You are on page 1of 12

FATORES QUE IMPACTAM A DIVULGAÇÃO VOLUNTÁRIA DE INFORMAÇÕES SOCIOAMBIENTAIS NA PERCEPÇÃO DOS GESTORES DE EMPRESAS BRASILEIRAS DE ENERGIA ELÉTRICA Nayara

Batista Moreira Mestranda do Programa de Pós-graduação em Ciências Contábeis da UFBA Endereço: Praça da Piedade, 06 - Centro. CEP 40060-160 - Salvador-BA Telefone: (71) 3283-7569 E-mail: nmoreira1105@yahoo.com.br José Maria Dias Filho Doutor em Controladoria e Contabilidade pela Universidade de São Paulo Professor Adjunto da Faculdade de Ciências Contábeis da Universidade Federal da Bahia Endereço: Praça da Piedade, 06 - Centro. CEP 40060-160 - Salvador-BA Telefone: (71) 3283-7569 E-mail: zemariadias@uol.com.br Sônia Maria da Silva Gomes Doutora em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina Professora Titular da Faculdade de Ciências Contábeis da Universidade Federal da Bahia Endereço: Praça da Piedade, 06 - Centro. CEP 40060-160 - Salvador-BA Telefone: (71) 3283-7569 E-mail: soniagomes3@gmail.com Mirian Gomes Conceição Mestranda do Programa de Pós-graduação em Ciências Contábeis da UFBA Endereço: Praça da Piedade, 06 - Centro. CEP 40060-160 - Salvador-BA Telefone: (71) 3283-7569 E-mail: mgc.ba@hotmail.com RESUMO O presente estudo buscou identificar, com base na Teoria da Legitimidade, quais os fatores impactam a divulgação voluntária de informações socioambientais na percepção dos gestores. Na tentativa de alcançar tal objetivo, desenvolveu-se uma pesquisa descritiva, cuja amostra é composta por gestores de cinco, das dez maiores companhias do setor de energia elétrica no Brasil segundo a Revista Exame 2010. Os dados foram coletados através de questionários e analisados estatisticamente por meio do teste não paramétrico de Kruskall-Wallis, com a finalidade de verificar a existência de diferenças significativas entre as respostas. Posteriormente, os dados foram dispostos em quadros comparativos para análise dos dados. Os resultados encontrados apontam que os principais fatores que impactam a decisão dos gestores em evidenciar informações socioambientais são as preocupações com a imagem e a reputação da empresa, a valorização das ações, a oportunidade de novas fontes de financiamento e a competitividade empresarial. Assim, este estudo buscou contribuir para a discussão da aplicação da teoria da legitimidade como explicativa para aspectos relacionados com a divulgação voluntária de informações socioambientais. Palavras-chave: evidenciação socioambiental; teoria da legitimidade; percepção dos gestores. Área temática: Controladoria de Contabilidade Gerencial 1

No Brasil. Nesta perspectiva. constataram que houve um aumento na divulgação de informações ambientais nas empresas envolvidas em processos judiciais desta natureza. Richardson e Vasvari (2007) a pesquisa na área da contabilidade socioambiental pode ser categorizada em três grupos: o primeiro grupo. em função da preocupação da sociedade com o aquecimento global. identifica se há uma relação entre a evidenciação de informações ambientais e a performance organizacional. analisando as práticas de divulgação de informações ambientais de empresas australianas acionadas judicialmente por questões de crimes ambientais. Nesse sentido. ou seja. Portanto. 2 . na apresentação e no volume das divulgações desta natureza. analisam o conteúdo desses relatórios. por exemplo. comunidade. Milne e Patten (2002). Neste ambiente. é assunto de considerável interesse para a pesquisa em contabilidade. e o terceiro grupo. a atuação de grupos ambientalistas e a pressão da comunidade. desastres ecológicos. O’donovan (2002). Dentre os principais pesquisadores que contribuíram para o desenvolvimento de pesquisas nessa perspectiva destacam-se Wilmshurt e Frost (2000). há pressões dinâmicas que fluem e refluem. Segundo Patten (1992) as empresas que tem sua legitimidade ameaçada por questões internas ou externas. avalia a relevância da informação para performance ambiental corporativa. Villiers e Staden (2006). Nos últimos anos. O aumento no volume de informações socioambientais de caráter voluntário tem funcionado como instrumento de legitimação para diversas empresas. Mayer e Rowan (1977) afirmam que as organizações alinhadas a regras institucionalizadas ganham legitimidade e aumentam suas chances de sobrevivência. instituições financeiras e a preocupação com uma imagem positiva da empresa. identificaram que os principais fatores foram o direito dos investidores e acionistas às informações. a exaustão de recursos naturais não renováveis e as possíveis conseqüências negativas desses e outros fenômenos para humanidade. nenhum estudo foi realizado buscando identificar a percepção dos gestores em relação a evidenciação voluntária de informações socioambientais. buscando explicar e predizer as práticas de evidenciação voluntária relacionando-as com as expectativas da sociedade. examina os fatores que impactam a decisão gerencial em divulgar informações sobre o passivo ambiental. A maioria destes estudos utiliza a teoria da legitimidade para explicar e predizer as diferenças no conteúdo. a decisão de divulgar ou não essas informações é feita pela administração da empresa. os impactos ambientais. tendo em