You are on page 1of 22

APOSTILA DE HISTÓRIA /RONDÔNIA

ARTES CAYARI www.artescayari.com.br Email: artescayari@artescayari.com.br

Artes Cayari

RO
Apostila de História da Cidade Porto Velho e seus principais monumentos históricos. Autor: Miriã Veiga.

Principais pontos turísticos do Centro Histórico de Porto Velho:

1. Estrada de ferro madeira Mamoré. 2. As Três Caixas D’água. 3. Marco das Coordenadas Geográficas. 4. Mercado Público de Porto Velho. 5. Catedral Sagrado Coração de Jesus. 6. Porto Velho Hotel. 7. Palácio presidente Getúlio Vargas. 8. Prédio da Administração da Estrada de Ferro Madeira Mamoré. 9. Praça Getúlio Vargas. 10. Monumento dos 100 Anos de Independência. 11. A Praça das Três Caixas D’água. 12. Casa de Cultura Ivan Marrocos

1

Madeira e Amazonas alcançasse o Pará. entre S. com vistas a um possível melhoramento”. para a organização da National Bolivian Navigation . via rios Chapare. pg. A 27 de agosto de 1868. a 1ª tentativa se deu na segunda metade do século XIX e a 2ª tentativa foi no início do século XX e de acordo com Catanhende (1950. “para examinarem os trechos obstruídos dos rios Madeira e Mamoré. pouco depois: seguido pelo engenheiro brasileiro João Martins da Silva Coutinho. Apesar dos estudos que fez para obter esses dados que enviou ao governo. mais uma vez esquecido o assunto. Começou pelo projeto de uma linha de navegação na parte oriental da nossa vizinha. pg.600 quilômetros. isto é. Mas somente ao longo do Rio Madeira. Mamoré. obtinha o Coronel George Earl Church. concessão do governo boliviano.?). o governo brasileiro comissionara o engenheiro alemão Franz Keller e seu filho. a primeira vez que se falou numa ferrovia para transpor os rios Madeira e Mamoré foi em 1861: idéia do General boliviano Quentin Quevedo. a República da Bolívia. dezenove cachoeiras e corredeiras! Em 1867. não optou Keller por um desses projetos e assim ficou deste lado. em um percurso de apenas 270 quilômetros (pelo traçado da linha férrea). num percurso calculado em 3. foram encontradas dezessete cachoeiras.2 Fonte: Artescayari 1. que partindo de Vinchuta. e entre o mesmo local e Guajará Mirim. 35). Antônio e os dois rios seus formadores: Beni e o Mamoré. Foram duas as tentativas de construção da Estrada de Ferro Madeira Mamoré. Estrada de Ferro Madeira Mamoré De acordo com Amizael Gomes da Silva (1984.

