You are on page 1of 6

ZEUS E O ELEMENTO AR

Excerto do ensaio “A DOUTRINA GREGA ESOTÉRICA DOS ELEMENTOS” de ©1998, John Opsopaus Tradução, adaptação e notas: Emanuel Pavoni. (emanuel_pavoni@hotmail.com)

INTRODUÇÃO. Como foi explicado nos outros ensaios, os Elementos podem ser entendidos segundo os caracteres de quatro Poderes espirituais: a Terra é Seca e fria, a Água fria e Úmida, o Ar Úmido e quente e o Fogo quente e Seco. Em cada um dos Elementos o primeiro Poder domina o segundo, e assim no Ar o poder dominante é o Úmido, o poder para conformar a circunstâncias externas. Considerando que Umidade foi discutida em detalhes em nosso discurso sobre a Água, nós veremos agora o outro poder do Ar, o Calor. De acordo com Aristóteles (que pela primeira vez analisou sistemicamente os Elementos), Calor (Qualidade quente) é o poder de separação. Mais especificamente, une as coisas semelhantes, buscando cada qual aquilo que lhe é próprio; causando uma separação daquilo que de si é diferente. Vice-versa o poder Frio une as coisas díspares. Frio e Calor essencialmente são os Poderes de Amor e Disputa (Philia e Neikos), associados com Afrodite e Ares, e eles são os agentes primários de variação no cosmos, de acordo com Empédocles (filosofo místico do século V a.C. que nos deu a doutrina dos Quatro Elementos). Eles são os poderes mais ativos (enquanto Úmido e Seco são mais passivos), o Frio que concede seu poder para a Terra e a Água de elementos "femininos", e o Quente para o Ar e Fogo, os elementos "masculinos". Considerando que o Quente representa o poder de separação, é, portanto a raiz de todos os processos de diferenciação, discriminação e desenvolvimento formal. Também conduz a dissociação e oposição, e o movimento cíclico entre princípios adversários. Porque é um poder ativo de separação, o Quente é expansivo, externo, direcionado e enérgico em seus efeitos; é a raiz da mudança (Nota do Tradutor: Ver Heráclito, onde o Fogo enquanto elemento primordial implicará a mudança ou variação - Transformação - como única coisa permanente). Quando nós colocamos estas qualidades num contexto psicológico, verificamos que o poder Quente é associado à habilidade cognitiva de discriminar, analisar e julgar, e assim está conectado com justiça, honestidade e pensamento crítico. Personalidades com a qualidade Quente tendem a serem hábeis, diligentes, autoritárias, fortes, enérgicas, seletivas, decisivas, conscienciosas e líderes. Porém, a tendência para separação ativa também pode os levar ao egoísmo, misantropia, intolerância, chauvinismo, e também a serem judiciosos, indiferentes, voluntariosos, dominadores, etc. No Ar o poder Úmido é dominante, embora o Quente seja o mais ativo. Assim, meditando no Ar torna-se mais propícia a visualização do sopro Quente e Úmido em lugar de brisas frescas e secas. A qualidade Úmida representa flexibilidade e a diferenciação de causas da Raiz Quente; então o Ar elementar representará a mudança ativa em formação ou transformação. Em um contexto psicológico, Ar corresponde à análise ágil, discriminação flexível, no que concerne a idéias, intelecto, pensamento e conhecimento. Assim o naipe de Espadas do Taro corresponde ao Elemento Ar.

