You are on page 1of 14

REFLEXÕES SOBRE A LEITURA: DA IMPORTÂNCIA AO INCENTIVO Ana Paula Barbosa Rossafa Universidade Estadual de Londrina ana_paulauel@hotmail.

com RESUMO O objetivo deste trabalho é refletir sobre a importância da leitura e as formas encontradas para o incentivo da mesma em sala de aula. Portanto, são analisados os resultados obtidos durante a prática de estágio realizada na Escola Profissional e Social do Menor de Londrina, durante o período de abril a novembro de 2011. Esta Instituição Filantrópica atende alunos de baixa renda. Este trabalho está inserido no projeto “Cidadania e linguagem: nas trilhas do texto”, Projeto de Extensão do Departamento de Letras Vernáculas e Clássicas da Universidade Estadual de Londrina (UEL). O presente trabalho utiliza um corpus constituído de textos e trabalhos produzidos pelos alunos do curso de Eletrotécnica, um total de 30 alunos. A presente pesquisa fundamenta-se nos estudos da Linguística Aplicada, tem por base autores como: Cavalcanti, Paulo Freire, Geraldy, entre outros. O objetivo maior deste trabalho é apresentar as dificuldades no dia a dia, o desinteresse dos alunos pela leitura, além de mostrar os resultados obtidos por meio de atividades de incentivação. PALAVRAS-CHAVE: Leitura; Incentivação; Projeto. 1. Introdução

Ultimamente, tem sido tem sido muito discutida a educação no Brasil e no mundo, a situação do ensino escolar, a qualidade do material didático, a instrução dos professores, a preocupação dos pais e o desinteresse do próprio aluno em aprender. Muitas vezes a culpa é jogada de um lado para o outro, sem que haja uma solução para tantos problemas. A educação é algo que precisa ser levada em discussão, ser observada com mais atenção. Existe a necessidade de se acompanhar o desenvolvimento e a forma como tem sido conduzida ao longo dos anos. Falta conscientização das pessoas para perceber o quanto é importante e necessário investir na educação, principalmente nas crianças, já que é na infância que se inicia o processo de alfabetização, aprendizado e o interesse pela leitura. Com o hábito de leitura, não é diferente. Falta conscientização das pessoas em dar importância para esse assunto e adquirir esse hábito tão necessário, esquecem também do valor que a prática da leitura exerce na vida do indivíduo,

1434

muitas vezes não atrai a atenção do leitor. portanto. é natural que nos sintamos desanimados com algumas leituras. criança ou adulto. Definição de LA A disciplina de Linguística Aplicada (LA) tem por característica refletir sobre o processo ensino/aprendizagem da Língua e o seu uso no dia a dia. 2003. a prática da leitura. 2000. leitor cidadão. se estende. democrática e feliz (SILVA. A LA além de refletir o processo ensino/aprendizagem da língua também realiza estudos sobre a interação verbal. Para Foucambert (1997). Segundo Foucambert. com a proposta de fazê-lo por “pouco tempo”. conclui apenas por ser algo obrigatório e de extrema importância. pelas diferentes práticas de leitura. além de relacioná-la com a prática em sala de aula. muitas vezes. mantê-lo inteirado sobre os acontecimentos. a compreensão da leitura. a sensação é de “alívio”: .. a 1435 .“missão (árdua) cumprida! (RANGEL.1. mas por um processo voluntário. ou que.. envolve os diversos domínios do saber. iniciando queiramos interrompê-las. em sala de aula. A leitura tem a capacidade de transformar o indivíduo. o letramento. fazê-lo refletir. ninguém quer seja. como define Rangel: Assim. pode ficar sabendo quais são as suas obrigações e também pode defender os seus direitos.enquanto cidadão que cumpre deveres na sociedade. Cabe a LA valorizar as interações verbais em sala de aula. Nunca é demais lembrar que a prática da leitura é um princípio de cidadania. principalmente quando não se sabe ler e compreender o que está escrito. exigindo esforços. Fundamentação Teórica 2. se e quando chegamos ao fim. com a “desculpa” de “só mais um pouquinho. ou seja. e que custemos a iniciá-las. que o indivíduo adquire conhecimentos. tornando-se algo chato e cansativo. p.” e. principalmente. assim como incentivar a formação e qualificação do professor.25) 2. o “pouco tempo”. através do contato com a leitura e a maneira de se aprender. na verdade. p. além de ficar aberto às conquistas de outros direitos necessários para uma sociedade justa. ou em alguns casos específicos. 24) É por meio da leitura. torna-se leitor sem querer. Sendo assim o leitor percebe-se desmotivado e desinteressado em continuar a leitura.

