You are on page 1of 15

CONTABILIDADE

Teoria Personalista: Contas dos Agentes Correspondentes: Direitos + Obrigações Contas dos Agentes Consignatários: Bens Contas dos Proprietários: PL + Receitas + Despesas Teoria Patrimonialista: Contas Patrimoniais: Bens + Direitos + Obrigações + PL Contas de Resultado: Receitas + Despesas Teoria Materialista: Contas Integrais: Bens + Direitos + Obrigações Contas Diferenciais: PL + Receitas + Despesas Fatos Permutativos: São aqueles que não provocam alteração no PL. Fatos Modificativos Diminutivos: São aqueles que diminuem o valor do PL. Fatos Modificativos Aumentativos: São aqueles que aumentam o valor do PL. Fatos Mistos (ou Compostos) Diminutivos: São aqueles que são ao mesmo tempo permutativos e modificativos diminutivos. Fatos Mistos (ou Composto) Aumentativos: São aqueles que são ao mesmo tempo permutativos e modificativos diminutivos. Depreciação: Taxa de Depreciação Bem Veículo Máquinas e Equipamentos Imóvel Métodos de Depreciação - Método das Cotas Constantes ou Linear: 1 Forma: Aplicando-se uma taxa constante Depreciação Anual = Valor Contábil x Taxa 2 Forma: Dividido pelo Tempo de Vida Útil Depreciação Anual = Valor Contábil / Vida Útil Depreciação de Bens Usados: Neste caso, o prazo será considerado o maior dentre os seguintes: - Metade do prazo de vida útil do bem quando adquirido novo; - Restante do prazo de vida útil do bem, este em relação à primeira instalação. - Método da Soma dos Dígitos ou Método de Cole Soma dos Dígitos = (Vida Útil)!
a a

Vida Útil 5 anos 10 anos 25 anos

Taxa Anual 20% 10% 4%

-

Depreciação =

(Vida Útil - Ano de Depreciação) × Valor Contábil Soma dos Dígitos

Receitas Financeiras + Outras Receitas Operacionais . logo o ICMS e o IPI incidirão sobre o valor do mesmo. IE.Deduções (devoluções vendas.0 3. descontos incondic.0 Coeficiente Fiscal 1. abatimentos e descontos incondicionais) Mercadorias Disponíveis para a Venda (MDV) MDV = EI + CL Custo Mercadoria Vendida (CMV) CMV = EI + CL .- Depreciação Acelerada Coeficiente Contábil 1.Método em Função da Relação entre a Produção do Período e a Possança da Mina Taxa de Exaustão do Ano = Produção do Ano ÷ Possança Conhecida Despesa de Exaustão do Ano = Taxa de Exaustão do Ano × Custo da Concessão Cálculo de Exaustão de Recursos Florestais Taxa de Exaustão do Ano = Exautão do Ano ÷ Quantidade Total Despesa de Exaustão do Ano = Taxa de Exaustão do Ano × Valor da Aquisição Operações com Mercadorias: Compras Brutas (CB) CB = Valor das Compras + II + IPI − ICMS Obs: Caso o fornecedor esteja transportando a mercadoria.0 1. abatimentos. o frete e o seguro deverão fazer parte da nota fiscal.0 Número de Turnos de 8h 1 2 3 Amortização: Taxa Anual de Amortização = 100% ÷ Duração do Bem (anos) Quota = Taxa Anual de Amortização × Valor de Aquisição do Bem Exaustão: Cálculo de Exaustão de Recursos Minerais .. isto é.CMV Lucro / Prejuízo Operacional (LOP/POP) ROP: Receitas Operacionais. COFINS) Resultado com Mercadoria (RCM) RCM = VL .Método de Exaustão de Recursos Minerais Taxa de Exaustão Anual = 100% ÷ Prazo de concessão Despesa de Exaustão Anual = Taxa de Exaustão Anual × Custo da Concessão . PIS. ICMS.5 2. ISS.0 2. Compras Líquidas (CL) CL = CB + Frete + Seguros .EF Vendas Líquidas (VL) VL = VB .Deduções (devoluções de compras.

