You are on page 1of 9

Programa de Didáctica do 1º Ciclo do Ensino Básico 1º e 2º ano 15 ECTS

1º ANO / 2º SEMESTRE

Curso de Mestrado em Educação Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico

DOCENTES: Ramiro Marques Maria João Cardona Zita Neves Maria Leonor Santos Susana Colaço

Ano Lectivo 2011/2012

INTRODUÇÃO Esta unidade curricular organiza-se tendo uma parte de formação genérica e módulos distribuídos por algumas áreas de conteúdo do 1º ciclo do ensino básico: Língua Portuguesa; Matemática; Estudo do Meio Fisico e Social. Serão também abordados os conteúdos relativos à área das expressões artisticas e da formação pessoal e social. Sem esquecer as características de monodocência que caracterizam este ciclo de ensino e a consequente necessidade de uma articulação e integração de saberes. Nesta unidade curricular o trabalho centra-se nos primeiros dois anos do 1º ciclo do ensino básico, sendo o trabalho relativo aos dois segundos anos trabalhados na unidade curricular: Didáctica do 1º ciclo- 3º e 4º anos. Tendo em conta conteúdos já abordados em anteriores unidade curriculares e o trabalho a decorrer nos estágios, procura-se reflectir os princípios da didáctica geral e especifica do 1º ciclo do ensino básico, sem esquecer a sua necessária articulação com o trabalho realizado antes da entrada na escola, na educação pré-escolar. Nesta unidade curricular o/as formando/as devem ser capazes de mobilizar os seus conhecimentos científicos, didácticos e curriculares para serem capazes de realizar uma gestão curricular ajustada aos seus alunos e alunas e à especificidade do contexto em que irão trabalhar. Todo o trabalho será realizado em estreita articulação com as situações vivenciadas no estágio. Pretende-se com esta Unidade Curricular que os formandos e formandas sejam capazes de: • Saber gerir o respectivo currículo, através da planificação, organização e avaliação do ambiente educativo, bem como das actividades e projectos curriculares. • Saber mobilizar o conhecimento e as competências necessárias ao desenvolvimento de um currículo integrado. • Promover a aprendizagem de competências socialmente relevantes, no âmbito de uma cidadania activa e responsável, enquadradas nas opções de política educativa presentes nas várias dimensões do currículo. • Adquirir, desenvolver e aprofundar “conhecimentos e capacidade de compreensão” relativos a conteúdos do 1º Ciclo do Ensino Básico, nas principais áreas de conteúdo. • Adquirir os conhecimentos didáticos necessários à getsão e realização do currículo. CONTEÚDOS 1. 2. • • • • Definição de conceitos O Currículo do 1º Ciclo de Ensino Básico Gestão curricular, avaliação e metas de aprendizagem A articulação com os outros ciclos de ensino Planificaçãodo trabalho: construção de tarefas/actividades e dinâmica de trabalho na organização de trajectórias de aprendizagem Organização do ambiente educativo e auxiliares da aprendizagem