vista que. as obrigações legais e a preocupação com a comunidade. estudos sobre as questões ambientais tiveram início na década de 90. fazendo com que este terreno mude ao longo do tempo. Na área contábil. uma vez que a divulgação de tais informações objetiva evidenciar que as companhias possuem responsabilidade social corporativa. na percepção dos gestores. tomam medidas de recuperação para legitimar suas atividades. Wilmshurst e Frost (2000) ao investigar quais influências os gestores sofrem na hora de divulgar informações ambientais. fornecedores. Segundo O'Dwyer (2002) poucos estudos utilizam a perspectiva gerencial para compreender a divulgação de informações socioambientais. Além destes fatores. as questões ambientais ganharam maior relevância no cenário empresarial. Patten e Cho (2007). diversas dessas pesquisas utilizaram a Teoria da Legitimidade. Deegan e Rankin (1996). Essa crescente preocupação da sociedade por questões socioambientais tem motivado as empresas a investirem na evidenciação desse tipo de informação. De acordo com Nascimento et al (2009). o segundo grupo.1 INTRODUÇÃO De acordo com Campbell (2007) é importante reconhecer que o terreno institucional em que operam as corporações não é estático. os autores identificaram ainda o interesse e preocupação com os clientes. analisar os fatores que impactam este tipo de divulgação. Para Clarkson.

estejam eles aglutinados numa organização ou dispersos na sociedade de forma geral. O aparato conceitual da Teoria Institucional pode oferecer grandes contribuições ao repertório da pesquisa empírica em contabilidade. O presente artigo está dividido em cinco seções. aceitos e percebidos como úteis e racionais. diversos estudos foram realizados sob a perspectiva da Teoria da Legitimidade buscando verificar até que ponto políticas de evidenciação contábil estão associadas a tentativa de construir. evidenciando anualmente. o objetivo e relevância da pesquisa. 2009). As organizações que fazem isto aumentam sua legitimidade e suas perspectivas de sobrevivência. segundo a Revista Exame 2010. ZUCKER. Com base nisso. Dias Filho e Machado (2004) afirmam que a Teoria Institucional é um processo mediante o qual valores sociais (práticas. A segunda seção traz a fundamentação teórica utilizada no desenvolvimento da pesquisa. as quais nem sempre são. Corroborando com esta percepção. certos arranjos e práticas organizacionais tornam-se institucionalizados. é a proposta da Teoria Institucional para o estudo da contabilidade. obrigações) assumem a condição de regra no pensamento e na ação dos indivíduos. apresenta a contextualização do problema. questiona-se: Quais fatores impactam a divulgação voluntária de informações socioambientais na percepção dos gestores? A partir das considerações acima apresentadas. levando em consideração que o comportamento dos gestores pode ser mediado e influenciado por mecanismos institucionalizados. Nesse sentido. Neste contexto. Essa primeira seção. Em seguida. consequentemente. independentemente da eficácia imediata das práticas e procedimentos adquiridos. as organizações nem sempre adotam este ou aquele procedimento por considerá-lo o mais racional em dada circunstância. A Teoria Institucional indica que as organizações são levadas a incorporar as práticas e procedimentos definidos por conceitos racionalizados de trabalho organizacional prevalecentes e institucionalizados na sociedade. Relatório de Sustentabilidade. Esse estudo contribuirá para discussão acerca do uso da teoria da legitimidade para explicar aspectos relacionados com a divulgação voluntária de informações socioambientais e. as da racionalidade absoluta e da busca da maior eficiência.Nesse sentido. a introdução. ou seja. A percepção de que as aplicações e características dos mecanismos contábeis nem sempre são definidas por motivações objetivas e racionais. 3 . através da caracterização do processo mediante o qual. Por fim. A escolha da amostra deu-se em função destas companhias possuírem um programa formal de Responsabilidade Social Corporativa (RSC). 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA De acordo com Iudícibus (2010). Além disso. especialmente quando se trata de fixação de normas e escolha de métodos. a contabilidade não pode ser totalmente bem entendida fora do contexto das organizações e de suas metas. crenças. esta pesquisa objetiva identificar quais os fatores que impactam a divulgação voluntária de informações socioambientais na percepção dos gestores das maiores companhias de energia elétrica do Brasil. a quinta seção traça as considerações finais sobre o estudo e sugestões para pesquisas futuras. suas implicações sobre os usuários. a adoção de determinadas práticas contábeis consideradas como legítimas pela sociedade são adotadas pelas empresas sem uma análise racional dos instrumentos que estão incorporando (TOLBERT. a quarta seção apresenta à análise dos dados. manter ou recuperar legitimidade organizacional. Global Reporting Initiative (GRI). Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL). como objetivos em si. quatro das cinco companhias negociam Crédito de Carbono. A terceira seção descreve a metodologia utilizada na pesquisa empírica.

