Universidade de Coimbra

Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física

Cinesiologia I
Parte III – Membro Superior

Coimbra, Novembro de 2008

1

Universidade de Coimbra
Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física

Disciplina de Cinesiologia I
Contribuição de Prof. João Páscoa Pinheiro, Dra. Carla Gomes e Mestre Beatriz Gomes

Texto de Apoio da Disciplina de Cinesiologia I
O presente texto pretende fornecer ao Aluno elementos de referência, não dispensando a leitura dos livros de texto e atlas aconselhados.

3- Elementos de Cinesiologia – Membro Superior * Ossos do membro superior - O membro superior é constituído por diferentes segmentos: cintura escapular, braço, antebraço, punho e mão; - O membro superior desenvolve (em tracção, …) diferentes actividades gestuais; o principal objectivo é a máxima exploração das capacidades funcionais da mão, de forma a manipular objectos e explorar o meio envolvente. Trata-se de compreender a evolução da marcha em quatro apoios até à bipedia; a verticalização do Homem, encontra para a cintura escapular e para o membro superior outras disponibilidades mecânicas e exigências funcionais; o Homem torna-se um animal com elevada destreza preênsil. 3.1) Os ossos da cintura escapular, permitem a ligação do membro superior ao esqueleto axial, e são a clavícula (plano anterior) e a escápula (plano posterior). 3.1.1) Clavícula Osso par, longo, situado transversalmente entre o esterno e a escápula. Apresenta a forma de um S itálico com duas curvaturas (curvatura medial de concavidade posterior e curvatura externa (lateral) de concavidade anterior). Estruturalmente é um osso sólido e resistente, com características de osso plano; é essencial como local de inserção muscular.

2

* Constituição anatómica Duas faces: superior e inferior Dois bordos: anterior e posterior Duas extremidades: medial (esternal) e lateral (acromial).

* Principais referências anatómicas: - Face superior: no 1/3 externo (lateral) rugosa para a inserção dos músculos trapézio (trapezius) e deltóide (deltoideus); no 1/3 medial rugosa para a inserção dos músculos esternocleidomastoideu e grande peitoral (pectoralis magnus). - Face inferior: mais rugosa que a face superior; de dentro para fora encontram-se rugosidades para a inserção do ligamento costo-clavicular, a goteira do músculo subclávio e rugosidades para a inserção dos ligamentos coraco-claviculares (conóide e trapezóide, ligamentos à distância). - Bordo anterior: para inserção dos músculos grande peitoral (pectoralis magnus) (nos 2/3 internos) e deltóide (deltoideus) (no 1/3 externo). - Bordo posterior: para inserção dos músculos esternocleidomastoideu (internamente) e trapézio (trapezius) (externamente). - Extremidade medial (esternal): apresenta uma superfície articular para o esterno; é a mais volumosa. - Extremidade lateral (acromial): plana, apresenta uma superfície articular para o acrómio. Com o braço na posição anatómica de referência, o eixo longo da clavícula fica orientado ligeiramente acima do plano horizontal e cerca de 25 graus posterior ao plano frontal; esta orientação é fundamental para o desempenho cinético do membro superior (a escápula forma um ângulo com o plano posterior próximo dos 30 graus, sendo este somatório angular próximo de 60 graus).

3

3.1.2) Escápula (omoplata) Osso par, plano, delgado, com conformação triangular; apoia-se na região superior e posteroexterna (lateral) da caixa torácica *Constituição anatómica - Duas faces: anterior (costal) e posterior (dorsal) - Três bordos: medial (espinhal), lateral (axilar) e superior - Três ângulos: superior, inferior e externo * Principais referências anatómicas a identificar - Face anterior (costal): côncava, constitui a fossa sub-escapular onde se insere o músculo subescapular (subscapularis); próximo do bordo interno (medial) apresenta rugosidades onde se inserem alguns feixes do músculo grande dentado (serratus anterior). Em repouso a face anterior da escápula está posicionada contra a face postero-lateral do tórax, numa posição de aproximadamente 35 graus anterior ao plano frontal. Esta orientação da escápula é denominada de plano escapular. A escápula e o úmero tendem a seguir este plano quando o braço é erguido acima da cabeça. A mobilidade da escapula nos movimentos de elevação do membro superior é denominada ritmo escapulo torácico. - Face posterior (dorsal): convexa, apresenta na união do 1/4 superior com os 3/4 inferiores a espinha da escápula. A espinha divide a face posterior em duas partes, uma superior (fossa supra-espinhosa) e uma inferior (fossa infra-espinhosa), respectivamente para os músculos supra (supraspinatus) e infra-espinhoso (infraspinatus). A extremidade da espinha da escápula denomina-se acrómio (apresenta uma faceta articular para a clavícula e presta inserção ao ligamento coraco-acromial) - Bordo interno (espinhal): recto e quase vertical. Nele inserem-se posteriormente os músculos supra (supraspinatus) e infra-espinhoso (infraspinatus), anteriormente o músculo grande dentado (serratus anterior) e no seu interstício os músculos angular da escápula (levator scapulae) e rombóide (romboideus major e minor). - Bordo lateral (axilar): inferiormente à cavidade glenóide apresenta o tubérculo infraglenoideu (inserção da longa porção do músculo tricípte braquial (tríceps braquialis);

4

um bordo interno (inserção do músculo pequeno peitoral (pectoralis minor)).Ângulo externo (lateral): apresenta a cavidade glenóide (articula com a cabeça umeral. não simétrico.Bordo superior: apresenta a incisura coracóide (dá passagem ao nervo supra-escapular) . A apófise coracóide apresenta um vértice (inserção dos músculos coraco-braquial (coracobrachialis). .2. também denominado pelas suas actividades mecânicas elevador da escápula. uma face superior (inserção dos ligamentos conóide e trapezóide). rombóide (rhomboideus minor e major) e grande dentado (serratus anterior). 3.Um corpo ou diáfise: 3 faces (externa.Ângulo inferior: inserção dos músculos sub-escapular (subscapularis) infra-espinhoso (infraspinatus). .2) Constituição óssea do braço: úmero 3. uma face inferior e uma base. curta porção do bicípte braquial (bíceps braquialis) e pequeno peitoral (pectoralis minor).Duas extremidades ou epífises: superior e inferior 5 . cavidade glenóide está inclinada para cima cerca de 5 graus em relação ao bordo medial da escápula) e a apófise coracóide. interna e posterior) e 3 bordos (anterior.Ângulo superior: inserção do músculo angular da escápula (levator scapulae). par.1) Úmero Osso longo. constituído por um corpo (diáfise) e duas extremidades (epífises.superiormente à cavidade glenóide apresenta o tubérculo supra-glenoideu (inserção da longa porção do músculo bicípte braquial (bíceps braquialis)). superior e inferior) * Constituição anatómica: . interno e externo) . . dá inserção na sua região superior à longa porção do músculo bicípte braquial (bíceps braquialis) e na inferior à longa porção do tricípte braquial (tríceps braquialis). um bordo externo (inserção do ligamento coraco-acromial).