Total = Rec. Total = Orig. de Capital + 5%LL ≤ 30% CS realizado A CIA deverá destinar 5% LL para a RL. isto é. Giro Próprio = AC . 2 Possibilidade: Saldo Inicial da RL + Saldo das Res. Patrimônio: Passivo Total = Cap.DNOP . Circ. de Giro Líq. = Cap. Próprio = Cap.IR/CSLL . de Capital ≤ 30% CS realizado 1 Possibilidade: Saldo Inicial da RL + Saldo das Res.PARTIC. de Capital + 5%LL > 30% CS realizado a a a o . de Recursos = Capital Total à Disposição = PE + PL Capital Próprio = Situação Líquida = Recursos Próprios = Passivo Não Exigível = PL Capital Alheio (Terceiros) = Recursos de Terceiros = Passivo Exigível Capital Aplicado = Capital Investido = Aplicações de Recursos = Patrimônio Bruto = A Capital Nominal = Capital Social = Capital na Constituição da Empresa Capital Fixo são bens de uso que a empresa não pretende vender = AP (ANC – ARLP) Capital Circulante Líquido = Cap.DOP: Despesas Operacionais.PC Capital Circulante = Capital de Giro = AC Recursos Correntes = PC Recursos Não-Correntes = PE + PL .DOP Lucro Líquido (LL) LL = LOP + RNOP .PC Reservas: Reservas de Capital: o o o o o o o o Alienação das Partes Beneficiárias Alienação de Bônus de Subscrição Ágio na Emissão de Ações Correção Monetária do Capital Realizado Lucro na Venda de Ações em Tesouraria Reserva de Incentivo Fiscal Prêmio Recebido na Emissão de Debêntures Doações e Subvenções para Investimento Reservas de Reavaliação Ajustes de Avaliação Patrimonial Reservas de Lucro: o o o o o o Reserva Legal Reserva Estatutária Reserva para Contingência Reserva de Retenção de Lucros Reservas de Lucros a Realizar (para Expansão) Doações e Subvenções para Investimento (Incentivos Fiscais) Debêntures Receita Diferida OBS: Prêmio na Emissão de Limites da Constituição da Reserva Legal: 1 Caso: Saldo Inicial da RL + 5% LL ≤ 20% CS realizado (p/ ESAF subscrito) 1 Hipótese: Saldo Inicial da RL + Saldo das Res. Despesas Comerciais + Despesas Financeiras + Despesas Administrativas + Outras Despesas Operacionais LOP(POP) = LB + ROP .

Res. de Capital > 30% CS realizado 2 Caso: Saldo Inicial da RL + 5% LL > 20% CS realizado o Segue o mesmo procedimento do 1 caso. Preço por Ação Dividendo por Ação Cálculo do IR com base no Lucro Real Lucro antes IR = (Rec. Capital Opcional Prazo de Retorno Econômico do Capital Investido Indica o número de exercícios em que se estima o retorno do capital investido na aquisição de determinada ação (considera apenas o lucro). 5% do LL.caso haja prejuízo período anterior) IR = Alíquota x Lucro Real . Não Tributável – Rec. a diferença entre 30% do CS realizado e SI da RL + Saldo da RC e no máximo. com a substituição dos 5%LL pela diferença entre o limite obrigatório e o saldo anterior da RL. Tributável + Rec. Não Tributável Lucro Real = Lucro Ajustado – 30% x Lucro Ajustado (compensação . Lucro .Res. porém considera apenas os dividendos.A CIA poderá destinar qualquer valor entre: no mínimo. Não Tributável) Lucro Ajustado = Lucro antes IR + Desp.Res. devendo destinar obrigatoriamente algum valor. Não Tributável) – (Desp. 2 Hipótese: Saldo Inicial da RL + Saldo das Res. Preço por Ação Dividendo por Ação Prazo de Retorno Financeiro do Capital Investido Igual ao anterior. Participação do Capital Próprio na Composição das Fontes: o a PCP = PL A Base de Cálculo das Participações (DEAP): BC = REXAIR − IR / CSLL − Prejuízo Acumulado Lucro Líquido Ajustado para Distribuição dos Dividendos: Lucro Líquido do Exercício (-) Prejuízo Acumulado (-) Reserva Legal (-) Reserva de Contingência (+) Reversão Reserva de Contingência (-) Reserva de Incentivos Fiscais (facultativo) (-) Reserva de Prêmio na Emissão de Debentures (facultativo) = Lucro Líquido Ajustado Alíquota → 25% alíquota mínima para estatutos que eram omissos 50% alíquota para estatutos que continuam omissos Sequência de Absorção para Prejuízo Acumulado: Lucro Acumulado . Legal . Tributável + Desp.

