You are on page 1of 16

RELATÓRIO DOS ASPECTOS SIGNIFICATIVOS DA AVALIAÇÃO DADA PELOS DISCENTES DA ETEC PROFESSOR ANDRÉ BOGASIAN NA DISCIPLINA PROJETO: AÇÃO

DE DEFESA E PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE

Osasco 2012

Dedicatória
O presente estudo é dedicado aos queridos estudantes da ETEC Professor André Bogasian (2009-2011), especialmente a Celia Regina Silva Santos, Karina Munhoz e Lucas Morales Neumann pela aceitação dos desafios e suas superações.

Agradecimentos
Meus agradecimentos ao Senhor David Rocha, representante do Osasco Plaza Shopping que viabilizou a Primeira Exposição de Projeto Estudantil realizada entre os dias 19 a 30 de setembro de 2012 na Praça de Eventos do Osasco Plaza Shopping. Foi a partir deste evento que muitos dos estudantes protagonistas sentiram reconhecidos e por sua vez motivando outros estudantes a realizarem suas investigações projetadas. Agradeço os Estudantes que dialogaram, sugeriram, comentaram as formas de tratamento dos projetos, aqueles que com as simples palavras ajudaram a construir o conhecimento, especialmente a Alyne Suzane Ibanhez Muro; Bianca Freitas Palomo, Camila Batista Bento, Evelly Caroline Borges de Souza, Fernanda Vitodti de Castro, Isabella Salvini, Leticia Mira Buzone, Mariana Cavalcanti do Rego, Melina Campos da Silva, Micaela dos Santos Soares, Niara Rodrigues Lima, Raquel Adriana Toledo da Silva e Vitoria Miranda da Cunha Silva.

“Quem mais reclama e procura defeito é aquele que nada sabe e nada faz pela sua incompetência de aprender”
Autor Desconhecido

Sumário
Introdução ................................................................................................................................................................. 3 Trabalho por projeto no desenvolvimento e na avaliação do ensino-aprendizagem ............................................... 4 Do Número de Estudantes nos Grupos de Estudos na Disciplina-Projeto de 2012................................................. 5 Do Número de Estudantes Envolvidos nos Estudos. ............................................................................................... 6 Do Número Ideal de Estudantes nos Grupos de Estudos. ....................................................................................... 7 Da Escolha do Tema, grau de Expectativa e Nível de Aprendizagem. .................................................................... 8 Das Expectativas negativas, mas com aprendizagem significativa. ......................................................................... 9 Das Expectativas Positivas, mas sem aprendizagem significativa. ........................................................................10 Das Expectativas Positivas e com aprendizagem significativa. .............................................................................11 Do Aproveitamento Satisfatório da Avaliação de Conhecimento e o Número de Integrantes por Grupo de Estudo ................................................................................................................................................................................12 Das sugestões de temas apontadas pelos estudantes ..........................................................................................13 Das Considerações Finais ......................................................................................................................................14 Referências Bibliográficas .......................................................................................................................................15

Introdução
Ações de Defesa e Proteção ao Ambiente (Áreas de Conhecimento: Ciências Humanas e suas Tecnologias e Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias) – Pesquisas e ações que tenham como objetivo diagnosticar problemas que podem ser causados ao ambiente, apresentar possíveis formas de solucioná-los e estimular a comunidade a se mobilizar em sua defesa. (Matriz curricular de 2006) veio a substituir Intervenções Ambientais (Área das Ciências Humanas e suas Tecnologias e das Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias): projetos de estudos e ações de previsão de impactos positivos e negativos no ambiente; intervenções ambientais locais e adoção de medidas mitigadoras e/ou corretoras de impactos negativos. (Matriz curricular de 2001). De acordo com Minc (1998, p.30) “As pessoas são parte integrante do meio ambiente” desse modo a população deve ser inserida nos estudos a que se refere à proteção ao meio ambiente. Foi a partir da concepção Antropocêntrica propôs a Ecologia Humana, onde Minc (1998) ressalta:
Pensadores e ativistas ecológicos desenvolveram campos de reflexão e de atuação relacionados com a ecologia humana. Ampliaram estudos e pesquisas e formularam alternativas para a alimentação, a medicalização da saúde, o equilíbrio corporal e espiritual, a reprodução humana, os espaços de convivência e a qualidade de vida. (MINC, 1998, p. 65)

