You are on page 1of 5

50 ANOS DO CASO LÜTH

André Rufino do Vale Mestre em Direito pela Universidade de Brasília (UnB). Assessor-Chefe da Assessoria Especial da Presidência do STF.

15/06/2008

No dia 15 de janeiro de 2008, completaram-se 50 anos da famosa decisão do Tribunal Constitucional alemão no conhecido caso Lüth (Lüth-Urteil, BVerfGE 7, 198, de 15 de janeiro de 1958). Trata-se do caso mais comentado pela doutrina em torno da jurisprudência do Tribunal Constitucional alemão. Pode-se dizer, sem nenhum exagero, que o caso Lüth está para a jurisprudência constitucional alemã sobre direitos fundamentais assim como o caso Marbury vs. Madison está para a jurisprudência constitucional norte-americana sobre controle de

constitucionalidade das leis. Ele é a fonte dos modelos e conceitos delineados pela dogmática dos direitos fundamentais alemã, na segunda metade do século XX, e também representa, historicamente, o início do desenvolvimento de uma teoria e de uma práxis constitucional que propiciou, na Europa Continental, a construção de uma renovada concepção da Constituição e do Estado, posteriormente incorporada pela maioria das Constituições do mundo ocidental. O primeiro ponto fundamental está na delimitação do problema da “eficácia entre terceiros” (Drittwirkung) dos direitos fundamentais. Apesar de não se prender ao controvertido debate doutrinário sobre a “eficácia horizontal” dos direitos, o Tribunal reconheceu expressamente, porém, o que depois se

convencionou denominar de a “dupla dimensão dos direitos fundamentais”. os direitos fundamentais. 32. de 16. Se esse sistema axiológico. um sistema axiológico que influencia todo o ordenamento jurídico. assim.01. Nessa perspectiva objetiva.57). os direitos fundamentais representam princípios cuja carga axiológica irradia por todo o ordenamento jurídico. como a Administração Pública e o Judiciário. compõem uma ordem objetiva de valores. Isso significa que os direitos fundamentais possuem. uma dimensão objetiva. portanto. além de uma dimensão subjetiva que os fazem direitos voltados para o indivíduo. vinculando tanto o Legislativo. . esse sistema de valores composto pelos direitos fundamentais encontra seu fundamento inicial de validade no valor da dignidade da pessoa humana. O Tribunal Constitucional alemão fixa. pode-se dizer que é em Lüth que se encontra o ponto culminante desse modelo de Constituição como ordem axiológica fundamental. transformando-os também em valores ou fins a serem perseguidos por toda a sociedade. uma nova concepção de Constituição como ordem de valores. Inaugura-se. As normas que compõem o Direito Civil devem ser interpretadas de acordo com esse sistema de valores contido na Constituição. indivíduos ou organizações. seja pelo Estado. com isso. Não obstante o fato de a idéia já estar presente em julgamentos anteriores. “duplo caráter” ou “dupla função” dos direitos fundamentais. A decisão. “dupla natureza”. vincula todo o ordenamento jurídico. influenciando em todos os seus âmbitos. ao mesmo tempo em que constituem direitos subjetivos dos indivíduos em face do Estado. logicamente influencia também o Direito Civil. as premissas para o que depois passou a se denominar doutrinariamente de Direito Civil Constitucional. De acordo com a interpretação do Tribunal. De acordo com a fundamentação utilizada pelo Tribunal alemão. com essa decisão. assentou as bases para o que a doutrina passou a denominar de “dupla dimensão”. como o também famoso caso Elfes (BVerfGE 6. essa ordem de valores conformada pelas normas de direitos fundamentais.

