You are on page 1of 59
Inglês Instrumental Inglês Instrumental

Inglês Instrumental

Inglês Instrumental Inglês Instrumental

Inglês Instrumental

Inglês Instrumental UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA Reitor Prof. MSc. Pe. José Romualdo Desgaperi Pró-Reitor de Graduação

Inglês Instrumental

Inglês Instrumental UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA Reitor Prof. MSc. Pe. José Romualdo Desgaperi Pró-Reitor de Graduação

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA

Reitor

Prof. MSc. Pe. José Romualdo Desgaperi

Pró-Reitor de Graduação

Prof. MSc. José Leão

Pró-Reitor de Pós-Graduação e Pesquisa

Prof. Dr. Pe. Geraldo Caliman

Pró Reitor de Extensão

Prof. Dr. Luiz Síveres

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA VIRTUAL

Diretor Geral

Prof. Dr. Francisco Villa Ulhôa Botelho

Diretoria de Pós-Graduação e Extensão

Prof.ª MSc. Ana Paula Costa e Silva

Diretoria de Graduação

Prof.ª MSc. Bernadete Moreira Pessanha Cordeiro

Coordenação de Informática

Weslley Rodrigues Sepúlvida

Coordenação de Secretaria Acadêmica e Apoio ao Aluno

Karlla Vanessa do Lago Aragão

Coordenação de Pólos e Relacionamento

Francisco Roberto Ferreira dos Santos

Coordenação de Produção

Edleide Epaminondas de Freitas Alves

Equipe de Produção Técnica

Análise didático-pedagógica

Prof. MSc. José Eduardo Pires Campos Júnior Profa. Dra Leda Gonçalves de Freitas Prof. MSc. Juarez Moreira Profa. Especialista Ana Brigatti

Edição

Profª. Especialista Cynthia Rosa Márcia Regina de Oliveira Yara Dias Fortuna

Montagem

Marcelo Rodrigues Gonzaga Anderson Macedo Silva Bruno Marques Beça da Silva

Conteudista

Inglês Instrumental

Inglês Instrumental

Inglês Instrumental
Inglês Instrumental Sumário
Inglês Instrumental
Sumário

Sumário

Ementa .................................................................................................

5

Objetivos da Unidade de Estudo ...........................................................

5

Atividade de Introdução

6

8

Os problemas enfrentados pelo leitor instrumental

8

Aula 02 – Verbos I

14

Formas Verbais

14

Tempos Verbais

...........................................................................................

17

AULA 3 – Verbos II

24

Tempos Perfeitos

24

AULA 4 – Verbos Modais

28

Características e usos dos Verbos Modais

28

Aula 05 – Gramática - Referência Pronominal

36

Divisão da Referência Pronominal

36

Aula 06 - Vocabulário: Processo de Formação de Palavras

41

Prefixação

41

Sufixação

41

Aula 07 - Conectivos: organizando as idéias

47

As funções dos Conectivos

47

Algumas observações importantes

50

Glossário

52

Referências

54

Inglês Instrumental Ementa e Objetivos
Inglês Instrumental
Ementa e Objetivos

Ementa

Leitura e Interpretação de Texto. Verbos: simple present; simple past; simple future; present continuous; future continuous; present perfect; past perfect and future perfect. Verbos modais: present and future (can, could, may, might, should, ought to, must). Referência pronominal. Processo de Formação de Palavras. Vocabulário.

Objetivos da Unidade de Estudo

Ler e identificar o tópico principal de um texto.

Interpretar a mensagem principal de um texto.

Estabelecer os campos semânticos entre os itens lexicais no texto.

Utilizar diferentes técnicas de leitura para ampliação do entendimento de um texto em língua

inglesa. Identificar o significado de palavras utilizando-se do contexto.

Listar os tempos verbais mais comuns.

Listar os verbos modais e seus sentidos.

Apontar os morfemas mais recorrentes.

Identificar as categorias gramaticais.

Identificar os conectivos mais comuns.

Inglês Instrumental Introdução
Inglês Instrumental
Introdução

Atividade de Introdução

Olá! Seja bem-vindo(a) à Unidade de Estudo “Inglês Instrumental 1”!

Antes de começar seus estudos, leia a letra – composição de Zeca Baleiro - do Samba do Approach (disponível em http://zeca-baleiro.letras.terra.com.br/letras/43674/).

Venha provar meu brunch

saiba que eu tenho approach

Venha provar meu brunch

saiba que eu tenho approach

Eu tenho savoir-faire meu temperamento é light Minha casa é hi-tech, toda hora rola um insight Já fui fã do Jethro Tull, hoje me amarro no Slach Minha vida agora é cool, meu passado já foi trash

Venha provar meu brunch

saiba que eu tenho approach

Na hora do lunch, eu ando de ferryboat, beautifull!

Venha provar meu brunch

saiba que eu tenho approach

Fica ligado no link que eu vou confessar my love Depois do décimo drink, só um bom e velho engov Eu tirei meu green card e fui para Miami Beach Posso não ser pop star, mas já sou um noveu riche

Venha provar meu brunch

saiba que eu tenho approach

Venha provar meu brunch

... Na hora do lunch, eu ando de ferryboat

saiba que eu tenho approach

Eu tenho sex-appeal saca só meu bachground Veloz como Damon Hill, tenaz com Fittipaldi Não dispenso um happy end, quero jogar no dream team De dia um macho man e de noite uma drag queen

Venha provar meu brunch

saiba que eu tenho approach

Inglês Instrumental Introdução Venha provar meu brunch saiba que eu tenho approach
Inglês Instrumental
Introdução
Venha provar meu brunch
saiba que eu tenho approach

Essa música de Zeca Baleiro mostra a influência das línguas estrangeiras, principalmente a língua inglesa, no nosso vocabulário. Observe como sem querer você utiliza algumas palavras de outra língua no seu cotidiano!

Sendo assim, reflita sobre as seguintes questões e participe de nossa discussão no fórum sobre o tema:

Utilizar algumas palavras de outras línguas em nosso vocabulário demonstra que

dominamos a língua em questão? Por que é importante para o profissional de Turismo ler e compreender outro idioma?

Como você imagina que o inglês instrumental poderá ajudá-lo na gestão e no planejamento das atividades turísticas?

Bom estudo!

Inglês Instrumental Aula 01
Inglês Instrumental
Aula 01

Aula 01 – A Construção do Significado

Nesta primeira Aula, você irá aprender o que significa inglês instrumental e conhecer os principais problemas enfrentados pelo leitor de inglês que não possui conhecimento profundo sobre a língua. Ao final da aula, você terá percebido os pontos aos quais deve atentar durante a leitura de textos em inglês, e também quais estratégias usar para evitar interpretações erradas.

Os problemas enfrentados pelo leitor instrumental

Se você não é proficiente na língua inglesa, se não teve tempo de se dedicar ao estudo da língua com o afinco que gostaria, mas ainda assim necessita de compreender textos escritos em inglês, você é um leitor instrumental. A acepção de instrumentalização de um idioma é relativamente recente no ensino e aprendizagem de línguas estrangeiras. Com o maior desenvolvimento científico e a tão citada globalização, tornou-se necessário a leitura e interpretação de textos diversos em língua estrangeira assim que são publicados, não podendo o leitor aguardar que os artigos/ livros/ ensaios sejam traduzidos para sua língua materna, pois correria o risco de não conseguir acompanhar a tomada de decisões de um colega ou de um concorrente que não necessita da tradução.

Inglês Instrumental Aula 01 Aula 01 – A Construção do Significado Nesta primeira Aula, você irá

O inglês instrumental, tradicionalmente ligado à leitura e interpretação de textos escritos, não inclui a habilidade oral em sua metodologia de ensino. Em outras palavras, o aluno de inglês instrumental não se dedica nem à compreensão oral nem à expressão oral em língua inglesa. O objetivo principal do aluno é, isto sim, interpretar corretamente um texto escrito em outra língua. Portanto, os problemas que o leitor instrumental enfrenta são problemas característicos de textos escritos. Vejamos cada um desses problemas.

O primeiro problema que o aluno instrumental enfrenta é o vocabulário específico de sua área de interesse. Espera-se que, com o tempo e prática de leitura, você vá criando um arsenal cada vez mais vasto de palavras relacionadas às diversas áreas pertinentes à sua ocupação profissional e de estudo.

É claro que nenhum aluno de instrumental adquire todo o vocabulário da noite para o dia, mas é essencial que você descubra de qual maneira você prefere construir seu vocabulário técnico.

Teacher’s Tips

Clique aqui e veja as minhas dicas sobre algumas formas de fixação de vocabulário.

