/ Leisure' (5.2.1984), pp. 1-8.

Hartmann, Heinz, "Notes on the reality principle" (1956), in Essays on ego psychology: Selected problems in psychoanalytic theory (1964), pp. 241ed. mex., Ensaios sobre Ia psicologia dei Yo, Fondo de Cultura Econ¢rn¡ca, trad. Manuel de la Fsealera, M xico.

67; #

son,

Hofstadter, Richard, "The strange case of Freud, Bullitt, and Woodrow Wil 11", The New York Review of Books, v, VIII, 2 (9.2.1967), pp. 6-8.

Hollingshead, August B., e Frederick C. Redlich, Social. class and mental illness (1958). Isra6s, Han., S,hreber, father and son (1981). # 207

1).

Landes, David S., e Charles Tilly (orgs.), History as social science (197 Le Goff, Jacques, Time, work-, and culture in the Middle Ages (1977; trad. Arthur Goldhammer, 1980). Le Roy Ladurie, Emmanuel, Les Paysans de Languedoc, 2 v. (1966). Niederland, William, The Schreber case (1974). Pears, David, Motivated irrationality (1984). T6cnico, mas compensador. Schafer, Roy, Aspects of internalization (1968).

966).

Schur, Max, The id and the regulatory principles of mental functioning (1

Sterba, Richard F., "The fate of the ego in analytic therapy (1934), Int. J. Psycho-anal., v. XV, pp. 117-26. Thompson, E. P., The making of the english working class (1963); ed. bras., A forma ão da classe oper€ria inglesa, 3 v., trad. Denise Bottmann, Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1987. Weber, Max, The proteslant ethic and the spirit of capitalism (1904-5, trad. Talcott Parsons, 1930); ed. bras., A itica protestante e o espirito do capitalismo, trad. M. Irene Q. F. Szmrecs~nyi e Tamfis 1. M. K. SzmrecsAnyi , São Paulo, Pioneira, 1967: Cap¡tulo 5

DO DIVÇ PARA A CULTURA Arno, Peter, The man in the shower (1944). Barrows, Susanna, Distorting mirrors: Visions of the crowd in late nineteenth century France (1981). Bocock, Robert, Freud and modern society: An outline and analysis of Freud'., sociology (1976). Brodie, Fawn M., The devil drives: A life of sir Richard Burton (1967). Biografia de orientag5o psicanalitica. Elias, Norbert, Uber den Prozess der Zivilisation. Soziogenetische und Psycho genetische Untersuchungen, 2 v. (1939; trad. Edmund Jephcott, v. 1, The development of manners, 1978; v. 11, Power and civility, 1982). Ellmann, Richard, "Freud and literary biography", The American Scholar, v. LIII, 4 (outono de 1984), pp. 465-78. Reflexões cuidadosas. # Freeman, Derek, Margaret Mead and Samoa: The making and unmaking of

tin anthropological myth (1983). (Mas ver, em uma perspectiva muito 208 diferente e com as necess€rias corre ões, Mary Catherine Bateson, With a daughter's eye: A memoir of Margaret Mead and Gregory Baleson, 1984.) Freud, Sigmund, Totem und Tabu (1912-13), ed. est., v. IX, pp. 287-444; Toteni and taboo, ed. stand., v. XIII, pp. 1-161; ed. bras., Totem e ta v. XIII. "Das Interesse an der Psychoanalyse" (1913), Gesammelte Werke, v. VIII, pp. 390-420; "The claims of psycho-analysis to scientif interest", ed stand., v. XIII, pp. 165-90; ed. bras., 0 interesse cient da psicandlise, v. XIII.

bu,

ic ifico

--, Massenpsychologie und Ich-Analyse (1921), ed. est., v. IX, pp. 61-134; Group psychology and the analysis of the ego, ed. stand., v. XVIII, pp. 67-143; ed. bras., Psicologia de grupo e a an€lise do ego, v. XVIII. -, Die Zukunft einer Illusion (1927), ed. est., v. IX, pp. 135-89; The future of an illusion, ed. stand., v. XXI, pp. 1-56; ed. bras., 0 f uluro de uma ilusdo, v. XXI. Selbstdarstellung; Nachschrift 1935" (1936), Gesammelte Werke, v. XVI, pp. 31-4; "An autobiographical study: Postscript" (1935), ed. stand., v. XX, pp. 71-4; ed. bras., Um estudo autobiogrdfko - "P6sescrito", v. XX

es . Le Bon. 1988. Sdo. 1840-1945 (1969). Hajo. org. Hobbes. G. Marion Faber.Garraty. estudo exc lente do problema "personalidade e cultura". A cultura do narcisismo: A v americana mima era de esperan as em decl¡nio.. ed. Holborn. org. Michael Oakeshott. e Maria Beatriz N. 111.. eLevine. 2 v. Urn. Wolfgang. por Dero A. trad. Nova Cultural. Jofio Paulo Monteiro. pp. The Psychology of Jingoism (1901). The nature of biography (1958). A history of modern Germany. Mozart (1977. Edward. Uma biografia psicanalitica. The crowd (1895. Kohut. Imago. 45. 1947). John A. The culture of narcissism: American life in an age of diminishing expectations (1978. Leviatd. Hobson. v. # 8-98 Melanie Klein et a1ii. 1896. com uma introduqdo de Robert K. Robert S. Michelangelo: A psychoanalytic study of his life and imag (1983). 1960). Elliott. Hildesheimer. "Liberalism and regression". Paulo. 1983). Christopher. v.. in John C... 523Gibbon. "Kaiser psychological roots orld war". Gay. behavior. pp. 47 Wilhelm 11 and his parents: an inquiry into the of german policy towards England before the first w R8hI e Nicolaus Sombart (orgs. A. PSC. ed. 1983). New directions in pyscho-analysis (1955). Peter. da Silva. New Interpretations # 209 ida Lasch. Robert A. Kaiser Wilhelm 11: (1982). Ernani Pavanelli.. 63-89. trad. bras. and personality (1973). pp. Saunders (1961). bras. Um diagn¢stico ps¡cocultural ambicioso. Autobiography. Thomas. Gustave. XXXVIII (1982)..). Cultura. Leviathan (1651. e Jaques.. trad. Merton. Thomas A. org. Especialmente capitulos V e VI. J. Rio de Janeiro. "Social systems as defence against persecutory and depressiv anxiety: A -Contribution to the psycho-analytical study of social proce sses". trad. Uma reflexdo biogrifica brilhante e devedora iL psicanfilise. 0 Liebert.