Corpo: .Face interna: no seu 1/3 superior insere-se o músculo coraco-braquial (coracobrachialis) . .Apresenta a cabeça umeral (superfície articular que representa 1/3 de esfera).* Principais referências anatómicas: . a cabeça do úmero encontra-se girada cerca de 30 graus. formando um ângulo de inclinação de aproximadamente 135 graus com o eixo longo do corpo do úmero. o colo cirúrgico (delimita a extremidade superior relativamente ao corpo umeral).Face posterior: apresenta um sulco oblíquo de cima para abaixo e de dentro para fora (canal de torsão ou sulco radial) para o nervo radial e a artéria umeral profunda.Extremidade superior: . o tubérculo (tuberosidade) menor ou troquino (onde se insere o músculo subescapular (subscapularis)). Em relação ao eixo transverso que passa através da articulação do cotovelo.Face externa: apresenta o “V” ou impressão deltoideia (inserção do músculo deltóide (deltoideus) no lábio superior e do músculo braquial anterior (anticus) no lábio inferior) .Participa na articulação gleno-umeral . o colo anatómico. no lábio anterior da goteira bicipital insere-se o músculo grande peitoral (pectoralis magnus) e no seu lábio posterior os músculos grande redondo (teres major) e grande dorsal (latíssimus dorsi) A cabeça do úmero está orientada medial e superiormente. por cima deste sulco insere-se a cabeça lateral do músculo tricípte braquial (tríceps braquialis) e por baixo a cabeça medial do músculo tricípte braquial (tríceps braquialis). 6 .Bordo interno: nele insere-se o septo intermuscular interno . a goteira bicipital (entre o troquino / pequena tuberosidade e o troquiter / grande tuberosidade. nele insere-se o septo intermuscular externo . o tubérculo (tuberosidade) maior ou troquiter (onde se inserem os músculos supra-espinhoso (supraspinatus).Bordo anterior ou linha áspera . infra-espinhoso (infraspinatus) e pequeno redondo (teres minor)).Bordo externo (lateral): interrompido pelo sulco radial. dá passagem à longa porção do músculo bicípte braquial (bíceps braquialis)).

Extremidade inferior: . posterior e interna) e 3 bordos (anterior.Um corpo ou diáfise: 3 faces (anterior. a fossa radial. na região inferior é arredondada para o quadrado pronador (pronador quadratus).Apresenta o côndilo (capitulo) umeral. . 7 .Face anterior: na região superior é côncava para inserção do músculo flexor profundo dos dedos (flexor digitorum profundus). o epicôndilo umeral lateral (superfície externa) e a epicôndilo umeral medial (superfície interna. a fossa coronóide. .Participa na articulação do cotovelo (rádio-umeral e úmero-ulnar). por baixo desta superfície apresenta-se dividida em duas partes por uma crista longitudinal (na parte externa da crista inserem-se os 4 músculos do plano profundo da região posterior do antebraço e na parte interna encontra-se o cubital posterior (extensor carpi ulnaris). a tróclea umeral. ..Corpo (prismático triangular. par.3) Os ossos do antebraço: ulna (cúbito) e rádio 3. localizado na região interna do antebraço * Constituição anatómica . composto por 3 faces e 3 bordos): .Face interna: na região superior inserem-se feixes do músculo flexor profundo dos dedos (flexor digitorum profundus) .Duas extremidades ou epífises: superior e inferior * Principais referências anatómicas: . na região inferior o quadrado pronador (pronador quadratus). assimétrico.1) Ulna Osso longo.3.Bordo anterior: na região superior insere-se o músculo flexor comum dos dedos.Face posterior: a região superior apresenta uma superfície triangular para inserção do ancónio. a fossa olecraniana (limita posteriormente e em cima a tróclea umeral). posterior e externo) . também denominada epitróclea) 3.

3. o olecrânio (localizado posteriormente. 3.Duas extremidades ou epífises: superior e inferior * Principais referências anatómicas .2) Rádio Osso longo.Extremidade inferior: . apresenta uma curvatura anterior côncava para a frente e uma curvatura interna côncava para dentro. está recoberta inferiormente por fibro-cartilagem articular) e a apófise estilóide da ulna. . aloja-se na fossa olecraniana durante a extensão do cotovelo).Mais volumosa que a do rádio. assimétrico. cubital anterior (flexor carpi ulnaris) e cubital posterior (extensor carpi ulnaris). nele insere-se o ligamento interósseo.Apresenta a cabeça da ulna (articula externamente com a cavidade sigmoide do rádio.Extremidade superior: .Bordo posterior: em forma de S itálico dá inserção ao músculo flexor profundo dos dedos (flexor digitorum profundus). descrevendo-se 3 faces e 3 bordos. inferior e posterior) .Corpo: . par. . posterior e externa) e 3 bordos (anterior. localizado na região externa do antebraço (na região interna encontra-se a ulna) * Constituição anatómica .Apresenta a grande cavidade sigmoide (cavidade articular para a tróclea umeral).Um corpo ou diáfise: 3 faces (anterior.Bordo externo: cortante.Prismático triangular. contribui para formar duas articulações (rádio-ulnar superior e rádio-umeral) . as suas dimensões são crescentes de cima para baixo 8 . a pequena cavidade sigmoide (articular com a região interna da cabeça do rádio) e a apófise coronóide (aloja-se na fossa coronóide durante a flexão do cotovelo) ..

Face superior: estabelece a ligação com a diáfise radial . Na extremidade superior identificam-se ainda o colo (representa a transição entre a cabeça e o corpo. um interno (para a passagem dos tendões dos músculos extensor do indicador (extensor indicis) e extensor comum dos dedos (extensor digitorum) e um externo (para passagem do músculo longo extensor do 1º dedo (extensor pollicis longus) 9 .Extremidade superior: . apresenta o orifício nutritivo. articula com o carpo. A face superior da cabeça é deprimida constituindo a cavidade glenóide do rádio (articular com o côndilo umeral). no 1/3 superior insere-se o músculo curto supinador e no 1/3 médio o redondo pronador (pronador teres).. .Face posterior: apresenta dois sulcos.Apresenta uma formação volumosa denominada cabeça do rádio (segmento de cilindro com 2 cm de diâmetro e 0.Face anterior: plana. formando com este o ângulo cervicodiafisário) e a tuberosidade bicipital (para a inserção do tendão terminal do músculo bicípte braquial (bíceps braquialis)). O contorno da cabeça constitui uma superfície articular para a pequena cavidade sigmoide da ulna (articulação rádio-ulnar superior).8 cm de altura).Extremidade inferior: . apresenta a apófise estilóide do rádio .Representa a parte mais volumosa do osso. estando constituída por seis faces: . no seu 1/3 superior está recoberta pelo músculo curto supinador. .Face posterior: arredondada. nos seus 2/3 superiores insere-se o músculo flexor longo do polegar (flexor pollicis longus) e no 1/3 inferior o quadrado pronador (pronador quadratus).Bordo anterior: inicia-se na tuberosidade bicipital . .Bordo interno (medial): delgado e cortante. oferece inserção ao ligamento interósseo .Face anterior: plana. .Face externa: convexa e redonda.Bordo posterior: pouco marcado e delgado . a restante superfície é rugosa dando inserção aos músculos longo abdutor do 1º dedo (abductor pollicis longus) e curto extensor do 1º dedo (extensor pollicis brevis).Face inferior: de forma triangular. corresponde ao músculo quadrado pronador (pronador quadratus) .

unciforme (hamate).Corpo: côncavo anteriormente.Extremidade inferior ou distal (cabeça): articular para a 1ª falange. . interna.Fila inferior ou 2ª fila (apresenta da região externa para a interna): trapézio.2) Ossos do metacarpo O metacarpo está constituído por 5 ossos. trapezóide.1) Ossos do carpo O carpo está constituído por 8 ossos distribuídos em duas filas: . . grande osso (capitate). com maior ou menor regularidade e têm seis faces (superior.Todos estes 8 ossos apresentam uma forma de cubo. .Face externa (lateral): apresenta 2 sulcos. . . piramidal (triquetrum) e pisiforme. os metacarpos são ossos longos que apresentam um corpo e duas extremidades (superior e inferior): . os metacarpos.Face interna (medial): apresenta a cavidade sigmoide do rádio que articula com a cabeça da ulna (articulação rádio-ulnar inferior) 3. inferior. anterior e posterior) 3. semi-lunar (lunatum). externa.Fila superior ou 1ª fila (apresenta da região externa / lateral para a interna / medial): escafóide.4) Os ossos da mão A mão é constituída por 27 ossos distribuídos segundo três grupos: a) Ossos do carpo (punho) b) Ossos do metacarpo c) Ossos dos dedos (falanges) 3.4.Extremidade superior ou proximal (base): tem duas facetas não articulares e três facetas articulares (uma para o carpo e duas para cada um dos metacarpos próximos).. numerados de I a V do polegar ao mínimo. um interno (para os tendões dos músculos 1º e 2º radiais externos) e um externo (para os tendões dos músculos longo abdutor do 1º dedo (abductor pollicis longus) e curto extensor do 1º dedo (extensor pollicis brevis)). 10 .4. é prismático triangular com três faces e três bordos.