Os dicionários ajudam, mas cabe uma palavrinha sobre dicionários: não confie cegamente no que você lê em um dicionário, pois os significados de palavras estão em constante modificação. É muito difícil que um livro de referência consiga manter-se totalmente atualizado com os novos significados e novas acepções que aparecem de maneira cada vez mais veloz em uma língua. Para exemplificar, a 2ª edição do

Inglês Instrumental Aula 01
Inglês Instrumental
Aula 01

Dicionário Aurélio, publicada em 1986, já traz, no verbete velho, o sentido de camarada, como tratamento de intimidade a quem não é idoso. Ponto para o dicionário. Apesar de se tratar de uma acepção utilizada por um grupo restrito de falantes do português, o dicionário deve sempre refletir este uso. Afinal, dez entre dez jovens usam a palavra “velho” significando “amigo, camarada” e não “idoso”, não é mesmo?

Entretanto, o mesmo dicionário inclui como o principal significado (primeiras definições) da palavra faxina “feixe de ramos ou de paus curtos”. A acepção de limpeza é apenas a sétima do verbete. Neste caso, o autor pecou por não incluir como primeiro significado aquele referente à limpeza, uma vez que este é o uso mais freqüente em nossa língua atualmente. Provavelmente, poucos de vocês em algum momento se depararam com a palavra faxina com o primeiro significado sugerido pelo lexicógrafo. Trata-se de um significado arcaico, que deve, obviamente, ser incluído em um bom dicionário uma vez que tal significado já fez parte de nosso léxico, e não devemos perder a referência histórica das palavras. Entretanto, como absolutamente não se trata do principal sentido da palavra faxina, não deveria ser a primeira definição do verbete.

Outro lembrete que o leitor instrumental deve ter sempre em mente, principalmente ao consultar dicionários, é o fato de que todas as palavras em uma língua possuem mais de um significado. Esta polissemia pode causar erros de interpretação e levar a conclusões erradas com relação a um texto. Escritores e jornalistas fazem sempre o uso de palavras com sentidos diversos para acrescentar um colorido diferente em seu texto, criando trocadilhos e frases ambíguas.

O escritor Luiz Fernando Veríssimo escreveu um interessante conto, intitulado PONTOS, utilizando os vários sentidos da palavra ponto. Desde o ponto de ônibus, aos treze pontos na loteria, passando por ponto pacífico, ponto de bala, ponto sem nó, dentre diversos outros. O texto é uma prova de que o significado de uma palavra está estritamente relacionado ao contexto no qual ela é utilizada. Você poderia dizer, sem titubear, o significado da palavra gato? Analisando com cuidado, percebe-se que uma resposta a essa pergunta necessita de um contexto. Somente o contexto irá dizer qual o sentido da palavra. Observe as frases:

O verão é um desses momentos e o seu cachorro ou gato precisa passar por uma revisão, principalmente se ele for viajar. (Correio Braziliense – 13/11/2005)

Em certa medida, esse é de fato um risco que vem sendo anotado por quem acompanha o jogo mais de perto. Ou melhor, por quem de fato joga o jogo de gato e rato entre governo e oposição. (Correio Braziliense –

14/11/2005)

Inglês Instrumental Aula 01
Inglês Instrumental
Aula 01

Gato de elite nas águas do Lago Paranoá - Os jardins da Península dos Ministros, um dos endereços mais nobres de Brasília, são regados com água retirada do Paranoá. A irregularidade ocorre nas casas dos presidentes do Senado, da Câmara e do alto escalão do Governo Federal. (Correio Braziliense –

13/11/2005)

A vestibulanda Mariana Franco, que ficou o tempo todo atenta ao debate, elogiou “a clareza de Penélope e a simpatia do Bruno, que é um gato”. (Correio Braziliense – 18/04/2005)

Pelos exemplos acima é possível perceber, portanto, que a palavra gato possui significados diferentes em

cada um dos quatro contextos. A importância do contexto nos leva a um novo ponto em relação ao significado das palavras. Há um mito em relação à interpretação de texto que precisa ser observado cuidadosamente para poder ser refutado: acredita-se que, se conhecemos o significado das palavras de um determinado texto, compreenderemos o texto com facilidade. Em outras palavras: tudo o que se

precisa para compreensão é de um bom glossário. Não necessariamente

...

Leia o texto que se segue:

Texto 1

“A abertura, em uma cavidade de um corpo, é uma boa aproximação de um corpo negro. Quando a luz entra na cavidade, pela pequena abertura, parte dela é refletida e parte absorvida em cada reflexão nas paredes internas. Depois de muitas reflexões, praticamente toda a energia incidente foi absorvida.” (Serway, Raymond de, Física Moderna, – LTC Editora, 1996)

E então? Você poderia dizer que “entendeu” o parágrafo acima? Provavelmente não, pois leitura e interpretação de texto não significam apenas decodificação de significados. Leitura e interpretação pressupõem o uso de conhecimento prévio, de experiência de vida, de know-how do leitor. Ou seja, ao lermos um texto levamos conosco todo o nosso conhecimento de mundo, toda a nossa experiência, e é isso que faz com que entendamos ou não um texto qualquer.

Veja uma outra ilustração do mesmo problema apresentado que reforçará nosso argumento. Leia o texto a seguir e realize a atividade sugerida.

 

Texto 2

Ontem à fronga, eu estava janquidamente em

meu singola, assistindo à burrigra, quando minha

janqüilidade foi garrisida pelo som da lagrila. Quem poderia dirmo àquela turda da fronga? – corquei comigo mesmo. Singralei-me e gorui até à porta, e qual não dôi minha bosteiga ao almar uma grande

Inglês Instrumental Aula 01
Inglês Instrumental
Aula 01

cornova que não almava há mais de 20 gruis! Convidei-a a rastor e desliguei

a burrigra para

que

pudéssemos asperfar e botar os insortos em dia. Essa cornova truvora-se da cidade após seu juricho, e agora que se desjurichou, voltou para iniciar uma nova gorpa. Disse-me que ainda estava rostada pelo seu desjurichamento, que se já dur trobuquética para muitos, para ela durro pior, pois descobriu que seu jurichão a estava traindo com sua própria toi, e desde os tempos de padrico, há 25 gruis! Realmente, a história dur pra lá de trobuquética. Afinal, espera-se tudo das perchas, mas seus tois estão sempre acima

de percha singraca.

Vejamos se você consegue responder às seguintes perguntas clicando as respostas no texto acima:

Quando ocorreu ocorreu o fato descrito?

Como era de se esperar, o texto 1, apesar de utilizar palavras conhecidas, não é de fácil interpretação. Já o texto 2, contendo palavras que o leitor nunca viu (pois não existem), pode ser interpretado com maior facilidade, pois o leitor possui bagagem/vivência para interpretá-lo corretamente. Portanto, conhecer o significado de uma palavra não garante a compreensão de um texto.

Um último ponto relevante com relação ao dicionário refere-se aos falsos cognatos. Falsos cognatos são palavras com ortografia muito semelhante entre duas línguas, mas com significados diferentes. Quem faz uso de textos em inglês deve conhecer os falsos cognatos muito bem, para evitar compreensão equivocada destas palavras. A título de exemplo, podemos citar a palavra actual, que significa “real” e não “atual”. Se o leitor assume que as palavras, só por terem uma grafia semelhante, são sinônimas, certamente irá cometer equívocos de interpretação em frases como:

“The actual number of tourists in Brazil is lower than the expected by the Ministry of Tourism.”

Ainda a título de exemplo, clique aqui e veja uma lista com os falsos cognatos mais comuns entre o inglês e o português, juntamente com a tradução. Consulte a lista sempre que necessário, e desconfie de palavras semelhantes entre as duas línguas. Nem sempre os significados são comuns.

Um outro ponto ao qual o leitor instrumental deve atentar são os conectivos. Conectivos, ou palavras de ligação, são advérbios, conjunções e preposições que ligam palavras, frases, orações ou mensagens. Conhecer bem os conectivos refletirá em uma maior compreensão da idéia ou intenção de um texto. Veja alguns exemplos, primeiramente em português:

“A Renata pensou que o Joaquim pudesse se comportar dignamente no jantar, mas eu avisei a ela que ele é um tremendo arigó!”

Suponhamos que você, leitor, não conheça a palavra arigó. Observando o texto, entretanto, é possível perceber que a palavra refere-se a alguém que não sabe se comportar dignamente em um jantar, certo?

Inglês Instrumental Aula 01
Inglês Instrumental
Aula 01

Como se sabe disso? Devido à presença da conjunção ‘mas’. Embora o leitor não saiba o significado exato da palavra arigó, tem uma idéia muita bem aproximada do que pode ser, apenas por conhecer o significado da conjunção. Na realidade, você faz isso diariamente, sempre que lê algo. Um bom leitor não pára a cada momento em que encontra uma palavra desconhecida e a procura no dicionário, ele utiliza os recursos do próprio texto para adivinhar o sentido das palavras desconhecidas, um desses recursos são os conectivos.

Veja agora um exemplo em inglês:

“Spain has been the target of many terrorist attacks by separatist group ETA. Therefore, the country has to deal with the issue of losing tourist appeal.”

No exemplo acima, as duas frases estão ligadas pelo advérbio therefore. Se o leitor não consegue compreender a mensagem em sua totalidade, sabendo o significado do advérbio therefore, já terá uma noção de que se trata de uma relação de causa/ conseqüência. Therefore significa ‘portanto’. Logo, a segunda frase é uma conseqüência da primeira. Espera-se, então, que o leitor consiga extrair pelo menos algum sentido da mensagem expressa.

