You are on page 1of 8

Direito UNDB – 5º período / Vespertino

1

AULAS DE DIREITO PENAL ESPECIAL II
TÍTULO IV - DOS CRIMES CONTRA A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO 31.07.12

Relembrando a principal função do direito penal: proteger o bem jurídico tutelado. E o que são bens jurídicos? São aqueles bens imprescindíveis para uma vida tranquila, harmônica em sociedade. Então na busca de proteger os bens jurídicos, o legislador elenca um rol de condutas que venham a ferir esse bem que é importante em nossa vida, e assim determinada uma pena por essa violação. Analisando esse crime, de cara identificamos o bem jurídico protegido: a organização do trabalho. O trabalho é tão importante que está previsto na CF em seu art. 1º, IV: “A República federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal, constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como fundamentos: IV- os valores sociais do trabalho e a livre iniciativa”.  Os valores sociais do trabalho e a livre iniciativa como fundamentos do Brasil; art. 5º, XIII: “é livre o exercício de qualquer trabalho, ofício ou profissão, atendidas as qualificações profissionais que a lei estabelecer”  como um dos direitos fundamentais a CF se refere ao direito ao trabalho – e nós vamos ver que se é um direito meu ser livre para trabalhar, então o direito penal criminaliza uma conduta que obriga alguém a trabalhar contra a sua vontade, porque está ferindo um direito fundamental que é a liberdade de trabalho. Enfatizada a importância do trabalho como um bem jurídico, vamos então passar a estudar o primeiro crime que afeta esse bem jurídico que o crime de atentado contra a liberdade de trabalho. Art. 7º e art. 9º: direito de greve Atentado contra a liberdade de trabalho Art. 197: “Constranger alguém mediante violência ou grave ameaça: I – a exercer ou não exercer arte, ofício, profissão ou indústria, ou a trabalhar ou não trabalhar durante certo período ou em determinados dias: pena – detenção, de um mês a um ano, e multa, além da pena correspondente à violência; II – a abrir ou fechar o seu estabelecimento de trabalho, ou a participar de parede ou paralisação de atividade econômica: pena – detenção, de três meses a um ano, e multa, além de pena correspondente à violência”. Tipo objetivo:  Núcleo do tipo: começando a analisar esse crime nós vamos procurar o núcleo do tipo (verbo “constranger”), que é o coração do crime. Sempre que analisamos o crime, temos que analisar o verbo. Verbo “constranger” – este é um crime comissivo (Eu consigo constranger alguém por omissão? Não.), Ex: eu sou um “fortão bombadão” da minha rua e briguei com um cara da outra rua, disse a ele: a partir de hoje tu não passa mais na minha rua, se tu passar eu vou matar tua família, vou sequestrar teu filho (grave ameaça). Então essa conduta praticada pelo “bombadão” não está prevista no CP como um crime específico (não se encaixa no crime de atentado contra a liberdade de trabalho) – então, essa conduta se encaixa no crime de constrangimento ilegal, porque não se refere especificamente ao trabalho e sim a privação de liberdade de transitar.