indicador. anelar e mínimo). polegar. estando constituídos no seu conjunto por um total de 14 ossos (as falanges). segunda ou média e terceira ou distal).Faceta no bordo interno / medial do acrómio 11 .1) Articulações da cintura escapular 4.Articulações intrínsecas da mão: do punho com os metacarpos.Faceta na extremidade externa / lateral da clavícula . 4.4.Articulações do punho: do rádio com os ossos do punho (rádio-cárpica) e do rádio com a ulna (rádio-cubital inferior) . . .Cada dedo apresenta três falanges (primeira ou proximal.Articulações do cotovelo: do rádio e da ulna com o úmero (rádio-umeral e ulno-umeral) e do rádio com a ulna (rádio-ulnar superior) .Articulações da cintura escapular: do acrómio com a clavícula (acrómio–clavicular) e da clavícula com o esterno e 1ª costela (esterno-costo-clavicular) .1) Articulação acrómio-clavicular Esta articulação faz a ligação da extremidade externa da clavícula ao bordo interno do acrómio.3) Ossos dos dedos .Superfícies articulares: . médio. . 4) Articulações do Membro Superior O membro superior apresenta os seguintes grupos articulares: . É uma articulação sinovial do tipo artrodia (movimentos limitados de deslizamento).Os dedos são referidos de I a V (respectivamente.1.Articulação do ombro: do úmero com a escápula (gleno-umeral) . dos metacarpos com os dedos (metacarpo-falângica) e das falanges entre si (inter-falângicas).As falanges são ossos longos constituídos portanto por um corpo e duas extremidades (superior e inferior). à excepção do I dedo que apenas tem duas (primeira ou proximal e segunda ou distal).3.

mas fundamentais para a dinâmica da cintura escapular e membro superior. Estendem-se da apófise coracóide da escápula à superfície inferior da clavícula.Menisco (fibro-cartilagem que facilita a coaptação das superfícies articulares) . do tipo encaixe recíproco.Superfícies articulares: . bem como para toda a eficiência do membro superior.2) Articulação esterno-costo-clavicular Esta articulação promove a união da cintura escapular ao tórax. nomeadamente com movimentos de rotação sobre o seu próprio eixo) 4. formando entre si um ângulo de cerca de 90º) .Cápsula articular . 12 .1ª cartilagem costal (superfície triangular na sua região interna e superior) .Movimentos: . compatibilizando a exigência de estabilidade (ponto fixo para diferentes músculos) e peça móvel (em diferentes planos.Cápsula articular . esterno-clavicular posterior. a exigência cinética da clavícula é exigente..Ligamento acrómio-clavicular superior .Meios de união: .4 Ligamentos: esterno-clavicular anterior. superior ou inter-clavicular (transversal) e condro-costo-clavicular (o mais importante). É uma articulação sinovial.Meios de união: .Manúbrio esternal (através da incisura clavicular) . decisiva na estabilidade da clavícula e cintura escapular. são fundamentais para a estabilidade e dinâmica deste complexo articular.Fibro-cartilagem interóssea (menisco).Clavícula (superfície na sua extremidade interna com duas facetas.1. inconstante . reduzidos. uma vertical e outra horizontal.Ligamentos coraco-claviculares: conóide (postero-interno) e trapezóide (ânteroexterno). .Movimentos de deslizamento. .Ligamento acrómio-clavicular inferior .

Movimentos de elevação e descida (embora de pequena amplitude).Bordelete glenoideu ou fibro-cartilagem de ampliação (factor de ampliação e de estabilização articular.Movimentos: .Superfícies articulares: . faz a união entre o membro superior e a cintura escapular . . forma com a diáfise um ângulo de 135º).3) Ligamentos próprios da escápula .Cabeça do úmero (regularmente esférica.4 Ligamentos: .1.Cavidade glenóide da escápula (ângulo superior-externo / lateral da escápula) .Ligamento transverso inferior da escápula (espinho-glenoideu): da espinha da escápula ao rebordo posterior da cavidade glenóide 4.2) Articulações do ombro: articulação gleno-umeral É uma articulação sinovial com amplitudes articulares em todos os planos de movimento (enartrose). 4. .Ligamento coraco-acromial: do acrómio à apófise coracoide. disposto na periferia da cavidade glenóide) .Ligamento transverso superior da escápula (coracoideu): de uma extremidade à outra da incisura coracoideia . 13 . mas extremamente laxa permitindo amplos movimentos) .Meios de união: . representa 1/3 de esfera.Cápsula articular (fibrosa. representa a abobada de um espaço de deslizamento do músculo supra-espinhoso (supraspinatus) (espaço sub-acromial). de projecção anterior e posterior e de rotação.Ligamento superior ou coraco-umeral: da base e bordo externo da apófise coracóide ao troquiter e troquino (tubérculo maior e menor do úmero) (onde termina por 2 feixes distintos). também denominado ligamento suspensor..

.1) Articulação do úmero com o rádio e a ulna .Do úmero com os ossos do antebraço . com amplitudes em todos os planos (flexão-extensão no plano sagital.Ligamento gleno-umeral inferior: da região anterior e inferior do rebordo glenoideu ao colo cirúrgico do úmero (é o mais resistente dos três ligamentos.3. também se denomina pela sua forma de articulação esferoidal. local de frequente luxação anterior da cabeça umeral.Ligamento gleno-umeral médio: da região superior do bordelete e da superfície óssea vizinha até à base do troquino. rotação interna-externa no plano horizontal.Ligamento gleno-umeral superior: da região superior do bordelete glenoideu e da superfície óssea vizinha. Entre este ligamento e o superior existe um orifício oval (de Weitbrecht).Extremidade inferior do úmero: tróclea umeral (articula com a grande cavidade sigmoide da ulna) e capítulo/côndilo umeral (articula com a cavidade glenóide do rádio) 14 . até ao colo anatómico do úmero .Movimentos: Trata-se de uma diartrose.3) Articulações do cotovelo O cotovelo representa um complexo articular que estabelece a união do braço com o antebraço. distinguem-se 2 tipos de articulações: . 4.A articulação da ulna com o úmero é uma trocleartrose e a do rádio com o úmero uma condilartrose .Das epífises superiores do rádio e da ulna 4. e movimentos de circundação em cone de vértice na cavidade glenóide).Superfícies articulares: . fundamental enquanto elemento de estabilidade gleno-umeral) . dirige-se transversalmente para fora. uma zona frágil da região anterior do ombro. . adução-abdução no plano frontal.