Atendendo a abrangência nos “[...] processos formativos que se desenvolvem na vida familiar, na convivência humana, no trabalho [...]” (BRASIL, 1996), principalmente a este ultimo; pois, as pessoas ao exercerem as atividades profissionais “[...] são expostos aos impactos de processos de produção sobre os quis não detêm qualquer controle e cuja duração, cadência, e intensidade são determinadas pela maximização dos lucros” (MINC, 1998, p. 80). Por exemplo, “Os empregados de serviços informatizados são vítimas da lesão por esforços repetitivos (LER), que danifica músculos, articulações e coluna, provocando bursites, tendinites e tenossinovites” como descreve Minc (1998, p. 80-81). Segundo Pereira e Ferreira (2012) uma das correções ecológicas seria a adoção de hábitos de consumo responsáveis e conscientes, pois, o aumento do consumo eleva-se a geração de resíduos, exploração excessiva de recursos naturais além da contaminação da água, solo e ar. Por tanto, reduzir o consumo permite a preservação do meio ambiente ecologicamente equilibrado. A partir destes pensamentos fundamentados por Carlos Minc, Ex-Ministro do Meio Ambiente (2008-2010) os estudantes foram incentivados a optarem por temas que envolvessem a qualidade de vida.
3

Trabalho por projeto no desenvolvimento e na avaliação do ensino-aprendizagem
(Texto extraído da Proposta de Currículo por Competência para o Ensino Médio, 2006)

Projeta significa lançar longe, arremessar, arroja, e implica sempre na ideia de prolongamento de alguma coisa. Em educação, significaria ensinar/aprender segundo determinado plano, com o objetivo de realizar um intento e alcançar um resultado no término de um processo. Todo objetivo, em educação, é pedagógico e político, pois educar significa provocar mudanças no educando. Como todo educando é um cidadão, participante de uma sociedade, consequentemente educar é provocar mudanças na sociedade na qual ele é personagem atuante. Conforme as mudanças que desejamos provocar, elas poderão concorrer para manter a sociedade em sua atual estrutura (ainda que algumas reformas mais superficiais possam ser introduzidas) ou para modificá-la mais profundamente. Trabalhar por projeto é lembrar-se sempre dessas duas opções e traçar objetivos segundo nossas intenções de manter ou de mudar o estado das coisas, a postura das pessoas, o teor das relações sociais – em outras palavras, é definir os valores que orientarão a concepção, o planejamento, a execução e os resultados finais do projeto a ser desenvolvido. Trabalhar por projeto é ter sempre em mente o objetivo que se quer atingir e agir de tal forma que cada dia, tema tratado, aula, atividade dentro ou fora da sala sejam um passo a mais em direção ao objetivo lançado para um futuro mais ou menos distante. Enfim: cada passo tece um caminho que, mais cedo ou mais tarde, conduzirá àquele ponto em que, em um sonho arrojado, foi visualizado lá adiante, em algum lugar do futuro. O planejamento de um projeto de ensino-aprendizagem não deve ser de competência apenas de quem pretende ensinar, mas deve ser discutido com quem deseja aprender, que também deve ser autor se tal processo for realmente educativo. É importante que um e outro ajam de modo que as atividades sejam planejadas e vividas sob a inspiração dos objetivos, metas e resultados finais projetados e que as avaliações sejam feitas também por outros, possibilitando ajustes no trajeto e sucesso no final. Trabalhar por projeto requer associações, parcerias, cooperação e compartilhamentos, mas também autonomia, iniciativa, automotivação e protagonismo. As experiências desenvolvidas em projeto educacional têm demonstrado que ele só é efetivo se for compartilhado, do começo ao fim, da concepção à execução e à avaliação, por todos aos quais ele diz respeito diretamente (os professores e alunos), indiretamente (a comunidade escolar) e, se o projeto envolver ações de intervenção na realidade social, à comunidade local ou até mesmo outras.
4

