Com novo PIB, Brasil tem IDH de 'primeiro mundo' - Terra - política

Daniel Bramatti "IDH sobe e Brasil entra no clube do Alto Desenvolvimento Humano"; "Para ONU, Brasil já não é um país pobre"; "Com PIB e renda maiores, país chega ao primeiro mundo da área social". Manchetes como estas estarão em todos os jornais quando a ONU atualizar, com o novo PIB brasileiro, a base de dados que alimenta o cálculo do IDH (Índice de Desenvolvimento Humano). Para os leitores de Terra Magazine, a notícia não será novidade. Sim, o Brasil já entrou no seleto grupo de países com "alto desenvolvimento humano" - em 2005, para ser mais exato.

IBGE: novo cálculo do PIB vê economia 11% maior - Terra - economia
Daniel Bramatti O recálculo do PIB, com nova metodologia aplicada pelo IBGE, mostra que a economia brasileira é muito maior do que se imaginava - para ser mais exato, R$ 211 bilhões maior. Em 2005, o Produto Interno Bruto foi de R$ 2,148 trilhões - 10,9% acima do valor estimado pelo cálculo anterior. Também foi muito maior do que se estimava o avanço da economia no governo Lula. Em 2003, 2004 e 2005, respectivamente, o crescimento em relação ao ano anterior foi de 1,1%, 5,7% e 2,9% - pela metodologia antiga, as taxas eram de 0,5%, 4,9% e 2,3%.

FMI erra e subestima renda de brasileiros - Terra - economia
Daniel Bramatti O FMI misturou alhos com bugalhos ao divulgar, ontem, o relatório Panorama Econômico Mundial. Os dados sobre a renda dos brasileiros estão errados - foram "puxados para baixo" por conta de uma falha metodológica, apontada por Terra Magazine e reconhecida ontem mesmo pelo Fundo Monetário Internacional. "Vamos revisar nossos procedimentos em futuras edições do Panorama Econômico Mundial", disse o economista Bennet Sutton, em e-mail a este repórter.

Para Nassif, criadores do Real buscaram enriquecer - Terra - economia
Daniel Bramatti Às vésperas do lançamento oficial do Plano Real, em 1994, o então ministro da Fazenda, Rubens Ricupero, assegurava publicamente que haveria paridade entre a nova moeda e o dólar. Não foi o que aconteceu. O real entrou em cena valendo mais que a moeda norte-americana, e sua cotação subiu ainda mais com o passar do tempo. As conseqüências da sobrevalorização foram desastrosas: explosão das importações, déficit em conta corrente e desaceleração da economia, em razão da necessidade de manter juros altos para atrais capitais especulativos. Para o jornalista Luís Nassif, não houve um simples erro na condução da economia na época, mas uma "operação de mercado". Ele vê uma ação deliberada dos formuladores e implementadores do plano com o objetivo de beneficiar a si próprios e a grupos aliados. "Eles tomaram um conjunto de medidas técnicas cuja única lógica foi permitir enormes ganhos para quem sabia para onde o câmbio ia caminhar. E o grande vitorioso desse período é o André Lara Resende, que é um dos formuladores dessa política cambial", disse Nassif, em entrevista a Terra Magazine.

FHC e pais do Real se calam sobre Nassif - Terra - economia
Daniel Bramatti O presidente Fernando Henrique Cardoso e dois dos "pais" do Plano Real responderam com silêncio absoluto à acusação, feita pelo jornalista Luís Nassif, de que houve manipulação do câmbio em 1994/95 com o objetivo de favorecer com "centenas de milhões de dólares" o banco Matrix, do qual foram sócios os tucanos André Lara Resende e Luís Carlos Mendonça de Barros. Terra Magazine publicou uma entrevista com Nassif na segunda-feira. Nela, o jornalista, autor do recémlançado livro Os Cabeças-de-Planilha - Como o Pensamento Econômico da Era FHC Repetiu os Equívocos de Rui Barbosa, fez um ataque direto a Lara Resende (leia aqui). "Eles (os formuladores do Real) tomaram um conjunto de medidas técnicas cuja única lógica foi permitir enormes ganhos para quem sabia para onde o câmbio ia caminhar. E o grande vitorioso desse período é o André Lara Resende, um dos formuladores dessa política cambial."