Isabel E. J. Joseph Conrad: A psychoanalytic biography (1967). pp. Melford E. XIX (1971). "Psychoanalysis and historical biography". oSeigel. . pp. pp. The young Richelieu: A psychoanalytic approach to leadership (1983).). ---. "Ego-organization and defense" (contribuiqRo a unt painel. XII. "The problem of defense and the neurotic interpretation of reality" (1952). Amer. pp. "Culture and human nature". Spindler (org. pp. psychoanal Assn.. Uma biografia psic 16gica ambiciosa. pp. V. in George D. Lincoln's quest for union: Public and private meanings (1982). in Louis Gottschalk (org. # Spiro. John E. Journal of Interdisciplinary History. 3-18. 89 -113. The function of social systems as a defence against an xiety: A report on a study of the nursing service of a general hospital (1970).1978)... I (verdo de 1981). 210 Starr. The iron cage: An historical interpretation of Max Weber (1970).). in Spiro (org. P. The making of psychological anthopology (1978). Moore. Miles. 145-56. v. Marx's fate: The shape of a life (. J.. Chester G. Mack.. Bernard C.. que merece tornar-se um clissico. Hans W. v. "Religious systems as culturally constituted defence mecha nisms". Elizabeth Wirth. Papers on psychoanalysis (1980). Simultaneamente uma biografia psicanalitica e uma interpretargo hist6rica. Burness E. Marvick. Assn. 1. Meyer. Context and meaning in cultural anthropology (1965). (resenha do Young man Luilier). Mitzman. pp.). Strozier. ibidem.. pp. Arthur. "Reflections upon the problem of generalization".Loewald.. _-. Charles B. 3 (1961). Psychoanal. F. 330-60.. Jerrold. Painel "Psychoanalytic knowledge of group processes". 143-79.. XXVII (1979) pp. Menzies. 21-32. "A psychoanalytic peripective" (sobre biografia moderna). Um folheto psicanalitico. Meyer. History and theory. Generalization in'the writing of history (1963). 174-7. 1973). Shore.. 291-97. . 100-13. Donald B. Amer.

The man who would he perfect: John Humphrey Noyes and the utopian impulse (1977). mas quero cit€-lo de novo aqui. . Louise e Aymer Maude. Le mythe de Platon. Dennis H. ed. São Paulo. 1975). 1988. 1979). pp. Lev. bras. Tolstoi. Zahar. Filho. quão profundamente um estudante seguro e soberbamente instru¡do sobre o passado # 211 e pode investigar com os instrumentos freudianos. Cia. Itatiaia. ou as refer ncias a Dodds etit W. Robert David. org. Freud and the Crisis of our culture (1955. trad. Man and the natural world: Changing attitudes in England 1500-1800 (1983). Belo Horizonte. Pagan and Christian in age of anxiety (1965) são menos memor€veis mas mostram. pp.. ver... 31-46. v. de Zarathoustra et des Chald ens.- Thomas. em The Classical Journal. "Postscript 1975". 273-79. Keith. gy" 2# 47-74. trad. ed. 55-70. trad. Yale Review. Oscar Mendes. "Human nature and the perspective of sociology" (1963). em Mnemosyne. in Skeptical sociology (1976). in Through paediatrics to psycho-analysis (1958. bras. LII (195 53). ed. XXXXI (1951-52). A respeito das resenhas entusi€sticas. em dois volumes numerados continuamente. A history of the modern sensi bility. W. João Roberto M. Marco Aur6lic. War and peace (1868-69. 'Transitional objects and transitional phenomena" (1951). As Confer ncias de Wiles de Dodds em 1962-63. Supplementum Tertium (1951). 47-54.. Lionel. Edward Brown. das Letras. D. Guerra e Paz. ibidem. 1983. J.. 1922. de Moura Mattos. Winnicott. Notopoulos. pp.. Thomas. e Trilling. entre muitas outras. bras. pp. trad. "The oversocialized conception of man in modern sociolo (1961). amer.. ed. Koster. Rio de Janeiro. pp. novamente. v. W. 1983). Etude critique sur les relations intellec tuelles entre Platon et l'Orient. James A. Uma biografia freudiana convincente. 0 homem e o mundo natural: Mudan as de atitude em rela ão s plantas e aos animais. Vida obra de Sigmund Freud. 229-42 Wrong. Cap¡tulo 6 0 PROGRAMA EM PR TICA J€ citei o magistral The greeks and the irrational (1951) de D s. W. pp. ibidem. subtitulo na ed. A autobiografia concisa d .