Do Número de Estudantes nos Grupos de Estudos na Disciplina-Projeto de 2012
A questão 4.I perguntou aos 107 aprendizes qual o número de colegas que faziam parte do grupo de estudos; as alternativas variavam de 1 a 8 estudantes (“a” até “h”)
4.I
1 2 3 4 5 6 7 8

Total 1 8 14 21 29 17 8 9

2A
1 2 9 5 8 2 1 6

2B
0 6 0 8 12 3 6 2

2C
0 0 5 8 9 12 1 1

4.I
1 2 3 4 5 6 7 8

Total 1% 7% 13% 20% 27% 16% 7% 8%

2A
3% 6% 26% 14% 23% 6% 3% 17%

2B
0% 16% 0% 22% 32% 8% 16% 5%

2C
0% 0% 14% 22% 25% 33% 3% 3%

Destacam-se as frequências de 27% e 20% no total que corresponde ao número de 5 e 4 estudantes como o mais comum, contudo não pode descartar a frequência de 26% no 2º A, 32% no 2º B e 33% no 2º C ao qual representam respectivamente 3, 5 e 6 estudantes.

Grupo de estudo com cinco estudantes foi indicado por 29 aprendizes o que corresponde à frequência de 27%, a maior entre as opções; seguida de grupo com quatro estudantes com indicação de 21 aprendizes o que representa 20%.

5

Do Número de Estudantes Envolvidos nos Estudos.
A questão 4.II tratava da opinião do aprendiz e quantos colegas estavam de fato envolvidos com o estudo. As opções variavam entre um a quatros estudantes.
Total 1 estudante envolvido no Projeto 2 estudantes envolvidos no Projeto 3 estudantes envolvidos no Projeto 4 estudantes envolvidos no Projeto 5 estudantes envolvidos no Projeto
1 19 32 53 1

2A
1 9 10 13 1

2B
0 10 11 15 0

2C
0 0 11 25 0

Total 1 estudante envolvido no Projeto 2 estudantes envolvidos no Projeto 3 estudantes envolvidos no Projeto 4 estudantes envolvidos no Projeto 5 estudantes envolvidos no Projeto
1% 18% 30% 50% 1%

2A
3% 26% 29% 37% 3%

2B
0% 27% 30% 41% 0%

2C
0% 0% 31% 69% 0%

Destacou como respostas o número de 3 a 4 estudantes, respectivamente os maiores valores de 30% e 50% o que corresponde a 32 aprendizes que manifestaram que o número de 3 estudantes estava envolvido com o desenvolvimento do projeto e 53 aprendizes que manifestaram 4 estudantes.

A ordem de intensidade do envolvimento repete nas três séries. 2ºA 29% e 37%; no 2ºB 30% e 41%; no 2ºC 31% e 69%; respectivamente com 3 e 4 estudantes envolvidos no desenvolvimento do projeto.

6

Do Número Ideal de Estudantes nos Grupos de Estudos.
Na questão 4.III perguntou ao aprendiz o número ideal de estudantes por grupo de estudo no desenvolvimento do projeto. Entre as respostas variavam entre 1 a 5 estudantes.
1 Estudante Ideal para o Grupo 2 Estudantes ideal para o Grupo 3 Estudantes ideal para o Grupo 4 Estudantes ideal para o Grupo 5 Estudantes ideal para o Grupo Total 4 2 22 49 30 Total 4% 2% 21% 46% 28% 2A 2 1 9 14 8 2A 6% 3% 26% 40% 23% 2B 2 1 9 16 9 2B 5% 3% 24% 43% 24% 2C 0 0 4 19 13 2C 0% 0% 11% 53% 36%