Desp.) extraídas das demonstrações contábeis com totais referentes às mesmas. os quais são obtidos pela comparação entre itens homogêneos (ativo com ativo. sendo este obtido de um exercício social tomado com base.) LS: Avalia a capacidade de pagamento das obrigações à curto prazo sem considerar os estoques. receita com receita e etc. LI: Avalia o nível de recursos mantidos para cumprimento das obrigações imediatas e eventuais. Análise por Quocientes: Quociente de Liquidez Liquidez Corrente = AC PC Onde: LC: Avalia a capacidade de pagamento à curto prazo (Se “<1” dificuldade de pagto. de Terceiros) Endividamento Total = PE A PC PC + PNC ET: Parcela do ativo financiado c/ recursos de terceiros CE: Participação das dividas de curto prazo sobre o endividamento total Composição de Endividamento = ICP: Parcela do ativo permanente financiada pelo PL IRNC: Percentual de recursos não correntes no AP Imobilização(Capital Próprio) = Imobilizado + Intangível + Investimento PL AP PNC + PL PC PT PT . passivo com passivo. Liquidez Seca = (Teste Ácido) AC . Análise Horizontal: Visa o estudo da evolução dos elementos componentes das demonstrações contábeis ao longo dos exercícios sociais.Diferida PC + PNC Caixa + BCM PC Liquidez Imediata = - Quociente de Endividamento (ou Participação no Cap.ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Análise Vertical: Visa o estudo da estrutura das demonstrações contábeis. S: Avalia a capacidade de pagamento de todas as obrigações (Se “<1” Passivo a descoberto). através do cálculo de coeficientes de participações.Estoques PC AC + ARLP PC + PNC Liquidez Geral = Solvência = A . através do cálculo de números índices.PC PT Imobilização(Recursos Não Correntes) = Coeficiente dos Recursos Correntes = Coeficiente dos Recursos Não-Correntes = Participação no Capital de Terceiros = PL PC + PNC Garantia de Capital de Terceiros = Exigível Total/PL ou PL/ET . LG: Avalia a capacidade de pagamento de todas as obrigações mediante uso dos recursos não permanentes (Se <1 financiamento de parte do AP com CT).

EFPE PMRPE = Rotação de Prod Prontos = CPV = EIPP + CPA . . >> PROD. Acabada Estoque Médio Prod em Elab. PRONTO >> CLIENTES OBS: CF positivo significa que o prazo de pagamento de fornecedores é maior que o prazo de recebimento dos clientes. Custo Prod Vendido Estoque Médio Prod Prontos CPA = EIPE + MPA .Empresa Comercial) Rotação de Fornecedores = Compras a Prazo Média dos Fornecedores MF = Fornecedores(Balanço Anterior +Atual) 2 Prazo Médio de Rotação de Fornecedores = (PMRF) 360 Rotação de Fornecedores 360 RMP 360 RPE Rotação de Matéria .Empresa Industrial Ciclo Financeiro = PMRF − Ciclo Operacinal Ciclo de Caixa Giro de Caixa = 360 ÷ Ciclo Financeiro Ciclo Operacional (Comercial) = COMPRA >> VENDE >> RECEBE Ciclo Operacional (Industrial) = MATERIA-PRIMA >> PROD.Prima = Matéria .- Quociente de Rotatividade Rotação de Estoque = CMV EM EM = EI +EF 2 Prazo Médio de Rotação de Estoque = (PMRE) 360 Rotação de Estoque Clientes(Balanço Anterior + Atual) 2 Rotação de Clientes = Vendas a Prazo Média dos Clientes MC = Prazo Médio de Rotação de Clientes = (PMRC) 360 Rotação de Clientes Ciclo Operacional = PMRE + PMRC (compra ⎯ vende ⎯ recebe) ⎯→ ⎯→ (COP .Prima Aplicada Estoque Médio de MP MPA = EIMP + CMP . EM ELAB.EFPP PMRPP = 360 RPP Ciclo Operacional = PMRMP + PMRPE + PMRPP + PMRC COP .EFMP PMRMP = Rotação de Prod em Elab = Custo da Prod.

Back = Ativo 1 ou Lucro Líquido RA Retorno ou Rentabilidade Operacional doAtivo = Margem Operacional × Giro do Ativo Retorno ou Rentabilidade do Ativo Operacional = Margem Operacional × Giro do Ativo Operacional Retorno ou Rentabilidade do Capital Prórprio = Lucro Líquido Patrimônio Líquido - Outros Quocientes Capital Circulante Líquido ou Capital de Giro Próprio = AC .ANC PNC = PELP +PL e ANC = ARLP + AP Patrimônio Líquido Total de Ações do CS Valor de Mercado da Ação Lucro Líquido por Ação Valor Patrimonia l da Ação = Prazo de Retorno Econômico da Ação = Prazo de Retorno Financeiro da Ação = Valor de Mercado da Ação Dividendo por Ação . despesas e tributos Giro do Ativo Operacional = Receita Líquida Ativo Operacional Lucro Bruto Margem Bruta = Receita Líquida Margem Operacional = Lucro Operacional Receita Líquida Margem Líquida = Lucro Líquido Receita Líquida Retorno ou Rentabilidade do Ativo = Margem Líquida × Giro do Ativo (Rentabilidade sobre o Investimento Total) Pay .- Quociente de Rentabilidade ou Lucratividade Giro do Ativo = Receita Líquida Ativo ou Ativo Médio AM = Ativo(Anterior +Atual) 2 AO = AC + AP + AD GA: Mede a velocidade com o que a receita de vendas devolveu à empresa o valor investido no ativo GAOp: Mede o número de vezes que a receita líquida deu de retorno sobre o investimento em ativos essenciais para a manutenção da empresa MB: Percentual que corresponde o lucro relacionado às vendas MOp: Percentual das receitas líquidas que foram consumidos por custos e despesas operacionais ML: Percentual da receita líquida que foram consumidos por custos.PC = PNC .