maluco. o vigor de suas acusa ões. 0': l que # .totalmente razo€veis . (Incidentalmente muito instrutivo ler o artigo de Henry F. port. 1970). Zahar. 17). Hamlet e o complexo de Òdipo. dificuldades e precau ões. Em uma cole ão agrad€vel de ensaios parcialmente confessionais. viciado. mas nos conta uma est¢ria bastante diferente. mesmo nesse £ltimo artigo.. entre outros. 24) demasiadamente fortuita para dar conta de mais de uma d cada e meia de publica ões comprometidas com a psican€fise. como ocorreu comigo mesmo" (p. nes eud. 1976). datando de 1967 a 1975. A estrid ncia de seus ataques. Então algo aconteceu.emaranhada em uma tradi ão cient¡fica embara osamente descuidada" (P. 8) da sua Theory of literature (1949. ao qual Crews recorre. sensibilidade e precau ão contra "os perigos do reducionismo" (p. pp. 166). Ainda assim.enquanto oposto a "relativamente cien t¡fico como colocando obst€culos ao pensamento psicanal¡tico". Ellenberger '-fhc story of 'Ann A critical review with new data". 7-25. Não foi menos severo com cr¡ticos que "habituam-se a usar argumentos convencionais contra Freud11 (p. Devo assinalar que compartilho totalmente essas obje ões.. e. com ataques maiores e mais violentos.fazem com que sinta saudade da eleg ncia e da racionalidade . ele inclui "reduct¡onism and its discontents" com toda a sua prud ncia. chamando-o de mentiroso. Missing persons (1977). Psychoanalysis and literary process. e declara firmemente que est€ entre aqueles que acreditam que "os princ¡pios da psican€lise freudiana podem ser aplicados utilmente cr¡tica l¡ter€ria" (p. trad. ou aqueles que oferecem apenas refuta ões "ret¢ricas" muito superficiais sobre o controvertido Hamlet and Oedipus. 3 (jul. Mas. Journal of the History of the Behaviora Sciences. Brawn sobre a psican€lise. Reconhece prontamente que "a aquisi ão freudiana est€ . Em 1980. um assalto veemente contra a psican€lise enquanto te pia nas P€ginas de Comentary (julho). ele publicou uma antologia volumosa. em 1984. Via problemas na versão apocal¡ptica de Norman 0. 167)."As pessoas caem presas de encantamento. 17) e que os estudiosos psicanal¡ticos de literatura t m realizado algum trabalho problem€tico. na atmosfera moral confusa de nosso s culo. suplemento comovente sua erudi ão. ele permanece firme e explicitamente um "critico freudiano" (p. bras. Çlvaro Cabral. Ele questionou o que chama "relativamente 'ideol¢gico.reservas. Out of my systems (1975). ed. 16n. o cap¡tulo confuso e indiferente de _Ren Weliek e Austin Warren sobre "Literature and psychology" (P. V. monoman¡aco. a sua tend ncia para interpretar al m do permitido . Lisboa. Rio de Janeiro. muito menos antifreudiana do que aquela que Crews usa . Crews publicou "Analysis terminable". Publica ões Europa Am rica. The New Criterion (junho pp. de Ernest Jo (P.Dodds. - ra). que ele introduzia c uma defesa en rgica de Freud contra. 1972). VIII.ou abusa. om No que diz respeito a Frederick Crews: em 1970. 24). Ele não mudou de postura durante anos. trad. ele ratificou os seus compromissos com Fr embora coni algumas . chegamos a embriagar-nos com o ins¢lito e com os del¡rios conseq entes do pensamento freudiano" (p. Teoria da literatura Jos Palia e Carmo. 7). no qual ele calunia Freud. 267-79. "The freudian way of knowledge".) A £nica alusão de Crews ao seu pr¢prio e extenso passado freudiano .para não falar nas suas interpreta ões inadequadas . e conclui que ele tem a esperan a de que uma nova gera ão possa ser "capaz de entender mais completamente como. ed.

1467-90. Voltaire historian (1958).. V. Rudolf M. Theory and Society. ed. stand. H. 1982). "Introduction: Freud. 5. (E ver de novo Demos. contudo. Gay. 61). 775-8(W. Kramnick. VII. Berggasse 19: Sigmund Freud's home and offices Vienna 1938. # . como o Crews de 1984 resenharia o Crews de 1966. e como uma prova em favor da psican€lise aplicada. pp. pp. Roodenberg. Carl N.12. For the marble tablet"... Demos. e Herman W. 45-6. Stuart. 1970 ou 1975. A. v. bras. Eissler. v. Sigmund. LXXIX. J. Brumfitt.. The obstructed path: French social 1hought in the years of desperation 1930-1960 (1968). A explora ão psicanal¡tica de Crews sobre a fic ão de Hawthorne mant m o seu valor de estudo por si s¢.. 133ed. (org. VII. American Historical Review. Nem a ida de Crews a Canossa desacredita seu Sins of the falhers (1966) mais do que o rep£dio por Tolstoi de seus tr balhos liter€rios pode diminuir a estatura de Guerra e Paz ou de Anna Karerina. pp.. Leonardo da Vinci: Psycho-analytic notes on the enigma (19 4. v. 13-54. Não posso deixar de imaginar.). "What ought to be and what was: women's sexuality in the nineteenth century". The photographs of Edmund Engelman (1976). Peter. v. Picasso: Art as autobiography (1980). Dekker. John. The rage of Edmund Burke: Portrait of an ambivalent conservative (1977). Gropius. Entertaining Satan: Witch-craft and the culture of early New England. ed.212 i o apresente nos escritos iniciais. Tr s ensaios sobre a teoria da sexualidade. . pp. A little commonwealth family life in Plymouth colony (1970).Manet. Art and act: On causes in hisiory . "A suitable case for treatment? A reappraisal of Erikson's Young Man Luther". "Preface to the fourth edition" (para Three essays on sexuality). XII (1983). Degler. v. Freud. Gedo. Kurt. Psychohistory and religion: The case of "Young Man Luther" (1977).1974. pp.. Isaac. est. Mary M. Johnson. "Vorwort zur vierten Auflage" (para Drei Abhandlungen zur Sexualtheorie) (1920). Hughes. Mondrian (1976). Roger.

tenho acumulado d bitos com institui ões e indiv¡duos. Beethoven (1977. Laplanche J. 11. Conhecimento cient¡fico: Uma abordagem evoluciondria. v. bras. vol. trad. em Freud ed. em conexão ¡ntima com The bourgeo¡s experience: Viciaria to Freud (vol. bras. Vocabuldrio de psicandlise. Donald Nicholson-Smith. The language o/ psychoanalysis (1967. Mazlish. bras. Minha primeira tentativa em exercitar-me em alguns dos temas que . 1981).. V01kan. pp. stand. XI (1957).. Bruce. 59-62. intermitentemente.4. 147-78. The structure of science: Problems in the logic of scientific e planation (1961). e Norman ltzkowitz. (1962.ad. fomeceram-me material. "The european witch-craze of the sixteeuch and seventeent centuries". Beethoven. Zahar.. The imperial imagination: Magic and myth in Kipling's India (1983). the Reformation and social change and other essays (1967). v. h Trevor-Roper. Colabora ão interessante entre um psicanalista e um especialista em Oriente Pr¢ximo. 214 Agradecimentos Desde que comecei a trabalhar neste livro. 1975). Milton Ainado. ed. trad. Vamik D. in Religion. tr Pedro Tamen. Salomon. 1896). que eu assinalo com gratidão em meus agradecimentos nessas obras. R. 1986). "Leonardo and Freud: An art-historical study".. Psicobiografia e psico-hist6ria. a partir de 1974. 1984. . ed.-B. Edusp. Sir Karl. Alvaro Cabral. "Editor's note". Conjectures and retutations: The growth of scientific knowledge. Meyer. 90-192. James). Maynard. Schapiro. de Freud. ed. Ernest. The immortal Atat rk: A psychobiography (1984).. 1987). H.1956). James and John Stuart Mill: Father and son in the nineteenth century (1975).Vida e Obra. S o Paulo. XVII (2. trad. Journal of the History ot Ideas.. Rio de Janeiro. # 213 x- Nagel. 1973. pp. Lewis D. 1. Eles me dedicaram tempo e aten ão. popper.. Wurgaft. e J. Pontalis. Splitter. Martins Fontes. SRo Paulo. pp. para a "Leonardo". Proust's recherche: A psychoanalytic interpretation ( (Strachey. comentaram os meus argumentos e estilo. Randolph.