de Philadelphia. Ficou.752 de 28 de novembro de 1907. foi assinado novo contrato com a firma P.103. com os seus primeiros quilômetros de linha e todo o material depositado em Santo Antônio. fosse ter a Guajará Mirim. Regressou Church à Bolívia e a 7 de novembro de 1869. Essa firma passou mais tarde por modificação. foi cassada a concessão dada ao Coronel Church. caso se verificasse que essa solução seria mais prática que a construção do canal originariamente imaginado”. voltaram-se novamente as atenções para o estudo da região e consequentemente do restabelecimento dos trabalhos da estrada iniciada por P. Em 1882. inclusive novo artigo que permitia “ se construísse uma estrada de ferro contornando as corredeiras. amparado no Decreto Nº 6. não somente quanto a possibilidade de encurtar a distância entre os rios Madeira e Mamoré. corria sobre trilhos em pequena extensão. De espaço a espaço. Estipulava que “a empresa deveria chamar-se Madeira and Mamoré Railway” e concedida ao Coronel George Earl Church “direito exclusivo. 3 . no que se referia ao saneamento da região malsinada. já em entendimento direto com o Sr. viram-se obrigados a paralisar. ficando assim constituída May Jekill & Randolph. mas também. já autorizada a funcionar no Brasil. a sua vitoriosa arrancada. Em 1906. que se comprometia a levar avante a construção da via férrea. várias foram as tentativas para levar o bom termo senão a construção. Com prejuízos incalculáveis. assinava contrato com o Governo Federal. em completo abandono. houve desentendimentos em torno das concessões. e já em 1878. que gozava a triste fama de inabitável devido ao paludismo e outras endemias da zona por seres humanos. por Decreto Nº 6. de agosto do mesmo ano. “que tinha por objetivo canalizar as quedas do Madeira e do Mamoré e estabelecer nesses rios a navegação a vapor”. os capitalistas ali exigiam que a Bolívia garantisse os títulos a emitir pela empresa. & T. pois. Infelizmente. tais desentendimentos deram causa a questões forenses resolvidas em Londres. mas. para sempre. boliviana e brasileira. firma construtora norte americana. Como empreiteiros da estrada. P. a favor dos primeiros subscritores. como concessionário da estrada de ferro The Madeira Mamoré Railway Company. uma locomotiva. de construir. Farqhuar. & T. desde o início das negociações para obtenção de numerário indispensável a tal empreendimento. vinham comissões brasileiras fazer novos estudos. assumiram o compromisso dessa construção os Srs. somente a 25 de outubro de 1877. May & Jekill. o engenheiro Joaquim Catrambi.Company. partindo de Santo Antônio. introduziram-se algumas modificações na concessão original. Em conseqüência desse mau resultado. Entre 1870 e 1877. pagar e possuir” a dita estrada que. Viajou o Coronel Church para a Europa onde contava encontrar banqueiros que o suprissem do necessário recurso para uma tal empreitada. para a construção da estrada. Collins. Chefiando numerosa comissão veio o engenheiro Carlos Morsing. depois de um ano de insano trabalho. Collins. Collins. por cinqüenta anos. & T. E ficou a estrada.

em paralelo. quando a Bolívia pretendeu resguardar sua soberania. O brasileiro nordestino espalhavam-se por toda região ocupando os rios Acre e Abunã. que foi contratada pela Companhia Madeira – Mamoré Railway 4 . Jeckyll e Randolph. Em 1909 os construtores chegariam a Jacy Paraná e em 30 de outubro inaugurariam a estrada até o km 152. de trezentos e sessenta e seis quilômetros. A Estrada de ferro Madeira Mamoré tem 364 km de extensão e seu ponto inicial começa na cidade de Porto Velho. ?). Chama-se Ferrovia Madeira Mamoré. terminou por concordar em desistir das terras mediante a indenização de 2.366 contos de réis. pg. Estrada de Ferro Madeira – Mamoré. deixou a firma construtora. que surgiu com a construção da ferrovia e o ponto final fica no Município de Guajará-Mirim que também se originou com as obras da estrada de ferro. era um cenário desordenado. duas linhas metálicas.E em junho do mesmo ano (1907). Cinco anos depois. começa com a Estrada de Ferro Madeira Mamoré. cabia construir a Estrada de Ferro desde o porto de Santo Antonio no rio Madeira. A empresa responsável pela construção da ferrovia foi à empreiteira de New York: May. Quando Oswaldo Cruz visitou a Madeira Mamoré em 1910. Está transação abriu caminho à assinatura do Tratado de Petrópolis. pg. apesar de sua invejável posição geográfica. de ter interferência nos negócios da estrada. A sete de setembro de 1911 chegavam com as pontas dos trilhos ao km 306. May Jekill & Randolph. propriamente dita de Porto Velho. no Mamoré. Ao Brasil. a Bolívia não tinha recursos para explorar os seringais do Acre. sendo que os trens iam normalmente até Abunã e precariamente até Ribeirão. ligando o rio Mamoré ao Rio Madeira. tomando o impulso de desenvolvimento que a impele até hoje. No dia 30 de abril de 1912 o final no km 364 em Guajará-Mirim. Conseguindo cumprir o contrato. pois foi em conseqüência da sua construção que nasceu Porto Velho. região de Guajará-Mirim e acre e de acordo com Amizael Gomes da Silva (1984. estavam iniciados os trabalhos da construção da Estrada de Ferro Madeira Mamoré. pg19). informou que habitavam em Porto Velho aproximadamente 800 (oitocentos) habitantes e de acordo com Gomes da Silva (1984. até Guajará-Mirim. foi encurralada pela ação combativa do acreano e em função da boa amizade que mantinha com o Brasil. que passara a empresa contratante The Mamoré Railway Company. por que a ferrovia foi construída para transpor os trechos encachoeirados do Rio Madeira. Os historiadores por unanimidade consideram que a história. As obras de construção da Estrada de Ferro Madeira Mamoré terminaram em 30 de abril de 1912 e de acordo com Yêda Borzacov (2007. Foi construída para superar o trecho encachoeirado do rio Madeira (cerca de 380 km) e dar vazão a produção de borracha produzida na Bolívia. chegavam os trilhos ao ponto final de sua estrada: Guajará Mirim. 33). por isso. depois de terem deixado. frente à cachoeira três irmãos. a 30 de abril de 1912.