* * *

ZEUS, DEUS DO AR. Na Introdução dos Elementos (Nota do Tradutor: aqui se reporta a um outro excerto do ensaio completo) vimos que Empédocles associa os Elementos com quatro Deuses: Hera (Terra), Perséfone (Água), Zeus (Ar) e Hades (Fogo), assim nós exploraremos a correspondência entre o Zeus e Ar. Claro que Zeus é originalmente o Deus da tempestade, é então associado com o ar turbulento; sua dádiva é a chuva fertilizadora, a Umidade do Ar. Zeus também é conhecido pela inconstância (i.e., transformação, mudança ativa de forma), e Ele exibe a maioria das qualidades de personalidade que nós vimos ser características do Elemento-Raiz Ar. No sistema de Empédocles, Zeus e Hera regem o Olimpo, correspondendo na teoria dos elementos ao Ar em oposição a Terra; Hades e Perséfone regem o Submundo, correspondem ao Fogo e sua contraparte, a Água. Assim Zeus e Hera representam o Matrimônio de Céu e Terra. Nós encontramos um complexo mitológico semelhante no Egito. Por exemplo, em sua carta para a Sacerdotisa Délfica Cléa, Plutarco (c.50-c.120 a.C.), que era Alto Sacerdote em Delfos, explicou que Osíris e Isis correspondem ao Nilo e ao Egito, ou mais apuradamente a Água e a Terra, o Úmido e o Seco. Igualmente o Zeus e Hera correspondem ao Úmido e o Seco, pois o elemento de Zeus é Ar onde predomina o Úmido que Ele traz em forma de chuvas fertilizantes, enquanto o elemento de Hera é Terra de predominância Seca. Secundariamente, Ar e Terra estão Quentes e Frios, respectivamente, isso corresponde a individualização e união; a vida brota assim desta conjunção de opostos. Mais adiante, de acordo com mito egípcio, Osíris uniu-se a Nefthys que pariu Anúbis e este foi nutrido por uma ama de leite (Isis); igualmente, na doutrina Órfica, Zeus se uniu a Perséfone, que deu a luz a Dionysos e este foi criado por uma ama. Cada mito conta a união dos

Elementos úmidos. será nomeado Aithêr. Podemos entender tal afirmação da seguinte forma. (Nota do Tradutor: Esta atribuição é muito antiga e trivial. e aithêr foi interpretado como um tipo distinto de ar. Plutarco compara Dionysos (Ar) com Osíris. Ar e Água (céu e o abismo) sugerindo um Deus que está igualmente em casa no Céu e no Mundo Subterrâneo. A tarefa de Ar para Zeus e Dionysos pode parecer contraditória. A confusão é em parte o resultado da evolução do grego antigo. Embora Aristóteles considerasse Aêr Quente. quando Platão desenvolveu o conceito do quinto elemento. e é claro que a equivalência de Hera e Ar é fundamentada pela observação de que Ela é a esposa do Deus Celeste (uma vez que ela mesma não é uma divindade Celeste). Dionysos. e Hera poderia ser nomeada como Aêr terrestre (Frio e Feminino) enquanto o Zeus era determinado Aithêr celestial (Quente e masculino). poderia ser contrastado ao Aithêr. enquanto "Ar Sublime" ou Quinta Essência. aithêr parece ter sido o vocábulo mais comumente aplicado ao ar. mas revela certo mistério. os Estóicos o adjetivavam como Frio. Os Deuses principais nos Mistérios e Tradição Pitagóricas são Dionysos e a Trindade Perséfone. No tempo de Empédocles. e deve ser explorada para entender melhor o elemento Ar. o "Zeus mais Alto". e Fogo com Typhon. Deus e Deusa. foram propostas muitas soluções e Peter Kingsley parece ter sido o mais feliz. mais abaixo. * * * DIONYSOS. Semelhantemente. . aêr se tornou o termo mais comum. Deméter e Hékate. e nós veremos que Hékate corresponde a Fogo restando o Ar para Dionysos. uma vez que Dionysos. Eventualmente. o vivo e pulcro céu acima das nuvens. Perséfone. De primórdios até agora. filósofo