You are on page 1of 26

Anatomia e Fisiologia Posição anatómica descritiva:  Estar de pé e erecto  Face orientada para a frente  Membros superiores ao longo do corpo

 Faces Palmares das mãos orientadas para a frente  Polegares virados para fora  Pés juntos e virados para a frente com um ângulo de 30º/45º Planos Anatómicos: Plano mediano: Passa pelo meio da coluna e divide o corpo em duas porções, o lado direito e o lado esquerdo. Dá ainda as noções: - Interno/ Interior / Medial - Externo / exterior / Lateral Plano Frontal (Vertical) ou coronal: passa ao nível do promontório, isto é, do ângulo formado pela 5ª vértebra lombar e o sacro. Condiciona a noção: - anterior / ventral - Posterior / dorsal Plano Horizontal: Transversal, divide o corpo em duas porções mais ao menos iguais, passando ao nível do sacro. Define: - superior / proximal / cefálico - Inferior / distal / caudal Osteologia Faces (podem ter acidentes anatómicos) Osso Bordos Face Fossa - concavidade (quando pequena fosseta) Bossa – convexidade (quando pequena bosseta) Bordos

Sulco Ou goteira (+ profunda) Função- condução de artérias e veias

Canal- estrutura revestida a toda a volta

Buraco/Forâmen/Orifício Chanfradura- buraco incompleto

Tuberosidade/Tubérculo/Eminência/Protuberância/apófise - saliência óssea

Seio- espaço cheio de ar dentro dos ossos (ficam mais leves) Crista/Linha curva - saliência onde, geralmente se inserem os músculos Côndilo- Geralmente convexa, esférica ou elíptica Osso é um tecido vivo e a forma que este adquire é fruto das pressões que os músculos exercem sobre ele. Quanto mais minuciosos são os movimentos executados maior é o número de ossos, músculos e tendões necessários Movimentos FLEXÃO E EXTENSÃO: são movimentos que se executam segundo um plano sagital mediano. Sendo flexão para cima e extensão para baixo. ABDUÇÃO E ADUÇÃO: são movimentos que se executam segundo um plano frontal, dirigindose o sentido do movimento para fora na abdução, e para dentro na adução. PRONAÇÃO: É um movimento que vai colocar a palma da mão voltada para diante quando está virada para trás. SUPINAÇÃO: É um movimento que vão colocar a palma da mão virada para trás quando estava voltada para diante. ROTAÇÃO: Consiste no movimento de um osso em torno de um eixo, mais ou menos paralelo à sua maior dimensão.

Anatomia da cabeça óssea
A cabeça é constituída por ossos planos ou chatos: - Crânio (8 ossos): Osso frontal, 2 ossos parietais, osso occipital, 2 ossos temporais, osso esfenóide, osso etmóide - Face (14 ossos) Funções: - Protege o encéfalo; - Suporta os órgãos dos sentidos (da visão da audição, do olfacto, do paladar); - Contém os alicerces para as estruturas responsáveis pela entrada do ar, alimentos e água para o organismo. A cabeça tem cavidades (seios) cheias de ar, o que torna o osso mais leve – cavidade pneumática (os ossos que contém estas cavidades designam-se de ossos pneumáticos). Osso Frontal - Osso ímpar; - Localiza-se na cabeça óssea, mais propriamente no crânio; - Articula-se com o maxilar superior, o esfenóide, o osso nasal e o osso parietal. - Forma o tecto das cavidades orbitárias. - Tem uma face convexa ou anterior onde se encontram:  A sutura metópica  Glabela (bossa frontal mediana)  2 bossas frontais laterais

Goteira basilar  2 massas laterais Osso parietal .Endocraniana .Tem uma face côncava ou posterior onde se encontram:  Buraco cego (linha mediana)  Crista frontal média  Goteira do seio longitudinal superior  2 Fossas frontais do osso frontal (esq.Face inferior ou orbitária  2 Fossas orbitárias  1 Chanfradura etmoidal do frontal  Espinha nasal anterior  2 Orifícios dos seios esfenóides Osso occipital .Crista occipital interna .) .4 linhas curvas  Corpo com 2 faces: .Osso ímpar e mediano .4 Fossas (2 cerebrais e 2 cerebelosas) .Osso par .Protuberância occipital externa . e dir.Protuberância occipital interna .Exocraniana .Dividido por uma sutura (articulação imóvel) .Forma irregular losângica    Tem 4 partes:  A escama com 2 faces: .Exocraniana .2 Goteiras laterais .Endocraniana .Crista occipital mediana .Tubérculo faríngeo .Goteira do seio longitudinal superior .2 cristas laterais do frontal 2 facetas laterais do frontal 2 buracos ou chanfraduras supraorbitarias  2 eminências supraciliares  4 apófises orbitárias .