Amanda Mota/ Jennifer Melo/ Letícia Ferreira/ Taysa Pires

deve haver algum grau de relacionamento com o trabalhador que está sendo obrigado a realizar um trabalho que ele não quer. vem a pergunta: Bruna responderia pelo crime de constrangimento ilegal. porque o caput diz “agredir alguém” = qualquer pessoa). essa ameaça deve ser verossímil (capaz de ser realizada. eu vou te pegar”) e por fim. mas usou algum tipo de narcótico (drogas. pois saberá que a ameaça é impossível de ser realizada daquela forma). Ex: quando Bruna disse ao empregado dela “olha rapaz tu vai ver. mediante violência contra coisa? PRIMEIRA ADVERTÊNCIA DO SEMESTRE: Há divergência: 2 Amanda Mota/ Jennifer Melo/ Letícia Ferreira/ Taysa Pires . Vai configurar este crime? NÃO. com algo que deverá ser realizado imediatamente e não de maneira imprevisível). a Bruna irá responder por constrangimento ilegal (art. pode ser que ao invés de agredir o próprio trabalhador. 146 do CP). deve ser uma ameaça grave como diz o artigo. Outra forma de constrangimento é a grave ameaça (conhecida como vis compulsiva) – é aquela ameaça moral. porque se eu ameaço o trabalhador dizendo “você vai ter que ficar ou eu vou explodir sua casa com uma bomba atômica”. a vítima não se sentirá intimidada. Como o legislador não colocou.Direito UNDB – 5º período / Vespertino Para que haja o crime de atentado a liberdade de trabalho é necessário que esse constrangimento se dê mediante violência ou grave ameaça. então Bruna começa a quebrar o carro velhinho que pertence ao seu empregado como uma forma de amedrontá-lo. Que violência é essa? É aquela violência real. não irá configurar o crime de atentado contra a liberdade de trabalho (art. então ela não cometeu esse crime – pois ele tem como elemento a grave ameaça. se ele quisesse que esse crime se configurasse pelo uso de narcóticos. “Constranger alguém mediante violência” diz o artigo 146  Violência contra coisa configuraria este crime? Vamos supor que Bruna fale assim ao seu empregado “você vai ficar trabalhando” e ele responde “não vou ficar”. acaba agredindo o seu filho (ainda assim configura este crime. Nesse exemplo ela fez uma ameaça (mas não foi uma ameaça grave). 197) – porque este crime só poderá ser cometido mediante violência ou grave ameaça. tu me paga”. não há violência real (se não for grave ameaça. álcool ou medicamentos etc). acrescentaria a expressão “ou demais meios que impossibilitem uma reação”. Dessa forma. mas para que exista esse crime. o mal cometido deve ser um mal imediato (deve impor medo na vítima e que justifique que ela fique realizando um trabalho forçado por medo da ameaça feita. conhecida como vis corporalis – a ameaça é apenas uma ameaça. e assim ele continua no trabalho. deve ser um mal determinado (“eu vou fazer isso” e não ameaças genéricas “você vai ver. A violência pode ser imediata (seria se a Bruna agredisse o funcionário dela – a pessoa do funcionário) ou mediata: pode haver esse crime sem que necessariamente o agente atinja a pessoa do trabalhador. o fato de Bruna ter embriagado o seu empregado fazendo com que ele continuasse trabalhando forçadamente. Então nesse caso. Mas é necessário que essa terceira pessoa seja importante para o trabalhador. Vamos supor que Bruna não use violência e nem grave ameaça para forçar seu empregado a trabalhar pra ela. não existirá crime). Pois o legislador não põe nada no tipo penal à toa.

ou a fazer o que ela não manda. ou depois de lhe haver reduzido. ou multa”. Como existem divergências. não basta somente dizer SIM ou NÃO. causando lesão corporal. Logo. de um a seis meses. a capacidade de resistência. Vamos supor que Bruna insatisfeita com seu empregado. de três meses a um ano. Distinção entre o crime de Atentado contra a liberdade de trabalho e Constrangimento ilegal (art. a pessoa responde pelo crime de dano em concurso com o crime de atentado a liberdade do trabalho. Bruna diz “tu não vai sair. também quebrou a bicicleta do seu empregado. não há que se falar em um único crime. ou multa”. necessariamente esse constrangimento teria que ser em relação à pessoa – eles relacionam muito isso pela expressão “constranger alguém”. Porque são bens jurídicos diferentes: quando ela obrigou o funcionário a trabalhar mediante violência ela feriu o bem jurídico “organização do trabalho” e quando ela quebrou a bicicleta do empregado. a não fazer o que a lei permite. por qualquer outro meio. 146): Art. logo haveria esse crime. 2) Em sentido contrário. Não devemos falar “esse crime sozinho absorve o outro” (NEGATIVO!). feriu o bem jurídico “patrimônio”. CRIME DE DANO: Art. quando são bens jurídicos diferentes a pessoa responderá por concurso de crimes (existem exceções). Ex: Bruna tem um comércio e só tem um empregado que quer ir embora. devemos justificar e explicar as duas correntes existentes. inutilizar ou deteriorar coisa alheia: Pena – detenção. Nesse exemplo. e sim pelo crime de dano. Esse exemplo se encaixa nos dois tipos penais. Ela cometeu dois crimes: 1) Crime de atentado contra a liberdade de trabalho (porque estão presentes os elementos desse crime) e 2) Crime de dano em concurso de crimes. Mas. Como resolver isso? Aplicando os princípios. Se forem bens jurídicos diferentes. Bitencourt. isso caracterizará o concurso de crimes (dependendo do concurso – formal ou material – as suas penas serão somadas ou uma só acrescida de 1/6 a 1/3). OBS: Na prova. “Destruir. 163. será necessário discorrer sobre as duas posições. Por que? Porque no momento em que ela quebrou o carro do cara. só depois que eu conseguir outra pessoa de confiança”. há um entendimento (posição minoritária) que afirma que violência à coisa configuraria esse crime. se houver qualquer questão relacionada a isso. Às vezes você comete duas ou mais condutas. dentre outros: Dizem que a violência contra coisa não configurará esse crime. mediante violência ou grave ameaça. o que predomina é a primeira posição. isso significa que a violência deve ser contra “alguém” (pessoa) – a ameaça ou violência (media ou imediata) deve ser contra o ser humano. Bens jurídicos diferentes são elementos essenciais para a caracterização do concurso de crimes! EM REGRA. especialidade. afirmam os autores citados anteriormente. agiu com violência (bateu no seu empregado). Pena: detenção. essa posição é minoritária. Os dois crimes são super parecidos. podemos dizer que aqui há um conflito aparente de normas: resolve-se aplicando os princípios (consunção. que caracterizam diferentes crimes. 146: “Constranger alguém. Bruna não responderia pelo crime de constrangimento ilegal. subsidiariedade). a violência à coisa terminou configurando uma grave ameaça.Direito UNDB – 5º período / Vespertino 1) Jorge Severiano. Esse crime de atentado contra a liberdade de trabalho é mais específico comparado com o 3 Amanda Mota/ Jennifer Melo/ Letícia Ferreira/ Taysa Pires . Além disso.