a LA utiliza alguns métodos que são de extrema importância e precisam ser levados em consideração. A Lingüística Aplicada não se preocupa em encontrar maneiras de “ensinar” a língua. é importante desfazer os equacionamentos da Lingüística Aplicada com a aplicação de teorias lingüísticas e com o ensino de línguas (CAVALCANTI. a prática pedagógica. saber o que se passa na cabeça do outro. E a pesquisa introspectiva – trabalha com as estratégias. A linguagem é o elo que permeia as relações humanas. mas principalmente. não ficar preso às regras e as normas estabelecidas. 09) Para que ocorra esse processo interativo. 3. entre outros. para compreender melhor o que se passa na nossa. ou seja. princípios e metodologia próprios. p. passou a se preocupar com os problemas que surgiram com a aquisição da língua. é o meio de interrogar a escrita. acontece por meio de entrevista. 2 Arte de ler. oportuniza o pensamento. Segundo Foucambert (1997). o processo de alfabetização e a formação do professor. e já começou a desenvolver seus modelos teóricos. Acontece de forma natural entre professor e o aluno. uma técnica que consiste em facilitar o aprendizado do entrevistado. Ela tem um objeto de estudo.produção textual. p. a leitura e a escrita. a Linguística Aplicada apresenta preocupações com questões de uso da linguagem. Segundo Lopes (2000) a Linguística Aplicada trabalha com duas tendências: a pesquisa etnográfica – participação ativa do entrevistado. o ato de ler. 2002. A leitura não é a transmissão de 1436 . 3 Aquilo que se lê (Dicionário Michaelis. 1986. as pesquisas de LA mudaram o seu foco inicial. diário. por meio do protocolo. seja escolar ou não. etc. a formação do professor. Multidisciplinar e abrangente. em qualquer circunstância. A partir da década de 90. a comunicação e a interação entre os indivíduos. Atualmente. criar condições para que o aluno possa aprender a utilizar a linguagem corretamente e saiba usar a língua seja na oralidade ou na escrita. Dada sua abrangência e multidisciplinaridade. O que é Leitura? Leitura: (lat med lactura) sf 1 Ação ou efeito de ler. a elaboração do material didático.465). acompanha o mesmo em diversos ambientes.

