You are on page 1of 24

ESCOLA VIVA

JORNAL OFICIAL DA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE ALBUFEIRA 1ª EDIÇÃO– FEVEREIRO 2009

7 0 Pa l a v r a s
VIVA A Nesta edição:

ESCOLA ! OPINIÃO
Editorial, Educação
Online, Associação de
Pais
P. 2

DEPARTAMENTOS P. 6
DISCIPLINARES

Línguas, Artes,
Ciências Físicas e
Exactas,
PROJECTOS E P. 16
CLUBES

Biblioteca, Parlamento
dos Jovens, Eco-
Escolas,
Clube “Amigo é”,
PASSATEMPOS P. 21

DESPORTO P. 22

Festa de Natal animou Também somos


final do 1º período solidários – reco-
lha de alimentos e
de brinquedos pela
comunidade esco-
lar.

Corta-Mato escolar
-primeira grande activida-
de desportiva da EBSA
2 - OPINIÃO ESCOLA VIVA

No primeiro número do nosso jor-


EDITORIAL nal, fomos perguntar a alguns ele-
mentos da comunidade o que
com muito orgulho que lança- pensam da nova escola .

É mos o primeiro número do jor-


nal “ESCOLA VIVA”.
De facto, nesta edição, em que
A escola é fixe. Tem
coisas novas, que a
outra não tinha e tem
espaço para estarmos
nos apresentamos à comunidade, à vontade e gente
nova , que não conhe-
tornamos públicas algumas activi- cíamos. Para além dis-
dades promovidas pela escola e so, os professores
sabem ensinar bem as
projectos em que estamos envolvi- matérias.
Daniela e Cátia, 7ºA
dos.
Este jornal é a prova de uma A escola é muito boa. Tenho
escola com vida e que convida gostado muito… as novas
experiências, os novos amigos
toda a comunidade a participar na e colegas. Para além disso
sua construção. gosto das salas novas, com
projectores, da Biblioteca,
Espero que todos juntos continue- das mesas de ping-pong…
mos a trabalhar para elevar a Tem sido uma experiência Pedro Coelho, 5º D
muito boa.
escola e fazer dela um espaço em
que toda a comunidade se sinta A escola é gira, simpática e
bem e feliz. diferente…
No entanto, acho que faltam
Sejam bem-vindos à ESCOLA VIVA. ainda algumas coisas - a esco-
la ainda está um bocado
vazia, porque é nova. Era bom
Professora Graça Fernandes que houvesse mais actividades,
Sérgio, 8º A coisas diferentes, como por
Presidente da Comissão exemplo o Desporto Escolar.

Trabalhar aqui é diferente!


A escola é nova, ainda faltam
A escola tem boas instalações algumas coisas, mas as condi-
e é bonita. ções de trabalho são cada vez
Mas o mais positivo tem sido o melhores.
convívio que existe entre toda Sinto-me bem aqui, pois há um
a gente - os funcionários e os bom relacionamento entre todos.
professores são simpáticos e O Conselho Executivo e os pro- Ana, funcionária
têm sido impecáveis para a fessores em geral dão valor ao da reprografia
gente. Gabriel Silva, 7ºA
nosso trabalho e incentivam-nos.

É um facto que as instala- É o meu primeiro ano neste ciclo


ções são agradáveis… de ensino e é bom estrear uma
Mas, sobretudo, a Escola escola nova.
sem pessoas não é Escola. A escola é divertida, tem boas
Para mim, trabalhar numa condições e está tudo em muito
escola nova é trabalhar lá bom estado.
pela primeira vez, iniciar e É bom andar numa escola
desenvolver uma rede de Tiago Ceriz, 5º C assim.
Ivone Anjos, professora ligações entre alunos, pro-
fessores, funcionários...
de Língua Portuguesa Continuam na última página…
ESCOLA VIVA OPINIÃO – 3

A EDUCAÇÃO…ON LINE

Há imensos sítios na Internet em


que professores, pais e alunos dão Audácia– Revista online
a sua opinião sobre a Educação e ças um novo ciclo da tua vida que não é senão uma conti-
a Escola. Ficam aqui três propostas nuação da formação que iniciaste com a tua família.
diferentes… a visitar por todos! A escola é mais do que um lugar onde aprendes a ler,
a somar. Aprendes a contar a história do teu país ou a
história do mundo. Aprendes a situar os continentes, os
oceanos e os rios. Aprendes as fórmulas químicas dos

O
lá. Chamo-me Isabel Mesquita e a partir de ago-
ra quero caminhar contigo no “Tocáprender”. diversos elementos, a falar inglês ou francês… Mas a
Uma rubrica onde, como professora, vou procurar escola é também o lugar onde aprendes a ser pessoa, a
ajudar-te a ver a escola com outros olhos e dar-te algu- ser cidadão responsável, que pensa por si próprio.
mas «dicas» para que possas aproveitar ao máximo Na «cidade escolar» experimentas o valor da amizade
tudo aquilo que ela te pode oferecer. e da partilha, e também vives dificuldades e desilusões.
Afinal, estás mais tempo na escola com os teus profes- Partilhas as tuas dúvidas e os teus medos. É também na
sores do que com a tua família. Assim, dada esta proxi- escola que começas a delinear os teus sonhos e a apren-
midade, nós professores podemos ajudar-te mais de der a torná-los reais. Descobres novos interesses, desen-
perto no teu crescimento. volves novos talentos, dás vida à tua criatividade e
A escola é um aumentas competências. Cruzas-te com professores que te
A escola é também o lugar espaço muito vão marcar para toda a vida, tens contacto com saberes
onde aprendes a ser pessoa, a importante na e culturas diferentes, que aprendes a valorizar e a res-
peitar.
ser cidadão responsável, que tua formação.
Nesta missão, Hoje, mais do que nunca, a escola tem um papel influen-
pensa por si próprio. ela vem ime- te. O «stress» do dia-a-dia que afecta as famílias, que
diatamente a vai roubando espaço ao diálogo e o desencontro provo-
seguir à tua família. cado pelos horários laborais… tudo isso faz com que a
Quando nasces és, desde logo, integrado numa gran- escola, por vezes, quase substitua a família em algumas
de «escola», a mais importante: a família. É no ambiente competências. É sabido que não pode ser assim. Famílias
familiar que aprendes a conhecer-te, que te vais cons- e escolas precisam de se encontrar e trabalhar, para que
truindo como pessoa, te vais identificando com o mundo consigas desenvolver todas as tuas potencialidades.
e com aqueles que te rodeiam. Sentes-te protegido e Tu podes fazer com que a escola e a família caminhem
sabes a quem te dirigir quando tens dúvidas, ou não juntas. Leva a escola para tua casa e a tua família até à
sabes o que fazer. É no seio da tua família que apren- escola. Os TPC, por um lado, as festas, por outro, são
des a falar, aprendes a estar, aprendes as regras bási- excelentes oportunidades. Mas, sobre isso falaremos
cas de convivência social. numa próxima vez.
Quando entras na segunda escola - a que começa, Isabel Mesquita, professora
todos os anos, em Setembro -, o teu leque de contactos In Revista AUDÁCIA [www.audacia.org]
vai-se alargando. Aprendes a interagir com os outros:
com rapazes e raparigas da tua idade e também con-
tactas com adultos que não são da tua família. Surgem
novas dúvidas, novas ansiedades e novas regras. Come-

www.confap.pt - No sítio da Confederação


das Associações de Pais pode aceder-se a
inúmeras informações úteis para pais e pro-
fessores.
portalis.co.pt - um sítio a visitar
4 - A PALAVRA AOS PAIS ESCOLA VIVA

A ASSOCIAÇÃO DE PAIS APRESENTA-SE

Não há ESCOLA VIVA sem a partici-


pação dos pais. A Associação de
Pais apresenta-se à comunidade e,
para além de nos informar das suas
linhas mestras, deixa algumas
sugestões.

