INSTITUTO  POLITÉCNICO  DE  SANTARÉM   ESCOLA  SUPERIOR  DE  EDUCAÇÃO    

      EDUCAÇÃO  E  COMUNICAÇÃO  MULTIMÉDIA  –  PÓS-­‐LABORAL   ÉTICA  E  DEONTOLOIGIA  DA  COMUNICAÇÃO     Ano  Letivo  2012/2013  
2º  Ano  –  1º  Semestre    

 

ÉTICAS  NA    

GRÉCIA     ANTIGA  
                        Docente:  Prof.  Ramiro  Marques   Discente:  David  Branco  -­‐  110236004  

Ética  e  Deontologia  da  Comunicação   David  Branco  –  110236004    

Introdução
De  entre  os  temas  propostos  para  a  elaboração  deste  trabalho  optei  por  escolher  o   tema  “Éticas  na  Grécia  Antiga”  pois  foi  um  tema  que  engloba  pensadores  que  logo   me   despertaram   interesse   aquando   das   aulas   de   Ética   e   Deontologia   da   Comunicação.  Com  este  tema  para  o  presente  trabalho  pretende-­‐se  ir  de  encontro   a  um  dos  temas  tratados  em  aula.   Para  analisar  as  “Éticas  na  Grécia  Antiga”  dividiu-­‐se  o  trabalho  entre  os  conceitos   de  Sócrates  e  Platão  e  os  conceitos  de  Aristóteles.  Todos  estes  filósofos  Gregos  se   destacaram   no   período   entre   450   e   300   a.C..   Neste   período   a   filosofia   Grega   estava   no   seu   apogeu   de   desenvolvimento,   estes   filósofos   cifram   a   glória   deste   período,   escrevendo   os   seus   nomes   entre   os   dos   mais   profundos   pensadores   da   humanidade.  

 

1  

Análise  do  Discurso  dos  Média   David  Branco  –  110236004    

Capítulo 1 – Ética de Sócrates e Platão
Para   Sócrates   saber   o   que   é   o   Bem   para   o   praticar   é   essencial.   Este   filósofo   estabelece  uma  relação  direta  entre  o  pensamento  e  a  ética,  sendo  o  pensamento   pressuposto  da  ética.   O  Homem  age  de  acordo  com  os  princípios  éticos,  porque  o  que  faz  ou  vai  fazer  é   pensado   e   o   seu   significado   é   entendido,   bem   como   as   consequências   das   suas   ações.   A  ética  de  Sócrates,  ao  ligar  a  razão  ao  comportamento,  permite  perceber  que  para   ele  só  o  pensamento  racional  leva  à  busca  da  verdade  e  que,  só  a  busca  da  verdade   permite  atingir  o  estado  de  felicidade.   Através  do  conhecimento  cada  indivíduo  é  capaz  de  chegar  à  compreensão  do  que   é  Bem.  Bem  pensar  para  bem  viver  é  um  dos  seus  lemas.  Defende  que  o  único  meio   para   alcançar   a   felicidade   é   a   prática   da   virtude,   virtude   essa   que   se   adquire   com   a   sabedoria  e  conhecimento.  Virtude  e  ciência  são  sinónimos,  bem  como  ignorância  e   vício  o  são.   O   herdeiro   genuíno   das   ideias   de   Sócrates   e   seu   aluno   Platão   defende   que   a   ética   é   uma   característica   do   ser   humano,   um   elemento   importante   da   vida   em   sociedade.   Todos  têm  uma  consciência  ética  e  avaliam  as  ações  que  praticam  com  base  nessa   consciência.   Para   Platão   a   alma   Humana   tem   três   almas   distintas,   ou   três   estados,   sendo   que   uma   primeira   alma   é   apetitiva   que   cuida   da   manutenção   e   reprodução   do   corpo,   desperta   os   apetites   a   vários   níveis.   Uma   segunda   alma   é   colérica   que   se   incube   da   segurança  do  corpo.  Havendo  uma  terceira  alma,  desta  feita,  racional,  que  é  a  parte   intelectual  da  alma,  leva  à  descoberta  da  verdade.  A  primeira  e  segunda  alma  são     2  

Ética  e  Deontologia  da  Comunicação   David  Branco  –  110236004     “mortais”,   servem   para   manter   o   corpo   enquanto   que   a   terceira   –   racional   –   é   “imortal”   pois   está   ligada   à   mente.   O   estado   ideal   para   Platão   é   que   a   terceira   alma   modere  as  outras  duas,  impedindo  o  indivíduo  de  agir  motivado  por  razões  cóleras   ou  apetitivas.   Também  para  Platão  a  felicidade  é  estabelecida  como  essência  para  a  vida  humana.   Para  Platão  e  Sócrates  o  bem  é  o  que  conduz  à  felicidade.  

Capítulo 2 – Ética de Aristóteles
Em   Aristóteles   encontramos   uma   ética   teleológica   que   tem   como   objetivo   o   tornar   explícita  a  plenitude  e  a  felicidade  alcançada  pela  ação,  porque  sem  ação  o  Homem   não   é   capaz   de   alcançar   o   seu   objetivo.   Para   Aristóteles   o   culminar   da   vida   era   a   felicidade.     Surge   assim   a   necessidade   de   se   conciliar   a   ética   e   a   felicidade,   uma   vez   que   o   Homem,   segundo   Aristóteles,   pensava   a   partir   do   meio   onde   estava   inserido,   da   cidade  (na  altura  designadas  por  Polis,  especialmente  na  Grécia)  e  esta  construção   estava   ligada   ao   “Ethos”,   ou   seja,   aos   valores   de   identidade   social,   ao   carácter,   ao   modo  da  pessoa  ser,  ao  comportamento  do  Homem.     Este   “Ethos”   deu   origem   à   palavra   Ética,   desse   modo,   tendo   como   finalidade   Humana   a   felicidade,   a   ética   ensina-­‐se   através   da   aquisição   de   bons   hábitos   e   de   bons   exemplos   de   atitudes   e   comportamentos.   Para   se   ser   feliz   terá   de   se   ser   “eticamente  comportado”.  O  Homem  por  si  só  já  suporta  elementos  de  felicidade,   mas  é  através  da  ação  ética  e  do  exemplo  que  este  alcança  o  seu  objetivo,  agindo   virtuosamente.  É  preciso  haver  um  equilíbrio  e  harmonia  entre  o  que  deseja  e  as  