BELAL E OWEN. alguns estudos buscam identificar os fatores gerenciais para evidenciação voluntária de informações sociais. O'dwyer (2003) elenca três principais justificativas que sustentam a aceitação da responsabilidade social corporativa. a saber: 1) interesse próprio esclarecido proativo. segundo O'Dwyer (2002) poucos estudos utilizam a perspectiva gerencial para compreender a divulgação de informações socioambientais. Deegan e Gordon (1996). seja sobre meio ambiente. reagir a determinadas preocupações sociais ou ambientais por divulgações podem atuar para legitimar a organização. forneceriam mais ampla compensação ou divulgações ambientais positivas. Por isso. Além disso. De acordo com Belal e Owen (2007). quando essas evidenciações são percebidas como inúteis para a estratégia de legitimação. as empresas que enfrentam uma maior exposição. estas pesquisas analisaram o conteúdo desses relatórios. A teoria da legitimidade é muito utilizada nesses estudos. como as empresas com pior desempenho ambiental. A maioria dos gestores entrevistados concordou que a gestão eficaz das questões sociais permite a organização cumprir o seu objetivo primário de maximizar o valor acionista. No entanto.A evidenciação de informações socioambientais é feita. Nesse contexto. interesse próprio esclarecido proativo. 2003. inicialmente. As pesquisas nessa área tem procurado oferecer explicações para as decisões corporativas em evidenciar tais informações em seus relatórios anuais. Na percepção dos gestores entrevistados. com embasamento conceitual da teoria da legitimidade (O'DWYER. ao invés de simplesmente descrever a prática. Em relação a primeira justificativa. 2002). das partes interessadas e as teorias da economia política utilizada. Nesse sentido. 2002). Este estudo comprovou que a divulgação ambiental é utilizada como uma ferramenta de legitimidade. e 3) obrigações/deveres. grupos ambientais e meios de comunicação – que possuía forte potencial de prejudicar os interesses econômicos da organização. através de entrevistas com gerentes na Irlanda. O’Donovan (2002). O'dwyer (2003) identificou que o auto interesse econômico. na apresentação e no volume das divulgações desta natureza. através do relatório anual corporativo. melhorar a marca e a imagem da empresa foram considerados os principais fatores para a evidenciação de informações socioambientais. Deegan e Ranking (1996). segundo a percepção dos grandes executivos da Irlanda. A literatura sugere que a evidenciação voluntária de informações socioambientais. O'DWYER. em sua maioria. Deegan (2002). numa tentativa conter ameaças à sua legitimidade. Com base nesta teoria. os gestores desistem de algumas formas de divulgação ambiental (O'DWYER. O'dwyer (2002). com perspectivas de legitimidade. 2007). pode ajudar a resolver alguns dos problemas que cercam a realização de legitimidade organizacional (DEEGAN. Deegan e Rankin (1996) verificaram que as empresas são mais propensas a apresentar informações em seus relatórios ambientais que sejam favoráveis à sua imagem corporativa. etc. Confirmam esta atitude os trabalhos de Patten (1992). e tendem a omitir informações de natureza negativa que possam impactar em sua legitimidade perante a sociedade. Alguns 4 . 2002. no entanto. Patten e Cho (2007) afirmam que a Teoria da Legitimidade de Divulgação Social sugere que a divulgação e extensão de informações socioambientais é uma função de exposição a pressão da opinião pública no ambiente social e político. identificou que o principal fator para divulgação voluntária de informações socioambientais foi a pressão social externa – exercidas pela comunidade. segurança no trabalho. na tentativa de explicar. apoiando a idéia de que as divulgações de informações socioambientais serão mantidas ou alteradas ao longo do tempo para evitar crises de legitimidade. grande parte das pesquisas contábeis nessa área tenta explicar e predizer as diferenças no conteúdo. O'dwyer (2002) encontrou evidências de que a maioria das empresas estava interessada em serem vistas com algum tipo de consciência social. de forma voluntária. 2) interesse próprio esclarecido reativo.

