You are on page 1of 8

Conceito de Contabilidade Pública É o ramo da Ciência Contábil voltado para o registro, o controle e a demonstração dos fatos mensuráveis em moeda

que afetam o patrimônio da União, dos Estados e dos Municípios e suas respectivas autarquias e fundações, ou seja, as entidades de direito público interno. A contabilidade pode ser definida como o sistema de informações capaz de captar, registrar, reunir, divulgar e interpretar os fenômenos avaliáveis monetariamente que afetam as situações patrimoniais, financeiras e econômicas de qualquer ente. A contabilidade pública corresponde à contabilidade aplicada às entidades públicas. Finalidade A finalidade da contabilidade pública é determinar procedimentos normativos para que os fatos decorrentes da gestão orçamentária, financeira e patrimonial das mesmas realize-se em perfeita ordem e sejam registrados sistematicamente, de modo a mostrar, em épocas prefixadas, os respectivos resultados. Segundo a Abop, Associação Brasileira de Orçamento Público, a contabilidade pública é o ramo da contabilidade que estuda, controla e demonstra a organização e execução dos orçamentos, atos e fatos administrativos da fazenda pública, o patrimônio público e suas variações. Funções Das principais funções da contabilidade pública destacam o estudo, a orientação, o controle e a demonstração da organização dos orçamentos e sua execução, além de todos os atos e fatos administrativos referentes à fazenda pública. O registro das transações orçamentárias também são analisados dentro da contabilidade pública. Características

pois. apesar de se basear fundamentalmente no orçamento público e em legislações específicas. uma sociedade com ou sem fins lucrativos. mas seu exercício não difere muito do da contabilidade praticada pelas empresas privadas. independentemente de pertencer a uma pessoa. um conjunto de pessoas. estadual e municipal. • Suas normas são definidas pela Lei 4320/64. • Estudar os fatos que afetam o patrimônio público. não pode deixar de seguir os princípios que regem a metodologia contábil. nesta . Princípios aplicáveis a Contabilidade Pública São Pública: princípios aplicáveis a Contabilidade Princípio da Entidade O princípio da entidade reconhece o Patrimônio como objeto da contabilidade e afirma a autonomia patrimonial. A Resolução n°750/93 aprovou os princípios fundamentais da contabilidade aplicáveis à contabilidade pública. em razão da importância do assunto. Por conta das particulares existentes na matéria da contabilidade pública os princípios são aplicáveis de forma adaptada. a necessidade de diferenciação de um Patrimônio particular no universo dos patrimônios existentes.• Área de ação compreende as três esferas dos governos: federal. Princípios Fundamentais da Contabilidade Pública A contabilidade pública constitui o mais complexo ramo da contabilidade. • Instrumento de planejamento e controle da gestão governamental. Por conseqüência. • Objeto de estudo é a gestão do patrimônio público.

se a continuidade da entidade estiver comprometida. pois a soma ou agregação contábil de patrimônios autônomos não resulta em nova entidade. no caso de sociedade ou instituição. como é usual. ou seja. quantitativas e qualitativas. por efeito de se relacionar diretamente à quantificação dos componentes patrimoniais e à formação do resultado. bem como sua vida definida ou provável. seus bens devem ser avaliados pelo valor de realização e não pelo valor de custos. em muitos casos. os procedimentos contábeis dever ser modificados. O Patrimônio pertence à Entidade. o valor ou o vencimento dos passivos. . e de constituir dado importante para aferir a capacidade futura de geração de resultado. previsto ou previsível. deve ser considerada quando da classificação e avaliação das mutações patrimoniais. A continuidade é o princípio que determina que os registros contábeis devem ser feitos tendo como fundamento a idéia de que a organização terá vida contínua. pois. mas a recíproca não é verdadeira. mas em uma unidade de natureza econômica-contábil. A observância do princípio da continuidade é indispensável à correta aplicação do Princípio da competência. A continuidade influencia o valor econômico dos ativos e. cada uma possui personalidade jurídica própria (orçamento próprio). Este princípio aplica-se à contabilidade pública mencionando que o patrimônio de uma entidade não se confunde com o patrimônio de um outra. Princípio da Continuidade A continuidade ou não da entidade. especialmente quando a extinção da Entidade tem prazo determinado.acepção. exemplo. o patrimônio não se confunde com aqueles dos seus sócios ou proprietários.