Como representação máxima da tecnologia e da civilização. Era um mega empresário e tinha ações de várias empresas no Brasil e tornou-se o principal administrador de recursos estrangeiros no país e de acordo com Domingues Teixeira (2003. 35). no mesmo ano. russos. Em meio à euforia da borracha. serrarias. bondes. Estudou engenharia mecânica na Universidade do Yale e direito na universidade Columbia. A legendária Madeira Mamoré. italianos.fundada em Portland – EUA. portugueses. alemães. Seus empreendimentos começaram a fracassar. mexicanos. A partir de 1904 montou um grande grupo de negócios no Brasil. suecos. húngaros e irlandeses. indianos. E de acordo com Domingues Teixeira (2003. inclusive de uma máquina largada em Santo Antônio e que fora posta a funcionar.500 homens: brasileiros. deveria ser um símbolo. no início da 1ª Grande Guerra Mundial e em 1917 perdeu a administração dos seus negócios. colombianos. que explorava o temor do controle da economia nacional pelo capital estrangeiro. ingleses. quando houve a paralisação do fluxo de capitais estrangeiros. contingentes de operários construíram um dos maiores marcos de modernidade na Amazônia. pg. pg136). para a região se deslocaram contingentes de trabalhadores. a recuperação do que sobrara do material deixado por P&T Collins. vitima da doença de Parkinson. Percival Farquhar faleceu em 1953. iluminação e energia elétrica. franceses. norte-americanos. gás. que tinha como presidente o empresário norte-americano Percival Farquhar. aos 89 anos. Pensilvânia e era descendente de umas das famílias mais ricas e prestigiadas da região. Iniciaram-se. espanhóis. Centenas de trabalhadores do Brasil e do mundo trabalharam nas obras de construção da popularmente conhecida como Ferrovia do Diabo e de acordo com Gomes da Silva (1984. Em 1909 acelerou-se a construção. Tal apetite empresarial impulsionou uma forte campanha nacionalista. Tornou-se empresário com vários empreendimentos ferroviários em seu país e na América central. frigoríficos e hotéis. Palco de um espetáculo audacioso e ao mesmo tempo trágico. por volta de 1912 o grupo Farquhar controlava. peruanos. Percival Farquhar foi um grande empresário norte-americano que nasceu em 19 de outubro de 1864 em York. A companhia contratou 4. bolivianos. ferrovias. fazendas de gado. em todo o Brasil. a Baldwin. 5 . Entre todos os seus negócios o mais arriscado e polêmico foi à construção da Estrada de Ferro Madeira Mamoré.. antilhanos. belgas. companhias que exploravam concessões de portos. novos núcleos de colonização e produção. ela deveria estabelecer e viabilizar as práticas do capitalismo nos ermos do extremo sertão oeste. que organizaram ao longo do eixo da ferrovia. enfrentando as diversidades ambientais típicas das florestas equatoriais. e a empresa era representada no Brasil por Alexandre Mackenzie. cubanos.. pg. 142). que interligava os trechos encachoeirados do Madeira ao Mamoré. em pleno mundo encharcado da Amazônia.