A
APEBSA é a Associação de Pais e Encarregados membros da Escola.
de Educação da Escola Básica e Secundária de Estamos por isso diariamente em contacto com a Escola
Albufeira. e representamos os Pais/E.E. no Conselho Pedagógico,
É uma realidade, já foi constituída e também já foram no Conselho Geral Transitório e colaboramos com os
eleitos os seus Órgãos Sociais. vários Gabinetes e demais infra-estruturas da Escola.
Somos um grupo de Pais que, tal como Vós, pretendemos Necessitamos no entanto da vossa maior participação
dar apoio aos nossos filhos dentro da Escola. e de, sobretudo, conseguirmos aferir da vossa sensibili-
Tal como se pode ler nos nossos estatutos, pretende- dade ao que necessário há a fazer na Escola, de forma
mos congregar, coordenar, dinamizar, defender e a melhor servir os nossos filhos.
representar os interesses e direitos dos Pais e Encarre- Brevemente contactaremos convosco por carta, onde
gados de Educação, em relação aos seus filhos, contri- poremos à Vossa disposição um calendário de atendi-
buindo por todos os mento e de reuniões, bem como um número de telefone.
É nas nossas atitudes e no meios ao seu alcance, Fica no entanto mais uma vez o nosso e-mail:
para que estes pos- APEBSA@gmail.com
nosso comportamento que sam cumprir integral- e a disponibilidade de quem está na portaria da
mente a sua missão escola para nos fazer chegar qualquer mensagem escri-
os nossos filhos se revêem. de educadores. ta sobre as vossas preocupações.
Desejamos contribuir Aproveitamos para agradecer aos senhores professo-
para o desenvolvimento equilibrado da personalidade res, directores de turma, a disponibilidade demonstrada,
do aluno e propugnar por uma política de ensino que ao permitirem ser mais um elo de contacto entre esta
respeite e promova os valores fundamentais da pessoa APEBSA e os restantes Pais/E.E..
humana, defendendo os justos e legítimos interesses dos Porque é através das nossas atitudes e do nosso com-
alunos na sua posição relativa à Escola e à educação e portamento que os nossos filhos se revêem, aqui vão
cultura. retratadas duas situações, com exemplos que os farão
Almejamos estabelecer o diálogo necessário para a evoluir para um bom ou mau procedimento.
recíproca compreensão e colaboração entre todos os
Somos Pais como Vós
APEBSA

CUIDANDO DO PLANETA!
Dificultando a circulação...
2549 Kgs. de electrodomésticos inutilizados recolhidos

— +
ESCOLA VIVA OPINIÃO –5

A ESCOLA NO PAÍS DOS


MEUS PAIS
Numa escola com uma grande quantidade de
alunos estrangeiros, achámos interessante pedir a
alguns pais estrangeiros que nos contassem como
é o sistema educativo nos seus países.

A
Moldávia é uma terra pequena mas muito bonita e
com muita riqueza, que de momento, está a ser muito
mal aproveitada.
Relativamente ao sistema educativo no meu país, são
diversas as diferenças relativamente a Portugal, país que me
Escola moldava no inverno
acolheu e que escolhi para viver.
Hoje em dia já não é assim, mas no tempo em que eu fre- fazer o décimo segundo e décimo terceiro ano num colégio ou
quentei a escola, os alunos tinham de usar uma roupa especial liceu do que ter acesso directamente à universidade, visto ser
para ir à escola: as raparigas vestiam um vestido castanho mais fácil para rever a matéria estudada e assim obter
escuro e em cima uma espécie de avental branco (para dias melhores médias.
especiais e festas), e um avental preto para os outros dias Os alunos que obtivessem as melhores notas, tinham
normais. Os rapazes vinham de calças pretas ou azuis e de direito a uma viagem de finalistas para fora do pais.
camisa branca. Os professores da nossa escola davam-nos tarefas para
A escola pré-primária era e continua a ser um pilar para a realizar fora da escola, que eram ajudar os idosos e vetera-
educação de uma criança. Era onde as meninas e os meninos nos de guerra: carregar água, limpar a casa, cortar lenha e
aprendiam as letras, os números, porque quem não sabia con- outras. Para além disto,
tar até cem e não conhecia o alfabeto, não podia entrar para uma vez por mês, na [Na Moldávia] quem não sabia
a escola primária. Primavera e Outono,
Dia um de Setembro é um dia muito especial para as saíamos da escola para contar até cem e não conhecia
crianças moldavas, porque é o dia nacional da aprendizagem limpar o lixo das ruas, o alfabeto, não podia entrar
e também é o dia em que começam as aulas depois das férias as margens dos rios ,
de Verão, que como em Portugal, duram tês meses. que era uma forma de para a escola primária.
Neste dia importante, na praça da escola juntam-se os ajudar a manter a
alunos, professores, directores de turma, auxiliares e, claro, os aldeia mais limpa.
pais, que vêm para acompanhar os seus filhos. Os alunos iam para a escola para estudar, mas também
O nosso sistema de notas é ligeiramente diferente do pra- tinham direito ao divertimento: a escola todas as semanas
ticado em Portugal: do primeiro ano até ao quarto as notas realizava festas de diferentes tipos: assim os alunos não se
sentiam sobrecarregados, o que era bom para o bem estar
do aluno.
Por exemplo, no dia oito de Março, dia mundial da mulher,
os rapazes preparavam uma festa surpresa para as rapari-
gas, e, no Ano Novo e Natal, participavam todos os alunos da
escola.
Os professores realizavam concursos entre as turmas: a
que ficasse classificada em primeiro lugar ganhava uma via-
gem de estudo , que era uma forma de estimular a criativida-
de dos alunos.
As condições da nossa escola também eram e são um pou-
co diferente das de Portugal. Por exemplo, há uma enfermei-
ra de serviço na escola , que uma vez por semana a verifica
os alunos, para ver se estes se encontravam apresentáveis,
verificava as unhas e a cabeça.
Os professores no final do ano lectivo eram avaliados e
Escola moldava quem não atingia a média pretendida ia frequentar cursos
são de um a que eram pagos por si próprio, de modo a aumentar a média.
cinco, depois até ao décimo primeiro ano de um a dez. Fazendo um breve resumo, lembro-me desses dias como se
O método de aprendizagem também é totalmente diferen- fossem hoje, e por vezes sinto pena que, quando manifesto
te do praticado em Portugal: os nossos testes são praticamente estas ideias com outros pais, portugueses eles se sintam como
todos orais, com excepção de matemática (álgebra e geome- se eu estivesse manifestando que somos superiores, mas penso
tria ) e a língua natal (ou russa ou moldava). que o ensino até seria melhor e mais divertido para os alunos
Os nossos testes são feitos através de um sorteio feito pelo se Portugal seguisse o exemplo doutros países.
professor. O aluno escolhe um envelope que dentro contém a
matéria que terá que desenvolver oralmente. Natália Vrabii
Depois do décimo primeiro ano muitos alunos preferem
6- DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS ESCOLA VIVA

