.

Nessa situação se está garantindo o duplo grau de julgamento porquanto. Princípios implícitos: PRINCÍPIO DA CONTINUIDADE Atenção  muito exigido em provas e concursos públicos. mas se ele quiser constituir advogado e isso for negado haverá lesão ao contraditório e a ampla defesa. 21 é inconstitucional qualquer lei que exija depósito prévio para recurso administrativo. DUPLO GRAU DE JULGAMENTO (direito ao rejulgamento) Direito a ser julgado e a recorrer e a discutir novamente aquela situação. Não se pode restringir o duplo grau de jurisdição exigindo o depósito prévio para interposição de recurso administrativo. Este princípio está EXPRESSO na Lei 8987/1995 que trata da Lei geral de serviços públicos. ele é inerente a ampla defesa. STJ Fev/2011 considerou que ausência de defesa técnica não violaria a defesa técnica mesmo que requerido o acompanhamento por advogado e negado esse direito. É indiscutível desde final de 2009 foi editado a SÚMULA VINCULANTE N. .3 DIREITO ADMINISTRATIVO AULA 1 PARTE 2 PRINCÍPIOS (é dispensável a presença de advogado em processo administrativo e disciplinar desde que seja oportunizada a possibilidade de se fazer representar por defensor técnico) Cidadão tem direito a se fazer representado por advogado.

O que será exigido em provas e concursos públicos: a)Paralisação de serviço público em razão de greve? Servidor público de forma ampla sim possui direito de greve. Servidor público militar especificamente é veda a greve e a sindicalização.4 DIREITO ADMINISTRATIVO AULA 1 PARTE 2 PRINCÍPIOS Princípio da continuidade está implícito no texto da CF/88. Não há essa lei específica exigida pelo texto Constitucional. Servidores civis têm direito de greve expressamente no artigo 37 da CF/88 é garantido ao servidor público civil tem direito a greve nos termos e condições da lei específica (lei ordinária). Conceito/ idéia: É a prestação ininterrupta dos serviços públicos da atividade administrativa. Se essa lei mencionada for considerada norma de eficácia contida é possível o exercício do direito de greve e posteriormente uma norma infraconstitucional virá regulamentar esse direito. Nesse sentido o STF entendeu que se trata de norma de eficácia limitada. Em 2008 foi impetrado Mandado de Injunção acerca da ausência do Direito de Greve que se trata de norma de eficácia limitada e . Não há essa lei específica. Podemos considerar esse dispositivo como norma de eficácia contida ou norma constitucional de eficácia limitada. Se entender que o Direito de Greve é uma norma de eficácia limitada o exercício de seu direito dependerá da criação de lei específica que o regulamente.

b)É aplicada a “exceptio non adimpleti contractus” ( exceção do contrato não cumprido) nos contratos públicos? É possível a interrupção dos serviços públicos por: MOTIVO DE ORDEM TÉCNICA OU MOTIVO DE INADIMPLEMENTO DESDE PRÉVIO AVISO OU SITUAÇÃO EMERGENCIAL. Remuneração (greve lícita) NÃO HÁ DIREITO A PAGAMENTO PELOS DIAS PARADOS PORQUANTO. não é possível a interrupção por inadimplemento por violação ao texto constitucional em nenhuma hipótese ( posição minoritária) Doutrina majoritária e jurisprudência: admitem a interrupção dos serviços públicos nos moldes do texto legal é possível a interrupção do serviço por inadimplemento desde que. há violação ao princípio da continuidade? Celso Antônio Bandeira de Mello. deve ressarcir o erário pelos dias parados. haja .5 DIREITO ADMINISTRATIVO AULA 1 PARTE 2 PRINCÍPIOS enquanto não for editada a lei específica da greve dos servidores públicos civis será aplicada a regra da lei geral de greve até que lei específica venha a regulamentar a situação. Problema é em relação ao inadimplemento. FINAL DE 2009 STJ decidiu que o servidor grevista ( greve lícita) não tem direito a remuneração durante os dias parados. pode exercer licitamente o seu direito de greve sem corte da remuneração enquanto durar a greve e posteriormente. porém no momento em que o Estado corta a remuneração dos servidores grevistas ele está coagindo o exercício de direito de greve. NÃO HOUVE PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS ( STF).

Por exemplo: hospital que não paga energia elétrica não pode ter sua energia cortada técnica da ponderação de interesses.6 DIREITO ADMINISTRATIVO AULA 1 PARTE 2 PRINCÍPIOS prévio aviso NÃO PODE GERAR A PARALIZAÇÃO UM SERVIÇO ESSENCIAL A COLETIVIDADE. .