- Grau de Alavancagem Financeira Mede a eficiência na aplicação dos recursos de terceiros para alavancar a rentabilidade do capital próprio. Variação % no LOL Variação % nas Vendas . Onde: LLE – Lucro Líquido do Exercício PL – Patrimônio Líquido DF – Despesa Financeira PE – Passivo Exigível LLE PL LLE + DF PE + PL Alavancagem Operacional Mede a eficiência alcançada na gestão de custos e despesas fixas p/ aumentar a rentabilidade.

- . Custo dos Produtos Vendidos < Custo dos Produtos Acabados < Custo dos Produtos do Período. Retirada de Sociedade – a parte que cabe a cada sócio deve ser proporcional ao produto de sua participação pelo tempo de sua permanência. Custo de Produção Acabada no Período – é o total de custos acumulados na produção acabada no período. Custo de Transformação ou Conversão – É a soma dos materiais diretos consumidos com a mãode-obra direta aplicada. os estoques serão avaliados da seguinte forma: Estoques de Produtos Acabados: = 70% do maior preço de venda (ICMS embutido) Estoques de Produtos em Elaboração = 1. a indústria apura resultado zero (não há lucro ou prejuízo).CONTABILIDADE DE CUSTOS Margem de Contribuição Unitária MCU = VU − (CVU + DVU ) Onde: MCU – Margem de Contribuição Unitária VU – Valor das Vendas Unitárias CVU – Custo Variável Unitário DVU – Despesa Variável Unitário Ponto de Equilíbrio É aquela em que produzida e vendida uma determinada quantidade de unidades. Custo Primário – É a soma dos materiais diretos consumidos com a mão-de-obra direta aplicada. independentemente do que foi acabada.5 do maior custo das matérias-primas (excluído os impostos) ou = 80% x 70% do maior preço de venda (ICMS embutido) Definições Custo de Produção do Período – é o total de custos incorridos com a produção do período. mesmo que tenha sido iniciada em período anterior. Onde: PE – Ponto de Equilíbrio MCU – Margem de Contribuição Unitária CFT – Custo Fixo Total DFT – Despesa Fixa Total PE = CFT + DFT MCU Custo do Produto Vendido Custo de Transformação CPV = EIPP + EIPE + MP + MO + CIF − EFPE − EFPP Custo dos Produtos Fabricados Margem de Segurança MS = PE Quantidade Vendida Avaliação dos Estoques Se o sistema de contabilidade de custos não for coordenado e integrado com o restante da escrituração.

Gastos Pré-Operacionais (+/-) Outras Despesas e Receitas que não afetam o CCL (+/-) Variações nos resultados de exercícios futuros (+/-) Ajustes de Exercícios Anteriores que afetam o CCL = Total das origens geradas pelas operações da companhia (+) (+) Realização do Capital Social Recursos de Terceiros (Aumento do PELP. Exaustão.PCf ΔCCL = CCLf – CCLi = OR – AR AC – PC = PNC + PL – ANC ORIGENS DE RECURSOS: ↓ ANC ↑ PNC Lucro Líquido do Exercício (+) Despesas com Depreciação. e aplicações as que reduzem o CCL. Tem como origens todas as origens e aplicações que aumentem o CCL.PCi CCLf = ACf . Redução do ARLP.Demonstrações das Origens e Aplicações de Recursos (DOAR) Evidencia as variações ocorridas no capital circulante líquido durante o exercício. Alienação de Permanentes e de Imobilizados) = Total das Origens de Recursos APLICAÇOES DE RECURSOS: ↑ ANC ↓ PNC Dividendos Distribuídos (+) Aquisição de Ativo Imobilizado (+) Aumento do Ativo Realizável à Longo Prazo (+) Aumento do Ativo Permanente (+) Aumento do Ativo Intangível (+) Redução do Passivo Realizável à Longo Prazo = Total das Aplicações de Recursos VARIAÇÃO DO CCL = Total de Origens – Total de Aplicações . Amortização. CCLi = ACi .