Crítica a carga tributária é "choradeira", diz FHC - Terra - economia
Daniel Bramatti Na contramão do que têm dito os principais líderes de seu partido, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) afirmou recentemente que as críticas ao aumento da carga tributária são "choradeira". "Aumento de carga tibutária... essa coisa é choradeira. Está mal gasta porque paga juros e déficit. Mas um país como o Brasil tem que ter uma carga de 30% se não tem educação, saúde", disse o tucano, em depoimento para o livro "Os Cabeças-de-Planilha - Como o Pensamento Econômico da Era FHC Repetiu os Equívocos de Rui Barbosa", do jornalista Luís Nassif. A obra foi lançada ontem em São Paulo.

Salário mínimo alcança marca de US$ 200 - Terra - economia
Daniel Bramatti Houve um tempo em que sindicatos faziam campanhas nacionais em defesa do salário mínimo de US$ 100. Candidatos a presidente eram acusados de populismo ao se comprometer com essa meta. Economistas

alertavam para o risco de aumento do desemprego e de colapso nas contas públicas caso a marca fosse atingida. Foi-se a época. Nos últimos dias, o salário mínimo praticamente alcançou a marca histórica de US$ 200 (atualização: em 1º de junho, chegou a US$ 199,79).

Em SP, ricos têm mais descontos no IPTU - Terra - economia
Daniel Bramatti O empresário Maurício Rockfeller Jr., morador do Morumbi, na zona sul de São Paulo, mandou blindar o carro novo na semana passada. Pagou R$ 16 mil pelo serviço, sem contar as peças. Ao preencher o cheque e pedir uma nota fiscal eletrônica, ele ganhou automaticamente um desconto de R$ 210 em seu IPTU. Enquanto esperava pelo motorista de seu segundo carro, Maurício telefonou para o banco e agendou o pagamento da mensalidade da escola dos três filhos, no valor de R$ 5.000 - ganhou aí um desconto adicional de R$ 30 no IPTU. Como era tarde para ir ao escritório, o empresário se dirigiu à academia de ginástica, onde fez uma hora de exercícios e pagou o mês de abril (R$ 600). Ao sair, depois de quitar a mensalidade do estacionamento (R$ 150) e dispensar o guarda-costas (R$ 2.300), ligou para a mulher, para saber das novidades do dia. Ela contou que havia ido ao cabeleireiro (R$ 400), ao acupunturista (R$ 300), à massagista (R$ 250) e ao veterinário (R$ 200), já que seu poodle não andava muito bem. Desconfiado, Maurício ligou para o detetive (R$ 3.800) e conferiu o roteiro. Era tudo verdade. Feitas as contas, o casal gastou um total de R$ 25.000 em serviços naquele dia, e acumulou um crédito de R$ 390 para descontar no IPTU do ano seguinte. João, o guarda-costas de Maurício, é empregado de uma empresa de segurança, da qual recebe um salário de R$ 1.200. João e a mulher gastam o que ganham com alimentação, moradia e roupas. Não são consumidor de serviços. Não terão descontos no IPTU. Os personagens citados acima são fictícios. Mas é real a situação em que contribuintes mais ricos têm benefício tributário maior do que os pobres, graças a uma iniciativa da Prefeitura de São Paulo para reduzir a sonegação e reforçar o seu caixa.