• A avaliação • Promoção de atitudes e valores 3. Estratégias de ensino-aprendizagem • Educação para a cidadania: uma área transversal do curriculo • Educação e diversidade • Análise de de situações • A Expressão como forma de Comunicação • A arte na educação • A educação estética • Análise de situações Módulo de Estudo do meio Fisico e Social • Construção/discussão de mapas de conceitos • Discussão de situações problemáticas • Visitas de Estudo/Trabalho de campo • Actividades experimentais de tipo investigativo Módulo de Matemática • Desenvolvimento do sentido de número e do pensamento algébrico • Desenvolvimento do sentido espacial e da noção de grandeza e de medida • Capacidade de organização e tratamento de dados Módulo de Língua Portuguesa • A transversalidade da Língua Portuguesa • Didática do Português • Iniciação à leitura e escrita • Compreensão e expressão oral • CEL – conhecimento explícito da língua • Didática do Plurilinguismo: noções básicas e articulação com o Português METODOLOGIAS DE ENSINO A par de momentos de exposição teórica e pesquisa bibliográfica, o processo de formação privilegiará a discussão, a análise e a reflexão sobre temáticas no âmbito das áreas curriculares e sobre situações de ensino-aprendizagem de aluno/as do 1.º ciclo nessas áreas. Através da verbalização e da interacção, o/as futuro/as docentes têm a oportunidade de formular ideias, aprender uns com os outros, tomar consciência de perspectivas alternativas, interiorizar teoria, criticar ideias, envolver-se em reflexão colaborativa sobre problemas reais com que se deparam (ou poderão vir a deparar) e aumentar o seu conhecimento didáctico na tentativa de ultrapassar esses problemas. Para que consigam implementar determinado tipo de abordagem, estratégia ou actividade nas suas aulas, necessitam primeiro de experimentar e de compreender por si próprio/as os processos envolvidos na aprendizagem através destas abordagens, estratégias ou actividades. Portanto, para além de se discutirem as potencialidades educativas de diferentes tipos de situações de aprendizagem, os participantes serão convidados a experimentá-las em simulações na sala de aula. Acredita-se que a vivência e a discussão dessas actividades pelos participantes facilitam a construção do conhecimento didáctico necessário à sua realização, aumentando a probabilidade da sua utilização em contexto de sala de aula.

A concretização dos objectivos propostos pressupõe a criação de um ambiente de sala de aula estimulador de comunicação, autonomia e reflexão. Será ainda promovida a elaboração e discussão de planificações e de planos de aula por parte dos estudantes, bem como preparação da utilização de materiais. AVALIAÇÃO Tendo em conta o disposto no Regulamento em vigor a avaliação dos estudantes exige a presença em pelo menos 75% das horas de contacto e basear-se-á: Regime de avaliação • participação activa e a assiduidade dos estudantes durante as actividades lectivas (10%); • (individual) teste escrito (60%) – a aprovação final da unidade curricular está dependente da obtenção de um mínimo de 8 valores no teste. • (em grupo) planificação e respetiva fundamentação de uma unidade didáctica/tópico para o 1.º ciclo, 1º e 2º ano, tendo em conta as áreas curriculares do 1º ciclo do ensino básico e a sua necessaria articulação. Cada elemento do grupo, de uma reflexão individual decorrente do trabalho de planificação realizada (30%). . Na modalidade de avaliação por exame, a classificação do estudante resulta da classificação obtida numa: • prova teórica escrita (50%); • planificação e fundamentação de uma unidade didáctica/tópico (30%) Esta planificação deverá ser entregue pelo estudante no dia da prova escrita. • discussão oral da planificação (20%) com os docentes responsáveis. Nota:Esta situação aplica-se ao estudante que tenha tido frequência na Unidade Curricular e não tenha realizado trabalho de grupo (planificação) e para quem não teve a nota mínima no teste escrito. Para casos omissos, consultar o regulamento. BIBLIOGRAFIA • • • • •
Abrantes, Paulo, Serrazina, Lurdes, & Oliveira, I. (1999). A Matemática na educação básica. Lisboa: Ministério da Educação. Alves, José M. (ed.) (2001). Quadro Europeu Comum de Referência para as Línguas – aprendizagem, ensino, avaliação. Porto: Edições Asa. Arends, R. I. (1995). Aprender e Ensinar. Lisboa: McGraw-Hill. Associação de Professores de Matemática (1988). Renovação do currículo de Matemática. Lisboa: APM. Associação de Professores de Matemática (1998). Matemática 2001: Diagnóstico e recomendações para o ensino e aprendizagem da Matemática. Lisboa: APM.