O que deve ficar claro, neste primeiro momento, é que o conhecimento de um grande número de conectivos pode auxiliar bastante na compreensão de texto em língua estrangeira. E você irá estudar nesta unidade de estudo os conectivos mais comuns da língua inglesa

Há também os afixos, que oferecem uma grande contribuição para ampliar o vocabulário de um leitor. Com o conhecimento de sufixos e prefixos, o leitor potencializa o vocabulário que já domina, ampliando a gama de palavras conhecidas. Praticamente todo leitor de inglês, com um mínimo de experiência na língua, conhece o verbo think e suas conjugações thinking, thinks, thought. A partir desse verbo, com a adição de sufixos e prefixos, você verá a seguir alguns dos derivados constantes no dicionário Merriam- Webster:

Adjetivos: thoughtful, thoughtless, thinkable, unthinkable.

Substantivos: thinker, thoughtfulness, thoughtlessness, thinkingness, forethought, misthought.

Advérbios: thoughtlessly, thoughtfully, thinkingly.

Verbos: rethink, misthink, forethink, outthink, overthink.

Com este pequeno exemplo, você tomou conhecimento de 18 palavras derivadas do verbo think e de suas conjugações. Imagine, então, como o vocabulário de um leitor multiplica-se se ele tem domínio de sufixos e afixos, quer dizer, se ele sabe como os sufixos e prefixos interagem com o radical das palavras.

Há algum tempo circulou em e-mails uma mensagem indicando como aprender 400 palavras em inglês em apenas um minuto. Algumas das dicas apresentadas no e-mail seriam o uso de sufixos ou prefixos.

Inglês Instrumental Aula 01
Inglês Instrumental
Aula 01

Apesar de não se poder generalizar, como sugeria a mensagem, a técnica tem seus méritos e você pode conhecê-la acessando o endereço (http://www.cyberteacher.hpg.ig.com.br).

O leitor instrumental também poderá se beneficiar se tiver um bom domínio das equivalências de pesos e medidas mais freqüentemente utilizados em língua inglesa. Por fatores culturais e históricos, os norte- americanos e os britânicos não utilizam as mesmas medidas para se referirem a distância, peso e velocidade, por exemplo. O bom leitor deve saber o equivalente em quilômetros para milhas, o equivalente em quilos para libras e o equivalente em centímetros para pés ou polegadas, por exemplo. Tal conhecimento agiliza a leitura, não necessitando o leitor de interrompê-la para consultar um conversor ou fazer as contas ele mesmo.

No quadro a seguir, você verá as equivalências das medidas mais comumente utilizadas em textos de língua inglesa.

1 centímetro (cm)

0,39 polegadas (in)

  • 1 polegada (in)

2,54 centímetros (cm)

  • 1 metro (m)

3,28 pés (ft)

  • 1 pé (ft)

0,30 metros (m)

  • 1 quilômetro (km)

0,62 milhas (mi)

  • 1 milha (mi)

1,61 quilômetro (km)

  • 1 quilograma (kg)

2,20 libras (lb)

  • 1 libra (lb)

0,45 quilograma (kg)

Atualmente você pode encontrar sites na internet que convertem automaticamente valores que você insere em um campo para valores equivalentes em outras medidas. Não hesite em utilizá-los até se sentir mais seguro em fazer a conversão automaticamente. Uma sugestão é o Online Conversion.

Finalmente, acrescentamos que o bom senso deve acompanhar o leitor instrumental em sua interpretação de qualquer texto. Deve o leitor partir do pressuposto de que o texto que está lendo é lógico e possui uma mensagem coerente e articulada. Portanto, se ao interpretar uma frase, parecer-lhe que o texto não faz sentido algum, ou se a mensagem é algo incongruente com seu conhecimento de mundo, desconfie de sua interpretação. Releia frases, trechos, ou até parágrafos inteiros mais atentamente, buscando origens de eventuais confusões ou erros de interpretação. Isso certamente lhe colocará em vantagem na criação de sentido para a passagem que estiver lendo. E para facilitar seu trabalho ainda mais, pratique. Leia textos da maior variedade possível, sempre que tiver uma oportunidade. Há um ditado em língua inglesa que diz que practice makes perfect. E isso talvez seja mais verdadeiro ainda quando nos referimos à prática de leitura. Esperamos que você conclua, por si só, que realmente a prática leve à perfeição.

Com todas estas orientações ler um texto em inglês ficará mais fácil. Exercite-as fazendo o exercício a seguir.

Inglês Instrumental Aula 02
Inglês Instrumental
Aula 02

Aula 02 – Verbos I

Esta é a sua segunda Aula, e nela trataremos dos verbos na língua inglesa. Você irá estudar as formas verbais, bem como os tempos verbais: presente, passado e futuro simples e progressivo.

Formas Verbais

A língua inglesa possui

um sistema verbal

bastante distinto do português.

Se

por

um lado alguns

aspectos da

língua são mais

simples, por vezes essa simplicidade pode ser enganosa

e

esconder

dificuldades.

Vejamos primeiro as formas verbais em língua inglesa. Observe os verbos walk e speak como exemplos:

Quadro de formas verbais

Infinitivo

to walk

to speak

Base

walk/walks

speak/speaks

Passado

walked

spoke

 

walking

speaking

Particípio do presente Particípio do passado

walked

spoken

Em inglês, os verbos possuem apenas essas cinco formas. Um grande número de verbos apresenta uma variação ainda menor, pois têm a mesma forma para o passado e para o particípio do passado: são os verbos regulares como o walk na tabela acima. Com os verbos regulares, as formas do passado e do particípio do passado são iguais, e sempre terminam em -ed. Já os verbos irregulares possuem terminações variadas. Clique aqui e veja uma lista de verbos irregulares com seus significados mais comuns.

Teacher’s tips

Clique aqui e veja as minhas dicas sobre algumas regras para a ortografia de verbos regulares no passado, particípio do passado e particípio do presente.

Volte ao quadro com os verbos walk e speak. Neles são apresentadas as formas verbais. Não se trata de tempos verbais. Na realidade, algumas dessas formas verbais só exercem função de verbos quando combinadas com determinados verbos auxiliares . Quando aparecem sem auxiliares, podem estar exercendo funções de substantivos, adjetivos ou, em menor escala, advérbios. Isso também acontece em português, e é essencial que o leitor consiga identificar tais diferenças em um texto.

Veja alguns exemplos em português, primeiramente:

Inglês Instrumental Aula 02
Inglês Instrumental
Aula 02

O garoto escondeu o vaso quebrado.

Na frase acima, quebrado, que aparece sem auxiliar algum, portanto funciona como adjetivo, não como verbo.

Fernanda se esqueceu que seu filho havia quebrado o vaso de estimação de sua avó.

Já no segundo exemplo, quebrado, acompanhado do auxiliar havia, é um verbo. Veja o mesmo contraste em inglês, com o particípio do verbo break (quebrar):

The broken vase, from the Ming Dynasty, was bought by U$2,000.00!

The tourist said the tour company had broken the contract.

Na primeira frase, a forma verbal broken aparece sem o auxiliar, indicando que não se trata de um verbo. No caso, é o adjetivo quebrado. Já no segundo exemplo, o broken vem posposto ao verbo auxiliar had, indicando tratar-se de um verbo (neste caso, verbo no passado perfeito, que iremos estudar mais adiante) – havia quebrado.

Entretanto, o leitor deve atentar para o fato dos verbos regulares terem a mesma forma no passado e no particípio do passado. Não há como diferenciá-las. No caso dos verbos irregulares é mais fácil: broken, por exemplo, desacompanhado de auxiliar, nunca será um verbo. Mas e um verbo regular na terminação –ed sem o auxiliar? Como saber se é um verbo no passado, ou um particípio sendo utilizado como adjetivo, por exemplo? Neste caso, você deve atentar para o contexto. Compare as três frases abaixo.

The music from the nightclub has disturbed the guests during the whole night.

Inglês Instrumental Aula 02
Inglês Instrumental
Aula 02

Last night, the music from the hotel’s night club disturbed the guests.

The disturbed guest complained to the manager.

Na primeira frase, disturbed vem seguindo o auxiliar has. Portanto, trata-se de um verbo. “A música da boate do hotel incomodou os hóspedes.”

Nas segunda e terceira frases, disturbed aparece sem auxiliar. Entretanto, o contexto da frase é que indica que na segunda trata-se de um verbo no passado (“Na noite passada a música da boate do hotel incomodou os hóspedes”), enquanto na terceira trata-se de um adjetivo (“Os hóspedes incomodados reclamaram com o gerente”). Portanto, o leitor deve dedicar especial atenção a tais palavras.

Além do particípio do passado, o -ing também só será verbo se estiver precedido de um auxiliar. Veja o exemplo abaixo:

Trekking is becoming popular in ecotourism nowadays.