O esfenóide está no fundo da cavidade orbital. .face lateral  3 buracos de cada lado: grande redondo.  2 Pequenas asas  2 Apófises pterigoideias  2 grandes asas: . a pequena asa e a fenda esfenoidal. buraco oval.A face endocraniana apresenta uma fossa parietal e vários sulcos que. o posterior articula-se com o occipital. buracos ópticos. mais propriamente a grande asa.face anterior .Posterior: “solda-se” com o occipital.Laterais . goteira óptica. se chama Folha de figueira. . Osso esfenóide  1 Corpo com 6 faces: . lâmina quadrilátera.Superior: Seia turca. no seu conjunto. o inferior articula-se com o temporal e o esfenóide. pequeno redondo.face posterior .Anterior: Crista anterior 2 buracos dos seios do esfenóide . Tem 4 bordos: o superior articula-se com o parietal oposto.Inferior: crista inferior . o anterior articula-se com o frontal.

8. + Apófise crista de Galli (barbatana de tubarão) Lâmina perpendicular do etmóide Massa lateral esquerda Lâmina horizontal. 7. Lamina vertical do etmóide Osso temporal .Osso par . 6.Osso Etmóide Legenda: 1. longo Articula-se com o esterno. 5. primeira cartilagem costal e omoplata Face inferior e superior Tem um corpo e 2 extremidades Extremidade externa articula-se com o acrómio da omoplata. 4. 1.Inferior ao parietal Anatomia do membro superior Clavícula (posição anterior e superior) Espádua Omoplata (posição posterior e superior) Clavícula o o o o o o Osso par. 3. 2. Extremidade interna articula-se com o esterno e com a primeira cartilagem costa . crivada ou perfurada do etmóide Semi-célula ou Semi-seios Face externa da massa lateral (=osso plano) Cornetos superior e médio do etmóide Apófise unciforme 2.

A maior e posterior que é o olecrânio (a ponta do . Dos três bordos. O colo anatómico. Aparte interna assemelha-se a uma roldana. que é o lado que corresponde ao 5º dedo. marca os seus limites. onde se vão inserir músculos e ligamentos Úmero A cabeça do úmero articula-se com a cavidade glenoideia da omoplata. e chama-se tróclea umeral. Dos três ângulos. A impressão deltoideia localiza-se na face externa do úmero. que se localiza na união do quarto superior com os ¾ inferiores da omoplata. articula-se com o cúbito. e chama-se côndilo umeral. Extremidade Inferior do úmero: A parte externa da superfície articular é muito arredondada. um pouco abaixo do ser terço e constitui um ponto de inserção do músculo deltóide. que se vai articular com a cabeça do úmero  Perto do ângulo externo origina-se a apófise coracoideia. imediatamente distal a cabeça. Acima da espinha. na porção superior e posterior do tórax o Articula-se com a clavícula e com o úmero Orientação: A face côncava é anterior. que apresenta uma faceta articular para a clavícula ÂNGULO EXTERNO  O ângulo externo apresenta a cavidade glenoideia. o acrómio. . o que apresenta uma nítida superfície articular é externo e olha para diante. O Troquino localiza-se na face externa da extremidade proximal do úmero.  Essa espinha termina por uma apófise volumosa. O rádio encontra-se no lado externo. A goteira localizada entre o troquino e o troquíter. o mais curto é superior. Abaixo a fossa infra espinhosa .o Omoplata o Osso par. e o troquiter localiza-se na face anterior desta extremidade. Cúbito e Rádio O cúbito encontra-se do lado interno. temos a fossa supra-espinhosa. chamada grande cavidade sigmoideia. articula-se com o rádio.A extremidade proximal do cúbito tem uma superfície articular em forma de C para a tróclea do úmero. Esta cavidade é composta por duas apófises. O colo cirúrgico chama-se assim por ser uma localização de frequentes fracturas que exigem reparação cirúrgica. achatado e triangular. chama-se goteira bicipital. Na vizinhança imediata da tróclea e do côndilo encontram-se o epicôndilo e a epitróclea. sendo pouco acentuado. FACE ANTERIOR  Fossa infraescapular FACE POSTERIOR  A espinha da omoplata . que corresponde ao lado do 1º dedo.

— Articula-se com o sacro. A cabeça pode ser observada no lado posterior e interno da extremidade inferior do cúbito.8 ossos que constituem o carpo.cotovelo). . localiza-se uma escavação chamada acetábulo. . . São convexos atrás e côncavos à frente. — Orientação: A cavidade articular é externa. onde o rádio roda contra a pequena chanfradura sigmoideia do cúbito. Na fase externa de cada osso coxal. no ponto de articulação do membro inferior com a cintura pélvica.A extremidade distal do rádio. a maior chanfradura existente no rebordo desta cavidade é inferior e o maior ressalto que limita esta chanfradura é posterior. O lado póstero-interno da cabeça tem uma pequena apófise estiloideia. a mais pequena e anterior que é a apófise coronoideia.A extremidade distal do cúbito tem uma pequena cabeça. o ísquion e o púbis. Mão Compõe-se por: . A tuberosidade bicipital é o ponto de inserção do bicepete branquial. e inferiormente por um anel ósseo expandido que rodeia um grande buraco obturado. por uma região ligeiramente mais estreita ao centro. que se articula com o cúbito e com os ossos do carpo. atrás. que articula em simultâneo com o rádio e com os ossos do carpo. com o osso coxal do lado oposto e com o fémur. É côncava e articula-se com o côndilo do úmero. .14 ossos que constituem os dedos. Anatomia do membro inferior Anca: Ilíaco ou osso coxal A anca ou cintura pélvica é formada pelos ossos coxais direito e esquerdo (ossos ilíacos). para formar a bacia óssea ou pelve. disposto em duas fileiras de 4 ossos cada. Cada osso coxal e formado pela fusão e desenvolvimento de 3 ossos: o ílion.5 ossos que constituem o metacarpo.A extremidade proximal do rádio é a cabeça. Estes ossos reúnem se um com o outro adiante e com o sacro. Cada osso é formado superiormente por uma lâmina óssea grande e côncava. As superfícies lateriais da cabeça constituem um cilindro liso. . . é de certo modo alargada e apresenta uma pófise estiloideia que se localiza externamente.