para fins turísticos. Oswaldo Cruz redigiu relatório.344. se merecem este nome vielas esburacadas que cortam a infeliz povoação” (relatório datado de 06 de setembro de 1910). grandes sanitaristas brasileiros. em 05 de maio de 1981. uma intensa mobilização reuniu a comunidade e o Governo de Rondônia para impedir que uma licitação levasse todo o patrimônio da Estrada de Ferro Madeira Mamoré a ser vendido como sucata. 6 . que: “A região do alto-Madeira chegou a ser tida como a mais doentia do mundo”.os trilhos da E. que em suas obras vieram trabalhar. Oswaldo Cruz e Belizário penna estiveram ali. passando-a ao controle do governo brasileiro e sendo nomeado seu primeiro superintendente o Tenente Aluízio Pinheiro Ferreira. a partir de 1912. beribéri. e de lesa-pátria.Mamoré arrendou a ferrovia em 1909. sugerindo a adoção de medidas profiláticas individuais e regionais. página 60. desinteria.000 homens. A Madeira . de 1907 a 1912. porque transformará em zona inabitável um dos mais ricos sítios do mundo! A vila não tem esgoto nem água canalizada. Diante da crise da borracha a ferrovia não teve um desempenho econômico à altura de tantos esforços. inutilizadas por dia.200. Em 1979. A desvalorização da borracha no mercado internacional. provocaram a desarticulação da estrutura econômica montada pelos ingleses. e este arrendamento seria por 60 anos. um médico apontou falta de cuidados da construtora para atenuar a situação sanitária. pelo decreto lei nº. 20. O lixo e todos os produtos de vida vegetativa são atirados às ruas. por exemplo: o Impaludismo (Malária). que ligava Porto Velho a Santo Antônio no Rio Madeira. No dia 10 de julho de 1972 a estrada de ferro foi desativada. Vitor Hugo afirma em Os Desbravadores. a serem tomadas obrigatoriamente. pelo decreto nº 7. “A procrastinação das medidas será um crime de lesa-humanidade permitindo maiores sacrifícios que os de hoje: uma vida e talvez dez.M. nem iluminação de qualquer natureza. culminando com o abandono da ferrovia e sua conseqüente nacionalização em 10 de julho de 1931. Um dos grandes obstáculos para a construção da ferrovia foi às terríveis doenças tropicais que assolavam a região e que faziam centenas de vítimas como.F. foi reativado pelo governador Jorge Teixeira de Oliveira o primeiro trecho de 7 km. 2º Volume. pneumonia e de acordo com Gomes da Silva (1984. protegendo e preservando desta maneira a Memória Histórica da Madeira Mamoré. pg. Teriam vindo para trabalhar para a companhia construtora aproximadamente: 22. 36). de 25 de fevereiro de 1909. Assim. a concorrência da borracha da Malásia e outros fatores. depois de 60 anos de existência. O governo de Rondônia assumiu o compromisso de reativar um trecho de 25 Km da ferrovia. M repousaram sobre as vidas de milhares de operários. na medida das possibilidades.

de despacho. coberto com telhas de barro tipo francesa. 7 Fonte: Artescayari 1. E na época de seu funcionamento para a ferrovia possuiu os seguintes setores: de vendas de passagens. sobre estrutura de madeira. iguais.0 A estação de Porto velho! Foi inaugurada no ano de 1912 e é um prédio em alvenaria de tijolos. ligando Santo Antônio à vila de Teotônio. as tintas que cobriam os tijolos foram raspadas com jato de areia. pg. O Museu foi transferido para o armazém número 2. E o prédio da estação foi destinado para a administração da reativação da Estrada de Ferro Madeira Mamoré. e um guindaste a vapor. 04 vagões de passageiros e duas plataformas de carga. perfis . servindo também de estação para o trem turístico. Em 1981. voltando. medindo 50 m x 20m. restaurado para tal fim. com janela de vidros. uma de origem alemã e outra americana. a originalidade e a beleza. após a obedecer pauta de desativação da ferrovia seusa tijolos foram pintados inúmeras vezes.52). piso de cimento. em estrutura metálica. pg. forrada com madeira. e desembarque e o de comunicação e de acordo com Pinheiro Borzacov (2004. embarque. cobrindo toda a sua beleza.48). repousando em colunas de trilhos. medindo 21 m x 19m. Além da vila férrea foram restauradas duas locomotivas.O segundo trecho foi reativado no dia 10 de julho de 1982. e durante um certo período a antiga estação foi Museus Ferroviário. dois armazéns de carga de números 1 e 2. durante trabalhos de restauração dos 7 Km de ferrovia. foram erguidos a margem direita do rio Madeira. São dois os armazéns de carga da Madeira Mamoré que de acordo com Pinheiro Borzacov (2004. com varanda em toda volta. completando os 25 Km previstos inicialmente.