que foi transferida totalmente para o resultado.Demonstração do Resultado do Exercício – DRE: FATURAMENTO BRUTO (-) IPI sobre o Faturamento Bruto ( ou IPI Faturado )  não precisa aparecer na DRE = RECEITA BRUTA DE VENDAS = RECEITA OPERACIONAL BRUTA (-) Deduções: devoluções e cancelamentos de vendas descontos e abatimentos INCONDICIONAIS concedidos (são os que aparecem na NF) impostos e contribuições incidentes sobre vendas e serviços (ICMS.R. PIS. IE. se foram deduzidos para o cálculo do DEAPP) Resultado por Ação ou Quota do Capital Social  Resultado Líquido . p/ perdas prováveis na alienação de investimentos . reparos ou substituição de peças / despesas com seguros honorários / contribuições e doações (-) Despesas Financeiras Líquidas (Despesas Financeiras . o (Lucro Líquido por Ação) N de Ações (ou Quotas) do Capital Social Integralizado (*) os prejuízos acumulados não aparecem na DRE. luz. COFINS. telefone despesas de depreciação e amortização despesas com impostos e taxas despesas com manutenção. FINSOCIAL) = RECEITA LÍQUIDA DE VENDAS = RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA = VENDAS LÍQUIDAS (-) CMV e/ou CSP = RESULTADO OPERACIONAL BRUTO = LUCRO BRUTO = RESULTADO COM MERCADORIAS (-) Despesas Operacionais: (-) Despesas de Vendas: despesas com salários e encargos sociais do pessoal de vendas despesas com propaganda comissões sobre vendas / fretes sobre mercadorias vendidas provisão para devedores duvidosos vendas canceladas de períodos anteriores (-) Despesas Gerais e Administrativas: salários e encargos sociais do pessoal administrativo / despesas com aluguel do escritório. é só para efeito de cálculo do DEAPP. se houver) (*) Debenturistas D Empregados E Administradores A Partes beneficiárias P contribuições para fundos de Previdência e entidades de assistência social dos empregados P = RESULTADO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO (soma os prejuízos acumulados de volta. taxas diversas / PIS e COFINS que incidiram sem ser pela receita bruta + Outras Receitas Operacionais: receitas de dividendos (dividendos recebidos) receitas de aluguéis reversão de provisões (exceto: prov. ANTES do I. ANTES do I. ISS.R.Receitas Financeiras): despesas de juros (juros passivos) / despesas bancárias descontos condicionais concedidos deságio na colocação de debêntures correção monetária pré-fixada passiva / despesas com variações cambiais (-) receitas de juros (juros ativos) (-) descontos condicionais obtidos (-) receitas de aplicações financeiras (-) receitas com variações cambiais (-) prêmio de resgate de debêntures (-) correção monetária pré-fixada (parcela que exceder a CM do valor contratado) (-) Outras Despesas Operacionais: manutenção de imóveis alugados perdas com participações societárias / perdas em investimentos avaliados pela equivalência patrimonial provisão para ajuste de estoque ao valor de mercado variações monetárias passivas / amortização de ágio de investimentos IPTU. sem se relacionar com receita do período despesa com pesquisa de novos produtos. (LAIR) (-) Provisão para I. pq não é dedutível do IR = RESULTADO DO EXERCÍCIO APÓS O I.R. e da CSLL (-) Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) OBS. (-) Participações nos Lucros (participações societárias): (a sua base de cálculo é deduzida dos prejuízos acumulados. pq são dedutíveis deles .despesa não-operacional) ganhos com participações societárias / ganhos em investimentos avaliados pela equivalência patrimonial variações monetárias ativas / amortização de deságio de investimentos = RESULTADO (LUCRO) OPERACIONAL (LÍQUIDO) (-) Despesas Não-Operacionais: prejuízos nas vendas do ativo permanente despesas com a provisão para perdas prováveis com alienação de investimentos doações diversas / multas diversas / despesas médicas eventuais despesa diferida apropriada ao resultado. por abandono do projeto + Receitas Não-Operacionais: lucros nas vendas do ativo permanente receita obtida na venda de ações / participações societárias de coligada ou controlada lucro na venda de ações em tesouraria ou quotas liberadas reversão/realização da reserva de reavaliação / doações recebidas de pessoas jurídicas de direito privado reversão da provisão para perdas prováveis com alienação de investimentos doações recebidas de pessoas jurídicas de direito privado = RESULTADO do EXER. (+) CSLL antes. água.R.: Retiramos as DE das DEAPP antes dos seus cálculos = LUCRO DO EXERC.