examinando o ponto de vista dos gestores de Bangladesh. Belal e Owen (2007). 5 concordaram em participar da investigação e responderam ao questionário. defenderam que a responsabilidade social corporativa apoiava os objetivos econômicos da organização. eles são complementares e não incompatíveis. No entanto. poucos entrevistados fizeram menção específica à necessidade de atender as prioridades sociais. a partir dela. a influência de ONG’s nacionais e órgãos comunitários. O'dwyer (2003) identificou que o principal fator para a evidenciação voluntária de informações socioambientais é a pressão externa imposta às empresas que decorrem muitas vezes das comunidades locais. ao universo gerador da amostra (SANTOS. inicialmente foi proferida de maneira geral como resultante de uma perspectiva ampla moralista e foi percebida pelo entrevistador como independentemente de qualquer conseqüência econômica. Em seguida. observa-se que a exploração dos fatores gerenciais para a divulgação de informações socioambientais tem posição de destaque dentro da comunicação social corporativa. delimitou-se a amostra selecionando as 10 maiores empresas atuantes no setor de energia. aplicados. Conforme Santos (2001). Neste estudo. Nesse sentido. interesse próprio esclarecido reativo. essas empresas foram contatadas por telefone e convidadas a participar da pesquisa. formulários ou entrevistam-se diretamente os indivíduos. pois procura descrever as características de populações ou fenômenos. aplicam-se questionários. Do total das 10 empresas listadas na base de dados consultada. que o papel social e econômico de uma organização não deve ser visto como estando em conflito. então. 2001). 5 . com o auxílio de cálculos estatísticos. esta pesquisa classifica-se como descritiva. A população escolhida para investigação foi constituída pelo conjunto de companhias classificadas entre as 500 maiores empresas do Brasil por faturamento. esse tipo de pesquisa busca informação diretamente com um grupo de interesse a respeito dos dados que se deseja obter. segundo a Revista Exame (2010). os resultados obtidos são. ao invés de simplesmente descrever a prática. pois. Diante do exposto. com margem de erro estatisticamente prevista. O levantamento é geralmente desenvolvido em três etapas: seleciona-se uma amostra significativa. a fim de ser amplamente aceita.gestores. e baseando-se em Gil (2002). decorrentes de uma necessidade de manter boas relações com o governo e atrair funcionários devidamente qualificados. Quanto aos procedimentos. esta pesquisa se caracteriza como levantamento. segundo a Revista Exame 2010. A terceira justificativa. identificaram que a evidenciação voluntaria de informações socioambientais foi impulsionada pela preocupação de melhorar a imagem da empresa e pela pressão externa exercida principalmente pelos financiadores de capital e compradores internacionais. Um pequeno número de entrevistados apontou ainda. pois busca explicar. pois ao mesmo tempo em que os gerentes afirmaram que as obrigações são devidas a toda a sociedade. as empresas de setores com maior impacto ambiental publicamente percebido tendem a ser muito sensíveis às pressões sociais externas. grupos de pressão e dos meios de comunicação. os dados são tabulados e analisados quantitativamente. Na segunda justificativa. Além disso. essa percepção é contraditória. 3 MÉTODO DE PESQUISA Esta pesquisa teve como objetivo identificar quais os fatores que impactam a divulgação voluntária de informações socioambientais na percepção dos gestores das maiores companhias de energia elétrica do país. afirmaram ainda. Em função dos objetivos deste estudo. os autores identificaram que os entrevistados de empresas multinacionais pareciam muito mais conscientes das influências internas. obrigações/deveres segundo O'dwyer (2003). independentemente dos impactos econômicos. Esta análise através da perspectiva da legitimidade é bastante relevante.

foi motivada pela distância geográfica existente entre as sedes das companhias de eletricidade do Brasil. 2.406 0. Além disso. No entanto. 4 APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS RESULTADOS A presente análise estatística teve como objetivos principais: (1) apresentar o perfil da amostra pesquisada e (2) comparar as respostas dos pesquisados dispostas na escala Likert.000 4. como instrumento de coleta de dados.406 0. Reduzir o risco de possíveis ações 10.000 4. Nesta dimensão. neutro (4) e concordo (5 a 7). Para isso.406 0. 2) interesse próprio esclarecido reativo.000 4. que foram dispostas em escala Likert de 1 a 5. Constatou-se que todos possuem nível superior. Maximizar o valor para o acionista Melhorar a imagem da empresa perante a sociedade Aumentar a valor das ações da empresa Promover uma reputação de comunicação confiável e transparente 5. 3.000 4.406 0. Devido ao tamanho reduzido da amostra. discordo totalmente e concordo totalmente. que tornou inviável o procedimento metodológico de entrevista.406 0. Oportunizar novas fontes de financiamento e capital 6. foi utilizado o teste de Kruskall-Wallis para as variáveis não consideradas normais. onde três dos respondentes são graduados em contabilidade. Para relacionar às dimensões do escalonamento às assertivas da escala Likert. seguindo as justificativas apresentadas por O'dwyer (2003): 1) interesse próprio esclarecido proativo.000 4. De acordo com Bruni (2009) este teste deve ser empregado na análise do fato de K (K>2) amostras independentes serem ou não originárias de populações com médias iguais. foi utilizado o teste de Kruskal Wallis para fazer as comparações das respostas dos pesquisados. 