A frase possui dois -ing: trekking e becoming. O primeiro, trekking, não possui um auxiliar preposto. Portanto, trata-se de um substantivo - caminhada. Já o segundo -ing, becoming, está seguindo o auxiliar is e, portanto, trata-se de um verbo – “está se tornando”.

Por último, você também deve estar atento para o fato de que o infinitivo em inglês nunca funciona como verbo:

I want to buy first class tickets. (objeto indireto) To study in Australia is one of my dreams. (sujeito)

No início desta aula, foi mencionado que os verbos em inglês possuem no máximo cinco formas. A única exceção à regra é o verbo to be. Coincidentemente, trata-se do verbo mais importante e mais comum da língua inglesa.

O verbo to be possui as seguintes variações:

infinitivo

to be

presente

am/is/are

passado

was/were

 

being

particípio do presente particípio do passado

been

Inglês Instrumental Aula 02
Inglês Instrumental
Aula 02

Tempos Verbais

A estrutura da língua inglesa é menos flexível do que a do português. Na maioria dos textos, excetuando- se textos literários, a frase segue uma estrutura quase que fixa, o que facilita a compreensão do leitor atento. Alguns pontos básicos devem ser sempre lembrados por quem precisa interpretar e compreender textos em língua inglesa:

  • 1. Todo verbo em inglês possui sujeito

Em inglês, não existe sujeito oculto, ou inexistente, como em português. Todo o verbo possui um sujeito. Além disso, em frases afirmativas, geralmente o sujeito se coloca antes do verbo. Portanto, a estrutura mais comum da língua é a seguinte:

Sujeito

Verbo

Complemento

My brother

has

a car.

Abu Dhabi

is

the capital of the United Arab Emirates.

I

went

 

The plane

will take off

to the movies on Saturday. on time.

It

was raining

hard on the south of the country last night.

Apesar de alguns raros exemplos fora do padrão acima, pode-se dizer que a maioria das frases em língua inglesa obedece a essa estrutura. Observe, entretanto, que o último exemplo apresenta o sujeito it em um contexto no qual não é traduzido para o português, pois trata-se de oração sem sujeito em nossa língua. Isso é apenas mais um exemplo para ilustrar que não devemos traduzir palavras em um texto em língua estrangeira, mas idéias, mensagens. Um grande erro do leitor é tentar traduzir este pronome para nossa língua.

  • 2. Verbos auxiliares

Os verbos auxiliares são essenciais para se criar locuções negativas e interrogativas em língua inglesa. À exceção do verbo to be, todos os outros verbos da língua necessitam de um auxiliar nas estruturas negativa e interrogativa. Para se fazer a negação de uma frase com o verbo to be, necessitamos apenas de incluir o advérbio not após o verbo. Repare nos exemplos abaixo:

She is a travel agent. à She is not a travel agent.

They were the last passengers on the charter plane. à They were not the last passengers on the charter plane.

Inglês Instrumental Aula 02
Inglês Instrumental
Aula 02

Thomas and his brother are in Spain right now. à Thomas and his brother are not in Spain right now.

Teacher’s tips

Clique aqui para ver as minhas dicas sobre algumas contrações de verbos e auxiliares.

Os verbos auxiliares em inglês são o to be, o to do e o to have. Cada um faz o papel de auxiliar em um tempo verbal específico, como você verá mais adiante. Mais uma vez, a estrutura das frases também segue uma norma praticamente fixa.

Veja o quadro abaixo:

Negativa

Sujeito

Auxiliar + not

Verbo

Complemento

My brother

does not/doesn’t

have

a car.

I

did not/didn’t

go

 

The plane

will not/won’t

take off

to the movies on Saturday. on time.

It

was not/wasn’t

raining

hard on the south of the country last night.

Repare que além da inclusão do advérbio not, deve-se também incluir um auxiliar nas frases que já não o possuem (as duas primeiras acima). Os verbos nessas frases passam para a base, e é o auxiliar que indica o tempo verbal. Nos dois primeiros exemplos acima, o does indica que se trata de uma frase no presente, enquanto o did indica tratar-se de frase no passado.

Atente para isto: quando o auxiliar está presente em uma frase (em todas as negativas e interrogativas, e em algumas afirmativas) é ele quem indica o tempo verbal.

Agora veja o exemplo da estrutura interrogativa:

Interrogativa

Auxiliar

Sujeito

Verbo

Complemento

Does

my brother

have

a car?

Did

I

go

 

Will

the plane

take off

to the movies on Saturday? on time?

Was

it

raining

hard on the south of the country last night?

Na estrutura interrogativa, o auxiliar sempre aparece antes do sujeito. Mais uma vez o verbo assume a forma infinitiva e o tempo da frase é determinado pelo auxiliar apenas.

A seguir, durante a apresentação de cada tempo verbal, será chamada a atenção para o verbo que funciona como auxiliar.

Inglês Instrumental Aula 02  Simple Present
Inglês Instrumental
Aula 02
Simple Present

O presente simples usa a forma verbal base. Para facilitar, vamos mostrar sempre antes dos exemplos o quadro de formas verbais:

Quadro de formas verbais

 

Infinitivo

to walk

 

to speak

 
 

Base

 

walk/walks

 

speak/speaks

Passado

walked

 

spoke

 
   

walking

 

speaking

 

Particípio do presente Particípio do passado

 

walked

 

spoken

 

Pois bem, agora veja dois exemplos a seguir:

 

Exemplo 1

   

I

walk

speak

 
 

He

   

She

walks

speaks

SINGULAR

It

You

   
 

We

walk

 

speak

PLURAL

You

They

   

Os usos mais comuns do presente simples são os seguintes:

Um estado no presente: He works for TAP Portugal Airlines.

Um fato geral: Swizterland borders the north of Italy.

Ações habituais: My brother goes to work by bus every day.

Além desses usos, o presente simples também é usado para se referir a um horário determinado no futuro, especialmente quando nos referimos a horários de partida e chegada de trens ou aviões, por exemplo.

Ms. Daniels, your flight leaves at 10:40 next Monday.

O auxiliar utilizado no presente simples para as frases negativas e interrogativas é o to do. Assim como o verbo principal, o auxiliar assume a forma does na terceira pessoa do singular.

Affirmativa

Negativa

Interrogativa

I walk ...

I don’t walk ...

Do I walk

....

?

     

...

?

He speaks ... We work ...

He doesn’t speak ... We don’t work ...

Does he speak Do we work

...

?

They dance ...

They don’t dance ...

Do they dance

...

?

Inglês Instrumental Aula 02  Past Simple
Inglês Instrumental
Aula 02
Past Simple

Para o passado simples, utiliza-se a forma verbal passado, que é invariável a todas as pessoas do discurso. Observe o quadro de formas verbais e depois veja o exemplo:

Quadro de formas verbais

 

Infinitivo

to walk

 

to speak

 

Base

walk/walks

 

speak/speaks

 
 

Passado

 

walked

 

spoke

   

walking

 

speaking

 

Particípio do presente Particípio do passado

 

walked

 

spoken

 

Exemplo 2

   

I

     
 

He

She

SINGULAR

It

You

walked

spoke

 

We

PLURAL

You

They

O simple past é usado apenas para se referir a ações que aconteceram no passado e que terminaram no passado. Tal ação pode ser:

Momentânea: The plane arrived two hours late.

Prolongada: He worked as a pilot for ten years.

Repetida: I took a nap every day after lunch when I was a student.

O passado simples também faz uso do verbo to do como auxiliar. Entretanto, como é o tempo passado, o verbo auxiliar assume a forma did para todas as pessoas:

 

Affirmativa

Negativa

Interrogativa

I walked ...

I didn’t walk ...

Did I walk

....

?

     

...

?

He spoke ... We worked ...

He didn’t speak ... We didn’t work ...

Did he speak Did we work

...

?

They danced ...

They didn’t dance ...

Did they dance

...

?

Future

Há duas maneiras de ser formar o futuro em inglês. Uma delas é com o uso do verbo modal will, seguido da base do verbo. Esta forma também é invariável.

Quadro de formas verbais

Inglês Instrumental Aula 02
Inglês Instrumental
Aula 02
 

Infinitivo

to walk

to speak

 
 

Base

walk/walks

 

speak/speaks

Passado

walked

spoke

 
   

walking

speaking

 

Particípio do presente Particípio do passado

 

walked

spoken

 

Exemplo 3

   

I

     
 

He

She

SINGULAR

It

You

will walk

will speak

 

We

PLURAL

You

They

Já a segunda forma de indicar o futuro é com a expressão auxiliar be going to seguida da base do verbo. Como esta forma utiliza o verbo to be, há inflexão relacionada à pessoa do discurso:

Exemplo 4

 

I

am going to walk

am going to speak

 

He

   

She

is going to walk

is going to speak

SINGULAR

It

You

   
 

We

are going to walk

are going to speak

PLURAL

You

They

   

Não há muita diferença prática entre as duas formas, e, na maioria das vezes, ambas podem ser usadas sem alteração no sentido. Ambas as formas são utilizadas para expressar qualquer evento que ocorrerá no futuro.