normalmente. + Taxas + Contribuições + INSS + SESC + SESI + ..IPI + Desp.PDD (-) Insumos Adquiridos de 3 = CMV + CSV + ICMS a Recuperar. de Vendas . de Vendas . 3 (Desp. Incondicionais +/.Demonstração do Lucro ou Prejuízo Acumulado – DLPA: Saldo no inicio do período (+/-) Ajustes de Exercício Anteriores (+) Reversões de Reservas de Lucros (+) Realização de Reservas de Reavaliação (+) Lucro Líquido / (-) Prejuízo Acumulado (-) Transferência para Reservas de Lucros (-) Dividendos (indicando também dividendo por ação) (-) Parcela de Lucros incorporada ao Capital (-) Dividendos Antecipados (ou intermediários) (=) Saldo do Fim do Período Demonstração do Valor Agregado – DVA: (+) Receita Bruta = Receita de Vendas . às atividades principais da entidade. de Vendas + Serv.Canc.. (+) Recebimento de Clientes (+) Recebimento de Dividendos (+) Recebimento de Juros de Empréstimos Concedidos (+) Recebimento de Aluguéis (-) Pagamento à Fornecedores (-) Pagamento de Salários (-) Pagamento à Tributos / Multa (-) Pagamento de Juros de Empréstimos Obtidos FLUXO DE ATIVIDADE INVESTIMENTO (FAI): Relacionados aos aumentos/reduções dos ativos de lenta realização. (+) Recebimento de Vendas do Imobilizado (+) Recebimento de Vendas de Participações Societárias (+) Recebimento de Principal de Empréstimos Concedidos (-) Pagamento de Compras do Permanente (-) Pagamento de Compras de Participações Societárias (-) Pagamento de Compras de Valores Mobiliários (-) Desembolso de Empréstimos Concedidos FLUXO DE ATIVIDADE FINANCIAMENTO (FAF): Relacionados à captação de recursos junto a sócios e investidores.. Seguros) . .Desc..Perda Recuperabilidade de Ativos + Luz + Água.Dev. Financiadores = Despesas Financeiras + Aluguéis Passivos Sócios = Dividendos + Juros sobre o Capital Investido Lucros Retidos = Reservas + Parcelas do LL sem destinação Demonstração do Fluxo de Caixa – DFC: FLUXO DE ATIVIDADE OPERACIONAL (FAO): Relacionados. (-) Valores Retidos pela Empresa = Depreciação + Exaustão + Amortização (+) Valor Adicionado Recebido em Transferência = Resultado de MEP + Aluguéis Ativos + Juros Ativos (=) Total do Valor Adicionado Líquido a Distribuir Empregados = Salários + Comissões + Gratificações + Férias + 13 Salário + SAT + Transporte + Alimentação + Participação + FGTS Governo = Impostos Líq. .Resultado Não-Operacional + Reversão de PDD . (+) Recebimento de Empréstimos Obtidos (+) Recebimento de Acionistas por Vendas de Ações ou Integralização do Capital22 (+) Recebimento por Emissão de Debêntures (+) Recebimento referente à Subvenção para Investimento (-) Pagamento de Participações de Investidores sobre o Lucro (-) Pagamento de Dividendos (-) Pagamento de Resgate ou Reembolso de Ações (-) Pagamento de Principais referentes à financiamento para aquisição a prazo de bens do permanente os os Valor Adicionado produzido pela entidade.

Reversões e Transferências de Reservas e Lucros .Resultados Líquidos do Período .. Se valor contábil > valor recuperável: constituir provisão no valor da diferença entre eles.Saldo Final do Período TESTE DE RECUPERABILIDADE (Impairment Test) Roteiro: 1) Teste: Calcular o valor recuperável (escolher o maior dos dois): a. Valor de venda (mercado) – Despesas com vendas b.     .Aumentos de Capital.  a  definição  dada  pelo  item  é  de   ativo.. Passivo  circulante:     O  passivo  deve  ser  classificado  como  circulante  quando  satisfizer  qualquer  dos  seguintes  critérios:   (a)  espera-­‐se  que  seja  liquidado  durante  o  ciclo  operacional  normal  da  entidade.: Duplicatas não são consideradas equivalente caixa.: Método Indireto – Variações positivas do Ativo Circulante Operacional devem ser subtraídas do LL e as negativas somadas. discriminando sua natureza .  ou   (d)   a   entidade   não   tem   direito   incondicional   de   diferir   a   liquidação   do   passivo   durante   pelo   menos   doze   meses  após  a  data  do  balanço.Compensação de Prejuízos .Lucros Distribuídos .  Ou  seja.   cuja   liquidação   se   espera  que  resulte  em  saída  de  recursos  capazes  de  gerar  benefícios  econômicos.Ajustes de Exercícios Anteriores .   derivada   de   eventos   já   ocorridos. Demonstração das Mutações do PL – DMPL . Passivo  contingente  é:   (a)  uma  obrigação  possível  que  resulta  de  eventos  passados  e  cuja  existência  será  confirmada  apenas   pela   ocorrência   ou   não   de   um   ou   mais   eventos   futuros   incertos   não   totalmente   sob   controle   da   entidade.OBS. Variações positivas do Passivo Circulante Operacional devem ser somadas ao LL e as negativas subtraídas. 3) Se valor contábil < valor recuperável: não se faz nada (passou no teste).   Definições: Ativo  é  um  recurso  controlado  pela  entidade  como  resultado  de  eventos  passados  e  do  qual  se  espera   que  resultem  futuros  benefícios  econômicos  para  a  entidade.     (b)  está  mantido  essencialmente  para  a  finalidade  de  ser  negociado.   mas   que   não   é   reconhecida   porque:   (i)   não   é   provável   que   uma   saída   de   recursos   que   incorporam   benefícios   econômicos   seja   exigida   para   liquidar  a  obrigação. 2) Comparar o maior com o valor contábil.Saldo do Início do Período . OBS.     Passivo   é   uma   obrigação   presente   da   entidade.Redução de Capital .  ou  (ii)  o  valor  da  obrigação  não  pode  ser  mensurado  com  suficiente  confiabilidade. Valor de uso do bem (Valor presente líquido nos fluxos de caixa até 5 anos).     (c)  deve  ser  liquidado  no  período  de  até  doze  meses  após  a  data  do  balanço.     Provisão  para  Perdas:   Provável  =  A  perda  é  praticamente  certa  (provisiona)   Possível  =  Existe  a  possibilidade  (nota  explicativa)   Remota  =  Não  faz  nada.  ou   (b)   uma   obrigação   presente   que   resulta   de   eventos   passados.Destinação do LL .