tendo o custo como base de valor. sempre que possível na data da ocorrência da transação. ou seja. determinando que este seja feito de imediato e com a extensão correta. Princípio do registro pelo valor original Os componentes do patrimônio devem ser registrados pelos valores originais das transações com o mundo exterior. O gestor público. no tempo certo. A escrituração dos fatos contábeis deve ser tempestiva e íntegra. Aplicado com perfeição à contabilidade pública. por seu valor de custo. baseadas em registros contábeis realizados de forma cronológica e oportuna. expressos a valor presente na moeda do país. que tem como alicerce a vida ilimitada de uma entidade. Os componentes do patrimônio devem ser . Isso quer dizer que esses registros devem ser elaborados tendo como base os procedimentos técnicos mais adequados para o caso concreto. no momento da tomada de decisão. independentemente das causas que as originam. necessita de informações fidedignas. Consequentemente. Princípio da Oportunidade O Princípio da Oportunidade refere-se. o princípio fundamental do registro pelo valor original preconiza que as transações devem ser registradas por seu valor de entrada. poderia ser conceituado como princípio da gestão continuada. aplica-se em sua inteireza à contabilidade pública. que serão mantidos na avaliação das variações patrimoniais posteriores. assim como na extensão correta.Na contabilidade pública. esse princípio. à tempestividade e á integridade do registro do patrimônio e das suas mutações. inclusive quando configurarem agregações ou decomposições no interior da Entidade. O princípio fundamental da oportunidade determina que os registros contábeis devem ser feitos oportunamente. ou seja. simultaneamente.

sempre simultaneamente quando se correlacionarem. os passivos. estabelecendo diretrizes para classificação das mutações patrimoniais.escriturados pelos valores originais das transações. com as devidas atualizações. Princípio da atualização monetária Os efeitos da alteração do poder aquisitivo da moeda nacional devem ser reconhecidos nos registros contábeis através do ajustamento da expressão formal dos valores dos componentes patrimoniais. direitos e obrigações que compõe o patrimônio público devem ser registrados e avaliados pelos valores de entrada. . os ativos devem ser avaliados pelo valor real da aquisição ou produção e de contratação. Logo. desde que os índices praticados sejam compatíveis com as taxas de inflação. apenas. independentemente de recebimento ou pagamento. A atualização monetária. Por esse princípio. As demonstrações contábeis passam a ser expressas em termos de moeda nacioanl de poder aquisitivo da data do último balanço. expressos a valor presente na moeda do nosso país. reconhecer os efeitos da perda do poder aquisitivo da moeda nacional nos registros contábeis. todos os bens. O princípio da Competência determina quando as alterações no ativo ou no passivo resultam em aumento ou diminuição no patrimônio líquido. pelos valores e compromissos constantes nos documentos comprobatórios da dívida. Princípio da Competência As receitas e as despesas devem ser incluídas na apuração do resultado do período em que ocorrerem. como regra geral. não contadiz o princípio do registro pelo valor original porque atualizar monetariamente um valor significa. resultantes da observância do princípio da Oportunidade.

quando esse órgão conceitua os princípios propriamente ditos da realização da receita e do confronto das despesas com as receitas e com os períodos contábeis. Orçamento Público . O Princípio da Prudência impõe a escolha da hipótese de que resulte menor patrimônio líquido. respectivamente. quando correlatas. a mais prudente. é conseqüência natural do respeito ao período em que ocorrer sua geração. A prudência. para definição dos valores relativos às variações patrimoniais. determina que. se tivermos duas situações igualmente válidas e aceitas pelo consenso contábil. devem ser registradas. sempre que se apresentem alternativas igualmente válidas para a quantificação das mutações patrimoniais que alterem o patrimônio líquido. O princípio fundamental da competência menciona que as receitas e as despesas. adotaremos a mais conservadora. Esse princípio também é adotado pelo Ibracon (Instituto dos Auditores Independentes do Brasil). ou seja. quando se apresentarem opções igualmente aceitáveis diante dos demais Princípios Fundamentais de Contabilidade. enquanto princípio fundamental de contabilidade.O reconhecimento simultâneo das receitas e despesas. devem ser feitas estimativas que envolvem incertezas de grau variável. como elementos que determinam o resultado de uma entidade. Princípio da Prudência O Princípio da Prudência determina a adoção do menor valor para os componentes do Ativo e do maior para os do Passivo. no momento em que são merecidas (colocação da mercadoria à disposição do cliente) e no momento em que são incorridas de acordo com o fato gerador. A aplicação do Princípio da Prudência ganha ênfase quando.

controle gerencial e controle operacional. pessoas informações. transferências e receitas. coincidirá com o ano civil. O processo orçamentário pode ser definido como o conjunto das funções a serem cumpridas pelo orçamento em termos de planejamento. no sentido amplo. normas e procedimentos necessários ao cumprimento das funções estabelecidas no processo orçamentário (concepção. investimentos. proposto pelo Poder Executivo para um exercício financeiro.320/64. ou seja. Econômico – Na sua mais exata expressão. tecnologia. e aprovado pelo Poder Legislativo. O sistema orçamentário. História do Orçamento Público . que. como o reflexo da vida do Estado. é a estrutura formada pelas organizações. estabelecendo responsabilidade. Jurídico – O orçamento público é a que estima a receita e fixa a despesa para um determinado exercício financeiro. execução e avaliação) preestabelecido para a administração pública. nos termos da Lei n°4. o orçamento pode ser entendido como o quadro da economia pública. que estima a receita e fixa a despesa para o exercício financeiro. Definição do Orçamento Público A doutrina contábil costuma definir o orçamento público nos seguintes aspectos: Financeiro – O orçamento público é considerado como o plano de custeios. inversões.Conceito – é a lei de iniciativa do Poder Executivo e aprovada pelo Poder Legislativo. compromisso e obrigações para a administração pública.

ele remonta ao momento em que a Carta Magna foi imposta ao rei João Sem-Terra pelos senhores feudais. Mais precisamente em 1215. 3) Cite as principais características do orçamento público e suas funções.Um dos marcos fundamentais para a origem do orçamento público ocorreu no século XIII. a origem do orçamento está ligada ao surgimento do governo representativo. 4) Quais as definições do orçamento público? 5) Comente sobre a complexidade da matéria pública em relação a contabilidade pública. O artigo 12 desse histórico documento preconiza a necessidade de autorização do Conselho dos Comuns para a cobrança de tributo ou subsídio. Poucos anos depois. Exercícios Propostos de Revisão 1) Dê a definição de orçamento público. sendo que a nossa primeira lei orçamentária data de 1827. na Inglaterra. objetivando limitar os poderes de arrecadação do rei e definir a forma de realização dos gastos. consagrou o princípio de que a votação das receitas e despesas seria atribuição dos representantes da nação. a Constituinte da França de 1789. resultante da Revolução Francesa. Já nos Estados Unidos. 2) Quais os princípios aplicados à contabilidade pública? Resuma-os. No Brasil. a Declaração de direitos do Congresso da Filadélfia. foi que implantou a exigência da prática orçamentária. que deveriam ser razoáveis em seu montante. elaborada em 1787. . descrevendo suas particularidades.