caucho. Por ocasião da II Guerra Mundial. homens de fibra cultivavam um grande ideal na vida: Trabalhar na reativação total da ferrovia. No período de 1980 a 1999. a armazém número 2 serviu de oficina para serviços de manutenção e restauração da Estrada de Ferro Madeira –Mamoré e seus operários.00 litros de água . quase todos remanescentes da extinta ferrovia. senso elas três tanques de formas cilíndricas. Cada tanque está elevado do chão por quatro colunas de ferro feitas em treliça sobre fundação de concreto e cada uma possui capacidade para 200. e outros produtos da região. principalmente borracha. telhas de zinco como elemento de vedação da cobertura e paredes. O primeiro a ser construído data de 1912. Foram projetadas e construídas pela empresa Chicago Bridge e Iron Works. servindo na época como armazéns alfandegário. Esses armazéns recebiam todo tipo de carga. a primeira a ser feita foi o reservatório central e as outras duas foram construídas em 1912. castanha. bem como produtos industrializados procedentes do sul do Brasil e de países estrangeiros que eram transportados. sob administração da Railway Company. batata. cobertos com chapas de metal e de forma cônica e a base em formato côncavo. E o segundo foi construído em 1943. 8 2. piso de concreto.laminados. As três caixas d’água (1910) Fonte: ArtesCayari A construção das três caixas d’águas teve início em 1910.

15 m. quando foi desativada. ao se instalar em 1907. Jackyll e Randolph.90m X0. serviu para localizar geograficamente a cidade de porto velho. portanto. . como também. Marco das coordenadas geográficas (1911) 9 Fonte:Artescayari A companhia construtora May. altura máxima de 1. 3. a localização das coordenadas geográficas da cidade de Porto Velho. O marco uma edificação de bloco de concreto. Em 1911 foi erguida uma edificação no aludido ponto. possui as seguintes medidas de base: 0. necessitava para iniciar seus trabalhos um ponto referencial para locar e dar início as obras de construção da EFMM. Foi fundamental para a construção da Estrada de Ferro. marco tombado historicamente pela constituição do Estado de Rondônia.70m.Foi construída para abastecer a Estrada de Ferro e a cidade de Porto Velho até o ano de 1957. e placa indicativa confeccionada em bronze.

Pedro Renda.4. Mercado Público de Porto Velho – Mercado Cultural 10 Fonte: ArtesCayari A origem da construção do mercado público coincide com a instalação do município de Porto Velho. . em 24 de janeiro de 1915. o primeiro pavilhão foi construído pelo lusitano. A concepção arquitetônica do prédio de acordo com Yêda Bozarcov (2007. Possue quatro portais e atualmente é o mercado cultural que recentemente foi inaugurado pela prefeitura de Porto velho. pg108). As obras foram iniciadas. Foi construído para resolver o abastecimento de alimentos. lembra o estilo “ Art-decort” da primeira metade do século XX.

foi organizada uma comissão central que desde logo dedicou uma carinhosa atividade para a igreja projetada. Em 1940. o administrado apostólico Mons. E em 06 de outubro de 1946. o mestre de obras chamava-se José Ribeiro de Souza Júnior. constituíndo-se. recomendava que a construção. Durante todo este período a catedral passou por várias obras. Era uma construção sólida. Dom João Batista Costa. as dimensões e linhas arquitetônicas. Pedro Massa. salesiano. em um monumento de arte. Foi construída para ser a igreja matriz de Porto Velho segundo Vito Hugo (1991. o artista ebanista. pg 19). João Irineo Joffily. português. conduzindo a igreja até 1982. foi nomeado o primeiro bispo prelado de Porto Velho. O projeto era do engenherio Francisco Alves Erse. obedecessem a um plano relativo a importância que o templo ia assumir. De longe.5. com os direitos e prerrogativas de catedral. Suas obras de construção tiveram início uma década depois no dia 26 de setembro de 1927 com o padre João Nicoletti. Catedral sagrado coração de jesus 11 Fonte: ArtesCayari Sua pedra fundamental foi lançada no dia 3 de maio de 1917 com Missa Campal realizada pelo Bispo Diocesano D. Pedro Renda. retangular. ainda hoje. tendo as mesmas a expessura de meio metro. A construção estendeu-se numa área total de 200 m². . A fachada era imponente. decorou o teto em madeira esculpida e pintada estilo cassettone. E atualmente o bispo de Porto Velho é o padre Dom Moacyr Grechi Arcebispo Metropolitano desde de 10 de junho de 1998. com paredes em alvenária.