.Extremidade superior do rádio: cavidade glenóide ou tacícula (articula com o côndilo umeral) .Superfícies não articulares: .Extremidade superior da ulna: grande cavidade sigmoide (incisura tróclear) que termina em baixo e à frente na apófise coronóide e em cima no olecrânio (articula com a tróclea umeral) . um médio (do epicôndilo medial à apófise coronóide) e um posterior ou de Bardinet (do epicôndilo medial ao olecrânio). apresenta fibras transversas. apresenta dois feixes mais salientes. pronoçãosupinação) .Cápsula articular: contém na mesma cavidade as articulações dos ossos do antebraço entre si e com o úmero . anteriormente). um médio (do 15 .Ligamento anterior: reforça fortemente a cápsula articular.Meios de união: . um feixe anterior (do epicôndilo medial à apófise coronóide)..Na extremidade superior rádio: colo radial Estas superfícies não articulares do úmero. resistente e em forma de leque apresenta 3 feixes.Ligamento lateral interno: grosso.Ligamento lateral externo: semelhante ao anterior. Verifica-se ainda a existência de um feixe arqueado ou ligamento de Cooper (do olecrânio à apófise coronóide). um oblíquo interno e um oblíquo externo .Na extremidade superior da ulna: olecrânio (posteriormente) e tuberosidade da ulna (região anterior) . um feixe anterior (do epicôndilo lateral à pequena cavidade sigmoide. apresenta 3 feixes. epicôndilos lateral e medial. do rádio e da ulna aumentam a disponibilidade angular dos movimentos do cotovelo (flexão-extensão.Ligamento posterior: mais delgado que o anterior.Na extremidade inferior do úmero: fossa olecraniana. oblíquas ou inferiores e verticais . . coronóide e radial.

Ligamento anular: cinta fibrosa e resistente.Movimentos: O movimento de flexão-extensão (plano sagital) é o principal movimento.Movimento rotatório denominado de pronação-supinação (movimento de rotação dos ossos do antebraço em torno do seu eixo de forma que a palma da mão fica virada para trás com o polegar para dentro na pronação e virada para a frente com o polegar para 16 . os pequenos movimentos de lateralidade (inclinação lateral ou varus e valgus) são muito limitados. desde a pequena cavidade sigmoide ao colo do rádio .epicôndilo lateral à pequena cavidade sigmoide. Os movimentos de pronação e supinação exigem também integridade deste complexo articular.Ligamento quadrado de Denucé: fibroso e quadrilátero.Meios de união: . particularmente pela tensão dos ligamentos laterais do cotovelo (amplitude de apenas alguns milímetros.2) Articulação rádio-ulnar superior .Rádio: faceta cilíndrica em torno da cabeça radial . considerando a ulna uma peça estável e o rádio como elemento móvel. em função da laxidez ligamentar específica do indivíduo).Cápsula articular (representada pela cápsula da articulação do úmero com o rádio e a ulna) .3. envolvendo a cabeça radial (de uma extremidade à outra da pequena cavidade sigmoide) . 4.Ulna: pequena cavidade sigmoide (incisura radial) .Superfícies articulares: .Articulação do tipo trocoide .Movimentos: . posteriormente) e um posterior (do epicôndilo lateral ao olecrânio). .

Meios de união: . apresenta semelhanças com uma cavidade glenóide 17 .Ligamento triangular: superfície fibro-cartilaginea triangular com base na cavidade sigmoide do rádio e vértice na cabeça da ulna próximo da apófise estilóide .Movimentos: movimentos articulares rotacionais de pronação-supinação (já referidos na articulação rádio-ulnar superior) 4.A articulação do punho une os ossos do antebraço ao carpo. contudo essencial nos movimentos de pronação-supinação do antebraço pelo que se descreve de seguida) .4) Articulação do punho .Superfícies articulares: .Extremidade inferior do rádio: de forma triangular. anatomicamente incluída nas articulações do punho. 4. É uma articulação do tipo condiliana.fora na supinação).Extremidade inferior do rádio: cavidade sigmoide . mantendo-se esta como praticamente fixa. estando contudo separada deste pelo ligamento triangular) . uma supero-externa (que se articula com a cavidade sigmoide do rádio) e outra inferior (que se relaciona com o carpo. Verifica-se essencialmente uma rotação do rádio em volta da ulna.Articulação do tipo trocoide embora menos regular que a anterior.Ligamento triangular .3.3) Articulação rádio-ulnar inferior .Superfícies articulares: . .Cápsula articular . é também denominada de rádiocárpica já que a principal superfície articular é o rádio.Ligamentos rádio-ulnares anterior e posterior .Extremidade inferior da ulna: cabeça ulnar que apresenta duas facetas articulares.

semilunar e piramidal (o escafóide e em menor extensão o semilunar correspondem à superfície radial e ligamento triangular. adução-abdução e circundação. 4.5) Articulações intrínsecas da mão Estas articulações dividem-se em 5 grupos: .Articulações dos metacarpos com as primeiras falanges (articulação metacarpofalângica) . os movimentos de rotação são muito limitados.Articulações dos metacarpos entre si (articulações inter-metacarpicas) .O escafóide articula com o semilunar.Ligamento lateral interno (medial): da apófise estilóide da ulna.Ligamento lateral externo (lateral): da apófise estilóide do rádio ao escafóide .Movimentos: movimentos de flexão-extensão. um interno ou ulna-cárpico e um externo ou rádio-cárpico . estende-se do rádio ao semilunar e piramidal .Articulações do carpo com os metacarpos (articulações carpo-metacárpicas) . terminando por 2 feixes.1) Articulações do carpo . este com o piramidal e este com o pisiforme 18 ..Cápsula articular .5.Face interior do ligamento triangular (na região interna da articulação rádio-cárpica) .Superfície cárpica: em forma de côndilo constituído pelos ossos escafóide. enquanto o piramidal só articula com o ligamento triangular) .Articulações das falanges entre si (articulações inter-falângicas) 4.Ligamento posterior: fino e pouco resistente.Meios de união: . um anterior para o pisiforme.Ligamento anterior: formado por dois feixes. outro posterior para o piramidal .Articulações dos ossos do carpo entre si (articulações do carpo) .Articulações dos ossos da 1ª fila entre si: .

semilunar e piramidal articulando com o osso grande e o unciforme) . palmares (anteriores) e dorsais (posteriores) . circundação e de oponência do polegar.Articulações carpo-metacárpicas dos 4 últimos dedos: articulações do tipo artrodias. o III metacarpo com o grande osso.Articulações dos ossos da 2ª fila entre si: . palmares (anteriores) e dorsais (posteriores) . o IV metacarpo com o grande osso e o unciforme. com deslizamentos que podem ampliar os do punho 4.Os movimentos são de pequena amplitude. apresentando movimentos de deslizamento . posteriores e interósseos. este com o grande osso e este com o unciforme .5. Permite movimentos de flexão-extensão. Os meios de união incluem ligamentos anteriores.Os meios de união incluem os ligamentos dorsais (posteriores).O trapézio articula com o trapezóide. Os meios de união incluem ligamentos anteriores.Articulação das duas filas entre si (articulação dos ossos da 1ª fila à excepção do pisiforme com os da 2º fila) . O II metacarpo articula-se com o trapézio. apresentando movimentos de deslizamento . palmares (anteriores) e laterais (interno e externo) . 19 . .Articulação carpo-metacárpica do polegar: articulação do tipo encaixe recíproco que une o trapézio com o I metacarpo. Permitem apenas movimentos de deslizamento de muito pequena amplitude.São artrodias. o trapezóide e o grande osso..2) Articulações carpo-metacárpicas . adução-abdução.Como meios de união encontram-se ligamentos interósseos. posteriores e interósseos.Identificam-se dois compartimentos articulares.São artrodias.Os meios de união estão constituídos pelos ligamentos interósseos. o V metacarpo com o unciforme. o externo representa uma artrodia (escafóide articulando com o trapézio e o trapezóide) e o interno uma condilartrose (escafóide.