4.406 6 .000 Graus de Liberdade 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 Significância 0.406 0. Assertivas 1. um é graduado em economia e outro em engenharia elétrica. tendo em vista que essas pesquisas foram qualitativas. A escolha do questionário. As questões inseridas em cada seção foram baseadas nas respostas apresentadas nos trabalhos de O'dwyer (2002). optou-se por deixar um espaço em branco ao final de cada parte. e 3) obrigações/deveres. foi feito o agrupamento das assertivas em três diferentes categorias. Reduzir o custo de capital 8.0 e analisados utilizando o teste não paramétrico de Kruskall-Wallis.000 4. Nesse sentido. todos trabalham diretamente com o setor de meio ambiente. com a finalidade de comparar a média das respostas dos entrevistados.406 0. Os resultados deste teste são apresentados a seguir: Quadro 1 – Teste de Kruskall-Wallis.000 4. todos os gestores são pós-graduados. Evitar impactos ambientais potencialmente danosos 11.O questionário utilizado para coleta dos dados desta pesquisa foi composto de três partes. O questionário foi disponibilizado on-line no Google Docs. Obter incentivos fiscais e políticas públicas 7. feitas através de entrevista. discordo (1 a 3).000 4. para em seguida traçar considerações em relação aos resultados encontrados na pesquisa. (2003) e Belal e Owen (2007). pode-se imaginar uma escala contínua que apresenta em cada um dos pólos uma das duas categorias.000 4. O'dwyer. caso o gestor tivesse interesse em acrescentar outros fatores. O questionário foi aplicado a cinco gestores de companhias de energia elétrica do país. Após a análise estatística os resultados foram analisados à luz do referencial teórico. Manter a posição competitiva da empresa 9. Antecipar-se aos requisitos legalmente impostos Qui-Quadrado 4.000 4.406 0. foram elaboradas 27 questões assertivas de múltiplas alternativas. versão 15.406 0.406 0. Os dados foram submetidos ao Statistical Package for Social Sciences (SPSS).

também prevê que os procedimentos contábeis são influenciados pelo ambiente político. Evitar impactos econômicos potencialmente danosos 11. tendo em vista que a evidenciação de tais informações pode contribuir para fortalecer a imagem da empresa. a valorização das ações. a maioria dos gestores concordam que a evidenciação voluntária de informações socioambientais maximiza o valor para o acionista (assertiva 1). a influência dos grupos de interesse. evita impactos econômicos potencialmente danosos (assertiva 10) e permite a companhia antecipar-se aos requisitos legalmente impostos (assertiva 11). promove uma reputação de comunicação confiável e transparente (assertiva 4). Esse resultado é consistente com a teoria da legitimidade. econômico e institucional em que opera (Miller.05 conclui-se que as opiniões dos gestores pesquisados em relação às variáveis apresentadas abaixo não apresentam diferenças significativas. pode-se afirmar com propriedade. 4. Nesse sentido. Buscou-se identificar através das assertivas 12 a 23 se 7 . ou até mesmo. a competitividade empresarial.O Quadro 1 visa identificar a percepção dos gestores em relação aos fatores relacionados com a primeira justificativa apresentada por O'dwyer (2003). Quadro 2 – Frequência das Respostas. Nesse sentido. Manter a posição competitiva da empresa 9. O'dwyer (2002). Discordo 1 0 1 0 1 0 1 0 0 2 0 Neutro 0 0 1 0 0 2 2 0 0 0 2 Concordo 4 5 3 5 4 3 2 5 5 3 3 A partir da análise do Quadro 2. também pode ser considerada um fator para manter a legitimidade organizacional. reduz o risco de possíveis ações (assertiva 9). 2. garantindo sua prosperidade. Belal e Owen (2007). oportuniza novas fontes de financiamento e capital (assertiva 5). que na percepção dos pesquisados. 1994). sua sobrevivência. a maximização do valor do acionista. interesse próprio esclarecido proativo. agruparam-se as opiniões dos gestores em relação a esses quesitos no Quadro 2. Para analisar mais detalhadamente. A análise desse quadro permitiu identificar que a significância do teste de Kruskall-Wallis apresentou o valor 0. constatou-se que os pesquisados tendem a concordar com todas as assertivas exceto a 7. Portanto. mantém a posição competitiva da empresa (assertiva 8). A teoria da legitimidade. O'dwyer (2003). a frequência das respostas “discordo totalmente” e “discordo parcialmente” foram agrupadas como “discordo” e as opções “concordo totalmente” e “concordo parcialmente” como concordo. a redução do risco de possíveis ações. tendo em vista que esse valor é superior a 0. aumenta o valor das ações da empresa (assertiva 3). a oportunidade de novas fontes de financiamento. Reduzir o custo de capital 8. Obter incentivos fiscais e políticas públicas 7.406 para todas as assertivas. melhora a imagem da empresa (assertiva 2). Oportunizar novas fontes de financiamento e capital 6. 3. Nesse sentido. oportuniza a obtenção de incentivos fiscais e políticas públicas (assertiva 6). Reduzir o risco de possíveis ações 10. Isso sugere que a evidenciação socioambiental é utilizada para construir uma imagem de organização socialmente responsável. Assertivas Maximizar o valor para o acionista Melhorar a imagem da empresa perante a sociedade Aumentar a valor das ações da empresa Promover uma reputação de comunicação confiável e transparente 5. Antecipar-se aos requisitos legalmente impostos 1. As opiniões expressas pelos gestores corroboram com os estudos considerados anteriormente. os fatores proativos que mais impactam a evidenciação voluntária de informações socioambientais são as preocupações com a imagem da empresa. evitar impactos econômicos potencialmente danosos e a antecipação aos requisitos legalmente impostos.