O Departamento de Línguas é com- O MEU DESEJO


posto pelas disciplinas de Língua
Portuguesa, Inglês, Francês e Ale- De manhã quando acordei estava maré vaza.
Como o peixe, o caranguejo e o polvo ainda estavam
mão. a dormir decidi
i n v e n t a r
Os alunos do 5º ano abordaram “A Menina alguns passos
do Mar” de Sophia de Mello Breyner Andre- de dança.
sen, tendo viajado até ao fundo mar, de Depois de ter
mãos dadas com a Menina, o rapazito e os inventado três
seus amigos. passos de dan-
Para além de uma exposição de capas
ça sentei-me
alternativas, elaboraram textos orientados,
sugeridos pelos professores.
para descansar
e então apare-
Acordei, ainda meio zonza pela tempesta- ceu um peixe
de da noite passada, e vi um reflexo solar na esquisito, que
água. Fui lá, muito silenciosa e, quando che- me disse que
guei à superfície vi um fantástico dia de sol. eu podia pedir um desejo e realizar-se-ia logo.
Olhei em volta, nem tinha palavras para descre- Depois de ter dito estas palavras, desapareceu. Eu
ver o quão belo estava o dia! Vi um sol brilhante, pensei um pouco e pedi que me transformasse
um mar mais azul do que o céu! As algas pareciam numa menina normal. De repente comecei a ficar
meninas maquilhadas para a noite, pois tinham sem ar, saí da água e percebi que o meu desejo se
em cada parte do seu corpo um brilhante. Eram tinha realizado.
mais verdes que verdes, mais roxas que roxas, Rapidamente contei aos meus amigos o que tinha
eram belas! acontecido e fui dar uma volta para ver como era
Nadei o mais depressa possível! O polvo, o pei- realmente a terra.
xe e o caranguejo Quando saí da gruta fiquei de boca aberta porque
tinham de ver isto. estava uma manhã mais que linda: o céu azul, o mar
Acabados de chegar azul, os gol-
de novo à superfície, finhos a
vimos uma casa bran- nadar e a
ca, com a madeira a saltar e o sol
estalar. Vi um rapazi- a brilhar.
nho a vir à praia. Fui andan-
Observei cada um dos do até che-
seus passos e observei gar a uma
atentamente as braça- linda gruta
das que ele dava na onde encon-
água. Até que vi o ar trei uma
atrapalhado com que cadelinha,
ele nos observava, e aí não resistimos sem rir! Foi dei - lhe o nome de Conchinha - porque era linda,
tão engraçado! tinha o pelo ondulado e porque tinha um colar com
Lembrando-me que tinha de treinar para a uma concha.
Grande Raia pedi para dançar: o peixe batia pal- Fui até à gruta dos meus amigos e lá só encontrei
mas na água, o caranguejo tocava castanholas com um peixe que disse se eu queria voltar a ver os meus
as tenazes e o polvo tocava guitarra com os seus amigos teria de pedir um desejo para voltar a ser a
grandes tentáculos. Como era um treino, tinha de Menina do Mar, eu assim o fiz, eles voltaram mas eu
ser a música de que a Grande Raia gostava: o Lati- nunca mais voltei a ficar tão feliz como naquele dia!
nosamba.
Irina Vrabii, Nº 12, 5ºC
Rafael Piedade, nº 18, 5º C
ESCOLA VIVA DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS - 7

Nem só de fantasias e sonhos são feitas as aulas. As turmas abordam também temas sérios,
como é o caso da Declaração Universal dos Direitos do Homem ou do Parlamento Jovem

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM


Acho que
Para mim, todas as não estão a
pessoas deviam ser cumprir os
tratadas da mesma direitos do
forma. Por exem- Homem por-
plo, no Gana há que continuam
crianças que ficam a existir crian-
a trabalhar 14 ças que são
horas por dia, vendidas
todos os dias da pelos pais e
semana. No Iraque ficam desde
ainda há guerras pequeninas
muito perigosas que escravas dos
matam muitas pes- pescadores.
soas sem terem culpa de nada. Infelizmente ainda exis- Existe guerra no Iraque e no Irão e, por isso,
te racismo. Em países de África há pessoas que estão morrem pessoas sem terem culpa.
contaminadas por epidemias e lá não há tratamentos
Uma das piores situações dos direitos huma-
próprios como nos outros países.
nos é a escravatura, apesar de a terem proibi-
São como nós e não merecem ser tratados com tanta do há muitos anos; infelizmente ainda hoje
crueldade. Ajude a acabar com a desigualdade e a existe.
respeitar os direitos humanos!

Carolina Serápio 5ºA nº8 Beatriz Serápio, 5º A, nº 6

ALIMENTAÇÃO E SAÚDE
Todos os alimentos que comemos podem afectar
de certa forma o nosso humor e as nossas emoções
A má alimentação e a falta de e sensações caminham juntos na vida de
exercício físico são problemas muito um ser humano.
graves que têm preocupado o gover- Pois há uma série de alimentos
no que tem intervindo com o intuito (chocolate”relaxamento”, aveia”energia”,
de promover a actividade física e ovos” memoria”, peixe e frutos do
desportiva tal como uma alimentação mar”bom humor”) que podem melhorar o
saudável e equilibrada nos buffet e ânimo, uma vez que estimulam a produção
cantinas escolares. dos neurotrasmissores responsáveis pelo
Esta temática remete-nos para um prazer bem-estar e euforia.
grande problema muito comum nos A obesidade é um grande problema em
dias de hoje: a obesidade e as suas Portugal, podendo-se tornar numa epide-
consequências drásticas na qualidade Texto mia,
produzido
sendo noque âmbito
31,5% do
das crianças entre
de vida de cada indivíduo. projecto
os 9PARLAMENTO DOS ou sofrem de
e os 16 anos obesas
Por outro lado, sabe-se que deixar JOVENS, cujo detema
excesso peso.aborda a
de ingerir alimentos não é saudável, muito pelo AALIMENTAÇÃO em geral. doença que pode che-
obesidade é uma grande
contrário, é extremamente nocivo para o corpo, vis- gar à morte, provocada pela má alimentação e
to que este precisa de alimento para manter as pela falta de exercício físico.
suas funções vitais. Daí que seja importante infor-
marmo-nos com profissionais da área da alimenta-
ção para nos esclarecer sobre todas as dúvidas que Ricardo Bailote, 5º A, nº 18
possuímos.
8- DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS ESCOLA VIVA

Meine beste Freundin

Sie heißt Carolina


Rodrigues.

Ihre Telefonnummer ist


Salut les copains!

Nous sommes douze élèves de 91*******.


la classe B du 7ème année.
Nous avons commencé à étu- Sie ist 12 Jahre alt und hat einen
dier le français cette année
Bruder, er heißt Tiago.
scolaire 08/09. Le 2 février,
nous avons décidé de parta- Die Eltern von Carolina sind Fernanda
ger avec toi une tradition
fançaise très douce: «La und João.
Chandeleur». Ce jour-là, les
français ont l’habitude de Carolina ist sympatisch, freundlich und nett!
faire de délicieux crêpes. On
dit que «faire sauter» les
crêpes avec une pièce dans la
main porte bonheur au long
de l’année. À toi de faire MENSAGENS DE NATAL EM
l’expérience.
Nous voici pendant la décoration de la cantine (nous mangeons des BALÕES
crêpes au chocolat et nous buvons du jus de pomme).
Nous te souhaitons prospérité. À bientôt!

Maintenant joue avec nous:

Cherche les ingrédients qui t’aideront dans ta recette de crêpes.

Lançamento de balões
com mensagens de Natal
ESCOLA VIVA DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES– 9

FESTA DE NATAL
O Natal foi mais Natal com a músi-
ca, o teatro e a poesia dos alunos
do 2º Ciclo.

N o dia 18 de Dezembro de 2008, pelas 10 horas,


realizou-se, no Auditório da Escola, a festa de
Natal, promovida pelas disciplinas de Educação
Musical e Educação Visual e Tecnológica. Participaram
todos os alunos do 2º Ciclo, que interpretaram, de forma
exemplar, duas peças vocais e instrumentais, uma peça de
teatro e poemas de Natal.
Os alunos do 6ºano apresentaram a melodia
“Braveheart”, para flauta e instrumental Orff.
Os alunos do 5ºano juntaram-se e interpretaram a ópera “ À procura dum pinheiro”- ópera ligeira
ligeira “À Procura
No final, alunos, professores e de um Pinheiro”.
Nesta ópera, cada
encarregados de educação grupo de alunos
deram os parabéns aos alunos e representava um
professores envolvidos na festa. dos enfeites da
árvore de Natal ou
um pinheiro e uma aluna desempenhou o papel de Estrela.
Os alunos do 5ºD interpretaram ainda a peça “Um ofício
para o Menino Jesus” e declamaram poemas de Natal.
Os ensaios para esta festa foram realizados nas aulas de
Educação Musical e Formação Cívica e ainda houve tempo
para dois ensaios extra no local do espectáculo. O guarda
-roupa teve a mão da Prof. Rosalinda, que deu boas
ideias e ajudou na realização do mesmo. Os alunos do
6ºC ajudaram na arrumação do espaço, na colocação dos
microfones e nos cd’s e na apresentação do espectáculo.
No final, alunos, professores e encarregados de educação
que estiveram a assistir mostraram-se satisfeitos com o que
tinham acabado de ver e deram os parabéns aos alunos e
professores envolvidos. “ À procura dum pinheiro”- ópera ligeira

A maestrina Joana Cristóvão

Declamação de poesias de Natal


Um ofício para o Menino Jesus
10 - DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FÍSICAS E EXACTAS ESCOLA VIVA

O Departamento de Ciências Exactas


é composto pelas disciplinas de
Matem átic a, Ciên ci as, Físi c o-
Química e Informática

A Matemática é a honra do espírito humano.