que forma a face externa da articulação do tornozelo. que se articulam com a tíbia. Pé O pé é constituído por 26 ossos divididos em 3 grupos: .Fémur O fémur tem uma cabeça.A extremidade distal do perónio está ligeiramente alargada no maléolo externo. externa e interna. onde se articula com o acetábulo. O corpo proximal tem duas tuberosidades: o grande trocânter lateral ao colo e pequeno trocânter inferior e posterior ao colo. que se articulam com os côndilos do fémur. . O perónio não se articula com o fémur mas tem uma pequena cabeça proximal onde se articula com a tíbia. A Rótula é um grande osso sesamóideu. e um colo bem definido.A extremidade distal da tíbia é alargada para formar o maléolo interno que contribui para a face interna da articulação do tornozelo.A extremidade proximal da tíbia apresenta as cavidades glenoideias da tíbia. Tíbia e perónio Logo abaixo da rótula pode-se apalpar a tuberosidade anterior da tíbia. A extremidade distal do fémur apresenta os côndilos interno e externo. Com localização proximal em relação aos côndilos estão os epicôndilos interno e externo. Localizada entre as cavidades está a espinha da tíbia (eminência intercondiliana). . . A crista anterior forma a “canela”.

O debrum glenoideu é uma fibrocartilagem.O tarso. com 7 ossos. entre o rádio e o cúbito). Articulações imóveis: Não têm movimento (ex: articulações da caixa craniana). . . Sete características das articulações móveis: .O metatarso (com 5 metatársicos). . .superfícies articulares.trocleartroses ou em roldana (cotovelo e joelho). a que se fixa a cápsula articular. . A mais posterior denomina-se de prótarso e é constituída pelo astrágalo em cima e pelo calcâneo em baixo. Tipos de articulações móveis: .Líquido sinovial.Membrana sinovial (isola a articulação/ alimenta a cartilagem por difusão) Responsável pelo líquido que permite o movimento entre ossos.trocartroses ou cilíndricas (cotovelo.Ligamentos passivos (porque não provocam movimento). A fileira anterior ou mesotarso é constituída de fora para dentro pelo cubóide. Dirige-se depois para fora inserindo-se por dois feixes no troquino e no troquiter. . . CÁPSULA ARTICULAR: Tem a forma de um cone truncado que se insere no colo anatómico e colo cirúrgico do úmero.condilartroses ou elípticas (cotovelo e joelho).Ligamentos activos. .. sendo esta reforçada por ligamentos passivos: o ligamento córaco-umeral.Os dedos. Articulação escápulo-umeral A cabeça arredondada do úmero articula-se com a cavidade glenoideia pouco profunda da omoplata. .enartroses ou esféricas (ombro e anca). ectocuneiforme. O bordo da cavidade glenoideia é ampliado ligeiramente pelo debrum glenoideu. escafóide.cartilagens articulares. Articulações semi-móveis: o movimento depende das cartilagens. As duas superfícies articulares são mantidas em posição por intermédio da cápsula articular. LIGAMENTO CÓRACO-GLENOIDEU: Muito inconstante. o ligamento córaco-glenoideu e os três ligamentos gleno-umerais. insere-se na apófise coracoideia e no debrum glenoideu. LIGAMENTO CÓRACO-UMERAL: É um ligamento espesso que se insere na apófise coracoideia. dispostos em 2 fileiras. . mesocuneiforme e endocuneiforme. . . Articulações Articulações móveis: permitem grande amplitude de movimento.cápsula articular.