12 4 ART.. ALÉM DA PENA CORRESPONDENTE À VIOLÊNCIA . o verbo constranger nos lembra que esse crime é comissivo. DE TRÊS MESES A UM ANO. DE TRÊS MESES A UM ANO. PROFISSÃO OU INDÚSTRIA. REVISANDO PARA ESQUENTAR OS NEURÔNIOS: nós começamos estudando os elementos subjetivos do crime de atentado contra a liberdade de trabalho. CONSTRANGER ALGUÉM . por isso ele é mais específico. POR QUALQUER OUTRO MEIO . OU A PARTICIPAR DE PAREDE OU PARALISAÇÃO DE ATIVIDADE ECONÔMICA : PENA – DETENÇÃO. OFÍCIO. MEDIANTE VIOLÊNCIA OU GRAVE AMEAÇA . o que é isso? É a pessoa ou coisa sobre a qual recai a conduta criminosa. DE UM MÊS A UM ANO . DETENÇÃO . OU ESTÁ DENTRO DOS CRIMES CONTRA A LIBERDADE INDIVIDUAL . DE TRÊS MESES A UM ANO. O CONSTRANGIMENTO DESTE CRIME É MAIS ESPECIFICO. E MULTA. A CAPACIDADE DE RESISTÊNCIA . O CONSTRANGIMENTO ILEGAL NESSE CRIME É MAIS GENÉRICO. E MULTA. MEDIANTE VIOLÊNCIA OU GRAVE AMEAÇA : I – A EXERCER OU NÃO EXERCER ARTE . ALÉM DA PENA CORRESPONDENTE À VIOLÊNCIA . DIFERENÇAS ENTRE O ART . PROFISSÃO OU INDÚSTRIA. forçar. porque ninguém consegue constranger outra pessoa através de uma omissão e constranger tem o sentido de obrigar. O crime estudado é uma espécie de constrangimento ilegal (gênero). CRIME ATENTADO CONTRA A LIBERDADE DE TRABALHO 03. 197. II – A ABRIR OU FECHAR O SEU ESTABELECIMENTO DE TRABALHO . CONSTRANGER ALGUÉM . OU A TRABALHAR OU NÃO TRABALHAR DURANTE CERTO PERÍODO OU EM DETERMINADOS DIAS : PENA – MULTA . ESTÁ DENTRO DOS CRIMES CONTRA A ORGANIZALÇAO DO TRABALHO . 197 ART. 146 E ART. OU A TRABALHAR OU NÃO TRABALHAR DURANTE CERTO PERÍODO OU EM DETERMINADOS DIAS : PENA – DETENÇÃO. E MULTA . Então o crime consiste na conduta de constranger alguém mediante violência ou grave ameaça a fazer uma das coisas que esta disposta nos incisos do artigo. esse crime começando pela analise do núcleo do tipo. ALÉM DA PENA CORRESPONDENTE À VIOLÊNCIA . OU DEPOIS DE LHE HAVER REDUZIDO . está no tipo penal aguem. E MULTA. dessa forma prevalece o princípio da especialidade. O crime de atentado contra a liberdade de trabalho está inserido no constrangimento ilegal. Amanda Mota/ Jennifer Melo/ Letícia Ferreira/ Taysa Pires ..Direito UNDB – 5º período / Vespertino de constrangimento ilegal. OFÍCIO. OU A FAZER O QUE ELA NÃO MANDA : ART. ALÉM DA PENA CORRESPONDENTE À VIOLÊNCIA . II – A ABRIR OU FECHAR O SEU ESTABELECIMENTO DE TRABALHO . CONTINUAÇÃO. MEDIANTE VIOLÊNCIA OU GRAVE AMEAÇA : I – A EXERCER OU NÃO EXERCER ARTE .. PENA – DETENÇÃO. DE UM MÊS A UM ANO . Alguém é.08.. Vimos que necessariamente esse constrangimento deve ser direcionado a alguém. A NÃO FAZER O QUE A LEI PERMITE . 197. portanto. é um subtipo/espécie de constrangimento ilegal. OU A PARTICIPAR DE PAREDE OU PARALISAÇÃO DE ATIVIDADE ECONÔMICA : PENA – DETENÇÃO. CONSTRANGER ALGUÉM . o objeto material do crime. 146.