contemporâneo de Empédocles. e a palavra aêr foi reservada para o elemento Úmido e Quente que nós chamamos “Ar”. Empédocles parece ter dado aos estudantes alguns enigmas (ainigmata) para eles cogitarem. portanto é a ele que nos reportamos nestes ensaios. de forma alguma. Tal qual muitos mestres espirituais. Assim podem ser vistos Zeus e Hera como complementos celestes. desde que "H" não é grafado no grego antigo. respectivamente. nem o primeiro nem o único a propô-la. o ar superior ígneo. embora este não fosse o aviltre de Empédocles. "Hêra" e "Aêr" (Ar) são anagramas um ao outro: 'HRA e 'AHR. o filho de Zeus é em muitas figurações um segundo Zeus (destinado a sucedêlO). Água com Nefthys. e a equivalência entre os Elementos e os quatro Deuses Hera. Aêr. o ar fresco. bem como para o seu pai. o autor do ensaio apenas puxa a brasa para a sardinha de seu autor favorito). Embora a solução de Kingsley na qual Ar=Zeus é provavelmente a mais precisa (ainda que não a única). Terra com Isis. Zeus e Hades parece ser um deles. Nós vimos que Perséfone e Demeter correspondem à Água e Terra. Posteriormente. era associado com Ar por Proclus. Esta solução é fundamentada em um trocadilho. e Kingsley não foi. e aêr se referia mais especificamente a umidade ou neblina. a solução Estóica na qual Ar=Hera não é desvirtuada de interesse e valor. o celestial (geralmente conhecido como a Quinta-essência ou "Espírito") chamou-o aithêr. Então aithêr foi aplicado mais notadamente ao Fogo do que ao Ar. Então. FIGURAÇÃO DEUS/CARÁTER/POLARIDADE/QUALIDADE/ELEMENTO ZEUS/URANICO/MASCULINO/DISSOLVENTE/AR HERA/URANICO/FEMININO/FIXADOR/TERRA HADES/KTONICO/MASCULINO/SEPARADOR/FOGO PERSÉFONE/KTONICO/FEMININO/UNIFICANTE/ÁGUA * * * HERA.

o nome de Jove: Ar representa a União do Impulso (Fogo) sobre seu Objeto (Água) que conduz ao Efeito (Terra). o primeiro homem no mito semita apenas se torna um ser vivo após receber o sopro de Elohym . prâna. os elementos Úmidos unem Forma (Fogo) e Matéria Prima (Terra). Na tradição Pitagórica. O Ar é um importante Elemento intermediário porque une que os opostos Fogo e água. Aqui eu simplesmente adusi que o Ar pode intermediá-los porque tem em comum o Calor com Fogo e Umidade com Água. Em condições alquímicas. a palavra grega psique. Cavaleiro e Princesa).C. e em mitologia nós O achamos como o mensageiro entre Céu e Terra. considerou Aêr o elemento primordial de todas as coisas e afirmou que a respiração e a alma são os princípios da vida. a Terra. mito da gênese assírio-babilônico é idêntico em muitos pontos tanto na forma dos ídolos quanto nos feitos ao Zeus de Hesíodo. neste sentido. o Ilimitado (Matéria Prima) produziu o Gonimon (Geração) que criou os opostos Quente e Frio e o Poder Úmido capaz uní-los. Zeus. Portanto. A união resultante do Quente e Frio dá à luz todas as coisas vivas.sopro.e a partir daí torna-se 'alma vivente') e em Sânscrito.C. note que Adão. Harmonia é a filha de Ares e Afrodite. Como o guia de viajantes. Porém. Água e Terra. E ainda o deus fenício Baal. e a Água assim está conectada à Terra. na Teogonia). aura e pneuma. e a Representação de Moloch. (Mitologicamente. os alquimistas chamam o Radical Úmido o Fermento da Natureza porque liga os extremos da Luz e Matéria (luz & sombra. ou espaço cósmico e atmosfera). com significados dúbios semelhantes. céu & terra). um meio de unir os extremos. A conexão entre Ar e a alma é referida em muitos idiomas. porque eles ambos tem a qualidade Fria. que une Enxofre (o princípio Ígneo) e Sal (o princípio Terreno). todas apontam