Barbeiro, L. (2005a) Página da escola e escrita: Da divulgação dos produtos à construção do conhecimento. In A. Mendes; I. Pereira, I. & R. Costa, (Eds.). Actas do VII Simpósio Internacional e Informática Educativa. Leiria. Escola Superior de Educação. CD-ROM. • Boavida, A., Paiva, A., Cebola, G., Vale, I., & Pimentel, T. (2008). A experiência matemática no ensino básico. Lisboa: ME-DGIDC. • Brocardo, Joana, Serrazina, Lurdes, & Rocha, I. (2008). O sentido do número: Reflexões que entrecruzam teoria e prática. Lisboa: Escolar Editora • Cachapuz, António., Praia, J. & Jorge, M. (2002). Reflexão em torno do ensino das ciências: Contributos para uma nova orientação curricular – Ensino por pesquisa. Revista de Educação, IX(1), 69-79. • Cardona, Mª João & Marques, Ramiro (Coord.) Aprender e Ensinar no Jardim de Infância e na Escola, Colecção ponto de interrogação (?) saberes e práticas, Chamusca: Ed. Cosmos/ESE Santarém • Cardona, Mª João (coord.), Vieira, Cristina; Tavares, Teresa-Cláudia; Uva, Marta, Nogueira, Conceição; Piscalho, Isabel (2011) Guião de Educação: Género e Cidadania no 1º ciclo do ensino básico. Lisboa: CIG • Cardona, Maria João; Marques, Ramiro (Coord.) (2011) Da autonomia da escola ao sucesso educativo, Chamusca: ESE de Santarém/ Ed. Cosmos • Carvalho, A. (2008). Representações dos alunos. Que raciocínios revelam? Educação e Matemática, 100, 78-84. • Castro, J. P., & Rodrigues, M. (2008). Sentido de número e organização de dados: Textos de apoio para educadores de infância. Lisboa: ME-DGIDC. • Charpak, G. (1996). As Ciências na Escola Primária – Uma Proposta de Acção. Editorial Inquérito. • Chouriço, P. Costa & P. Mendes (Org.), Didácticas e metodologias da educação: • Clements, D. H. & Sarama, J. (2009). Learning trajectories in early mathematics – sequences of acquisition and teaching. Encyclopedia of Language and Literacy Development (pp. 1-7). London, ON: Canadian Language and Literacy Research Network. Retirado em 13-11-2009 de http://literacyencyclopedia.ca/pdfs/topic.php?topId=270 • Costa, A. (1998). Saber ler a saber ensinar a ler do básico ao secundário. In R. Vieira de Castro a M. Lourdes Sousa (org.), Linguística e Educação. Lisboa: Edições Colibri. • dos professores. Lisboa: Editorial Presença. • Duarte, I. (1986). O ensino da gramática: do imobilismo às modas. Palavras,9. • Duarte, I. (1996). Se a língua materna se tem que ensinar, que professores temos que formar? In Formar professores de Português, hoje. Lisboa: Edições Colibri. • Duarte, I. (1997). Ensinar gramática: para quê e como? Palavras, 11 • Duarte, I. (2000). Língua Portuguesa. Instrumentos de análise. Lisboa: Universidade Aberta, Duarte, I. M. (org.). (2001). Gavetas de leitura – estratégias e materiais para uma pedagogia da leitura. Lisboa: Edições Asa. • Duschl, R. (2000). Making the nature of science explicit. In R. Millar, J. Leach & J. • Equipa do Projecto Desenvolvendo o sentido do número (2005). Desenvolvendo o sentido do número: Perspectivas e exigências curriculares. Lisboa: APM. • Félix, N., Germano, H. & Reis, P. (1998). Interculturalidade no 1º ciclo: Estudo do meio. In C. Cardoso (Coor.), Gestão intercultural do currículo: 1º ciclo. Lisboa: Secretariado Coordenador dos Programas de Educação Multicultural. • Fernandes, D. (1994), Educação Matemática no 1ºCiclo do Ensino Básico. Porto: Porto Editora. • Fernandes, Preciosa (2011) O currículo do ensino básico em Portugal: politicas, perspectivas e desafios, Porto: porto ed.