A extremidade superior do rádio é constituída pela cavidade glenoideia rádio que se articula com o côndilo umeral. SINOVIAL: Reveste a superfície interior da cápsula articular. Ao alcançar as inserções capsulares reflecte-se para se estender à cartilagem que reveste as superfícies articulares.A extremidade inferior do úmero é constituída por dentro pela tróclea umeral que se articula com a grande cavidade sigmoideia do cúbito e. LIGAMENTO ANTERIOR: Insere-se em cima entre a epitróclea e o epicôndilo. . . descrevendo à volta da cabeça do rádio uma circunferência). Articulação do cotovelo A articulação do cotovelo é uma articulação e roldana complexa. Inserem-se no úmero e na cavidade glenoideia. O contorno da cabeça do rádio mantém-se na posição por intermédio ligamento anular (ligamento que se estende duma extremidade à outra da pequena cavidade sigmoideia do cúbito ampliando-a. Classificação: bitrocleo-condilo-trocartrose SUPERFÍCIES ARTICULARES: . a fosseta coronoideia. Como porções acessórias existem a fosseta olecraniana. constituída pela articulação úmero-cubital (trocleartose) entre o úmero e o cúbito. por fora.LIGAMENTOS GLENO-UMERAIS: São três fitas fibrosas. pelo côndilo umeral que se articula com a cabeça do rádio. Insere-se em cima na epitróclea e em baixo no olecrânio e apófise coronoideia do do . o bico do olecrânio e o bico da apófise coronoideia. (condilartrose) entre o úmero e o rádio e a articulação rádio-cubital superior (trocartrose). por fora o epicôndilo e por dentro a epitróclea. articulação úmero-radial. LIGAMENTO POSTERIOR: Localiza-se na porção posterior da articulação. Em baixo inserese na apófise coronoideia e ao nível do ligamento anular.A extremidade superior do cúbito é constituída pela grande cavidade sigmoideia. A sua inserção inferior faz-se ao nível do rádio e do cúbito. LIGAMENTO LATERAL INTERNA: É o mais desenvolvido de todos os ligamentos da articulação do cotovelo. CÁPSULA ARTICULAR: A sua inserção superior faz-se segundo uma linha que contorna adiante a fosseta coronoideia. atrás a fossa olecraniana. a epitróclea e o epicôndilo.

LIGAMENTO LATERAL EXTERNO: Em forma de leque. Em baixo insere-se na linha intertrocanteriana anterior. LIGAMENTO PUBOFEMURAL: Situa-se na porção antero-inferior da articulação. LIGAMENTO ISQUIOFEMURAL: Localiza-se na porção posterior e inferior da articulação. Um pouco por baixo e atrás do seu centro. existe uma depressão. LIGAMENTO QUADRADO DE DENUCÉ: Estende-se desde o bordo inferior da pequena cavidade sigmóideia ao colo do rádio. estende-se entre o epicôndilo e o bordo externo da grande cavidade sigmoideia. . MEIOS DE UNIÃO: As superfícies articulares mantêm-se em posição graças à existência de uma cápsula articular. a fosseta do ligamento redondo onde se insere este ligamento. É considerada a mais potente articulação do corpo humano. Esta é reforçada por ligamentos: ligamento ilio-femural. SINOVIAL: Reveste a superfície interior da cápsula. que une a cabeça femural à chanfradura isquio-púbica. A cabeça do fémur representa dois terços de uma esfera. Articulação coxo-femural (da anca) Une o fémur ao osso ilíaco e é caracterizada pela sua localização profunda e por se encontrar envolvida por potentes massas musculares. Classificação: Enartrose Compreende a cabeça do fémur e o acetábulo que é aumentada pelo debrum cotiloideu. O ligamento redondo é um ligamento independente. Insere-se por dentro no bordo externo do cúbito e por fora no bordo interno do rádio. sendo constituido por três feixes (anterior. ligamento isquiofemural e ligamento pubofemural. LIGAMENTO ILIO-FEMURAL: Insere-se em cima na espinha ilíaca antero-inferior. médio e posterior). MEMBRANA INTERÓSSEA: É uma membrana fibrosa que une a parte média dos dois ossos do antebraço.

de duas fibrocartilagens.trocleartrose). posterior.Uma constituída pelo fémur e pela rótula (articulação fémuro-rotuliana. externo e ligamentos cruzados (anterior e posterior) CÁPSULA: Tem a forma de uma manga com algumas soluções de continuidade LIGAMENTO ANTERIOR OU ROTULIANO: Insere-se na rótula em cima e na tíbia em baixo.A outra é constituída pelo fémur e pela tíbia (articulação fémuro-tibial – bicondiloartrose). Articulação do joelho Pode ser dividida em 2 articulações secundárias: . LIGAMENTO POSTERIOR OU POPLITEU: Localizam-se na porção posterior da articulação. os meniscos interarticulares interno e externo.LIGAMENTO REDONDO: Localiza-se no interior da articulação. entre as superfícies articulares. interno. . tendo ainda 2 meniscos. . Une a cabeça femural à chanfradura isquio-púbica. MEIOS DE UNIÃO: As superfícies articulares são mantidas em posição graças à existência da cápsula articular.O fémur tem adiante a tróclea e atrás os 2 côndilos separados pela chanfradura intercondiliana.A tíbia tem duas cavidades glenoideias (interna e externa). ligamento anterior. LIGAMENTO LATERAL INTERNO: Insere-se no côndilo interno do fémur e em baixo na tíbia LIGAMENTO LATERAL EXTERNO: Insere-se no côndilo externo do fémur e em baixo no peróneo . CLASSIFICAÇÃO: Trócleo-bicôndilo-meniscartrose. SINOVIAL: Reveste a superfície interior da cápsula.A rótula tem uma superfície articular na sua face posterior. . A concavidade pouco marcada das cavidades glenoideias e a convexidade muito acentuada dos côndilos femurais condicionam a existência. SUPERFÍCIES ARTICULARES: .