Leibniz
A Escola Básica e Secundária de Albu-
feira neste primeiro ano de funcionamen-
Tenta resolver este problema: to está, com muito entusiasmo, a organizar
a Final do Barlavento das Olimpíadas
Concelhias da Matemática.
Encaramos este acontecimento como
uma mais-valia para a nossa escola e
pretendemos que desperte e estimule o
gosto e o interesse pela Matemática.

DESAFIO CIENTÍFICO DO MÊS

Como participar?

Todos os meses será afixada uma questão que deverá


ser correctamente resolvida neste boletim de participa-
ção. O boletim, devidamente preenchido, deverá ser
colocado na caixa que se encontra na biblioteca, para
o devido efeito. No final de cada mês será afixada a
resposta correcta no painel da biblioteca e no final do
ano lectivo será afixado o nome do(a) aluno(a) vence-
dor(a) o(a) qual terá direito a um científico prémio!

“O desafio”

Descobre na horizontal e na vertical quatro exem-


plos de misturas homogéneas e quatro exemplos de
misturas heterogéneas.

Actividade realizada pelas professoras


Arlete Capitão (C.F.Q.) e Natércia Teixeira (C.N.)

Soluções no próximo número


ESCOLA VIVA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FÍSICAS E EXACTAS — 11

VISITA DE ESTUDO DO 8º ANO


No dia trinta de Janeiro aconteceu uma
visita de estudo ao Oceanário e ao Pavi-
lhão do Conhecimento, em Lisboa, com as
turmas 8º A e 8º B.

N
o Oceanário os alunos participaram no
Visita de Estudo OCEANÁRIO
Programa Educativo “Atelier dos
Oceanos” onde começaram por desen-
Posteriormente, fizeram uma visita guiada ao
Oceanário onde lhes foi feita uma breve descrição
dos seres vivos lá existentes, assim como das
suas relações dentro do ecossistema apresentado.
No final, os alunos puderam fazer uma visita livre
pelo oceanário.
No Pavilhão do Conhecimento os alunos visita-
ram três exposições designadas “Matemática
viva”, “Espaço - a última fronteira” e “Explora”.
Dois alunos no PAVILHÃO DO CONHECIMENTO Nestas salas realizaram actividades práticas que
lhes possibilitam apreender de uma forma lúdica
volver o Atelier denominado “De Grau a Grau”. alguns dos conceitos abordados nas disciplinas de
Neste atelier os participantes tiveram oportunida- Ciências Físico- [Os alunos] tiveram oportunida-
de de verificar o impacto das suas acções diárias Químicas, Ciên- de de verificar o impacto das
suas acções diárias sobre o
sobre o ambiente, bem como a sua contribuição cias Naturais e ambiente, bem como a sua con-
para a Matemática. tribuição para a problemática
do aumento do aquecimento
problemá- Na generalidade, global.
tica do os objectivos da
aumento visita foram cumpridos, tendo esta tido um impacto
do aqueci- bastante positivo no processo ensino-
mento aprendizagem.
global. Deixa-se, ainda, os sinceros agradecimentos às
Puderam professoras Dalila Alves e Isabel Feio, professoras

O Oceanário de Lisboa ainda, acompanhantes, pela disponibilidade, pelo apoio e


através de pela paciência demonstrados durante a visita.
uma simples actividade prática, calcular a sua
“pegada ecológica”. Professoras Natércia Teixeira ( Ciências Naturais)
e Arlete Capitão (Ciências Físico-Químicas)
12 - DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FÍSICAS E EXACTAS ESCOLA VIVA

AFINAL, OS CIENTISTAS RESPIRAM!

Q uando imaginamos um cientista, em quem pensamos? Pen-


samos numa pessoa como qualquer outra, que se veste e
fala como nós, que ri e chora como nós? Não. Possivel-
mente pensamos numa de duas figuras: um velhinho de cabelos
brancos em pé, com um ar um tanto ou quanto alucinado, a lembrar
um figurão tipo Einstein, ou para os amantes do cinema, o cientista
do filme “Regresso ao futuro” (ainda se lembram deste?) ou, uma
segunda hipótese, mais
maquiavélica e malévola,
Um cientista é um homem tão ao estilo do Dr. Octopus do
frágil e humano como qualquer Homem-Aranha 2.
outro... Mas se olharmos a história
Isaac Isamov da Ciência ao longo dos
tempos constatamos que os
cientistas são pessoas como nós, são homens, e mais recentemente,
mulheres, que se dedicam arduamente à pesquisa, à procura de
soluções e de respostas para os mais variados problemas da huma-
nidade, desde a cura do cancro ou da SIDA, até aos tecidos mais
confortáveis e eficientes para a prática desportiva.
Como um médico vai para o seu consultório todas as manhãs ou um New Yorker, Setembro de 2008
professor se dirige para a sua escola, também os cientistas possuem
um local de trabalho, os laboratórios, ou a natureza a céu aberto,
quando necessário, onde efectuam experiências, estudos, cálculos,
onde muitas vezes se erra, ou não se chega a conclusão nenhuma, e
aí, volta-se atrás, reformula-se, reorganiza-se, mas nunca, nunca se
desiste… tal como nós, no nosso dia-a-dia…
Porque a literacia científica é fundamental para o exercício pleno
da cidadania, lancei um desafio aos meus alunos de 10º ano: a
construção de um portfolio de biografias sobre os vários cientis- PALITO EQUILIBRISTA!
tas e autores abordados nas nossas aulas.
Esta é apenas uma parte do seu trabalho…
Objectivo: Determinar qual o ponto
A Professora de Biologia e Geologia que corresponde ao centro de gravi-
Joana Costa dade.

J ohn Joly foi um geólogo e físico Irlandês, que nasceu 1857 na Material:
Hollywood House. Estudou no Tri- 2 garfos de metal
Copo alto
nity College em 1976. Em 1882 Plasticina
graduou-se em Engenharia Civil, traba- 1 palito
lhou no departamento de Engenharia e
Física. Em 1897, tornou-se professor, no Procedimento:
Trinity College, de Geologia e Minera- 1- Com a plasticina forma uma bola com o tamanho de um
logia. Em 1894, J. Joly patenteou o seu berlinde grande.
método de fotografia a cores, que veio 2- Espeta os dentes de um dos garfos nessa bola.
a ser a primeiro bem sucedido método 3- Faz o mesmo com o outro garfo de modo a formar com o
a produzir fotografias a cores numa primeiro um ângulo de 45 º aproximadamente.
4- Introduz a ponta aguçada do palito entre os dois garfos.
única chapa. Em 1901, calculou a ida- 5- Apoia a outra ponta do palito na borda do copo e deslo-
de da Terra, de 90 a 100 milhões de ca-a para dentro do copo até que os garfos fiquem em equi-
anos, tendo como base a concentração líbrio.
de sal dos oceanos. Uma das grandes
conquistas de John Joly foi a descober- Nota: Diminui o ângulo entre os garfos se não conseguires
ta, em 1913, que o uso da radiação John Joly (1857-1933) equilibrá-los.
podia curar certos tipos de cancro. Em Existe um ponto entre os garfos em que o palito é capaz de
1914, em parceria com Ernest Rutherford, usou o decaimento suportar o peso dos garfos e da plasticina.
radioactivo dos minerais, e calcularam que o Devónico, período entre
O porquê:
o Silúrico e o Carbonífero, era inferior a 400 milhões de anos. Joly
inventou alguns instrumentos, tais como: o termómetro, para medir O ângulo entre os garfos distribui o peso deles de tal forma
calores específicos; o fotómetro, para medir a intensidade luminosa; que passa a existir um ponto do palito em relação ao qual os
e ainda um instrumento para medir o ponto de fusão dos minerais. Em pesos estão uniformemente distribuídos. Tal ponto chama-se
toda a sua carreira escreveu mais de 270 livros e documentos cientí- centro de gravidade.
ficos.
Professora Paula Moura
Joana Martins, n.º11, 10º A
ESCOLA VIVA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FÍSICAS E EXACTAS - 13