Real valorizado faz no Sul sua maior vítima - Terra - economia

Daniel Bramatti Não é a primeira vítima da valorização do real, mas é a maior. Uma das principais fabricantes de calçados do Rio Grande do Sul vai encerrar sua produção em julho e extinguir milhares de empregos - empresários e sindicalistas falam em 4.000 demissões, mas esse número não é confirmado nem desmentido oficialmente. Trata-se da Reichert, empresa que já esteve no topo do ranking dos exportadores de calçados brasileiros, com unidades espalhadas em 20 municípios gaúchos. Praticamente desconhecida pelo grande público - sua produção é quase toda dirigida ao mercado externo, com marcas definidas pelos importadores -, a

indústria há anos é considerada uma gigante por quem atua no setor.
PIB cresce 4,3% no primeiro trimestre - Terra - economia Daniel Bramatti O Produto Interno Bruto cresceu 4,3% no primeiro trimestre deste ano, em comparação com o mesmo período do ano passado. Em relação ao último trimestre de 2006, o PIB subiu 0,8%. Os dados, divulgados na manhã desta quarta-feira pelo IBGE, são o primeiro sinal oficial de que é factível a meta de crescimento para 2007 estabelecida pelo governo ao lançar o PAC, de 4,5%. Os novos números são os primeiros divulgados desde a revisão da metodologia de cálculo do PIB, anunciada pelo IBGE em março (leia aqui), que revelou uma economia maior e em crescimento mais acelerado do que se imaginava.

Mais indústrias vão fechar, prevê Abicalçados - Terra - economia
Daniel Bramatti O anúncio do fechamento de fábricas da empresa Reichert em 11 municípios gaúchos não deve ser a única má notícia do setor calçadista. Outras grandes indústrias devem seguir o mesmo caminho e jogar a toalha por conta do câmbio desfavorável, afirma Heitor Klein, diretor-executivo da Abicalçados (Associação Brasileira das Indústrias de Calçados). A Reichert, cuja produção é destinada à exportação, vai encerrar sua produção em julho (leia aqui). Empresários e sindicalistas estimam que possa haver até 4.000 demissões. Para Klein, outros 4.000 empregos indiretos podem desaparecer.

Comparar real só a dólar é "vício", diz economista - Terra - economia
Daniel Bramatti O ministro da Fazenda aproveita todos os contatos com a imprensa para afirmar que as novas quedas do dólar não são preocupantes. Mas empresários do setor industrial reclamam da perda de competitividade no mercado de externo e da invasão de produtos importados. Nos jornais, cada economista dá um palpite diferente sobre os benefícios e prejuízos da valorização do real. O cenário descrito acima poderia ser o da semana passada, mas é exatamente o que ocorria em maio de 2005, quando o dólar estava na faixa de R$ 2,40, ainda longe da chamada "barreira psicológica" dos R$ 2,00, finalmente rompida nos últimos dias. "Desde janeiro de 2003 os críticos do câmbio prevêem uma crise três meses à frente, e ocorreu o contrário", desabafou, na época, o então ministro da Fazenda, Antonio Palocci. De 2005 para cá, muito mais tinta e saliva foram gastas em alertas sobre um eventual colapso nas exportações brasileiras - que nunca aconteceu.

Etanol é oportunidade histórica, dizem cientistas - Terra - economia
Daniel Bramatti Se o Brasil usar apenas 10% de suas áreas de pastagens para plantar cana, produzirá etanol suficiente para substituir 5% da gasolina consumida no mundo e terá 5 milhões de novos empregos. Sem desmatamento, sem "invasão" de áreas destinadas a outros plantios. Esse cenário - que nem pode ser tachado de otimista, pois não leva em conta eventuais avanços tecnológicos e aumentos de produtividade - é considerado viável pelos principais pesquisadores do setor de álcool combustível no Brasil.