No centro da banda A existe uma zona mais clara designada linha H e no centro da banda I uma zona mais escura. O ligamento cruzado anterior insere-se em baixo na porção antero-interna da espinha da tíbia. externo O ligamento cruzado posterior insere-se em baixo atrás da espinha da tíbia. A banda I contém um complexo conjunto de 3 proteinas – actina. No sarcómero existe uma banda A ladeada por duas bandas I. dirigindo-se depois para cima. A banda A é formada por filamentos de miosina. SINOVIAL: É muito extensa sendo a mais complexa das sinoviais Miologia A unidade funcional da contracção é o sarcómero.LIGAMENTO CRUZADOS: São ligamentos muito resistentes estando localizados na chanfrandura intercondiliana. troponina e tropomiosina . a linha Z. dirigindo-se depois para cima. para trás e para fora para se inserir no côndilo. para diante e para dentro para se inserir no côndilo interno.

Há libertação de calcio do reticulo sarcoplasmatico. Conjuntos de 100 a 2000 fibras musculares são controladas por um unico neuroneo motor formando uma unidade designada placa motora. O cálcio liga-se a actina. Há ATP ligado a miosina. Modelo do deslizamento dos filamentos O modelo de deslizamento dos filamentos para a contracção muscular descreve todos os acontecimentos que resultam no deslizamento dos filamentos de actina sobre os miofilamentos de miosina para encurtar os sarcómeros das fibras musculares. havendo encortamento do . A actina fica preparada para se ligar as cabeças de miosina. dando as células características de esteriação transversal.Os sarcómeros são alinhados longitudinalmente nas fibras musculares unidos pelas linhas Z de duas unidades sucessivas. O impulso nervoso provoca libertação de neurotransmissor acetilcolina que se difunde na fenda sináptica e provoca alteração da permeabilidade do sarcolema. Há degradação de ATP em ADP e a energia resultante é usada para ligar actina á miosina. A alteração de permeabilidade é transmitida a toda a fibra com muita rapidez pelos tubulos transversos.

sarcómero. Músculo transverso do mento (12) . Músculo bucinador (2) 3. Músculo levantador comum da asa do nariz e do lábio superior (3) 4. Músculo quadrado do mento (10) 11. Músculo auricular posterior Músculos das Pálpebras 1. Músculo piramidal do nariz 2. Músculo occipito-frontal 2. A contracção mantida é a tetania e leva a morte. Músculo levantador do lábio superior (4) 5. Músculo supraciliar Músculos do Nariz 1. Músculo triangular dos lábios (9) 10. Todos os músculos são revestidos por apónefroses. Músculo do Nariz 3. que são “bolsas” que individualizam cada músculo. Músculo Mirtiforme Músculos da boca 1. Miologia da cabeça Classificação: Músculos subcutâneos da cabeça e músculos mastigadores MÚSCULOS SUBCUTÂNEOS DA CABEÇA Músculos subcutâneos do Crânio 1. separando-os dos tecidos que os rodeiam. Músculo de Horner 3. Músculo canino (5) 6. Músculo da borla do mento (11) 12. Músculo têmporo-parietal Músculos do Pavilhão Auricular 1. Músculo auricular superior 3. Músculo risorius de Santorini (8) 9. mas com alguma elasticidade. Músculo orbicular dos lábios (1) 2. Músculo auricular anterior 2. Músculo grande zigomático (7) 8. Músculo pequeno zigomático (6) 7. As apónefroses são tecido conjuntivo fibro-elástico resistente. Músculo orbicular das pálpebras 2. Para o relaxamento há regresso do cálcio ao reticulo por gasto de ATP e desacopulamento da miosina e actina.

MÚSCULOS MASTIGADORES 1. . Músculo Temporal É um músculo de forma triangular que se insere na linha curva temporal inferior. São flexores da cabeça quando se contraem simultaneamente e executam movimentos de inclinação lateral para o mesmo lado e de rotação da cabeça para o lado oposto quando se contraem isoladamente Músculos supra-hioideus 1. Músculo Masséter 3. Músculo digástrico É um músculo alongado. sendo constituído pelo feixe esternal e pelo feixe clavicular. É elevador do maxilar inferior. O VENTRE POSTERIOR insere-se na ranhura digátrica. Daqui as suas fibras dirigem-se para baixo e vão inserir-se na apófise coronoideia do maxilar inferior. Músculo subcutâneo do pescoço Músculos cervicais laterais 1. O músculo encontra-se recoberto pela aponevrose temporal. formado por dois ventres unidos por um tendão intermediário. na fossa temporal e na face profunda da aponevrose temporal. que se insere na linha curva temporal superior e na arcada zigomática. O FEIXE EXTERNAL insere-se na face anterior do manúbrio esternal e depois na face externa da apófise mastoideia e na linha curva occipital superior. Músculo Pterigoideu interno Miologia do pescoço Músculos cervicais superficiais 1. O FEIXE CLAVICULAR insere-se no quarto interno da clavícula e depois no bordo anterior da apófise mastoideia e na linha curva occipital superior. Músculo esterno-cleido-mastoideu É um músculo que se extende da porção antero superior do tórax ao occipital e à apófise mastoideia. 2. Músculo Pterigoideu externo 4. que se encontra na face interna da apófise mastoideia.

