A GRANDESA DA MULHER ESTÁ PRECISAMENTE EM CULTIVAR O QUE LHE É PRÓPRIO: A AFETIVIDADE E A CAPACIDADE DE AMAR Deus deu ao homem o primado

da razão, mas deu á mulher algo ainda mais importante: o primado do coração. Se cabe ao homem construir o mundo, cabe á mulher algo ainda mais nobre: construir homens e humanizar o mundo. Sem a presença feminina, meiga,doce,humana,sensível, o mundo se embrutece, se torna desumano. Ela foi a última da criatura que Deus criou, o ápice da criação; “ tirada do homem.’’ Quer dizer. Com a mesma dignidade dele; para ser-lhe “ companheira adequada’’ (GN 2, 18) e para ser com ele “ uma só carne” (GN 2, 14), uma só vida um só coração. Um foi feito para o outro, completamente diferentes, no corpo e na alma, na voz e na força, nas lagrimas e na sensibilidade. Ela foi moldada por Deus para o outro, sobretudo mãe e esposa; por isso ele lhe deu um coração onde sempre cabe mais um. Infeslimente hoje há um perigoso feminismo, “avançado”, que tem colocado mulher em risco de perder o que ela tem de mulher, igualando-a totalmente ao homem e esquecendo as diferenças especificas que é exatamente o que fazem a maior riqueza da humanidade. Não se pode confundir entre si o masculino e o feminino, pois cada qual tem seus valores, que enriquecem a ambos na complementaridade. Enquanto o homem procura a eficiência fria e, ás vezes, cega, a mulher é afetiva, da graça e significado á racionalidade do homem, em nossos dias registra-se uma triste competição entre o masculino e o feminino; há quem julgue que a mulher deva abandonar sua atividade feminina para se igualar em tudo ao homem, o que gera uma nova subserviência dela a ele, e muitas não percebem. Isso tem criado uma nova e moderna escravidão da mulher. Muitas se deixam usar, deixam-se vender no seu corpo, para conquistar a fama e o dinheiro. Isso é liberdade? A grandeza da mulher está precisamente em cultivar o que lhe é próprio: a afetividade e a capacidade de amar. O mundo atravessa uma fase de rápido declínio, porque esta dominado por tecnologia, racionalismo, busca excessiva de bem-estar econômico, amor com sinônimo de sexo etc. É a mulher, não contaminada pela mentalidade dominante, como sua intuição, sua preferência pelo amor profundo e estável, pela fraternidade e pela fé religiosa, que deve exercer uma tarefa muito elevada, indispensável para ajudar o homem a alcançar os valores superiores. A mulher não pode se afirmar na sociedade querendo copiar os erros do homem; corrupção, fraude,violência,aborto,eutanásia,exploração do sexo,cultura da morte, endeusamento da gloria, do dinheiro e do prazer. Ela precisa trazer uma nova alma á sociedade, fruto da sua beleza e do seu amor. Drª Priscila Aquino – Medica Endocrinologista