A ESCOLA JÁ ESTÁ NA NET... ...A NET JÁ ESTÁ NA ESCOLA

Blogues da Turma… para saber mais! Rede wireless e e-escola

P ara além do jornal escolar, existe uma nova partilha


de informação na comunidade escolar…o blogue da
turma.
Todas as turmas de 5º e 6º anos criaram, na área curricular
não disciplinar de Área de Projecto, o seu blogue.
A Escola já é servida por uma rede wireless (sem
fios) , que permite que alunos e professores utilizem
os computadores portáteis pessoais e se liguem à
internet.
Para além disso, os códigos de validação do pro-
Cada um destes blogues tem como principal objectivo a grama e-escolas encontram-se disponíveis na Secre-
interacção entre pais, alunos e professores, onde serão taria para serem levantados pelos alunos e professo-
divulgadas todas as actividades e informações importantes res que desejem aderir.
relacionadas com as diversas disciplinas. Temos o mundo a um “clic” de distância!

O professor de
Tecnologias de Informação e Comunicação
Hélder Ribeiro

O Blog do 5º A– www.5aebsa.blogspot.com

O Blog do 5º C - www.ebsa5c.blogspot.com

O Blog do 5º B- www.ebsa5b.blogspot.com

O Blog do 6º B- www.ebsa6b.blogspot.com
O Blog do 5º D- www.ebsa5d.blogspot.com
14- DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS ESCOLA VIVA

Ao Departamento de Ciências
Sociais e Humanas pertencem as dis-
ciplinas de História, Geografia, Filoso-
fia e Economia.

VISITA DE ESTUDO AO MUSEU DO


CERRO DA VILA, EM VILAMOURA A visita a este museu dá possibilidade de se observa-
rem importantes testemunhos da presença de antigos
povos na zona.

O
s alunos do 5ºano realizaram visitas de estudo à
Estação Arqueológica Cerro da Vila, em Vila- Este museu pretende divulgar também a riqueza do
moura. património
Os objectivos desta visita de estudo foram a divulga- arqueológico do
ção das tradições e dos valores culturais existentes na Algarve. Os
região e, assim, fortalecer a ligação dos jovens com os primeiros vestí-
museus, bem como conhecer as ruínas romanas aí exis- gios são da Ida-
tentes. de do Bronze,
como se pode
Este Museu e ver nas sepultu-
Estação ras descobertas
Arqueológica nesta área. No
ficam situa- entanto, os
dos em Vila- Romanos
moura, junto foram os primei- Lagar do vinho e do azeite
à marina. ros habitantes
Encontra-se da zona do Cerro da Vila, aos quais sucederam os Tar-
aberto ao do-Romanos, os Visigóticos e os Árabes.
público entre
as 09.30h e Os vestígios mais importantes são as ruínas da casa
as 12.30h e dos Mosaicos, dos balneários romanos, dos tanques de
entre as 14.00h e as 18.00h. salga do peixe, das fundações de uma torre funerária e
a zona portuária.
Os visitantes também podem adquirir artigos e con-
sultar documentação especializada.

ções
Exposi , No âmbito da disciplina de H.G.P. têm sido
de HGP pedidos alguns trabalhos práticos, que
5º Ano resultaram em exposições — Rosas-dos-
Ventos, Maquetas de Castros e de Caste-
los, e uma exposição sobre a herança
muçulmana (turmas A e B)

CASTELOS CASTROS
ESCOLA VIVA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS—15

Durante o 1º período, na disciplina de Filosofia, leccio-


nada pela docente Cândida Santos e no contexto dos
FILOSOFIA– SABER PENSAR PARA
conteúdos programáticos acerca das “Ferramentas SABER ARGUMENTAR
do Trabalho Filosófico”, os alunos do 10º ano realiza-
ram trabalhos na sala de aula que visaram adquirir e desenvolver a competência da argumentação,
“pedra de toque” da Filosofia. O texto da aluna Tânia Mendes, da turma do 10º B, destacou-se pela clare-
za e rigor na escolha dos argumentos.

A
Tourada é uma tradição que muitos apreciam mas que,
por outro lado, muitos questionam pelo facto de envolver
o sofrimento de animais.
Apesar de compreender que as tradições são um conjunto de
vivências que as populações gostam de manter, penso que não
seja legítimo produzir sofrimento tanto ao nível físico como ao
nível psicológico em qualquer que seja o ser vivo.
No caso da tourada, o ser humano não percebe que é comple-
tamente absurdo divertir-se à custa de animais? Provocar a dor
de seres vivos com o único objectivo de animar uma plateia é um
comportamento humano de carácter totalmente insensível.
Os animais têm os seus Direitos e penso que, na tourada, os direitos dos touros bravos estão a ser total-
mente desrespeitados.
Concordo que se mantenham as tradições, pois são uma herança deixada, mas não aquelas que prejudi-
cam qualquer que seja o ser vivo existente.

Tânia Mendes, 10º B


OUTROS TEXTOS,
OUTROS TEMAS

Lenda das Amendoeiras em Flor


Há muitos e muitos séculos, antes de Portugal existir e quando
o Al-Gharb pertencia aos árabes, reinava em Chelb, a futura
Silves, o famoso e jovem rei Ibn-Almundim que nunca tinha
conhecido uma derrota.
Um dia, entre os prisioneiros de uma batalha, viu a linda
Gilda, uma princesa loira de olhos azuis e porte altivo. Impres-
sionado, o rei mouro deu-lhe a liberdade, conquistou-lhe pro-
gressivamente a confiança e um dia confessou-lhe o seu amor e
pediu-lhe para ser sua mulher.
Foram felizes durante algum tempo, mas um dia a bela princesa do Norte caiu doente sem razão aparente. Um
velho cativo das terras do Norte pediu para ser recebido pelo desesperado rei e revelou-lhe que a princesa sofria de
nostalgia da neve do seu país distante.
A solução estava ao alcance do rei mouro, pois bastaria mandar plan-
tar por todo o seu reino muitas amendoeiras que quando florissem as
suas brancas flores dariam à princesa a ilusão da neve e ela ficaria
curada da sua saudade.
Na Primavera seguinte, o rei levou Gilda à janela do terraço do caste-
lo e a princesa sentiu que as suas forças regressavam ao ver aquela
visão indiscritível das flores brancas que se estendiam sob o seu olhar.
O rei mouro e a princesa viveram longos anos de um intenso amor
esperando ansiosos, ano após ano, a Primavera que trazia o maravi-
lhoso espectáculo das amendoeiras em flor.
Alexandre Chaves, nº 2, 5º D
16- BIBLIOTECA ESCOLA VIVA

ABERTURA DA BIBLIOTECA
A nossa Biblioteca, finalmente, abriu as suas
E portas à comunidade escolar, no dia 27 de
CENTRO DE RECURSOS Janeiro.

o prazer que proporciona folhear as páginas de um


livro.
O espaço é agradável, conta com algum fundo
documental e já convida a muitas leituras.
Conta também com o apoio do Sr. Jorge Silva (na
foto), que, no horário de abertura (das 09.30h às
12.00h e das 13.00h às 16.30h), prestará o apoio
necessário a todos os utentes da Biblioteca.
Na BE / CRE serão dinamizadas, pela equipa de
coordenação, várias actividades nas quais todos
poderão participar.
Está agendada, já para o mês de Fevereiro, uma
actividade com um sabor a poesia… a receita é ir
Biblioteca / Centro de Recursos Educativos da EBSA passando e descobrindo todas as potencialidades
que este espaço tem para oferecer.
Desejamos a todos um feliz ano, repleto de boas

D epois de todo um trabalho de planifica- leituras!