dirigindo-se depois obliquamente para baixo. Músculo estilo-hioideu É perfurado pelo tendão intermediário do digástrico. O tendão intermediário continua-se depois pelo VENTRE ANTERIOR. Músculo esterno-cleido-hioideu Insere-se em baixo na extremidade interna da clavícula e no manúbrio esternal e. Músculo esterno-tiroideu Insere-se na face posterior do manúbrio do esterno e na primeira cartilagem costal.continuando-se com o tendão intermediário que está situado por cima do osso hióide. perto da linha mediana. Abaixa o osso hióide 2. inserindo-se na face anterior da cartilagem tiroideia da laringe. O tendão intermediário perfura o músculo estilo-hioideu. que se insere na fosseta digástrica do maxilar inferior. para diante e para fora. Abaixa a laringe 4. Músculo milo-hioideu 4. em cima. para se inserir na face anterior do corpo do osso hióide 3. no bordo inferior do osso hióide. Insere-se na apófise estiloideia. 2. Músculo tiro-hioideu . para diante e para dentro. Músculo génio-hioideu Músculos infra-hioideus 1. Dirigese depois para cima. Músculo omo-hioideu 3.

Músculo recto anterior da cabeça Insere-se em cima na face inferior da apófise basilar. É flexor da cabeça 3. Estes diferentes feixes musculares. 2. Insere-se nos dois terços internos do bordo anterior da clavícula. Músculos Internos da Espádua  Músculo Grande Dentado Músculos Posteriores da Espádua  Músculo Supra-Espinhoso  Músculo Infra-Espinhoso  Músculo Infra-Escapular  Músculo Pequeno Redondo . depois de convergirem uns para os outros. adiante do buraco occipital. por um feixe secundário. acabam por se inserir no lábio externo da goteira bicipital do úmero. Estes feixes independentes vão-se fundindo e acabam por se reunir num tendão único que se insere no tubérculo de LISFRANC. Músculo escaleno médio Insere-se em cima nos tubérculos anteriores das apófises transversas das sete vértebras cervicais e em baixo na face superior da 1ª costela e por vezes na 2ª costela. Miologia do membro superior MÚSCULOS DA ESPÁDUA Músculos Anteriores da Espádua  Músculo Pequeno Peitoral  Músculo Subclávio  Músculo Grande Peitoral: É o músculo mais superficial dos músculos anteriores da espádua. na face anterior do esterno. Músculo longo do colo 2. 3. Músculo escaleno posterior Insere-se em cima nos tubérculos posteriores das apófises transversas das vértebras cervicais e em baixo na face supero-externa da 2ª costela.Músculos vertebrais anteriores 1. Músculo escaleno anterior Insere-se em cima nos tubérculos anteriores das apófises transversas das vértebras cervicais. Músculo recto lateral da cabeça Músculos vertebrais laterais 1. ACÇÃO: Adutor e rotador do braço para dentro e eleva as costelas (involuntariamente) e o tórax. no folheto anterior da bainha do grande recto do abdómen e na face anterior das seis primeiras cartilagens costais. situado na face superior da primeira costela. Músculo pequeno recto anterior da cabeça 4.

na tuberosidade bicipital do rádio. ACÇÃO: Abdutor do braço. em cima. por intermédio de um forte tendão terminal. por intermédio de um tendão conjunto com outro músculo desta região. Do lado interno do tendão terminal destaca-se uma lâmina fibrosa. As duas porções do músculo fundem-se para constituir uma porção carnosa única que atinge a região do cotovelo e se insere. conhecida por expansão aponevrótica que vai cobrir os músculos que se inserem na epitróclea. . e duas mais curtas. imediatamente por cima da cavidade glenóideia. O bordo anterior do deltóide está em relação íntima com o grande peitoral e separado deste. MÚSCULOS DO BRAÇO Músculos Anteriores do Braço  Músculo córaco-braquial  Músculo braquial anterior  Músculo bicípite braquial: É um músculo constituído por duas porções. muito comprido penetra na cavidade articular da articulação escápulo-umeral. o córacobraquial. distintas: uma mais longa. O Tendão. Insere-se em cima no 1/3 externo do bordo anterior da clavícula. Músculo Grande Redondo Músculos Externos da Espádua  Músculo Deltóide: É um músculo com forma triangular. podendo ser flexor do braço por intermédio dos seus feixes anteriores e extensor do braço por acção dos seus feixes posteriores. que se estendem da omoplata ao rádio. que estende a sua inserção até à omoplata. ACÇÃO – O bicípete braquial é um flexor do antebraço sobre o braço e um supinador. pelo espaço delto-peitoral. que se dispõe na porção externa da articulação escápulo-umeral. volumoso. A curta porção (cp) insere-se no vértice da apófise coracoideia da omoplata. o vasto interno e o vasto externo. quando o antebraço está em pronação. a longa porção do tricípede. no bordo externo do acrómio e no bordo posterior da espinha da omoplata. Todos estes feixes inserem-se por intermédio de um tendão na impressão deltoideia do úmero. em cima no úmero. A longa porção (lp) insere-se no ângulo externo da omoplata. que se inserem. Músculos Posteriores do Braço  Músculo Tricípete braquial: É um músculo constituído por três porções.