e Atas das Reuniões da Diretoria. A complementação da provisão é feita em débito da respectiva despesa. Transferência das Partes Beneficiárias Nominativas. Adiantamentos e Vendas a Coligadas. 11) Em questões de constituição de PDD. b. Terrenos. Presença de Acionistas. Registros de Ações Nominativas. c. Atas das Assembleias Gerais. Acionistas e Participantes do Lucro. 14) Superveniências e Insubsistências Insubsistência do Ativo = Redução do Ativo = Insubsistência Passiva = Despesa Insubsistência do Passivo = Redução do Passivo = Insubsistência Ativa = Receita Superveniência do Ativo = Aumento do Ativo = Superveniência Ativa = Receita .     Reconhecimento   de   Passivos:   Um   passivo   é   reconhecido   no   balanço   patrimonial   quando   for   provável   que   uma   saída   de   recursos   envolvendo   benefícios   econômicos   seja   exigida   em   liquidação   de   uma   obrigação   presente   e   o   valor   pelo   qual   essa   liquidação   se   dará   possa   ser   determinado   em   bases   confiáveis. Atas e Parecer do Conselho Fiscal. e.     Reconhecimento   de   Receitas:   A   receita   é   reconhecida   na   demonstração   do   resultado   quando   resulta   em  um  aumento. g. 2) A PDD deve ser utilizada para baixa de duplicatas incobráveis. 8) CUIDADO: As vezes a ESAF chama LL de LAIR. Incentivos Fiscais e Lucros a Realizar. Atas das Reuniões do Conselho de Administração.     Reconhecimento   de   Ativos:   Um   ativo   é   reconhecido   no   balanço   patrimonial   quando   for   provável   que   benefícios   econômicos   futuros   dele   provenientes   fluirão   para   a   entidade   e   seu   custo   ou   valor   puder   ser   determinado  em  bases  confiáveis. c.   OBSERVAÇÕES IMPORTANTES 1) Não abater a PDD do cálculo do LL (DRE). f. 7) Livros obrigatórios para as SAs (art. d. Bens que aumentam de valor com o tempo. 4) Não é admitida a depreciação relativa a: a. Prédios não utilizados ou destinados à revenda. Registros das Partes Beneficiárias Nominativas.Patrimônio   Líquido   é   o   valor   residual   dos   ativos   da   entidade   depois   de   deduzidos   todos   os   seus   passivos.   que   possa   ser   determinado   em   bases   confiáveis. se houver. a ESAF geralmente pede que constitua a provisão pela diferença do saldo restante (Método da Complementação). apenas quando for Despesa com PDD. se esta provisão for insuficiente ou inexistente a baixa será computada na conta Despesas com Títulos Incobráveis. 9) A diferença entre as contas Receita de Equivalência Patrimonial e Despesa c/ Amortização de Ágio é o saldo da conta Lucros ou Prejuízos de Participação em Outras Sociedades. Transferência de Ações Nominativas. 12) Os seguintes direitos são classificados no ARLP independentemente do prazo quando não constituam negócios usuais da empresa: Empréstimos.     Reconhecimento   de   Despesas:   As   despesas   são   reconhecidas   na   demonstração   do   resultado   quando   surge   um   decréscimo.  que  possa  ser  determinado  em  bases  confiáveis. Controladas. 5) Quando os bens não são destinados à comercialização ou industrialização o ICMS incide também sobre o IPI. 6) O gasto com a instalação de equipamento deve ser incluído ao custo de aquisição. 100 L6404/76): a. h. reduzindo o resultado. b. 3) A COFINS não incide sobre receitas de venda para o exterior.  nos  benefícios  econômicos  futuros   provenientes  do  aumento  de  um  ativo  ou  da  diminuição  de  um  passivo.   nos   futuros   benefícios   econômicos  provenientes  da  diminuição  de  um  ativo  ou  do  aumento  de  um  passivo. o 13) As únicas Provisões que são dedutíveis do IR/CSLL são: Férias e 13 Salário. 10) Reservas que não obedecem à limites: Reserva de Contingência. Diretores.

0. PIS não-cumulativo . 22) Encargos Financeiros a Transcorrer: é conta redutora do passivo. Bens móveis e imóveis que não estejam relacionadas com a produção ou comercialização de bens e serviços. Então: P x Q = DT + CT. aí se tem a caracterização não do ativo imobilizado. Bens para os quais sejam registradas amortizações e exaustões. e não um acessório a outros ativos geradores desses benefícios. 2172 alíq.00% São para empresas que recolhem o IRPJ/CSLL pelo regime de lucro presumido. que. 24) Ativo Não Circulante mantido para Venda e Operação Descontinuada: os ativos não circulantes mantidos para venda devem ser mensurados pelo menor valor entre o valor contábil e o valor justo menos as despesas de vendas. tem um fluxo de caixa especifico e independente. regra estabelecida pela receita federal. porém o STF não tem autorizado esse crédito (entendimento ESAF). . ao contrário do ativo alugado classificado no imobilizado. por parte da empresa. b. ou b. ele é o ativo principal gerador de benefícios econômicos. caso contrário a conta será registrada no Passivo. 20) Ponto de Equilíbrio Econômico: Corresponde à quantidade que iguala a receita total com a soma dos custos e despesas acrescidos de uma remuneração sobre o capital investido pela empresa.cód. Obs. Venda no curso originário do negócio. utilizando as mesmas alíquotas. Terrenos. no qual o imóvel é um investimento em si mesmo. as empresas devem priorizar a produção dos produtos sujeitos a fatores limitativos em ordem decrescente da razão da margem de contribuição unitária pelo fator limitativo. normalmente. Por exemplo. As compras de mercadorias podem ser abatidas. mas sim da propriedade para investimento. conf. Os resultados das operações descontinuadas devem ser apresentadas separadamente na DRE. A propriedade para investimento. este será contabilizado no PL. 7.cód 8109 alíq. os encargos de depreciação são excluídos do cálculo do ponto de equilíbrio financeiro. em que este é o objetivo final. 16) PIS e Cofins (Cumulatividade x Não-cumulatividade): PIS cumulativo . 5856 alíq. Não devem ser depreciados ou amortizados. 19) Ponto de Equilíbrio Contábil: Corresponde à quantidade que equilibra a receita total com a soma dos custos e despesas relativos aos produtos vendidos.: Se houver investimento para obter renda por meio de aluguel. d. 23) Propriedade para Investimentos: é a propriedade (terreno ou edifícios – ou parte de edifícios – ou ambos) mantida pelo dono ou pelo arrendatário em arredamento financeiro para obter rendas ou para valorização do capital ou para ambas.65% São para empresas que recolhem o IRPJ/CSLL pelo regime de lucro real. ou seja. Bens que aumentam de valor com o tempo. Devem ser apresentados separadamente no balanço patrimonial.65% Cofins não-cumulativo .Superveniência do Passivo = Aumento do Passivo = Superveniência Passiva = Despesa 15) O cálculo do percentual de participação deve ser feito dividindo-se o VALOR CONTÁBIL DO INVESTIMENTO pelo PL da INVESTIDA. Uso na produção ou fornecimento de bens ou serviços ou para finalidade administrativa. 3. e não para: a. 21) Ponto de Equilíbrio Financeiro: Corresponde à quantidade que iguala a receita total com a soma dos custos e despesas que representam desembolso financeiro para a empresa. 25) Conta Adiantamento para Aumento de Capital: se não houver. não pode abater as compras. 17) A aquisição de bens incorporados ao ativo não circulante imobilizado também dá direito ao abatimento do ICMS incidente na compra (LC 87/96). corresponde à taxa de juros de mercado multiplicada pelo capital (Custo de Oportunidade). salvo benfeitorias e construções. calculado sobre as receitas. qualquer obrigação decorrente do aporte. ou se não houver previsão de restituição do capital.cód. c. Vedações à depreciação: a.65% Cofins cumulativo . 18) (Contabilidade de Custos): Para maximizar os lucros. 1.cód 6912 alíq.