um esbo o do cap¡tulo 3. enfatizando a poss¡vel re v ncia da psican€lise. aproveitei a realiza ão da Gallatin Lecture no Institute for the Humanities. em 1975. Mais tarde. em 1967. quando apresentei um artigo sobre "Objections to psychohistory". Nova York. En abril de 1979.Ao que apresentei na New York Association of European Historians no Ithaca College. Em 1974. Ohio. Deland. Thompson que iniciei em abril e maio de 1980 no Pomona - . sobre hist¢ria cultural. Nova York. vem de uma comunica ão a respeito de sobredeterminar. Em 1977. Colorado Springs. na Syracuse University no interior de Nova' York. A New York Psychoanalytie Society providenciou um f¢rum para as minhas id ias. no Hunger College. uma primeira versão daquilo que se tornou o primeir cap¡tulo. no me ano. no final daquele ano. em 1978. ampliei o foco falar sobre hist¢ria e psican€lise no Smith College.a ão aparecem em Freud para historiadores. St. ity. As confe r ncias Ena H. com cr¡ticas bem-vindas e excitantes. em janeiro de 1980. lthaca. falando sobre "Razão. Uma versão revisada daquele tema o de. Minnesota. Wooster. Na confer ncia Benjamin Rush que proferi para a American Psychiatric Association cm Chicago sobre "Reducionismo". naquele ano. cidade de Nova York. ao tts. No ano seguinte. dei duas confer ncias na Universidade de Cincinnati sobre historiografia e causalidade e. Fl¢rida. no Antioch College. na primavera de 1979. presid ncia no College of Wooster. enumerei os problemas que o psico-historiador tem ao lidar com materiais humanos intrat€veis. falei na Universidade Hamline. em Nova York. Northarnpton. Ohio. fiz um esbo o inicial que desenvolvi no cap¡tulo 4 deste livro em Kenyon College. discursei no Co College. No mesmo ano. participei da comemora ão de uma nova smo lorado le# hip. # 1 . passei um final de semana muito agrad€vel no Colgate Univers Hamilton. e no mesmo ano dei uma confer ncia a respeito de sobredetermina ão para-o Karizer Seminar em Yale. Finalmente. sobre a questão delicada da representatividade. Então. realida o psicanalista e o historiador". sem contar as minhas aulas de gradu e p¢s-gradua ão em Yale. uma versão experimental do que veio a ser o cap¡tulo 5. e diante do Berkeley College Fellows em Yale. Gambier. Ohio. Paul. falei a transformou-se na minha palestra na Stetson University. com um discurso sobre o historiador enquanto cientista da mem¢ria. para falar a respeito de "Um arsenal para amadores". sobre "Da biografia par a hist¢ria". Massachuse e sobre "Natureza humana na hist¢ria". discutindo sobre as rela ões tensas entre psicanalistas e historiadores com interesses comuns. Yellow Springs.

e para um grupo mais ecl tico. retornando psican€lise e hist¢ria. em White Plains. para os meus colegas. cujo subt¡tulo. com um artigo sobre "History Psycho history. tive a excelente oportunida e de exercitar as minhas capacidades cr¡ticas . um "reservat¢rio para o pensamento" hospitaleiro. por fim tornou-se o t¡tulo deste liv As quatro confer ncias sobre Freud que proferi em Yale no outono de 1980 sob os ausp¡cios do Western New England Institute for Psychoanalysis e do Humanities Centre em Yale. sobre os v€rios aspectos da psican€lise na hist¢ria. participei de uma confer ncia sobre psicohist¢ria (e psicoliteratura) em Swarthmore. no meu primeiro cap¡tulo. ainda que de uma forma diferente. expus as minhas id ias. Wilson Mernorial Lecturer.Berlim Ocidental. certamente.ogra- College. Em junho. novamente sobre obje ões psico-hist¢ria. falando no New York Hospital -C ornell Medical Center.que espero não sejam hipercr¡ticas na sexta confer ncia anual 0. na Universidade de Washington. Chicago. nesse mesmo ano. Em junho de 1984. 43 Arbeitsgruppe Be der Deutschen Psychoanalytischen Gesellschaft. m rlin . Mais tarde. de um outro ponto de vista. de psican€lise. Calif¢rnia.subintitulado Institut 216 para Estudos Avan ados. Thompson Lectures. Meredith Wilson in History. na Universidade de Utah. - # o kolleg zu Berlin -. incorporei muito dessa comunica ão. Em 1981 fiquei profundamente comovido ao ser escolhido para ser o primeiro conferencista do Arthur M. durante todo um dia de confer ncia-debates no Max Planck Institute. th. mas cont m numerosas passagens sobre metodologia que sobreviveram neste livro. aventurei-me mais uma vez entre os psicanalistas. Salt Lake City. Em maio. No mesmo m s. variei ambos os t¢picos na Universidade Stanford e no San Jos State College. Recebe o t¡tulo ressonante de "Psychoanalytie Perspectives on lhe Past: Freud for Historians". onde examinei um objeto. como as minhas confer ncias no Ena H. Reese Hospital e Medical Center. Westchester Division. com uma confer ncia intitulada "The Historian as Psychologist". No m s seguinte. Arizona. embora sobre temas bastante diversos. tive a honra de ser o conferencista do Jessie and John Danz Lecturer. Passei a maior parte do ano acad mico de 1983-1984 no W¡ssenschafts- ram ro. minhas tr s apresenta ões foram a minha primeira tentativa de elaborar um argumento abrangente e coerente. sobre o mesmo tema. proferi o discurso pr m€tico para a confer ncia sobre lideran a no Michael. em Pomona. para o Karl Abraha Institute. Seattle. em Dartmou recordei o meu velho amigo o melhor que pude ao juntar os seus interesses centrais com os meus em "Exper¡ence of a Life: Psychoanalytic Thoughts on Biography". foram principalmente sobre a subst ncia da hist¢ria da burguesia do s culo XIX. foram um misto de subst ncia e m todo. sobre "Psychoanalysis and History" Em mar o de 1982. falei na Universidade do Arizona Tempe. and Psychoanalytic History". certamente . agora familiar. No m s seguinte. onde consegui dar algumas aulas. Calif¢rnia. de Gõttingen. . Claremont.