uma mensagem. 1997.22). Freire (1993. no sentido profundo do termo. Para que exista a leitura. comprou ou ganhou. MACHADO. p. A leitura da palavra não é apenas precedida pela leitura do mundo. aponta para a necessidade de buscas constantes de conhecimento. nada mais é do que ser questionado pelo mundo e por si mesmo. p. que envolve a compreensão. de transformá-lo através de nossa prática consciente”. que se interessou. isto é um esforço de comunicação entre o escritor. a leitura é uma atividade de assimilação de conhecimentos. mas uma construção induzida. quer dizer. p. certas respostas podem ser encontradas na escrita.20) ressalta que a leitura de mundo precede sempre a leitura da palavra e a leitura desta implica a continuidade da leitura daquele. Silva (2003. é preciso que haja uma interação entre o leitor. Ler.10). É a extensão da escola na vida das pessoas. Segundo Cagliari (1995). Para Brandão (1997). compreendida não só como leitura da palavra mas também como leitura de mundo. folheou e leu o texto (SANDRONI. a leitura. é o resultado da tensão entre leitor e texto. e o leitor. Ao promover a interação entre indivíduos. por meio dela é possível adquirir conhecimentos. Ler. A leitura está associada ao aprendizado. autor e o texto. É uma forma de o indivíduo estar em contato com o mundo. É um dos meios mais eficazes de desenvolvimento sistemático da linguagem e da personalidade. p.19) faz uma referência à leitura como sendo um elemento fundamental para adquirir o saber. que muito contribui para o desenvolvimento do intelecto.10) identifica a leitura como um processo mental de vários níveis. ter acesso a outro tipo de leitura de mundo. p. que elaborou. 1437 . escreveu e teve impresso seu pensamento. significa ter acesso a essa escrita. A leitura é um componente da educação e a educação. Bamberger (2000. o ato de ler é algo extenso e complexo. de interiorização. É também uma forma exemplar de aprendizagem. de reflexão. sendo um processo. deve ser atividade constitutiva de sujeitos capazes de interligar o mundo e nele atuar como cidadão (BRANDÃO. mas por uma certa forma de “escrevê-lo ou de reescrevê-lo. um processo de descoberta. 1998.

de forma a despertar na criança esse gosto tão necessário e importante. A importância do ato de ler. A importância da Leitura Freire (1993). Relembrando os momentos da infância em que teve o primeiro contato com a leitura. de minha adolescência. p. com associações. haja uma interação com a leitura. seja por meio da leitura em casa no dia a dia ou através de estímulos. ressalta a importância da leitura e faz uma avaliação pessoal sobre a sua leitura de mundo. Também é preciso levar em consideração as condições atualmente e a maneira como a leitura tem sido conduzida nas escolas. nem é real leitura. no ambiente familiar. no livro A importância do ato de ler. guardados na memória. nem dela. tomado como pura descrição de um objeto é feita no sentido de memorizá-la. de maneira a estabelecer intercambio entre as ações de informação e formação. p.11).17).Freire (1993. 1438 . em que a compreensão crítica da importância do ato de ler se veio em mim constituindo (FREIRE.11). Silva (1998) argumenta que a importância e a “obrigação” do ato de ler. são requisitos necessários para alunos e professores. p. É por isso também que a formação dos professores deve incluir contato com os pais. desde as experiências mais remotas de minha infância. salienta que a leitura de um texto. com bibliotecas de bairro e de empresa. a criança. a partir das primeiras quanto na escola. Compete aos pais também a prática do incentivo. portanto resulta o conhecimento do objeto que o texto fala. de minha mocidade. 1994. 1993. (FOUCABERT. é preciso em casa. através do ambiente em que vivia e experiências do dia a dia. A leitura adquire uma extrema importância na vida do indivíduo a partir do momento em que o mesmo adquire o hábito e faz da leitura um momento de prazer e de conhecimento de novas culturas. Na escola não deve ser diferente. Para que se inicie o prazer pela leitura. Os pais também precisam estar cientes da importância que a leitura representa na vida de seus filhos. A leitura não é tarefa apenas da escola. 4. eu me senti levado – e até gostosamente – a “reler” momentos fundamentais de minha prática.