1 Estudante Ideal para o Grupo 2 Estudantes ideal para o Grupo 3 Estudantes ideal para o Grupo 4 Estudantes ideal para o Grupo 5 Estudantes ideal para o Grupo

Em destaque para o número ideal para formação de grupo de estudos segundo a opinião dos aprendizes está entre 3 a 5 estudantes. Como resultado da pesquisa 22 aprendizes (21%) manifestaram que o número ideal para o desenvolvimento de projetos seria 3 estudantes, já 49 aprendizes (46%) manifestaram o número ideal seria 4 estudantes e 30 aprendizes (28%) indicaram que o número ideal seria 5 estudantes.

É importante ressaltar que nas três séries as maiores incidências de opção foram aquelas com 4 estudantes. 2ºA (40%); 2ºB (43%) e 2ºC (53%).

7

Da Escolha do Tema, grau de Expectativa e Nível de Aprendizagem.
A questão 4.IV esperava saber da escolha do tema do grupo quanto ao grau de expectativa do estudo e o nível de aprendizagem obtida pelo aprendiz.
Total O tema escolhido pelo grupo de estudo estava fora das minhas expectativas e não contribuiu para minha aprendizagem; O tema escolhido pelo grupo de estudo estava fora das minhas expectativas, mas houve aprendizagem satisfatória; O tema escolhido pelo grupo de estudo estava dentro das minhas expectativas, mas não houve aprendizagem significativa; O tema escolhido pelo grupo de estudo estava dentro das minhas expectativas e contribuiu para minha aprendizagem. 5 29 13 61 Total O tema escolhido pelo grupo de estudo estava fora das minhas expectativas e não contribuiu para minha aprendizagem; O tema escolhido pelo grupo de estudo estava fora das minhas expectativas, mas houve aprendizagem satisfatória; O tema escolhido pelo grupo de estudo estava dentro das minhas expectativas, mas não houve aprendizagem significativa; O tema escolhido pelo grupo de estudo estava dentro das minhas expectativas e contribuiu para minha aprendizagem. 5% 2A 0 9 4 21 2A 2B 4 9 5 20 2B 2C 1 11 4 20 2C

0% 11% 3%

27% 26% 24% 31% 12% 11% 14% 11% 56% 60% 54% 56%

Quanto às expectativas 74 aprendizes (68%) o tema atendia as expectativas, contudo 13 aprendizes (12%) manifestaram não haver aprendizagem significativa. Já 61 (56%) manifestaram ter obtido aprendizagem significativa.

Ao considerar a aprendizagem 90 aprendizes (83%) manifestaram ter obtido aprendizagem significativa.
8

Das Expectativas negativas, mas com aprendizagem significativa.
Entre todos os 107 aprendizes participantes desta investigação 29 destes (27%) manifestaram não ter expectativa ao tema escolhido pelo grupo de estudo, contudo houve aprendizagem significativa. A partir destes dados foi analisado o número de estudantes envolvidos nos projetos e a opinião quanto ao número ideal para o desenvolvimento dos estudos.
29 0 6 8 14 29 4 1 5 15 4 Número de Estudantes Envolvidos no Projeto No desenvolvimento do Projeto 1 estudante de fato estava envolvido; No desenvolvimento do Projeto 2 estudantes de fato estavam envolvidos; No desenvolvimento do Projeto 3 estudantes de fato estavam envolvidos; No desenvolvimento do Projeto 4 estudantes de fato estavam envolvidos; Número ideal para desenvolvimento do Projeto Um estudante seria ideal para o estudo Dois estudantes seria ideal para o grupo de estudo Três estudantes seria ideal para o grupo de estudo Quatro estudantes seria ideal para o grupo de estudo Cinco estudantes seria ideal para o grupo de estudo Percentual 0% 21% 28% 48% Total 14% 3% 17% 52% 14%

Percebeu-se nos aprendizes, mesmo com pouca ou nenhuma expectativas, que o número de quatro estudantes seria o ideal e nota-se maior grau de envolvimento.