Marc Micale. Jackie e Gaby Katwan. Betty Paine transformou meu texto em um texto que um editor pudesse ler. Dick e Peggy Kuhns (como sempre). proferi o discurso de abertura no encontro da Indiana ffistorical Society sobre "Human natur in history: Bridges between history and psychoanalysis".mostrou ser extremamente paciente com as minhas indagaões. Sou grato ao Queens College por ter-me escolhido como o seu primeiro visiling scholar em um programa novo e ambicioso para a €rea de humanas. Como na confer ncia Ida Beam na Universidade de lowa. As condi ões de trabalho no Kolleg eram ideais. Naney Lane. Janet Malcolm. Emmanuel Le Roy Ladurie. lowa City. Carl Landauer.sem o trabalho que fiz como rescarch candidate no Western New England Institute for Psychoanalysis. no in¡cio de 1985. e dirigi-me a se psicanalitica da American Psychological Association em Nova York sobre "D divã para a cultura: psican€lise para o historiador". explorei mais uma vez os temas que me ocuparam por tantos anos.Frau Gesine Bottomley e Frau Dorte Meyer-Gaudig. uma vez mais. # 217 . com gratidão. colegas e conhecidos . na Oxford University Press. em novembro. Na parte final. Finalmente. torno-me agudamente consciente. nas £ltimas revisões. Hank Gibbons. liam # Loewenberg. Frau. Keith Thomas. mas quero mencionar em particular dois bibliotec€rios que encontraram materiais muito dif¡ceis para mim . Expressei em outro lugar e quero enfatiz€-lo mais uma vez que dificilmente poderia ter sido capaz de escrever este livro .com certeza não desta maneira . Henry Turner. Andrea Herbst. enviaram-me obras esgotadas q eu não podia encontrar facilmente.espero não ter esquecido nenhum deles! . responderam generosamente a minhas carta e acima de tudo falaram comigo . Martin e Ridi Bergmann. Kohut. Thomas A. tive a oportunidade de fazer o mesmo na Universidade de Amsterdã. emprestaram-me livros inacess¡veis. Weston LaBarre. e minha secret€ria. fizeram observa ões e levantaram obje ões que encontraram o seu lugar no texto. Arthur Mitzman. Otto Kernberg. que me deu uma semana rica de discussões e apresenta ões formais. Ernst Prelinger. Judy Coffin. Cyrus Hamlin. Agradego ern particular a Peter Bieri. Richard Newman. de quantas plat ias eu tive e o quanto eu devo a elas todas. e Rose mary Wellner organizou o livro com cuidado. continuei a experimentar minhas id ias com estudantes e faculdades. Clifford Geertz. John Merriman. Quando olho para tr€s.tanto para me apoiar como para me criticar. Uma s rie de amigos. Hank Payne. Wil Bouwsma. Jerry Meyer. para todas essas ocasiões. que fez prod¡gios decifrando uma l¡ngua que não era a dela.Em julho. foi uma ajuda imensa. e ao men eterno leitor Bob Webb. Peter e qdo o - ue s.

174n. muito melhor pelo sentido apropriado de discrimina ão desses leitores. 176n Agressão. 40. p€gina por p€gina. 137-39. 188n-89n Annales. 63. 52. Carl ("Peter") Hempel emprestou-me a sua perspicacia insuperavel no dif¡cil cap¡tulo 2. Jacques. 189n Barraclough. 31. mo. adjetivo por adjetivo. Alfred. 103. 116 Bainton. Susanna. 218 Peter Gay Indice remissivo Abraham. Minha esposa Ruth. Geoffrey. 127 Animais. Harry Frankfurt. 111 Atitude contraf¢bica. Freud a respeito dos. não permitiu que o manuscrito fosse para a impressão sem lhe dedicar a leitur mais cuidadosa. 28. Charles.ohn Guardei os meus leitores para o final. pelo seu tato comigo e com a minha linguagem. Marc. 83-84 d'Alembert. 92 Beethoven. 192n. 185n Barzun. 157-62 Bloch. 86 Amor e conflitos de interesse. espero. com o cuidado afetuoso que se reserva para o trabalho de si mes Meu livro. 157-58 a mais justa.164-65. Quentin Skinner e Vann Woodward examinaram todo o manuscrito. Stefan Collini. 122-25 psicanalitica. a # Biografia e hist ria. 100 e la os grupais. Ansiedade. Peter. mudan a nas atitudes inglesas em rela ão aos. 129-30 Arte. como sempre. 177n Acaso e desenvolvimento. 57 Aprendizagem. 125 e religião. 72 Autornatismos. arriscado como possa parecer o argumento. Roland. J Demos. a biografia de Solomort de. Ludwig van. 158 Beethoven. 31 Barrows. argumento por argumento. 38. Beard. 82 Arrio. 64 Clio and the doctors. e a vontade de serem severos quando necess€rio sem inibir o meu entusiasmo pelo meu projeto. escola dos. 164-65 . 111 Artistas. culturais. Karl. 37-38 Adler. Jean le Rond. Minha gratidão a esses leitores. 26. Johanna van. 33 Ambival ncia.

85 Complexo de dipo. 112 e cultura. 26Car€ter. na sociedade e no indiv¡duo. Alfred. Maurice. 140-41 Conduta coletiva. 186n Born paciente. 122. Alain. Jerome. Ver tamb m Psicologia das Massas. William. 48 Civiliza ão. 34-35 o esquema de refer ncia freudiano. Voltaire Historian. 88 evid ncia do. J. Grupo(s) Conflito. Joseph F. John. 38. 181n Cochran. 90 Collingwood. 181n cidade. 140-41 . Jeremy. 128 # 219 Charcot.. 164-65 Les rois thaumaturges. Jean-Martin. 98 Besan on. Jacob. 89 Conceito de Hipersocializa ão do homem. 128. 71-72 "Car€ter e erotis Bentham. 57. Ernest. 40. 129-31 C09b. 74.Cathexis. 122-23. Richard 32-33. James. 138 Civ¡lization and ¡ts Discontenis. The Virgin of Chartres. 3 5 sobre a influ ncia freudiaria sobre a educa ão infantil.. 63. falseabilidade.La Soci t f odale. The Visible Hand. 175n-76n Ci ncia(s). H~. G. 85-87. 62. Tho~as. an€lise da. Josef. 164 Bocock. William J. 170n. R. Stone sobre. 78. 192n Bruner. 87-88 debate sobre. 173n Bowra. Robert. Fernand. 68 Boswelt. 65-66 Cisão. 171n Carr. 119n Chandler.. 117 Woodrow Wilson. E. o c€lculo da feli. 163 Byrnes. 172n Bowlby. 36 Bouwsma. 154 Braudel. 175n Brumfitt. 145 Classe. 180n Burckhardt. 164 Breuer. 70 Br cke.. 56 Bullitt. 149n.