• • • • • • • • • • • •
• •


• • • • • • • •

Ferrão Tavares, Clara & Fróis, Josette & Teixeira, Madalena (coord.) (orgs.) Intercompreensão n. 15. Chamusca: Edições Cosmos. Ferrão Tavares, Clara (2007) Didáctica do Português : Língua materna e não materna. Fontoura, Madalena (2006) Do projecto Educativo de Escola aos projectos Curriculares, Porto: porto Ed. Formosinho, João. e Machado, Joaquim (2009). Equipas Educativas: Para uma nova organização da escola. Porto: Porto Editora Formosinho, João (2007) O Currículo uniforme pronto-a-vestir de tamanho único, Mangualde: Ed. Pedago Freitas, M., & Dourado, L. (1996). Esboço de um novo modelo de planificação de unidades didácticas de ciências numa perspectiva de mudança conceptual, Boletim da Associação Portuguesa de Professores de Biologia e Geologia, 7, pp.18-29. Galvão, C. e Reis, P. (2002). Um olhar sobre o conhecimento profissional dos professores: O estágio de Sofia. Revista de Educação, 11(2), 165-178. Galvão, C., Reis, P.; Freire, A., Oliveira, T. (2006). Avaliação de competências em Ciências: Sugestões para professores dos ensino básico e secundário. Porto: ASA Editores. Gaspar, Ivone; Roldão, Mª Céu (2007) Elementos do Desenvolvimento Curricular, Lisboa: Universidade Aberta Graça Martins, M. E, Loura, L. C., & Mendes, M. F. (2007). Análise de dados. MEDGIDC. Harlan, J. e Rivkin, M. (2002). Ciências na Educação Infantil. Uma Abordagem Integrada. Artmed Editora. Harlen, W. (1985). Teaching and Learning Primary Science. Paul Chapman Publishing Ltd. Herdeiro, Rosalina ( 2010) Trabalho docente e desenvolvimento profissional. Narrativas de professores, Lisboa: ed. Chiado Katz, L.; CHARD, S. (1997) A abordagem de projecto na educação de infância, Lisboa: Fundação C. Gulbenkian Kelly, V. (2005). Curriculum: Theory and Practice. Londres: Sage Publications Leite, C (org.) (2005) Mudanças curriculares em Portugal. Transição para o Séc. XXI, Porto: Porto Ed. Leite, Carlinda (org.) ( 2005) Mudanças curriculares em Portugal. Transição para o século XXI, Porto. Porto Editora Lomas, C. (2003). O valor das palavras (I) – Falar, ler e escrever nas aulas. Porto: Edições Asa, col. Horizontes da Didáctica. Marques, R (2008). A cidadania na escola, Lisboa: Livros Horizonte Matos, J. M. e Serrazina, M. L. (1996). Didáctica da Matemática. Lisboa: Universidade Aberta. ME (2011) Projeto Metas de Aprendizagem, In http://sitio.dgidc.min-edu.pt/ ME-DGIDC (2007). Programa de matemática do Ensino Básico. In http://sitio.dgidc.minedu.pt/matematica/Documents/ProgramaMatematica.pdf M E –DEB (2001). Currículo Nacional do Ensino Básico –Competências Essenciais. Lisboa: Ministério da Educação/DEB. In http://www.deb.min-edu.pt ME (2004). Programa do 1º. Ciclo. 4ª edição, Ministério da Educação –DGEBS. Mendes, M. F., & Delgado, C. C. (2008). Geometria: Textos de apoio para educadores de infância. Lisboa: ME-DGIDC. Miguéns, M., Serra, P., Simões, H. & Roldão, M. C. (1996). Dimensões formativas de disciplinas do ensino básico. ciências da natureza. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional.

• • • • • • •
• • • •

• • •



• •

• • •

• •

Moreira, Mª Alfredo (org.) ( 2011) Narrativas dialogadas na investigação, formação e supervisão de professores, Mangualdade, ed. padago National Council of Teachers of Mathematics (1991). Normas para o currículo e a avaliação em Matemática escolar. Lisboa: APM e IIE. National Council of Teachers of Mathematics (1994). Normas profissionais para o ensino da Matemática. Lisboa: APM e IIE. National Council of Teachers of Mathematics (2007). Princípios e normas para a matemática escolar. Lisboa: APM. Neves, Manuela Castro (2011) Não os desiludas. Histórias da escola, Lisboia: Livros Horizonte Neves, Manuela Castro (2006)A vida na escola, Porto: ed. ASA Osborne, Improving science education: The contribution of research (pp. 187-206). Buckingham: Open University Press. Pacheco, José (Org.) (2008) Organização curricular portuguesa, Porto: Porto Ed. Pacheco, José. (1996). Currículo: Teoria e Práxis. Porto: Porto Editora Pacheco, José. (Org.) (1999) Componentes do processo de desenvolvimento do currículo, Braga: Univ. Minho Pacheco, José. (Org.) (2000) Políticas educativas. O neoliberalismo em educação, Porto: Porto Ed Pacheco, José Augusto (org.) ( 2008) Organização Curricular portuguesa, Porto:Porto Editora Pacheco, José ( 2008) Escola da Ponte, S. Paulo: ed. Vozes Palhares, Pedro. (2004). Elementos de Matemática para professores do Ensino Básico. Lisboa: Lidel. Paraskeva, J M (org.) (2007) Discursos curriculares contemporâneos, Mangualde: Ed. Pedago Pereira, A. (2002). Educação para as Ciências. Lisboa: Universidade Aberta. Pereira, M. L. (2000). Escrever em Português – Didácticas e práticas. Porto: Edições Asa, col. Horizontes da didáctica. Perrenoud, P (2001) Ensinar: agir na urgência, decidir na certeza, Porto alegre: Artemed Perrenoud, P. H. (2000). Dez novas competências para ensinar. Editora Artes Médicas Sul: Porto Alegre, Brasil. Pinto, Jorge; Santos, Leonor ( 2006) Modelos de avaliação das aprendizagens, Lisboa, Univ. Aberta Pinar, W.F (2007) O que é a teoria do currículo?, Porto:porto Ed. Ponte, João P. (2005). Gestão curricular em Matemática. In GTI (Ed.), O professor e o desenvolvimento curricular (pp. 11-34). Lisboa: APM. Ponte, João P., Branco, N., & Matos, A. (2009). Álgebra no ensino básico. Lisboa: MEDGIDC [Acedido em 07/09/2009 de http://sitio.dgidc.minedu.pt/matematica/Documents/npmeb/Brochura_Algebra_(Set2009).pdf] Ponte, João. P., & Serrazina, M. L. (2000). Didáctica da Matemática do 1.º. ciclo do ensino básico. Lisboa: Universidade Aberta. Postic, M (2008) A relação pedagógica, Lisboa: Padrões Culturais Ed. Rebelo, D., Marques, M. J. & Costa, M. L. (2000). Fundamentos da didáctica da língua materna. Lisboa: Universidade Aberta. Reis, P. (2001). O ensino das ciências através da discussão de controvérsias: realidade ou ficção? In B. D. Silva e L. S. Almeida (Org.), Actas do VI Congresso 6 Galaico-Português de Psicopedagogia (pp. 367-379). Braga: Centro de Estudos em Educação e Psicologia da Universidade do Minho.

• •

• • • • • • • • • • • • • • • • • • • • •

Reis, P. (2003). Os professores e a controvérsia em ciências. In A. Neto, J. Nico, J.C. Reis, P. (2009). Kit Pedagógico de Estudo do Meio -1º Ciclo. Propostas de Investigação sobre hábitos alimentares. Lisboa: Texto Editores. Reis, P. (2009). Kit Pedagógico de Estudo do Meio -1º Ciclo. Propostas de Investigação sobre o ambiente natural. Lisboa: Texto Editores. Reis, P. (2009). Kit Pedagógico de Estudo do Meio -1º Ciclo. Propostas de Investigação sobre o ritmo cardíaco. Lisboa: Texto Editores. Reis, P. (2009). Kit Pedagógico de Estudo do Meio -1º Ciclo. Propostas de Investigação sobre os seres vivos. Lisboa: Texto Editores. Reis, P. (2009). Kit Pedagógico de Estudo do Meio -1º Ciclo. Propostas para planeamento, exploração, e avaliação de visitas a museus e centros de ciência. Lisboa: Texto Editores. – são livros diferentes??? Tantos’?? ??? Reis, Pedro (1995). Os mapas de conceitos como instrumento pedagógico. Revista de educação do departamento de educação da faculdade de ciências da universidade de lisboa, vol. V, nº 1, pp. 114-125. Reis, Pedro. (1996). O trabalho de laboratório na aprendizagem e avaliação em ciências. Noesis, março/junho, pp. 48-50. Reis, Pedro. (1998). Actividades de Discussão na Sala de Aula. Noesis, 45, 58-59. Reis, Pedro. (1999). A discussão de assuntos controversos no ensino das ciências. Inovação, 12, 107-112. Roldão, M. C. (1995). O estudo do meio no 1º ciclo do ensino básico: fundamentos e estratégias. Lisboa: Texto Editora. Roldão, M. C. (1999). Gestão curricular: Fundamentos e práticas. Lisboa: Ministério da Educação, Departamento da Educação Básica. Roldão, M.ª Ceu (2002). Diferenciação Curricular Revisitada: Conceito, Discurso e praxis. Porto: Porto Editora Roldão, Mª C (2003) Gestão do Currículo e Avaliação de competências, Lisboa: Ed. Presença Roldão, Mª Céu (2004) « Transversalidade e especificidade no Currículo : como se constrói o conhecimento ?», Revista Infância e Educação. Investigação e Práticas, 6, Lisboa: GEDEI/Porto Ed, p. 61-73 Sá, J. G. (1994). Renovar as práticas no 1º ciclo pela via das ciências da natureza. Porto: Porto Editora. Santos, Leonor (2007). Intercompreensão, Aprendizagem de Línguas e Didáctica do Plurilinguismo. Aveiro: Universidade de Aveiro (tese de doutoramento). Saavedra, Luisa (2005). Aprender a ser rapariga, aprender a ser rapaz: teorias e práticas da escola. Coimbra: Almedina Sarmento, Manuel. J. (org.) (2009) Infância, Família e Comunidade. Porto, Porto Editora. Sarmento, Manuel. J.; CERISARA, A.B. (Org.) (2003) Crianças e Miúdos. Perspectivas sociopedagógicas da infância e educação, Porto: Ed. ASA Serra, Célia Maria A M ( 2004) Curriculo na educação pré-escolar e articulação curricular com o 1º ciclo do ensino básico, Porto: Porto Editora Serrazina, M. L. (1990). Os materiais e o ensino da Matemática. Educação e Matemática,13,1. ?? ED?? Serrazina, M. L. e Matos, J. M. (1996). O geoplano na sala de aula. Lisboa: APM. Silva, Isabel L (2005) “ Projectos e aprendizagens”, Actas do 2º Encontro de Educadores de Infância e Professores do 1º ciclo, Porto: Areal Editores, pp. 49-64 Steen, L. A. (2002). A problemática da literacia quantitativa. Educação e Matemática, 69, 79-88. ?? ED??



• •
• •

Suggate, J., Davis, A., Goulding, M. (2005), Mathematical Knowledge for Primary Teachers. London: David Fulton Publishers. Spodeck, B. Saracho, O. N. (1998) Ensinando crianças de três a oito anos, Porto Alegre: ARTMED Teixeira, Madalena & Rondoni, Isabel (coord.) (orgs.) (2009). A Formação de professores – contributo para uma mudança das práticas. Chamusca: Edições Cosmos. Valente, M., Ponte, J., (2004), Questões Actuais na Didáctica das Ciências e da Matemática. Lisboa: Centro de Investigação em Educação – FCUL. Viana, F. L. (2002). Da linguagem oral à leitura. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, col. Textos Universitários de Ciências Sociais e Humanas Wassermann, S. (1990). Brincadeiras sérias na escola primária. Lisboa: Instituto Piaget. Williams, R. A.; Rockwell, R. E.; & Sherwood, E. A. (1987). Ciência para crianças. Lisboa: Instituto Piaget. Young, Michael F.D. (2010) Conhecimento e currículo. Do socioconstrutivismo ao realismo social na sociología da educação, Porto: Porto Editora Zabalza, Miguel (1987) Planificação e Desenvolvimento Curricular na escola, Porto: Ed. ASA