 ANÁLISE DO INCISO I. seria o art. no feriado.” VIOLENCIA: vis corporalis.. 203 do CP {Frustrar. exercer ou não exercer. reiteradas vezes a pratica daquela conduta. 4 dias é determinados dias? Isso não fica claro no artigo. que é justamente frustrar direito garantido pelo direito trabalhista. 197 requer violencia e grave ameaça. Não cabe a servidores públicos. EX: Bruna tem um estabelecimento comercial.. 3. Logo.. Esse crime só abrange atividades exercidas por particulares. 1ª PARTE: “a exercer ou não exercer arte. e isso cria insegurança jurídica. violência física.. porque estes vão ensejar a julgamentos diferenciados.OU GRAVE AMEAÇA .. dependendo do subjetivismo do juiz. 197! Bruna estará praticando outro crime. mediante fraude ou violência. direcionada a pessoa do trabalhador ou a pessoa relacionada a ela. verossímil. trafico de drogas etc. Ex: se bruna obriga o rapaz que trabalha com ela a vender droga.CONSTRANGER ALGUÉM . Amanda Mota/ Jennifer Melo/ Letícia Ferreira/ Taysa Pires .. será que certo período é o trabalhador ser obrigado a trabalhar na sua folga. período de ferias? Não seria isso. obrigação legal relativa à nacionalização do trabalho}.. deve ser uma violência real. porque as funções públicas tem regras especificas. “. portanto. Então Bruna usou de violência.” GRAVE AMEAÇA: vis compulsiva. ofício. porque existe o art. E também principio da taxatividade. porém outro crime. não é esse crime do art. o legislador deve ser o mais especifico possível. profissão ou indústria”. requer uma habitualidade. não deve fazer tipos penais abertos.. e obrigou o rapaz a exercer uma profissão que ele não estava querendo. Isso feri até o principio da segurança jurídica. Há.  ANÁLISE DO INCISO I ... e em determinado tempo um dos trabalhadores quis deixar o trabalho.. porque o direito fica muito vulnerável. 2ª PARTE: “ou a trabalhar ou não trabalhar durante certo período ou em determinados dias”.: Se o criminoso utilizar um álcool ou outra substancia e mediante isso constranger as pessoa a praticar as condutas dos incisos. essa mesma conduta praticada por servidores públicos seria a mesma conduta.. OBS. E com quantos dias começa a ser habitual? Isso fica a critério do juiz a partir do exame do caso. Analisando o núcleo do inciso. Trabalhar aqui também requer habitualidade! O que é certo período? O que é determinados dias? Muito aberto. uma redação dúbia. Para ser esse crime é preciso que a atividade deve ser lícita. 146 (constrangimento ilegal) porque o art. séria. ela só tinha dois trabalhadores. MEDIANTE VIOLÊNCIA .Direito UNDB – 5º período / Vespertino 5 “. Será que 2.