Georges.Conformidade. Paul K. 183n Missing Persons. 32. 135-36 Freud sobre a. 191n Demos. 140-41 Conkin. 130 Desejos. 97. Dodds a respeito da. o ensaio de Freud sobre.. 122 Consci ncia social. 144-45 Cur¡liffe. R. 31. 142 lido atrav s do indiv¡duo. 131-33 Devereux. 110-12. Ver tamb m Defesas culturais Defesa perceptual. estudos em. 182n Edelson. 56 Defesas culturais. 116-17 Crews. 184n Da Vinci.balhos sobre as. tra. Le neveu de Rameau. 44-45 Costume. 122-24. Freud sobre. 177n Educa ão. 57 Dallek. 96-97 Desenvolvimento. 71. Entertaining Satan. 82-83. 112-13. 184n Dodds. 13435. 48-49. Benedetto. 121-22 e o complexo de dipo. 183n Di6rio. 180n. e conflito. Donald. John. Ver tamb m Ego observador . 186n. Robert. 187n-88n Diderot. 190n The Greeks and the Irrational. 148 Defesa(s). 87-88 e o indiv¡duo. 57 Consci ncia. E. 85-86 Dinheiro. 37-38. Denis. a influ ncia freudiana sobre a. Marcus. 114. sintomas individuais e sociais revelados em.. Charles. 173n Ego. Leonardo. 152. Carl N. George. 84-85. Marshali. 66 Davidson. 152-53 Dickens. no interesse privado. The Sins of the Fathers. 159-61 Croce. 35. 111-12. 134-35 evolu ão da. 78 Cultura. 40. 132-33 Educa ão infantil.. Ronald Reagan. Frederick. 56. 49 exig ncias da. 136-37. 187n # 220 Degler. 72. 153-57 Duby. 110-12 Influ ncia do mundo externo real.

183n Filantropia telesc¢pica. 30. 164-65 Fenichel. 28. Freud sobre o. 97. Erik.. 80 Ellenberger. Derck. Ver tamb m obras especificas orienta ão biol¢gica. 134-35 desenvolvimento. Norbert. Anna. Wilhelm. 31 Young Man Luther. Fase edipiana. 82 cultural e individual. 138-39 Freeman. 134 Freud. 148-49 Òtica protestante. 188n Freud. 72. Sigmund auto-an€lise. 131-32 e o desenvolvimento indiivdual. 145 variedade dos casos de. S. 103. B. 131-32 na formula ão de interesses.. David Hackett. 37 sobre a sua obra sobre o homem e a cultura. relev ncia para a pesquisa hist¢rica. 96-97 Ego ideal e a psicologia das massas. 130-31 Fantasia. 62 Eissler. Freud sobre o.. 114 Experi ncia coletiva e individual. 127 Ego observador. 76-77 d bito em rela ão aos predecessores. 187n Eliot. Kurt. 101. Freud sobre. Henri. 189n Elias. 62. G. 187-88n Fischer. 101 Fantasia de recupera ão. Albert. 174n. 72. 129-30 visão psicanal¡tica. 61.# defesas do. 88. 62-63 obras. 132-33 Febvre. 185n Fliess. 176n Ferencz¡. Lucien. 27-28 Erotismo anal. Margaret Mead and Samoa. 78. 130-31 continuidade da. Otto. 75 Elton. T. The Standing of Psychoanalyt¡c Theory. 144. A. The Civilizing Process. 57. 103 Einstein. 152 Farrell. Sandor. 70-72 Erikson. 76. 73-74 Experi ncia coletiva nas vidas indiduais. R. 175n Forma ão reativa. 76-77 .

29 . 162-67 Historiador(es) atividade do. princ¡pios. E. H. 116 Hawthorne. 80-81 Gorer. Mary M. 42-43 Gibbon. 152 Glover. The (Fretid). Elie. 192n. 87 Hart. Group Psychology and the Analysis of the Ego (Freud). Edward. 88 Gottschalk. 175n. 43-44 Hamlet. 181n. J. 175n Goethe. B. 179n. 165-67 o uso exitoso da. 72-73. Heiriz. Edward. 179n. # George. 79. Ver Dodds. 192n. Nathaniel a biografia de Crews sobre. 26 Gregos. 125-27 Hal vy. 103 marxista. Picasso. 173. 112. 94. 191n The Enlightenment. 58-59. Peter. 159-61 "The Maypole of Merry Moutit% 160 The Searlet Letter. Yer tambim Multiddo(6es) formagdo de. 151-62 Hist¢ria total. 161 Hawthorne. an€lise da marinha brit nica sobre Napoleão. Liddell. 174n Future of an illusion. Education of the Senses. 178n. 145 Funcionamento mental. 182n Art and Act. e o irracional. Geoffrey. 180n Hartmann. 143. "Rhetoric and Politics in the French Revolution".. 124 Grupo(s). H. 93 Gill. Sophia. William Ewart.Friedlãnder. 188n. Woodrow Wilson and Colonel House. Saul. 110-12 Gay. Freud sobre. 176n Gladstone. 30 Gedo. Stephen. 177n. 142-43 franc s. comprometimento com o individualismo. 27-28 Hist¢ria psicanal¡tica utilidade. R. 185n.. Alexander e Juliet. 189n. 191n Hexter. Johann Wolfgang von.. 188n. Merton M. 190n Generalizagdo. 102 .

