You are on page 1of 4

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO

Jordana Aparecida Alvaro Braz Letras-Vespertino Introdução aos estudos clássicos II Profº Markus Lasch

Análise do conto "Réquiem para um solitário" do livro Contos e novelas reunidas de Samuel Rawet.

Nota sobre o Autor: Polonês nascido em 1929, Samuel Rawet veio ainda criança para o Brasil e cresceu pelas ruas do Rio de Janeiro, ruas essas responsáveis por lhe ensinar o português, a nova língua. Formou-se em engenharia e participous da equipe de Oscar Niermeyer na construção de Brasília, sua cidade escolhida para morar a partir de 1963. Em 1977, rompe com sua origem judáica, um dos motivos que lhe causava conflitos de identidade. De natureza solitária, Samuel preferiu isolar-se na cidade de sobradinho onde falece no ano de 1984. O Contos do Imigrante teve sua primeira edição publicada em 1956, também ano de lançamento Grande sertão: veredas de Guimarães Rosa, por isso, o ano é considerado um divisor de águas para a literatura brasileira. Conflitos dilacerais e experiências indagam em sua obra de como é ser imigrante judeu nos anos 50: um europeu agora suburbano, proletário que está vivenciando uma nova cultura.

Resumo do conto: O conto traz uma família imigrante cujo o homem da família possui sentimentos incertos diante da realidade. Em uma noite, o homem da família tenta assimilar a nova realidade com os planos traçados antes da chegada à América, há alguns anos. Ele não dorme, vê

elementos da cidade e motivos para aquele sentimento. Morador de uma cidade. como se a presença deles eram a certeza que os tempos eram outros. pai e marido. imigrante. O eu narrativo de Rawet é transferido de um personagem para o outro. poderia não estar tudo em equilibrio mas havia uma força. causa o estranhamento. com sobrepeso adquirido ao longo dos anos. os elementos boêmios suburbano interagem com suas angústias que não estão organizadas dentro dele. mas ele não consegue exprimir. O tempo histórico abala o tempo psicológico do protagonista. O protagonista (o homem) possui uma grande profundidade psicológica. O conto parece ser narrado no presente e traz à memória do personagem a seus pensamentos e experiências passados. estranho à alguns costumes e que viveu em metrópoles brasileiras. Suas angústias e incertezas representam bem sua incapacitade de mudar o estado das coisas e sua ação de manter-se quieto.os filhos e a esposa de maneira crua. traz a paz em plena tempestade. Análise do conto: Os personagens do conto são o homem. muito próxima à inocência. Os filhos crescidos. O tempo gramatical parece ser sempre o pretérito imperfeito além de o narrador ser onisciente porém externo. possuia a vantagem de estar protegido de alguma forma pela cultura e sua tradição. o presente que por vezes tem os pés fixos no passado e que quando encarado de frente. a situação atual da família tem causas e consequências que estão muito além dele e de sua origem. pois a realidade é assustadora: um imigrante que veio para a América com o sonho de prosperar mas amarga a sensação de instalar-se na cidade que está em desenvolvimento. sua postura difere-se do marido pois para ela. caminha para a cama solitário e dorme. a esposa e os filhos que assumem fisicamente a nova realidade para o homem. que a mantinha tranquila. judeu e seu temperamente demontra sua sensação de deslocamento com o ambiente. As transições são marcadas. cansado fisicamente e mentalmente pelo trabalho e pelas incertezas da nova ordem. A mulher tenta saber o que lhe causara a insônia. Samuel Rawet. a nova ordem aplicada. era imigrante. No novo país tudo soa diferente. A esposa. acordado em plena madrugada representa isso. sai de sua condição de trabalhador europeu para trabalhador de um país de terceiro mundo com um agravante maior: em sua condição de trabalhador europeu no país de origem. que demostra estar desiludido. como se soubesse a causa do sentimento mas não o entendesse. de barba e um com "dezesseis anos minguavam em feições de vinte". Os anos vividos no novo continente degradaram todas as expectativas vindas com o imigrante. Logo. Algo o incomoda mas é dificil entender o por que e tem intantes em que ele traz em si as recordações de sua vida antes da América. representam o novo. sem uma explicitação do efeito. como em um sonho ou numa vertigem. é muito complexo. Reflete sobre o o que sua esposa fala sobre Deus. . O autor do conto. os filhos já estão crescidos e a mulher com sobrepeso.