Davis will bring the voucher tomorrow morning

.

Davis is going to bring the voucher tomorrow morning.

You will love your trip to Paris!

You’re going to love your trip to Paris!

Inglês Instrumental Aula 02
Inglês Instrumental
Aula 02

Para formular o negativo e o interrogativo de ambas as formas do futuro, não há a inclusão de nenhum outro auxiliar, visto que uma das formas utiliza-se do verbo to be já funcionando como auxiliar, e a outra forma utiliza-se do verbo modal will, que possui características auxiliares. Portanto, as estruturas do negativo e interrogativo são as seguintes:

 

Affirmativa

Negativa

 

Interrogativa

 

I will walk ...

I will not/won’t walk ...

Will I walk

....

?

He will speak ...

He will not/won’t speak ...

Will he speak

...

?

   

...

?

 

We are going to work ... They are going to dance ...

We aren’t going to work ... They aren’t going to dance ...

Are we going to work Are they going to dance

...

?

Continuous

Os chamados tempos contínuos referem-se a ações que se prolongam durante um certo período de tempo.

Para se formar os continuous tenses, utilizamos o auxiliar to be seguido do particípio do presente do verbo principal. Porém atenção: como na língua portuguesa, para indicar passado, presente ou futuro, o verbo auxiliar é que flexiona, não o verbo principal. Veja no quadro abaixo:

Quadro de formas verbais

 

Infinitivo

 

to walk

to speak

 

Base

walk/walks

speak/speaks

Passado

 

walked

spoke

Particípio do presente

walking

 

speaking

Particípio do passado

 

walked

spoken

Exemplo 5

 
       

am

walking

am

speaking

presente

I

was

walking

was

speaking

passado

will be walking

will be speaking

futuro

SINGULAR

 

He

is

walking

is

speaking

presente

She

was

walking

was

speaking

passado

 

It

will be walking

will be speaking

futuro

You

are walking

are speaking

 
 

We

presente

PLURAL

You

were walking

were speaking

passado

They

will be walking

will be speaking

futuro

Veja alguns exemplos de frases em tempo contínuo:

The boys are swimming in the indoor pool.

Inglês Instrumental Aula 02
Inglês Instrumental
Aula 02

Janet was trying to make a long distance call to her parents in Chicago.

On this exact hour next week, I’ll be lying on a beach in the Bahamas.

Além de referir-se a ações que se prolongam por algum espaço de tempo, o present continuous (apenas o presente) pode ser usado para referir-se a ações futuras já planejadas e tidas como certas. Este uso também existe na língua portuguesa, quando dizemos, “Estou viajando para Londres mês que vem”. A locução verbal estou viajando, embora no presente, refere-se ao futuro (mês que vem). Veja alguns exemplos:

I’m receiving friends for dinner next weekend.

I’m buying a new car next year.

Mais uma vez, como o tempo verbal utiliza-se do verbo to be como auxiliar, as formas negativas e interrogativas não incluem outro auxiliar:

Affirmativa

Negativa

Interrogativa

 

I am walking ...

I am not walking ...

....

?

 

He was speaking ...

He was not/wasn’t speaking ...

Am I walking Was he speaking

...

?

   

Will we be working

...

?

We will be working ... They are dancing ...

We will not/won’t be working ... They aren’t dancing ...

Are they dancing

...

?

Ao terminar esta Aula observe a evolução do seu aprendizado. Lembre-se que os verbos são fundamentais para compreensão dos textos na língua inglesa. Antes de finalizar esta Aula e partir para próxima, realize os exercícios a seguir.

Inglês Instrumental Aula 03
Inglês Instrumental
Aula 03

AULA 3 – Verbos II

Nesta Aula você continuará seus estudos sobre verbo, entretanto estudará os tempos perfeitos

Tempos Perfeitos

Os tempos perfeitos utilizam o auxiliar to have e o verbo principal na forma do particípio do passado. Como no caso do tempo contínuo, é o auxiliar que indica o tempo (presente, passado ou futuro).

Observe os exemplos de frases a seguir, cujo verbo principal é to buy (comprar)e que no particípio do passado fica bought:

Presente - My brother has bought a new car.

Passado – My brother had bought a new car before that.

Futuro – My brother will have bought a new car by then.

Como você pode observar, o verbo principal não altera com relação ao tempo de cada ação. É o auxiliar, to have que indica se a frase está no presente, passado ou futuro perfeito.

Usos do tempo presente

De uma maneira geral, os tempos perfeitos referem-se a ações que ocorrem antes de um tempo determinado. Vejamos um exemplo do passado perfeito:

Felicia had finished her dinner when John arrived.

Repare que há duas ações citadas na frase, em dois tempos distintos; uma é a ação da Felicia terminar o jantar, e a outra é a ação do John chegar. O fato do verbo had finishedestar no passado perfeito, indica que ela ocorreu antes de outro ponto do passado: no caso acima, a chegada do John.

Em português, a locução had finished na frase Felicia had finished her dinner when John arrived é traduzida pelo pretérito mais-que-perfeito simples ou composto:

Felicia tinha terminado seu jantar quando John chegou.

Felícia havia terminado seu jantar quando John chegou.

Inglês Instrumental Aula 03
Inglês Instrumental
Aula 03

Felicia terminara seu jantar quando John chegou.

Portanto, o passado perfeito (had finished) refere-se a uma ação que ocorreu antes de um ponto no passado (John arrived).

Fazendo um paralelo com o que foi exposto acima, o futuro perfeito indica uma ação que ocorrerá (ou finalizará) antes de outra ação (ou tempo) no futuro. Observe o exemplo abaixo:

By 2010 Lucy will have paid her apartment mortgage.

Nesse caso, estabeleceu-se um ponto de referência no futuro (2010) e indicou-se que a ação de pagar o financiamento do apartamento ocorrerá antes deste ponto de referência. Em português, o correspondente a esta frase só pode ser feito com o tempo composto do futuro do presente:

Até 2010, Lucy terá pago o financiamento de seu apartamento.

O Presente Perfeito em Inglês

O present perfect em inglês requer um estudo mais detalhado. De maneira geral, podemos fazer uma analogia com os tempos passado e futuro perfeito:

O passado perfeito indica uma ação que ocorreu antes de outra ação (ou referência) no

passado; O futuro perfeito indica uma ação que ocorrerá (ou terminará) antes de outra ação (ou

referência) no futuro; O presente perfeito, por sua vez, indica uma ação que ocorreu antes de outra ação (ou referência) no presente.

Portanto, voltando aos nossos exemplos anteriores: a Felicia terminou o jantar antes do John chegar, e Lucy pagará o financiamento antes de 2010. Semelhantemente, a ação expressa pelo presente perfeito ocorrerá antes do presente, ou seja, no passado.

Mas o presente perfeito não é usado nas mesmas situações do passado simples estudado no módulo anterior. Uma característica dos tempos perfeitos é a não definição exata de quando a ação ocorre.

Veja novamente os exemplos utilizados até o momento:

Felicia had finished her dinner when John arrived.

Inglês Instrumental Aula 03
Inglês Instrumental
Aula 03

By 2010 Lucy will have paid her apartment mortgage.

Não se sabe o exato momento em que Felicia terminou seu jantar nem quando a Lucy terá pago o financiamento de seu apartamento. Sabe-se apenas que Felicia terminou antes do John chegar e que Lucy terá pago antes de 2010.

Da mesma maneira, no caso do presente perfeito não sabemos quando ocorreu a ação, apenas que ocorreu antes do presente, antes do momento atual. Observe o exemplo a seguir:

Richard has visited Japan.

Sabe-se que o Richard já visitou o Japão, mas não se sabe quando ele esteve lá. Na realidade, o tempo verbal não nos dá tal informação. Simplesmente indica que antes do momento presente, o Richard visitou o Japão.

O present perfect também tem outros usos que merecem ser analisados com atenção, principalmente porque a escolha do tempo verbal correspondente em português depende do uso em inglês.

Vejamos os usos do present perfect detalhadamente:

Uma ação que ocorreu em um tempo indefinido no passado:

My cousin Thomas has bought a Ferrari.

A tradução para o verbo em português seria o pretérito perfeito:

Meu primo Thomas comprou uma Ferrari.

Uma ação que ocorreu recentemente (com o advérbio just):

Maria has just left.

O equivalente no português para o presente perfeito com o advérbio just é a expressão acabou de ...

Maria acabou de sair.

Uma ação que se iniciou no passado e continua até o presente (geralmente com os advérbios for ou since):

Inglês Instrumental Aula 03
Inglês Instrumental
Aula 03

We’ve known each other since we were kids.

They’ve worked in the company for twenty-three years.

Neste caso, o equivalente no português seria o presente do indicativo:

Nós nos conhecemos desde que éramos crianças.

Eles trabalham na empresa há vinte três anos.

Repare, portanto, que um mesmo tempo verbal em inglês deve ser traduzido de maneiras diferentes em português, dependendo do seu uso e do contexto. Entretanto, veja que o auxiliar have não é vertido para o português. Mais uma vez reforça-se a máxima mencionada anteriormente: o que traduzimos são mensagens e não palavras.