ção, organização e aquisição de mate-
riais, a nossa biblioteca abriu as portas ao As coordenadoras da biblioteca
seu público no dia 27 de Janeiro.
Neste dia, foram realizadas visitas guiadas às Professoras Cidália Mendes e
Delfina Vernuccio

Visitas dos alunos do 5º D à Biblioteca

turmas do 2º ciclo. A afluência por parte dos res-


tantes alunos foi significativa, pois estavam desejo-
sos por conhecer este novo espaço dedicado ao
trabalho e lazer e alguns começaram logo a sentir
ESCOLA VIVA PARLAMENTO DOS JOVENS—17

O programa Parlamento dos


Jovens é organizado pela Assembleia
da República, em colaboração com
outras entidades, com o objectivo de
promover a educação para a cida-
dania e o interesse dos jovens pelo
debate de temas de actualidade.

O
s temas em debate, este ano, são para o 3º Cada nova urbanização
Ensino Básico “Alimentação e Saúde” e para deve ser obrigada, por lei, a
o Secundário “Participação Cívica dos incluir um espaço desportivo
Jovens”. Juntamente com outras Escolas Bási- para adolescentes e adultos e
cas e Secundárias, a nossa Escola inscreveu-se neste pro- um parque infantil gratuitos
jecto. para uso da comunidade.
Até ao momento já foram No ensino Secundário as
levadas a cabo algumas das medidas finais foram:
etapas deste projecto. O pri- 1ª Direito de voto aos 16 anos.
meiro grande momento foi a
vinda do Deputado David 2ª Incluir nas estruturas orgâni-
Martins, no dia 15 de Dezem- cas das associações de utilida-
bro de 2008, a este estabele- de pública uma cota obrigató-
cimento de ensino. Com esta ria para jovens dos 16 aos 21 anos.
visita do Deputado todos os 3ª O representante da Associação de Estudantes local
alunos ficaram a conhecer ou o representante destas deve integrar as comissões
melhor o modo de funciona- municipais do foro sociocultural, desportivo e ambiental.
mento da Assembleia da
República, bem como a sua
constituição. Houve ainda um Na Sessão Escolar foram ainda eleitos os Depu-
Deputado David Martins
momento onde os alunos tados à Sessão Distrital, no Básico: Beatriz Serápio,
puderam colocar questões ao Deputado, mediante as Nadine Alcoforado, Adriana Real e Cláudio Marujo
suas dúvidas e curiosidades. como efectivos e Eduarda Barbosa como suplente. No
Depois deste momento os alunos organizaram-se em Secundário: Tiago Alexandre Neto Guerreiro, José
listas, conjecturaram João Soeiro Rito, Marina
medidas a implemen- Na Sessão escolar foram Eliana Keumurdji Santa
tar, tendo em atenção Clara, Beatriz Miguel Perei-
debatidas e escolhidas as ra de Oliveira e Tânia
os temas em debate e
defenderam-nas até ao medidas a incluir no Projecto Vanessa Faustino Mendes
dia das eleições, dia como efectivos e Fábio
16 de Janeiro de de Recomendação da Escola. Miguel Pedro Coelho como
2009. Foram eleitos, suplente.
nesta eleição, os Deputados à Sessão Escolar. A Sessão Distrital realizar-
Na Sessão escolar foram debatidas e escolhidas as -se-á em Faro, no dia 2 de
medidas a incluir no Projecto de Recomendação da Esco- Março para o Básico e 3 de
la. No Ensino Básico as medidas finais foram: Março para o Secundário. O
próximo passo poderá ser a
1º Encarecer o IVA dos alimentos menos saudáveis, Assembleia da República.
nomeadamente do álcool, dos refrigerantes, dos doces,
dos salgados e das gorduras e diminuir o IVA dos ali-
mentos saudáveis, designadamente das frutas, dos legu- As Coordenadoras do Projecto
mes e do peixe; Professora Alexandra Azevedo (Ensino Básico)
2º Limitar a publicidade em espaços públicos e na televi-
Professora Carla Barrinha (Ensino Secundário)
são dos alimentos menos saudáveis e proibir a distribui-
ção de brindes, neste género de alimentos, aumentando
a publicidade dos alimentos saudáveis;
18- ECO-ESCOLAS ESCOLA VIVA

O PROJECTO ECO ESCOLA


EXISTE NA TUA ESCOLA!
Durante todo o ano lectivo serão abordados temas
sobre: os Resíduos, a Energia; os Transportes; a Água
e o tema do ano: as Alterações Climáticas.
No painel Eco-Escola, perto da sala de convívio,
serão afixadas várias notícias, curiosidades e activi-
dades a realizar sobre os temas. Também será afixa-

Política dos “3 R’s”


O que é o

C om o objectivo de minimizar o problema dos resí-


duos criou-se uma estratégia que aborda esta
questão de um ponto de vista hierárquico. A polí-
tica dos “3 R’s” consiste na Redução, Reutilização e Reci-
Eco-Código?
É uma lista de acções “
verdes” que toda a
comunidade escolar
clagem dos resíduos. Sendo Reduzir a acção mais impor- deve seguir.
tante, enquanto a reciclagem só deve ser aplicada
quando o produto já não pode ser reutilizado. Por exemplo:
REDUZIR “Ao reduzir e a reciclar
Redução da quantidade de lixo produzido. Os consumi- já estás a poupar.”
dores devem adoptar comportamentos verdes, adquirin- Ajuda-nos na elaboração deste Eco-Código!
do materiais resistentes, que apresentem um maior tem- Poderás colocar as tuas sugestões na caixa construí-
po de vida útil, rejeitando tudo o que for de usar uma da para o efeito.
vez só.
Juntos vamos fomentar uma Educação Ambiental e
premiar a nossa escola com a Bandeira Verde, que é
um galardão que certifica a qualidade ambiental da
escola e um prémio de reconhecimento.

A Equipa Eco-Escola agradece.

Professoras Dalila Alves, Dora de Sá e Sílvia Santos

REUTILIZAR
Reutilizar significa utilizar mais do que uma vez um
determinado produto. Todos nós de uma forma mais ou
menos consciente já tivemos comportamentos amigos do
ambiente, nomeadamente no diferente uso que damos a
certos materiais.
RECICLAR
Reciclar é uma forma de valorizar um material que já foi
utilizado, transformando-o em material útil. Materiais
como o papel, o plástico, o metal, a borracha, o vidro e
a madeira, que já não satisfaçam as necessidades do
seu possuidor devem ser separados selectivamente e
colocados nos respectivos ecopontos.
ESCOLA VIVA CLUBE “AMIGO É” - 19

Este clube tem como ponto de partida a


BANCO ALIMENTAR vontade de incutir nos jovens o espírito da
CONTRA A FOME amizade, da entreajuda, do saber ser/
NO ALGARVE saber estar e desenvolver a autonomia
entre todos.