até convertê-la em algo enigmático e obscuro. tinha apenas como amigos seus ideiais. 2004. ou a superposição das vezes em que normalmente se viam desse uma visão errônea da realidade" (RAWET. p. por uma frase ou imagem recorrente que serve como ponto de referência para o leitor. como que se sozinho. em que a psique associa signos que aparentemente não apresentam relação alguma. a aparente estrutura da família ficaria ainda mais frágil. uma ambiguidade dificil de lidar quando dentro de si a origem e o novo convivem na prática. sua origem. O título Réquiem para um solitário sugere. Nunca o havia feito de tal jeito. Rawet escreveu sobre uma nova realidade. como um "gringo" reage com a vasta realidade mundana brasileira. A instrospecção do momento exige que seja um local solitário.. Por ter vivenciado as experiências. o escritor julga importante registrar este ponto de vista sobre determinado evento. A imagem que dele tinha era a de anos. significando que. referindo com a contradição da origem com a nova cultura imposta. ao meu ver.[.quando muito. De relance. e em sua inércia pouco ou nada viu transformar-se. Deslocado dentro de uma sociedade.. No conto analisado. era o homem da casa que tinha o controle da estabilidade material e dava a força sagaz sentimentalmente. já que como uma família tradicional. de frente.". mantinha ainda a pureza e parte dos sonhos que ele um dia nutriu. possuindo como base sólida. Rawet não era carioca e embora judeu e europeu de sangue. "O filho olhou-o. a morte dos sonhos de alguém que em terras estranhas. preferiu o isolamento em seu mundo.47-48) Como num sonho.] Também a ele o rosto do velho não lembravao mesmo modo.92) O espaço onde ocorre a narrativa é fechado. ele pudesse sanar sua fraqueza sem alardar a família. A palavra réquiem significa "uma cerimônia religiosa cristã especialmente composta para um funeral. no caso acredito que religiosa. percebo o personagem com o mesmo problema mas convivendo ainda com sua tradição: dentro de . Muito parecido com o que Primo Levi (1919-1987) fez em sua literatura (ele também era judeu). A nova realidade não o permitiu mais ser o sonhador que atravessou o oceano. percebeu que o desconhecia por completo. ora no escritório ora parte de um quarto. Os filhos possuem a nova cultura mais absorvida pois cresceram em contato com ela em período de formação de caráter. onde a narrativa deixa a história enigmaticamente visível: " Kafka conta com clareza e simplicidade a história secreta e narra sigilosamente a história visível. não conviveu plenamente com essa origem. Era como se pela primeira vez descobrissem um no outro traços desconhecidos. o ambiente demonstra ser o da casa da família. como que seus princípios tivessem como dever desprender-se do que foi ensinado ao longo da vida dentro de suas crenças. Se ele assumisse sua insegurança. contradizeram alguns princípios de sua tradição. Essa inversão funda o " Kafkiano"" ( PIGLIA. pp. no caso. Uma comparação inusitada e que se aplica no conto de Rawet é o " Kafkianismo" presente. para que o proteja de qualquer interferência externa à seu corpo. o título sugere o inicio do fim de uma crença. em cômodos. a esposa em sua posição de mulher em uma sociedade ainda patriarcal. o suburbio é marginal e crenças são cândidas e moralizantes. O convívio com a nova cultura ao longo dos anos. Embora desde criança vive-se no Brasil e tivesse como referência a vida suburbana carioca.

um modo de reinventar o que é comum a todos nascidos em uma mesma pátria. pois ele não consegue ser parte de uma estrutura que ele julgava ter o controle. VAITSMAN. Conclusão da análise: Como citado. São Paulo: Companhia Das Letras. pp.blogspot. "Formas Breves". 2004. . Samuel Rawet. o homem da família. O Brasil sendo um país católico mas que absorveu a crença de outras culturas.com/2008/10/samuel-rawet-de-meninoimigrante. Samuel. Ricardo. pois adquire uma identidade que se opõe a sua origem. carioca e do suburbio mas que por vezes essa situação o aflinge.46-52. Ser imigrante representa manter-se integro á sua origem porém absorver a nova cultura. Acredito que não é errôneo pensar em literatura de testemunho ao ler o conto da análise. a insegurança de que tudo que ele construiu como base de uma família parece ter sido em vão. Heliete.html Acesso em 20 de dezembro de 2010. Referências bibilogáficas: PIGLIA. a esposa trazia consigo o arcaico. Disponível em <>http://museujudaicorj. marginaliza gostos e preferências adquiradas perante a origem judaica. Rio de Janeiro: Civilização Brasielira. o erudito suburbano de escrita extremada.sua casa. o Contos do imigrante traz algo novo para a literatura brasileira: a visão de um estrangeiro para a realidade nacional. pois é visível que trata de uma experiência real. 2004. mesmo que o narrador não esteja em primeira pessoa. RAWET." Contos e novelas reunidos". Mas de uma maneira diferente: um estrangeiro que vivencia a realidade como um brasileiro. pp. já os filhos representavam sua origem agregada a cultura do novo país e ele com ele.89-93.