Etanol celulósico chega em até 10 anos - Terra - economia
Daniel Bramatti Lídia Maria Pepe de Moraes, da Universidade de Brasília, e Adilson Roberto Gonçalves, da Faculdade de Engenharia Química de Lorena (SP), estão entre os cientistas brasileiros que buscam uma forma comercialmente viável para transformar também o bagaço da cana em álcool. Essa tecnologia, quando dominada, poderá até dobrar a produção das usinas, que hoje produzem o combustível a partir do caldo extraído da planta. Em entrevista por e-mail a Terra Magazine, eles explicam o que é o chamado etanol celulósico, avaliam o acordo entre Brasil e Estados Unidos e falam sobre os riscos ambientais associados à expansão dos canaviais.

Argentina quer entrar na onda da bioenergia - Terra - economia
Daniel Bramatti Um dos maiores produtores mundiais de soja e milho, grãos que podem ser transformados em óleo diesel e álcool, a Argentina começa a se mexer para não perder a onda dos biocombustíveis. Na semana passada, o presidente Nestor Kirchner regulamentou uma lei que concede incentivos fiscais para a instalação de usinas de biodiesel e torna obrigatória, a partir de 2010, a mistura de biocombustíveis com o diesel e a gasolina consumidos no país, em proporção de pelo menos 5%.

Minoritários contestam operação da Nossa Caixa - Terra - economia
Daniel Bramatti A recente operação financeira que transferiu aos cofres do governo de São Paulo nada menos que R$ 2 bilhões para investimentos começa a sofrer contestações. Trata-se da "compra" da folha de pagamentos do Estado pela Nossa Caixa, anunciada no último dia 27 - desde então, as ações do banco estatal chegaram a cair 20%, uma evidência de como o negócio foi mal recebido pelos investidores. A Nossa Caixa, que é controlada pelo governo paulista, decidiu aceitar a proposta, feita pelo mesmo governo, de pagar R$ 2,08 bilhões pelo direito de manter as contas bancárias de cerca de 1,1 milhão de servidores públicos. O prazo do contrato é de cinco anos - ou seja, para não ter prejuízo com a operação, quitada à vista, o banco terá de "arrancar" cerca de R$ 380 por ano de cada correntista, na forma de taxas, juros de empréstimos e outras operações.

IBGE vai recalcular PIB de 1995 a 2006 - Terra - economia
Daniel Bramatti Lembra do debate da campanha eleitoral sobre quem fez o Brasil crescer mais, Lula ou Fernando Henrique Cardoso? Pois a discussão pode ter se dado em bases irreais. Sabe o esforço fiscal do governo para promover um superávit primário de 4,25% do PIB e destinar esses recursos para o pagamento de juros? Pois o arrocho pode ter sido exagerado ou insuficiente. Ouviu falar da famosa "relação dívida/PIB", que os economistas - e credores - insistem que é preciso baixar? Pois ela pode não ser de 49,3%, como estima o chamado mercado. As principais estatísticas econômicas do Brasil sofrerão um chacoalhão em março, quando o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) vai estrear sua nova metodologia de cálculo do Produto Interno Bruto. Todos os índices acima, além de outros relacionados ao PIB, como carga tributária e taxa de investimento, serão ajustados à nova realidade.

Indústria cede espaço para serviços no novo PIB - Terra - economia
Daniel Bramatti Eternamente insatisfeitos com os juros, o câmbio e a carga tributária, os empresários do setor industrial terão em breve mais um motivo para reclamar. O retrato da economia brasileira a ser divulgado em março pelo IBGE vai mostrar um país menos industrializado, em termos proporcionais. Ainda não é possível saber se o novo PIB será maior ou menor. Mas é dada como certa a perda de participação da indústria para o setor de serviços e para a agropecuária.