São condilianas e permitem movimentos de flexão-extensão. 4. ligamentos palmares e ligamentos laterais (interno e externo).5.5. palmares e dorsais.4.5. ligamentos laterais (interno e externo) e ligamento transverso. 20 .3) Articulações inter-metacarpicas Articulações entre as extremidades proximais dos 4 últimos metacarpos (o I metacarpo é independente).5) Articulações inter-falângicas São trocleartroses. com uma cápsula. Os meios de união incluem ligamentos interósseos. Apresentam fibro-cartilagem de ampliação. Permitem movimentos de flexão-extensão e movimentos passivos de lateralidade mas muito limitados. São classificadas como artrodias. cápsula articular. rotação e circundação. 4.4) Articulações metacarpo-falângicas Unem a extremidade distal dos metacarpos com a extremidade superior da 1ª falange. adução-abdução.

feixes médios no bordo posterior do acrómio e região vizinha da espinha do escápula e feixes inferiores também na espinha da escápula 21 . na protuberância occipital.Externas: feixes superiores com inserção no 1/3 externo / lateral do bordo posterior e face superior da clavícula. de forma triangular (com base desde o occipital a D12 e vértice na região acrómio-clavicular) . largo.Músculos da mão (intrínsecos e extrínsecos) 5.Inserções: . plano médio (grande rombóide (rhomboideus major). no ligamento cervical posterior e nas apófises espinhosas de C7 a D11/D12 .1. ser classificados em: .Músculos do antebraço .Músculos do braço .Internas: entre as linhas nucais do occipital. da superfície para a profundidade: plano superficial (do trapézio (trapezius) e grande dorsal (latíssimus dorsi)). de acordo com a sua distribuição topográfica.1) Músculos do ombro e da cintura escapular 5. pequeno rombóide (rhomboideus minor) e angular da escápula (levator scapulae) e plano profundo (do grande dentado (serratus anterior). pequeno peitoral (pectoralis minor) e subclávio) A) Plano superficial * Trapézio (trapezius) Superficial.5) Músculos do membro superior Os músculos do membro superior podem.Músculos do ombro e da cintura escapular .1) Músculos da cintura escapular São sete músculos distribuídos em três planos.

extensão e rotação da cabeça . face externa das 3 últimas costelas .Com ponto fixo na escápula: promove movimentos de flexão lateral. rotador interno / medial e também retropulsor do braço .Com o corpo suspenso pelos membros superiores: eleva o tronco (acção de trepar) * Grande dorsal (latíssimus dorsi) Músculo fino e triangular que se situa entre a região axilar e a coluna vertebral . crista sagrada. nervo tóraco-dorsal) .Acção: .Ponto fixo na coluna vertebral: adutor.Enervação: .Ramo terminal do nervo espinhal (XI par) e plexo cervical profundo . Colocado entre o bordo interno da escápula e a coluna vertebral 22 .Internamente: apófises espinhosas de D6 a L5.Com ponto fixo na coluna vertebral: eleva o ombro e faz a adução da escápula .Enervação: .Externamente: no lábio posterior da goteira bicipital do úmero (onde também se insere o tendão do músculo grande redondo (teres major) .Inserções: ..Por um nervo com origem no tronco secundário posterior do plexo braquial (nervo do grande dorsal.Ponto fixo no úmero: eleva o tronco (acção de trepar) B) Plano médio * Rombóide (rhomboideus major e minor) Músculo delgado e largo.Acções: . situado na região inferior da nuca e superior da região dorsal. 1/3 posterior do lábio externo da crista ilíaca.

Inserções: .Inserções: .Enervação: plexo braquial (nervo do rombóide.Acção: .Ponto fixo na coluna vertebral: adutor da escápula .Externamente: bordo interno (espinhal) da escápula Este músculo pode ser dividido em 2 feixes: rombóide superior (pequeno rombóide) e rombóide inferior (grande rombóide) (rhomboideus minor e major) .Inserções: . promovendo a união do bordo espinhal da escápula ao tórax . facilitando o abaixamento do ombro * Angular da escápula (levator scapulae).Acção: . também denominado elevador da escapula Músculo triangular situado na região lateral da coluna cervical e da nuca .Internamente: ligamento cervical posterior e apófises espinhosas de C7 a D5 .Ponto fixo na escápula: inclinação homolateral da coluna cervical C) Plano profundo * Grande dentado (serratus anterior) Músculo largo e radiado. proveniente das 4ª e 5ª raízes cervicais) .Imprime à omoplata um movimento de báscula.Superiores: tubérculos posteriores das apófises transversas de C2 a C4 e apófise transversa do atlas ..Enervação: plexo braquial (5ª raiz cervical) .Inferiores: ângulo superior da omoplata (escapula) .Ponto fixo nas apófises transversas: eleva a escápula .Nove ou dez primeiras costelas 23 .

Enervação: plexo braquial .Baixa a escápula (cintura escapular) . unindo as costelas à apófise (processo) coracóide .Face externa e bordo superior das 3ª.Inserções: .Promove a abdução da escápula.Acções: . médio e inferior . durante a elevação do membro superior .Fixa a escápula contra a caixa torácica . 4ª e 5ª costelas .Apófise coracóide (conjuntamente com o tendão do músculo coraco-braquial (coracobrachialis)) .fixador da escápula contra a grelha torácica em actividade isométrica (estática) * Pequeno peitoral (pectoralis minor) Situado imediatamente por baixo do grande peitoral (pectoralis magnus).Inserções: .Inspirador acessório (apenas na inspiração forçada).Enervação: plexo braquial (através do nervo longo torácico ou de Charles-Bell) .Enervação: plexo braquial (nervo do pequeno peitoral) .Eleva as costelas (inspirador acessório) * Subclávio .Face inferior da clavícula .Acção: baixa a clavícula e simultaneamente o ombro 24 . elevando as costelas .Bordo espinhal da escápula (nesta inserção encontram-se três feixes de fibras relativamente bem individualizados: feixe superior.Acções: . músculo triangular..Primeira cartilagem costal e primeira costela .

Acção: movimento abdução do braço.Enervação: nervo circunflexo .Inserções: .1. situada na região anterior do tórax e axilar. bordo externo do acrómio (feixe médio) e bordo posterior da espinha da escápula (feixe posterior) . apresenta 4 feixes (clavicular. (supraspinatus.Inserções: . infraspinatus. e um plano profundo (supra-espinhoso (supraspinatus). envolve a articulação gleno-umeral. médio e posterior) . subscapularis) A) Plano superficial * Deltóide (deltoideus) Triangular e volumoso.Internamente (medialmente) (através de 4 feixes): . É constituído por três feixes (anterior. Também flexão e extensão do braço ao nível da articulação gleno-umeral (de acordo com os feixes que se contraem). pequeno redondo (teres minor).5.Superior (através de 3 feixes): 1/3 externo do bordo anterior e face superior da clavícula (feixe anterior).Feixe esternal: face anterior do esterno 25 . teres major.Inferior: impressão deltoideia ( ou V deltóideu) do úmero (na face umeral lateral) . infra-espinhoso (infraspinatus). condro-costal e abdominal) . esternal.2) Músculos do ombro Estes músculos unem a cintura escapular ao úmero e encontram-se distribuídos em dois planos: um plano superficial (deltóide (deltoideus) e grande peitoral (pectoralis magnus)). teres minor. promovendo a união da cintura escapular à diáfise umeral. * Grande peitoral (pectoralis magnus) Estrutura volumosa e superficial. grande redondo (teres major) e sub-escapular (subscapularis)).Feixe clavicular: 2/3 internos do bordo anterior da clavícula .