Pedro II. e têm também 04 grandes colunas. Srº. Lamentável a úmida acabou com alguns deles. 2. ampliou o prebistério (1955). pintou vários afrescos. em frente à prefeitura de Porto Velho. 7.5. Aluízio Ferreira e Família. D. bem na fachada da igreja. 11. Srº. salesiano. Srº. D. têm duas grandes portas laterais. 12 . Assim . 13. alguns diretamente nas paredes inferiores. Srº. escritório. Antônio Santo. 8. têm também grande relógio que funciona a energia elétrica. Obs: os nomes dos doadores de muitos vitrais já foi apagado pelo tempo dos mesmos. com pinturas em suas paredes. Srº. um toque de arte. Armandola e Filhos. 12. 01 museu. Joaquim Rocha e Família. 6.1 A arte na Catedral de Porto Velho O estilo da catedral é definido como: Clássico Românico Colonial. Dona Claudine Bichara. a porta principal. 3. e duas menores. 4. Humberto Coreia e Esposa. 10. existe também na igreja 26 grandes vitrais. Teodorino Dias e Família. 5. o templo recebeu pelas mãos dos padres Ângelo Cerri e Francisco Pucci. Zero Ferreira e Família. levantou a abóbada. 9. Pedro Massa. Tufic Matny e Família. Srº. Srº. Júlio Cantuaria e Família. e detalhadamente dentro da catedral está escrito entre 12 grandes colunas os dez mandamentos. artísta plástico. A catedral fica localizada na rua D. a igreja tem duas torres decoradas com lajotas azuis. D. Antônio Raposo e Família. que foram doados pelas seguintes famílias e pessoas: 1. mas apenas em umas das torres têm um sino. Srº. José Martins. O pimeiro. Srº. Argentino.

Hotel Brasil. E na época o porto Velho Hotel foi inaugurado dia 29 de janeiro de 1953. Leonardo Ramos de Carvalho. A supervisão era responsabilidade do diretor da divisão de obras. O autor do projeto foi o arquiteto Leongrin de Vasconcelos Chaves.6. sendo concluída as obras quatro anos depois. sendo denominado palácio das secretárias.UNIR. Em 1979 passou a sediar algumas secretarias do governo.de –riga . Seu tombamento ocorreu no dia 29 de dezembro de 1988. Atualmente no prédio funciona a Reitoria da Universidade Federal de Rondônia. Foi construído para substituir o casarão de pinho. no governo de Jesus Bulamarque. na gestão de Joaquim de Araújo Lima então governador do Território Federal do Guaporé. do Rio de Janeiro e a Construção foi iniciada por empreitada pela empresa Belmiro Galloti. que durante mais de 40 anos representou a única opção de hospedagem da cidade. Edificado em estilo que lembra a arquitetura Moderna do Neo-clássico da décadad de 40 do século passado. . auxiliado pela engenheio carlos sale Vieira. além de salões e diversos serviços. Porto Velho Hotel 13 Fonte: ArtesCayari A construção do prédio iniciou-se em 1948. O hotel tinha trinta quartos e 20 apartamentos. às 10h30 da manhã.

A cor original do prédio era uma cor rosa puxada para o salmon.7. lembrando o estilo Neoclássico de efeitos graciosos. uma escada com duas ramificçoes que dão acesso ao salão onde estão expostos fotos dos governadores do antigo território Federal do Guaporé. as quais pode se denominar de eruditas. com linhas sóbrias e elegantes. Palácio Presidente Getúlio Vargas 14 Fonte: ArtesCayari A pedra fundamental do então futuro Palácio do Governo foi Lançada em 13 de setebro de 1948. Foi projetado pelo engenherio civil e arquiteto José Otino de Freitas. O período de construção doi de 1948 a 1953 Foi criado para ser a sede do governo do território Federal do Guaporé. pelo então governador do Território Federal do Guaporé. envidencia-se em sua fachada principal. criado em 13 de setembro de 1943 pelo Presidente Getúlio Vargas. Engenheiro Joaquim Araújo Lima. . A construção ficou sob a responsabilidade da empresa do engenheiro civil Belmino Galloti a mão-de-obra e os materiais para a construção do palácio vieram da cidade de Manaus. de Ronônia e do estado de Rondônia.