176n Homem dos Lobos. 69-70 Inconsciente. 37-38 ú nfase de Bowlby sobre a import ncia da. 109 Holzman. 58-59. 25-26 obras sobre atividades defensivas. 35. Emotion and High Politics. 171n Hofstadter. 65 Hughes. Judith M. August B. Sidney. hist¢ria total Hobbes. 181n Holborn. 82-83 sociologia do. 81 Iluminismo. Thomas. 171n. 129 Hollingshead. Charles K.# paixão pela complexidade. 73-74 como psic¢logo. 103-05 Freud sobie. 71. 37-38. 35. 78-79. 136-37 Historicismo. psico-hist¢ria. 104 Indiv¡duos. 128 Hobson. 106 a teoria freudiaria sobre o.. Hajo. 134-35 uso do termo pelos historiadores. Freud sobre as. David. 76 Hook. A. 135-36 Individualidade. J. 77-80 Hist¢ria. 106-07 . Philip S. 172n a influ ncia sobre o car€ter adulto.. Richard.. 78 Inf ncia ú an€lise de Stone sobre.. Ver tamb m Hist¢ria psicanal¡tica. 80 Import ncia da escuta na psican€lise. H. 189n Hume. 123. Stuart. 192n Hughes. exig ncias da cultura nos. 85 The Obstructed Path. 172n uso do material representacional.. 108-09 ld. 128 # 221 1 ~ t Hoffing. Custer and the Little Big Horn. 90.

o papel do ego em. 186n Londres vitoriana. Les Paysans de Languedoc. 83-84 Interesse(s). Erik. William. Martinho. 31 Klein. 185n Lef&bvre. 89-100 222 confusões inerentes ao. Kenneth S. 189n Langer. 179n-80n. 97-98 formula ão do. 190n LeBon. 94 exig ncias do. 34 Instinto de morte. 174n Fact and Fantasy in Freudian Theory 174n Kohut. 97 comprometimento do historiador com o papel do. Mark. 117 Laplanche. 181n Kanzer. Emmanuel.5o Francesa. Ver tamb m interesse privado. I. 119 anilise da Revolur.. Paul. 62 Loewald. 132-34 as teorias freudianas sobre. 27. 164. 90.. Young Man Luther Lynn. 95 visão psicanal¡tica do. 22 alcance do. 45-46 Lowe. 42 Lipps. Ver Erikson. George S. 175n Kehr. 182n Libido. 98-100 e o ego. Hans W. 182n Le Roy Ladurie.. 35 Lutero. 94 Investimento. Isaac.. 47-48.# a socializa ão na. 188n Kramnick. Arthur. 94 defini ão. 125 The Crowd. Gustave Freud sobre. Le Goff. 96 Interesse privado. 93 Kitson Clark.. 98-100 reconcilia ão de. 30. 38 Link. Donald. 97 percep ão do. Thomas A. G. Theodor. 31 . conflituosos. Eckart. 176n Kline. Jacques. Georges..

176n Medo castf ~ o. 180n Malinowski. Isabel E. 181n History of England. Donald B. Thomas Babington. 47-48 Mente atividade da. 118 Meyer. 128 Macfarlane. 110 a teoria fretidiana sobre as.. 47-48 Menzies. 163 MacDonagh. Early Victorian Government. 186n para historiadores. Sir Peter. 41 Mack. Gilbert. a pol mica de Thompson sobre. 176n Metodistas. George. 143 Mentalit collective. Arthur.. 81-82 Multidão(ões). 126-27 Mitzman. 154. 189n Mahl. Burness E. 188n Mecanismos de defesa. 189n Mead. 156. 140-41 e cultura. 181n Masson. 181n Mentalidade revolucion ria. Bronislaw. Karl. Iron Cage. 140 a compreensao sociol¢gica err nea da. 25 Marxismo. Friedrich. 108-10 Mente da massa. Bruce. Oliver. 189n Natureza humana.. 123 Morgan. 182n Masur. Ernest. 122 Mill. 85 avalia ão dos historiadores sobre a. 104-05 procura por material representacional. Margaret. James. 77. Franz. 187n Merton. 47. 78. 176n.. 58 Mazlish. Gerhard. 140-43 Neumann. 106 # . 93 Neuroses. John E. 180n Marx. 80 Mentalit . Freud sobre. Edmund.# Macaulay. Ver Defesa(s) Medawar. P. 78 pensamentos sobre. 112 Meinecke. 156 Nagel. 153 Mudan a e hist¢ria. Robert K. 144 Moore. 149n Metapsicologia. Jeffrey Moussaieff. 103.. Alan. Ver tamb m Grupo(s) Murray.

62 Pequeno Hans.fuga da realidade para a. Doriald I. 117-18 Pontalis. Karl. 106 Persegui ões a bruxas. 59-62 discernimento sobre. sobre a Londres do s culo XIX. 127 Oedipus Rex. 87 Olsen. 140 Patze. 58 estudos experimentais. 191n-92n Platt. 128-29 Psican€lise advento no of¡cio hist¢rico. reabilita ão campanhas contra. 97 Niederiand. 52 como dogma pseudo-cient¡fico. 125 e religião. Jos . 48-49 .. 78 Pares. 110-11 Prostitui ão. Reinhold. 29-31 aplicabilidade hist¢ria. 31. 152 Pr£ssia. 121-22 incompatibilidade com o trabalho # do historiador. 21-22.. 54 Princ¡pio do prazer. William. 110-11. Richard. 190n Postman. Sir Isaac. 113 ¢dio e la os grupais. Freud sobre a. 26-28. 53-55 e a experi ncia coletiva. Gerald M. 184n Normal. Leo. 56 Põtzl. L-B. 65-66 Conjectures and Refutations. psican€lise da. 174n atitude do historiador em rela ão .. 64-66 continuidade din mica. lei eleitoral das tr s classes. Freud sobre. Otto. 45-46 Ortega y Gasset. 141 Princ¡pio da realidade. 190n Popper. 63-64 o desenvolvimento de Freud. 108-09 Neur¢ticos. 33 Niebuhr. 72. Adolf. 85 Parsons. 31-32. Talcott. 175n Pol¡tica. 76 Percep ão(ões). 101-02 influ ncia sobre os tipos de pesquisa hist¢rica. 77 Newton.

racionalidade com vistas a valores complexidade. 113 Racionalidade. 147-48 defeitos. 147-48 sucessos. 122. 58 venera ão por Freud. 124 Freud sobre. 152 e pol micas pol¡ticas. 117 Psicose. 25-26 Psicologia da multidão. 124 Barrows sobre. 117-18 populariza ão. 69 terminologia.-76---178n seIvagem. 141-42 Freud sobre. 37. 59-60 como quintess ncia vienense. 115 explica ão psicanal¡tica. 110 fuga da realidade na. 83-84 Pulsão sexual. 32 fiascos da. 7~. 143-45 Psic¢logos da multidão. uso comum da. 52-53 o uso do historiador da. 116. 57 postura de exclusividade. 58-59. 83 objetos da. 131-32 dificuldade de. 149 situa ão atual. 28 o alarme dos historiadores com. 129. 31 cr¡ticas. Ver tamb m Racionalidade com vistas a prop¢sitos.# 223 integra ão com o trabalho hist¢rico dificuldades. 88-89. 112. Freud sobre. 51-53. 107. 30 Psicologia as escolas de. 37. 32-33 uso para descobrir temas hist¢ricos cr¡ticos. 109 Pulsão(ões). 122. 63-64 Psicobiografia. 149 reducionismo na. 185n Psicopatologia social. 126-28 e a psicologia individual. 113-14 # 224 . 125-26 Psicologia social. 153-62 utilidade. 151-52 Psicanalista (s). 38. 83-84 Racional. 82-89. 48-49 Psico-hist¢ria.