Você ampliou mais seus estudos sobre verbos; não foi? Observou que apesar de parecerem tênues, são diferenças fundamentais e mudam o sentido da ação no texto. Para exercitar, realize as atividades a seguir.

Inglês Instrumental Aula 04
Inglês Instrumental
Aula 04

AULA 4 – Verbos Modais

Os verbos modais, que expressam diferenças, geralmente manifestadas por advérbios em nossa língua, é o tema de estudo desta Aula. Trata-se de um conteúdo importante para ampliar o entendimento de textos em inglês.

Características e usos dos Verbos Modais

Os verbos modais formam uma classe de verbos à parte na língua inglesa, pois possuem características de auxiliares, de verbos principais, e algumas características próprias.

Veja as principais características dos verbos modais, com alguns exemplos para facilitar a compreensão:

Os verbos modais são os únicos verbos da língua inglesa que não flexionam na terceira pessoa do singular. Isso quer dizer que o verbo modal é invariável com relação à pessoa do discurso.

 

I can speak Russian

 

He can speak Italian

 

They can speak Chinese.

Os verbos modais também são os únicos seguidos pela forma base do verbo principal (a única exceção é o ought, que é seguido pelo infinitivo). Os verbos principais são geralmente seguidos pelo forma infinitivo ou pelo gerúndio.

I can dance.

I love dancing.

I want to dance.

Inglês Instrumental Aula 04
Inglês Instrumental
Aula 04

Como com os verbos auxiliares be, have e do, os verbos modais também podem se unir ao advérbio not em frases negativas.

 

I can’t go.

 

He shouldn’t worry.

Também como os auxiliares, os modais aparecem antes dos sujeitos em frases interrogativas.

Would they visit us in Houston?

Could you help me?

Porém, diferentemente dos auxiliares, os verbos modais possuem valor semântico próprio, ou seja, eles possuem significado. A presença de um auxiliar em uma frase não altera o sentido da frase, mas a presença de um modal dá novo significado ao enunciado.

He is crazy. à Ele é louco.

He could be crazy. à Ele poderia ser louco.

He must be crazy. à Ele deve ser louco.

Veja agora os vários usos dos verbos modais em língua inglesa.

Necessidade

O modal must é utilizado para referir-se a obrigações ou necessidades. De certa forma, must possui o mesmo valor do verbo have, quando esse indica necessidade:

Inglês Instrumental Aula 04
Inglês Instrumental
Aula 04

I have to complete this form to get my visa. Eu tenho que preencher este formulário para conseguir o visto.

I must hurry, or I’ll miss my train. Tenho que me apressar, senão perderei o trem.

Também se usa o modal must não quando se trata de uma obrigação ou necessidade, mas quando achamos que algo é tão agradável ou importante que o ouvinte não poderia deixar de fazê-lo:

You really must watch the latest Almodovar’s film.

Em português, também se usa desse achamos importante:

artifício para convencer o ouvinte a fazer algo que realmente

Você tem que ver o último filme do Almodovar.

Sugestão e Conselho

Os verbos modais utilizados para sugerir ou aconselhar são o should e o ought to. Ambos possuem o mesmo significado. Esses modais são utilizados para dizer o que é certo ou o melhor a fazer.

The government should invest more on leisure facilities.

When you go to Japan you ought to visit the Imperial Palace in Tokyo.

Em português, as frases ficariam:

O governo deveria investir mais em locais de lazer.

Quando for ao Japão, você deve visitar o Palácio Imperial em Tóquio.

Repare que should e ought to não são tão fortes quanto o must. Entretanto, em algumas situações, eles são uma alternativa mais educada e menos direta do que o must. Observe o exemplo abaixo:

Inglês Instrumental Aula 04
Inglês Instrumental
Aula 04

Passengers should check in at least one hour before departure time. Os passageiros devem se apresentar ao menos uma hora antes da hora do vôo.

Nesse caso, trata-se de uma regra dos aeroportos, que tem que ser seguida por todos os usuários. Entretanto, o uso do must nessa situação seria considerado um tanto quanto indelicado.

Permissão

Em inglês, usa-se can, could ou may para falar sobre permissão. O may é mais formal e, portanto, mais presente em textos escritos:

You can use my car if you want.

Could I see your passport, please?

The candidate may take one bottle of mineral water to drink during the test.

Traduzindo para o português:

Você pode usar meu carro, se quiser.

Posso ver seu passaporte, por favor?

O candidato pode trazer uma garrafa de água mineral para beber durante a prova.

Certeza

Utiliza-se os modais must, can’t e couldn’t para dizer que algo que é certamente verdade ou que certamente não é verdade. Com este significado, o modal must é o oposto de can’t e couldn’t.

Repare nos exemplos a seguir:

Inglês Instrumental Aula 04
Inglês Instrumental
Aula 04

You have been working for 20 hours straight? You must be tired!

She couldn’t/can’t be graduating already! She started the course last year!

Em português os equivalentes seriam:

Você está trabalhando há 20 horas sem parar? Você deve estar cansado!

Ela não pode já estar se formando! Ela começou o curso no ano passado!

Repare que o deve neste contexto não é equivalente ao deve do exemplo citado acima referente à sugestão ou conselho. Da mesma maneira, o não pode acima não é equivalente ao pode do exemplo de permissão. Na verdade, seria mais natural traduzir a segunda frase por “Não acredito que ela esteja se

formando ...

”.

Probabilidade

Usamos should ou ought to também para dizer que algo é provável, tanto no presente quanto no futuro, como demonstram as frases a seguir:

Don’t worry. The train should arrive according to schedule. Não se preocupe. O trem deve chegar de acordo com o horário.

Maria left one hour ago. She ought to be at work already. A Maria saiu há uma hora. Ela já deve estar no trabalho.

Mais uma vez, enfatiza-se que o deve acima não tem o mesmo significado do deve de sugestão/conselho ou da certeza.

Possibilidade

Inglês Instrumental Aula 04 Para expressar possibilidade, a língua inglesa utiliza-se dos modais can, could, may
Inglês Instrumental
Aula 04
Para expressar possibilidade, a língua inglesa utiliza-se dos modais can, could, may
e might.
Eles
possuem algumas diferenças de uso, mas que não interferem na compreensão da leitura.
Veja
os

exemplos:

We may take a bus.

The Coliseum, in Rome, might be the most impressive building I have ever seen.

The tourists decided they could contact the travel agency to require assistance.

If the authorities confirm the hurricane will hit the city, the guests can be transferred to the football stadium downtown.

Em português, a tradução é a seguinte:

Nós podemos pegar um ônibus.

O Coliseu, em Roma, é possivelmente a construção mais impressionante que já vi.

Os turistas decidiram que poderiam contatar a agência de viagens e solicitar ajuda.

Se as autoridades confirmarem que o furacão atingirá a cidade, os hóspedes poderão ser transferidos para o estádio de futebol no centro da cidade.

Repare que no segundo exemplo, a melhor tradução para o português faz uso de um advérbio, possivelmente, em substituição ao modal might. Mais um exemplo de que tradução não deve ser feita palavra por palavra.

Inglês Instrumental Aula 04  Habilidade
Inglês Instrumental
Aula 04
Habilidade

Em inglês, utilizamos can e could também para dizer que algo é possível, pois alguém possui a habilidade para fazê-lo. Can é usado para o presente e could para o passado.

Veja as exemplificações:

The Swiss can speak three languages.

My grandfather could recite many Shakespearean sonnets.

Esse uso dos modais can e could é uma das causas dos erros de interpretação mais freqüentes de leitores brasileiros. Isso se dá, pois se tenta traduzir as frases usando o verbo poder, indicando possibilidade. Entretanto, como se trata de habilidade, a tradução mais adequada é com o verbo saber:

Os suíços sabem falar três línguas.

Meu avô sabia recitar vários sonetos de Shakespeare.

Situações Irreais (ou hipotéticas)

Usa-se o modal would em inglês quando você se refere à

situações

que não

são reais

ou

que

são

hipotéticas (ou seja, não confirmadas ainda). Veja os exemplos abaixo:

It would all be different if we had won the match.

It would be nice to organize a picnic.

Na primeira frase, nós não vencemos a partida, ou seja, a situação de ter vencido é irreal. Veja a tradução:

Inglês Instrumental Aula 04
Inglês Instrumental
Aula 04

Tudo seria diferente se tivéssemos vencido a partida.

Já na segunda frase, não está ainda decidido se haverá ou não o piquenique, ou seja, o piquenique é uma hipótese a ser pensada. A tradução mais adequada é:

Seria bom organizar um piquenique.

Pois bem, com esta Aula você terminou o estudo sobre verbos desta UE, mas ainda há
Pois bem, com esta Aula você terminou o estudo sobre verbos desta UE, mas ainda há muito mais a
aprender.
Faça
os
exercícios
a
seguir
e,
depois,
siga
em
frente!
Inglês Instrumental Aula 05
Inglês Instrumental
Aula 05

Aula 05 – Gramática - Referência Pronominal

Nesta Aula você estudará sobre referência pronominal, ou seja, entenderá a que os vários pronomes utilizados nas frases se referem. Vamos lá!

Divisão da Referência Pronominal

Para se fazer uma boa leitura é fundamental entender as referências pronominais que aparecem nas frases, uma vez que elas são carregadas de significados e, se mal interpretadas, acarretam erros de compreensão sérios.

Pode-se dividir a referência pronominal em alguns casos, como você verá a seguir:

Pronome Relativo

Veja, inicialmente, um exemplo em português.

Os turistas podem visitar o museu que abre de 9 às 17h.

Na frase acima, a oração “que abre de 9 às 17h”, o pronome relativo QUE se refere ao museu: “Os turistas podem visitar o museu” é a oração principal. “O Museu (substituído por QUE) abre de 9 às 17h” é a oração subordinada.

Bem, essa referência ao museu sem a necessidade de se repetir o vocábulo só é possível porque fazemos a substituição do termo pelo pronome relativo QUE.

Veja agora o mesmo exemplo em inglês:

Tourists may visit the museum which is open from 9 to 5.

O pronome relativo which se refere ao termo museum.

Para você conseguir interpretar um texto com maior eficácia, é essencial conseguir identificar a que se referem os pronomes relativos que você encontra no texto. Observe o exemplo a seguir:

The results of the test, which were not very satisfactory, worried most of us.

Esta frase possui o pronome relativo which. A que ele se refere? Ao substantivo results ou a test? Em outras palavras, o que não foi satisfatório, de acordo com a frase, os resultados, ou o teste? Nesse caso, como o verbo to be encontra-se no plural (were), significa que which refere-se a um substantivo no

Inglês Instrumental Aula 05
Inglês Instrumental
Aula 05

plural, e não no singular. Portanto, são os resultados que não foram satisfatórios. Uma leitura desatenta poderia causar erro de interpretação.

Portanto, é essencial que você conheça os pronomes relativos existentes em língua inglesa para entender as várias referências pronominais possíveis.

Em inglês têm-se os seguintes pronomes relativos mais comuns:

THAT

WHICH

WHO(M)

WHOSE

WHERE

WHEN

WHY

Vejamos então os pronomes um a um.

THAT

O pronome relativo THAT refere-se a pessoas e a objetos:

The suitcase that is missing is insured. A mala que está desaparecida tem seguro.

O pronome relativo that (que) refere-se então a suitcase (mala).

The agent that is online should be able to help you. O agente que está online pode te ajudar.

O pronome relativo that (que) refere-se a agent (agente).

WHICH

O pronome relativo WHICH refere-se a objetos apenas:

The suitcase which is missing is insured. A mala que está desaparecida tem seguro.

O pronome relativo which (que) refere-se então a suitcase (mala).

Inglês Instrumental Aula 05  WHO(M)
Inglês Instrumental
Aula 05
WHO(M)

O pronome relativo WHO(M) refere-se apenas a pessoas:

The agent who is online should be able to help you. O agente que está online pode te ajudar.

O pronome relativo who (que) refere-se a agent (agente).

The agent whom I talked to helped me. O agente com quem eu falei ajudou-me.

O pronome relativo whom (quem) refere-se a agent (agente).

WHOSE

O pronome relativo WHOSE refere-se a uma posse:

The passenger whose dinner is vegetarian is sitting on 3C. O passageiro cujo jantar é vegetariano está no assento 3C.

O pronome relativo whose (cujo) refere-se a passenger (passageiro), mas nesse caso há uma relação de posse. “Cujo Jantar” estabelece que o jantar é do passageiro.

WHERE

O pronome relativo WHERE refere-se a uma referência de local:

The station where the train stops closes at midnight. A estação onde o trem pára fecha à meia-noite.

O pronome relativo where (onde) refere-se a station (estação).

WHEN

O pronome relativo WHEN refere-se a uma data:

The year when Brasília was inaugurated was 1960. O ano em que Brasília foi inaugurada foi 1960.

Inglês Instrumental Aula 05
Inglês Instrumental
Aula 05

O pronome relativo when (em que) refere-se a year (ano).

WHY

O pronome relativo WHY refere-se a um motivo:

The reason why the hotel was inspected was VIP guest. A razão pela qual o hotel foi inspecionado foi uma visita ilustre.

O pronome relativo why (pela qual) refere-se a reason (razão).

THE FORMER / THE LATTER

Essas

duas

expressões

são

pronominais importantes.

bastante

comuns

na

literatura

científica

e

estabelecem

referências

Elas serão utilizadas quando houver menção a dois itens. O primeiro será referido como THE FORMER e o segundo será referido como THE LATTER.

Observe o exemplo a seguir:

The two most important industries here are tourism and agriculture. The former represents 50% of the income generated in the city, and the latter represent 35%.

O equivalente em português seria:

As duas indústrias mais importantes aqui são o turismo e a agricultura. A primeira representa 50% da receita gerada na cidade e a última representa 35%.

Portanto, the former refere-se a tourism (turismo) e the latter refere-se a agriculture (agricultura).

Teacher`s Tip

Clique aqui para ver as minhas dicas sobre pronomes em posição de sujeito, de objeto e indicando posse.

O quadro a seguir resume o que foi estudado sobre os pronomes relativos e o ajudará em uma necessidade de consulta rápida para as resoluções dos exercícios propostos a seguir.

Inglês Instrumental Aula 05
Inglês Instrumental
Aula 05

PRONOME RELATIVO

REFERENTE

 

Pessoa

THAT

Objeto

WHICH

Objeto

WHO(M)

Pessoa

WHOSE

Pessoa (indicando posse)

WHERE

 

WHEN

Lugar Data

WHY

Motivo (razão)

Inglês Instrumental Aula 06
Inglês Instrumental
Aula 06

Aula 06 - Vocabulário: Processo de Formação de Palavras

Nesta Aula você vai aprender sobre o processo de formação de palavras, mais especificamente sobre os processos denominados prefixação e sufixação. Você se lembra que na primeira Aula você estudou e até teve acesso a um exemplo de como a formação de palavras ajuda ao leitor a multiplicar seu

vocabulário? Então, nesta Aula você irá se aprofundar no tema.

Prefixação

A prefixação consiste em adicionar um prefixo a um determinado radical. Vejamos, primeiramente, um exemplo em português: ao pegar o vocábulo contente e acrescentar o prefixo des-, forma-se um novo vocábulo: descontente. O mesmo acontece em inglês. Pode-se acrescentar o prefixo un- ao vocábulo happy (contente) e assim tem-se uma nova palavra: unhappy (descontente/infeliz).

É necessário que você perceba que ao acrescentar um prefixo altera-se o significado da palavra à qual o prefixo foi adicionado. A alteração semântica , ou seja, a alteração do significado, ocorre principalmente, mas não exclusivamente, quando se acrescentam prefixos.

Sufixação

Veja agora o processo de formação de palavras chamado sufixação. Nesse caso, acrescenta-se um sufixo à palavra. Observe, como ponto de partida, novamente, um exemplo em português: à palavra contente, pode-se acrescentar um sufixo e formar o vocábulo contentamento. A mesma coisa pode acontecer em inglês. Do vocábulo happy pode-se formar happiness ao acrescentarmos o sufixo -ness.

A alteração morfológica, ou seja, a alteração da classe gramatical, ocorre principalmente, mas não exclusivamente, quando se acrescentam sufixos. Contente é um adjetivo e contentamento é um substantivo.

Mas, será que é possível utilizar os dois processos de formação de palavras concomitantemente?

É claro que sim. Veja:

DES + CONTENTE + MENTO = DESCONTENTAMENTO

O mesmo pode acontecer em inglês:

Inglês Instrumental Aula 06
Inglês Instrumental
Aula 06

UN + HAPPY + NESS = UNHAPPINESS

Veja um outro exemplo:

UNFORGETTABLY

Bem, o primeiro passo para compreender esta palavra é desmontá-la para entender as partes que a compõem.

»»» Forget é o verbo esquecer-se.

»»» Un- é um prefixo que promove uma alteração semântica. Você deve se lembrar do exemplo acima no qual o vocábulo unhappy significa infeliz. Então, o prefixo un- forma o antônimo da palavra. Assim sendo, aqui no exemplo em questão, estamos falando de “não esquecer”.

»»»Já o sufixo -able transforma o verbo em um adjetivo; trata-se de uma alteração morfológica.

»»»O

sufixo -ly

transforma esse adjetivo em um advérbio,

alteração morfológica.

ou seja,

também promove uma nova

Assim sendo, o vocábulo unforgettably é um advérbio que expressa a idéia de “não esquecer”. Temos, portanto, o vocábulo inesquecivelmente.

Pode-se transformar a palavra forget ainda mais. Pegue um bom dicionário verifique o significado das palavras a seguir:

Forgetful

Forgetfully

Forgetfulness

Unforgettableness

Como você deve ter percebido, o conhecimento das alterações semântica e morfológica promovidas pelos prefixos e pelos sufixos são de grande valia para o leitor instrumental, uma vez que permite chegar ao significado da palavra sem ter que procurá-la no dicionário, bastando, apenas, conhecer a raiz da palavra em questão. O aluno fará, sozinho, a derivação da palavra.

É necessário, então, conhecer os principais prefixos e sufixos e as alterações morfológica e semântica que eles promovem.

Inglês Instrumental Aula 06
Inglês Instrumental
Aula 06

Os exercícios a seguir auxiliarão a exercitar o processo de formação de palavras. Para fazer os exercícios, você precisará de um bom dicionário. Siga as instruções e reflita sobre a alteração semântica/morfológica promovida pelo prefixo ou pelo sufixo. Ao final de cada grupo de exercício você sempre encontrará um quadro resumo para ajudá-lo a sistematizar a aprendizagem.

Grupo 01

  • 1. Procure no dicionário o verbo dress e verifique o seu significado. Agora verifique o significado do vocábulo undress.continue Qual é a alteração que o prefixo un- promove? O prefixo un- reverte a ação do verbo. Então, complete a seguinte analogia: Se do é fazer, undo é

  • 2. Vejamos agora um cognato. Procure as palavras different e indifferent no dicionário. Qual é a alteração que o prefixo in- promove? O prefixo in- cria o antônimo. Então, complete a seguinte analogia: Se valid é válido, invalid é

  • 3. Dishonest é uma palavra derivada do vocábulo honest. Qual é a alteração que o prefixo dis- promove? O prefixo dis- também nega o termo original. Então, complete a seguinte analogia: Se believe é acreditar, disbelieve é

  • 4. Nonexistent vem de existent. Qual é a alteração que o prefixo non- promove? O prefixo non- também nega o vocábulo original. Então, complete a seguinte analogia: Se essencial é essencial, nonessencial é

  • 5. Do vocábulo moral podemos formar amoral. Qual é a alteração que o prefixo a- promove? O prefixo a- indica falta de. Então, complete a seguinte analogia: Se symmetrical é simétrico, asymmetrical é

  • 6. Procure no dicionário o vocábulo code. Agora verifique o significado do verbo decode. Qual é a alteração que o prefixo de- promove? O prefixo de- reverte a ação do verbo. Então, complete a seguinte analogia: Se centralize é centralizar, decentralize é

Inglês Instrumental Aula 06
Inglês Instrumental
Aula 06

Prefixo

Função

Exemplo

Tradução

un-

Reverte ação de verbos

do à undo

fazer à desfazer

in-

Nega o vocábulo

Different à Indifferent

Diferente à Indiferente

dis-

Nega o vocábulo

Honest à Dishonest

Honesto à Desonesto

non-

Nega o vocábulo

Existent à Nonexistent

Existente à Inexistente

a-

Indica falta de

Symmetrical à Asymmetrical

Simétrico à Assimétrico

de-

Reverte ação de verbos

Code à Decode

Codificar à Decodificar

Grupo 02

  • 1. Procure no dicionário o significado do verbo believe Agora verifique o significado de misbelieve.continue Qual é a alteração que o prefixo mis- promove? O prefixo mis- indica que a ação é feita de forma errada. Então, complete a seguinte analogia: Se inform é informar, misinform é

  • 2. Maltreat deriva do verbo treat. Qual é a alteração que o prefixo mal- promove? O prefixo mal- acrescenta a idéia de erro. Então, complete a seguinte analogia: Se function é função, malfunction é

Prefixo

Função

Exemplo

Tradução

 

Agrega

a

idéia

de

fazer

   

mal-

mal ao verbo

 

Inform à misinform

Informar à informar mal

 

Agrega

a

idéia

de

fazer

   

dis-

mal ao verbo

 

Treat à Matreat

Tratar à Maltratar

Grupo 03

  • 1. Verifique o significado do verbo tell. Agora verifique o verbo foretell.continue Qual é a alteração que o prefixo fore- promove? O prefixo fore- significa “antes de”. Então, complete a seguinte analogia: Se knowledge é conhecimento, foreknowledge é

  • 2. Verifique no dicionário o significado do verbo build. Agora verifique o significado do verbo rebuild.Qual é a alteração que o prefixo re- promove? O prefixo re- significa “repetir”. Então, complete a seguinte analogia: Se do é fazer, redo é

Inglês Instrumental Aula 06 Prefixo Significado Exemplo Tradução Fore- Agrega a idéia de “antes de” Tell
Inglês Instrumental
Aula 06
Prefixo
Significado
Exemplo
Tradução
Fore-
Agrega a idéia de “antes de”
Tell à Foretell
Dizer à Predizer
re-
Agrega a idéia de repetição
Build à Rebuild
Construir à Reconstruir

Grupo 04

  • 1. Verifique no dicionário o significado do vocábulo priviledged. Agora verifique o significado de underpriviledged.

Semelhantes aos que você usa em português. A interpretação desses prefixos é fácil, pois são os mesmos que se usa na língua portuguesa e com os mesmos significados.

Quadro resumo de outros prefixos

Prefixo

Exemplo

Co-

Worker à Coworker

Pseudo-

Scientific à Pseudo-scientific

Pre-

History à Pre-history

Ex-

President à Ex-president

Post-

War à Post-war

Super-

Natural à Supernatural

Sub-

Conscious à Subconscious

Hyper-

Sensitive à Hypersensitive

Ultra-

Violet à Ultraviolet

Mini-

Blouse à Miniblouse

Pro-

American à Pro-American

Anti-

Body à Antibody

Inter-

Continental à Intercontinental

Trans-

Atlantic à Transatlantic

Uni-

Lateral à Unilateral

Bi-

Focal à Bifocal

Tri-

Angle à Triangle

Poly-

Syllabic à Polysyllabic

Neo-

Classic à Neoclassic

Multi-

Rational à Multirational

Auto-

Biography à Autobiography

Pan-

American à Pan-American

Semi-

Circle à Semi-circle

Vice-

President à Vice-president

Agora que você exercitou os prefixos, veja os sufixos. Aqui o assunto será abordado de maneira diferente, já que o importante é perceber a alteração morfológica que o sufixo promove.

Já vimos que –ly é um importante sufixo formador de advérbios. Os outros sufixos da língua inglesa serão divididos em três grandes grupos:

Sufixos formadores de substantivos.

Sufixos formadores de adjetivos.

Sufixos formadores de verbos.

Inglês Instrumental Aula 06
Inglês Instrumental
Aula 06

Observe:

Sufixos formadores de substantivos

 

Sufixo

 

Exemplo

 

Tradução

 

-er

 

Read

Reader

Ler

Leitor

 

-ar

Beg

Beggar

Pedir

Pedinte

-or

Govern – Governor

Governar – Governador

 
 

-ist

       
 

-ian

 

Geology – Geologist Obstetrics – Obstetrician

 

Geologia – Geólogo Obstetrícia – Obstetra

 
 

-ation/-tion

 

Compute – Computation

     
 

-ment

   

Computar – Computação Desenvolver – Desenvolvimento

 
 

-ance/-ence

 

Develop – Development Perform – Performance

 

Desempenhar – Desempenho

 
 

-al

 

Remove – Removal

 

Remover – Remoção

 
 

-age

   

Passar – Passagem

 
 

-let

 

Pass – Passage Book – Booklet

     
 

-ness

 

Lion – Lioness

 

Livro – Livreto, Apostila Leão – Leoa

 
 

-hood

 

Brother – Brotherhood

 

Irmão – Irmandade

 
 

-ship

 

Friend – Friendship

     
 

-dom

 

King – Kingdom

 

Amigo – Amizade Rei – Reinado, Reino

 
 

-ity

   

Puro – Pureza

 
 

-ing

 

Pure – Purity Begin – Beginning

 

Iniciar – Início

 
 

Sufixos formadores de adjetivos

 
 

Sufixo

   

Exemplo

 

Tradução

 

-y

       

-ful

Salt – Salty Use – Useful

 

Sal – Salgado Uso – Útil

 

-less

Use – Useless

 

Uso – Inútil

 

-able

Permit – Permissible

 

Permitir – Permissível

 

-ive

Relate – Relative

 

Relacionar – Relativo

 

-like

Business – Business-like

     

-some

Fear – Fearsome

 

Negócio – Empresarial Medo – Amedrontador

 

-worthy

Note – Noteworthy

 

Nota – Notável

 

-ing

   

Interesse – Interessante

 

-ed

Interest – Interesting Interst – Interested

 

Interesse – Interessado

 
 

Sufixos formadores de verbos

 
   

Sufixo

 

Exemplo

Tradução

 
 

-ify

Code – Codify

 

Código – Codificar

-em

       

-ise / -ize

 

Quick – Quicken Symbol – Symbolise / Symbolize

 

Rápido – Apressar Símbolo – Simbolizar

Consulte os quadros acima sempre que necessário, e copie os sufixos e prefixos que você considera mais difíceis para poder memorizá-los mais facilmente. E agora, antes de finalizar esta Aula, faça os exercícios propostos a seguir.