. acrescido do elemento subjetivo especial do tipo (= fim especial de agir). alguns doutrinadores afirmar que o sujeito passivo nesse crime seria necessariamente o dono do estabelecimento. ou seja. Logo. Porque esta lei é mais recente e posterior ao CP.a abrir ou fechar o seu estabelecimento de trabalho. só vai responder pelo crime do art...Direito UNDB – 5º período / Vespertino com diferentes interpretações. seria constrangimento ilegal. A pessoa chega e obriga o outro a abrir ou fechar o seu estabelecimento de trabalho.. O dolo consiste na vontade livre e consciente de querer constranger alguém. ela responde apenas por lesão corporal e não pelo art. a participar de parede. Outro exemplo. Bruna agride o trabalhador dela causando lesão corporal. E em que consiste o dolo dessa conduta? Este crime é praticado através do dolo.: Diarista tem relação empregatícia desde que a partir de 3 dias. Será que nessa 1ª parte do inciso II nos temos um elemento normativo? Sim. 197. porém se ocorrer esse crime com menos de 3 dias. que é um das três condutas descritas nos incisos.. Certo período e determinados dias são elementos normativos do art. porque estabelecimento de trabalho é qualquer lugar que a pessoa desempenha seu trabalho. O dolo deste crime é a vontade livre e consciente de querer constranger alguém (dolo genérico). ELEMENTO SUBJETIVO DO CRIME ART. 1ª PARTE: “. acrescido do elemento subjetivo especial do tipo. mas se for identificado que havia vinculo trabalhista configuraria o art.  Esse crime não admite a forma culposa. Entao usar de violencia para abrir ou fechar seu estabelecimento de trabalho.. 197. requer do juiz uma valoração. um juízo de valor.  Se eu perguntasse pra vocês discorra sobre o elemento subjetivo deste crime? O crime do art.. 197 ser tipificado é preciso analisar o animus. é o dar causa voluntariamente culposa ou dolosa. Por causa desse SEU. 2ª PARTE: “. 197.. Obs. estabelecimento de trabalho! Será que a barraca do vendedor ambulante é estabelecimento de trabalho? Sim. 197 só admite a forma dolosa. existe um elemento normativo. A maioria dos doutrinadores diz que essa 2ª parte do Inciso II foi derrogado pela Lei de greve (lei nº 7783/89).. e o elemento subjetivo especial do tipo ou do injusto (= fim especial de agir) é alguém exercer ou não exercer uma profissão. mas se ela não agiu com o fim especial de agir. o querer.  ANÁLISE DO INCISO II.a participar de parede ou paralisação de atividade econômica”. logo ela constrangeu o trabalhador dela.. a trabalhar ou não trabalhar. só a doloso. se constranger com objetivo de constranger o 6 Amanda Mota/ Jennifer Melo/ Letícia Ferreira/ Taysa Pires . se ele tiver ameaçando a pessoa. porque é uma palavra que exige uma interpretação. isto esta pacificado no STF.197.”.  Por que esse crime tem que ter o elemento subjetivo especial do tipo? Porque sem esse elemento subjetivo especial o agente vai responder só por ameaça. 197  Pra que a conduta do art.  ANÁLISE DO INCISO II.

Quando não requer nenhum sujeito especial qualquer pessoa pode cometê-lo. respondo por omissão impropria.  Se esse crime do art. Por exemplo: A polícia é uma garantidora. o trabalhador é um sujeito comum (genérica). Porém. SUJEITOS DO CRIME  O crime do art. 197 é um crime comum. e eu nada faço..  Bittencourt ele admite também como sujeito passivo unicamente no inciso II. 197 é um crime material.  Se aconteceu só a violência e o trabalhador não fez aquilo que o agente queria nos estamos diante da tentativa. o crime do art. no momento em que eu uso da violência.  O crime do art. ocorre mera tentativa.  Todo crime pode ser cometido na forma omissiva impropria (aquele que é praticado por um garantidor). profissão ou indústria. Se alguém constrange adolescente a trabalhar contra a sua vontade. é também um crime comum. Tanto o sujeito ativo quanto o passivo.Lei nº 8069/90) especifico para elas. 197 juntamente com o Amanda Mota/ Jennifer Melo/ Letícia Ferreira/ Taysa Pires . ou só no momento que o trabalhador executa as condutas? O crime se consuma no momento que o trabalhador executa as condutas. o agente responderá pelo art. mas o agente tivesse o objetivo de alcançar os resultados finais do crime. e não com a violência e ameaça.  Se ocorrer apenas violência. ofício. se for coisa não pode ser sujeito passivo e sim objeto material. Greco não concorda. sabendo que existe um estatuto (ECA . por isso não é próprio. O crime é formal quando se consuma independente do agente alcançar o resultado final do crime.. quando o agente alcança o resultado final do crime. haverá concurso de crimes. Obs: Objeto material x Sujeito passivo = o objeto material é a coisa ou pessoa sobre a qual recai a conduta criminosa. constranger a participar de parede. 7 CONSUMAÇÃO E TENTATIVA  Esse crime se consuma no momento em que eu constranjo. Logo. Os crimes olhando para o tipo de sujeito podem ser próprios ou comuns. ou seja. Embora seja trabalhador o sujeito passivo. O crime material só se consuma quando a vitima cometer o resultado final. constranger o proprietário a abrir ou fechar o seu estabelecimento de trabalho . se eu sou uma policial e eu sei que Bruna esta praticando um crime contra o seu trabalhador. se recai sobre pessoa é sujeito passivo.Direito UNDB – 5º período / Vespertino trabalhador a exercer ou não exercer arte. pois a empresa para ele vai funcionar como sujeito passivo. 197 só se consuma com a pratica das ações do inciso. 197 for cometido contra criança ou adolescente.

197 do CP. acrescentando a lesão corporal. organização do trabalho.  Compete a justiça federal. mas isso diz respeito a um direito que é de toda coletividade. DE TRÊS MESES A UM ANO. PENA PENA – DETENÇÃO. E MULTA. dizem ser o bem jurídico protegido nesse crime é a organização do trabalho. COMPETÊNCIA PARA JULGAR OS CRIMES CONTRA A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO Art. e o obrigou a trabalhar fora da sua vontade. alguns doutrinadores de forma clara afirmam ser a garantia de liberdade de trabalho. *Art. PLURISUBSISTENTE (ADMITE TENTATIVA). CF: Caput. Mas porque não responde só pelo ECA? Porque o art. 232* do ECA (concurso formal de crimes). muito mais do que a organização do trabalho. são crimes que envolve fraude ou violência.detenção de seis meses a dois anos. 232 do ECA não é tão especifico quando o art. MONOSUBJETIVO. 232: Submeter criança ou adolescente sob sua autoridade.  E quando seria da justiça estadual? Quando a conduta criminosa atingir um trabalhador ou um grupo tão somente na esfera da sua liberdade individual. Crime art. Aos juízes federais compete processar e julgar: VI – os crimes contra a organização do trabalho e. Dai não estarem inserido no capitulo da liberdade individual. DOLOSO! Amanda Mota/ Jennifer Melo/ Letícia Ferreira/ Taysa Pires . Embora seja um trabalhador que esteja sendo constrangido. 109. mas esta relacionada indiretamente com a relação de trabalho.. VI. Então há concurso material de crimes. porque se fosse liberdade estaria na parte dos crimes contra a liberdade individual.  No STF é pacifico o entendimento de que será competência da justiça federal se o crime ferir interesses coletivos e individuais desde que exercida nas a relação de trabalho. ALÉM DA PENA CORRESPONDENTE À VIOLÊNCIA. 8 BEM JURIDICO  Liberdade de trabalho. guarda ou vigilância a vexame ou a constrangimento: Pena .  Em regra todos os crimes do cap. Você vai responder por este crime. somam-se as penas. causou lesão corporal. por isso o legislador colocou nesse cap. 197: COMUM. mas isso não é tão simples assim. nos casos determinados por lei. Outros autores. contra o sistema financeiro e a ordem econômico‑financeira.Direito UNDB – 5º período / Vespertino art.  Você agrediu o trabalhador. contra a organização do trabalho.