Verificou-se que 4 estudantes é opinião ideal para formação de grupo de estudos (52%) nesta opção, bem como evidencia que com são o reconhecimento com maior o envolvimento no desenvolvimento dos estudos (48%).

9

Das Expectativas Positivas, mas sem aprendizagem significativa.
Treze dos Cento e Sete (12%) aprendizes frustraram com o projeto, contudo 5 deles (38%) manifestam que 3 estudantes estavam envolvidos no desenvolvimento do projeto e outros 5 (38%) indica que 4 estudantes estavam envolvidos e 3 (23%) apontam que 2 estudantes estavam envolvidos no desenvolvimento do projeto.
13 0 3 5 5 13 0 0 1 7 5 Número de Estudantes Envolvidos no Projeto No desenvolvimento do Projeto 1 estudante de fato estava envolvido; No desenvolvimento do Projeto 2 estudantes de fato estavam envolvidos; No desenvolvimento do Projeto 3 estudantes de fato estavam envolvidos; No desenvolvimento do Projeto 4 estudantes de fato estavam envolvidos; Número ideal para desenvolvimento do Projeto Um estudante seria ideal para o estudo Dois estudantes seria ideal para o grupo de estudo Três estudantes seria ideal para o grupo de estudo Quatro estudantes seria ideal para o grupo de estudo Cinco estudantes seria ideal para o grupo de estudo Percentual 0% 23% 38% 38% Total 0% 0% 8% 54% 38%

Dos Trezes estudantes, sete (54%) manifestam que 4 estudantes seria o ideal para o desenvolvimento do estudo.

Verificou-se que 4 estudantes é opinião ideal para formação de grupo de estudos (54%) nesta opção, bem como evidencia que com 3 ou 4 estudantes são o reconhecimento com maior o envolvimento no desenvolvimento dos estudos (38%).
10

Das Expectativas Positivas e com aprendizagem significativa.
A maioria, 61 aprendizes do total de 107 que corresponde a 57% demostram boa expectativa e aprendizagem nos projetos.
61 1 10 17 32 61 0 1 14 26 20 Número de Estudantes Envolvidos no Projeto No desenvolvimento do Projeto 1 estudante de fato estava envolvido; No desenvolvimento do Projeto 2 estudantes de fato estavam envolvidos; No desenvolvimento do Projeto 3 estudantes de fato estavam envolvidos; No desenvolvimento do Projeto 4 estudantes de fato estavam envolvidos; Número ideal para desenvolvimento do Projeto Um estudante seria ideal para o estudo Dois estudantes seria ideal para o grupo de estudo Três estudantes seria ideal para o grupo de estudo Quatro estudantes seria ideal para o grupo de estudo Cinco estudantes seria ideal para o grupo de estudo Percentual 2% 16% 28% 52% Total 0% 2% 23% 43% 33%

Dos sessenta e um aprendizes 32 deles (52%) indicam que 4 estudantes são aqueles que de fato estão envolvidos com o desenvolvimento do projeto. Este mesmo número de estudantes é a opinião de 43% (26 aprendizes) que acreditam ser o número ideal para o desenvolvimento do estudo.