principalmente a respiração ou ar mas em segundo lugar à alma. sendo uma concepção predominantemente Newtoniana). o Radical Úmido é o Mercúrio. as "o homem e outros animais vivem respirando o ar (pneuma). trouxe a Harmonia ao cosmo). (Nota do Tradutor. mercúrio e sal). * * * AR. ou Fogo. porque ambos são Quentes. Assim o Mercúrio é um mediador. enquanto refletindo a luz do Sol na superfície da Terra. tomando a forma de um Touro nas lendas do Rapto de Europa e Io. Este papel de intermediário também é central ao processo emanatório representado pelas cartas da corte no Tarô (o Rei. formando assim uma ponte entre ambos. Na versão Órfica é o Eros (Amor) que une Céu e Terra e dá à luz Deuses e mortais. trazendo a chuva e legislando. Mercúrio (Spiritus) une o Sal (Corpus) ao Enxofre (Anima). e reciprocamente todo Harmonia pressupõe oposição. Quente e Frio. Satvas e Tamas. VI a. Ele é o Guia Espiritual (Psychopompos) que nos conduz entre este mundo (Terra) e o Hades (Fogo). Os elementos Quentes são Fogo e Ar (Nota do Tradutor: céu superior e céu inferior. e a fórmula latina spiritus. o Radical Úmido (encarnado no Ar e na Água) estabelece uma conexão indireta entre o Fogo e sua contraparte. De uma perspectiva física (Nota do Tradutor: Physis em grego. também é representado na forma de um Touro. (Nota do Tradutor: Compare à Doutrina Védica dos três Tatvas: Rajas. Também. a Lua e a Terra correspondem ao Fogo. O Úmido é o Poder ou qualidade comum do Ar e da Água e. Úmido e Seco. o pitagórico Diógenes de Apollonia (Séc. a quem os semitas babilônicos sacrificavam crianças. e o Papiro de Derveni que é uma interpretação de "escrituras" Órficas explica que Zeus. como Divino Aêr. ou Poderes contrários. pois. Em termos Platônicos. V a. e isto é para eles a . onde a Lua é um intermediário.).C. simbolizado por IOUE. conhecido como o primeiro filósofo a discorrer sobre os Opostos. Brahman e Shiva. anima e animus. VI a. Um princípio fundamental tanto na filosofia grega quanto na alquimia é que uma Conjunção de Opostos requer para um fator intermediário. refere-se a Natureza das coisas e não aquela ciência abstrata cheia de fórmulas matemáticas que aprendemos usualmente no ensino médio. precisamos investigar a Umidade também enquanto Poder intermediário.aqui não é o IHVH hebraico. o Frio é Água e Terra (mar e terra). Considerando que o Ar é predominantemente Úmido.) identificou a alma com o Princípio Quente (e então ativo. Em hebraico nós temos Ruach (Nota do Tradutor . da sensação e da reação. ambos manifestando-se através do raio e do trovão. o Ar também está conectado ao Fogo. Há um paralelo também quanto a algumas das representações mais arcaicas dos semitas e dos gregos referentes a algumas imagens theriomórficas. nas lendas do Enuma Elish. Rainha. móvel) Ar e disse. Mais adiante. Os elementos Úmidos Ar e Água formam a ponte que conecta os extremos. Então. uma Harmonia (fusão de partes) é exigida a fim de unir coisas distintas. Nós encontramos os mesmos três princípios na cosmogonia de Anaximandro (séc.Júpiter (corruptela de Jove Pater) = Zeus .). o processo alquímico fundamental. o Sol. os une. No princípio. porém é interessante notar as semelhanças entre os mitos e relatos escritos. Mercúrio (Hermes) é o Intérprete (Hermêneus) e Morador do Limiar que se interpõe entre os elementos opostos. na tradição grega Anaxímenes (Séc.* * * AR ENQUANTO ELEMENTO INTERMEDIÁRIO. O ELEMENTO ESPIRITUAL. vento ou espírito. Por exemplo. respectivamente equivalentes às divindades Vishnu.termo que significa 'os poderosos' .