Faceta interna do tubérculo maior do úmero .Externamente: lábio externo da goteira bicipital do úmero .Enervação: plexo braquial (nervo do grande peitoral) . ocupa a fossa infra-espinhosa.Faceta superior do tubérculo maior do úmero .Inserções: .Feixe abdominal: face anterior da bainha do grande recto do abdómen .Inserções: . fazendo a ligação com o tubérculo maior do úmero .Enervação: plexo braquial (nervo supra-escapular) .Fossa infra-espinhosa da escápula .Adutor e rotador interno / medial do braço .Feixe condro-costal: face anterior das primeiras sete costelas e suas cartilagens costais . fazendo a ligação da fossa supra-espinhosa à grande tuberosidade do úmero.Enervação: plexo braquial (nervo supra-escapular) .Acção: rotador externo do braço 26 .Fossa supra-espinhosa da escápula . ocupa a fossa supra-espinhosa ..Acção: abdutor do braço (contribui também como rotador interno / medial ) * Infra-espinhoso (infraspinatus) Plano e triangular.Elevador do tronco (acção de trepar) B) Plano profundo * Supra-espinhoso (supraspinatus) Triangular.Acção: .

Fossa sub-escapular e bordos axilar e espinhoso da escápula .Acção: rotador externo do braço * grande redondo (teres major) Músculo volumoso.Inserções: .Inserções: .* Pequeno redondo (teres minor) Músculo de forma cilíndrica.Acção: adutor e rotador interno do braço. também extensor do braço * Sub-escapular (subscapularis) Músculo triangular ocupando a fossa sub-escapular da escápula .Inervação: plexo braquial (nervo do grande redondo) . fazendo a ligação da escápula ao úmero .Tubérculo menor do úmero (troquino) 27 .Inserções: .Lábio interno da goteira bicipital úmero (onde também se insere o tendão do grande dorsal) . acompanhando o bordo externo do músculo infra-espinhoso (infraspinatus) .Bordo externo (axilar) da escápula. ângulo inferior da escápula e septo que o separa do infra-espinhoso (infraspinatus) e pequeno redondo (teres minor) .Faceta inferior do tubérculo maior (troquiter) do úmero .Bordo axilar da escápula e no septo que o separa do grande redondo (teres major) e infra-espinhoso (infraspinatus) .Enervação: plexo braquial (ramo do nervo circunflexo) .

Flexor do antebraço sobre o braço .2) Músculos do braço Os músculos do braço dividem-se topograficamente em duas regiões: anterior e posterior 5.Acção: rotador interno e adutor do braço 5.Acção: .1) Região anterior Constituída por três músculos (bicípte braquial (bíceps braquialis). distribuído da escápula ao rádio .2..Supinador quando o rádio está em pronação (principal supinador) 28 .Inserções: .Inserção superior: . percorrendo depois a goteira bicipital) . existe ainda uma expansão aponevrótica que vai cobrir os músculos que se inserem no epicôndilo medial .Enervação: nervo músculo-cutâneo (plexo braquial) .Curta porção: apófise / processo coracóide da escápula (por um tendão comum com o coraco-braquial (coracobrachialis)) .Inserção inferior: tendão comum terminal insere-se na tuberosidade bicipital do rádio. braquial e coraco-braquial (coracobrachialis)) * Bicípte braquial (bíceps braquialis) Composto na sua origem por duas porções (curta e longa porção).Longa porção: bordo superior da cavidade glenóide da escápula (a longa porção tem um trajecto intra-articular.Enervação: plexo braquial (nervos superior e inferior) .

Superiormente: apófise coracóide na escápula (por um tendão comum com a curta porção do bicípte braquial (bíceps braquialis)) .Acção: leva o braço para dentro (adução) e para a frente (flexão) 5.Acção: flexor do antebraço sobre o braço * Coraco-braquial (coracobrachialis) .Inserções: .Enervação: nervo músculo-cutâneo (plexo braquial) .Inferiormente: apófise coronóide da ulna .2) Região posterior Constituída por um só músculo.Longa porção: bordo inferior da cavidade glenóide (tubérculo infra-glenoideu) . o tricípte braquial (tríceps braquialis) * Tricípte braquial (tríceps braquialis) .Constituído superiormente por três feixes que inferiormente terminam sob a ulna.Enervação: nervo músculo-cutâneo (plexo braquial) . Estes feixes são o vasto interno (medial).Inserções: .Inserções superiores: .2.Vasto externo( lateral): na face posterior do corpo do úmero por cima e para fora do sulco de torsão do nervo radial 29 .Inserções: .Superiormente: lábio inferior da impressão deltoideia e faces ântero-interna e anteroexterna do corpo do úmero . o vasto externo (lateral) e a longa porção do tricípte braquial (tríceps braquialis) .Inferiormente: face interna do corpo do úmero (por cima da sua porção média) .* Braquial anterior (anticus) .

5. pequeno palmar (palmaris longus).Superiormente: dois feixes. um com inserção no epicôndilo medial (feixe epitroclear).Enervação: nervo mediano . cubital anterior (flexor carpi ulnaris) . flexor longo do polegar (flexor pollicis longus) .Inserções: .Inferiormente: região média da face externa do rádio .Segundo plano: flexor superficial dos dedos (flexor digitorum superficialis) .Inserção inferior: olecrânio ulnar .Acção: extensor do antebraço sobre o braço 5.Terceiro plano: flexor profundo dos dedos (flexor digitorum profundus).Acção: pronação do antebraço.Quarto plano: quadrado pronador (pronator quadratus) A) Primeiro plano (epitrocleares / epicondilo medial.3.1) Região anterior Inclui 4 planos musculares (da superfície para a profundidade): . distribuído do epicôndilo medial ao rádio .3) Músculos do antebraço Estão distribuídos segundo três regiões: anterior.Primeiro plano: redondo pronador (pronador teres). acessoriamente flexão do antebraço sobre o braço 30 . superficiais) * Redondo pronador (pronador teres) Músculo plano. outro com inserção na apófise coronóide (feixe coronoideu) . por baixo e dentro do sulco da torsão do nervo radial . externa / lateral e posterior.Vasto interno (medial): na face posterior do corpo do úmero.. grande palmar (flexor carpi radialis).

Inserções: .Inferiormente: aponevrose palmar superficial .* Grande palmar (flexor carpi radialis) .Enervação: nervo mediano . um com inserção no epicôndilo medial (feixe epitroclear).Inferiormente: pisiforme .Enervação: nervo cubital . outro no olecrânio (feixe olecraniano) .Inserções: .Inferiormente: base do II metacarpo .Superiormente: epicôndilo medial e septo intermuscular medial do braço .Superiormente: epicôndilo medial .Acção: flexão da mão sobre o antebraço e deste sobre o braço.Enervação: nervo mediano .Acção: flexor e adutor da mão 31 .Inserções: . acessoriamente abdução e pronação da mão * Pequeno palmar (palmaris longus) Situado internamente em relação ao grande palmar (flexor carpi radialis) .Superiormente: dois feixes.Acção: flexor da mão sobre o antebraço e tensor da aponevrose palmar * Cubital anterior (flexor carpi ulnaris) Localizado internamente relativamente aos precedentes .

acessoriamente flexor da mão sobre o antebraço C) Terceiro plano * Flexor profundo dos dedos (flexor digitorum profundus) (flexor perfurante) .Enervação: .Feixes internos: nervo cubital (ulnar) 32 .Feixes externos: nervo mediano . um que se insere no epicôndilo medial e na apófise coronóide (feixe úmero-ulnar) e outro que se insere no bordo anterior do rádio (feixe radial) .Inferiormente: os tendões terminais inserem-se na segunda falange dos 4 últimos dedos (por duas linguetas) Cada tendão superficial forma ao nível dos dedos um anel através do qual passa o tendão flexor profundo dos dedos (flexor digitorum profundus). termina nos 4 últimos dedos . .B) Segundo plano * Flexor superficial dos dedos (digitorum superficicialis) (flexor perfurado) Situado por baixo dos anteriores (segundo plano).Superiormente: face anterior da ulna e ligamento interósseo .Inferiormente: os tendões terminais inserem-se na base da terceira falange dos 4 últimos dedos (tendões perfurantes.Acção: flexor da segunda falange sobre a primeira e desta sobre o metacarpo.Inserções: . porque perfuram o tendão do flexor superficial dos dedos (flexor digitorum superficialis)) . razão pela qual também se designa o flexor superficial dos dedos (flexor digitorum superficialis) de flexor perfurado.Superiormente: dois feixes.Enervação: nervo mediano .Inserções: .