Verificou-se que 4 estudantes é opinião ideal para formação de grupo de estudos (43%) nesta opção, bem como evidencia que com 4 estudantes são o reconhecimento com maior o envolvimento no desenvolvimento dos estudos (52%).
11

Do Aproveitamento Satisfatório da Avaliação de Conhecimento e o Número de Integrantes por Grupo de Estudo
Na avaliação final de conhecimento sobre os projetos que aconteceu no dia 6 de dezembro de 2012 foram classificados os aprendizes que obtiveram rendimento Regular, Bom e Muito Bom. Por meio desta seleção foram agrupados pelo número de estudantes nos grupos de estudos.
Número de Estudantes com Aproveitamento nos Projetos 1 estudante 2 estudantes 3 estudantes 4 estudantes 5 estudantes 6 estudantes 7 estudantes 8 estudantes
Primeira Maior frequência

Total 2% 13% 10% 17% 28% 15% 8% 7%

2º A 6% 12% 24% 18% 18% 6% 0% 18%

2º B 0% 22% 0% 11% 37% 11% 15% 4%

2º C 0% 0% 13% 25% 25% 31% 6% 0%

Segunda Maior frequência

As maiores frequência no aproveitamento na avaliação de conhecimento são observadas aos grupos de estudos com 3 a 6 estudantes, enquanto que a segunda maior frequência de aproveitamento é notada o número de 2 a 5 estudantes.

Ao verificar a relação entre o rendimento satisfatório e o número de integrantes por grupo percebe-se que o número ideal para composição dos grupos de estudos corresponde a 5 estudantes protagonistas.

12

Das sugestões de temas apontadas pelos estudantes
O grupo de aprendizes forneceram 102 títulos/temas as quais foram classificadas em uma das oito categorias.
13% 21% 21% 67% 19% 13% 20% 7%
Tema 1: Educação, Ensino e Aprendizagem. Tema 2: Saúde e o Bem Estar Tema 3: Saúde Pública e as Doenças Tema 4: Juventude e sua Saúde Tema 5 Juventude e Sociedade Tema 6 Urbanização e Transporte Coletivo Tema 7 Educação Ambiental e Meio Ambiente Tema 8 Ciências e Tecnologia

Os temas de maiores destaques foram os assuntos relacionados à saúde.

Juventude e saúde foram a maior cotada com 67% de sugestões. Em destaque
4% 4% 4% 3% 1% 4% 4% 3% 21% 13% 1% 4% 10% 14% 1% 8% Sedentarismo Obesidade Bulimia e Anorexia Padrão de Beleza imposta pela sociedade / Estereótipo da Beleza Uso de Anabolizante Bullyng Vícios em aparelhos eletrônicos Vícios na adolescência Drogas / Legalização da Maconha Alcoolismo Ciúme Sexualidade Gravidez Aborto Uso de Preservativo DST – AIDS – HIV

13

Das Considerações Finais
Observando o número dos resultados por intensidade de envolvimento e opinião do aprendiz ao manifestar o número ideal para o desenvolvimento dos projetos percebe-se que variam entre 3 a 5 estudantes. O recomendado é a formação de grupo de estudos com quatro aprendizes protagonistas. Por outro lado, ao analisar o aproveitamento satisfatório e o número de estudantes por grupo de estudo, verifica-se que o número ideal seria entre 4 a 6 estudantes. A presente investigação permite propor um intervalo de confiança para o número de estudantes protagonistas em projetos de aprendizagem, este intervalo é proposto entre 3 a 6 estudantes, de modo a garantir o melhor aproveitamento dos estudos e distribuição de tarefas. Os estudantes desta geração tem preferência maior aos temas relacionados a Saúde na Juventude. Entre os temas diretamente relacionados ao meio ambiente, apenas 20% foi mencionada pelo grupo de estudantes, distribuídas em 14 títulos as quais são expostos no gráfico a seguir.

14

Referências Bibliográficas
BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação
nacional. Brasília. 1996

MINC, C. Ecologia e Cidadania. São Paulo. Moderna. 1998. 128 p. PEREIRA, D. S.; FEREIRA, R.B. Ecocidadão. São Paulo. SMA/CEA, 2012. 116 p. SÃO PAULO (Estado) Secretaria do Desenvolvimento. Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza. Proposta de Currículo por Competência para o Ensino Médio. São Paulo. 2006. 66 p.

15