tenha uma variedade de significados e modos em diferentes tradições. (2) Alma Viva (Thumos) e (3) Alma Nutritiva (Epithumia). Mais adiante. É freqüentemente referido que a Alma Viva é mortal na tradição grega. a Alma Ígnea evoca o Espírito de Respiração da Lama Primitiva do corpo por meio do qual os dois podem se unir.é uma Harmonia (conjunção de opostos). a causa eficiente de todo o movimento. emoções e opiniões. veja para isto a introdução do Livro dos Mortos. (Ainda que "espírito". a força de vida universal) do Sol e o infunde no corpo material. o "sol interno" que rege os outros planetas em nossas almas. Embora existam variações na classificação e terminologia. Prometeu moldou os corpos humanos de uma mescla de Terra e Água. e assim quando nossos espíritos são arrebatados por paixões.) eu já discuti a Alma Nutritiva (vegetativa) na parte do ensaio acerca da Água. une o Corpo (Sôma) com o Princípio de Movimento (Kinêtikê). Porém. Inclui a "vontade irracional" ou "vontade animal" porque nós compartilhamos a Alma Viva com os animais. peito e ventre respectivamente. ainda que com todas as coisas vivas nós compartilhamos a Alma Nutritiva (Nota do Tradutor: As Vontades irracionais e animais aqui significam "o instinto"). de E. sujeito a dissolução. Pitágoras aduz a idéia em que a Respiração . raiva ou temor. Por outro lado. pois o Pneuma é a fonte de vida e da integridade da forma viva. Assim o corpo espiritual está conectado com o sistema nervoso. e Umidade (flexibilidade) em comum com Água. associado com Ar). e eu discutirei a Mente no excerto acerca do Fogo. como mediador. Em geral. aqui nossa preocupação está na Alma Viva e seu veículo. Nós podemos dizer que o Ar carrega o Poder Ígneo e ainda facilita sua incorporação.alma (psiquê) e inteligência (nous). Wallis Budge). V-VI a. nós sentimos tais sensações principalmente na região torácica. é responsável pelo funcionamento dos cinco sentidos e possibilita a mobilidade vital. o corpo aéreo ou espiritual. E respirar Pneuma para dentro do Phrenes. Assim. facilmente perceptível (correspondendo à Terra + Água). como mencionado no excerto da "Água". uma idéia creditada a Pitágoras. Por causa de seu Calor expansivo. eles são grosso modo: (1) Mente ou Intelecto (Nous). governa o movimento animado e percepção ativa. * * * O CORPO ESPIRITUAL. Mas eles não estavam completos antes que Atena soprasse o fôlego aéreo neles. coragem. Os gregos antigos dividiram freqüentemente a alma em três partes. Na doutrina Neoplatônica dos Veículos da Alma (Okhêmata). como o corpo. o corpo espiritual assimila o Pneuma (Espírito. (Há uma correspondência mais sistemática com o sete chakras que estão além da extensão deste ensaio. como poderíamos dizer. (Nota do Tradutor: Estas últimas doutrinas remontam aos Egípcios. consiste em exercícios respiratórios que são usados na fase que corresponde à Alma Viva. "psique" etc. O Espírito é considerado o ponto de equilíbrio da alma. "alma". Assim os Estóicos atribuíram a Heráclito (Séc." O poder do Ar como meio intermediador tem um papel essencial enquanto Espírito (ou Alma intermediária) que une a Mente (ou Alma Sublime) ao corpo. eu posso usá-las de um modo que não seja familiar aos leitores. e deu o Fogo Divino a eles. às vezes incorretamente chamado etéreo ou corpo astral). eu disse que Água + Terra constitui a Lama Primitiva. que residem na cabeça. enquanto doadora do poder de crescimento e desenvolvimento da matéria inanimada (Terra).alma .) a idéia que a alma é uma Exalação ou Vaporização Quente (Anathumiasis) da umidade corporal. ou seja. a Alma Viva reage a sentimentos e sensações e ainda também a fonte de fortaleza. Então o corpo aéreo transmite os poderes da alma ao corpo e vice-versa. Prâna. Ar pode intermediar entre Fogo e Lama Primitiva. mas não pode agir diretamente na Lama Primitiva (porque são opostos. Por que esta mediação é necessária? No excerto sobre a "Água". quer dizer. . mas não com as plantas. a Lama Primal está predominantemente Úmida). O Espírito (Pneuma) é carregado pelo corpo espiritual (soma pneumatikon) ou corpo aéreo (okhêma pneuma. considerando que a Mente é considerada imortal. * * * A ALMA VIVA. Quente e Úmido). e então o Ar é o veículo de coordenação e comunicação".alma ou Espírito (Psikhê. porque tem Calor (diferenciação ativa) em comum com Fogo. é pois necessário esclarecer seu significado) por exemplo. além do corpo total. na Ascensão da Alma da Teurgia Caldéia. A Alma Viva é responsável pelo sentimento e sensação (ambos os quais são ativamente separados e ainda conformáveis a circunstâncias exteriores. considerada a energia ativa do ego. o corpo total "que está potencialmente vivo mas não animado. o Ar transmite poderes e influências.C. Lembre do Mercúrio como o mediador que une Enxofre e Sal. cada parte da alma tem um "veículo" correspondente ou corpo (okhêma). A Alma Viva é ligada ao Phrenes (vulgarmente significando "peito") que consiste nos pulmões e coração enquanto algo uno. A. Assim Ar é o Espírito ativo que opera entre a estrutura passiva da Terra e a flexibilidade da Água. há dois corpos sutis: o corpo aéreo (Ar) e o corpo brilhante (Fogo). Fogo é o princípio de ação. Empédocles diz que a Respiração .