22).Que requer liberdade. A formação dos leitores não é tarefa exclusiva dos professores de Língua Portuguesa. g) Fundo . p. d) Bíblica . mas é compromisso de todos educadores. por princípios consistentes (RÖSING.Linguagem científica que se caracteriza pela clareza.. h) Ocasião . O autor Matos (2002) classifica a leitura em: a) Informação . Não foi treinado para ler números.Comunicação íntima entre o texto e o leitor. que formam leitores.Revista em quadrinhos. f) Científica . O professor precisa trabalhar a leitura. não cabe apenas ao professor de língua portuguesa incentivar o hábito de leitura aos alunos. p.Diferentemente do que muitas pessoas pensam. b) Passatempo .Pré-leitura (visão global do texto).Que requer maestria. necessariamente. Repouso . Muitas vezes o aluno não consegue entender um enunciado de uma questão.. c) Literária . A leitura e seus variados modelos se enquadram em algum modelo pré-estabelecido. jornais. mas porque não sabe ler o enunciado do problema [. relações quantitativas. revistas de divulgação. O aluno muitas vezes não resolve problemas de matemática. e) Acadêmica . uma dinâmica multidisciplinar sustentada. problemas de matemática [.. 1996. 1996. 1439 . romances. Tipos de Leitura Existem diversos exemplos de leitura. leitura rápida.Que requer docilidade. não porque não saiba matemática. seja na aula de matemática.148. É um dever de todos aqueles que direta ou indiretamente trabalham com a educação. pelo simples fato de não compreender o que o texto diz. caracterizando.] Porque de fato ele não entende mesmo é o português que lê. Informativa e técnica.. i) j) Estímulo ou Edificação .] Tudo o que se ensina na escola está diretamente ligado à leitura e depende dela para se manter e se desenvolver (CAGLIARI. precisão e objetividade. 5. leitura analítica.Gosto estético e sabor do belo. ciências ou outra disciplina.Que requer ardor. assim. leitura crítica e profunda.Noticiários. seja ela técnica ou não. 149).

trazer esse universo para a escola e dinamizá-lo ininterruptamente junto às novas gerações que precisam ser educadas para se tornarem cidadãs de deveres e de direitos. é possível que o aluno perceba qual a leitura que mais lhe agrada e dessa forma queira manter um contato mais próximo com a leitura do seu interesse e ao mesmo tempo perceber a importância de ler outros materiais. conseguindo assimilá-los e compreendêlos de forma pessoal. p. que interessa mais. Segundo Matos (2002).Bamberger (2000) classifica a leitura em: informativa – leitura de informação e interpretação. incluindo o de ler. Através dessa classificação da leitura.70) argumenta que introduzir uma criança no mundo da leitura é. mesmo que inicialmente não seja uma leitura do seu agrado. literária – leitura de símbolos. artística ou literária – pode propiciar. Sandroni e Machado (1998) apresentam algumas dicas importantes para os pais de modo a despertar o interesse nos filhos e fazer com que os mesmos se interessem pela leitura:    Conte história para seu filho Incentive a prática de leitura Leia livros. A maior parte das pesquisas apontam que um dos primeiros passos para que a criança possa adquirir o hábito de leitura e manter o gosto pela mesma é que os pais tenham contato diário com a leitura em casa. de modo a despertar interesse nos filhos. o estudante descobre que aos poucos está adquirindo pleno domínio sobre os textos. escapista – leitura prazerosa. exatamente. Como incentivar o hábito de leitura a partir da infância Silva (2003. 6. busca da realidade e cognitiva – leitura de compreensão de si mesmo e do mundo. jornais e revistas 1440 . gosto pessoal. Então surge o prazer pela leitura e a vontade de sempre progredir na “arte do estudo”. Já Antunes (2003) argumenta a necessidade de formar leitores que saibam selecionar o material escrito adequado para embrenhar-se em outros mundos que toda leitura – científica.

a escola tem um papel fundamental. Tanto pais quanto professores precisam estar atentos ao interesse do aluno de forma a orientá-lo a procurar um tipo de leitura que satisfaça ao aluno e faça com que ele queria cada vez mais ter contato com outros exemplos de leitura: livros. Ao conquistar o ato de ler para si mesmo. que por tantos outros motivos. jornal. dentro das condições propícias. O que já vem pronto pode e deve ser questionado e reformulado em função das necessidades e interesses tanto dos alunos quanto dos professores (GOMES. satisfaz as necessidades e interesses das várias fases de desenvolvimento. os interesses se modificam (diminuindo o amor da aventura). 2000. Silva (1998. mantém um contato muito próximo com a leitura. p.   Compre livros para ele Converse com a professora Leia o livro que seu filho trouxe da escola Por outro lado. p.20). mais tarde. é a falta de interesse pela leitura. que sintam prazer na leitura. de forma que a leitura se torne algo prazeroso e não apenas obrigatório. de maneira demasiado unilateral. O aluno precisa receber estímulo para a leitura. o que ocorre e principalmente na escola. A motivação para a leitura é demasiado fraca (BAMBERGER. 1441 . Muitas vezes. muito dificilmente modificaremos a paisagem atual da leitura escolar. desde pequena a criança no dia a dia escolar. estão desinteressados com o modelo de educação. por parte dos professores. Quando.22). O professor precisa estimular essa habilidade e não permitir que o aluno perca o interesse. 2000. Com a falta de interesse. o professor estará aumentando o seu repertório de conhecimentos. até mesmo no momento de escolher um livro que lhe agrade. que gostem de livros. a qualidade de ensino e dos materiais pedagógicos e principalmente o valor dos livros.24). acabam desmotivando os próprios alunos. revista ou até mesmo internet. A leitura. o que poderá reverter em incremento do trabalho pedagógico. p. na infância. argumenta: sem professores que leiam. muitas crianças param completamente de ler.

Você gosta de ler? ( ) sim ( ) não ( ) às vezes 3.. 7. (FOUCAMBERT..135). p.53) finaliza: incentivem o hábito de leitura no período da infância.] é aquele que conhece os meios para encontrar e diversificar os textos ligados ao seu interesse. passada essa fase. Ou se adquire o hábito de leitura quando criança ou fica decretado a morte do leitor. mas aquele que cria seus próprios meios de escolher os livros que irá ler. 1994. ou seja. tornar o processo irreversível. QUESTIONÁRIO SOBRE LEITURA Nome: Idade: 1. A razão de se fazer a pesquisa. p. Têm livros em casa? ( ) sim ( ) não ( ) às vezes 5. não mais se conseguir o desenvolvimento de hábitos de leitura junto à população de adolescentes e adultos. surgiu do interesse em aprofundar a teoria e verificar na prática se existe o interesse dos alunos pela leitura.Tornar-se leitor significa ter acesso aos escritos sociais sabendo encontrá-los onde eles estão. Tem acesso a algum jornal? ( ) sim ( ) não ( ) às vezes 4. você ( ) Para na metade ( ) Termina a leitura ( ) Só observa a capa e figuras Qual o último livro que leu?_____________________________________________ Que livro você mais gostou de ter lido até hoje? Por quê? ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ Qual a importância da leitura para o homem? ___________________________________________________________________ 1442 . Tem internet em casa? ( ) sim ( ) não ( ) às vezes 2. Você entende o que lê? ( ) sim ( ) não ( ) às vezes 6. sob o risco de. O leitor não é aquele que lê o livro que lhe é proposto. Pesquisa de Campo: coleta de dados A pesquisa de campo foi realizada por meio de um questionário aberto e qualitativo no qual foram entrevistados 30 alunos do curso de Eletrotécnica da Instituição de Londrina. [. Silva (1998. Recebe incentivo para ler? ( ) sim ( ) não ( ) às vezes Quando pega um livro. uma revista ou um texto.

Com esta atividade. pude perceber a grande dificuldade dos alunos em ler. “A última música de Nicholas Sparks”. de acordo com os gráficos abaixo. principalmente. não consegue diferenciar um livro e um jornal local. compreender o que lêem. Descrição e Análise dos Dados Por meio da pesquisa os alunos responderam as questões que foram propostas. “Ágape”. como um livro. “Bíblia”. como exemplo: Que livro você mais gostou de ter lido até hoje? Por quê? “Folha de Londrina. “Gibis”. E alguns alunos não compreenderam as perguntas realizadas para a entrevista. “A Cabana”. “Pequeno Príncipe”. alguns não leram todas as perguntas. Quando foi perguntado “Qual livro que você mais gostou de ter lido até 1443 . deixaram algumas respostas em branco. simplesmente. Foi possível perceber que os alunos têm muito desinteresse pela leitura. O resultado foi esse. preencheram pela metade. “A arte da guerra”. “As 100 melhores histórias de comédia”. “Caçadores de Pipa”. Quando foi perguntado “Qual o último livro que você leu? obtive as seguintes respostas: “Harry Potter”. “Mangá”. “O Alienista”.___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ 8. O aluno citado analisa o Jornal Folha de Londrina. a começar pelo questionário. pois eu fico sabendo o que acontece em minha cidade e no meu país e tenho entretenimento”.