mas também o direito subjetivo do indivíduo à observância de seus direitos pelo Poder Judiciário. viola não somente o direito objetivo. na medida em que não observa o conteúdo das normas de direitos fundamentais. deve obrigatoriamente interpretá-las à luz dos direitos fundamentais. Assim. não fica fora do âmbito de influência do conteúdo valorativo dos direitos fundamentais. na interpretação do que sejam “bons costumes”. assim. ao aplicar as normas de Direito Civil. entendida como ordem jurídica formada pela totalidade das normas que se encontram formal e materialmente em conformidade com a Constituição. A constitucionalização do ordenamento jurídico representa. deve-se levar em conta o conjunto de concepções axiológicas compartilhadas culturalmente pela comunidade em determinada época e positivadas na Constituição. um fenômeno resultante dessa mudança na concepção de Constituição adotada pelo Tribunal Constitucional. O Tribunal também fixou a exigência de ponderação entre os bens jurídicos em jogo para se estabelecer o direito fundamental que deve prevalecer em caso de colisão. portanto. . dos direitos fundamentais sobre todo o ordenamento jurídico. pela via das cláusulas gerais presentes nas normas de ordem pública e nos princípios que regem o Direito Civil. sobretudo. Sua interpretação e aplicação têm como pauta axiológica a ordem fundamental de princípios conformada pelos direitos fundamentais em sua dimensão objetiva. o Tribunal Constitucional alemão impõe uma verdadeira transformação da concepção de ordem constitucional.Com a construção jurisprudencial de uma idéia de Constituição como ordem objetiva de valores. o Tribunal deduz o “efeito de radiação” (Ausstrahlungswirkung) das normas constitucionais e. Se não o faz. O Direito Civil. Segundo o Tribunal. para efeito de aplicação do § 826 do BGB. o Tribunal considera que o juiz. O Tribunal leva em consideração que a influência dos direitos fundamentais ocorre. nesse sentido. essa ponderação deve ser realizada por meio da verificação de todas as circunstâncias do caso concreto. Do conceito objetivo-valorativo de Constituição. Essas cláusulas remetem a interpretação a critérios externos ao Direito Civil ou mesmo ao ordenamento jurídico. Seguindo nessa linha de raciocínio.

um Estado constitucional. portanto. no qual a Constituição é concebida como um sistema axiológico de princípios e valores que representam orientações normativas vinculantes para toda a atividade estatal e obrigam até mesmo as relações jurídicas de caráter privado.tornando possível ao julgador analisar qual dos direitos fundamentais em conflito tem primazia. do desenvolvimento dos fundamentos de uma renovada dogmática dos direitos fundamentais e de novos conceitos e concepções sobre a interpretação e aplicação das normas constitucionais. de rematerialização do Estado de Direito. Com o caso Lüth. As normas constitucionais são caracterizadas como a positivação jurídica dos valores fundamentais da comunidade. ressalta as qualidades materiais e substanciais presentes na Constituição para fundamentar seu renovado labor metodológico de interpretação e aplicação do direito. O Tribunal Constitucional. O caso Lüth constitui a raiz jurisprudencial de todo esse processo de rematerialização da Constituição e do Estado de Direito. Alvo constante. abre espaço para um modelo de Estado em sentido material. expoente de um modelo de Estado. o caso Lüth representa. dessa forma. em sentido formal. o Tribunal Constitucional da Alemanha consolida a tendência. um marco na jurisprudência constitucional do século XX. uma concepção de Constituição e uma teoria ou metodologia do direito que posteriormente se convencionou denominar de neoconstitucionalismo. A fundamentação utilizada pelo Tribunal Constitucional alemão no caso Lüth é. NOTAS . por isso. Normas que devem ser aplicadas por meio de ponderações que levem em consideração todas as circunstâncias envolvidas no caso concreto. enfim. anunciada pela Lei Fundamental (1949). O Tribunal deixa esclarecido que a concepção liberal de Estado de Direito. de críticas positivas e negativas. cujo caminho ficara aberto desde a Constituição de Weimar (1919).

.Esta coluna é de responsabilidade do Instituto Brasiliense de Direito Público (IDP).