de acordo com este mito. assim nossa respiração (Pneuma) e Ar (Aêr) perpassam o cosmo inteiro. Diógenes de Apollonia diz. * * * A ALMA DO MUNDO. Pois parece ser um Deus e alcança todos os lugares e dispõe todas as coisas e está em tudo. que veremos no próximo tópico. o Ar é associado com computar. Philo de Biblos (Séc. esta dentro dos limites da Alma do Mundo.C. o nascimento do universo. da mesma maneira que todos nós respiramos o mesmo Ar. pois é o elemento que separa e cria divisões distinttivas. todo-móvel e divino. enquanto significando "qualidade de guia ou guiar" que por sua vez é a origem de termo cibernética enquanto referindo princípios de inteligência e governo em animais e máquinas. Microcosmo e Macrocosmo reúnem-se. A conexão do corpo aéreo ao sistema nervoso nos lembra que o Ar é Úmido e Quente. embora o Ar separe as coisas enquanto indivíduos. eterno. produziu água e terra (a Lama Primitiva) pela condensação e queima através de rarefação. Mais adiante. No princípio. e que o respirar cíclico do Ilimitado. assim impõe Limites ao Ilimitado. porque Ele está em todos os lugares indistintamente. e Determina estações ou tempos (Khronos). "parece-me que tem inteligência aquilo que os homens chamam Ar (Aêr). Philemon diz que o Ar. também havia Môt." É significante que a palavra para a que ele usa "guiou".* * * AR. o que nos reporta a um título comum de Zeus: Pai de Deuses e Humanos. Porém. Ar é. Eu já mencionei que Anaxímenes considera que o Ar é o Primeiro Princípio (Arkhê) do cosmo. IV . A declaração de Diógenes também sugere que o Ar tenha um papel na Anima Mundi (Alma do Mundo=Psukhê tou Pantós) como também nas almas individuais. quer dizer. que cria o Número. pois. Portanto o Ar é associado com informação e comunicação (e conseqüentemente com o naipe de Espadas do Tarô). também os unem em uma unidade mais alta. Aêr). e o cosmo nasceu quando o Desejo abriu o Ovo Cósmico. é infinito. Uma vez que nós entendemos o papel de Ar na Alma do Mundo. enquanto mônada. VI a." Aqui novamente nós vemos Ar como um meio de comunicação e governo." Isto sugere que o governo do cosmo seja realizado pela respiração da Alma do Mundo. e que tem poder sobre todas as coisas. o hálito vital individual. que conduziu a uma separação dos Elementos. Tal como o sistema nervoso integra as atividades orgânicas individuais para o funcionamento do organismo. O Pitagóricos afirmam que há uma respiração divina no cosmo. o Elemento Cibernético. não nos surpreende encontra-lo também engajando um papel central na cosmogonia. assim também a Alma do Mundo é contínua com as almas individuais. tal idéia também é encontrada nos Upanishades onde Brahman. mas em escala cósmica. O papel de Espírito Aéreo como uma faculdade administrativa sutil e invisível foi reconhecida antigamente. De acordo com Eudemos (Séc. santo e inefável. kubernasthai. * * * O AR PRIMEVO.) diz que o Ar. correspondendo talvez a Semítico Rûahc que significa Respiração mas também conota anseio. espiritual. Nós veremos a cosmogonia de Anaximandro quando considerarmos o Ar enquanto elemento mediador. Também Anaxímenes (Séc. ele chama o Ar de Pai dos Deuses.e. nos governa. a Lama Primitiva sem forma. e o Ar em meu peito é contínuo como no do leitor. a Alma do Mundo foi identificada ao Prâna (Respiração). o