Os professores tentam na medida do possível incentivar a prática da leitura. “Para ficar por dentro dos assuntos que ocorreram e que estão acontecendo”. “É que o homem adquire novos conhecimentos para ser usado no futuro”. A Cabana. Folha de Londrina. “Melhora o vocabulário e a leitura vai ficando mais rápida”. “Sem leitura não conseguiremos nada hoje em dia”.hoje? Por quê? obtive as seguintes respostas: “Gibis. “Para abrir novos caminhos. “Articulação da fala”. Querido John. é possível perceber que a leitura é necessária. que os alunos têm consciência e sabem da sua importância. escrita e cérebro”. para que os mesmos realizem atividades que envolvam as crianças desde cedo nessa 1444 . “Adquirir conhecimento”. “Distrair”. “Caçadores de pipa. Com os resultados dessa pesquisa realizada com os alunos dessa Instituição. “Bíblia. etc”. porque é um livro de romance muito completo e bem feito”. manual da nossa vida. “O homem fica mais intelectual e desenvolve a sua leitura e linguagem”. Caças. aprendizado”. Quando foi perguntado “Qual a importância da leitura para o homem?” obtive as seguintes respostas: “Aprender coisas novas”. “Não conseguimos fazer provas”. interessante por causa que conta uma história verídica do Iraque depois da guerra”. “Harry Potter. “Obter um grande vocabulário lingüístico”. “Instrução”. pois eu fico sabendo o que acontece em minha cidade e no meu país e tenho entretenimento”. que tem feito com que os alunos não tenham motivação suficiente para adquirir o gosto pela leitura. “Acho muito importante a leitura. instruções de como viver de maneira que Jeová aprove”. “Sem ela seria um mero analfabeto”. “A leitura enriquece a cultura humana”. os determinados modelos de leitura e apresentar formas de incentivo à leitura. para ser uma pessoa mais culta”. “Desenvolve criatividade. Considerações finais Com as leituras e análise dos questionários. manter uma boa fala em uma entrevista de emprego”. mas mesmo com a conscientização. “A importância é que você sabe das notícias de jornais. “Formação social e educacional das pessoas”. parece haver um descaso. “Formação social e educacional das pessoas”. O Alienista “porque a história é interessante”. Pequeno Príncipe. verificar a sua importância. “Para distração. “Entendimento”. foi possível compreender o que é leitura. principalmente para os professores.

L. Alfabetização e Lingüística. Porto Alegre: Mercado das Letras. Como incentivar o hábito de leitura. 1982. BRANDÃO. é preciso observar as linhas de pesquisa e comparar pensamentos de autores renomados e experientes na área de educação. CARVALHO. A criança. educação e participação. SILVA. Sueli. Aprender a ensinar com textos didáticos e paradidáticos. 1995. Além de comprovar na prática. São Paulo: Editora Scipione. Leitura em crise na escola: as alternativas do professor. Célia Regina Delácio. 1998. Fortaleza: Edições Livro Técnico. 2006. o que acontece com o hábito de leitura e se há o estímulo para os alunos. Luiz Carlos. REFERÊNCIAS AGUIAR. São Paulo: Cultrix. CAGLIARI. Práticas de Leitura e Escrita. Lembrando que é fundamental a importância de incentivar o gosto pela leitura o quanto antes. Leitura: mediação e mediador. Porto Alegre: Artes Médicas. 2003. M. São Paulo: Cortez. o professor e a leitura. FOUCAMBERT. São Paulo: Mercado de Letras. 2006. Alfabetização e Leitura. Ser professor hoje. Através de pesquisas teóricas. BAMBERGER. Maria Angélica Freire de Carvalho. 1997. Jean. BRITO. Contra o consenso: cultura e escrita. C. José Juvêncio. Helena. Richard. Celso. P. 1445 . literatura infanto-juvenil e educação. BARBOSA. ANTUNES. 1997. Brasília: Ministério da Educação. Linguística e Transdiciplinaridade: Questões e Perspectivas. MENDONÇA. Maria Helena Toledo Costa de. 2003. BARROS. Leitura. além de encontrar estímulos que despertem o gosto pela leitura ainda na infância. FERNANDES. 2007. BORTOLIN. CAVALCANTI. 1998. 1977. Rovilson da. São Paulo: FA. São Paulo: Cortez. Vera Teixeira de. Londrina.prática necessária. Rosa Helena. EDUEL. Campinas: Mercado das Letras. de forma que a criança não venha a perder o hábito de leitura com o passar dos anos.