as opiniões dos gestores foram agrupadas em relação a esses quesitos no Quadro 4.406 0.406 0. As opiniões expressas pelos gestores corroboram com os estudos considerados anteriormente. Pressão exercida pela mídia (meios de comunicação) 19.000 4. credores (assertiva 21) e funcionários (assertiva 22).406 para todas as assertivas.05 conclui-se que as opiniões dos gestores pesquisados em relação às variáveis apresentadas abaixo não apresentam diferenças significativas. Nesse sentido. Pressão exercida pelos clientes 18. Pressão exercida pelos funcionários 23. Pressão exercida pelas ONG's 15. o disclosure de informações socioambientais das companhias pesquisadas.406 0. governo (assertiva 20). Belal e Owen (2007). Pressão exercida pelos grupos de lobby ambiental Discordo 1 2 2 1 1 1 0 3 1 1 1 2 Neutro 1 0 1 0 1 0 2 0 1 0 0 2 Concordo 3 3 2 3 3 3 3 2 3 4 4 1 A partir da análise do Quadro 4. a frequência das respostas “discordo totalmente” e “discordo parcialmente” foram agrupadas como “discordo” e as opções “concordo totalmente” e “concordo parcialmente” como concordo. comunidade (assertiva 15). que na percepção dos pesquisados. interesse próprio esclarecido reativo.000 4. Pressão exercida pelos grupos ambientais 20.406 0.alguns desses grupos de interesse influenciam.000 4. A análise desse quadro permitiu identificar que a significância do teste de Kruskall-Wallis apresentou o valor 0. Pressão exercida pelas ONG's 15.406 0.000 Graus de Liberdade 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 Significância 0. Pressão exercida pelos funcionários 23.406 0. Pressão exercida pela comunidade 16. Pressão exercida pelos clientes 18. Assertivas 12. mídia (assertiva 18).000 4. Pressão exercida pelos grupos de lobby ambiental Qui-Quadrado 4. Nesse sentido.406 0. tendo em vista que esse valor é superior a 0.000 4.000 4. Pressão exercida pelo governo 21. Pressão exercida pelos financiadores de capital 17. na percepção dos gestores. Pressão exercida pela comunidade 16. Quadro 3 – Teste de Kruskall-Wallis.000 4. Pressão exercida pela mídia (meios de comunicação) 19. Pressão exercida pelos grupos ambientais 20. pode-se afirmar. Pressão exercida pelos dos agentes reguladores 13. Pressão exercida pelos acionistas 14. financiadores de capital (assertiva 16). Pressão exercida pelos dos agentes reguladores 13. a maioria dos gestores concorda que as principais fontes de pressões sociais para evidenciação voluntária de informações socioambientais são as exercidas pelos agentes reguladores (assertiva 12).000 4. Pressão exercida pelos financiadores de capital 17. Wilmshurst e Frost (2000). acionistas (assertiva 13). Assertivas 12.000 4. O'dwyer (2002). Pressão exercida pelos credores 22. clientes (assertiva 17).406 0.406 0. Pressão exercida pelos credores 22. Nesse sentido.406 Para analisar mais detalhadamente. Quadro 4 – Frequência das Respostas. constatou-se que os pesquisados tendem a concordar com todas as assertivas exceto a 14. Pressão exercida pelos acionistas 14. O'dwyer (2003).000 4. os fatores reativos 8 .000 4. Pressão exercida pelo governo 21.406 0.406 0. 19 e 23 . O Quadro 3 visa identificar a percepção dos gestores em relação aos fatores relacionados com a segunda justificativa apresentada por O'dwyer (2003).