primeiro princípio de todas as coisas. é relacionado a kubernêtikos. e que todas as pessoas são guiadas (kubernasthai) por isto. Por exemplo. sendo Ar (Aêr). o que também se verifica na cosmogonia Órfica. Anaxímenes também diz que "da mesma maneira que nossa alma (Psukhê). assim o Ar liga nossas almas individuais à uma Alma do Mundo. Môt se tornou o Ovo Cósmico. e enquanto mente-espírito dardeja seus pensamentos rápidos pelo cosmo inteiro. sabe todas as coisas acerca dos mortais e dos Deuses. os caos lamacento de Erebus (Xaos tholeron Erebôdes). O cosmo foi. uma respiração enevoada e escuridão (i. Porém. como um princípio ativo. afã). portanto ordenado pelo elemento Ar. chamado de Zeus. Assim também Empédocles aponta à natureza sutil do Deus: "Ele é uma mente-espírito (Phrên). havia um Vento Primitivo. tem o poder de discriminação flexível. O Vento Primitivo fertilizou a si mesmo e se tornou Desejo (Pathos. I) traduziu uma "História fenícia" que supostamente havia sido escrito por Sanchuniathon antes da Guerra de Tróia (o que não é improvável) e está baseada nas escrituras egípcias atribuídas a Thoth. é idêntico a Âtman. O GOVERNADOR. Realmente. Descreverei brevemente vários outros exemplos que ilustrarão o lugar de Ar no cosmo.

Ruth. Ulômos fertilizou a si mesmo e produziu o Ovo Cósmico e Khrûsôros. Ar é importante como um Elemento mediador que pode unir Fogo e Água.a. É comumente associado a Zeus o Senhor do Ar. Kessinger reprint. Oxford University Press. West. mas também a Dionysos seu filho. v. and Commentary. I-Os Pré-Socráticos. * * * RESUMO. D. . Ele corresponde a Amor ou Phanês para os Órficos e é considerado o Demiurgo (o Artesão) no Timaeus de Platão. 1977. The Doctrine of the Subtle Body. (Disponível na rede) Mead. cujo nome significa Eternidade. Pernety. (Disponíveis na rede. 1995. Timaeus.d. Plutarco. Nós vimos que o Ar é o elemento de transformação. Majercik. Ancient Philosophy. por isto é Úmido (flexível) e Quente (diferenciando). 1989.. Mystery and Magic: Empedocles and Pythagorean Tradition. (Radical Úmido) Platão. o Desejo (Pathos) e a Névoa (Omikhlê). No princípio era o Tempo (Khronos). para isto corresponde à Respiração Espiritual e Alma Viva que unem a mente e corpo.). O Teatro Alquimico da Grande Arte. E. aquilo-que-abre. * * * Bibliografia Kingsley. semelhantemente o Radical Úmido relacionado é um meio de união dos extremos Fogo e Terra. The Chaldean Oracles: Text. os fenícios que também viveram em Sidon acreditaram que o universo nasceu de Ar. Translation. Subtle Body: Essence and Shadow. Hinos. R. mas secundariamente com Hera o cônjuge dele. Oxford University Press. S. V... dando à luz Aêr e Aura (Ar Movente).. M.. G. J. Encontramos idéias semelhantes na cosmogonia atribuída a Môkhos de Sidon que se supõe que também tenha vivido antes de Guerra de Tróia. Hesíodo. 1971. Thames & Hudson. o personagem divino que rachou o Ovo Cósmico. Teogonia. L. n. Orfeu. Brill.C. Isis and Osiris.-J. Desejo e Névoa uniram-se. Early Greek Philosophy and the Orient. Tansley. P. A. Ar também constitui a respiração cósmica que une nossas almas individuais na Alma do Mundo cósmica. Ar é o elemento mais espiritual. O universo começou com Aithêr e Aêr que se uniram para gerar Ulômos. a maioria em inglês) Coleção 'Os Pensadores'.