Governo quer unificar ICMS, IPI, Cofins e PIS - Terra - economia
Daniel Bramatti Ao apresentar o Programa de Aceleração do Crescimento, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, fez duas cobranças públicas. A primeira, pela continuidade da queda dos juros, foi dirigida ao presidente do Banco Central, Henrique Meirelles. "O mercado está esperando uma redução da taxa Selic, a continuação, viu, Meirelles?", afirmou, provocando risos na até então sisuda platéia da cerimônia. A segunda foi endereçada aos governadores e parlamentares, que discutem há quase uma década, sem resultados práticos, uma reforma tributária que simplifique a cobrança de impostos no país. "Nós gostaríamos de discutir com os senhores governadores e com os senhores parlamentares uma reforma tributária mais ambiciosa do que aquela que se encontra hoje no Congresso. Uma reforma tributária que realmente possa atender os anseios de simplificação, de desburocratização, de agilização das operações do setor produtivo, porque hoje nós temos um sistema tributário complexo, muito diversificado, que atrapalha a produção", discursou Mantega, sem entrar em detalhes. O ministro não disse, mas sonha com a unificação de tributos como ICMS, IPI, Cofins e PIS em um Imposto sobre Valor Agregado, o IVA. Em entrevista a Terra Magazine, o secretário nacional de Política Econômica, Júlio Sérgio Gomes de Almeida, detalhou as intenções do governo federal.

Governo prevê renúncia fiscal de R$ 18 bi até 2008 - Terra - economia
Daniel Bramatti Ao anunciar o PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), o ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse que haverá uma renúncia fiscal de R$ 18,1 bilhões até 2008 na tentativa de viabilizar os investimentos públicos e privados previstos no pacote, de R$ 504 bilhões até 2010. A renúncia fiscal em 2007 será de R$ 6,6 bilhões, o equivalente a 1,7% do volume recorde de R$ 392,5 bilhões que a Receita Federal arrecadou no ano passado. Em 2008, as isenções sobem para R$ 11,5 bilhões, ou 2,9% da arrecadação de 2006.

PAC não influencia BC agora, diz secretário - Terra - economia
Economia · Mundo · Colunistas · Cultura · - Televisão · - Moda · - Comportamento ... Daniel Bramatti. O governo considera que o Programa de Aceleração do ... terramagazine.terra.com.br/interna/0,,OI1365970-EI6579,00.html - 15k - Em cache - Páginas Semelhantes

Uso de FGTS para subsídio não está descartado - Terra - economia
Economia · Mundo · Colunistas · Cultura · - Televisão · - Moda · - Comportamento ... Daniel Bramatti. Em entrevista exclusiva a Terra Magazine, o secretário ... terramagazine.terra.com.br/interna/0,,OI1365434-EI6579,00.html - 15k - Em cache - Páginas Semelhantes

Só democracia embasa crescimento, diz Lula - Terra - economia
Economia ... Daniel Bramatti. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez uma defesa enfática da democracia durante o anúncio oficial do Programa de ... terramagazine.terra.com.br/interna/0,,OI1362772-EI6579,00.html - 17k - Em cache - Páginas Semelhantes

PIB cresce 3,7% em 2006; sobe previsão para 2007 - Terra - economia
O novo PIB eleva para 3,35% a média de crescimento na economia no primeiro ... O fato é que a economia está maior e o crescimento está mais acelerado. ... terramagazine.terra.com.br/interna/0,,OI1512611-EI6579,00.html - 20k - Em cache - Páginas Semelhantes

"Novo PIB" mostra Brasil crescendo mais com Lula - Terra - economia
Daniel Bramatti e Raphael Prado ... o país mudou desde então - ou, pelo menos, mudou a maneira pela qual se mede o tamanho da economia e o crescimento dela. ... terramagazine.terra.com.br/interna/0,,OI1499184-EI6579,00.html - 18k - Em cache - Páginas Semelhantes

Revolução energética é viável, diz Greenpeace - Terra - meio ...
Daniel Bramatti e Felipe Corazza Barreto ... que é possível reduzir pela metade a produção de gases-estufa mesmo sem paralisar a economia - é esse risco que ... terramagazine.terra.com.br/interna/0,,OI1372268-EI6586,00.html - 19k - Em cache - Páginas Semelhantes