contribuir para o desenvolvimento da sociedade e dos funcionários. Contribuir para o desenvolvimento dos funcionários Discordo 0 1 0 0 Neutro 0 0 0 0 Concordo 5 4 5 5 As percepções dos gestores expressas no Quadro 6. a conotação moralista. obrigação e dever. Quadro 6 – Frequência das Respostas.406 Objetivando analisar mais detalhadamente. obrigação/deveres. Os resultados encontrados corroboram com o aparato conceitual da teoria da legitimidade. Contribuir para o desenvolvimento da sociedade 27. agruparam-se as opiniões dos gestores em relação a esses quesitos no Quadro 4. financiadores de capital. acionistas. Proteger o interesse do acionista 26. a frequência das respostas “discordo totalmente” e “discordo parcialmente” foram agrupadas como “discordo” e as opções “concordo totalmente” e “concordo parcialmente” como concordo.406 para todas as assertivas. Proteger o meio ambiente 25. verifica-se que a responsabilidade social empresarial faz parte da estratégia de negócio das empresas pesquisadas.406 0.000 4. Esse resultado é consistente com a teoria da legitimidade. Nesse sentido. Contribuir para o desenvolvimento da sociedade 27. comunidade. entretanto. O Quadro 5 visa identificar a percepção dos gestores em relação aos fatores relacionados com a terceira justificativa apresentada por O'dwyer (2003). proteger o interesse do acionista. corroboram com o estudo de O'dwyer (2003). mídia e governo. tendo em vista que. Contribuir para o desenvolvimento dos funcionários Qui-Quadrado 4. a percepção dos gestores foi analisada nas assertivas focando a ampliação das responsabilidades das empresas no interesse da sociedade em geral.que mais impactam a evidenciação voluntária de informações socioambientais são as pressões exercidas credores. clientes. Quadro 5 – Teste de Kruskall-Wallis. agentes reguladores. Proteger o meio ambiente 25. 2003) argumentou que a responsabilidade é um termo moral e implica a obrigação de alguém ou algo. Diante do exposto. tendo em vista que esse valor é superior a 0. 9 . A análise de significância feita através do Teste de Kruskall-Wallis permitiu concluir que não há diferença significativa entre as médias para todas as assertivas propostas. muitas vezes é interpretada como sendo dependente e não independente sucesso econômico. Proteger o interesse do acionista 26.406 0. que segundo O'dwyer (2003). Nesse sentido. Assertivas 24.000 4. a divulgação e extensão de informações socioambientais é uma função de exposição às pressões estruturais encontradas por esses gestores no ambiente social e político. Verifica-se que a maioria dos gestores concorda que a evidenciação voluntária de informações ambientais tem o sentido de proteger o meio ambiente. Deve-se ressaltar.05 conclui-se que as opiniões dos gestores pesquisados em relação às variáveis apresentadas abaixo não apresentam diferenças significativas. Bucholz (1987 apud O'dwyer. Assertivas 24. A análise desse quadro permitiu identificar que a significância do teste de KruskallWallis apresentou o valor 0.000 Graus de Liberdade 4 4 4 4 Significância 0.000 4. segundo Patten e Cho (2007).406 0. funcionários.

assim os resultados poderão ser relacionados com o nível de governança corporativa. Deve-se ressaltar. quais os fatores impactam a divulgação voluntária de informações socioambientais na percepção dos gestores. 10 . sua sobrevivência no mercado. comparando e relacionado o resultado entre as companhias de eletricidade estatais e privadas.5 CONSIDERAÇÕES FINAIS Este estudo teve por objetivo identificar. dos agentes reguladores. Nesse contexto. que a divulgação e extensão de informações socioambientais é uma função de exposição às pressões estruturais encontradas por esses gestores no ambiente social e político (PATTEN E CHO. Além disso. Na busca de ampliar esta pesquisa e aprofundar esta discussão. o tamanho e o volume de evidenciação voluntária de informações socioambientais. A teoria da legitimidade prevê ainda. De acordo com Deegan (2002) a legitimidade ainda é uma teoria pouco desenvolvida e não consegue fornecer previsões precisas. que a responsabilidade social empresarial faz parte da estratégia de negócio destas companhias. Verifica-se também. dos financiadores de capital. A teoria que fundamentou esta pesquisa estabelece que a divulgação voluntária de informações socioambientais está associada à tentativa de construir. com o aparato conceitual da Teoria da Legitimidade. Outra sugestão de pesquisa é analisar a percepção dos gestores das companhias que negociam na BM&FBOVESPA e participam do programa de Responsabilidade Social da mesma. dos clientes. prosperidade. a maximização do valor do acionista. 2007). manter ou recuperar legitimidade organizacional. evitar impactos econômicos potencialmente danosos e a antecipação aos requisitos legalmente impostos Tais achados são consistentes com o aparato conceitual da teoria da legitimidade. Assim. Os resultados da pesquisa apontam que os principais fatores que impactam a evidenciação voluntária de informações socioambientais são as preocupações com a imagem da empresa. dos funcionários. os resultados apontaram que os gestores concordam que a evidenciação voluntária de informações ambientais tem o sentido de proteger o meio ambiente. novas investigações podem verificar a percepção dos gestores de todas as empresas deste segmento. tendo em vista que. visando identificar se há diferenças significativas entre as respostas. Nesse sentido. verificou-se a percepção dos gestores focando na ampliação das responsabilidades das empresas no interesse da sociedade em geral. Isso sugere que a evidenciação socioambiental é utilizada para construir uma imagem de organização socialmente responsável. garantindo sua posição competitiva. da comunidade. da mídia e do governo. Essa perspectiva demonstra que as obrigações são vistas como devidas e colaboram para o sucesso do resultado econômico da empresa. este estudo busca contribuir para a discussão do uso da teoria da legitimidade como explicação para aspectos relacionados com a divulgação voluntária de informações socioambientais. proteger o interesse do acionista. verifica-se que as companhias pesquisadas sofrem pressões dos credores. a redução do risco de possíveis ações. dos acionistas. os gestores acreditam que a evidenciação de tais informações contribui para fortalecer a imagem da empresa. a competitividade empresarial. o desempenho. entretanto. contribuir para o desenvolvimento da sociedade e dos funcionários. a valorização das ações. a oportunidade de novas fontes de financiamento. e até mesmo. que o resultado da investigação não pode ser generalizado.