logo abaixo da cavidade glenóideia. na base da apófise estiloideia do rádio. as três porções dirigem-se para baixo reunindo-se num tendão comum que se insere na face superior do olecrânio. Músculos Posteriores do Antebraço Músculo extensor comum dos dedos Músculo extensor próprio do dedo mínimo Músculo cubital posterior Músculo ancónio Músculo longo abdutor do polegar Músculo curto extensor do polegar Músculo longo extensor do polegar Músculo extensor próprio do indicador         MÚSCULOS DA MÃO  Músculos Palmares Externos da mão ou da Eminência de Thenar  Músculos Internos da mão ou da Eminência de Hipothenar  Músculos Palmares médios da mão . por um tendão.Estas três porções são distintas apenas na porção superior do músculo. ACÇÃO: É flexor do antebraço. sendo supinador apenas quando o antebraço está em pronação completa. Daqui o músculo dirige-se verticalmente para baixo. no bordo externo do corpo do úmero. ACÇÃO: O tricípete braquial é um músculo extensor do antebraço MÚSCULOS DO ANTEBRAÇO Músculos Anteriores do Antebraço  Músculo Redondo Pronador  Músculo Grande Palmar  Músculo Pequeno palmar  Músculo Cubital Anterior  Músculo Flexor comum superficial dos dedos  Músculo Flexor comum profundo dos dedos  Músculo longo flexor do polegar  Músculo quadrado pronador Músculos Externos do Antebraço  Músculo curto supinador  Músculo primeiro radial externo (longo radial)  Músculo segundo radial externo (curto radial)  Músculo longo supinador (Músculo braquioradial): É um músculo longo que se estende da extremidade inferior do úmero à extremidade inferior do rádio. para se inserir. terminando em baixo por uma inserção comum sobre o cúbito. Destas inserções de origem. O vasto externo e o vasto interno inserem-se na face posterior do corpo do úmero. A longa porção insere-se na tuberosidade infra-glenoideia existente no bordo axilar da omoplata. Insere-se em cima.

nos tubérculos sagrados póstero-externos. na crista do sacro e do cóccix. ACÇÃO: É extensor e rotador da coxa para fora.Os seus feixes dirigem-se então para baixo para se inserirem na linha áspera do fémur. na fossa ilíaca externa. MÚSCULOS DA COXA Músculos Ântero-externos da Coxa . Músculos Interósseos da mão Miologia do membro Inferior MÚSCULOS DA ANCA  Músculo Médio Glúteo  Músculo pequeno glúteo  Músculo Piramidal da Bacia  Músculo Obturador interno  Músculo Obturador externo  Músculo Gémeo pélvico superior  Músculo Gémeo pélvico inferior  Músculo Quadrado Crural  Músculo Grande Glúteo: Insere-se em cima na porção posterior do lábio externo da crista ilíaca. nos bordos laterais do sacro e do cóccix.

O músculo vasto interno insere-se na linha áspera. Os tendões de terminação das quatro porções do quadricípete crural reúnem-se por cima da rótula constituindo o tendão do quadricípete. O músculo crural está situado atrás dos vastos. reunindo-se depois num tendão comum. inserindose na linha áspera e nos três quartos superiores das faces anterior e póstero-externa do corpo do fémur. vasto externo. depois de passar por baixo do ligamento anular anterior do tarso. e por intermédio do recto anterior. nos dois terços superiores da face externa da tíbia e na porção superior e interna do ligamento interósseo. O músculo vasto externo insere-se na face externa do grande trocanter e na linha áspera do fémur. Músculo Costureiro  Músculo Tensor da Fascia lata  Músculo Quadricípete Crural: É um músculo muito volumoso. inserindo-se por um tendão directo na espinha ilíaca antero-inferior e por um tendão reflectido na porção superior do rebordo cotiloideu. que se insere na rótula. vasto interno e crural.É um extensor da perna. é um flexor da coxa sobre a bacia Músculos Internos da Coxa  Músculo Pectíneo  Músculo Médio ou primeiro adutor  Músculo Pequeno ou segundo adutor  Músculo Grande ou Terceiro adutor  Músculo Recto interno Músculos Posteriores da Coxa  Músculo Bicípete Crural  Músculo Semitendinoso  Músculo Semimembranoso MÚSCULOS DA PERNA Músculos Anteriores da Perna  Músculo Extensor próprio do grande dedo  Músculo extensor comum dos dedos  Músculo Peroneal anterior  Músculo Tibial Anterior: É o músculo mais interno da loca anterior da perna. Todos estes feixes musculares acabam por originar um tendão que. se insere no endocuneiforme e na extremidade posterior do 1º metatársico. O músculo recto anterior é o mais superficial. . Na sua origem. ACÇÃO:. Este tendão insere-se rótula e na tuberosidade anterior da tíbia. as quatro porções são perfeitamente individualizadas. Insere-se em cima no Tubérculo de Gerdy ou Tubérculo do tibial anterior. constituído por quatro porções: recto anterior.