O CLUBE AMIGO É… no âmbito dos seus objec-


tivos de práticas de solidariedade social, pro-
moveu a campanha do BANCO ALIMENTAR
nesta escola.
Os alunos das turmas 5º A, 5º B, 10º A, 10º B e PIEF,
deram o seu valioso contributo, disponibilizando o seu
tempo livre, e participando com empenho e entusiasmo
na campanha. Esta, decorreu nos dias 29 e 30 de
Novembro de 2008, no Supermercado LIDl de Albufei-
ra, tendo conseguido angariar um total de 2. 482,5 kg
de alimentos.
“Para

Também os professores, funcionários e encarregados


chamar
a
atençã
o do
leitor,

de educação ajudaram a que a campanha fosse um


coloqu
e uma
frase
interess
ante ou
uma
citação
do
bloco
aqui.”
sucesso.
Estão todos de parabéns pela ajuda prestada ao
BANCO ALIMENTAR CONTRA A FOME NO ALGARVE.
Amigo
O CLUBE AMIGO É… cá vos espera em Maio.
Maior que o pensamento
PARTICIPEM! SEJAM SOLIDÁRIOS! Por essa estrada amigo vem
Não percas tempo que o vento
A coordenadora do projecto É meu amigo também.
Professora Ana Pereira
Em terras
Em todas as fronteiras
Seja bem-vindo quem vier por bem
Se alguém houver que não queira
Trá-lo contigo também.

Aqueles
Aqueles que ficaram
(Em toda a parte todo o mundo tem)
Em sonhos me visitaram
Traz outro amigo também.

Diploma de participação na actividade de recolha de alimentos


Zeca Afonso

Diploma de participação na actividade de recolha de alimentos


20- PROJECTO SER SOLIDÁRIO ESCOLA VIVA

A ESCOLA AJUDA
QUEM MAIS PRECISA

O projecto Ser Solidário está a ser desenvolvido


desde Setembro de 2008 pelas docentes Cân-
dida Santos (Filosofia) e Claudia Fernandes
(Matemática) da nossa escola.
O Projecto Ser Solidário pretende sensi-
bilizar os alunos e toda a comunidade escolar
para a criação e desenvolvimento de valores
A ideia deste projecto teve a sua origem num tema éticos e cívicos na comunidade .
central intitulado Projecto Amigo É, no qual os docentes
trabalharão em conjunto com os alunos do 10º ano
durante este ano lectivo. Neste âmbito, foi pedida a Paulo Almeida para a Instituição São Vicente de Paulo,
colaboração da Associação Nuclegarve, com sede em que os distribui pelos mais pobres que lá recorrem.
Albufeira e cujos objectivos visam a criação de uma A recolha de brinquedos que se efectuou no primeiro
Aldeia da Solidariedade, que consiste num espaço de período foi exemplo disso. Graças à colaboração de
ajuda e integração de famílias carenciadas. muitos alunos, professores e funcionários a nossa escola
A dinamização deste projecto só foi possível graças ao conseguiu angariar 267 brinquedos em bom estado de
apoio da nossa Presidente da Comissão Administrativa conservação que fizeram a felicidade de crianças
Provisória, docente Graça Fernandes e do Presidente da pobres neste Natal [na foto].
Associação Nucle- Aproveitamos para divulgar o calendário das activida-
garve, Sr. Paulo des dos 2º e 3º Períodos:
Graças à colaboração de Almeida. - De Janeiro a Abril realizar-se-á o Banco Alimentar,
todos, a nossa escola angariou Os objectivos onde se procederá à recolha de alimentos de baixo cus-
267 brinquedos em bom nucleares desta to.
Agradecemos que tragam alimentos que não fiquem
estado de conservação, que actividade visam
a sensibilização rapidamente fora do prazo de validade, uma vez que
fizeram a felicidade de dos alunos e de estes serão armazenados na Escola até à sua entrega
crianças pobres. toda a comunida- em Abril.
de escolar para a Os alimentos podem ser entregues ao Director de Tur-
criação e desenvolvimento de valores éticos e cívicos na ma que os depositará num local próprio na Sala de Pro-
comunidade e mobilizar os alunos para saber dinamizar fessores da nossa escola.
actividades que promovam a interacção da comunidade - Durante o 3º Período, terá lugar a recolha de vestuá-
escolar com a local. rio para todas as idades, que posteriormente será entre-
Uma vez que a Aldeia da Solidariedade está ainda gue às famílias carenciadas de Albufeira.
em construção, os seus responsáveis encontram-se neste Agradecemos em nome de todos aqueles que recebem
momento a trabalhar em conjunto com a Instituição de a vossa ajuda todo o apoio e colaboração que têm
caridade São Vicente de Paulo, já existente há anos em demonstrado.
Albufeira. Assim, todos os donativos que estão a ser As professoras
pedidos nesta escola, são encaminhados através do Sr. Cândida Santos e Claudia Fernandes
ESCOLA VIVA PASSATEMPOS - 21

Entra na loucura do Sudoku, o jogo que está a conquistar o mundo!


O Sudoku é um jogo de lógica apaixonante para todos jovens em busca de desafios!
O objectivo do jogo é completar uma grelha com os números de 1 a 9. A grelha é com-
posta por 9 quadrados de 3 X 3 casas (chamados regiões). À partida, já se encontram
dispostos alguns números e o desafio consiste em preencher as casas em branco com um
número de forma a que cada número apareça uma única vez na mesma linha, coluna ou
região.

1- Muito fácil 2– Fácil

HALLOWEEN WORD SEARCH PUZZLE

Find these words. Look for- FRANKENSTEIN - GRAVEYARD -


ward, backward, up and HEADSTONE - SCARECROW -
SKELETON - WEREWOLF - PUMP-
KIN - HAUNTED - BANSHEE -
SPECTER - COSTUME - PHANTOM - VAMPIRE - MONSTER -
WRAITH - SPOOKY - COFFIN - GOBLIN - FIEND - GHOST -
CANDY - WITCH - PARTY - SKULL - TRICK - MUMMY -
DEVIL - TREAT - DEMON - CRYPT - OGRE - MOON - FANG -

Le 14 février, c’est la fête des amoureux: la Saint-


Valentin.C’est l’occasion de faire un cadeau à la per- SOLUÇÕES
sonne que l’on aime et de lui écrire des mots d’amour
et d’amitié. Saurais-tu découvrir les mots suivants dans SUDOKU
cette grille?
Muito fácil

Fácil
22- DESPORTO ESCOLA VIVA

DESPORTO NA ESCOLA

O corta-mato e os inter-turmas de
várias modalidades animaram o final
do 1º período

N o dia 17 de Dezembro realizou-se pela primeira


vez na nossa escola uma actividade desportiva, o
corta mato-escolar, que contou com a participa-
ção da maioria dos nossos alunos. Foi uma manhã muito Entrega de medalha a uma atleta
divertida e diferente.
E no dia 18 de Dezembro realizou-se um torneio inter-
turmas de Futebol Humano entre os alunos do 5.º ano e CLASSIFICAÇÕES
inter-turmas de Basquetebol entre os alunos do 6.º, 7.º 8.º
e 10.º anos. Infantis A Fem.: 1ª- Basília (5ªA) 2º- Rita Martins
Desde já o nosso muito obrigado a todos os alunos que (5ªA) 3º- Ana Fena (5B)
participaram nestas actividades, sãos os maiores.
O Grupo de Educação Física agradece a todos aqueles Infantis A Masc.: 1º - Ruben Gil (5ºA), 2º- Miguel
que colaboraram para a realização desta actividade, Rodrigues (5C), 3º-Fernando Martins (5C)
pois só assim foi possível o seu êxito. Infantis B Fem.: 1º- Ana Oliveira (6C) 2º- Darlene
Tavares (6C)3ºDara Tavares(6C)
Os professores de Educação Física
Infantis B Mas.: 1º-Yassir Hanifi (6B) 2º-Pedro
Ablum (6A) 3º-Tiago Gago (6A)
Iniciadas Fem.: 1º-Carla Cardoso (7A) 2º-Mirna
Duarte (7C) 3º- Ana Cristina Alves (6C)
Iniciados Mas.: 1º-Jorge Carvalho (8B) 2º-Rui Soa-
res (7B) 3º- Norberto Mendes (6B)
Juvenis Fem.: 1º-Joana Martins (10A) 2º- Catia
(10C) 3º-Ana (10B)
Juniores fem.: 1º-Mª Fátima (10C) 2º- Natália
(10B)
Juvenis Mas.:1º-Maurice (10B) 2º-Gabriel Sil-
va(7A) 3º- Fábio (10B )