55 Situa ão psicanal¡tica. 132-34 Soci¢logos. David. 109 e mente. 142 Sexualidade. na situa ão psicanal¡tica. 102 Reich. 54-55 Silberger. Wilhelin. Frederick C. Julius Jr. Arthur M. 105-06. Herbert. 174n Razão vs. 119 vs.. Daniel Paul. Roy. 27-28 Schreber. 66 Silberer. 179n80n Religião.. 88. 150 Reducionismo. 183n Self. 106-07 Redlich. Max. 63. 103 e crescimento da personalidade. 115-16 Ranke. an€lise de Lef bvre. 83 diversidade entre os individuos. 66 Realidade. 109 Redu ão em ci ncia. Mary Baker Eddy. 174n Socializa ão do indiv¡duo. Leopold von. inconsciente. 29. 32 Romance familiar. 115 Racionalidade com vistas a valores. 101 vs. para Freud.. fantasia. Robert. The Structure of Psychoanalyt¡c Theory. 53-54 Schafer. 77-79 Rapaport. Ronald. reducionismo na Regra fundamental. inconsciente. 150-51. 37-39. Saul. 157 Rosenzweig. 109 Schur. Ver tamb m psico-hist¢ria. 149-50. 186n Rela ões objetais. 68-70 Smith. 105 visões dos historiadores vs. Maximilien Marie Isidore. 189n Schlesinger. Sr. psicanalistas. Page. 47-48 Robespierre.. visão da natureza humana . 180n Sobredeterm ina ão. 106-08 Ver tamb m racionalidade Reagan. 183n Schapiro. 38 fuga da. 127 Revolu ão Francesa.Racionalidade com vistas a prop¢sitos. 189n psicanal¡tica. Meyer. 170n # S¡mbolos. Freud sobre. 76. 39 Sherrill.

187n. 153 a teoria freudiana sobre. Malcolm L.. 140-41 Solomon. 124 StrickJand. 98.rj!. 178n Stnne. 176n Stra-.ira. Leo. 156 estudos experimentais de Silberer. 107-08 Spiro. 54-55 Macfarlane sobre. 83 animosidade antifrelidiana. A. 54-55 Teoria da sedugAo. 66. 31. 188n Stannard. 56-57. 55-56 ~este experimental. 140 Tabu do incesto. 32-33 Thomis.. 172n. 180n Starr. David. 38 e conformidade. 37. Making of the English Working Class. 55 sintomas sociais e individuais revelados no. J. Frank L. Melford E. 40-41 The Family. 180n. vs.dos. 179n Subconsciente. 76. 110. 28. Lawrence. Keitb. 112 # Thomas. 45-46 Thompson. Geoffrey. 89 Taylor. E. 41 manifesto. 157-58 Sonho(s). P. Stendhal. Beethoven. 173n Sublima ão. 41-42. 8-1 Teoria psicanal¡tica apoio experimental. 118-19. 188n Stone. 182n . 108 s¡mbolos no.. Freud. 35-41. 35. P. 138 sobre a vulgarizag5o das id6ias freudianas. 67 da continuidade da experi ncia. 175n Superego. 139 Sulloway. Lytton.hey. 38. 108 res¡duos diurnos no. 148. 137-39 Religion and the Decline of Magic. Maynard. 107-08. Chester G. Biologist of the Mind. a visão freudiana. 64. 187n-88n Man and the Natural World. 64 como es'. sobre as respostas revolu ão industrial. 101 Teste da realidade. Sex and Marriage in England 1500-1800. o uso do termo pelos historiadores. 130 Three Essays on Sexuality (Freud).. 81-82 como ci ncia.

Tilly. ssor de Hist¢ria na Unie. 79. 34 reud. 42. 54-55. 191n-92n Trilling. 125-26 Totem and Taboo (Freud). Charles. E autor. Lev. Lionel. 42 Wilson. primeiro volume ia burguesa: de Vit¢ria at seus outros livros. 114-16 0 estudo de Mitzman sobre. 178n Viena. 140-43 # 225 # Não apenas pol mico. Hans-Ulrich. Andrew Fleming. Entre os The enlightenmen . 141-43 Trobriandeseq. H. 145 TransferEncia. Eugen. Randolph. 117 Winn¡cott. Guerra e Paz.. Max. Peter Gay profe versidade de Yal te. Freudpara historiadores uma contribui ão cuidadosa e elegantemente escrita com vistas a um amplo debate intelectual. sobre a mobiliza ão da esperan a no s culo XIX. avaliag5o do pensamento de Freud sobre a natureza humana. Fred. W. 188n Wrong Dennis. 180. 57 Traumdeutung (Freud). 88-89. 28. de Educa ão dos da s rie A experi nc Freud. avalia ão do pensamento sobre a natureza humana. 95-96 Tolstoi. Ver tamb6m The Interprelation of Dreams Trevor-Roper. 80 Weber. 175n. mais recentemensentidos. 75-76 Weinslein. 44-45 Weber. 33-35 sobre Freud. R.. 163 Stendhal sobre. 122.n Trumbach. D. incluem-se Impresso nas oficinas da. 30. na epoca de F Voltaire. 144 Wehler. 181n West. Woodrow. 75-76.

Telefone: (011) 912-7822 ra de Weimar. e Freud. Weimar EDITORA PARMA IJDA. 280 Guarulhos . j ws andother Com filmes fornecidos pelo editor 1 culture (A cultu andact. Antonio Bardella. in his .São Paulo .Brasil tory. Paz e Terra). Art Av.t: An interpretation. Sty1 germans.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful