You are on page 1of 19

Indicadores de Enfermagem: Importância e Aplicação na Gestão da Assistência

Elisa A A Reis
Gerência de Qualidade – Hospital Albert Einstein
Reis E, Indicadores de Enfermagem: Importância e Aplicação na Gestão da Assistência

Coordenadoras dos Grupos de Indicadores de Enfermagem
Carla Patricia A C Denser Fátima Silvana Furtado Gerolin Gercina Rodrigues Ferreira Ivany Aparecida Nunes Luzia Helena Vizona Ferrero Márcia Utimura Amino Rosana Pellicia Pires

os valores e a visão da organização de Fundamenta as ações Gestão Explicita os valores fundamentais Permite o estabelecimento de objetivos presentes e futuros Direciona o replanejamento das ações diante de um novo contexto A filosofia e a cultura de uma organização são fatores condutores de um sistema organizacional Filosofia Do Hospital Modelo Assistencial Modelo de Educação e .Modelo de Gestão Clareza de Papéis + Autoridades e Responsabilidades + Perfil Competências Modelo Profissionais Assistencial + Prática baseada em evidências + Indicadores de estrutura. processo e resultado Filosofia Do Hospital Modelo de Educação e Pesquisa Sistema de Enfermagem Modelo Comunica a missão.

utilização e controle de recursos Modelo materiais. médicos e outros profissionais de saúde) Evidenciar a filosofia e a cultura da organização Garantir a qualidade do cuidado e de práticas seguras ao paciente Otimizar a escolha e alocação dos recursos humanos Modelo de Educação e .Disponibilidade de recursos. Demanda de pacientes. financeiros Assistencial e humanos Pilar para a segurança do paciente Principal meio de implementação da assistência planejada Modelo de Educação e Pesquisa Sistema de Enfermagem Modelo de Gestão Filosofia Do Hospital Modelo Assistencial Organizar a prestação do cuidado de acordo com:(Complexidade dos pacientes. tecnológicos.Modelo de Gestão Filosofia Do Hospital Necessidade de planejamento. Resultados esperados.

1992) . (Donabedian.2003) Melhor cuidado é o que maximiza o bem-estar do paciente. levando em conta o balanço de ganhos e perdas esperados que acompanham o processo do cuidado em todas as etapas.Modelo de desempenho Gestão O nível dedeterminantesde cada profissional é uma das principais do sucesso de uma empresa de serviços Fornecer e triar as informações criticas para segurança na realização do trabalho e com impacto no resultado Garantir a uniformidade de aquisição de conhecimentos e habilidades Transferência de conhecimento para mudança de comportamento Melhoria contínua acontece fundamentalmente por meio de educação e pesquisa Reconhecer e desenvolver talentos Filosofia Do Hospital Modelo Assistencial Modelo de Educação e Pesquisa Qualidade em Saúde Promover qualidade em saúde é uma responsabilidade dos profissionais e uma expectativa dos pacientes (Duffy.

validados e calibrados Indicadores são variáveis que medem quantitativamente as variações no comportamento dos critérios de qualidade anteriormente estabelecidos. em critérios operacionais.Importância dos Indicadores de Enfermagem Para avaliar a qualidade da assistência é necessário traduzir os conceitos e definições gerais. parâmetros e indicadores. . da melhor maneira.

ou seja.drivers ou resultantes – outcomes. uma medida quantitativa que pode ser empregada como um guia para monitorar e avaliar a assistência e as atividades de um serviço. (JCAHO) Os indicadores são. diretos ou indiretos em relação à característica medida. (FPNQ) Definição . aqueles que capturam os cuidados de enfermagem e são específicos quanto ao resultado da assistência de enfermagem para o paciente. ou ainda.Indicadores de Enfermagem Encontramos em literatura referência a indicadores específicos à enfermagem. produtos e da organização como um todo. com a qual se está relacionado. específicos (atividades ou processos) ou globais (resultados pretendidos pela organização) direcionadores .Conceitua-se indicador como uma unidade de medida de uma atividade. ainda. São empregados para acompanhar e melhorar os resultados ao longo do tempo e podem ser classificados em: simples (decorrentes de uma única medição) ou compostos. as saídas (produtos) e o desempenho de processos. compreendidos como dados ou informações numéricas que buscam quantificar as entradas (recursos ou insumos). (American Nurses Association) .

Pacientes que desenvolveram ITU após 3 dias de hospitalização. 2 .(American Nurse Association) 1 .Total de horas de Enfermagem por Paciente/Dia Diferenciais dos Indicadores de Enfermagem Valor do cuidado prestado Efeito da assistência no resultado Contribuição no cuidado ao paciente Visibilidade à profissão Relação enfermeiro-paciente Construção da enfermagem como ciência Influência nas políticas de saúde . 10 .Satisfação do paciente com Cuidados de Enfermagem 4 . Também usado para a IH relacionada ao sítio de inserção do cateter venoso central (CVC).Satisfação do Paciente no Controle da Dor 5 .Satisfação do Paciente com o Cuidado (global da assistência) 7 .Satisfação do paciente sobre a Informação educacional recebida 6 .Satisfação da Equipe de Enfermagem 9 .Manutenção da Integridade da Pele 8 .Taxa de Acidentes com o Paciente 3 .Taxa de Enfermeiros na Assistência Direta X Taxa Técnicos e Auxiliares de Enfermagem.

8. 4. 9. Semi-Intensivo. Intensivo) Taxa de Absenteísmo de Enfermagem Índice de Treinamento de Profissionais de Enfermagem Taxa de Acidente de Trabalho de Profissionais de Enfermagem Taxa de Rotatividade de Profissionais de Enfermagem (Turn Over) Aplicação dos Indicadores na Gestão da Assistência de Enfermagem “Dimensionar a equipe de enfermagem. 11. SemiIntensivo. definir e atribuir suas funções são provavelmente o mais importante e o maior desafio da enfermeira . Incidência de Queda de Paciente Incidência de Extubação Acidental Incidência de Perda de Sonda Nasogastroenteral para Aporte Nutricional Incidência de Ulcera por Pressão Incidência de Não conformidade relacionada à Administração de Medicamentos pela Enfermagem Incidência de Flebite Horas de Enfermeiro/ Cuidado (Mínimo. 5.2006 1. 2. 6. 10. 3. 12. 7. Intensivo) Horas de Técnico/Auxiliar Enfermagem/ Cuidado (Mínimo.

O dimensionamento e a adequação quantiqualitativa do quadro de profissionais de Enfermagem devem basear-se em características relativas: I . em todas as áreas. choque. et al. (2001) > 5 milhões altas de 799 hospitais em 11 estados (USA) Principais Resultados: Relação significativa entre a composição da equipe de enfermagem e resultados clínicos dos pacientes. com redução de 2 a 25% de resultados adversos RESOLUÇÃO COFEN Nº 293/2004 Fixa e Estabelece Parâmetros para o Dimensionamento do Quadro de Profissionais de Enfermagem nas Unidades Assistenciais das Instituições de Saúde e Assemelhados.à instituição/empresa II .Equipe de Enfermagem Needleman.ao serviço de Enfermagem III . HDA e tempo de permanência (TP) Associação entre maior número de Enfermeiros e redução de 3 a 12% de resultados adversos Associação entre melhor formação dos Enfermeiros. J.à clientela . destacandose: infecção do trato urinário. pneumonia.

requerendo . nas 24 horas: 3. requerendo assistência de enfermagem e médica permanente e especializada Cuidados intensivos Cliente / paciente grave e recuperável. na assistência intensiva. por cliente. passiveis de instabilidade das funções vitais. por cliente. com risco iminente de morte.6 horas de Enfermagem.8 horas de Enfermagem. por cliente. na assistência semi-intensiva.4 horas de Enfermagem. Cuidados semi-intensivos Cliente / paciente recuperável. 17. 9. na assistência intermediária.9 horas de Enfermagem.Para efeito de cálculo. sujeitos à instabilidade das funções vitais. por leito. na assistência mínima ou autocuidado. com risco iminente de morte. Índice de segurança técnica (IST) não inferior a 15% Definições Cuidados mínimos / autocuidado Cliente / paciente estável sob o ponto de vista clínico e de enfermagem e fisicamente auto-suficientes quanto ao atendimento das necessidades humanas básicas Cuidados intermediários Cliente / paciente estável sob o ponto de vista clínico e de enfermagem. 5. com parcial dependência dos profissionais de enfermagem para o atendimento das necessidades humanas básicas. requerendo avaliações médicas e de enfermagem. por cliente. devem ser consideradas como horas de Enfermagem.

00 1.00 0.00 Mediana 5.6 2.00 10.00 2.7 8.COMPROMISSO COM A QUALIDADE HOSPITALAR INDICADORES DE ENFERMAGEM – NAGEH HORAS DE ENFERMEIRO / CUIDADO MÍNIMO E INTERMEDIÁRIO* 4.COMPROMISSO COM A QUALIDADE HOSPITALAR INDICADORES DE ENFERMAGEM – NAGEH HORAS DE TÉC.2 PROGRAMA CQH .00 Mediana 1.05 .00 5.1 5.00 3.65 13 50 45 48 37 38 49 16 26 2 51 1 27 28 9 8 42 19 40 32 11 PROGRAMA CQH .00 15.profissionais segundo a classificação Mínima e autocuidado Intermediária Semi-intensiva Intensiva Enfermeiro 33 a 37% 33 a 37% 42 a 46% 52 a 56% Técnico e Auxiliares 67 a 63% 67 a 63% 58 a 54% 48 a 44% Tipo de assistência segundo Sistema de Classificação do Paciente Mínima e autocuidado Intermediária Semi-intensiva Intensiva Horas técnico Total de Horas e auxiliar de horas enfermeiro enfermagem 3. E/OU AUX.00 0.63 COFEN: 3.3 17.3 2.8 1.09 COFEN: 1.50 1.9 9.00 25.4 4.50 2.50 0.5 5.00 20.50 3. DE ENFERMAGEM / CUIDADO MÍNIMO E INTERMEDIÁRIO* 30.6 9.0 3.

00 2.00 6.10 48 32 38 19 51 45 8 1 11 28 PROGRAMA CQH .00 0.00 6.50 11.00 27.00 3.COMPROMISSO COM A QUALIDADE HOSPITALAR INDICADORES DE ENFERMAGEM – NAGEH HORAS DE TÉCNICO E/OU AUX. DE ENFERMAGEM / CUIDADO SEMIINTENSIVO* 33.00 12.20 .67 COFEN: 4.00 Mediana 2.00 4.00 5.COMPROMISSO COM A QUALIDADE HOSPITALAR INDICADORES DE ENFERMAGEM – NAGEH HORAS DE ENFERMEIRO / CUIDADO INTENSIVO* 12.65 COFEN: 8.00 1.00 6.00 10.00 4.HORAS DE ENFERMEIRO / CUIDADO SEMI-INTENSIVO* 7.89 COFEN: 9.98 COFEN: 5.30 45 48 32 38 11 8 19 1 51 28 PROGRAMA CQH .70 45 8 37 49 38 19 42 48 2 27 28 1 40 51 11 32 9 16 PROGRAMA CQH .00 18.00 Mediana 8.00 Mediana 14.COMPROMISSO COM A QUALIDADE HOSPITALAR INDICADORES DE ENFERMAGEM – NAGEH HORAS DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM / CUIDADO INTENSIVO* 36.00 24.00 2.00 0.00 Mediana 3.00 8.50 0.00 16.00 5.00 30.50 22.

000/ano) RR: > 15% Making Health Care Safer: A Critical Analysis of Patient Safety Practices. Agency Healthcare Research and Quality (AHRQ). Publication 01-E058July 20. 2001 Incidência de Ulcera por Pressão Avaliação do Risco – Escala Braden Medidas Preventivas Recomendação de materiais de proteção Avaliação dos resultados Classificação do evento Análise e divulgação dos resultados Benchmarking .Diagnóstico: Risco para Úlcera Pressão Intervenção: Uso de equipamentos de proteção PESQUISA PESQUISA QUALIDADE DO CUIDADO QUALIDADE DO CUIDADO Impacto Força do estudo ALTO Tamanho do efeito ROBUSTO Vigilância Custo Complexidade ALTO BAIXO ALTO BAIXO população 1% pop (300.

POPULAÇÃO DE RISCO Distribuição dos Fatores de Risco para Ulcera de Pressão Alto risco Moderado Baixo risco Ausente Total Nº 42 110 275 1371 1798 % 2% 6% 15% 76% 100% Úlcera por Pressão Incidência .EVENTO Nº de casos novos de pacientes com ulcera de pressão Total de pacientes com risco de ulcera de pressão x 100 .

3 2.3 3.0 8.5 3.0 0.0 5.3 2.0 0.0 4.4 2.0 46.0 7 10 1 15 32 12.0 U1 A08W U2 A11W U3 A12M UP(Nº) U4 AUI5 U5 GERI Pop Risco Inc UP/Pop Risco*100 Inc UP/P op Risco Nº .EVENTO 35 30 25 20 30.2 Incidência UP/Pop Risco Média LI LS Linear (Incidência UP/Pop Risco) Úlcera de pressão Incidência .5 3.0 3.0 15 10 5 0 12 1 18 22.0 5.0 4.7 50. Fev/06 a Fev/07 6.5 2.2 20.0 40.0 / 06 f ev ma r/06 / 06 abr ma i/06 / 06 jun 0 jul/ 6 / 06 ago / 06 s et /0 out 6 nov /06 /06 dez / 07 jan / 07 f ev SBIBAE/ DPA 4.0 2.3 4 10.0 5.8 5.Incidência de UP/Pop de Risco.5 4 10.7 4.0 1.

Como comparar Pesquisa bibliográfica.47 8 1 39 6 7 21 45 19 41 17 28 32 33 44 48 9 43 15 49 47 27 20 50 2 31 24 16 42 29 13 34 11 37 38 Mediana 1º trimestre 07: 1.00 5.00 15.00 25. benchmarking e referencial comparativo .NAGEH Grupo de Indicadores de Enfermagem INCIDÊNCIA DE ÚLCERA POR PRESSÃO (UPP) 1º trimestre de 2007 45.00 35.00 10.00 Mediana 1.47 Pontos críticos Como avaliar a criticidade do resultado Indicadores de Manutenção: Análise do comportamento/variabilidade do indicador através de diagramas de controle (série histórica).00 30.00 20.00 0. Indicadores de Melhoria: Alcance da meta. variação segundo mediana e percentil.00 40.

dados que justifiquem a necessidade de ação. • Definir um indicador a ser checado na fase C para verificar os resultados do projeto. Plano de Ação D (Executar) Execução • O plano foi implementado conforme as etapas e prazos previamente determinados? • Caso haja algum alteração. • Se não – rever o plano de ação e mencionar quais serão as novas medidas. tabelas ou outras formas de apresentação de dados que comprovem a melhoria alcançada (ou não). valores. • quem são as pessoas envolvidas. Considerações finais Ter a definição do escopo do negócio Estar alinhado com o planejamento estratégico da Instituição (misssão.prosseguimento (padronização) e em que periodicidade avaliará resultados. C (Checar) Verificação • Utilize o indicador estabelecido na fase P para avaliar se o seu plano de ação atingiu a meta desejada (ou não). visão.) Estabelecer os indicadores demonstrem o valor do cuidado de enfermagem .. Melhoria P (Planejar) Definir nesta fase: • qual é o plano (para solucionar o problema identificado). • Inserir gráficos. • onde será implementado.. • quais os prazos para implementação e • qual a meta a ser atingida. • como pretende implementar o plano. especificar o motivo.

tático – estratégico. médio e longo prazo) ENFERMAGEM A DIFERENÇA DO CUIDADO . operacional – operacional) Ações de melhoria (curto. externos e de benchmarking Divulgação de resultados: (operacional – tático.Foco voltado para a performance Análise dos resultados dos indicadores tomando como referencial: indicadores internos.

Obrigada! elisa_reis@einstein.br .