You are on page 1of 2

CONHECENDO DEUS ATRAVÉS DA GRAÇA E DAS OBRAS Atualmente, o homem tem vivido pressionado pelo relógio, com rotina

diária de muitas obrigações e um curto período de tempo, nesta grande agitação urbana, infelizmente, tem predominado o individualismo e o egocentrismo humano, onde a filosofia de vida que se apregoa é que cada um deve andar por si só. E, até mesmo os crentes e os católicos, considerados antes religiosos, têm-se mantido à margem da sociedade, vivendo de acordo com ideais egocêntricos, como se pudesse realmente sobreviver pessoas isoladas, a sós no universo. O Eu vem tomando o espaço do nós; os relacionamentos estão sendo destruídos pela sociedade moderna, pois nem o casamento é mais eterno nesta sociedade moderna, já que o número de descasados aumenta cada dia mais e mais, segundo várias pesquisas. Desta forma, o egocentrismo vem expulsando o teocentrismo. De acordo com Martin Buber, juntamente com a Teologia de John Wesley que revela a figura do Bom Samaritano num contexto utilizando graça e obras nos levando ao conhecimento de Deus. O homem tem buscado somente ver Deus e não o conhecê-lo, mas ao contrário, antes de vê-lo é preciso sentir sua presença, ouvir sua doce voz, cumprir seus mandamentos e honrar seu nome. O texto de Martin Buber revela a necessidade de o homem adquirir um relacionamento de intimidade com o Senhor, pois o relacionamento de intimidade com Deus gera conhecimento Dele em nós. O homem esteve separado de Deus após a queda no Éden, porém, Deus através de Jesus nos ofereceu sua graça que nos transporta a um relacionamento ímpar com Ele, pois Ele quer apenas ser nosso melhor amigo. John Wesley afirma que o favor de Deus ao doar seu Filho está condicionado à livre escolha do homem, já que o sacrifício ilimitado de Cristo pode ser recusado, isso quer dizer que o homem pode até perder a bênção da salvação, pois segundo Wesley graça e obras não se excluem, mas apenas completam-se. Na figura do Samaritano temos um rejeitado, um filho bastardo e um párea da sociedade judia. Enquanto os outros rejeitaram ajudar ao seu semelhante, (não relacionando com ele) o improvável aconteceu, através da figura do bom samaritano. O que pode ser evidenciado nesta parábola é uma inversão de valores, entre Judeu puro ao impuro, sendo que o impuro exerceu misericórdia e compaixão. - Quem são os evangélicos? Os católicos? Os religiosos? Que não se importam.

é que podemos revelar quem realmente somos nós. sacrificou-se por nós. Na comunhão entre pequenos ou grandes grupos. . ao continuarmos sua obra. e todos. Expressamos nossa fé quando realizamos obras que edificam outras vidas. Seguimos nossa fé.Martin Buber e John Wesley concordam: o relacionamento homem – homem. Deus doou seu tempo. santificados e unidos a Cristo se fizermos com que as obras reflitam a fé. Aceitemos de graça o favor de Deus. onde pessoas relacionam-se com pessoas. relacionam-se com Deus. levando amor e piedade a todos nossos semelhantes. precisamos deixar o cristianismo das cavernas e praticarmos o cristianismo urbano. Só podemos ser justificados. ensinou-nos o caminho. mas nossas obras nos seguem. A obra é fruto da graça e a graça anseia por obras. revela o relacionamento homem – Deus que devem ser exercitados.