Acção: flexão da segunda falange do polegar sobre a primeira. primeiro radial (extensor carpi radialis longus).Inervação: nervo mediano . segundo radial (extensor capi radialis brevis) e curto supinador * Braquiorradial Músculo longo que se estende do úmero ao rádio 33 .3.Acção: pronador do antebraço e mão 5.Acção: flexão da terceira falange sobre a segunda.Face e bordo anterior da ulna (1/4 inferior) .2) Região externa Inclui o músculo braquiorradial. situado na região inferior dos ossos do antebraço .Superiormente: face anterior do rádio e ligamento interósseo . acessoriamente flexão da primeira falange do polegar sobre o I metacarpo D) Quarto plano * Quadrado pronador (pronator quadratus) Plano e quadrilátero..Enervação: nervo interósseo ramo do mediano . acessoriamente flexão da mão sobre o antebraço * Flexor longo do polegar (flexor pollicis longus) Situado no terceiro plano muscular do antebraço .Inserções: .Inserções: .Inferiormente: base da terceira falange do polegar .Face e bordo anterior do rádio (1/4 inferior) .

Enervação: nervo radial .Acção: extensor e abdutor da mão * Segundo radial (extensor carpi radialis brevis) .Enervação: nervo radial .Inferiormente: apófise estilóide do rádio .Superiormente: bordo externo do úmero ..Enervação: nervo radial .Superiormente: bordo externo do úmero (abaixo do sulco de torsão) .Superiormente: epicôndilo lateral do úmero . apenas é supinador quando o antebraço se encontra em pronação forçada * Primeiro radial (extensor carpi radilais longus) .Inserções: .Inferiormente: face posterior da base do II metacarpo .Inferiormente: face posterior da base do III metacarpo .Inserções: .Acção: extensor da mão sobre o antebraço * Curto supinador É o músculo mais profundo desta região .Inserções: .Bordo externo da ulna e ligamento externo do cotovelo .Acção: flexão do antebraço sobre o braço.Face externa e anterior do rádio (desde o ligamento anular do rádio até à inserção do redondo pronador (pronador teres) (pronador teres)) 34 .Inserções (tenho dúvidas): .

Inserções: .Acção: extensor dos dedos da mão e desta sobre o antebraço *Extensor do dedo mínimo (extensor digiti minimi) .. extensor do indicador (extensor indicis)) A) Plano superficial (epicondilianos) * Extensor comum dos dedos (extensor digitorum) Distribuído do epicôndilo lateral aos 4 últimos dedos . subdivididos em 2 planos: um superficial (extensor comum dos dedos (extensor digitorum).Enervação: nervo radial .Inferiormente: 3 feixes. curto extensor do 1º dedo (extensor pollicis brevis).Inferiormente: 5º dedo (une-se ao tendão do extensor comum dos dedos (extensor digitorum) para o mínimo) 35 .3. um feixe médio com um tendão para o 3º dedo e um feixe externo com um tendão para o 2º dedo Cada um dos tendões termina com 3 inserções: uma média para a face posterior de base da 2ª falange e duas laterais para a base da 3ª falange .Acção: supinação do antebraço 5. cubital posterior (extensor carpi ulnaris) e ancónio) e um profundo (longo abdutor do 1º dedo (abductor pollicis longus).3) Região posterior Constituída por 8 músculos.Inserções: .Superiormente: epicôndilo medial . extensor do dedo mínimo (extensor digiti minimi).Superiormente: epicôndilo lateral umeral . um feixe interno com tendões para o 4º e 5º dedos. longo extensor do 1º dedo (extensor pollicis longus).Enervação: ramo posterior do nervo radial .

Inserções: .Inferiormente: olecrânio e 1/3 superior da face posterior da ulna .Enervação: ramo posterior do nervo radial .Inferiormente: base do V metacarpo .Acção: extensor do antebraço sobre o braço B) Plano profundo * Longo abdutor do 1º dedo (abductor pollicis longus) .Enervação: ramo posterior do nervo radial .Superiormente: face posterior da ulna e do rádio e ligamento interósseo .Enervação: ramo posterior do nervo radial .Inferiormente: base do I metacarpo .Inserções: ..Inserções: .Enervação: ramo posterior do nervo radial .Acção: extensor e adutor da mão * Ancónio .Acção: extensor do 5º dedo * Cubital posterior (extensor carpi ulnaris) .Acção: dirige o polegar para fora e para a frente 36 .Superiormente: epicôndilo lateral e bordo posterior da ulna .Superiormente: epicôndilo lateral .

Superiormente: face posterior da ulna e do rádio e ligamento interósseo .Inferiormente: base da 1ª falange do polegar .Superiormente: face posterior da ulna e ligamento interósseo .* Curto extensor do 1º dedo (extensor pollicis brevis) .Acção: estende a 2ª falange sobre a 1ª e acessoriamente a 1ª sobre o I metacarpo * Extensor do indicador (extensor indicis) . 37 .Inferiormente: une-se ao tendão do extensor comum dos dedos (extensor digitorum) para o 2º dedo.Enervação: ramo posterior do nervo radial . do aparelho flexor dos dedos (m perfurado e perfurante).Enervação: ramo posterior do nervo radial . de adução e abdução dos dedos.Acção: extensor do indicador 5.Acção: extensor e abdutor do polegar * Longo extensor do 1º dedo (extensor pollicis longus) .4) Músculos intrínsecos da mão (interósseos e lumbricóides) . onde termina . estabilização metacarpo-falângica.Superiormente: face posterior da ulna e ligamento interósseo .Inserções: .Inervação: ramo posterior do nervo radial .Inserções: .Acção.Inferiormente: 2ª falange do polegar .Inserções: .

são definidos como o movimento de afastamento ou aproximar do braço ao tronco. a) No plano sagital descreve-se a flexão como o movimento em que o braço se dirige da posição anatómica de referência para a frente e apresenta em termos médios uma mobilidade de 180 graus. mantendo a escápula a uma distância constante do tronco. Localizada na extremidade lateral da clavícula está a articulação acrómio-clavicular que.6) Anatomia Funcional do Membro Superior 6. rotação (abdução-adução da escápula) e projecção anterior e posterior. * Ainda no complexo do ombro encontra-se a articulação gleno-umeral que é considerada a mais móvel do corpo humano. Qualquer movimento significativo da articulação gleno-umeral envolve também. o “movimento do ombro” descreve o movimento combinado das articulações da cintura escapular. A clavícula funciona assim. como um suporte mecânico. b) Os movimentos de abdução-adução. movimentos da escápula (ritmo escápuloumeral) e movimentos ao nível da articulação esterno-costo-clavicular e acrómioclavicular. conjuntamente com os ligamentos associados. rotação interna-externa. Ao descrever a amplitude de movimento da articulação gleno-umeral considera-se a posição anatómica de referência como o grau zero. no plano frontal. fixam firmemente a escápula à clavícula. é descrita como a projecção do braço para trás (no plano sagital) até à posição zero grau. A extensão. Ao nível desta articulação é passível de realizar movimentos de flexão-extensão. respectivamente. O ponto de contacto entre a face anterior da escápula e a face postero-lateral do tórax é denominada de “articulação escápulo-torácica”. embora não seja uma verdadeira articulação. funcionando estas como uma série de elos que cooperam para maximizar a amplitude de movimento do membro superior. O movimento na “articulação escapulo-torácica” é o resultado directo dos movimentos individuais que ocorrem nas articulações esterno-costo-clavicular e acrómio-clavicular.1. contudo apenas 120 graus se devem à mobilidade ao nível da articulação gleno-umeral. A amplitude máxima em abdução atinge os 180 graus. ao contrário. sendo os outros 60 graus devido à 38 . abdução-adução. Assim. Os movimentos primários da escápula são então: elevação e abaixamento. devido à sua ligação ao esterno.) Complexo do ombro * A articulação mais proximal do complexo do ombro é a articulação esterno-costoclavicular.