05. Auditing & Accountability Journal. Vol. M. p. L. A study of the environmental disclosures practices of Australian corporations. Accounting and Business Research. MACHADO. 3. Vol. IUDÍCIBUS. GIL. Auditing & Accountability Journal. Accounting. doi:10. 3.Non. M. 50 – 67. The legitimizing effect of social and environmental disclosures – a theorical foundation. Auditing e Accountability Journal.2007. P. 2010. Disclosure Social e Ambiental: análises das pesquisas científicas veiculadas em periódicos de língua inglesa. SPSS Aplicado à Pesquisa Acadêmica. A. No. São Paulo: Atlas.aos. 10 ed. Why Would Corporations Behave in Socially Responsible Ways? An Institutional Theory of Corporate Social Responsibility. A. 9. A. DEEGAN. No. D. Vol. São Paulo: Atlas. Como elaborar projetos de pesquisa. Organizations and Society. 2009. Abordagens da Pesquisa em Contabilidade. 2007. MARCONI. p. de. 2002. L. 372-405. No. Vol. 5 ed. Environmental disclosures in the annual report: extending the applicability and predictive power of legitimacy theory. ed. 2002. Revista Contabilidade Vista & Revista. M. No. 1 ed. S. . São Paulo: Atlas. 15. M. BRUNI. C.R. p. São Paulo: Atlas. A. D. 11 . C. S. São Paulo: Atlas. 1. J. 2007. AAAJ – Accounting. B. AAAJ – Accounting. 2003. p. 2002. 2004. B. 344-371. E. 3. DEEGAN.REFERÊNCIAS BELAL. RANKIN. Revisiting the relation between environmental performance and environmental disclosure: An empirical analysis. 20. 2002. Fundamentos da Metodologia Científica. The views of corporate managers on the current state of. LOPES. de. Teoria avançada da contabilidade. (2007). social reporting in Bangladesh: An engagement-based study. AAAJ – Accounting. 32. Universidade Federal de Minas Gerais. A. et al. LAKATOS. 3. No. In: IUDÍCIBUS. Vol. M. p. C. AAAJ – Accounting. Vol. L. p. 946–967. A. R. 15-40. p. B. J. No. 4. Vol. GORDON.. 3. DEEGAN. 15. G. M. 20. 15. Do Australian companies report environmental news objectively? An analysis of environmental disclosure by firms prosecuted successfully by the environmental protection authority. Securing organizational legitimacy: an experimental decision case examining the impact of environmental disclosures. 26. CLARKSON. Auditing & Accountability Journal. 1996.. 282311. OWEN.003. NASCIMENTO. p. Academy of Management Review. 2009. AOS – Accounting. CAMPBELL. 187-199. DIAS FILHO. Teoria da Contabilidade. et al.1016/j. MILNE. O´DONOVAN. PATTEN. 3. and future prospects for. 472 – 494. C. 1996. H. Vol. Auditing & Accountability Journal. L..

p. Atlas. No. AOS – Accounting. & Nordy. Lynne G.. 4. Hardy. 19. CHO. Vol. 406-36. 471475. 639-647. PATTEN. Organizations and Society. 2001. M. p. C. C. “Conceptions of corporate social responsibility: the nature of managerial capture”. FROST. T. Vol. A Institucionalização da Teoria Institucional. 4 ed. 15. 763-781. Vol. Vol. 196-219. Handbook de Estudos Organizacionais. Vol. dos. 3. SANTOS. 2003. B. 31. 12 . ZUCKER. TOLBERT. Auditing & Accountability Journal. p.O’DWYER. Metodologia Científica: a construção do conhecimento.. AAAJ – Accounting. STADEN. 5. p. 564-591. D. 2002. 15 No. p. Corporate environmental reporting a test of legitimacy theory. 2007. 1992.. C. Can Less Environmental disclosure have a legitimizing effect? Evidence from Africa. B. AAAJ – Accounting. 16 No. W. 32. Auditing & Accountability Journal. Organizations and Society. AAAJ – Accounting. “Managerial perceptions of corporate social disclosure: an Irish story”. The role of environmental disclosures as tools of legitimacy: a research note. Auditing & Accountability Journal. AOS – Accounting. 523-57. 2000. 4. Pamela S. O’DWYER. p. G. D. p. 2006. Organizations and Society. S. Rio de Janeiro: DP&A Editora. 1999. PATTEN. Vol. A. No. R.. Intra-industry environmental disclosures in response to the Alaskan oil spill: a note on legitimacy theory. VILLIERS. WILMSHURT.. In: Clegg. Accounting. C.