 

3  

Análise  do  Discurso  dos  Média   David  Branco  –  110236004     suas  ações  para  que  possa  construir  a  verdadeira  felicidade.  A  razão  deve  controlar   os  desejos  e  apetites  de  modo  a  que  a  ação  do  Homem  seja  correta  e  virtuosa.     Para   Aristóteles   também   a   alma   humana   contém   três   partes,   mas   diferentes   das   defendidas   por   Platão.   Para   Aristóteles   as   partes   da   alma   são   uma   primeira   sensitiva  que  é  comum  aos  animais,  uma  segunda  onde  se  encontram  as  vontades  e   os   desejos   e   uma   terceira   à   qual   devem   estar   submetidas   as   duas   anteriores,   que   é   a  Razão.  

Conclusão
Em  jeito  conclusivo,  pode-­‐se  admitir  que  ambos  os  filósofos  e  ambos  os  conceitos   de  ética  estão  centrados  nas  virtudes.  Para  Sócrates  e  Platão  a  ética  não  se  ensina,   apenas   advém   do   conhecimento   e   da   compreensão   do   que   é   o   bem,   levando   os   indivíduos   a   agir   de   acordo   com   o   que   acham   correto.   Por   outro   lado,   para   Aristóteles  a  ética  ensina-­‐se  através  do  exemplo  das  ações  e  da  aquisição  de  bons   hábitos.   As  virtudes  que  Sócrates  e  Platão  consideravam  como  cimeiras  eram  as  da  beleza,   do   conhecimento   e   da   perceção   do   bem.   Também   aqui   temos   diferenças   entre   estes   dois   filósofos   e   Aristóteles.   Para   este   último,   as   virtudes   éticas   eram   a   verdade,   a   amizade   e   a   justiça.   Apesar   destas   diferenças,   pode-­‐se   apontar   a   felicidade  como  virtude  comum  aos  três,  embora  em  fases/estados  diferentes.     O   modo   de   adquirir   as   virtudes   éticas   também   difere   entre   estes   três   filósofos   gregos.  As  virtudes  identificadas  pela  dupla  Sócrates  e  Platão  adquirem-­‐se  através   do   conhecimento,   da   origem   e   da   profissão   ou   estado   social   do   indivíduo,   por   exemplo.   Um   pedreiro   só   sabe   ser   pedreiro,   um   cientista   conhece   a   verdade,   ou     4  

Ética  e  Deontologia  da  Comunicação   David  Branco  –  110236004     seja,  não  se  aprende  a  ética  nem  as  virtudes  que  a  regem,  apenas  se  aplicam  com   base   no   conhecimento   de   cada  indivíduo.   Para   Aristóteles   as   virtudes   da   ética,   por   ele   identificadas,   adquirem-­‐se,   ensinam-­‐se   e   transmitem-­‐se   pela   aquisição   de   bons   hábitos   e   exemplos,   buscam-­‐se   e   estão   relacionadas   com   o   “Ethos”   de   cada   individuo.   Para  Sócrates  e  Platão  as  principais  qualidades  da  ética  são  a  sabedoria,  a  coragem,   a  moderação  e  a  justiça  na  qual  cada  um  desempenha  uma  função  ética  em  relação   ao   bem   comum.   Para   Aristóteles   as   principais   qualidades   da   ética   são   mesmo   a   ação   e   a   prática   de   bons   hábitos.   Como   o   próprio   afirmou,   «é   fazendo   que   se   aprende  a  fazer  aquilo  que  se  deve  aprender  a  fazer».      

Bibliografia e Web grafia
http://pt.scribd.com/doc/114516286/ETICA-­‐NA-­‐GRECIA-­‐CLASSICA,  recuperado   no  dia  28  de  Dezembro  de  2012,  19:32   http://www.consciencia.org/filosofia-­‐grega-­‐periodo-­‐classico-­‐socrates-­‐platao-­‐e-­‐ aristoteles,  recuperado  no  dia  28  de  Dezembro  de  2012,  21:03   http://www.scribd.com/doc/32319923/E-­‐BOOK-­‐ensaios-­‐criticos-­‐sobre-­‐A-­‐ Politica-­‐Introducao,  recuperado  no  dia  29  de  Dezembro  de  2012,  14:50    http://www.scribd.com/doc/100425757/Etica-­‐de-­‐Aristoteles-­‐a-­‐felicidde,   recuperado  no  dia  30  de  Dezembro  de  2012,  10:14   http://pt.scribd.com/doc/2553735/O-­‐LIVRO-­‐DA-­‐NOVA-­‐EDUCACAO-­‐DO-­‐ CARACTER,  recuperado  no  dia  06  de  Janeiro  de  2013,  12:05   http://pt.wikipedia.org/wiki/Ethos, recuperado no dia 06 de Janeiro de 2013, 15:00 http://pt.wikipedia.org/wiki/Aristóteles, recuperado no dia 07 de Janeiro de 2013, 00:10

 

5  

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful