You are on page 1of 5

Escola Secundária de Paredes 9ºA Ano Lectivo: 2005/2006

Ficha de trabalho: Auto da Barca do Inferno
1.O Onzeneiro chega ao Cais convencido de que entrará na Barca da Glória. No entanto, o Diabo já o conta como um dos seus tripulantes. 1.1) O Diabo deseja, por isso, apressar a entrada do Onzeneiro na sua barca. Transcreve dois versos que revelem esse desejo. ________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ 2. Assinala com X o quadrado correspondente aos tipos de frase que encontras nos versos que transcreveste. Frase Declarativa Frase Imperativa Frase Exclamativa Frase Interrogativa

3. Procura no texto outros exemplos, indicando o respectivo verso. ________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ 4. Como podes constatar, ao modo de expressar a exclamação, aparece associada a um som com que espontaneamente exprimimos impressões, sentimentos ou emoções. 4.1) Escolhe, de entre as opções, a que a classifica morfologicamente. Advérbio Interjeição Preposição Conjunção

4.2) Faz o levantamento de outras palavras e/ou expressões presentes no texto e associa cada uma à emoção que expressa (coluna B). a) Desejo ______________ b) Alegria ______________ c) Surpresa ______________ d) Apelo ______________ e) Invocação ______________ f) Dúvida ______________ g) Ordem ______________ h) Dor ______________ i) Espanto

Escola Secundária de Paredes 9ºA Ano Lectivo: 2005/2006
5. Relê as frases exclamativas que transcreveste. Corta a expressão incorrecta ou completa o texto abaixo indicado, tendo em consideração a forma e o sentido expresso nessas frases: As frases exclamativas aparecem, no Auto da barca do Inferno, associadas a dois modos verbais: o ____________ e o _____________. No primeiro caso, o modo verbal apresenta-nos uma acção, uma qualidade ou um estado como certo, como real/irreal. No Auto da barca do Inferno, algumas vezes este modo verbal é associado a uma figura de estilo: antítese/ironia. O segundo modo verbal nos apresenta uma acção, uma qualidade ou um estado como um conselho, um pedido ou uma ordem/dúvida,. No Auto da Barca do Inferno, este modo verbal é utilizado pelo Anjo/Diabo para exortar o Onzeneiro a cumprir a acção indicada pelo verbo.

Escola Secundária de Paredes 9ºA Ano Lectivo: 2005/2006

Ficha de trabalho: Auto da Barca do Inferno
1.O Onzeneiro chega ao Cais convencido de que entrará na Barca da Glória. No entanto, o Diabo já o conta como um dos seus tripulantes. 1.1) O Diabo deseja, por isso, apressar a entrada do Onzeneiro na sua barca. Transcreve dois versos que revelem esse desejo.
“Ora, entrai, entrai aqui!” (v. 192) “Entra, Entra!” (v. 232).

2. Assinala com X o quadrado correspondente aos tipos de frase que encontras nos versos que transcreveste. Frase Declarativa Frase Imperativa Frase Exclamativa Frase Interrogativa

3. Procura no texto outros exemplos, indicando o respectivo verso.
Frases Exclamativas: “Oh! Que má hora venhais/onzeneiro, meu parente!” (vv. 182/183); “Ora mui muito m’espanto/ nom vos livrar o dinheiro!” (vv. 188/189); “Ora, entrai, entrai aqui!” (v. 192); “Não hei eu i d’embarcar!” (v. 193); “Oh! Que gentil recear,/ e que cousas pera mi!” (vv.194/195); “Ainda agora faleci/ leixa-me buscar batel!/ Pesar de São Pimentel, nunca tanta pressa vi!” ( vv.196-199); “Hou da barca! Houlá! Hou!” (v. 208); “Juro a Deus que vai vazio!” (v. 218); “Ó onzena, como és fea/ e filha de maldição!” (vv. 222/223); “Houlá! Hou demo barqueiro!” (v. 224); “Entra, entra! Remarás!/ Nom percamos mais maré!” (vv. 232/233); “Per forç’é!/ Que te pés, cá entrarás!” (v. 234/235); “Santa Joana de Valdês!/ Cá é vossa senhoria!” (vv. 240/241); “Dá ó demo a cortesia!” (v. 242); “Falai vós crtês!” (v. 243); “Dar-vos-ei tanta pancada/ com um remo, que renegues!” (v. 247). As frases imperativas existentes no texto já foram citadas no ponto 1.

4. Como podes constatar, ao modo de expressar a exclamação, aparece associada a um som com que espontaneamente exprimimos impressões, sentimentos ou emoções. 4.1) Escolhe, de entre as opções, a que a classifica morfologicamente. Advérbio Interjeição Preposição Conjunção

Escola Secundária de Paredes 9ºA Ano Lectivo: 2005/2006
a) Desejo b) Alegria c) Surpresa d) Apelo e) Invocação f) Dúvida g) Ordem h) Dor i) Espanto j) Indignação

4.2) Faz o levantamento de outras palavras e/ou expressões presentes no texto e associa cada uma à emoção que expressa (coluna B).
“Oh!” (v.182) “Oh!” (v. 194) “Ora” (v. 188) “Ora” (v. 191) “Hou!/ Houlá!” (v.208) “Ó onzena…!” (v.222) “Ó triste…!” (v. 238) “Santa Joana de Valdês!” (v. 240)

5. Relê as frases exclamativas que transcreveste. Corta a expressão incorrecta ou completa o texto abaixo indicado, tendo em consideração a forma e o sentido expresso nessas frases: As frases exclamativas aparecem, no Auto da barca do Inferno, associadas a dois modos verbais: o indicativo e o imperativo. No primeiro caso, o modo verbal apresenta-nos uma acção, uma qualidade ou um estado como certo, como real. No Auto da barca do Inferno, algumas vezes este modo verbal é associado a uma figura de estilo: ironia. O segundo modo verbal nos apresenta uma acção, uma qualidade ou um estado como um conselho, um pedido/recusa ou uma ordem. No Auto da Barca do Inferno, este modo verbal é utilizado pelo Diabo para exortar o Onzeneiro a cumprir a acção indicada pelo verbo.

Escola Secundária de Paredes 9ºA Ano Lectivo: 2005/2006

Auto da Barca do Inferno: Produção escrita
O Onzeneiro é a segunda personagem a entrar no Cais. Como observaste, o próprio, denuncia a sua actividade e o seu enriquecimento à custa de juros elevados nos empréstimos que vai concedendo a pessoas necessitadas. Um dos elementos do povo que foi enganado e “roubado” é chamado a depor no tribunal das barcas. Redige uma pequena cena em que este homem é interrogado pelo diabo e pelo anjo sobre o comportamento do Onzeneiro enquanto era vivo.