Estes três músculos têm em baixo um tendão comum. que se insere no calcâneo. Músculos Externos da Perna  Músculo Longo Peroneal lateral  Músculo Curto Peroneal Lateral Músculos Posteriores da Perna  Músculo Plantar delgado  Músculo Popliteu  Músculo longo flexor comum dos dedos ou flexor tibial  Músculo Tibial Posterior  Músculo longo flexor próprio do grande dedo ou flexor peroneal  Músculo Trícipete sural: O trícipete sural é constituído por três músculos. o tendão de aquiles. adutor e rotador do pé para dentro. O músculo solhar encontra-se situado à frente dos gémeos (mais profundamente) e insere-se em cima no peróneo e na tíbia. Os gémeos distinguem-se em interno e e externo. ACÇÃO: Extensor do pé e também adutor e rotador do pé para dentro MÚSCULOS DO PÉ  Músculos Dorsais do pé  Músculos Plantares Internos do pé  Músculos Plantares externos do pé  Músculos Plantares médios do pé  Músculos Interósseos do pé .É flexor. inserindo-se cada um deles no côndilo femural correspondente. Uma bolsa serosa separa o tendão da face posterior do calcâneo.ACÇÃO:. o gémeo interno e o solhar. o gémeo externo. Os tendões de terminação dos gémeos e do solhar reúnem-se depois para constituir o tendão de aquiles. que se insere na porção inferior da face posterior do calcâneo.

Músculo grande complexo Músculo pequeno complexo Músculo transversário do pescoço    Músculos profundos da Nuca .MÚSCULOS DO DORSO Músculos Dorsais Superficiais    Músculo trapézio Músculo grande dorsal Músculo grande rombóide e músculo pequeno rombóide Inserem-se no ligamento cervical posterior e nas apófises espinhosas da 7ª vértebra cervical e das cinco primeiras dorsais. O esplénio do pescoço insere-se no atlas e no áxis. As fibras inferiores constituem o músculo grande rombóide enquanto as fibras superiores constituem o músculo pequeno rombóide. O músculo espinhal da cabeça insere-se nas apófises espinhosas das vértebras cervicais inferiores e dorsais superiores e termina no occipital. O músculo esplénio da cabeça insere-se no occipital e na pófise mastoideia (temporal). Músculo angular da omoplata Músculo pequeno dentado posterior e superior Músculo pequeno dentado posterior e inferior    Músculos das goteiras vertebrais  Massa comum ou músculo sacro-ilio-lombar  Músculo ilio-costal  Músculo longo dorsal do tórax  Músculos espinhais: Os músculos espinhais são três: O músculo espinhal do tórax insere-se nas 11ª e 12ª vértebras dorsais e acaba por se inserir nas apófises espinhosas da 3ª à 9ª vértebras dorsais. Todas as fibras se dirigem para cima e fora. As fibras mais internas constituem o músculo esplénio da cabeça e as fibras mais externas constituem o músculo esplénio do pescoço. O músculo espinhal do pescoço insere-se nas apófises espinhosas das 4ª à 7ª vértebras cervicais e termina nas apófises espinhosas das 2ª e 3ª vértebras cervicais. Inserem-se na porção inferior do ligamento cervical posterior e nas apófises espinhosas da 7ª vértebra cervical e das cinco primeiras dorsais. As suas fibras convergem depois para fora e inserem-se no bordo espinhal da omoplata.  Músculo transversário espinhoso  Músculo semi-espinhoso  Músculo complicado da espinha  Músculo sub-complicado da espinha  Músculos intertransversários  Músculos interespinhosos Músculos da Nuca Músculos superficiais da nuca  Músculo esplénio da cabeça e músculo esplénio do pescoço: Encontram-se situados à frente do trapézio.

dirigindo-se depois para cima e para fora. inserindo-se no occipital Músculo grande oblíquo da cabeça: Insere-se na apófise espinhosa do áxis. inserindo-se no occipital Músculo pequeno recto posterior da cabeça: Insere-se no tubérculo posterior do atlas. inserindo-se no occipital . dirigindo-se depois para cima e para dentro. dirigindo-se depois para cima e para fora.    Músculo grande recto posterior da cabeça: Insere-se na apófise espinhosa do áxis. para fora e para diante. dirigindose depois para cima. inserindo-se na apófise transversa Músculo pequeno oblíquo da cabeça: Insere-se na apófise transversa do atlas.