Os seis primeiros Classificados em cada prova estão


apurados para, no próximo dia 27 de Fevereiro
(Sexta Feira), disputarem o Corta Mato Regional, na
pista das Açoteias.
As vencedoras da prova de juvenis

Os três primeiros, nos juvenis Muito público assistiu à cerimónia protocolar


ESCOLA VIVA DESPORTO - 23

RESULTADOS E
CLASSIFICAÇÕES
Futebol Humano Masculino Futebol Humano Feminino

5.º A - 5.º B ( 3 - 0)
5.º C - 5.º D ( 0 - 0 )
5.º C - 5.º D ( 5 - 4)
5.º B - 5.º D ( 0 - 3) 5.º A - 5.º B ( 6 - 2)
5.º A - 5.º C ( 6 - 7)
CLASSIFICAÇÃO: 1.º Lugar – 5.º C
CLASSIFICAÇÃO: 1.º Lugar – 5.º C
2.º Lugar – 5.º A 2.º Lugar – 5.º B
3.º Lugar – 5.º D Equipa do 5º A– 1º lugar no Futebol Humano
3.º Lugar – 5.º C e D
4.º Lugar – 5.º B
4.º Lugar Marcadores e Marcadoras dos Jogos

5.º C – Miguel: 5 golos 5.º D – Pedro Coelho: 2 golos


5.º A – José: 4 golos 5.º A – Bruno: 1 golo
5.º A – Beatriz: 3 golos 5.º A – Tiago Pinto: 1 golo
5.º A – Raquel: 3 golos 5.º C – Andreia: 1 golo
5.º C – Tiago M.: 2 golos 5.º C – Elisa: 1 golo
5.º C – Bruno: 2 golos 5.º D – Ângelo Veloso: 1 golo
5.º C – Fernando: 2 golos 5.º D – Marcos Estolano: 1 golo

Campeonato de basquetebol

Basquetebol Masculino– 2º Ciclo Basquetebol Masculino– 3º Ciclo

6.º A - 6.º D ( 12 - 0 ) 7.º A - 7.º B ( 6 - 0 )


6.º B - 6.º C ( 12 - 14 ) 7.º C - 7.º D ( FC - 3 )
6.º C - 6.º A ( 2 - 11 )
CLASSIFICAÇÃO: 1.º Lugar – 7.º A
CLASSIFICAÇÃO: 1.º Lugar – 6.º A 2.º Lugar – 7.º B e 7.º D
2.º Lugar – 6.º C 4.º Lugar – 7.º C
3.º Lugar – 6.º B
4.º Lugar – 6.º D
As meninas do 7º C
Basquetebol Feminino Basquetebol Masculino

8.º B - 6.º PIEF ( 8 - 0 )


7.º C - 7.º D ( 2 - 0 ) 8.º A - 8.º B ( 10 - 6 )
7.º A - 7.º B ( 4 - 6 ) 8.º A - 6.º PIEF ( 18 - 8 )
7.º A - 7.º D ( 2 - 0 )
7.º C - 7.º B (10 - 0 ) CLASSIFICAÇÃO: 1.º Lugar – 8.º A
2.º Lugar – 8.º B
CLASSIFICAÇÃO: 3.º Lugar – 6.º PIEF

1.º Lugar – 7.º C


Basquetebol Feminino
2.º Lugar – 7.º B
3.º Lugar – 7.º D
8.º A - 8.º B ( 3 - FC )
4.º Lugar – 7.º A
CLASSIFICAÇÃO: 1.º Lugar – 8.º A
2.º Lugar – 8.º B

A equipa do 10º B
Os testemunhos sobre a experiên- A escola tem muito boas condi-
ções.
cia de trabalhar e estudar na nos- Fiz muito amigos e os professores
sa escola continuam... são diferentes. Nesta escola
tenho tido melhores resultados
escolares, o que é bom…
Trabalhar aqui é uma sensa- Falta, talvez, mais actividades,
ção nova e um desafio. Filipa, 8º B com os alunos, nas férias e nas
A escola está a funcionar épocas festivas.
cada vez melhor, uma vez
que estamos todos a construí-
la todos os dias. Gosto muito de trabalhar nes-
É um privilégio fazer parte ta escola - os alunos são bons
desta equipa e dar o meu e o ambiente é muito bom.
melhor no ano inicial de uma Foi também agradável a sen-
escola nova. sação de vir estrear a escola.
Dora Sá, professora de Mas entristece-me saber que Mas o que me deixa mais
Matemática e Ciências estamos de passagem e que satisfeita é saber que toda a
deixamos o trabalho ainda gente me estima e que os alu-
Lurdes Fragoso, fun-
no início... nos gostam de mim, pois é com
cionária do bufete
eles que trabalho directamente.

Andar nesta escola tem muitas


vantagens: é nova, tem boas con-
dições e conhecemos muitas pes- Tem sido bom andar nesta esco-
soas novas. la. Os professores são simpáticos
Viemos todos de escolas diferen- e a escola é boa.
tes e isso deu-nos oportunidade Temos tudo para aprender e não
de conhecermos gente de diver- nos falta nada.
Djaló, 7º C sos sítios. Talvez seja necessário pôr alguns
É um espaço novo, que, infelizmente, não estamos a miúdos um pouco mais na
Gonçalo Costa, 5º D
aproveitar , pois há gente a riscar paredes e a respei- ordem.
tar pouco as boas condições da escola.

SER PROFESSOR NA ESCOLA BÁSICA E


ESCOLA VIVA SECUNDÁRIA DE ALBUFEIRA

JORNAL OFICIAL DA ESCOLA


BÁSICA E SECUNDÁRIA DE
ALBUFEIRA S er professor foi uma profissão por
mim livremente escolhida e na qual
penso investir durante todo o
período activo da minha vida. Luís Jorge, professor de E.V.T.

Vale Pedras Nesta medida, este ano de trabalho


8200 – 047 Albufeira reveste-se de uma grande importância. Sinto que irá ficar como um marco a
nortear todos os outros que se seguirão; como uma referência da qual tirarei
Tel. - 289590130 muitos ensinamentos futuros... Nem tudo é fácil... Reconheço que as dificuldades,
Fax. -289590139 os obstáculos, as decisões mais delicadas, as atitudes menos pacíficas,
constituem, no seu todo, uma válida aprendizagem.
email: ebsalbufeira@gmail.com Cresce-se na dificuldade, sem dúvida!
Trata-se de uma profissão muito enriquecedora e nobre, é extremamente
exigente, reclamando a cada momento um grande potencial de energia, de
motivação, de disponibilidade.
Os alunos de hoje necessitam de uma enorme compreensão e de todo o apoio,
EQUIPA EDITORIAL principalmente aqueles que são difíceis e que são o grande obstáculo a um
Todos os alunos, professores e trabalho escolar calmo e rentável.
elementos da comunidade edu- Por tudo isto, este ano é um teste ao meu próprio interesse pela profissão.
cativa da Escola Básica e Consciencializou-me de que tenho muito para aprender e a aperfeiçoar,
Secundária de Albufeira também reconheci, modestamente que a vontade e a determinação não me
faltam…
Sinto-me, pois, absolutamente receptivo a todos os problemas que se me
COORDENAÇÃO colocarem na profissão, de forma a solucioná-los, uma vez que tenho a
Professor Paulo Redondo esperança de vir ser muito feliz e de me realizar nesta profissão.
Professor Luís Jorge