no complexo do ombro existe um ritmo cinemático. 6. É a articulação úmero-radial que fornece a maior estabilidade devido ao encaixe junto entre a tróclea umeral e a cavidade sigmóide da ulna (incisura tróclear).2) Complexo do cotovelo e antebraço O complexo do cotovelo e antebraço incluem três ossos (úmero. que conduz a que por cada 3 graus de abdução ao nível gleno-umeral. A partir da posição anatómica de referência são possíveis cerca de 75 a 85 graus de rotação interna e de 60 a 70 graus de rotação externa (grande variação inter-individual). rádio e ulna) e quatro articulações (úmero-ulnar. * As articulações úmero-ulnar e úmero-radial formam o cotovelo. define-se a rotação interna e externa como a rotação ao nível da articulação gleno-umeral que acontece no plano horizontal sobre o eixo longitudinal que corre através da diáfise do úmero. Já na flexão completa a apófise coracóide da ulna encaixa na fossa coronóide do úmero. Este eixo é ligeiramente inclinado para cima (de medial para lateral). também conhecida como abdução horizontal e adução horizontal. que faz com que a ulna se desvie lateralmente em relação ao úmero. rádio-ulnar superior e rádio-ulnar inferior). articulação que permite movimentos de extensão e flexão (este proporcionam um meio de ajuste do comprimento funcional do membro superior). podendo atingir passivamente os 160 39 . Na posição de extensão do cotovelo a ulna está lateralmente desviada do eixo longitudinal do úmero cerca de 18 graus (ligeira abdução/ ulna valga). Os movimentos de flexão e extensão do cotovelo ocorrem sobre um eixo transverso de rotação que passa pelo epicôndilo lateral. aumentam para 90 graus devido ao envolvimento da escápula com movimentos de projecção anterior e posterior. úmero-radial. Assim. No movimento de extensão o olecrânio aloja-se na cavidade olecrâniana do úmero. a amplitude de rotação interna e externa. Em posição de 90 graus de abdução do braço. c) A partir da posição anatómica de referência. denominado de escápulo-umeral. A amplitude máxima do movimento activo é de aproximadamente 5 graus em hiper-extensão (dependente da laxidão ligamentar e resistência oferecida pelos músculos flexores) e até 145 graus para a flexão.abdução da escápula (30 graus por mobilidade ao nível da articulação esterno-costoclavicular e os outros 30 graus por mobilidade ao nível da articulação acrómioclavicular). devido à assimetria da tróclea. ocorram 2 graus de abdução da escápula.

Desta forma. Os movimentos de pronação-supinação são independentes da mão. A amplitude do desvio radial 40 . a meio caminho entre a pronação e a supinação completas.3) Complexo do punho No punho para além da articulação rádio-ulnar inferior (já abordada anteriormente em relação ao movimento de pronação-supinação) podemos encontrar as articulações rádiocárpica (faz a união dos ossos do antebraço com a mão) e entre a fila proximal e distal dos ossos do carpo (contribuem para o movimento do pulso através de pequenos movimentos de deslizamento). A posição de referência zero graus de rotação do antebraço é a posição do “polegar para cima”.graus. pelo que a amplitude total de flexão-extensão é de. O movimento de circundação é uma combinação dos movimentos anteriormente mencionados. Estas duas articulações permitem virar a palma da mão para cima (supinação) e para baixo (pronação) sem necessidade de movimentar o ombro. 170 graus. assim. Os factores limitantes do movimento de flexão são o embate da cabeça do rádio e da apófise coronóide na fossa radial e fossa coronóide. a) Flexão é a inclinação da face palmar da mão sobre a face anterior do antebraço. Em média o antebraço gira até cerca de 75 graus de pronação e 85 graus de supinação 6. b) Desvio radial é o movimento de inclinação lateral da mão para o lado do rádio (abdução) e o desvio ulnar a inclinação no sentido da ulna. Já a extensão é o movimento de inclinação do dorso da mão em direcção à face posterior do antebraço. e ao nível do punho é possível realizar movimentos de flexão-extensão e desvio-radial e desvio-ulnar. Esta mobilidade em termos de pronação-supinação deve-se em parte ao facto dos ossos do carpo apenas se conectarem com o rádio e não com a ulna. o espaço entre a parte distal da ulna e o lado medial dos ossos do carpo permite que os ossos do carpo girem conjuntamente com o rádio sem interferência da epífise distal da ulna. o contacto das massas musculares do antebraço com o braço e a resistência oferecida pelos músculos extensores da articulação do cotovelo * Ao nível do antebraço o rádio e a ulna encontram-se ligados pela membrana interóssea e articulações rádio-ulnar superior e inferior. A amplitude de cada um destes movimentos ronda os 85 graus. não exigem uma rotação nem do úmero nem da ulna e podem ser realizados em conjunto ou independente da extensão/ flexão ao nível do cotovelo. respectivamente. aproximadamente.

coraco-braquial (coracobrachialis). grande dorsal (latíssimus dorsi). tricípte braquial (tríceps braquialis) (longa porção).não ultrapassa os 15 graus. braquial. * Abdução do braço – deltóide (deltoideus) (feixe médio). grande dorsal (latíssimus dorsi). O desvio ulnar máximo é normalmente o dobro do desvio radial. grande peitoral (pectoralis magnus). bicípte braquial (bíceps braquialis) (curta porção). * Rotação externa – infra-espinhoso (infraspinatus). deltóide (deltoideus) (feixe posterior). bicípte braquial (bíceps braquialis) (longa porção). já a amplitude do desvio radial ronda os 45 graus. bicípte braquial (bíceps braquialis). grande redondo (teres major). bicípte braquial (bíceps braquialis) e grande peitoral (pectoralis magnus) (feixe clavicular). * Extensão do braço – deltóide (deltoideus) (feixe posterior). pequeno redondo (teres minor). 7. quadrado pronador (pronador quadratus) 41 . tricípte braquial (tríceps braquialis) (longa porção).3) Articulações rádio-ulnar superior e inferior * Supinação – curto supinador. * Rotação interna – sub-escapular (subscapularis). grande peitoral (pectoralis magnus). grande palmar (flexor carpi radialis). deltóide (deltoideus) (feixe anterior).2) Articulação do cotovelo * Flexão do antebraço – bicípte braquial (bíceps braquialis). supra-espinhoso (supraspinatus). * Extensão do antebraço – tricípte braquial (tríceps braquialis). redondo pronador (pronador teres) (pronador teres). este facto deve-se ao maior contacto do rádio com os ossos do carpo. 7) Sinergias musculares 7.1) Articulação gleno-umeral * Flexão do braço – deltóide (deltoideus) (feixe anterior). * Adução do braço – grande redondo (teres major). grande redondo (teres major). grande dorsal (latíssimus dorsi). braquiorradial * Pronação – redondo pronador (pronador teres). pequeno palmar (palmaris longus). ancónio. braquiorradial. 7.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful