You are on page 1of 19

ARTIGO – COMENTÁRIOS POLÍTICAS PÚBLICAS – CGU 2012 PROFESSOR: RAFAEL ENCINAS

Comentários da Prova de Políticas Públicas – CGU 2012
Olá, Pessoal! Este final de semana ocorreu a prova do concurso para a Controladoria Geral da União (CGU). Para o cargo de Auditoria e Fiscalização – Geral caiu a disciplina de Políticas Públicas, cujas questões eu comento abaixo. A prova foi extremamente difícil, bastante aprofundada.

6. (ESAF/CGU/2012) Uma perspectiva crítica sobre o funcionamento das democracias liberais surgiu ao final do século XIX na Alemanha e na Itália e se fundamentou na constatação de que, nas sociedades modernas, o poder se concentrava nas mãos de uma pequena parcela da população, enquanto a grande massa era incapaz de influenciar as decisões sobre políticas públicas. Para os adeptos dessa perspectiva, a concentração de poder era uma característica comum a todos os sistemas políticos, independente da sua orientação ideológica: Considerando as ideias da chamada Teoria das Elites apresentadas de forma sintética no texto acima, assinale a afirmativa correta sobre as teses elitistas. a) Foram submetidas a diversos testes e há hoje evidência que aponta para existência de distribuição assimétrica de poder nas decisões sobre políticas públicas em muitas das democracias contemporâneas. b) Para seus seguidores, os partidos políticos exercem o poder compensatório, reduzindo a influência da classe dirigente nas decisões de políticas públicas. c) A competição entre grupos de interesse ocupa papel central nas explicações elitistas sobre o desempenho das economias contemporâneas. d) Em países onde a classe dirigente é pequena e com interesses econômicos bem definidos, é maior a possibilidade de ocorrência de conflitos internos com possibilidade de resultar em paralisia decisória. e) A aplicação das teses elitistas nos países da América Latina sofre diversas restrições, especialmente pela valorização excessiva do papel exercido pela classe empresarial, desconsiderando a importância da burocracia e dos militares nas decisões sobre políticas públicas. Questão passível de recurso. A letra “A” é certa, é o gabarito preliminar, mas pode ser questionada. Realmente, mesmo os pluralistas mais radicais não negam que existam Elites ou

Prof. Rafael Encinas

www.pontodosconcursos.com.br

1

essa é a ideia do Pluralismo. A letra “D” é errada. Como nem o primeiro nem o terceiro ponto foram até agora empiricamente provados. tira a consequência de que é possível identificar os contendores de um certo tipo de conflito quando se consegue individualizar "aqueles que ocupam as posições de domínio e de subordinação numa determinada associação.) que é a autoridade e não a propriedade. de Norberto Bobbio et. a teoria das elites no poder não tem. al. ou seja. Prof. a questão poderia ser questionada por sem um pouco simplista. segundo Dahl. Segundo o Dicionário de Política: Ralf Dahrendorf (. (1998): O mais autorizado representante da primeira crítica é Robert A. b) houver uma amostragem suficiente de casos de decisões fundamentais.com.. Dahl. A letra “E” é errada. é justamente o contrário. o qual num ensaio intitulado A critique ofthe ruling elite model (1958). mas sim um pequeno grupo organizado que controla os demais. fundamento científico.. das desigualdades e dos conflitos. em que demonstrou que mesmo dentro dos partidos.) defende em seu livro (. Segundo o Dicionário de Política. que traz como ponto principal a competição entre os grupos. com elites mais coesas e de menor tamanho os conflitos são menores. não há essa competição. escreveu o livro "Partidos Políticos: um Estudo Sociológico das Tendências Oligárquicas da Democracia Contemporânea. mas sim a autoridade o fator preponderante para distinguir a elite das massas. com concentração do poder num determinado grupo restrito de pessoas.ARTIGO – COMENTÁRIOS POLÍTICAS PÚBLICAS – CGU 2012 PROFESSOR: RAFAEL ENCINAS que até numa sociedade democrática exista uma contraposição permanente entre aqueles que têm o poder e aqueles que não o têm. em que as preferências da hipotética elite contrastam com as de outros grupos. o poder de comando. os partidos políticos de massa. A Teoria das Elites se contrapõe ao marxismo no sentido de não concordar com a visão de que é o modo de produção que estabelece a oposição nas sociedades. Desta premissa.pontodosconcursos. Para o elitismo. as preferências da hipotética elite prevalecem. aparecido dois anos depois: do livro de Robert Mills. A letra “C” é errada. colocando as teorias das elites como uma coisa só. sendo que há sim pontos das teorias que podem ser criticados. Porém... a elitização ocorreria inclusive dentro das organizações comprometidas com os princípios de igualdade e democracia. ou seja. c) em todos esses casos. que consegue obediência e é a causa da formação das classes sociais. haveria uma elitização. Dessa forma. um dos principais autores do elitismo. defendeu a hipótese de a existência de uma elite no poder poder ser aprovada se: a) a hipotética ruling elite for um grupo bem definido. Robert Michels. O principal deles é a afirmação de alguns teóricos de que haveria apenas uma elite coesa. Rafael Encinas www.br 2 . Não seria a propriedade. A letra “B” é errada.

é o gabarito preliminar. e) são instrumento analítico fundamental para caracterizar as relações intergovernamentais nas políticas sociais brasileiras. conformando uma nova realidade adProf.ARTIGO – COMENTÁRIOS POLÍTICAS PÚBLICAS – CGU 2012 PROFESSOR: RAFAEL ENCINAS Ainda no Dicionário. simultaneamente. Gianfranco. procura demonstrar que. mas pode ser questionada em recurso. 7. Gabarito: A. 1998. Dicionário de política. atualmente. pois este assunto é bastante polêmico. os Estados Unidos são dominados por um restrito grupo de poder.pontodosconcursos. Bibliografia: BOBBIO. que podem ser representadas por um conjunto de nós e vínculos que indicam. b) são sujeitas aos efeitos causados pela assimetria informacional entre seus membros. Questão passível de recurso. Teoria das Elites (Verbete). Portanto. d) possuem estruturas polimórficas. Segundo Sônia Maria Fleury Teixeira (2002). a teoria das elites consideraria sim os grupos que não só a classe empresarial. A letra “A” foi dada como certa. Bobbio afirma que: Com uma análise histórica e sociológica. analisando a obra de Wright Mills. e PASQUINO.br 3 . a possível presença de capital social nas transações.com. quando se buscou implementar inovações na administração pública que promovessem a eficácia e a eficiência das ações governamentais. In: BOBBIO. MATTEUCCI Nicola. c) demandam uma estrutura de coordenação e prestação de contas que leve em consideração as interdependências existentes. entre outros aspectos. não é correto afirmar que: a) surgem no âmbito da reforma gerencial do Estado. Norberto. Norberto. do exército e da política. que constitui precisamente a "Elite no poder" e é composto por aqueles que ocupam as posições-chaves nos três setores: da economia. Rafael Encinas www. Brasília: UNB. no texto “O desafio da gestão das redes de políticas”: A proliferação de redes de gestão é explicada por uma multiplicidade de fatores que incidem. (ESAF/CGU/2012) Sobre redes de políticas públicas.

A globalização econômica alterou os processos produtivos e administrativos em direção à maior flexibilização. devolution. Rafael Encinas www. mas num segundo momento. impõem novos modelos de gestão que comportem a interação de estruturas descentralizadas e modalidades inovadoras de parcerias entre entes estatais e organizações empresariais ou sociais. Musso (2006): This special symposium considers the democratic character of democratic governance networks. That “narrative”. uma série de fatores contribuiu para a formação de redes. and the concept has its origins in the growth and increasing complexity of the modern welfare state and in the decentralization. Alguns autores tratam das redes dentro de uma segunda geração de reformas do NPM. com a busca da atuação conjunta do Estado com a sociedade. Segundo Peter Bogason e Juliet A. Como vocês podem ver.pontodosconcursos.ARTIGO – COMENTÁRIOS POLÍTICAS PÚBLICAS – CGU 2012 PROFESSOR: RAFAEL ENCINAS ministrativa. as transformações recentes no papel do estado e em suas relações com a sociedade. Podemos observar que os autores associam as diretamente com as reformas gerenciais das décadas de 1980 e 1990. focused strongly on organizational and institutional changes within public sector organizations and on improving efficiency and effectiveness of public sector organizations mainly by such Prof. The evolution in public affairs to encompass government within governance spans more than a quarter century. Acredita-se que os imensos desafios sociais em escala global. Segundo Caio Marini e Humberto Falcão Martins (2004): A marca distinta das reformas de segunda geração no início do século XXI é a promoção do desenvolvimento.br 4 . entre eles o fato de o Estado ter se retirado da condição de único implementador de políticas públicas e ter transferido uma série de atividades para o setor privado e o terceiro setor. as redes não teriam se originado nas reformas gerenciais. afirma que o New Public Managment constituiu um período intermediário e que hoje prevaleceria a Nova Governança Pública. Assim. outros autores abordam o tema das redes dentro de um modelo de gestão diferente do NPM. mas por meio do fortalecimento de instituições tais como Estado. manifestos pela crescente desigualdade e pobreza. Stephen Osborne. Porém. Segundo Erik-Hans Klijn: One can even say that in a way the governance “narrative” forms na alternative to the “narrative” of the New Public Management. especially in its early versions.com. na visão de alguns. o mercado e o terceiro setor. não podem ser vencidos pela simples ação dos mercados. Por outro lado. and new public management reforms of the 1980s and 1990s. integração e interdependência.

Reticulado se refere a qualquer coisa que tenha o formato de rede. Rafael Encinas www. Bibliografia: BOGASON. elas variam em cada caso.com. The Democratic Prospects of Network Governance. Peter e MUSSO. ou seja. Juliet A. A letra “E” é certa. A letra “B” é certa. as one of the possible theoretical underpinnings of that narrative. O capital social corresponde aos ganhos advindo das relações de confiança entre os atores de determinada sociedade que trabalham de forma colaborativa. teria maior capital social.pontodosconcursos. dependendo dos atores.1. Assim. uma sociedade em que as pessoas colaboram entre si. As redes também apresentam problemas de assimetria de informações. A letra “C” é certa. atuando em redes. Policêntrica porque a rede não possui um centro único. As redes também são chamadas de estruturas reticulares ou policêntricas. cada um necessita do outro para o atingimento dos resultados. são fatores que impulsionam e explicam o florescimento das redes de políticas sociais. nas redes não há uma única forma de organização. março/2006. As redes têm como característica a interdependência.ARTIGO – COMENTÁRIOS POLÍTICAS PÚBLICAS – CGU 2012 PROFESSOR: RAFAEL ENCINAS means as outsourcing and increasing use of market-like mechanisms in public service delivery. pois o alcance dos resultados não é decorrente da ação de apenas um ator. não há uma hierarquia estabelecida. As redes são importantíssimas nas políticas sociais.br 5 . has also grown in popularity. a organização de um setor não-governamental que atua cada vez mais no campo das políticas sociais e o aumento da ação social das empresas. A letra “D” é certa. A coordenação dos atores precisa levar em consideração essa interdependência. a crescente mobilização da sociedade civil cobrando atenção diferenciada que respeite as diferenças sociais. n. Prof. ou seja. 36. As the governance narrative has grown in popularity over the last ten years it is not surprising tha network theory. v. O mesmo vale para a prestação de contas. mas da sua atuação em conjunto com os demais. a diversidade de atores e interesses em conflitos envolvidos. Poliformismo significa “várias formas”. Segundo Sônia Maria Fleury Teixeira: A complexidade dos problemas sociais. em que um agente possui informações das quais os outros atores não têm conhecimento. American Review of Public Administration.

(ESAF/CGU/2012) Entre as intervenções no âmbito das políticas públicas que são adotadas pelos governos para compensar as falhas de mercado. VII Congreso Internacional del CLAD sobre la Reforma del Estado y de la Administración Pública. b) 1. MARINI. Ocorre o monopólio natural quando os investimentos necessários são muitos elevados e os custos marginais são muito baixos. As necessidades de manter-se a ordem interna e externa e de defesa nacional constituem uma Prof.ARTIGO – COMENTÁRIOS POLÍTICAS PÚBLICAS – CGU 2012 PROFESSOR: RAFAEL ENCINAS TEIXEIRA. eles se originam a partir da necessidade de as empresas adquirirem tamanhos significativamente grandes para poderem operar com lucro. 3.br 6 . Algumas vezes. e) 3. Estímulos à seleção adversa em contextos de competição perfeita. 3. O desafio da gestão de redes de políticas. c) 1. Nesses casos. 8-11 Oct. 9. 2004. 4. 8. In: Congreso Internacional del CLAD sobre la Reforma del Estado y de la Administración Pública. Portugal.com. Ações voltadas para compensar o nível limitado de competição em decorrência dos efeitos causados por economias de escala. Sônia Maria Fleury. A primeira afirmação é certa. Humberto Falcão. A segunda afirmação é certa. 3. Também se caracterizam pela indivisibilidade de consumo. o consumo de um não exclui o dos demais. Madrid. 2002. É correto o que se afirma em a) 1. ou seja.pontodosconcursos. 4. Caio e MARTINS. 2. Incentivos para que os indivíduos invistam menos em bens cujos custos são privados e os benefícios são públicos. 2. Rafael Encinas www. 4. Um exemplo é a distribuição de energia elétrica. Os bens públicos são caracterizados pelo princípio da não-exclusão. Gabarito: A. d) 2. Lisboa. é necessária a atuação do Estado para evitar o abuso do poder de monopólio. podemos citar as seguintes: 1. Um governo matricial: estruturas em rede para geração de resultados de desenvolvimento. 2. Mecanismos voltados para incentivar a revelação sincera das preferências em relação à provisão de bens públicos. Entre as falhas de mercado podemos citar os monopólios e oligopólios. 4.

o agente privado pode não ter o interesse individual em realizar o investimento.ARTIGO – COMENTÁRIOS POLÍTICAS PÚBLICAS – CGU 2012 PROFESSOR: RAFAEL ENCINAS necessidade coletiva da comunidade. que são os efeitos da ação de uma pessoa sobre terceiros. para a sociedade como um todo o investimento vale à pena. a alocação dos recursos para a produção desses bens pelo setor privado torna-se impraticável. A terceira afirmação é errada. Por exemplo. considerando as externalidades positivas. por isso são necessários incentivos para que ele o faça. Nesse sentido. Quando os agentes privados tomam decisões acerca da realização ou não de uma ação. porque individualmente não gerariam o benefício suficiente. Elas podem ser positivas ou negativas. Ela ocorre quando são selecionados os agentes com maior risco. é um exemplo de externalidade positiva. mas que podem não parecer interessantes para investidores privados. uma vez que não se consegue identificar a quantidade desses serviços que é consumida pelos indivíduos. “benefícios públicos”. a seleção adversa é algo ruim. Não sendo possível fixar um preço. é correto afirmar que a) associam a tendência de crescimento da participação do setor público no PIB das democracias contemporâneas à tendência de centralização das compe- Prof. A restauração de um prédio antigo pode trazer turistas para a região. Por outro lado. já que a lei da oferta e da procura não poderá ser estabelecida como ocorre nos mercados concorrenciais.pontodosconcursos. a poluição de uma fábrica é uma externalidade negativa. pois o custo é alto. Porém. Essa diferença pode ocorrer em função de externalidades. 9. São serviços cujos ganhos beneficiam a toda a sociedade. que gera problemas na saúde da população. Rafael Encinas www. eles tendem a não considerar as externalidades. Haverá falhas de mercado quando o custo social for maior ou menor do que o benefício social. torna-se impossível a determinação de um preço por meio do mercado. um investimento numa estrada pode não lhe parecer interessante. Gabarito: C. pela oferta e demanda. (ESAF/CGU/2012) Em relação aos principais postulados que orientam o debate sobre falhas de governo. Assim. é preciso saber as preferências da sociedade em termos de bens públicos. A afirmação 3 traz o caso de uma externalidade positiva. gerando maiores vendas para o comércio. e os benefícios que ELE vai ter não superam tais custos. e não incentivada. O dono da indústria está preocupado em ter lucro.br 7 . pois a ação do agente gera benefícios para a coletividade.com. o problema que a poluição gera não lhe interessa. deve ser minorada. A terceira afirmação é errada. Contudo.

d) as políticas voltadas para minimizar as desigualdades na distribuição de renda e de riqueza são condicionadas pelas assimetrias na distribuição de poder e prestígio. eles pensam muito no presente. Quando o custo marginal do eleitor mediano é diferente do custo marginal da produção do bem público poderá haver suboferta ou excesso de oferta de bens públicos. O que tem ocorrido nos Estados contemporâneos é justamente a descentralização. o valor do futuro fica muito baixo no cálculo realizado hoje. se a taxa de desconto for baixa. Prof.pontodosconcursos. Como os políticos dão pouca importância aos custos e benefícios futuros. b) a relação entre custos e benefícios nos projetos governamentais é avaliada pelos políticos com base em taxas de desconto menores do que aquelas que seriam socialmente ótimas. e) a função de utilidade daqueles que decidem sobre políticas públicas é guiada pelo atendimento às demandas do eleitor mediano em detrimento da busca de poder. se uma determinada ação custará R$ 100 milhões daqui 15 anos. o eleitor mediano não estará disposto a pagar tal valor para consumi-lo. Quando esta taxa é maior. ou seja. se for aplicada uma taxa de desconto alta. Os custos que serão gerados em um período de tempo mais distante também não recebem atenção. Quando os políticos tomam decisões. esse valor poderá corresponder à R$ 40 milhões hoje. prestígio e salário. e não a centralização. A taxa de desconto é aquilo que traz para o valor presente os custos e benefícios que serão incorridos com um projeto no futuro. Quando o custo marginal é menor. pois quem terá que pagá-los serão os próximos governantes. resultando numa oferta excessiva. Rafael Encinas www. A descentralização para estados e municípios normalmente provoca um aumento dos gastos do setor público. A letra “B” é errada. Por exemplo. a taxa de desconto seria alta. Os ganhos que a política pública pode gerar no futuro são normamente desconsiderados ou recebem pouca importância.ARTIGO – COMENTÁRIOS POLÍTICAS PÚBLICAS – CGU 2012 PROFESSOR: RAFAEL ENCINAS tências na esfera federal em detrimento de uma maior autonomia dos governos locais. por que ele não os vê como geradores de votos. o valor pode ser de R$ 60 milhões. o valor presente deles é baixo. sendo ruim para o controle fiscal do país como um todo. A letra “A” é errada.br 8 . A letra “C” é errada. então existem incentivos suficientes para que a quantidade produzida seja aquela indicada pela interseção entre a curva de custo marginal e a curva de demanda do eleitor mediano. c) quando os bens são produzidos com base no menor custo marginal.com.

c) A relação de causalidade entre capital social e corrupção. b) O reconhecimento que países com sistemas políticos fundados no voto majoritário simples têm desempenho macroeconômico superior daqueles onde prevalece outros sistemas eleitorais. prestígio e salário. Para o neoinstitucionalismo. Parece que foi copiada de algum texto. Rafael Encinas www. Porém. será mais difícil reduzir as desigualdades. segundo a qual os políticos e burocratas não tomam decisões com base no interesse público. d) A constatação de que custos transacionais influenciam as estruturas de governança apenas no curto prazo. se uma determinada elite detém o poder. confundindo acerca do seu significado. Assim.ARTIGO – COMENTÁRIOS POLÍTICAS PÚBLICAS – CGU 2012 PROFESSOR: RAFAEL ENCINAS A letra “D” é certa. retirada de seu contexto e alterada em algum ponto para ficar errada. países onde existem redes informais de confiança bem estabelecidas são mais corruptos. mas sim no próprio interesse. A letra “E” é errada. Ela fala que as políticas que reduzem as desigualdades sociais são influenciadas pela forma como o poder está distribuído na sociedade.br 9 . (ESAF/CGU/2012) Na abordagem tradicional das políticas públicas. Ela ficou muito confusa. é a partir da perspectiva crítica sobre a abordagem tradicional das políticas públicas que evolui o debate contemporâneo sobre a importância das instituições nas políticas públicas. as ações do governo seriam produzidas por formuladores benévolos. a) A ênfase no papel que as instituições responsáveis pela liberalização do comércio exterior possui na explicação das diferenças entre as taxas de crescimento dos diferentes países. mal escrita. pois ela não irá aceitar perder em benefício dos mais pobres. as políticas públicas seriam determinadas exogenamente ao sistema político e concebidas e implementadas de forma predominantemente tecnocrática. com base na busca pelo poder.com. ou seja. Com base nessa perspectiva. sem o contexto. Gabarito: D. ou seja. Essa nova abordagem tem sido cognominada de neoinstitucionalismo. 10.pontodosconcursos. A letra “A” foi dada como errada. A teoria das falhas de governo vem principalmente dos postulados da Teoria da escolha Pública. Em grande medida. Indique qual das afirmativas abaixo melhor caracteriza as contribuições dos neoinstitucionalistas para o debate recente sobre políticas públicas. não conseguimos compreender o que ela realmente quer dizer. e) A proposição de que as diferenças nas bases institucionais que fundamentam as transações políticas intertemporais explicam muitas das diferenças no desempenho econômico entre nações. as instituições possuem sim papel prepondeProf.

A letra “B” é errada. não vejo erro na letra “A”. não seriam mais eficientes na implementação de políticas públicas que países com sistema proporcional. por outro lado. A letra “C” é errada. a estrutura de incentivos prevista nos contratos entre agente e principal pode ser mais efetiva como instrumento de coibir a corrupção do que a fiscalização realizada por auditores independentes. a teoria da capital social. 2. como está na letra “E”. Desses trabalhos surgiu uma série de recomendações para a melhoria da qualidade do governo e redução dos níveis de corrupção nos estados contemporâneos. os sistemas proporcionais são mais eficientes. Em termos de presença do eleitorado nas urnas e representatividade de grupos sociais. mas essa não era a ênfase do neoinstitucionalismo. não há comprovação de que determinado sistema eleitoral possuam melhores efeitos sobre o desempenho econômico.com.br 10 . mas também no longo. Centenas de trabalhos importantes foram produzidos sobre o tema. Rafael Encinas www. No contexto de assimetria informacional. Ou seja. Nesse sentido. que não está no neoinstitucionalismo. os custos de transação influenciam as estruturas de governança não só no curto prazo. Gabarito: E. afirma que quanto maior o capital social. MENOR a corrupção. muitos deles fazendo uso de analogias advindas da microeconomia. que é certa. O neoinstitucionalismo estuda importância das instituições para o funcionamento da economia. com gabinetes mais estáveis e duradouros. ambos são equivalentes no desempenho econômico e no político. A alta rentabilidade da busca de privilégios por parte dos “caçadores de renda” (rent seekers) contribui para o desenvolvimento econômico. A letra “D” é errada. resultando em diferenças nos desempenhos econômicos dos países. Nesse sentido. quanto maior a confiança. ou seja. as instituições e organizações afetam o desempenho da economia na medida em que. reduzam as incertezas e induzam a cooperação. Entre as principais contribuições do estudo da economia política da corrupção. diminuindo os custos das transações. visto que as imperfeições do mercado requerem o estabelecimento de normas que organizem a ação coletiva. mais especificamente da chamada economia da informação.pontodosconcursos. (ESAF/CGU/2012) O estudo sobre a chamada economia política da corrupção tem avançado bastante ao longo dos últimos anos.ARTIGO – COMENTÁRIOS POLÍTICAS PÚBLICAS – CGU 2012 PROFESSOR: RAFAEL ENCINAS rante na explicação das diferentes entre as taxas de crescimento econômico. ao dar forma e estruturar as interações humanas. Pelo que eu conheça. países de sistema majoritário. 11. podem-se destacar as seguintes proposições: 1. pois apesar Prof.

A corrupção ocorre porque os agentes são estimulados a fazer isso. Porém. que deveriam garantir a aplicação de leis e regulamentos no interesse da sociedade. 3. O que está ali é afirmado por vários autores. o problema da corrupção pode ser modelado como um problema típico que ocorre em estruturas de governança denominadas “PrincipalAgente”. c) 2. 4. assim. 4. Mas o problema. Newton Paulo Bueno.com. isso também não tem demonstrado resultados. ela gera renda e oportunidades de emprego para algumas das pessoas mais talentosas do país. que sempre é associada com menor crescimento econômico. Na visão das relações agente-principal. b) 1. 4. o problema surge porque funcionários governamentais. A corrupção ocorre porque os agentes são estimulados a isso. O autor afirma que uma linha de ataque à corrupção seria fortalecer as instituições responsáveis pelo “enforcement” das leis e regulamentos anticorrupção. d) 2.ARTIGO – COMENTÁRIOS POLÍTICAS PÚBLICAS – CGU 2012 PROFESSOR: RAFAEL ENCINAS da sua imagem negativa. para induzir os agentes a se comportarem honestamente basta mudar a estrutura de incentivos a que eles estão submetidos. a corrupção seria o resultado de estruturas de governança específicas que sinalizam incentivos inadequados para as partes envolvidas em transações. como uma situação do tipo PrincipalAgente. de corrupção. A segunda afirmação é errada. é bem mais complexo do que parece à primeira vista. 3. Prof. 3. 3. infelizmente. Segundo Bueno: Quando colocado dessa forma. Questão passível de recurso. Em termos simples. identificamos imediatamente o que está errado e inferimos intuitivamente o que deve ser feito para corrigir o problema. O tamanho do governo está inversamente relacionado à sua qualidade. O que tem promovido melhorias significativas é o aumento do grau de accountability por meio da promoção da transparência. nada é tão simples como a afirmação coloca. O incentivo à corrupção é diretamente proporcional aos custos transacionais envolvidos no relacionamento entre agente e principal. É correto o que se afirma em a) 1. Rent-seeking é uma forma de patrimonialismo. 4.br 11 . Porém. mas também é criticado. A primeira afirmação é certa. Rafael Encinas www. e) 1. 2.pontodosconcursos. deixam de fazê-lo para perseguir sua própria agenda de interesses. isto é.

Como a propensão ao oportunismo é uma ameaça latente. Na minha visão. O oportunismo se refere ao uso de informações incompletas ou distorcidas em beneficio próprio. mas também pode ser questionada.pontodosconcursos.com. ou este possui um histórico de corrupção.ARTIGO – COMENTÁRIOS POLÍTICAS PÚBLICAS – CGU 2012 PROFESSOR: RAFAEL ENCINAS A terceira afirmação foi dada como certa. dá a entender que. maiores são os custos de transação. Assim. quanto maior a corrupção. A presença do oportunismo como ameaça constante leva à busca de inúmeras garantias contratuais como forma de se precaver ante a possibilidade desse tipo de comportamento. 64). que tem como conseqüência o aumento dos chamados custos de transação. Este tipo de comportamento tem importantes implicações teóricas. devem-se criar inúmeras salvaguardas ex ante e ex post o contrato para prevenir esse comportamento. Segundo o autor: Outros trabalhos têm apontado causas não tão solidamente assentadas em evidência econométrica ou ainda não suficientemente replicadas por outros estudos. político ou econômico. menor ele será. p.br 12 . a corrupção seria maior e a qualidade maior. goza de uma oferta ilimitada de confiabilidade pessoal (Fonseca. se o governo é maior. o principal deverá aumentar os controles e incorrer em custos para monitorar o agente. pois é um tema bastante polêmico. por exemplo: a) elevada participação do Estado na economia. ou seja. porque aumentam as oportunidades de corrupção para os agentes do Estado (LaPalombara 1994). Bibliografia: Prof. quanto maiores os custos de transação entre agente e principal. É um comportamento que objetiva conseguir vantagens criando ou explorando assimetrias de informação. 1989. maior seria a corrupção. mas entendo que cabe recurso. Quando o principal não conhece o comportamento do agente. Em outras palavras. Rafael Encinas www. Outros podem afirmar ainda que quanto mais eficiente um governo. os custos de transação serão maiores. quando ela fala que a corrupção é diretamente proporcional aos custos transacionais. Por exemplo. dois auditores que conseguem fiscalizar 30 contratos são mais eficientes que três auditores que conseguem fiscalizar os mesmos 30 contratos. Segundo Araujo e Sanchez (2005): O segundo pressuposto do homem contratual é a propensão ao oportunismo. com o homem contratual deixa de valer o pressuposto de que um sistema. Mas ocorre o contrário. Newton Paulo Bueno enumera alguns fatores citados pela doutrina que podem aumentar a corrupção. A quarta afirmação foi dada como errada.

br 13 . 7G. n. 8E c) 1H. A corrupção e os controles internos do estado. A sustentabilidade está relacionada com o tratamento do esgoto. 3C. Corrupção: teoria. 5B. 4A. 6H.com. 12. 5D.pontodosconcursos. 6H. 8B d) 1D. encontra-se a descrição sumária das 8 Metas do Milênio e uma lista de 8 Indicadores de Políticas Públicas utilizados para monitorar essas metas. 2E. 2005 . A mortalidade infantil pode ser reduzida com o aumento de crianças vacinadas. (ESAF/CGU/2012) Nas duas colunas abaixo. 7B. Disponível em: <http://www. evidências empíricas. por isso está associado com a erradicação da pobreza.uma análise institucional. 4F. Marcelo. Gabarito: E. 7B. a) 1D. 7E. O indicador do fluxo de matrículas está relacionado com o ensino básico universal. 6F. 4A. e sugestões de medidas para reduzir seus níveis no Brasil . 8B e) 1C. Aug. 2D. 2E. 5C. 5F. 8H b) 1C.php?script=sci_arttext&pid=S010264452005000200006&lng=en&nrm=iso> BUENO.br/scielo. Revista CGU – 6ª edição/2009. Considerando apenas essa lista de indicadores e considerando que apenas um indicador pode ser utilizado para monitorar cada uma das metas. Newton Paulo. 2-E 3-H 4-A 5-F 6-G 7-C Prof.25 por dia”. 2E. 6A.ARTIGO – COMENTÁRIOS POLÍTICAS PÚBLICAS – CGU 2012 PROFESSOR: RAFAEL ENCINAS ARAUJO. Lua Nova. 5D. indique qual das opções abaixo proporcionaria a melhor combinação entre metas e indicadores. Rafael Encinas www. Oscar Adolfo. 3G. São Paulo. 2A. O indicador que mede a igualdade entre os sexos é o da participação das mulheres no mercado de trabalho. 4F. 3G. A saúde das mães melhora quando o parto é assistido por profissional de saúde habilitado.scielo. 65. O HIV/AIDS é combatido com a camisinha. 8A Essa questão estava mais fácil: 1-D O único indicador que fala de renda é o “Evolução da proporção da população empregada vivendo com menos de US$ 1. 3H. 4G. 3F. 7C. 6G. SANCHEZ.

isso é. muito utilizados quando o objetivo é apenas descrever atitudes. deseja-se identificar se a presença de mulheres no governo reduz a corrupção. Prof. Estudos experimentais são aqueles realizados com dois grupos: o de tratamento e o de controle. é algo dinâmico. feita para dar à equipe do programa informações úteis para melhorar o programa ainda quando este está em fase de implantação. A letra “B” é errada. A alternativa fala em “momento específico”. e) Avaliação somativa. sem interferência do pesquisador. Por exemplo. o que é algo estático. 13. objetivando avaliar os custos e benefícios de um programa na sua forma natural. Aqui temos os estudos de corte transversal. um modelo quase experimental em que os dados são coletados antes e depois da introdução do programa objetivando mensurar seus efeitos.pontodosconcursos. opiniões ou comportamentos de grupos ou subgrupos em um momento específico. c) Estudos de corte transversal. em valores monetários. d) Modelos de avaliação naturalista. Rafael Encinas www. exceto um: a questão que está sendo avaliada. a letra “A” pode ser questionada. acho equivocada afirmação de que apenas a questão que está sendo avaliada não é aleatória. pode-se citar: a) Modelos baseados em estudos experimentais que demandam a escolha aleatória de grupos em tantos fatores quanto possíveis. algo é analisado em diferentes momentos. A questão que está sendo avaliada não é experimental porque se refere justamente ao que o pesquisador quer descobrir. O pesquisador faz escolhas acerca de quais variáveis serão usadas na análise. ela é definida e não será escolhida aleatoriamente. a escolha das variáveis que serão analisadas também não é algo aleatório. A letra “A” é certa. Gabarito: D. A seleção dos grupos deve ocorrer de forma aleatória. Questão passível de recurso. não é possível colocar tudo na equação.ARTIGO – COMENTÁRIOS POLÍTICAS PÚBLICAS – CGU 2012 PROFESSOR: RAFAEL ENCINAS 8-B O aumento de exportações em relação à dívida representa a busca pelo desenvolvimento.br 14 . Porém. ou seja. num determinado momento do tempo. A questão que está sendo avaliada é essa.com. se ele analisa a influência da renda sobre a saúde. Assim. Assim. séries temporais correspondem a uma continuidade no tempo. aqui já estão duas variáveis que farão parte da análise. b) Estudos de séries temporais interrompidas. isso é. (ESAF/CGU/2012) Entre os modelos de avaliação de programas utilizados na análise de programas governamentais. único.

ou seja.pontodosconcursos. Gabarito: A. analise as proposições abaixo. 2. ajustando estatisticamente o valor da variável dependente em cada condição de tratamento. Fatores causais estranhos são normalmente rotulados de variáveis estranhas ou confusas. A letra “D” é errada. quando o grupo experimental é sistematicamente diferente da população ou do grupo de controle. A letra “E” é errada. pág. o corte transversal ocorre num momento específico. Pesquisa de Marketing. a avaliação naturalista é um “estudo que tem por objetivo uma generalização natural. 243) Considerando as ideias do texto acima. 3. A mortalidade experimental é uma forma de controle do efeito das variáveis estranhas na avaliação de políticas públicas. Quando ocorre a intervenção são feitas novas avaliações para verificar se houve alguma mudança. porque confundem a condição de tratamento. Uma das formas de manifestação das variáveis estranhas na avaliação de programas é decorrente do chamado viés de seleção. baseada na experiência do público-alvo”. (MCDANIEL. Carl e Roger GATES. Determinado grupo é analisado repetidamente sem a intervenção. a descrição é da série temporal interrompida. o avaliador estuda o projeto tal como acontece. Um fator estranho que incide sobre os experimentos realizados na avaliação de programas governamentais decorre de erros de medição ao longo do temProf.ARTIGO – COMENTÁRIOS POLÍTICAS PÚBLICAS – CGU 2012 PROFESSOR: RAFAEL ENCINAS A letra “C” é errada. sem confiná-lo. 4. (ESAF/CGU/2012) Fatores causais estranhos são variáveis que podem afetar a variável dependente e devem ser controlados de alguma maneira para estabelecer um retrato claro do efeito da variável manipulada sobre a variável dependente. Ao utilizar-se de uma abordagem naturalista. os grupos escolhidos para participar do experimento são fundamentalmente diferentes. Também conhecida como construtivista. Uma das maneiras de controlar o efeito de variáveis estranhas na avaliação de programas governamentais é o controle estatístico. manipulá-lo nem controlá-lo. 14. permitindo que a perda natural de unidades de teste compense as distorções causadas pela perda de unidades de observação.com. A avaliação somativa normalmente ocorre depois da implementação. levam em conta as diferentes perspectivas valorativas de seus membros. São Paulo:Thomson. A consistência das informações é corroborada por meio da triangulação ou da checagem de fontes conflitantes.br 15 . a descrição é da avaliação formativa. referentes ao efeito de variáveis estranhas na avaliação de programas governamentais: 1. Rafael Encinas www. tornando impossível determinar se as mudanças na variável dependente são devidas unicamente às condições de tratamento.

a participação do Estado na economia. A segunda afirmação foi dada como errada. a cultura política.br/books?id=7cYOAAAAQAAJ&printsec=frontcover&h l=pt-BR&source=gbs_atb#v=onepage&q&f=false). Existem diferentes variáveis nos estudos avaliativos: Variáveis dependentes: é a variável que o investigador pretende avaliar. os autores afirmam que: Statistical control procedures can account for extraneous causal factors if they can be identified and measured throughout the course of the experiment.google.pontodosconcursos. These procedures (e. Variáveis independentes: é a variável que integra um conjunto de fatores.br 16 . por isso não há resposta correta na questão. Rafael Encinas www.ARTIGO – COMENTÁRIOS POLÍTICAS PÚBLICAS – CGU 2012 PROFESSOR: RAFAEL ENCINAS po. Por exemplo.g. 4. analysis of covariance) can be used to adjust for the effects of a confounded variable on the dependent variable by statistically adjusting the value of the dependent variable within each treatment condition. 3.com. a corrupção a dependente. Estas são as variáveis estranhas. É correto o que se afirma em a) 1. etc. b) 1. 3. condições experimentais que são manipuladas e modificadas pelo investigador. a renda é a variável independente. se o examinador deseja verificar se a renda interfere na corrupção. e) 3. 2. e depende da variável independente. A primeira afirmação é certa. As afirmações corretas são a 1 e a 2. Outros fatores que podem influenciar a corrupção e que não são consideradas no estudo podem ser a religião. Na versão em inglês do livro citado no enunciado (http://books. que podem ser compensados pela aleatorização dos participantes entre os diferentes grupos que participam do experimento. c) 2. Variáveis estranhas: aquelas que não são consideradas no estudo e podem vir a afetar os resultados produzidos na variável dependente. 4.com. d) 2. Segundo os autores: Prof. mas está certa. Questão passível de recurso. 4.

mas é errada. Rafael Encinas www. (ESAF/CGU/2012) Sobre os avanços recentes na promoção da governança democrática e da participação social no Brasil. Exemplo: comparar grupos heterogêneos. O Wikipedia (http://pt. Segundo os autores: Mortality: loss of test units or subjects during the course of an experiment. antes mesmo de serem expostas a tratamento. pois não se pode garantir que as unidades perdidas responderiam da mesma maneira que aquelas que permaneceram. 15.br 17 . como os dez piores e os dez melhores vendedores da empresa.com. Gabarito: B. as informações podem ser erroneamente coletadas ou processadas. The problem is that those lost may be systematically different than those who stay. A mortalidade experimental é uma forma de ocorrer variáveis estranhas. e não uma forma de controle.ARTIGO – COMENTÁRIOS POLÍTICAS PÚBLICAS – CGU 2012 PROFESSOR: RAFAEL ENCINAS Selection Bias: the threat to validity of selection bias occurs in situations where the experimental or test group is systematically different from the population to which we would like to project the experimental results or from a control group to which we would like to compare results. pois mesmo com uma amostra adequada.wikipedia. Segundo o Wikipedia: Mortalidade de unidades de teste – perdas de unidades de teste durante a realização do experimento. A quarta afirmação é errada. tornando mais coerente e transparente a política tributária dos estados. podemos citar os seguintes: a) A integração e consolidação dos subsídios concedidos pelos estados e municípios.org/wiki/Experimenta%C3%A7%C3%A3o)traz que: Viés de seleção – ocorre quando são selecionadas unidades de teste com grandes diferenças entre si em relação à variável dependente. Prof.pontodosconcursos. não vejo erro nela. Podemos ver que a segunda afirmação é a tradução desse trecho. A aleatorização atua na seleção dos indivíduos. A terceira afirmação foi dada como certa. não irá solucionar problemas de medição. Segundo os autores: Measurement error occurs when there is a variation between the information being sought (true value) and the information obtained by the measurement process. A mortalidade confunde os resultados.

quando na realidade os conselhos nacionais já existiam há mais tempo. A letra “A” é errada. Segundo o art. Rafael Encinas www. na forma prevista em lei. Questão passível de recurso. numa tentativa de colocar em prática os preceitos da democracia participativa previstos na Constituição de 1988. e) A expansão no número e na atuação dos conselhos nacionais de políticas públicas ao longo dos últimos 10 anos. que são instrumentos da democracia participativa.pontodosconcursos. visto que os ocupantes de todos os cargos de direção no Poder Executivo são submetidos a processo seletivo amplo e transparente. a guerra fiscal ainda é um problema sério no Brasil. pelo menos uma tentativa. ressalvadas as nomeações para cargo em comissão declarado em lei de livre nomeação e exoneração.a investidura em cargo ou emprego público depende de aprovação prévia em concurso público de provas ou de provas e títulos. A letra “B” é errada.br 18 .ARTIGO – COMENTÁRIOS POLÍTICAS PÚBLICAS – CGU 2012 PROFESSOR: RAFAEL ENCINAS b) A ampliação do controle social sobre a política fiscal. Na segunda metade dos anos 90. em texto de 1998: Mais recentemente. A letra “E” foi dada como errada. pois. de acordo com a natureza e a complexidade do cargo ou emprego. o examinador pode ter considerado errada a expressão “na última década”. mas é claramente errada. A letra “D” foi dada como certa. c) O aperfeiçoamento nos mecanismos de prestação de contas pessoais dos parlamentares que estabeleceu um novo marco fundamental para a redução dos escândalos envolvendo o Poder Legislativo nos Estados e Municípios. já que na prática têm apresentado pouca efetividade. A letra “C” é errada. Segundo Sônia Draibe. por criação. visto que hoje mais de 2/3 dos investimentos públicos federais são decididos a partir de consultas à população mediante mecanismos de orçamento participativo. esse ritmo alcançou também o plano nacional e o topo das políticas sociais federais. reativação ou rotinização.com. Os cargos de direção ainda são preponderantemente cargos em comissão de livre nomeação. o que pressupõe que eles vinham sendo criados a partir dos anos 2000. depois da CF88 aumentou o número de conselhos de políticas públicas. não existe orçamento participativo na esfera federal. Porém. d) A maior profissionalização da burocracia federal. o sistema brasileiro de políticas sociais conta Prof. não existem mecanismos de prestação de contas pessoais dos parlamentares. em que estados e municípios concedem benefícios para as empresas instalarem-se em seus territórios. Numa primeira leitura. ela parece correta. deve-se alterar o gabarito para a letra “E”. 37 da CF88: II . Ainda estamos longe dessa integração.

O Conselho Nacional de Juventude (Conjuve) foi criado em 2005 pela Lei 11.br 19 . não está errado falar que houve expansão no número e na atuação dos conselhos nacionais de políticas públicas. no âmbito do Ministério do Desenvolvimento Agrário. Temos alguns: Conselho Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável (Condraf). isso não significa que não tenham sido criados novos conselhos nos últimos 10 anos.pontodosconcursos. Rafael Encinas www. Gabarito: D. Prof. que também instituiu a Secretaria Nacional de Juventude. pontos estratégicos do processo de formação das políticas e de tomada de decisões.ARTIGO – COMENTÁRIOS POLÍTICAS PÚBLICAS – CGU 2012 PROFESSOR: RAFAEL ENCINAS com aproximadamente 25 conselhos. localizados ou relacionados com o vértice das políticas setoriais e transversais. Porém. Portanto.129. criado em 2003.com. Conselho Nacional de Aquicultura e Pesca (Conape). órgão colegiado criado em 2003. vinculada à Secretaria-Geral da Presidência da República.