Encontra-se logo na entrada do palácio os Bustos esculpidos em Bromze do presidente Getúlio Vargas e o Presidente João Batipsta Figueiredo. 15 Busto de Getúlio Vargas Busto de João Batipsta Figueiredo Fonte: ArtesCayari .

Prédio da Administração da Estrada de Ferro Madeira Mamoré 16 Fonte: ArtesCayari As obras do prédio iniciaram-se antes da criação do Território Federal do Guaporé no início de 1943. tem um estilo Moderno da primeira metade do século XX. Foi criado para ser a sede administrativa da Estrada de Ferro Madeira Mamoré. mas por falta de verbas a construção ficou parada tendo autorização para ser reiniciada no dia 12 de novembro de 1948 e Foi inaugurado no dia 15 de janeiro de 1950 às 11h da manhã. fiscalização era de responsabilidade da divisão de obras sendo responsável Leonardo Ramos de Carvalho. A construtora responsável foi a do Engenheiro Civil Belmiro Gallotti.8. pelo então governador do Território Federal do Guaporé Joaquim de Araújo Lima. .

Monumento de Comemoração dos 100 anos da independência do Brasil 17 O monumento de comemoração dos 100 anos de independência do Brasil. foi construído antes da Praça Getúlio Vargas e foi criado em 07 de setembro de 1922. o lusitano José Ribeiro de Souza.9. sendo o mestre de obras. a planta arquitetônica do monumento foi de autoria do Engenheiro militar Alencar da Costa. possui uma fonte e como já citado acima o marco de independência. a praça localiza-se em frente do palácio do governo e testemunhou vários momentos cívicos e políticos. . A praça Getúlio Vargas foi criada na década de 50. tais como: abertura da Semana da Pátria a Instalação do Estado de Rondônia no dia 04 de Janeiro de 1982.

10. Foi construído pelo prefeito de Porto Velho o Engenheiro Francisco Lopes Paiva. E foi construída para valorizar as três caixas d’água. No início ficou conhecida como praça sem bancos pois sua única atração eram as Caixas D’água. os Castiel e os Gorayeb. pois sete casas civis teriam que ser demolidas: as casas dos Melo e Silva. símbolos da cidade de Porto Velho. Recentemente a praça passou por uma grande reforma feita pela prefeitura de Porto Velho é hoje uma das praças mais bonitas da capital. A Praça das Três Caixas D’água 18 Fonte: Artescayari Foi criada no ano de 1980. . os Godim. os Nóbrega. os Pinheiros. houve muitos entraves para a construção desta praça. os Otinos de Freitas.

discutiria o problema central da arte. o nome da casa de cultura foi alterado para Casa de Cultura Ivan Sobral Marrocos Filho. Pelo Decreto Lei nº 626. lei de autoria do Deputado Heitor Costa e Sancionada pelo então governador do estado Valdir Raup de Matos. Ivan Marrocos Morreu vítima de um Derrame Cerebral em 13 de abril de 1995. em homenagem ao maestro e um dos maiores compositores brasileiros. nasceu na Cidade de Manaus em 23 de dezembro de 1953. de 23 de outubro de 1995. a questão da autoria e do sujeito artístico. com o nome de Espaço Cultural de Artes Plásticas Antônio Carlos Brasileiro de Almeida Jobin. a realização de oficinas que além de propiciar o aprimoramento das técnicas. com a instalação de galeria e para sustentar-lhe a continuidade e a identidade adquiridas. curso seu estudo primário e Ginasial no Colégio Dom Bosco. cursou Direito na Faculdade de Ciências Humanas e letras de Rondônia – FARO. tinha sete Irmãos. CONCLUINDO O CURSO EM 1994.652 de 30 de dezembro de 1994 e foi construído criado pelo governador do Estado de Rondônia senhor Oswaldo Piana pelo Decreto Lei nº. Um dos seus principais objetivos era atender o mercado de arte. Casa de Cultura Ivan Marrocos 19 Fonte: Artescayari Foi criado pelo decreto nº 6. Ivan Sobral Marrocos Filho. . 6652 de 30 de dezembro de 1994. filho de Ivan Sobral Marrocos e Iracema Monteiro de Brito.11.

2005. Série História e Cultura de Rondônia. Banco do Estado de Rondônia – BERON. Achegas para a História de Porto Velho. 2ª Edição. Academia de Letras de Rondônia.REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS HUGO. Secretária Municipal de Educação – SEDUC. Compêndio da História e Cultura de Rondônia. Instituto Histórico e Geográfico de Rondônia. 85p. Academia de Letras de Rondônia. Manoel Rodrigues. 2001. Edição: FURNAS. 77 e 116 p. 1ª Edição. Cartilha: Catedral Sagrado Coração de Jesus. Amigos da Madeira Mamoré. 1ª Edição. 2002. FERREIRA. Vitor. Volume II e III. 1950. 1ª edição. Instituto de Pesquisa e Estudos Drº. 1ª Edição. 4ª Edição. 125 p. Rondônia Cabocla. Instituto Histórico e Geográfico de Rondônia.RO. 2ª Edição. Manoel Rodrigues. 2004. 1ª Edição. 2004. Ary Pinheiro. Academia de Letras. 2002. 1961.RO. Instituto Histórico e Geográfico de Rondônia. BORZACV. 1ª Edição. Porto Velho. 1984. Ary Pinheiro. Impresso por: Rondonforms Indústria gráfica. 2007. 457p. FERREIRA. Abg Editora. Divulgado em Porto Velho em Julho de 1992. CANTANHENDE. 232 p. Porto Velho. Uma História em Fotografias. Porto Velho. Porto Velho. Porto Velho – RO. 2ª Edição. 1ª Edição. São Paulo. A Ferrovia do Diabo.RO. Desbravadores. Viver Amazônico. Vitor. 2º Volume. 42 p. Porto Velho-RO. Madeira Mamoré: do Gênio Humano ao Abandono. Antonio Ocampo. BORZACV. 269 p. Editora: Grafiel.RO. Fundação Cultural do Estado de Rondônia – FUNCER. Porto Velho: 100 Anos de História 1907 -2007. PINHEIRO. Porto Velho. Impresso por: oficinas Gráficas Biblos e editora. Esron Penha de. 20 .Cartilha do Governo. MENEZES. Nas Selvas Amazônicas. Cinqüenta Anos do Território Federal do Guaporé. Editora: Grafiel Gráfica. Ex-aluno Luiz Malheiros Tourinho. 1ª Edição. Yêda Pinheiro.389 p. Yêda Pinheiro. Porto Velho/Rondônia. Porto Velho. Yêda Pinheiro. 349 p. HUGO. Amizael Gomes da Silva. Editora: Primor. Cartilha: Ex-alunos Salesianos em Rondônia. BORZACV. 1990.129 p. BORZACV. FERNANDES. Antonio. 1995. Fundação Cultural do Estado de Rondônia – FUNCER.149 p.1943/1953. 1994. Estrada de Ferro Madeira – Mamoré. 258p. 1991. SILVA. Ary Tupinambá Penna. No Rastro dos Pioneiros: Um Pouco da História Rondoniana. Retalhos para a História de Rondônia.

TEIXEIRA.Ze Katraca. 4ª Edição. Matéria de Silvio M.br. Secretaria de Cultural. Porto Velho-RO. Arquivo do IBGE. Teixeira e Dante Ribeiro da Fonseca. 2003.com. Editora Rondoniana. Marco Antonio Domingues. 232 pg. História: As Quatro Portas do Mercado Municipal. Jornal Diário da Amazônia do dia 21/05/2004. Jornal Diário da Amazônia do dia 03 e 04 de Novembro de 2007. Centro de Documentação Histórico de Rondônia .br. Sites para Pesquisa: HTTP://www. Marco Antônio D.com.CDRH.ronet. História Regional: Rondônia. Santos sobre a Semana do Museu. 21 . HTTP://www.gentedeopinião. Esporte e lazer de Rondônia – SECEL Secretaria de Turismo de Rondônia – SETUR.

Related Interests