Discurso e Leitura. Lucinea Aparecida de. São Paulo: Pontes. Dinâmicas de leitura para sala de aula. Texto e leitor: Aspectos cognitivos de leitura. Marisa e ZILMERMAN. 2003. Tania M. REANDI. Oficina de Linguística Aplicada: a natureza social e educacional dos processos de ensinoaprendizagem. Paulo. Eni P. Afinal. L. Durvali Emílio. 1995. 1997. Campinas: Cortez. São Paulo: Cortez. O que é leitura? São Paulo: Brasiliense. São Paulo. Conferências sobre leitura: trilogia pedagógica. Rio de Janeiro.FREGONEZI. 1993. A criança e o livro. 1996. RÖSING. Ato de ler: fundamentos psicológicos para uma nova pedagogia de leitura. R. A formação do professor e a questão da leitura. Aprender e ensinar com textos de alunos. Regina. Editora RANGEL. 2002. SILVA. 1996. MARTINS. Luiz Paulo Moita. – São Paulo: Melhoramentos. P/ Campinas. Discurso e Leitura. São Paulo. 2000.. Londrina: Humanidades. São Paulo: Cortez. Série Didática. a escola e a leitura. 2000. _____________ Conhecimento e cidadania: quando a leitura se impõe como mais necessária ainda! In: ___. ORLANDI. A importância do Ato de Ler: em três artigos que se completam. 1997. Londrina: EDUEL. – (Dicionários Michaelis). 1999. da. Cortez/Unicamp. 1998. Editora Vozes. Mary. Os significados do Letramento. Campinas: Mercado das Letras. 1981. Wanderley J. 1446 . (cords. Leitura e formação de leitores: vivências teóricopráticas. L. MACHADO.C. Michaelis: dicionário escolar língua portuguesa. _______________. 2003. 1984. LAJOLO. Maria Helena. Campinas: Autores Associados. São Paulo: Ática. o que é Linguística Aplicada?. E. K. T. São Paulo: Mercado das Letras. Eni P. O professor. Citelli. Campinas. KLEIMAN. Cortez – Autores Associados. LOPES.). A formação da leitura no Brasil. SANDRONI. B. 2003. Angela. Campinas: Pontes.. In: ______. GERALDI. Editora Ática. Cascavel: Assoeste. 1999 REZENDE. Passo Fundo. FREIRE. 1995. ____________________ O texto na sala de aula. _______________. Oficina de Leitura: teoria e prática. 2009.

1986. Belo Horizonte: Autêntica. São Paulo: Martins Fontes. SILVA. SOLÉ. 1998. Rovilson José da. I. 1447 . Estratégias de leitura. Porto Alegre. Porto Alegre: Mercado Aberto. 2009._____________ Elementos de pedagogia da leitura. Biblioteca escolar e a formação de leitores: o papel do mediador de leitura. 1998. _____________ Leitura e realidade brasileira. Magda Becker. Artmed. SOARES. 1998. Letramento – um tema em três gêneros. Londrina: EDUEL.