Uma vantagem de ser leigo como expectador das Olimpíadas é não ter perdido o olhar para o que há de estranho

, pitoresco, e excessivamente particular em alguns esportes. Por certo, não é obrigação do esporte ter qualquer semelhança com a competição da vida real, seja lá o que isso signifique. Ninguém cobraria o inventor do futebol por não ter arrumado uma melhor metáfora para a vitória do que a codificada por uma bola entrando por entre duas traves de metal. Nem o surfe perde o valor por ser inútil dirigir uma tábua de madeira pelas ondas do mar em um caso de naufrágio ou coisa parecida. Com efeito, o salto com varas não é menos emocionante por não corresponder ao modo real como se emprega a força e a destreza em uma caçada, ou em uma guerra – tendo, portanto, um valor evolucionário zerado. Nenhum desses elementos é importante na sua avaliação. Seja lá qual for o modelo dos jogos, a vontade de ganhar, o desafio dos limites do corpo e da mente, e a justiça das regras são as únicas ligações invariáveis entre o praticante iniciado e o expectador leigo. Em conjunto, tal é a única fonte de identidade entre o esporte e a admiração do público, que sente no atleta uma empatia inigualável, uma inspiração sobre o próprio significado da vida. Quem estaria reclamando, assim, da estrutura geral de cada modalidade pitoresca que entra nas Olimpíadas, se não existe regra que as obriguem a ser normais? – e o que é considerado normal em um esporte, afinal? Existe um sentido, no entanto, em que a dívida do esporte com os três elementos citados condiciona toda sua validade. É esse o sentido em que o leigo tem vantagem sobre o iniciado. O primeiro, não obstante sua ignorância sobre as regras da ginástica ou do volleyball, consegue ver o quanto o esporte em questão corrompeu o seu vínculo com aqueles objetivos: a vontade de ganhar porventura se torna um vício acadêmico, semelhante às obsessões sociais dos alpinistas de cargos empresariais. Nem o corpo e nem a mente são jamais desafiados, posto que o atleta apenas precise se esforçar por saber como explorar da melhor maneira os pontos cegos de seu manual, as zonas de conforto, amparado em tradições herméticas e fundamentalistas sem interesse em colocar à prova a efetividade de sua técnica. Também nesse caso o esporte não tem evolução, fica estagnado em vencedores conservadores que puderam aprender os truques, ou evolui como um monstro híbrido de sete cabeças. Por fim, não raro as regras do jogo dependem demais da interpretação dos juízes, fazendo com que a vitória deixe de ser um triunfo para ser um mero apelo à subjetividade de pessoas com o emprego e a carreira em jogo. Esses são os problemas que o leigo verá em uma parte enorme dos esportes que assiste nessas Olimpíadas. E subestimaremos o olhar do leigo? No caso do judô, que é exemplo marcante, um esporte cuja origem remonta a técnicas de combate, os pontos são distribuídos à realização de golpes que realmente não existem a não ser na interpretação de seus manuais, cuja efetividade em um combate real é gritantemente discutível, e que podem ser manobrados com malandragem pelos atletas. Alguém irá dizer: mas assim também é a vida! – cheia de truques, artimanhas, onde os justos nunca vencem! Sim, a vida, meus senhores. Mas não é a vida real com suas imperfeições morais que queremos ver fielmente traduzida nas Olímpiadas, e sim um retrato moral perfeito do que ela deveria ser, de quem mereceu ganhar, de quem tem uma vontade triunfante. Só isso vincula o atleta a um ideal heroico, que nós amamos seguir porque enriquece a nossa compreensão da dignidade e da inteligência

A respeito desse último. . Não é a toa que o xadrez tenha sido popular por tantos séculos – e ainda assim não tem o mesmo valor do futebol. e envolvendo o expectador – mesmo o mais leigo – no âmago de suas emoções. isso não desvirtua o leigo de sua admiração porque este encontra até mesmo nas faltas premeditadas parte de desafios a talentos verdadeiros. intensifica o caráter da competição que ele gera. cumpre observar que o pitoresco da maioria dos esportes olímpicos se opõe justamente a sua estrutura.humana. Apesar de estar aberto também a muita dissimulação e jogo sujo. os demais esportes olímpicos não passam de treinos particulares e esportes acadêmicos. Comparado a ele. medos e sofrimentos mais fortes. oficina de vencedores retóricos gerados em laboratórios de países de primeiro mundo. O próprio fato de ser o esporte mais praticado e popular do planeta. pois pode ser vencido por computadores. saído dos pés de meninos das favelas. elementos fundamentais da rivalidade. cujas medalhas não são diferentes de troféus de políticos mentirosos que ganham debates sabendo como impor e proteger a sua arena de linguagem. radicalizando o sentido da vitória até o seu significado mais profundo.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful